Você está na página 1de 6

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO –

CAMPUS RIO VERDE

GILMAR FERNANDO DE MELO JÚNIOR

ESTRUTURAS DE MADEIRA
ESCORAS DE MADEIRA

Rio Verde – GO
2017
1. INTRODUÇÃO
Na construção civil, a madeira é empregada de duas formas: de modo
temporário e de forma definitiva. Em uso temporário pode-se citar a utilização em
fôrmas para concreto, andaimes e escoras, já de forma definitiva pode ser utilizada
em componentes estruturais, nas estruturas de cobertura, portas, janelas, nos pisos
e forros.
A madeira possui muitas propriedades que a coloca como um material atraente
se comparado a outros. Dentre essas propriedades, pode-se citar o baixo consumo
de energia no seu processamento, alta resistência específica, boa qualidade no
isolamento térmico e elétrico, e por ser um material com boa trabalhabilidade tanto
manualmente quanto por meio de máquinas. Por ser um material higroscópico, a
madeira é diretamente influenciada pelo teor de umidade.
Sobre uma das aplicações da madeira na construção civil, as escoras (Figura
1) e as fôrmas (Figura 2) são de extrema importância. O escoramento é uma estrutura
provisória que tem como finalidade suportar as cargas de uma estrutura que será
permanente ou não e as fôrmas que são a invólucro da estrutura de concreto armado.
Esses dois itens representam uma grande variação no custo de uma obra e na sua
qualidade final.

Figura 1: Ilustração de escoras de madeira utilizada para sustentar a laje.

Fonte: MAROTA, Bruno. Dicas importantes que aprendi com a laje da nossa casa. Disponível em:
<http://modoconstrucao.blogspot.com.br/2012/04/dicas-para-construcao-e-economia-com.html>
Acesso em: 31 de março de 2017.
Figura 2: Ilustração de fôrmas de madeira usada na execução da viga baldrame.

Fonte: Formas de concreto: o que você deve saber. Disponível em:


<http://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/formas-para-concreto/> Acesso em: 31 de março de
2017.

2. ESCORAS
A ABCP define escoramento como uma estrutura provisória composta por um
conjunto de elementos que apoiam as fôrmas de lajes e vigas, suportando as cargas
atuantes como o peso próprio do concreto, movimentação de operários e
equipamentos, dentre outras, transmitindo para a estrutura anterior ou para o piso,
até que a estrutura se torne autoportante. O escoramento também pode ser utilizado
como uma plataforma, que serve de suporte para os equipamentos, caixa d’água,
entre outras coisas necessárias na obra.
Com a grande questão que é sempre levantada quando se trata de obras, que
é o desperdício, que pode ser provido de uma mão de obra desqualificada, ou a falta
de otimização dos projetos ou até mesmo a aplicação inadequada do material, um
escoramento bem projetado e uma escolha apropriada de equipamentos, fazem com
que esse problema de desperdício seja reduzido, resultando num canteiro de obras
mais limpo, com agilidade e racionalização na produção, tudo isso gerando um baixo
custo no fim da construção.
2.1 MATERIAIS UTILIZADOS NA FABRICAÇÃO DE ESCORAS
Hoje em dia, existem no mercado dois tipos de materiais que podem ser
utilizados no processo de escoramento. A madeira e o metal, sendo que a madeira
pode ser dividida em duas categorias: a madeira serrada e a madeira bruta.
Para realizar a escolha de qual material será utilizado, é necessário realizar um
estudo aprofundado nas características da obra, considerando a mão de obra que
será utilizada, o tempo para executar o escoramento e a qualidade final da estrutura.
Também é necessário analisar a necessidade de reutilização desses escoramentos,
pois sendo uma estrutura de grande porte, provavelmente esses escoramentos serão
utilizados mais de uma vez.

2.1.1 Madeira Bruta


Esse tipo de escoras é encontrado geralmente na forma de troncos de
eucalipto (Figura 3). É um sistema rudimentar, pois o material encontrado é
heterogêneo, gerando um superdimensionamento, pois os cálculos são feitos para os
piores casos. Para fazer o nivelamento desse tipo de escora é necessário a utilização
de cunhas, como mostrado na figura 4, comprometendo assim a sua estabilidade,
sendo necessário utilizar sarrafos para o travamento vertical, gerando uma grande
mão de obra. Uma vantagem desse material é seu baixo custo e a facilidade de ser
encontrado.
Figura 3: Escora de tronco de eucalipto.

Fonte: Escoras. Disponível em: <http://tijolosnojambeiro.blogspot.com.br/2011_07_01_archive.html>


Acesso em: 31 de março de 2017.
Figura 4: Cunha usada para reforçar o apoio de escoras de madeira bruta.

Fonte: GUIMARÃES, Isadora. Lajes treliçadas. Disponível em:


<https://blogdopetcivil.com/2012/01/20/lajes-trelicadas/> Acesso em: 31 de março de 2017.

2.1.2 Madeira Serrada


É um material imbatível quando se trata de custo em obras lenta se comparado
ao sistema metálico. Foi criado junto com o sistema “formapronta”, é composta por
madeiras, padronizadas e com encaixes previstos.
A ABCP mostra que esses tipos de materiais são compostos normalmente por:
 Escoras simples de pontaletes 3”×3” para lajes;
 Escoras duplas (garfos) de pontaletes 3”×3” para as vigas;
 Longarinas de sarrafos 1”×6” duplos;
 Barrotes de sarrafos 1”×4” ou pontaletes 3”×3”.
As desvantagens são que o nivelamento é também através de cunhas e seu
reuso é restrito a apenas uma obra já que existe uma grande dificuldade de reforma
e de adaptação a outras dimensões.
3. REFERÊNCIAS

 CARMO, Eduardo João Zanotto. Fôrmas e Escoramentos. São Paulo, 2007.


50 p.
 IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S. A.; São
Paulo. Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil. São Paulo, 2003. 60
p.
 ZENID, Geraldo José. Madeira na construção civil. Disponível em:
<http://www.celso-foelkel.com.br/artigos/outros/Madeira%20na%20constru%E
7%E3o%20civil.pdf> Acesso em: 21 de março de 2017.

Você também pode gostar