Você está na página 1de 3

Teste de Literatura Portuguesa – 10ºano

I
Lê, atentamente, a cantiga de D. Dinis.

Quer'eu em maneira de proençal


fazer agora un cantar d'amor,
e querrei muit'i loar mia senhor NOTAS
a que prez nen fremusura non fal, v.1 proençal – provençal
nen bondade; e mais vos direi en:
v. 3 querrei – quererei
tanto a fez Deus comprida de ben
que mais que todas las do mundo val. v. 3 loar – louvar
v. 4 prez – preço, valor moral;
Ca mia senhor quiso Deus fazer tal,
v. 4 fal – faltam
quando a faz, que a fez sabedor v. 5. en – dela
de todo ben e de mui gran valor, v. 8 ca – porque
e con todo est'é mui comunal v. 8 quiso – quis
ali u deve; er deu-lhi bon sen, v. 11 e com todo est’ - e apesar disso
e des i non lhi fez pouco de ben, v. 11 comunal – sociável
quando non quis que lh'outra foss'igual. v. 12 sen – juízo
v. 13 dês i – apesar disso
Ca en mia senhor nunca Deus pôs mal, v. 16 loor – louvor
mais pôs i prez e beldad'e loor v. 20 compridamente – perfeitamente
e falar mui ben, e riir melhor v. 21 ca non á, tra-lo seu ben, - porque ninguém a
que outra molher; des i é leal
excede nas suas qualidades.
muit', e por esto non sei oj'eu quen
possa compridamente no seu ben
falar, ca non á, tra-lo seu ben, al.

El-Rei D. Dinis, CV 123, CBN 485

1) Classifica esta cantiga atendendo à forma e à temática


1.1).Distingue no poema as duas partes principais.
2).Faz o levantamento de todas as palavras e expressões que desenham o retrato da «senhor», de forma a
concluir sobre as suas qualidades físicas, morais e sociais.
3).Demonstra que na cantiga existem indícios de platonismo.
4).Caracteriza o sujeito poético da cantiga perante este modelo de mulher.
5).Depois de teres analisado atentamente a cantiga, elabora uma síntese da mesma.

II

Indica como Verdadeiro ou Falso as seguintes afirmações:

1 - A par das cantigas de amigo e das cantigas de escárnio e maldizer, a cantiga de amor é um dos três grandes
géneros em que se divide a lírica galego-portuguesa.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
2 - Chegaram até nós três colectâneas de poesias: o Cancioneiro da Vaticana, o Cancioneiro da Biblioteca Nacional e o
Cancioneiro da Ajuda, todos eles contendo composições que vão do século X ao século XV.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
3 - Os trovadores mais famosos foram o rei Afonso X de Castela, o rei D. Dinis de Portugal e Luís de Camões.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
4 - Um dos principais traços que distinguem a cantiga de amigo da cantiga de amor é o facto de na primeira ser a
donzela, ou namorada, quem fala, dirigindo-se a seres da natureza, à mãe ou a amigas num desabafo ou na narrativa
breve de um episódio relacionado com o seu amigo.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
5 - Nas cantigas de amigo podemos encontrar o estado emocional da donzela e a natureza a responder à interpelação
da donzela.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
6 - Nas cantigas de amigo, o ambiente é geralmente o do campo, da beira-mar, da fonte, do adro da igreja e,
eventualmente, o doméstico.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
7 - Consoante o ambiente em que decorrem, as cantigas de amor são classificadas como bailias, cantigas de romaria,
barcarolas, cantigas de fonte, ou albas.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
8 - Alguns dos trovadores que se distinguiram no género das cantigas de amigo são Nuno Fernandes Torneol,
Mendinho, D. Dinis, Airas Nunes e Martim Codax.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
9 - O encavalgamento é um processo poético que consiste em colocar no verso seguinte uma ou mais palavras que
completam o sentido do verso anterior ("O anel do meu amigo, / perdi-o sô lo verde pino").
A)
Verdadeiro
B)
Falso
10 - O paralelismo constitui uma das características estruturais da lírica galego-portuguesa, consistindo na repetição
simétrica de palavras, estruturas rítmico-métricas ou conteúdos semânticos. Nas cantigas de amigo, o paralelismo
consubstancia-se frequentemente no leixa-prem, um processo de articulação estrófica, pelo qual o 2.º verso da 1.ª
estrofe é retomado no 1.º verso da 3.ª estrofe, ao mesmo tempo que o 2.º verso da 2.ª estrofe é repetido no 1.º da 4.ª
estrofe, e assim sucessivamente, mantendo invariável o refrão, ao mesmo tempo que cada par de dísticos realiza um
paralelismo semântico.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
11 - Fortemente influenciada pelo lirismo provençal, na cantiga de amor, o trovador, fazendo eco de um ideal de amor
cortês, exprime o seu amor correspondido por uma dama equiparada a um suserano a quem o amante deve um
serviço de amor consubstanciado em atitudes de louvor, fidelidade, abnegação.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
12 - Formalmente, a cantiga de amor apresenta um maior investimento que as cantigas de amigo na variação dos
esquemas métricos, rítmicos e retóricos, numa predominância das cantigas de mestria sobre as de refrão, no recurso
à "atá-fiinda", ao dobre e mordobre.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
13 - Predominante nas cantigas de amor dos trovadores galego-portugueses, a cantiga de mestria é uma composição
que se caracteriza pela presença de refrão.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
14 - "Atá fiinda" é um recurso poético usado pelos trovadores galego-portugueses, em composições formalmente
mais complexas e que consiste em encadear sintacticamente e de forma ininterrupta os versos e as estrofes de uma
composição.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
15 - Dobre é uma técnica retórica que consistia na repetição, ao longo do poema, de palavras no mesmo ponto do
verso ou estrofe. Ao contrário do mordobre, a palavra reiterada, por vezes sob a forma de trocadilho, não era
flexionada.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
16 - A cantiga de maldizer distingue-se da cantiga de escárnio pelo facto de na primeira a sátira ser menos directa,
baseando-se em trocadilhos e ironias, sem identificar a pessoa satirizada, ao contrário do que sucede nas cantigas de
escárnio, que por vezes chegam a ser grosseiras.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
17 - O repertório linguístico da sátira pessoal, social, moral, religiosa e política, surpreende pela sua amplitude e
recorrente obscenidade, transmitindo involuntariamente informações ímpares sobre a mentalidade e cultura laica
medievais.
A)
Verdadeiro
B)
Falso
18 - Entre os trovadores que as cultivaram, contam-se João Garcia de Guilhade, Martim Soares, Afonso X, Pero Gomes
Barroso e Gil Vicente.
A)
Verdadeiro
B)
Falso

III
Comenta a seguinte afirmação:

“...Os trovadores encarregaram-se de fazer a reportagem dos acontecimentos mais ou menos


escandalosos da época. É precisamente este critério, dum lado o facto político, literário e social, de
outro a crítica mordaz incidindo sobre ele, que nos vai servir de norma para uma sistematização (…)do
escárnio do século XII...”
Rodrigues Lapa, Lições de Literatura Portuguesa, Época Medieval.