Você está na página 1de 2

Ficha de trabalho – Capítulo I – Amor de Perdição

1. Mostre como, neste capítulo, a narração cobre um amplo período de tempo e é feita em
ritmo acelerado.
2. A primeira metade do capítulo acompanha a relação conjugal de Domingos e
Rita Preciosa.
2.1 Caracterize Domingos Botelho física, psicológica e socialmente.
2.2 Caracterize agora Rita Preciosa nos mesmos termos.
2.3 Descreva a relação conjugal que Domingos mantinha com Rita Preciosa.
3. A novela Amor de perdição é vista como uma crónica de costumes.
3.1 Explicite dois aspetos de crítica social representados neste capítulo.
3.2 Identifique o recurso estilístico presente na frase de Rita «Cuidei que o
tempo parara aqui no século doze…» e comente a sua expressividade.
4. Simão Botelho sofrerá uma evolução ao longo da novela. Caracterize-o tal como
surge neste primeiro capítulo de Amor de perdição.
5. Comente a relação que Simão estabelece com os demais membros da sua família.

Ficha de trabalho – Capítulo I – Amor de Perdição

1. Mostre como, neste capítulo, a narração cobre um amplo período de tempo e é feita em
ritmo acelerado.
2. A primeira metade do capítulo acompanha a relação conjugal de Domingos e
Rita Preciosa.
2.1 Caracterize Domingos Botelho física, psicológica e socialmente.
2.2 Caracterize agora Rita Preciosa nos mesmos termos.
2.3 Descreva a relação conjugal que Domingos mantinha com Rita Preciosa.
3. A novela Amor de perdição é vista como uma crónica de costumes.
3.1 Explicite dois aspetos de crítica social representados neste capítulo.
3.2 Identifique o recurso estilístico presente na frase de Rita «Cuidei que o
tempo parara aqui no século doze…» e comente a sua expressividade.
4. Simão Botelho sofrerá uma evolução ao longo da novela. Caracterize-o tal como
surge neste primeiro capítulo de Amor de perdição.
5. Comente a relação que Simão estabelece com os demais membros da sua família.
RESPOSTAS:
1. Em 1758, Fernão Botelho relacionou-se com nobres associados à tentativa de
regicídio. Em 1767, Domingos Botelho forma-se em Coimbra; é juiz em Cascais, em 1775, e é
transferido para Vila Real em 1784, ano em que nasce o filho Simão; em 1801 é corregedor em
Viseu.
1.1 A ação narrada neste capítulo cobre um período de mais de quatro décadas. Os
acontecimentos são contados de forma abreviada e, por isso, sucedem-se a um ritmo acelerado.
2.
2.1 Domingos era um fidalgo de província, de compleição feia, o que o torna inseguro na
relação com a mulher. Apesar de pouco inteligente, era orgulhoso e um talentoso flautista.
Domingos revelou-se ambicioso mas mesquinho.
2.2 Rita era uma aristocrata lisboeta que se destacava pela beleza. Neste capítulo revela-
se arrogante, orgulhosa da sua linhagem e sarcástica na forma como desdenha os outros. É
também autoritária com o marido.
2.3 Na relação do casal, Rita tem claramente ascendência sobre o marido: toma
decisões, desdenha-o e consegue levar avante os seus planos. Domingos aceita o domínio de
Rita até porque receia desagradar-lhe, em parte por insegurança sua.
3.
3.1 Neste capítulo, criticam-se a arrogância da nobreza de Lisboa na figura de Rita e a
mesquinhez gananciosa de alguns fidalgos nos episódios dos pastéis e da vitela.
3.2 O recurso expressivo é a ironia; com ela pretende-se demonstrar a presunção de
Rita, que achava a fidalguia de província atrasada e sem gosto.
4. Simão é um jovem de feições e compleição agradáveis. É determinado e corajoso, mas
revela-se agressivo e indisciplinado.
5. Simão tem uma relação de alguma distância e frieza com os pais, que não o estimam da
mesma forma que estimam os demais filhos. Fria é também a relação com a maioria dos irmãos.
Apenas com a irmã mais nova Simão tem mais proximidade.

Interesses relacionados