Você está na página 1de 10

DICAS DO CARVALHO

Material: CRISTIANO CARVALHO


Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
CONTEÚDO: 1. Seguridade Social. 1.1 Origem e evolução legislativa no Brasil. 1.2 Conceituação. 1.3 Organização e
princípios constitucionais. 2. Legislação Previdenciária. 2.1 Conteúdo, fontes, autonomia. 2.3 Aplicação das normas
previdenciárias. 2.3.1 Vigência, hierarquia, interpretação e integração.

SEGURIDADE SOCIAL

ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL:

Origem:

Nos primórdios da sociedade até meados do século XIX, a Proteção Social era ofertada ao desabastados por sua própria família,
pelo resto de sua vida. Outro mecanismo protetivo rudimentar é a assistência voluntária, quando pessoas estranhas à família
auxiliam os necessitados (socorros públicos e casas de misericórdia), como no caso das casas de assistência aos idosos ou
mesmo das esmolas dadas a estes nas ruas. Apesar de antigas, as proteções da família e da assistência voluntária estão
presentes até os dias de hoje.

Evolução:

Constituição de 1824: A primeira manifestação normativa sobre assistência social veio imprimida na Constituição de 1824,
preconizando a instituição dos socorros públicos (art. 179). No entanto, nada de concreto assegurava ao cidadão, não tendo
maiores consequências práticas.

1835 – Criação do MONGERAL: O primeiro montepio surgiu em 22 de junho de 1835, o Montepio Geral dos Servidores do
Estado (MONGERAL), funcionou através de mutualismo, ou seja, um grupo de pessoas se associou e contribuiu a fim de que
fosse formado um fundo para a cobertura de determinados infortúnios, sendo a primeira entidade privada a funcionar no país.
Tivemos o mutualismo como forma organizatória e como precedente precioso da Previdência Oficial (Previdência Privada).

Constituição de 1891: Primeira a conter a expressão “aposentadoria” (art. 75), porém somente os servidores públicos gozavam
deste direito (somente casos de invalidez), não necessitando realizar contribuições, ou seja, a prestação era custeada pelo
Estado de forma integral, ainda não se verificava regra de previdência social.
..........................................................................................................................................................................................
NO MUNDO:

1917: Tivemos a primeira Constituição no mundo a mencionar a expressão seguro social, a do México.
..........................................................................................................................................................................................

Dec. Legislativo 4.682/1923: Em, 24/01/1923, surge o marco inicial da Previdência Social no Brasil: A LEI ELOY CHAVES (LEC). O
Deputado Federal Eloy Marcondes de Miranda Chaves, a pedido dos trabalhadores ferroviários estaduais, criou para estes a
Caixa de Aposentadoria e Pensão (CAP). A LEC previa que cada empresa de estradas de ferro no Brasil deveria criar e custear
parcialmente a sua própria CAP em favor de seus trabalhadores. Além disso, deveria prever quais benefícios seriam concedidos
e quais seriam as contribuições da empresa e dos trabalhadores para a respectiva CAP.

Era Vargas (1930 em diante): Em decorrência de problemas com as CAP, o governo decidiu unificá-las em Instituto de
Aposentadoria e Pensão (IAP), que não mais seriam organizadas por empresas, mas sim pela categoria profissional.

CF/1934: Pela primeira vez uma carta magna nos trouxe que o custeio da previdência ocorreria de forma tríplice, com
contribuição dos empregadores, dos trabalhadores e do Estado.

CF/1946: Foi à primeira Constituição a adotar o termo “Previdência Social” de forma expressa em substituição a expressão
“Seguridade Social”.

1960: A Lei nº 3.807 unificou toda a legislação securitária, ficando conhecida como Lei Orgânica da Previdência Social (LOPS).

1966: Foi publicado o Decreto-Lei nº 72 que unificou os IAPs, criando o INPS (Instituto Nacional da Previdência Social), órgão
público de natureza autárquica (unificação legislativa e administrativa).

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
1977: Com o advento da Lei nº 6.439, o governo criou o SINPAS (SISTEMA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL),
unificando 07 entidades no total:

DATAPREV (Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social); IAPAS (Instituto de Administração Financeira da
Previdência e Assistência Social); FUNABEM (Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor); INPS (Instituto Nacional de
Previdência Social); CEME (Central de Medicamentos); INAMPS (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência
Social); LBA (Legião Brasileira de Assistência).

CF/1988: Nasce o conceito de Seguridade Social no Brasil.

CONCEITUAÇÃO:

Art. 194, CF: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da
sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

Seguridade Social = Previdência + Assistência Social + Saúde

SAÚDE – arts. 196 a 200, CF → direito de todos independente de contribuição.


PREVIDÊNCIA SOCIAL – arts. 201 e 202, CF → direito de todos aqueles que contribuem para o sistema.
ASSISTÊNCIA SOCIAL – arts. 203 e 204, CF → direito de todos aqueles que necessitam, independente de contribuição.

1990: Criação do INSS, que se deu pela Lei 8.029/90;

FUSÃO:

INPS + IAPAS = INSS

1991: Foram publicados os diplomas básicos da seguridade social:

Lei 8.212/91 – Plano de Custeio da Seguridade Social;

Lei 8.213/91 – Plano de Benefícios da Previdência Social.

1999: Foi criado o Regulamento da Previdência Social, através do Decreto n° 3.048, regulamentando os dispositivos presentes
no PCSS e PBPS.

2005: A Lei 11.098 criou a SRP (Secretaria da Receita Previdenciária), transferindo toda a parte de fiscalização e controle das
contribuições sociais do INSS para a SRP. Nesse momento o INSS deixou de cuidar da parte de custeio para tratar apenas da
Parte de Benefícios.

2007: Foi publicado a Lei 11.457, sendo extinta a SRP, sendo todas as suas atribuições repassadas para a então SRF (Secretaria
da Receita Federal), que a partir daquele momento passou a ser denominada Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB).

Assim temos:

RFB (Receita Federal do Brasil) – Controle, Arrecadação e Fiscalização de todas as contribuições sociais devidas à Previdência
Social. – Parte de Custeio.

INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) – Controle e concessão dos benefícios previdenciários. – Parte de Benefícios.

ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS:

O Direito Previdenciário, como ramo autônomo do Direito, possui princípios próprios. Alguns princípios são exclusivos
da Seguridade Social, o que revela sua autonomia didática, enquanto outros são genéricos, aplicáveis a todos os ramos do
Direito, inclusive o Securitário. Para fins de prova, importante estar ligado nos princípios constitucionais (também chamados
objetivos), que estão sempre presente em provas das mais diversas bancas. Vejamos:
Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
CF art. 194, Parágrafo único:
Compete ao Poder Público, nos termos da lei, organizar a seguridade social, com base nos seguintes objetivos:

I - Universalidade da cobertura e do atendimento (UCA);

A universalidade da cobertura demonstra que a Seguridade Social tem como objetivo cobrir toda e qualquer necessidade de
proteção social da sociedade em geral, como a velhice, a maternidade, casos de doença, invalidez e morte.
A universalidade do atendimento demonstra que a Seguridade Social tem como objetivo atender a todas as pessoas, pelo
menos em regra.
II - uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais (UEBS);
Não deve haver diferença entre trabalhadores urbanos e rurais. A prestação do benefício ou do serviço ao segurado deve ser o
mesmo, independentemente de ser ele um trabalhador do campo ou da cidade.
III - seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços (SDBS);
A prestação de benefícios e serviços à sociedade não pode ser infinita. Diante disso, deve o Estado lançar mão da Seletividade
para fornecer benefício e serviços em razão das condições e cada um, fazendo de certa forma uma seleção de quem será
beneficiado.
No que tange a Distributividade deve-se buscar a redistribuição de renda aos mais pobres e garantir o atendimento em todas
as regiões do país.

IV - irredutibilidade do valor dos benefícios (IRRVB);


Diz respeito ao reajuste do valor pago pelo benefício, o qual deve ter seu valor atualizado de acordo com a variação do INPC
(Índice Nacional de Preços ao Consumidor). É a segurança jurídica dos benefícios como forma de manter o poder aquisitivo.

CF/88, art. 201, §4º. É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real,
conforme critérios definidos em lei.
V - eqüidade na forma de participação no custeio (EFPC);
Segundo este princípio, pessoas com o mesmo potencial contributivo devem contribuir de forma semelhante, enquanto que
pessoas com menor potencial contributivo devem contribuir com valores menores.
VI - diversidade da base de financiamento (DBF);
A base de financiamento deve ser a mais ampla possível.
CF/88, art. 195, §4º. A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social.
VII - caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos
trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados (DDQ).
Esse princípio visa à participação da sociedade, em geral, na gestão da Seguridade social. Com atuação de participantes dos
trabalhadores, empregadores, aposentados/pensionistas e do governo, nos órgãos colegiados que representam a Saúde,
Previdência Social e Assistência Social.
Consequência da necessidade de Gestão quadripartite, temos o surgimento do CNPS:
CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (CNPS): O Conselho Nacional de Previdência Social é órgão superior de
deliberação colegiada, tem como principal objetivo estabelecer o caráter democrático e descentralizado da administração,
mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos
órgãos colegiados.
Composição: 15 membros:

I – 06 representantes do governo federal;


II – 09 representantes da sociedade civil, sendo:
a) 03 representantes dos aposentados e pensionistas;
b) 03 representantes dos trabalhadores em atividade;
c) 03 representantes dos empregadores.
Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
Regras importantes para a prova sobre o CNPS:

1 – Os membros da sociedade civil e seus respectivos suplentes, serão indicados pelas Centrais Sindicais e pelas Confederações
Nacionais, no entanto, os 15 membros serão (mais os suplentes) nomeados pelo Presidente da República;

2 – Os representantes titulares da sociedade civil são garantidos por um mandado de 02 anos, com apenas uma recondução
consecutiva por igual período;

3 – O CNPS será presidido pelo Ministro de Estado da Previdência Social;

4 – As reuniões ordinárias do CNPS ocorrerão 01 vez por mês, por convocação de seu Presidente, podendo ser adiada em no
máximo 15 dias, se houver requerimento da maioria dos conselheiros (08 membros) nesse sentido (maioria absoluta);

5 – As reuniões extraordinárias poderão ser convocadas pelo Presidente ou por requerimento de 1/3 dos conselheiros;

6 – As reuniões do Conselho serão iniciadas com a presença da maioria absoluta de seus conselheiros, sendo exigida a
deliberação pela maioria simples dos membros presentes;

7 – As ausências ao trabalho serão abonadas;

8 – Os membros e suplentes gozam de estabilidade provisória no emprego, da nomeação até 01 ano após o término do
mandato, só podendo ser dispensado por motivo de falta grave, regularmente comprovada mediante processo judicial;

9 – Compete aos Órgãos Governamentais encaminhar ao CNPS, com antecedência mínima de 02 meses do seu envio ao
Congresso Nacional, a proposta orçamentária da Previdência Social, devidamente detalhada.

OUTROS PRINCÍPIOS DE VITAL IMPORTÂNCIA:


1 – SOLIDARIEDADE (art. 3º, I, CF): Traduz o verdadeiro espírito da previdência social, que visa à proteção coletiva, na qual as
pequenas contribuições individuais geram recursos suficientes para a criação de um manto protetor sobre todos, viabilizando a
concessão de prestações previdenciárias em decorrência de eventos preestabelecidos.
A solidariedade impede a adoção de um sistema de capitalização pura em todos os segmentos da previdência social, em
especial no que diz respeito aos benefícios não programados, pois o mais afortunado deve contribuir com mais, tendo em vista
escassez de recursos e contribuições de outros.
2 – CONTRAPARTIDA (PRÉ-EXISTÊNCIA DE CUSTEIO): Nenhum benefício poderá ser criado, majorado ou estendido sem a fonte
de custeio prévio. Este princípio visa o equilíbrio atuarial e financeiro do sistema securitário. O benefício demanda o custeio,
assim como a contribuição exige algum benefício.
Art. 195, §5º, CF - Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a
correspondente fonte de custeio total.
3 – PROGRESSIVIDADE DAS CONTRIBUIÇÕES: Estabelecimento de alíquotas ou base de cálculos diferenciados para as
contribuições da Seguridade Social das empresas ou entidades a elas equiparadas em função da: atividade econômica,
utilização de mão de obra intensiva, porte da empresa e condição estrutural do mercado.
Art. 195, §9º, CF - As contribuições sociais previstas no inciso I do caput deste artigo (da empresa ou entidades equiparadas)
poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-de-
obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho.
4 – NOVENTENA (ANTERIORIDADE NONAGESIMAL MITIGADA): As contribuições sociais para a Seguridade Social só poderão
ser exigidas depois de decorridos 90 dias da data de promulgação da lei que as houver instituído ou modificado.
Art. 195, §6º, CF - As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas depois de decorridos noventa dias
da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b".

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA:
COMPETÊNCIA:
Art. 22, CF – Compete privativamente à UNIÃO legislar sobre:
XXIII – seguridade social;
* Competência privativa pode ser delegada por lei complementar.
Art. 24, CF – Compete à União, aos Estados e ao DF legislar concorrentemente sobre:
XII – previdência social, proteção e defesa da saúde.
LOGO:
Competência Privativa → Seguridade Social.
Competência Concorrente → Previdência Social e Saúde.
TIPOS DE REGIME PREVIDENCIÁRIO:
RGPS = CLT + EMPREGADOS PÚBLICOS
RPPS = SERVIDORES PÚBLICOS (U, E, DF, MUN)
REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR = FACULTATIVO PARA TODOS.
CONTEÚDO, FONTES E AUTONOMIA:
CONTEÚDO: Legislação previdenciária é o conjunto de leis e atos administrativos referentes ao funcionamento do sistema
securitário. Este complexo de normas jurídicas costuma ter relações com toda a seguridade social, ou seja, previdência social,
assistência social e saúde.
Daí vem à relevância da legislação previdenciária, como sistema composto por leis, decretos, portarias, pareceres, instruções
normativas etc.
FONTES: Qualquer fonte de Direito, na acepção formal, inclusive na área securitária, decorre de uma estrutura de poder, a qual
traz a necessária garantia de cumprimento de determinada norma imposta à sociedade.
Sobre o tema temos as seguintes classificações:
a) Fontes materiais do direito: são todos os atos e fatos humanos que inspiram a criação e o conteúdo dos atos normativos
(fontes formais do direito).
b) Fontes formais do direito: os atos normativos e as jurisprudências produzidas pelo Poder Público, em razão das Fontes
Materiais.
c) Fontes primárias (principais): é a lei em sentido estrito.
Ex.: CF, Lei complementar e Lei Ordinária.

d) Fontes secundárias (complementares): são instrumentos utilizados para explicar as fontes primárias.
Ex.: Decretos, Portarias e Instruções Normativas.

AUTONOMIA: Para alguns, o surgimento do Direito Previdenciário veio a partir de segmentação do Direito Administrativo,
devido à organização estatal da proteção social, enquanto outros o consideram como evolução do Direito do Trabalho, devido
ao fato de trazer normas referentes à relação entre patrões e trabalhadores, incluindo aí preceitos de ordem previdenciária.

A autonomia do Direito Previdenciário é consequência do conjunto de princípios jurídicos próprios deste ramo, além do
complexo de normas aplicáveis a este segmento. Pode-se, ainda, encontrar conceitos jurídicos exclusivos do Direito
Previdenciário, como, por exemplo, o salário-de-benefício ou o salário-de-contribuição, os quais são estranhos a outros ramos
do Direito.

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
APLICAÇÃO DAS NORMAS PREVIDENCIÁRIAS: VIGÊNCIA, HIERARQUIA, INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO:

VIGÊNCIA: Diz respeito à sua existência jurídica em determinado momento. Em geral, a vigência da lei previdenciária não
difere das demais leis, que, salvo, disposição em contrário, começam a vigorar em todo o país 45 dias depois de oficialmente
publicadas (art. 1º da LINDB).
*Exceções: princípio da anterioridade nonagesimal mitigada e leis que estabelecem períodos de transição.

HIERARQUIA: A hierarquia das normas é a ordem de graduação entre estas, segundo uma escala decrescente, na qual a norma
superior é substrato de validade da norma inferior. A legislação previdenciária é submetida a esta mesma hierarquia,
prevalecendo às normas constitucionais em detrimento das legais e estas, em detrimento das normas complementares.

A princípio, não há hierarquia entre as duas leis básicas da previdência (Leis 8.212 e 8.213), cabendo algumas regras de
preferência em caso de conflito de normas: norma específica prevalece sobre a genérica e o in dúbio pro misero.

INTERPRETAÇÃO: Visa a determinar o sentido e a abrangência das normas jurídicas, de modo que seu aplicador alcance a
correta mens legis.

Vejamos as principais formas de interpretação:

a) Gramatical ou Literal: deve prevalecer o significado literal das palavras utilizadas pelo legislador.

b) Finalística ou Teleológica: será aplicada a legislação que atenda o fim almejado pelo legislador. É dado destaque ao objetivo
a ser alcançado.

c) Sistemática: é analisada de acordo com o sistema em que está inserida. Será feito um estudo de todas as normas que tratam
daquele mesmo assunto.

d) Histórica: busca conhecer e entender o que pensava o legislador na época da edição da lei. Quais os objetivos e motivos
alegados na época.

e) Autêntica: feita por quem editou a lei inicialmente, usada para tirar dúvidas, disciplinar o alcance da lei.

f) Restritiva ou Limitativa: o intérprete busca a mais correta interpretação a ser aplicada, pois neste caso o legislador dispôs
além do que era necessário.

g) Extensiva: neste caso o texto é restrito, o legislador disse menos do que se esperava, exigirá uma análise ampla.

INTEGRAÇÃO: Visa o preenchimento de lacunas do ordenamento jurídico, buscando a solução adequada para a lide.

Técnicas de integração:

A) Analogia: busca-se a opção que seria feita pelo legislador, baseando-se em previsões análogas, existentes no ordenamento
jurídico. Em suma, previsões similares.

B) Equidade: é a aplicação da justiça social.

C) Costumes: são práticas reiteradas, de longa data, pela sociedade e aceitas como corretas.

D) Princípios Gerais do Direito: fornecem as principais diretrizes do ordenamento jurídico, responsáveis pela fundação de toda
a construção jurídica.

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
TREINAMENTO

1 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Com relação à evolução histórica e à organização institucional da previdência social, julgue
o item a seguir.
A Constituição Federal de 1934 inovou a ordem constitucional brasileira no que se refere à fonte do custeio previdenciário, que passou a
ser tríplice, provinda de contribuições do Estado, do trabalhador e do empregador.
( ) CERTO ( ) ERRADO

2 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Com relação à evolução histórica e à organização institucional da previdência social, julgue
o item a seguir.
A Constituição de Weimar, de 1919, foi o primeiro diploma legal de magnitude constitucional em que se tratou de tema previdenciário.
( ) CERTO ( ) ERRADO

3 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Embora a Lei Eloy Chaves, de 1923, seja considerada, na doutrina majoritária, o marco da
previdência social no Brasil, apenas em 1960, com a aprovação da Lei Orgânica da Previdência Social, houve a uniformização do
regramento de concessão dos benefícios pelos diversos institutos de aposentadoria e pensão então existentes.
( ) CERTO ( ) ERRADO

4 - (CESPE – 2013 – TRT 10ª Região) O princípio do caráter democrático da administração da seguridade social preconiza que sua gestão
será quadripartite, com a participação da União, dos estados, dos municípios e do Distrito Federal.
( ) CERTO ( ) ERRADO

5 - (CESPE – 2010 – TRT 21ª Região) Em relação à história da previdência no Brasil, julgue os itens que se seguem.
Com a criação do Instituto Nacional do Seguro Social, foram unificados, nesse instituto, todos os órgãos estaduais de previdência social.
( ) CERTO ( ) ERRADO

6 - (CESPE – 2010 – DETRAN-ES) A Lei n.º 3.807/1960, conhecida como Lei Orgânica da Previdência Social, notabilizou-se por ter
uniformizado a legislação previdenciária dos diversos institutos de aposentadoria e pensão.
( ) CERTO ( ) ERRADO

7 - (CESPE – 2010 – TRT 21ª Região) A previdência social, por seu caráter necessariamente contributivo, não está inserida no sistema
constitucional da seguridade social.
( ) CERTO ( ) ERRADO

8 - (CESPE – 2010 – TCE/BA) Na evolução da previdência social brasileira, o modelo dos institutos de aposentadoria e pensão, que
abrangiam determinadas categorias profissionais, foi posteriormente substituído pelo modelo das caixas de aposentadoria e pensão, que
eram criadas na estrutura de cada empresa.
( ) CERTO ( ) ERRADO

9 - (CESPE – 2010 – DPU) Em relação aos institutos de direito previdenciário, julgue os itens que se seguem.
A Lei Eloy Chaves (Decreto Legislativo n.º 4.682/1923), considerada o marco da Previdência Social no Brasil, criou as caixas de
aposentadoria e pensões das empresas de estradas de ferro, sendo esse sistema mantido e administrado pelo Estado.
( ) CERTO ( ) ERRADO

10 - (CESPE – 2008 – INSS) A fusão da Secretaria da Receita Federal com a Secretaria da Receita Previdenciária centralizou em apenas
um órgão a arrecadação da maioria dos tributos federais. Contudo, a fiscalização e a arrecadação das contribuições sociais destinadas
aos chamados terceiros SESC, SENAC, SESI, SENAI e outros permanecem a cargo do INSS.
( ) CERTO ( ) ERRADO

11 - (CESPE – 2008 – INSS) O Instituto Nacional do Seguro Social, autarquia federal atualmente vinculada ao Ministério da Previdência
Social, surgiu, em 1990, como resultado da fusão do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS) e o
Instituto de Administração Financeira da Previdência e Assistência Social (IAPAS).
( ) CERTO ( ) ERRADO

12- (CESPE – 2015 - TRF 5ª Região/Juiz Federal) Considerando que, no âmbito do direito previdenciário, os princípios se confundem com
os objetivos da seguridade social, assinale a opção correta.
a) A distributividade na prestação dos serviços visa evitar, entre outros efeitos, a concentração de atendimento em certas regiões do país
em detrimento de outras.
b) Historicamente, a irredutibilidade do valor dos benefícios tem sido adotada tanto em seu sentido real quanto nominal.
c) A universalidade de cobertura restringe-se ao aspecto objetivo da seguridade social, ao passo que a universalidade de atendimento, ao
aspecto subjetivo.
d) A equivalência dos benefícios e serviços prestados às populações urbanas e rurais deve ser entendida com relatividade, admitindo-se,
no âmbito principiológico, diferenciações decorrentes da relevância de uns trabalhadores sobre outros.
e) O princípio da seletividade evidencia as diferenças que podem ser admitidas no tratamento entre beneficiários de um mesmo regime.
Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
13 - (CESPE – 2014 – TC/DF) Com relação à origem, à evolução legislativa, aos princípios constitucionais e à organização da seguridade
social no Brasil, julgue o próximo item.
A seguridade social rege-se pelo princípio constitucional da solidariedade, segundo o qual nenhum benefício poderá ser criado sem a
correspondente fonte de custeio total.
( ) CERTO ( ) ERRADO

14 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Acerca da seguridade social, julgue o item que se segue.
A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à
assistência social, tendo entre seus objetivos a universalidade da cobertura e do atendimento bem como a uniformidade e a equivalência
dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais.
( ) CERTO ( ) ERRADO

15 (CESPE – 2013 – TC/DF) Uma norma legal que apenas altere o prazo de recolhimento das contribuições sociais destinadas à
previdência social não se sujeitará ao princípio da anterioridade.
( ) CERTO ( ) ERRADO

16 - (CESPE – 2010 – TCE/BA) O princípio constitucional que estabelece a uniformidade e a equivalência dos benefícios e serviços às
populações urbanas e rurais representou um avanço na proteção social do trabalhador rural, que, até a CF, era mais restrita quando
comparada à do trabalhador urbano.
( ) CERTO ( ) ERRADO

17 - (CESPE – 2008 – PGE/ES) A administração da seguridade social possui caráter democrático mediante gestão quadripartite, com a
participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do governo nos órgãos colegiados.
( ) CERTO ( ) ERRADO

18 - (CESPE – 2008 – PGE/ES) O princípio da distributividade na prestação de benefícios e serviços tem sua expressão maior na área de
saúde, dado o amplo alcance conferido pela intensa utilização do Sistema Único de Saúde.
( ) CERTO ( ) ERRADO

19 - (CESPE – 2008 – INSS) Um dos objetivos da seguridade social é a universalidade da cobertura e do atendimento, meta cumprida em
relação à assistência social e à saúde, mas não à previdência.
( ) CERTO ( ) ERRADO

20 - (CESPE – 2014 – TC/DF) Com relação à origem, à evolução legislativa, aos princípios constitucionais e à organização da seguridade
social no Brasil, julgue o próximo item.
A seguridade social é organizada sob a forma de regime geral único, gerido pelo INSS, de caráter contributivo, observados os critérios
que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial.
( ) CERTO ( ) ERRADO

21 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Acerca da legislação previdenciária, especialmente no que se refere às suas fontes,
autonomia, vigência e interpretação, julgue o item que se segue.
Ao se utilizar do método de interpretação teleológico o intérprete busca compatibilizar o texto legal a ser interpretado com as demais
normas que compõem o ordenamento jurídico, visualizando a lei objeto de interpretação como parte de um todo.
( ) CERTO ( ) ERRADO

22 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Acerca da legislação previdenciária, especialmente no que se refere às suas fontes,
autonomia, vigência e interpretação, julgue o item que se segue.
A vigência da lei de natureza previdenciária segue a regulamentação da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, de modo que,
salvo disposição contrária, entra em vigor quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada.
( ) CERTO ( ) ERRADO

23 - (CESPE – 2014 – Câmara dos Deputados) Acerca da legislação previdenciária, especialmente no que se refere às suas fontes,
autonomia, vigência e interpretação, julgue o item que se segue.
As fontes formais do direito previdenciário incluem a CF e as Leis n.º 8.212/1991 e n.º 8.213/1991.
( ) CERTO ( ) ERRADO

24 - (CESPE – 2008 – INSS) Pelo fato de serem concedidos independentemente de contribuição, os benefícios e serviços prestados na
área de assistência social prescindem da respectiva fonte de custeio prévio.
( ) CERTO ( ) ERRADO
25 - (CESPE – 2008 – INSS) A importância da proteção social justifica a ampla diversidade da base de financiamento da seguridade
social. Com o objetivo de expandir ou de garantir a seguridade social, a lei poderá instituir outras fontes de financiamento, de acordo
com o texto constitucional.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
26 - (CESPE – 2008 – DPE) No regime de distribuição de competências legislativas promovido pela Constituição Federal, a seguridade
social e, especificamente, a previdência social incluem-se entre as competências privativas da União.
( ) CERTO ( ) ERRADO

27 - (CESPE – 2007 – AGU) No regime de distribuição de competências legislativas promovido pela Constituição Federal, a seguridade
social e, especificamente, a previdência social incluem-se entre as competências privativas da União.
( ) CERTO ( ) ERRADO

28 - (CESPE – 2003 – AFPS) A equidade na forma de participação do custeio, como princípio da Previdência Social, é diretriz dirigida ao
legislador ordinário e corolário do princípio da solidariedade, procura estabelecer normas que ajustem a capacidade contributiva dos
segurados, podendo, inclusive, variar alíquotas ou diferenciar bases de cálculo em razão da atividade econômica ou da utilização de mão
de obra.
( ) CERTO ( ) ERRADO

29 - (CESPE – INSS – Adaptada) A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações destinadas a assegurar os direitos
relativos à saúde, à previdência e à assistência social, tendo entre seus objetivos a universalidade da cobertura e do atendimento bem
como a uniformidade e a equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais.
( ) CERTO ( ) ERRADO

30 - (CESPE – INSS – Adaptada) Embora a Constituição Federal de 1988 (CF) arrole entre os objetivos da organização da seguridade
social o caráter democrático da administração, sua gestão está a cargo exclusivamente do governo federal.
( ) CERTO ( ) ERRADO

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 09/01/2016
AULA 01
GABARITO

1–C 26 – E

2–E 27 – E

3–C 28 – E

4–E 29 – C

5–E 30 – E

6–C

7–E

8–E

9–E

10 – E

11 – E

12 – A

13 – E

14 – C

15 – C

16 – C

17 – C

18 – E

19 – E

20 – E

21 – E

22 – C

23 – C

24 – E

25 – C

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com

Você também pode gostar