Você está na página 1de 11

DICAS DO CARVALHO

Material: CRISTIANO CARVALHO


Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
CONTEÚDO: 3. Regime Geral de Previdência Social. 3.1 Segurados Obrigatórios. 3.2 Filiação e inscrição. 3.3
Conceito, características e abrangência: empregado, empregado doméstico, contribuinte individual, trabalhador
avulso e segurado especial. 3.4 Segurado facultativo: conceito, características, filiação e inscrição. 3.5 Trabalhadores
excluídos do Regime Geral. 4. Empresa e empregador doméstico: conceito previdenciário.

DOS REGIMES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL:

Lei, 8.213/91, Art. 9º. A Previdência Social compreende:

I - o Regime Geral de Previdência Social;

II - o Regime Facultativo Complementar de Previdência Social (objeto de lei específica).

o o
§ 1 O Regime Geral de Previdência Social - RGPS garante a cobertura de todas as situações expressas no art. 1 desta Lei,
exceto as de desemprego involuntário, objeto de lei específica (seguro desemprego), e de aposentadoria por tempo de
o o
contribuição para o trabalhador de que trata o § 2 do art. 21 da Lei n 8.212, de 24 de julho de 1991 (segurados empregados e
trabalhadores avulsos que prestem serviços a microempresas).
Art. 1º A Previdência Social, mediante contribuição, tem por fim assegurar aos seus beneficiários meios indispensáveis de
manutenção, por motivo de incapacidade, desemprego involuntário, idade avançada, tempo de serviço, encargos familiares e
prisão ou morte daqueles de quem dependiam economicamente.
FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO

Filiação: é o vínculo jurídico estabelecido entre o segurado e o INSS, do qual decorrem direitos e obrigações para ambas às
partes.

Inscrição: é o ato formal que identifica o segurado perante a Previdência Social, em suma, é o cadastro do segurado junto ao
INSS. Considera-se inscrição de segurado para os efeitos da previdência social o ato pelo qual o segurado é cadastrado no
Regime Geral de Previdência Social, mediante comprovação dos dados pessoais e de outros elementos necessários e úteis a
sua caracterização

ESQUEMATIZANDO: Inscrição → ato de natureza administrativa


Filiação →vinculação jurídica entre o segurado e o INSS.

Para os segurados obrigatórios (Contribuinte Individual/Trabalhador Avulso/Empregado Doméstico/Empregado/Segurado


Especial):

INÍCIO DA ATIVIDADE
LABORAL REMUNERADA FILIAÇÃO INSCRIÇÃO

 Princípio da Automaticidade da Filiação: Para os segurados obrigatórios, o início da atividade laboral por si só já terá
como consequência a filiação no sistema previdenciário, gerando em seguida ou concomitantemente sua inscrição no
regime.
Para o segurado Facultativo:

INSCRIÇÃO FILIAÇÃO 1º Recolhimento sem atraso

 O segurado facultativo pode filiar-se à Previdência Social por sua própria vontade, o que só gerará efeitos a partir da
inscrição e do primeiro recolhimento, não podendo retroagir e não permitindo o pagamento de contribuições relativas
há meses anteriores à data da inscrição, ressalvadas a situação específica de opção pela contribuição trimestral.

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
Algumas orientações importantes:

1 – Todos os segurados, obrigatórios ou facultativos, deverão realizar sua inscrição junto à Previdência Social;
2 – A pessoa que exerce mais de uma atividade remunerada sujeita ao RGPS será obrigatoriamente inscrita em relação a cada
uma delas;
3 – O segurado obrigatório pode efetuar pagamento retroativo de suas contribuições, desde que comprove ter exercido
atividade laboral remunerada no período em questão;
4 – A filiação do segurado facultativo não pode ocorrer no mesmo mês em que cessar o exercício da atividade sujeita à filiação
obrigatória ou pagamento do benefício previdenciário;
5 – Ao servidor público aposentado, qualquer que seja o regime que esteja vinculado, não será permitida a filiação facultativa
no RGPS;
6 – O exercício de atividade prestado de forma gratuita ou voluntária não gera filiação obrigatória à Previdência Social;
7 – O NIT/NIS será único, pessoal e intransferível, independentemente de alteração de categoria profissional;
8 – A inscrição do facultativo se formaliza pela apresentação de documento de identidade e declaração expressa de que não
exerce atividade que o enquadre na categoria de segurado obrigatório.
DICAS IMPORTANTES:
1 - Todo aquele que exercer, concomitantemente, mais de uma atividade remunerada sujeita ao Regime Geral de Previdência
Social será obrigatoriamente inscrito em relação a cada uma delas.
2 - Presentes os pressupostos da filiação, admite-se a inscrição post mortem do segurado especial.
3 - A comprovação dos dados pessoais e de outros elementos necessários e úteis à caracterização do segurado poderá ser
exigida quando da concessão do benefício.
4 - A inscrição do segurado especial será feita de forma a vinculá-lo ao seu respectivo grupo familiar e conterá, além das
informações pessoais, a identificação da forma do exercício da atividade, se individual ou em regime de economia familiar; da
condição no grupo familiar, se titular ou componente; do tipo de ocupação do titular de acordo com tabela do Código Brasileiro
de Ocupações; da forma de ocupação do titular vinculando-o à propriedade ou embarcação em que trabalha, da propriedade
em que desenvolve a atividade, se nela reside ou o município onde reside e, quando for o caso, a identificação e inscrição da
pessoa responsável pelo grupo familiar.
5 - O segurado especial integrante de grupo familiar que não seja proprietário do imóvel rural ou da embarcação em que
desenvolve sua atividade deve informar, no ato da inscrição, conforme o caso, o nome e o CPF do parceiro ou meeiro
outorgante, arrendador, comodante ou assemelhado.
DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL:

DOS BENEFICIÁRIOS:

Os beneficiários do Regime Geral de Previdência Social classificam-se como segurados e dependentes.

SEGURADOS OBRIGATÓRIOS:

Contribuinte Individual: Não tem vínculo empregatício.

Inscrição: pela apresentação de documento que caracterize a sua condição ou o exercício de atividade profissional, liberal ou
não.
a) a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade agropecuária, a qualquer título, em caráter permanente ou
temporário, em área superior a 4 (quatro) módulos fiscais; ou, quando em área igual ou inferior a 4 (quatro) módulos fiscais ou
o
atividade pesqueira, com auxílio de empregados ou por intermédio de prepostos; ou ainda nas hipóteses dos §§ 9 e 10 deste
artigo;
b) a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade de extração mineral - garimpo, em caráter permanente ou
temporário, diretamente ou por intermédio de prepostos, com ou sem o auxílio de empregados, utilizados a qualquer título,
ainda que de forma não contínua;
c) o ministro de confissão religiosa e o membro de instituto de vida consagrada, de congregação ou de ordem religiosa;
Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
d) o brasileiro civil que trabalha no exterior para organismo oficial internacional do qual o Brasil é membro efetivo, ainda que lá
domiciliado e contratado, salvo quando coberto por regime próprio de previdência social;
e) o titular de firma individual urbana ou rural, o diretor não empregado e o membro de conselho de administração de
sociedade anônima, o sócio solidário, o sócio de indústria, o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração
decorrente de seu trabalho em empresa urbana ou rural, e o associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação
ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, bem como o síndico ou administrador eleito para exercer atividade de direção
condominial, desde que recebam remuneração;
f) quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais empresas, sem relação de emprego;
g) a pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não.
Trabalhador Avulso: Quem presta, a diversas empresas, sem vínculo empregatício, serviço de natureza urbana ou rural, com
intermediação obrigatória do OGMO ou do sindicato da categoria.
Inscrição: pelo cadastramento e registro no sindicato ou órgão gestor de mão-de-obra.
Trabalhador Doméstico: Aquele que presta serviço de natureza contínua a pessoa ou família, no âmbito residencial desta, em
atividades sem fins lucrativos.

Inscrição: pela apresentação de documento que comprove a existência de contrato de trabalho.

o
Definição da LC 150/2015: Art. 1 Ao empregado doméstico, assim considerado aquele que presta serviços de forma contínua,
subordinada, onerosa e pessoal e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas, por mais de 2
(dois) dias por semana, aplica-se o disposto nesta Lei.

Empregado: Detentor de vínculo empregatício.

Inscrição: pelo preenchimento dos documentos que os habilitem ao exercício da atividade, formalizado pelo contrato de
trabalho.

a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e
mediante remuneração, inclusive como diretor empregado;
b) aquele que, contratado por empresa de trabalho temporário, definida em legislação específica, presta serviço para atender a
necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços de outras
empresas;
c) o brasileiro ou o estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em sucursal ou agência de
empresa nacional no exterior;
d) aquele que presta serviço no Brasil a missão diplomática ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a elas
subordinados, ou a membros dessas missões e repartições, excluídos o não-brasileiro sem residência permanente no Brasil e o
brasileiro amparado pela legislação previdenciária do país da respectiva missão diplomática ou repartição consular;
e) o brasileiro civil que trabalha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou internacionais dos quais o Brasil
seja membro efetivo, ainda que lá domiciliado e contratado, salvo se segurado na forma da legislação vigente do país do
domicílio;
f) o brasileiro ou estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em empresa domiciliada no
exterior, cuja maioria do capital votante pertença a empresa brasileira de capital nacional;
g) o servidor público ocupante de cargo em comissão, sem vínculo efetivo com a União, Autarquias, inclusive em regime
especial, e Fundações Públicas Federais;
h) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de previdência
social;
i) o empregado de organismo oficial internacional ou estrangeiro em funcionamento no Brasil, salvo quando coberto por
regime próprio de previdência social.
Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
Segurado Especial: A pessoa física residente no imóvel rural ou em aglomerado urbano ou rural próximo a ele que,
individualmente ou em regime de economia familiar, ainda que com o auxílio eventual de terceiros, na condição de:
Inscrição: pela apresentação de documento que comprove o exercício de atividade rural.
a) produtor, seja proprietário, usufrutuário, possuidor, assentado, parceiro ou meeiro outorgados, comodatário ou
arrendatário rurais, que explore atividade:
1. agropecuária em área de até 4 (quatro) módulos fiscais;
2. de seringueiro ou extrativista vegetal que exerça suas atividades nos termos do inciso XII do caput do art. 2º da Lei nº
9.985, de 18 de julho de 2000, e faça dessas atividades o principal meio de vida;
b) pescador artesanal ou a este assemelhado que faça da pesca profissão habitual ou principal meio de vida; e
c) cônjuge ou companheiro, bem como filho maior de 16 (dezesseis) anos de idade ou a este equiparado, do segurado de que
tratam as alíneas a e b deste inciso, que, comprovadamente, trabalhem com o grupo familiar respectivo.
o
§ 1 Entende-se como regime de economia familiar a atividade em que o trabalho dos membros da família é indispensável
à própria subsistência e ao desenvolvimento socioeconômico do núcleo familiar e é exercido em condições de mútua
dependência e colaboração, sem a utilização de empregados permanentes.
o
§ 8 Não descaracteriza a condição de segurado especial:
I – a outorga, por meio de contrato escrito de parceria, meação ou comodato, de até 50% (cinqüenta por cento) de imóvel rural
cuja área total não seja superior a 4 (quatro) módulos fiscais, desde que outorgante e outorgado continuem a exercer a
respectiva atividade, individualmente ou em regime de economia familiar;
II – a exploração da atividade turística da propriedade rural, inclusive com hospedagem, por não mais de 120 (cento e vinte)
dias ao ano;
III – a participação em plano de previdência complementar instituído por entidade classista a que seja associado em razão da
condição de trabalhador rural ou de produtor rural em regime de economia familiar; e
IV – ser beneficiário ou fazer parte de grupo familiar que tem algum componente que seja beneficiário de programa
assistencial oficial de governo;
V – a utilização pelo próprio grupo familiar, na exploração da atividade, de processo de beneficiamento ou industrialização
o
artesanal, na forma do § 11 do art. 25 da Lei n 8.212, de 24 de julho de 1991; e

VI - a associação em cooperativa agropecuária ou de crédito rural; e

VII - a incidência do Imposto Sobre Produtos Industrializados - IPI sobre o produto das atividades desenvolvidas nos termos do
§ 12.

o
§ 9 Não é segurado especial o membro de grupo familiar que possuir outra fonte de rendimento, exceto se decorrente
de:
I – benefício de pensão por morte, auxílio-acidente ou auxílio-reclusão, cujo valor não supere o do menor benefício de
prestação continuada da Previdência Social;
II – benefício previdenciário pela participação em plano de previdência complementar instituído nos termos do inciso IV do §
o
8 deste artigo;
III - exercício de atividade remunerada em período não superior a 120 (cento e vinte) dias, corridos ou intercalados, no ano
civil, observado o disposto no § 13 do art. 12 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991;
IV – exercício de mandato eletivo de dirigente sindical de organização da categoria de trabalhadores rurais;
V – exercício de mandato de vereador do Município em que desenvolve a atividade rural ou de dirigente de cooperativa rural
constituída, exclusivamente, por segurados especiais, observado o disposto no § 13 do art. 12 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de
1991;

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
o
VI – parceria ou meação outorgada na forma e condições estabelecidas no inciso I do § 8 deste artigo;
VII – atividade artesanal desenvolvida com matéria-prima produzida pelo respectivo grupo familiar, podendo ser utilizada
matéria-prima de outra origem, desde que a renda mensal obtida na atividade não exceda ao menor benefício de prestação
continuada da Previdência Social; e
VIII – atividade artística, desde que em valor mensal inferior ao menor benefício de prestação continuada da Previdência Social.
SEGURADO FACULTATIVO:
Art. 13. É segurado facultativo o maior de 14 (quatorze) anos que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, mediante
contribuição, desde que não incluído nas disposições do art. 11.
Inscrição: pela apresentação de documento de identidade e declaração expressa de que não exerce atividade que o enquadre
na categoria de segurado obrigatório.
DEPENDENTES:
São beneficiários do Regime Geral de Previdência Social, na condição de dependentes do segurado:
I - o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos
ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado
judicialmente;
II - os pais;
III - o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência
intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente;
Regras:
1 - A existência de dependente de qualquer das classes deste artigo exclui do direito às prestações os das classes seguintes;
2 - O enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho mediante declaração do segurado e desde que comprovada a
dependência econômica na forma estabelecida no Regulamento;
3 - Considera-se companheira ou companheiro a pessoa que, sem ser casada, mantém união estável com o segurado ou com a
segurada, de acordo com o § 3º do art. 226 da Constituição Federal;
4 - A dependência econômica das pessoas indicadas no inciso I é presumida e a das demais deve ser comprovada;
5 – Menor sob guarda não é considerado dependente.
SUM 336 STJ – A mulher que renunciou aos alimentos na separação judicial tem direito à pensão previdenciária por morte do
ex-marido, comprovada a necessidade econômica superveniente.
TRABALHADORES EXCLUÍDOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

Art. 10. O servidor civil ocupante de cargo efetivo ou o militar da União, Estado, Distrito Federal ou Município, bem como o
das respectivas autarquias e fundações, são excluídos do Regime Geral de Previdência Social consubstanciado neste
Regulamento, desde que amparados por regime próprio de previdência social.

§ 1º Caso o servidor ou o militar, amparados por regime próprio de previdência social, sejam requisitados para outro órgão ou
entidade cujo regime previdenciário não permita a filiação nessa condição, permanecerão vinculados ao regime de origem,
obedecidas às regras que cada ente estabeleça acerca de sua contribuição.

§ 2º Caso o servidor ou o militar venham a exercer, concomitantemente, uma ou mais atividades abrangidas pelo Regime
Geral de Previdência Social, tornar-se-ão segurados obrigatórios em relação a essas atividades.

§ 3º Entende-se por regime próprio de previdência social o que assegura pelo menos as aposentadorias e pensão por morte
previstas no art. 40 da Constituição Federal.

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
CONCEITO PREVIDENCIÁRIO DE EMPRESA E EMPREGADOR DOMÉSTICO

Empresa → a firma individual ou a sociedade que assume o risco de atividade econômica urbana ou rural, com fins lucrativos
ou não, bem como os órgãos e as entidades da administração pública direta, indireta e fundacional; e

Empregador doméstico → aquele que admite a seu serviço, mediante remuneração, sem finalidade lucrativa, empregado
doméstico.

Equiparam-se a empresa, para os efeitos do Regulamento da Previdência Social:

I - o contribuinte individual, em relação a segurado que lhe presta serviço;


II - a cooperativa, a associação ou a entidade de qualquer natureza ou finalidade, inclusive a missão diplomática e a repartição
consular de carreiras estrangeiras;
III - o operador portuário e o órgão gestor de mão-de-obra de que trata a Lei nº 8.630, de 1993; e
IV - o proprietário ou dono de obra de construção civil, quando pessoa física, em relação a segurado que lhe presta serviço.

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO INSS:

Dec. 7556/2011:
o
Art. 2 O INSS tem a seguinte estrutura organizacional:

I - órgãos de assistência direta e imediata ao Presidente:

a) Gabinete;
b) Assessoria de Comunicação Social;
c) Coordenação-Geral de Planejamento e Gestão Estratégica;
d) Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação; e
e) Centro de Formação e Aperfeiçoamento do Instituto Nacional do Seguro Social;

II - órgãos seccionais:

a) Procuradoria Federal Especializada;


b) Auditoria-Geral;
c) Corregedoria-Geral;
d) Diretoria de Orçamento, Finanças e Logística; e
e) Diretoria de Gestão de Pessoas;

III - órgãos específicos singulares:

a) Diretoria de Benefícios;
b) Diretoria de Saúde do Trabalhador; e
c) Diretoria de Atendimento; e

IV - unidades descentralizadas:

a) Superintendências-Regionais;
b) Gerências-Executivas;
c) Agências da Previdência Social;
d) Procuradorias-Regionais;
e) Procuradorias-Seccionais;
f) Auditorias-Regionais; e
g) Corregedorias-Regionais.

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
PORTARIA N 387, DE 1 DE SETEMBRO DE 2015

Art. 2 São exigidos os seguintes requisitos para nomeação ao cargo de Superintendente Regional:

I - aprovação em cursos de gestão;


II - exercício de, no mínimo, três anos na função de Gerente-Executivo; e
III - realização de, no mínimo, cinco dias úteis de estágio orientado e avaliado na Sala de Monitoramento.

Art. 3 São requisitos para designação à função de Gerente-Executivo:

I - aprovação em cursos de gestão; e


II - exercício de, no mínimo, dois anos na função de Gerente de Agência da Previdência Social.

Art. 4 É requisito para designação à função de Gerente de Agência da Previdência Social aprovação em cursos de gestão.

Art. 5 Os cursos de gestão serão definidos e atualizados por atos específicos do INSS.

Art. 6 Em casos excepcionais devidamente justificados, o atendimento ao inciso I dos arts. 2 , 3 e ao art. 4 , poderá ser parcial
no momento da designação ou nomeação, com a conclusão posterior do conjunto de cursos de gestão, no prazo máximo de
seis meses a contar do início do exercício na referida função.

Parágrafo único. O não cumprimento do prazo acarretará necessária dispensa ou exoneração do cargo.

Art. 7 Estão dispensados do requisito previsto no inciso II do arts. 2 e 3 , os servidores que tenham exercido cargo em comissão,
função gratificada ou comissionada pelo período mínimo de quatro anos ou os servidores que já ocuparam, como titulares,
cargos de Direção e Assessoramento Superiores - DAS 3 ou superiores pelo período mínimo de doze meses, ininterruptos, no
âmbito do MPS e/ou do INSS.

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
TREINAMENTO:

Em cada um dos itens subsequentes, é apresentada uma situação hipotética acerca da identificação dos segurados da previdência social,
seguida de uma assertiva a ser julgada.

1 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Otávio, contador, é aposentado por regime próprio de previdência social e começou
a prestar serviços de contabilidade em sua residência. Dada a qualidade de seus serviços, logo foi contratado para dar expediente em
uma grande empresa da cidade. Nessa situação, Otávio não é segurado do regime geral, tanto por ter pertencido a um regime próprio,
quanto por ser aposentado.
( ) CERTO ( ) ERRADO

2 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Miguel, civil, brasileiro nato que mora há muito tempo na Suíça, foi contratado em
Genebra para trabalhar na Organização Mundial de Saúde. Seu objetivo é trabalhar nessa entidade por alguns anos e retornar ao Brasil,
razão pela qual optou por não se filiar ao regime próprio daquela organização. Nessa situação, Miguel é segurado obrigatório da
previdência social brasileira na qualidade de contribuinte individual.
( ) CERTO ( ) ERRADO

3 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Claudionor tem uma pequena lavoura de feijão em seu sítio e exerce sua atividade
rural apenas com o auxílio da família. Dos seus filhos, somente Aparecida trabalha fora do sítio. Embora ajude diariamente na
manutenção da plantação, Aparecida também exerce atividade remunerada no grupo escolar próximo à propriedade da família.
Nessa situação, Claudionor e toda a sua família são segurados especiais da previdência social.
( ) CERTO ( ) ERRADO

4 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Beatriz trabalha, em Brasília, na sucursal da Organização das Nações Unidas e não
tem vinculação com regime de previdência estrangeiro. Nessa situação, Beatriz é segurada da previdência social brasileira na condição de
contribuinte individual.
( ) CERTO ( ) ERRADO

5 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Para a previdência social, uma pessoa que administra a construção de uma casa,
contratando pedreiros e auxiliares para edificação da obra, é considerada contribuinte individual.
( ) CERTO ( ) ERRADO

6 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Um síndico de condomínio que resida no condomínio que administra e receba
remuneração por essa atividade é segurado da previdência social na qualidade de empregado.
( ) CERTO ( ) ERRADO

7 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Um cidadão belga que seja domiciliado e contratado no Brasil por empresa nacional
para trabalhar como engenheiro na construção de uma rodovia em Moçambique é segurado da previdência social brasileira na qualidade
de empregado.
( ) CERTO ( ) ERRADO

8 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Um adolescente de 14 anos de idade, menor aprendiz, contratado de acordo com a
Lei n.o 10.097/2000, apesar de ter menos de 16 anos de idade, que é o piso para inscrição na previdência social, é segurado empregado
do regime geral.
( ) CERTO ( ) ERRADO

9 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Um tabelião que seja titular do cartório de registro de imóveis em determinado
município é vinculado ao respectivo regime de previdência estadual, pois a atividade que exerce é controlada pelo Poder Judiciário.
( ) CERTO ( ) ERRADO

10 - (CESPE – 2003) Trabalhador avulso é aquele que presta serviços sem vínculo empregatício, de natureza urbana ou rural, a diversas
empresas, com ou sem a intermediação do sindicato ou órgão gestor de mão de obra.
( ) CERTO ( ) ERRADO

11 - (CESPE – Adaptada) A pessoa física que presta serviço no Brasil à missão diplomática ou a repartição consular de carreira
estrangeira e a órgãos a elas subordinados é segurada obrigatória da previdência social, na qualidade de empregado.
( ) CERTO ( ) ERRADO

12- (CESPE – Adaptada) Aquele que, como contrapartida pelo desempenho das atividades de síndico do condomínio edilício onde resida,
seja dispensado do pagamento da taxa condominial, sem receber qualquer outro tipo de remuneração, enquadra-se como segurado
facultativo do RGPS.
( ) CERTO ( ) ERRADO

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
13 - (CESPE – Adaptada) O fato de um dos integrantes do seu núcleo familiar desempenhar atividade urbana não implica, por si só, a
descaracterização do trabalhador rural como segurado especial, devendo-se proceder à análise do caso concreto.
( ) CERTO ( ) ERRADO

14 - (CESPE – Adaptada) O bolsista remunerado que se dedica em tempo integral à pesquisa e o segurado recolhido à prisão sob regime
fechado – e que, nesta condição, exerça atividade artesanal por conta própria dentro da unidade prisional – são segurados obrigatórios
do RGPS.
( ) CERTO ( ) ERRADO

15 (CESPE – Adaptada) É segurado obrigatório da Previdência Social, como empregado, o membro de instituto de vida consagrada.
( ) CERTO ( ) ERRADO

16 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Célia, professora de uma universidade, eventualmente, presta serviços de
consultoria na área de educação. Por isso, Célia é segurada empregada pela atividade de docência e contribuinte individual quando
presta consultoria.
Nessa situação, Célia tem uma filiação para cada atividade.
( ) CERTO ( ) ERRADO

17 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Fernanda foi casada com Lucas, ambos segurados da previdência social. Há muito
tempo separados, resolveram formalizar o divórcio e, pelo fato de ambos trabalharem, não foi necessária a prestação de alimentos entre
eles.
Nessa situação, Fernanda e Lucas, após o divórcio, deixarão de ser dependentes um do outro junto à previdência social.
( ) CERTO ( ) ERRADO

18 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Célio, segurado empregado da previdência social, tem um filho, com 28 anos de
idade, que sofre de doença degenerativa em estágio avançado, sendo, portanto, inválido. Nessa condição, o filho de Célio é considerado
seu dependente, mesmo tendo idade superior a dezoito anos.
( ) CERTO ( ) ERRADO

19 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Paulo é, de forma comprovada, dependente economicamente de seu filho, Juliano,
que, em viagem a trabalho, sofreu um acidente e veio a falecer. Juliano à época do acidente era casado com Raquel. Nessa situação,
Paulo e Raquel poderão requerer o benefício de pensão por morte, que deverá ser rateado entre ambos.
( ) CERTO ( ) ERRADO

20 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) César, segurado da previdência social, vive com seus pais e com seu irmão,
Getúlio, de 15 anos idade. Nessa situação, o falecimento de César somente determina o pagamento de benefícios previdenciários a seus
pais e a seu irmão se estes comprovarem dependência econômica com relação a César.
( ) CERTO ( ) ERRADO

21 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Edson é menor de idade sob guarda de Coutinho, segurado da previdência social.
Nessa situação, Coutinho não pode requerer o pagamento do salário família em relação a Edson, já que este não é seu dependente.
( ) CERTO ( ) ERRADO

22 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) Gilmar, inválido, e Solange são comprovadamente dependentes econômicos do
filho Gilberto, segurado da previdência social, que, por sua vez, tem um filho. Nessa situação, Gilmar e Solange concorrem em igualdade
de condições com o filho de Gilberto para efeito de recebimento eventual de benefícios.
( ) CERTO ( ) ERRADO

23 - (CESPE – 2003 – Questões) Uma professora do ensino fundamental de âmbito municipal, que esteja amparada por regime próprio
de previdência e ministre aulas particulares em sua residência, estará dispensada de recolher contribuições ao INSS quanto à
remuneração que receba proveniente da atividade de professora particular.
( ) CERTO ( ) ERRADO

24 - (CESPE – Questões) Segundo disposição constitucional, a previdência social deverá ser organizada sob a forma de regime geral, de
caráter contributivo, porém de filiação facultativa.
( ) CERTO ( ) ERRADO

25 - (CESPE – 2013 – TCE-RO)A filiação na qualidade de segurado facultativo representa ato volitivo, gerando efeito somente a partir da
inscrição e do primeiro recolhimento da contribuição previdenciária, não podendo retroagir, salvo no caso das donas de casa.
( ) CERTO ( ) ERRADO

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
26 - (CESPE – 2013 – TCE-RO) A inscrição do segurado trabalhador avulso no RGPS ocorre pelo cadastramento e registro no sindicato ou
órgão gestor de mão de obra.
( ) CERTO ( ) ERRADO

27 - (CESPE – 2010 – DPU) Quanto à filiação do segurado obrigatório à previdência social, vigora o princípio da automaticidade, segundo
o qual a filiação desse segurado decorre, automaticamente, do exercício de atividade remunerada, independentemente de algum ato seu
perante a previdência social. A inscrição, ato material de registro nos cadastros da previdência social, pode ser concomitante ou posterior
à filiação, mas nunca, anterior.
( ) CERTO ( ) ERRADO

28 - (CESPE – 2008 – INSS/Analista do Seguro) O trabalho informal é fenômeno evidente nas grandes metrópoles brasileiras e a inserção
previdenciária das pessoas nessa situação é um dos fatores que desequilibram as contas da previdência social.
( ) CERTO ( ) ERRADO

29 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) O Conselho Nacional da Previdência Social é um dos órgãos de deliberação coletiva
da estrutura do Ministério da Previdência Social, cuja composição, obrigatoriamente, deve incluir pessoas indicadas pelo governo, pelos
empregadores, pelos trabalhadores e pelos aposentados.
( ) CERTO ( ) ERRADO

30 - (CESPE – 2008 – INSS/Técnico do Seguro Social) As gerências executivas são órgãos descentralizados da estrutura administrativa do
INSS; entretanto a escolha e a nomeação dos gerentes executivos são feitas diretamente pelo ministro da Previdência Social sem
necessidade de observação a critérios especiais de seleção.
( ) CERTO ( ) ERRADO

31 - (CESPE – 2008 – DPE-CE) Não há limite mínimo de idade para inscrição no RGPS, considerando-se a necessária proteção ao
trabalhador, em especial a universalidade do atendimento.
( ) CERTO ( ) ERRADO

32 - (CESPE – 2007 – DPU) A idade mínima para filiação ao RGPS é de 16 anos, ressalvados os contratos especiais com idade limite inicial
de 14 anos, ajustados nos termos da legislação trabalhista, de forma escrita e por prazo determinado, assegurando ao menor e ao
aprendiz um programa de aprendizagem e formação técnico profissional metódica compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e
psicológico.
( ) CERTO ( ) ERRADO

33 - (CESPE – Adaptada) A previdência tem caráter democrático nos órgãos colegiados e descentralizados da administração, mediante
gestão tripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores e do governo.
( ) CERTO ( ) ERRADO

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com
DICAS DO CARVALHO
Material: CRISTIANO CARVALHO
Disciplina: LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA
Curso: INSS
Data: 16/01/2016
AULA 02
1–E 26 – C

2–C 27 – C

3–E 28 – E

4–E 29 – C

5–C 30 – E

6–E 31 – E

7–C 32 – C

8–C 33 – E

9–E

10 – E

11 – C

12 – E

13 – C

14 – E

15 – E

16 – C

17 – C

18 – C

19 – E

20 – E

21 – C

22 – E

23 – E

24 – E

25 – E

Dicas do Carvalho
CRISTIANO CARVALHO
E-mail: dicasdocarvalho@gmail.com