Você está na página 1de 37

16 abril - 22 abril

MÓDULO 3 : Galpão - 2ª Parte

Dimensionamento de um Galpão estruturado em aço

 Tópicos do Módulo 3 : 2ª partePágina

 Dimensionamento de um Galpão estruturado em açoPágina

 Dimensionamento de um Galpão estruturado em aço - considerando o ventoPágina

 Duvidas sobre o módulo 3 : 2ª ParteFórum

 Módulo 3 : 2ª Parte - versão para impressãoPágina

 Exercicio de Dimensionamento de GalpãoQuestionário

 Complemento da apostila para Dimensionamento de elementos estruturais em aço - incluindo o


ventoPágina

 Módulo 3 : Galpões estruturados em Aço - Leituras adicionaisPágina

Tópicos do Módulo 3 : 2ª parte

Módulo 3 : Galpões estruturados em Aço


Tópicos deste módulo
Modulo 3 - Galpões estruturados em Aço - 2ª Parte -

Dimensionamento de Elementos Estruturais de um Galpão estruturado em Aço

2º ESTUDO DE CASO - GALPÃO

- Dados de projeto

 1. Definição
 2. Combinações a serem verificadas
o 2.1. Combinação 1
o 2.2. Combinação 2

- Cálculo da Barra 23 (Banzo Inferior)


- Determinação da Força de Tração Resistente de Cálculo

- Cálculo da Barra 08 (Banzo Superior)

- Determinação da Força de Compressão Resistente de Cálculo

3º ESTUDO DE CASO - GALPÃO

Dimensionamento de Elementos Estruturais de um Galpão estruturado em Aço - considerando


a ação do vento

Dimensionamento de um Galpão estruturado em aço

MÓDULO 3 : Galpões estruturados em Aço - 2ª Parte


Dimensionamento de elementos estruturais de um Galpão
estruturado em Aço
2º ESTUDO DE CASO - GALPÃO

Dimensionar os elementos estruturais do galpão abaixo de acordo com a NBR 8800 : 2008
Figura 2a
Perspectiva Galpão_1

Perspectiva Galpão_2
Perspectiva Galpão_3

Dados de projeto

 Usar perfis metálicos laminados ou em chapa dobrada ASTM A36

 Sistema estrutural adotado: treliça, sendo os banzos inferior e superior estruturados


com perfis "U" simples e as diagonais estruturadas com dois perfis "L", paralelos,
afastamento igual a largura dos banzos.

 Pé direito = 4,0m

O galpão suportará as cargas indicadas

Telhas metálicas 0,1 kN/m2

Instalações 0,2 kN/m2

Carga de vento* 0,3 kN/m2

Peso próprio da estrutura 0,15 kN/m2

* Para vãos até 15m, para facilitar os cálculos, podemos considerar a carga de vento como
vertical, distribuída pela área da cobertura. Na realidade, o vento produz cargas de pressão e
sucção e seu comportamento real pode ser estudado na NBR 6123.

1) Definição
O professor Yopanan Rebello define a treliça como "um sistema estrutural formado por barras
que se ligam em nós articulados e sujeitas apenas a esforços de tração e compressão simples.
Para isto as cargas devem ser sempre aplicadas nos nós."

2) Combinações a serem verificadas


Por área de influência, determinamos as cargas concentradas nos nós. Neste caso, devido a
ação do vento, duas combinações devem ser verificadas.
Figura 2b

- Combinação Última Normal

2.1. Combinação 1

Obs: Neste caso, a carga com instalações foi considerada como carga acidental principal

2.2. Combinação 2

Obs: Neste caso, a ação do vento foi considerada como carga acidental principal
Figura 2c

Resolvendo a treliça encontramos a força axial de tração máxima na

BARRA 23 e compressão máxima na BARRA 8.

CÁLCULO DA BARRA 23 (banzo inferior)

Elementos tracionados

Ver item 4 do módulo 1 : 2ª parte

Figura 2d

DETERMINAÇÃO DA FORÇA DE TRAÇÃO RESISTENTE DE CÁLCULO

(Ver Uso do Aço na Arquitetura - Prof. Margarido, Cap.3 P.11)


Seja o perfil "U" 102x7,9 kg/m - laminado

Propriedades Geométricas

Ag = 10,10 cm2
d = 10,16 cm
bf = 4,01 cm
tw = 0,46 cm
Ix = 159,5 cm4
ly = 13,1 cm4
rx = 3,97 cm
ry = 1,14 cm

- Para escoamento da seção bruta

- Para ruptura da seção líquida

Determinação de Ae:

Onde:

- Perfil sem furos

- Força transmitida diretamente por solda ou parafuso

Então:

- Verificação da esbeltez máxima


Sendo que ry=1,14 prevalece na verificação por ser o menor raio de giração da peça, portanto
situação mais propícia à flambagem por vibração ou efeito da ação do vento.

O perfil "U" 102 x 7,9 kg/m atende!

CÁLCULO DA BARRA 08 (banzo superior)

Elementos comprimidos

Ver item 5 do módulo 1 : 2ª parte

Figura 2e

DETERMINAÇÃO DA FORÇA DE COMPRESSÃO RESISTENTE DE CÁLCULO

Seja o perfil "U" 102 x 7,9 kg/m

Propriedades Geométricas

Ag = 10,10 cm2

d = 10,16 cm

bf = 4,01 cm
tw = 0,46 cm

tf = 0,75 cm

Ix = 159,5 cm4

ly = 13,1 cm4

rx = 3,97 cm

ry = 1,14 cm

h = d - 2. tf = 10,16 - 2.0,75= 8,66 cm.

Verificação da flambagem local da Alma

Elementos AA - Possuem duas bordas longitudinais vinculadas


(Caso 2, tabela F.1, Anexo F da Norma)

Verificação da flambagem local das mesas

Elemento AL - Possui uma borda longitudinal vinculada


(Caso 4, tabela F.1, Anexo F da Norma)

Já que alma e mesa têm relação largura/espessura dentro dos limites, =1

Condições dos vínculos


Figura 2f

Valor do índice de esbeltez reduzido em relação aos dois eixos centrais de inércia

O valor de Ne usado é em relação ao eixo central de menor inércia, portanto situação de maior
instabilidade:

O valor do índice de esbeltez reduzido mais desfavorável ficou dentro do limite < 3,
indicando que o valor de pode ser determinado na tabela 4 - Pag. 45 da NBR 8800 : 2008.

Verificação quanto à flambagem global


FINALMENTE,

Obs: Na prática, o perfil poderia ser utilizado a critério do projetista, visto que o valor da força
resistente é quase o valor da força solicitante e temos coeficientes de ponderação que afastam
as solicitações dos limites de ruptura. Porém, didaticamente iremos testar uma nova seção:

Seja agora o perfil "U" 102 x 9,3 kg/m

Propriedades Geométricas

Ag = 11,90 cm2

d = 10,16 cm

bf = 4,18 cm

t w = 0,63 cm

t f = 0,75 cm

Ix = 174,4 cm4

Iy = 15,5 cm4

rx = 3,83 cm

ry = 1,14 cm

h = d-2.t f = 10,16-2.0,75 = 8,66 cm


Verificação da flambagem local da Alma

Elementos AA

Verificação da flambagem local das mesas

Elementos AL

Já que alma e mesa têm relação largura/espessura dentro dos limites, =1

Condições dos vínculos


Figura 2f

Valor do índice de esbeltez reduzido em relação aos dois eixos centrais de inércia

< 3, pode ser determinado na tabela 4 - Pag. 45

= 0,664

Verificação quanto à flambagem global


FINALMENTE,

CONTRAVENTAMENTOS HORIZONTAIS

Como o galpão tem dimensões em planta = 15x30m, podemos fazer o seguinte:

- Contraventaremos os módulos formados entre as treliças TR-1/TR2 e entre a TR-5 e TR-6,


garantindo o espaçamento máximo recomendado de 20 metros entre os travamentos.

- Contraventaremos também todas as bordas para garantir a correta absorção da força do


vento.

- O contraventamento será feito em "X", definindo retângulos em planta de 5,0x6,0m e portanto


formando peças com 7,8m de comprimento (diagonais do retângulo):
Na tabela de cantoneiras de abas iguais, o perfil L 90 x 8,32 kg/m tem raio de giração r = 2,76cm e
portanto atende.

CONTRAVENTAMENTOS VERTICAIS

Prever contraventamentos entre os pilares também entre TR-1/TR2 e entre TR-5/TR-6, garantindo o
espaçamento máximo recomendado de 20 metros.
Como o pé direito é de 4,0m e o espaçamento entre as treliças de 6,0m teremos peças de 7,2m de
comprimento.

O menor comprimento das peças, se comparadas às de cobertura levaria a um perfil ligeiramente mais
leve, porém podemos utilizar a mesma cantoneira L 90 x 8,32 kg/m simplificando-se assim a lista de
materiais do projeto e diminuindo a possibilidade de engano na montagem da estrutura, sem custos
relevantes.

Observações:

1. O dimensionamento das diagonais e montantes das treliças é feito seguindo-se o mesmo


roteiro usado para os cálculos dos banzos.

2. Os pilares do galpão são formados pelo mesmo arranjo estrutural das treliças da cobertura.
Como os cálculos demonstram menores solicitações nos pilares, pode-se repetir as seções
calculadas para a formação destes elementos. No caso de o galpão possuir fechamentos
laterais, para se obter as cargas nos pilares, além das reações normais das treliças de
cobertura, consideram-se elementos estruturais horizontais (treliças ou terças com a maior
inércia na direção horizontal) de fechamento transmitindo as cargas laterais de vento para os
nós do arranjo estrutural do pilar.

3. As terças, responsáveis por transmitir as cargas da cobertura para os nós das treliças,
podem ser consideradas como vigas biapoiadas e o procedimento de cálculo é o mesmo já
visto no estudo do mezanino.

MÓDULO 3 : Galpões estruturados em Aço - 2ª Parte


Dimensionamento de um Galpão estruturado em Aço -
considerando a ação do vento
3º ESTUDO DE CASO - GALPÃO

Ações do Vento em Edificações

Neste exercíco de dimensionamento de um Galpão estruturado em aço, incluímos o efeito do


vento e as cargas decorrentes incidentes sobre a estrutura. Uma vez que esta carga acidental
pode ter grandes variações em função do formato e localização da obra, deve-se incluir o fator
vento. Entretanto, não é nossa intenção apresentar um tratado sobre o cálculo de ventos.
A NBR 6123 - Forças devidas ao vento em edificações - trata e normatiza o assunto em maior
profundidade.

Acrescentamos ainda, como leitura complementar a apostila "AÇÕES DO VENTO EM


EDIFICAÇÕES", de autoria do Prof. Dr. Zacarias Chamberlain Pravia, titular da UFP -
Universidade de Passo Fundo.

Dimensionar os elementos estruturais do galpão abaixo de acordo com a NBR 8800 : 2008
Figura 57 - Perspectiva Isométrica

57a - Perspectiva Galpão_1


Figura 57 b - Perspectiva Galpão_2

Figura 57 c - Perspectiva Galpão_3

Dados de projeto

 Usar perfis laminados de aço ASTM A36

 Sistema estrutural adotado: pórtico treliçado, sendo os banzos inferior e superior


estruturados com perfis "U" simples e as diagonais estruturadas com dois perfis "L",
paralelos, afastamento igual à largura dos banzos.
 O galpão se localiza na região periférica da cidade de São Paulo e é usado como
depósito.

O galpão suportará as cargas indicadas a seguir:

Telhas metálicas 0,1 kN/m2

Instalações na cobertura 0,4 kN/m2

Carga de vento* *de acordo com a NBR 6123/1988

Peso próprio da estrutura0,2 kN/m2


1. Definição

O professor Yopanan Rebello define a treliça como "um sistema estrutural formado por barras
que se ligam em nós articulados e sujeitas apenas a esforços de tração e compressão simples.
Para isto as cargas devem ser sempre aplicadas nos nós."

2. Ações do vento em edificações

Em estruturas esbeltas, como galpões metálicos, ao contrário das edificações convencionais


que possuem elevado peso próprio, o vento passa a ser uma das ações mais importantes a se
determinar no projeto estrutural. É comum a ocorrência de acidentes estruturais em
construções leves de grandes vãos livres quando se despreza as cargas de sobrepressão e
sucção combinadas.

3. Direção do vento

Neste exemplo, para simplificar os cálculos, consideraremos o vento atuando em uma direção
principal (0º), perpendicular à menor face do galpão, aqui considerada como permeável. As
laterais do galpão são impermeáveis (não possuem aberturas). Lembramos que para o
dimensionamento da estrutura principal adota-se a combinação mais crítica entre as
pressões: externa e interna.

A título de ilustração, apresentamos a seguir duas animações com a representação da


incidência do vento sobre um galpão a 0º e a 90º.

Nota: Estas animações fazem parte do tese de Doutorado da Professora Márcia Veloso de
Menezes, Ensino de Estruturas Metálicas, apresentado na UFOP - Universidade Federal de
Ouro Preto. A terceira animação, sobre deformação na barra, pertence ao mesmo trabalho.

Animação - Vento a 0º
Caso sua conexão não seja Banda Larga, opte por fazer o download do vídeo em formato
ZIP clicando aqui.

Animação - Vento a 90º


Caso sua conexão não seja Banda Larga, opte por fazer o download do vídeo em formato
ZIP clicando aqui.

4. Determinação da pressão dinâmica

A pressão dinâmica em condições normais de pressão (1 atm) e temperatura a 15 º é dada


pela expressão:
Onde

V0: velocidade básica, encontrada no mapa de isopletas

S1: fator topográfico, subitem 5.2

S2: fator de rugosidade e dimensões da edificação, Tab.2

S3: fator estatístico, Tab.3, da NBR 6123

Figura 58 - Dados Geométricos

Dados Geométricos

b = 20,00m

a = 60,00m

h = 6,00m

h1 = 1,76m

ß = 10,00 °

d = 6,00m (distância entre os pórticos)


Velocidade básica do vento

Vo = 45,00 m/s

Fator Topográfico (S1)

Terreno plano ou fracamente acidentado S1 = 1,00

Fator de Rugosidade (S2)

Categoria III
Classe C Parâmetros retirados da Tabela 2 da NBR6123/88 que relaciona Categoria e Classe

b = 0,93

Fr = 0,95

p = 0,12

S2 = b * Fr *(z/10)p

S2 = 0,93 * 0,95 *(7,76/10)0,12

S2 = 0,86

Fator Estático (S3)

Grupo 3

S3 = 0,95

Coeficiente de pressão externa

Paredes
Vento 0°
Figura 58 a - Vento 0°

Vento 90°
Figura 58 b - Vento 90°

Telhado
Vento 0°

Figura 58 c - Vento a 0°
Vento 90°

Figura 58 d - Vento a 90°

Cpe médio = -1,00


Coeficiente de pressão interno
Cpi 1 = 0,20

Cpi 2 = -0,30

Velocidade Característica de Vento


Vk = Vo * S1 * S2 * S3

Vk = 45,00 * 1,00 * 0,86 * 0,95

Vk = 36,69 m/s

Pressão Dinâmica
q = 0,613 * Vk²

q = 0,613 * 36,69²

q = 0,83 kN/m²
1º Caso: Ce(0º) + Cpi(+0.2)

Figura 58 e

Esforços Resultantes para o vento a 0º, perpendicular a face permeável Cpi = 0,20

Figura 58 f

Por área de influência determinamos também as outras cargas lineares nos pórticos,
multiplicando as cargas distribuídas "q" pela distância entre os pórticos "d": Carga (kN/m)= q
(kN/m2) x d (m)

Para se obter as cargas concentradas correspondentes nos nós das treliças, basta multiplicar a
carga encontrada pelo espaçamento das terças ou longarinas:

F(kN)= Carga (kN/m) x e (m)

5. Combinações

- Combinação Última Normal


Dentre as várias combinações possíveis, devem-se verificar sempre quais são as que geram
situações de carregamento e reações mais desfavoráveis com o vento atuando a 0º ou 90º, ou
situações onde não é considerado o vento. Em algumas combinações pode acontecer o
curioso fenômeno de o vento de sucção se igualar às cargas gravitacionais da estrutura,
instalações e fechamentos e o resultado das solicitações nas barras da cobertura ser nulo.

5.1. Combinação 1 - Vento a 0º - Esta é uma das combinações que, neste caso, resultará em
menores esforços de tração e compressão nas barras componentes do pórtico devido à
sucção. Mesmo assim deve sempre ser verificada, pois o efeito de sucção pode inverter os
esforços podendo causar tração no banzo superior, compressão no banzo inferior e ainda
reação de tração nas fundações.

Para as cargas aplicadas nos nós das treliças da cobertura:

Para as cargas aplicadas nos nós dos pilares (fechamentos laterais):

Horizontais (vento):

Verticais (pp+telhas):
Figura 58 g - "Cargas no pórtico Comb.1"

5.2. Combinação 2 - Sem as cargas de vento - Esta é uma das combinações críticas, que
resultará em maiores esforços de tração e compressão nas barras componentes do pórtico, e
por isso vai comandar o dimensionamento das barras.

Para as cargas aplicadas nos nós das treliças da cobertura:

Para as cargas aplicadas nos nós dos pilares (fechamentos laterais):

Verticais (pp+telhas):

Nota: Como o galpão tem inclinação de 10°, o espaçamento real das terças da cobertura é um
pouco maior (2,03m). Porém adotaremos 2,0m, por questões didáticas.
Figura 58 h - "Cargas no pórtico Comb.2"

Resolvendo o pórtico, Combinação 2, encontramos a força axial de tração

máxima nas barras do banzo inferior da treliça da cobertura:

Figura 58 i - "Esforços Comb.1"

E da mesma combinação, extraímos a força axial de compressão máxima

de nas barras do banzo superior:

Figura 58 j - "Esforços Comb.2"


Nota: Os esforços da fig. 2c foram extraídos do software Strap e estão representados em Tf.

6. Dimensionamento

CÁLCULO DA BARRA MAIS TRACIONADA DO BANZO INFERIOR

Seja o perfil "U" 76,2 x 6,11 kg/m - laminado

Propriedades Geométricas

Ag = 7,78 cm2

d = 7,62 cm

bf = 3,58 cm

t w = 0,43 cm

Ix = 68,9 cm4

Iy = 8,2 cm4

rx = 2,98 cm

ry = 1,03 cm

- Para escoamento da seção bruta

- Para ruptura da seção líquida

Determinação de Ae:

Onde:
- Perfil sem furos

- Força transmitida diretamente por solda ou parafuso

Então:

- Verificação da esbeltez máxima

Sendo que ry=1,03 prevalece na verificação por ser o menor raio de giração da peça, portanto
situação mais propícia à instabilidade.

Animação - Deformação devido à tração


Caso sua conexão não seja Banda Larga, opte por fazer o download do vídeo em formato
ZIP clicando aqui.

(O PERFIL "U" 76,2x6,11 kg/m ATENDE com folga!)

CÁLCULO DA BARRA MAIS COMPRIMIDA DO BANZO SUPERIOR

Seja o perfil "U" 76,2 x 6,11 kg/m

Propriedades Geométricas

Ag = 7,78 cm2

d = 7,62 cm

bf = 3,58 cm

t w = 0,43 cm

t f = 0,69 cm

Ix = 68,9 cm4

Iy = 8,2 cm4

rx = 2,98 cm

ry = 1,03 cm
h=d-2.t f = 7,62-2.0,69= 6,24 cm

Verificação da flambagem local da Alma

Elementos AA - Possuem duas bordas longitudinais vinculadas (Caso 2, tabela F.1, Anexo F da
Norma)

Verificação da flambagem local das mesas

Elemento AL - Possui uma borda longitudinal vinculada (Caso 4, tabela F.1, Anexo F da
Norma)

Já que alma e mesa têm relação largura/espessura dentro dos limites,

Condições dos vínculos


Figura 58 k - Condições dos vínculos

Valor do índice de esbeltez reduzido em relação aos dois eixos centrais de inércia

O valor de Ne usado é em relação ao eixo central de menor inércia, portanto situação de maior
instabilidade:

O valor do índice de esbeltez reduzido mais desfavorável ficou dentro do limite ,


indicando que o valor de pode ser determinado na tabela 4 - Pag. 45, da norma.

Verificação quanto à flambagem global


Força resistente:

Obs: Observe que o perfil sofreu uma redução de mais de 80% na sua capacidade resistente

em função da grande esbeltez . Como o mesmo perfil passou para o esforço de tração,
seria interessante usá-lo também à compressão, já que a treliça é formada por dois banzos
paralelos e de mesma largura.

Solução: Vamos ver o que acontece diminuindo-se o comprimento de flambagem pela metade.
Na prática esta é uma solução bastante usual e pode ser executada adicionando-se uma
diagonal auxiliar, perpendicular à barra comprimida na direção do menor momento de inércia, e
travando-a na metade do seu comprimento.

Valor do índice de esbeltez reduzido em relação aos dois eixos centrais de inércia,
considerando-se comprimento de flambagem igual a 101cm.

pode ser determinado na tabela 4 - Pag. 45


Verificação quanto à flambagem global já verificado para 203cm, portanto não é mais
necessário verificar.

7. Contraventamentos

CONTRAVENTAMENTOS HORIZONTAIS

Como o galpão tem dimensões em planta = 20x60m, faremos o seguinte:

- Contraventaremos a cada 3 pórticos, satisfazendo o espaçamento máximo recomendado de


20 metros entre os travamentos e criando simetria.

- Contraventaremos também todas as bordas para garantir a eficiente propagação das cargas
de vento.

- O contraventamento será feito em "X", portanto cada peça será a diagonal do retângulo (4,0 x
6,0m), resultando em 7,2m de comprimento total e 3,6m (metade) de comprimento destravado
(fig. 2g).

Figura 58 l - Planta de contraventamento da cobertura


Na tabela de cantoneiras de abas iguais, o perfil L 2.1/2" x 2.1/2" x 6,1 kg/m tem raio de giração
mínimo r = 1,24cm e, portanto atende.

CONTRAVENTAMENTOS VERTICAIS

Prever também contraventamentos verticais a cada 3 pórticos para atender a mesma


recomendação de 20 metros.

Como a altura do pilar é 6,0m, mesma distância entre os pórticos, teremos peças de 8,5m de
comprimento total e 4,25m destravados.

Obs.:

1. O dimensionamento das diagonais e montantes das treliças é feito seguindo-se o mesmo


roteiro usado para os cálculos dos banzos.

2. As terças, responsáveis por transmitir as cargas da cobertura para os nós das treliças,
podem ser consideradas como vigas biapoiadas e o procedimento de cálculo é o mesmo já
visto no estudo do mezanino.

Complemento da apostila para Dimensionamento de elementos


estruturais em aço - incluindo o vento

Módulo 3 : Galpões estruturados em Aço - Leituras


adicionais
Para complementar o conteúdo deste módulo, aos que quiserem se aprofundar no tema, recomendamos a
leitura dos textos adicionais, cujos links apresentamos a seguir.
Para abrir ou baixar estes textos, clique nos links abaixo:
1. Coleção Manuais de Construção em Aço : Galpões para usos gerais -

Rio de Janeiro: Instituto Aço Brasil - Centro Brasileiro da Construção em Aço, 4ª. Edição
revisada e atualizada - 2010

Autores:
Zacarias M. Chamberlain Pravia (Rev.)
Gilnei Artur Drehmer
Enio Mesacasa Júnior

2. Coletânea do uso do Aço - Galpões em Pórticos com Perfis Estruturais Laminados -

1ª Edição 2004 - Gerdau Açominas

Autor: Flávio D'Alambert


3. Ação do Vento em Edificações

- Apostila da UFP - Universidade de Passo Fundo

Autor: Prof. Dr. Zacharias M.Chamberlain Pravia