Você está na página 1de 20
Wilson Araújo – Contabilidade Pública – Aula 035 - 037 Curso de Contabilidade Pública QUESTÕES

Wilson Araújo – Contabilidade Pública – Aula 035 - 037 Curso de Contabilidade Pública

QUESTÕES

2. Você é contador de um ente público e precisa apurar o resultado patrimonial. Considerando o

plano de contas aplicado ao setor público, o caminho mais eficiente (ou mais rápido) a ser

percorrido para realizar sua tarefa é analisar as classes de contas:

A) (Classe 1 – Classe 2) = resultado patrimonial.

B) (Classe 2 – Classe 3) = resultado patrimonial.

C) (Classe 3 – Classe 4) = resultado patrimonial.

D) (Classe 4 – Classe 5) = resultado patrimonial.

E) (Classe 5 – Classe 6) = resultado patrimonial.

E) (Classe 5 – Classe 6) = resultado patrimonial. 3. A estrutura básica do Plano de

3. A estrutura básica do Plano de Contas do setor público apresenta as receitas ordenadas em:

A) operacionais e não operacionais.

B) realizadas e a realizar.

C) orçamentária e extraorçamentária.

D) circulante e não circulante.

E) correntes, de capital e deduções da receita.

1

Eu Vou Passar – e você?

4. O Plano de Contas objetiva, em geral, o estabelecimento de normas e procedimentos para

4. O Plano de Contas objetiva, em geral, o estabelecimento de normas e procedimentos para o

registro contábil pelas entidades do setor público, de forma a viabilizar a consolidação das

contas públicas. De acordo com o Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público, são diretrizes do PCASP:

1. Harmonização dos procedimentos contábeis com os princípios e normas de contabilidade,

sempre observando a legislação vigente.

2. Existência da necessária vinculação entre as classificações orçamentária e patrimonial.

3. As contas devem ser construídas, estritamente dentro do padrão estabelecido, ou seja, as

necessidades dos entes devem se adequar a esse padrão.

4. Possibilidade de extração de informações de modo a atender seus usuários.

· Inexistência de necessária vinculação entre as classificações orçamentária e patrimonial;
· Inexistência de necessária vinculação entre as classificações orçamentária e
patrimonial;

· Flexibilidade para que os entes detalhem, conforme suas necessidades, os níveis inferiores das contas a partir do nível seguinte ao padronizado;

A alternativa que apresenta um conjunto de diretrizes corretas é:

A)

2, 3 e 4.

B)

1, 3 e 4.

C)

1 e 3.

D)

1, 2 e

E)

1 e 4.

5.

Considere as classes de contas do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público abaixo.

1.

Ativo;

2.

Passivo e Patrimônio Líquido;

3.

Variações Patrimoniais Diminutivas;

4.

Variações Patrimoniais Aumentativas;

5.

Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento;

6.

Controles da Execução do Planejamento e Orçamento;

7.

Controles Devedores;

8.

Controles Credores.

Para o registro do pagamento a fornecedores, quanto à natureza patrimonial da informação, devem ser utilizadas contas APENAS das classes

(A)

1 e 2.

(B)

2, 3 e 7.

(C)

1, 2, 4 e 6.

(D)

2, 3, 5 e 6.

(E)

1, 2, 6 e 8.

2

Eu Vou Passar – e você?

6. Quanto ao novo plano de contas aplicado ao setor público, assinale a afirmativa correta.
6. Quanto ao novo plano de contas aplicado ao setor público, assinale a afirmativa correta.

6. Quanto ao novo plano de contas aplicado ao setor público, assinale a afirmativa correta.

(A)

As classes 1 e 2 são exclusivas para transações do subsistema orçamentário.

(B)

A classe 3 referese à variação patrimonial diminutiva e a classe 4 à variação patrimonial

aumentativa

(C) A execução da despesa orçamentária por mutação é registrada nas classes 1 e 3.

(D) As classes iniciadas com números impares são de natureza credora e as de números pares devedoras.

(E) As contas retificadoras pertencem somente as classes 7 e 9.

3

Eu Vou Passar – e você?

1. O subsistema de informações que “registra, processa e evidencia os fatos financeiros e não
1. O subsistema de informações que “registra, processa e evidencia os fatos financeiros e não

1. O subsistema de informações que “registra, processa e evidencia os fatos financeiros e não

financeiros relacionados com as variações qualitativas e quantitativas,” de acordo com a NBC TSP 16.2, é

(A)

orçamentário.

(B)

financeiro.

(C)

permanente.

(D)

patrimonial.

(E)

custos.

2.

Na estrutura básica do novo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público, as Classes 2, 3 e 6 são

destinadas aos seguintes registros, respectivamente:

(A) Passivo e Patrimônio Liquido, Variação Patrimonial Diminutiva e Controles da Execução do Planejamento e Orçamento.

(B) Passivo, Patrimônio Liquido e Variação Patrimonial Aumentativa.

(C) Passivo, Variação Patrimonial Diminutiva e Controles de Aprovação do Planejamento e Orçamento.

(D)

Ativo, Controles Devedores e Controles Credores.

(E)

Ativo, Variação Patrimonial Diminutiva e Controles Diversos.

3.

No novo plano de contas aplicado ao setor público, o subsistema de custos está registrado nas

contas codificadas em

4

Eu Vou Passar – e você?

(A) 1.1 e 2.1 (B) 1.9 e 2.9 (C) 3.1 e 4.1 (D) 5.6 e

(A)

1.1 e 2.1

(B)

1.9 e 2.9

(C)

3.1 e 4.1

(D)

5.6 e 6.6

(E)

7.8 e 8.8

4.

Segundo a NBC T SP 16, o registro contábil de uma doação recebida de mesas e cadeiras,

correspondendo ao valor financeiro corrente de R$ 50.000 será feito no

(A) subsistema patrimonial com Débito de Bens Móveis e Crédito de Variação Patrimonial Aumentativa.

(B) subsistema orçamentário com Débito de Bens Móveis e Crédito de Variação Patrimonial

Aumentativa.

(C) subsistema financeiro com Débito de Variação Financeira Aumentativa e Crédito de Receita

Corrente Patrimonial.

(D)

subsistema patrimonial com Débito de Bens Móveis e Crédito de Receita Corrente Patrimonial.

(E)

subsistema orçamentário com Débito de Receita Corrente Patrimonial a Realizar e Crédito de

Receita Corrente Realizada.

5. Quanto ao novo plano de contas aplicado ao setor público, assinale a afirmativa correta.

(A)

As classes 1 e 2 são exclusivas para transações do subsistema orçamentário.

(B)

A classe 3 refere-se à variação patrimonial diminutiva e a classe 4 à variação patrimonial

aumentativa .

(C)

A execução da despesa orçamentária por mutação é registrada nas classes 1 e 3.

(D)

As classes iniciadas com números impares são de natureza credora e as de números pares

devedoras.

(E)

As contas retificadoras pertencem somente as classes 7 e 9.

6.

Conforme o Plano de Contas Aplicado ao Setor Público vigente, o grupo de contas do ativo

possui a seguinte segregação:

(A)

circulante e realizável no longo prazo;

(B)

circulante, não circulante e permanente;

(C)

realizável no curto prazo, realizável no longo prazo e permanente;

(D)

circulante e não circulante;

(E)

ativo financeiro e ativo permanente.

Orientação: Para responder as questões 7 e 8, considere os dados a seguir: O Plano de Contas Aplicado ao Setor Público está dividido em 8 classes:

5

Eu Vou Passar – e você?

A natureza da informação evidenciada pelas contas das quatro primeiras classes, 1 a 4, é
A natureza da informação evidenciada pelas contas das quatro primeiras classes, 1 a 4, é

A natureza da informação evidenciada pelas contas das quatro primeiras classes, 1 a 4, é Patrimonial, ou seja, informa a situação do patrimônio da entidade pública. A natureza da informação das contas das duas classes seguintes, 5 e 6, é Orçamentária, pois nessas classes são feitos os controles do Planejamento e do Orçamento, desde a aprovação até a execução. Por fim, a natureza da informação das contas das duas últimas classes, 7 e 8, é de controle, pois nessas classes são registrados os atos potenciais e os diversos controles.

7. A assinatura de contrato relativo à aquisição de móveis e utensílios envolve lançamentos nas

classes:

(A)

1 e 2;

(B)

5 e 6;

(C)

7 e 8;

(D)

1, 2, 6, 7 e 8;

(E)

6, 7 e 8.

8.

Considerando apenas as despesas de natureza orçamentária e de controle, o pagamento da

despesa orçamentária com aquisição de equipamentos de informática envolve lançamentos nas

classes:

(A)

1 e 2;

(B)

5 e 6;

(C)

7 e 8;

(D)

1, 2, 6, 7 e 8;

(E)

6, 7 e 8.

9. A estrutura básica do plano de contas do governo federal tem o objetivo de realçar o estado

patrimonial e suas variações. Nesse contexto, as contas com função precípua de controle são aquelas relacionadas a situações não compreendidas no patrimônio, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo, inclusive as que dizem respeito a atos e fatos ligados à execução orçamentária e financeira. O grupo que compreende as contas com função precípua de controle é:

6

Eu Vou Passar – e você?

(A) ativo permanente; (B) resultado diminutivo do exercício; (C) resultado extraorçamentário; (D)

(A)

ativo permanente;

(B)

resultado diminutivo do exercício;

(C)

resultado extraorçamentário;

(D)

ativo circulante;

(E)

ativo compensado.

10.

A Tabela de Lançamentos Contábeis Padronizados (LCP), constante do Plano de Contas

Aplicado ao Setor Público (PCASP) – Parte IV, do Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público (MCASP), é o instrumento que identifica os padrões de lançamentos de 1ª fórmula, expressos em códigos padronizados de acordo com a classe do plano, com vistas a facilitar o registro dos fenômenos patrimoniais, orçamentários e de controle. Com base nesse instrumento, correlacione a 2ª coluna de acordo com a 1ª coluna e assinale a alternativa que contém a sequência correta. 1ª Coluna

 

1)

Classes de contas de controle.

2)

Classes de contas orçamentárias.

3)

Classes de contas patrimoniais.

2ª Coluna

(

)Classe 1 –Ativo.

(

)Classe 2 – Passivo.

(

)Classe 3 – Variação Diminutiva.

(

)Classe 4 – Variação Aumentativa.

(

)Classe 5 – Controle da Aprovação.

(

)Classe 6 – Controle da Execução.

(

)Classe 7 – Controles Devedores.

(

)Classe 8 – Controles Credores.

A) 2 – 2 – 2 – 2 – 3 – 3 – 1 – 1

B) 3 – 3 – 3 – 3 – 1 – 1 – 2 – 2

C) 3 – 3 – 3 – 3 – 2 – 2 – 1 – 1

D) 1 – 1 – 1 – 1 – 2 – 2 – 3 – 3

E) 2 – 2 – 1 – 1 – 2 – 2 – 3 – 3

11. O Plano de Contas objetiva, em geral, o estabelecimento de normas e procedimentos para o

registro contábil pelas entidades do setor público, de forma a viabilizar a consolidação das

contas públicas. De acordo com o Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público, são diretrizes do PCASP:

7

Eu Vou Passar – e você?

1. Harmonização dos procedimentos contábeis com os princípios e normas de contabilidade, sempre observando a

1. Harmonização dos procedimentos contábeis com os princípios e normas de contabilidade,

sempre observando a legislação vigente.

2. Existência da necessária vinculação entre as classificações orçamentária e patrimonial.

3. As contas devem ser construídas, estritamente dentro do padrão estabelecido, ou seja, as

necessidades dos entes devem se adequar a esse padrão.

4. Possibilidade de extração de informações de modo a atender seus usuários.

· Inexistência de necessária vinculação entre as classificações orçamentária e patrimonial; · Flexibilidade
· Inexistência de necessária vinculação entre as classificações
orçamentária e patrimonial;
· Flexibilidade para que os entes detalhem, conforme suas necessidades, os
níveis inferiores das contas a partir do nível seguinte ao padronizado;

A alternativa que apresenta um conjunto de diretrizes corretas é:

A) 2, 3 e 4.

B) 1, 3 e 4.

C) 1 e 3.

D) 1, 2 e

E) 1 e 4.

12. Considere as classes de contas do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público abaixo.

1. Ativo;

2. Passivo e Patrimônio Líquido;

3. Variações Patrimoniais Diminutivas;

4. Variações Patrimoniais Aumentativas;

5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento;

6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento;

7. Controles Devedores;

8. Controles Credores.

Para o registro do pagamento a fornecedores, quanto à natureza patrimonial da informação, devem ser utilizadas contas APENAS das classes

(A)

1 e 2.

(B)

2, 3 e 7.

(C)

1, 2, 4 e 6.

(D)

2, 3, 5 e 6.

(E)

1, 2, 6 e 8.

8

Eu Vou Passar – e você?

13. Para elaborar as variações qualitativas, são utilizadas na Demonstração das Variações Patrimoniais, a(s)

13. Para elaborar as variações qualitativas, são utilizadas na Demonstração das Variações

Patrimoniais, a(s) seguinte(s) classe(s) do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público:

(A)

1 e 2;

(B)

3 e 4;

(C)

5 e 6;

(D)

3, 4 e 5;

(E)

somente a 6.

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NBC T 16.6 Técnica contábil que evidencia, em período determinado, as informações sobre os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica, financeira e física do patrimônio de entidades do setor público e suas mutações. As Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público (DCASP) são compostas pelas demonstrações enumeradas pela Lei nº 4.320/19641, pelas demonstrações exigidas pela NBC T

16. 6 – Demonstrações Contábeis e pelas demonstrações exigidas pela Lei Complementar nº

101/2000, as quais são:

a. Balanço Orçamentário;

b. Balanço Financeiro;

c. Balanço Patrimonial;

d. Demonstração das Variações Patrimoniais;

e. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC); e

f. Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL).

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

O Balanço Orçamentário demonstrará as receitas e despesas previstas em confronto com as

realizadas.

O Balanço Orçamentário é composto por:

a. Quadro Principal;

b. Quadro da Execução dos Restos a Pagar Não Processados; e

c. Quadro da Execução dos Restos a Pagar Processados.

QUADRO PRINCIPAL

O quadro principal apresentará as receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas.

As receitas e despesas serão apresentadas conforme a classificação por natureza. No caso da

despesa, a classificação funcional também será utilizada complementarmente à classificação por

natureza.

As receitas deverão ser informadas pelos valores líquidos das respectivas deduções, tais como restituições, descontos, retificações, deduções para o Fundeb e repartições de receita tributária

9

Eu Vou Passar – e você?

entre os entes da Federação, quando registradas como dedução, conforme orientação da Parte I –

entre os entes da Federação, quando registradas como dedução, conforme orientação da Parte I – Procedimentos Contábeis Orçamentários (PCO).

ESTRUTURA

Procedimentos Contábeis Orçamentários (PCO). ESTRUTURA 10 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar –
Procedimentos Contábeis Orçamentários (PCO). ESTRUTURA 10 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar –
Procedimentos Contábeis Orçamentários (PCO). ESTRUTURA 10 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar –

10

Eu Vou Passar – e você?

ELABORAÇÃO q Elaboração O Balanço Orçamentário será elaborado utilizando-se as seguintes classes e grupos do

ELABORAÇÃO

q Elaboração

O Balanço Orçamentário será elaborado utilizando-se as seguintes classes e grupos do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP):

a. Classe 5 (Orçamento Aprovado), Grupo 2 (Previsão da Receita e Fixação da Despesa); e

b. Classe 6 (Execução do Orçamento), Grupo 2 (Realização da Receita e Execução da Despesa).

Grupo 2 (Realização da Receita e Execução da Despesa). APRESENTAÇÃO DAS RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS q Previsão

APRESENTAÇÃO DAS RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

q Previsão Inicial

Demonstra os valores da previsão inicial das receitas conforme consta na Lei Orçamentária Anual (LOA).

Os valores registrados nessa coluna permanecerão inalterados durante todo o exercício, pois refletem a posição inicial do orçamento previsto na LOA.

11

Eu Vou Passar – e você?

As atualizações monetárias autorizadas por lei, efetuadas até a data da publicação da LOA, também

As atualizações monetárias autorizadas por lei, efetuadas até a data da publicação da LOA, também integrarão os valores apresentados na coluna.

LOA, também integrarão os valores apresentados na coluna. q Previsão Atualizada Demonstra os valores da previsão

q Previsão Atualizada

Demonstra os valores da previsão atualizada das receitas, que refletem a reestimativa da receita decorrente de, por exemplo:

a. abertura de créditos adicionais, seja mediante excesso de arrecadação ou contratação de

operações de crédito;

b. criação de novas naturezas de receita não previstas na LOA;

c. remanejamento entre naturezas de receita; ou

d. atualizações monetárias autorizadas por lei, efetuadas após a data da publicação da LOA.

Se não ocorrerem eventos que ocasionem a reestimativa da receita, a coluna Previsão Atualizada apresentará os mesmos valores da coluna Previsão Inicial.

12

Eu Vou Passar – e você?

q Receitas Realizadas Correspondem às receitas arrecadadas diretamente pelo órgão, ou por meio de outras

q Receitas Realizadas

Correspondem às receitas arrecadadas diretamente pelo órgão, ou por meio de outras instituições como, por exemplo, a rede bancária.

Na linha:

q Receitas Correntes

Receitas Correntes são as receitas orçamentárias que aumentam as disponibilidades financeiras do

Estado

e são instrumentos de financiamento dos programas e ações orçamentários, a fim de se atingirem

as finalidades públicas e que, em geral, provocam efeito positivo sobre o Patrimônio Líquido.

q Receitas de Capital

Receitas de Capital são as receitas orçamentárias que aumentam as disponibilidades financeiras do Estado e são instrumentos de financiamento dos programas e ações orçamentários, a fim de se atingirem as finalidades públicas e que, em geral, não provocam efeito sobre o Patrimônio Líquido.

q Recursos Arrecadados em Exercícios Anteriores

São recursos de exercícios anteriores que serão utilizados para custear despesas do exercício corrente, permitindo o equilíbrio na aprovação da Lei Orçamentária.

A classificação orçamentária criada para essa finalidade é a “9990.00.00 – Recursos arrecadados

em exercícios anteriores”, que encontra-se disponível na relação de naturezas de receitas, conforme estabelecido na Portaria Interministerial STN/SOF nº 163/2001.

Deste modo, os recursos arrecadados em exercícios anteriores poderão ser incluídos na previsão da receita para fins de equilíbrio orçamentário. Todavia, tais recursos não são passíveis de execução, por já terem sido arrecadados em exercícios anteriores.

Quando da elaboração do projeto de lei orçamentária, estes recursos arrecadados em exercícios anteriores ainda não podem ser classificados como superávit financeiro, já que este só pode ser obtido ao final do exercício.

Entretanto, na execução do orçamento, estes recursos serão lançados como superávit financeiro no Balanço Orçamentário na coluna de receita realizada (c).

13

Eu Vou Passar – e você?

Como exemplo, pode-se citar a utilização de recursos arrecadados em exercícios anteriores para o pagamento

Como exemplo, pode-se citar a utilização de recursos arrecadados em exercícios anteriores para o pagamento de aposentadorias e pensões do RPPS.

No caso do RPPS, inicialmente há mais receitas do que pagamentos de benefícios (fase de capitalização).

Para que haja equilíbrio orçamentário, a diferença de valores é lançada como reserva do RPPS do lado da despesa orçamentária.

Entretanto, a partir de determinado momento, é provável que haja mais despesas do que receitas, fazendo-se necessário utilizar os recursos que foram anteriormente capitalizados. Assim, a parcela de recursos de exercícios anteriores que será utilizada para complementar os pagamentos de aposentadorias e pensões deverá constar do lado da receita orçamentária a fim de permitir o equilíbrio do orçamento.

q Operações de Crédito / Refinanciamento

Demonstra o valor da receita decorrente da emissão de títulos públicos e da obtenção de empréstimos, inclusive as destinadas ao refinanciamento da dívida pública.

Os valores referentes ao refinanciamento da dívida pública deverão ser segregados em operações de crédito internas e externas, e estas segregadas em dívida mobiliária e dívida contratual. Este nível de agregação também se aplica às despesas com amortização da dívida e refinanciamento.

às despesas com amortização da dívida e refinanciamento. 14 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar –
às despesas com amortização da dívida e refinanciamento. 14 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar –

14

Eu Vou Passar – e você?

q Déficit Demonstra a diferença negativa entre as receitas realizadas e as despesas empenhadas, se

q Déficit

Demonstra a diferença negativa entre as receitas realizadas e as despesas empenhadas, se for o caso.

Equivale à diferença entre a linha Subtotal com Refinanciamento (VI) das receitas e a linha Subtotal com Refinanciamento (XV) das despesas.

q Déficit

Se

as receitas realizadas forem superiores às despesas empenhadas, essa diferença será lançada

na

linha Superávit (XVI). Nesse caso, a linha Déficit (VII) deverá ser preenchida com um traço (-),

indicando valor inexistente ou nulo.

O déficit

Orçamentário.

é

apresentado

junto

às

receitas

a

fim

de

demonstrar

o

equilíbrio

do

Balanço

q Saldos de Exercícios Anteriores (Utilizados para Créditos Adicionais)

Demonstra o valor dos recursos provenientes de superávit financeiro de exercícios anteriores que está sendo utilizado como fonte para abertura de créditos adicionais. Demonstra, também, os valores referentes aos créditos adicionais autorizados nos últimos quatro meses do exercício anterior ao de referência e reabertos no exercício de referência.

q Saldos de Exercícios Anteriores (Utilizados para Créditos Adicionais)

Apresenta valores somente nas colunas Previsão Atualizada e Receita Realizada e deverá corresponder ao valor utilizado para a execução de despesas no exercício de referência.

Tais valores não são considerados na receita orçamentária do exercício de referência nem serão considerados no cálculo do déficit ou superávit orçamentário já que foram arrecadados em exercícios anteriores.

15

Eu Vou Passar – e você?

APRESENTAÇÃO DAS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS q Dotação Inicial Demonstra os valores dos créditos iniciais conforme

APRESENTAÇÃO DAS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS

APRESENTAÇÃO DAS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS q Dotação Inicial Demonstra os valores dos créditos iniciais conforme
APRESENTAÇÃO DAS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS q Dotação Inicial Demonstra os valores dos créditos iniciais conforme

q Dotação Inicial

Demonstra os valores dos créditos iniciais conforme consta na Lei Orçamentária Anual (LOA).

Os valores registrados nessa coluna permanecerão inalterados durante todo o exercício, pois refletem a posição inicial do orçamento previsto na LOA.

16

Eu Vou Passar – e você?

q Dotação Atualizada Demonstra a dotação inicial somada aos créditos adicionais abertos ou reabertos durante
q Dotação Atualizada Demonstra a dotação inicial somada aos créditos adicionais abertos ou reabertos durante

q Dotação Atualizada

Demonstra a dotação inicial somada aos créditos adicionais abertos ou reabertos durante o exercício de referência, deduzidos das respectivas anulações e cancelamentos.

Se não ocorrerem eventos que ocasionem a atualização da despesa, a coluna Dotação Atualizada apresentará os mesmos valores da coluna Dotação Inicial.

apresentará os mesmos valores da coluna Dotação Inicial. 17 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar –

17

Eu Vou Passar – e você?

q Despesas Empenhadas Demonstra os valores das despesas empenhadas no exercício, inclusive das despesas em

q Despesas Empenhadas

Demonstra os valores das despesas empenhadas no exercício, inclusive das despesas em liquidação, liquidadas ou pagas.

Considera-se despesa orçamentária executada a despesa empenhada.

q Despesas Liquidadas

Demonstra os valores das despesas liquidadas no exercício de referência, inclusive das despesas pagas. Não inclui os valores referentes à liquidação de restos a pagar não processados.

q Despesas Pagas

Demonstra os valores das despesas pagas no exercício de referência. Não inclui os valores referentes ao pagamento de restos a pagar, processados ou não processados.

q Despesas Correntes

Despesas Correntes são as despesas que não contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital.

q Despesas de Capital

Despesas de Capital são as despesas que contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital.

q Reserva de Contingência

Reserva de Contingência é a destinação de parte das receitas orçamentárias para o atendimento de passivos contingentes e outros riscos, bem como eventos fiscais imprevistos, inclusive para a abertura de créditos adicionais.

q Reserva do RPPS

Reserva do RPPS é a destinação de parte das receitas orçamentárias do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) para o pagamento de aposentadorias e pensões futuras.

Ressalta-se que a diferença entre a reserva do RPPS e a reserva de contingência está na subfunção, identificadas pelos códigos 997 e 999, respectivamente, conforme a Portaria Interministerial STN/SOF nº 163/2001.

q Amortização da Dívida/ Refinanciamento

Demonstra o valor da despesa orçamentária decorrente do pagamento ou da transferência de outros ativos para a quitação do valor principal da dívida, inclusive de seu refinanciamento.

18

Eu Vou Passar – e você?

Os valores referentes à amortização da dívida pública deverão ser segregados em operações de crédito

Os valores referentes à amortização da dívida pública deverão ser segregados em operações de crédito internas e externas, e estas segregadas em dívida mobiliária e dívida contratual. Este nível de agregação também se aplica às receitas com operações de crédito e refinanciamento.

q Superávit

Demonstra a diferença positiva entre as receitas realizadas e as despesas empenhadas, se for o caso.

Equivale à diferença entre a linha Subtotal com Refinanciamento (VI) das receitas e a linha Subtotal com Refinanciamento (XV) das despesas.

q Superávit

Se as despesas empenhadas forem superiores às receitas realizadas, essa diferença será lançada na linha Déficit (VII). Nesse caso, a linha Superávit (XVI) deverá ser preenchida com um traço (-), indicando valor inexistente ou nulo.

O superávit é apresentado junto às despesas a fim de demonstrar o equilíbrio do Balanço Orçamentário.

QUADRO DE EXECUÇÃO DE RP NÃO PROCESSADO

Neste quadro, deverão ser informados os restos a pagar não processados inscritos até o exercício anterior e suas respectivas fases de execução. Os restos a pagar inscritos na condição de não processados que tenham sido liquidados em exercício anterior ao de referência deverão compor o Quadro da Execução de Restos a Pagar Processados.

19

Eu Vou Passar – e você?

20 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?
20 http://www.euvoupassar.com.br Eu Vou Passar – e você?

20

Eu Vou Passar – e você?