Você está na página 1de 83

Reiki

Sistema Usui de Cura


NÍVEL I – 1ª Parte

0
Índice

Introdução ……………………………………………………………………………………………. 3

Primeira Parte
Conceitos Importantes

1. Campo de Energia Universal ………………………………………………………… 5


1.1. Força Vital e Raios………………………………………………………………………………….. 5
1.2. Transição Planetaria……………………………………………………………………….. 6

2. Campo de Energia Humano ………………………………………………………………… 8


2.1. A Visão Holística do Corpo Humano………………………………………………………. 8
2.2. Qual é chave para a compreensão do aspecto holístico do REIKI? …… 8
2.3. As Sete Dimensões ………………………………………………………………………………. 8
2.4. A Aura Humana…………………………………………………………………………………….. 11
2.4.1. Os campos áuricos……………………………………………………………………………. 15
- Corpo Etérico………………………………………………………………………………… 15
- Corpo Emocional……………………………………………………………………......... 15
- Corpo Mental………………………………………………………………………………… 15
2.4.2. Meridianos e nadis……………………………………………………………………………. 19
2.4.3. O Despertar da Kundalini……………………………………………………………………. 20
2.4.4. Prana e Respiração……………………………………………………………………. 22
2.4.5. Como se processa a Cura ………………………………………………………………………… 22
2.5. Chakras ………………………………………………………………………………………………. 25
2.5.1. Sete maneiras de experimentar o Espírito Santo ………………………………………… 25
2.5.2. Chakra Básico ou Raiz………………………………………………………………………. 31
2.5.3.Chakra do Umbigo……………………………………………………………………………. 35
2.5.4. Chakra do Plexo Solar………………………………………………………………………. 38
2.5.5. Chakra Cardíaco……………………………………………………………………………… 42
2.5.6. Chakra Laringeo……………………………………………………………………………… 46
2.5.7. Chakra Frontal……………………………………………………………………………….. 50
2.5.8. Chakra Coronário……………………………………………………………………………. 54
2.5.9. Chakra Esplênico (ou do Baço)………….………………………………………………. 56
2.5.10. Chakras Complementares……………………………………………………………….. 57
2.5.11. Chakras Sub-Complementares……………………………………………………….... 57
2.5.12. Chakras das mãos……………………………………………………………………………….. 57
2.5.13. Chakras Transpessoais ……………………………………………………………………….. 57
2.5.14. Formação dos bloqueios nos chakras ……………………………………………………. 59
2.5.15. Dissolução dos bloqueios com o Reiki …………………………………………………… 59
2.6. Glândulas Endócrinas ………………………………………………………………………. 63
2.6.1. Pineal …………………………………………………………………………………………………. 64
2.6.2. Hipófise ……………………………………………………………………………………………… 64
2.6.3. Tireóide e Paratireóide ………………………………………………………………………… 64
2.6.4. Timo ………………………………………………………………………………………………….. 64
2.6.5. Supra-renais ……………………………………………………………………………………….. 64
2.6.6. Pâncreas …………………………………………………………………………………………….. 65
2.6.7. Gônadas …………………………………………………………………………………………….. 65
1
3. Chama Trina …………………………………………………………………………………………. 67

4. Amor Incondicional ……………………………………………………………………………… 69

5. Karma…………………………………………………………………………………………………… 71
5.1. Lei do Karma e Lei Evolutiva…………………………………………………………………......……………… 71
5.2. Alma, Morte e Ciclo Encarnacional …………………………………………………………………………….. 71

6. Dharma …………………………………………………………………………………………………. 73

7. A ajuda dos Guias ………………………………………………………………………………… 74


7.1. O Conselho Reikiano de Alfa e Ómega………………………………………………………………………... 74

8. A Intuição e o Discernimento ……………………………………………………………. 76

9. Lei da Ressonância……………………………………………………………………………… 77

10. Exercícios ……………………………………………………………………………………………. 78


10.1. Exercício para Ver a Aura Humana ………………………………………………………………………… 78
10.2. Respostas às Perguntas nos Exercícios para Ver a Aura Humana …………………………….. 78
10.3. Exercício com a Chama Trina ……………………………………………………………………………….. 81

2
INTRODUÇÃO

REIKI
Uma experiência transformadora

Felicidade.

No interior de cada um de nós há uma Força que nos chama, que nos convida e anima em busca da felicidade.
Não como um fim, pois a vida não tem fim. Mas como um estado de Alma, uma maneira de Ser e Estar no
presente e encarar de frente, com sabedoria e alegria, os nossos desafios evolutivos.

São infinitos os caminhos que nos vão aproximando desse nível de consciência. São tantos ou mais como as
gotas do Mar.

Evolução. Aprendizagem. Transformação.

A nossa evolução é uma espiral infinita de experiências e de aprendizagens. A cada dia recriamo-nos e recriamos
o mundo e o Universo, a partir do nosso interior. Ciclicamente passamos por experiências semelhantes às que já
tínhamos vivido. Mas nunca iguais. Ciclicamente temos à nossa disposição uma infinidade de opções a tomar
perante essas mesmas experiências.

A nossa evolução é um processo de Criação e Transformação constantes. Como um escultor molda a sua obra de
Arte, somos nós os artesãos de nós próprios. E essa Mestria é tanto maior quanto maior for a nossa comunhão
com a Alma - o nosso centro de Luz mais pura e cristalina.

Quando acolhemos a prática do REIKI na nossa vida, abraçamos esse processo de transformação com uma Paz e
Serenidade crescente. Tornamo-nos cada vez mais conscientes do nosso próprio processo e das opções a tomar a
cada instante.

Cada vez que nos ligamos à energia REIKI e abrimos o nosso coração para a verdade da nossa Alma, todo o
nosso Ser fica com mais Luz. Transformamo-nos positivamente. E é com esse processo de transformação que a
nossa vida se torna cada vez mais feliz, em todos os sentidos.

Agradeço ao Universo esta oportunidade e desejo ser un canal digno para servir-me, aos meus irmãos e ao
Pai/Mãe/Deus. Confio no Amor Incondicional dos Mestres que sempre nos acompanham, assistem, amparam,
aconselham, protegem e amam, e agradeço especialmente ao meu mentor pessoal – Dailesh Gonara Auyme – y
ao meu querido Mestre Mikao Usui.

Que a Luz penetre os nossos corações, hoje e sempre!

Lamilux
Suely da Silva
(Suelen_Vini)

3
Primeira Parte

Conceitos Importantes

4
1. Campo de Energia Universal
O Campo de Energia Universal é o elemento fundamental que constitui e mantém o nosso universo. Toda a
matéria (incluindo os nossos corpos, as plantas, os planetas ou as estrelas) é a intensificação deste corpo de
energia único. As diferentes vibrações deste campo são percebidas através dos nossos sentidos como formas
diferentes de matéria, muitas das vezes nos parecendo "sólida".

O Campo de Energia Universal tem sido estudado ao longo dos anos por diversos cientistas, tendo primeiro sido
designado por átomos, depois por super cordas e, mais recentemente, por membranas, que se movimentam de
forma contínua, vibrando e propagando a sua energia por todo o universo.

1.1. Força Vital e Raios

A força vital está presente em todo o Universo e flui através do nosso corpo como se seguisse um sistema
circulatório invisível, carregando todas as células. Esta corrente de energia pode tornar-se enfraquecida e
parcialmente bloqueada. A força vital não reconhece a diferença entre dor emocional ou dor física, uma vez que
ambas são simplesmente expressões de força vital bloqueada. As técnicas terapêuticas, de toque e não toque,
pretendem, exactamente, restabelecer esse fluxo.

A força vital é urna forma de energia electromagnética, é a corrente animadora da vida e uma realidade
fisiológica no corpo. Através dos séculos, a força vital tem sido rotulada com diferentes nomes, consoante as
1
culturas. Jesus chamou-a "luz", Reich "orgônio" , para os yogues é o "prana" e o termo comum em chinês é "ki".

Assim, prana é a energia vital que mantém o organismo vivo e saudável. Basicamente há três fontes principais de
prana: o sol, o ar e o solo. O prana solar é o que provém da luz do sol e pode ser obtido pela exposição solar ou
pela ingestão de água exposta ao sol. O prana do ar é absorvido pelos pulmões através da respiração e também
pelos chakras. Finalmente, o prana do solo é absorvido pela planta dos pés, automática e inconscientemente. Por
essa razão, é tão importante andar descalço sempre que possível.

Os raios são energias fundamentais do cosmos. Tal como um raio de sol que atravessa um prisma é refractado
2
em sete cores, assim também a luz espiritual se manifesta em sete raios principais , cada um com uma cor e
frequência vibracional diferente. Os raios têm qualidades definidas, formam e compõem tudo o que existe. Os
sete raios principais relacionam-se directamente com o mundo formal e manifestam sete qualidades diferentes:

1° - Raio Azul - poder e fé;


2° - Raio Amarelo - sabedoria e iluminação;
3° - Raio Rosa - amor e beleza;
4° - Raio Cristal - harmonia e pureza;
5' - Raio Verde - cura e abundância;
6° - Raio Ouro Rubi - paz e serviço;
7° - Raio Violeta - transmutação e diplomacia.

1
O orgônio ou energia orgônica é, segundo o psiquiatra e psicanalista Wilhelm Reich um tipo de energia vital (similar ao prana ou qi).
Reich propôs o termo para se referir à energia que hipoteticamente mantém estável a existência.
2
São 144 os Raios desta zona do Universo, sendo a Terra banhada por 22. A sua estrutura será melhor explicada nos próximos níveis.
5
3
A luz dos sete raios é transmitida para a nossa aura e para o plano terrestre através dos 7 chakras , dependendo
do nosso grau energético. Quando a luz dos raios flui através de nós experimentamos bem-estar e saúde; ao
contrário, quando existe um bloqueio ao fluxo dos raios, experimentamos mau estar, desequilíbrio e doenças.

1.2. Transição planetária

Atualmente, o Planeta onde habitamos está a ser conduzido ao estado de consciência que lhe permitirá cumprir o
propósito da sua existência material. A este fenómeno chamamos de Transição Planetária. Desde a
Convergência Harmónica (1987), em que a Terra como um todo conseguiu transmutar a sua energia etérica para
novos valores muito acima dos anteriores, e da aplicação da Lei da Purificação (8.8.1988) o planeta está a ser
libertado de desequilíbrios ancestrais, em parte trazidos pela própria humanidade, proveniente dos mais diversos
pontos do cosmos. Outra alteração que se verifica actualmente é a inclinação do eixo da Terra que acarreta
profundas transformações na configuração dos continentes, mares e oceanos, no clima e na vegetação, enfim, na
vida de um modo geral.

Uma das fases finais da transição planetária corresponde à operação resgate, que é um programa de regeneração
do estado energético da Terra, comandado e executado por consciências extraplanetárias de grau evolutivo
elevado e tem o propósito de erguer a vida terrestre a patamares onde forças caóticas não prevalecem.

A transição planetária é um processo complexo que depende também da utilização do livre arbítrio pelas Almas
que actualmente estão encarnadas ou irão encarnar entretanto, no sentido de colaborar (consciente ou
inconscientemente) na elevação do padrão vibracional da Terra. Algumas delas pertencem ao grupo referenciado
como sendo os auto-convocados. O auto-convocado é um ser que escolheu estar encarnado neste período para
servir ao Plano Evolutivo e atuar como ponto de equilíbrio no processo de transição planetária. Internamente, os
auto-convocados têm consciência da actual situação da Terra que se aproxima de um caos incontrolável em
termos económicos, sociais e políticos, acompanhado por grandes mudanças ao nível geológico e climático.

No entanto, como esta auto-convocação foi feita ao nível da alma, muitos dos seres encarnados não tem
consciência disso, ainda estão perdidos no caminho e, por isso, novos auto-convocados, mais conscientes e
evoluídos (com o novo código genético) estão a encarnar actualmente no planeta. Para estar ao serviço da Lei
Evolutiva o Ser Humano não tem de ser adulto, uma vez que estamos a falar de tarefas, muitas delas realizadas
nos planos internos, e de sustentação energética que permita plasmar no planeta uma energia com maior nível
vibracional.

O novo código genético também está a ser implantado por Hierarquias Estelares nos corpos subtis dos que estão
preparados para recebê-lo.

O novo código genético capacitará o Ser Humano para mover-se em consonância com o propósito evolutivo
4
planetário e para transcender a Lei do Karma . Embora já haja seres com o novo código genético em níveis mais
subtis, este ainda não se manifesta plenamente no mundo físico, devido à densidade das energias terrenas,
sendo a sua expressão completa na nova Terra após a transição planetária.

3
Ver capítulo sobre Campo de Energia Humana (CEH)
4
Ver capítulo sobre o Karma.
6
Convergência Harmônica - 16 e 17 de agosto de 1987- (síntese)

Foi a primeira das ativações importantes do planeta, que ocorreu em 16 e 17 de agosto de 1987. Naquele
momento, houve uma elevação, ancorando-nos à quarta dimensão, ou seja, no plano astral, o plano das
emoções. Assim, o acesso ao plano astral ficou muito mais fácil, permitindo uma limpeza emocional em nível
planetário, onde planetas e a humanidade se alinharam em oração trazendo Bênçãos de Graça e Esperança para
a humanidade. Um grande Portal se abriu para que cada um estivesse no caminho da Iluminação. Milhões de
pessoas se uniram naquele dia abraçando o momento com o coração e mente o que criou a chamada “
CONVERGÊNCIA HARMÔNICA ”. Pela união das pessoas e suas preces, a humanidade deu um salto quântico em
direção ao futuro. Isto foi há 23 anos atrás, desde então, todos nós temos passado por verdadeiras montanhas
russas emocionais e muitas pessoas começaram a manter a vibração de amor e esperança, transmutando os
conceitos vividos por muitos anos: certo/errado, bom/ruim, luz/trevas.

7
2. Campo de Energia Humano (CEH)

2.1. A Visão Holística do Corpo Humano

O conceito holístico

Holístico é uma palavra derivada do vocábulo grego “holos”, que significa “todo” ou “o todo”. Holístico pode ser
entendido como “total” ou “por inteiro”.

A visão holística desmonta a teoria mecanicista newtoniana que apresentava o universo composto de átomos e
que cada fenômeno era o resultado de um processo de “causa/efeito”, e além disso que todas as relações físicas
tinham na sua base uma única causa física.

As pessoas, hoje em dia, preferem permanecer encerradas nessas teorias simples, objetivas e intangíveis, e, por
comodidade ou por desconhecimento, não consideram o universo de forma mais profunda. Essa concepção nos
induz a que procuremos um médico da mesma forma que procuramos um “médico de automóveis”, para as
reparações mecânicas e físicas.

A partir das teorias do Albert Einstein, a maneira de pensar começou a mudar e nasceu uma visão moderna no
Ocidente que é, ao mesmo tempo, muito antiga na realidade do Oriente: o conhecimento holístico.

A física atômica apresenta a matéria composta de átomos, e estes de partículas atômicas como protões, neutrões
e eletrões; posteriormente tirou o chapéu que existiam partículas subatômicas ainda menores, os “quanta”, com
formas de ondas ou energia.

Einstein, em sua teoria da relatividade, com sua famosa equação E=mc2, onde “E” equivale a energia, “m” à
massa dos corpos físicos e “c” à velocidade da luz, demonstrou-nos que massa e energia são uma única realidade
que suplantou completamente a visão newtoniana.

Conseqüentemente, nosso corpo não pode ser comparado a uma estrutura mecânica a que se monta e se
desmonta, e sim a uma estrutura que se compõe de parte energética, espiritual e física, que se mantêm unidas
graças a uma série de fenômenos que se encontram relacionados entre si e com o universo em movimento.

Comparados com o universo, somos menos que um grão de areia; por outro lado, sem nossa presença, o
universo não existiria, pois somos a parte que forma o todo, essa é a visão holística.

2.2. Qual é chave para a compreensão do aspecto holístico do REIKI?

A chave está na íntima relação que existe entre as Sete Dimensões que constituem um todo energético
estruturado em sete organizações gradativas, do mais denso ao mais sutil, de Luz Física até a mais pura Luz
Metafísica. O homem, em sua essência, nasce semelhante a Deus. Mas, em sua existência, já nasce ferido, em
função das distorções genéticas herdadas. Sua tarefa é corrigir as conseqüências dessas distorções até se
reencontrar com Deus. O homem vai fazendo essas correções passando gradativamente através das sete
Dimensões: Física, Emocional, Mental inferior, Mental Superior, Espiritual, Construtiva e Auto-realizante
(Iluminação).

2.3. As Sete Dimensões

O que é Dimensão?

Dimensão é um estado vibratório específico em que a pessoa se encontra. É uma experiência de vida, um modo
de movimentar-se, de comportar-se no mundo, que surge do tipo de vibração em que a pessoa se encontra,
predominando um estado específico. Esses estados vibratórios se manifestam em sete Dimensões. Ou seja,
podemos vibrar em nossa energia de sete modos diferentes. Em um só dia, um ser humano pode passar por
todas as sete Dimensões. Porém, sua Dimensão será aquela que ele passa a maior parte de seu tempo, por um
8
período que varia entre 3 e 7 meses. As Dimensões funcionam como verdadeiros indicadores do grau de
felicidade que cada ser humano possui. Quanto mais alta a Dimensão em que nos movimentamos, maior o grau
de felicidade. A tal ponto, isto é verdade. Didaticamente, será necessário falar de cada uma delas separadamente
para identificar e distinguir o encontramos e desenvolvemos em cada um desses níveis ou cada uma dessas
“faces”.

Como se dividem as Sete Dimensões?

As três primeiras Dimensões (Física, Emocional e Mental inferior) vibram dentro da Energia Ki, eletromagnética.
As três últimas Dimensões (Espiritual, Construtiva e Auto-realizante) vibram dentro da energia Rei, biomagnética.

A quarta Dimensão (4ªD) – Mental Superior – constitui um ponto entre as três Dimensões Inferiores e as três
Dimensões Superiores. Quando falamos em energia, devemos levar em conta dois aspectos: a vibração em ele se
movimenta, que chamamos de freqüência e a medimos em ciclos por segundos, e a “carga energética”. Isto faz
com que possamos diferenciar uma energia mais sutil de uma outra organização energética, menos sutil e mais
densa.

Qual é Primeira Dimensão?

É a Dimensão Física, própria do corpo. Dela trata a Física Quântica. É uma dimensão de luz, porém densa, de
baixa vibração. Corresponde à saúde, ao bem-estar físico, à alimentação etc. Um corpo saudável evita muitos
desequilíbrios emocionais e mentais.

Qual é Segunda Dimensão?

É a Dimensão Emocional. Os átomos emocionais já são menos pesados que os átomos Físicos. Aqui já estamos
em uma freqüência vibratória mais sutil. A 2ª Dimensão deverá ser utilizada para o homem começar a aprender o
amor por si mesmo e o amor pelos outros. Quando a 2ª Dimensão é saudável, o reikiano vive plenamente
segundo os Princípios Reiki. Nada de raiva, preocupações, ingratidão, desonestidade ou prepotência.

Qual é Terceira Dimensão?

É a Dimensão vibratória do Mental inferior. Nela apreendemos a elaborar conceitos, juízos e raciocínios lógicos. É
a porta que pode levar-nos à intuição e que monitora, quando saudável, as energias da 1ªD e da 2ªD. Trata-se
de uma Dimensão de muita utilidade para o ser humano. O raciocínio, quanto mais equilibrado e lógico for, mais
nos aproxima da 4ªD. Na realidade, é a porta que nos abre o caminho para a 4ª Dimensão.

Qual é Quarta Dimensão?

É a Dimensão da Intuição. Vemos, compreendemos e captamos verdades sem informação prévia. Intuição não é
raciocínio, não necessita formar silogismo nem partir de premissas. O termo intuição vem de termo latino intuere,
intus ire, penetrar profundo nas coisas, diretamente, sem raciocínio. O raciocínio é lento, mas a intuição é
instantânea. Na 4ª Dimensão estamos fora do tempo, fora do espaço. Esta é a dimensão em que o Operador
Reiki II trabalha quando aplica Reiki à Distância. Constitui uma experiência impar vivenciar o aumento paulatino
da intuição que dos Reikianos, principalmente a partir do Nível II, experimentam. Tanto isto é assim que aplicar o
Reiki à distância, pode-se afirmar, constitui uma das mais poderosas ferramentas para desenvolver a intuição.

Qual é Quinta Dimensão?

É a Dimensão Espiritual, própria do amor justo e do amor incondicional. A Energia Rei se movimenta e vibra na
5ª Dimensão. Trata-se de uma altíssima vibração. Quando vibramos na 5ª dimensão, começamos a sentir que
não somos ilhas. Surge o sentido do NÓS. Cada uma de nossas ações não só está dirigida pelo amor que o
operador sente por ele mesmo, como também, e na mesma proporção, pelo amor que sente pelas pessoas com
as quais entra em contato. Até a 5ª Dimensão, somos apenas projetos de seres humanos, pois nos falta a
diferenciação fundamental: a vivência do espiritual. “Um homem está na vivência espiritual quando é tão amoroso
que dá a si mesmo que lhe corresponde e dá aos outros o que lhes corresponde. Isto é espiritualidade”. Na 5ª
Dimensão, somos mais plenos, mais completos, estamos na busca constante de reequilíbrio e somos tão
completos como seres humanos que vivemos quase totalmente na verdadeira liberdade do livre-arbítrio. A
energia da 5ª Dimensão é também a energia própria de nossa alma. Por isso, o Mestre Reiki pode, na primeira

9
iniciação, sintonizar, fazer com que entre em ressonância a 5ª Dimensão da energia REI com a 5ª Dimensão de
nossa alma, energia REI individualizada.

Qual é Sexta Dimensão?

Nesta Dimensão, adquirimos o sentido do UM. Não só nós sentimos um NÓS com os outros, como que também
nos sentimos UM com toda a humanidade. A energia ativadora da 6ª Dimensão é o desejo de criar
continuamente novos modos de usar nosso poder criativo. Essa é a dimensão dos grandes acontecimentos
construtores de um novo mundo de felicidade. Nessa 6ª Dimensão, estão nascendo as crianças Índigo, que já
estão chegando a Terra com os grandes poderes próprios da Era de Aquário, já gravados no código genético.

Qual é Sétima Dimensão?

Na sétima é completado o ciclo de transformação do ser humano em Luz Divina. É a Dimensão dos grandes
Mestres de Vida, tais como Jesus, Buda. Alan Kardec e Sai Baba. Na 7ª Dimensão o homem é Luz Total, além do
Tempo, além do espaço, além das limitações, além dos desejos, além das expectativas. Ele se transforma em um
semideus, um raio laser através do qual se expressa a luz divina.

No caso do reikiano, a energia Rei está em qual dimensão?

Nos Reikianos, posto que a Energia Rei está da 5ª Dimensão, ele sabe que o Reiki encurta prodigiosamente o
caminho para a transformação em Luz total, o caminho da auto-realização. A nobre aspiração de todo reikiano e
de todo Mestre Reiki é ajudar aos que ainda não chegaram lá. Para isso, o Nível I de Reiki trabalha mais nas três
primeiras Dimensões, no Reiki Presencial. No nível II – Reiki a distância – o operador reikiano é levado a trabalhar
na 4ª Dimensão, na intuição de suas mãos, na cura de pessoas geograficamente longe. Para isso, necessita viver
na 4ª Dimensão. No Nível III A, o reikiano poderá ser Mestre de si mesmo se viver na 5ª Dimensão, na Dimensão
Espiritual, tornando-se amorosamente justo. No Nível III B, o mestre Reiki é levado a ser co-criativo com a
irradiação de Luz Divina se aceitar a maravilhosa missão de ser um portador e um multiplicador dessa Luz no
mundo e em todo o planeta Terra. Sublime Missão a do Mestre Reiki!

O que é dimensão do ser humano?

Buscar entender e interpretar as dimensões do ser humano em seus aspectos físico, mental, emocional e intuitivo
passou a ser uma fonte de pesquisa, um canal de percepção e uma nova porta para a sabedoria. As quatro
dimensões que compõem o ser humano estão relacionadas e interligadas de tal forma que é impossível separá-
las ou tratar de umas delas sem levar em conta as outras três. Didaticamente, será necessário falar de cada uma
delas separadamente para identificar e distinguir o que encontramos e desenvolvemos em cada um desses níveis
ou cada uma dessas “faces”.

Quais as quatro dimensões que compõem o ser humano?

As quatro dimensões estão relacionadas e interligadas de tal forma que é impossível separa-las ou tratar de umas
delas sem levar em conta as outras três. (Física, Emocional, Mental e Espiritual):

Física – É importante que nos conscientizemos de que o nosso corpo físico é a nossa ‘primeira casa’. É nele que
realmente ‘residimos’ durante as 24 horas de cada dia e todos os anos de nossa vida. Nosso corpo físico é o
veículo da consciência individual, e portanto se faz necessário aprender (ou reaprender) a ouvir, sentir e confiar
em nosso organismo, em sua natureza interior, para poder promover o próprio processo de cura. O corpo sempre
avisa do que precisa. As pessoas necessitam estar dispostas e atentas para escuta-lo, para atender a suas
necessidades básicas de alimentação, vestimenta e moradia e até mesmo a outras mais sutis, como bem-estar,
alegria, lazer e amor, que se inter-relacionam com as outras dimensões. Como os aspectos espirituais, mental e
emocional se expressam, em uma pessoa, através do corpo físico, qualquer trabalho feito em um deles resulta
em melhoria da saúde física. A ênfase no intelecto afasta e desliga a atenção e a percepção do corpo físico. O
atual processo cultural tem interferido profundamente nessa tendência à desconexão e à desatenção do corpo
físico. A maior parte dos males físicos que experimentamos tem suas raízes em nossos mais profundos e negados
conflitos mentais, emocionais e espirituais. O corpo físico, portanto, “percebe” harmonia e beleza a envolvê-lo,
recebendo fortalecimento e renovação que lhe são generosamente oferecidos nesse intercâmbio. Há uma
importante distinção a ser feita entre cuidar do corpo físico e “viver o culto” ao corpo físico. Cuidar do corpo físico
é mantê-lo energeticamente equilibrado com boa alimentação e exercícios adequados à idade e às necessidades
individuais, proporcionando o repouso necessário para que não adoeça.
10
Emocional – Essa dimensão é composta do conjunto de sensações, sentimentos e emoções que
experimentamos no relacionamento com o mundo à nossa volta e conosco mesmos. Sentimentos compõem um
fluxo de energia que está em constante movimento dentro de nós, portanto é preciso viver emoções para não
interromper nosso processo de vida. É importante conhecer e explorar o campo dos sentimentos para poder
“quebrar” o sentido unicamente racional de nossa existência. Quando uma pessoa se fecha emocionalmente,
bloqueia sua comunicação com as demais e com a inspiração da vida. A racionalização pura e simples dos
sentimentos nos leva, necessariamente, a julgamentos do que é certo e do que é errado. Provavelmente, certo é
aquilo que traz felicidade e bem-estar; errado é tudo aquilo que traz infelicidade e não deixa uma pessoa crescer
e amadurecer sua capacidade de amar.

Mental – Podemos também chamá-la de intelecto ou mente racional. Essa dimensão é a que guarda nossos
referenciais de vida, nosso sistema de crenças e nosso processo de pensamento. É esse processo que nos
possibilita estabelecer associações, relações, conexões, formar conceitos, estruturar a inteligência, compreender
nossas experiências no mundo e buscar um sentido maior para nossa existência. Através dessa capacidade nos
diferenciamos de todos os outros seres vivos, e um de seus aspectos mais interessante é justamente o fato de
que ela nos permite “voltarmo-nos para nós mesmos”, ou seja, refletir sobre nosso próprio processo de pensar e
aprimora-lo. Muitas vezes, ao longo de nossa vida, precisamos reeducar essa dimensão para criar uma condição
de abertura e receptividade e poder rever nosso sistema de crenças, buscando melhorar nossa vida cotidiana,
ampliar nossa visão de mundo e acelerar nosso processo de evolução. É necessário atentar para o fato que temos
pontos de vista e atitudes”, formados” pela cultura, que nos é transmitida pela família, religião e escola, ou seja,
estamos condicionados por crenças sobre nós mesmos, os outros e a vida em geral. Esses condicionamentos
estão como que “armazenados” na dimensão mental. Como já vimos anteriormente, as dimensões emocional e
mental trabalham juntas e, de certa forma, se apóiam mutuamente. É muito importante que procuremos
equilibrar essas duas dimensões.

Espiritual – Ao compreender a verdadeira natureza das dimensões física, mental e emocional, procurando
equilibra-las e harmoniza-las, estamos criando as condições básicas do florescimento da intuição. Também
chamada de insight, a intuição é como uma luz, um clarão que surge de repente, quando menos esperamos, ou
de forma mais suave, durante o exercício de processos meditativos. Ela se manifesta na forma de uma
“revelação”, mostrando que nesse momento estabelecemos contato profundo com nossa verdade essência, nossa
“sabedoria interior”, nossa “fonte original”, ou seja, a dimensão espiritual, constituída de verdade, bondade e
regida pelas mesmas leis imutáveis e eternas que permeiam todo universo. Ao realizar e vivenciar essa conexão
vamos sentindo que há uma “porção do universo” que reside em nós, que fomos concebidos à sua semelhança e
portanto somos seres universais e espirituais.

2.4. A Aura Humana

O corpo físico tal como o conhecemos é a manifestação concreta da Alma, nesta dimensão e nesta realidade
espaciotemporal. E a partir da Alma, também conhecida por EU SOU, que a nossa essência vai sendo plasmada
em diversas realidades, dimensões e níveis energéticos até chegar ao Corpo Físico.

5
No caminho de ligações entre a Alma e o corpo físico visível, o ser humano possui vários corpos sutis .
Chamamos de Aura ao campo eletromagnético que normalmente acompanha o corpo físico e é composta pelos
corpos subtis de constituição mais densa (quanto mais próximo do corpo físico, mais denso é o corpo subtil).
Qualquer pessoa, animal, planta ou objeto tem a sua aura. Quando purificada e sintonizada com energias
superiores, a irradiação áurica pode estender-se por vários metros ou quilômetro

Assim como um imã tem linhas de força ao redor de si, o corpo também possui linhas de força, mas são linhas de
força de cores diferentes, cobrindo una faixa mais ampla de cores do que a visão humana pode perceber
normalmente. Quem consegue ver as auras (clarividente) poderá, ao ver as suas cores, perceber enfermidades
ou doenças latentes.

Dos vários corpos que o ser humano possui, o corpo físico é o mais denso de todos os corpos e o veículo que
permite à alma exprimir-se no plano físico. Por essa razão, e tal como os outros corpos, este deve ser tratado
com reverência e cuidado. Aquilo que comemos e o tipo de atividade física a que nos dedicamos (pontual ou de

5
Dentro da realidade da Via láctea eles são 32.

11
forma mais constante) influenciam fortemente o estado do nosso corpo, conduzindo ao seu bom ou mal
funcionamento.

A aura humana é uma emanação sutil e magnética produzida por forças etéreas. Todos os corpos, inclusive o
físico humano, possuem esse campo magnético que se irradia de cada indivíduo, como os raios solares emanam
do Sol. A aura, apesar de ser ignorada pela maior parte das pessoas em seus estados normais de consciência, é
percebida e claramente reconhecida por indivíduos que se encontram em condições adequadas de sensibilidade,
chamados sensitivos.

A aura é a extensão sutil da personalidade, que pode igualmente produzir ou receber impressões, e graças a ela
estabelecemos contatos muito diferentes dos contatos físicos. Sentimos atração ou repulsão instintiva,
dependendo do caso, aparentemente sem razão de ser; por outro lado, a atração e a repulsão revelam uma
harmonia ou uma desarmonia intrínseca entre as auras.

A aura varia de muitas maneiras; em primeiro lugar, sua área e extensão dependem do desenvolvimento da alma
e da mente. Em indivíduos primários, estas forças interiores são naturalmente grosseiras e rudimentares,
enquanto se produz o contrário entre pessoas altamente evoluídas e inteligentes.

A composição ou textura da aura varia, igualmente, segundo os indivíduos (o violento e o refinado, o sensível e o
insensível, o colérico e o tranquilo) que manifestam auras diferentes, de acordo com sua disposição e caráter.

Outro elemento que atua sobre a complexidade e diversidade da aura são as emoções, paixões e sentimentos,
que possuem características próprias das irradiações áuricas. A aura é também uma guia infalível do estado de
saúde do indivíduo.

Nas pessoas sãs, os raios vitais se expandem na atmosfera áurica dotada de um brilho intenso e cristalino; nos
indivíduos doentes as cores são apagadas e sombrias, enquanto nas enfermidades mais graves se indicam
mediante manchas opacas sobre as partes afetadas.

Em sentido vital, todo indivíduo cria sua própria atmosfera magnética, que revela infalivelmente o temperamento,
a disposição e o estado de saúde próprio. Tudo na natureza produz sua própria aura. As comprovações efetuadas
mostram que tudo o que ocorre no corpo físico, ocorre primeiro no plano energético. A aura mostra as causas de
nossas enfermidades e, em conseqüência, é bastante lógico intervir preventivamente no corpo energético através
do Reiki ou de outras técnicas de terapias vibratórias.

Se a enfermidade se apoderar do corpo físico, é conveniente fazer duas intervenções simultâneas: a intervenção
no corpo físico, com a medicina convencional, e a intervenção no corpo energético, com o Reiki, a fim de eliminar
a causa.

É evidente, portanto, que nosso caráter verdadeiro fica projetado na aura; nela está o que somos,
intrinsecamente, e não o que parecemos ser ao olho visível. De nenhuma outra maneira podemos explicar a
atração ou repulsão que sentimos tão freqüentemente quando encontramos certas pessoas pela primeira vez. É a
ação invisível da aura o que nos persuade.

As investigações de cientistas provam, exclusivamente, que todos os corpos, animados ou inanimados, emitem
uma radiação sutil; essa emanação recebeu vários nomes. É o magnetismo de Mesmer, o fluido elétrico de
Jussieu, as chamas odílicas de Reichenbach, a sensibilidade exteriorizada de Rochas, os raios vitais do doutor
Baraduc.

Paracelso foi um dos primeiros estudiosos do Ocidente em divulgar a teoria do campo astral. O doutor Walter J.
Kilner, em Londres, especialista em medicina elétrica, através de um cristal denominado teia Kilner, observou
também o fato curioso de que uma forte aura positiva reage, em presença de uma fraca de tipo negativo, da
mesma forma que uma pilha perde sua carga quando se conecta a outras pilhas descarregadas. Por outra parte,
a aura débil ou depauperada, sinal de vitalidade reduzida, atua como uma esponja psíquica ou vampiro sobre as
que a rodeiam, absorvendo suas energias.

A famosa câmara que fotografa a aura (a câmara Kirlian), assim chamada em homenagem a seu inventor
(Semyon Davidovich Kirlian), foi reconhecida pela Academia de Ciências Médicas de Moscou. Os russos
denominaram a essas emanações energéticas “bioplasma”.

12
Hoje em dia as técnicas fotográficas foram modernizadas e a fotografia da aura pode realizar-se nas principais
cidades do planeta. O que vemos é a representação do momento em que foi feita a foto, pois a aura troca
constantemente de tamanho e de cor, em relação estreita com a saúde física, emocional, mental e espiritual. O
resultado é simplesmente a confirmação de algo que o olho humano, exceto em alguns casos, não está
preparado para perceber. Daí que resulta importante não tirar conclusões e diagnósticos a partir de uma única
fotografia.

Quase todos os investigadores estão de acordo em que existem várias camadas de campo áurico. A quantidade
de camadas áuricas descobertas e vistas pelos cientistas e videntes ao longo dos anos, varia entre três e mais de
sete. Ultimamente parece bastante provável a existência de sete camadas áuricas. Cada uma das camadas da
aura é diferente. Os campos ímpares têm uma estrutura mais definida, enquanto os pares se mostram menos
estruturados, quase fluídos e em constante movimento.

Todas as camadas áuricas invadem, por sua vez, as camadas inferiores. A sétima penetra até o corpo físico, a
sexta invade as cinco inferiores e também o físico, e assim sucessivamente, até chegar à primeira camada, que é
a mais próxima ao corpo físico. Cada camada do campo da aura se relaciona com os sete chakras e glândulas
principais do sistema endócrino, estando as três primeiras camadas associadas à energia do mundo físico,
metabolizando-as; a quarta camada é um transformador, interligando camadas áuricas e campos energéticos, e
as três camadas áuricas superiores metabolizam as energias relacionadas com o mundo espiritual.

A cada camada do campo da aura foi atribuído um nome, que varia segundo o investigador, e geralmente reflete
sua função. Obviamente, o comprimento das diferentes camadas não é fixo e varia no mesmo indivíduo, em
função de seu momento; quer dizer, se uma pessoa se encontrar em um estado de profunda meditação, a aura
se apresentará muito mais extensa e as cores serão muito mais vivas e brilhantes.

Ver Figura 1

13
Figura 1

(imagem extraída do livro Mãos de Luz, de Barbara Ann Brennan)

14
2.4.1. Os Campos Áuricos

Corpo etérico (0,5 a 5 cm.). Interpenetra o corpo físico, e é, em realidade, parte dele, chamado ectoplasma,
vitaliza e mantém o corpo físico até a morte. Contém energia dos tecidos, glândulas e órgãos, se expande ou se
retrai, de acordo com o seu funcionamento.

Corpo emocional (2,5 a 7,5 cm.). Interpenetrando o corpo etérico encontramos o corpo emocional, o veículo
das emoções, desejos e paixões; são especialmente as irradiações brilhantes e mutáveis desse corpo, constituído
por nuvens de cores, em contínuo movimento e de aparência oval, que os videntes descrevem quando observam
a aura.

Corpo mental (7,5 a 20 cm.). O veículo do pensamento, tem uma estrutura mais sutil e menos definida, e
contém nossos processos mentais, nossas idéias e, geralmente, aparece para os videntes na forma de uma
auréola dourada, e quando está em desequilíbrio é translúcido com emanações douradas, como borbulhas.

Corpo astral (15 a 30 cm.) Composto por nuvens multicoloridas, derivadas das percepções e emoções extra-
sensoriais.

Corpo etérico padrão (45 a 60 cm.). Campo de energia estruturada sobre o qual cresce o corpo físico.

Corpo celestial (70 a 90 cm.). É o nível emocional do plano superior, através do qual experimentamos o
êxtase espiritual; é o plano de identificação com Deus, composto por pontos de luz.

Corpo causal (75 a 100 cm.). Contém as impressões de vidas passadas. É o nível mais forte e elástico do
campo áurico, e contém a corrente principal de forças que se desloca ao longo da espinha dorsal. Nas três
últimas camadas, em alguns indivíduos do tipo devoto, místico e generoso, a aura espiritual é muito pronunciada
e bela; enquanto em indivíduos do tipo animal não há prestígios dela.

No 1º nível de REIKI abordaremos em síntese os três primeiros corpos sutis (abordaremos com mais
profundidade os demais corpos sutis no Nível II), por serem os que estão mais perto do corpo e influenciarem
mais diretamente a nossa vida material. Convém referir que existem muitos tipos de designação para os diversos
corpos. A que a seguir apresentamos é uma delas, com a qual mais nos identificamos. No caso de conhecer outra
designação ou vir a conhecer, em caso de dúvida tomemos por referência a ordem em que aparecem, a partir do
corpo físico (1°, 2°, 3° etc.) como forma de criar uma correspondência entre as várias designações.

A) 1° Corpo sutil - Corpo Etérico


O corpo etérico é composto de minúsculas linhas de energia (nadis), através das quais fluem as forças cósmicas,
tal como o sangue corre através das veias e artérias. Este corpo tem a mesma forma do corpo físico, inclui todas
as partes anatômicas e todos os órgãos, daí designar-se muitas vezes por duplo-etérico. A estrutura do corpo
etérico está em constante movimento e estende-se para além do corpo físico desde 6 mm a 50 cm,
aproximadamente. Este corpo tem como objetivo fundamental vitalizar e energizar o corpo físico e a sua cor varia
entre o azul-claro e o cinzento. E neste nível que se encontram os meridianos de acupunctura. (Ver Figura 2)

B) 2° Corpo sutil - Corpo Emocional


Este segundo corpo sutil está ligado aos sentimentos, mais concretamente à interação entre o desejo e a
resposta sensível do eu e ao efeito daí resultante, normalmente expresso em emoção, dor, prazer e todos os
pares de opostos. A sua estrutura é muito mais fluida que a do corpo etérico e não duplica o corpo físico. É feito
de nuvens coloridas em constante movimento e estende-se entre 25 a 75 cm do corpo. As suas cores vão desde
os matizes claras e brilhantes aos matizes escuras e turvas, dependendo da clareza ou da confusão dos
sentimentos da pessoa. A falta de vitalidade ou o estímulo excessivo, os desejos (constantemente frustrados ou
satisfeitos de forma obsessiva), o recalcamento ou a expressão excessiva da ansiedade profundamente enraizada,
a irritabilidade e as emoções reprimidas são alguns exemplos de causas de desequilíbrio deste corpo. (Ver
Figura 3)

C) 3° Corpo sutil - Corpo Mental


O corpo mental é composto por substâncias ainda mais subtis e está associado a pensamentos e processos
mentais. Este corpo surge, normalmente, como luz amarela e estende-se entre 75 cm a 2 m do corpo físico. O
corpo mental contém a estrutura das nossas idéias, expressas em formas-pensamento (pensamentos habituais
tornam-se forças muito poderosas que influenciam a nossa vida, originando paz e harmonia ou caos e
15
desequilíbrio). (Ver Figura 4)

Embora alguns mestres afirmem que é possível controlar os nossos pensamentos e acalmar a mente, para a
maioria das pessoas isso não é assim tão simples. Por razões culturais, na sociedade atual (especialmente a
Ocidental) somos diariamente mergulhados na super estimulação mental, funcionando numa freqüência que para
este corpo é caótica. Por isso muitas vezes é-nos dito que é impossível "pensar em nada". No entanto, é possível
tirarmos partido da nossa mente para atividades mais harmônicas com o desiderato do nosso SER, educando-a a
funcionar num padrão vibratório mais elevado. Tal consegue-se através da meditação, da respiração consciente,
e com a mudança dos hábitos quotidianos, proporcionando à Mente um "alimento" mais saudável. À medida que
clarificamos, harmonizamos, e revitalizamos o Corpo Mental vamos descobrindo faculdades que estavam em nós
adormecidas.

Estes corpos são os veículos da expressão da alma nos planos materiais. Os corpos etérico, emocional e mentais
são corpos materiais, mas as suas frequências são demasiado elevadas para que possamos observá-los através
dos sentidos físicos como são culturalmente desenvolvidos. Estes quatro corpos (físico/etérico, emocional e
mental) permeiam-se mutuamente mas, embora estejam em contacto entre si, são relativamente independentes.
Por exemplo, podemos ter um período de confusão mental, sem que o corpo físico se ressinta ou ter uma dor
física e continuar a pensar claramente. No entanto, como eles se tocam, com o tempo o desequilibrio em
qualquer um dos corpos afecta os restantes.

16
Corpos Sutis (Materiais)

Figura 2 Figura 3

17
Figura 4

(imagens extraídas do livro Mãos de Luz, de Barbara Ann Brennan)

18
2.4.2. Meridianos e nadis

Segundo a cultura chinesa, os meridianos são os canais energéticos que percorrem o corpo humano e conduzem
a energia vital.

Cada um dos meridianos está relacionado com um órgão e com uma função, os quais por sua vez, estão
relacionados com o princípio chinês do Yin e do Yang.

Quando a energia que os percorre se encontra desequilibrada é possível reequilibrá-los estimulando os


meridianos em diversos pontos, e esse é o princípio da acupuntura, do “Do-in” e do Shiatsu.

Os nadis são três: Sushumna, Ida e Pingala. Ida e Pingala têm a capacidade de captar a prana diretamente do
ar, através da respiração e expedir tóxicos durante a exalação. Disso se deduz a importância de uma boa prática
respiratória.

19
2.4.3. O Despertar da Kundalini e os nadis (condutos) Sushumna, Ida e Pingala

De acordo com os iogues, existem dois condutos nervosos na coluna espinhal chamados IDA e PINGALA, e um
canal oco, ao qual chamam de "SUSHUMNA". Os gregos o chamavam de SPIEREMA, "correndo através da
medula da espinha."

Ida é o canal condutor de energia lunar (tranqüilizadora). Esse canal básico começa no lado esquerdo do chakra
básico e termina na parte superior esquerda do nariz. Pingala é o canal condutor
de energia solar (estimulante). Esse canal começa no lado direito do chakra básico
e termina na parte superior direita do nariz. Sushumna é o canal por meio do qual
se processa a descida e a subida da energia cósmica. Todos os chakras têm suas
“raízes” nesse canal, que vai do chakra coronário ao chakra básico.

No final mais baixo do canal oco está o que os iogues chamam de "Lótus da
Kundalini." Eles o descrevem como uma forma triangular; dentro dele, na
linguagem simbólica dos iogues, há o poder espiralado da Kundalini. Quando
aquela Kundalini desperta, ela tenta forçar a passagem através desse canal oco
Conforme ela ascende passo a passo, camada após camada, a mente torna-se
aberta, e todas as visões diferentes e poderes maravilhosos despertam para o
iogue. Quando ela alcança o cérebro, o iogue torna-se completamente desapegado
do corpo e da mente. A alma encontra-se liberta.

Nós sabemos que a medula espinhal é composta de uma maneira peculiar. Se tomarmos a figura do oito
horizontalmente, existem duas partes que estão conectadas no meio. Supondo que você acrescente oito após,
mais oito após oito empilhando-se um sobre o outro; isso representará a medula espinhal. O da esquerda é IDA
e o da direita é PINGALA, e o canal oco que corre através do centro do cordão espinhal é o SUSHUMNA. Todos
os três se encontram e se unem na parte mais inferior.

No lugar onde a medula espinhal termina em algumas das vértebras lombares, uma fibra fina emerge para baixo
e o canal continua a percorrer suave para dentro daquela fibra, só que bem mais fino. O canal é fechado na
parte mais baixa, a qual está situada no que é chamado o plexo sacral – que, de acordo com a fisiologia
moderna, está em forma triangular. Os diferentes plexos que têm seus centros no canal espinhal correspondem
aos diferentes lótus ou chacras do iogue.

O iogue imagina vários centros sutis (os chacras) começando pelo


MULADHARA, ou o centro triangular básico, e terminando com o
SAHASRARA, o lótus das mil pétalas no cérebro. Tome nota que diz-se
que ele ESTÁ no cérebro. A maioria, senão todos os escritores ocidentais
e "autoridades" entendem que isso significa o cérebro. Mas não é bem
assim. Diz-se NO cérebro, portanto isso não significa que o lótus das mil
pétalas SEJA o cérebro. Logicamente isso não poderia ser tampouco,
porquanto o cérebro é um órgão de função sensorial material e o Lótus
das mil pétalas é de função psíquica e espiritual. (Pesquisas recentes
encontraram uma área no topo do cérebro que é DIFERENTE da
"matéria cinzenta." Quando você faz os exercícios prescritos, ou outras
práticas hinduístas, budistas, taoístas, sufista etc., abrirá um centro no
topo da cabeça através do qual nova energia é contatada, confirmando
esse fato para você mesmo.). Portanto, se tomarmos esses diferentes
plexos como representando esses lótus, as idéias dos iogues podem ser
facilmente compreendidas na linguagem da fisiologia moderna.

Sabemos que existem duas fontes de ação nessas correntes nervosas, uma conduzindo para dentro e a outra
para fora, uma sensorial e uma motora; uma carrega uma sensação para o cérebro e a outra do cérebro para o
corpo exterior. Essas vibrações estão todas conectadas com o cérebro no final das contas. Vários outros fatos
terão que ser relembrados para poder clarear o caminho para a explanação que vem a seguir.

A medula espinhal termina no cérebro com aquilo que é chamado de PONS, um órgão parecido com uma
lâmpada na base da medula, o qual diz-se que não está conectado ao cérebro, mas flutuando dentro de um
fluido no cérebro, o que entre outras razões, serve para atuar como uma proteção de choque para esse órgão –

20
um fato importante a ser lembrado. O PONS é o receptáculo dos centros que controlam essas funções vitais do
corpo, como a respiração, os batimentos cardíacos, etc.

Segundo, de todos os centros você deve lembrar-se particularmente de três: o MULADHARA, que é o centro
básico (chacra básico), o MANIPURA ou o lótus do umbigo (chacra umbilical) e o SAHASRARA no cérebro (chacra
da coroa ou chacra coronário). O Muladhara é o receptáculo, o gerador da Kundalini. O Manipura é o "Portal"
ensinado em todas as leituras de ocultismo. Todas as escolas esotéricas fazem uso desse centro de uma maneira
dinâmica para aumentar as energias que precisam ser manipuladas. O Sahasrara tem sido chamado de "porta"
através da qual outra energia é contatada. É o ponto do Samadhi – a fonte da Iluminação Espiritual (expansão
da consciência, consciência cósmica).

Agora vamos pegar um fato da Física. Ouvimos falar de eletricidade e de várias outras forças conectadas a ela. A
eletricidade é associada com movimento. As moléculas que compõem a matéria são acionadas pela eletricidade.
Geralmente movem-se em padrões específicos. Se todas as moléculas num quarto, ou num objeto são feitas para
se moverem em uma direção, formar-se-á uma imensa bateria. Outro ponto da fisiologia a ser lembrado é que o
centro que regula o sistema respiratório, o sistema respiratório, tem uma espécie de ação controladora sobre o
sistema das correntes nervosas. Agora vamos ver porque a respiração é praticada.

Em primeiro lugar, da respiração ritmada vem a tendência para todas as moléculas do corpo moverem-se em
uma direção. Quando a mente transforma em vontade, as correntes nervosas são transformadas em um
movimento similar à eletricidade. Os nervos mostram a polaridade sob a ação de correntes elétricas, mostrando
por sua vez que quando a vontade é transformada, as correntes nervosas são transformadas em algo parecido
com a eletricidade. Portanto, quando todas as moléculas de um corpo se tornaram perfeitamente rítmicas, o
corpo tornou-se uma bateria gigantesca de vontade. Essa vontade gigantesca, tremenda é exatamente o que o
iogue deseja. Existe, portanto, uma explicação fisiológica dos exercícios de respiração. Eles tendem a trazer uma
ação rítmica para dentro do corpo e ajudam o centro respiratório a controlar os outros centros.

Na base da coluna, na área Sacral, existe uma área anular parecida com
um canal, uma seção de osso que tem na realidade, três e meia espirais.
Depois, no sexto VENTICLE tem o espaço vazio que percorre o centro da
medula espinhal. Considerando que tudo o mais nos ensinamentos iogues
foi confirmado agora pela ciência ocidental, precisamos presumir que da
mesma maneira pode ser demonstrado que esse canal é fechado na parte
de baixo onde se une ao canal anular. É por essa razão que a energia
acumulada, ou gerada ali, não pode ascender até que a clausura seja
aberta. Mas, mesmo depois de ter sido aberta, deve-se AUMENTAR O
INFLUXO, e é aí que entra a área do Plexo Solar (em realidade a área do
umbigo). Por isso ele é chamado de "Portal."

É interessante notar-se que os povos pelo mundo todo têm desenhado a


serpente como estando em pé, conforme ilustrado adiante, e que a coluna
se parece exatamente como a serpente se levantando. É também
interessante que a base da coluna é o ÚNICO lugar do corpo todo onde
todos os sistemas nervosos se unem num ponto comum de encontro. Os nervos simpáticos, o vago e cérebro-
espinhais, todos se unem por anastomose na base da coluna. A clausura do canal na base da coluna explica
porque os estudantes que realizam certas práticas sem a preparação correta, podem sofrer contusões ou então a
morte! Se a energia é aumentada, para onde ela deverá ir? Ela tem que ir para algum lugar! Se "para baixo",
produz um excesso sexual; se através do nervo vago ou simpático, produz doença; se subir pela coluna para
dentro do cérebro, insanidade.

IDA e PINGALA são os principais canais através dos quais essas correntes passam. Se você conseguir fazer
com que a corrente passe através do sushumna no meio da medula espinhal, você já resolveu o problema. O
SUSHUMNA, nas pessoas comuns, está fechado na extremidade inferior; nenhuma ação se processa através
dele. O iogue propõe uma prática pela qual ele pode ser aberto e as correntes nervosas serem levadas a transitar
através dele.

Quando uma sensação é levada até um centro, o centro reage. Agora o centro no qual todas as sensações
residuais ficam acumuladas é o Muladhara, o receptáculo da base, e a energia espiralada é a Kundalini, conforme
mencionado acima. É muito provável que a energia motora residual também esteja acumulada no mesmo centro,

21
depois de estudo profundo ou meditação sobre o externo, objetiva a parte do corpo onde está situado o
Muladhara e torna-se quente. Se essa energia espiralada for despertada e ativada e conscientemente levada a
viajar até o Sushumna, ela atua sobre centro após centro e uma tremenda reação será desencadeada.

Quando uma porção minúscula de energia percorre uma fibra nervosa, causa uma reação do centro de
percepção e você tem ou um sonho ou imaginação. O poder da meditação longa, interna, atua sobre a imensa
massa de energia que está acumulada, e se alguma parte dela percorrer o Sushumna e atingir os centros, a
reação é tremenda e imensamente superior à reação do sonho ou da imaginação. Uma percepção supersensível
ocorre. Quando chega na metrópole de tudo, no cérebro, a área inteira reage, e causa uma enorme labareda de
iluminação, a percepção do Ser. Conforme a força da Kundalini percorre desde um centro para o outro, a mente
como era, abre-se e o universo é percebido pelo iogue pela forma sutíl causal.

2.4.4. Prana e Respiração

Da Índia conhecemos a palavra “Prana”, que significa respiração vital e também Energia Cósmica. É a Energia
Universal que provém do ar, do sol, da terra e do cosmos.

O prana para os iogues, chi para os chineses, ki para os japoneses, ka para os egípcios, essas diversas
traduções descrevem os diferentes níveis de respiração. Através da respiração estamos conectados com a força
vital que penetra em tudo, e sem a qual não poderia haver Criação.

Deste modo tomamos consciência das dimensões de nossa respiração, que representa algo tão universalmente
grande, apesar de ser tão comum. Ao dirigir a consciência para a nossa respiração, poderemos dar origem a
muitas coisas positivas, influenciando sobre os chakras.

Os chakras são vórtices, ou redemoinhos por onde se absorvem energias superiores ou prana, para logo as
transmutar em oitavas inferiores, ou seja em vibrações energéticas mais baixas, para que o organismo as possa
utilizar, realizando mudanças fisiológicas e hormonais no corpo físico; mas se tivermos bloqueios energéticos no
percurso dos nadis, vai estar perturbado o normal fluxo ou percurso da bioenergia através do organismo.

Os nadis formam uma magra trama sutil. Estima-se que existem aproximadamente 72.000 canais ou nadis, que
se desenvolvem e entretecem como uma rede, com fios invisíveis ao redor do sistema nervoso físico e que,
devido a sua íntima interconexão com este, afetam a qualidade da transmissão dos impulsos nervosos nos
sistemas cerebral, espinhal e periférico.

2.4.5. Como se processa a Cura

O Campo de Energia Humano (CEH) é enfraquecido, entre outros, por uma dieta pobre, falta de exercício, falta
de ar puro, falta de descanso, stress, álcool, drogas, tabaco, hábitos e pensamentos negativos e atividade
psíquica e espiritual desequilibrada. Quando o Ser Humano compreender que tem outros corpos e vive em várias
realidades e dimensões, começará gradualmente a reajustar-se energicamente com o Universo a todos os níveis,
bem como a melhorar a saúde do seu corpo físico.

A lei básica da cura holística mostra que todas as doenças resultam da inibição da vida da Alma. Desta forma, a
arte do curador consiste em libertar a alma, a fim de que a vida, a saúde e a harmonia possam fluir. Existem
vários métodos para obter a cura, tendo cada um o seu próprio valor e lugar, dependendo do ponto de evolução
da pessoa submetida à cura. Embora com métodos diferentes, todas elas têm como objetivo curar doenças e
eliminar condições indesejáveis, restaurar o equilíbrio na pessoa e aumentar a vitalidade, para que a doença seja
eliminada.

A cura no ser humano pode ser definida como o estado de harmonia que surge da integração da vontade
individual na vontade espiritual e cósmica, presente no interior do seu ser. Para a cura efetuar-se é preciso fé e
intenção de transformação, pois ela não depende exclusivamente de agentes materiais. A cura do corpo
físico/etérico, do emocional e mental, quando verdadeira, decorre da cura interior. Muitas vezes, una
enfermidade nada é mais do que o expurgo de elementos grosseiros para um novo equilíbrio instalar-se.

O retomo à saúde requer um trabalho e urna mudança muito mais pessoal do que a simples ingestão de
comprimidos. Sem essa mudança pessoal, acabamos criando outro problema, que nos conduzirá de volta à
origem da enfermidade. A origem é a chave. Para lidar com ela, impõe-se uma mudança capaz de conduzir

22
finalmente a uma vida mais ligada ao interior do nosso ser. Isto significa investir tempo, eventualmente dinheiro
e sobretudo energia no que podemos chamar de "progresso espiritual".

23
2.5. Chakras

A palavra chakra é sânscrita e significa “roda”. No Oriente, onde os chakras se conhecem desde a Antigüidade,
dão-lhes nomes exóticos. Encontramos uma vasta literatura a respeito de teorias orientais que são, na verdade, a
base do trabalho científico de investigadores ocidentais e de terapeutas. Como o Reiki trabalha, principalmente,
sobre o corpo energético, é muito importante conhecer esses trabalhos. Os chakras são centros energéticos
coloridos e redondos responsáveis pelo fluxo energético no corpo.

Têm como função principal absorver a energia universal, metabolizá-la, alimentar a nossa aura e, finalmente,
emitir energia ao exterior. No Ocidente os chakras são visualizados como redemoinhos de energia, pequenos
cones (funis) de energia giratória, que funcionam como veículos de energia ou zonas de conexão de energia, e
que unem o corpo físico ao energético, funcionando como uma espécie de aparelho de captação e expulsão,
cujos vórtices giratórios permanecem em constante movimento e têm, no ser humano normal, um diâmetro de 5
a 10 centímetros.

Os chakras são responsáveis por inumeráveis ações complexas no corpo humano. Através dos chakras perdemos
energia quando estamos diante de um sofrimento físico e emocional, pois cada chakra é um ponto coletor de
uma determinada zona de conflito e desenvolvimento. Os escritos antigos mencionam aproximadamente 88.000
chakras. Isso significa que no corpo humano não existe virtualmente um ponto que não seja sensível
energeticamente. A maior parte deles desempenha papéis secundários.

Os chakras com os que trabalha o Reiki são os sete principais, e estão localizados desde a base da coluna até a
parte superior da cabeça. Dos sete chakras principais, dois são simples; têm apenas um vórtice (acesso): o
primeiro e o sétimo; quanto aos outros, são duplos e apresentam vórtice anterior e posterior. A aura humana
está associada a esses sete chakras principais. (Ver Figuras 5 e 6).

O funcionamento perfeito dos chakras é sinônimo de saúde perfeita, mas a abertura de todos a todos os níveis é
sinônimo de evolução; é o que os mestres denominam a iluminação. Existem inumeráveis técnicas de abertura
dos chakras; entre elas, o Reiki tem a vantagem de ser uma técnica suave. O tamanho dos chakras depende do
desenvolvimento espiritual e das vibrações que emitimos; são amplos, brilhantes e translúcidos, alcançando 20
centímetros de diâmetro nas pessoas espiritualmente desenvolvidas; nas pessoas mais materialistas, de vibrações
mais baixas ou primitivas, apresentam-se em cores mais escuras, opacos e com diâmetro reduzido. No primeiro
caso, canalizam maior quantidade de energia vital, facilitando o desenvolvimento das faculdades psíquicas.

Os chakras se estabelecem nos canais energéticos; mais precisamente, na intercessão dos fluxos energéticos
conhecidos como meridianos. Os chakras giram para a direita ou para a esquerda, e o sentido de rotação troca de
um chakra a outro, e de um sexo a outro; assim, o chakra básico do homem gira para a direita, expressando um
modo mais ativo e dominador no âmbito material e sexual; o chakra básico da mulher gira para a esquerda,
expressando uma maior receptividade à força criadora da terra e à força na expressão das emoções.

Cada chakra funciona também como um portal o nosso passado de Alma, onde estão registradas todos os nossos
ensinamentos passados e experiências que conduzirão a novos ensinamentos. Através deles podemos acessar às
causas das enfermidades que constatamos no corpo físico ou ainda de bloqueios que sentimos em nossa vida em
geral, podendo assim encontrar a chave para a cura.

Estes chakras vão continuar ativos enquanto o ser humano se encontrar sob a Lei do Karma·. Uma vez esta seja
transcendida, passamos a ser regidos pela Lei Evolutiva e estes chakras não terão mais influência sobre nós.

Na verdade, o sistema energético do ser humano está passando por modificações, ou seja, do sistema de 7
chakras, próprio de uma humanidade regida pela lei do Karma, para o sistema de 3 centros do consciente direito,
adequado para a expressão de energias mais sutis e da vivência de leis de evolução superior. Os centros do
consciente direito são vórtices localizados nos corpos sutis do ser humano, por meio dos quais a consciência
interna se expressa em sintonia com padrões e leis superiores.

Assim, na atual transição planetária, além da implantação do novo código genético, o potencial energético
disponível para a humanidade se eleva e o que era antes distribuído por sete centros principais vai passar a
manifestar-se por três (o cerebral direito, o cardíaco direito e o plexo cósmico).

24
Os Corpos Sutis e os Chakras funcionam em uma interdependência muito complexa, com inúmeras inter-relações
de causa/efeito. Ainda assim, observamos que para cada um dos 7 chakras principais existe um corpo sutil
diretamente relacionado. (Ver Figuras 7 e 8)

No 2° nível do Reiki este aspecto será abordado de forma mais específica, e em particular os 4°, 5°, 6° e 7°
Corpos Sutis.

2.5.1. Sete maneiras de experimentar o Espírito Santo

A função principal dos Chakras é a de servir como centros energéticos ou cálices para receber, sustentar e
multiplicar a luz de cada um dos Sete Raios da criação. Cada Raio possui umas características Divinas específicas,
ou dons, que deveríamos estar expressando diariamente. Os Chakras são os meios para que o Espírito Santo se
manifeste através de nós. Através deles conhecemos seus diferentes aspectos e podemos receber seus dons. Isto
quer dizer que o processo de equilibrar os chakras significa experimentar o fluxo do Espírito Santo de sete
maneiras diferentes.

Os Chakras governam o fluxo de energia aos quatro corpos inferiores. Estes corpos são: o etérico, que guarda o
patrão de identidade Divina para cada homem e mulher; o mental, cuja finalidade é ser um recipiente da mente
de Cristo; o emocional, criado para experimentar as emoções divinas que fluem do Espírito Santo, e o físico, cuja
função é expressar a glória e o poder de Deus na matéria.

O fluxo de energia nos chakras se inicia no chakra do coração, dali sobe ao chakra da garganta, descende
novamente ao coração, baixa ao chakra do plexo solar e chega novamente ao coração. Este ciclo completa a
figura do oito. Este padrão se repete novamente com os chakras do terceiro olho e o chakra sexual, assim como
com o chakra da coroa e o chakra básico.

A luz que emana dos chakras durante este ciclo contínuo de energia, cria o que se costuma chamar de Aura, a
qual é um campo eletrônico de energia, cuja vibração, forma e cor estão diretamente relacionados com o estado
de consciência da pessoa. Isto é: a soma da qualidade de seus pensamentos, sentimentos, palavras e ações. A
existência da aura e dos chakras ficou plenamente demonstrada com a invenção da câmera Kirlian e aparelhos
hoje em dia mais modernos, que podem fotografá-los em panorâmica.

25
Figura 5 Figura 6

26
Os 7 chakras maiores e os centros de poder
- vistas anterior e posterior –

Figura 7

27
Esquema de corpos sutis (aura)
- relação com os 7 chakras principais –

Figura 8

(imagens extraídas do livro Mãos de Luz, de Barbara Ann Brennan)

28
Chakras
(posição de pé)

Figura 9

29
Chakras
(posição sentado)

Figura 10

30
2.5.2. Primeiro chakra ou chakra básico (ou da base ou raiz)

6
Yantra do Chakra Raiz

“PORTA DA VIDA E DA MUERTE. LUGAR DE NASCIMIENTO E DE REENCARNAÇÃO. ASSOCIADO COM A TERRA.


CAPACIDADE PARA TOMAR A ABUNDANCIA DO PLANETA”

Nome em sânscrito: Muladhara (“Mula” = Raiz, Base, Fundação)


N° de pétalas: 4
Forma geométrica: Quadrado, possuindo grande relação ao conhecimento ligado à terra, às
quatro dimensões e às quatro direções
Significado: Sentido de segurança, aceitação de si mesmo
Princípio básico: Vontade corporal para o ser (como pólo oposto à vontade espiritual de
ser no sétimo chakra)
Aprendizado de Alma: Serviço
Localização: Plexo pélvico, região entre o ânus e genitais, base da coluna vertebral
(cóccix), sobre a região pélvica (distância de aprox. oito dedos abaixo
do umbigo)
Governa: Coluna vertebral, rins, glândulas supra-renais, sistema reprodutor
Glândula: Supra-renais
Órgão de ação: Pés
Órgão dos sentidos: Olfato (nariz)
Cor: Vermelho-Sangue (varia para roxo ou vinho), ou Preto.
Se tem muita energia é vermelho escuro, e se falta energia é vermelho
claro
Corpo áurico: Físico/Etérico
Elemento: Terra
Nota musical: DO
Bija Mantra: LAM
Cristais: Todas as pedras vermelhas. Ex: rubi, coral, ágata Vermelha, granada,
jaspe de sangue ou heliotrópio, e também quartzo e turmalina negra
Alimentos estimulantes: Proteínas - frutos vermelhos – vegetais
Instrumento musical: De percussão: tambor, sinos (de dobrar), etc.
Música harmonizadora: Música de tambores, de sons da selva, e também a música árabe
Função: Responsável por nossa força e saúde física, sensualidade, emoções
reprimidas; estimulante da maturidade e do senso de realidade física;
quando em desequilíbrio nos torna irritadiços, instáveis, com sonos
profundos e insónias inexplicadas, sem força de vontade e desprovidos
da segurança e estabilidade necessária.

6
Os Yantras são antigos desenhos geométricos. Estas imagens sagradas são portais para diferentes mundos de luz.

31
Os arquétipos deste chakra quando:

- está equilibrado => A Boa Mãe


- está hipoativo => A Vítima
- está hiperativo => O Ganancioso

O Chakra Básico se situa na base da coluna vertebral, entre o ânus e os órgãos sexuais, na cintura pélvica.

Este chakra está aberto para baixo e representa a união do homem com a terra ou com o mundo material e físico,
e está vinculado com nossa existência terrena, com nossa sobrevivência. Relaciona-se com o nível da consciência
que nos permite sobreviver no mundo, com todo o material, sólido e corporal, assim como também com nossa
energia física e com nossos desejos de viver no mundo físico.

É o chakra que capta a energia para manter em nosso corpo a coluna vertebral, os rins, os ossos, os dentes, o
intestino grosso, o ânus e o reto. Muitas doenças de vértebras, de coluna vertebral devem-se a um mau
funcionamento deste chakra.

É o chakra onde nasce e reside a energia Kundalini que se movimenta em espiral, pelos nadis, rios internos
conhecidos por Ida e Pingala que distribuem por todo o corpo energia e o impulso de vida. É também o centro
erótico do Ser.

Quanto mais aberto e vitalizado se encontre este chakra, mais elevada será nossa energia física (disposição).
Assim estaremos bem enraizados e viveremos com determinação e perseverança em nossas vidas. Por isso estão
concentradas nele as qualidades que têm a ver com a terra e os meios de sobrevivência, como por exemplo: o
alimento, o ar, a água, os recursos econômicos, o trabalho ou o emprego, a capacidade de luta, ganhar e gostar
de dinheiro, lutar pela realização de seus ideais e desejos, ter rumo e orientação e não depender de outras
pessoas; quer dizer, tudo o que é necessário para nossa existência.

Se o reikiano sentir que o primeiro chakra necessita muita energia, pode diagnosticar facilmente que o paciente
tem dificuldades em uma ou em todas as qualidades indicadas anteriormente.

A cor deste chakra é o vermelha ou o preto; assim, usando estas cores, a sua energização pode ser acelerada.
Quando estiver ativo têm cor vermelho-fogo, o seu elemento correspondente é a “terra” e o seu som (Bija
7
Mantra ) é o LAM.

O vermelho é o símbolo da vida, a força, a vitalidade e a natureza física do ser humano. A experiência provou que
as plantas colocadas sob um globo vermelho crescem quatro vezes mais rapidamente do que as expostas à luz
normal. Pelo contrário, seu crescimento se efetua com mais lentidão se forem colocadas sob um globo azul ou

7
Bija-Mantra (Sânscrito: mantra semente) - Mantra resumido de rápido efeito de ação, normalmente mono ou bissilábico e associado
diretamente a um chakra, pétala ou divindade.

32
verde. O vermelho estimula, pois, a vitalidade, enquanto o verde e o azul retardam a atividade energética.

Na natureza o vermelho é associado com o fogo e com o calor. O ser humano vê vermelho quando sucumbe à
cólera ou a uma violenta paixão. O vermelho do fogo terrestre se transforma em amarelo dourado, cor da pura
essência espiritual, a do Fogo Divino.

A utilização da cor vermelha dá excelentes resultados no tratamento das enfermidades produzidas por uma
deficiência sangüínea, como no caso da anemia, por exemplo. Atua igualmente com eficácia quando há má
circulação do sangue, emagrecimento anormal, desnutrição, depressão e letargia. O vermelho possui uma
vibração que gera calor. É a cor dominante entre os povos primitivos. O rosa é a cor da harmonia universal.

O seu centro físico corresponde às glândulas supra-renais, que produzem a adrenalina, e que têm a função de
regular a circulação e equilibrar a temperatura do corpo, preparando-o para reações imediatas.

O desequilíbrio do chakra básico produz fisicamente anemia (deficiência de ferro), leucemia, problemas de
circulação, pressão baixa, pouca tonicidade muscular, fadiga, insuficiência renal, excesso de peso.

Os bloqueios no chakra básico freqüentemente desembocam em sintomas e atitudes mentais, como pacifismo
extremo (“eu não consigo fazer mal nem a uma barata!”), medo existencial (“ninguém em sã consciência poderia
ter filhos atualmente!”), agressão excessiva (“vamos agredir a este louco nauseabundo!”), medo à morte (“não
quero correr nenhum risco!”), problemas com o planejamento do tempo (“não sei por quê estou sempre
atrasado!”), impaciência (“por que esse idiota não sai do meio?”) e dependência (“não consigo viver sem
ele/ela!”).

Se houver pouca energia pode manifestar-se como insegurança (em si mesmo), depressão... Quanto ao
sentimento de segurança, de consolidação na terra, é muito bom colocar nos bebês, a mão no cóccix, pois isso os
faz se sentirem seguros na terra, se sentirem amados, e os afirma nela. (A alma dos bebês, sobretudo ao
princípio, está continuamente entrando e saindo de seu corpo, e colocar-lhes a mão neste chakra, no cóccix, ajuda
a que permaneçam mais no corpo, também os tranqüiliza).

Se este chakra não está equilibrado ativará muito as glândulas supra-renais e fará que a pessoa sinta cansaço (por
excesso de adrenalina). A adrenalina produzida pelas glândulas supra-renais, verte-se no sangue em grande
quantidade por fortes emoções, excitação (medo), desgostos, luta, isto capacita o corpo para superar a crise (faz-
nos estar dispostos para enfrentar a situação), mas se subir muito o nível de adrenalina no sangue, produz-se um
desequilíbrio, uma desarmonia energética, que deixa sem reservas as glândulas e produz muito cansaço.

Uma criança que tropeça muito, terá algum bloqueio neste chakra básico, insegurança, etc. Se for uma criança
hiperativa pode-se tratá-la dando-lhe massagens nos pés, nas costas ou na nuca.

Pode-se bloquear temporariamente quando se trabalha muito mentalmente, espiritualmente e quando não se
assume as responsabilidades da vida, o trabalho na terra, quando não se controla a parte material (não assumir a
responsabilidade de trabalhar, cuidar dos filhos, não controlar a questão do dinheiro, posses, etc.).
Também se pode bloquear por trabalho físico excessivo. Do mesmo modo, se bloqueia por se trabalhar em lugar
com pouca energia, como pode ser um centro geriátrico, um lugar onde haja muitos doentes; o local absorveria a
energia da pessoa, já que este chakra tem a ver com o desejo de viver.

Quando uma mulher tem problemas no parto, é devido a um bloqueio deste chakra, e o bloqueio pode passar
para o bebê no momento do nascimento.

Este chakra, como os outros pode estar bloqueado de maneira contínua ou temporária. Os sintomas nos indicarão
isso. Como no sistema de chakras estão todos muito relacionados, se há bloqueio neste chakra haverá problemas
para circular a energia pelos outros também.

Quanto ao equilíbrio de energias, nossa energia (o total) pode estar distribuída desigualmente nos meridianos,
afetando a um órgão ou outros.

No nível físico, dominam os três primeiros chakras, básico (1º), umbilical (2º) e plexo solar (3º). O do coração
(4º) faz de mediador relacionando a parte física com a parte espiritual da pessoa. Esta parte espiritual está
governada pelos três chakras superiores : o da garganta (5º), o terceiro olho (6º) e o da coroa (7º chakra). Se

33
houver um bloqueio em algum dos três primeiros, estarão também afetados os outros dois, e também se
perturbarão os superiores, já que a energia não fluirá adequadamente pela coluna vertebral, que é o conduto por
onde circula.

Bloqueios que denunciam a disfunção do chakra:


- Falta de dinheiro
- Más relações no lar ou no trabalho
- Má relação com a mãe física
- Dores nos ossos ou dentes
- Resfriados
- Rinites, sinusites, etc.
- Problemas da coluna ou rins.

Patologias: Doenças intestinais, bexiga, dores menstruais, cansaço na nuca, nas costas (zona lombar), pés frios.

34
2.5.3. Segundo chakra ou chakra do umbigo (ou do sacro ou sexual)

Yantra do Chakra Umbilical

Chakra umbilical - Segundo chakra

“CENTRO DA ESCOLHA SEXUAL. PODER DE GERAR ENERGIA DA VIDA”

Nome em sânscrito: Svadhishthana (“Morada do Sol”)


N° de pétalas: 6
Forma geométrica: Círculo. Representa a forma crescente da lua
Significado: Este chakra é sutil, enquanto o chakra básico é mais brusco
Princípio básico: Propagação criativa do ser
Aprendizado de Alma: Paz e magia
Localização: Plexo hipogástrico. Zona do umbigo, entre a última vértebra lombar e
o osso sacro (distância de aprox. dois dedos abaixo do umbigo)
Governa: Sistema reprodutor, sistema circulatório, rins e bexiga
Glândula: As gônadas (glândulas sexuais)
Órgão de ação: Mãos
Órgão dos sentidos: Paladar (língua)
Cor: Laranja
Corpo áurico: Emocional
Elemento: Água
Nota musical: RE
Bija Mantra: VAM
Cristais: Todas as pedras alaranjadas. Ex: opala de fogo, jaspe laranja,
cornalina, calcita alaranjada, e também pedra da lua
Alimentos estimulantes: Abóbora, cenoura, milho, laranja, manga, caqui
Instrumento musical: De sopro: flauta doce, quena ou kena (variação de flauta), etc.
Música harmonizadora: A melhor música para este chakra é a música que contenha sons de
água. Pode ser som de mar, de rio, ribeirão, música indiana
Função: É a sede dos nossos desejos, controla o nosso apetite alimentar e
sexual, o aparelho e os órgãos de procriação, tanto masculinos quanto
femininos, a fertilidade, a criatividade. Guarda as lembranças das
vidas passadas, provoca sonhos proféticos e sensibilidade apurada, é a
sede da nossa vitalidade. É chamado pelos chineses de Tan Tien (terra
dos remédios). Seu desequilíbrio provoca falta de vontade de realizar
as coisas, insatisfação com o que estamos fazendo ou trabalhando,
vida sexual desregrada, falta de apetite alimentar e sexual,
esterilidade, falta de criatividade.

35
Os arquétipos deste chakra quando:

- está equilibrado => O Prazenteiro


- está hipoativo => O Mártir
- está hiperativo => O Voluptuoso

O Chakra do Umbigo se localiza na zona do mesmo nome (a aproximadamente uns 4 cm abaixo do umbigo) e
está aberto para a frente, tendo também um vórtice posterior. É o chakra da propagação da espécie e, portanto,
da reprodução. Como conseqüência lógica representa as relações afetivas, no que concerne ao prazer sexual.

No corpo, está dirigido para os órgãos reprodutores; as glândulas correspondentes são os ovários na mulher, e os
testículos e a próstata no homem. Sua cor é laranja e seu som (Bija Mantra) correspondente é o VAM.

A cor laranja é o símbolo da energia. É uma cor quente, positiva, estimulante, que facilita a assimilação dos
alimentos e regula a circulação sangüínea. É essencial no que se refere à vitalidade e à saúde. O laranja é a
combinação do vermelho e do amarelo, e se sabe que o vermelho é igual a personalidade, e o amarelo é igual a
sabedoria. Esta cor nos ajuda a controlar os movimentos de cólera e as reações negativas.

É o chakra que concentra as qualidades que têm que ver com a sexualidade, a curiosidade, a busca criativa do
prazer material, o gosto pelas coisas belas, pela arte, pelas emoções e, obviamente, as relações com outros
indivíduos. Por exemplo: o amor sexual, a abertura para coisas novas, as relações afetivas, amorosas e sexuais.

É um chakra fundamental, cuja atividade correta nos permite amar a vida, fazendo que seja mais prazenteira. Se
funcionar mal, pode transformar a vida em um pequeno “inferno” pessoal que termina refletindo-se nas pessoas
com as que vivemos e nos relacionamos. Este chakra é a sede dos medos, dos fantasmas e fantasias negativas
vinculadas à sexualidade, e do comportamento para o sexo oposto.

O chakra do umbigo indica a MATURIDADE sexual da pessoa. Relacionado com os laços familiares apaixonados.
Aceitação da própria sexualidade, a parte subconsciente que não reconhecemos ou não quer ver. Este chakra
demonstra também a CRIATIVIDADE da pessoa (ter filhos é a maior força criativa, ou as aptidões artísticas; se
houver um bloqueio no chakra, a expressão de si mesmo fica bloqueada, assim como a criatividade; pode-se ter o
sentimento de não servir para nada.).

No chakra do sacro está também o controle do mundo material a nível económico, o desenvolvimento com o
dinheiro, as finanças. A não-aceitação da própria sexualidade, do próprio sexo, tem a ver com a
homossexualidade.

Em casos de bloqueio produz frigidez na mulher e ejaculação precoce ou impotência nos homens. Também pode
provocar bloqueio por repressão sexual, ou se quando criança receberam carícias nos genitais.

Os bloqueios no centro sexual acontecem frequentemente em sintomas mentais, como medo da proximidade física
(“Não me toque!”) e repugnância pelo corpo (“O sexo é para os animais; os seres humanos nasceram para algo
mais elevado!”); mania de limpeza, incompreensão (“Não entendo!”); uma mente muito centrada na razão (“Para

36
que servem os sentimentos?”); ênfase excessiva em sentimentos impulsivos (“Para que refletir? Eu atuo por
instinto!”); desordens rítmicas (“Nem sei, nem posso dançar!”), (“Por que sofro sempre de dores menstruais?”),
(“Prefiro trabalhar de noite!”); isolamento (“Casamento e relação não me servem de nada!”); frigidez, impotência,
falta de apetite sexual (“Não necessito sexo, não vejo o que outros obtêm disso!”); medo de cair (“Nunca saltaria
de um trampolim!”).

A afirmação “não tem alegria de viver” resume a condição de um chakra sexual desordenado; os bloqueios nesse
chakra acabam freqüentemente em sintomas físicos, como enfermidades relacionadas com os fluidos do corpo
(laringe, linfa, saliva, bílis) ou com órgãos processadores desses líquidos (rins, bexiga, glândulas linfáticas). Se os
dois chakras da esfera “terra” (básico e do umbigo) não estiverem abertos em todos seus aspectos, os outros
chakras não poderão se abrir completamente, e funcionarão de um modo muito limitado. Esses temores podem
prejudicar a experimentação de prazer material, em um sentido amplo, e o gozo pleno da vida.

Está relacionado com a COMUNICAÇÃO, a expressão da si mesmo de acordo com o próprio sexo, a aceitação de
si; por isso tem muito a ver com o quinto chakra. Se há bloqueio neste chakra também o haverá na garganta.

Do mesmo modo, está muito relacionado com o chakra básico. O básico é o "estar com gosto na terra". O chakra
sexual é "estar com o corpo e com o próprio sexo" e, portanto, também está relacionado com o chakra do
coração, com o "amor por si mesmo".

Bloqueios que denunciam a disfunção do chakra:


- Falta de vontade de realizar as coisas
- Insatisfação com o que estamos fazendo ou trabalhando
- Vida sexual desregrada
- Falta de apetite alimentar e sexual
- Esterilidade
- Falta de criatividade.

Patologias: Estão relacionadas com este chakra as enfermidades no aparelho reprodutor, tumores, problemas de
ovários, problemas no parto. Nos homens problemas de próstata, etc.

37
2.5.4. Terceiro chakra ou chakra do plexo solar

Yantra do Chakra do Plexo Solar

Chakra do plexo solar - Terceiro chakra

“CENTRO DO PODER MASCULINO. VONTADE. QUESTIONA O PODER E EQUILÍBRIO DOS PODERES E É ONDE SE
PRODUZ A ASSIMILAÇÃO DA ENERGIA ABSORVIDA PELO ORGANISMO”

Nome em sânscrito: Manipura (”Cidade das Jóias”)


N° de pétalas: 10
Forma geométrica: Triângulo invertido, sugerindo o movimento descendente da energia.
Significado: Este chakra é EXPANSÃO
Princípio básico: Configuração do ser
Aprendizado de Alma: Amor, tanto humano como divino
Localização: Plexo solar, plexo epigástrico. Fica no meio das costelas (entre a 1ª
vértebra lombar e a última dorsal), em cima da "boca do estômago
(acima do umbigo e abaixo do osso esterno – peito)
8
Governa: Abdómen , intestino delgado, vesícula biliar, rins, fígado, pâncreas,
baço, coluna vertebral (parte dorsal e lombar).
Glândula: Pâncreas
Órgão de ação: Ânus
Órgão dos sentidos: Visão (olhos)
Cor: De amarelo a dourado (como um sol brilhante se está bem, ou apagado
se está mal)
Corpo áurico: Mental
Elemento: Fogo
Nota musical: MI
Bija Mantra: RAM
Cristais: Todas as pedras amarelas ou douradas. Ex: topázio, citrino, âmbar,
pedra do sol, olho-de-tigre
Alimentos estimulantes: Manteiga, gema do ovo, cenoura, batata-doce, abóbora, banana,
abacaxi, melão, pêssego, limão
Instrumento musical: De cordas: violino, guitarra; de teclas: órgão
Música harmonizadora: A música orquestral é a melhor, sinfonias, ballet.
Função: Serve para promover a clareza de raciocínio. Benéfico aos estudos e
todos os processos de aprendizagem. Cuida de todo o aparelho
digestivo.

8
Os três primeiros chakras congtrolam todos os órgãos do abdómen.

38
Os arquétipos deste chakra quando:

- está equilibrado => O Valente


- está hipoativo => O Submisso
- está hiperativo => O Dominador

O Chakra do Plexo Solar se localiza na zona do diafragma, na "boca do estômago", um pouco por cima do
estômago, ligeiramente à esquerda. Está aberto para a frente, e possui também um vórtice posterior.

Este chakra controla o estômago, a musculatura abdominal, o fígado, a vesícula, o baço e o pâncreas, as
secreções gástricas desordenadas e as disfunções das glândulas salivares.

O plexo solar é o cérebro de nosso sistema nervoso: é nosso Sol interior, nossa central elétrica pessoal, que deve
encontrar-se em estado de perfeito funcionamento.

O amarelo é precisamente o regulador perfeito deste sistema nervoso que, de ser defeituoso, impede que o plexo
solar distribua a energia de maneira coerente.

O amarelo é o símbolo do espírito e do intelecto, da inteligência superior e da sabedoria do plano mental. Sua
vibração positiva e magnética produz um efeito tonificante sobre o sistema nervoso.

As pessoas cujo corpo absorve raios vermelhos em excesso são habitualmente magras e agitadas. As que
assimilam muitos raios azuis são, pelo contrário, fleumáticas e têm tendência a engordar. Os raios amarelos, por
sua parte, têm a capacidade de neutralizar os raios vermelhos e os azuis.

A cor amarela contribui, de modo apreciável, para a cura da diabete e também no combate, com eficácia, a
obstipação (prisão de ventre).

Este chakra representa a personalidade, e nele estão concentradas as qualidades da mente racional e pessoal, da
vitalidade, da vontade de saber e aprender, da ação de poder, do desejo de viver, de comunicar e participar. É o
ponto de conexão com outras pessoas. Trata-se de um chakra poderoso, que promove a auto-aceitação. Através
de sua plena harmonia encontramos e vivemos com plenitude nossos atributos físicos e mentais; movemo-nos na
sociedade com desenvoltura e harmonia.

Vontade e poder representam para nós, na sociedade atual, uma chave do sucesso, mas também pode implicar
que, com o desejo de melhorar de posição social, cheguemos a menosprezar a nossos semelhantes, impondo-nos
sobre outros, com o objetivo de obter o que nos interessa. O egoísmo obstruiria, desequilibrando ou
desarmonizando os chakras superiores, e, conseqüentemente, estragaria nosso processo evolutivo.

Se este chakra estiver harmonioso, tem-se uma vida emocional satisfatória. Se o chakra estiver com falta de
harmonia, poderá alimentar um sentimento de inferioridade, e poderão diminuir-se as capacidades mentais tais
como a lógica e a razão, aumentando, como conseqüência disso, a confusão e o sentimento de insegurança;
assim, a pessoa pode gerar patologias, tais como diabetes, desordens no trato digestivo, alergias, sinusite,
insônia, além da separação entre amor e sexo.

39
Se estiver aberto ou rasgado: sofrem-se emoções extremas, capta-se o que está ao redor como se fosse uma
antena, captando os pensamentos e sentimentos de outros, e a energia própria se vai.

Se está bloqueado: não se sentem as emoções. Dá-se o ensimesmamento ou introversão, a pessoa vive encerrada
em si mesma. Se há bloqueio neste chakra, a pessoa não terá comunicação entre o segundo chakra (sexualidade)
e o chakra do coração (amor) e, portanto, não haverá equilíbrio: o amor e o sexo serão vividos de maneira
separada.

Os bloqueios no plexo solar acabam freqüentemente em sintomas e atitudes mentais, como pretensões de poder e
controle (“Meu marido”, “minha mulher”, “meu filho”, “meu dinheiro”); ambição (“A vida não tem valor se não
consigo uma função mais elevada”, “um emprego melhor”, “uma amante”, “se não trocar o carro todos os anos”);
gasto compulsivo (“Necessito desesperadamente de jóias ou roupas novas!”); ansiedade de consideração (“O que
vou fazer se meu patrão me despede?”, “se não aprovar as oposições”, “se tivesse que vender o carro novo!”) e
de inveja (“Esse indivíduo tem um BMW novo!”).

Seu centro físico corresponde ao pâncreas, cuja função é a transformação e digestão dos alimentos; o pâncreas
produz o hormônio insulina, equilibradora do açúcar no sangue e transforma os hidratos de carbono que, além de
isolar as enzimas, são importantes para a assimilação de gorduras e proteínas. O seu elemento é o fogo e seu som
(Bija Mantra) é RAM.

O esquema dos cordões da relação "filho-mãe" é algo tão marcado e tão importante que se repetirá nas demais
"famílias" do indivíduo, tanto na relação de casal como nos filhos que se tenham. Se o esquema de casal que se
tem é de "filho-mãe", isto se pode modificar mediante tratamentos para que seja de "adulto-adulto".

Os padrões de conduta que têm a ver com este chakra são:

 Desenvolvimento da personalidade independente


 Usar a intuição.
 O respeito por si mesmo
 A individualidade, a capacidade de decidir por si mesmo.
 Tomar decisões adequadas.
 Capacidade de responder a qualquer situação.

Padrões por uma carência neste chakra: MEDO E RAIVA.

 Medo a não ser igual


 Medo à situação econômica pessoal
 Ressentimento por responsabilizar-se por outro incapaz ou que se pendura em si
 Medo a não querer enfrentar-se com outros.
 Medo por acreditar não ser capaz de decidir
 Medo por não ter capacidade de decisão própria
 Medo à crítica, de si mesmo ou de outros, por sentir-se poderoso (medo ao próprio poder).
 Raiva por sentir o poder de decisão própria violado ou manipulado por outros.
 Raiva por sentir que se passa inadvertido
 Raiva por dar a outros e não dar a si mesmo
 Raiva pelas "vítimas" inseguras por desenvolver o temor ao fracasso (por medo a uma terceira pessoa
que me manipula e não quero me enfrentar com ela, então ataco a uma segunda pessoa).

O terceiro chakra é o que mais se relaciona com nosso ego, e por isso absorve muita energia dos dois primeiros.

Bloqueios que denunciam a disfunção do chakra:


 Problemas de vista
 Problemas de pele
 Problemas musculares
 Controle e manipulação
 Dependências
 Dificuldade de afirmação e de identidade
 Superactividade mental ou intelectual

40
 Sensação de vazio: por ter sofrido uma separação de alguém
 Ódio: por outros
 Bloqueio: a pessoa está embutida em si mesma, caminhando inclinada para a frente, cabisbaixa.

Patologias: Artrite, enfermidades de cólon e intestino delgado, problemas gástricos, problemas hepáticos e de
vesícula, indigestão, anorexia, bulimia, náuseas.

41
2.5.5. Quarto chakra ou chakra cardíaco

Yantra do Chakra Cardíaco

Chakra Cardíaco - Quarto Chakra

“O TATO. AMOR AO PRÓXIMO. RELACIONAR-SE COM TUDO E COM TODOS”

Nome em sânscrito: Anahata (”Ana” – nó; “Hata”-vibrar, ressoar; o ponto onde ressoa o
som cósmico
N° de pétalas: 12
Forma geométrica: Hexagrama - dois triângulos sobrepostos, um voltado para cima,
simboliza Shiva, o princípio masculino. O outro triângulo, voltado para
baixo, simboliza Shakti, o princípio feminino. Atinge-se o equilíbrio
quando estas duas forças estão unidas em harmonia.
Significado: Unidade, perdão, carinho, aceitação de si mesmo, sensibilidade, calor,
preocupação, intuição e compaixão
Princípio básico: Entrega do ser
Aprendizado de Alma: Irmandade
Localização: Plexo cardíaco. Zona cardiaca, entre la 4ª y la 5ª vértebra dorsal.
Sobre o osso externo, acima do coração, tórax, no meio do corpo e no
meio da linha que vai de um ao outro mamilo
Governa: Coração, pulmões, costelas, mãos, esôfago, sistema circulatório,
respiratório e imunológico
Glândula: Timo
Órgão de ação: Órgãos Genitais
Órgão dos sentidos: Pele
Cor: Verde, também rosa e dourado
Corpo áurico: Astral
Elemento: Ar
Nota musical: FA
Bija Mantra: YAM (o PAM)
Cristais: Todas as pedras verdes. Ex: esmeralda, turmalina verde, malaquita,
jade, crisopasa, dioptasa, perídoto, venturina (quartzo verde), ágata
musgosa, jaspe verde, amazonita e quartzo rosa
Alimentos estimulantes: Frutas e verduras verdes (abacate, kiwi, maçã verde, uva, agrião,
alface, escarola, brócolis)
Instrumento musical: De cordas: arpa
Música harmonizadora: Qualquer música que nos chegue ao coração é excelente. Música
Sacra, Clássica, New Age. É bom fazer movimentos suaves, harmoniosos, com
os olhos fechados, tratando de sentir profundamente o som da música

42
Função: Zela pelo bom funcionamento do coração, dos pulmões, da oxigenação
do organismo e da circulação sangüínea. Uma chave que liga o
emocional ao psíquico. Através dele são realizadas as curas psíquicas,
é um elo de ligação com seres espirituais de ordens superiores.
Intermedia os chakras superiores e inferiores; impulso de se abraçar a
sua Verdade, ao Amor; reequilíbrio; altruísmo; compaixão. Este chakra
se expande em todas as direções e dimensões, como uma estrela de
seis pontas.

Os arquétipos deste chakra quando:

- está equilibrado => O Altruísta


- está hipoativo => O Solitário
- está hiperativo => O “D. Juan”

O Chakra Cardíaco se localiza na parte superior do peito, na zona do coração, ligeiramente à esquerda; está
aberto para a frente, tendo também um vórtice posterior. Representa o amor incondicional que nos permite amar
inteiramente e sem condições.

Este chakra controla o coração, os pulmões, costelas, mãos, esôfago, sistema circulatório e respiratório. Sua cor é
o verde, seu elemento o ar e seu som (Bija Mantra) é o YAM.

O verde é o símbolo da harmonia, da simpatia, da criatividade, da saúde e da riqueza da natureza. Sua vibração
apazigua e equilibra o sistema nervoso. Combinação do amarelo (a alma) e do azul (o espírito), quarta cor do
espectro, o verde é a ponte entre as três primeiras cores, em relação com o plano físico, e os três últimos que são
os que pertencem ao plano espiritual.

O verde é, pois, o centro mesmo do espectro. Como a da melodia, sua vibração se desloca horizontalmente
materializando desse modo o espaço, enquanto a vibração do azul desloca verticalmente a imagem da harmonia,
que representa a noção de tempo. Pela direção de seu deslocamento, o verde e o azul formam a cruz, símbolo da
vida.

Na natureza, o raio verde irradia de todas as partes (florestas, matas, campos) e seu efeito benfeitor pode ser um
remédio a um sistema nervoso afetado, permitindo-lhe adquirir novas energias.

Pela grande influência que exerce sobre o coração, a cor verde pode ser utilizada com sucesso no tratamento dos
problemas cardíacos e de afecções vasculares.

Através deste chakra aflora o sentimento, lágrimas, amor declarado. Se estiver aberto, é a luz interna de cada
indivíduo. Se está fechado, a pessoa tem problemas para amar e dar-se. Este chakra transmuta a energia do
plano espiritual ao plano terrestre para que o paciente a utilize. Da união dos dois tipos de energia se dá o
equilíbrio.

43
Através deste centro nos expressamos no nosso ambiente, dizemos aos que nos rodeiam como somos. Se não nos
permitimos ser nós mesmos, forçamos este centro que sofre muito. Também sofre se tentamos forçar as coisas
em nossa vida, forçar a outros, forçar a obtenção de coisas, etc. Há que deixar fluir as coisas (já que,
provavelmente, não são necessárias neste momento).

O chakra do coração está relacionado com outro chakra existente entre as omoplatas (pode-se sentir como um
peso). Se tiver muita energia, uma parte dela se dirige ao plexo solar, e se tiver com pouca energia, vai absorvê-la
do chakra entre as omoplatas.

Quando está ativo, nos relacionamos com tudo e com todos, aceitando tanto os aspectos positivos como os
negativos, e sendo capazes de dar amor sem esperar nada em troca. É o chakra situado no meio; uma ponte de
transferência de energia entre os chakras inferiores e superiores. É o chakra pelo qual passa toda a energia que
desejamos entregar a outros.

Unicamente se estiver aberto e vitalizado, poderemos brindar energia de cura (Reiki). Por isso, alguns reikianos,
depois da ativação, sentem fluir a energia com maior intensidade, devido a que possuem um chakra cardíaco mais
harmonizado que o das demais pessoas.

O centro físico deste chakra corresponde ao timo, cuja função é regular o crescimento (nas crianças), dirigir o
sistema linfático, estimular e fortalecer o sistema imunológico; damos um sentido pleno à nossa existência se
trabalharmos bem este chakra de amor e compaixão.

Estimula os chakras de cima e fortifica os de baixo. Pode ser estimulado sem perigo. A glândula timo funciona até
os 7 anos de idade aproximadamente; depois deixa de o fazer. Pode-se estimular com pequenas pancadinhas no
osso esterno.

Está muito relacionado com o 2º chakra - se reprimirmos quem somos, reprimimos a criatividade.
Quando nos encontramos desequilibrados e sem harmonia não somos capazes de amar; pensamos que o próximo,
o destino e Deus são incompatíveis conosco; podemos chegar a desenvolver mecanismos violentos de resposta a
outros. Em lugar de solicitar a ajuda deles, o lema passa a ser: “Eu contra todos”, o que torna o quarto chakra,
instantaneamente, desarmônico.

Este chakra pode ter sido danificado por pessoas com mando: chefes, diretores. As tensões contínuas afetam a
aura e a alma, e este dano se dirige ao físico e vice-versa. Pode começar pelo físico e dirigir-se ao etérico,
danificando a aura (não há regras fixas).

Também o têm danificado, as pessoas que caminham inclinadas (como curvadas por um peso, cabisbaixas).

Os bloqueios no chakra cardíaco ocorrem freqüentemente de sintomas e atitudes mentais como a imposição de
condições ao amor (“Se não fazer o que quero, vou me separar de ti!”); de amor sufocante (“Filho querido, eu só
quero o melhor para ti!”); de egoísmo (“Você tem que estar aqui em caso de que eu necessite de ajuda!”).

Têm-no bem aberto as pessoas que sorriem ou riem facilmente. Pode-se desbloquear rindo, bocejando, chorando.

Se houver emoções e tensões, fazem com que o coração trabalhe mais e bombeie o sangue defeituosamente,
forçado. Para equilibrá-lo, deve-se sentir os pés, o corpo e fazer várias respirações profundas.

Trabalhando este chakra são aliviadas as doenças cardíacas. Terá que evitar as tensões nas costas. Mediante o
controle da respiração, tem-se controle sobre a saúde, a vida, a personalidade.

Causas do danos no chakra do coração:

Se a pessoa tiver recebido pouco amor ou se sentiu pouco amada: autocrítica; pode-se equilibrar trabalhando em
grupo, assim a pessoa poderá equilibrar-se e trabalhar curando a outros.

Durante a infância a criança desenvolve a auto-estima, aprende a amar a si mesma e aos outros (deixa de ser o
centro do universo). Se isto não for assim, converte-se em alguém possessivo, egoísta. Deve-se trabalhar isto,
neste chakra.

44
As crianças que foram desprotegidas ou abusadas costumam desenvolver problemas pessoais do tipo de relações
difíceis: associam a dor com qualquer nível de interação humana, confundem amor abusivo com o verdadeiro
amor desinteressado, também neste chakra.

A IRRITAÇÃO e o MEDO podem também poluir este chakra: Medo a não ser amado.

Albergar culpas por descuido a outros. Ressentimento (inveja de amor). Medo a compartilhar. Sentimento de culpa
por usar a irritação e a crítica em vez do amor. Tristeza por sentir solidão. Dano enorme... Rancor. Amargura por
rancor ou por soberba. Criar relações insatisfatórias ou abusivas. Culpa por não satisfazer os compromissos. Sentir
muita pena ou amargura, "ter o coração partido". Tudo isto cria bloqueios emocionais no quarto chakra.

Bloqueios que denunciam a disfunção do chakra:


 Problemas do coração
 Distúrbios respiratórios e circulatórios
 Paixões incontroláveis
 Fanatismo
 Ódio
 Inveja
 Raiva.

Patologias: síndrome de pânico, cãibras, acidez, palpitações, arritmia cardíaca, rubor, pressão alta, enfermidades
dos pulmões, problemas com o nível de colesterol, intoxicação, tensão, câncer taquicardia, dor de coração (desce
pelo braço esquerdo, deve-se a tensões muito fortes), dor nas omoplatas, ombros, dor nas costas (parte dorsal),
sistema neurovegetativo.

Se for ajudar a alguém com um tratamento, só se deve fazer se houver muito amor.

45
2.5.6. Quinto chakra ou chakra laríngeo

Yantra do Chakra Laríngeo

Chakra Laríngeo - Quinto Chakra

“ASSOCIADO ÀS COISAS ETÉREAS. O OUVIDO E O SOM. NELE SE LOCALIZA A CRIATIVIDADE. VIBRAÇÃO.


CLARIVIDÊNCIA E INVOCAÇÃO”

Nome em sânscrito: Vishuddha (“Pureza”)


N° de pétalas: 16
Forma geométrica: Lua crescente
Significado: É a assunção de RESPONSABILIDADE: ser conscientes das próprias
necessidades e a satisfação das mesmas, depende de si mesmo.
Maturidade. Criar o que necessitamos e não culpar os demais.
Princípio básico: Ressonância com o ser
Aprendizado de Alma: União
Localização: Garganta, entre la 3ª y 4ª vértebra cervical. Base do pescoço, onde os
ossos da clavícula se encontram
Governa: Glândulas tiróide e paratiróide, nariz, ouvidos, bica, cordas vocais,
amígdalas
Glândula: Tiróide
Órgão de ação: Boca
Órgão dos sentidos: Pele
Cor: Azul Celeste
Corpo áurico: Etérico-padrão
Elemento: Éter
Nota musical: SOL
Bija Mantra: HAM
Cristais: Todas as pedras azuis: safira azul, lapislázuli, topázio azul,
sodalita, calcita azul e todas as pedras azul verdoso: “água
marinha, turquesa, crisocola
Alimentos estimulantes: Ameixa preta, uva passa, amoras, peixes, aspargos
Instrumento musical: De sopro e metal: trompeta, clarinete, flautas, saxofone.
Música harmonizadora: A música para este chakra pode ser cantada, música com forte vibração,
música da nova era, música neptuniana, música ambiente.
Função: Promove o bom funcionamento: do nariz, ouvidos, pescoço,
garganta, boca, cordas vocais, tiróides, amídalas. Atua na nossa
comunicação verbal e na audição, bem como rege a nossa
criatividade. Quando desarmonizado provoca sons intra-cranianos
(zumbidos). Também rege a comunicação com os espíritos.

46
Os arquétipos deste chakra quando:

- está equilibrado => O Comunicador


- está hipoativo => O Tímido
- está hiperativo => O Tagarela

O Chakra Laríngeo está localizado no meio da garganta, próximo à zona designada como “maçã de Adão”,
está aberto para a frente, tendo também um vórtice posterior. É o chakra da comunicação externa e o começo
da comunicação interna (clariaudiência) e auto-expressão; governa a postura do corpo.

Este chakra participa de qualquer desequilíbrio psicofísico; seu centro físico corresponde a tireóide, que
desempenha um papel importante no crescimento do esqueleto e dos órgãos internos, regulando o
metabolismo, regula o iodo e o cálcio no sangue e nos tecidos. Sua energia também é responsável pela parte
inferior do rosto, nariz e aparelho respiratório, traquéia, esôfago, cordas vocais, laringe e sistema linfático. Este
chakra regula os chakras de baixo.

Este chakra é maior quanto mais consciente é a pessoa. Influi na traquéia, esôfago, pescoço, vértebras
cervicais, laringe, faringe, boca, dentes, gengivas, mandíbula... e sobre a voz, a respiração. Sua cor é o azul,
seu elemento o éter e o som (Bija Mantra) é o HAM.

O azul é o símbolo da inspiração, da devoção, do infinito e das aspirações religiosas. Esta cor eleva, exalta e
inspira. Sua vibração gera a calma e a paz interior e provoca o sonho.

O azul se vincula com a garganta, que é o centro da palavra, e a garganta é a passagem que permite que
nosso ser interior se manifeste, e entre em contato com o mundo exterior. É pela palavra que podemos traduzir
nossas emoções e sentimentos. A garganta é igualmente o centro da pureza.

O raio azul possui um amplo poder curativo, é extremamente eficaz no tratamento dos bloqueios da linguagem
e nas enfermidades da garganta: inflamação, hemorragia interna e crispação. Como esta cor se associa com a
ausência de calor, suas propriedades são sedativas e adstringentes. Enquanto a capacidade do azul-escuro é de
grande potência, o azul-claro produz uma elevada inspiração moral.

Tem a ver como a pessoa recebe o que se lhe oferece. Se a pessoa for negativa, atuará diante do mundo com
cautela, à espera de algo negativo (atrai o negativo, pois é o que emana de seu corpo de força).

Este chakra se vai desenvolvendo com a consciência. Se estiver bem aberto indica à pessoa o que é o mais
apropriado para sustentar o corpo e o espírito (conforme o grau de desenvolvimento, a pessoa comerá, beberá,
etc. o adequado; é a porta para conectar com a matéria, com o corpo físico).

O chakra laríngeo é o chakra da comunicação, da criatividade, do som e da vibração, da capacidade de receber


e assimilar, e se relaciona com os sentidos do paladar, audição e olfato. É o umbral da alta consciência e da
purificação, e é por meio do trabalho deste chakra que podemos iniciar o caminho espiritual; em conseqüência,
como entramos em comunicação com a nossa essência superior.

47
O quinto chakra é a porta à evolução. O nível de evolução da pessoa indica o seu grau de consciência. Este
chakra tem a ver com o espiritual, e é a conexão das partes espiritual e emocional da pessoa.

A alma utiliza, às vezes, este chakra para sair do corpo, embora o normal é sair através do plexo solar e do
chakra da coroa. Os "Médium de via etérica" saem por este chakra.

Quando se sente um nó na garganta, isso se deve a um bloqueio neste chakra. Existe uma grande conexão
entre o chakra do coração e o chakra laríngeo: são emocionais.

Quando está aberto e harmonizado, somos conscientes da responsabilidade de nosso desenvolvimento em


todos os sentidos, desde as nossas necessidades materiais até as espirituais. Facilita-nos a compreensão de
qual é o nosso papel na sociedade e no trabalho, e nos ocupamos em conseguir o máximo possível de
satisfação. É o centro psicológico da evolução da criatividade, da responsabilidade, da iniciativa e da auto-
disciplina.

Quando está em desarmonia, surge o medo da desaprovação social de nossos semelhantes, medo ao fracasso
na vida social, e nos convertemos em seres potencialmente agressivos; adotando uma atitude instintiva de
defesa própria, Podemos ser levada a nos esconder no orgulho para poder suportar a carência de sucesso.

Seu desequilíbrio produz patologias tais como: suscetibilidades às infecções lhes virais ou bacterianas
(amidalite, faringite), resfriados, herpes, dores musculares ou de cabeça, na base do crânio (nuca), congestão
linfática, problemas dentais e endurecimento dos maxilares (bruxismo). Também nos vícios de drogas, tabaco,
álcool, açúcar, comida.

Os bloqueios no chakra laríngeo produzem freqüentemente sintomas físicos como a rouquidão ( “Não consigo
falar muito tempo sem ficar rouco”); a pessoa tem dificuldade em comunicar-se, gagueja, suas palavras são
atropeladas, sua cabeça está inclinada para baixo, sua mandíbula se orienta na direção da laringe.

Quando existe hiperatividade deste chakra, o indivíduo é rouco, fala com voz aguda e estridente e pode
transformar-se em um demagogo; discute só por discutir, gosta de discutir, quer mudar o mundo de acordo
com seus ideais; o indivíduo terá tendência a manter a cabeça erguida com o nariz “para cima”. Deste chakra é
a expressão pessoal da FORÇA DE VONTADE individual.

Aos sete anos se inicia nas crianças o processo de racionalização (bom/mau, apropriado/inapropiado). Nessa
idade se adquire responsabilidade nas ações. Se isto é ensinado adequadamente à criança, lhe é ensinada a
relação causa/efeito, adquire o conceito da vontade e o que é criado no mundo pessoal (o mundo pessoal é a
expressão do que nós mesmos criamos).

Pode haver algum trauma da vontade (por ter sido ridicularizado na infância) e isto produz medo à expressão
verbal e dá incapacidade de acreditar que se tem voz na criação da realidade.

Na adolescência se espera que o jovem/adulto assuma maiores responsabilidades, segundo a relação


causa/efeito. Também que explore o uso responsável pela força de vontade. O estudo do poder inerente a nós
para criar nossas próprias realidades.

A expressão pessoal e a criatividade bem equilibradas são fonte de saúde. Isto tem a ver com a capacidade de
falar em defesa das necessidades.

Padrões Negativos:

- Às vezes uma pessoa espera que o companheiro/a lhe leia a mente.


- Negar a existência de sentimentos ou padrões emocionais como compensação ao medo de enfrentar-se com
eles.
- Isto cria irritação, raiva, surtos irracionais de ira

Padrões Negativos relacionados com o deficiente desenvolvimento da força de vontade:

- Medo a expressar a necessidade de emoções. Este medo bloqueia a criatividade


- Mentir para encobrir sentimentos

48
- Não se responsabilizar pelas emoções pessoais
- Utilizar a força de vontade para controlar ou influenciar na vida de outros, para conseguir vantagem própria
- Coragem por não saber dizer: "Te amo", "Sinto muito", "Te perdoa"
- Incapacidade de expressar aflição, tristeza, etc., , e é manifestada na incapacidade de chorar.
- Colecionar arrependimentos por não falar a tempo ("Deveria ter dito...")
- Pouca força de vontade, permitir a outros tomar decisões por si
- Exagerar a verdade (mau uso do 5º chakra)
- Contar intrigas, fofocas, críticas (mau uso do chakra).

Bloqueios que denunciam a disfunção do chakra:


 Distúrbios consigo mesmo
 Garganta
 Anginas
 Hiper ou hipotiroidismo
 Amígdalas
 Problemas de metabolismo
 Problemas nos braços ou mãos dado que estão directamente ligados a este chakra (acidentes - dores -
entorpecimento, etc.)

Patologias: Problemas relacionados com: a voz, cordas vocais, respiração, aparelho digestivo. Membranas
mucosas muito sensíveis: garganta, a pessoa se resfria com muita freqüência ou sofre de asma, alergias,
faringite. Doenças cervicais; tensões na nuca e nos ombros.

49
2.5.7. Sexto chakra ou chakra frontal (do terceiro olho ou da sabedoria)

Yantra del Chakra Frontal

Chakra Frontal - Sexto Chakra

“CAPACIDADE. CONCIÊNCIA. CENTRO DO PODER FEMININO.


CRIAÇÃO DE REALIDADES PESSOAIS”

Nome em sânscrito: Ajna


N° de pétalas: 96 9
Forma geométrica: Círculo (bindo)
Significado: Autoridade, comando, poder ilimitado
Princípio básico: Conhecimento do ser
Aprendizado de Alma: Integração
Localização: Plexo pineal, zona entre sobrancelhas. Nasce na primeira vértebra
cervical
Governa: A intuição, o despertar psíquico e intuitivo, o bom funcionamento
da memória, funções cerebrais e olhos
Glândula: Pituitária
Órgão de ação: ----
Órgão dos sentidos: Intuição
Cor: Índigo, azul anil, anil safira, violeta
Corpo áurico: Mental
Elemento: Presença de todos os cinco elementos, com três gunas que são
manas (mente), buddhi (intelecto), Ahankara e chitta (o ato de ser o
ser)
Nota musical: LA
Bija Mantra: OM (ou SO HAM)
Cristais: Cristais brancos, ametista, sodalita e lápis-lazúli
Alimentos estimulantes: Beringela, beterraba, ameixa preta
Instrumento musical: Piano
Música harmonizadora: O som ideal é o mantra AUMMMMMM; também pode ser música clássica,
Mozart, Beethoven, Bach, Schubert, Chopin
Função: Austeridade, intuição, vidência, serenidade, pureza.

9
2 pétalas primários, cada uma delas subdividida em 48 pétalas menores, em um total de 96 pétalas.

50
Os arquétipos de este chakra quando:

- está equilibrado => O Intuitivo


- está hipoativo => O Ignorante
- está hiperativo => O Intelectual

O Chakra Frontal é o chakra dos sentidos, e é responsável pela energia da parte superior da cabeça (em cima
do nariz), parte cranial, olhos e ouvidos. O chakra frontal, o terceiro olho, localiza-se no meio da testa, no
cenho, justo em cima do nível dos olhos; está aberto para a frente, tendo também um vórtice traseiro. O sexto
chakra representa a intuição, a evidência e a audiência no campo da paranormalidade.

Atua diretamente sobre a pituitária (hipófise), que dirige a função das demais glândulas. Entre a hipófise e a
glândula pineal, antes (há muitíssimo tempo), havia conexão direta: os homens dispunham de conhecimento e
de muitas faculdades. Posteriormente, se criou uma barreira (alguns a visualizam na cor verde). A hipófise é a
glândula que segrega todos os hormônios.

Órgãos regidos pelo 6º chakra: cérebro, olhos, nariz. Está também relacionado com a aprendizagem, a
inteligência e habilidades intelectuais que se podem desenvolver.

Sua cor é o azul índigo, está conectado ao corpo áurico mental, não tem elemento correspondente no mundo
físico e seu som é o OM.

O índigo é o símbolo da fronteira mística, a realização espiritual e a sabedoria dominada graças ao


conhecimento de si. Esta cor nos ajuda a descobrir a visão interna e externa, favorecendo a abertura gradual
do Terceiro Olho e o inconsciente: Por seu intermédio as lembranças de nossa alma emergem de seu sono
profundo.

O raio índigo é a ponte que vincula o limitado, com o infinito. Elimina os elementos negativos de nossa
consciência e nos permite reorganizar nossas forças vivas de maneira positiva. Nos guia e nos brinda sua
assistência durante o transcurso da viagem interior que empreendemos em busca do conhecimento cósmico e a
verdade.

A utilização do índigo é particularmente eficaz no tratamento das enfermidades mentais, como também na
investigação científica e filosófica.

Influi sobre os dois lados do cérebro:

- O lado esquerdo, onde reside o pensamento consciente, lógico (recebe o nome de beta pelo tipo de impulsos
elétricos que emitem as ondas cerebrais quando governa este lado).

- O lado direito, é o subconsciente, a parte artística e criativa, a intuição, o pensamento abstrato e criatividade
(recebe o nome de alfa por chamar-se assim os impulsos elétricos que emite o cérebro governar este
hemisfério).

51
Pode-se padecer de dores de cabeça por causa da vista. A cegueira, cataratas, olhos vermelhos, conjuntivite, as
enfermidades dos olhos em geral nos indicam que existe algo dentro de nós, que devemos ver e que não
queremos. Ver com clareza, encontrar o sentido a cada situação.

Ver através da intuição sem que entre em jogo a intelectualidade nos ajudaria neste propósito. Assim, se
utilizaria o hemisfério direito (muito infrautilizado). O ideal seria utilizar os dois; mas quando só se utiliza o
esquerdo, o intelectual, produz-se desequilíbrio. Isto também está relacionado com o equilíbrio
feminino/masculino em cada pessoa (Yin/Yang). Pensar muito pode desequilibrar este chakra.

Vidência: existe conexão com a parte direita do cérebro. Isto faz que o presente, passado e futuro não existam
(não se experimentam como tais), tem-se acesso a eles. Às vezes os terapeutas podem "vê-lo" com os olhos
fechados. Também se pode ter capacidade de visualizar e entender os conceitos que se visualizam.

Este chakra está diretamente relacionado com o chakra básico. Entre os dois lóbulos do cérebro existe um canal
que os separa e que começa no primeiro chakra, e vai por toda a coluna vertebral.

O chakra básico está muito relacionado com outras vidas e reencarnações: através do 6º chakra, com a
introspecção, podemos ver a origem de nossos problemas.

Este chakra é também chamado "Olho da Sabedoria ", já que através do conhecimento supremo e da intuição
se entra na consciência superior.

Percepção, conhecimento e liderança são prerrogativas deste chakra, que nos permitem entrar no mundo do
aparentemente invisível, mediante a percepção extra-sensorial; através dele, também emitimos nossa energia
mental.

A abertura deste chakra permite o desenvolvimento de poderes paranormais. Esta abertura permite acessar à
realidade não egoísta de "si mesmo " (dualidade). Para os orientais, a mente é um 6º sentido que capta a
realidade, mediante a intuição. O despertar desta mente mais sutil, outorga dons espirituais e se sentem menos
temores diante do mundo. Toda experiência é uma criação mental.

A criança deve aprender a raciocinar e pensar por si mesma em sua vida. Nos momentos de crise, se requerem
habilidades de raciocínio mais avançadas, mais sutis. Estas habilidades nos permitirão encontrar o significado
inerente em todas as situações da vida, incluindo as enfermidades e a morte. Isto é a TRANSCENDÊNCIA.
Elevar-se por cima da auto compaixão e liberar a força para aprender de novo.

Pode-se aprender a desenvolver a transcendência, mediante métodos de introspecção, auto exame e


compreensão do propósito da vida.

Se o 6º chakra está desequilibrado se produzem imagens da realidade negativas, não certas. Se estiver débil ou
há bloqueio, as imagens serão débeis.

Quando está em desarmonia pode afetar esses órgãos, além de nos colocar em uma situação confusa, em que
as ideias e os conceitos não terão uma correspondência com a realidade, obstruindo nossas ideias criativas;
ficamos sem raciocínio lógico e sem capacidade de pôr em prática nossas ideias.

Os bloqueios no chakra frontal são motivados por sua hiperatividade e causam sintomas tais como : falta de
objetivo, instabilidade de vida (“Não sei por que vivo!”), alienação do trabalho (“Não importa o trabalho,
sempre que ganhe um bom salário!”) e medo às aparições, espíritos, fantasmas, etc.

Outros sintomas típicos são: desemprego permanente (instabilidade profissional), mudanças de residência
constantes, substituição contínua de companheiros amorosos, vestir-se de acordo com a tendência da última
moda, adoração de ídolos, fanatismos e feitos semelhantes, falta de opinião, ausência total de juro por algo, e
falta de iniciativa.

A afirmação “Não encontra o seu caminho” resume a condição de um chakra frontal desordenado. Quando se
acha em desequilíbrio, produz patologias tais como: vícios de droga, álcool, compulsões, problemas nos olhos
(cegueira, catarata), surdez.

52
Padrões Negativos:
 Medos à introspecção para ver a origem dos problemas
 Mau uso do poder intelectual (enganar)
 Utilizar o raciocínio contra si mesmo
 Não querer aprender as experiências da vida, repetindo os ciclos dolorosos das mesmas dificuldades
que nos apresentam uma e outra vez.
 Ansiedade por desconhecimento da si mesmo.

Patologias: Enfermidades mentais, de olhos, cegueira, nariz, ouvidos, sinusite, alergias, depressão, epilepsia.

53
2.5.8. Sétimo chakra ou chakra coronário

Yantra do Chakra Coronário

Chakra Coronário - Sétimo Chakra

“CORRESPONDE AO NIVEL MAIS ELEVADO DE PERFEIÇÃO ESPIRITUAL. PERCEPÇÃO DE GUIAS ESPIRITUAIS.


FACULDADE DE CANALIZAÇÃO. CONEXÃO COM O ESPÍRITO”

Nome em sânscrito: Sahasrara


N° de pétalas: 1.000 (972) [ver nota abaixo]
Forma geométrica: Círculo como a lua cheia
Significado: “Nas mil pétalas, habita sem suporte”
Princípio básico: Ser puro
Aprendizado de Alma: União com a consciência universal
Localização: No topo e no centro da cabeça, mas pairando sobre ela, mais ou
menos semelhante ao circulo dourado que os santos católicos
possuem sobre a cabeça
Governa: Cabeça - sistema nervoso central e periférico
Glândula: Pineal
Órgão de ação: ---------
Órgão dos sentidos: ---------
Cor: Branco, dourado, violeta
Corpo áurico: Causal
Elemento: Todos os elementos, inclusive o éter, em suas forças mais sutis
Nota musical: SI
Bija Mantra: AUM (o SHAM)
Cristais: Todas as pedras violetas Ametista, fluorita, quartzo branco, pirita
Alimentos estimulantes: Frutos roxos - vegetais
Instrumento musical: De corda: violino, guitarra, violoncelo
Música harmonizadora: Qualquer música que nos conecte com o nosso eu interior. Também
podemos dizer três vezes o mantra AUMMMMMM que nos conectará
com a nossa natureza espiritual
Função: Cuida do crescimento e evolução espiritual, da nossa auto realização
como obra do Criador; nos conduz paz, sabedoria e união com o
Divino

Nota: Um círculo interno de 12 pétalas principais, rodeadas por um círculo interno de 960 pétalas, em um total de 972.

54
Os arquétipos de este chakra quando:

- está equilibrado => O Mestre


- está hipoativo => O Desorientado
- está hiperativo => O Arrogante
-

O Chakra Coronário está localizado na parte superior da cabeça; está aberto para cima com um único vórtice;
representa a compreensão e a conexão com energias superiores. Está associado à conexão da pessoa com sua
espiritualidade e à integração de todo o ser físico, emocional, mental e espiritual.

Encontra-se situado no cocuruto da cabeça, na continuação da coluna vertebral, saindo da 1ª vértebra cervical.
O chakra do cocuruto é o ponto de entrada da força vital humana.

Os clarividentes têm como um tubo que lhes sai do cocuruto e é maior conforme a evolução espiritual, abrindo-
se em leque ou em forma de floco.

Se todos os outros chakras estão equilibrados, se dá uma harmonia física, psíquica e espiritual, então este
chakra está aberto. Há poucas pessoas que o têm aberto; é uma conexão direta com o cosmos.

A cor deste chakra é branco, dourado ou violeta; corresponde à glândula pineal, que atua no organismo como
um todo.

O violeta é o símbolo do mistério espiritual. Formado pela combinação do vermelho (matéria) e o azul (espírito),
provoca em nossa evolução uma transformação que pode resultar dolorosa. Seus tons mais escuros se associam
com as penas e a tristeza.

A púrpura simboliza a realização espiritual, enquanto os matizes lilás claros representam a consciência cósmica e
o amor da humanidade. O violeta azulado concorda com o idealismo transcendental. Nas aplicações curadoras,
o violeta faz maravilhas no tratamento da insônia e das enfermidades nervosas que provêm de perturbações
mentais.

É o chakra mais importante, e é o elo entre a mente espiritual e o cérebro físico, relacionando-se com nosso ser
total e com a realidade cósmica. Tem uma forma distinta da de outros chakras, com intensas radiações
luminosas e translúcidas. Em virtude de achar-se exatamente na condição de semelhante ao universo, ao todo,
ao cosmos, a Deus, não tem som correspondente no mundo físico; é feito de silêncio puro da formação dos
mundos.

Chegar à abertura e à plena consciência deste chakra conduz à perfeição do ser, mas somente se chega a esta
depois da abertura e da consciência de todos os outros chakras. O sétimo chakra é luz de conhecimento e
consciência; é visão global do universo; é nosso caminho de crescimento, fazendo com que possamos alcançar
a serenidade espiritual e a completa consciência universal.

Quando se encontra em equilíbrio nos permite experiências muito pessoais; as sensações vão mais além do

55
mundo físico, criando no indivíduo o sentido de totalidade, de paz e fé, dando um sentido próprio à sua
existência.

A falta de equilíbrio do sétimo chakra conduz como consequência a uma puberdade tardia, e falta de
compreensão da parte espiritual, tão própria como alheia, e, por conseguinte, uma visão materialista da
existência. A pessoa não terá conexão com sua espiritualidade e gerará patologias tais como: insônia,
enxaquecas, desordens no sistema nervoso, histeria, possessão, obsessão, neurose e disfunções sensoriais.

Cada chakra é como um degrau evolutivo. Esta escala determina o poder de cada pessoa para, segundo as
atitudes, valores e ética, atrair como um ímã o que emana de si mesmo. As atitudes para com a vida subtraem
energia vital; se a pessoa tiver consciência de si mesma, acessa ao conhecimento interior e não se deixa
influenciar pelo exterior: se conecta com o divino que há em si (estar consigo mesmo) e não se deixa
influenciar pelo que dirão, etc. Isso tem a ver com dar-se liberdade a si mesmo e aos outros.

Atitudes relacionadas com este chakra:

Vida sem sentido.


Ausência de fé em si mesmo.
Medo de conhecer-se si mesmo.

Até aqui foram descritos os sete chacras principais, considerando as suas ligações com as glândulas endócrinas
correspondentes.

O chakra do baço não está listado entre os sete, devido a ser um chakra secundário e também pelo fato de
não ter nenhuma glândula endócrina ligada a ele. Porém, como ele é incluído em alguns sistemas de estudos
energéticos, seguem abaixo as suas características:

2.5.9. Chakra Esplênico (ou do Baço)

Localização: em cima do baço, do lado esquerdo do corpo..


Correlação Física: não possui ligação com nenhuma glândula.
Cor: Várias, predominando o rosa, o amarelo e o verde-claro.

É o responsável pela energização do baço. É considerado um “dínamo do corpo humano”, pois sua função é
especializar, subdividir e difundir a vitalidade absorvida da energia do ambiente (prana) e da energia irradiada
pelo sol. Bem desenvolvido, favorece a soltura do duplo etérico e, consequentemente, o desenvolvimento da
mediunidade, bem como a soltura do psicossoma em relação às projeções da consciência.

56
2.5.10. Chakras Complementares (Ver Figura 10)

Primeiro e Segundo: encontram-se nos joelhos, medem entre 4 e 5 cm. de diâmetro, e sua cor é o marrom.
Estes chakras são importantes porque conectam com os meridianos, com a aura, com outros chakras e com o
corpo físico. Têm a ver mais com a parte física que com a psíquica. Estes chakras têm dois movimentos, 8 vezes
para um lado e 8 para o outro.

Os joelhos têm a ver com a humildade, todas as articulações têm que ver com flexibilidade. Quando uma pessoa
tem problemas com suas articulações, isto está relacionado com a rigidez em algum nível da consciência. Para
ajudar terá que pôr as mãos nos joelhos, se passa energia às articulações.

Terceiro: Está entre as omoplatas e é de cor amarela como o sol, seu diâmetro é de 8 ou 10 cm. Quando
alguém obtém alguma inspiração, vem através desse chakra. Se ativa quando se medita, também se obtém
energia por este chakra.

Se está ativado se pode ter dor nesta parte das costas. Quando chega a energia a este chakra começa a girar
muito depressa.

Quando o chakra cardíaco tem pouca energia, este chakra move energia para enviá-la ao cardíaco. Se o chakra
cardíaco mover muita energia, a que sobra vai ao plexo solar.

Quarto e Quinto: Estão situados nos cotovelos, sua cor é como o do metal (prata velha). Costumam ter 3 cm.
de diâmetro.

Por estes chakras também se pode obter energia da terra, ao apoiar-se em qualquer objeto de terra. Quando
uma pessoa está cansada se apoia nos cotobelos.

2.5.11. Chakras Sub-Complementares

Estes chakras existem nos ombros, nos quadris, na planta dos pés, em cada gema dos dedos, tanto nas mãos
como dos pés.

Há muitos mais ao redor de todo o corpo, mas estes são os principais, com os que se trabalha. Estes chakras se
chamam complementares porque trabalham sobre o corpo físico, mais do que sobre a consciência, mas não se
pode prescindir deles, pois os tratamentos começam a partir destes chakras.

2.5.12. Chakras das mãos

Estes chakras transmitem a energia curadora e recebem informação energética do universo. Os chakras da
palma se usam para canalizar as energias curadoras a você mesmo e aos outros, para receber as impressões da
energia de uma habitação, pessoa, situação, etc.

Estes chakras fazem uma maior diferencia na qualidade da vida quando podem ser abertos pela intenção. A
energia dos chakras da palma é essencial se você estiver de todo interessado no trabalho da prática da cura
espiritual com energia. Os chakras curadores estão também ativos nas pontas dos dedos.

2.5.13. Chakras Transpessoais

Os mais importantes chakras transpessoais são o timo ou coração etérico no peito superior, que governa a
compaixão, a paz interior e a conexão da alma com o mundo. A Estrela da Alma, aproximadamente a 20 cm.
por cima da cabeça, introduz a energia espiritual do coração espiritual e nos ajuda a conectar-nos com a
energia e informação espirituais.

A Estrela da Terra, aproximadamente a uns 20 cm debaixo dos pés, introduz e nos conecta à Terra, às
energias e à informação. É importante desenvolver a Estrela da Alma e a Estrela da Terra, simultaneamente.

57
O Tan Tien ou Hara, de cor marrom, localizado na maioria das pessoas cerca de 2 dedos abaixo do umbigo, é
um centro essencial para a conexão e o armazenamento de energias essenciais e conhecimento concreto do
espírito. A mais importante evolução que acontece neste época na energia do corpo é a unificação das funções
de todos os chakras, e estes começam a trabalhar mais do que no passado.

21 Chakras Menores

Figura 10

58
2.5.14. Formação dos bloqueios nos chakras

Os bloqueios energéticos, verdadeiros nós energéticos gerados por sentimentos negativos, fixam-se primeiro, e
com bastante intensidade, nos chakras, produzindo o “entupimento” dos mesmos, provocando que as energias
não fluam, tirando-nos assim do estado de harmonia. Os chakras congestionados não podem irradiar a energia
de forma correta, forçando-se a uma atividade exagerada para a manutenção das energias a níveis
satisfatórios.

Através de técnicas diversas, entre elas o Reiki, podemos dissolver essas estruturas emocionais negativas.

2.5.15. Dissolução dos bloqueios com o Reiki

A ação da energia vital do universo, através da frequência mais alta de vibração, dissolve esses bloqueios
quando o Reiki percorre os meridianos, os canais elétricos, os nadis e os chakras, permitindo a libertação e
harmonização dos chakras de maneira gradual e uniforme.

Durante o processo de limpeza energética, as energias bloqueadas eliminadas voltam para nossa mente
consciente, provocando que retornemos à cena onde vivenciamos a situação desagradável que gerou tal
bloqueio (ressentimento, rancor, ciúmes, raiva, etc.).

Muitas vezes inclusive podem manifestar-se como sintomas da dissolução, enfermidades físicas às quais não
lhes destruiu totalmente o seu molde energético. Durante esse período podemos ter a impressão de que nossa
situação piorou. Com a intensificação da aplicação do Reiki converteremos este período em pouco menos
traumático, lembrando-nos sempre de que algumas liberações são mais lentas do que outras, e, deste modo,
libertamo-nos definitivamente dessas disfunções.

59
Tabela 1 - Resumo dos 7 chakras principais

Nome en Nº de Área do Corpo Nota


Posição Nome Cor Bija Mantra Glândula Elemento
sânscrito Pétalas que governa Musical

7 Coronário Sahasrara Violeta 972 Não tem Pineal Cérebro Superior, Olho Direito Luz Interior SI

Cérebro Inferior, Olho


Frontal Om
6 Ajna Índigo 96 Pituitária Esquerdo, Ouvidos, Nariz, Som Interior LA
(ou do 3º Olho) (ou So Ham)
Sistema Nervoso

Aparelho Respiratório e Vocal,


5 Laríngeo Vishuddha Azul 16 Ham Tiróide Éter SOL
Pulmões, Canal Alimentar

Cardíaco 12 Yam Coração, Sangue, Nervo Vago,


4 Anahata Verde Timo Ar FA
(ou do Coração) (ou Pam) Sistema Circulatório

10 Estômago, Fígado, Vesícula Fogo


3 Plexo Solar Manipura Amarelo Ram Pâncreas MI
Biliar, Sistema Nervoso

Umbigo 6
2 Svadhisthana Laranja Vam Gônadas Sistema Reprodutor Água RE
(ou do Sacro)

Base 4 Coluna Vertebral,


1 Muladhara Vermelho Lam Supra-renais Terra DO
(ou Raiz) Ossos, Rins
CHAKRA NÍVEL DE CONSCIÊNCIA ALGUMAS PATOLOGIAS FÍSICAS ALGUMAS PATOLOGIAS EMOCIONAIS LIGADAS A ELE
LIGADAS A ELE

Medo, timidez, crise de identidade, remorso, reserva, tormento,


Eu sinto fisicamente. Pressão baixa, cansaço, Anemia, circulação
raiva, sentimento de inferioridade, agressividade, intolerância,
1-Básico deficiente pouco vigor muscular, problemas no
introspeção, orgulho, auto-opressão, competividade excessiva,
Eu existo. intestino grosso,
confusões relacionadas ao papel cultural ou sexual e
nos pés e ossos.
impaciência.
Cãibras, cólicas, desajustes menstruais, dificuldades
Eu sinto emocionalmente
2-Sexual no sono (excesso de energia nesse chakra),
Desejo excessivo ou ausência de desejos sexuais, materialismo,
problemas nos rins, sistema circulatório, sistema
apego e hostilidade.
reprodutor, órgão sexuais e bexiga.

Estresse, fadiga mental, pensamentos obsessivos, negligência, falta


Eu penso Problemas no sistema urinário, sistema de concentração, incerteza, rigidez mental, preocupação
3-Plexo Solar
digestivo, intestino delgado, baço, fígado e estômago. excessiva, paranóia, falsidade, esquizofrenia, não aceitação de
seu papel no mundo.

Doenças nos pulmões, coração, braços e mãos. Dificuldades de relacionar-se com ou outro, falta de amor, frieza
Eu amo humanamente
4-Cardíaco Perda da capacidade imunológica. emocional, solidão e pânico.

Rigidez muscular na região do pescoço ou ombros, Falta de criatividade, mágoas, dificuldades de expressar-se,
Eu quero
5-Laríngeo problemas nas cordas vocais, laringite, faringite, problemas no relacionamento com colegas de trabalho e sono
gripes e resfriados constantes, sensação de “nó” na agitado.
garganta, enfraquecimento da capacidade
imunológica.
Esquecimento, problemas de visão, uso de drogas Sentimentos de superioridade, de perseguição, uso da inteligência
Eu amo universalmente
6-Frontal e todo o tipo de vício (inclusive por comida). para o mal, manipulação, arrogância e ganância.

Insônia, desordens no sistema nervoso, disfunções Depressão, obsessão, ataques psíquicos, desorientação e formas
7-Coronário Eu sei. Eu sou. sensoriais e dores de cabeça. negativas de pensamento.

Inter-relação entre os chakras: Os chakras estão todos interligados, contudo, as disfunções em um se refletem mais fortemente em outro, na seguinte ordem:
Básico no Laríngeo, Sexual no Frontal e Plexo Solar no Coronário.
Tabela 2 - Chakras e suas funções e disfunções

Chakras Funções Disfunções

Sobrevivência e existência terrena, conexão Raiva, impaciência, apego, culpa,


Básico
com o mundo material, energia física. materialismo, vergonha, vícios, violência,
morte, dor.
Controle, sujeição ou desvio da
Umbigo Reprodução e propagação da espécie, sexualidade, rejeição, solidaridade,
sexualidade. ressentimentos, vingança, ciúmes,
depressão, inveja.

Plexo Personalidade, vitalidade, ação e vontade, Ansiedade, preocupação, indecisão,


Solar paz e harmonia, auto-estima, proteção preconceitos,desconfiança, negligência,
contra vibraciones negativas. mentira.

Cardíaco Amor incondicional, criatividade, união, Desilusão, transição, pânico, depressão.


sistema imunológico.

Laríngeo Fracasso, apatia, desespero, limitação,


Comunicação, criatividade, iniciativas,
medo, insegurança, auto-reprovação,
independência.
submissão.

Frontal Intuição, paranormalidade, percepcão Ganância, arrogância, tirania, rigidez,


extra-sensorial, raciocínio lógico. alienação.

Coronário Conexão com energias superiores, Neurose, obsessão, fobias, histeria,


plenitude. irracionalidad, desorientación.

62
2.6. Glândulas Endócrinas

Uma série de atividades do organismo humano são controladas e estimuladas pelas glândulas. Existem as
glândulas exócrinas, que liberam secreções para fora da corrente sanguínea (ex. sudoríparas, salivares,
etc.).

As glândulas que lançam suas substâncias químicas na circulação sanguínea são chamadas de glândulas
endócrinas. As principais são: Pineal, Hipófise, Tireóide, Timo, Supra-Renais, Pâncreas (Ilhotas),
Gônadas. Estas liberam substâncias chamadas hormônios. Faremos uma pequena abordagem sobre as
glândulas e seus hormônios:

63
2.6.1. Pineal

Alguns estudiosos afirmam que esta glândula não possui funções biológicas muito claras ou definidas. Outros
afirmam que ela tem ligações com uma espécie de terceiro olho atrofiado, devido à existência de células
semelhantes às encontradas na retina (olho).

Apresenta-se em forma cônica, lembrando uma pinha, sendo maior nas crianças e menores nos adultos, maior
que um grão de feijão/trigo, estando ligada à base do cérebro (junto a abóbada do 3º ventrículo).

Existem na literatura informações de que ela governa as funções sexuais e o cérebro. Em geral na puberdade
atinge o máximo de desenvolvimento funcional e estrutural.

No campo da Espiritualidade, podemos afirmar que a evolução mental associada intimamente à evolução moral é
determinante para a potencialização da glândula pineal, pois as pessoas possuem a mente regida por fortes
emoções em nosso estágio evolutivo. Se o Espírito fosse responsável pela regência ou controle destas emoções,
elas sempre seriam convertidas para o bem. Concentrar, meditar, harmonizar os pensamentos e emoções servem
muito para ampliar as vibrações da pineal no campo da divinidade, promovendo a evolução do ser e a sua
harmonia em sua expressão física.

2.6.2. Hipófise

Conhecida também como glândula pituitária, com um cm. de diâmetro, localizada na cela túrcica, na base do
crânio, estando ligada ao hipotálamo pela haste ou talo hipofisário. Encontra-se dividida em duas partes a adeno-
hipófise e a neuro-hipófise.

É considerada a glândula de controle mais importante do organismo. Secreta hormônios que estimulam e
controlam a função de quase todas as outras glândulas endócrinas. Favorece o crescimento e controla o equilíbrio
hídrico do corpo.

2.6.3. Tireóide e Paratireóide

É formada de dois lóbulos ligados entre si, de cor marrom, situadas diretamente abaixo da laringe, na parte
anterior da traquéia, dividida em duas partes:

Tireóide: produz hormônios que controlam o crescimento dos ossos e a taxa de metabolismo. A
produção excessiva de hormônios da tireóide (hipertireodismo) leva a hiperatividade, enquanto que a
falta deste leva à letargia.

Paratireóide: o hormônio produzido por esta glândula mantém os níveis de cálcio e fósforo no sangue e
estimula a reabsorção óssea.

2.6.4. Timo

Está situada no na altura do peito, entre os pulmões e atrás do osso externo. Descendo sobre o coração,
envolvendo-o na parte superior dos grandes vasos. Seu maior tamanho é alcançado na puberdade, perdendo com
a idade sua estrutura glandular, sendo substituída por fibras e tecido adiposo. Algum resquício do tecido tímico
persiste e a secreção de suas células permanece por toda a sua vida.

Tem como função específica promover a defesa do organismo contra as infecções. É o órgão mais importante
neste papel. Os órgãos linfáticos periféricos tais como os linfonodos e o baço, com linfócitos T
imunocompetentes, são responsáveis pela imunidade celular.

2.6.5. Supra-renais

Localiza-se acima de cada rim. As secreções produzidas regulam o equilíbrio de sais e água no organismo,
mantém a pressão arterial, atuam sobre o sistema imunológico e regulam o metabolismo dos lipídios, das
proteínas e dos hidratos de carbono. Os esteróides sexuais do córtex supra-renal têm um impacto mínimo sobre o

64
aparelho reprodutor.

2.6.6. Pâncreas

O Pâncreas secreta insulina, hormônio que regula a utilização de glicose pelo organismo. Uma deficiência na
produção de insulina ou a inibição de sua ação sobre as células origina a doença chamada Diabetes Melitos, que
se não for tratada em tempo hábil, pode ocasionar lesões nos olhos, nos rins, no coração e nas extremidades.

2.6.7. Gônadas

São glândulas sexuais, representadas no homem pelos testículos e na mulher pelos ovários. Os testículos são
responsáveis pela produção do hormônio testosterona que determina, principalmente nos indivíduos que
atravessam a adolescência, os caracteres secundários masculinos, maturação dos espermatozóides,
desenvolvimento da libido, crescimento da musculatura e dos ossos.

Os ovários são responsáveis pela produção dos hormônios estrogênio e progesterona. O estrogênio atua no
desenvolvimento do útero, além de estimular em adolescentes também as características sexuais secundárias e a
libido. A progesterona prepara o útero para a gravidez, além de atuar no desenvolvimento das glândulas
mamárias.

Tantos os testículos como os ovários encontram-se sob controle dos hormônios gonadotróficos, do lobo anterior
da glândula hipófise.

65
Tabela 3 - Chakras e suas relações com glândulas, órgãos e disfunções

Chakras Glândulas Órgãos


Rins (insuficiência renal), coluna vertebral, ossos,
dentes, intestino grosso, ânus, reto, próstata, anemia
(deficiência de ferro), excesso de peso, pressão
Básico Supra-renais
baixa, fadiga, pouco tônus muscular, problemas de
circulação, desequilíbrio na temperatura do corpo,
leucemia e tensão nervosa.

Gônadas
Sistema reprodutor, bexiga, nádegas, pernas, pés,
glândulas sexuais
nervo ciático, espasmos musculares, cãibras, cólicas,
Umbigo masculinas e femininas
desordens menstruais e desequilíbrios hormonais.
(testículos e ovários)

Baço, estômago, fígado, vesícula, intestino delgado,


parte inferior das costas, sistema nervoso vegetativo,
Plexo Pâncreas
sentimento de inferioridade, falta de lógica e razão,
Solar insegurança e insônia.

Coração, arritmia cardiaca, sistema circulatório,


brônquios e aparelho respiratório, parte superior
Cardíaco Timo
das costas, nervo vago, sangue, pele, rubor, pressão
alta, colesterol alto, palpitações, acidez, síndrome de
pânico e incapacidade de amar.

Garganta, amígdalas, laringe, cordas vocais, esôfago,


suscetibilidade a infecções virais e bacterianas,
resfriados, amigdalite, faringite, dores musculares e
Laríngeo Tiróide
de cabeça (nuca), problemas dentais, endurecimento
dos maxilares, congestão linfática, herpes e medo de
fracasso na vida social.

Sistema nervoso central, olhos (cegueira, catarata,


glaucoma), ouvido (surdez), nariz (rinite), falta de
Frontal Pituitária
raciocínio lógico, vícios de drogas, álcool e otras
compulsões.

Cérebro, insônia, enxaqueca, disfunções sensoriais,


Coronário Pineal
neurose, histeria, possessão, obsessão e
materialismo.

66
3. Chama Trina

A poderosa Chama Trina é um “cálice sagrado” que temos no coração, o qual contém um átomo cuja estrutura é
diferente do resto do nosso corpo. Esse átomo diferenciado materializa-se no momento da concepção, ou seja, no
momento da fecundação do óvulo. Nesse momento forma-se a célula inicial que irá multiplicar-se dando vida a
um novo ser. Nesse processo, quando o embrião está em formação, esse átomo portador da Chama Trina é
ancorado dentro da estrutura celular que virá a ser o coração.

A Chama Trina é o nosso ponto de contato com a Fonte Universal que Tudo É (o Criador Universal, Deus). Ela
permite conectarmos nossas vidas físicas, tridimensionais, com os planos mais sutis de existência, além de
efetuarmos o controle energético dos nossos chacras. Por seu intermédio podemos garantir e manter nossa
saúde física e espiritual. Além disso, a Chama Trina age como suporte da vida no plano material, e também é
uma das mais poderosas ferramentas para nossa ascensão.

Os grupos ligados à Fraternidade Branca têm trabalhado com esta Chama em prol do despertar dos seres
humanos, através de exercícios e da recitação de Mantras. Isso vem produzindo excelentes resultados, porém
muitos seres humanos não têm acesso a essas informações, as quais deveriam ser divulgadas em todos os níveis
da mídia mundial. Mas esse trabalho de divulgar o que os poderosos da mídia não têm permitido é o nosso
serviço em favor da humanidade.

É parecida com a Flor-de-Lys e é composta por três chamas, raios ou cores:

- à esquerda está a grande Chama Rosa, que é a manifestação do Amor Universal.

- ao centro está a poderosa Chama Dourada, da sabedoria espiritual sobre o plano material.

- à direita está a poderosa Chama Azul, que é a expressão do poder divino que age sobre o plano material.

Quando unimos a Chama Rosa com a Azul, forma-se automaticamente a Chama Violeta, da transmutação e
purificação. Devemos ter muito cuidado ao como trabalhar com a Chama Violeta, pois seu elevado poder de
transmutação pode causar desequilíbrios psíquicos e emocionais. No entanto, é muito conveniente empregarmos
as energias da Chama Violeta, para transmutarmos e acelerarmos nosso processo Cármico.

A Chama Violeta deve ser empregada todos os dias, mas em combinação com as outras chamas. Assim
poderemos requalificar e recalibrar nossos campos vitais, não permitindo que as ligações cármicas nos
desequilibrem, mas sim transmutando-as de maneira que possamos apreender e compreender nossas falhas.
Para isso devemos usar a seqüência correta de cores, de acordo com as nossas realidades e dificuldades
pessoais.

Por exemplo: se utilizamos a Chama Violeta na cura de alguma doença como o câncer, depois de aplicá-la
devemos usar o poder da Chama Verde da cura, para efetuarmos a regressão dessa doença, caso contrário
estaremos na verdade acelerando o processo de manifestação da doença. Este é um exemplo simples que pode
ser estendido a outras situações.

67
Como funciona como um Portal multidimensional do nosso Ser, é sempre de extrema importância que meditemos
nela (projetando-nos mentalmente) e lhe enviemos REIKI (tanto em auto-tratamento, como em tratamentos a
outros).

68
4. Amor Incondicional

Ama e faz o que queiras


San Agustín

O Amor é a energia que faz mover o Universo. Ela se manifesta em tudo na vida. Tudo o que existe, tudo o que
vive, existe porque existe Amor.

Ao longo dos tempos o Ser Humano foi desaprendendo a viver o Amor e, por isso, é necessário voltarmos a
aprender o Amor e integrá-lo em todas as nossas células, em todas as dimensões da nossa vida, transmutando e
reprogramando-nos, deixando fluir o Amor dentro de nós.

O nosso processo de cura e elevação é basicamente o processo de abrirmos o nosso coração ao Amor e praticá-lo
em cada instante da nossa existência. Tudo o que são desequilíbrios na nossa vida, sejam mentais, emocionais
Ou físicos, são manifestações de bloqueios ao fluxo do Amor. Já muitas vezes foi dito: o Amor tudo cura! Quando
nos abrimos ao Amor transformamos aquilo que é desarmónico em harmónico, permitindo que a cura se
manifeste e o Ser gradualmente regresse ao seu estado de equilíbrio.

Tudo o que é divino, tudo o que é mais puro, são simplesmente manifestações de Amor.

Pois o Amor é respeito, o Amor é compaixão.

O Amor é dádiva, o Amor é gratidão.

O Amor é serenidade.

O Amor é justiça.

O Amor é verdade.

O Amor é vontade e determinação.

O Amor tudo compreende e aceita. O Amor é perdão.

O Amor é fé. O Amor é honestidade.

O Amor é coragem e tranquilidade.

O Amor é sabedoria e iluminação.

O Amor é a harmonia no seu estado mais elevado.

O Amor é Paz.

Nesta escola que é a Vida nem sempre é fácil manifestar o Amor em toda a sua essência. E um treino diário, uma
prova connosco mesmos. Porém, ao praticarmos o Amor façamo-lo sem aguardar nada em troca, de forma
incondicional. Façamo-lo pelo simples prazer de nos realizarmos e nos religarmos com a nossa Essência mais
pura. Façamo-lo apenas... Quando o Amor se realiza, o mundo fica um bocadinho melhor.

A cada gesto de Amor, novas vibrações são plasmadas na Terra, afectando positivamente todos os que nos
rodeiam, lembrando a todos (ainda que silenciosamente) que o Amor existe e que está apenas à distância da
vontade de cada um redescobri-lo no seu coração.

Ao nos ligarmos à energia REIKI, estamos a contactar com planos mais subtis de Amor, que nos banham e
curam, assim como a quem aplicamos REIKI. Quanto mais aberto estiver o nosso coração a deixar fluir o Amor,
melhor a energia flui dentro de nós e mais eficazes serão os tratamentos que faremos.

Na verdade, por múltiplas razões do passado de cada um, nós criamos "programas" (por vezes muito poderosos)
que bloqueiam o fluxo do Amor e, assim, bloqueiam (ou pelo menos diminuem e retardam) os efeitos da cura.

69
Mas não há nada ou ninguém no Universo que não tenha, bem lá no fundo às vezes, a vontade de se curar e de
retornar à sua essência divina. Só o Amor mais puro pode remover esses "programas"... e esse Amor mais puro
ele manifesta-se de forma constante, incondicional, indiferente às manifestações de agrado ou desagrado, de
gratidão ou ingratidão, pois só assim ele é verdadeiro, pois só assim ele é capaz de curar a pior das
enfermidades.

Quando Amamos, todo o Universo "conspira" a nosso favor, pois entramos na Lei Maior, no respeito por tudo o
que existe e ao serviço da Luz. Por isso Santo Agostinho nos disse: «Ama e faz o que quiseres. A medida do amor
é amar sem medida».

70
5. Karma

5.1. Lei do karma e Lei evolutiva

Embora seja comum usar-se a palavra "karma" para designar o karma negativo, ou seja, as más acções, karma é
uma palavra sânscrita que apenas significa "acto" e não tem qualquer conotação positiva ou negativa.

O Karma é a Lei Universal da Harmonia, que leva ao equilibrio de qualquer perturbação do Universo (através da
causa-efeito), pois ela é uma energia inteligente/consciente em acção. O aspecto material da lei do karma rege a
existência do homem comum, cujas acções provocam no universo reações contrárias de igual intensidade. Tem
como campo de actuação básico os três subniveis mais densos do nivel físico (mental, emocional e etérico-fisico),
mas estende-se, igualmente, a outros níveis. Esta Lei afecta de igual modo tanto o indivíduo como o grupo
(família, país, cultura, planeta, raça).

Assim, karma é o conjunto de efeitos (positivos, negativos ou neutros) gerados por um ser (ou grupo de seres)
ao interagir com o universo que o rodeia. Toda a acção fundamentada em energias do plano físico-etérico, do
emocional ou do mental produz uma reacção que retorna a quem a gerou. Assim, chamam-se débitos kármicos
aos efeitos negativos e créditos kármicos aos efeitos positivos. Quando a acção é desencadeada por energias
superiores tem, do ponto de vista do karma, valor neutro.

A cura e a limpeza são manifestações, em primeiro lugar, da cura kármica, tenha a pessoa consciência disso ou
não. As várias alterações energéticas planetárias permitem que, hoje em dia, todo o karma seja resgatado nesta
vida, permitindo uma libertação total da lei material e uma passagem para a lei evolutiva, aquela que irá
preponderar na Nova Terra. No entanto, este resgate kármico compactado pode significar momentos de grande
sofrimento. O aumento do stress nos últimos anos e a intensidade da vida das pessoas mostra esse processo.
Podemos sentir que a nossa vida está caótica, que nada funciona, ou por mais que trabalhemos a nível interior o
sofrimento não tem fim e nunca mais antingimos um ponto de equilíbrio e harmonia. Apesar disso, se nos
mantivermos fieis ao caminho interior e conscientes da nossa evolução veremos luz ao fundo do túnel e seremos
"recompensados" pela nossa preserverança.

Convém ter presente que a resolução do karma não é algo tão linear como "olho por olho, dente por dente".
Pode acontecer que um ser que provocou no passado sofrimento a alguém, numa próxima vida seja a vítima de
um sofrimento idêntico para saldar o karma. No entanto, por exemplo, uma pessoa que tenha sido violada, não
significa necessariamente que tenha sido violador noutra vida. Muitas vezes, o karma é sofrimento que não foi
curado na altura que aconteceu, criando padrões energéticos no campo aúrico que atraem acontecimentos
semelhantes.

Aquilo que não foi curado em vidas passadas apresenta-se com insistência e aquilo que não funciona na vida das
pessoas (ex: trabalho, relacionamentos, comportamentos, ...) entra em ruptura. Os danos permanecem nos
corpos subtis da pessoa até ela ter consciência e transmutá-los. Assim, karma não é castigo! E um processo de
aprendizagem e crescimento, no qual o indivíduo aprende e compreende as consequências das suas acções,
internas (pensamentos, emoções) ou externas. Curar o karma inclui curar todos os corpos, todos os chakras,
todas as dimensões e planos de consciência, todas as vidas (presente, passadas e paralelas), sendo que a
ascensão é a libertação total do karma.

5.2. Alma, Morte e Ciclo Encarnacional

A Alma é a núcleo que estabelece a ligação entre o Cosmos unificado e o Ser individualizado. À medida que a
alma evolui revela ao eu consciente a vontade espiritual, o amor-sabedoria e a inteligência activa — aspectos
divinos cujas energias irradia na proporção que as dinamiza em si mesma. A alma tem a incumbência da
integração da personalidade na corrente evolutiva superior e traz ao indivíduo as condições necessárias para que
se reconheça como parte de um todo maior. Até há bem pouco tempo a encarnação sucessiva era, na maioria
dos casos, o modo mais eficaz de alma evoluir, mas hoje em dia, devido às mudanças energéticas no nosso
planeta e aceleramento das frequências, a alma pode libertar-se do karma e entrar na lei evolutiva.

A palavra "morte" é inadequada para traduzir o que acontece na transição da alma ao deixar o nível de
consciência físico, o emocional e o mental para penetrar outros, mais subtis. Normalmente, utilizamos esta
palavra para designar o fim da vida, enquanto que na realidade, ela não termina: o eu interior, imortal, prossegue

71
a sua existência, quaisquer que tenham sido as condições da referida transição. Desta forma, desencarnação é o
processo pelo qual a consciência do ser abandona os corpos temporários (físico-etérico, emocional e o mental
inferior) para concentrar-se em exclusivamente em dimensões suprafísicas, por período mais ou menos
prolongados.

Ao inverso, a reencarnação é o acto de voltar a este mundo material. A nossa verdadeira essência diminui a sua
frequência vibracional, através da passagem pelos vários corpos subtis, de forma a conseguir entrar no veiculo
físico sem se consumir. A consciência relaciona-se com o físico desde o momento da concepção. No entanto, a
ligação constrói-se de forma crescente ao longo da gestação. As pessoas regressam à Terra de forma bastante
semelhante a alguém que frequenta a escola. A medida que vamos trabalhando e passando de ano, passamos
para grau mais avançados de vibração e conhecimento.

Cada um dos períodos que a alma passa no mundo físico constitui aquilo que chamamos encarnação ou "vida".
Uma alma humana não pode reencarnar num corpo animal Ou de uma planta, pois existe uma evolução
permanente de cada emanação individual da vida. No entanto, a consciência pode descer a um nível
correspondente ao animal não humano, se isso for necessário para o seu (re)aprendizado.

Uma encarnação não é facto isolado da vida da alma: é parte de uma sequência de experiências que a levam ao
seu verdadeiro destino. Em geral, a lei da reencarnação decorre da lei do karma, que faz a alma retornar ao
plano físico para equilibrar actos passados, e da lei da evolução, que a faz cumprir etapas precisas de formação e
desenvolvimento. Enquanto a alma necessita de experiências na matéria, a lei da reencarnação é compulsória.
Com o passar das encarnações a alma eleva-se ao destacar-se da consciência colectiva, tornando-se menos
susceptível às influências exteriores. Ou seja, nós reencarnamos porque estamos presos no campo astral da
Terra. Daí que a reencarnação se dê de forma impulsiva até o Ser conseguir a libertação destas malhas
energéticas acedendo à Lei Superior.

À medida que um ser se liberta dos apegos materiais, torna-se mais útil ao Plano Evolutivo, podendo encarnar
com propósitos mais definidos e abrangentes, como por exemplo, o de ajudar na elevação da consciência e na
transição planetária. Está ao alcance de todos resgatar o seu Karma na presente vida, independentemente do seu
passado de Alma. O percurso de aprendizagem é único para cada Ser. Aquilo que uns demoram vidas outros
poderão demorar anos, meses ou dias a aprender. Da mesma forma, numa encarnação podemos aprender mais
que em muitas outras juntas. Tudo depende da forma como usamos o nosso livre arbítrio no quotidiano e nos
caminhos que escolhemos ao longo da nossa jornada.

É importante termos em conta que existe também o karma planetário e para o qual todos contribuímos e do qual
todos dependemos, de uma ou de outra forma. Ou seja, sinteticamente podemos dizer que enquanto houver
conflitos internos dentro dos seres humanos existirá guerra no planeta. No entanto, quando um determinado
número de seres eliminarem esses conflitos dentro de si, essa nova Energia será ancorada em todo 0 Planeta, a
guerra e as enfermidades deixam de ter sustentação no plano físico e cessam.

72
6. Dharma

É a responsabilidade essencial que cada um lhe deve à sociedade de seres sensíveis dentro da que nasce, ao
meio ambiente e por último, ao nosso "Ser" interior mais elevada.

O Dharma é o que lhe devemos à vida, a vida não nos deve nada, já que nos deu de presente a vida mesma!
Somos nós os que estamos comprometidos com ela com a finalidade de favorecer a evolução do grupo e o
desenvolvimento pessoal pelo só ato de estar vivos.

Ao falar de numerologia, diz-se, que no momento de nascer nos é dado um Dharma, isto tem que ver com a data
de nosso nascimento, poderíamos dizer que é a missão que nos foi encomendada. Se não aprendermos a escutar
nosso interior, e não atuamos de acordo com nossa essência, estaremos dentro de uma vida de sofrimento e dor.
Isto é sinal de que não estamos cumprindo nossa missão. Não há maior tristeza que não seguir a voz de nosso
coração, seguir nosso Swadharma.

O Swadharma é o caminho para a alegria e felicidade. Tem a ver com a tendência psíquica individual ou
natureza, e suas necessidades para o crescimento.

É muito comum criticar os defeitos de outros e que não possamos ver os nossos, Cristo nos dizia: "Como pode
ver a palha no olho alheio e não pode ver a viga que há em seu olho", já que a "palha" que criticamos é a mesma
"viga" que não vemos; quer dizer, quando nos incomoda algo de alguma pessoa, quando criticamos sua forma de
ser ou conduzir-se, devemos parar para analisar se esse defeito não o temos nós. Em geral acontece um
fenômeno de projeção, pelo qual vemos nossos defeitos projetados nas pessoas com as quais convivemos. É
como uma advertência, um sinal, é a forma mais direta que temos de vermos a nós mesmos e corrigir o que tem
que ser corrigido.

Por isso é melhor não esbanjar nossa energia julgando e criticando os outros e empregá-la melhor na ordenação
da nossa vida, superando nossos defeitos, acrescentando nossas virtudes para continuar no nosso processo
evolutivo.Isso já é trabalho suficiente!

73
7. A ajuda dos Guias

O Universo é uni complexo multidimensional onde actuam diferentes tipos de energias. Um dos tipos de energia
que interage com os Humanos é a energia dos Guias Espirituais.

Os Guias são diversos tipos de Seres que sustentam o nosso processo evolutivo, de variadas formas. Existem
Guias que nos acompanham "em permanência" e Guias que nos apoiam "pontualmente". Existem Guias que nos
apoiam em actividades específicas (de acordo com a nossa profissão ou alguma actividade que desempenhamos
por vocação) e Guias que nos apoiam na vida em geral.

Os Guias trabalham connosco em função do nosso propósito e do nosso próprio processo evolutivo. Alguns
assistem-nos desde que encarnámos e, provavelmente, resulta de um acordo que fizemos antes de encarnarmos.
Outros trabalham connosco durante determinadas épocas, em função de objectivos específicos. Um aspecto é
sempre verdade: os Guias trabalham connosco em harmonia com o nosso processo e respeitando a nossa própria
evolução!

Os Guias são seres que (embora existam noutros planos) estão também em evolução e, por isso, por vezes existe
urna mudança nos Guias que trabalham connosco. Isso ocorre quando deixa de haver uma correlação energética
entre a alma encarnada e os Guias.
Em função dos valores, crenças e hábitos culturais da nossa sociedade, a presença dos Guias manifesta-se,
sobretudo, de forma inconsciente. Ela ocorre na forma daquilo a que chamamos intuição, seja por sinais
externos, por pensamentos inesperados (aquela "vozinha" interior), por sonhos com simbolismos, seja por uma
inesperada "inspiração".

O contacto consciente com os Guias pressupõe um processo de aprendizagem, de gradual abertura de


percepções, de paciência e persistência. A prática do Auto-REIKI e do REIKI a outros ajuda a que seja "afinada" a
nossa estrutura energética responsável por captar e descodificar conscientemente esta ajuda. Não obstante isso,
um Iniciado ao REIKI pode (e deve) invocar a ajuda de todos os. seus Guias no momento da cura (auto-aplicação
ou aplicação a outros), pois nestes momentos eles fazem-se notar com especial eficácia. Isto acontece
justamente porque os Guias respeitam o nosso livre arbftrio e agem na medida em que manifestamos essa
intenção. Pode ocorrer que essa intenção seja manifestada inconscientemente, mas terá que ser sempre
manifestada.

A sobriedade é um aspecto crucial para que a relação com os nossos Guias se efectue de forma equilibrada. O
medo da experiência pode bloquear ou distorcer a informação e a tentativa de contacto oportunista para fins
financeiros ou para exibir o ego (como infelizmente é feito muitas vezes) causa-nos problemas no nosso percurso
evolutivo, por vezes apenas detectados meses ou anos depois.

O contacto com os Guias deve ser usado para nos ajudar no plano físico onde actuamos e não para nos
alienarmos dele. Não obstante, o contacto com o mundo espiritual afasta-nos momentaneamente do mundo
exterior, urna vez que apela à interiorização, à meditação. A atitude mais equilibrada é, de seguida,
concentrarmo-nos novamente na nossa vida terrena, plasmando nesta realidade todos os ensinamentos e
bençãos que os Guias nos oferendam. Se tivermos isso em atenção, evitaremos que ocorram mudanças do foco
de atenção, que em algumas pessoas, causam desequilíbrios nos seus campos de energia, manifestando-se
depois na sua vida em geral.

7.1. O Conselho Reikiano de Alfa e Ômega

No nosso cantinho de Universo, existe um Conselho (noutro plano dimensional) que é responsável pela
formatação deste sistema de transmissão de energia que nós chamamos REIKI - "O Conselho Reikiano de Alfa e
Ómega".

Este Conselho rege a aplicação do REIKI, para isso designando um Guia de REIKI para cada Iniciado. No
momento da Iniciação, cada Iniciado ao REIKI recebe um Guia de REIKI que lha dará o amparo sempre que este
fizer uso dele. Com o tempo (e como resultado da prática) essa ligação passará a ser instantânea e não
necessitará de uma evocação consciente.

No entanto, a experiência demonstra uma grande utilidade em convidar (senão em voz alta, pelo menos
mentalmente) o nosso Guia de REIKI a juntar-se a nós na Cura, especialmente nos primeiros tempos em que

74
começamos a aplicar REIKI.

O facto de nos sintonizarmos intencionalmente com o "Conselho Reikiano de Alfa e Ómega" ajuda-nos também a
receber o amparo de outros Guias, que eventualmente possam conter informações energéticas mais específicas e
adequadas à situação que está sendo trabalhada na cura.

75
8. A Intuição e o Discernimento

Uma das formas mais comuns do nosso Eu Superior contactar com a nossa dimensão consciente é através da
Intuição. A Intuição é toda a informação que nos chega de forma inconsciente. Ela não se impõe. Ela começa por
nos surgir normalmente de forma inesperada e, por isso, por vezes deixamos escapar as suas pistas.

Muitos Seres Humanos têm esta faculdade bastante desenvolvida sem dela se darem conta. Por outro lado,
muitas vezes confunde-se intuição com o simples palpite. O palpite é uma forma-pensamento que geramos
mentalmente, de forma aleatória, enquanto que a Intuição tem a sua origem no nosso Ser mais profundo,
imperceptivel apenas usando a via racional, sendo necessário abrir o coração para niveis mais subtis de onde a
Intuição emana.

Acontece frequentemente a Intuição ser também confundida com uma percepção de uma realidade mascarada,
que apelidamos de hologramas. Hologramas são estruturas energéticas criadas para iludir as nossas percepções
mais subtis, aparentando ser aquilo que na verdade não são. São formatados por Seres que vivem num patamar
energético de ignorância (embora algumas vezes sem intenção de prejudicar). Para os mais sensitivos ver ou
ouvir Seres que se apresentam como sendo Jesus, Buda, Saint-Germain, Arcanjo Miguel ou outro qualquer pode
não significar que o sejam, pois podem-se tratar de hologramas criados justamente para nos ludibriar.
Nestes casos, como em tudo, é necessário sempre sentir se a mensagem é da Luz, irradia Amor, ou, pelo
contrário, incita ao medo, ao rancor, ou vibra em sentimentos cujas vibrações são tão baixas que não podem
pertencer aos Seres de Luz que conhecemos. Para muitas pessoas é preciso treino para distinguir a verdadeira
intuição do palpite ou holograma.

Esse treino é feito no dia-a-dia, nas pequenas coisas, usando também o mecanismo de tentativa-erro. Mais uma
vez, integrando os ensinamentos espirituais na materialidade do quotidiano. De uma forma ou de outra, o
mecanismo vai-se abrindo com o tempo, à medida que nos permitimos aceitar e integrar essa fonte interna de
sabedoria.

A informação que nos chega de forma intuitiva é universal, intemporal, sintética e não passivel de ser entendida
por processos lógico-mentais, pois encerra um conhecimento de esferas superiores da nossa essência.

No processo de treino e aprendizagem da informação intuicional há que saber desapegarmo-nos de preferências


e expectativas; renunciarmos a todo e qualquer resultado, aquietarmos a mente e entregarmo-nos à resposta.
Deixar de pensar no problema: quando menos esperarmos a resposta surge. Se de alguma forma mantivermos o
foco na situação, é muito provável que criemos formas-pensamento que vão poluir a nossa mente, baralhando e
ofuscando a informação que nos chega via Intuição.

Por vezes acontece termos dúvidas da validade de uma informação que nos chega. Será a Intuição? Será um
palpite gerado pela minha mente? Isso é extremamente natural que aconteça. É por isso que o discernimento é
tão importante para tirarmos proveito da Intuição. Todos nós temos mecanismos de validação interna, com os
quais vamos ganhando familiaridade com o passar do tempo e com a prática. Se há qualquer dúvida quanto à
validade de uma informação, o indicado será fazê-la passar por esses mecanismos de validação interna.

Um mecanismo básico que se revela de grande utilidade, sobretudo para grandes decisões, é o da "prova dos
nove", isto é, pura e simplesmente rejeitamos a informação. Se ela voltar a surgir, é preciso estarmos atentos ao
contexto em que isso aconteceu, podendo ser um sinal de que é a Intuição que está a querer entrar em contacto
connosco. Para tal só precisamos de duas coisas: desligarmo-nos da questão em si e estarmos alerta para os
sinais que nos chegam.

Uma outra forma bastante simples de validarmos urna informação é usarmos a sabedoria do nosso coração.
Como já dissemos, no nosso coração encontra-se a Chama Trina, ou centelha divina, que nos conecta com a
nossa divindade e, a partir dela, com toda a Criação. Ao levarmos a nossa consciência para lá (por processo de
projecção mental) acedemos à nossa verdade interna. A partir dai, cada um saberá descodificar os sinais que
recebe: conforto/desconforto; calor/tremor; paz/ansiedade. Quanto mais vezes praticarmos a nossa sintonização
com a nossa divindade (a partir da Chama Trina) mais rápida, fluída e categórica será a resposta que obteremos.

O uso do discernimento (e dos mecanismos internos de validação) aplica-se não s6 à Intuição como a toda a
informação que recebemos do exterior. Aprendermos a seleccionar a informação que nos chega (pessoalmente,
pelos media, por livros, etc.) é também um exercício diário de grande utilidade no nosso percurso ascensional.

76
9. Lei da Ressonância (os espelhos na nossa vida)

Ao longo da nossa jornada de aprendizagem de Alma, somos guiados a situações que nos proporcionem a
aprendizagem necessária em cada momento. Isso acontece devido à Lei do Karma, mas também à Lei da
Ressonância.

Cada um de nós tem a sua própria vibração, composta a partir de uma infinidade de micro e macro padrões
vibratórios, decorrentes de toda a nossa experiência (desta encarnação ou da Alma em geral). Cada acção,
pensamento ou sentimento ganha forma no nosso campo de energia. Acções, pensamentos e sentimentos
continuados passam a constituir-se como padrões vibratórios, de diversos níveis, formas e intensidades. No
conjunto deles temos as nossas singularidades: personalidade, experiências de aprendizagem, gostos, vocações,
defeitos, e tudo o mais que nos caracteriza e distingue de todos os outros Seres.

Para melhor percebermos esta ideia reparemos no violino. Dois violinos estão juntos e afinados de igual forma
(por analogia, têm o mesmo padrão vibratório). Quando tocamos num deles, a corda correspondente no outro vai
vibrar. A este fenómeno chamamos de vibração por simpatia. Assim como os violino, na vida nós vibramos em
ressonância com determinadas situações, pessoas, locais, culturas, etc. devido a algo que está dentro de nós (em
planos conscientes ou inconscientes). Na verdade, somos magneticamente atraídos a essas situações, pessoas,
locais, culturas, etc.

E a partir desta constatação que facilmente podemos verificar que a nossa vida externa é um espelho daquilo que
somos interiormente. Ao tomarmos consciência disso, podemos "ler" no exterior aquilo que nós somos
interiormente. Não raro, e embora seja natural oferecermos alguma resistência em aceitá-lo, os defeitos que nos
perturbam nos outros têm correlação com alguma coisa que está presente dentro de nós. Pode ser uma situação
adormecida, que raramente vem "à tona", mas que se encontra recalcada no inconsciente e não deixa de vibrar
dentro do nosso complexo sistema de energia, nesta caso perturbando-o.

Ao aceitarmos esta realidade com naturalidade, podemos tirar muito partido da observação do nosso exterior (de
tudo na nossa vida) para a nossa mudança interior. Ao percebermos que a Vida funciona como um espelho de
nós próprios, mais rapidamente encontraremos o equilibrio necessário ao nosso bem-estar. É claro que este
processo leva o seu tempo, e cada qual tem o seu ritmo. Aliás, é de todo desaconselhável que "bloquemos" ao
pensar em todos os pormenores da nossa vida pois, como já foi dito, somos também influenciados pelo padrão
vibratório da Humanidade no seu todo, pelo inconsciente colectivo.

O ideal é concentrarmos as nossas atenções (o foco) nas questões que mais nos afectam/incomodam e façamos
as mudanças de forma gradual. Quando se quer fazer tudo ao mesmo tempo, muitas vezes acontece acabarmos
por não fazer nada como deve ser. Embora isto seja válido, também acontece frequentemente que haja um
"efeito dominó" nas mudanças, ou seja, a partir da mudança de uma situação outras são desencadeadas em
cadeia, às vezes num curtíssimo espaço de tempo. No entanto, isso só acontece se mantivermos o foco nas
situações que se revelam estar mais "à tona". Se queremos desfiar um novelo basta-nos puxar pela ponta,
independentemente do seu tamanho. Se pegarmos no novelo todo ao mesmo tempo, nunca o conseguiremos
desfiar...

77
10. Exercícios

10.1. Exercício para Ver a Aura Humana

Para você começar a sentir o CEH – Campo de Energia Humano - recomendo-lhe alguns exercícios. Se você, por
exemplo, se achar num grupo de pessoas, faça-as formarem um círculo dando-se as mãos. Deixe que a energia
do campo áurico dessas pessoas flua em torno do círculo. Sinta-o pulsar por algum tempo. Para que lado vai ele?
Verifique para que lado ele vai no entender do seu vizinho imediato. As opiniões de vocês são correlatas? Que
direção segue? Pergunte ao seu colega em que direção ele sente que vai. São correspondentes?

Agora, sem mudar coisa alguma, ou sem mover as mãos, interrompa o fluxo de energia. Mantenha-o assim por
algum tempo (todos ao mesmo tempo) e, em seguida, deixe-o fluir novamente. Tente de novo. Sente a
diferença? Que é o que mais lhe agrada? Agora faça o mesmo com um parceiro. Sente-se defronte dele e toquem
as palmas das mãos um do outro. Deixe fluir a energia naturalmente. Para que lado ela vai? Mande energia da
palma da mão esquerda; a seguir, permita que ela volte e entre na palma da mão direita. Inverta o processo.
Agora detenha o fluxo.

Em seguida tente empurrá-lo para fora das duas mãos ao mesmo tempo. Empurrar, puxar e parar são três modos
básicos de manipular a energia na cura. Pratique bastante. Feito isso, deixe caírem as mãos; mantenha as palmas
a uma distância de cerca de 50 a 126 mm uma da outra; lentamente, movimente as mãos para trás e para a
frente, diminuindo e aumentando o espaço entre elas. Construa qualquer coisa entre as mãos. Pode senti-lo? O
que lhe parece que é?

Agora, separe ainda mais as mãos uma da outra, coisa de 20 a 25 cm. A seguir, devagarzinho, junte-as de novo
até sentir uma pressão que lhe empurra as mãos para fora, de tal sorte que você se vê obrigado a usar um
pouquinho mais de força para juntar as mãos outra vez. Você agora tocou as bordas de um dos seus corpos de
energia. Se suas mãos estiverem separadas por uma distância entre 2,5 e 3 cm , você terá juntado as bordas do
seu corpo etérico (primeira camada da aura). Se suas mãos estiverem separadas por uma distância de 7,5 a 10
cm, você terá juntado as bordas do seu corpo emocional (segunda camada da aura).

Agora, movimente com muito cuidado as mãos, aproximando-as uma da outra até sentir realmente a borda
externa do corpo emocional ou até sentir o campo de energia da mão direita tocar a pele da mão esquerda. Mova
a palma direita cerca de uma polegada (25,39 mm) mais perto da palma esquerda. Sinta o formigar do dorso da
mão esquerda no momento em que toca a borda do seu campo de energia. O campo de energia da mão direita
atravessou, pura e simplesmente, a mão esquerda!

Agora, afaste as mãos uma da outra e mantenha-as separadas por uma distância aproximada de sete polegadas
(177,73 mm). Aponte o dedo indicador direito para a palma da mão esquerda, certificando-se de que a ponta do
dedo está cerca de meia a uma polegada (12,69 a 25,39 mm) de distância da palma. Agora, desenhe círculos na
palma da mão. O que sente? Cócegas? O que é isso?

Com a luz indistinta na sala, faça as pontas dos dedos de suas mãos apontarem umas para as outras. Coloque as
mãos defronte do rosto a uma distância aproximada de 60 cm. Certifique-se de que há no fundo uma parede
branca e lisa. Relaxe os olhos e fite-os suavemente no espaço entre as pontas dos dedos, que deverão estar
separadas umas das outras entre 2,5 e 1,25 cm de distância. Não olhe para a luz brilhante. Deixe os olhos se
relaxarem. O que vê? Aproxime as pontas dos dedos umas das outras e depois afaste-as ainda mais. O que está
acontecendo no espaço entre os dedos? O que é que você vê ao redor da mão? Devagarinho, mova uma das
mãos para cima e a outra para baixo, de sorte que dedos diferentes apontem uns para os outros. O que está
acontecendo agora? Perto de 95% das pessoas que experimentam fazer este exercício vêem alguma coisa. Todas
sentem alguma coisa. Se você quiser conhecer as respostas para as perguntas acima, consulte o ponto seguinte.

10.2. Respostas às Perguntas nos Exercícios para Ver a Aura Humana

A energia quase sempre se move da esquerda para a direita ao redor do círculo. muito desagradável detê-la e, de
ordinário, é impossível deter o fluxo todo. A sensação de estar construindo alguma coisa com as mãos é uma
sensação pruriginosa com pressão, algo semelhante à eletricidade estática. Quando as bordas do corpo de
energia se tocam, a sensação é de formigamento e pressão. Quando aborda do corpo de energia toca a pele,
provoca uma sensação de prurido e pressão sobre a superfície da pele. Quando você desenha círculos na palma
da mão, sente os contornos prurientes do círculo.

78
A maioria das pessoas vê uma névoa ao redor dos dedos e das mãos quando tenta sentir a aura. Isso se parece
um pouco com a onda de calor sobre um radiador. É vista, às vezes, em várias cores, como um toque de azul,
por exemplo. De um modo geral, porém, a maioria das pessoas a vê, a principio, como incolor. Os corpos de
energia puxam como balas puxa-puxa entre os dedos, à medida que a névoa de cada ponta entra em conexão
com a névoa do dedo correspondente da outra mão. Quando você movimenta os dedos de modo que eles se
desemparelhem, a névoa seguirá, de início, o primeiro dedo e, depois, saltará para a ponta do dedo mais
próximo. (Ver Figuras 11 A, B e C)

79
Exercício de visualização da Aura Humana

Figuras 11 A, B e C

80
10.3. Exercício com a Chama Trina

Aqui está um exercício para expandirmos a nossa Chama Trina, ensinado por Paz Victória e posteriormente
complementado por Shtareer (Irmãos da Luz de níveis superiores), amplamente divulgado pelo irmão Rodrigo
Romo:

Para facilitar a visualização, antes de iniciar o exercício você pode acender fisicamente 3 velas coloridas, nas
cores dos raios da Chama Trina, de forma que possa ver a vela à sua frente durante a prática do exercício.

Sente-se ou deite-se numa posição relaxada. Procure fazer com que sua mente fique em “estado de papel em
branco”. Visualize que seu copo está sendo banhado por uma brilhante luz branca muito intensa e
tranquilizadora, deixando-o mais e mais relaxado, mais e mais leve.

Visualize agora a Chama Trina ardendo dentro do seu coração, no interior de um cálice ou então no formato de
uma flor tríplice. Visualize nitidamente cada uma das três chamas da Chama Trina ardendo e vibrando como a
chama de uma vela. Elas ardem mas não queimam.

Visualize uma Chama Trina grande em profunda expansão... sinta-se imerso nela e que cada um de seus raios,
brilhantes e luminosos, está ativando as diversas partes do seu corpo.

ROSA: - Através da Chama Rosa expande-se o Amor Universal. Com sua expansão você sentirá uma imensa
alegria e vontade de abraçar o mundo. Deixe que essa chama inunde por completo todas as células do seu corpo.
Visualize cada órgão do seu corpo sendo penetrado e envolvido pela Chama Rosa. Desperte sua condição de ser
amoroso e equilibre com isso a dualidade feminina e masculina. Permita que o Amor Incondicional da consciência
Crística se manifeste dentro do seu coração e que se expanda para todo o seu corpo. Procure integrar-se com
todos os móveis, plantas, minerais, tudo o que o cerca, assim você estará ativando sua capacidade de percepção
extrasensorial através do Amor e sua conexão com as linhas geopáticas positivas do planeta. Nesta visualização
você estará ativando sua ligação com a mãe Terra e com os Mestres Ascensionado, nossos Irmãos da Luz.

DOURADO: - Depois de expandir a Chama Rosa, faça o mesmo com a Chama Dourada. Visualize todo o seu
corpo imerso nesta chama. Isso que trará à sua consciência e aos seus corpos sutis, a sabedoria contida no
registro akáshico (que é uma espécie de arquivo que contém todo os registos de todos os acontecimentos do
universo). Esta chama abre os portais de acesso aos seus registros, inclusive de vidas passadas, além de abrir o
caminho ao conhecimento do seu Eu Superior (ou Eu Sou). Ao mesmo tempo em que visualiza sua imersão na
Chama Dourada, sinta-se preenchido pelo Amor Incondicional deixado pela Chama Rosa. Sinta as qualidades
positivas do universo e de tudo que o cerca. Entenda e sinta que você é um ser espiritual do universo. Pela ação
da Chama Dourada você compreenderá as Leis Superiores que regem o universo e perceberá sua participação
nesse contexto. Você compreenderá qual é a sua verdadeira identidade, além de esclarecer quais são as tarefas
que você tem para realizar. Visualize a Chama Dourada na cor do ouro liquefeito, brilhando intensamente e
impregnando todo o seu ser. Ela é um veiculo transmutador universal, a chama da sabedoria, não apenas do
conhecimento racional, ela integra o poder do Cristo em ação.

AZUL: - Da mesma forma que as anteriores, visualize todo o seu corpo imerso na Chama Azul. Sinta-se imerso
nela. Esta chama é a expressão do poder de Deus em ação, o poder de agir, de construir e de levar a efeito as
energias geradas pelas outras duas chamas. A Ascensão é feita por qualquer uma das três chamas, mas a Chama
Azul fornece a energia necessária para superar e vencer as limitações psíquicas de qualquer espécie. Esta é a
chama do poder construtivo, alinhado com os parâmetros da criação cristica. Através dela você sentirá
profundamente seu potencial e a capacidade de ser uma pessoa útil e positiva para a sociedade. Sinta-se
disponibilizando suas potencialidades a serviço de atividades construtivas em benefício da humanidade, levando o
Amor Incondicional e o conhecimento a todos os que precisam dele. A Chama Azul ajuda a ultrapassar as
dificuldades da vida, a enfrentá-las de frente, sem esmorecer ou desviar-se de suas metas. Ela é a expressão do
amado Arcanjo Miguel (também conhecido como Comandante Ashtar Sheran), que com sua espada de luz azul, a
espada da justiça, está velando pela humanidade, na Terra e em outros planetas, defendendo os inocentes dos
ataques das hostes negativas. Estimulando a Chama Azul em seu coração, você também poderá utilizar a sua
espada da justiça e auxiliar a todos os que precisarem de sua ajuda.

Deixe que as três chamas da Chama Trina tomem conta de seu corpo e se expandam, até formarem um
poderoso campo de energia ao redor do seu corpo. As três chamas ardem simultaneamente mas não se

81
misturam. Visualize-a iluminando o local onde está fazendo o exercício, o teto, o chão, as paredes, os objetos,
tudo.

Una agora a Chama Rosa com a Chama Azul formando a Chama Violeta e visualize-a transmutando suas
dificuldades, suas limitações, seus atos, sentimentos e pensamentos negativos. Neste ponto é recomendável que
você faça uma retrospectiva sobre o seu dia, sua conduta, seus relacionamentos, e sua vida em geral. Se houver
algo negativo, ative a Chama Violeta, transmutando as coisas negativas em eventos positivos, impedindo que as
energia negativas se expandam em você ou através de você. Desfaça completamente sentimentos como
ressentimento, inveja, mágoa, ódio ou rancor com a Chama Violeta.

Elimine também as imagens de atitudes negativas que eventualmente tenha expressado. A gloriosa Chama
Violeta é a expressão do amado Mestre Saint Germain, o Avatar de nossa Era. Faça isso num sistema de
retrocesso de imagens, descriando com a energia da Chama Violeta cada um desses sentimentos, pensamentos e
atos.

Enquanto você faz isso, tente permanecer visualizando a Chama Dourada ardendo no topo de sua cabeça. Deixe
que a Chama Dourada, que brilha luminosa sobre a sua cabeça, restabeleça o equilíbrio penetrando e
harmonizando todas as situações que foram limpas pela Chama Violeta. Isso garante que os processos de
requalificação e de transmutação sejam equilibrados, e que aqueles problemas não voltarão a importuná-lo nunca
mais.

Lenta e suavemente volte ao seu estado de consciência ativa, deixando que as energias da Chama Trina
permaneçam sempre na sua consciência.

Pratique este exercício um vez por dia durante no mínimo sete dias. Você verificará que vai ocorrer uma sensível
melhora em todos os setores de sua vida. Sua sensibilidade aumentará muito e você vai sentir-se muito mais
tranqüilo e amoroso para com a vida. O exercício pode ser praticado antes de dormir, para requalificar as
atividades diárias, ou pela manhã, conforme sua preferência, para preparar-se positivamente para um novo dia.
Esse exercício é muito eficaz e permite uma expansão notável da Chama Trina, além de um rápido crescimento
consciencial. Ele vem sendo usado pelos membros da Fraternidade Branca há muitos anos.

O mais importante neste exercício é que você procure sentir profundamente que suas forças vitais estão sendo
resgatadas, que você é um ser espiritual e que suas energias superiores tornam-se cada dia mais presentes e
ativas em você.

[continua na 2ª Apostila]

82