Você está na página 1de 1

Exmo. (a) Sr.

(a)

Diretor(a) ou Presidente da CAP,

Devido ao elevado número de questionamentos via telefone e e-mail, constatou-se que subsistem dúvidas no que
concerne ao preenchimento dos seguintes campos da aplicação recenseamento:

1. CAMPO 9.1. – DATA DE INGRESSO NA CARREIRA

A data de ingresso na carreira é a data de entrada para o quadro: Quadro Distrital de Vinculação (QDV); Quadro de
Zona Pedagógica (QZP); Quadro de Escola (QE); Quadro de Agrupamento de Escolas (QA).

2. CAMPO 9.4. – AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

2.1. Qual a outra legislação aplicável referida na questão9.4.3?

A legislação aplicável é aquela que prevê a avaliação dos diretores- Portaria n.º 226/2012, de 30 de agosto, a da
correspondência da avaliação do SIADAP dos docentes em mobilidade na Administração Central para a avaliação nos
termos do ECD-Despacho n.º 12635/2012, de 27 de setembro, ou a Portaria n.º 15/2013, de 15 de janeiro que
determina o regime de avaliação do desempenho dos docentes em exercício de funções docentes noutros
ministérios, em regime de mobilidade a tempo parcial e nas escolas portuguesas no estrangeiro.

2.2. -CAMPO 9.4.3. - Deve selecionar a opção “Não aplicável” sempre que o docente não foi avaliado.

2.3. –CAMPO 9.4.4:

2.3.1. Caso o docente preencha o requisito de tempo de serviço em 2018, e não tenha sido avaliado no período
ocorrido entre 2011 e 2017, deve seleccionar a opção “SIM”, ficando assim com o suprimento do requisito da
avaliação do desempenho (consultar as FAQ disponíveis no site da DGAE).

2.3.2.Se o docente não foi avaliado porque ainda não está no ano anterior ao da progressão ao escalão seguinte,
deve seleccionar a opção “NÃO”.

3. CAMPO 9.6. - FORMAÇÃO CONTÍNUA

A formação contínua efetuada durante o período ocorrido entre 2011 e 2017 releva para a progressão na carreira,
desde que realizada no escalão em que se encontra.

Consultar as FAQ:

“Pode ser mobilizada toda a formação contínua que tiver sido frequentada no escalão em que o docente se
encontra:

 No mínimo, 25 horas de formação no 5.º escalão e 50 horas nos restantes.

 Para efeitos de progressão, a frequência de ações de curta duração tem como limite máximo um quinto do total
de horas de formação obrigatória no ciclo avaliativo (até 5 horas no 5.º escalão e até 10 horas nos restantes). Assim,
num escalão de 4 anos, 40 horas, no mínimo, têm de corresponder a formação acreditada pelo Conselho Científico e
Pedagógico da Formação Contínua (CCPFC), podendo as 10 horas restantes corresponder a ações de curta duração,
devidamente reconhecidas nos termos do Despacho n.º 5741/2015, de 29 de maio.”

Com os melhores cumprimentos,

A Diretora-Geral da Administração Escolar