Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO E ARTES


CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA

O Cessate Di Piagarmi
Alessandro Scarlatti

Aluna:
Caroline Conte Brandalise
Matrícula: 201623125001

Prof.ª Maidi Leonice Dickmann


1. Sobre Alessandro Scarlatti

Alessandro Scarlatti foi um dos mais importantes compositores italianos de


ópera do final do período barroco. Ele é creditado com o estabelecimento da escola
napolitana de ópera no século XVIII, melhorando rapidamente o estado de música
predominantemente provincial em Nápoles em uma tradição sofisticada e duradoura..
Ele compôs mais de 600 cantatas, mais de 100 óperas, muitos oratórios,
serenatas, sonatas e outras peças instrumentais
Curiosamente, sua posição histórica declinou após sua morte e sua reputação não
foi reabilitada até o início do século XX. Sua importância na música é ainda reforçada
pelo fato de ele ser o pai de Domenico Scarlatti (1685-1757), que no domínio do teclado
estava entre os compositores mais influentes de seu tempo. Outro filho, Pietro, também
se tornou um compositor de alguma distinção.

Alessandro Scarlatti
Fonte: http://www.baroquemusic.org/bioascarl.html

A partir de 1695, suas óperas e "dramas musicais" incorporaram sinfonias de três


movimentos que logo se tornaram padrão para todas as óperas italianas. Na verdade, a
abertura da ópera italiana, ou a sinfonia, continha a maioria dos elementos das sinfonias
pré-clássicas e clássicas, e a sinfonia (ou sinfonia), projetada para a performance do
concerto, pode ser rastreada até a abertura da ópera italiana (ou sinfonia) De Alessandro
Scarlatti. Foi nessas aberturas e últimas óperas que ele também começou a experimentar
cor orquestral (instrumental) no sentido moderno

2. Obras

Alessandro Scarlatti escreveu cerca de 115 óperas, é hoje um nome praticamente


esquecido, pois suas obras são carentes de força dramática. Delas subsistem as pièces de
résistance, as grandes árias de amor ou de lamentação. A ópera que pode ser tida como a
obra-prima do compositor no gênero é Mitridate Eupatore (1707), tendo impressionado
particularmente J.S.Bach a ária Cara tomba. Outras, como La Principessa fedele (1710),
Tigrane (1715) e Telemaco (1718), merecem ser citadas pelas inovações orquestrais, e
Griselda (1721), sua última ópera, pelo equilíbrio do conjunto.
Alessandro Scarlatti não foi compositor operístico. Escreveu dezenas de
oratórios, que foram, na verdade, óperas de enredo bíblico para serem encenadas na
quaresma. Entre esses merecem destaque Il Sedecia, re di Gerusalemme (1706) e La
Vergine addolorata (1722). Deixou ainda mais de quinhentas cantatas de câmara, onde
realizou integralmente a sua vocação para o gênero lírico. Merecem ser citadas
Lontananza crudele (Distância cruel) e Su le sponde del Tebro (Sobre a margem do
Tebro).
Cantatas e serenatas, madrigais e música de câmara (suítes e sonatas) fazem
parte do acervo musical de Alessandro Scarlatti. Além disso, deixou dezenas de motetos
e missas, em que adotou o estilo antigo de Palestrina. Recentemente revivido foi o seu
Stabat Mater, em que se encontra a beleza lírica de suas árias operísticas.
Alessandro Scarlatti foi o criador de um novo gênero de ópera na Itália, a ópera
napoletana, em que se observava o predomínio das árias. Nesse tipo de ópera, o enredo
dramático, geralmente convencional, é interrompido pelas árias, nas quais se resume
toda a força musical da obra. A maior parte das óperas de A.Scarlatti deve a fama a árias
isoladas. O compositor é, entretanto, responsável pela criação de um gênero importante
no desenvolvimento das formas musicais: a abertura italiana, assim chamada em
oposição à abertura francesa de Lully, por ter, ao contrário desta, um movimento lento
entre dois rápidos. Scarlatti desenvolveu a orquestra operística, introduzindo novos
instrumentos, sobretudo de sopro e contribuiu com a invenção da abertura italiana, para
o nascimento e o desenvolvimento da sinfonia.
3. Sobre a música: O Cessate Di Piagarmi
Ao dia 25 de Janeiro de 1683, estreou-se no Teatro Colonna, em Roma, a ópera
“Il Pompeo”, de Alessandro Scarlatti. A peça O Cessate Di Piagarmi pertence ao Ato II.
“Il Pompeo” foi a primeira ópera de Alessandro Scarlatti, sobre um tema sério. O
libreto, que também foi posto em música, em 1666, pelo compositor Francesco Cavalli,
é da autoria de Nicolo Minato. Como era típico das óperas daquele tempo, o ponto de
partida do enredo é um momento histórico. No ano 65 antes de Cristo, Pompeo derrotou
Mitridates VI e o seu reino passou a ser uma província do governo romano.
Mitridates cometeu suicídio e Pompeo tornou-se um poderoso cônsul romano, que
casou, eventualmente, com a filha de Júlio César. O enredo desta ópera não segue,
exactamente, a história de Mitridates e Pompeo. Em vez disso, pega nos principais
personagens da história e cria um enredo cheio de amor, intriga e disfarce, onde tudo
acaba num final feliz que é atingido por toda a alta mentalidade do general romano.

A trama para esta ópera é singular em alguns aspectos. Não há cenas de


quadrinhos em Il Pompeo. Quase todas as óperas graves do dia de Scarlatti
apresentavam cenas para personagens secundários e cômicos. Muitas vezes, essas eram
criadas ou servas dos diretores. Nesta ópera, há uma empregada, Harpalia, mas ela é
assassinada no Ato II por Mitridate. Ela também é assassinada no palco, algo que nunca
foi feito nos teatros franceses.

As cenas das óperas do século XVII não foram construídas como as do século
XVIII e XIX. Uma cena aconteceu sempre que alguém entrou ou saiu do palco, e a
próxima cena poderia começar sem uma mudança de cenário. A maioria das cenas em Il
Pompeo são constituídas pela unidade recitativa mais aria. No entanto, Scarlatti também
escreve cenas composta por uma aria, recitativa e aria, e ele também termina cenas com
recitativos dramáticos. Tanto o Ato I como o Ato II terminam com solos declamatórios
dramáticos em vez de tons colorados.
Letra Tradução
O cessate di piagarmi, Ou páras de me magoar,
o lasciatemi morir. Ou deixa-me morrer.

Luc'ingrate, dispietate, Luz ingrata, impiedosa,


più del gelo e più del marmi Mais que o gelo e mais que o mármore,
Fredde e sorde a' miei mártir. Fria e surda ao meu martírio.

O cessate di piagarmi, Ou páras de me magoar,


o lasciatemi morir. Ou deixa-me morrer.
Bibliografia

The Baroque Music Site. Disponível em: http://www.baroquemusic.org/bioascarl.html.


Acesso ao dia 22 de agosto de 2017.

Concertino. Portal de pesquisa da música clássica. Sobre o compositor Alessandro Scarlatti.


Enciclopédia Mirador Internacional. Disponível em:
http://www.concertino.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4549.
Acesso ao dia 21 de agosto de 2017.

Tradução da música: O Cessate di Piagarmi. Disponível em: http://canto-


celeste.blogspot.com.br/2015/10/traducao-de-cancao-006-o-cessate-di.html. Acesso ao
dia 22 de a agosto de 2017.

Sobre Ópera II Pompeo. Disponível em: http://www.allmusic.com/composition/il-


pompeo-opera-mc0002360113. Acesso ao dia 21 de agosto de 2017.