Você está na página 1de 9

>>> Autoconhecimento <<<

– Quem eu sou?

– Em que acredito?

– Porque acredito?

– Quais meus pontos fortes?

– Quais meus pontos fracos?

– A vida perfeita pra mim é:…

– Do que eu não abro mão?

– Se hoje fosse minha última semana de vida, o que faria de diferente?

– Como quero ser reconhecido?

– Qual o Rótulo me agrada?

– O que eu amo nas pessoas?

– O que eu mudaria no mundo?

– Porque mudaria isso no mundo?

– O que é sucesso?

– Porque quero ter sucesso?

– Se pudesse mudar uma única coisa em mim, mas que mudaria tudo na minha vida.. O
que seria essa coisa?

– As coisas que acredito como Verdade… São verdades mesmo ou eu acho e/ou alguém
me ensinou isso?

– Quais Verdades novas seriam boas para mudar minha vida para melhor?

10 Perguntas de Autoconhecimento que você precisa


responder
1. Quem eu sou na essência?

Quais são seus sentimentos, emoções, medos e motivações? Do que você gosta e não
gosta? Em quem se inspira? Qual frase melhor te define? Quais seus livros preferidos?
Quais são seus sonhos?
2. O que verdadeiramente me faz feliz?

Como é quando se sente feliz? O que faz você sentir-se pleno e realizado? Quando se
sente em paz e equilibrado?

3. Qual o meu propósito de vida?

O que te faz levantar todos os dias? Pelo que você trabalha, luta, vive e dedica as suas
energias? Nossa missão de vida é a guia de todos os nossos passos e realizações.

4. Quais os meus dons, talentos e habilidades?

O que eu tenho de melhor? O que me destaca dos demais? No que eu sou diferenciado,
especial? Eu utilizo estas habilidades ao meu favor? Eu as conheço verdadeiramente?

5. Quais são os meus pontos de melhoria e como trabalhá-los?

Quais os comportamentos e atitudes sabotam meus resultados? Qual o meu plano de


ação para eliminar ações que prejudicam minha carreira e relações pessoais? O que
estou fazendo, verdadeiramente, para melhorar isso? Quero realmente mudar?

6. Onde e como eu quero estar daqui a 5,10, 20 anos?

Como eu desejo ser conhecido daqui a 20 anos? Quero estar no Brasil ou em outro país?
Como eu quero ser visto pelos meus filhos? Qual será a minha renda? Estarei
trabalhando para os outros ou em minha empresa?

7. Quais são as minhas principais conquistas até aqui?

Do que eu posso me orgulhar? O que eu fiz por mim, por minha família e sociedade que
são dignos de reconhecimento? Terminei minha graduação, especialização? Tive meu
primeiro filho? Comprei meu carro, minha casa própria? Realizei um grande sonho?

8. Sou reconhecido em meu trabalho e carreira?

Como meus colegas, superiores e empresa me veem? Tenho criado e tido oportunidades
reais de crescimento em minha carreira? Desejo estar daqui a 5 anos nesta empresa?
Posso e quero chegar a uma posição de liderança? Estou investindo em
desenvolvimento continuo?

9. Como as pessoas ao meu redor me veem?

Sou respeitado, querido e amado por minha família? Eles reconhecem meus esforços
para termos um futuro melhor? Sou visto como alguém solidário, prestativo e humano
ou como uma pessoa egoísta e mimada?

10. Qual legado eu quero deixar para o mundo?


Como eu quero que as pessoas se lembrem de mim quando eu não estiver mais aqui?
Por mim ou pelos meus feitos? Quero que me amem e me respeitem pelo que sou ou
pelo que tenho? O que eu deixarei para minha comunidade? Como meu trabalho e
minhas atitudes contribuirão para um mundo melhor?

Fazer todas estas perguntas é, antes de tudo, uma oportunidade real, de aqui e agora,
mergulhar profundamente em si mesmo e começar a adquirir maior autonomia sobre sua
vida, seus resultados e sua história. Ao dispor das respostas, você terá mais chances de
definir claramente os seus objetivos e, com isso, traçar planos de ações mais efetivos
para realizá-los.

Ouse ir além e permita-se viver seu processo de autoconhecimento. Você só tem a


ganhar!

Inocente ou culpado?

Ele se livrou da armação

Conta uma lenda, que na Idade Média, um religioso foi injustamente acusado de ter
assassinado uma mulher. Na verdade, o autor do crime era uma pessoa influente do
reino e, por isso, desde o primeiro momento se procurou um bode expiatório, para
acobertar o verdadeiro assassino.

O homem foi levado a julgamento, já temendo o resultado: a forca. Ele sabia que tudo
iria ser feito para condená-lo e que teria poucas chances de sair vivo desta história.

O juiz, que também estava combinado para levar o pobre homem à morte, simulou um
julgamento justo, fazendo uma proposta ao acusado para que provasse sua inocência.
Disse o juiz:

- Sou de uma profunda religiosidade e por isso vou deixar sua sorte nas mãos do
Senhor: vou escrever em um papel a palavra INOCENTE e em outro a palavra
CULPADO. Você pegará um dos papéis e aquele que você escolher será o seu
veredicto.

Sem que o acusado percebesse, o juiz preparou os dois papéis


com a palavra CULPADO, fazendo assim, com que não
houvesse alternativa para o homem. O juiz colocou os dois
papéis em uma mesa e mandou o acusado escolher um. O
homem, pressentindo a armação, fingiu se concentrar por
alguns segundos a fim de fazer a escolha certa, aproximou-se
confiante da mesa, pegou um dos papéis e rapidamente
colocou-o na boca e engoliu. Os presentes reagiram surpresos
e indignados com tal atitude. E o homem, mais uma vez
demonstrando confiança, disse:

- Agora basta olhar o papel que se encontra sobre a mesa e saberemos que engoli aquele
em que estava escrito o contrário.
10) WANG JINGWEI

Local de nascimento China

Época da traição Guerra Sino-Japonesa, década de 1930

Depois de participar do Kuomintang, movimento que lutava para unificar o país,


Jingwei se revoltou e mudou para o lado inimigo justo quando a guerra da China contra
o Japão pegava fogo, literalmente. Ele não apenas fez vista grossa para os avanços
japoneses como conquistou a província de Nanquim para os novos amigos.

Ao trocar a China pelo Japão, Wang Jingwei deixou de lado sua ideologia comunista
para defender um país que fazia parte do grupo do Eixo, aquele mesmo que era
comandado pela Alemanha nazista na Segunda Guerra.

9) ALDRICH AMES

Local de nascimentoEUA

Época da traçãoDécadas de 1980 e 1990

Espião da mais famosa agência de inteligência americana, a CIA, Aldrich Ames se


vendeu para a KGB, o serviço secreto da Rússia, durante a Guerra Fria. Por alguns
milhões de dólares, o traíra vendia para os russos o nome daqueles que trabalhavam
para os EUA. Descoberto depois de quase 15 anos de serviços prestados aos inimigos,
ele foi condenado à prisão perpétua.

A Rússia contratou um traidor para ser seu dedo-duro infiltrado na CIA, mas não
perdoava traições. Pessoas delatadas por Ames não tinham perdão: muitas foram
executadas antes mesmo de poderem se defender.

8) TOMMASO BUSCETTA

Local de nascimentoItália

Época da traçãoDécada de 1980

Foi um dos membros mais importantes da Cosa Nostra, a máfia italiana. E adivinhem
onde ele enriqueceu? No Brasil, traficando drogas. Preso pela Polícia Federal em 1984 e
deportado para a Itália, ele fez pinta de arrependido e entregou todo o esquema da
máfia. Por colaborar com a polícia, Buscetta ganhou proteção especial e um salário para
o resto de sua vida, que terminou em 2000, quando morreu de câncer.

O italiano foi o primeiro traidor da máfia a ficar conhecido por quebrar o juramento de
silêncio da organização. Ele se safou, mas a Cosa Nostra “apagou” mais de dez pessoas
de sua família.

+ Top 10: Os matemáticos mais importantes da história


+ Top 10: Os arquitetos mais importantes da história

7) DOMINGOS FERNANDES CALABAR

Local de nascimento Brasil

Época da tração Brasil colônia, século 17

O único representante brasileiro da lista é considerado por muitos um dos primeiros


traidores da história do país. Calabar era um senhor de engenho na capitania de
Pernambuco e se aliou aos holandeses quando eles invadiram as terras brasileiras – na
época, sob o domínio de Portugal. Como conhecia o território pernambucano como a
palma de sua mão, ajudou em praticamente todas as conquistas da Holanda por estas
bandas.

Alguns historiadores questionam a fama de traidor de Calabar e alegam que ele lutou ao
lado dos holandeses porque acreditava que, sem o domínio de Portugal, a pátria seria
livre.

6) AUGUSTO PINOCHET

Local de nascimento Chile

Época da tração Década de 1970


No dia 25 de agosto de 1973, o presidente do Chile, Salvador Allende, escolheu um dos
militares que considerava mais leais para assumir a chefia do Exército. Três semanas
depois, Pinochet liderava um golpe militar para derrubá-lo e implantar uma ditadura que
duraria 17 anos. Pinochet até ofereceu um avião para o presidente fugir, mas uma
transmissão de rádio revelou que sua intenção era jogar Allende da aeronave em pleno
vôo.

Allende confiava tanto em Pinochet que, na manhã do dia do golpe, teria dito:
“Chamem Augusto, ele é um dos nossos”.

5) SILVÉRIO DOS REIS

Local de nascimento Portugal

Época da tração Brasil colônia, século 18

Apesar de ser português, ele se tornou um dos traidores mais famosos do Brasil antes
mesmo de o país se libertar de Portugal. Isso porque passou por cima logo do primeiro
movimento de independência, a famosa Inconfidência Mineira. Para escapar das suas
dívidas com a Coroa, ele entregou seu amigo Joaquim José da Silva Xavier, o
Tiradentes. A conclusão todo mundo já sabe: o líder dos inconfidentes acabou
enforcado e esquartejado.

Além de ter suas dívidas perdoadas, o delator de Tiradentes ganhou uma pensão
vitalícia do governo português e foi até mesmo recebido por dom João.

+ Top 10: Os soldados mais casca-grossas

+ Top 10: Os maiores escândalos de corrupção do Brasil


4) HEINRICH HIMMLER

Local de nascimento Alemanha

Época da tração Segunda Guerra Mundial (1939-1945)

Abandonar os companheiros de luta e passar para o outro lado é considerado traição,


independentemente do lado em que está lutando. Por isso, Himmler, o chefe da polícia
nazista, está aqui. Afinal, quando ele percebeu que as chances de vencer a guerra eram
praticamente nulas, não titubeou em abandonar Hitler e negociar uma rendição da
Alemanha com os EUA e a Grã-Bretanha.

Himmler tentou entregar a Alemanha para os Aliados em troca de sua liberdade. Mas
não deu certo: ele foi considerado criminoso de guerra, foi preso e se suicidou.

3) MARCUS JUNIUS BRUTUS

Local de nascimentoRoma

Época da tração44 a.C.

Brutus certamente não foi o primeiro traidor da história, mas foi o primeiro a se tornar
famoso. Depois de lutar pelo Império Romano, comandado pelo seu pai adotivo, Júlio
César, ele se uniu a outro traíra, o general Cássio Longinus, para tomar o poder. Não
bastasse a traição, o cara aceitou colocar em prática o plano de assassinar o “papito”. Ao
ser golpeado, César mandou a famosa frase: “Até tu, Brutus?”

Depois da traição, Brutus chegou a montar um exército para dominar o Império


Romano, mas foi derrotado por Marco Antônio. Aí a consciência pesou e ele se
suicidou.

2) TALLEYRAND-PÉRIGORD

Local de nascimento França

Época da tração Revolução Francesa, século 18

Para o ministro das relações exteriores de Napoleão Bonaparte, “traição é uma questão
de datas”. Talvez por isso, Talleyrand não só tenha abandonado o imperador mas
também mudado radicalmente de lado. Numa época em que a França espalhava pela
Europa os princípios da revolução, ele organizou a deposição de Napoleão e a volta dos
Bourbons para restaurar a monarquia.

Depois da crocodilagem, Talleyrand trabalhou como embaixador de Luís XVIII, que


sucedeu Napoleão, e representou a França no Congresso de Viena.

+ Top 10: As maiores reviravoltas do cinema

+ Top 10: Os filósofos mais importantes da história


1) JUDAS ISCARIOTE

Local de nascimento Galiléia

Época da tração 33 anos após o nascimento de Cristo

Ele não traiu “simplesmente” uma pátria, um partido ou uma ideologia. O mais famoso
traidor da história é até hoje lembrado como o sujeito que deu uma rasteira no filho
único do Todo-Poderoso. E pior: segundo a Bíblia, Judas entregou Jesus Cristo aos
soldados romanos em troca de míseras 30 moedas de prata. Arrependido, o apóstolo
tentou devolver o dinheiro e voltar atrás, mas já era tarde. Cristo foi crucificado e Judas,
culpado, suicidou-se.

Em algumas cidades do mundo, inclusive aqui no Brasil, existe o costume de “malhar”


o Judas no sábado de Aleluia (o que vem antes do domingo de Páscoa).