Você está na página 1de 2

Alergia e Imunidade

Essentia farmacia

Quando se descreve o funcionamento adequado do sistema imune, o conceito


de modulação ou equilíbrio deve ser empregado. Se o sistema imune está “em
equilíbrio” o corpo será capaz de reagir contra organismos invasores de uma
forma silenciosa e harmônica. Caso contrário, se existir um “desequilíbrio ou
disfunção” do sistema imune existirá uma suscetibilidade maior para infecções
ou câncer, ou por outro lado um aumento das alergias e doenças autoimunes.
Os principais controladores da resposta imune são os linfócitos T auxiliares (“T
Helpers”). As células apresentadoras de antígenos (por exemplo, os
macrófagos) estimulam a ação dos linfócitos T auxiliares. Estes determinarão
(TH-0) como o sistema imune irá responder. Os linfócitos T auxiliares podem
diferenciar-se em TH-1 (imunidade celular) ou TH-2 (imunidade humoral). Esta
diferenciação permite uma resposta imune mais apropriada, entretanto, pode
haver uma predominância e permanência de apenas um tipo de resposta,
levando aos problemas de origem no sistema imune.
O estímulo de TH-1 produzirá interleucinas 2 e 12, interferon-gama e fator de
necrose tumoral, os quais estimulam as células “Natural-Killer” (NK) e os
linfócitos T citotóxicos que estão envolvidos na imunidade celular e doenças
orgão-específi cas. Estes também estimulam a produção de anticorpos IgG.
Artrite Reumatóide, Doença de Crohn, Tireoidite de Hashimoto, Esclerose
Múltipla e Diabetes tipo I são exemplos de doenças associadas à
predominância da resposta imune celular (TH-1).
O estímulo de TH-2 produzirá Interleucinas 4, 5, 6, 10 e 13 as quais estimulam
os mastócitos, eosinófilos, basófilos e anticorpos IgE e IgG4. Estes estão
envolvidos com a imunidade humoral e doenças autoimunes sistêmicas. Maior
susceptibilidade ao câncer, atopia (dermatite, rinite, asma), Lupus, e
sensibilidades químicas múltiplas são alguns exemplos de doenças associadas
à predominância da resposta imune TH-2. Atualmente é possível modular e
regular o sistema imune através de nutrientes e fi toterápicos específi cos. No
entanto, existe a carência de uma base teórica para determinar precisamente
qual suplemento seria indicado para cada caso. O uso inespecífi co dos
suplementos “para aumentar a imunidade” está defasado ao nível dos
conhecimentos médicos atuais.
A teoria do funcionamento do sistema imune TH-1/TH-2 pode servir de base e
orientação para direcionar os tipos de suplementos e ativos que atuam de
maneira positiva nas respostas TH-1 e TH-2. A partir desta, preconiza-se a
utilização de ativos que aumentam TH-1, nos pacientes com predominância de
TH-2, e ativos que aumentam TH-2 nos pacientes com predominância de TH-1,
resultando assim na modulação e equilíbrio do sistema imune.
Classificamos, de acordo com seu mecanismo de ação, algumas substâncias
que apresentam ação em TH-1 e TH2. A intenção deste estudo é compartilhar
a experiência clínica e a literatura do uso de suplementos nutricionais como
moduladores imunológicos. Este é um campo novo de pesquisa, sujeito a uma
grande evolução, assim compartilhamos e sugerimos o que está minimamente
estabelecido:
astragalus membranaceus (extrato padronizado com 70% polissacarídeos) O
Astragalus possui importante ação estimuladora do sistema imune (aumenta
Interferon Alfa e Gama, Interleucina 2 e TNFalfa). Pesquisas demonstram seus
benefícios quando utilizado em pacientes com infecções crônicas virais e
bacterianas, em pacientes com câncer e rinite alérgica. Seu mecanismo de
ação está relacionado ao aumento da atividade das células Natural Killer e
redução do efeito imunossupressor da quimioterapia. sugestão de dose: 500mg
a 2000mg de Extrato Padronizado a 70% (350mg a 1400 mg de
polissacarídeos de Astragalus).
echinacea (extrato padronizado com 4% compostos fenólicos) A Echinacea
possui atividade imunoestimulante uma vez que aumenta os níveis de
Interferon Alfa, Beta e Gama e TNF-alfa. Entretanto, necessitam-se doses
elevadas para se obter o efeito benéfico. sugestão de dose: 500mg a 1000mg,
2 a 4 vezes ao dia.
ePicor O Epicor é um ativo obtido a partir de um processo especial de
fermentação e secagem do Saccharomyces cerevisae. Descobriuse que este
apresenta comprovada ação imunogênica, potencializa a produção das células
NK e de IgA secretora (aumentando a adesão de determinadas moléculas às
células do sistema imunológico) e reduz os linfócitos T supressores (CD8).
Possui comprovada ação preventiva de infecções de vias aéreas superiores, de
infecções fúngicas e em rinite alérgica. sugestão de dose: 250mg a 500mg, 1 a
2 vezes ao dia.
agaricus blazei O cogumelo Agaricus blazei (mais conhecido como Cogumelo
do Sol) é um ativo rico em Beta 1,3 e 1,6 glucana. Está comprovado seu efeito
de aumentar Interleucina 12 e da atividade das células NK, sendo muito usado
no tratamento do câncer. sugestão de dose: 500mg a 1000mg, 2 a 4 vezes ao
dia.
oliVe leaf (extrato padronizado com 12,5% oleuropeínas) É um extrato
concentrado e padronizado das folhas da Oliveira, rico em oleuropeínas. No
organismo humano esta substância é convertida em ácido elolênico, na forma
de elenolato de cálcio, que por sua vez, interrompe o processo de replicação
de diversos patógenos, incluindo fungos, bactérias e diversas espécies virais.
Possui ótimos resultados em infecção pelo vírus do Herpes e em outras
infecções virais crônicas. sugestão de dose: 250mg a 500mg, 1 a 3 vezes ao
dia