Você está na página 1de 8

Índices Deficitários no COREDE da Produção

Giovani Meira de Andrade (1) Jennifer Domeneghini (2) João Paulo S. K. Morando (3), Andréa Mussi (1)

(1) Núcleo de Estudo e Pesquisa em Edificações Sustentáveis - NEPES, IMED, Brasil.E-mail:

meira.giovani@gmail.com

(2) Acadêmica do curso de Arquitetura e Urbanismo, IMED,Brasil. E-mail:

jennidomeneghini@gmail.com

(3) Acadêmico do curso de Arquitetura e Urbanismo - NEPES, IMED,Brasil. E-mail:

jp.morando@hotmail.com

Índices Deficitários no COREDE da Produção

Resumo: O presente trabalho visa utilizar Sistemas de Informações Geográficas (SIG), através do software gvSIG, onde se fez possível a união de mapas base em vetor, criados em CAD (Computer Aided Design Desenho assistido por computador), contendo informações territoriais sobre o Estado do Rio grande do Sul e ainda mais específico o COREDE da Produção e tabelas com dados adquiridos no Atlas do Desenvolvimento Humano e tabulados no Excel para a elaboração de mapas e gráficos temático afim analisar o crescimento e variação do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDMH) dos municípios pertencentes ao Conselho Regional de Desenvolvimento da Produção (Corede da Produção), além disto decompor o mesmo em suas três instâncias de abrangência (educação, renda e saúde), afim de juntamente com o crescimento populacional destes municípios no período de 1990 e 2010 verificar a média de variação dos indicadores neste período, para que após esta análise possam ser levantados quais municípios apresentam ou melhores e piores índices de crescimento e/ou decrescimento, afim de localizar possíveis área deficitárias destes.

Palavras -chave : COREDE Produção; Geoprocessamento; IDHM.

Abstract: This paper aims at using Geographical Information Systems (GIS), gvSIG through software, where it made possible the union of vector-based maps created in CAD (Computer Aided Design - Computer Aided Design), containing information on the territorial State of Rio Grande do Sul and the even more specific COREDE Production and tables with data acquired in the Atlas of Human Development and tabulated in Excel for preparing thematic maps and related graphs to analyze the growth and change in the Municipal Human Development Index (IDMH) municipalities belonging to the Regional Development Council of Production (COREDE Production), moreover decompose even in its three levels of coverage (education, income and health) in order to along with population growth in these counties between 1990 and 2010 check the average variation of the indicators in this period, so that after this analysis can be raised or which municipalities have the best and worst rates of growth and / or decrease in order to find potential loss of these area.

Keywords: COREDE Production; GIS ; IDHM.

1.

INTRODUÇÃO

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE (2013), o termo Geoprocessamento pode ser definido como um “conjunto de tecnologias voltadas à coleta e tratamento de informações espaciais para um objetivo específico”., estas atividades podem ser executadas por Sistemas de Informação Geográfica (SIG), “Geoprocessamento é um conceito abrangente que representa qualquer tipo de processamento de dados georreferenciados, enquanto um SIG processa dados gráficos e não-gráficos com ênfase em análises espaciais e modelagens de superfícies” (JESUS, 2006, P. 09), no qual para o presente estudo foi usado o sistema gvSIG, onde se fez possível a análise da região do Conselho Regional de Desenvolvimento Produção (Corede da Produção) através de mapas e dados inseridos em tabelas. Através da associação dos conteúdos estudados na disciplina de Geoprocessamento, assim como a fixação da utilização do gvSIG em prol de pesquisas urbanísticas, espera-se fazer o levantamento dos déficits em educação, renda e saúde de cada município pertencente ao COREDE da produção, através da decomposição dos índices utilizados para a elaboração do IDHM (índice de Desenvolvimento Humano Municipal). Espera-se ser realizada a análise dos indicadores separadamente e verificar a evolução dos municípios frente a estes no período de 1990 a 2010, juntamente com o crescimento da sua população no mesmo período, de modo que, se tenha a média de crescimento de cada índice em cada uma das municipalidades, de modo que ao fim do estudo se possa ter quais munícipios apresentaram o menor crescimento e/ou decrescimento em cada indicador , podendo assim ser classificado como um fator deficitário do município, ponto chave da pesquisa, que visa localizar as área de ação que cada entre as 3 estudas os municípios teriam mais interesse para intervir por hora.

2. METODOLOGIA

Para a elaboração do presente trabalho foi necessário à coleta de um banco de dados dos índices que seriam avaliados, estes foram elencados a partir do foco que os autores queriam dar a pesquisa, como indicador base buscou-se a classificação dos municípios do COREDE da Produção no índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), e para uma melhor análise este foi decomposto em alguns itens:

- Indicadores demográficos: estes indicadores englobam os quantitativos de população total dos municípios, taxa de crescimento destas populações, além da taxa de urbanização destes.

- Indicadores de Saúde: o indicador de saúde contabilizado foi à longevidade (esperança de vida ao nascer, em anos).

- indicador Econômico: para o indicador de renda foi utilizado o PIB per capita de cada municipalidade.

- Indicador Educacional: neste indicador é considerado % de 18 anos ou mais com ensino

fundamental completo; % de 5 a 6 anos na escola; % de 11 a 13 anos nos anos finais do fundamental ou com fundamental completo; % de 15 a 17 anos com fundamental completo e % de 18 a 20 anos com médio completo.

Os dados da pesquisa foram obtidos de fontes secundárias a partir de consultas que compreendiam informações do período de 1990 á 2010. Esta tabulação de dados foi necessária para ser utilizada por Sistemas de Informação Geográfica (SIG), no qual para o presente estudo foi usado o sistema gvSIG, onde se fez possível a análise da região através do mapa desta de estudo e dados inseridos em tabelas. Para esse trabalho foram utilizados mapas base em vetor, criados em CAD (Computer Aided Design Desenho assistido por computador), contendo informações territoriais sobre o Estado do Rio grande do Sul e ainda mais específico o COREDE

da Produção. Após o devido manuseio do software foi possível a confecção de mapas temáticos onde pode ser analisados a evolução de todos os municípios frente aos indicadores impostos, e a correta análise dos índices deficitários de cada município e/ou região para uma possível proposta de melhoramentos.

3. CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO

A região que onde se desdobra o presente estudo é delimitada pela área de 6.002,7 km² onde se localiza o Conselho Regional de Desenvolvimento Produção (Corede da Produção), este conselho foi fundado em 17 de outubro de 1994, é uma pessoa jurídica de direito privado, organizado sob a forma de uma associação civil, sem fins lucrativos e abriga 23 municípios entre eles: Almirante Tamandaré do Sul, Camargo, Carazinho, Casca, Chapada, Ciríaco, Coqueiros do Sul, Coxilha, David Canabarro, Ernestina, Gentil, Marau, Mato Castelhano, Muliterno, Nova Alvorada, Nova Boa Visa, Passo Fundo, Pontão, Santo Antônio do Palma, Santo Antônio do Planalto, São Domingos do Sul, Vanini e Vila Maria.

do Planalto, São Domingos do Sul, Vanini e Vila Maria. FIGURA 1 – Mapa de localização

FIGURA 1 Mapa de localização da área de estudo. Fonte: AUTOR (2014).

3.1. Indicadores demográficos

A área do Corede da produção apresenta uma população de aproximadamente 342.442 habitantes (FEE, 2012), estando a maior parte desta população concentrada nos três principais centros urbanos do conselho: Passo Fundo, Carazinho e Marau, como pode ser visto no gráfico 01, conforme MARTINS et all , acredita-se que houve uma migração dos municípios de porte menor para estes centros que possuem maior oferta de emprego, sobre esta migração, Jardim e Barcellos (2005) confirmam que existe um deslocamento populacional para os COREDEs, resultante “do dinamismo do parque industrial e do aumento da concentração de comércio e serviços”. É de suma importância a compreensão deste conceito uma vez que municípios onde a população diminui e a renda permanece a mesma acaba por aumentar a renda per capita por consequência aumenta os indicadores do município, e o feito contrário acaba por acontecer aos grandes centros. Em 2011 o Corede apresentava uma densidade demográfica de 56,6 hab/km².

GRÁFICO 01 – Total da população dos municípios do COREDE da Produção. Fonte: AUTOR (2014).
GRÁFICO 01 – Total da população dos municípios do COREDE da Produção. Fonte: AUTOR (2014).

GRÁFICO 01 Total da população dos municípios do COREDE da Produção. Fonte: AUTOR (2014).

3.2. Panorama Geral

Ao ser analisado pelo IDHM grande parte dos munícipios do Corede da Produção 19 apresentaram este índices superior e a média nacional de 2010 (0,727), levado via de regra pelo indicador da educação, que se mostrou superior ao indicador econômico (renda per capita) e de saúde (longevidade).

econômico (renda per capita) e de saúde (longevidade). GRÁFICO 02 – Mapa de localização da área

GRÁFICO 02 Mapa de localização da área de estudo. Fonte: AUTOR (2014).

FIGURA 2 – Evolução IDHM 2000 a 2010. Fonte: AUTOR (2014). 3.2.1. Indicador de saúde
FIGURA 2 – Evolução IDHM 2000 a 2010. Fonte: AUTOR (2014). 3.2.1. Indicador de saúde

FIGURA 2 Evolução IDHM 2000 a 2010. Fonte: AUTOR (2014).

3.2.1. Indicador de saúde

Através da análise dos mapas temáticos foi possível perceber que no intervalo de 2000 a 2010 a expectativa de vida (em anos) cresceu 7,20% no COREDE da produção. Os municípios que apresentaram maior desenvolvimentos deste indice foram Nova Alvorada, Ciríaco e David Canabarro enquanto os que menos tiveram variação do percentual de longevidade foram Vila Maria, São domingos do Sul e Santo Antônio do Planalto.

Maria, São domingos do Sul e Santo Antônio do Planalto. FIGURA 3 – Evolução Indicador de

FIGURA 3 Evolução Indicador de Saúde 2000 a 2010. Fonte: AUTOR (2014).

3.2.2. Indicador de renda

Referente ao poder aquisitivo dos habitantes do COREDE, no que se refere à renda per capita notou-se um aumento de 7,20% na média dos municípios de 2000 á 2010, levado principalmente pelo setor industrial voltado ao agronegócio e ao ramo da agropecuária. Os municípios com maior

variação positiva neste indicador foram Coqueiros do Sul, Muliterno e Nova Boa Vista, sendo os que apresentação piores índices de desenvolvimento Casca, Passo Fundo e Carazinho

índices de desenvolvimento Casca, Passo Fundo e Carazinho FIGURA 4 – Evolução indicador Econômico 2000 a
índices de desenvolvimento Casca, Passo Fundo e Carazinho FIGURA 4 – Evolução indicador Econômico 2000 a

FIGURA 4 Evolução indicador Econômico 2000 a 2010. Fonte: AUTOR (2014).

3.2.3 Indicador Educacional

Este indicador foi o que apresentou maior evolução dentre os analisados, de 2000 a 2010 ouve um aumento de 29,57% neste índice que leva em consideração tanto a frequência escolar de criança e adolescentes quanto à formação de adolescentes em faixa etária adequada. Apesar de este indicador ter tido significativo aumento em relação ao ano de 2000 ainda é o que apresenta os piores índices dentre os três analisados. Os municípios destacados com maior variação neste período são Nova Alvorada, Pontão e Almirante Tamandaré. Já as municipalidades que apresentaram os menores desenvolvimentos neste setor foram Camargo, Vanini e Santo Antônio do Planalto.

setor foram Camargo, Vanini e Santo Antônio do Planalto. FIGURA 5 – Evolução indicador educacional 2000
setor foram Camargo, Vanini e Santo Antônio do Planalto. FIGURA 5 – Evolução indicador educacional 2000

FIGURA 5 Evolução indicador educacional 2000 a 2010. Fonte: AUTOR (2014).

4.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com base na análise dos mapas temáticos elaborados foi possível perceber que em relação ao período de 2000 o COREDE da produção apresentou crescimento em todos os indicadores abordados, destacando o indicador de educação que obteve uma evolução de 29,57% neste período, porém este mesmo indicador ainda é o que apresenta os piores índices dentre os três analisados que ainda contam com saúde e renda. No indicador educacional em 2010 apenas 5 municípios apresentam índices classificados como altos, estando os outros na classificação média. No indicador de Renda neste mesmo período todos os municípios do COREDE da produção estão enquadrados no em índices de classificação alto, porém isto não significa que estas cidades não apresentam problemas econômicos em sua comunidade, uma vez que a divisão do PIB no município não é dividido igualitariamente entre todos os habitantes como a base de cálculo do referido estudo. O indicador referente à saúde também elenca todos os municípios do COREDE no nível alto de longevidade estando todos acima de 0,8 neste índice.

Foi possível perceber um aumento em maior escala do IDHM em munícipios de menor porte, muito se deve ao processo migratório da população destes municípios para centros que ofereçam maiores oportunidades de emprego e renda que é o caso de Passo Fundo e Marau, tendo em vista que com o aumento dos índices estudados e a uma consequente diminuição do número de habitantes acarretaria em um índice maior para estes municípios. Destaca-se como município que apresentou maior evolução dentro os 23 analisados Nova Alvorada, que apresentou o maior IDHM dentre todos e a maior evolução tanto no indicador de saúde como de educação. Sendo que os municípios que apresentam pouco desenvolvimento no setor educacional seriam: Camargo, Vanini e Santo Antônio do Planalto, no setor econômico: Casca, Passo Fundo e Carazinho, e no setor de saúde: Vila Maria, São Domingos do Sul e Santo Antônio do Palma.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DO BRASIL. Disonível em http://www.atlasbrasil.org.br/2013/. Acesso em: julho 2014.

FEE. Fundação de Economia e Estatística. Disponível em <http://www.fee.rs.gov.br/perfil- socioeconomico/coredes/detalhe/?corede=Produ%E7%E3o >. Acesso em: junho 2014.

JARDIM, M. L.; BARCELLOS, T. M. Os movimentos populacionais no Rio Grande do Sul:

uma visão inter e intra-regional através dos Coredes. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 26, Número Especial, p. 143-170, maio 2005.

JESUS, Rodrigo P.G. Ouso de SIG como ferramenta para o planejamento de equipamentos urbanos: a avaliação da localização e proposta de relocação das escolas públicas de ensino fundamental de Pelotas/RS. Porto Alegre: Geoprocessamento PROPUR-UFRGS, 2006.

MARTINS, S. Marcele; KALIL, L. M. Rosa; SAÚGO, Andréia. Diagnóstico da região funcional de planejamento nove do Estado do Rio Grande do Sul.[artigo científico]. Disponível em <

http://www.lares.org.br/2009/images/229-299-1-RV.pdf>