Você está na página 1de 12

2.2.2.2.

2 Modelos de Moto-Bomba

Unidade Motora Hidráulica Tipo LH-PU-STO / LH-PU-ATO / LH-PU-MTO

Starter.

Abastecimento
e nível do óleo
do motor.

Foto 7 - Moto Bomba Lancier Tipo MTO-G – Vista superior.

Suporte de
transporte e Escapamento.
proteção.

Abastecimento do
fluído hidráulico.

Foto 8 - Moto Bomba Lancier Tipo MTO-G – Vista lateral.


Primer - acionar 3
vezes para partida.

Conexões das
mangueiras.
Alavancas do
circuito de óleo.

Foto 9 - Moto Bomba Lancier Tipo MTO-G – Vista lateral.

2.2.2.2.3 Ferramenta Combinada e Cortadores

Modelo *MHCT30F LH-CU-11-05 LH-CU-1180 LH-CU-1140 LH-CU-1250


Abertura das Lâminas para
corte (mm) 270 105 180 140 250
Força de Alargamento(kgf) 9500 -- ----------- ---------- ----------
Força de Corte (Kgf) 19300 19000 96400 35300 92700
Distância de Alargamento
-- ----------- ----------- -----------
(mm) 430
Peso com óleo hidráulico
16,5 10,4 18 10,1 19,5
(Kg)

2.2.2.2.4 Extensores
Extensores Convencionais
Modelo LH-R-1800 LH-R-11100 LH-R-11600
Força de Extensão (Kgf) 9000 9000 11400
Curso do Êmbolo ou Pistão (mm) 282 434 685
Comprimento Fechado (mm) 518 666 915
Comprimento Aberto (mm) 800 1100 1600
Peso (Kg) 10,4 12,8 21,0

Extensores Telescópicos
Modelo LH-RT-1835 LH-RT-11560
Força de Extensão (Kgf) – 1º Estágio 19600 19600
Força de Extensão (Kgf) – 2º Estágio 6200 6200
Curso do Êmbolo ou Pistão (mm) 455 883
Comprimento Fechado (mm) 380 677
Comprimento Aberto (mm) 835 1560
Peso (Kg) 14,5 20,5

2.2.2.2.5 Alargadores

Modelo LH-SP-1635 LH-SP-1715 LH-SP-1820


Força de afastamento (kgf) 60740 19920 18050
Força de tração (kgf) 5960 4720 4400
Curso de afastamento (mm) 635 715 820
Peso (Kg) 17 19 17,5

2.2.2.2.6 Características dos Geradores

Modelo – Bomba LH-PU- LH-PU- LH-PU- LH-PU-


STO-G STO-E MTO-G MTO-E
MOTOR Gasolina Elétrico Gasolina Elétrico

Potência (HP) a 3600 RPM 4,75 1,37 6 1,37


Pressão de Trabalho PSI 10500 10500 10500 10500
Peso (com óleo hidráulico) (Kg) 22 27 33 38
Volume de Óleo do Reservatório (l) 2,9 2,9 6,5 6,5
2.2.2.3 Finalidade

Destina-se a serviços de salvamento em acidentes automobilísticos, ferroviários


e desabamentos, não recomendado para trabalhos submersos.

2.2.2.4 Instruções de manutenção e reparo

 Mantenha a unidade motora e as mangueiras limpas;


 Verifique o nível do óleo hidráulico, se necessário complete ou troque nos casos
abaixo:
1. Se o óleo estiver escurecido;
2. Se o óleo estiver turvo;
3. Sempre após dois anos.
 Óleos utilizados não podem ser misturados com outros líquidos.
 As mangueiras hidráulicas devem ser trocadas a cada 10 anos, a data de
fabricação encontra-se nas extremidades da mangueira.
 Manutenção:

PLANO DE MANUTENÇÃO
Após as 5 primeiras horas de Trocar o óleo
uso do equipamento
Verificar o nível do óleo;
Limpar o protetor de dedos;
A cada 5 horas ou diariamente
Limpar a área do abafador de ruídos e do pára
chamas.
Trocar o óleo;
Fazer manutenção de pré filtro do filtro de ar;
A cada 25 horas
Fazer manutenção do cartucho do filtro de ar, se
não houver um pré-filtro.
Fazer manutenção do cartucho do filtro de ar, se
houver um pré-filtro;
A cada 50 horas
Limpar o sistema de refrigeração;
Trocar a vela de ignição ou limpá-la.
A cada 100 horas Trocar a vela de ignição ou limpá-la.
Limpar câmara de combustão interna
A cada 100 ou 300 horas
(Carburador)
A cada 30 dias Deixar o motor funcionando para fins de teste
 Para a execução de trabalhos de manutenção e de serviços, ferramentas e
equipamentos de oficina adequados à tarefa a ser executada, são absolutamente
indispensáveis. Serviços no sistema hidráulico devem ser executados somente
por pessoal com conhecimento especial e experiência.
 Antes de colocar a ferramenta em operação e antes de efetuar
manutenção/reparo limpe a mesma, especialmente conexões e uniões
rosqueadas, removendo óleo, combustível ou conservantes. Nunca use
detergentes agressivos. Use panos sem esgarçaduras e preste atenção para que os
componentes estejam perfeitamente limpos durante a montagem realizada após
o conserto.
 Ao desmontar a ferramenta é necessário recolher totalmente todos os fluidos
hidráulicos que vazem a fim de evitar que penetrem no solo. Estes devem ser
desconectados de acordo com as instruções.
 Aperte as conexões aparafusadas e rosqueadas que se tenham soltado durante a
manutenção e reparos. Observe os torques estipulados.

2.2.2.5 Uso

As ferramentas Lancier foram especialmente projetadas para operação de


resgate de vítimas em caso de acidentes rodoviários, ferroviários e aéreos. O seu objetivo
principal é libertar pessoas encarceradas após um acidente, cortando dobradiças e estruturas
de portas, colunas e tetos. Através de alargamento, pode-se abrir portas de veículos e
usando correntes tracionar barras de direção para retirada das vítimas.
Antes do início da operação de salvamento, o objetivo acidentado deve ser
estabilizado.
Ao trabalhar em ambientes que envolvam riscos de explosões, não use moto-
bombas, use bombas manuais.
Durante a operação com esta ferramenta de salvamento, partes do objeto com o
qual se está trabalhando podem se desprender e por em perigo pessoas próximas.
Espectadores devem ser mantidos a uma distância segura de pelo menos 5 metros.
2.2.2.6 Função e Desempenho
2.2.2.6.1 Descrição

Há basicamente dois modelos de Moto-Bomba Lancier no Corpo de Bombeiros


de São Paulo: o modelo STO-G, projetado para que seja possível a utilização apenas de
uma ferramenta por vez e o modelo MTO-G, projetado para que seja possível a utilização
de até duas ferramentas simultaneamente, através de mangueiras de alta pressão e
acoplagem rápida e segura, sendo que as ferramentas a serem utilizadas devem ser as
correspondentes à marca Lancier, caso contrário, deverá conter uma aprovação técnica de
compatibilidade feita pela Lancier. Apesar da seguridade na utilização garantida pelo
fabricante em condições ideais de uso e manutenção, o seu uso pode constituir risco à vida
do socorrista, do socorrido e de terceiros.

2.2.2.7 Conexões das ferramentas

 Coloque as alavancas dos dois circuitos de óleo na posição “desligado”;


 Acople primeiramente as mangueiras que ligam o gerador Lancier ao carretel
que será acoplado às ferramentas. Seguindo a sequência abaixo:
1. Para acoplar basta pressionar as conexões fêmea (da ferramenta) contra as
conexões macho (do gerador).
Foto10 - Acoplagem das mangueiras

2. Acople primeiro a mangueira de retorno (amarelas ou azuis) do gerador ao


carretel, do carretel à ferramenta. Posteriormente faça o mesmo com a
mangueira de alta pressão (preta ou vermelha). Obs.: As cores das mangueiras
variam de acordo com a marca e modelo dos geradores.

3. Duas mangueiras de 0,5 metros encontram-se montadas nas ferramentas que


serão conectadas à bomba por um carretel que contém de 20 a 30 metros de
mangueira. Acople a ferramenta ao chicote do carretel. Novamente inicie
acoplando a mangueira de retorno e posteriormente a de alta pressão.

 Ligue o motor do gerador Lancier:


1. Pressione fortemente por 03 (vezes) vezes o primer (botão de injeção de
gasolina).
Foto 11 - Botão de injeção de gasolina – Primer

2. Coloque o regulador do motor na posição Fast.

Foto 12 - Comando de partida aceleração e parada.

3. Segure o cabo do starter e puxe a corda lentamente, quando sentir


resistência, puxe-a fortemente. (Foto 7).
 Trabalhar com a unidade motora em terreno plano ou no máximo a um ângulo
de 30 graus.
 As ferramentas Lancier não são recomendadas para trabalhos submersos.
 Após a utilização:
1. Coloque as alavancas dos circuitos de liberação de óleo na posição OFF.
2. Desligue o motor colocando o regulador na posição Stop.
3. Desconecte as mangueiras da ferramenta, retirando primeiro a mangueira de
alta pressão (preta) e posteriormente a de baixa pressão (Amarela).

2.2.2.8 Conexões dos engates localizados nas mangueiras de Alta e baixa


Pressão

A ferramenta é conectada à bomba hidráulica através dos conectores (macho e


fêmea) opostos localizados nas mangueiras.
Antes da conexão, remova as tampas de proteção contra pó. Para conexão basta
pressionar a conexão macho contra a conexão fêmea, o encaixe será de forma facilitada e a
trava é automática, ou seja não é necessário fazer o giro do soquete para o travamento.
Para a desconexão devemos fazer o giro do soquete da trava localizado no
conector fêmea no sentido horário e empurrá-lo sentido gerador. (foto 10)

2.2.2.9 Operação

2.2.2.9.1 Preparativos e Inicialização

Antes da primeira operação e após reparos o aparelho deve ser sangrado


(remoção do ar no circuito).
 Formas de retirada de ar dos circuitos:
 Conexão entre as mangueiras
2. Unir as mangueiras de pressão e de retorno de ambos circuitos de óleo.
3. Colocar as mangueiras no chão e por a unidade motora em um nível mais
alto.
4. Ligar o motor.
5. Colocar as válvulas de circuito de óleo na posição ON.
6. Deixe funcionando por 2 ou 3 minutos.
7. Desligar o motor.

 Conexão de ferramentas
1. Conecte a ferramenta a bomba hidráulica.
2. Abra e feche a ferramenta totalmente sem carga pelo menos 2 vezes.
3. Inspeção do estado de operação de moto-bomba.
4. Despressurize o sistema e desligue o motor.

Nota: Antes de trabalhar na moto-bomba ou quando conectar/desconectar as


mangueiras verifique se a moto-bomba está desligada e se as mangueiras não estão
pressurizadas.

2.2.2.10 Operação de Válvula Estrela 1

 Abrir a ferramenta:
- Gire a Válvula estrela para a direita e mantenha-a nesta posição.
 Fechar a ferramenta:
- Gire a Válvula estrela para a esquerda e mantenha-a nesta posição.
 Função de manutenção de carga:
- Quando solta, a Válvula estrela retorna automaticamente à posição central
(neutro), mantendo integralmente a carga.
- Nunca coloque ou deixe que alguém coloquem as mãos entre as lâminas de
corte.
 Não corte:
- Cortar cabos ou fios elétricos sob tensão;
- Tubulações com gazes ou líquidos pressurizados;
- Objetos previamente tensionados (molas, amortecedores, barras de direção),
porque as partes cortadas podem mover-se de modo imprevisível, expondo o operador e
outras pessoas a sérios riscos de ferimentos;
- Metais temperados, como molas de aço, pontas de eixo e colunas de direção;
- Materiais compostos (Por Ex Aço + concreto) sem as devidas precauções

2.2.2.11 Corte

As lâminas devem ser colocadas em ângulo reto em relação à peça a ser


cortada. Poderá obter-se melhor rendimento se o material a ser cortado for posicionado o
mais próximo possível do eixo central das lâminas. Durante o corte, a separação das
lâminas não deve ser superior a 3 mm (Riscos de quebra da lâmina)

2.2.2.12 Alargamento

Use as pontas das lâminas somente para alargar a fenda. Quando


aproximadamente metade da superfície de alargamento (área mais larga da ponta da lâmina
dotada de ranhuras anti-deslizamento) estiver inserida na abertura, a força total de
alargamento poderá ser aplicada. A força máxima de alargamento será obtida na parte
posterior da superfície de alargamento (parte mais próxima do eixo das lâminas).

2.2.2.13 Desmontagem da ferramenta / Parada após operação

Após o final de cada operação feche as lâminas até uma distância de poucos
milímetros antes do final de curso. Isto relaxa a unidade hidráulica e mecanicamente.

2.2.2.14 Erros mais comuns no uso e na manutenção

2.2.2.14.1 Motor:

Abastecimento de combustível com óleo dois tempos;


No abastecimento, usar estopa ou panos para evitar vazamento de
combustível e queda de fiapos de pano no interior do tanque de combustível o que
provocará danos no motor. Deve-se usar um filtro de papel;
Encharcamento do filtro de ar por gasolina ou óleo;
Alteração das molas do regulador de rotação;
Quebra do comando de válvulas por deficiência de lubrificação (inclinação);
Lavagem do motor (ferrugem do “entre-ferros”)
Quebra da partida por resistência da bomba (acionamento);
Abastecimento de óleo hidráulico no motor (contaminação).

2.2.2.14.2 Bomba:

Abastecimento de óleo hidráulico veicular (ATF);


Contaminação do óleo por água (lavagem do equipamento);
Entupimento dos filtros de captação de óleo hidráulico (estopa);
Expulsão do retentor da bomba (por pressão, excesso, ou falta de respiro);
Mangueiras invertidas por erro de leitura (A-F).

2.2.2.14.3 Observações gerais:

Excesso de rotação causa dano ao motor e perda de pressão da bomba;


Ao armazenar o equipamento, esgotar o combustível adequadamente;
Ao colocar o equipamento em uso, abastecê-lo com gasolina pura e trocar o
óleo do cárter;
Excesso de óleo causa emissão de poluentes e gera vazamentos do motor; e
As bombas possuem hastes que pressurizam e despressurizam, que não são
válvulas de abertura e fechamento.