Você está na página 1de 14

Prova 1

5.DEFINA OS TERMOS:

A) VARIÁVEL REAL (APRESENTE UM EXEMPLO)

Todas as variáveis medidas em termos de unidades físicas, como quantidades e preços


relativos. Ex.: PIB real, salário real, taxa de juros real.

B)VARIÁVEL NOMINAL(APRESENTE UM EXEMPLO)

Variáveis expressas em termos de moeda corrente. Ex.: Nível de preços, a taxa de


inflação e o salário, em unidades de moeda corrente, que uma pessoa ganha.

7.SEGUNDO A TEORIA QUANTITATIVA DA MOEDA, QUAIS SÃO AS CAUSAS DA


INFLAÇÃO NUMA ECONOMIA DE MERCADO?

A quantidade de moeda determina o nível de preços e a taxa de crescimento da


quantidade de moeda determina a taxa de inflação. Para a TQM, as causas da inflação
em uma economia de mercado se dá pela expansão monetária. MV-=PY-, considerando
a velocidade de circulação da moeda e o produto constante, um aumento na oferta de
moeda causa uma elevação proporcional na inflação.
8.SUPONHA QUE A INFLAÇÃO SOFRA UM AUMENTO DE 5% PARA 10%. O QUE
DEVERÁ ACONTECER COM A TAXA DE JUROS NOMINAL E COM A TAXA DE JUROS
REAL, SEGUNDO O EFEITO FISHER?

O efeito Fisher (i=r+π) considera uma relação de um para um entre a taxa de inflação e
a taxa de juros nominal. Logo, se a inflação variou 5%, a taxa de juros irá variar na
mesma proporção. No entanto, como a taxa de juros real é definida no mercado de
bens e serviços, ela continua inalterada.
9.DEFINA OS TERMOS:

A) TAXA NATURAL DE DESEMPREGO

a taxa média de desemprego em torno da qual oscila a economia. A taxa natural é a


taxa de desemprego em direção à qual a economia gravita no longo prazo,
considerando-se todas as imperfeições do mercado de trabalho que impedem os
trabalhadores de encontrarem empregos instantaneamente.
B) DESEMPREGO FRICCIONAL

É considerado como períodos de desemprego relativamente curtos os quais o


trabalhador aproveita para fazer cursos de aperfeiçoamento em tempo de se recolocar
com a nova qualificação profissional. Resulta do processo de combinar trabalhadores
com empregados, quando a informação entre oferta e demanda torna-se simétrica
para ambas as partes, ou seja, os trabalhadores ofertando e os empregados
demandando se identificam por serem informados uns dos outros.

C) DESEMPREGO ESTRUTURAL

O número de empregos disponíveis no mercado de trabalho é insuficiente para dar


ocupação a todas as pessoas que o desejam. Ou seja, a quantidade de mão-de-obra
ofertada supera a quantidade demandada. Explica longos períodos de desemprego.
Esta situação se configura em decorrência do avanço tecnológico que altera a
combinação dos fatores de produção capital humano e capital físico. O aumento da
mecanização e da automação gera mudanças na tecnologia de produção e também os
padrões de demanda dos consumidores tornam obsoletas certas indústrias e
profissões que deixam de existir e são superadas por novas.

CAPITULO 3

Explique a diferença entre compras do governo e pagamentos de transferências.


Apresente dois exemplos de cada.
As compras do governo é o gasto do governo utilizado para aquisição de bens e
serviços, além de construção de estradas, compra de armamentos e obras públicas. Há
outro tipo de gasto do governo que é o pagamento de transferências, tal como bolsa
escola, aposentadoria e pensões. Observe que as compras do governo impactam
diretamente na produção da economia do país, enquanto o pagamento de
transferência age de forma indireta, por isso não entra no componente G do PIB.
Podemos dizer que o tributo (T) será igual ao imposto arrecadado menos os
pagamentos de transferências.

O que são operações de mercado aberto e como elas influenciam a oferta


monetária?

São as compras e vendas de títulos do governo pelo banco central. Quando o banco
central compra títulos do público, a quantidade de moeda corrente que paga por esses
títulos aumenta a base monetária e, com isso, aumenta a oferta monetária. Quando o
banco central vende títulos para o público, a quantidade de moeda corrente recebida
por ele reduz a base monetária e, com isso, diminui a oferta monetária. As operações
de mercado aberto constituem o instrumento de política econômica que o banco
central utiliza com maior frequência. Na realidade, o banco central realiza operações
de mercado aberto nos mercados
de títulos quase todos os dias da semana.

CAPITULO 5
Escreva a equação quantitativa e explique-a.
A teoria quantitativa da moeda (TQM) é expressa da seguinte maneira: M * V = P * T
onde M é a quantidade de moeda; V é a velocidade de circulação da moeda; P é o preço de
uma transação típica e T é quantidade de transações durante um período de tempo. A
dificuldade na utilização dessa formula resulta na dificuldade em se verificar o componente T.
Por isso, utiliza-se em seu lugar o Produto (Y), pois há uma correlação positiva entre eles. Logo:

M * V = P * Y Assim, P * Y representa o PIB nominal da economia.

O que implica a premissa da velocidade constante?

A premissa de velocidade de circulação da moeda constante é uma boa aproximação


para muitos caso reais na economia, já que considera a velocidade de circulação
aproximadamente constante no tempo. Assim, como V é constante, uma alteração na
quantidade de moeda causa uma alteração no PIB nominal, representado por P * Y.

Quem paga o imposto inflacionário?


O termo senhoriagem designa o poder que o Estado possui de imprimir moeda e assim
gerar receita para si. Quando o governo utiliza a senhoriagem para manter os encaixes
monetários reais (M/P) constante, então não há inflação. Quando o governo utiliza a
senhoriagem para somente gerar receita para si, acontecerá o chamado imposto
inflacionário. Nesse caso, a emissão da moeda aumentará os encaixes monetários reais
acima do equilíbrio, e então será gerado aumento de preços – isto é, inflação. Os
detentores da moeda sofrerão com a perda de poder aquisitivo e essa perda é
comparada à um imposto que é chamado de imposto inflacionário.
Explique os papéis das políticas monetária e fiscal no que diz respeito às causas e ao
término da hiperinflação.

As hiperinflações são, em geral, fenômenos monetários, onde o governo emite moeda


numa rapidez de tal forma que gera inflação em níveis altíssimos, conforme apregoa a
TQM. Mesmo tratando-se de um fenômeno monetário, a causa de uma inflação é
quase sempre relacionada à um problema fiscal, ou o governo está gastando muito, ou
arrecadando pouco, ou ainda a estrutura fiscal é incipiente. Problemas como esse
podem afetar negativamente a credibilidade do governo e afetar diretamente o
mercado de títulos públicos, fazendo com que o governo não consiga financiar seus
déficits através desse mercado. Assim a alternativa mais fácil para o governo é financiar
o déficit emitindo moeda, consequentemente, segundo a TQM, tal medida gera altas
taxas de inflação. A arrecadação real do governo caí, devido ao esquema Ponzi, e
novamente o governo precisa financiar o déficit com mais emissão monetária.
Geralmente esse ciclo é quebrado quando o governo decide fazer reformas fiscais.
Pode-se ver que embora seja um fenômeno monetário, a política fiscal está
intimamente ligada a ela.

CAPITULO 7

A maior parte do desemprego é de longo prazo ou de curto prazo? Explique sua


resposta.

O fato de concluirmos que a maior parte do desemprego é de curto prazo ou de longo


prazo depende de como os dados são analisados. A maior parte dos períodos de
desemprego é de curta duração. Contudo, a maior parte das semanas de desemprego
pode ser atribuída à pequena quantidade de desempregados considerados de longo
prazo.

Os europeus trabalham mais ou menos horas do que os americanos? Enumere três


hipóteses que foram sugeridas para explicar a diferença.

Os mercados de trabalho norte-americano e europeu apresentam diferenças


significativas. Nos últimos anos, a Europa tem tido um volume significativamente maior
de desemprego do que os Estados Unidos. Além disso, em razão do mais alto nível de
desemprego, maior quantidade de feriados, e uma aposentadoria mais precoce, os
europeus trabalham menos horas do que os trabalhadores norte-americanos.

Prova 2

1. Faça uma breve análise a respeito da capacidade de cada uma das


variáveis listadas a seguir consagrar-se como medida do nível de bem-
estar de uma sociedade:
i) PIB
Procuram avaliar o valor real de uma moeda em termos de sua
capacidade de comprar produtos semelhantes. É considerado como a renda
total de todos que integram na economia
ii) PIB por trabalhador
Revela mais a respeito da produtividade da força de trabalho
iii) PIB per capita
Trabalha a questão do montante de produto disponível, por pessoa, para
ser consumido, investido e empregado de alguma outra maneira

2. Por que preferimos utilizar o crescimento do produto por trabalhador


como indicador do crescimento econômico de um país?
Pois o PIB por trabalhador engloba pessoas que não façam parte oficialmente
da força de trabalho e se dediquem a produção em casa ou atua em economia
subterrânea, sendo que estas atividades não são computadas no PIB e nesse
caso, o produto aferido dividido pelo insumo de trabalho contabilizado pode se
mostrar mais acurado, para fins de comparação de bem-estar.

3. Quais são as principais funções das hipóteses em um modelo


econômico?
Relaciona-se a idéia de quanto cada pessoa tem que decidir a consumir ou
poupar para consumir no futuro, além de quanto tempo a mesma deve
permanecer em busca de qualificações ou se manter no mercado de trabalho.

4. Quais são as principais hipóteses do modelo de Solow?


O modelo de crescimento de Solow mostra de que maneira poupança,
crescimento populacional e avanço tecnológico afetam o nível de produção de
uma economia e seu crescimento ao longo do tempo. A população cresce a
uma taxa n; o capital se deprecia a uma taxa δ; as pessoas poupam uma
fração constante de renda s; e a tecnologia avança a uma constante g.

5. Com base nas hipóteses apresentadas na questão anterior represente


as fórmulas matemáticas para os seguintes parâmetros do modelo:
i) A taxa de poupança (s)
y=c+i c=(1-s)y, temos que:
y=(1-s)y+i y=y-sy+i sy=i
ii) A taxa de depreciação (δ)
D= δ.K δ = D/K
6. Considerando a versão do modelo de Solow sem progresso
tecnológico, tomando como referência a função de produção:
Y = KαL(1-α)
i) Encontre a equação que representa o produto por trabalhador
Y=Kα+Lα+! Em escala constante, temos que Yz =zKα+zLα+!
Sendo z=1/L, temos:
Y/L=Kα/Lα+Lα+!/Lα+1 Y/L=Kα/Lα+1, onde Y/L=y e K/L=k., e o numero 1 é
uma constante e é ignorado, logo: y=kα
ii) Encontre a equação que representa a acumulação de capital
I=Δk=Ќ Ќ= I-δK Ќ= sY-δK
iii) Encontre a equação que representa a acumulação de capital por
trabalhador
Ќ/K= (Δk/K) – (ΔL/L) Temos que ΔL/L = n e que Δk/K= (sY-δK/K),
logo:
Ќ/K=[(sY-δK)/K]-n ~ Ќ/K=(sY/K) -δ-n ~
Ќ/K=[(sY/L)/(K/L)] –(δ+n)
(sy/k)– (δ+n)= Ќ/K ~ Ќ= (syk/k) – (δ+n)k ~ Ќ= sy – (δ+n)k
iv) Encontre a solução para o capital por trabalhador no estado
estacionário
s.y =(δ+n)k y=k’

s.y/(δ+n)=k/k α s.y/(δ+n)=k 1-α


v) Encontre a solução para o produto por trabalhador no estado
estacionário
s.y=(δ+n)k y=k’
s.y(δ+n) y’=[s/(δ+n)] α /1- α

.7. Represente graficamente o estado estacionário para o modelo de


Solow sem progresso tecnológico. Aponte neste mesmo gráfico o nível de
capital por trabalhador e o nível do produto por trabalhador no referido
estado.

Y y= Ќ

Y0
(δ+n)k

sy0 sy

Ќ0 Ќ
8. Considerando o gráfico de Solow apresentado na questão Nº 7,
suponha que a taxa de poupança sofra uma elevação de s para s’. Diante
de tal situação mostre graficamente o que aconteceria com cada uma das
seguintes variáveis:
i) Capital por trabalhador do estado estacionário
irá ampliar devido o crescimento do porduto
ii) Produto por trabalhador do estado estacionário
iii) Taxa de crescimento do capital por trabalhador
iv) Taxa de crescimento do produto por trabalhador

y
y= Ќ
y1
Y0 (δ+n)k
s’>s
sy1 s’y

sy0 sy

Ќ0 Ќ1 Ќ

9. Considerando o gráfico de Solow apresentado na questão Nº 7,


suponha que a taxa de crescimento populacional sofra uma redução de n
para n’. Diante de tal situação mostre graficamente o que aconteceria
com cada uma das seguintes variáveis:
i) Capital por trabalhador do estado estacionário = aumentará
ii) Produto por trabalhador do estado estacionário = aumentará
iii) Taxa de crescimento do capital por trabalhador = aumentará
iv) Taxa de crescimento do produto por trabalhador = aumentará

Y y= Ќ
Y1
Y0
(δ+n)k
(δ-n’)k
Sy1
sy0 sy n’<n
Ќ0 Ќ1 Ќ

10. Observando a solução para o estado estacionário no modelo de Solow


sem progresso tecnológico mostre quanto cresce (exatamente no ponto
do estado estacionário) cada uma das seguintes variáveis:
i) O PIB
O produto crescer à mesma taxa de crescimento populacional, quando houver
crescimento
ii) O capital físico
Ampliará o capital físico de modo concomitante a taxa de crescimento
populacional
iii) O capital por trabalhador
O produto por trabalhador será constante, dado que y=Y/L crescem do mesmo
modo. Isso implicará na não alteração de y
iv) O PIB por trabalhador
O PIB por trabalhador será constante, isso devido há um alargamento de
capital quando houver crescimento, ou seja, K cresce à mesma taxa que o
crescimento populacional.

11. Com base no modelo de Solow sem progresso tecnológico, responda:


por que alguns países são ricos e outros são pobres?
Para Solow, países com altas razões poupança/investimento tenderão a ser
mais ricos, mantendo os demais parâmetros constantes. Esses países
acumulam mais capital por trabalhador, e países com mais capital por
trabalhador têm o maior produto por trabalhador. Em contrapartida, países com
altas taxas de crescimento populacional tenderão a ser mais pobres de acordo
com o modelo de Solow.

12. Considerando a versão do modelo de Solow com progresso


tecnológico, tomando como referência a função de produção: Y = K α (AL)(1-
α)
, encontre as seguintes equações:
i) Produto por unidade de eficiência do trabalho
Y’=Y/A ~ Y’/L = Y/A.L A.L=eficiência do trabalho
ii) Acumulação de capital físico
K’=K/A K/A.L
iii) Acumulação de capital por unidade de eficiência do trabalho
K’=K/A Ќ/K= (Ќ/K)-(Â/A)=g
K’/K=(s.y/k) – (δ+n) – g K’/K=[(s.y/A)/(k/A)] – (δ+n + g)
K’/K=(s.y’)/k’ – (δ+n + g) K’ =(s.y’) – (δ+n + g)K’
iv) Solução para o capital por unidade de eficiência do trabalho no
estado estacionário
s.y’= (δ+n + g)k’
v) Solução para produto por unidade deficiência do trabalho no estado
estacionário
Y’=K’ α ~ Y’=[s/(δ+n + g)]1/1-α
vi) Solução para o capital por trabalhador no estado estacionário
K/A.L = B
K/L=A.B K=A.B K’/K = A/A.B/B K/K=g
vii) Solução para produto por trabalhador no estado estacionário
Y’=[(1)/ (δ+n + g)]1/1-α Y’/ΔL=[(1)/ (δ+n + g)]1/1-α
α /1- α
Y’/L=A.[(1)/ (δ+n + g)] y’/y = A/1 + B’/B

13. Represente graficamente o estado estacionário para o modelo de


Solow com progresso tecnológico. Aponte neste mesmo gráfico o nível
de capital por unidade de eficiência do trabalho e o nível do produto por
unidade de eficiência do trabalho no referido estado.

Y y= Ќ

Y0
(δ+g+n) Ќ

sy0 sÝ

Ќ0 Ќ

14. Considerando o gráfico de Solow apresentado na questão Nº 13,


suponha que a taxa de poupança sofra uma elevação de s para s’. Diante
de tal situação mostre graficamente o que aconteceria com cada uma das
seguintes variáveis:
i) Capital por unidade de eficiência do trabalhono estado estacionário
ii) Produto por unidade de eficiência do trabalho no estado estacionário
iii) Taxa de crescimento do capital por unidade de eficiência do trabalho
iv) Taxa de crescimento do produto por unidade de eficiência do trabalho

Y y= Ќ
Y1
Y0 (δ+g+n) Ќ
s’Ý
s1Ý
sÝ0 sÝ
s1>s

Ќ0 Ќ1 Ќ

15. Considerando o gráfico de Solow apresentado na questão Nº 13,


suponha que a taxa de crescimento populacional sofra uma redução de n
para n’. Diante de tal situação mostre graficamente o que aconteceria
com cada uma das seguintes variáveis:
i) Capital por unidade de eficiência do trabalho no estado estacionário
ii) Produto por unidade de eficiência do trabalho no estado estacionário
iii) Taxa de crescimento do capital por unidade de eficiência do trabalho
iv) Taxa de crescimento do produto por unidade de eficiência do trabalho

Y y= Ќ
Y1
Y0 (δ+g+n) Ќ

s1Ý (δ+g+n1) Ќ

sÝ0 sÝ
n>n1

Ќ0 Ќ1 Ќ

16. Observando a solução para o estado estacionário no modelo de Solow


com progresso tecnológico mostre quanto cresce (exatamente no ponto
do estado estacionário) cada uma das seguintes variáveis:
i) O PIB
Cresce conforme g e n mantêm y’ constante
ii) O capital físico
Amplia-se a medida que g e n para manter constante k
iii) O capital por trabalhador
cresce de acordo a constante n=L’/L
iv) O PIB por trabalhador
cresce À taxa do progresso tecnológico, k’/k=g
17. Com base no modelo de Solow com progresso tecnológico, responda:
por que as economias crescem no longo prazo?
Para Solow, o modo como é estabelecido o crescimento do padrão de vida dos
países a longo prazo corresponde ao progresso tecnológico g, pois alterações
como nas taxas de investimento não possibilitaram crescimento somente se já
estiverem em um novo estado estacionário. Desse modo, fica a cargo do
progresso tecnológico o crescismento do padrão de vida dos povos.

18. Por que o Maranhão é um estado pobre e Santa Catarina é um estado


rico? Sua resposta deve ser fundamentada no modelo de Solow.
A diferença básica entre as riquezas entre os Estados citados englobam
questões de qualidade de mão de obra, recursos tecnológicos e atrativos de
investimentos, que segundo Solow, amplia a relação de variação do capital
sobre a mão de obra (ΔK/ ΔL).

Prova 3

• Apresente os principais motivos que induzem os economistas a


acreditarem que o crescimento econômico sustentado é fenômeno
endógeno.

O crescimento seria um fenômeno endógeno pelo fato de que o progresso


tecnológico não é exógeno, mas endógeno ao modelo de crescimento. O
progresso tecnológico surge das ideias e estas, por sua vez, surgem de
indivíduos ou empresas, investidores que ao buscarem maximizar seus lucros,
criam ideias novas e melhores. O crescimento, portanto, ocorre de maneira
persistente.

• Classifique os bens listados abaixo conforme o grau de rivalidade e


exclusão

• Explique o papel do governo e do setor privado no fornecimento de cada


um dos bens citados na questão anterior.

A iluminação da av. dos portugueses como bem não-rival e não-excluível, é um


bem público, e é da competência do governo seu fornecimento.

A lata de guaraná e como bem rival e excluivel, é de competência do mercado


seu fornecimento, assim como bem rival, o fornecimento da planilha excel,
embora o uso deste seja não-rival, mas é um bem excluivel, já que para seu
uso é necessário pagar ao seu inventor.

Os peixes de lago possuem baixa exclusibilidade, não é necessário o


pagamento para seu uso, mas é um bem rival, seu fornecimento também se
dar pelo setor privado.

• A infraestrutura de uma economia (econômica, social e institucional)


representa um dos determinantes básicos da disposição dos indivíduos para
realizar investimentos de longo prazo em capital físico, qualificação e
tecnologia. Sendo assim, responda:

1) como a infraestrutura de uma região afeta os custos dos


investimentos?

A infraestrutura afeta os custos através dos custos de instalação. O custo de


instalação envolve compra do local, autorização externa e interna, todos esses
custos aumentam a dificuldade de investir no pais. Além disso, existem as
taxas exigidas pelos governos, como alvará de liberação ou outros tipos de
taxas. Se há burocracia no processo de instalação de novos empreendimentos,
abre espaço para um burocrata exigir subornos ou propinas. Tudo isso afeta de
forma negativa os investimentos, aumentando os custos.

2) como a infraestrutura de uma região afeta o retorno dos


investimentos?

A infraestrutura afeta o retorno dos investimentos através do tamanho do


mercado. O tamanho do mercado é uma peça importante na decisão de
investir, um exemplo disso, seria se imaginamos a produção de softwares em
determinado país, não seria uma boa ideia produzido se mercado fosse restrito
apenas aquele pais e não pudesse expandir ao resto do mundo. Portanto, a
abertura comercial amplia a tamanho de mercado e favorece os investimentos.

Se a infraestrutura favorece a produção em vez dos desvios, incentivará as


pessoas a produzirem e os investimentos deslocarem. Outra forma que a
infraestrutura impacta nos retornos é através das instituições. Se a economia
possui leis e instituições instáveis, o risco para se investir é alta e as pessoas
ficarão receosos. Entretanto, a estabilidade política e econômica do país, atrai
confiança e investimentos para a economia.

• As políticas adotadas pelos governos estaduais com a finalidade de atrair


investimentos têm tomado como de partida a concessão de incentivos fiscais.
Sendo assim, aponte um aspecto negativo decorrente desta política e, em
seguida, apresente uma sugestão de política mais eficiente, especialmente
para o caso do maranhão.

• Por que alguns países (regiões) são ricos e outros são pobres?

Países ricos investem maior parte de seu capital e seu tempo no uso e
aperfeiçoamento de tecnologias e utilizam seus insumos de forma mais
produtiva, tais países, também chamados avançados, possuem uma
infraestrutura em que suas leis e instituições favorecem a produção e limitam a
extensão dos desvios, fazendo com que sejam atraentes aos investimentos.
Já países pobres, além de investirem pouco capital, não utilizam de forma
produtiva seus insumos e sua infraestrutura favorece os desvios em vez da
produção.

Geral
 Qual a diferença entre macroeconomia de curto prazo e
macroeconomia de longo prazo?
A macroeconomia de LP se ocupa com o crescimento econômico, dando
enfoque à capacidade da economia em produzir bens e serviços. Ocupa-se
também com a questão da acumulação do capital e os aperfeiçoamentos
tecnológicos. No LP a oferta de bens e serviços é igual ao produto
potencial. O CP, porém, se preocupa com o nível da utilização dessa
capacidade instalada que é determinada pela demanda, a qual sofrendo
flutuações denuncia o quanto dessa capacidade está sendo utilizada.
 Explique o significado macroeconômico do conceito de
equilíbrio do mercado de bens e serviços.
Existem situações que desequilibram o mercado de bens e serviços.
Por exemplo: se por um motivo qualquer a taxa de juros no mercado
aumentar, o investimento privado cai. Como o investimento é uma
parcela da renda, ela também se reduz, fazendo cair o consumo, a po
upança e a arrecadação tributária. O contrário ocorreria com uma
queda da t axa de juros. Sendo assim, as infinitas combinações de
taxa de j uros e renda que equilibram o mercado de bens e serviços
formam uma curva com declividade negativa, que é a curva den ominada
IS.
 Das variáveis que compõe a demanda agregada:
• Qual a que tem maior valor absoluto? R: Consumo
Qual a variável mais instável na ótica da demanda? Explique a resposta. R:
Investimento. A instabilidade decorre da relação deste com a taxa de
juros. Considerando os outros agregados macroeconômicos como
constantes, uma elevação contínua da taxa de j uros pode comprometer a
ampliação da ca pacidade produtiva da economia, assim af etando de f orma
negativa o crescimento no longo prazo.
 Quais as variáveis que são consideradas como endógenas (o
valor é definido dentro do modelo) e quais as variáveis
Exógenas?
 R: Considerando o nível de complexidade do modelo discutido em
sal a de aula até o momento, as variáveis endógenas são: c, i, s e t;
E as variáveis exógenas são: g, x, m e rl.
 Coloque-se na posição de uma autoridade governamental e dê
u m exemplo de uma medida de política fiscal para cada um dos
casos a seguir:
Desemprego de recursos produtivos; R: Para combater este desemprego
de recursos, o governo deve aumentar o gasto público ou reduzir os
impostos, de forma a elevar a renda, o consumo e assim estimular a
produção, gerando emprego e consequentemente a demanda agregada.
Inflação de demanda; R: O governo deve reduzir o gasto público líquido,
seja por elevação dos impostos ou pela redução dos gastos do governo,
o u pelo estímulo as im portações. A redução da renda causa efeito de
contração da demanda assim como no nível geral de preços.
Desigualdade n a distribuição entre classes de renda. R: Pela elevação de
gastos, por meio de elevação de impostos das classes mais ricas, dado
o Teorema do Orçamento Equilibrado, podemos estimular a Demanda
Agregada e reduzir a desigualdade entre as classes de renda.
 Coloque-se na posição de uma autoridade monetária e apresente
dois instrumentos de política monetária para cada um dos
objetivos a seguir:
Expansão do nível de atividade R: Neste caso, a autoridade deve promover
uma e xpansão monetária por meio de emissão de moeda ou por meio d
e uma operação de open market de compra de títulos públicos, por
exemplo.
Política antiinflacionária R: Neste caso, a autoridade monetária deve
promover uma retração monetária, por meio, por exemplo, de uma
elevação das reservas compulsórias dos bancos comerciais ou por meio
de uma ope ração de open market de venda de títulos públicos para o
mercado, retirando desta forma moeda de circulação.
• Custos de sola de sapato
No médio prazo, uma taxa de inflação maior leva a uma taxa nominal de juros
maior e, assim, a um custo de oportunidade de reter moeda maior (capítulo 14
do OB, Hipótese de Fischer). No MP, a taxa nominal de juros AUMENTA na
mesma proporção da inflação. Consequentemente, as pessoas diminuem seus
saldos monetários ao fazer mais viagens ao banco —daí a expressão custos
de sola de sapato. Se a inflação fosse menor, pessoas poderiam desfrutar sua
riqueza sem ter que ir tanto ao banco.
• Custos de Menu: custos de alteração nos preços com os quais
as empresas arcam (publicidade, impressão de novos catálogos,
etc.). A inflação aumenta os custos de menu. Durante
hiperinflações, por exemplo, as empresas precisam mudar seus
preços pelo menos diariamente, ou com maior frequência, para
acompanhar os demais preços da economia.
 2)Ilusão monetária:
vem da ilusão monetária, a noção de que as pessoas parecem cometer
erros sistemáticos ao avaliar mudanças nominais versus mudanças reais,
leva as pessoas e as empresas a tomar decisões incorretas.
 Variabilidade dos Preços Relativos e a Alocação distorcida de
recursos–
Como os preços só são modificados ocasionalmente, a inflação provoca
uma maior variação nos preços relativos do que ocorreria caso não
houvesse inflação.–Isso é importante porque as economias de mercado
dependem dos preços relativos para alocar os recursos escassos. Quando
a inflação distorce os preços relativos, as decisões dos consumidores (que,
ao decidirem o que comprar, através da comparação, determinam como os
fatores escassos de produção são alocados entre os setores e as
empresas) são distorcidas e os mercados são menos capazes de alocar os
recursos para o seu melhor uso.
 Desemprego longo prazo
No longo prazo, a influência da moeda é basicamente sobre o nível de
preços e outras magnitudes nominais. No longo prazo, variáveis reais, como
o produto real e o emprego, são determinadas por fatores reais, não
monetários. De acordo com a teoria da taxa natural, existe um nível de
equilíbrio do produto e uma taxa de emprego a ele associada, determinados
pela oferta de fatores de produção, tecnologia e instituições da economia
(isto é, determinados -por fatores reais). Esta é a taxa natural de Friedman.
Mudanças na demanda agregada, que Friedman acredita serem dominadas
por mudanças na oferta de moeda, causariam movimentos temporários na
economia, afastando-a da taxa natural. Políticas monetárias expansionistas,
por exemplo, moveriam o produto para cima da taxa natural e, por algum
tempo, deslocariam a taxa de desemprego para baixo da taxa natural. O
aumento da demanda resultante de tal política expansionista levaria,
também, a uma elevação de preços. No curto prazo, o ajuste dos preços
não seria completo- como preveria a teoria clássica-, já que aumentos na
demanda causariam elevação nos preços mas não afetariam o produto. Os
monetaristas não concordam com a posição clássica de que o produto é
completamente determinado pela oferta, mesmo no curto prazo. A taxa
natural de desemprego pode ser encontrada simplesmente pela subtração
da quantidade de trabalhadores empregados da força de trabalho total e,
então, pela expressão do número obtido como uma porcentagem da força
de trabalho total.