Você está na página 1de 2

A África é um continente de grande diversidade cultural que se vê

fortemente ligada à cultura brasileira. Os africanos prezam muito a


moral e acreditam até que esta é bem semelhante à religião.
Acreditam também que o homem precisa respeitar a natureza, a vida
e os outros homens para que não sejam punidos pelos espíritos com
secas, enchentes, doenças, pestes, morte etc. Não utilizavam textos e
nem imagens para se basearem, mas fazem seus ritos a partir do
conhecimento repassado através de gerações antigas.

Seus ritos são realizados em locais determinados com orações


comunitárias, danças e cantos que podem ser divididos em:
momentos importantes da vida, integração dos seres vivos e para a
passagem da vida para a morte.

Sua influência na formação do povo brasileiro é vista até os dias


atuais. Apesar do primeiro contato africano com os brasileiros não ter
sido satisfatório, esses transmitiram vários costumes como:

- A capoeira, que foi criada logo após a chegada ao Brasil na época da


escravização como luta defensiva, já que não tinham acesso a armas
de fogo;

- O candomblé, que também marca sua presença no Brasil,


principalmente no território baiano onde os escravos antigamente
eram desembarcados;

- A culinária recebeu grandes novidades africanas, como o leite de


coco, óleo de palmeira, azeite de dendê.

Culturas Africanas no Brasil


As culturas africanas tiveram grande influência na formação cultural
brasileira e a diversidade dos escravos no Brasil reflete diretamente a
variedade de povos existentes na África.
A maior parte destas populações era de origem Bantos, Nagôs e Jejes,
Hauçás e Malês.
Muitos são os aspectos culturais que sofreram influência africana no
país, entretanto, podemos destacar:
 o candomblé, religião afro-brasileira baseada no culto aos
orixás, da qual surge a umbanda;
 a capoeira, uma dança-luta praticada pelos antigos escravos;
 a culinária, com vários temperos e pratos típicos, como o
vatapá, o caruru e o acarajé.
Na área musical, os ritmos africanos estão em quase todos os estilos
brasileiros: maxixe, samba, choro, bossa-nova; e na dança, o samba é
a expressão maior da cultura afro descendente.
Estilos musicais como o samba, blues, jazz, reggae, rap, surgiram
graças a dispersão dos escravos africanos pelo Atlântico.
Os índios foram os primeiros habitantes do território brasileiro. São
formados por povos diferentes com hábitos, costumes e línguas
diferentes.
Cultura indigena

Os Ianomâmis falam quatro línguas: a Yanomam, Sanumá, Yanomame


e Yanam. Suas habitações são construídas de caibros encaixados,
amarrados com cipó e revestidas de palha. Possuem características
seminômades, já que mudam de habitat quando acreditam ter
explorado uma região ao máximo. São caçadores e acreditam em
rixis: espíritos de animais que ao serem mortos tornam-se em
protetores e amigos.

Os Carajás falam apenas uma língua: a Macro-Jê. São divididos em


Karajás, Javaés e Xambioás. Acreditam na transformação do homem
em animais e vice-versa. Residem nas proximidades do rio Araguaia,
pois acreditam que sua criação, rituais de passagem, alimento e
alegria são dados por ele. Vivem do cultivo do milho, mandioca,
batata, banana, cará, melancia, feijão e amendoim, e prezam pela
pintura corporal. Dividem o trabalho, fica para os homens a defesa do
território, abertura de roças, construção das casas, pesca e outros.
Para as mulheres o trabalho de educar os filhos, cuidar dos afazeres
domésticos, do casamento dos filhos, da pintura e ornamentação das
crianças e outros.

Os Guaranis manifestam sua cultura em trabalhos em cerâmica e em


rituais religiosos. Possuem sua própria língua, somente ensinam o
português às crianças maiores de seis anos. São migrantes e
agricultores. Acreditam que a morte é somente uma passagem para a
“terra sem males”, onde os que se foram partem para este local para
proteger os que na Terra ficaram.

Os Tupis são dominados por um ser supremo designado Monan. A


autoridade religiosa dentro das aldeias é o Pajé, que é um sábio que
atua como adivinho, curandeiro e sacerdote. Utilizam a música e seus
instrumentos musicais para a preservação de suas tradições, para
produzir efeitos hipnóticos e para momentos de procriação,
casamento, puberdade, nascimento, morte, para afastar flagelos,
doenças e epidemias e para festejar boas caçadas, vitórias em
guerras e outros.

Existem cerca de 225 sociedades indígenas distribuídas em todo o


território brasileiro, corresponde a 0,25% da população do país.
Diante das culturas específicas de cada sociedade, somente algumas
delas foram anteriormente destacadas.