Você está na página 1de 82

Crisítilis llilllllll[|[l|[illl

Fnlqil llfho
n o me" S a b ãdoa C o staé"
g eon é r ica
u mad e n o mi n a çã
queserefere a umtipodesabão
naturalproduzido deformaarte-
sanale quepossui diversas pro-
priedades,
tantohigiênicas quan-
to medicinais.
0 sabão original é
conhecidodesde o século XVIno
continenteafricano e foi trazido
aoBrasilpelos negros traficados.
Produzidoemescala industrial
ou
preparadodeformaartesanal, e
acrescentando-secore perfume
à fórmulatradicional,
todossão
unânimes emressaltar a eficácia
do sabão na limpezafísicae na
limpezaastral,tantona higiene
pessoaldiária,quanto dosobje-
tose instrumentos
utilizadosnos
trabalhos
rituais.
0 sabãoda costa,ou 'oòsé
dudu" (sabãonegro), é feito
deervassecase gorduraanimal
e no usocerimonialoossuium
númeroenorme decomponentes
(azeites,
pós,etc,)quesãoasso-
ciados
conforme que
a finalidade
pretende
o Babalorixá.
notarquetodama-
Éimportante
proposta
nipulação peloAutor
O USO MAGICO
E TERAPÊUTICO DO
SABÃO DA COSTA

FERNANDEZ PORTUGAL FILHO

Rio de Janeiro,2011
1a.edição

CM
CTistáliç

I"lr
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Copyright 2011,by
PortugalFilho
Fernandez

Índice
Editor
LuizA. L. Silva

Agradecimentos.....
7
Coordenação Editorial, Revisão e Edinração Eletrônica
Cristalis Editora Deus Nunca Erra! .....9
Nota do Autor..... 15
Apresentação
.....17
Projeto Gráfi,co
Ecologiae cultos Afro-brasileiros.....19
DeliperiDesignGráfico
O Autor e suaObra .....23
Brevesinformes sobrea orígem do Sabãoda Costa.....25
os YORÜB
t .....zz
ISBN 85-86536-54-7
Sabãoda Costa:princípios,usose propriedades.....29
òçf Dudu para todos os fins .....31

!bç, magias e beberageÍÌsque exigem o uso do


òçé dudu ...63

Reservadostodos os direitosdesta edição para CristálisEditora Glossáriocomentado.....1I9


e LivrariaLtda. Proibidaa reprodução,mesmo que parcial,e sob
qualquerforma ou meio eletrônico,sem expressaautorizaçãoda Blibliografiaconsultada .....'1.49
Editora(Lei no5988, de 14.12.73). *j.
.ã Encarte"Yorubana' .....154
a
E
Gristális Êditorae Livraria Ltda.
Ruada Grota,618- SãoPaulo/ SP - CEP02206-010
Telefax:(0xx11
www.cristalis.com.br
) 3938-5484
- editora@cristalis.com.br
#
,i
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Agradecimentos

Nada se faz sozinho, é pequenez, pensar que


tudo podemos fazer sozinhos. As páginas seguintes
serão poucas para expressar minha gratidão a pessoas
que através das vias mais diversas colaboraram de
forma vívida e incessante para que eu concluísse este
texto. Em primeiro lugar, agradeço a Olodumare,
o Grande Arquiteto do Universo. Aqui expresso os
agradecimentos mais sinceros a todos quantos, de uma
forma ou outra tornaram possível a publicação deste
livro. Inicialmente a todo "povo do santo" que, com
sua frequência nos Cursos da Yorubana e na UERJ, tem
nos prestigiado; com eles também tenho aprendido.
Aos meus confrades na Nigéria, especialmente em
IJebu Odç, Ogbomoçq, Ileça, Ondé e lbadan, que não só
tne ensinaram formulações mágicas, mas sobretudo
o ofício de ser discreto para não falar das coisas
proibidas. Aos meus diretores na Universidade de
Havana, especialmente o Professor Rubén Zardoya e sua
ltposa, e minha chefe de Departamento na FacuÌdade
dc História e Filosofia, Professora, Rosa Maria Lahaye
Guerra; a meus colegas na mesma Universidade Amaury
Carbón, Dayse Versalles, Carlos Delgado Perez e Marisa
Holguim Montarroyos. Ao escritor e pesquisador José
Santste. Ao Dayç que sempre tem a gentileza de fazer
I correção da língua Yorübá. A todos os Qmç Awo e
9mç Ifá do Egbe Awo Qme Agànjú Oláçibç Àti gè,la
FernandezPortugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

Ql<ijuçgbç. Ao Babalawo cubano Lázaro Cuesta Valdés.


A meus Amados lrmãos da Loja "Prudência e Amor". DEUS NUNCA ERRA!
Aos meus colegas de pesquisa no Centro de Estudos
de Africa y Médio Oriente em Havana. Ao Professor Um rei que não acreditava na bondade de Deus,
Alberto Granado Duque diretor da "Casa de Afriea" tinha um servo que em todas as situações lhe dizia'
em Havana, que tão bem me recebeu quando lá realizei - Meu rei, não desanime porque tudo que Deus
uma série de conferôncias. Ao companheiro Babaloriça faz é perfeito, Ele não erra!
Qmçluba. Na UERJ o empreendorismo do Professor Um dia eles saíram para caçar e urna fera atacou
Mandarino, do Departamento de Ciências Soeiais,o apoio o rei. O seu servo conseguiu matar o animal, mas não
da Professora Edna e o entusiasmo da Telma Simoni, pôde evitar que sua majestade perdesse um dedo da
foram relevantes para o sucesso de nossos Cursos da mão. Furioso e sem mostrar gratidão por ter sido
Tradicional Religião Yorübá. salvo, o nobre disse'
Na Yorubana, o apoio fundamental de Fátima - Deus é bom? Se Ele fosse bom eu não teria sido
Foleke Medeiros, Karyna Portugal e Adriana Moreira. atacado e perdido o meu dedo.
Já ia me esquecendo de agradecer ao Luiz, nosso Editor, O servo apenas respondeu'
ao Ricardo da "Academia do Saber" e corno poderia - Meu Rei, apesar de todas essascoisas, só posso
esquecer de meu mestre querido o Rabino e Professor dlzer-lhe que Deus é bom; E Ele sabe o porquê de todas
Rubén Najmanovich. Enfim, concluo com a expressiva ts coisas. O que Deus faz é perfeito, Ele nunea erra!
frase de Fernando Pessoa' "O homem sonha. Deus Indignado com a resposta, o rei mandou prender
permite e a obra nasce.tt o seu servo.
Tempos depois, saiu para uma outra caçada e
PS. E já ia me esquecendo de queridos amigos de foi capturado por selvagens que faziam sacrifícios
Lisboa, Pai Pedro de Ògún, Helena, Pipa e Tita, Paulo hürnanos.
"Laroye" e Cristina Arrobas, novos amigos do Velho Já no altar, prontos para sacrificar o nobre,
Mundo. ,gl selvagens perceberam que a vítima não tinha um
idos dedos e soltaram-no' ele não era perfeito para ser

Fernandez Portugal Filho, cidade de SãoSebastião oferecido aos deuses.


do Rio de Janeiro. setembro de 2011. Ao voltar para o palácio, mandou soltar o seu
lâfvo e recebeu-o muito afetuosamente.
FernandezPortugal Filho Uso Mágico e Terapêutíco do Sabão da Costa

- Meu caro, Deus foi realmente bom comigo!


Escapei de ser sacrificado pelos selvagens, justamente Fun .........
por não ter um dedo! Mas tenho uma dúvida' Se Deus
é tão bom, por que permitiu que voeê, que tanto O Òré mi tlte Pllu Gbogbo Àçé qlçrun Ati Awen
defende, fosse preso? òrìçà. Ki Olodumarç wà Pèlú ìwó ni ìgbá gbogbo.
- Meu rei, se eu tivesse ido com o senhor nessa Ãlaflu Àti ,a.ygfun iwg ni ojojumq mq daju wipe Lati
caçada, teria sido sacrificado em seu lugar, pois não wà p(:lú ìw{ ni Lati wa p}Iú enia ti odara.
me falta dedo algum. Por isso, lembre-se' tudo o que Mo Júbà.
Deus faz é perfeito! Ele nunca erraf
Muitas vezes nos queixamos da vida e das coisas De Fernandez Portugal Filho
aparentemente ruins que nos acontecem, esquecendo-
nos que nada é por acaso e que tudo tem um propósito.
Toda a manhã ofereça seu dia a Deus. Peça,para Deus
inspirar os seus pensamentos, guiar os seus atos,
apaziguar os seus sentimentos. E nada tema, pois Deus
NUNCA ERRAIII Para ........
Sabe por que você recebeu essa mensagem? Eu
não sei, mas Deus sabe, pois Ele nunca erra! O caminho Meu bom amigo(a) com todo Àçç de Qlgrun e
de Deus é perfeito e a Sua palavra é sem impureza. dos òrìçà. Que OÌodumare esteja sempre eorn você. Paz,
Ele é o caminho de todos que Nele confiam, como raúde, tudo de bom e felicidade. Para você, todas os
diz no livro de Samuel 2o, capítulo 22, versículo 31. dlas. Saiba que estar com você é estar com uma pessoa
Com certeza essa mensagem chegou em boa hora até boa e positiva.
você. Deus está colocando em seu coração o desejo de Eu o reverencio. Meus respeitos.
enviar essa mensagem para alguém? Faça isso, e não se
envergonhe. Você irá mandar para a pessoa certa. De Fernandez Portugal Filho
Deus sabe disso muito bem, sabe por quê?
Deus nunca erra!
Rabi Arie Dov Bem Nachmon, século XIX,
Mestre de Cabaláh.

IO 11
In memoriam

Pierre Fatumbi Verger


Almir Roberto de Santana (O.1éAlaran)
Maria Escolástica da Conceição Nazaré
(Mãe Menlninha do Gantois)
Zeztnh.o da Boa Viagem (José Gomes Filho)
Que descansem em Paz.

Ibaye
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Nota do Autor

Quando já concluía o esboço final deste trabalho,


considerei pertinente a inserção de urna monografia
de forma apostiÌada publicada peÌa Yorubana em
1.999 intitulada "Magia Yorübá - Volume IV". Essa
monografia já esgotada em sua versão original como
apostila, após as correções de praxe e novas inclusões,
contribuiu sobremaneira no aprendizado para o
qual o livro em epígrafe se propõe, aprofundar no
leitor a compreensão sobre como poderá utilizar-se
completamente destes ensinamentos.

I5
Uso Mágico e Tbrapêutíco do Sabão da Costa

Apresentação

Inicio a apresentação deste Ìivro, não apenas


eomo mais um novo trabalho. mas com a certeza
de que podemos inserir na mente afrodescendente,
sobretud.o dos praticantes do Culto aos òrìçà, novas
formulações rituais. Embora sejam novas aqui no
Brasil elas são bastante antigas entre os Yorübá. Isso
permitisse uma melhor interação com o culto aos
òrìçà. Este trabalho é fruto amad.urecido de diversos
ensinamentos adquiridos com meus confrades Aworo,
Babalawo e oniçegun na Nigéria, especialmente a partir
de 1994. Munido desses ensinamentos publiquei uma
apostila de mesmo nome, que serviu de texto base
para inúmeros cursos dessa temática para iniciados nos
Cultos Afro-Brasileiros, uma grande parte dos alunos
não tinham conhecimento da importância do sabão
da costa, suas propriedades terapêuticas e reÌigiosas,
uma vez que o uso e a prescrição do mesmo não havia
alcançado sufieiente compreensão e reconhecimento
em nosso meio. Apenas uns poucos sacerdotes yorübá,
no eixo Rio-São Paulo, o usavam com frequência, isto
em virtude de que nenhum Ebç termina sem que nós
tenhamos que nos banhar com sabão da costa. Ele é a
finalização de todo Ebq, quer seja no CuÌto aos òrìçà,
Ifá, Egungun ou Iyami e seu uso é de suma importância.
Além das fórmulas propriamente ditas, considerei
lmportante o texto relativo aos yorübá. Embora
resumido, ele transrnite os primeiros ensinarnentos

l7
F ernandezPortugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

acerca desta etnia. Além disso uma histórica explicação


"Ecologia e Cultos Afro-Brasileiros"
sobre a origem do sabão da costa embasa o trabalho,
tornando-o seguro sobre distintos aspectos: o histórico, Por um planeta saudável, os òrìsà agradecem.
o antropológico e o reÌigioso. Um convívio íntimo com
os yorübá, aqui no Brasil e na Nigéria, nos últimos Nossos alunos na Yorubana e na UERJ, têm trazido
vinte e cinco anos, favorecem sobremaneira a definição a mim vários questionamentos e inquietudes quanto
de meu campo de pesquisa e o desenvolvimento desse ao posicionamento dos Cultos Afro-Brasileiros frente
ao destino do planeta, muitos afirmam que esta cada
projeto, como tantos outros. Um amplo glossário
dia mais difíeil a prática do Culto, e eu digo que isso é
cornentado e uma alentada Bibliografia, estimulam o um bom sinal, pois quando a sociedade se mobiliza para
leitor a novos estudos. tentar achar novos parâmetros de comportamento, isto
para finalizar o texto ..Sabãoda Costa, princípios, é positivo e principalmente no nosso caso, me parece
perfeitamente lógico e oportuno uma série de medidas
usos e Propriedades" define bem as possibilidades de
saneadoras e higiênicas, algumas vezes criticadas por
seu uso. pessoascostumazes, nos Cultos Afro-Brasileiros. Essas
medidas por vezes são tomadas como indiscipÌina e
Ire o subversão de valores, sabiamente regidos como se sabe,
pelos ancestrais. Para aqueles que querem um Culto
A$ç o,
TradicionaÌ, moderno sem ser modernoso, em acordo
Mafçrçfun Olodumare com as normas de conduta da sociedade vigente, com o
Mafçrçfun Obatala lmperativo não só nacional mas também internacional,
Mafçrçfun Orunmila não será difícil se adequarem a novas e promissoras
realidades. Então, vejamos e vamos direto ao assunto,
I - Não quebre garrafas nas encruzilhadas ou em
Rio. setembro de 2011.
qualquer outro lugar. Isto não tem sentido nenhum
ê nem valor sacro-mágico. A pessoa certamente esta
cxtravasando seu ódio mortal diante de um evento que
não se modificará com essa estúpida atitude.

2 - Se vocêquer oferecer bebida alcoólica, ofereça num


alguidar, num coité ou em uma cabaça.

3 - Acender velas é um bom negócio para os fabricantes.


Fara que acender velas se os Orìçà já são iluminados?
Esta é uma herança da Cultura Judaico Cristã, que nada
tem a ver com religiões de rnatrizes africanas.

I8 19
FernandezPortugal Fílho UsoMágico e Terapêuticodo Sabãoda Costa

A maioria dos fabricantes de veÌas compra os restos em As velas específicas que acendemos estão relacionadas ao
igrejas, cemitérios, etc. e a parafina "in natura", q,r. mundo invisível e chamam a atenção para que o astral
é um subproduto do petróIeo, é adquirida, na maioria reconheça o trabalho sacro-mágico que foi realizado.
das vezes em Camaçari, na Bahia. Normalmente tudo 4 - A oferenda que você entrega ao òrìçà, seja ela cruenta
é misturado e as velas são moldadas de diferentes ou incruenta, rapidamente entra em decomposição pela
formas e tamanhos. além de aromatizadas e coloridas própria ação do clima, dos germes, das bactérias, da
artificialmente, ou seja, algumas têm odor e cor de força da gravidade, dos resíduos negativos das pessoas
mel, porém não o são. ao redor. Enfim, tudo isso contribui para o rápido
apodrecimento, no prazo máximo em 3 horas, quando
A vela de parafina apenas ilumina o espaço físico aonde
a temperatura for elevada, ou no prazo máximo de 5
é acesa.Somente a vela de cera de abelha ou carnaúba. quando estiver frio. A energia vital já foi expÌorada por
a de sebo de carneiro ou a africana que é feita com todo o tipo de entidade, rapidamente se decompondo
trança de algodão "in natura'o ou hidrófilo embebida através da cadaverina. Após o tempo citado, o mais
em óleo de dendê, óIeo de côco, óÌeo de algodão, óleo inteligente é verificar junto a sua autoridade religiosa
de milho, azeite de oliva ou ori derretido é que irá o tempo de permanência da oferenda aos pés do Orìçà.
irromper o astral. Tenha muito cuidado ao acender Depois encaminhe para a compostagem, queime tudo
velas de qualquer natureza, caso esteja na mata e proceda ou enterre segundo as prescrições de Ifá.
o ato de acender vela, espere que a queima se dê por 5 - Liberte-se da idéia de corromper o òrìçà através
completo para depois deixar o local. da quantidade usada na oferenda, rnas pense em
fazer a oferenda priorizando a qualidade do material
Outras práticas muito comuns, como por exemplo,
empregado e do sentimento que lhe invade no momento
acender velas dentro de casapara espíritos de familiares
de fazer e/ou entregar a oferenda.
mortos, para aiyekuru, "òrìsà" ou mesmo "santos
Católicos" terminam por atrair espíritos esmolares 6 - Nas oferendas realizadas na natureza como rios,
sofredores que, inconformados com a sua atual cachoeiras, rnar, pode ser utilizados' obi, orogbo, rnel
de abelhas, óleo de dendê, açúcar, sal, osun, efun, wãjí
reaÌidade, se agregarn ao local e trazem enfermidades,
etc. em pouca quantidade, porém de boa qualidade. Não
brigas, discussões,mal-estar, aborrecimentos, etc.
Jogue nas águas doces ou salgadas, tecidos, plásticos,
Mesmo que as velas sejam acesas em cruzeiros nas garrafas etc. pois eles poluem e demoram anos para
igrejas ou nos cemitérios podem acarretar alguns ge desfazerem.
dissabores, pois alguns dessesespíritos que certamente 7 - Se você fizer oferendas de alimentos coloque-as em
se encontram nesses locais poderão acompanhá-lo por folhas de bananeira, de mamona, de couve, de peregun,
se identificarem com você. etc... tudo isso é biodegradável.
Nossos mortos necessitam de preces constantes dentro I - Não quebre garrafas, pratos, tigelas em nenhum
da religião que seguimos e quanto aos nossos òrìsà eles lugar, porque alguém ou você mesmo poderá acidentar-
não precisam ser iluminados por velas, pois eles têm se e nesse procedimento não existe nenhum àçç.
luz própria, urna vez que são deuses. 9 - Não há necessidade de fazer grande quantidade de

20 2t
FernandezPortugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

egbo ou qualquer outra comida para oferecer ao òrìçà


ou mesmo para ser utilizado em çbe. O Autor e sua Obra
Se por determinação de òrúnmíÌá você tem que
oferendar um àmalá para $àngó, compre quiabos Quando solicitei ao Professor Fernandez Portugal
suficientes; se quiser adquirir ou ganhar uma caixa de FiÌho, que ele mesmo redigisse o que gostaria que se
publicasse a seu respeito através do título acima, ele
quiabos, use o necessário pra fazer o àmalá, o restante
dê para pessoas ou instituição de caridade. Assim você recusou, com delicadeza. Isso já era por mim esperado.
Embora, agudo em suas múltlplas e oportunas
estará fazendo justiça e obviamente $àngó agradecerá
e lhe retornará com eoisas boas. observações, é sempre muito econômico e discreto
quando o assunto é vida privada, ainda bem. Pouco
10 - Conforme determinação oracular, çbç e oferendas ou quase nada fala sobre isso. O que não se consegue
podem ser incinerados, enterrados ou espalhados sobre extrair dele em seu aspecto pessoal,o temos em grandes
a terra, cumpra as ordens de Orúnmílà, a Natureza
doses de profissionalismo, quer corno professor na
agradece.
UERÏ (Proeper), ou como primeiro e único brasileiro
Em tempo, fala-se muito em destruição da professor titular de Religiões Afro-Brasileiras e
natureza, mas confesso que nunca vi um sacerdote Tradicional Religião Yorübá, na Universidade de Havana.
afro-brasileiro empunhando uma moto-serra para Desde 1996, em ambas instituições, tem formado
derrubar árvores. Na verdade afirmo que colhemos o centenas de alunos nessa temática. Publicou mais de
que plantamos. quinze Ìivros e vinte e cinco apostilas, aÌém de ter
Se você tem outras sugestões para continuidade prestado consultoria para a TV Globo e para várias
deste trabaÌho, envie para vorubana@globo.com. produções cinematográficas no Brasil e no Exterior.
Tudo isso o credencia, sem dúvida, como uma das mais
NÃO DESTRUAA NATUREZA expressivas, contemporâneas e notáveis autoridades
acadêmicasafrobrasileiras.
É também sacerdote do Culto aos òrìçà e de Ifá,
na tradicional Religião Yorübá, dirigente do [gbç Awo,
no Rio de Janeiro. Tenho o privilégio de usufruir de
sua carismática personalidade, sua inteligência notável.
Por isso é admirado e querido pelos que o conheeem,
ooMestrett ttProfessor".
e que sempre o chamam de ou
Sem dúvida, é assim que o Brasil o reconhece quando o
assunto é Cultura Afro-Brasileira e TradicionaÌ Religião
Yorübá. Sem dúvida, é uma honra tê-lo como amigo e
poder eontar com suas publicações em nossa Editora.

O Editor

22 23
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Brevesinformes históricos sobre a oÍigem do


Sabãoda Costa

No início do sécuÌo XVI, navegadores ibéricos,


por falta de conhecimento geográfico passaram
a designar genericamente toda a costa atlântiea
ooda
africana e seu interior imediato. como Costa". e
naturalmente, tudo o que dali procedesse possuía a
mesma denominação, ou seja, seria "da Costa", e isso
não serviu apenas para o sabão, mas também outros
artigos tais como, pano (da Costa), pimenta (da Costa),
limo (da Costa), esteira (da Costa), etc.
Segundo estudos de diversos historiadores, o
sabão da Costa, era importado pelo Brasil desde o ano
de 1620. Nessa época ele era procedente de países como
Gana e Camarões e, principalmente, da Nigéria, grande
produtor. O antigo Daomé (atual, República do Benin)
e Togo, também produziam sabão,o dito da Costa, que
era trazido por escravos e seus algozes, os traficantes
de escravos.
No livro "Casa Grande e Senzala", o clássico
estudo de Gilberto Freyre, este grande erudito nos
Informa que o sabão da Costa, passou a ser vendido ao
povo em geral, no Brasil, notadamente nas ruas do Rio
de Janeiro, por escravos libertos logo após a Abolição
da Escravatura.
No Rio de Janeiro, já no século XX e
principalmente a partir dos anos 70, com a chegada

25
FernandezPortugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

rnassiva de estudantes nigerianos que aqui vieram


para estudar em diversas Universidades, iniciou- os YoRÜnÁ
se um intenso comércio, não só do sabão da Costa,
como também de muitos outros artigos religiosos. O Breve Relato.
Mercadão de Madureira. sem dúvida é o maior centro Os Yorübá são, sem dúvida, a etnia africana
difusor. No Brasil no início dos anos 70, poucas eram de maior importância, não somente no Continente
as lojas que o tinham para venda. Devido às suas Afrieano, mas também fora dele, em função de sua
propriedades medicinais, terapêuticas e religiosas, seu notória e longeva contribuição na diáspora negra.
uso tornou-se mais intenso. Muitos autores já se dispuseram a escrever sobre eles, e
Mas é bom saber, e estar alerta, pois alguns com propriedade em nossa Bibliografia citamos muitos
africanos em conluio com alguns comerciantes deles. Certamente muitos dessesestudos ampliarão os
inescrupulosos misturam sabão da Costa legítimo com conhecimentos do Leitor acerea desse povo.
um outro, que é tido como sabão da Costa, porém é Sem dúvida seu maior legado é o transcendente
inferior ao original, embora também seja vendido em proeesso de transculturação através do Culto dos òrìçà.
larga escala.Nos grandes mercados africanos podemos Quando neles se fala, estamos falando dos Yorübá. Não
encontrá-Ìo geralmente envolto em folhas de bananeira csta claro ainda, na historiografia brasileira e em novos
ou até em pequenas bolas de 100 gramas envoltas em estudos antropológicos, os quadros sinóticos que traçam
plástico. É o e velho sabão da Costa! glmilitudes entre os òrìçà, Vodun e N'Kice. Ainda está
-""-o por se fazer um grande inquérito com ajuda sistemática
de diversas ciências para um esclarecimento maior a
respeito de tais similitudes. Em verdade foram e são
os Yorübá que deram todo o modelo, e toda a infra
Qgtrutura, para a montagem do que se chama hoje no
Brasil de Candomblé. Todo o simbolismo, o lendário e
ü parte material de fixação de forças preter naturais
dttas Òrìçà, através dos Ojubg ou Ajob9, são na verdade
engenhosas e inteligentes justaposições, mas do que
provados e comprovados por seu uso religioso. Não
é propósito deste trabalho desenvolvido em breves

26 27
FernandezPortugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

linhas, aprofundar neste tema, rnas este é apenas um


dos muitos aspectos que justificam nosso trabalho' Sabãoda Costa:princípios/ uso e propÍiedades

Contexto geogÍáfico Algumas considerações,


Sabãoda Costa, oçç dudu em Yorübá, literalmente
Geograficamente, os Yorübá ocupam uma rabão negro (leia o capítulo referente à orígem do sabão
grande parte da Nigéria, no sudoeste do país, e em da costa). òçé Dudu é um sabão negro, consistente,
menores proporções, urna parte do Togo e da República de origem africana, comum em todos os mercados
do Benin (o antigo Daomé). Sua influência estendeu-se populares em diversos países africanos, os originais
também para além do baixo Niger em direção ao Norte, $o feitos de forma artesanal, com gordura animal;
adentrando o território Nupé. Predorninanternente d pastoso e faz bastante espuma, pode ser associadoa
pertencem aos estados de Ogun, Oyç' Ondo, kwara crvas secas,especiarias, azeites, óleos, pós de vegetais,
e Lagos, na Nigéria, onde convivem corn diversos minerais, ossosde diversos animais, sangue de animais,
grupos étnicos como: onang, botawa, edo, efik, fulani, cnfim uma infinidade de elementos que os BabaÌawo
lonsa, idoma, igbiro, ibibio, ibo, igala, igbo, igbomina, utilizam para as mais distintas finalidades. Como toda
kanuri, nupe e tiv' Cada urn desses
ijaw, ijg, itsekiri, arte mágica, ao preparar o òçé dudu temos que ter
e sisternas
Srupos tem sua própria língua, costurnes culdado ao misturar os ingredientes para que possamos
de administração tradicionaÌ. Destes Srupos citados, alcançar os melhores resultados, devemos com atenção
os mais numerosos são os hausa, os yorübá e os ibo. conhecer previamente a potência de cada eÌemento,
A conquista daomeana de parte das terras yorübá para então sabermos que reunidas produzirão os efeitos
favoreceu a miscigenação entre os Srupos yorübá e fon, desejados.Para esses resuÌtados que esperamos, não é
tornand.o-se pouco nítlda a linha divisória entre eles. tuficiente apenas misturar os elementos. Todo sabão
Os yorübá associam-se em sub-grupos [gba, Egbado, preparado só atingirá seu objetivo se for, após sua
Qyç, Ijça, Ijçbu, Ifç, Ondo, IÌçrin e Ibadan etc' flnalização, imantado pela poderosa energia do òrìçà
que você deseja, o Asç. A observâneia da luz soÌar e
da energia Ìunar fazern a diferença. Ao prepararrnos
o oSç dudu, devemos seguir as indicações como dia,
hora, etc, pois ao obedecermos as indicações estaremos
contribuindo e muito com o sucesso na realização da

28 29
FernandezPortugal Filho U,soMágico e Terapêutico do Sabão da Costa

\
finalidade a que se destina. A responsabilidade não é Oçé Dudu para todos os fins
só do oficiante, mas também do usuário, que deverá
seguir as determinações do oficiante quanto ao dia, | - Oçé Dudu Lustral
hora, mentalização etc. Tanto o oficiante quanto o
lìlnoljç[ede' Limpeza astral da pessoa, eliminando a presença
usuário no momento do preparo e do uso, devem ter em rlr. lnrvas astrais que estão provocando inúmeros prejuízos.
mente o que querem reaÌizar através dessa magia. Evite
Ma!çrtgl-Neggqqér&'
preparar o oçç dudu, aborrecido, magoado, preocupado, - 100 gramas de òçi dudu
irritado, pois se assim o fizer, estará impregnando- - I panela de ferro ou de barro
- Folhas frescas de,
se com sentimentos inferiores. A certeza de que irá - Abre caminho
conseguir seus objetivos ao tomar o banho com o sabão - Pitanga
- Vence demanda
preparado é fator por demais importante. Use para - Desata nó
cada banho um pedaço de bucha vegetal nova ou palha - Sal marinho
- Cânfora. ralada
da Costa, e urn pouco de òçf dudu distribuído sobre ela. - Cascade mangueira
Após o banho o mesmo é despachado no lixo ou em local - I cabaça, pequena, com tampa

previamente determinado por Ifá. Ao banhar-se, pense


!úodo de Fazer
somente no objetivo a ser aleançado, mentalmente se 'l'orrar na panela de ferro as folhas e a casca de rnangueira,
revista com a poderosa energia contida no sabão.Evite ptlar e peneirar. Acrescentar ao pó obtido o sal e a cânfora,
mlsturando imediatamente ao òçé dudu, para formar uma
comentários posteriores ao uso. O oficiante atento pasta consistente e homogênea. Acondicionar o òçé dudu
deve, através de Ifá, verificar se haverá necessidade tta cabaça.
de algum ebç antes de começar a usar o oçç dudu, pois
Dle' 2a. feira
se houver alguma energia negativa impedirá que o Hora' 24,00hs
usuário consiga alcançar seus objetivos. [,ua' minguante
Oflciante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Faça e utilize o oÇç dudu, acreditando que
Local' figbi e residência
conseguirá o que deseja, na proporção exata do seu
mérito. ObservaÇão,
A pessoa deve tomar banho com este preparado sete dias
E meu desejo consecutivos.
Fraternalmente. Os banhos devem ser tomados à noite, antes de deitar-se
para o repouso noturno.
Fernandez Portugal Filho Não utilizar nenhum outro sabão que não seja este.
Não utilizar no período menstrual.

30 3l
FernandezPortusal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

2 - Oçé Dudu Lustral 3 - Oçé Dudu Lustral


Finalidade' Fortalecer uma pessoa vitimada por magi a l.inalidade' Através deste òç{ dudu será eliminada magia
maléfica e que teve a sua parte óssea atingida provocando- rnaléfica que provocou coceiras no corpo de uma pessoa.
lhe dores.
Material Necessário,
Material Necessário, - Oçé dudu
- 100 gramas de òçÇ dudu - Folhas frescas de,
- I panela de ferro ou de barro - Hortelã
- Folhas frescas de' - Tr apoer aba ( olho de Sant a Luzia)
- Malva - Alho. socado
- AceÌga - Cebola, ralada
- Couve - Oleo de gergelim
- Nabo - Oleo de dendê
- Uma cabeçade peixe - Mel de abelhas, puro
- Cascas de amêndoas do dendê - Pote de barro
- I cabaça, pequena, com tampa
:ds-de-Eszer
!4=
Modo de Fazer, Pllar as folhas e retirar o sumo. A este misturar o alho
Torrar na panela de ferro de barro as folhas, a cabeça de ãocado,a cebola, o óleo de gergelim, óleo de dendê e o mel de
peixe e a casca até conseguir obter um pó. Peneirá-lo e abelhas. Depois de bem misturado ao òçf dudu, guarnecê-lo no
misturá-lo ao òçé dudu, acondicioná-lo na cabacinha, deixando pote de barro, deixando-o repousar por 24 horas aos pés do
por 48 horas aos pés do Ajçbq òçún. Após esse tempo, usar OJubg Obaluaiye. Após esse tempo tomar banho diariamente,
para tomar banho às 2as., 4as. e 6as. feiras até o preparado pela manhã, em jejum, até o preparado acabar.
terminar. O horário melhor é o noturno.
Dla' 2a. f eir a
Dia, 2a.. 4a. e 6a. feira Hore' à noite (para fazer)
Hora, 24,00hs l.un, minguante
Lua' nova Ofieiante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Oficiante, BàbáIàwó, Bàbálòrìçà, IyáIòrìçà Local' igbf, Ojubç Obaluaiye e residência
Local' fgbÇ e residência
Qb-sçrveção,
Observacão' A pessoa deve passar por um çbg KòsípáÌárà, antes da
Verificar se não é necessário que a pessoa passe por urn aequônciade banhos. Mesmo com essetratamento alternativo
Kòsípàlárà antes de começar a sequência de banhos. é bom que a pessoaprocure tratamento alopata ou homeopata.
E muito importante a imantação do sabão preparado com as linquanto estiver usando o òçé dudu, tomar chá de hortelã
I
Aduras do Orìçà da pessoa. três vezes ao dia e não tomar banho de soÌ.

)z 33
FernandezPortugal Filho ( lrc Mágico e Terapêuticodo Sabão da Costa

tl
4 - Oçé Dudu Lustral Oçt' Dudu Lustral

Finalidade' l'trr,rlitlade, Através deste òç{ dudu, a pessoa que lida com
Este òçf dudu eliminará dores do corpo de uma pessoa v"lrrlrrs se encantará e fará com que as mesmas aumentem,
provocadas por energia negativa absorvidas através do lrrl:i (lrrem for comprar não conseguirá dizer não.
tipo de trabalho que a pessoa realiza, tais como massagem,
assistência a enfermos, contato com ambientes de astral M,JI e r'! qll\Ieçessér-&,
negativo, por exemplo' polícia, hospital, cemitério, fórum, ( )6rj d udu
e tc . I'r.r'fume que a pessoa usa
llrrspade cana de açúcar
Matelial Necessário, Snl rnarinho
- Oçé dudu | ,rlo de folha de bananeira
( iengibr e, r alado
- Sumo de folhas de,
- Malva l, or r r o m oí do
- Salsa Mt.l de abelhas
'lnr : ho de cobr e
, - Agrião
- Oleo de cravo da India I frango vermelho
- Essência de orégano lìniz de pimenta, ralada
- Pimentão verde. raÌado {)gá, piÌado
- Pote de ferro
Mr=rrlode Fazer'
Modo de Fazer' Mlsturar ao òçÇ dudu os itens, por úItimo, passar o frango
Misturar ao òçé dudu o sumo das folhas, o óleo de cravinho, vrt'melho na cabeçada pessoapara que possafazer os pedidos
essência de orégano e o pimentão ralado. Deixar o òçÇ dudu rr.lntivos a vendas e sacrificá-Io no Ojubg Ogún e também
acondicionado no pote de ferro, na casade Èçü por 21 horas. aobre o òçé dudu. Voltar a misturar tudo e acondicionar no
Em seguida tomar banho à meia-noite corrÌ o òçi dudu às Inclro de cobre. Usá-Ìo às 3as. e Sas.feiras, mentalizando que
2as.,4as. e 6as. feiras. No dia que tomar o banho usar roupa qH pessoasa procurem para comprar em suas mãos.
branca para dormir.
l)ttr, 2as. ou 4as. feiras
Dia, 2as. feiras llot 'a, à noit e
Hora, à noite l, un, cr escent e
( )fleiante' BàbáÌàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Lua' nova
Oficiante' Bàbálàwó,.Bàbálòrìsà, Iyálòrìçà !,ocnl, igb{, Ojubg ògún e residência
Local, Égbé, casa de Èçü e residência
Q=l-rservação,
Observacão' l't'eparar o frango como quiser e oferecê-lo a três mendigos.
Enquanto a pessoa estiver tomando o banho, abster-se de Nos dias que usar o òç{ dudu não usar roupa de cor preta.
carne de porco e bebida alcoólica. Nno usá-lo no período menstrual.
Não usá-lo no período menstrual.

JJ
Fernandez Portugal Filho Uso Mágìco e Terapêutico do Sabão da Costa

6 - Oçé Dudu para Atrair Sorte 7 - Oçé Dudu para Conseguir Bens
F i n a l i d a d e , E ste òçé dudu tornará a pessoa que usa- lilrral.idade,Este òç{ dudu irá proporcionar ao usuário abertura
l o ma g n e ti z a da, atrai ndo para si sorte. di nhei ro. de caminho que facilitará a compra de bens materiais.
prosperidade.
Matgr!qll[eges!érrq'
Material Necessário, - ôçé dudu
- Folhas frescas de,
- 4 gemas de ovos de galinha - Tamareira
- Sal marinho - Cálamo
- Pó de ouro - Baobá
- Canela em pó . - Romã, iroko, ou cajazeira
- Iyèròsün - Ól"o de girassol
- Folha, pilada de - Ôleo de semente de uva
- Quaresmeira - Raiz de ginseng, ralada
- Akoko - Raiz de pimenteira, raÌada
- Iroko - Endro, pilado
- Um chifre bovino r Cominho, em pó
- Osun
Modo de Fazer' - v/ãji
Misturar ao òçé dudu os itens relacionados, acondicioná-lo no - Alguidar ou cabaça
chifre, deixá-lo fincado aos pés do Ojubq Odç por 48 horas.
Tomar banho às Sas. feiras com o òçé dudu, à meia-noite. &d-qiç-Eszgr'
Após tomar o banho, comer I ovo de galinha cozido com Mlsturar ao òçé dudu as folhas quinadas, as raízes raladas,
um poueo de sal e óleo de dendê. o endro, o cominho e os óleos. Acondicionar no alguidar,
elelxá-lo aos pés do Ojubq Oçun durante o dia e à noite
D i a ' Sa s . fe i ra s cxpô-lo à energia da Ìua crescente, pelo período de 5 dias.
Hora, 24'00hs Quando começar a usar o òçé dudu, deverá fazer uma cesta
L u a tc re s c e n te de frutas e oferendá-la num local onde existam moradores
Oficiante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, IyáÌòrìçà de rua ou levá-las a uma instituição de caridade. Proceder da
Local' Égbé, Ojulq Odç e residência ltÌesma forma no último banho que tornar. Antes de tomar
o banho colocar um pouco de mel de abelhas na mão direita,
Observação' Flentalizar o que deseja e lamber o mel, esfregar as mãos e
Caso a pessoa tenha rejeição ao óleo de dendê, substituí-lo parsá-lasna cabeça.
por azeite de oliva. Não tomar banho com o òçé dudu se
algurnas horas antes tenha tido aborrecimentos. Dla' 3as. e Sas.f eir as
Não usá-lo no período menstrual. Hor a' 24'00hs
Lua' crescente
Õflciante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Loeal' Égbé, Ojubq Oçun e residência

36 37
Fernandez Portusal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Observacão, t llr r r r vação'


As frutas devem ser da preferência da pessoa lorrr,rr banho com òç{ dudu mastigando 7 grãos de atare,
r r r r r r lalizandoo que deseja,depois cuspir no t er npo.

I - Oçé Dudu para Abertura de Caminho l, Oçf Dudu para Atrair Dinheiro

Finalidade, Este òçé dudu proporcionará ao usuário abertura l;ltrnlidade, Através deste preparado o usuário terá mais
de caminho para que encontre rapidamente emprego. Frrctlidadeem conseguir dinheiro para resolver uma situação
per r t lent e.
Matefial Necessário'
- Oçé dudu Mn teFs!-l!eçesEé4q,
- 1 panela de femo, de barro ou de pedra sabão
Psédudu
- Folhas frescas de, lyèròsün
- Milho Folhas frescas de,
- Batata-doce - Beldroega
- Mandioca * Araticum da areia ou erva doce
- Inhame * MaraviÌha
- Mel de abelhas - Malva
- Arroz agulha Açúcar mascavo
- Essência de cedro Sal
- Cabaça, pequena, com tampa Óteo de dendê
- 21 grãos da atare, moídos Canela, en,'tpó
- Osun Cravo da India, em pó
- $/ãjí Raiz de planta que nasceu no meio de pedras
- 1 galo vermelho Açafrão, em pó
- 2 penas de galo vermelho Tacho de cobre
Bacia de ágata
Modo de Fazer' tJma galinha vermelha
Sacrificar o galo no Ojubq Ogún, retirar a cabeça e a pena
maior de cada asa, colocar na panela de ferro junto com as Morlo de Fazer'
folhas, o mel, o arroz, os grãos de atare, levar ao fogo e llelxor as folhas na bacia de ágata com um pouco de água de
torrar até virar pó. Misturar o pó ao òçi dudu, acrescentar r'lo [)or uma noite sob a energia da lua crescente, durante o
osun, wãjí e a essência de cedro, misturando sernpre para rlla rnanter a bacia na Casade Eçü. Após essetempo, macerar
formar massa homogênea. Acondicionar o òç{ dudu na cabaça. aa í'olhas, retirar o bagaço e torrá-lo até obter um pó fino,
Usá-lo todos os dias para tomar banho em jejum. l'FãFl'var o resultado da maceração. Juntar ao pó obtido,
rttstlcmais ingredientes, incÌusive o òçi dudu, rnisturando
Dia, 3as. feira lrrrllo bem até que a massa fique homogênea. Ern seguida
Hora' à noite ar,orrrlicionaro preparado no tacho de cobre. Passar a galinha
L u a ' c re s c e n te !rr, ('ot-po da pessoa,sacrificá-la no Ojubq Qya, sem decepar
Oficiante, BàbáIàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà e r'nlreçada ave, dividi-la ern nove pedaços,embrulhá-los em
Local,ÉSbé, Ojulq ògún e residência Jnt'nrrl separadamente. Tornar banho com o òç{ dudu, sair

38 39
Fernandez Porïusal Filho I /,vt Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

coÌn os nove pacotes, despachando-os em 9 encruzilhadas, f . r r r . os quiabos, as f olhas de ir oko, a espiga, os nós de
de uma avenida ou estrada que tenha muito comércio. Ao r',r!ir. () í'eijão vermelho e óleo de dendê até obter pó. A este
voltar para casaou Ègbé tornar outro banho corn o òçé dudu pr iu'r'(':i('entaras favas raladas, a raspa de edun ara e o çjç
e a água onde foram maceradas as folhas. Tomar o banho , ll lr or r r bobr anco, m ist ur ando bem , adicionar o òçé dudu,
durante nove dias seguidos às 2l horas, usando sempre roupa nrll:lriiu' até conseguir que fique uma massa homogênea.
limpa e de cores variadas. Arurrlicionar no casco de ajapá e deixar aos pés do Ojubg
l.ràtrgri Preparar o pombo como a pessoa preferir, comê-lo
Dia, 4as. feira aettlnrla sobre uma esteira, rnentalizando o que deseja, em
H o ra ' 2 1 ,0 0 h s ae;:tricla "limpar" as mãos no próprio eorpo, começando
L u a ' c re s c e n te pe-los1rés,terminando na cabeça.Dorrnir dessejeito. No dia
Oficiante, BàbáIàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà eepttittte em jejum, tomar banho corn o òçé dudu, vestir
Local' Égbé, en"ruzilhada e residência I urtlros limpas e sair. Os ossos do pombo, são despachados
attr pris de uma árvore frondosa na mata.

10 - Oçé Dudu para Ser Vitorioso Num Processo llle, :las. feiras
Judicial lLr r n, 2, Í '00hs
l. un, er escent e
Finalidade' O usuário envolvido num processo judicial, ao f lfl(,lnnte: Bàbátàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
usar este òçé dudu poderá livrar-se e sagrar-se vitorioso. 1,,,,'ul,Égbé, jardirn e residência

Material Necessário,
--:õ#
d"d" ll - Oçé Dudu para Reverter Urna Situação
- I panela de ferro, de barro ou de pedra sabão
- I espiga de milho, começando a nascer liltrnlidade' Através deste òç{ dudu, o usuário conseguirá
- 7 nós de cana de aÇúcar l'evet'ter uma situação contrária, sagrando-se vencedor.
- I punhado de feijão vermelho
- Folhas de iroko
- 6 quiabos, secos, retirados do Ojubq $àngó Meler.ial Necessário'
Oç{ dudu
- Raspa de edun ara
I agogo de uma boca
- 1 fava de alibé, ralada
t galo vermelho
- 1 fava de aridan. ralada
- ól"o de dendê LJma çtu
I pombo branco
- Mel de abelhas
I panela de ferro, de barro ou de pedra sabão
- 1 pombo branco
3 pinos, pequenos, de metal
- 1 casco de ajapá
2l grãos de atare
3 búzios

ri
Modo de Fazer, ll nós de cana de aÇúcar
Seis dias antes de preparar o òçi dudu, oferendar a $àngó l-ìssênciade flor de laranjeiras
os seis quiabos, depois de terem sido passadosno corpo do flor de preferência da pessoa
usuário. Durante este período dormir com as folhas de iroko punhado de semente de girassol
debaixo do travesseiro. Nos sexto dia torrar na panela de pena de cada ave

40 41
Fernandez Portusal Filho llso Mágico e Terapêuticodo Sabão da Costa

Modo de Fazer' I r'ctr'ós de linha branca


Na panela de ferro, de barro ou de pedra sabão torrar os I galo verrnelho
grãos de atare, os búzios, os nós de cana, a flor, a semente ll scmentes de dendê
de girassol e as penas das aves até virar um pó, reservá-lo. I 'r r pelveget al
( i rafite
Sacrificar o galo vermelho no Ojubq Èçü, a çtu no Ojubg ògún
( !.r-a de abelha
e o pombo no Ojubq Qbatala, separar as cabeças, torrá-las,
pilá-las até obter um pó bem fino. Misturar os pós ao òçÇ
dudu. Lavar o agogç com a essência de flor de laranjeiras, M ur lo de Fa2sr '
lur=r'nr na panela de ferro, de barro ou de pedra sabão, as
acondicionar o òç{ dudu, fincando no mesmo os três pinos.
aerrrcrrtese as folhas, até virar pó e reservar' Escrever no
Deixá-lo na casade Èçü por 24 horas. Usá-Io todos os dias para
o banho em jejum. Antes de retirar o òç{ dudu, retirar os ;rrrpelvegetal com grafite o nome da pessoa que vai facilitar
o cnrrrinho, envolver o cadeadocom este papel cobrindo todo
pinos e eolocá-lo na boca, mentalizando o que deseja, tomar
u lr,rpel com o retrós de linha vermelha, por cima deste o
o banho, depois colocá-los de volta no òç{ dudu. Como são
t'el t'tls de linha branca. Mergulhar esse cadeado fechado na
três pinos, tirar um a cada dia até o òç{ dudu acabar, mesmo
r,ern tle abelha, colocá-Io no fundo do pote. Juntar o pó
que já tenha conseguido reverter a situação a seu favor. Os
animais são servidos em Saara. ao Ìr;f dudu misturando muito bem. Dar o galo para que a
pÍ.filio{rfaça os seus pedidos, em seguida sacrificá-lo sobre o
frlf rludu, deixando cair um pouco do èié no cadeado.Voltar a
Dia, 2as. feiras
rrrlslurar o òçé dudu. Acondicioná-lo sobre o cadeadodentro
Hora, 24'00 hs
r lr r pot e ou cabaça.Tom ar banho às 2as. , 4as. e 6as. f eir as
Lua'nova
àq l)4 horas, até o cadeado aparecer. Quando isto acontecer
Oficiante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
u rlesejo da pessoa será realizado, aí então despachar tudo,
Local' Égbé, Ojulq Èçü, ògún, Qbatala e residência
errlerrando aos pés de uma árvore frondosa, perto de uma
r'nr'lrocira.O galo é servido em Saara.
12 - Oçé Dudu para Ser Atendido no que Deseja
lllr r , 2as. f eir as
Finalidade' Através deste òç$ dudu o usuário conseguirá ser llor n, 2'Í , 00 hs
atendido no que deseja fazendo com que uma pessoa facilite l. r t n, nova
{)f iciante, Bàbálàwó, BàbáIòrìçà, IyáÌòrìçà
o seu caminho.
1,,,,'nl,Égbé, mata e residência
Material Necessário'

- I panela de ferro, de barro ou de pedra sabão lil - òçé Dudu pêra Proteção
- Folhas frescas de,
- Balãozinho de velho lrltnlidgçle' Este òçé dudu protegerá o usuário contra energia
- Flor de seda t r t nlr if icaenviada por um inim igo.
- Girassol
- Papoula
M clt . liaÌ Necessár io
pote de barro ou cabaça pequena Oçé dudu
cadeado, pequeno I paneÌa de ferro, de barro ou pedra sabão
retrós de linha vermelha

/) 43
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

- Folhas frescas de' I panela de ferro, de barro ou pedra sabão


- Lótus F'olhasfrescas de,
- Narciso - Algodoeiro
- Erva de Santa Luzia - Laranja lima
- Margarida - Alfazema
- Um pequeno pedaço moído das favas' Adin (gotas)
- Aridan ' Essência de lótus
- Pixurirn Efun, ralado
- Abere Mel de abelhas
- Imburana Pote de barro
- 1 igbin
- Pote de barro ou cabaea Modg iç_Eqzçt,
l'orrar na panela de ferro as folhas, reduzindo-as a um pó
Modo de Fazer' betn fino, acrescentar a este, o efun, misturar tudo com
Torrar na panela de ferro, de barro ou de pedra sabão o igbin o òçd dudu. Adicionar, à medida que vai misturando o òçi
e as folhas frescas até obter um pó fino, acrescentar a este durlu, as gotas de adin, o mel de abelhas e a essência de
as favas raÌadas e misturar tudo ao òsé dudu' Acondicionar lótus. Acondicionar o òçé dudu no pote de barro. Deixá-lo
dentro do pote ou cabaça,deixar aos pés de Qbatala por 48 tluas noites exposto à lua nova para que receba a sua energia.
horas. Após esse tempo tomar banho, diariamente, em jejum IJanhar-se com o òçé dudu às 3as. e Sas. feiras ou sábados a
durante 7 dias. Dar um intervalo de três dias, voltar a usar trtela-noite, até o mesmo acabar.
o òpi dudu somente às 6as. feiras pela manhã ern jejum, até
o rrÌesrno acabar. ljla' 3as. feiras
llor a' 2'1, 00hs
D i a ,s á b a d o s Luo' nova
Hora, à noite f)ï'lciante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, IyáIòrìçà
Lua, último dia da fase minguante 1, , r , ', r Égbé
1, e r esidência
Oficiante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Local' Égbé, Ojubg Qbatala e residência
I li - Oçé Dudu para Aumentar Vendas Locais
Observacão,
Não utilizar no período menstrual. ltltrqlld-Cdg' criar condições positivas que atrairão pessoas e
t r âo pelm it ir ão que as m esm as saiam do local sem comprar
nada,
la - Oçé Dudu para Ter Tranquilidade
Matel'lal Necessário'
Finalidade' Este òçé dudu preparado, proporcionará ao usuário (')rd dudu
paz, tranqüiÌidade, harmonia, facilitando a sua relação com ( lonela, er n pó
outras pessoas. liolhas f r escas de'
- Melão São Caetano
Material Necessário' Cacau
--:õ#
d"d" Café

44 45
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

- Louro, em pó (lascas,raladas de,


- Búzio, em pó - Mangueira
- 2 gemas de ovos de galinha - Iroko
- Mel de abelhas - Laranja-da-terra
- Pó de prata Sal marinho
- Oleo de dendê I pombo branco
- Cabaça,pequena, com tampa (lnrvão vegetaÌ, em pó
- Agua de cachoeira wãjí
( ) sun
Modo de Fazer' l'ote de barro
Macerar as folhas com água de cachoeira (pouquíssima),
deixar descansar 24 horas. Após esse tempo acrescentar a Itt'e l r t r o das Comidas'
canela, o louro, o pó de búzio, prata, o mel de abelhas, mexer Manjericão
bem e aos poucos ir misturando tudo corn o òç{ dudu. Por Oleo de dendê
Snl
último, acrescentar as gemas e tornar a misturar tudo. ( bbola ralada
Acondicionar na cabaça,deixando 24 horas na Casa de Èçü. ( ltrmarão seco
Usar o òçf dudu diÌuído num pouco d'água, fazendo bastante
Açaf r ão
espuma, aspergir por todo local comercial começando pela ( lom inho
porta principal. Fazer este ritual todos os dias, antes dos Or.i
f uncionários chegarem. ì vèr 'òsün

Dia, 2as. feiras M t t r ln r lc Fazer ,


Hora' 24'00 hs Mlslrrrnr as folhas quinadas, as cascas das árvores raladas,
L u a ' c re s c e n te n r,srv6o, osun, wãjí e o sal, sacrificar o igbin e o pombo,
Oficiante, Bàbálàwó,.Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà ar-t'esr.t.lrtaro òçi dudu e misturar bem para que forme
Local, Égbé, casa de Èçü e local comercial luuo rnussa consistente. Acondicioná-lo, no pote de barro,
rlelxorrtlodescansarpor 12 horas no Ojubç Qbatala. Enquanto
laqor.or'lr-'ocorpo do igbin em dezesseispedaçose os prepare
16 - Oçé Dudu para Vencer Inimigo crrnr rrrunjericão e ori, sirva-os à Qbatala. O pombo também
c r,rit'lnrlo em dezesseis pedaços, incluindo coração, fígado
Finalidade, O usuário desta rnagia criará ao seu redor uma c rrrtrrln, preparando com óÌeo de dendê, sal, cebola raÌada,
corrente positiva que irá torná-lo grande diante do seu r,crrrar-dro seco, ìyèròsün, açafrão, cominho e manjerícão para
inimigo, facilitando assim sua vitória. a lreris(,Hcomê-lo com as mãos; quando terminar, esfregar
ãã llrÊtoFi, passá-lasna cabeça, no plexo solar e sola dos pés,
Material Necessário' ãÍ €rtalo tleitar-se, aguardando a hora para usar o òçé dudu.
- OçÇ dudu I.rrrer' ori ossos do pombo, piÌá-los e peneirar até obter um
- I igbin prd herrr fino, adicionando-o ao perfume de preferência da
- Folhas frescas de, r,r.
- Beldroega PFãHí
- Vence-demanda
llla l, og í 'cir as
- Pitanga

46 47
Fernandez Portusal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Hora, 06,00 hs aerr'lficar em louvor a Bàbá Arabuina, deixando que caia sobre
Luat nova rr irlf dudu um pouco do çjç. Voltar a misturar novamente o
Oficiante: Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, IyáÌòrìçà fiç{ rludu, acondicionando-o na cabaça.Tomar banho às 2as. e
Local, ÉSbé e residência ber. feiras até o preparado acabar. Estes banhos devem ser
tqrnados à noite antes de dormir.
Observação'
Usar o òçf dudu três vezes na semana, sempre de manhã, Dla' 2as. ou 6as. feiras
em jejum. Todas as vezes que usar o òç{ dudu, deve usar Hola: à noite
também o perfume. Lua, crescente. cheia ou nova
Não usar no período menstrual.
Oflciante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
l, ocal' igbi e r esidência

17 - Oçé Dudu para Eliminar o Azar


&ggtvgçõq'
O corpo do galo é despachado na mata.
Finalidade, Esta magia tem como objetivo eliminar da vida Nto utilizar no período menstrual.
uma pessoa, vítima de magia maÌéfica, o azar, a má-sorte,
contrariedades e dissabores, fazendo corn que a pessoa volte
a ser feliz. I S - Oçé Dudu para Faeilitar Uma Conquista
Amorosa
Material Necessário,
--:õÇé
d"d"
- I panela de ferro, de barro ou pedra sabão Rnalidade, Através desta magia o usuário se fará notar
- Folhas frescas de, pela pessoa que quer e a conquistará corn rnais facilidade.
* AÌfavaca Ë necessário que haja um conhecimento anterior entre as
- Limo da costa PeÉsoas.
- Caruru verde
- Araticum Material Necessário,
- Sal marinho - Oçé dudu
- 1 galo branco - Cloaca de galinha
- Osun - Folhas frescas de,
- Efun, em pó - Amor agarradinho
- v/ãjí - Erva de Santa Luzia
- Cabaça,com tampa - Vassourinha de Nossa Senhora
- Cânfora, ralada - Canela em pó
- Casca de laranja da terra - Folha do fogo
- Iyèròsün
Modo de Fazer, - Essência de verbena
Torrar na panela de ferro, de barro ou de pedra sabão, as - Cabaça,com tampa
folhas, a casca de laranja da terra até obter um pó, a este - Mel de abelhas
* ól.o de dendê
acrescentar o sal, a cânfora e o òçé dudu. Misturar muito
- Noz moscada, em pó
bem. Dar o gaÌo para a pessoa fazer os seus pedidos e o

lli 48 49
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Modo de Fazer,
Morlo de Fazer,
Pilar as folhas frescas, a cÌoaca de galinha, acrescentar o lol'r'or as folhas, a batata de Narcizo, as pétalas com um
ìyèròsün, a noz moscada, o mel de abelhas, o óleo de dendê
;iorrco de mel, até virar pó. Misturar esse pó ao òçé dudu,
e misturar ao òçé dudu. Adicionar a essência de verbena. ear,r'lficar a ave, conforme o sexo do usuário, deixando que
Misturar novamente o òç{ dudu. Acondicionar na cabaça, o qlç caia no fundo da cabaça e sobre o òç{ dudu, voltar a
deixando por 24 horas no Ojubg Oçun. Após esse tempo, rnlslurá-lo, acondicionando-o na cabaça. Deixá-la três dias
usar o preparado para tomar banho às 3as., 5as. e aos sábados rllerrte do Ojubq Oçun. Tomar banho com o òçf dudu três
ao nascer do sol, imaginando sendo admirado pela pessoa e vezes por semana, nos dias que mais gostar, antes do sol
chamando o nome dela cinco vezes. nãs('er e em jejum.

Dia' 3as. e Sas. feira l)le' conforme a necessidade


Hora, à noite FJot'a,à noite
Lua, nova ou crescente t ua, cheia
Oficiante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà f.)flelante, Bàbálàwó, BàbáÌòrìçà, IyáIòrìçà
Local' ÉSbé, Ojubg Oçun e residência to,:nl' Égbé, Ojubq Oçun e residência

19 - Oçé Dudu para Atrair Simpatia 20 - Oçé Dudu para se Proteger de Um Local
Perigoso
Finalidade, Ao usar esta magia a pessoa terá mais facilidade
em atrair outras pessoas e estas passarão a vê-la com grande
flnalldade' O usuário criará ao seu redor uma força mágica
simpatia.
qrte o protegerá se tiver que visitar ou trabalhar num local
per'lgoso, não deixando que seja alvo de violência física.
Material Necessário'
- Oç{ dudu
- 1 panela de ferro, de barro ou pedra sabão Matel!al Necessário'
Oç{ dudu
- Folhas frescas de,
I panela de ferro, de barro ou pedra sabão
- Oçibata
lrolhas frescas de,
- Jitirana
- Araticum
- Narcizo
- Alfavaca
- Pétalas das flores de'
- Pinhão branco
- Rosa vermelha * Inhame
- Jasmim . I obi. ralado
- Angélica
- | orogbo, raÌado
- girassol
2lkodide
- Batata do Narcizo
I galo verrnelho
- Mel de abelhas
- Efun, ralado - []ouro de cabrito (pedaço pequeno)
: (=lhlfre ou agoge de I boca
- I pombo ou I codorna (homem/mulher)
- Cabaça,com tampa

50 51
Fernandez P ortugal Filho I ln Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

Modo de Fazer, !{sdl tl,' linzeÌ-'


Moer as folhas. Oferendar o galo vermelho a Èçü. Cortar Mietttt'nr oo òçi dudu todos os itens solicitados. Acondicionar
a cabeça da ave, tirar coração, moela, fígado e pulmão e os ã nllqlurn no pote de barro. Usar o òçé dudu para tomar banho
ikodidç, torrar tudo até virar pó. Juntar as foÌhas moídas, 3 verrrs no dia, por urna semana, de manhã e à noite.
o pó e os frutos ralados ao òçé dudu, misturar tudo muito
bem. Passar o pedaço de couro do cabrito no corpo da pessoa, Elai eotrforme a necessidade
com ele forrar a cabaça onde será acondicionado o òçi dudu. Het'a, à noite
Deixá-la por três dias no Ojubq Eçü. Usar este preparado, LUa' preferência, Lua Minguante
pela manhã, antes de ir para o local de perigo. ãflelante, Bàbálàwó, BàbáIòrìçà, Iyálòrìçà
l, onal' {gbi e r esidência
Dia, conforme a necessidade
Hora, à noite Q$Lervesõe'
L u a ,n o v a E bom que o oficiante faça um kòsípàlárà antes de começar
Oficiante, BàbáÌàwó, Bàbálòrìçà, IyáIòrìçà er batthos na pessoa.
Local, ÉSbé, Ojulç Èçü e residência Não utlltzar no período menstrual.

Observacão'
O galo é despachado numa encruzilhada de terra. O couro 2? - Òçé Dudu para Dar Vitalidade a Uma Pessoa
deve ser de cabrito oferendado a Eçü.
Não utilizar no período menstrual. Ebdldad"' Este preparado irá vitalizar urna pessoa que está
Eltremamente cansada física e mentalmente por ter sofrido
p€rdas.
21 - Oçé Dudu para Eliminar Magia Negativa
&Ëlgl-Nqçssqório'
Finalidade, Este òç{ dudu tem a propriedade de eliminar - Oçédudu
magia maléfica que provocou uma sequência de vômitos : I panela de ferro, de barro ou pedra sabão
numa Pessoa. - Folhas frescas de'
- Agrião
Matefial Necessário, - Alecrim
- Oçé dudu - Alfafa
- Raiz de bardana, ralada - Beterraba
- Casca de abacateiro, ralada - Cana do brejo
= Semente moídas de,
- Semente de maracujá, moída
- Endro, moído - Gergelim
- Essência de hortelã - Girassol
= - Grãos de trigo germinado
- Casca de jenipapeiro, moída
= Ól"o de dendê
- Pote de barro
= O sun
=wãJí
Enxof r e, em pó
= 2l grãos de atare, moídos

52 53

rA
Fernandez Portugal Filho IJso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Modo de Fazer' l'lt'trtitt' uma massa homogênea. Deixar o òçf dudu na cabaça'
Quinar as folhas com pouquíssima água, acrescentar as i diante do O;uI9 Èçü' por urna noite' Usá-Ìo para
-;rou:ritndo
sementes moídas, os grãos de atare, osun, wãjí, óleo de lávrrl' rosto, três vezes por semana, pela manhã em jejum'
í)
dendê e os grãos de trigo germinado, deixando dois dias Nãrr rttxugar o rosto, deixar que seque naturalmente'
no tempo para energizar-se através do sol e da lua. No
terceiro dia, antes do sol nascer, acrescentar um pouquinho lllc cotrforme a necessidade
de enxofre ao òçé dudu, misturar bem, acondicioná-lo no f lnt =n,h noit e
pote de ferro. Tomar três banhos seguidos, começando no I t t o Nova
dia em que preparou o òç{ dudu. Após esses três dias, dar ( lf rt.irrnte:Bàbálàwó, BàbáÌòrìçà, Iyálòrìçà
um intervalo de dois dias, voltar a usá-Ìo por três dias e lor.nl, Çgbf, Ojubg Èçü e residência
depois apenas uma vez por semana, no dia que rnelhor lhe
convier, de preferência no período noturno. ( lbrervação'
t'{sç 1 úr*. prefira, pode també6 lavar o rosto rneia hora
Dia, 2as. feiras ar r lr s da pr át ica.
Hora, antes do sol nascer
Lua, minguante
Oficiante, BàbáÌàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà ?4 Oçé Dudu para AealPaa Uma Criança
Local, ÉSbé e residência
!;ltrolldade' A principal função deste òçf dudu é acalmar
rriltn criança que não consegue dormir à noite devido ter
23 - Oçé Dudu para Melhorar a Visão lroasntltlpor susto, perd.ido uma pessoa,
ou sofrido alterações
rle rlrergia em casa.
Finalidade, Este òçé dudu é indicado para as pessoas que
praticam jogos adivinhatórios e se sentem com a visão M a! er lal Necessár io'
cansada. Oç{ dudu
t cabaça, com tarnpa
Material Necessário' lrolhas quinadas de:
- Oçédudu - Alfavaca
- Semente de abóbora - Alface
- Cascade abóbora - Algodão
- Raiz de beterraba iì dentes de alho. moídos
- ól"o de d"endê l.ifun. ralado
- Raspa de casca de limão . (lanfora. ralada
- Cascade manga I igbin
- Flores de sabugueiro
- Cabaça, com tarnpa ltutltr de Fazer,
dudu. Acrescentar a essa
QUllrtrr as folhas, misturá-las ao òçé
Modo de Fazer nllËlut'a o alho, o çfun, a cânfora e o çiç do igbin' Voltar
Torrar os ingredientes, menos a raspa de limão, até virar e r r r lst ur ar t udo. acondicionando o òçé dudu na cabaça.
pó. Misturar o pó obtido, a raspa de ìimão e o òçf dudu até lìelxá la por duas noites diante do Oiubq Qbatala' Após esse

< /t 55
Fernandez Portusal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

tempo, banhar a criança com o preparado duas horas antes pó é misturado ao òçé dudu juntamente com um pouco de
de deitar-se para dorrnir à noite. E bom que a criança após óleo de dendê, mel de abelhas, canela, em pó e essência de
o banho use roupas limpas e claras. verbena, acondicionar na cabaça e deixar por 24 horas na
Casade Èçü. Após esse tempo, tomar banho com o òçé dudu
Dia' conforme a necessidade até conquistar a pessoa, depois usar somente às 2as. feiras
Hora, à noite até o òçé dudu acabar.
L u a ,mi n g u a n te
Oficiante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà Dia, 2as. feiras
LocaÌ, ÉSbé, Ojulq Qbatala e residência Hora' à noite
Lua, cheia, nova ou crescente
Observacão, Oficiante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Este banho pode ser usado por um iyawo que está recolhido Local, [gbf, Casa de Èçü e residência
e se mostra alterado.
Observacão'
Os banhos devem ser tomados, ern jejum, antes do nascer
25 - Oçé Dudu para Conquista Afetiva do soÌ.
Não utilizar no período menstrual.
Finalidade'Este òçé dudu magnetizará uma pessoa,tornando-a
atraente, para que conquiste afetivamente uma pessoa.
26 - Oçé Dudu para Melhoria Financeira
Matefial Necessário,
- Oç{ dudu Finalidade' Este òçé dudu preparado proporcionará ao usuário
- I panela de ferro, de barro ou pedra sabão melhores condições financeiras para cumprir com seus
- I casal de perdizes compromissos.
- Oleo de dendê
- Mel de abelhas
Material Necessário'
--:õ#
- I castanha de caju
d"d"
- Sementes de romã
- Sumo de folha da fortuna
- Sementes de jaca
- Nozes, rnoídas
- Gengibre ralado
- Semente de girassol, moída
- Canela em pó
- Canela, em pó
- Dandá da costa
- Oleo de dendê
Essência de verbena - 14 grãos de atare, moídos
I cabaça,com tampa - Salsa,moída
- Cravo da India, em pó
Modo de Fazer, - Cabaça, com tampa
Dar ao casal de perdizes os nomes das duas pessoas.Alimentá-
los com comidas doces, pelo menos três dias antes de realizar Modo de Fazer'
o trabalho. No úItimo dia, à noite, torrar na panela de Misturar todos os ingredientes, acondicionar na cabaça
ferro, até virar pó, as sementes, o gengibre, a castanha de e deixar no tempo para receber a energia da fase lunar
caju, o dandá da Costa, o ejç e as cabeças das perdizes. Este crescente por 3 dias. Após esse tempo usar o òçÇ dudu para

56 57
Fernandez Portusal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

banho, somente às 4as. feiras, à meia-noite. A bucha que usou l)ia' conforme a neeessidade
no banho é enterrada aos pés de uma planta bem bonita. Hora, antes do sol nascer
Lua' menos na Lua Minguante
D i a ,D o m i n g o Oficiante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Hora, 24'00 hs Local' Égbé, Casa de Èçü e residência
L u a tc re s c e n te
Oficiante, Bàbálàwó, BàbáÌòrìçà, Iyálòrìçà
Local, ÉSbç e residência 28 - Oçé Dudu para Atração Amorosa

Observacão, Finalidade' Este òçé dudu fará com que o usuário se torne
Não utilizar no período menstrual. um imã e atraía a pessoa que deseja ter ao seu lado. Esta
magia também tem o poder de atrair coisas boas para quem
o usa.
27 - Oçç Dudu para Abertura de Caminho
Material Necessário'
Finalidade' Através deste preparo, o usuário terá os seus - Osé dudu
caminhos livres, conquistando assim melhores condições de Mel de abelhas
vida, atraindo prosperidade, sorte, alegria. Folhas frescas de'
- Bem-me-quer
- Da amizade
Material Necessário' * Amor agarradinho
- Oçé dudu
- 1 obi funfun, raÌado - Narcizo
- 1 orogbo, ralado - Pétalas, moídas de,
- Dandá da eosta - Rosa vermelha
- Patchuli, moído - Dama da noite
- Sândalo, em pó - Girassol
- Cedro, em pó - Perfume da preferência pessoal
- Sálvia - Pote de metal
- Mel de abelhas - Bacia de ágata
- Pimenta da Jamaica, moída - Atare moído
- Pote de barro
Modo de Fazer,
Modo de Fazer' Deixar na bacia de ágata, as folhas maceradas com as pétalas
Misturar ao òçé dudu todos os ingredientes, acondicionar moídas, no sereno para receber a energia da fase Ìunar nova.
no pote de barro e deixar na Casa de Eçü por 3 dias. Usar o No dia seguinte, antes do raiar do sol misturar o conteúdo
òçé dudu para tomar banho, antes do sol nascer três vezes da bacia ao òç{ dudu, acondicionar no pote de metal, deixá-
por semana. Após cada banho a pessoa deve ir a um local lo aos pés do Ojubg Oçun, por cinco dias. Após esse tempo
comercial que tenha bastante movimento e mentalizar tomar banho com òç{ dudu, coÌocar um pouco de rnel de
seus desejos. Nestes dias não deve cumprimentar ninguém abelhas na mão esquerda, Iamber três vezes fazendo os
estendendo a mão direita. pedidos que desejar.

58 59
FernandezPortugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Dia' conforme a necessidade l,ocal, igbf , Casa de Èçü e residência


H o ra ' 2 4 ,0 0 h s
Lua, crescente, nova ou cheia ( )_bÊ_e_r.r_qçêq'
Oficiante' BàbáÌàwó, Bàbátòrìçà, Iyálòrìçà l)eve ser verificado antes do uso deste òçé dudu, se a pessoa
Local, Egbé, Ojubq Oçun e residência lem algum irnpedimento físico, astral ou psicológico.
Não utilizar no período menstrual.
Observacão,
Se o mel de abelhas não for agradável para a pessoa poderá
ser substituído por açúcar mascavo ou melado, tanto no 30 - Oçf Dudu Para Harmonizar Um Local
preparo do òçé dudu quanto para ingerir.
t_14glUtgdg, Impregnar o local com energia positiva,
eliminando discussões,desentendirnentos banais, criando no
29 - Oçé Dudu Afrodisíaco ambiente, comercial ou residencial, ondas magnéticas que
farão com que a harmonia, o bem-estar e a prosperidade
Finalidade' Este òçf dudu irá propiciar ao usuário aumento t'einem no mesmo.
da vontade, do desejo, do vigor sexual, fazendo com que sua
relação sexual seja mais prazerosa. Material
--:õ$é Necessário,
d"d"
MateriaÌ Necessário' - Pote de barro
-- - Pão veìho, moído
-õ-# d"d"-
- Pote de vidro na cor âmbar - Akasa, oferecido a Qbatala, seco e moído
- Surno das folhas de, - Sementes de algodão, moídas
- Seriguelha - Efun, ralado
- Vetiver - Açafrão, em pó
- Estragão - Lúpulo, em pó
- Hortelã - Essência de angéIica
- Funcho. rnoído - I igbin
- Feno grego
- 7 formigas grandes, torradas Modo de Fazer,
- Cascade jenipapo, ralada Misturar ao òçé dudu os ingredientes, culrninando com o
èjé do igbin, misturar bem, acondicionar no pote de barro,
Modo de Fazer' deixar no Ojubg Qbatala por três dias. Usá-lo diluído, em
Misturar ao òçf dudu todos os itens, acondicioná-los no pote água, numa bacia ou balde, aspergindo-o por todo o local,
de vidro, tampando e enterrando na Casa de Eçü por sete antes do sol nascer. Fazer este ritual todos os dias até o
dias. Tirá-los do buraco na sétima noite e coÌTÌeçar a usar mesmo acabar.
neste rnornento. Tomar banho conforme a necessidade.
Dia' conforme a necessidade
Dia, conforrne a necessidade Hora, à noite (para fazer)
H o ra ,q u a l q u e r Lua' crescente, nova ou cheia
Lua' minguante (para fazer) Oficiante' Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iyálòrìçà
Oficiante, Bàbálàwó, Bàbálòrìçà, Iválòrìçà Local, [gbi, Ojubq QbataÌa e residência

60 61
Uso Mágico e krapêutico do Sabão da Costa

Ebq, magias e beberagens que exigem o


uso do òçi dudu

1 - Ebç para abertura de caminho, desenvolvimento


financeiro e abertura de pequena empresa.

Finalidade' At r avés de Èçü Así kçlü, a pessoa t er á seu


caminho aberto para fazer associaçõescomerciais que irão
lhe proporcionar desenvolvimento financeiro.

MateriaÌ necessário,
- 7 grãos de atare
- Igbin
- 3 àkàsà de leite de cabra
- 3 àkàràjè, com amendoirn
- I obí fúnfún, de 4 gomos
- ól"o de dendê
- SaI
- | pr at o de bar r o pint ado de br anco, pr et o e
vermelho
- Banho quinado com as folhas, CoÌônia, Levante, Fortuna,
Mangueira
- Oçé dudu misturado com carvão vegetal, em pó, saÌ
grosso e 7 grãos de atare moídos.
- Bucha vegetal ou palha da costa

Qfo (encantamento)

Èçü Açíkçlú aceite minha oferenda


Me ouça, rapidamente trazendo
O dinheiro para as minhas mãos.

l Açç, Açç, Atç

P rocedim ent o,
- Sacrificar o igbin, no Ojubq Eçü Açíkçlú, dividir o seu
corpo, ern sete pedaços.
- Cortar os àkàsà e os àkàràji em sete pedaços, cada um.
- Arrumar tudo, no prato colorido, regar com óleo de
F ernandez P ortugal Filho Uso Mâgico e krapêutico do Sabão da Costa

dendê e polvilhar com sal. Partir o obí, sobre o çbç, de - Banho com òç{ dudu misturado com os pó de' canela,
cada parte tirar um pedacinho, mastigá-los corn os grãos louro, gengibre, noz-moscada e iyçresun
de atare, recitando o Qfq, pedindo o que deseja e cuspir na - Impressão do Odü Qbàrà-çé'
oferenda.
- Imediatamente após a realização do çbq, despachar o mesmo |--.--_-l |---_;----l
numa encruzilhada de terra de quatro pontas. l o o ol lo ol
.l
I I ro
- VoÌtar para o Ègbé, tomar o banho de limpeza, com òçf lo ol lo ol
dudu, em seguida o de folhas frescas. Vestir roupas brancas - I alguidar (Qbçrq) n'4
ou claras.
Ofo (encantamento)'
Dia' 2as. feiras
Hora, entre 21'00 e 23'00 horas Minha cabeça é boa,
Luat crescente. nova ou cheia Fará com gue (fulano - dizer o nome da pessoa).
Local' Ègbé encruzilhada Faça o que eu quero
"
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà Assim como a pá de pedreiro que
Só faz o que ele quer.
Açç, Açç, Açç
2 - Ebq para agilizar e facilitar a obtenção de
favores
- Antes de começar o çbe, tomar o banho lustral, em seguida
Finalidade, Através desta magia o usuário obterá facilidades o com òçf dudu.
para conseguir com que uma pessoa lhe favoreça em seus - Colocar o prato em frente ao usuário, passar os obi na sua
propósitos. cabeça, recitando o Qfq, partí-los em gomos, arrumando-os
na vasilha. No centro colocar o àkàsà fora da folha. Passar
Material necessário, o frango vermelho no corpo da pessoa, sacrificá-lo sobre o
- 1 prato de barro conteúdo do prato,tïão separando a cabeça do corpo, regar
- 2 obi, de 4 gomos com mel de abelhas e cobrir com sal, aí então imprimir o Odü
- 7 ou 9 grãos de atare (homem/mulher) Òn.a-çe, mastigand.o atare, em número de grããs conforme
- 1 àkàsà de gema o sexo da pessoa, em seguir cuspir sobre o çbg.
- Mel de abelhas - No alguidar acondicionar o frango com o peito aberto,
- Sal reeheado com os pade.
- 1 frango vermelho
- Deixar o prato e o alguidarjuntos, aos pés do Ojubg do Òrìçà
- I pade de mel trono do [gbf, por 24 horas, após esse tempo despachar o
- 1 pade de leite de cabra n na mata, aos pés de uma árvore frondosa.
- Banho lustral, fervido, com as folhas'
- Inhame - Até a pessoa conseguir o que deseja deve tomar, diariamente
em jejum, o banho com o òç{ dudu preparado.
- São Gonçalinho (Folhas)
- Laranja-da-terra
- Sal grosso

64 65
FernandezPortusal Filho Uso Mágico e Tbrapêuticodo Sabão da Costa

Dia, Sas. feiras favas de "olho de boi", amarrando com o fio de prumo
Hora, 24 horas fincando-o no buraco. Passar os obí e os àkàsà no corpo da
L u a ' c re s c e n te pessoa,arrumando-os ao redor do i$u. Sobre tudo sacrificar
Local para fazer' Ègbé a etu, regar com óleo de dendê e polvilhar corn sal.
Local para usar: Residência - Tampar o buraco com a mesÌTraterra tirada dele. Descalçada,
Local para despachar, mata com árvore florida a própria pessoapula sobre o buraco já tapado, mentalizando
Oficiante, Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà o inimigo, rnastigando os 7 grãos de atare, cuspindo-os
sobre a terra.
- Voltar para o Ègb{ putu tomar o banho lustral e o corn
3 - Ebq para cortar força de inimigo òçé dudu.
- Repetir o banho de òçÇ dudu de quinze em quinze dias até
Finalidade' Esta magia tem o objetivo de eliminar energia
terminá-Io.
maléfica enviada por um inimigo, quebrando as forças
negat iv as do m es m o .
D ia'3as. f eir as
Hora, antes do sol nascer
Material necessário,
- 2 obí fúnfún, de 6 gomos Lua, rninguante
- 2 àkàsà, de feijão preto Local, mata com árvore frondosa
- 2 favas "olho de boi" Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà
- ól"o de dendê
- Sal Observalão,
- I i ç u c ru o u ai pi m O oficiante mastiga 7 grãos de atare, pedindo o que o usuário
-l ç tu desejae cospe sobre as favas "olho de boi" dentro do içu, em
- 14 grãos de atare seguida manda que a própria pessoa amarre a raiz.
- I travessa de barro
- Banho lustral com as folhas'
- Mangueira 4 - Ebq para abertura de caminho através do Bàbá
- Laranja Lima Ëgún Olulanã
- Abóbora
- Romã Finalidade, Este çbg tem o objetivo de eliminar magia
- Banho com òçi dudu misturado com, surno das ervas maléfica da vida de uma pessoa,proporcionando-lhe abertura
solicitadas no banho lustral, carvão vegetal em pó e um de caminho, sucesso,aÌegria, através do Ancestre Olulanã.
pouquinho de enxofre.
- A altura da pessoa em fio de prumo Material necessário'
- Um carneiro branco, pequeno
Procedimento, * Um frango branco, pequeno
- Sacudir a pessoacom a etu, na mata, aos pés de uma árvore - Um pombo branco
frondosa, onde deverá ser cavado um buraco. - Um metro de rnorim branco
- Cortar o içu ao meio, verticalmente, dentro colocar as - Nove guizos de metal branco

66 67
Fernandez portugal Filho
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

- Dois metros de corda


_ Banho lustral Observação'
com as folhas de, peregun, caruru
branco,
pinhão roxo, jenipapo e alfavaca Toda 2a. feira, tomar banho com o òçÇ dudu preparado, em
- Banho de òçf dudu, misturado seguida repetindo o preceito do mel de abelhas, não pode
com wãjí, osun, cascas
raladas de marngueira' jaqueira esquecer de fazê-lo em hipótese alguma. Não fazer o çbq,
e gameleira branca e sal
grosso nem usar o òçé dudu no período menstruaÌ.
- Um obí
O frango branco, após o sacrifício, é cortado em 4 pedaços
- Um orogbo que são distribuídos em quatro encruziÌhadas próximas a
- Sete ou nove grãos de atare (homemr/mulher)
estabelecimentos comerciais de grande movimento.
- Sfun raÌado
- Açúcar mascavo
- Gim 5 - Ebq para eliminar magia maléfica.
- Mel de abelhas de eucalipto
Finalidade, Eliminar magia maléfica que provocou doença de
pele no corpo de uma pessoa que é Qmg Qbaluaiye.
Procedimento,
a
:.Sl""tif .pessoa com o frango braneo, sacrificá_lo no Material necessário'
Ojube Eçü Lónã.
- [fun, ralado
- Enfeitar o carneiro eom
o morim branco e os guizos. - 1 galinha preta
Mastigar obi, orogbo e os grãos - I pombo preto
a" ui"." com um pouco de
gim barrufando tudo nos ãuvidos - I metro de morim preto
do quadrúpede, fazendo
os pedidos que desejar. - I alguidar pintado com carvão
- Em seguida amarrar as - OÌeo de dendê
patas do animal e sacrificá_lo
Oj*q Olulanã. Depois enterrar no
o animal numa clareira na - 200 gramas de carne bovina
mata. Enquanto isso a pessoa toma - Folha de Bananeira
o banho f""t.ìf,-pìr"u
no corpo o pombo, impregnado - Banho lustral corn as folhas de'
com a mistura feita com
çfun e açúear mascavo, sJhando_o para - Caruru Branco
que voe e busque
novos caminhos. - Inhame
- Após isso a pessoa toma - Golfo Branco
outro banho eom o òçé dudu )-,,
preparado, coloca I colher de - Oçé dudu preparado com çfun ralado
chá de mel de abelhas n" ;;;
direita e Ìambe. - Banho de Açç com as folhas, quinadas de'
- Não enxugar o corpo. Vestir - Manjericão
roupas limpas de cor clara.
- Levante
Dia, 2a. feira - CoÌônia
Hora' à noite
Lua, nova Procedimento,
Local, Sgb{ ou mata - Passar o morim no corpo da pessoa e colocá-lo dentro do
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbátórìçà alguidar; a seguir proceder da mesma forma corn a carne.
ou Ìyálórìçà
- Sacudir a pessoa com a galinha preta, sacrificando-a sobre
o conteúdo do alguidar. Regar com o óleo de dendê e atear
fogo, deixando queimar tudo. O pombo preto é impregnado

68
69
Fernandez Portugal Fítho
Uso Mágico e Terapêutico do Sqbão da Costa

com çfun raÌado, antes é passado


no corpo da pessoa,e solto Material necessário'
no alto de um monte.
-- Após a pessoa tomar o banho 1a. Fase'
lustraÌ, seguido dos outros - 3 àkàràji, com pedaços de carvão
de òçé dudu e Àçç, não enxugar
o corpo, deixá-o secar - 3 àkàsà, de fubá amarelo
naturalmente. Veste roupa braica.
- 3 ekuru
- Diante do Ajobç
ebaluaiye fazer uma espécie de cama * óI"o de dendê
,Jï;
com as folhas de t
horaso "rs"r d". l"ï:";fiï ffi:::il:ïï:1:: Jï.:: - Feijão fradinho, moído crú
- SaI
pés de uma árvore que já morreu,
enquanto a pessoa toma - 1 9bçr9 no 4
a sequênciade banhos.
- Banho lustraì com folhas de,
- Laranja da terra
Dia' Conforme a necessidade * Jenipapo
Hora' 12,00 ou 24,00 horas - Jaqueira
Lua, minguante ou nova - Amendoeira
Local' Egbé, mutu e monte alto - Sal grosso
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà .
ou Ìyálórìçà - Banho de Oçi dudu misturado com' enxofre, canela,
cravo da Índia, çfun, açafrão e cominho em pó.
Observação, - Banho de Àçç quinado, com folhas de,
A pessoanão deve eliminar o tratamento - Manjericão
médico que estiver
fazendo. * Salsa
E b1m que a pessoa use roupas - Canela
brancas durante sete dias e
se alimente de comidas leves e - Erva Prata
tome bastante suco naturaÌ
de frutas de sua preferência. - Akoko
A pessoa não deve assistir a queima - 1 frango preto
do çbç.
O corpo galinha é enterrado no mesmo local
_da onde o çbg 2a. Fase'
é despachado. - I gamela redonda
- 1 àmàlà com coração bovino
- 1 galinha vermelha gorda
- de abertura de caminho através do òrìçà
I nlo
- 9 àkàsà de leite de cabra
Qya Onirá - I ovo de tartaruga
- 9 moedas de cobre
EinaÌidade' Este çb9, tem duas fases, a primeira - Ól"o de dendê
irá eriminar
da vida da pessoa energia negativa - Mel de abelhas
absorvida no locaÌ de
trabalho, onde reside- lu.lru",ïiasmas, - 9 grãos de atare
forças deletérias; a
segunda, irá propiciar fixação do - Gim ou Aluá
Àçç do Orìçà ÒV.
para a vida da pessoa novos caminhos, ;;;.;;";;;
novas possibilidades
afetivas e amorosas, prosperidade.

70
/I
Fernandez Portugal Filho
Uso Magico e Terapêutico do Sabão da Costa

Procedimento'
Local, Èebé, ojuló Òyu onirá
la. Fase' Oficiante, Bàbáláwò,Bàbálórìsàe Iyálórìsà
- Misturar dentro do oberg o feijão fradinho moíd.o
com o óleo de dendê, sobre esta mistura, amarrar os
akaraje, os àkàsà e os ekuru, depois de passadosno corpo
7 - Ebq para abertura de caminho.
da pessoa.
FinaÌidade, Este çbq, se adequa a resolver a vida de uma pessoa
- Sacudí-la com o frango preto, sacrificando-o sobre
o que está emperrada devido a magia maléfica feita para lhe
conteúdo do obero, regar com óÌeo de.dendê, poÌvilhar
prejudicar, fechando-lhe todos os caminhos.
com sal. Deixar o çbq, aos pés do Ojubg È5ü, por 30 hor"".
O frango fica ao lado com o peito aberto, regado com
Material neeessário,
óleo de dendê e é levantado junto corn o 9b9 e dÁpachado - 1 cabrito/cabra malhado (homem/mulher)
numa encruzilhada na mata próxima a um bambuzal. - 7 ou 9 àkàsà de gema (homem/mulher)
- Logo após o çb9 ministrar a sequêneia de banhos, - 7 ou 9 àkàràj| com quiabos (homem/mulher)
lustral, òçf dudu Às". Usar roupa na cor terracota - 7 ou 9 frutas diferentes da preferência da Pessoa
ou salmão. "
- 1 obí fúnfún de 4 gomos
- I orogbo
2a. Fase' - Qsun
- Após os banhos, oferendar a Òya Onirá, o amalá que - Efun
é colocado na gamela da seguinte maneira, - Yaii
- Untar a gamela com óleo de dendê e meÌ de abelhas. - Oleo de dendê
- Passar o ovo de tartaruga, - Mel de abelhas
no corpo da pessoa,
acondicionando no fundo da vasilha, ao seu redor as - 7 folhas de mamona
moedas de cobre, sobre isto é que se coloca o amalá. Os - 7 moedas de vários valores
àkàsà são distribuídos sobre a comida votiva e então é - I aÌguidar no I
feito o sacrifício da galinha sobre a mesma e o Ojubó - I metro de chitão
- Banho quinado com as folhas de'
Qya Onirá.
- Jenipapo
- O Oficiante com o polegar da mão direita imprime
- Colônia
na testa, nuca, mãos e pés da pessoa, com sangue do
- Abre-caminho
sacrifício, dois riscos (II), deixando a pessoa repousar
- Alfavaquinha
diante do Ojub{ Qya Onirá, assim como também o amalá
- Banho com òç{ dudu, preparado com'
por 30 horas.
- Raiz de pimenteira, ralada
- Após esse tempo o ìrúpìn sai e a pessoa toma banho - Ogá, pilado
com o òçf dudu. A galinha é servida em Saara. - IYçrgsun
- O irúpin é despachado na mata. - 21 grão_sde atare moídos
- Ojubq Bàbá Êgún Àtal:,òçé
Dia, 4a. feira - Roupas brancas
Hora' à noite
L u a tc re s c e n te

72
73
Fernandez portugat Fitho Uso Mágico e Tërapêutico do Sabão da Costa

Procedimento,
O quadrúpede pode ser substituído pelo animal que o Bàbá
-_Sacudir a pessoa eom o chitão
para, em seguida, forrar o Êgún quiser.
alguidar.
- AjoeÌhar a pessoa, no Ojubg Neste çbg o resguardo se faz presente, ficando a Pessoa
Bàbá Àlábàòçf, apresentar o por 48 horas sem relação sexual, bebidas alcoóIicas, carne
quadrúpede à ela para que, simbolicamente,
faça seus pedidos vermelha. banhos de mar e sol forte.
nos ouvidos do animaÌ. Ern seguida
o mesmo é oferendado
à Alábàòçé em sacrifreio, a"*aïão;;
pouco do çjç caia 8 - Ebo Dara eliminar perseguição, através dos
sobre a pessoa.Imediatamente, "-
levá_tl para o banho de folhas,
seguido pelo òçf dudu. Orìçà Ogún e Oçún.
- Enquanto isso, dividir o quadrúpede
em seÌe pedaços.
- Sobre o chitão no alguidar Einalidade, Através deste çb9 será eÌiminado do caminho
arrumar as folhas de mamona,
os pedaços de carne dã animal. da pessoa, perseguição astral e/ou física que levou a mesma
- A pessoajá de banho tomado I cometer uma série de erros, causando-Ihe danos morais,
e vestida com roupas brancas, financeiros e afetivos.
se coloca diante do alguidar e
vai arrumando, como quiser,
àkàsà, os àkàràj$, as fiutas os
u. mentalizando Material necessário'
o que deseja para si a partir " -o"áur, ""-p."
deste çb9.
- Por úÌtimo, o sacerdote. oficiante la. fase' limpeza
passa na cabeça da pessoa - 2 ovos
o obí e o abre sobre o
çbg, procedà d" forma com - 2 bifes de fígado bovino
orogbo, cortando-o em duas
partes. polvilhar
-""-a ;;;";; - 4 trouxinhas de pólvora
Ç_fun e wãjí, rega com óleo áe dendê
e bastante mel de - Banho de limpeza, cozido'
abelhas..sendo des-pachadonuma
de uma avenida - Mangueira (folha e casca)
comercial, próximo a uma empresa "rr".rronuaa
de grande sucesso. - Cerejeira (fotha e casca)
- É lmportante que a pessoa,
nessa noite descanse no - Amendoeira (folha e casca)
sendo liberada pela manhã. [gbf,
- Alecrim (folha)
- SaI grosso
Dia, conforme a neeessidade .
- Oçé dudu com enxofre em pó
Hora' a partir das 21,00 horas - 30 cm de morim branco
Lua' primeiro dia de lua nova - Bucha vegetal ou paÌha da costa
Local' Ègbé encruzilhada
"
Oficiante, Bàbáláwò, Bàbátórìçà ou Ìyálórìsà 2a. fase, oferenda a ògún,
- I cabrito marrom
Observação' - 1 galo vermelho
E s te ç b 9 p o d e s e r re a li zado - 1çt u
na mata, num bambuzal ,
invocando Bàbá Alábàòsé. - 3içu
Atravé-s do*.J9g9 Divinatório - 2 peixes tipo corvina/namorado
o oficiante poderá verificar - 1. alguidar no 6
que-outro Bàbá Ègún aceita
a tarefa e concorda em receber
a oferenda. - Oleo de dendê

75
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

3a. fase, oferenda a òçún,


pública. Enquanto isso a pessoa toma o banho de limpeza
- 2 galinhas amarelas
seguido do òçé dudu.
-1 ç tu
- I codorna - Passar para a oferenda a ògún, sacrificando em seu
-
ry Kg de feijão fradinho Ojubg o cabrito. Arrumar no alguidar os içu, assados com
- Oleo de dendê óleo de dendê, partidos ao meio verticalmente, os Peixes,
- Mel de abelhas
sacrificando sobre tudo o galo e a çtu. Regar com bastante
- I sopeira de barro
óleo de dendê, deixando por 24 horas no Ojubg' Após'
4a. fase,Seqüência de banhos, despachar na linha do trem.
4 .1 . L u s tra l , - Em seguida oferendar Òçún sacrificando as duas gaÌinhas
- Aroeira em seu Ojubg. Sobre o feijão fradinho, cozido, misturado
- Inhame
com óleo de dendê, sacrificar a çtu e a codorna' Regar com
- São GonçaÌinho
bastante mel de abelhas. Deixar no Ojubq por 24 horas, após
4 .2 . O ç i d u d u , despachar na cachoeira.
- Carvão vegetal, em pó - Após os sacrifíeios fazer a sequência de banhos na pessoa,
- Oleo de dendê sendo que após o de Àçç, a mesma não se enxuga, deixando
- !fun, em pó
que isso ocorra naturalemte.
- Sumo de folha da Fortuna

4 .3 . À ç ç , Dia' 3a. feira, de preferência


- Canela, em pó Hora, a partir das 23'00 horas
- Cravo da india, em pó Lua' crescente ou nova
- Gengibre, em pó Local, Ègbé, praça pública, Iinha férrea e cachoeira
- Noz-moscada, em pó oficiant-e, silatawA, Bàbálórìçà ou ÌyáÌórìçà
- Cominho, moído
- Louro, em pó Observação'
- Açafrão, uma pitada Os animais sacrificados são servidos em Saara'
- Açúcar mascavo É bo- que a Pessoa faça Bori conforme verificação do
- Baunilha, 1 fava Oficiante.
- 5 litros de água
Em hipótese alguma fazer este çbq no período menstrual'

Procedimento,
- Começar o çbg com a pessoa
passando em seu corpo os 9. Ebç para abertura de caminho.
bifes de fígado e os ovos colocando-os
sobre o morim
estendido no chão. Em seguida ao redor Finalidade' O objetivo maior deste çbç é proporeionar a uma
da pessoa estourar as
trouchinhas de pólvora. Fazer uma trouxinha
com o morim, pessoa,que se encontra sem Perspectiva de vida, redescobrir-
despachando-a imediatamente numa lixeira ie viva e atraindo novos caminhos profissionais, afetivos
de uma praça
e/ou amorosos.

76 77
Fernandez portugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

Material necessário,
cabaça. Regar com óleo de dendê, mel de abelhas' polvilhar
- 1, R."a (conforme sexo da pessoa)
com sal.
- Oleo de dendê
- SaÌ - Mastigar os grãos de atare corn um pouco de gim, fazer o
qfg novamente, barrufando em seguida sobre o trabaÌho.
- Mel de abelhas
- Papel vegetal ou papel seda - Despachar o çbg na mata.
- Grafite
- Metade de uma cabaça Dia' conforme a necessidade
- 4 palmos de fitas nas cores: branca, vermelha,
amarela Hora, antes do soÌ nascer
e azuÌ Lua 'cr escent e
- 7 grãos de atare Local, Ègbé, jardim florido
- Gim (ou outra bebida destilada) Oficiante, Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Iyálórìçà
- I faca incandescente
- Impressão do Odü Qbá.à-sé,
10. Ebq para abertura de caminho'
I o l t---.-l
lo ol ;o .l Finalidade, Este çbq proporcionará a vida de uma Pessoa
i . t l. ol abertura de caminho, novo empreso, novas amizades e
i. . lio .i convites através do Orìçà Ogún.
Ofo (encantamento)
Material necessário'
O mel é sempre doce ' - 1 cabr it o
A criança nunca rejeita o meÌ - 7içu
- 7 espigas de milho
Que eu nunca rejeite viver bem
- 7 obí fúnfún
Que o dinheiro venha para mim
- ól"o de dendê
Qu e a a mi z a d e e o amor
Sejam meus companheiros constantes - SaI
Açç, Açç, Açç - FoÌha de Mariwo
- Ojube Ogún
Procedimento, - Gim
- Sacrificar a preá no Ojubg Èçü com a faca incandescente - 7 grãos de atare
atravessada na altura do "pescoço" do quadrúpede. Em seguida - I tacho de ferro
colocá-lo dentro da cabaça, abrir-lhe o peito.
- Escrever no papeÌ vegetal o que deseja conseguir, Procedimento,
com - Colocar o tacho de ferro, untado com óIeo de dendê e
grafite, colocar um pouco de sal e mel de abelhasimisturá_
los com o dedo médio da mão direita, em seguida imprimir forrado com folhas de Mariwo diante do Ojubç Ogún. Dentro
o Odü Qbárà-çé e rezar o efq. do tacho, arrumar os ipu e as espigas voltados com as pontas
para o Orun; os obí são passados no corpo da pessoa, sendo
- Coloear o papel dentro do peito da preá, envolver
o seu 4 jogados inteiros dentro do recipiente. Nesse momento,
corpo com as fitas, uma de cada vez, acondicionando_a na

78 79
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

então, proceder o sacrifício do cabrito sobre o Ojubq ògún - 9 metros. de fitas coloridas' branco, azul, amarelo,
e o tacho. Após o término deste rituaÌ, regar o çb9 com ãleo vermelho, preto, verde e rosa
de dendê e sobre este jogar os 3 obi abertos, poÌviÌhando - 9 guizos de cobre
tudo com o sal. - 9 espelhos redondos
- Mastigar os grãos de atare, com gim, mentaÌizar o que - I alguidar no. B
deseja e barrufar sobre o Ojubg e o tacho. - 2 punhados de milho branco
- Levantar o tacho, colocá-lo na.cabeça do ofertante para - 2 punhados de feijão fradinho
que de três voltas ao redor do igb{ e despache na linha - 2 punhados de arroz
férrea de subida. - 2 ovos
- Voltar ao $gb{ para tomar banho lustral e de Àçç conforme - òçé dudu, misturado com'
recomendação do oficiante. - Enxofre em Pó
- Iyçrgsun
- Limpar o cabrito,.prepará-lo a gosto e oferendá-lo a sete
- Aridan. ralada
pessoas no próprio Egbé ou a sete mendigos.
- Lçlçkun
- Bçjçrçkun, moído
D i a ' 3 a . fe i ra
- 1 pombo branco, somente o çjç
Hora' à noite
- 9 grãos de atare, moídos
Luat nova ou crescente
- I chifre bovino
Local' Ègbé e linha férrea
- 20 cm de morim branco
Oficiante, Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyátórìçà
Procedimento'
Observaeõo,
- Preparar o òsé dudu antes de começar o çb9, acondicionando-o
Se quiser, a pessoa pode levar o cabrito para a sua casa, no ehifre, envolvê-lo no morim branco.
prepará-Ìo e comer com a família ou amigos. - No Ojubq Bàbá QÌúIanã sacrifiear o carneiro' não separar a
eabeça do corpo, colocando-o no alguidar. Abrir o peito do
quadrúpede, colocando as moedas, os grãos e os ovos'
ll...Ebt de prosperidade através do Bàbá Êgún - Prend.er nas fitas os guizos, envolvê-las no quadrúpede,
Qlúlanã. enfeitando-o. Dar os espelhos Para que a pessoa se mire
sorrindo pedindo que a partir daquele rnomento se torne
Finalidade, Através deste çb9 a pessoa conseguirá ser notada
feliz, aÌegre, que as pessoas a vejam com olhos de bondade e
em seu local de trabalho, atraindo a simpãtia do chefe e
carinho. À medida que for fazendo, ir colocando os espelhos
ganhando uma promoção, inclusive podendò ser transferido
para outra cidade. dentro do alguidar ao redor do animaÌ. Regar com óleo de
dendê e bastante mel de abelhas.
Material necessário, - Sair imediatamente para despachar o çbq na mata'
- I carneiro pequeno - O oficiante deve ministrar, antes do banho com òSé dudu,
- Roupa usada pela pessoa um banho de folhas fervido, na pessoa.
- 4 moedas vigentes
- Oleo de dendê Dia' 2a. feira
- Mel de abelhas Hora' à noite

80 81
Fernandez Portusal Filho Uso Magico e Terapêuticodo Sabão da Costa

L u a ' c re s c e n te iniciand.o, então, em sentido horário o sacrifício dos galos


Local, ÈSbé e monte alto sobre a comida votiva. Em seguida polvilhar os amalá com
Oficiante: Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà a mistura feita com çfun, qsun, arìdan e rapadura, e pó,
regar corn óIeo de d.endê e mel de abelhas. No centro de
Observação, caJa amalá fincar o orogbo e a moeda, depois de terem sido
O òç$ dudu é para ser usado em oo.ie;um"até acabar, às 2as. passadosna cabeçae no corpo da pessoa,respectivamente' O
e Sas. feiras. ofertante, mastigar, de cada vez, seus grãos de atare com gim
mentalizando o que deseja e barrufar sobre cada amalá'
- Levantar a oferenda, 6 horas após, despachando-a em seis
locais diferentes. O ofertante é quem despacha'
12 - Ebq para vencer uma briga judieiaÌ.
I
Dia, conforme a necessidade
Finalidade' Através deste çbç a pessoa que, está em litígio
Hora, à noite
terá seus caminhos abertos e a proteção do Orìçà $àngó pÀra
Lua, último dia da fase minguante
obter vitória.
i Locat 'Ègbé
Oficiante' BàbáIáwò, Bàbálórìçà ou Iyálórìçà
M a te ri a l n e c e s s á ri o ,
- Ojube gàngó
- 6 galos vermelhos Observacão,
- 6 àrnàlà diferentes Os galos são preparados e servidos a seis moradores de
- 36 grãos de atare rua.
- 6 moedas de diferentes valores O oficiante deve agradar as encruziÌhadas próximas ao
- 6 orogbo forum e a resid.ência da pessoa, assim como Esú Barairé, cuja
* Girn oferenda deve ser cruenta.
- ól"o de dendê
- Mel de abelhas
- [fun, ralado 13 - Ebq para livrar uma pessoa de maldição.
- Qsun
- Aridan, ralado
Finalidade' Este çbç eliminará da vida de uma pessoamaldição
- Rapadura, ralada familiar que lhe causa perdas constantes.
- Papel vegetal
- Lápis vermelho
Material necessário'
- Folhas frescas de'
Procedimento' - Caruru
- Antes de fazer este çbg, a pessoa deverá passar por um - Corredeira
kosìpálàrá conforme determinação do oficiante. - Peregun
- No fundo de cada gamela colocar o papel escrito, com lápis - I boneco feito com a rouPa usada da pessoa
vermelho, todas as informações sobre o processo, regar com - Carne bovina
mel de abelhas, então acondicionar o amalá. Rodear o Ojubq - 1 frango preto
amalá, diante da oferenda a pessoa se mantém ajoelhada, - Fio de cobre

82 83
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

- Carvão vegetal, em pó Lua' minguante


- Pimenta maÌagueta Local' Egbé, Ojuba Bàbá Màkékú e mata
- Banho lustral com folhas de' Oficiante: Bàbáláwò, BàbáIórìçà ou Iyálórìçà
- Inhame
- Aroeira Observacão,
- Pitanga t'temperar"
Antes de a carne, a mesrna é passada no corpo
- Laranja-de-terra da pessoa.
- Banho de òçÇ dudu
O oficiante antes e .depois de fazer o çbe deve tomar
- Banho lustral com folhas de,
banhos lustrais e de Asç ou passar por urn çbg, conforme
- Manjericão
determinação do jogo adivinhatório.
- Sândalo
- Gengibre Durante três dias seguidos a pessoa deve vestir-se de branco
- Roupas brancas inclusive para dormir.

Procedimento'
- Fazer um molho com as folhas de pÇrÇgun, caruru e 1a - Fbç para abertura de caminho.
corredeira para sacudir a pessoa, as folhas que caírem no
chão, recolher, pilá-las com as pimentas-malagueta, adicionar Finalidade' Através deste çbe a pessoa terá seus caminhos
a carne bovina, impregnando-a eom a mistura, reservar. abertos para conseguir emprego, que lhe proporcionará
Deixar descansar por 15 minutos, enquanto continua a alegria, bem-estar, harmonia e paz.
realizar o çbg. Após esse tempo rechear o boneco feito com
a roupa da pessoa com a carne temperada. Material necessário,
- Sacudir a pessoa corn o frango preto, sacrificá-lo no Ojubg - I galo vermelho, pequeno
Bàbá Êgún Màkékú, não decepar a cabeça. Imediatamente - 50 em de morim azulão
abrir-lhe o peito, acondicionando dentro do mesmo o boneco - 50 cm de morim vermelho
de pano, cobrindo-o com carvão vegetal, em pó. Fechar o - 4 folhas de Capeba, grandes
peito da ave com fio de cobre. - Grãos, crus, I punhado de'
- Feijão mulatinho
- Enquanto a pessoa toma a sequência de banhos, o oficiante
- Feijão carioquinha
enterra a ave aos pés de uma árvore morta, na mata; antes
- Feijão roxinho
porém, foma o buraco com o molho das folhas que sacudiu
- Feijão fradinho
a pessoa. Tampa o buraco co.m a própria terra tirada dele e
- Raspa das solas, de um par de sapatos da pessoa
asperge água. Volta para o Egbé, sem olhar para trás.
- Poeira da casa da pessoa
- Após os banhos a pessoa se veste de branco e repousa por
- 14 moedas fora de circulação
duas horas no local.
- Terra de 2 encruzilhadas, próximas a casa da pessoa
- É importante que o boneco seja enterrado à meia-noite e - Açúcar mascavo
que a pessoa não saiba que isto vai acontecer e nem aonde. - Sal
- Ojubq Ogún
Dia, 2a. feira - 7 grãos de atare
Hora, para iniciar às 22,0O horas

84 85
FernandezPortugal Filho (Jso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Procedimento,
Material necessário'
- Sacudir a pessoa, com o galo e sacrificá-lo no Ojubg
- Edun árà do Ajobe $àngó
Ogún. Não decepar a cabeça da ave. Cortar a ave ao meio
- 21 grãos de atare
verticalmente. Estender os morins no chão, sobre cada um,
- 1 ovo de galinha
colocar três folhas de capeba; a metade do galo, dos grãos, da
- 1 ikodidé
raspa da sola, da poeira da casa,da terra d.eencruzilhãda e das
- Mariwo
moedas. A pessoa mastiga os grãos de atare mentaÌizando o
- Efun
que deseja e cospe-os sobre as metades preparadas dos galos.
- Qsun
Em seguida polvilhe eom açúcar mascavo e uma pitaãa de
- v/ãjí
sal.
- Casca de eerejeira, ralada
- Fazer duas trouchas, despachá-las, a amarela nas águas
de - I orogbo, ralado
um rio limpo e a vermelha na linha férrea. - 1 obí, ralado
- 1 panela de ferro
Dia, 3a. feira - ÓI"o de dendê
Hora' à noite - 1 cabacinha com tamPa
Lua, crescente ou nova - 1 pombo branco
Local' Ojubq ògún, rio e linha férrea - Òçé dudu
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà - Ág,ru de cachoeira
- Roupas brancas
Observação' - Ojube Ogún
Após o çbe, a pessoa deve tomar banho lustral e de Àçç.
Procedimento'
Quando a pessoa for convocada para alguma entrevista, deve corn folhas
mastigar quatro grãos de atare mentalizando o que quer, - Cozinhar o ovo de galinha na água de cachoeira
em seguida engole, coloca na mão direita um pouco de mel de mariwo e o edun árà'
os grãos de
e lambe três vezes dizendo, - Torrar na panela d'e ferro' o óIeo de dendê'
ã" cerejeira, orogbo' obi e o ikodide' Pilar'
atare,
""""" ele sacrificar
Assim como a doçura peneirar, misturar ã pó ao òçé dudu-' sobre
acondicionar na
do mel, que não se acaba ã pombo braneo, voÌtar a misturar bem'
e é sempre aceito cabacinha.
e a água
Que (eu) seja doce e aceito. - A pessoa toma banho com o òçé dudu preparado
enxuga' veste roupas brancas e
que ãozinhou o ovo, não se
ògún, mentalizando o que deseja
senta-se em frente ao Ojubq
o o o lh o nesse dia' só
- Magia eontra in v e ja , g ra n d e o ' e e comendo o ovo. Após esse preceito a pessoa
15 toma água, não come mais nad'a e fala apenas o necessário'
inimigos.
quatorze dias
- O òçé dudu, é para ser usado durante
no primeiro dia da fase lunar
FinaÌidade' Esta magia criará ao redor da pessoa um escudo consecutivor,
"o-àç".,do
i n v i s ív e l d e p ro te ç ã o , el i mi nando i nfÌuênci a mal éfi ca minguante.
provocada por ondas de inveja e "olho grande" enviadas por - O pombo é despachado na cachoeira'
um inimigo.

86 87
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

Dia' Conforme a necessidade - Cabeça de galinha


Hora para fazer, à noite - Folha de trepadeira. que cresce em árvore
Hora para usar' pela manhã - Raspa do okuta de Ogún
Lua' minguante - 1 panela de ferro
Local, Egbé, Ojube Ogún - Dandá da costa
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà - Roupa clara
- Lâmina de bisturi
- 1ení
16 - Magia e banho de proteção.
Procedimento'
Finalidade, Através do òçf dudu, dos gbçrç e do banho de - A primeira etapa consiste em fazer o Ebú, coÌocando
folhas a pessoa se protegerá contra inveja, "olho grande" e todos os ingredientes na panela de ferro e torrando,
fofoca. Reverter esta situação irá lhe proporcionar abertura transformando tudo em pó bem fino, reservar.
de caminho, prosperidade, alegria e harmonia. - Preparar o banho lustral, cozinhando todas as ervas na água
por dez minutos. Aguardar que amorne Para usar'
Material necessário, - O òçé dudu é misturado aos itens solicitados, inclusive o
- Banho lustraÌ: çjç do pombo, acondicionando-o na eabaça, deixando ficar
- Folhas frescas. de' 21 horas na casa de Èçü. Preparar o corPo do pombo Para a
- Mariwo Pessoacomer.
- Saco-saco - Primeiro a pessoatoma o banho lustral, em seguida com òç{
- Inhame dudu preparado. A Pessoa enxuga o corpo todo e usa roupa
- Caruru clara. Senta-se sobre a eni, diante do oficiante, quando então,
- Flamboyant terá os Bbçrç feitos em seu corPo nas seguintes partes' nuca,
. - Salsaparrilha pulsos, tornozelos e acima do umbigo (mais ou menos dois
- Oçé dudu, misturado com, dedos); são 7 incisões, feitas com a ponta da lâmina do bisturi
- Cedro, em pó em cada região citada. O oficiante molha o polegar direito
- SândaÌo, em pó em sua língua, passa no Ebú e coloca direto nas incisões'
- Gengibre, em pó A pessoa fíca 24 horas sem tomar banho. Permanecendo
- Semente de girassol, em pó sentada na eni, come o pombo sozinha mentalizando o que
- Terra de formigueiro deseja. Os ossos da ave são envoltos em um pedaço de morim
- Raiz de pimenteira, ralada branco, despachado em seguida na mata. O bisturi é quebrado
- Limo do marítimo e enterrado aos pés de uma árvore, envolto também num
- I pombo branco pedaço de morim.
- 1 cabaça com tampa
- Ebú para os gbere, Dia, de preferência na 2a. feira
- flfun Hora, finaÌ da tarde
- Qsun
ls6: primeiro dia da fase lunar crescente
- v/ãjí Local' Egbé e mata
- Cabeça de çtu Oficiante, Bàbáláwò, Bàbátórìçà ou Iyálórìçà
- Cabeça de pombo

88 89
Fernandez Portugal Filho Uso Mágíco e Terapêutico do Sabão da Costa

Observação, los nos seguintes Ìugares' entrada, laterais e fundos da


Este Ebú tem a duração de até três meses para uso. casa. Durante sete dias alimentar Ogún com gim, trocando
O s g b ç rç s ó d e v e rão ser renovados no prazo de a bebida diariamente e também barrufando sobre o Ojubq.
aproximadamente 20 anos.
Dia' 3a. ou 5a. feira
Hora, à noite
17 - Magia para proteger uma casa. Luat cr escent e
Local, frgbÇ, Ojube ògún e casa
F i n a l i d a d e ,A tra v é s d e sta magi a será cri ada uma cerea Oficiante, Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou IyáIórìçà
energética ao redor da casa, protegendo-a contra energias
deÌetérias e emanadas por inimigos invejosos. Observacão,
Os banhos são feitos após o sacrifício dos galos.
Material necessário'
O defumador de limpeza antes dos banhos e o de Àçç .to
- 4 lenços brancos
dia seguinte.
- 4 obi fúnfún
- 4 obi pupa
- 4 galos vermelhos
- I pombo preto
18 - Ebq para eliminar magia maléfica.
- Pimenta malagueta
- Ojube Ogún Finalidade, Este çb9 tem o objetivo de acabar com destruição,
dissabores, contrariedades provocadas por energia maléfica
- 1 piÌão pequeno
- Banhos' lustral e de limpeza na vida de uma pessoa.
- Defumadores: Iimper" Àçç
- óÌ"o de dendê " Material necessário'
- 1 cabra pequena
- ffun
- 5 cabaças cortadas ao meio
- Osun
- 5 pedaços de papel de embrulho, usados
- v/ãjí
- 1. Iápis vermelho
- Mel de abelhas
- Oleo de dendê
- Osun
Procedimento:
- Mel de abelhas
- Passar o pombo preto no corpo da pessoa, em seguida
- 5 ovos
impregná-lo com a pimenta malagueta pilada e soltá-Ìo d.o
- 5 metros de morim vermelho
lado de fora da casa.
- 5 metros de morim preto
- Diante do Ojubg ògún colocar os quatro lenços, contendo
- 5 metros de fita vermelha
cada, um obi fúnfún e urn pupa. Passar os galos no corpo - 5 metros de fita preta
da pessoa e sacrificá-Ìos no Ojubq Ogún, deúando q.r" - Algodão
um pouco do çjç sobre os obí. Regá-los com óIeo de dendê ""i"
e * Ojubg Osun
mel de abeÌhas, polviÌhá-los com çfun, esun e wãjí. Amarrar
as pontas dos Ìenços, dando formato de trouxa e enterrá-

90 91
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e krapêutico do Sabão da Costa

Procedimento, Material necessário'


- A pessoabate a sua cabeçana da cabra, pedindo o que desejar, - 1 ovelha branca
em seguida o quadrúpede é sacrificado no Ojubq Òçún. - 16 alguidares no 4
- As cabaças são foradas com algodão, dentro de cada uma - 16 porções de egbo
colocar um pedaço do papel de embrulho, escrito corn o - Algodão
lápis vermelho as situações que a pessoa quer eÌiminar de - [fun, ralado
sua vida. - 16 velas africanas com orí
- Cortar 5 pedaços de carne da cabra, acondiciona-os nas - 16 igbin
- 16 pombos brancos
cabaças.
- 16 alguidares no 0O
- Passar os ovos no corpo da pessoa e colocá-los dentro das
- Gim
cabaças também.
- Banhos' lustral e de Àçç
- Regar tudo com óIeo de dendê, mel de abelhas e polvilhar
bastante gsun. Procedimento'
- CoÌocar os morins vermelho e preto, no chão, formando
l a . Fase'
uma cruz; no centro desta, depositar uma cabaça, envolvê-
Forrar os alguidares no 4 com algodão e um pouco de
la com os morins, amarrando com as fitas como se fosse
egbo. Preparar as velas afrieanas.
um presente.
- Enterrar as cabaçasem cinco Ìugares diferentes na mata, 2a. Fase,
de preferência aos pés de uma árvore frondosa. O restante A pessoa bate a sua cabeça na da ovelha, mentalizando o
da cabra é despachado numa encruzilhada de terra próxima a quã dese,lapara a sua vida' em seguida é feito o sacrifício
uma cachoeira, com óleo de dendê, mel de abelhas e polvilhar a Obatala.
com 9sun. A ovelha é dividida em 16 pedaços' que são coÌocados
- A pessoa deve tomar banhos lustrais durante 5 dias dentro dos alguidares.
seguidos, conforme determinação do oficiante. É f"lto um circulo com os alguidares, a pessoa fica no
eentro e vão sendo passadosem seu corPo os igbin que são
sacrificados sobre os pedaços de cabra. Em seguida cobrir
Dia, 5a. feira
tudo com egbo, poÌvilhar bastante efun. Acender as velas
Hora' entre 24,OOe 04,00 horas
ao redor da oferenda e colocar gim nos alguidares'
Lua' minguante
Local' Egbé, Ojubq Oçún e mata 3a. Fase,
Oficiante' Bàbátáwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà A pessoa é retirada do local e levada Para um caminho
de subida. Conforme vai subindo, vai passando no corPo
os pombos e soltando-os. E importante que suba por um
19 - Ebq para prosperidade através do òrìçà lado e desça por outro. Voltar Para o Egbé e tomar os
Qbatala banhos conforme determinação do oficiante'

Finalidade: Este çbç tem o objetivo de levantar e fazer D i a'6a. f eir a


prosperar a vida de uma pessoa que sofreu injustiças, Hora' antes do sol nascer
difamações, injúrias e constrangimentos morais. lu3: primeiro dia da fase crescente

92 93
Ferna ndez Port ugal F i lho uso Magico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

Local, Egbé e mata MeI de abelhas


Oficiante, Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà 1 panela de ferro
1 pote de cobre
ObservaQõo' Impressão do Odü Qsá-Bàrá'
Este çb9 começa no $gbf, quando são feitos os sacrifícios;
em seguida a pessoa vai, de preferência, para a mata, fazer
o ritual dos pombos e volta ao [gb{ para os banhos.
A partir do dia que faz o çbe a pessoa deve vestir-se de
branco por 16 dias. Nesse período não é necessário que
vista-se completamente de branco, mas que use alguma peça,
Procedimento'
aparente, nessa cor. E proibido fazer combinações com as
cores preta e vermelha. - Torrar na panela de ferro todos os ingredientes menos o
òsé dudu, até transformar em um pó fino'

- Misturar este pó ao òçé dudu, acondicioná-Io no pote de


20 - Magia para prosperidade. cobre, imprimir sobre ele o Odü Qsá-Bàrá, deixar no Ojubg
Qya, por 24 horas.
F i n a l i d a d e , E s ta m a g i a propi ci ará ao usuári o' mel hores
- Após tomar o primeiro banho à meia-noite, ingerir I
propostas no local de trabalho. Caso tenha seu próprio
colher de café de mel de abelhas mentalizando tudo o que
negócio, aumentará o seu desenvolvimento. MeÌhorará
sua condição financeira através de reeebimento extra de quer.
dinheiro.
Dia para fazer' 4a. feira
Material necessário' Dia para usar; 54. feira
- òç{ dudu Hora' meia-noite
- 3 ikodid{ Lua, cr escent e
- 3 penas de agbe Local, Ègbé e residência
- 1 pena de çtu Oficiante, BàbáIáwò, BàbáIórìçà ou Ìyátórìçà
- Cabelo de criança que nasceu na lua cheia
- CabeÌo de albino Observação'
- Areia do mar de duas praias diferentes, colhidas na A pessoa toma o banho com o òçé dudu todas as quintas
lua cheia felras à meia-noite até o mesmo terminar' Não esquecer de
- 1 obi fúnfún ingerir o mel.
- I orogbo Não usar o òçé dudu no período menstrual'
- Folhas frescas de,
- Fortuna
- Paraíso
21 - Beberagem, Para eliminar magia maléfica'
- Almécega
,
- Oleo de dendê
Finalidade' Esta bebida eliminará magia maléfica que causou
- 21 grãos de atare

94 95
Fernandez Portugal Filho Uso Magico e Terapêutico do Sabão da Costa

vários problemas na vida de uma pessoa, culminand.o com


22 - Magia para atrair coisas boas.
convulsões.

Finalidade' Esta magia propiciará ao usuário, atração de coisas


Material necessário,
bo"", ptoposta de novo negócio, novo emPreso e melhora
- I garrafa de gim
nas relações afetivas.
- 2 dandá da costa. africano
- 2 obi pupa
Material necessór:io'
- 2 obi fúnfún
- òçé dudu
- 2 orogbo
- I pombo branco
- Erva. fresca de,
- 1 ikodidé
- Passarinho
- Folhas, frescas de'
- Guaco
- Fortuna
- Açafrão
- Sálvia
- Gengibre
- Melão São Caetano
- I panela de ferro
- HissoPo
- I garrafa de eor ambar
- 14 grãos de atare
- Raiz de batata doce
Procedimento'
- 1 panela de ferro
- Torrar na panela de ferro todos os ingredientes sóÌidos
- I pote de barro
até obter um pó, peneirá-lo várias vezes para que fique bem
- 30 cm de morim branco
fino, misturá-lo com o giT, numa garrafa âmbar, deixando-a
por três dias na Casa de Eçü.
Procedimento'
- A pessoadeve ingerir a beberagem trôs vezes ao d.ia,usando L*rifi"". pombo, no Ojubq Èçü. A cabeça, as patinhas e
I colher de sobremesa como medida. Caso seja ministrad"o "
as vísceras são colocadas no morim branco e enterradas aos
a uma criança menor de 12 anos, a medida é de 1 colher de pés do Ìrókò ou Jaqueira.
café duas vezes ao dia, e dos 12 aos lB anos a dosagem é 3
- Na panela de ferro, torrar o corPo do pombo junto corn os
vezes ao dia uma colher de chá.
demaìs ingredientes, menos o pote e o òç{ dudu' Transformar
num pó bãm fino, misturá-lo ao òçé dudu, acondicionattd:-:
Dia, conforme a necessidade ,ro poì" de barro. Deixar por 72 horas diante do Ojubq Eçü
Hora' de I em I horas ou de 12 em l2horas que recebeu o sacrifício do Pombo.
Lua, conforme a necessidade
- Após esse tempo usar o òçé dudu para banho, em jejum às
Local' Ègbé e,/ou residência
2as., 4as. e 6as. feiras até o mesmo acabar'
Oficiante: qualquer pessoa iniciada no cuÌto aos òrìçà

Observacão' Dia para fazer' 2a. ou 4a. feira


Hora para fazer' à noite
Antes da pessoa tomar a beberagem, passar por urn çbq de
Hora para usar' Pela manhã
limpeza.
Lua' nova ou cheia
Não deixar de procurar um médico para ser examine a pessoa, Local' ÈSbé e residência
verificando se taÌ magia não deixou sequelas físicas. Oficiante' BàbáÌáwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà

96 97
Fernandez Portugal Filho (Jso Mógico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

24 - Ebq para aumentar fluxo de dinheiro e


Observação' clientela.
Não usar no período menstrual.
e
Finalidade' Através deste çbq a pessoa' se magnetízarâ
.tr"iú mais clientes para o seu estabelecimento comercial'
de
23 - Infusão para eliminar magia maléfiea. consequentemente aumentando o fluxo de entrada
dinheiro.
Finalidade' Eliminar, através deste preparado, magia maléfica
que provocou vômitos, mal-estar, tontura, dor de cabeça, Material necessário'
enjôos, dores no estômago e insônia. - 1. alguidar no 4
- Oleo de dendê
Material necessário' - Mel de abelhas
- 2 litros de água - 7 moedas vigentes, de maior valor
- 3 gramas de folhas de abacate - 7 ovos de galinha
- 5 gramas de alfazema - 1 galo vermelho
- 5 gramas de cardo-santo - I galinha amarela
- 1 cebola, média, picada - Gim
* 1 garrafa de 2 litros - 7 grãos de atare

Procedimento, Procedimento'
- Colocar na garrafa as folhas espicaçadas e a cebola picada, - U"t". t com óIeo de dendê e mel de abeÌhas'
"Ig"idar Passar as
adicionar os dois litros d'água fervente,. tampar e deixar Passar no corPo os ovos e arrumá-los na vasilha'
Sacudir a pessoa com as aves'
repousar por 7 horas. Após esse tempo a pessoadeverá tomar moedas no corpo, reservá-las.
ovos. Regar com óleo de dendê e mel
3 xícaras de ehá por dia, até os sintomas desaparecerem. sacrificando-as sobre os
encruzilhada de terra e os corPos
- Antes de fazer uso do infuso, a pessoa deverá passar por de abelhas, despachar numa
um kásìpáÌàrá conforme determinação do oficiante. das aves são enterrados, aos pés de uma árvore frondosa'
que tenha
- A pessoaem seguida sai para caminhar numa rua'
que for
Dia' conforme necessidade bastante comérãio e que seja próspero e a medida
a andar do
Hora' conforme necessidade andando vai deixando uma moeda cair' Começar
número menor Para o maior' Voltar por outro caminho'
Lua, conforme necessidade
Local' Ègbé e/ou residência - Ao chegar de volta ao Ègbé tomar banho lustral a critério
Oficiante: Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà do oficiante.

Observação' Dia, conforme a necessidade


É importante que a pessoa seja examinada por um médico Hora, à noite
para saber se não há sequelas, e caso as tenha, qual o melhor Lua, minguante
tratamento (alopata ou homeopata) a ser seguido. Local, Ègbé, encruzilhada
Oficiante' Bàbálórìçà ou Iyálórìçà

99
98
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

25 - Magia para atrair coisas boas. Observação'


- Não usar o òçé dudu no período menstrual.
Finalidade, Este trabalho cujo ob;etivo maior é de encantar o
usuário, proporcionando-lhe abertura de caminho e atração
de coisas boas para a sua vida. 26 -Magia para tornar uma situação favorável.
Matelial necessário' Finalidade, A magia apresentada irá favorecer a obtenção
- Oçf dudu de favores, de empréstimo de dinheiro, de mudança de
- Agua de rio emprego, de promoção funcional.
- Cascas, raladas, de,
- Cerejeira Material necessário'
- Paraíso - Ebq e banho lustral
- Mangueira - 1 galo/galinha branca (homem/mulher)
- Baobá - I pombo/codorna (homem/mulher)
- Jenipapo - I obi fúnfún, ralado
- Irókò - 1 ogá, piÌado
- Akoko - Folha de lrókò, seca
- 1 igbin - Açúcar mascavo
- Perfume da preferência da pessoa - Sumo de folha de Angélica
- I cabaça, média, cortada ao meio - òçf dudu
- Pote de barro
Procedimento, - 7 penas (uma de cada ave) torradas
- Durante sete dias, a pessoa lava a cabeça com um pouco de - 50 cm de morim azuÌ cÌaro
òç{ dudu e água e guarda urn pouco da água que enxaguou
a cabeça. Procedimento,
- No sétimo dia é que será preparada a magia com o òçf - AÉ; o çbg e o banho lustral, dar o galo,/galinha, o pombo/
dudu misturado às cascas raladas e ao çjç do igbin, gotas do codorna para que a Pessoa faça os seus pedidos. Em seguida
perfume e um pouco de água guardada. Acondicionar o òç{ as aves são sacrificadas em louvor a Iyçmoja. As cabeças, os
dudu já preparado na cabaça, deixando-a por 72 horas aos pés, as asase os miúdos das aves são colocados sobre o morim
pés do Ojubg Qbatala. azuÌ. amarrando-o como se fosse uma trouxa e lançado ao
- Após esse tempo, tomar banho às 2as., 3as., 4as. e Sas. mar.
feiras à meia-noite, interealando as semanas, até o preparado - Preparar o galo/galinha, o pombo/codorna, conforme a
terminar. pessoa goste.
- Enquanto isso Preparar o òçé dudu com os outros
Dia' 2a., 3a., 4a. ou 5a. feira ingredientes. Misturar bem, acondicioná-Io no pote de barro,
Hora' à noite deixá-Io aos pés do Ojubg Iyemoja por 36 horas. Após esse
Lua' crescente, nova ou cheia tempo, usá-lo normalmente às 2as. feiras.
Local' ÈSbé residência - Quando terminar de preparar o òçé dudu dar um pouco
"
Oficiante: BàbáÌáwò, Bàbálórìçà ou ÌyáÌórìçà para que a pessoa já tome banho, em seguida ela come as

100 101
F ernandez P ortugal Filho Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

aves preparadas. Os ossos são despachados no mar, envoÌtos - Canela


em um pedaço de morim azul. - Louro
- Durante três dias a pessoa não poderá se aÌimentar de aves - Impressão do Odü Qbàrà Méjì
de qualquer tipo.

D i a ' 2 a . fe i ra
Hora, à noite
Lua, crescente, nova ou cheia
Local, Ègbé e mar
Oficiante' Bàbáláwò
- 2 gamelas redondas
- 1 cabaça, Pequena, com tamPa
27 - Ebq para prosperidade através do Odü - MeI de abelhas
Obàrà. - Cravo-da-Índia, em Pó
- L panela de ferro
Finalidade' O objetivo principal deste çbg é obter prosperidade, - Oleo de dendê
abertura de caminho, entrada rápida de dinheiro e sorte em
associaçõescomerciais. Procedimento'
1a. Fase'
Material necessário' - Untar uma gamela com óleo de dendê para acondicionar
- Milho verde cozido e debulhado o milho cozido, enfeitado corn as 24 fatias de côco seco'
- 24 fatias de côco seco - Untar a outra gamela com mel de abelhas' No fundo
- Feijão fradinho cozido d.esta, arrumar os ovos crús passados no corpo da pessoa'
- Azeite doee sobre estes acondicionar o Qmqlgkun feito com o feijão
- Camarão seco fradinho. azeite doce, camarão fresco e seco, ceboÌa ralada'
- Camarão fresco Descascaros 5 ovos cozidos, arrumá-Ios sobre o gmqlQkun'
- Coração bovino, pieado no centro colocar o pedaço de favo de mel'
- Cebola ralada
- Reservar os dois Pratos.
- 5 ovos crús de galinha
- Na panela de ferro torrar o pimentão verde, o sabugo de
- 5 ovos cozidos de galinha
milho, acrescentar o sumo das folhas, mel de abelhas' óIeo
- 6 espigas de miÌho cozidas
- 1 pedaço de favo de mel de dendê e misturar ao òçé dudu, em seguida sacrificar o
- Oçé dudu pombo e tornar a misturar tudo' Acondicionar o òçé dudu
p."p"r"do na cabaça, imprimir nele o Odü Qbàrà Méjì'
- Sabugo das espigas de miÌho
- 1 pombo branco 2a. Fase'
- I pimentão verde - A pessoa toma banho com o òçé dudu e diante do Ojubq
com
- Sumo das folhas de, $àngó oferenda as duas comidas votivas, regando-as
- Saião óleo de dendê, mel de abelhas e pulverizando com cravo
- Girassol da Índia.

t02 103
Fernandez P or tugal Filh o Uso Magico e krapêutico do Sabão da Costa

- Neste momento, a pessoa imagina sua vida ascendendo,


progredindo com muito sucesso.

Dia, 4a. feira


Hora' à noite
Luat crescente
Local' Ègbé, Ojufe Sàngó
Ofo (encantamento)'
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou ÌyáÌórìçà
A RÌN YQ MÁÀ NI T'ÀGBÀDO
ATA ILORUNKQ KÍ Ì EÍI{Ú ÀTÉ
28 - Magia para atrair sorte, dinheiro e coisas Àrn xÍ Ì eÍtüÚsÌmÍrunÍluMI NÌ
boas. FIYELE xÍ Ì u oNÍLÉtrtÍluÚ
Finalidade' Através desta magia, o usuário atrairá sorte, Tradução,
dinheiro, pessoas que o ajudarão a conseguir coisas boas, eomo
por exemplo, melhoria no local de trabalho, empréstimo de O milho caminha eom alegria
dinheiro, etc. O pimentão não odeia a feiticeira
A feiticeira não odeia o saião
Material necessário, O pombo não provoca o ódio do Dono da Casa'
- panela de ferro, baro ou pedra sabão
|
- Oçé dudu Procedimento'
- I pombo braneo : Na panela de ferro, torrar os seguintes ingredient-es' os
- 21 grãos de atare grãos de atare, o pimentão, as folhas, a espiga de milho' o
- I pimentão vermelho ãteo de dendê, o mel de abeÌhas, o çjç e as vísceras do pombo'
- 6 folhas. de, Depois de torrar, pilar e peneirar, misturar ao òçf dudu
- Fortuna acrescentar o wãjí e o gsun' tornar a misturar'
- Saião - No fundo da gamela, imprimir, com çfun, a marca do
- Agrião Oatr Òlar:r-fun, ãcondicionar o òçé dudu preparado'.Sobre
- Akoko ele polvilhar çfun ralado, tornar a imprimir o Odü Qbàrà-
- Louro fun, recitando o gfg seis vezes.
- I espiga de milho
- Deixar a gamela no Ojubq òçún por 72 horas' após esse
- Mel de abelhas
tempo começar a usar o sabão da seguinte maneira' em jejum'
- ól"o de dendê
p"i"ou toma o banho com o òç{ dudu, em seguida mistura
- Efun "
num pratinho branco um pouquinho de óIeo de dendê e meÌ
- Qsun
de abãIhas, com o dedo indicador da mão direita e lambe a
- wãjí mistura. recitando o gfg três vezes' Em seguida fazer as
- 1 gamela pequena
coisas que normalmente faz diariamente'
- Impressão do Odü Qbarà-fun

104 105
Fernandez portusal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

- Usar o sabão, às 3as. e Sas. feiras. Nesse


dia só não pode Ofo (encantamento)'
ingerir bebidas aÌeoólieas.
ORIRE NI T'ÀGBÀDO
Dia, conforme a necessidade ÀceÀoo RÌN uoHo D'óKo
Hora, à noite O KO RÈ BO V/Á ILE.
Lua, creseente ou nova
Local, Èebé, Ojube òçún T."Or.toão'
Oficiante: Bàbátáwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà
O milho tem boa sorte.
O milho vai nu Para o camPo.
29 - Magia para atrair sorte através do Odü EIe, pega a Boa Sorte e volta Para casa com ela'
efún
Méjì.
Procedimento'
FinaÌidade: Através desta magia, o usuário criará - Torrar na panela os ingredientes até obter um pó, peneirá-
ao seu
redor uma força que atrairá coisas boas para a vida Io e misturá-Io ao òçé dudu, acondicionando na cabaça'
dele em
termos de negócios, melhor emprego, promoção e Imprimir sobre ele o Odü òf*tt VIe3i, recitando o gfq três
elevação
profissional. vezes.
- Usar 24 horas após, da seguinte maneira' este banho é para
ser tomado às 24'00 horas e, conforme for se ensaboando,
repetir o gfg três vezes. Só voltar a tomar banho 24 horas
- Folhas caídas aos pés de uma bananeira após. Usar.o òçé dudu às 4as. feiras.
- Folhas caídas numa praça
- Folhas caídas na beira do rio Dia para fazer' 3a. feira
- Areia de rio Dia para usar, 4a. feira
- Folha de milho Hora, 24,00 horas
- Cabelo de aÌbino Lua, usar somente na crescente
- Raspa da sola do sapato Local, Ègbé residência
- Urina da pessoa "
Oficiante, Bàbáláwò
- Impressão do Odü Ofun Méjì
Observacão,
Fazer uma sequência de 7 banhos, dar um intervalo de 3
semanas, voltar a usar o òçf dudu até acabar'
Não usá-lo no período menstrual.

- I cabaça, média, com tampa

30 - Magia através do òçé dudu, para novas


conquistas.

106 107
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêuticodo Sabão da Costa

FinaÌidade, Usando esta magia a pessoa se magnetizará - Tomar o banho de cinco em cinco dias, até o òçé dudu
atraindo forças benéficas que lhe auxiliarão a conquistar as terminar.
coisas que deseja.
Dia, 5a. feira ou sábado
Material necessário,
--------_- Hora' à noite
- Osé dudu Lua, crescente ou nova
- 4 búzios, torrados e pilados LocaÌ, ÈSbé, Ojufq òçún e residência
- Sândalo, em pó Oficianti' BàbáIáwò, BàbáIórìçà ou lyálórìçà
- Cedro, em pó
- Semente de girassol, moída Observacão,
- Semente de papoula, moída A galinha é preparada a gosto e servida em Saara'
- Açafrão, em pó
No dia ern que usar o òçé dudu não dividir absolutamente
- Noz-moseada, em pó
nada eom ninguém, nem emPrestar algo em hipótese
- Cominho, em pó
alguma.
- I galinha amarela
- 1 cabaça, com tampa
- I espiga, novinha, torrada e pilada
3t - Ungüento para não deixar que magia maléfica
Ofq (encantamento)' destrua urna pessoa.

KINrAcBÀno Á vrÚ Bg?rGBAÇMe Finalidade' Este unguento, ao ser usado Por uma Pessoaque
KINI ÀGBÀDO Á MÚ BQ? IGBA A$Q. está sob efeito de magia maléfica, afastará as forças deletérias
que querem a sua destruição e a protegerá formando ao seu
Traducão' redor uma cerca invisível de energia positiva'

O que o miÌho traz para casa? Duzentas crianças Material neeessário'


O que o miÌho traz para casa? Duzentas roupas. - I panela de ferro, de barro ou de pedra sabão
- Orí
Procedimento' - Casca de mangueira, ralada
- Casca de jatobá, ralada
- Misturar ao òçé dudu os elementos em pó, moídos e - Enxofre, em Pó, uma Pitada
pilados. - Sabugo de milho, torrado e Pilado
- Dar a galinha para que a pessoa peça tudo que deseja, em - Essência de almíscar
seguida sacrificá-la na mistura e tornar a misturar, desta - óI"o de amêndoas doce
vez fazendo o gfg e jogando o hálito sacralizado sobre o òçf - 1 pote de barro
dudu. Deixar repousar na cabaça, onde é acondicionado, aos - 1 colher de Pau
pés do Orìsà Oçún, por cinco dias.
Ofq (encantamento)'
- No sexto dia tomar banho em jejum com o òçf dudu
preparado, recitando o gfg e mentalizando o que deseja.

108 109
Fernandez portugal Filho
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

A NSÁRÉNú EKAN.qÁrvrrceÉ
popóRoAGBADo erÁ $uBú.
rÍ Ì eí oióKò ti úíii
ATATÚ NI TI GBEGI. 32 - Magia com a utilização do òç{ dudu para
cortar perseguição.
Traducão,
Finalidade' Eliminar perseguição provocada por inveja,
O sabugo do milho nunca briga rompimento de relacionamento amoroso ou no próprio local
com o fazendeiro.
Que o inimigo seja tão fra"o" nas mãos do de trabaÌho, ou rnesmo astraÌ.
lutador,
quanto o sabugo é nas mãos do
fazendeiro.
O morador da árvore (espírito Material necessário'
-:}'é
da floresta) não pode
ser derrubado. r d"d"
- 1 panela de ferro, de baro ou pedra sabão
Procedimento'
- I pote de ferro
- Colocar na panela de ferro
o orí para derreter no fogo, - 1 pouco de grama que criança pisa
adicionar gotas de óleo de amêndoas
ooces, misturar bem - Carvão vegetal, em pó
com uma colher de pau. Aos poueos
e devagar, aerescentar as - Folhas, frescas de'
cascas, o sabugo e o enxofre, não
deixandã de mist.r"". .rn - Corredeira
momento algum. Acrescentar a essência
de almíscar, mexer - Erva-passarinho
rapidamente e apagar o fogo.
Acondieionar o unguento no - Vassourinha de relógio
pote, deixar esfriar e descúsar
por 6 horas. - Sfun, ralado
- Em seguida usá-lo no corpo
todo. No dia seguinte tomar - wãjí
banho de higiene normal p"""u. o unguento na sola dos - 1 pombo branco
pés, ao redor do umligo e "plexo
solar (nã altura d" p";"ì;; - I pombo preto
"boca do estômago")
- I pote de barro
- Vestir-se normalmente bem
como desenvolver suas tarefas
diárias. Ofo (encantamento)'

D i a ' 3 a . o u 5 a . fe i ra A NSÁRÉ luú Èx.q,lurÍ Ì s.q.rvsÁN;Br ENryAN.


Hora, à noite Ko LÈ NKAN NKAN NLÉ oI.uw,q,nÈ ruí.
Lua' m-inguante nos últimos momentos MÁ LQ N (LAGBAJA) JINNA NIBI, LOMIRAN
Local' Egbé e residêneia ENIYAN.
Oficiante: Bàbátáwò, Bàbálórìçà ou
Ìyálórìçà
Tradueõo'
Observacão'
Enquanto estiver passando no corpo, Nós não eorremos no capinzal em vão;
recitar o gfg.
se corremos atrás é porque aÌguma coisa perigosa
Não usá-lo no período menstrual.
está correndo atrás de nós.
É importante que o oficiante ministre um Vá correr (Fulano), longe daqui, atrás de outra
kosìpálárá na
pessoa antes de passar o unguento
no corpo pela primeira Pessoa.
vez.

110
III
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Procedimento, - Folhas, frescas, de'


- Torrar na panela de ferro, a grama, as folhas, a cabeça, - Pçrçgun
as asas, os pés e as vísceras do pombo preto anteriormente - Mangueira
sacrificado no Ojubg Epü. O corpo da ave é despachado no - Mariwo
local de onde se colheu a grama. - Limoeiro
- Misturar o pó conseguido ao òç{ dudu, carvão vegetal, çfun - Laranja da Terra
e wãjí. Sacudir a pessoa corn o pombo branco, impregná- - Inhame
lo com çfun ralado e soltá-lo. Em seguida tomar banho - Mamoeiro
com o òç{ dudu preparado. Repetir o banho sete dias - Cascas das árvores'
consecutivos. - Mangueira
- Após esse período, tomar banho com o òç{ dudu uma vez - Limoeiro
por semana, no dia preferido da pessoa, até o preparado - Mariwo
acabar. - Sal grosso
- Não esquecer de todas as vezes que usar o òçf dudu, recitar Defumador (antes do banho)
o gfg quatro vezes. - Lençol branco
- Casca de eebola
Dia: 3a. feira - Casca de alho
Hora, à noite - Benjoim, em Pó
Lua, minguante - Mirra, em pó
Local' Egbé e Residência - Enxofre, em Pó
Oficiante' Bàbáláwò, BàbáÌórìçà ou Ìyálórìçà - Alecrim. seco
- Sal grosso
Observação' - Pedaço de sabão
- I esteira
É importante que o oficiante ministre um kásìpálárá na
- Roupa que a Pessoa dormiu 3 noites
pessoa, antes que esta comece a usar o òçé dudu preparado.
- Carvão Vegetal
- Incensador

33 - Banho para eliminar Ikamburuku Chá (após o banho)


- Casca, seca, de manga
Finalidade' Através deste banho o usuário vai sentir-se,
- Casca, seca, de laranja
astralmente, limpo pois eliminará a influência maléfica
- Erva eidreira
p ro v o c a d a p o r u m ë g ú n Ikamburuku que Ìhe trouxe - Erva doce
momentos desagradáveis tais como brigas, discussões,
perdas, etc.
Procedimento'
- A pessoa, veste a rouPa que dormiu por três noites' senta-
Material necessário'
se nà esteira, cobre-se com o lençol branco, ao seu lado fica
Banho (depois do defumador) o incensador corn o defumador. Caso a pessoa sinta-se mais
- Agua de cachoeira confortável deitada em decúbito dorsal poderá fazê-lo'

112 1r3
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

- Defumar por quinze minutos. Em seguida tomar o banho I pote de barro


Ìustral. Após, tomar o ehá pelo menos durante três dias, lmpressão do Odü Qkànran-Owonrìn
três vezes ao dia.

rr---r t. --I
Dia' conforme a necessidade lo .l l . ol
Hora' antes do sol nascer
Lua' minguante | : ll' . 'l
Local' Egbé (melhor que neste dia permaneça no local
Qfo (encantamento),
até a noite), residência (não esquecer de defumar todo o
recinto)
Oficiante' Bàbáláwò, Bàbálórìçà ou Ìyálórìçà
QKANRÀN-Q\I/ARÌN!
ALÁGBÁRA gÍ NCÍYÀ}.II
Observação'
óxoruÍnuúooü;
I$EGÚN EGÚNGÚN
No dia que fizer ritual, não sair de casa, procurando evitar ÈnqNIÍ,ÈnqNÍ, ÈnqruÍt
contato eom outras pessoas rnesmo por telefone. Àsn, Àsnt
Àsn,
Traducão'
34 - Ebú para limpar. uma casa eomereial ou
residencial através do Qkànran-Qwonrìn Òlçànràn-Òwàrìn!
Poder nascido do Formigueiro!
Finalidade' Este Ebú tornará o ambiente limpo astralmente Ele que não tem no Destino
e o protegerá contra energia maléfica que quiser invadi-lo. A arte de curar a morte;
Proporcionará ao local harmonia, paz e tranquilidade. Tem o antídoto. tem o antídoto, tem o antídoto!
Assim seja, Assim seja, Assim seja!
Material necessário'
- Panela de ferro Procedimento,
- Cascas das árvores' - Torrar na panela de ferro as cascas e as folhas até
- Mangueira transformar em pó, acrescentar o sal marinho, o enxofre
- Pitangueira e bastante çfun ralado.
- Aroeira - Peneirar o pó sobre um prato branco, imprimir o Odü
- Jenipapeiro Òtànran-Òwàrìn, recitando o qfe. Em seguida acondicioná-
- laqueira lo no pote de barro.
- Folhas, frescas, de' - Quando soprar o ebú no local, colocar urn pouco no prato
- Aroeira
branco, recitar o afa, mentalizar o que deseja e soprá-lo em
- Goiabeira todos os cômodos da residêneia ou comércio.
- Limoeiro
- Soprar o ebú, no mínimo, três vezes Por semana.
- SaÌ marinho
- Enxofre, em pó
- Efun, ralado f16: preferência na 2a. feira
Hora para fazer' entre 24'OOe 04'00 horas

tI4 115
Fernandez Portusal Filho (JsoMágico e Terapêuticodo Sabão da Costa

Hora para usar pela manhã, até O9'00 horas


Lua' minguante - 1 pote de cobre
Local, Residência ou comércio - Egbo com orí
Oficiante' Bàbátáwò ou Qmq Ifá - AÌgodão eru

Observacão, fe (de encantamento)'


Verificar se não há necessidade de fazer um çbq lustral no
local, antes de usar o ebú. ÈrÚrÚ PÜI-EI-ELoNÍ KÍ Ì wQN
NFI O NI FÚNFÚN FÚIVMT'. , .
Caso o local receba muitas pessoas, usar o Ebu peÌo rnenos
bïÈiói'ïtrÌxÁ, rI 4'o rE KÍ QRUN;
2 vezes por mês.
oeóxÏ ÌxÁ rvrÉrióxÁ ceoceo
IBI KÚRò LONÀ MI
Àsnt
Àsn,
Àsn,
35 - Ebu para abertura de caminho através do
odü rká-Mèjí. Traducão'

nos cumprimenta
Finalidade, Este Ebú proporcionará ao usuário abertura de O barulho da tempestad'e' hoje'
caminho, permitindo que o mesmo consiga alcançar os seus usando branco Por mim;
que eÌe
objetivos mais rapidamente através do Odü Iká-Mèjí. Em torno de dúas Palmeiras'
é cumPrimentado no céu;
Material necessário' aÌgodão, o Odü Iká Méji'
- Sementes de algodão ""P"turrdo
cúnprimenta toda narrativa' num lugar
- Milho branco, cozido ao longo do meu caminho'
- Çfun, ralado Assim seja, assim seja' assim seja!
- Semente de girassol
- Oleo de dendê Procedimento'
menos o çfun
- Qsun - Colocar na panela de ferro os ingredientes'
ao pó o
- wãjí até obtut um pó bãm flno' Juntar
- Casca de árvore de palmeira ";-i;;;q""n, misturar bem' Espalhar um Pouco
çfun-ralado e o iyçrQsun, o Odü
- PaneÌa de ferro de barro ou de pedra sabão do ebú no chão, diJi; Jo ojube oçúmárè, imprimir
- 1 IkodidÇ Iká Méiì e recitar o 9fQ'
- Casca de ovo de pata com egbo' com orí e o
- Em seguida cobrir a impressão
- IyÇrgsun pote de cobre'
algodão.b resto acondicionar no
- Impressão do Odü Iká-Mèjí, dias alternados' o usuário
- Três vezes Por semana' em
na mão esquerda' recitará,o
colocará um Pouco do ebu
no plexo solar e na sola dos pés'
gfg e passará na *f"çu,
Deve usar o ebu mesmo
mentalizando o que deseja conseguir'
objetivo' até acabar'
depois de ter conseguido o

117
116
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Dia, preferência pela 5a. feira


Hora' à noite
Lua, nova Glossário Comentado
Local' Ègbé, Ojulg òçúmárè, residência as mais
I - ATIN ou EBU - Pó fino, mágico, utilizado para
Oficiante, Bàbáláwò ou em9 Ifá tais como
diversas finalidades nos Cultos Afro-Brasileiros'
corpo' etc"' Constituído de
abertura de caminho' fechamento de
Observaeão, sementes e também de elementos
folhas, frutos, câscas'raízes,
No
Mulheres no período menstrual não devem usar o ebú em minerais e de ossos d.e animais sacrificados no Terreiro'
Culto Angola-Conguense é conheeido como "Pemba"'.A
hipótese alguma. :ig:t'
u fJ.rtu""etin ou"Atinsá" quer dizer "árvore'o' em Ewé fón'
O ebú deve ser usado pela manhã, antes da pessoa
sair de casa màs foi assimilada no Brasil, como pó sagrado'
para o trabalho.
Mesmo que o usuário trabalhe em casa ou não 2 - IYERQSUN _ (BAPHIA NITIDA LODD., LEGUMINOSAE
trabalhe, após pelo
usar o ebu deve sair. PAPILIO NOIDEAE) - Pó vegetal, amarelado' utilizado
em grande
Bàbáláwò para imprimir os oãü' É também usado'
cascas'
escala, na magia Yorübá. Em Cuba, é substituído Por
foÌhas, frutoslraízes e' também pela cabeça da cotia' recebendo
o nome de "Yèfá".
labiadas'
3 - PATCHOULI - Planta aromática, da famíIia das
essêneiae pó' que são
Originária da Índia, de onde é extraído
perfume de atração'
emfregados no Preparo de pós mágicos,
banhos de Asç, defumadores, etc"'
_ FAVA
4 _ ABÉRÉ _ PARINARI SPP., CHRYSOBALANACEAE
de diâmetro' Utilizada
amarronzada de aproximadamente 1,5 cm
é também
nos assentamentos' principalmente do òrìçà òçun;
um dos elementos que comPõem o òçú'
L"
s - BÉJÈRÉxÜn (o mesmo qu" ÈnÜ) - cRoroN LoBATUS
EUPHORBIACEAE- Sementè de cor negra' interior vermelho'
Afro-
aromática. UtiÌizada na iniciação de Ìyáwò nos cultos
Brasileiros e também em defumadores. Possui a propriedade
de afastar a negatividade. É também utilizada na composição
do òsú.
TAU''
e - ÀnÌ n, LN - TETRAPLEURA TETRAPTERA
LEGUMINOSAE MIMOSOIDEAE - Fava de cor amarronzada'
a
aromática que serve' segundo os Cultos Afro-Brasileiros'
todos os ò.içi,. Utiti"ada tãmbém para banhos' Atin' defumação'
Popularmente conhecida no Brasil, eomo "Olhos de Ifá"'
Yorübá'
7 - ORÌSÀ - Entidades Sobrenaturais, do Culto
Intermediárias entre o Homem e o orun. AÌguns, aparecem
como forças da natureza, ancestrais divinizados' representações

il8 r19
Fernandez portugat Fitho
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

zoomórficas ou antropomórfieas.
Seu eorrespondente no Culto por possuir a capacidade de aumentar
AngoÌa-Conguense, é o ,.Inkice,,, Afro-Brasileiros,
;; tulto Jèjè são chamados a vitalidade e concentração. E usado tarnbém, no sistema
de "Vodun". "
adivinhatório. Similar ao obí. Principal fruto de $àngó' Seu
I - EFUN - Suh_stância,de envoltório (casca),é marrom.
origem mineral de cor
enc.ontradaem forma d€ bola branca,
ou Uütizada
de Iyáwò. principaÌ ..okuta "ïpiraiaau. na;o*;"" 16 - ETU - (AVE GALINÁCEA) - Nome Yorübá, da galinha
d" AË;;; o mesmo que Caulin,
argila branca, barro braneo. d'AnRoIa. Também conhecida, popularmente, como galinha-da-
ÍndiJ"estou-fraca" ou galinha de guiné. Aparecendo também,
9 - IGBIN - MOLUSCO GASTERóPODE eomo uma deformação genética' na cor branca, sendo oferendada
_ Utilizado nos
Afro-Brasileiros como principal Cultos
animal de sacrifício à à QbataÌa. A importância desta ave deve-se à lembrança do
Conhecido poputarmente como .,Boi-à" ebatala.
Oiiie;,^ï";"-;;;"" mito da Ìyáwò. Sua plumagem lemb-ra a pintura ritual dos
em determi;;'" rituais mágicos p-ara iniciados. Èor possuir uma "pirâmide" na. cabeça' nos r-emete
Ï:Ë;:ïHH::: ao mito do artefato colocado na eabeçado Ìyfirò, "o ò5ú"' Ave
10 - IFÁ - Sistema de Adivinhação. que eonsagra, através do sacrifício ritual, o lyáwò' Admirada
Utilizado somente pelos por sua independência, agressividade e resistência'
Bàbáláwò, através do lkin ." qOÌiJ
Oie fazem cutro ao Deus
Yorübá da Adivinhação e do D"";;;,ïôrúnmítà,,. 17 - QBATALA - Deus Yorübá. Patrono da Criação' Deus do
11 - PI$URIN - LICARIA Branco. Senhor de lfón. Irúnmálè. Por excelência, associadoà
PUCHURYMAJOR _ Árvore
família das lauraceas,.originária da sabedoria, criação, da pureza e da fertilidade.
da floresta pluvial, cujas
sementes contém um líquido 1S - ÌROKO _ (CHLOROPHORA, EXCELSA (V/ELW) BENTH
volátit, rico em safrol e
Anti-séptieo incolor que tem eugenol.
cheiro earacterístico de & HOOK., MORACEAE) - Deus Fitolátrico Yorübá. Morada
Seus frutos são utilizad"r.."g cânfora.
O" banhos lustrais, de d.iversas entidades sobrenaturais; inclusive dos espíritos
defumadores de limpeza, aün,/ebu l";O*" -irot"çao
j"
e abertura de Abíkú. Devido à sua importância, em algumas regiões Yorübá,
caminho dentro da CuÌtura essaárvore de grande valor religioso e terapêutico é protegida
n"figlo"a Ài.o_Brasileira.
conhecido como,,Noz_do_pará". " Também
pela Guarda Florestal. Suas folhas são grandes, verde-escuro e
12 - O$UN - Um dos òrìçà mais jovens àveludadas. Considerado também como Deus das Hemorragias' Se
do panteão yorübá. Deusa uma pessoaestá bem, ao se colocar sob a sua coPa,se sentirá mais
mesmo nome, na Ìo.ãhdade
1o.r:o-do J. enerÀizada.Casoeontrário, sentir-se-á muito mal, chegando até
òrìçàdasp..ir"t""*s, daságuas
associada aos metais nobres.
do"ur,tflt".*::iffi:t; a "Bolar". Existem Poucos espécimes no Brasil.
-""Ão
13 - v/ÃJÍ _ (rNDrgoFERA 19 - QMQ - LiteraÌmente, Filho ou Filha, em Yorübá. Expressão
ANrL
ApILIoNÁcEA)- pó de eor ;^i^;:;;""naLorN, LEGUMTNOSA que se aplica para designar este ou aqueÌe filho, de uma divindade
Iyáwò quando de sua inieiação pinrura ritual do africana. Pot Qmç òçntt, b.ttç Qya ou Qmq ògún. Ou
.ro ó,rlto aos òrìçà yorübá. "*"*plã' fiÌho(a) de
Empregado também,_em balhos seja, filho(a) de òçun, Qya ou filho(a) de Ogún'
f"rt.uË" revitalizadores e em
muitos "pós de sortilégios" 20 - oJÚBQ - Literalmente, em Yorübá OJÚ (= OLHO)' BQ (=
14 - OBÍ _ (COLA ACUMINATA ADORAR), "Olhos de Adoração". Assentamento público de uma
SCHOTTENDL., STERCULIACEAE)
- Fruto eomestível. Imprescindív"t entidade sobrenatural; em que os devotos fazem culto.
.ro" èìtos Af ro_Brasileiros,
ora é oferendado ao1 21 - A$E - Palavra Yorübá, popularizada no Brasil, como
!rjsà, ^o.. "".ao f,ara adivinhação, ora
usado no preparo culinário ef.o_n""lf"í". expressão múItipla de desejo de coisas boas para uma pessoa'
15 - OROGBO _ (GARCINIA Realizaçãoe estabilidade, corporificadas no mundo físico através
KOLA HECKEL, GUTTIFERAE) _
Fruto de origem afrieana, tu.gu-".riu dos pedidos aos òrìçà. Poder de realizaçãoindividual ou coletivo,
ìüuruao nos Rituais através de elaboradas práticas rituais.
r20
121
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

22 - I$U - (DIOSCOREA Sp. DIOSCOREACEA)_ o


Tubércutc,, nem prática homossexual. Utiliza-se do òpéÌè e Ikin Ifá para
conhecido no Brasil como inhame-da-costa. e adivinhatório'
Nutritivo e saboroso. processo divinatório
N,"
9"r1":u.Religiosa Afro-Brasileira, é usado como oferenda a
varros unçà, por exemplo' ebataÌa (Festados Inhames 30 - BÀBÁLORÌ$À - Cargo Masculino da maior autoridade
Novos _
na forma de purê ou de bolas); ògún (paliteiro de um Dirigente Espiritual de uma SociedadeReligiosa {t::-
;b;;;:"""
qual são fincados 43 nervuras ae Ãáríwa),
òsun t,o"ìr'à,ou"" Brasileira. Distribuidor de tarefas pertinentes ao culto ao orìçà.
- um dos principais ingredientes). Apreciado Da mesma forma, "Homem" responsável pela iniciação de novos
na culinária Afro_
Brasileira e valorado cãmo bom depurativo Ìyáwò e pela,.perpetuação$o nut. Popularmente conhecido no
do sangue.
Brasil como "Pai-de-Santo'-.
23 . KÁRA _ (DICROSTACHYSCINEREA (L.)
V/IGHT & ARN.
LEGUMINOSAE MIMOSOIDEAE) _ Tubérculo St - ÌyÁLOnÌlÀ - Cargo Feminino de Dirigente EspirituaÌ
nutritivo e Afro-Brasileira' Responsável
saboroso similar ao I$u. Também usado,
na cuÌtura e culinária de uma comunidade
""ligio"u
Afro-Brasileira para os mesmos fins. pela iniciação de novos Ìyáwò e pela perpetuação do Açç' No
Èrasil, este cargo é numericamente superior à sua contraparte
24 - OGÚN - òrìçà yorübá, filho de
lyçm9ja e òranniyán. masculina. Popilarmente eonhecida como "Mãe-de-Santo"'
Força telúrica, associado às ja.zidasde ferro,
à metalurgiã, às
ferramentas e à agric.uttura. òrìçà nacional, 32 - QSUN _ (PTEROCARPUSOSUN CRAIB, LEGUMINOSAE
Senhor d" I;,é, S;u
bebida preferida ão "Emú,'. PAPILiONOIDEAE) - Pó, de origem vegetal, de cor vermelha'
de inúmeras utilidades rituais. Dernonstrativo litúrgico de um
25 - AJQBÓ - Artefato_ Individual, representativo
do Orìçà. dos três sangues principais. Alguns terreiros o substituem
Constituído de diversos elementos do mundo
mineral, animal . em pinturas rituais pelo urucun, largarnente utilizado em
vegetal. Espéciede bateria transmissora e
receptora de enerpias cerimônias tribais indígenas.
defensivas e ofensivas. popuÌarm.ente conhecido
B*"il,;;;;
'oAssentamento" (E><,AJÒBó ÈSu =
A""".,tu*".rì. ". ã" tJl.",-'- 33 - EJE - Palavra Yorübá que quer dizer "Sangue"' Emprega-
se esse termo com relativa frequência, ao sangue dos animais
26 - ORÍ - Em yorübá, literalmente, ..cabeça,,
ou ORÍ tNú sacrificados aos òrìçà. Fluído revitalizador e que dá continuidade
(o interior da cabeça). primeiro
Orìçà Individual a uo Àçç.
oferendas rituais de diversos conteúdos """.1",
litúrgicos indicados
por Ifá, através da cerimônia de B{rí. 34 - È$Ü - Entidade Sobrenatural. Primeira que.atua como uma
espéciede "Embaixador'o entre os Homens e os OrìSà. Possuidor
27 - AKASA - Comida yorübá. Utilizada
na culinária profana de múItiplas personalidades. Único òrìçà que.t't.ut-""-" Totl,"
e sa.cro-mágica. Representativa do ..Corpo "Eçü Individual"'
do òrìçà',, i" ;;; com o humano, pois cada homem tem o seu
ao urun e do Ayé. Feita de farinha de milho personagens' de outras
branco, levada ao Erroneamente confundido com outros
fogo com água, até tornar-se gelatinosa
e envolta em folha de mitologias.
banana ou em outras espéciesãe fothas, ligeiramente
aquecida
no fogo, tendo a forma piramidal ou espiãladu. 35 - EBQ - Cerimônia propiciatória com múltiplas finalidadcs
O _""Ão qr"
Ekq. que utiÌiza elementos dos reinos animal, vegetal e mineral'
Entre essasfinalidades estão a de agradar, apaziguar' armazenar'
28 - o$E núlú - Literalmente, .,Sabãopreto,,.
Comum nos def ender ou of ender , at r avés de f or ças sobr enat ur ais
mercados africanos. pode ter uso profano
ou ritual; de cor enearregadas desta função. Termo empregado erroneamente
negra. Emoliente, constituído de eascas,
folhas, sementes, puru dãlg.rar malefícios a outrem' Literalmente' significa'
frutos e raízes calcinadas. ttoferendatt.

29 - BABÁLÁWO - Homem Inieiado no Culto Sociedade Religiosa de origem afrieana composta


à Qrúnmílà. oelo 36 - ÈGBÉ -
período de sete dias que não tem possessão
.t.""g" J. o.rii'ã

122 r23
Fernandez Portugal Filho
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

de homens e mulheres com a finalidade de


culto aos òrìçà, aos 44 - FÚNFÚN - Palavra Yorübá que quer dizer branco. Utilizada
Êgún, etc. o mesmo que "Ilé À;;;, ,%;"eiro,, ,,Abassá,,.
ou comumente para definir categoria dos Orìçà da Criação (= Orìçà
37 - EGBO - Milho branco, cozido, que pode
ser acreseentado Fúnfún). Refere-se aos antepassados;à anterioridade dos Orìçà
a diversos eìementos e é servido como eomida Irúnmálè.
votiva u q.ru".
todos os òrìçà. Símboìo d"
"r"""i-"nto
e multiplicidade. 45 - ODU - Palavra de origem Yorübá que significa "Destino".
c^omidaapaziguadora. Reminiscêneia das comunidades agrícoras Sistema Oracular Yorübá composto de 16 Odü Matrizes,
africanas.
nominados, que determinam os Orìsà. EssesOdüsão pronunciados
38 - QMQLQKUN - Literalmente, filho(a)
de Olókun. Comida através de Jogos Divinatórios como o OPELE, IKIN-IFA e
votiva, principalmente do òrìçà òçun. Constituído BÚZIOS. As matrizes se juntam e formam 256 combinações,que
d, f;;;.
fradinho, óleo de dendê, camarão seco e cebola são os Qmç-Odü ou Qmqlódü, chegando os desdobrarnentos a
ralada. ,Í.096. Todas estas combinações, possuem um "Itàn-Ifá" fazendo
39 - ÀKÀRA.T4 - no yorübá àkàrà (= bolinho
de feijão fradinho, referências pertinentes aos problemas pessoaisdo consulente.
jç = verbo comer). Bolo feito de feijão
fradinho, camarão seco,
cebola ralada' Símbolo de creseimerito, murtiplicidade; 46 - AMÀLÀ - Pul.*'"a de origem Yorübá. Comida votiva
servido
aos òrìçà. É altamente protéico. Também
é comida típica das oferendada a alguns òrìçà, principalmente "Sàngó". Feito
Afro-baianas nas ruas de Salvador e Rio
de Janeiro, Ë* com quiabos, óleo de dendê, camarão seco, cebola, farinha de
tabuleiros de quitutes. ""r= mandioca; para diversas finalidades, como por exemplo' abertura
de caminho, prosperidade, vitória judicial, etc. O rnesrno que
40 - EKURU - Esta comida, de origem yorübá,
pode ser Ómàlà.
preparada de duas maneiras: na Nigéi-ia
é feita ir,h.-"
cozido, amassado com óìeo de denãê. No
Brasil,"or., ;;J;; 47 - QBERO - Do Yorübá QBE (= MOLHO) e RO (= CONTER).
fradinho, cozido com sal, moído, colocadona
folha de";;bananeira Literalmente, contém o molho. Vasilhame de barro, usado
para cozinhar em banho-maria. Comida nos Cultos Afro-Brasileiros para servir comida aos OrìÇà,
votiva do" òrìsà,
representando. prosperidade, multiplicidade, acondicionar çbe e corno base para o Aiòbó. Popularmente
uma das
prediletas do Orìçà eya. "o_1j", conhecido no Brasiì como "Alguidaro'.
41 - KOSÍpAfÁn,q. - ,,Cerimônia ,tB - ALGUIDAR - Do Árabe "AL- GIDÃR''. Vasilhame de barro,
de Despojo,,, de influências
negativas' constituída de diversos eÌementos
que possibilitam assimilado pela Cultura Yorübá que serve para acondicionar
a limpeza do corpo etérico do indivíduo, livrando_o comidas votivas, Ebq e Ajòbó, dos Orìçà nos Cultos Afro-
de enersias
deletérias. Popularmente conhecido eomo ""u.rair..rtì;. Brasileiros. Usado, também, para servir comidas típicas da
ï;
ritual para desvitimar. culinária afro-brasileira. Também ehamado de "Igbá-[b9" ou
de ebçrg.
42 - ÌKÚ - Do yorübá IKú (= MORTE). Deus
da Morte, na
mitologia,Yorrü!á Cumpridor das determinações 49 - EPò pÚpÀ - LiteraÌmente, em Yorübá, "óleo Vermelho".
a" OrJãiÃa.ll
oe levar cto Aye para o Orun, os mortos. Extraído do pericarpo do dendezeiro (ELAEISGUINEENS JACY',
PALMAE) em Yorübá chamad.ode "IGI òPÉ". É um dos temperos
43 - IKÁNBÜnúXú - Expressão popular,
de origem yorübá mais usados dentro da culinária Afro-BrasiÌeira, sendo servido
que define uma categoria de Egún malévoÌo;
que-dificuÌta o a quase todos òrìçà. Elemento quente, dinârnico, agilizador'
eaminho de uma pessoae é despaÃado através
de rltos próprios. Utilizado também no preparo de aÌguns AJQBQ e OJUBQ. O
Refere-se de forma popular tãmbém, a uma pessoa
indeseiável. óleo de dendê também é empregado na cosmética, nas fórmulas
má; por exempÌo, "Fulano é um ikamburukúi.
D. y";t;t'òì;; de sabonetes de limpeza, cremes para rosto e corpo, etc. Rico
= Coração, Bürü = Mal, Ikú =
Morte. em canotenóides que se encontram na vitamina "A".

124
125
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costq

50 - PADÉ - "Cerimônia propiciatória". Endereçada à Èçü e Qbatala, e em velas


votivas de todos os òrìçà, principalmente
outras entidades sobrenaturais, como as Íyàmí, com o propósito Misturada a outros ingrediente, é usada como
africanas.
de dinamizar, armazenar e dirigir forças convenientes do
ungüento caseiro para diversas finalidades, como por exemplo'
Ègbé. Cerlmônia de grande signiãicado ritual, constituída de ehÃinar dores por picada de mosquito, inchaços, etc' Por falta
aproximadamente vinte e um cânticos. Não confundir com, em alguns terreiros, o Orí é substituído
de conhecimento,
"DESPACHAn È5ü". Do yorübá, ÍpÀlÉ (= Reunir com; através "SEBObE CARNEIRO". Popularmente. o Ori
erroneamente pelo
de). Termo popuÌar, também empregado para designar farofa 'oM".rteiga de òçàlà", "Manteiga de Karité"
é conhecido
que representa o pàdé; aglutinando os gránulos da farinha de "o'-o
"Limo da Costao'.
ou ainda
mandioca. Retorna-se aos primórdios da cultura agrícoÌa e
mítica. 55 - O$E - É o déclmo quinto Odü no Sistema Ifá' Relacionado'
principalmente, ao òrìçà òçun. Neste Signo, nascem os abcessos
51 - ODÍ - No Sistema Ifá é o quarto Odü. Foi através do Odü
naturais da terra, o parto, os ossos e as putrefações'
Odí que o Homem eonheceu . Odü Masculino, associado (= cabeça);
à Eçü, à relação sexual, à acumulação""p.rlt.rru.
de bens materiais. à cor 56 - QLQRÍ - Do Yorübá OLO (= Senhor' Dono), ORÍ
negra, às baleias, às galinhas e às doenças no ouvido. literalmente, 'oDono da Cabeça Mítica" de uma Pessoa' O mesmo
q.r" Èteaà. As oferendas feitas ao òrìçà Olórí de uma pessoa lhe
52 - BÚZIOS/oWo lye - No yorübá ,.orV'ó-EIyO',, popularmente abertura de caminho, o que irá facilitar para
proporcionarão
conhecido no Brasil como Búzio. pequena coneha branco_ o seu objetivo, segundo seu signo Ifá'
que-alcance
a m a re l a d a , te n d o u ma p a rte oval ada e outra serri l hada
57 - QSQLÚFQN - Do Yorübá o$o (= Feiticeiro), OLÚ (=
representando, respeetivamente, o AIyÉ e o ORUN. A parte 'FoN
ovalada, ao ser aberta pelo homem, representa o ÀIyÉ. Também Senhor), i= Forma apocopada de IFóN' cidade da Nigéria)'
conhecido como cAWRL No Brasil, sacerdotes afro-brasileiros Literalmente, Feiticeiro, Senhor de Ifón' Um dos títulos de
utilizam um conjunto de dezesseis búzios para a prática um dos òrìçà mais importantes do Panteão Yorübá'
Qbatala,
de
divinatória, regida por Èçü. A espéciede búzio para esta práüca Irúnmálè, filho de Olórun, de quem recebeu a incumbência'
é CYPRAEA MONETA.L. criar o Mundo e os Homens. òrìçà Fúnfún, antropomorficamente
apresenta-se curvado, significando os anos de aprendizado
53 - NÃJÉ - Do Yorübá NÃ (= emprega), AJÉ (= terra vermelha as experiências adquiridas, a sabedoria' Se apoia
constante,
usadacomo pintura de parede).Aqui no BrasiÌ, sãopeçasde barro pu.u andar, continuando a sua busca por mais
no OPÁ$ORó,
mais fino, de vários formatos, pintadas num tom vermelho_
experiências vividas.
amarronzado, formando desenhos primitivos de rara beleza.
(= Filho)' EJA (=
Bastante usados dentro da cuÌtura Religiosa Afro-Brasileira 58 - IYEMQJA - Do Yorübá ÌvÁ (= Mae)' QMQ
Peixe); literalmente, "Mãe dos Filhos Peixe"' Deidade Yorübá que'
como basepara AJòBQ e OJúeg, acondiciãnam comidas votivas
vive nas desembocad.uras dos rios, especialmente o Rio Ogún'
oferendadas aos òrìçà. são vistas também como recipientes de o'Dona
comidas típicas africanas e baianas,em restaurantes. Èssaspeças na Nigéria. Considerada a de ttdas as Cabeças Míticaso'
normalmente são fabricadas no interior da Bahia ,r".rãid., Patroána a procriação e a gestação' Na mitologia Yorübá-' surge
na Feira de São Joaquim, na capital, Salvador. " como mãe de 15 deuses e é a esposa preferida de Qbatala'
OBS.,AJÉ, também significa "feiticeiras", ou feitiçarias; portanto, 59 - IBÚALÁIvIç - òrìçà Yorübá. Também conhecido como
o vasilhame nãjé é usado no emprego de "Feitiçaria de Reversãon' "ERINLÈ". Segundo o mito, um tipo de caçador, marido de
de uma situação. òçun. Apre"".,tu-"", coberto de ráfia africana e tem estreita
(= A Parte mais
54 - ORÍ _ BUTY ROSPERMUM PARADOXUM (C.F. GAERTN) ìigação com Obaluaiye' Do Yorübá, "Ibúàlámò"
HEPPER SUBSP. PARKII VORE AFRICANA ,,ÈMI,', de cujas Profunda do Rio).
amêndoas, dos seus frutos, é tirada um espécie de mantei-ga 60 - ìBÉJÌ - Do Yorübá ÌBÍ (= Nascimento), È.fÌ
(= Dois, Parto de
nominada em Yorübá de "ORÍ" que é muito usada nas eomidãs Dois). Deidade Yorübá, representado de forma antropomórfica'

126 127
Fernandez Portugal Filho Uso Magico e Terapêutico do Subão da Costa

como gêmeos; de grande representatividade na cultura Yorübá. CUCURBITACEAE. Muito usada nos Cultos Afro-Brasileiros'
votivas'
Sua representação é feita através de duas esculturas de madeira. como recipientes para aeondicionar comidas e bebidas
e o1úbò "cuia para
Erroneamente cultuados como "wéré" (er}, Crianças Suaves). ;;" ;'-ô;;1.-;.:; ;".a Ajirbf
-Na 91'lo"'
o'Cabaça
quando secas e e"tuzì"da". forma natural' a
61 - QYA - Orìçà Yorühí. Deusa.dorio Níçr ou rio eya, na Nigéria. "'u
à^ P"r"oço" é usada como instrumento musical' ritualístico
Deidade atmosférica, do Afefe Ìkú (Vento da Morte), das grãndes sementes'
o,, ptofuná, revestida com uma rede de contas ou
tempestades. Associada ao búfalo. Reverenciada no Culto Egúngún.
Também é tida eomo "çERE çÀtrtCó", instrumento -principal
Principal esposade $à,r,SóPopularmente conheeido, no Brasil, atrãvés "ADò"' quando
i""ï" Otria. A cabaça, também é ehamada de
do seu epíteto, "Iyánsàn" (= Iansã),"A Senhora da Tarde". e preparados mágicos'
pequena, para acondicionar pós
62 - Q$QOSÍ- O "Caçador de Uma só Flecha". Representativo vendida
Og- Àt-ÚWÀ - Bebida refrigerante, de origem africana'
das sobrevivências das classesagrícolas, através da caça.Solitário Janeiro' no sécuìo
-praticamente por negros escravos tu, Ãu" do Rio de
irmão de ògún. Seu culto desapareceu em nos antigos Candomblés
p""""aof Também era bebida ritual
território Yorübá. Teve seu apogeu quando Kètú pertencia ao de
àe Caboclo. Bebida não alcoóIica' resultante da fermentação
território nigeriano. Em 1985, o Rei de Kètú, seguido de uma de gosto acre-doce' Muito apreciada
grãos, cascas,frutos e raízes,
grande delegação,veio à Bahia resgatar este culto, assinando um também' aos
ielos adeptos dos Cultos Afro-Brasileiros' Servida
intercâmbio cultural mútuo, com a criação da "Casa do Benin", "Aluá"'
brìçà. Escreve-se' também'
no Pelourinho (Salvador, BA).
de
69 - OSÚMÁnÈ - òrìçà zoomórfico, de origem Yorübá;
63 - OSÁNYÌw - O.içi, Tutelar do Reino VegetaÌ. Associado ao simbolismos' De liturgia,escassa',nos
múltiplos e complexos
universo Botânico, Litúrgieo e MedicinaÌ. Deidade que tal qual
C ult osdeor iger nYor übá. Sincr et izadocom o. . VodunBessém - ,
Èçü, acompanha os processos divinatórios, principalmente no prirneira'
de origem Daãmeana,a quem se atribui sua origem
Sistema Ifá. Faz-seacompanhar por "ARONI", fiel companheiro
Odü'
que tem cabeçade caehorro e uma perna só. 70 - ÌKÁ - No Sistema Ifá vem a ser o décimo primeiro
à criação dos portos, à refrigeração e à Pesca'
Odü associado
64 - ILÉ Àçn - Literalmente, em yorübá, "Casa de Àçç". para
Traz o òrìçà òçúmárè. Expressão utilizada nos CandomblÉs
Expressão usada para designar construções, quase sempre de dos òrìçà e
ãe"ig.rur ato masculino de prosternar-se diante
alvenaria, nomeada "soeiedade Religiosa dos Cultos Afro-
dignatários do Culto.
Brasileiros". Também chamada de Rãça, Barracão, Tereiro,
òrìçà' em
Èebé, Ilé ou Abassá. 71 - VODUN - Divindade Daomeana' O mesmo que
ser velho'
Yorübá. Deidade mascuÌina ou feminina' podendo
65 - óRITA MÉTA - O mesmo que IKóRITA, em yorübá. em famílias otl
jovem, adulto ou criança' São agrupados
"Encruzilhada de Três Pontas", formando a letra "T". ou a Sãointercessores' entre
próprias'
letra "Y". Local de encontro de várias entidades sobrenaturais, ianteons, com características
ã seu Deus Supremo ("EVOVODUM") e os homens' incorporados
sobretudo Èçü, para distribuição de tarefas, recebimento de
através d.o transe, nas vodunces (= Filhas-de-Santo)'
oferendas rituais etc...
"$QfQnNÁ,ou
72 - $oNPoNNÁ - Deidade Yorübá' o mesmo que'
66 - ÀGÁNJÚ - Literalmente, "Região Selvagem", "Deserto", 'òrìçà da Terra". Causador
em Yorübá. Sobrinho de gàngó..Assimilado como qualidade deste, $APÀNNA ou ainda $ONPONNON".
das doenças infecciosas, acompanhadas- de febres' principalmente
nos Cultos Afro-Brasileiros. Orìçà Independente, representado
t".iotu. òrìçà tido como "Ìerrível", eujo nome é substituído
através dos "vuÌcões". Força Telúrica, da Era plutônica. Suas "por "Qmglu ou Qbaluaiye". òrìçà também conhecido através de
cores emblemátieas são, Amarelo, Bordeaux e Branco.
I.,. a" títuios "wiRÍwlRÜN"'
67 - ÌGBÁ - Cabaça, fruto do Cabaceiro (= CUCURBITA
"""r
Yorübá'
73 - NÃNÃ - Vodun Daomeano;assimilado pela Cultura
LAGENARIA L ou LAGENARIA VULGARIS), da farníÌia das pântanos e à lama' Nos Cultos Afro-
Associado à Morte, aos

128 129
Fernandez Portugal Filho e Terapêutico do Sabão da Costa
Uso Mágico

Brasileiros, é tida como "Avó", por ser a mais


velha do panteão 79 - ÈJì-oKo - o mesmo qu" òvÈfÚ, no Sistema Ifá, que vem
dos Orìçà. Aparece em alguns mitos como
a esposa preterida a ser o segundo Odu. Está associado à Terra, ao sepultamento,
de Qbatala. Mãe de Qmglu e òçúmárè, apresenta_se
carregando aos Orìçà Okò e Ogún, à plantação e à colheita.
o "ÌBíRÍ", que representa o ,.ocas. d" V;l;;, ;- JJ"é#ïì"
sexualidade. Nãnã é o único òrìçà que acompanha 80 - DOBURU - o rnesmo que "guguru", do Yorübá nÜCgolÚ
seus gmg após
a morte física. (= entrechocar-se). No Brasil, a popular pipoca, que é feita com
um tipo de milho estourado no calor do fogo. Comida votiva
74 - AGBO - Composto Líquido, que pode ser
cozido ou não; principalmente da família mítica do òrìçà Nãnã. Popularmente
constituído de ervas, frutos, cascas, raíies,
sementes, minerais conhecida como "As Flores-do-Velho". A pipoca é um símbolo
e sangue de alguns animais sacrificados. Utilizado
por via oral de transformação, largamente utilizada em Çbq Ikú.
ou banhos rituais. Não confundir com o conteúdã de alguns
reeipientes de ervas e outros componentes putrefatos. 81 - EIYN - Literalmente. em Yorübá, "Ovo". Utilizado em
diversas cerimônias rituais, em comidas votivas, principalmente
75 - $ANGó - òrìçà yorübá. ,.Eborá,,,
euarto Àtaf,fi., de òyó. oferendadas ao òrìçà òçun.
de grande poder político; associado à Justiça. ..d
Edun Ara,i
(Pedra do Raio) é o seu verdadeiro
okuta. Sua comida votiva 82 - AJABò - Forma apocopada do Yorübá, ONJF (= comida), BÒ
preferida é o "Àmàlà", à base de quiabos, que também (= adorar), ONJEBQ (= comida de adoração). No BrasiÌ tornou-se
lhe é
oferend.ado separadamente. Sua arma é o O$É (machado Ajabi ou Ajebò. Comida votiva, constituída de quiabos picados
duplo).
E também conhecido como ,,çBAKòSò',, q,r" .oO circularmente, mel de abelhas, çfun ralado, água de côco, azeite
quer dizer Rei
não se enforcou". doce, clara de ovo; geralmente oferendada à Qbatala, $àngó e
Irókò.
76 - ABÍKÚ - Do (= nascer), Kú (= morrer).
.yorübá ABÍ "Epíteto
"Espíritos viajanteso', cuja morada 83 - oDÀRÀ - Em Yorübá, "Bom, belo, bonito". de
prl.r"lput é a árvore ÌRoxo,
que se introduzem no ventre materno. .,Nascem e rnorrem,o r,su
antes de chegar à idade adulta. vários sacrifícios
rituais, 84 - FITILA - Em Yorübá, Lârnpada, lamparina, vela. Pequenas
específicos, são realizados para cessar esta síndrome.
torcidas de algodão em rama, embebidas em óleo de dendê, orí,
- -^Significando, em yorübá, "a Origem da Origem,'. manteiga de cacau derretida, azeite doce, óleo mineral, etc.
i: |$f$f
uerlmonla fúnebre, iniciada Ìogo após o sepultamento,t com Usadas na Nigéria para iluminar os AjÒbó ou Ojúb| dos Orìçà, e
o propósito de desvincular o Orìçà do também as residôncias em comunidades, notadamente, Yorübá.
físico do morto,
objetivando levá-lo ao Òrun, para que não "o.po Fitila, significa "Vela"t como designação genérica.
traga conseqüências
desagradáveis aos participantes àaquela comunidade. Tem 85 _ ATARE - XILOPIA AETHIOPICA (A. RICH), ANONACEAE.
também, a finalidade de louvar
a partir de então, No Brasil, conhecida popularrnente como'opimenta-da-costa".
"o.r.iit,.ri.,
uma vinculação futura no Culto " Egúngún, se o morto era um Fava de Pimenta com sabor picante, muito usada na culinária
ilustre membro do CandombÌé.
t r a d i ci o n a l a fr o - n e g r a , e sp e ci a l m e n te n a M a g i a Yo r ü b á .
7S - ÊGÚN - Espírito Ancestral, cultuado à parte, Mastigada e lançada sobre os objetos emblemáticos dos Orì$à,
na Sociedade
Egúngún. Sendo a mais notória, no Brasil, a ãa Ilha ativam "Poderosas Forças Invisíveis", auxiliares mágicos na
de ltaparica,
na Bahia. Esses "Espíritos" usam roupas multicores execução dos !b9. Possui grande eterismo. Esta palavra, em
por".r"*
um Culto, sigiloso e complexo. Tem como propósito, " Yorübá, também é grafada '.ATARE".
punir, "omo
normar, codificar, aconselhar e dar conti.r.ridud" ao Aìç e à 86 - A$Q - Literalmente, "Roupa'', em.Yorübá. Expressão usada
Cultura Ancestral.
para designar as vestes rituais dos Orìçà, nos Cultos Afro-
BrasiÌeiros.

130 I3I
Fernandez Portugal Filho
Uso Magico e Terapêutico do Sabão da Costa

87 - QJA - Extensão de tecido, geralmente


eolorido, que os eerimônias rituais de um terreiro Yorübá. Especialmente
"Iniciados'o utilizam para eobrir
à' cabeça. Também usado na
cor branca para circundar o tronco da" ,.Á",ror"" saudado na roda de $àngó. Literaìmente, em Yorübá, ONI (=
"Morada dos òrìçà Fitolátricos". Sug"uJu",,. Senhor), ILÈ (= tera - Senhor da Terra). òrìçà Ancestral.

S8 - OPóN - Literalmente, .,Bandeja", em yorübá. ..Tabuleiro 97 - AJALÀ - "Epíteto de Qbátálá". Encarregado de moldar
de Madeira" de formas variadas-(circular, as CabeçasFísicas. Principal Deidade do Culto ao Orí. Significa
semi_circular, literalmente, "A Arte de Criar e Esculpir".
retangular ou quadradas), com as bordas
aehatadas or,d.
esculpidas figuras de animais, sinais simbóIicos
e uma ,,eara
"ão 98 - ERAN - Em Yorübá, literalmente, "Carne"; especialmente
numana representando Eçü. Usado somente as dos saerifícios rituais, de diversos animais. Utilizada de várias
peÌos Sacerdotes
de Ifá (Bàbátáwò), que imprimem sobre o maneiras no culto aos òrìçà, e ainda é alimento básico na mesa
iyçrgsun espalhado
nesta peça, os Odü, que vão aparecendo, enquanto dos iniciados. fora do culto.
jogam o |pfl$
ou os Ikin. o òpón, simboliza os quatro
o" qr.rJ;o 99 - ÀIYÉKÚRÚ - Entidades dos Cultos Afro-Brasileiros;
pontos cardiais, e o mundo. "ì"*"rioi
especialmente da Umbanda, que tiveram corpo físico (maseulinos
S9 - OBÈ - LiteraÌmente, "Faca,', em yorübá (ou ou femininos). Possue.mCultos específicos e, atendem pelos
outro objeto
perfuro-eortante). nomes genéricos de Eçü, Tranca-Ruas, Veludo, Nova, Lodo,
-. OjtÁ - É o décimo Odü no Sistema Tiriri, Sete Pinotes, Toquinho de Ouro, Pino da Meia-Noite; ou
?0. Ifá. Associado aos
Orìçà Qya e Iyemqja. Odü de grande importância Pombagira, Maria Rosa, Maria Molambo, Maria Padilha, Cigana
no Culto da Estrada, Maria das Sete Catacumbas, Maria Navalha, etc...
Egúngún. Associado ao Sistema Imunológico
e Linfáti* ;.
corpo humano. 100 - ÀGBADÀ - Tra3ede origem africano, mascuÌino, constituído
91 - ADÍN - ól"o Viscoso, de coloração de caÌça, túnica e blusa comprida de mangas longas, bordadas
marrom escuro, de
odor forte, extraído de uma amêndoa, do interior ou não. Usado como traje típico por diversas etnias nigerianas,
do earoço do beninenses, togoÌesas, etc... PaÌavra, presumivelmente, de
dendê. Utilizado para.fins mágicos, mediernais
e na preparação origem árabe; incorporada ao vocabulário yorübá.
da comida votiva de aÌguns òriçà yorübá. Também ,,Aji,,
di;_se
No.BrasiÌ, popularizou-se eomo ,,$o$o" (XAXAI. 101 - SÁKPÀTÁ * Vodum Daomeano. Oriundo da Região de
É-;; ";;;"
de Esü. Savalú. Chefe da família de Dambirá. "O mesmo que Qm9lu,
92 - ÈLÉDÀ - Designativo do òrìçà pessoal, o mesmo que Obaluaiye, é para os yorübá".
"òlórí". 102 - ORò - Cerimônia Litúrgica dos Cultos Afro-Brasileiros
93 - QMQLU - Divindade yorübá das Doenças constituída de sacrifícios, cânticos apropriados e/ou comidas
Endêmicas e votivas com propósitos diversos. Na Nigéria, o culto de Orò
Epidêmicas. "Deus da D,esintegração dos Co"po";'.
L;";;il";;", é representado por máscaras na sociedade "ògbónì", "G614d4"
QMQ (= Senhor), oLú (= fuiador). ttorò".
e
94 - QBALUAIYE - Divindade yorübá; ,,Epíteto
d.e emslu,,. 103 - QFQ * Conjunto de "Palavras Sagradas" recitadas com o
"senhor das Transformações". .,S"rrho"
Rei da Terra,,.
" propósito de ativar, expandir, sacralisar um çbe. Os Qfq podem
95 - AJÈ - "Epíteto de Ajèçàlúgá". Divindade yorübá, ser dirigidos a distintos Orìçà, com diversos propósitos. Mas
de
origem regional, entre os yorübá; protetora com finalidades mágicas específieas e dirigidas.
dos comerciantes.
Associado à idéia de ganhos e de riqueza.
104 - ERU - Do Yorübá "Carga". Espécie de trouxa, contendo
96 - ONÍLÈ - Entidade Sobrenatural, reproduzida objetos rituais e pessoais; fios de conta, roupas rituais de
materialmente
por um montículo de terra no qual são um morto, etc... Este conteúdo, é a finalização da cerimônia,
oficiada" u" prim"lru"

132
133
Fernandez Portugal Filho Uso Magico e Terapêutico do Sabão da Costa

fúnebre, "Açeçe", cujo procedimento junto ao oráculo de palha


irá 112 - ENI - "Esteira", em Yorübá' Artefato
oocama","mesa" e .tfu"çldl'
"tapete
determinar, em que lugar será despachaáo,e de que ou não. utilizad.a como
maneira. de uso ritual
lhe são dedicados
105 - ÌRÚPÌN - Cerlmônia realizada no Candomblé etc... Peça importante na iniciação, à qual "
Kètú de
juntar todas as comidas votivas oferendadas
aos òrìçà e ossos cânticos esPecíficos.
de alguns animais servid.os ao iniciado dentro do (= adorar' louvar)'
Hunkó, 113 - BQRÍ - Literalmente, do Yorübá, BQ
concernentes à própria "Iniciação no Culto aos òrìçà" do
ou ao ORÍ (= cabeça). Cerimônia Primordial de Reconhecimento
tempo de iniciado. Após o término da cerimônia, o propiciar à "Cabeça
ìrúpìn, ó"irl, p""*uï; antecessora à Iniciação' Visa
d:. num cesto de verdureiro carrejado sobrenaturais
"ur, T:"T1. lagrado, Mítica", o equilíbrio, restaurar e ampliar forças
pelo orìçà Qya. Na Nigéria, o ìrúpìn acontece ao finar de -cada para que o indivíduo possa reconhecer-se'
cerimônia, onde é despachado.num buraco na terra,
no próprio de milho
espaço,onde está instalado Ègbé, ou por vezes queimado. 114 - EKQ - O mesmo que "àkàsà"' Mingau de farinha
Ifá, na dieta alimentar
pode determinar o rocal para "
despachar de formì diferente à branco utilizado em estado líquido ou pastoso'
alimentação
mencionada. dos iniciados no Culto Afro-Brasileiro' Primeira
mascavo,. mel de abelhas ou não' É
do dia. Adoçado com açúcar
106 - AV/ò - Literalmente em yorübá, ..Segredo,,. votiva d.e todos os òrìçà e Bàbá Êgún' na sua
Termo também, comida
relacionado aos Rituais Secretos das Sociedad"J Ogtrerri, envolto em folha de bananeira aquecida ao
O"ò, forma mais sólida,
Òru.r, Àbítú, etc. Assim,.como também, designa o iniciado
no fogo.
Culto aos òrìçà (= "Awò òrìçà") e, no Culto à-Ifá (= ,,Awòfá,').
guarto'
115 - ILÉ ASò ÌXÚ - Expressão utilizada para designal
107 - QRÚNUÍLÀ - Em yorübá, eontração ae òRUw MON alvenaria, onde são cultuados os Bàbá Egún' de
ENI geralmente de
TI YÍDo LÁ ("Somente os céus sabem qu"m se"á religiosa, de origem Yorübá' Diz-se também
ò"ì; uma comunidade
"ul";;t
Primordial da Adivinhação e Divinação. Também eonhecido,
pelo "ILÉ ,q.BÒAKÚ" que significa cemitério'
nome de Ifá. É representado por dázesseiscocos de dendezeiro.
p-ara.Ìti:3f
'-DeidadeTutelar
dos Bàbáláwò". 116 - ÍYAMÍ - Epít"to "Mãe que Engole"' Usado
"Mães Ancestrais Míticas"' Literalmente' em Yorüba IYA
as
lOS - SÁARÁ - Cerimônia dos CuÌtos Afro-Brasileiros, (ventre) e' o
de i-rJ, ú (engollr). São representados pela cabaça
origem Yorübá, na qual todos compartilham a comida conhecida corne
servida, pássaro (elemãnto procriado)' A mais popular é
cuja base são as carnes dos animais sacrificados durante o período àosónOruCÀ" e uma de suas aves rePresentativas é a coruja'
em que foram reaìizadas as obrigações rituais.
o'Mel".
117 - OYIN - Substância Doce, espessa'que as abeÌhas
1Og- ÀBARÀ - P"q,-,"nobolo, feito com feijão fradinho em alvéolos
moído, formam corn o pólen das flores que é depositada-
cebola ralada, sal, óleo de dendê envorto em folha de bananeira. quase to9:t.9s. Orçà
apropriados. Alimento oferendado a
cozido no vapor; servido votivamente a alguns Orìçà. Também yortriá. Em épocas remotas, somente a nobreza Yorübá tinha
é usado na culinária típica afro-baiana, q,ruiao é permeado òrìçà, é usado para adoçar, suavizar
com acessoao mel. No Culto aos
vatapá ou caruru e camarões inteiros.
e apaziguar, alimento que nunca se deteriora'
110 - AJAPÁ - Quelônio da família dos quelídeos;popularmente òrìçà Yorübá;
118 - ETUTU - "Oferenda de Apaziguamento"' aos
de "Cágado". principal quaárúpede ôferendado a ão Yorübá, "TUTU" (fresco'
lfram.ado através de comidas votivas. V"-
$àngó, embora outros Orì5à também o aceitem, em sacrifício. frio).
Representa a longevidade e a astúcia.
de oBA
119 - ÀIYÁGBÀ - "Rainha'o' Contraparte feminina
111 - OBARÀ - Sétimo Odü no Sistema Ifá. Forma apocopada (Reí). Forma designativa, para nomear as Obìrìnçà; ou seja' e5
de OBA (= Rei), ÀnÁ (= Corpo, Rei do Corpo). Odü assoclaão Iyemçja, etc"'
a òrìsà Feminino cãmo' òçun,
intrigas, intranquilidades e riquezas.

134 t35
Fernandez Portugal Filho
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

120 - ODÜ tvlÉ.fÌ - Expressão utilizada para


designar o Odü
Matriz que se desdobra em outros quinze; 129 - INTOTO - o mesmo que "Lintonto ou Intotu"' "Epít"to
chamados de emq
Odü. Assim, o Odü Matriz, junto aos d.eQmglu". Designa a Parte mais Profunda da Terra' Culto em
quinze emq Odü, são
chamados de "odü Méjì". "eus .ro Brail. "O e-e Intoto, é iniciado dentro da terra".
"-ai"çã"
Alguns ritos da cultura ReÌigiosa Âfro-Brasileira chamam de
121 - OKÀNRÁN - No Sistema Ifá é o oitavo
Odü. Associado à lnioto, o sacrifício cruento que fazem à terra' nas grandes
Èçü, às contradições, às traições, às cicairlzações
das feridas. obrigações ao òrìçà Qmqlu' Também conhecido corno N'toto'
122 - OLOHUN - Do yorübá (= N'Kice da Cultura Angola Conguense'
ALó Senhor), ORUN (= céu,
infinito). Deus Supremo dos yorübá.
criador do céu e Ja 130 - INÚ - Em Yorübá, literalmente, "Barriga' estômago"' O
Terra. mesmo que, ,,òlódümárè" ou ,,Èlédümárè,,. interior da barriga, que recebe o alimento; cujas substâncias,
-o o tIo*"rn
e a Mulher foram criados por esse ,,Deus";
i"".o. d;il, serão distribuídas ptr todo o corPo' É responsável pela
seu filho, foi encarregado de insuflar-lhes "_
a vida e diriqir o manutenção do "òrìçà Àrá" (orìçà do Corpo)'
mundo. É umu Deidade-que não tem eiOú, ô]à;;
;J#""ï.,
Inteiramente Fúnfún. poucos são os ãâ.rti"o" 131 - BOMBOJIRA - GBON-N-JIRA, Deus Bantú que, assustava
em louvor a essa foi
Deidade. São os viajantes nas estradas. No Culto Afro-Brasileiro'
_poucoconhecidos aqui no Brasil; essa divindade é ("Aiyekuru")'
cultuada no "[gbf Ifá". assimilado corno a contraparte feminina de Èçü
Um dos segmentos da Cultura Religiosa Negra que incorPorou
yorübá.que designa o
lrl . Q?L-.Caçador. Ìalavra. Culto aos tal personagem foi o rito Angola-Conguense'
Orìçà Olódé (Senhor, Caçador) òiAò"í, IÈualamò, Ermlt
etc. "o-o 132 - MARIA MOLAMBO - Nome genérico, da contraparte
feminina de Èsü ("Aiyekuru") nos tereiros de Umbanda e
124 - OFÀ - Literalmente em yorübá, ,.Flecha,,.
Denominação A ngol aConguense. Repr esent aabeleza'asexualidade'ochar m e
dada ao instrumento usad_opelos òdé (= arco
e flecha, juntos). da irulher. Quando incorporada, gosta de cores fortes, saias
Também conhecido, como ,.òàé-mata" ou o.d.amata,,.p;";;;;;
e blusas que lembram o final do século xvIII e o século xIX.
confeccionada em metal branco, amarelo ou
em bronze. Tem prefèrência pelo metal dourado. Usa piteira com cigarrilha
125 - IKODID! - pena vermelha usadapelos e bebe champagne ou outra bebida doce qualquer servida em
ìyáwò, presa à testa
por uma trancinha de palha da costa. taça.
Símbôlo de feeundação.
Retirada do pássaroafricano ODIDE,eujas penas
são de coÌoração 133 - OSÍBÀTÀ _ NYMPHAEA LOTTUS L, NYMPHAEACEAE.
cinza, sendo que somente aquelas que-estão
loealizadas ,ro O mesmo que NENÚFAR ou GOLFO' Designação comum a
peito possuem a tonalidade vermelÈa. "",, diversas plantas na família das NUMPHAEACEAE' Esta planta
126 - OGEDE - Literalmente, .,Banana", aquática i ,-,rrrudas principais do òrìçà òçun' Usada nos Cultos
em yorübá. Fruta
Tropical. Amassada eom óleo de dendê ou Afro-Brasileiros para baniros de Àçç. Na sacralizaçãodos AjÒb{,;
mel de abelhas, é
oferendada, respectivamente, a Èçü e às òlìrìnçà. principalmente das Ayágbà d'água' Ilçk{, pataki' ete"'
euando fatiaaa
e frita no óleo de dendê, torna-se comid.a
votiva da famítia 134 - OGÚNDÀ - Vem a ser no Sistema Ifá o nono Odü, associado
mítica do òrìçà òçúmárè.
a ògún, $àngó; à enfermidade vaginal, à pressão alta, etc"'
127 - ÈJÌ-O{ÍfÈ - Odü associado à criação,
à cor branca, ao 135 - ÈJÌ-LÁ$EBoRA - No Sistema Ifá reeebe o nome a" ÌwònÌ
orvalho, aos òrìçà Fúnfún, e principalm"r-. '"
i Òii.íf"""'' UÉfÌ e é o de número três. Traz o Àfit'i, a mentira que salva'
128 - INKICE (N'KICE) - Do quicongo ..NKISI", o amadurecimento das frutas, ainda na árvore'
desisnativo
l.: ?"rt:d:s dosCuttosde ôrigém Saitú (Angoil); s;;?i;;-;;; 136 _ ÀLÁFÍÀ _ wo jogo de Búzios corresponde ao décimo-sexto
Orìçà e Voduns. Odü. Associado a Qbaiala, ao branco, ao mistério e às doenças
hepáticas.

136
137
Fernandez Portugal Filho
Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

1 3 7 -o K ÀN R A N -D Í_ F a ìa Iyemgja, Eçü. Indica eaminho Nos Cultos Afro-Brasileiros é usado em defumadores, banhos
de viagem a outro país. Fala em agradar Êgún.
Tendência à lustrais, ete...
oftalmopatia.
150 - OSÁ-DÍ - Associado a Iyemqja, a Qya, a Ëgúngún, a ògún,
138 - ÌROSUN-DÍ - Neste odü, nasce o amor,
o comando das à traição, à destruição, através de ikamburukú.
mulheres. Fala Èçü, ebatala.
139 - O$É-KÁ - Associado à òçun,
151 - O$É-FÚw - Respondem Qbatala, òçun. Traz o incesto e
ekikun, Iyemoja. Traz a má digestão.
o vício, a asma, a fratura dos ossos (membros
s,rp"iior""
inferiores). " t52 _ _ Do yorübá, pÁ (= matar), TUN (= propiciar),
V/À (= 'ÁTüN$/A
existir, viver). Literalmente, "Matar para propiciar a
140 - OSÁ-fÚfV - Associado a
ebatala, a Ègún, a ògún, à existência". Amuleto usado o mais próximo possível do corpo.
incredulidade, à falta de respeito dos mais ,ro,ro=
puru o" confeccionado com folhas, cascas, raízes, frutos, ossos de animais
mais velhos. "-o_
sacrificados e/ou minerais. Envolto em couro de animal ou
l 4 l - O S Á-e Á n À - N e ste si gno, tecido de aÌgodão, de cores variadas. Este artefato tem várias
eya e gàngó, comem
juntos. Nasee a adulação. o Doãnte finalidades, proteção física. elimina pesadelos, propiciar sono
obtém . nasce a
mediunidade. "õu, tranquilo contra "OlÚxòxòRò". Repulsor de energia negativa,
tem durabilidade pré-determinada e é despachado em local
142 - OKARÁIU-$É- maica a inveja; provocando
a traição. Nasce apropriado; indicado por Ifá.
a luxúria feminina. Indica aaotai fltho.
153 - QPELÈ (APÉLÈ IFÁ) - Do Yorübá APÉ (= patmelra), ÉLÈ
143 - OFÚN-MEJÌ - E o décimo-sexto Odü no Sistema (= pedaço). Literalmente,
Ifá. Neste "pedaço de palmeira". Artefato
odü se manifestam òrúnmílà,
ebatata, Odüdü;t, Êã,f"ì, õi". eminentemente masculino usado somente pelos Sacerdotes de
Anuncia a morte, a maldição, o desespero, a paÌavri.
Ifá. É uma espécie de coÌar aberto, feito com oito meias-nozes
144 - ÌKÁ-BARA - Indica disputa familiar, de palmeira de dendê, ou oito pedaços de casco de ajapá, ou ainda
inimigos, medo,
aborrecimento eom o sexo oposto. oito pedaços de cabaça interligadas por elos de metal ou trança
de palha da costa, com búzios ou miçangas. E jogado diretamente
145 - OGBÈ-GúNDA - Èsü, ògún e òdé manifestam neste no chão ou sobre uma eni (esteira). Literalmente, significa:
""
Odü. Associado à eseandescêneú,ao aleijamento,
a traição com "Súplica à Terra Ancestral, revelar os segredos da criação".
repercussãotrágica.
154 - ÀJÍMÚ - no Yorübá Àw,q. (= A = nós), JÍ (= acordar),
146 - OBÁRA-KÁ - Indica confiança traída, calúnia,
enganos. MÚ (= beber). Literalmente, 'oNós acordamos e bebemos".
147 - OBARÀ-CúÌVIÀ - Neste signo, Oferenda ritual, incruenta, pequena, com o objetivo de aclarar
eya, ògún e gàngó se
apresentam. Associado a ulceração dos órgãos útut (i.r"Ë"i.,r" uma situação, um pensamento e conseguir realizar um desejo
o tumor canceroso), operaçõeseirúrgicas. e/ou reverter um quadro desfavorável na vida de uma pessoa.
Qualquer Orìçà recebe este tipo de oferenda, que tanto pode
14S - OFÚN-SÁ - Naseea cirose hepática, as ervas
medicinais, ser sóÌida como líquida.
sonhos frequentes com pessoasq,r"
;á rnoa"""um.
155 - EDÜ - Em Yorübá, carvão vegetal, em pedra ou em pó.
149 - SANGUE DE DRAGÃO - Bálsamo (Damemenarops
draco).
Resina extraída de côcos de diferentes tipos de palmliras. 156 - ORÍKÍ - Conjunto de palavras, em louvor a um determinado
Sua
cor tende ao vermelho e é um dos principais componentes Orìçà, falando dos seus feitos e atributos. Pode ser recitado ou
do o'Louvação".
verniz. Dissolvida em álcool, enverniza vários obletãs; cantado. Oríkí, literalmente, significa
inclusive
instrumentos musicais como o violão, o violinó, (= rezar, fazer oração).
o violoncelo. 157 - ADÚRÀ - no Yorübá GBADÚRA

r38
139
Fernandez Portugal Fitho
Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Reunião de palavras de saudação


aos òrìçà, podendo ser
recitada ou cantada. Também os 167 - LELEKUN - Pequena Semente Aromática utilizada na
evoca para que o emq òrìçà
ou simpatizante suprique por proteçao, culinária Afro-Brasileira e na preparação do òçú, em Banhos e
l.ita"iâ
saúde, felicidade. etc... "or"J-lrr'l-ig", Ebu (pós mágicos).

158 - KEKERE - Literalmente, em yorübá, ..pequeno(a),,. 168 - GINSENG - (PANAX GINSENG)- Raiz, originária da Ásia,
de sabor forte. telúrica. Utilizada em diversos medicamentos
159 - ILEKE - Colar Ritual, d.e miçangas. energéticos.
Contas de-.rirn-ó.ira.
porcelana
originárias da Europa_e Ásia; repreJentatì,ro
a" 169 - ESE - Literalmente, em Yorübá, "Pé", ou "BASE". LÉSÈ
Popularmente conhecido como *gli.; ..fio_de_conta,,
o., nos
cultos Afro-Brasireiros. Este ORÌ$À ou LÉSÈ ÊCÚtU, Expressão comumente usada nos Cultos
é saeralizado à Deidade;
"Jur
através do sacrifício de forhas e animais. pode Afro-Brasileiros que designa, "Aos pés do òrì5à" ou, "aos pés
ser de Êgún", respectivamente.
com sementes, cascas,frutos secos "ort"""loruào
ou ossos de animais.
160 - OGAN - Do yorübá OGÁ (= tZ, _ ARABúÌ'Ã _ Do yorübá, ÀnÁ t= eorpo), Bú (= que cobre),
chefe). Erroneamente,
assimilado pela Cultura Religiosa i?ui,,. Ìruà (= fogo). "o eorpo eoberto de fogo". "Epíteto de Bàbá
Afro_Brasil"l".
A consagração (con-firTaçao)ãe um "o_o Egún". Associado ao Orìçà, Aganju Otaçibó. Um dos Ancestrais
ogan, seja na eategoria de
Açògún ou Àta*, não lhe áa r"git;iaããJ Tutelares do [gbi Awò Atànpàko Oníçegún Ilé Omo Aganju
pu"u eonsagrar, iniciar
ou ministrar.qualquer ritual dentro òÌaçibó Alí Bàbá olojúgb{.
do Culto
não recebeu "Açç de Transmissão''.
Não existe, ".""ò.iui,^p"i"
na Tradicionaì 171 - ÁGBÀNÁ - Energia negativa que se apodera de uma pessoa
Religião Yorübá, o cargo de Ogan,
ele é apenas um Auxiliar do cujo objetivo principal é o de não permitir a materialização do
Saeerdote.
dinheiro nas mãos da mesma. O que recebe, gasta aleatoriamente.
161 - ÈKÉJÌ - lo yorübá ÈxÉ Não segura o dinheiro.
t= esteio, suporte), MÉ.Tì (=
segundo, próximo). Nos Cultos Afro-Brasilelros,
é ;;;;" 172 - LLABORÍO - "Epíteto de Bàbá Ëgún". Associado ao òrìçà
feminino; erroneamente, eonsiderado ..mãe...
rlo Sacerdote, para veltjr.o òrìçà, E uma Auxiliar Qbatalá.
separar material ritualístico,
etc... Não tem legitimidade para inlciar, 173 - LONÃ - Do Yorübá, QLQ (= Senhor), ONÃ (= caminho).
consagrar ou ministrar
qualquer ritual dentro da curtura "senhor do Caminho". Epíteto de Èçü.
Religiosa Afro-Brasileira,
qÈrrçrrd'
pois não recebeu "Àçç de Transmissão,,. o----
174 - ÀKOKO * NEV/ BOULDIA LAEVIS SEEM.,BIGNONIACEAE.
162 - ORÍ RERE - Literalmente, em yorübá, ..Cabeça Associada à òbìnrìnçà Qya. Representa riqueza, prosperidade,
que contém abundância, muito empregada nos rituais sacro-mágicos dos
t"",a* Sãocabeçaspossuidoras de
grande sorte e que rejeitam o
mal' São mais difíceis de sucumbir"m Cultos Afro-Brasileiros. Esta folha é usada por quase todos
à" adversidades da vida.
Atraem para si, normalmente, coisas òrìçà, por suas propriedades mágicas.
boas.
163 - ÈLÁ - "Epíteto de òrúnmílà,'. 175 - 8$ÚPÀ - Literalmente, em Yorübá, "Lua". Associada ao
Está assoeiadoà riqueza
material e ao Destino do Homem; à mistério, ao amor, ao feitiço, às Mães Ancestrais e a òbìnrìnçà
sua evoluçao espirituai.
òçun.
164 - AJÉ - Em yorübá, .,Feiticeira,,. ..Epíteto
de Íyàmí,, (As 176 - YANGI - Literalmente, "Pedra Laterita", em Yorübá; que
Mães Ancestrais).
é encontrada no barro. No mito, é o "Primeiro Èçü"; associado
165 - FITILA AFIRIKA - Vide o verbete
FITILA,item g4. à fartura. à abundância, ao dinheiro, etc.
166 - AJÁGúN - ..Epíteto de ògún',.
177 - OGBÈ-FÚN - Na classificaçãodo Sistema Ifá é o trigésimo
primeiro Odü. Associado à Qbatala, Odüdüwà, Iyèwà. Neste
signo, nasce o medo e fala do poente.
140
141
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e krapêutico do Sabão da Costa

178 - ONJE - Do Yorübá ON.(= som produzido ao se deglutir),


188 - oRÍPÈpÈ (,q.wÚNÈ pÈPÈI - SPILANTHES FILICAULIS
JE (= comer); literalmente, "Comidat'. (SCHUMACH-THONN) C. D. ADAMS, COMPOSITAE. Conhecida
179 - MANTEIGA DE CACAU - Substância gordurosa, de na região norte brasileira como "Jambu". Folha associadaao
cor
branco-amarelado extraída das sementes dJ cacau, de Orìçà Oçun. Possui uma pequenasemente amarela, que entorpece
pouca
consistência. Empregada nos Cultos Afro_Brasileiros, a língua e que é usado em alguns encantamentos somente por
como
hidratante do corpo, após banho lustral e nas comidas votivas Bàbáláwò.
de quasetodos os Orìçà, notadamente os .,fúnfún,'. Largamente
189 - IPóNDÀ - "Epít"to de òçun'', associada:r òae e ògún.
usada na indústria alimentícia, farmacêutica e cosmética.
190 - ASIKELÚ - "Epíteto de Èçü".
180 - IKIN - Literarmente, em yorübá, 'ocaroçodo Dendezeiro".
Usado pelo Bàbáláwò, para adivinhação, em número de dezesseis 191 - OGÚNTÈ - "Epíteto de lyemqjao'; associadoà ògún.
e mais cinco de reserva como testemunhas no Sistema
Ifá; 192- o$/onnÌIrt tvlÉrì o,, òwÀRÌtrt uÉrÌ - É o sexto odü
perfazendo vinte e um cocos de dendê.
na classificação de Ifá. Marca doenças estomacais, tumores
lSl - O$ALÀ - Fo"ma apo-copadade .,òrìçà N,Lá" (= iriu; malignos, ingratidão, o segmento das mãos e dos pés, o interior
Grande). "Epíteto de ebatala". da Terra.

1s2 - ÌNÃ - Literalmente, em yorübá, ,,Fogo''. ..Epíteto de 193 - OGÚNDA MÉJÌ - É o nono Odü no Sistema Ifá. Associado
Èsü". à cirurgia, às armas, ao òriçà ògún e às doenças venéreas.

1s3 - OV/ONnÌn-fúrV o., òWÀRÌw-FúN - Nasceua união dos 194- oKÀNnÀru-wonÌnou òxÀruRÀN-woNRÌN- Associado
rios com o mar. Neste signo, fala òçun, Èçü e Êgún. à impotência masculina, à tragédia no Tempo Sagrado, a Èçü e
ao recebimento de herança.
184 - ÈJÌ-OBGÈ - No Sistema Ifá é o primeiro.
Associado ao
branco, à criação no mundo, aos vasos sangüíneos e
aos abutres
195 - OSÁ-ROSüN - Associado a gàngó, a caimbras nas pernas,
comendo eadáveres. a circulação sangüínea.

185 - BÀOBÁ - Do senegatês BAOBAB (ANDOSONIA DIGITATA). 196 - ALÈ - Literalmente, em Yorübá, 'oNoite". "Epíteto de
Da Família das Bombacáceas. Comum nas savanas africanas, Èçü" ou de ògún.
de tronco excessivamente espesso; rico em reservas (=
de água. 197 - oLÚLÁNÃ Do Yorübá oLÚ (= Senhor), ÀlÁ
É considerado, o tronco mais grosso do mundo.
Espécie de Cobertura), ONÃ (= Caminho). O Senhor que Cobre o Caminho''.
folha digitada e frutos capsularãs. O mito revela que,
aos pés "Epíteto de Bàbá Egún".
dessa árvore, residem muitos Êgún, talvez por ter servido
de
túmulo, na antigüidade, para os habitantes que morriam 198 - oNÍRÁ - "Epíteto de Qya".
na
região onde havia o Bàobá. Folhas, frutos e cascas muito
usadas 199 - OcÁ - O mesmo que RLÁGEMON ou AGEMON ou AGEMO
para diversos tipos de magias yorübá. Esta árvore
é encontrada - em Yorübá, "Camaleãoo'(ou lagarto). Reptlt Lacertíìio, da
no Rio de Janeiro, na llha de paquetá e em pernambuco,
em família dos camaleontídeos; principalmente os "Chamaleo L.o'.
Jaboatão dos Guararapes.
Existente na Europa Meridional e em algumas regiões da África
186 - OKANRAN-SÁ - Associado a emboscadas, a sepultura e Asia. Arborícolo e muda de cor. Empregado na Cultura Afro-
e
à morte. Negra em preparados mágicos, para diversas finalidades. Também
cultuado como Orìçà em algumas regiões Yorübá.
1S7 - OTÚRA-MÉJÌ - É o décimo terceiro Odü no Sistema Ifá.
Neste signo, nasceram as raças humanas, a cegueira, o
domínio
200 - DÈNGI - Espéciede mingau, feito com farinha de milho
do homem sobre o animal. branco, água e açúcar, típico da culinária Afro-Brasileira. Usado

r42 143
Fernandez Portugal Filho Uso Magíco e Terapêutico do Sabão da Costa

nos Terreiros para alimentar o iniciado recolhido; também é 210 - IFÈ - Literalmente, em Yorübá, "Amor" ou também'
ofereeido como comida votiva aos 'oEgún Àgbà". "Fé", verbo querer. Fé, verbo amar, gostar.
201 - KóLOBò ou XóLOCSó - palavra yorübá que designa 211 - ÀLÁBÁNSÉ - Literalmente, em Yorüba, ÀlÁ (= Cobertura),
"Pequeno vasilhame". De barro vermerho, de forma
arredond-ada sÁ (= A,juaa),$É (= Seiva). "A seiva que ajuda a cobrir". "Epíteto
e funda; usado nos cultos Afro-Brasileiros para acondicionar de Bàbá Ëgún".
comidas ou bebidas votivas oferendadas aos òrìsà (ou outros oosenhor
preparados mágicos para diversas finalidad""). .,KóLòGBó. é 212 - oNÍRÉ - "Epít"to de ògún". Literalmente, de
a grafia mais correta. Iré".

202 - BúRUXú - Do yorübá Bú (= Absorver), Rü (= Carregar), 2t 3 - r Àcúnr ÀcÚN - "Epí t et o de ògún". Espí r it o
KÚ 1= 14o."er). "Epíteto de Nãnã e Èçü',. Aguerrido.

203 - PÚPÀ - Literalmente, em yorübá, a .,Cor Vermelha". 214 -\\A APÈTEBI - "Cargo feminino no Culto à Ifá". Espécie
de Sacerdotisa, adjunta do Bàbáláwò, que o ajuda em aÌgumas
20.4 - GBÉRÉ - Incisões Rituais, Afro-Negras, feitas no tarefas diárias; na maioria das vezes é sua mulher..Este c.argo'
momento da iniciação no culto ao òrìçà, principalmente no alto é determinado pelo Odü Orí que a rege e a seu Orìçà Olórí.
da cabeçado iniciado(a) e em algumas outras partes do corpo. Nota-se que a incidência maior é sobre Oçun, segundo a Tradição
Também usadaspara "Fechamento do corpo" contra acidentes, Religiosa Yorübá.
inveja e para proteção. Outros "gbé.é" são feitos para abertura
de caminho, atrair o ser amado, etc. Feitas as incisões, estas 215 - IYÁLÁSI - "Cargo Feminino, de grande importâneia
são impregnadas de "ebu". "Gb4r6", também conhecido como nos Cultos Afro-Brasileiros". Literalmente, "Mãe de Grande
*Cura", Força". Cabeà Ìyálásç zelar pelo terreiro mantendo-o em ordem.
nos Cultos Afro-Brasileiros.
Verificar se os òrìçà, Bàbá Êgún e outras energias que eompõem
205 - OBÀRA-$É - Associado aos òrìçà, òçun, gàngó, à fofoca, o Templo Sagrado estão servidas devidamente. Coordenar os
à traição.
preparativos para uma iniciação ou obrigações rituais dos Qmq
206 - EV/Q - Palavra de origem yorübá que, designa ..Interdito Orìsà, etc.
Ritual". Revelado através do .logo adivinhatório, do Ikin, 216 - OSOBO - Expressão comum, utilizada pelo Bàbáláwò,
Opélè ou Búzios, que lma pessoa deverá respeitar, podendo para designar "negatividade". Existem "Osobo" de diversas
ser determinado pelo orìçà ou por Qrúnmílà. Essesinierditos categorias.
podem ser temporários ou definitivos em relação a alimentos,
bebidas, atitudes, cores, etc. No Culto Angola-Conguense é 217 - lP'É,- Expressão designativa utilizada pelo Bàbáláwò, para
conhecido como Kijila. expressar "positividaden', em uma consuÌta ou ato religioso.
Existem "Iré" de diversas categorias.
207 - AGBÈ ou OGBÈ - pássaro africano, similar ao ..Cueo,,.
Também conhecido eomo "Edun". Sua cor predominante é o
azul noite, com algumas penas bordeaux; no Culto à Egúngún,
tem grande representação.
208 - OBARÀ-fÚfrf - Associado à Obatala, ao nervosismo. à
intranquilidade e traz a embolia no sistema circulatório. cardio-
vascular ou eerebral.
209 - ÀGBÀ - Em Yorübá, ad,ietivo que designa o Homem ou
a Mulher; veÌhos, possuidores de saberes ancestrais.

144 145
Uso Magico e Terapêuticodo Sabão da Costa

"Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de


repente aprende."
Guimarães Rosa

"Quem come sozinho o seu mel, faz doer o seu


estomaSo.
Provérbio Yorübá

*Quando chega, a mentira vai


a verdade
em bor a. t t
Provérbio de Ifá

"o que se sabe não se pergunta"


Provérbio de Ifá

"Da confiança, nasce a traição."


Provérbio de Ifá

147
Uso Magico e Terapêutico do Subão da Costa

Bibliografia Consultada
Abraham, R. C. Dictionary of Modern Yorübá' Londres, Ingla-
terra, 1962.

Adèsojí, Michael Adèmòla. "Como os Bàbáláwò Africanos fazem


seus Ebq, aos Clientes, para Conseguirem seus Ob;etivos"' Brasília,
Distrito Federal' S/d. 13 pgs. - Apostila

. Ifá - A Testemunha do Destino e o Antigo Orácu-


lo da Terra de Yorübá. Rio de Janeiro' Editora Cátedra, 1991'

Anda. Michael O, Ph.D. Yorübá. New York - 1996

Anônimo. Tratado Secreto de Oddü de Ifá. Cuba'Regla, 1995'

Augras, Monique. "O Duplo e a Metamorfose"' A Identidade Mítica


em Comunidades Nagô. Rio de Janeiro' Editora Vozes, 1983'

Awòlalu. J. Omosàdè. Yorübá Beliefs and Sacrificial Rites. Londres,


Longman, 1979.

Barros, José Flávio Pessoade. O Segrêdo das Folhas - Èwé' Sistema


de Classificação de Vegetais no Candomblé Jlje-Nago do Brasil' Rio
de Janeiro,Editora Pallas, 1993.

Barros, José Flávio Pessoa de e Napoleão, Eduardo' "Èwé òrìçà"'


Rio de Janeiro' Editora Bertrand, 1999.

Berkenbrock, Volney J. 'oExperiências dos Orixás"' Um Estudo


sobre a Experiência Religiosa no Candomblé' Rio de Janeiro' Edi-
tora Vozes, 1998.

Braga, Júlio. "Ancestralidade Afro-Brasileira"' O culto de Bàbá


Egún. Salvador: Edições lanamá, 1992.

A Cadeira de Ogã. E outros ensaios. Rio de Ja-


neiro, Editora Pallas, 1999.

Cacciatori, Olga Gudolle. "Dicionário dos Cultos Afro-Brasileiros"


Rio de Janeiro' Editora Forense, 1977'

Carvalho, José Jorge de. "Cânticos Sagrados do Xangô do Recife"


Brasília, Fundação Cultural Palmares, 1993.

149
Fernandez Portugal Fitho
Uso Mágico e Tbrapêutico do Sabão da Costa

t*" H. "If á, O Orixá do Destino,,. Meu Sinal está no teu Corpo. São Paulo' Edi-
ff;;:, Sãopaulo, Ícone Editora
com/Edusp, 1989.

Dopamu, prof . Dr. Ì. A Bandeira de Àláirá, Outros escritos sobre a


.Adè. ...Exú, o -Inimigo
São Paulo, Editora Odüdüwà. --.''^, InvisíveÌ do Homem,,
Religião dos Orixás. São Paulo, Editora Nobel, 1982.
f gó0.

Drewal, Margaret Thompson. ..yorübá Portugal Filho, Fernandez. Axé Poder dos Deuses Africanos. Rio
Rr*:I. performers,,, play,
Agency. USA, Indiana University p"."",^'f de Janeiro, Editora Eco, s/d.
ggZ.

Edwards, Gary e M::g", Osávìn. o Orixá das Folhas. Rio de Janeiro'


John. BÌack Gods. òrìçà Studies
New World. USA, 19g5. in tne Editora Eco, s/d.

Estrada' víctor Betaneourt Encanto e Magia dos Orixás no Candomblé. Rio


Qmçtófarará. Et BàbáÌáwò, Médico
dicionaì. Havana, Cuba, yorübá. Tra- de Janeiro, Ediouro, 1986.
t ;;;;ja Afro_Cubana _ s,/d.
Fabelo, Theodoro Diaz. Ebbó. Formulário Mágico e Terapêutico. Rio de Ja-
Havana, cuba,Inédito, 1963.
neiro' Editora Bertrand, 1995
FáÌókun'Iba çe òrìçà. New york,originat publi-
Hïïïi'órlwò . Guia Prático da Língua Yorübá em Quatro
Idiomas. (Português, Espanhol, Inglês e Yorübá). Havana' Editorial
Ferreira, Anthony. Ebós, Feitiços Afro_Cubanos. de Ciencias Sociales, 1998.
Editora Eco _
Ribeiro, Romilda Ìyákèmi. Alma Africana no Brasil' Os Yorübás.
Figueiredo.Repensando
o Sincretismo. São Paulo'Editora Odüdüwà. 1996.
Ëiliilt;i5â8io sãopaulo,
Sàlámi, Sikiru (Klng). Cânticos dos Orixás na África. São Paulo'
Idowu, E. Bolaji. òlódümárè,God
.urrrdre.\roo ln E di to r a Od ü d ü w à . 1 9 9 1 .
in yorübá
yorübá Belief.
Londres,Long_
mans, 1966.
A Mitologia dos Orixás Africanos - Volume ì
Iwashita, pedro. Maria e yemanjá, Editora Odüdüwà, 1990.
Análise de um Sincretismo.
PauÌo' Edições pauÌinas, 1991. São
. ògún e a palavra da dor e do júbilo entre os
Jagun, Luiz de. Axexe. Rio Yorübá. Dissertação de Mestrado - São Paulo,USP, Ed. Oduduwa.
de Janeiro,Editora Renes, 1982.
Lepine, Claude. Contribuição Santos, Juana Elbein dos. Os Nàgó e a Morte, Pàdé, Açèçè e o Culto
ao Estudo do Sistema de Cìassificação
dos Tipos psicolópicos no Egún, na Bahia. Rio de Janeiro,Editora Yozes,1976.
Candomblé d" Sai,rador _ VoÌume
de Doutoramento] São paulo, 2. Tese
USp, 1978.
Silva, Edson Nunes da. Sinopse Filosófica, Estrutural do Pensa-
Moura, Carlos Eugênio lVarcondes (org.). mento Afrobrasileiro (Eminismo). Salvador, Departamento de
Rs Senhoras do pássaro
da Noite. São pau-Ío, Editora Cultura, 1975.
exis Muïdi e Edusp _ Editora
Universidade de São paulo, da
1994.
Silva, Orlando José da. Os Ebç no CuÌto aos òrìçà. Rio de Janeiro'
Paulo, EMW Editores, t9BZ. Editora Pallas, 1991.

150
I5I
Fernandez portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

J -Ogún,
AÌtair. Èlégúrl Iniciação no Candomblé. Rio de Janeiro, Embaixada da Nigéria - Setor Embaixada Norte
Editora Pallas. 1995. Av. das Nações, lote 5 Caixa Postal 03710
CEP'70800-400 Brasília DF Brasil
Verger, Pierre Fatumbi. Artigos - Tomo _ I. Salvador, Editora Tel.' (61)3226- 17 l7 / 9226-56t 6/ 3226-| 87O - F ax', 3224-9830/ 3224-O32O
Corrupio, 1992.
Yorubana
Caixa Postal 40099 CEP' 20272-970 Rio de Janeiro RJ Brasil
Orixás. São Paulo' Editora Corrupio - Círculo Tel.' (21)3181-6022/ 3285-7439/ 9124-4382
do Livro, 1981.
E-mail' yorubana@globo.com / yorubana@zipmail'com'br
Site' www.editorayorubana'com'br
Ewé - O uso das plantas na Soeiedadeyorübá. São
Obs' Realiza cursos periódicos, palestras e conferências, sobre Cul-
Paulo' Fundação Pierre Verger e Cãmpanhia das
Letras, 1995. tura e Religião Yorübá, no Brasil e no exterior. Solicite, gratuita-
mente, catálogo. Possui livros e apostilas sobre o assunto'
Vogeì,*Arno Vogel; MeÌlo, Marco Antônio da Silva
e Barros, José
Flávio Pessoade. Garinha D'Angora, Iniciação e Identidade
na cuÌtura Èebé Awò omo Aganjú Òlaçibó Àtl oto.l,igl(
Afro-Brasileira. Rio de Janeiio,Editorá pallas, 199g. Cãixa Postal 40.099 CEP' 2O272-970 - Rio de Janeiro RJ Brasil
Fax.( 2l) 3181-6022/ 3285-7439/ 9124-+382
Almanaque do Pensamento - Ano 200o. São pauro, Editora pen- E-mail, egbeawo@globo.com / egbeawo@ziPmail'com'br
samento. Tradicional Religião Yorübá
Consulta com previsão individual, Para Pessoas e emPresas coÌn
Bibliografia Afro-Brasileira. Biblioteca Amadeu Amaral. Rio de laudo personalizado através de Ifá. Tratamento espeeializado atra-
Janeiro' Funarte, 1988. vés de folhas, frutos, raízes, cascas, essências e óleos essenciais.
Endereços onde o leitor poderá obter informações Crescimento material e espiritual, continuo e Progressivo. Realiza
sobre CuÌtura
Religiosa Afro-Brasileira e Tradicional Religião yorübá cursos, seminários, palestras, conferências. Aceita alunos, do Brasil
e exterior. Direção do Professor Fernandez Portugal Filho'

Centro de Estudos Africanos da Universidade de São Paulo


Av. Prof. Luciano Gualberto, 315/1087 - Cidade Universitária
CEP, 05508-900 - São Paulo - SP Caixa Postal N" 2530
CEP, 01060-970 - São Paulo - SP Brasil Tel.,/Fax'(5511)210-9416

Centro de Estudos Afro-Orientais da Universidade Federal da Bahia


- Praça Inocêncio Galvão, n" 42 - Largo 2 de Julho - Centro
CEP, 4@60-055 Salvador - BA - Brasil
Tel.'(55-7 1) 3322-6742 Telefax.'(55-7 l\ 3322-8070 E-mail' ceal@ofba.
com.br

Fundação Pierre Verger


2u Travessa da Ladeira da Vila América, 6
Engenho Velho de Brotas - Vasco da Gama
CEP, 40243-340 - Salvador - Bahia
Telefax' (55-71) 3261-7 453
Caixa Postal Í201 CEP' 40001-970 - Salvador - BA Brasil
E-mail' f pv@pierreverger. org

152 t53
Fernandez Portugal Filho Uso Mágico e Terapêutico do Sabão da Costa

Yorubana, uma Nova e Moderna perspectiva do Ensino Afro-brasireiro Nosso propósito básico é contribuir com
Gabão e costa do Marfim.
e Tradicional Religião Yorübá"
algumas correções, com isso reparando lamentáveis omissões existentes
em nosso arcaico sistema educativo, no que se refere à memória'
Oq u e é a Yo r u b a n a ?
i de nti dade, c ul tura, educ aç ão e pers pec ti v a dos afri c anos e s eus
Quando esta pergunta nos é formulada, respondemos sempre que
descendentes em nosso País.
somos estudiosos e sacerdotes do culto aos òrìçà com uma intensa
TaI omissão proposital funcionou como endosso à perpetuação de
participação. DesenvoÌvemos gradativamente ao longo dos anos um
práticas e teorias que visam inferiorizar os seres de descendência
e xte n so tr a b a lh o d e p e sq u isa de campo, vol tados em grande parte
aos africana.
cu ltu a d o r e s d o s o r ìçà . co m o propósi to de aprofundar-as i nvesti gaçòes
Foram durante décadas discriminados todos os praticantes dos cultos
a cerca do Candomblé e da Tradicional Religião yorübá.
Afro-Brasileiros, os terreiros invadidos, seus dirigentes presos' Porém'
Propósitos Básicos a arbitrariedade cometida não silenciou totalmente os atabaques e ilu
o Instituto Bata, e a força dos afro-descendentes se fez sentir presente em toda
de cultura Yorübá, simplesmente conhecido no Brasil pela
denominação de Yorubana, é uma entidade curturar. filosófica. teológica, a nossa vida cultural. Com essa exposição acima e nossa experiência em
cujos principais objetivos são: normarizar, dignificar, salvaguarãar, ensino, declaramo-nos pioneiros no ensino sistematizado de cursos de
enslnar e preservar a intensa herança cultural religiosa notadamente Cultura Religiosa Afro-Brasileira e Tradicional Religião Yorübá'
de origem Yorübá, na formação cultural do país.
"O Ensino Religioso Afro-Brasileiro e Tradicional Religião Yorübá"
A quem se destinam os Cursos ministrados pela yorubana?
o Ensino Religioso Afro-brasiÌeiro e de Tradicional Religião Yorübá,
Nossa maior clientela e nosso público mais fiel são realmente ilustres pedagogi a e di dáti c a de ens i no
é c onduz i do dentro de moderna
membros d a s co m u n id a d e s Terrei ros como B àbál áw ò, B àbáIórìsà. dirigido.
Ìyálórìçà, Ekçji, Ogã, etc. Porém, isso não signif ica q"" upr;*;"i;
pessoas nos procurem. Dinâmica das Aulas
Nossos Cursos estão abertos a todas as pessoas que participam por Aulas expositivas e práticas utilizando transparências, vídeos, DVDs'
crença da prática do Candomblé e/ou estejam identificaàos trabaÌhos em gruPo, leitura e discussão geral de textos previamente
ctm
sua importância no contexto cultural de nossos valores e tradições. selecionados, de acordo com cada peculiaridade dos cursos. utilizando
Portanto, isto não impede que pessoas de todos os níveis culturáis os mais modernos recursos áudio-visuais, contando cerca de oitocentos
e
sociais, ou praticantes de distintas religiões, dele participem. "slides" em cores e também de vídeos e DVDs, realizados no Brasil'
O que pretendemos com nossos Cursos? na Nigéria e em Cuba, CDs de cânticos rituais, além de fotografias'
cartazãs, gravuras, transparências, etc; enfim todo material que possa
Co n d u zir o a lu n o a u m a intensa refl exão sobre a exi stênci a
dos contribuii para o melhor e mais eficiente aprendizado'
complexos rituais dos Cultos Afro-Brasileiros, tão praticados em
nosso país, porém em alguns momentos tão pouco compreendidos. Público Alvo'
Pretendemos com isso trazer novos conhecimentos sobre a realidade A grande maioria de nossos Cursos são ministrados somente para
do candombÌó, sua história e tradição, importante veículo para o iniãados no Culto aos òrìçà outros não, ensejando ôssim, a oportunidade
desenvolvimento, conhecimento e perpetuação das tradições, faciiitando de qualquer pessoa que não seja praticante dos cuÌtos aos Orìçà possa
assim o estudo à luz da ciência contemporânea, explieando de forma participar. Realizamos também, palestras, conferências e cursos em
simpìes, porém correta, os rituais, dogmas, tabus e injunções da universidades.
diversificada trama ritual do candomblé, pertencentes a etnia yorübá. Nos s os c urs os c ontam c om aP oi o de profes s ores y orübá, c omo
Desmistificar errôneos conceitos, que embora já consagrados, fazem também de entidades no exterior. Nossa experiência é de mais de
parte de uma proposta de omissão e dominação, posslbilitando vinte e oito anos, com mais de cem cursos realizados nas principais
desde
ao neófito até o pesquisador mais experiente novas teorias que possam capitais brasileiras e no exterior, contabilizando um universo de
ampÌiar e enriquecer o imenso elenco de informações sobre ã culto aproximadamente três miÌ alunos.
aos Orìsà. Ttdo e qualquer curso no exterior é sempre realizado para um público
Tradição de no m?nimo vinte alunos, todos os cursos no exterior são ministrados
somente em Espanhol, permitindo ao aluno Sravar as aulas No Brasil'
Existimos desde 2 de Janeiro de ISTT, contando com o apoio e estímulo
os cursos para estrangeiros, terão apenas os valores acrescidos de
das Emtraixadas de vários países africanos, Nigéria, Ghu.ru, SenegaÌ,
tradução.

154 ;,55
Fernandez Portugal Filho

Quais são os Cursos Ministrados na yorubana?


Baseadosem intensa pesquisa de campo no Brasil, na Nigéria e
em
Cuba, além de nossa experiência profìssional e de uma bìbliografia
atuaìizada, calcada na Realidade Afro-Brasileira e Tradicional Rilgiao Leia também:
Yorübá, realizamos os seguintes Cursos em português ou em EspanïoÌ,
via CDs.
I - Introdução ao Estudo do Candomblé
2 - De Èçü a òçàlà Almas e Orixás na Umbanda
3 - Ajgbç òrìçà Mi" (Assentamento do meu òrìsà)
4 - Ritual de Inieiação no Candomblé KÉTU Fundamentos de Umbanda - Revelação Religiosa
5 - Ebçri (Bçri) - A Importância do orl na cultura yorübá - o Sagrado
Alimento à Cabeça MagSade Umbanda - Insttução Religiosa
6 - Cosmologia Yorübá
7 - A Linguagem Secreta dos Odü Manual Ptático do Jogo de Búzios
B * Culto Êgúngun
9 - Íyàrní - O Culto às Mães Feiticeiras Mada Molambo, na Sombra e naLuz
10 - Aje, Òrìçà da Riqueza
11 - Adura, òrìçà Mi (Rezasdo meu òrìsà) Orixás - Os Mitos e a Religião na Vida Contemporânea
12 - Abikú, Abiko y Biaçf
13 - Magia Yorübá Ttanca-nta das Almas - do Real pÚa o Sobrenatutal
14 - Como Administrar um Ilé Açç
l5 - Magia Afro-Brasileira Vigilantes do Âlém-úmtrlo - do Sobtenatural para o Real
l6 - Candomblé Kètú - Herança Afro-Brasileira
17 - Qlgkun, Senhor de Todos os Oceanos ABC da Umbanda (acomPanha um DVD)
18 - òdüdüwá - O Bastão de Êgun
19 - Èçü - Senhor de Todos os Caminhos no Paraíso (Aruanda, Ftonteitas de Luz)
Um Esttanho
Ministrante dos Cursos,
e
Professor Fernandez Portugal Filho, professor universitário Como Vencet na Vida Attavés dos Banhos de Descarrego
e
Doutorando em Antropologia Sócio curtural, pera universidade Revitalização
de
Havana. Autor de dez livros de curtura Afro-Brasileira, e dez apostiras.
Se você desejar, entre em contato telefônico conosco deixe sua
mensagem e telefone, que erÌ.Ì seguida entraremos em contato.
caso você queira receber gratuitamente o catálogo de pubricações
de Livros e Apostilas e/ou nosso Catálogo de Curãs, os dados para
contato são:
YORUBANA
CAIXA POSTAL 40099 _ RJ
CEp, 20272-970 - Brasil
Emails, yorubana@zipmail.com.br /
]rorubana@globo.com
Site' www. editorayorubana.com.br
TeÌs., (0_21) 3181-6022 - 3285-7439 - gt24-4382 - RJ - BRASIL

t56
e ainda:

ORosárioeoPelourinho

Mandinga

Aron, o Enviado das Esttelas

Reflexões Sobre a Força do Arnor

Introdução ao Mundo Iniciático

Potyra Tupinambá

O Arraial dos Penitentes

Distante de Deus

Labá - Â Sacerdotisa Nagô

Danaiah - A Encantada das .lÍguas

Candomblé - Um Caminho pate o Conhecimento

Segredos das Cartas Ciganas

Magia das Palavras

A Lua no Grande Baile dos Deuses

_ Os pedidos podem ser dirigidos a:


Cristális Editora e Livrã-úa ú.a".
Rua da Grota,618- Sãopaulo/Sp - CEp 02206-010
Telefone:(0xx11) 3938-5494
Na Internet: reww.cristalis.com.br
exigea presença atentade um
oficiantedevidamente iniciado
nasartesmágicas 0 sim-
rituais.
pl esbanhoi ndepende de s ua
presença,mastodamanipulação
a queaspr opr i edade
m ági cem
do sabãoincidam sobrea vida
do consulente com desdobra-
m entos s s eudi a- a- di a
as tr aino
deveseracompanhada porumã
pessoa preparada e autorizada.
FernandezPortugal traçaumro-
dahistória
teirobásico doprodu-
os primórdios
to, desde quando
da chegada dos negrostrafi-
cadosparao Brasil, atéos dias
de hoje,Na sequência, o Autor
apresentaumasériede banhos,
oferendase beberagens queuïi-
lizamo produto, tantono trato
dosutensÍlios,quantono trato
daquelque
e bus c o a aux íl ìo
do
Babal or i x á.
porum
0 livroé complementado
compêndio e bastante
extenso
interessante da in-
a respeito

+{t+
fluênciadaculturayorubanaem
nossas práticas
mágicasrituais,
'
Rettec, artes gráficas. sobretudo nosaspectosda re-
]'cl. { | I ) 20ó3-2000_ fil (1 t) 20óI_8709
t![ìúit:Íetlrc@ft h.com.hr
I
ligiãoe doscostumes.