Você está na página 1de 4

1º Exame = A = T , 4 de janeiro de 2016

R
I

Engenharia das Reacções I


Mestrados Integrados em Engenharia Química e Engenharia e Biológica

Duração: 1 h 30 e no máximo 30 min de tolerância

1. (a) Se a velocidade da reacção 2A → 3B for r = k CA , qual é a velocidade de formação (1 val.)


de B?
Solução
rB
Como r = , com νB coeficiente estequiométrico de B rB = 3 k CA
νB

(b) A reacção acima pode ser elementar? Porquê? (1 val.)


Solução
Não. As reacções em que a lei de velocidade tem uma relação directa com a
estequiometria.
(c) Com a constante de velocidade de uma reacção obtida a duas temperaturas, como (1 val.)
pode obter a energia de activação?
Solução
 
k1 Ea 1 1
ln = − −
k2 R T1 T2

2. (a) Qual a vantagem mais importante da catálise de contacto (gás-sólido)? (1 val.)


Solução
Há possibilidade de separação efectiva do catalisador do fluido reaccional.
(b) Quais são normalmente as maiores vantagens industriais da catálise homogénea (1 val.)
sobre a catálise por sólidos.
Solução
Maior selectividade e actividade.
(c) Explique o efeito da catálise sobre as reacções reversíveis. (1 val.)
Solução
Como a constante de equilíbrio só depende da temperatura, a catálise acelera ambas
as reacções, alterando assim apenas o tempo necessário para se atingir o equilíbrio.
k k
3. (a) Para as reacções elementares A −
→1
B −
→2
C se k1 = k2 e se para t=0, CA = (3,5 val.)
CAo e CBo = CCo = 0, encontre o tempo a que ocorre a concentração máxima de
B e qual esse valor.

Pg. 1/ 4 V.S.F.F. #
1ª Época de ERI T , 4 de janeiro de 2016
R
I

Solução
Trata-se de uma EDO linear.
dB
= k1 CAo e−k1 t − k2 B
dt
Como k1 = k2 = k, fica:
dB
+ kB = kCAo e−kt
dt
donde o factor de integração ser e kdt = ekt , vindo a solução da equação como:
R

Z
kt
e B = kCAo dt + c ekt B = kCAo t + c B = CAo kte−kt + c

como B[0] = 0, c = 0, vem finalmente que:

B = CAo kte−kt

O máximo acontece para dB


dt
= 0 isto é para:

−CAo k 2 tmax e−ktmax +CAo ke−ktmax = 0, CAo ke−ktmax (−ktmax +1) = 0 ou 1−ktmax = 0

isto é:
1 CAo
tmax = e deste modo Bmax =
k e

(b) No século XIX, o entomologista Henri Fabre, notou que as formigas francesas (3,5 val.)
moviam-se de acordo com a temperatura ambiente do seguinte modo:

velocidade das 150 160 230 295 370


formigas (m/h)
T (ºC) 13 16 22 24 28

Que energia de activação representa este comportamento.


Solução
Vamos pensar que a observação obe-
dece à lei de Arrhenius. Temos então 6.0
que: 5.8
Ea 1 5.6 R2 = −0.98
ln(v) = ln(k0 )− · com T em K
R T
ln(v)

5.4 −Ea
R = −5417.88
A energia de activação aparente é de:
Ea
= 5418 K −1 5.2
R
5.0
4.8
0.0033 0.0035 0.0036
1/T (K)

Pg. 2/ 4 ©FGF
1ª Época de ERI T , 4 de janeiro de 2016
R
I

A→R rR = 1
(c) As reacções paralelas A→S rS = 2 CA (2 val.)
A→T rT = CA2
ocorreram num reactor descontínuo com CAo = 2 mol/L. Qual foi o rendimento
em S se a conversão foi de 50% ?
Solução
A selectividade instantâneo de S é SS = dCS
dCR +dCS +dCT
= 2 CA
2
1+2 CA +CA
= 2CA
(1+CA )2

Para x=0,5; CA = 1 e deste modo SS = 0, 5. Como o rendimento é ηS = SS · x =


0, 25.
O rendimento em S é de 25%
4. Uma reacção em fase gasosa reversível de 1ª ordem é realizada num CSTR. Para uma
operação a 300 K o volume necessário do reactor é de 100 L para uma conversão de
60%. A alimentação é constituída pelo reagente puro e a pressão mantém-se constante.
Dados: kd = 103 e−2416/T ∆Hr300 K
= 8000 cal/mol ∆CP = 0 K 300 K
= 10
(a) Qual será o volume necessário para a mesma alimentação e para a mesma conversão (3,5 val.)
mas para uma operação a 400 K?
Solução
Para a condição I (T=300 K), o balanço de massa ao CSTR é:

VI x
= CAo
Q −rA (x, TI )

Para a condição II (T=400 K) ficará

−rA (x, TI )
VII = VI ·
−rA (x, TII )
x Ea x
−rA (x, T ) = kd CA − ki CB = kd CAo (1 − x − ) = k0 e− RT CAo (1 − x − )
K K(T )
com:
− ∆H r( 1 − 1 )
K(TII ) = K(TI )e R T T
II I = 286, 4

vem que:
x
−rA (x, TI ) − Ea ( 1 − 1 )
1−x− K(TI ) − Ea ( 1 − T1 ) 0, 4 − 0, 6/10
= e R TI TII x =e R T I II
−rA (x, TII ) 1−x− K(TII
0, 4 − 0, 6/286, 4

VII = 100 · 0.13 · 0.85 = 11.4L

Pg. 3/ 4 ©FGF
1ª Época de ERI T , 4 de janeiro de 2016
R
I

(b) Discuta qual seria o tamanho do reactor se a reacção fosse exotérmica e nesse caso (1,5 val.)
K 400 K = 0, 3.
Solução
Como xe = 1+K
K
= 0, 3/1, 3 << 0, 4, não seria possível a essa temperatura obter
uma conversão superior a 25%, mesmo aumentando muito o tamanho do reactor.

Pg. 4/ 4 ©FGF