Você está na página 1de 55

SOLUÇÕES

Biofarmacotécnica II
São preparações líquidas que contém uma ou mais substâncias
químicas dissolvidas (molecularmente dispersas) em um solvente
apropriado ou uma mistura de solventes miscíveis entre si.
(Thompson & Davidow)
Sólido ou líquido
em menor
proporção

SOLUTO

SOLUÇÃO
SOLVENTE (SOLVIDO OU
DISSOLVIDO)
Liquido (maior
proporção)
Tipos
• Espíritos: Soluções hidroalcoólicas de substâncias voláteis, com alto
teor alcoólico. Pode turvar na presença de água.
• Tinturas: Soluções hidroalcoólicas de materiais de origem vegetal ou
substâncias químicas, preparadas por dissolução direta ou por
processo de extração como a percolação ou maceração.
• Águas aromáticas: Soluções aquosas de substâncias aromáticas ou
óleos voláteis.
• Elixir: Soluções orais, hidroalcoólicas e edulcoradas que contém
medicamentos dissolvidos.
• Xaropes: soluções que contém elevado teor de açúcar ou ainda
soluções viscosas para uso oral, edulcoradas.
• Soluções otológicas, oftálmicas, nasais: recebem o nome pela via de
administração que são destinadas.
Características
• É a mais versátil das formas farmacêuticas (pode ser usada por quase
todas as vias de administração).

• A via de administração determina as características da solução


(esterilidade, viscosidade, necessidade de aroma, etc).

• Podem conter adjuvantes para melhor sabor, estabilidade, aplicação,


etc.
Vantagens
• Doses homogêneas.
• Disponibilidade imediata para absorção e distribuição.
• Podem ser utilizadas por qualquer via de administração.
• Podem ser utilizadas por pacientes com dificuldade de deglutição
(crianças e idosos).
• Fácil ajuste de dose.
• Embalagens especiais são disponibilizadas atualmente pelos fornecedores
para proporcionar melhor conservação e ajuste de doses.
Desvantagem
• Menor estabilidade do fármaco quando em solução.
• Fármacos insolúveis nos solventes disponíveis para uso farmacêutico.
• Realça o sabor desagradável de alguns fármacos (necessita técnicas
especiais para mascarar o sabor)
• Mais difíceis de acondicionar, transportar e armazenar.
• Em doses múltiplas (medidas pelo paciente) existe maior risco de
erros que em doses individuais como cápsulas e comprimidos.
Acondicionamento
Considerar ao manipular soluções:

• O fármaco ou substância é solúvel


no solvente desejado?
• Qual o tempo de solubilização?
• O fármaco permanece em solução?
• É estável quimicamente? Por
quanto tempo?
• Necessita conservante?
Solubilidade
• Cada produto tem seu coeficiente de solubilidade, ou seja, pode ser
mais ou menos solúvel dependendo da concentração em
determinada temperatura.
• Quando o soluto se encontra em equilibro com o solvente, dizemos
que a solução é Não Saturada.
• Quando esse equilíbrio não é atingido e a concentração do solução
ultrapassa dizermos que é Sobressaturada.
• O limite entre elas é chamado de Ponto de Saturação.
• Soluções verdadeiras:
• As substâncias dissolvidas atingem alto grau de dispersão (partículas
inferiores a 0,001µm).
• Esse tamanho de partícula representa as condições ideais para a absorção dos
compostos pelo organismo.
• Afetam a solubilidade...
• Temperatura
• Interação solvente-soluto.
• Estado de divisão da substância
• Agitação
• Constante dielétrica
• Solvente
• pH
Expressão da solubilidade
• Em muitos casos as farmacopeias já indicam a solubilidade exata.

• Quando não especificado, a indicação de solubilidade é determinada


entre 15 e 25°C (Prista, 1996).
• Nossa farmacopeia, em sua 5ª edição, determina a solubilidade na
temperatura de 25°C.

• Quando não determinado na literatura, o solvente padrão é a água.

• É definida como o numero de partes de solvente necessários para


dissolver uma parte de soluto.
• Partes refere-se à dissolução de 1g de soluto em numero de mL de solvente.
Tabela de expressão da solubilidade

Quantidade relativa de solvente em volume, para 1 parte


Termos de soluto em massa
Muito solúvel Menos de 1 parte

Facilmente solúvel De 1 a 10 partes

Solúvel De 10 a 30 partes

Ligeiramente solúvel De 30 a 100 partes

Pouco solúvel De 100 a 1.000 partes

Muito pouco solúvel De 1.000 a 10.000 partes

Praticamente insolúvel Mais de 10.000 partes


Expressão da Concentração
• A quantidade de substância dissolvida em qualquer solução pode
indicar-se de várias maneiras:
• Porcentagem (a mais usada em farmácias)
• m/V (massa de soluto por volume de solução – g/mL)
• m/m (massa de soluto por massa de solução – g/g)
• V/V (volume do soluto por volume de solução – mL/mL)
• V/m (volume de soluto por massa de solução – mL/v)
• ppm (m/m ou m/V)
• Molaridade
• Normalidade
• Equivalentes ou Miliequivalentes: Expressa a concentração de íons em uma
solução.
Estudo de Caso
Uma prescrição solicita a
manipulação de 60mL de Ácido
Bórico 10% em água. Ao
verificar a solubilidade do ácido
bórico, você encontrou que 1
parte dissolve em 18 partes de
água. Será possível manipular
essa fórmula?
Soluções ideais
• Ideal = quando as moléculas dos seus constituintes não se atraem por
forças especiais e quando não se manifesta qualquer variação da
energia interna ao se misturar os componentes.
• Só se observa a simples diluição dos constituintes.
• Não se observa desenvolvimento ou absorção de calor, nem contração ou
aumento de volume.
Lembrando
Fisico-Quimica

Lei de Rauolt = Estabelece que numa solução ideal a pressão de vapor de cada
constituinte é proporcional à sua fração molar.

Dalton = a pressão total de vapor da solução será dada pela soma das pressões
parciais dos respectivos constituintes.
Mais um pouco sobre Soluções
Tipos de Soluções
• Soluções simples: Resulta da dissolução total e completa de uma
substância em um solvente.
• Solução de gás em liquido
• Solução de líquido em liquido
• Completamente miscíveis
• Parcialmente miscíveis.
• Solução de sólido em líquido
• Estado físico e grau de solvatação
• Estado de divisão e agitação
• Constante dielétrica do solvente
• pH e solubilidade dos eletrólitos fracos
• Soluções extrativas: Resulta da dissolução parcial de uma droga de
composição heterogênea em um determinado solvente.
• O solvente dissolve apenas alguns constituintes da droga.
• O restante é o ‘resíduo’.
Sacaróleos líquidos
• XAROPES
• São preparações farmacêuticas aquosas, límpidas, que contém açúcar em
concentração próxima a da saturação.
• Cerca de 2/3 partes de açúcar em 1/3 de água.
• Se conservam bem por sua característica hipertônica.
• Confere valor energético e desempenha as funções de edulcorante e
conservante.
• A sacarose é o principal constituinte dos xaropes (indicado pelas
farmacopeias)
• Pode ser utilizada a glucose, que por sua ação redutora evita a oxidação de
alguns fármacos como o iodeto ferroso, porém ela não é normalmente
indicada nas referências oficiais.
Sacaróleos líquidos
• PREPARO DOS XAROPES
• A SACAROSE é um dissacarídeo, obtido geralmente da cana de açúcar, muito solúvel
em água e mais solúvel a quente, hidrolisa na presença de ácidos minerais.
• Se prepara por dissolução do açúcar na água (ou outros solventes).
• Pode ser preparado a frio ou a quente.
• Na preparação à frio, pode-se encontrar certos microrganismos.
• O preparado por aquecimento pode levar à certa hidrólise da sacarose, porém não
aquecer em demasia para não formar açúcar invertido (quando aquecida sofre
hidrólise parcial e forma açúcar invertido, menos solúvel que a sacarose).
• O xarope preparado a quente pode levar à obtenção de um xarope mais amarelo,
que pode ser pela caramelização do açúcar.
• Também é vantagem do modo a quente a esterilização e eliminação do anidrido
carbônico.
Vamos pesquisar??
1) Qual a finalidade de se filtrar soluções?
2) Qual a função do talco e carbonato de magnésio na preparação de
xaropes?
3) Que fatores podem causar alterações nos xaropes?
Respostas
1) As soluções devem apresentar-se perfeitamente límpidas, por isso
terão que ser filtradas. Consiste na separação das partículas sólidas
de um líquido, que fica retido no elemento filtrante (filtro). Os
sólidos retidos constituem o resíduo.
2) São utilizados como clarificantes de determinados xaropes,
principalmente aqueles que se obtém à custa da mistura de tinturas
resinosas ou balsâmicas com açúcar e água. O xarope fica turvo por
causa das precipitação das resinas e substâncias insolúveis em
água. A agitação com talco ou com carbonato de magnésio torna-o
límpido. Lembrar que o uso desses produtos pode adsorver outros
compostos químicos e alcalinizar o xarope.
3) Ambiente: oxigênio e anidrido carbônico;
Xaropes para Diabéticos
• O xarope tradicional é contraindicado para pacientes diabéticos.
• Para estes pacientes, são desenvolvidas alternativas nas quais seja
eliminada a sacarose totalmente ou parcialmente.
• Utiliza-se um edulcorante artificial como a sacarina, aspartame,
sucralose ou outro para substituir o sabor doce.
• Como agente de viscosidade utilizamos agentes espessantes (alginato
de sódio, metilcelulose, goma arábica, etc).
• Como o xarope dietético não é hipertônico, é necessário adicionar
conservantes.
Exemplo xarope diet
Componente Quantidade
GOMA ADRAGANTANA 1,5G
GLICERINA 6G
SACARINA SÓDICA 0,1G
METILPARABENO 0,1G
ÁGUA DESTILADA QSP 100G
Sacaróleos líquidos
• MELITOS
• São preparações farmacêuticas de consistência xaroposa, com grande
quantidade de mel em sua composição dissolvida em um veículo aquoso.
• Possuem densidade cerca de 1,32g/mL (15°C)
Componente Quantidade
MEL 1000G
ÁGUA 1000G
CAULIN 60G

• Preparo: Agitar o caulim com 200g de água; adicionar o mel dissolvido na água restante,
ferver e filtrar ainda quente. Continuar fervendo até obter a densidade de 1,26g/mL
(quente).
Alcoóleos ou Alcoolitos
• Preparações cujo veículo, único ou principal, é o álcool etílico.

• São eles:

• Soluções simples (alcoóleos ácidos, alcoóleos açucarados ou elixir, outras


soluções alcoólicas).

• Tinturas e Alcoolaturas (obtidas por dissolução extrativa de drogas secas ou


frescas)
Gliceróleos
• Preparações cujo veículo principal é a glicerina.
• Pode conter outros dissolventes, com água e álcool.
• GLICÉREOS: água + glicerina.
• GLICÉREO-ALCOÓLEOS: glicerina + água + álcool.

• Observar nas preparações as incompatibilidades com a glicerina (que


pode originar substâncias oxidantes).
• A glicerina também é higroscópica.
• Não aquecer a glicerina em temperaturas superiores à 140°C (forma
acroleína, que é irritante é toxica)
• Glicéreo-alcoóleos devem ter densidade final igual a 1.
Eteróleos
• Preparações cujo veículo principal é o éter sulfúrico.
• Podem ser obtidos por dissolução simples ou extrativas (tinturas
etéreas).

• O éter é controlado pelo Ministério da Justiça.


Enóleos
• Também chamados de vinhos medicinais, são obtidos pela dissolução
de princípios medicamentosos em vinho.
• Em desuso – em alguns países nem é mais considerado oficinal.
Oleóleos ou Óleos Medicinais
• São formas farmacêuticas obtidas por dissolução simples ou extrativa
de princípios medicamentosos em um óleo fixo.
• Azeite
• Óleo de amêndoas
• Óleo de bacalhau São exemplos de óleos preparados por digestão (óleo
• Óleo de gergelim de beladona e o óleo de camomila), utilizando a
• Óleo de soja maceração e proceder a digestão a 70°C.
• Óleo de amendoim
• Óleo de algodão
• Óleo de girassol, etc
• Podem ser utilizadas para uso externo, interno e parenteral (desde
que obedecido os critérios característicos para cada uma).
• São geralmente obtidos à quente (60 – 70°C)
Soluções Otológicas
• São destinadas à instilação no ouvido externo.
• Água, Glicerina ou Polióis podem ser utilizados como
solventes.
• Água e álcool podem ser utilizados como cossolventes.
• Geralmente fornecidas em embalagens com conta gotas
para facilitar a aplicação.
Exemplo Prescrição Solução Otológica
Ingrediente Quantidade Quantidade Usual Uso
Prescrita
Antipirina 5% 5% Antipirético,
Analgésico
Hidrocortisona 0,5% 0,5 a 2,5% Anti-inflamatório
Sulfato de 5mg/mL 5mg/mL Antibiótico
Neomicina
Metabissulfito de 0,1% 0,1% Antioxidante
Sódio
Glicerina 25% Variável Veículo, Umectante
Propilenoglicol 25% Variável Veículo, Umectante
Água purificada asp 30mL Veículo
Thompson & Davidow, 2013
• São soluções destinadas à aplicação no
globo ocular, pálpebras, conjuntiva e
córneas.
• As preparações oftálmicas devem ser:
estéreis, isentas de partículas,
isotônicas, pH compatíveis.
• Local adequado para preparo (RDC
17/2010).
• A mucosa do olho é altamente sensível
– impacto na escola do veículo e
adjuvantes.

Colírios
• A quantidade equivalente à uma solução de NaCl 0,9% é ideal, mais
confortável para o paciente e deve ser usada sempre que for possível.
• Quando for necessário uma solução não isotônica, o olho pode
tolerar uma faixa em equivalentes de NaCl entre 0,6 a 2%. Outros
casos devem ser analisados.
• Pode ser necessário adição de tampão e conservantes.
• A esterilização da solução final pode ser realizada por membrana
(MiliPore ®)
Conservantes e Adjuvantes
Outros Agentes Concentração
máxima
Antioxidantes
Agente Conservante Concentração
máxima Bissulfito de sódio 0,1%

Cloreto de benzalconeo 0,013% Metabissulfito de sódio 0,1%

Cloreto de benzetônio 0,01% Tioureia 0,1%

Clorobutanol 0,5% Ác etilenodiaminotetracético 0,1%

Acetato de fenilmercúrio 0,004% Molhantes/clarificantes

Nitrato de fenilmercúrio 0,004% Polissorbato 80 1%

Timerosal 0,01% Polissorbato 20 1%


Indutores de Viscosidade
Álcool polivinílico 1,4%
Fonte: FDA Advisory Review Panel on OTC
Ophtalmic Drug Products, 1979 Polivinilpirrolidona 1,7%
Extraído de: Thompson & Davidow, 2013 Metilcelulose 2%
Hidroxipropilmetilcelulose 1%
Hidroxietilcelulose 0,8%
Cálculos de Isotonicidade
• ISOTONIA: Igualdade de pressão osmótica
entre duas soluções (dicionário Aurélio).

• Vamos lembrar....
• OSMOSE: Passagem do solvente em solução através de uma
membrana impermeável ao soluto (dicionário Aurélio).

• PRESSÃO OSMÓTICA: É a pressão contrária à osmose. (pressão


externa que deve ser aplicada para evitar a diluição por osmose)
• A Pressão Osmótica osmótica, assim como o abaixamento da pressão
de vapor, o abaixamento de congelamento e a elevação do ponto de
ebulição, é uma “propriedade coligativa”.
• As propriedades coligativas não dependem da massa e sim do
número de partículas do soluto.
• Para soluções farmacêuticas normalmente medimos as alterações
causadas pelas partículas em solução através das alterações no ponto
de congelamento (é difícil medir a pressão osmótica diretamente).
∆Tf = Kfm Ex:
Onde: Para a água, que possui ponto de congelamento
0°C, em uma pressão atmosférica de 1 atm, Kf =
∆Tf = é o abaixamento do ponto de congelamento. 1,86 e o ponto de congelamento para uma
Kf = constante crioscópica molal (mol/1000g de solvente) solução aquosa à 1m será?
∆Tf = 1,86 x 1
m = concentração em mols ∆Tf = 1,86°C
• Para moléculas que se dissociam completamente, utilizamos a
seguinte fórmula
∆Tf = i.Kf.m
Onde: Ex 2:
∆Tf = é o abaixamento do ponto de congelamento. Ao se adicionar 1 molal de cloreto de sódio na
solução do exemplo anterior, teremos
Kf = constante crioscópica molal (mol/1000g de solvente) ∆Tf = 2 x 1,86 x 1
m = concentração molal ∆Tf = - 3,72°C
i = fator de Van´t Hoff

• Essa expressão foi modificada para


∆Tf = LISOc
Onde:
∆Tf = é o abaixamento do ponto de congelamento.
LISO = é o iKf determinado experimentalmente (ver tabela no próximo slide).
c = concentração molar
TIPO IÔNICO VALOR LISO EXEMPLO
MÉDIO
Não eletrólitos: substâncias que não se dissociam em 1,9 Sacarose, dextrose, cânfora, glicerina
soluções aquosas
Eletrólitos fracos: substâncias que se dissociam muito 2,0 Ácidos fracos (ácido bórico, cítrico), Aminas
pouco em solução. básicas como efedrina e codeína)
Eletrólitos bivalentes-bivalente: substâncias que se 2,0 Sulfato de Magnésio, Sulfato de Zinco
dissociam em dois íons, sendo o ânion polivalente
Eletrólitos monovalentes-monovalentes: substâncias que 3,4 Cloreto de sódio, nitrato de prata, cloridrato de
se dissociam em dois íons, o ânion monovalente cocaína, cloridrato de pilocarpina, penicilina V
potássica.
Eletrólitos monovalente-bivalente: substâncias que se 4,3 Sulftato de atropina, carbonato de sódio,
dissociam em três íons, sendo o ânion univalente hidrgenofosfato de sódio, sulfato de fisostigmina.
Eletrólitos bivalente-monovalente: substâncias que se 4,8 Cloreto de cálcio, gluconato de cálcio, cloreto de
dissociam em três íons, sendo o ânion polivalente zino, cloreto de magnésio
Eletrólitos monovalente-trivalente: substâncias que se 5,2 Citrato de sódio, citrato de potássio
dissociam em quatro íons, sendo o ânion polivalente
Eletrólitos trivalente-monovalente: substâncias que se 6,0 Cloreto de alumínio, cloreto férrico
dissociam em quatro íons, sendo o ânion univalente
Tetraboratos 7,6 Borato de sódio, borato de potássio
Método do ponto de congelamento
• Os cientistas mediram os pontos de congelamento do sangue da lágrima.
• Obtiveram valores aproximadamente iguais: -0,52°C
• Portanto, para um fármaco ser considerado isotônico com esses fluidos, deve ter
o mesmo ponto de congelamento.
• Etapas:
1. Determine a concentração percentual do ponto de congelamento.
2. Consulte a tabela de ponto de congelamento do fármaco a 1% em solução
3. Calcule o abaixamento do ponto de congelamento causado pela concentração prescrita.
4. Subtraia esse valor do ponto de congelamento desejado.
5. Escolha o soluto apropriado para ajustar a tonicidade da solução.
6. Utilize a tabela para calcular o abaixamento causado pela solução a 1% desse soluto.
7. Calcule a concentração desse soluto necessária para fornecer a diferença no abaixamento
do ponto de congelamento.
8. Determine a massa necessária do soluto em gramas, para a quantidade desejada de
solução.
Método do ponto de congelamento - Exemplo
Na prescrição sulfato de atropina 2% em água purificada qsp 15mL. Calcule a
quantidade de ácido bórico necessário para formar uma solução isotônica.
1 - Note ou determine a concentração do fármaco na prescrição
2%
2 - Consulte a tabela de ponto de congelamento do fármaco a 1% em solução.
0,07°
3 – Calcule o abaixamento do ponto de congelamento causado pela concentração
prescrita.
Concentração Abaixamento
1% 0,07°
2% X X = 0,14°C

4 – Subtraia esse valor do ponto de congelamento desejado.


0,52° - 0,14° = 0,38°
Método do ponto de congelamento - Exemplo
5 – Escolha o soluto apropriado para ajustar a tonicidade da solução.
Neste caso a prescrição determina a utilização do ácido bórico, um adjuvante
oftalmológico comum, com função tamponante suave e isotonizante.
6 – Utilize a tabela para calcular o abaixamento causado pela solução a 1%
desse soluto.
0,29°
7 – Calcule a concentração desse soluto necessária para fornecer a diferença
no abaixamento do ponto de congelamento.
Concentração Abaixamento
1% 0,29° X = 1,3%
x% 0,38°

8 – Determine a massa necessária do soluto em gramas, para a quantidade


desejada de solução
1,3% x 15mL = 0,195g de ácido bórico
Método do Equivalente em Cloreto de Sódio
• Método desenvolvido como uma proposta mais fácil de calcular.
• Se baseia no abaixamento do ponto de congelamento do cloreto de sódio (soluto
mais utilizado para ajuste de tonicidade).
• Utiliza-se o fator de “equivalente em cloreto de sódio” = que é a massa em
gramas (g) de cloreto de sódio necessária para obter um efeito osmótico similar a
1g de um determinado fármaco (ENaCl1%).
• Etapas:
1. Calcule a quantidade em gramas do fármaco em solução.
2. Consulte na tabela o equivalente em cloreto de sódio para o fármaco (ou seja, a massa em
gramas de cloreto de sódio que equivale a 1g do fármaco).
3. Calcule a massa em gramas de cloreto de sódio que é equivalente a massa em gramas do
fármaco em solução.
4. Calcule a quantidade em gramas de cloreto de sódio para preparar o volume desejado de
solução isotônica do fármaco, se não houver outro soluto presente.
5. Subtraia a massa em gramas de cloreto de sódio de cloreto de sódio que é equivalente à
massa do fármaco, da massa de cloreto de sódio que seria necessário para preparar a
solução isotônica.
6. Adicione essa quantidade de cloreto de sódio à solução.
Método do Equivalente em Cloreto de Sódio - Exemplo
Na prescrição sulfato de atropina 2% em água purificada qsp 15mL. Calcule
a quantidade de cloreto de sódio necessário para formar uma solução
isotônica.
• Etapas:
1 – Calcule a quantidade em gramas do fármaco em solução.
2% x 15g = 0,3g de sulfato de atropina.
2 – Consulte na tabela o equivalente em cloreto de sódio para o fármaco (ou
seja, a massa em gramas de cloreto de sódio que equivale a 1g do fármaco).
0,13 (ou seja, 0,13g de NaCl equivalem a 1g de sulfato de atropina).
3 – Calcule a massa em gramas de cloreto de sódio que é equivalente a
massa em gramas do fármaco em solução.
NaCl Atropina
0,13g 1g X = 0,039g
Xg 0,3g
Método do Equivalente em Cloreto de Sódio - Exemplo
4 – Calcule a quantidade em gramas de cloreto de sódio para preparar o
volume desejado de solução isotônica do fármaco, se não houver outro
soluto presente (0,9%).
0,9% x 15mL = 0,135g
5 – Subtraia a massa em gramas de cloreto de sódio de cloreto de sódio que
é equivalente à massa do fármaco, da massa de cloreto de sódio que seria
necessário para preparar a solução isotônica.
0,135g – 0,039g = 0,096g de NaCl serão adicionados à solução para torna-la
isotônica.
6 – Adicione essa quantidade de cloreto de sódio à solução.
OBS: Se o cloreto de sódio disponível for em solução à 0,9%, calcular a
quantidade necessário dessa solução para se ter 0,096g e complete o volume
com água estéril.
NaCl Volume
X = 10,7mL
0,9g 100mL
0,096g xmL
Suspensões
• São preparações líquidas constituídas de partículas sólidas dispersas
em uma fase líquida na qual são insolúveis.
• É utilizado normalmente para dispersões sólido-líquido.
• Algumas fórmulas consagradas com outros nomes são suspensões (leite de
magnésia, magma de bentonita, loção de hidrocortisona.
• Molhabilidade: termo utilizado quando um líquido desloca o ar da
superfície de um sólido e este, espontaneamente se espalha ao redor
da superfície do sólido (ou seja, o líquido molha o sólido).
• Agentes molhantes: São substâncias adicionadas para auxiliar no
deslocamento do ar ao redor do sólido e substituí-lo pelo liquido.
• Surfactantes: São substâncias adsorvidas nas interfaces, por conter
uma estrutura anfipática.
Suspensões Orais
• São utilizadas quando necessário administrar fármacos em pacientes
que não podem engolir cápsulas ou comprimidos.
• Geralmente as suspensões orais são fornecidas em pós para
reconstituição em casa, com validade limitada. Isso ocorre pela
dificuldade em manter a estabilidade das preparações que contém
água.
• Muitas vezes é intencional manter a molécula ativa na forma insolúvel
em água, para minimizar o sabor desagradável, ou ainda melhorar
biodisponibilidade.
• É importante observar a validade da suspensão após reconstituição.
• Pode ser necessário adicionar algum agente levigante para melhorar a
reconstituição após repouso.
Propriedades Requeridas
• As partículas devem ser muito finas, geralmente 0,5 a 3 micrometros.
• Partículas finas fornecem ótima dissolução e absorção.
• As partículas de tamanho reduzido auxiliam na obtenção de velocidade de
sedimentação adequada.
• Cuidado, pois partículas muito finas têm maior tendência à agregação,
podendo compactar em uma massa não dispersível.
• Pode-se utilizar um tamiz malha 35 a 45 para obter homogeneidade
no tamanho da partícula.
• Molhar adequadamente o pó para garantir uma dispersão adequada,
se necessário utilizar um agente molhante (glicerina, álcool,
propilenoglicol, polietilenoglicol ou surfactantes).
• As partículas devem ser facilmente redispersadas quando o produto é
agitado.
Etapas para preparo de uma Suspensão
• Calcular a quantidade de cada componente da formulação.
• Reduzir o tamanho das partículas sólidas e misture os pós.
• Molhe os pós adicionando o líquido molhante em pequena
quantidade, triturando até obter uma pasta espessa e uniforme.
• Adicione o restante do veículo em porções, com trituração, até
obtenção de uma preparação uniforme.
• Transferir a suspensão para o recipiente final ou de medida, utilizando
o restante do veículo para lavar o gral.
• Completar o volume, envasar.
• Não esquecer de utilizar a etiqueta de identificação de “agite antes de
usar”.
Alguns fornecedores de embalagens
• http://www.apotek.com.br/site/produtos/
• http://www.vepakum.com.br/home
• http://www.gppharma.com.br/
• http://www.reci.com.br/farmaceutica/
• http://www.vedapack.com.br/
• http://www.wheatonbrasil.com.br/
• http://www.westpharma.com/
• http://vipembalagens.com.br/empresa.php
• http://www.lanus.com.br/

Você também pode gostar