Você está na página 1de 8

MODELAGEM E OTIMIZAÇÃO DA SECAGEM DE SEMENTES DE

UVA EM LEITO FIXO

G. JOHANN1, E. A. da SILVA2, N. C. PEREIRA3, M. L. de MENEZES4


1
Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia
2 Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química
3 Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Engenharia Química
4 Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curso de Engenharia Química

E-mail para contato: grajohann@yahoo.com.br

RESUMO – No presente trabalho foi estudada numericamente a secagem convectiva de sementes


de uva em leito fixo e proposta uma metodologia para otimização da eficiência energética do
processo. Foi aplicado o método das linhas para solução das equações resultantes e os
coeficientes convectivos de transferência de massa e energia foram obtidos em trabalho
anteriormente realizado. Na otimização, a função objetivo foi definida como a razão entre a
quantidade de energia requerida para evaporar a umidade das sementes e para aquecer o ar de
secagem. Empregou-se o método não linear Simplex, sendo impostas penalidades quando a busca
pelas condições de secagem ótimas era feita fora dos intervalos 1-5 m/s e 50-80 °C. O valor da
eficiência energética otimizada foi 41,1%, calculada para a secagem conduzida a 67 °C e
2,06 m/s.

1. INTRODUÇÃO
As uvas são uma das frutas mais populares e saborosas do mundo (Khazaei et al. 2013), além de
uma rica fonte de compostos polifenóicos, especialmente ácidos fenólicos, flavan-3-ols, como a
catequina e seus isômeros e proantocianidinas (Makris et al. 2007), com propriedades antioxidantes, que
neutralizam radicais livres (Krishnaswamy et al. 2013). A produção mundial de uvas foi de 67 milhões
de toneladas, a partir de 7,3 milhões de hectares plantados, somente em 2007 (Kiliçkan et al. 2010).

De acordo com Pardo et al. (2009), o bagaço de uva, composto de sementes, pele e restos do caule,
é um dos subprodutos gerados pela indústria de vinhos, e é usado principalmente para a produção de
álcool. As sementes de uvas podem, também, serem utilizadas para a extração de óleo, que de acordo
com Davidov-Pardo e McClements (2015), é rico em ácidos graxos insaturados, que representam mais
de 89% da composição oleica total, sendo que muitos destes ácidos são ácidos graxos essenciais.

A extração de óleo envolve várias operações preliminares, tais como a limpeza, descasque,
secagem e moagem. Diferentes métodos de secagem são usados na secagem de frutos e legumes, e a
secagem convectiva é atualmente o método mais amplamente utilizado na tecnologia pós-colheita de
produtos agrícolas (Sturm et al. 2014). Entretanto, essa técnica pode consumir até 15% de toda a energia
empregada em todo o processamento (Perussello et al. 2014).

Existem poucos estudos na literatura relacionados a secagem de uva sem sementes, tais como o
estudo da Bennamoun e Belhamri (2006), Esmaeili et al. (2007a), Esmaeili et al. (2007b), Çakmak e
Yıldız (2009), e Azzouz et al. (2002). Na área de reutilização de resíduos, recentemente Cruz et al.
(2016), avaliaram o efeito da aplicação de ultrassom na secagem de casca de uva, e Torres et al. (2015)
estudaram os efeitos do processo de crio-secagem sobre o aroma e potencial polifenóico de cascas de
uvas brancas.

No entanto, existem apenas quatro trabalhos que estudaram a secagem de sementes de uva. Roberts
et al. (2008), que estudaram a secagem convectiva em camada fina de sementes de uva Vitis vinifera.
Menezes (2014), que avaliou modelos empíricos no estudo da cinética de secagem e grãos de uva das
variedades Cabernet Sauvignon e Bordô em camada fina. Bracht (2012), que estudou a secagem de grãos
de uva das variedades Cabernet Sauvignon e Bordô em leito de jorro. Mais recentemente, Clemente et
al. (2014), estudaram a secagem de grãos de Vitis vinifera cultivar Bobal, avaliando a influência das
condições do ar de secagem e da aplicação de ultrassom, na cinética da secagem convectiva.

Face às características de interesse industrial que o óleo de semente de uva apresenta, e,


considerando a escassez de estudos relativos à secagem dessa semente, fica clara a necessidade de se
aprofundar os conhecimentos referentes à cinética da secagem das mesmas, assim como se analisar a
eficiência energética do processo de secagem. Nesse sentido, os objetivos do presente trabalho são
estudar numericamente a secagem convectiva de sementes de uva em leito fixo, aplicando o modelo de
dupla resistência, e propor uma metodologia para otimização da eficiência energética do processo.

2. MATERIAIS E MÉTODOS
O estudo teórico de modelagem e otimização da secagem de sementes de uva em leito fixo foi
realizada com base em estudo previamente realizado por Johann et al. (2016). Neste, os autores
obtiveram os parâmetros cinéticos necessários para a determinação da velocidade de secagem de um
leito de sementes de uva da variedade Cabernet Sauvignon.

2.1. Modelagem Matemática


Durante o processo de secagem de grãos e sementes, podem ser identificadas duas resistências à
transferência de massa, a resistência interna à difusão da água líquida, e a resistência externa à
transferência de massa. As respectivas taxas de secagem são representadas por:

= − ∗
1− (1)

= ∗
− (2)
Em que é a taxa de secagem (kg/m2min), os índices S e F representam a fase sólida e fluida,
respectivamente, é o coeficiente interno de transferência de massa (min-1), é a umidade média das
sementes (b.s.), ∗ é a umidade de equilíbrio das sementes (b.s.), é a densidade das sementes (kg/m3),
é a porosidade do leito (-), é o coeficiente externo de transferência de massa (kg/m2min), ∗ é a
umidade de equilíbrio do ar de secagem (b.s.), é a umidade do ar de secagem (b.s.).

Considerando que não existe acúmulo na interface sólido/ar, o fluxo de água que atinge a superfície
externa do sólido, devido ao movimento ao longo do interior deste, é igual ao fluxo de água que sai da
interface em direção ao seio do gás. Este processo é expresso matematicamente por:

= (3)

No presente estudo, o coeficiente interno de transferência de massa foi correlacionado com a


difusividade efetiva por:

= (4)

Em que é o parâmetro ajustável da Eq. (4), é a difusividade mássica efetiva (m2/min), e


é o raio das sementes (m).

Para a elaboração do modelo matemático, foram consideradas as seguintes hipóteses


simplificadoras: as sementes de uva formam um leito fixo; as perdas de calor pelas paredes do secador
são desprezíveis; a umidade e temperatura iniciais do leito e da ar de secagem são uniformes; transporte
unidimensional de calor e massa no leito; distribuições uniformes de temperatura, umidade e velocidade
do ar de secagem na entrada do secador; e o ar de secagem comporta-se gás ideal nas condições de
modelagem. Com base nas considerações iniciais, foram efetuados balanços de massa e energia no leito
de sementes e no ar de secagem, resultando em:

1− = ∗
− (5)

= −! − 1− (6)
"

# 1− =$ 1− + ℎ' ( − ( (7)

) = −$ 1− + ℎ' ( − ( −! # (8)
"

Em que é a umidade do leito de sementes em base seca (b.s.), t é o tempo (min), é a porosidade
do leito (-), é a área específica (m-1), é a densidade do ar de secagem (kg/m3), ! é a velocidade do
ar de secagem (m/min), # é a entalpia das sementes (kJ/kg), $ é o calor de dessorção (kJ/kg), ℎ' é o
coeficiente convectivo de transferência de calor (kJ/m2 min °C), ( é a temperatura do ar de secagem
(°C), ( é a temperatura do leito (°C), e ) é a energia interna do ar (kJ/kg).
Os valores dos parâmetros termo-físicos envolvidos na solução das equações diferenciais podem
ser encontrados em Johann et al. (2016).

2.2. Definição da Função Objetivo


O consumo energético, *+ , que é a energia necessária para aquecer o ar de secagem da temperatura
ambiente até a temperatura de operação do secador, é calculado por:
45
*+ = , -./0 !1 24 # 3(
6
(9)
57

Em que *+ é a energia total consumida para aquecer o ar de secagem por unidade de tempo
(kJ/min), , -./0 é o tempo total de secagem (min), ( 7 é a temperatura inicial do ar de secagem (°C),
( 6 é a temperatura de alimentação do ar de secagem (°C), e 9: é o calor específico do ar de secagem
(kJ/kg °C).

A quantidade de energia necessária para dessorver a umidade presente no leito de sementes, E< ,
do instante inicial ao tempo final de secagem, é:

* = −= $ 2B >?@A 3, (10)
Em que E< é a energia consumida para dessorver a umidade (kJ/min), e mD é a massa dos grãos
secos (kg).
Diante disso, pode-se, então, definir uma função objetivo, que é maximizar a eficiência energética
da secagem, η, ou seja, maximizar a razão entre a quantidade de energia efetivamente empregada na
remoção da umidade e a aquela adicionada ao ar de secagem, para aquecê-lo:
HI
F== G (11)
HJ

Em que F é a função objetivo.

A Eq. (11) foi sujeita ao seguinte conjunto de restrições:

1 =/L ≥ ! ≤ 5 =/L (12)

60 °S ≥ ( 6
≤ 80 °S (13)

2.3. Procedimento Numérico de Solução das Equações e Otimização


Na resolução do sistema de equações diferenciais, Eq. (5) a (8), foram empregados o método das
Linhas e o método de Rosenbrook, por meio da rotina dsolve do software Maple 13®. Por sua vez, para
a otimização da Eq. (10), empregou-se a rotina Search, também do software Maple 13®, adotando-se a
estratégia globalsearch.
As simulações para otimização consideraram como variáveis maipuláveis a velocidade e a
temperatrua do ar de secagem. E foram conduzidas até que fosse atingida a umidade média do leito de
sementes de uva igual a 13%.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Os valores do coeficiente convectivo de transferência de massa, , foram ajustados a uma função
do tipo k V = fXv, T\ ]^^_`. A equação resultante foi obtida com o auxílio software OriginPro 8®, que
resultou em R2= 0,99998 e soma dos quadrados dos resíduos igual à 9,5128×10- 4:
cd,efdgc
= 0,36455 + lmm,nlonpq5 r sl,nt (14)
6 ot,7 ounpu7{
hgi j k wxygi j z |}
7,unvuu l,u u7n

O parâmetro , da Eq. (4), foi ajustado ao modelo polinomial:

= −0,0061( 6
c
+ 0,782( 6
− 2,6 (15)

A otimização da função objetivo, Eq. (11), nas simulações conduzidas até que o leito alcançasse
umidade média de 13%, indicou que a maior eficiência energética do secador foi calculada para a
condição do ar de secagem a 2,06 m/s e 67 ºC. Operando nesta velocidade e temperatura, a eficiência
energética média foi 41,1%.

Para a secagem conduzida a 5 m/s e 80 ºC, a eficiência média foi 29,3%, já, reduzindo a
temperatura para 60 ºC, a eficiência média é reduzida para 28,5%. Conduzindo a secagem a 50 ºC e
3 m/s, a eficiência média calculada foi 15,6%. Por sua vez, nas condições indicadas pelo processo de
otimização, 2,06 m/s e 67 ºC, a eficiência média obtida foi 41,1%.

A Figura 1 apresenta a umidade e a eficiência energética instantânea em função do tempo de


secagem, conforme otimizado pela função objetivo, Eq. (11), para diferentes velocidades do ar de
secagem.
Figura 1 – Umidade do leito (a) e eficiência instantânea (b) em função do tempo de secagem.

Da Figura 1, é possível observar que à medida que o processo decorre, a eficiência do processo
oscila e diminui, tendo em vista que o a energia continua a ser fornecida na mesma quantidade. Porém,
a taxa de secagem é reduzida, devido à remoção gradual da umidade ao longo do tempo.

Diante dos resultados obtidos, é possível concluir que, empregando velocidade do ar de secagem
igual a 3 m/s e 50 ºC, a eficiência energética média, é de cerca de 2,6 vezes inferior àquela obtida caso
fosse empregada velocidade de 2,06 m/s, operando a temperatura fixa de 67 ºC.

4. CONCLUSÕES
Foi estudado o processo de secagem convectiva de sementes de uva da variedade Cabernet
Sauvignon em leito fixo, desenvolvido um modelo fenomenológico de dupla resistência, aplicando
parâmetros cinéticos previamente obtidos, e proposta uma metodologia de otimização do processo de
secagem. Esta metodologia consistiu em maximizar a razão entre a quantidade de energia efetivamente
empregada na remoção da umidade e a aquela adicionada ao ar de secagem.

Foi possível concluir que operando o secador proposto, com velocidade de 2,06 m/s e temperatura
de 67 ºC, a eficiência média seria de 41,1%.

5. NOMENCLATURA
9: Calor específico do ar de secagem (kJ/kg °C)
Difusividade mássica efetiva (m2/min)
E< Energia para dessorver a umidade (kJ/min)
*+ Energia para aquecer o ar de secagem por unidade de tempo (kJ/min)
F Fase fluida
ℎ' Coeficiente convectivo de transferência de calor (kJ/m2 min °C)
# Entalpia das sementes (kJ/kg)
Coeficiente externo de transferência de massa (kg/m2min)
Coeficiente interno de transferência de massa (min-1)
mD Massa dos grãos secos (kg)
Raio das sementes (m)
S Fase sólida
t Tempo (min)
, -./0 Tempo total de secagem (min)
(7 Temperatura inicial do ar de secagem (°C)
( 6 Temperatura de alimentação do ar de secagem (°C)
( Temperatura do ar de secagem (°C)
( Temperatura do leito (°C)
) Energia interna do ar (kJ/kg)
! Velocidade do ar de secagem (m/min)
Umidade do leito de sementes em base seca (b.s.)
Umidade média das sementes (b.s.)

Umidade de equilíbrio das sementes (b.s.)

Umidade de equilíbrio do ar de secagem (b.s.)
Umidade do ar de secagem (b.s.)
Parâmetro ajustável da Eq. (4)
Taxa de secagem (kg/m2min)
Densidade do ar de secagem (kg/m3)
Porosidade do leito (-)
F Função objetivo.
$ Calor de dessorção (kJ/kg)

6. REFERÊNCIAS
AZZOUZ, S.; GUIZANI, A.; JOMAA, W., BELGHITH, A. Moisture diffusivity and drying kinetic
equation of convective drying of grapes. Journal of Food Engineering, v.55, p. 323-330, 2002.
BENNAMOUN, L.; BELHAMRI, A. Numerical simulation of drying under variable external
conditions: application to solar drying of seedless grapes. Journal of Food Engineering, v. 76, p. 179–
187, 2006.
BRACHT, C. K. Estudo da secagem de sementes de uva em leito de jorro. 2012. Dissertação (Mestrado
em Engenharia Química) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2012.
ÇAKMAK, G.; YILDIZ, C. Design of a new solar dryer system with swirling flow for drying seeded
grape. International Communications in Heat and Mass Transfer, v.36, p. 984–990, 2009.
CLEMENTE, G.; SANJUÁN, N.; CÁRCEL, J. A.; MULET, A. Influence of Temperature, Air Velocity,
and Ultrasound Application on Drying Kinetics of Grape Seeds. Drying Technology, v. 32, p. 68-76,
2014.
CRUZ, L.; CLEMENTE, G.; MULET, A.; AHMAD-QASEM, M. H.; BARRAJÓN-CATALÁN, E.;
GARCÍA-PÉREZ, J. V. Air-borne ultrasonic application in the drying of grape skin: Kinetic and quality
considerations. Journal of Food Engineering, v. 168, p. 251-258, 2016.
DAVIDOV-PARDO, G.; MCCLEMENTS, D. J. Nutraceutical delivery systems: Resveratrol
encapsulation in grape seed oil nanoemulsions formed by spontaneous emulsification. Food Chemistry,
v.167, p.205-212, 2015.
ESMAIILI, M.; REZAZADEH, G.; SOTUDEH-GHAREBAGH, R.; TAHMASEBI, A. Modeling of the
Seedless Grape Drying Process using the Generalized Differential Quadrature Method. Chemical
Engineering Technology, v. 30, p. 168–175, 2007a
ESMAIILI, M.; SOTUDEH-GHAREBAGH, R.; MOUSAVIC, M. A. E.; REZAZADEH, G. Influence
of dipping on thin-layer drying characteristics of seedless grapes. Biosystems Engineering, v. 98, p. 411-
421, 2007.
JOHANN, G.; MENEZES, M. L.; PEREIRA, N. C.; SILVA, E. A. Comparing models to Neumann and
Dirichlet conditions in grape seed drying. Applied Thermal Engineering, v. 93, p.865-871, 2016
KHAZAEI, N. B.; TAVAKOLI, T.; GHASSEMIAN, H.; KHOSHTAGHAZA, M. H.; BANAKAR, A.
Applied machine vision and artificial neural network for modeling and controlling of the grape drying
process. Computers and Electronics in Agriculture, v. 98, p. 205-213, 2013.
KILIÇKAN, A.; ÜÇER, N.; YALÇIN, I. Moisture-dependent physical properties of black grape (Vitis
vinifera L.) seed. Scientific Research and Essays, v. 5, p. 2226-2233, 2010.
KRISHNASWAMY, K.; ORSAT, V.; GARIÉPY, Y.; THANGAVEL, K. Optimization of Microwave-
Assisted Extraction of Phenolic Antioxidants from Grape Seeds (Vitis vinifera). Food Bioprocess
Technology, v. 6, p. 441-455, 2013.
MAKRIS, D. P.; BOSKOU, G.; ANDRIKOPOULOS, N. K. Recovery of antioxidant phenolics from
white vinification solid by-products employing water/ethanol mixtures. Bioresource Technology, v. 98,
p. 2963-2967, 2007.
MENEZES, M. L. Estudo dos processos de secagem e extração para produção de óleo bruto de semente
de uva. 2014. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química, Universidade
Estadual de Maringá, Maringá, 2014.
PARDO, J. E.; FERNÁNDEZ, E.; RUBIO, M.; ALVARRUIZ, A.; ALONSO, G. L. Characterization of
grape seed oil from different grape varieties (Vitis vinifera). European Journal of Lipid Science and
Technology, v. 111, p. 188-193, 2009.
PERUSSELLO, C. A.; KUMAR, C.; CASTILHOS, F.; KARIM, M. A. Heat and mass transfer modeling
of the osmo-convective drying of yacon roots (Smallanthus sonchifolius). Applied Thermal Engineering,
v. 63, p. 23-32, 2014.
ROBERTS, J.S., KIDD, D.R., PADILLA-ZAKOUR, O. Drying kinetics of grape seeds. Journal of Food
Engineering, v.89, p. 460-465, 2008.
STURM, B.; VEGA, A. M. N.; HOFACKER, W. C. Influence of process control strategies on drying
kinetics, color and shrinkage of air dried apples. Applied Thermal Engineering, v. 62, p. 455-460.
TORRES, C.; SCHUMACHER, R.; ALAÑÓN, M. E.; PÉREZ-COELLO, M. S.; DÍAZ-MAROTO, M.
C. Freeze-dried grape skins by-products to enhance the quality of white wines from neutral grape
varieties. Food Research International, v. 69, p. 97-105, 2015.