Você está na página 1de 2

INTRODUÇÃO À TRAUMATOLOGIA – AULA 2

A cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial é uma especialidade com objetivo de registro e tratamento de doenças
de traumatismo (lesões e anomalias), sejam elas congênitas ou adquiridas, do aparelho mastigatório e anexo, assim
como as estruturas craniofaciais associadas.
Campo de atuação: de rebordo supraorbital ao osso hioide e a região pré-auricular, excetuando as glândulas
salivares maiores. Craniomaxilofacial atua fazendo um link entre base do crânio e possível face. Existe uma
dificuldade de entender onde começa uma e termina outra.

ATRIBUIÇÕES DA CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL (TBMF):


∙ Cirurgia oral em geral: não há outra classe que faça. Está consolidada que essa é a nossa área.
∙ Tratamento dos traumatismos faciais e suas sequelas: área mais vocacional devido aos salários dos serviços
públicos.
∙ Tratamento das deformidades faciais (cirurgia ortognática, fendas labiopalatais): muitos querem atuar nessa
área. Ninguém faz uma boa ortognática se não fizer um bom trauma. A ortognática ocorre com o planejamento
virtual. Os pacientes fissurados (fendados) exigem tratamento multidisciplinares (fonoterapia, fisioterapia,
cirurgia plástica, bucomaxilofacial, ortodontia).
∙ Tratamento de lesões benignas dos maxilares: tem que ter uma habilidade grande interpessoal, pois vamos
precisar de patologistas, radiologistas, oncologistas, especialistas, etc.
∙ Reconstruções maxilares e mandibulares: cirurgião cerra a mandíbula de um lado e do outro quando detecta um
câncer de mandíbula e manda para um histopatológico. E como o paciente fica depois? Vai precisar reconstruir,
enxerto ósseo. Paciente jovem também precisa mastigar.

TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL (TBMF):


Estudo da classificação dos agentes vulnerantes e sua ação no organismo (superfície vulnerável) ou, com outras
palavras: estuda o efeito entre aquele que vulnera e aquele que é vulnerável. O paciente é sempre o ser vulnerável.
Todo o mecanismo e trauma é o agente vulnerante. Ex: se alguém sofre um acidente de carro, a pessoa é a
superfície vulnerável e o automóvel é o agente vulnerante // se o paciente sofre uma agressão por arma de fogo, o
projétil é o agente vulnerante e o paciente é a superfície vulnerável. O trauma não necessariamente é um choque,
pode ser por agente químico, físico, etc.
Conceitos:
Trauma: é a ação local propriamente dita produzida por um agente vulnerante. Ex: uma topada do dedo mindinho
no pé da cama. Isso é um trauma (a ação = a topada). O dedo mindinho é o vulnerável, contra o pé da cama que é o
vulnerante.
Traumatismo: conjunto de traumas produzido por uma sequência de ações numa mesma superfície. Ex: paciente
atropelado por uma moto que sofreu traumatismo craniano, traumatismo de face, rompimento hepático e fratura
em bacia e pernas. Esse mecanismo de vários traumas numa mesma ação é o traumatismo. Se for em crânio e face,
é denominado craniofacial. Se for só encefálico é chamado de cranioencefálico. Se o paciente teve um traumatismo
acometendo diferentes regiões do corpo (raquimedular cervical, craniofacial e ortopédico), esse paciente é vitima de
um politraumatismo. Ele é politraumatizado. Ex: paciente tomou um soco, sofreu um trauma. Paciente foi
espancado, chutado, multiplamente agredido, passamos a ter um conjunto de traumas (traumatismo).
Ferida: trauma com solução de continuidade tecidual, em outras palavras, agressão que promove rompimento em
um tecido que devia ser integro e deixa de sê-lo. Ex: tomou um soco na face e abriu o tecido, ele tem uma ferida.
*solução: cárie é uma solução (interrupção) de continuidade do esmalte. Fratura de mandíbula é uma solução de
continuidade no osso mandibular.
Contusão: trauma sem solução de continuidade tecidual. Ex: pessoa tomou um soco na face sem fratura e sem
ferida, ela foi vitima de contusão.
Edema: aumento de volume tecidual causado por extravasamento de líquido para os espações intersticiais. Ex:
paciente traumatizado de face tem edema, ferida nasal, rinorragia (promovida por uma fratura nasal), então todo o
aumento de volume não é tudo edema. Ele possui um edema de coloração sanguínea. Quando há extravasamento
de sangue para o espaço intersticial, é hematoma.
Enfisema: extravasamento de ar para espaços intersticiais ou cavidade corpórea. Mais comum encontrar é o
rompimento dos seios (maxilares, frontal, esfenoidal e etmoidal). Ex: paciente sofre uma fratura de parede anterior
de seio maxilar continua respirando, o ar não fica no serio maxilar preso, fica extravasado para fora do seio. Sinais e
sintomas: paciente vai relatar que depois de uma pancada o nariz ficou entupido e quando assoa o nariz, a cara
incha. Outro sintoma é que ao palpar o paciente, ouve-se pequenos estalos (parecido com o plástico bolha) devido
às bolhas de ar entre os tecidos. Pode acontecer: na face – em fraturas de seio maxilar / no pescoço – enfisema
subcutâneo, pode ser rompimento da traqueia após um trauma. Isso é gravíssimo. Mais comum: enfisema
pulmonar, que é o extravasamento de ar do pulmão para dentro do tórax. Quando isso acontece o ar
que saiu do pulmão faz pressão no pulmão e dificulta a expansão dele para a respiração.
Equimose: extravasamento de sangue para os espaços intersticiais sem aumento de volume tecidual
com alteração da coloração da pele ou mucosa. Ex: chupão. Ex: bastante normal em uma cirurgia de
terceiro molar. Cor: roxo → verde → amarelo → transparente.
Hematoma: extravasamento de sangue para os espaços intersticiais com aumento de volume tecidual com alteração
da coloração da pele ou mucosa.
*blefarohematoma (blefaro = pálpebra) ou sinal de Guaxinim: hematoma periorbitário bilateral.
Possibilidades: fratura de nariz (escorre sangue ao redor dos olhos)/ fratura bilateral de orbita/
fratura de fossa craniana média (mais grave).
*prova: diferencie hematoma de equimose → ambos são extravasamento de sangue para dentro dos
tecidos, sendo que o hematoma apresenta aumento de volume e a equimose não.
*o único que não diferencia se tem aumento de volume ou não é o enfisema, pois o ar saiu do tecido
seja ele visto só por tomografia ou seja ele palpado com aumento de volume, não há diferença em ter
aumento de volume ou não.
*sinal de Battle: mancha arroxeada de sangue na região da mastoide, ou seja, hematoma em cima da
mastoide. Possibilidades: fratura da articulação temporomandibular, fratura na região de ouvido médio ou
trauma em base posterior de crânio.
Classificação dos agentes vulnerantes:
Mecânicos: objetos que causam algum dano. Ex: jogar uma pedra em alguém.
Químicos: agentes químicos que causam algum dano. Ex: paciente inalou um gás ácido e ele teve uma queimadura
nas vias aéreas superiores.
Físicos: calor, frio, eletricidade e radioatividade. Todo elemento físico que pode causar queimadura, uma condução
elétrica ou uma queimadura por condução elétrica.
Biológicos: acidente. Trauma causado por um ser vivo. Ex: mordida de animal, plantas venenosas, etc.
Psíquicos: paciente que visualizou uma cena de crime, sofreu bullying sequencial. Isso causa trauma psíquico.
*os mais comuns na nossa área: mecânicos e biológicos. Mas isso depende muito da localização em que o paciente
vive.

PRÓTESE BUCOMAXILOFACIAL:
Especialidade da odontologia (exige registo do conselho) que, através de aparelhos convencionais ou especiais,
procura separar a estética ou a função lesada. Auxilia na recuperação psicológica do paciente.
Área que muito pouca gente atua.

CIRURGIA E TRAUMATISMO BUCOMAXILOFACIAL:


Especialidade odontológica que requer intensa dedicação e bom senso na execução dos procedimentos.
A melhor formação é a residência.