Você está na página 1de 24

SENSORES E

TRANSDUTORES

1. Diferença entre Sensor e


Transdutor
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor
Qualquer instrumento de aplicação industrial é composto pelos seguintes elementos:

Sensor
É o elemento de conversão, que converte a
grandeza medida (pressão, temperatura, nível de
um líquido, som, etc.) numa grandeza eléctrica
(tensão, corrente, frequência, etc.).
Por exemplo, um sensor fotoeléctrico pode ser tanto um transdutor
quanto um sensor propriamente dito.
Dizemos que um sensor fotoeléctrico é um transdutor quando ele
converte energia luminosa em energia eléctrica. É o caso das células
fotovoltaicas que convertem directamente luz em energia eléctrica.
Por outro lado, temos sensores propriamente ditos que convertem luz
numa variação de uma grandeza eléctrica qualquer como corrente ou
resistência. Esse é o caso das LDR e dos fotodíodos.
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Transmissor
Em aplicações industriais o transmissor adapta o sinal do
condicionador para a rede industrial, sinal esse que é
depois transmitido através de cabo coaxial, par trançado,
via rádio, wireless, etc. Esse sinal pode ser um sinal de 4
a 20mA, 3 a 15 PSI, rede 485, internet, etc.

Transdutor
Dispositivo que converte uma forma de energia noutra.
Pode ser composto apenas pelo sensor, sensor +
condicionador, ou pelo sensor + condicionador +
transmissor.
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Actuador
Executam acções de saída para o mundo externo.
Exemplos de actuadores: Válvulas, relés, cilindros,
motores, solenóides.
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Transdutor é pois a denominação de um


dispositivo completo, utilizado para transformar
uma grandeza qualquer em outra que pode
efectivamente ser utilizada pelo dispositivos de
controlo (computador, autómato programável,
etc.).
Neste sentido podemos considerar um
transdutor como uma interface entre o sensor e o
circuito de controlo ou eventualmente entre o
controlo e o actuador (motor, contactor, lâmpada,
led, campainha, altifalante, etc.).
Tipos de sensores

Os sensores podem ser classificados de acordo a saída do sinal,


podendo esta ser analógica ou digital.
• Digitais ou discretos
Assume apenas dois valores de saída ao longo do tempo, que podem ser
interpretados como 0 e 1.

• Analógicos ou proporcionais
São informações em forma de um sinal eléctrico proporcional à grandeza
medida.
Tipos de sensores
Existem vários tipos e modelos de sensores que variam
conforme o objecto alvo de sensoreamento.

Indutivos – São sensores que trabalham com um campo


electromagnético, portanto detectam apenas materiais
ferromagnéticos.
Capacitivos – São sensores que trabalham com o princípio
da capacidade, detectam todos os tipos de materiais.
Fotoeléctricos – São sensores que trabalham com emissão
e recepção de luz, detectam todos os tipos de materiais.
Ultra-sónicos – São sensores que operam com a emissão e
reflexão de um feixe de ondas acústicas. A saída comuta
quando este feixe é reflectido ou interrompido pelo material a
ser detectado.
Terminologia
Face sensora: A face sensora é o lado do sensor
que detecta o objecte.
Distância sensora: É a distância entre a face
sensora e o objecto a ser detectado. Com este
parâmetro podemos definir a maior distância a que
podemos deixar o sensor do objecto a ser detectado.

Histerese: A histerese pode ser traduzida como um atraso que tem como objectivo
evitar falsas comutações na saída, este efeito propícia ao sensor uma banda de
segurança entre o ligar (ON point) e o desligar (OFF point). As ilustrações abaixo
são para um sensor com as seguintes características: distância sensora (SN) de 10
mm e histerese (H) de ± 20%.

Assim, se o objecto estiver a mover-se em direcção ao sensor, deve mover-se para o ponto
mais próximo para ligá-lo. Uma vez ligado (ON point), permanece ligado até que o objecto se
mova para o ponto mais distante (OFF point).
Terminologia
Alvo padrão: Os fabricantes especificam nos catálogos a distância
sensora nominal, que é a máxima distância na qual o objecto será
detectado. Como esta distância depende do material usa-se um alvo
padrão.
SENSORES E
TRANSDUTORES

2. Detecção electromecânica
 Fins de curso de posição
 Fins de curso de segurança
Apresentação genérica sobre fins-de-curso
Detecção electromecânica - Fins de curso de posição
Os interruptores fim-de-curso são constituídos a partir de três elementos de
base: um contacto eléctrico, um corpo e uma cabeça de comando com o
seu dispositivo de ataque.

Contacto eléctrico
É o denominador comum da maior parte dos aparelhos. Existe em versões
1NA/NF, 2 NA/NF simultaneamente, e 2 NA/NF de acção brusca e NA/NF de
acção dependente.
Detecção electromecânica - Fins de curso de posição
Corpo
Existem diferentes versões: normalizado CENELEC ou de atravancamento
reduzido, fixo ou extraível, metálico ou termoplástico, com uma ou mais entradas
de cabo.

Cabeças de comando, dispositivo de ataque


Existem numerosos modelos que podem ser associados ao corpo que contem o
elemento de contacto:
- Cabeças de movimento rectilíneo: botão ou rodízio no topo, com alavanca e
rodízio (ataque lateral ou vertical).
- Cabeças de movimento angular: alavanca com rodízio termoplástico ou de aço,
de comprimento fixo ou regulável, posição angular de 360º regulável de 5 em 5º ou
de 45 em 45º por rotação da anilha dentada , ataque em um ou 2 sentidos,
- haste rígida, de aço ou poliamida, ataque em 1 ou 2 sentidos,
- mola ou haste com mola, ataque em 1 ou 2 sentidos,
- multidirecções com haste flexível ou rígida com mola. Nos modelos com ataque
em 1 ou 2 sentidos, a selecção do sentido faz-se por simples regulação da cabeça.
Detecção electromecânica - Fins de curso de posição
Cabeças de comando, dispositivo de ataque
Detecção electromecânica - Fins de curso de posição
Movimentos de detecção
As cabeças de comando podem ter diferentes movimentos, de modo a permitir a
detecção em múltiplas posições e adaptar-se assim facilmente aos objectos a
detectar.
Os movimentos são:
- angular,
- rectilíneo,
- multidireccional.
Detecção electromecânica - Fins de curso de segurança
Os interruptores de segurança garantem a protecção dos
operadores de máquinas pequenas. São accionados por uma
chave solidária com a porta ou a chave de protecção da
máquina. Quando a porta, se fecha ou a chave de protecção
entra na cabeça do interruptor, accionando um dispositivo de
encravamento múltiplo, fecha um contacto NF (contacto de
acção dependente e manobra positiva de abertura).
Este contacto não deve nunca comandar o arranque da
máquina. A sua função limita-se a autorizar o arranque, que só
pode ser consequência de uma acção voluntária sobre os
órgãos de comando previstos para esse efeito. A abertura da
porta provoca a retirada da chave e a abertura forçada do
contacto do interruptor.
Existem duas famílias de interruptores de segurança:
- interruptores para pequenos protectores;
- interruptores para máquinas de maiores dimensões,
instalações de acabamento de material, etc.
Alguns modelos estão equipados com sinalizadores para
facilitar a manutenção e a exploração sem possibilidades de
erro.
Apresentação - Sensores de posição - Fins-
de-curso
Sensores de posição - Fins-de-curso
Repare-se que:
- Aos 23º os contactos mudam de estado (NA passa a F e NF passa a A);
- No entanto, isso só é seguro, aos 58º;
- O fim-de-curso pode ainda rodar até aos 90º (mais que isso, destruímos o
dispositivo) mas já não existe qualquer efeito funcional/operacional/eléctrico a partir
dos tais 58º;
- Quando libertamos a alavanca do fim-de-curso, a garantia que ele regressa ao
estado de repouso (Nf no estado F e NA no estado A) é só dada aos 23-11 = 12º.
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Exemplo de Sensor

Sensor Piezoresistivo
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Sensor Piezoresistivo
Com a finalidade de protecção, o sensor piezoresistivo é
banhado por um fluido hidráulico. Esse fluido é mantido
fora de contacto com o sensor por meio de um diafragma
de aço inox. A deflexão do diafragma como resultado de
uma pressão externa ocasiona uma alteração na pressão
hidráulica do fluido que banha o sensor piezoresistivo. O
sensor emite um sinal proporcional à pressão o qual é
convertido num sinal de saída de 4 - 20 mA.
O método de medição é bem adequado para a detecção
de baixas pressões, suportando elevadas sobrecargas.
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Exemplo de Transdutor

Sensor/Transmissor de Temperatura e Humidade


Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Sensor/Transmissor de Temperatura e
Humidade RF513
Indicado para medição de temperatura e humidade. Inclui
sensores internos de temperatura e humidade e conector
para sensor externo de porta.
Display LCD para visualização de temperatura no local de
medição Indicadores LED permitem a verificação
imediata de actividade e/ou alarmes no local Escalas
seleccionáveis em °C/°F/%RH/DP
Superfícies com tratamento BioCote® inibem o
desenvolvimento de bactérias, bolor e/ou fungos,
proporcionando uma linha avançada de defesa
em ambientes de alto risco
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

Questionário 1
1. Defina Sensor.
2. Defina Transdutor.
3. Qual a diferença entre sensor e transdutor?
4. Dê dois exemplos de sensores.
5. Dê dois exemplos de transdutores.
6. Um mesmo dispositivo pode ser em simultâneo um
sensor e um transdutor? Justifique e, caso a resposta
anterior for afirmativa, dê um exemplo prático em que
isso aconteça.
7. Dê dois exemplos de actuadores.
8. Um actuador é um sensor ou um transdutor?
Sensores e Transdutores – Diferença entre Sensor e Transdutor

11. Do ponto de vista da instrumentação industrial, quais os


elementos que forma um transdutor?
12. Do ponto de vista da instrumentação industrial, o que é
um condicionador?
13. Do ponto de vista da instrumentação industrial, o que é
um transmissor?
14. Do ponto de vista da instrumentação industrial, um
transdutor é sempre formado por um sensor, um circuito
condicionador e um transmissor? Explique.
15. Do ponto de vista da instrumentação industrial, por que
motivo não podemos, normalmente, ligar um sensor
directamente ao circuito de controlo?