Você está na página 1de 3

From the SelectedWorks of Bruno Meyerhof Salama

November 13, 2015

Direito do Consumidor e Decisões Bumerangues


Bruno Meyerhof Salama

Available at: https://works.bepress.com/bruno_meyerhof_salama/112/

IDbepress™
Valõi- -e-imprimir()

13/11/2015 - 05:00

Direito do consumidor e decisões bumerangues


Por Bruno Salama

Decisão recente do STJ entendeu que o preço no pagamento à vista, em cheque ou dinheiro, deve ser igual àquele
cobrado nas vendas com pagamento em cartão de crédito. Se o preço no cartão for mais alto, estará configurada
prática abusiva para os fins do artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Soa bonito. O mais provável,
no entanto, é que, em vez de beneficiar os consumidores, tal decisão os prejudique; que os grandes beneficiados
sejam as operadoras de cartão; e que os lojistas percam também. Tudo em um verdadeiro "efeito bumerangue".

Quando o consumidor realiza uma compra com cartão de crédito, a operadora de cartões pagará ao lojista o valor
nominal da compra com algum atraso. A operadora também reterá uma comissão sobre o valor das compras.
Suponha que a operadora leve um mês para pagar o lojista e que retenha uma comissão de 2%. Suponha,
ademais, que haja uma compra de um bem por R$ 1 mil no dia 1° de janeiro. No caso da compra em dinheiro, o
lojista recebe os R$ 1 mil imediatamente. No caso da compra com cartão de crédito, o lojista receberá R$ 980 da
operadora de cartões de crédito apenas em 1 ° de fevereiro.

Agora, será que o valor econômico do recebimento à vista e no cartão é o mesmo? Obviamente que não. Todo
mundo sabe que é mais vantajoso receber à vista que a prazo. O lojista, por exemplo, pode pegar R$ 1 mil que
recebeu no dia 1 ° de janeiro e investi-los, digamos, em títulos do governo. Se a taxa de juros paga nesses títulos
for de 1% ao mês, então o lojista terá, um mês depois, R$ 1.010. Se considerarmos, ademais, o desconto de 2%,
então é fácil ver que um mês depois o pagamento à vista de R$ 1 mil vale R$ 1.010, mas o pagamento no cartão
vale apenas R$ 980. Uma bela diferença de quase 3%!

Haverá desigualdade; os mais prejudicados serão os consumidores mais pobres, que não têm
cartão de crédito

Mas pela decisão do STJ, o lojista terá que cobrar o mesmo valor nominal do consumidor em dois casos em que o
valor econômico do pagamento é bastante diferente. O que provavelmente fará esse lojista? Depende de cada caso
concreto, mas podemos aqui ilustrar com um exemplo plausível.

Suponha que antes da decisão do STJ o lojista vendesse 50 produtos a R$ 1 mil à vista em dinheiro, e 50 produtos
no cartão a R$ 1.030,61. O lojista teria, um mês depois das vendas, a mesma receita com vendas à vista e no
cartão: R$ 50.500 em cada um das duas modalidades de pagamento, para uma receita total de R$ 101 mil. A
receita da operadora de cartões equivaleria a 2% das vendas no cartão, num total de R$ 1.030,61.

Ora, com as novas regras estabelecidas a partir da decisão do STJ, como teria que proceder o lojista a fim de
atingir a mesma receita total (R$ 101.000) dentro de um mês? Como todas a vendas precisam agora ser feitas pelo
mesmo preço, o lojista precisa escolher um preço intermediário entre os preços anteriormente praticados à vista e
no cartão. Se o lojista continuasse vendendo 50 produtos à vista e 50 produtos no cartão, esse preço seria R$
1.015,07. Ou seja, o consumidor que paga à vista pagaria um preço maior (R$ 1.015,07 em vez de R$ 1 mil) e o
consumidor que paga no cartão pagaria um preço menor (R$ 1.015,07 em vez de R$ 1.030,61).
Mas a história não para aí. Pensemos: diante desse quadro, o que provavelmente farão os consumidores? A
resposta, evidentemente, é que os consumidores tenderão a realizar mais compras com cartões de crédito. Afinal,
eles só pagam a fatura do cartão dentro de um mês. Logo, preferem receber o produto no momento da compra e
desembolsar apenas no futuro. Afinal, os consumidores podem deixar o dinheiro investido mais algumas
semanas e receber a remuneração. (E há mais: quanto maior a inflação, tanto mais rentável essa alternativa do
cartão de crédito). E esses consumidores não têm qualquer vantagem em pagar à vista.

E então: quando aumenta o uso do cartão de crédito, quem sai


ganhando? Resposta: as empresas operadoras de cartões. São elas
que cobrarão comissão em um número mais elevado de transações,
pois mais consumidores considerarão vantajoso pagar com cartão. E
as operadoras de cartões, ademais, terão menor pressão concorrencial
sobre sua margem de lucro pois o custo será diluído nas transações
com todos os compradores (e, por isso, talvez possam aumentar a
comissão que cobram dos lojistas). Em síntese: são as operadoras de
cartões os beneficiários diretos da decisão do STJ.

E isso não é tudo, porque o pressuposto de que a demanda dos consumidores não muda com o aumento do preço
raramente se verifica na prática. Isso quer dizer, então, que o mais provável é que o lojista também tenha que
reduzir suas vendas e que caia sua receita. Logo, lojistas também podem sair perdendo.

E os consumidores? Esses pagarão um valor mais alto nas suas compras. E atenção: quanto mais consumidores
aderirem ao cartão de crédito, maior será a perda dos consumidores que compram à vista. Se imaginarmos que os
consumidores que compram à vista (em dinheiro) são aqueles mais pobres dentro do grupo composto por todos
os consumidores, então será verdade, também, que haverá uma desigualdade até mesmo dentre os consumidores:
aqueles mais prejudicados serão os consumidores mais pobres, que não têm cartão de crédito.

Como se vê, em certos casos aplicar a lei com prudência significa fazer ponderações elementares sobre as prováveis
consequências. Ou então, corre-se o risco de se chegar a resultados opostos àqueles desejados pelo legislador e
inconsistentes com os propósitos constitucionais. E por que tantos órgãos de defesa de consumidores estão até
agora comemorando a decisão do STJ? É algo que chega a ser verdadeiramente enigmático.

Bruno Meyerhof Salama é professor na FGV Direito - SP.