Você está na página 1de 30

Anatomofisiologia Nasal

Dra. Denise Braga Ribas

Curitiba
2015
ANATOMIA
Anatomia
 Pirâmide Nasal (nariz
externo)
 Base triangular

 Duas paredes laterais


que unidas
anteriormente formam
o dorso nasal

 Limites
 Superior: linha
supraorbitária
 Inferior: sulco
nasolabial
Anatomia

 Estrutura óssea
 Ossos nasais
 Processo frontal da maxila
 Porção nasal do osso frontal

 Estrutura cartilaginosa
 Septo
 Cartilagens triangulares
superiores e inferiores e as
acessórias
Anatomia

 Limites dos ossos nasais

 Superior – osso frontal


 Inferior – cartilagens
superiores
 Lateral – processo frontal
da maxila
 Medial – espinha do osso
frontal, lâmina
perpendicular do etmóide,
cartilagem septal
Anatomia
 Terço médio
 Cartilagens superiores
 Cartilagens inferiores
 Previnem o colapso do vestíbulo na respiração
Anatomia
 Válvula nasal interna

 Válvula nasal externa


 Apoios esqueléticos e cutâneos
das cartilagens alares
Anatomia
 Área “K” (keystone)
 Terço superior da porção medial das cartilagens superiores unidas
entre si e com a cartilagem septal

 Deve ser preservada em septoplastia e rinoplastia –


sustentação da pirâmide nasal - evita “nariz em sela”
Anatomia

 Parede medial - Septo nasal

 Cartilagem quadrangular
(apice – junção das
cartilagens alares)
 Lâmina perpendicular do
etmóide
 Vômer
 Reforços ósseos – crista
nasal e espinha nasal
anterior
Anatomia

 Parede lateral
Anatomia
 Concha nasal inferior

 osso isolado na porção


inferior da parede lateral da
cavidade nasal
 Borda superior se articula
com os ossos maxilar, Concha nasal inferior
etmoidal, lacrimal e palatino
 O meato inferior recebe o
ducto nasolacrimal – seu
óstio está localizado mais ou
menos a 1,5 cm da
extremidade anterior da
concha nasal inferior
Anatomia

 Concha nasal média

 osso etmóide – concha


bolhosa Concha nasal média
 Porção terminal –
forame esfenopalatino
– fusão entre os ossos
esfenóide, palatino e
etmóide
Anatomia

 Concha nasal superior

 Faz parte do etmoide


Concha nasal superior
 Porção superior/posterior –
recesso esfenoidal
 Meato superior – orifícios de
comunicação das células
etmoidais posteriores
Anatomia
 Fossas Nasais

 Vestibulo nasal
 Parede lateral
 Limite superior – limen
nasi
 Terço inferior –
glândulas sudoríparas
modificadas e pelos
(vibrissas)
 Terço cefálico – septo
Anatomia
 Vascularização

Artéria Carótida interna Artéria Carótida Externa

Artéria Oftálmica Artéria Maxilar Interna

Artérias Etmoidais anteriores e Artéria Esfenopalatina


posteriores
Artéria Septal Artéria Nasal Lateral

 Et. Anterior- parede lateral, septo e  Art. Nasal lateral- concha nasal média, sup.,
ponta nasal; inferior, meato médio;
 Et. Posterior-lateral posterior, concha  Art. Septal- assoalho nariz, junto etmoidais plexo
nasal sup. e região sup. septo. etmoideo-septal.
Anatomia

 Zona de Little/ plexo de Kisselbach


 art palatina maior – ramo da art maxilar
 art labial superior – ramo da art facial
 Vascularização da porção anteroinferior do septo nasal
Anatomia
Anatomia
 Área de Woodruff
 Artéria septal posterior (ramo mais calibroso da art
nasopalatina)
 Artérias etmoidais anterior e posterior
 Artéria labial superior
 Artéria palatina maior
 Sangramentos posteriores graves
Anatomia

 Inervação
 Sensitiva – trigêmeo (V par) – ramos maxilar e oftálmico
 Sist simpático e parasimpático – regulagem da circulação da
mucosa nasal
Fisiologia nasal

 Respiração

 Mucosa nasal – umidificar, aquecer e purificar o ar inspirado


 Vibrissas – purificação do ar
 Secreção das glândulas nasais – umidificação do ar – auxilia no
transporte de partículas filtradas e mantém o meio nasal
adequado para a ação do aparelho ciliar
 Globet cells e glândulas submucosas e seromucosas – produção
do muco – inervação parassimpática – nervo vidiano
Fisiologia nasal

 O ar inspirado penetra nas fossas nasais

 de baixo para cima


 sentido anteroposterior
 curva de concavidade inferior
 ápice no nível do meato médio
 trás e para baixo até as coanas

 Duas correntes paralelas , superior e inferior

 Superior – região olfatória


Fisiologia nasal

 Maior resistência à entrada do ar é a válvula nasal interna


 aceleração do fluxo aéreo
 diminuição abrupta da pressão intraluminar
 Princípio de Bernoulli – colapso da parede nasal
Zona olfatória

 Região posterossuperior da cavidade nasal “teto”


 Mucosa olfatória
 2,5 cm2
 Formada por neurônios bipolares com dois prolongamentos:
 Membrana basal
 Superfície do epitélio olfatório
Zona olfatória
 Superfície do epitélio olfatório
 vesícula olfatória – 15 a 20 cílios sensoriais – axônios não
mielinizados – nervo olfatório (1º par) – placa cribiforme – bulbo
olfatório
Zona olfatória
 Células de sustentação produtoras de muco e responsáveis pela
manutenção do equilibrio elétrolítico
 Produzido pelas glândulas de Bowman
 IgA, IgM, lisozima, lactoferrina e proteínas de ligação
Fisiologia olfatória

 Perceber o aroma
 inspiração pelas narinas,
 Expiração ao passar pelas coanas

 O ar precisa ser parcialmente hidrofílico – epitélio olfatório –


estímulos de transdução – difundir pela camada de muco
 Molécula odorífera + proteína receptora na superfície do epitélio
olfatório – ativação de proteína G específica – ativar um canal iônico
com influxo de Na+ - percepção do odor pelo primeiro par craniano
 Tb participam do processo da olfação os pares cranianos – V, IX, e X
(trigêmeo, glossofaríngeo e vago)
Fisiologia olfatória
Fisiologia olfatória

 Distúrbios olfatórios

 Anosmia – ausência de olfação


 Hiposmia – diminuição da olfação
 Hiperosmia – aumento da olfação
 Cacosmia – sensação de odores desagradáveis – subjetiva ou
objetiva
 Parosmia/disosmia – distorção de odores
 Fantosmia – sensação de odores que não existem
 Agnosia – inabilidade para classificar, identificar ou constatar uma
sensação odorífera verbalmente
OBRIGADA !!
MEIRELLES R.C, ATHERINO C.C., Semiologia em Otorrinolaringologia.
Segunda edição, 2010
NETO S.C., et all, Tratado de Otorrinolaringologia, volume 1:
fundamentos / Silvio Caldas Neto… [et al.] – 2.ed. – São Paulo: Roca,
2011
GUNTER J.P., et all, Dallas Rinoplastia – Cirurgia do Nariz pelos Mestres.
Revinter, 2007
PRZYSIEZNY P.E., Documentação Fotográfica em Rinoplastia. Curso
Teórico-Prático de Rinoplastia CEOPAR. 14 e 15 de Set, 2007
PAPEL I.D., et all, Facial Plastic and Reconstructive Surgery. Second
Edition. Thieme, 2002
TRENITÉ G.J.N., Rhynoplasty. Kugler Publicatinos. Third Edition, 2005
BALLENGER J.J., et all, Balleger’s Otorhinolaryngology Head and Neck
Surgery. Sixteenth Edition. BC Decker, 2003