Você está na página 1de 1

A diversidade dos povos africanos

- A partir do século XV teve início uma grande dinâmica mundial de comércio escravista. De
algumas partes da África procediam homens e mulheres que serviriam como mão de obra
escravizada em vários lugares do mundo então conhecido, entre eles a América portuguesa.
- No entanto, muito antes de os europeus iniciarem a expansão ultramarina, existia na África uma
imensa diversidade de grupos humanos, cada qual com modos específicos de vida, línguas e
tradições culturais. Algumas dessas sociedades desenvolveram complexas formas de organização
social e política, chegando a construir grandes impérios.
- O início da colonização do continente africano surgiu da necessidade dos europeus, representados
inicialmente pelos portugueses, de encontrar rotas alternativas para o Oriente. Como a África se
localiza no trajeto escolhido pelos portugueses para navegar até a Ásia, o oceano Atlântico, os
europeus estabeleceram na sua costa, postos de comércio (feitorias). Os europeus trocavam
especiarias trazidas das Índias por ouro, pedras preciosas, madeira e até mesmo por escravos
africanos.
- Os portugueses acreditavam que a África era um grande ajuntamento de numerosas tribos
selvagens e quando chegaram encontraram reinos e impérios organizados, com grandes populações,
agricultura desenvolvida e hábitos de comércio, pois negociavam com os árabes, desde o século
VII.
- Na Europa, a riqueza de um reino era medida pela quantidade de metais preciosos (ouro e prata)
que o reino possuía, e para alguns povos africanos, a riqueza era medida pela quantidade de súditos
do reino. A pessoa era uma medida de valor, por isso eles escravizavam prisioneiros de guerra,
viajantes, nômades, aldeias.

África: escravidão e tráfico de escravos

- A escravidão existia na África desde a Antiguidade e ocorria quase sempre de forma doméstica e
com importância relativa na vida social das aldeias e dos reinos. Muitas vezes os escravos eram
integrados à vida familiar, e seu uso representava prestígio e poder.
- Eram escravizados pelos mais variados motivos: punição por crimes, pagamento de dívidas,
prisioneiros de guerra, garantia como penhor etc.
- A antiga escravidão africana não tinha o sentido capitalista que lhe foi emprestado pelos europeus
a partir do século XV, interessados no lucro resultante desse comércio humano, fundamental para a
acumulação de capital no mundo europeu da Idade Moderna.
- Com a chegada dos islâmicos depois do século VII e, principalmente, dos europeus, a partir do
século XV, a questão da escravidão e do tráfico de escravos ganharia novas dimensões. Com os
islâmicos firmaram-se as rotas comerciais escravistas transaarianas e do Mar Vermelho, e com os
europeus o tráfico ganhou enorme impulso com sua rota atlântica.
- Acredita-se que, ao todo, mais de 18 milhões de africanos, entre homens, mulheres e crianças,
foram capturados, aprisionados e levados para outras regiões.