Você está na página 1de 13

Durante todo o curso da vida, um indivíduo desenvolve várias crenças como

os resultados de conflitos que eles experimentam durante os estágios de


desenvolvimento da vida. Um indivíduo se desenvolve de acordo com os
eventos que ocorrem durante estes estágios de desenvolvimento. Em uma
situação saudável, o indivíduo vai atingir um nível de equilíbrio e
entendimento saudável do conflito que ocorre durante os estágios críticos de
desenvolvimento. Em uma situação insalubre, o indivíduo vai se concentrar
em resoluções extremas do conflito que, muitas vezes, prever uma situação
não resolvida ou resolução adaptativos para o indivíduo.
A partir dessas resoluções, o indivíduo desenvolve crenças sobre o
que é importante na sua vida e uma visão de como ele ou ela está no contexto
da sociedade e seu ambiente. Essas crenças afetam a maneira pela qual o
indivíduo entende o propósito e significado para novas experiências e
ocorrências na vida. O indivíduo pode desenvolver crenças disfuncionais com
base na maneira pela qual ele ou ela lidou com crises nas fases de
desenvolvimento da vida. Além disso, a fase atual ou anterior de vida pode
levar o indivíduo a desenvolver idéias irracionais sobre o sentido ou
propósito para que ele ou ela está experimentando atualmente na vida.
No entendimento do processo de como os processos de pensamento
disfuncionais desenvolver e são mantidos por um indivíduo, o tratamento
deve se concentrar em atender não uma área de disfunção, mas abordando
todos os três aspectos do processo. Isso inclui técnicas de sensibilização
consciente sobre o desenvolvimento, o sistema de crença e significado. A
experiência de desenvolvimento adaptativos seria endereço através de
enfrentar o problema, tratar a sua presença, e tentar colocar a questão por trás
do paciente, uma vez resolvido. Limpar raciocínio semelhante ao REBT
poderia reestruturar o sistema de crenças do indivíduo. Logoterapia
juntamente com o raciocínio lógico de REBT iria ajudar o indivíduo em obter
uma melhor compreensão do significado. O tratamento em três frentes
ajudaria a reestruturar o entendimento do indivíduo do passado, presente e
futuro de uma forma produtiva e saudável. Através desta abordagem, um
indivíduo pode enfrentar um problema, superar o problema, e entender que as
mudanças que ele ou ela experimenta os tornará uma pessoa melhor no final.
Desenvolvimento da Personalidade
Para melhorar a qualidade de vida de uma pessoa, de forma
duradoura, um terá de desfazer a fortuna psicológica que a pessoa tem
experimentado ao longo da vida. Para fazer isso, as crises que o indivíduo
experimentou e como o afetou sua visão sobre a vida devem ser trazidos para
a superfície. Uma pessoa não desenvolver sua compreensão do mundo no
vácuo desligado do seu ambiente. Suas interações com a família, amigos,
estranhos e outros indivíduos moldar o indivíduo. O conceito de auto e
interações com o mundo são desenvolvidas ao longo do tempo através de
conflitos que ocorrem em diferentes fases da vida (Lachmann, 2004).
Para explicar o desenvolvimento de um indivíduo na sociedade, a teoria
psicossocial fase fornece uma visão estruturada e cronológica deste
desenvolvimento. Ao analisar o desenvolvimento através dos oito estágios
psicossociais, uma falha em um estágio cria comprometimento como um
indivíduo passa por estágios processo e crises (Atalay, 2007). Por exemplo,
um indivíduo que experimenta frustrações na primeira etapa iria experimentar
dificuldades na sexta etapa. Se a pessoa não desenvolve a capacidade de
confiar com sucesso na primeira etapa, ele não seria capaz de confiar em seu
parceiro o suficiente durante a sexta etapa ter intimidade com eles. Da mesma
forma, uma pessoa que tenha sido estagnar no início pode sentir o desespero
em uma fase posterior, o que levaria à depressão.
Em consideração o desenvolvimento do indivíduo, o estágio com a qual o
indivíduo está atualmente lutando poderia ser afetada por uma série de etapas
anteriores, em combinação ou um único palco. Por exemplo, a depressão que
é a experiência de um indivíduo na integridade do ego contra palco desespero
poderia experimentar a depressão de problemas não resolvidos com o estágio
de intimidade se trata do passado falharam relacionamentos ou o estágio
generatividade se a preocupação é em relação a realizações de vida. Além
disso, as experiências mal adaptadas durante a fase de confiança pode estar
afetando a disposição do indivíduo a confiar em seu próprio julgamento a
respeito de sua própria vida (Korte, Bohlmeijer, Cappeliez, Smit e Westerhof,
2012). Em adição aos clientes idosos, uma avaliação da vida de um indivíduo
é também útil para determinar experiências desadaptativas com uma
variedade de grupos de idade. Por exemplo, um indivíduo que está lutando
com o estágio de indústria pode também tiveram dificuldades na fase de
autonomia que está fazendo com que eles preocupados com a tentativa de
fazer as coisas por conta própria. Ao examinar passado, o desenvolvimento
do indivíduo na juventude é dada prevalência na teoria estágio psicossocial
ao contrário de ser marginalizados. Independentemente da duração de vida
que tem sido experimentado, muito pode ser realizado quando a vida é
examinado (Douvan, 1997).
Alterando o Processo Desadaptativos
À medida que o indivíduo começa a entender as perspectivas
disfuncionais que se desenvolveram ao longo de sua vida, deve-se abordar as
formas que o processo adaptativos podem ser alterados ou lidou com para
melhorar a vida do indivíduo. Abordagens cognitivas podem avançar o
processo de mudança da perspectiva do indivíduo para reduzir os efeitos das
frustrações ou falhas durante as etapas anteriores e atuais de desenvolvimento
psicossocial. Terapia de comportamento racional emotiva serve como uma
abordagem útil para interromper sistemas de crenças irracionais. REBT
efetivamente produz dois tipos diferentes de mudança no indivíduo. O
primeiro tipo de mudança é uma mudança de uma filosofia específica do
pensamento de uma pessoa. O segundo tipo de mudança é uma mudança é
uma mudança geral de como uma funções individuais psicologicamente
(Dryden e David, 2008). Ao enfrentar o raciocínio e conexões que têm
desenvolvido para criar filosofias irracionais específicas, crenças não
saudáveis ​podem ser distinguir crenças insalubres. Através de revisão do
desenvolvimento e da história do indivíduo com as crenças atuais, o terapeuta
pode direcionar o cliente de forma que eles poderiam racionalizar ou
reformular a sua compreensão da crise.
Durante o processo de interromper pensamentos irracionais, os
prejuízos que o cliente tem vindo a perceber que ele ou ela está sendo afetado
pela crise da prévia deve ser atendido com freqüência. Por exemplo, um
cliente que está lutando com relacionamentos em desenvolvimento podem
precisar reverter sua atenção a problemas de confiança com freqüência para
entender um pouco do racional a respeito de sua fase intimidade. Como
terapia prossegue, pode-se pensar que uma frustração cedo ou falha pode ser
resolvido, mas a resolução dessa fase inicial, pode precisar ser revista. Anos
de reforço de idéias irracionais tomar uma grande quantidade de esforço para
desaprender ou inibir. A irracionalidade humana é muitas vezes mais forte do
que aprender novas informações ao longo de um período relativamente curto
(Dryden e David, 2008). É, portanto, essencial para reiterar uma alteração
anterior para efeitos de manutenção de experiências terapêuticas anteriores.
Para resolver os problemas do passado racionalmente, o cliente deve
voltar atrás e tentar obter uma nova perspectiva. Essa nova perspectiva é uma
das lógica e raciocínio. Para ajudar o cliente ao fazer isso, o terapeuta irá
manter um relacionamento genuíno e autêntico com o cliente. Em sendo
autêntico com o cliente, o terapeuta é capaz de trazer o raciocínio para a
interação entre o terapeuta eo cliente (Ainda assim, 2006). O terapeuta não
promover as crenças e idéias irracionais que o cliente tem desenvolvido
através de suas experiências mal-adaptativos. O terapeuta conduz o cliente
por um novo caminho da razão e do pensamento claro. As falhas de crises
passadas serão examinadas de uma maneira que irá transformar as
experiências daqueles que são lesões de experiências que permitem que o
cliente para aprender e ajustar seu comportamento.
Ao abordar as falhas de crises passadas, o cliente deve manter uma auto-
aceitação incondicional. As experiências e as deficiências do passado estão
no passado. Não há nada que pode ser feito para mudar totalmente o que
tinha acontecido. No entanto, o presente eo futuro pode ser mudado, e que o
indivíduo terá de aceitar-se no presente e no futuro (Elis, 2005). A idéia de
desconsiderar o passado pode parecer contraproducente para examinar o
passado, mas os dois processos se combinam para produzir meio altamente
eficaz de mudar o presente. Um examina o passado para aprender com os
erros que ele ou ela tem feito e perceber a maneira pela qual o indivíduo se
aproxima de uma situação. O indivíduo é, portanto, consciente da forma em
que eles normalmente abordam a questão ea maneira adaptativos eles estão
acostumados a se comportar. Com esse entendimento, o indivíduo pode
racionalmente examinar o seu comportamento. Em racionalmente
examinando o comportamento, o indivíduo pode desenvolver uma forma
nova e mais saudável de pensar. Esta nova forma saudável de pensar é o
produto de mudança.
Estilo de vida hedonista
Para criar um efeito que produz efeitos que impactam não só o
problema do foco inicial, mas também outras áreas da vida, esta abordagem
incentiva o cliente a viver um estilo de vida hedonista. O estilo de vida não é
hedonista no sentido de curto prazo mas de forma a longo prazo. Hedonismo
foco a longo prazo em comportamentos e processos de pensamento que
beneficiam o indivíduo ao longo de um longo período de tempo, em oposição
a um prazer de curto prazo que é unbeneficial. Através do processo de
hedonism a longo prazo, o indivíduo irá experimentar alta tolerância a
frustração e uma aceitação contínua do que acontece ao longo da vida (Ellis,
2005). O foco no prazer de longo prazo aumenta a qualidade de vida para o
indivíduo. Outras terapias muitas vezes nos concentramos apenas na redução
dos sintomas problemáticos. Tais tratamentos de resolver o problema
específico de manipulação de curto prazo dos sintomas para criar a ilusão de
uma condição melhorada para o cliente. Ao fazer isso, uma solução de curto
prazo só vai retardar a ocorrência de apresentação do sintoma ou a causa raiz
do problema vai se manifestar de forma diferente. A crença ou a causa raiz do
problema ainda é mantida.
Incentivar o prazer de longo prazo, procurando, o indivíduo vai
reestruturar o seu sistema de crenças e tendências de uma forma que é
saudável e consistente com soluções de longo prazo para a causa raiz do
problema. Por exemplo, um paciente pode parar de apresentar tendências
suicidas e comportamentos que eram a consequência de um relacionamento
dissolvido como o resultado de uma solução a curto prazo, mas ele ainda
pode entrar em seu próximo relacionamento com as mesmas crenças
subjacentes e deficiências psicológicas que levaram à suas ideações suicidas a
partir da experiência anterior. Uma abordagem hedonista longo prazo iria
abordar as crenças subjacentes que levaram o indivíduo para baixo o caminho
mental para ideações suicidas. Esta mudança não afeta apenas os seus
pensamentos sobre a relação atual, mas também as relações futuras. O
indivíduo iria entrar em novos relacionamentos futuros com uma mentalidade
diferente que seria saudável, independentemente de o relacionamento durar
para sempre ou chegou ao fim. Reestruturar as crenças do indivíduo cria
prazer de longo prazo e soluções para uma ampla variedade de problemas o
indivíduo pode experimentar, fornecendo-lhe as melhores ferramentas para
lidar com situações difíceis (Ellis, Shaughnessy e Mahan, 2002).
Significado para a continuação
Um desenvolvimento disfuncional ou mudanças na vida levam a
uma visão disfuncional de significado e propósito para um indivíduo. Uma
visão disfuncional de sentido aparece como um traço comum em vários
distúrbios psicológicos, incluindo depressão, ansiedade, distúrbios
alimentares e transtorno obsessivo-compulsivo (DAS, 1998a). Uma análise
de como crenças irracionais afetar a percepção do indivíduo de significado
pode explicar como que numerosos indivíduos cair em um estado de
disfunção psicológica.
Fornecer o indivíduo com significado pode servir para ajudar no avanço das
mudanças estabelecidas pela avaliação do passado e mudar as crenças do
indivíduo. Por exemplo, estudos têm mostrado que as viúvas idosas tinham
compreender em seu sentido para a vida, como resultado da perda de
cônjuges mais tarde na vida (Koren e Lowenstein, 2008). Neste caso, o
cliente poderia ter desenvolvido uma identidade disfuncional, durante os
estágios iniciais da vida como o resultado de amarrar a sua definição de quem
são ao papel que desempenharam como um cônjuge. Isso poderia ter algum
fundamento em várias etapas. O indivíduo poderia ter desenvolvido dúvida
sobre si mesmo durante a Autonomia versus vergonha e dúvida palco. O
indivíduo há muito arraigada questões de inferioridade sobre si mesmo. Além
disso, o papel confusão pode desenvolvido durante a adolescência ou início
da idade adulta que causou o indivíduo a parar de considerar a si mesmo um
indivíduo que é capaz de funcionar de uma forma que é separado do papel de
marido ou esposa de seu sócio falecido. As experiências disfuncionais iniciais
levou às crenças que o indivíduo desenvolvidos sobre quem ele era e como
ele foi para interagir com a sociedade com base nas funções que ele jogou.
Estas crenças levou a uma definição de significado e propósito. Quando o
esposo morreu, o indivíduo deixou de ter um propósito baseado nas crenças
que ele tinha desenvolvido ao longo de sua vida.
No tratamento de sentido, pode-se abordar a falta de auto-identidade do
indivíduo. O cliente iria rever os acontecimentos que eles consideradas joint
ventures do passado que envolveram o cliente assumir o papel de que eles
haviam se tornado entrelaçada com, como parte de sua definição de quem
são. Ao considerar os acontecimentos do passado, o cliente iria separar o que
comportamentos e padrões de pensamento foram o resultado do papel que
desempenharam e que comportamentos e padrões foram o resultado de auto
única do indivíduo que foi separada do papel que desempenharam.
Examinando a questão existencial, o vazio existencial é um estado de
desconhecido que tinha sido criado por crenças irracionais do indivíduo sobre
a mudança de experiências presentes e futuras de uma forma que faria as
experiências diferente das experiências passadas que o indivíduo tenha
baseado a sua compreensão e atual crenças mal-adaptativos.
Para fornecer o cliente com significado para as novas crenças, o cliente será
mais aceita da nova filosofia. O novo significado teria de ser solidário e
congruente com a nova filosofia, a fim de apoiar as novas crenças racionais
que substituíram as crenças irracionais anteriores do indivíduo. O novo
significado e crença de que o cliente é direcionado para deve ser de suporte
de uma existência realizada para o indivíduo. O novo sentido vai fornecer ao
cliente um novo papel de ser seu verdadeiro eu, a aceitação de si mesmo
como bom, um entendimento de que eles são diferentes e únicos de outros, e
um propósito para continuar em frente na vida para eventos novos e
desconhecidos ( Längle, 2005). Uma vez que estas quatro condições são
fornecidos nas crenças e significado do indivíduo, o cliente vai experimentar
uma existência realizada daqui para frente.
Pode-se considerar que o significado tem fins terapêuticos só para clientes
mais antigos que estão lutando com as fases posteriores da vida que perderam
um sentido para a vida, devido a fixações sobre crenças mal-adaptativos.
Significado e finalidade é essencial para todos os indivíduos. Um jovem
adolescente pode acreditar que ele deve ir para a escola a fim de obter boas
notas, mas se não há um propósito ou significado para o indivíduo a ter boas
notas, em seguida, a crença é irrelevante para influenciá-lo de frequentar a
escola. Encontrar significado é essencial para os jovens que estão em busca
de sentido, o indivíduo recupera de vício, os idosos que perderam significado,
e os indivíduos que sofrem de fronteira, depressão, ansiedade, ou uma série
de outras doenças mentais (DAS, 1998b ). Se os indivíduos são fornecidos
significado juntamente com uma compreensão de suas crenças irracionais e
como as crenças desenvolvido, o processo terapêutico vai ter um efeito mais
duradouro.
Enfrentar a questão
Para melhorar a vida do indivíduo, é preciso fazer mais do que
simplesmente entender que há um problema. Com base nos três princípios
desta abordagem, o indivíduo tem desenvolvido um profundo conhecimento
do problema que ele ou ela está experimentando. Do exame da vida
individual, retrospectivamente, o indivíduo entende como a visão má
adaptação foi desenvolvido durante as crises passadas e presentes durante os
estágios de desenvolvimento. De racionalmente raciocínio através de sistema
de crenças do indivíduo, o indivíduo entende como que eles estão criando o
desconforto com base em crenças irracionais que são ilogicamente aterrados.
Através de uma exploração do significado e propósito, o indivíduo examinou
e entendeu que o seu significado na vida pode ser ajustado para ser mais
propício para a nova filosofia de como a sua vida vai ser depois de mudar o
sistema de crenças de uma insalubre a um sistema saudável. Ainda assim, o
indivíduo tem de enfrentar o problema e produzir uma mudança em sua vida.
Até o ponto de confronto, o indivíduo foi fornecido com um
conjunto de ferramentas para sobreviver ao confronto com o problema.
Chega um ponto em que o indivíduo deve abordar a questão com ele mesmo.
Esta não é uma tarefa fácil para o cliente. O indivíduo terá que chegar a um
acordo com seu primeiro passado e perceber que o passado não pode ser
alterado, uma vez que já ocorreu. Os erros do passado podem ser aprendidas,
mas não morava em cima para uma melhor qualidade de vida. O passado será
aceito por aquilo que ele é, foi e nada mais. O terapeuta pode perguntar se o
cliente se sente como se ele ou ela é a mesma pessoa que a pessoa que
experimentou os erros do passado. Isso pode levar algum orientação e
raciocínio por meio de perguntas abertas para obter o cliente a perceber que
eles são diferentes e podem ser diferentes. Até este ponto, uma nova filosofia
sobre as crenças do cliente terá sido explorado e desenvolvido. O cliente irá
enfrentar o problema de uma maneira diferente do que as experiências
anteriores. Antes da terapia, o cliente pode ter experimentado desesperança,
medo ou pânico, como o resultado de confrontar o evento ou raciocínio que
produziu tais emoções disfuncionais e irracionalidades. O cliente agora vai
enfrentar o problema de uma forma preparada. Ele vai entender que ele vai
superar o problema e ser uma pessoa melhor no final.
Enquanto enfrentar e reconhecer o problema, o cliente também vai
reconhecer a mudança. O indivíduo vai enfrentar o problema e chegar a
determinar que ele vai mudar a sua perspectiva e significado na forma que faz
com que o problema já não importa. O indivíduo também pode determinar
que o problema ainda está presente em sua vida e reconhecer a sua presença,
mas ele pode determinar que o problema é que ele é capaz de ainda existir
rolamento. Ele também pode encontrar significado e propósito no sofrimento
em que o problema causou-lhe; no entanto, com uma melhor compreensão
dos aspectos irracionais e racionais de suas crenças, o indivíduo será mais
capaz de lidar com os problemas criados pelo problema. Por exemplo, um
homem estava de luto pela perda de sua esposa. Isso causou-lhe grande
tristeza e depressão que afetou seu funcionamento diário. Depois de
considerar as circunstâncias, ele encontrou significado em seu sofrimento de
ter que viver sem ela, porque seu sofrimento resultou seu porte do ónus da-
vida fora sua esposa, para que ela não teria que experimentar a dor e perda
que ele estava indo para cima sua passagem. Ao mudar sua perspectiva, o
homem encontrou significado em seu sofrimento, e seu sofrimento era muito
mais fácil de lidar com mesmo que ele estava presente, porque ele tinha dado
sentido à sua situação e mudou sua perspectiva (Frankl, 1963).
Este confronto foi referido por uma variedade de nomes em abordagens
diferentes, mas o evento é aquele que produz a mudança. Os existencialistas
se referem a ele como kairos. Psychoanalysts referem-se ao momento em que
o cliente recebe uma visão durante o trabalho através de uma emissão. Os
terapeutas cognitivos considerar a mudança no momento em que os
pensamentos irracionais são interrompidas e uma nova filosofia é aceito.
Desde logotherapy psicossocial é uma combinação de todos os três aspectos,
este momento é simplesmente o momento de mudança. O cliente não estará
enfrentando um problema de apenas um ângulo e na esperança de que o
ângulo de abordagem é eficaz o suficiente para quebrar ou romper o
problema. O indivíduo vai ser em torno do problema e enfrentar as memórias
dos acontecimentos passados ​e adaptativos em sua vida, as crenças presentes
que lhe atormentam diariamente, e as preocupações sobre a futura direção
que o problema está afetando com relação ao seu significado. Abordar a
questão desta maneira tem lágrimas para baixo todo o fundamento do
pensamento irracional e fornece uma nova direção para o indivíduo a ter um
futuro melhor.
Cultura e Gênero Sensibilidades
A teoria do desenvolvimento psicossocial tem sido muitas vezes
apontada como sendo aplicável em todas as culturas mais do que outras
teorias do desenvolvimento, tais como os estágios psicossexuais freudianos
de desenvolvimento. A visão ericsoniana do desenvolvimento não só
forneceu uma compreensão mais clara de desenvolvimento, mas também
mudou a maneira em que a cultura dominante visto desenvolvimento
(Douvan, 1997). Durante os estágios de desenvolvimento, pode-se notar que
a identidade cultural se desenvolve de forma semelhante pelos mesmos
estágios. Da mesma forma, a abordagem psicossocial tenta evitar um viés de
gênero, para que possa manter o respeito para o desenvolvimento das
mulheres, bem como homens.
Ao trabalhar com pessoas de diferentes culturas, gêneros, ou orientações
sexuais, deve-se tomar os esforços para compreender as normas socialmente
atribuídas que são fornecidos para os indivíduos como elas se desenvolvem.
Estas normas afetam a percepção e as crenças dos indivíduos. Por exemplo,
um indivíduo que tenha sido criado em uma cultura comunalística é mais
propensos a ter uma definição diferente de sua identidade do que alguém de
uma sociedade individualista. A pessoa a partir da cultura comunalística é
mais provável que se identificam com a sua família e os vizinhos do que a
pessoa de cultura não-comunalística. As crenças sobre o que é importante
para a pessoa também seriam afetados por essas influências culturais. Em
uma cultura comunalística, a pessoa estaria preocupado mais pelo bem do
grupo, em oposição a sua própria auto-promoção. Fatores como esses podem
ter impactos sobre as frustrações interpessoais de pessoas que são de
diferentes culturas. Algumas culturas desencorajar confronto e conflito.
Nessas culturas, o cliente pode parecer estar a fazer mudanças; mas na
realidade, o cliente pode ser apenas fornecer os terapeutas com as respostas
dos terapeutas acredita seriam exemplos de mudança para evitar o confronto
com o terapeuta. Estes tipos de crenças teria um grande impacto sobre a
direção da relação terapêutica.
Além do desenvolvimento e crenças, a cultura e gênero do cliente também
tem um grande impacto na compreensão do cliente de significado e
propósito. Um cliente do sexo feminino na sociedade ocidental pode ter um
tempo mais fácil encontrar sentido no papel de ser mãe e uma esposa que é o
que a cultura tem lhe disse que seu papel é. Uma vez que este é um papel que
ela pode se relacionar com o que sua cultura lhe disse, ela pode facilmente
encontrar sentido em cuidar de seus filhos de uma forma que resulta em lhes
ser forte, independente e bem-sucedida. Nas culturas asiáticas, a mulher pode
mais facilmente encontrar um significado em contribuir para a sociedade
através do trabalho e desenvolver uma carreira de sucesso, por oposição a
uma família.
Deve-se considerar os impactos de diferentes pontos de vista sobre os valores
e crenças que se encaixam na fórmula que permite compreender com esta
abordagem terapêutica. A estrutura da terapia continua a mesma em que o
indivíduo se desenvolve através de conflitos em etapas, cria crenças racionais
e irracionais, e deriva significado e propósito com base nessas crenças. A
mudança não é a estrutura da terapia, mas em que parece irracional e má
adaptação pode parecer lógico e normal para o indivíduo, mais ainda, devido
a sua cultura e papel em que a cultura. A chave para superar essas barreiras
culturais é para que o cliente percebe que é a sua opção de aceitar, rejeitar ou
questionar o que sua sociedade e cultura tem-lhes como definições do que é
normal. Este processo deve ocorrer simultaneamente em todos os aspectos
dos processos de análise de desenvolvimento, confrontando crenças, e
encontrando significado.
Resumo
A abordagem da logoterapia psicossocial oferece uma abordagem
única para o tratamento que se concentra em melhorar o funcionamento
global do indivíduo. Para realizar esta melhoria, a abordagem tenta produzir
uma mudança, abordando não só a disfunção do passado ou do presente, mas
ele tenta produzir mudanças, examinando o passado, o presente eo futuro. As
pessoas podem aprender muito com o seu passado. A abordagem examina o
passado e para o desenvolvimento do indivíduo por meio do uso dos estágios
psicossociais de desenvolvimento para entender como comportamentos
desajustados e tendências podem ter desenvolvido ao longo do tempo. O
exame do passado aumenta a consciência do indivíduo de perceber os
padrões de seus comportamentos e as instâncias irracionais que pode ter
criado esses padrões de pensamento.
A abordagem toma nota do presente, confrontando as crenças atuais que o
indivíduo está actualmente aplicáveis ​à sua vida diária. O terapeuta
desenvolve um relacionamento com o cliente que se baseia na confiança por
ser autêntico para permitir o terapeuta para auxiliar o cliente em confrontar,
redirecionando, e alterar os seus sistemas de crenças irracionais de sistemas
baseados em conexões ilógico sistemas racionais que são baseados em
parecer, julgamento lógico. Além disso, o cliente modifica o atual sistema de
crença a concentrar-se aumentar o grau de prazer em uma mentalidade de
longo prazo ao invés de um foco de curto prazo. Este foco de longo prazo
ajuda o indivíduo a tomar decisões saudáveis.
Quanto ao futuro, a abordagem fornece significado e propósito para que
direciona as decisões que são feitas com base nas crenças. Este significado
reforça o foco das partes presentes e passadas da terapia. Como o cliente
deixa de terapia, o entendimento do significado auxiliares para criar uma
solução a longo prazo, não só o problema inicial, que levou o cliente para a
terapia, mas também para outros problemas que podem não ter surgido. A
ênfase no fornecimento de significado para o cliente quando combinada com
o sistema de crença mais racional ea nova compreensão do seu próprio
desenvolvimento permite o cliente a enfrentar novos problemas com as
ferramentas para resolver novos problemas e experimentar uma melhoria da
qualidade de vida.
Através desta abordagem multifacetada para tratar o indivíduo, o
terapeuta pode adaptar o método conforme necessário para diferentes
culturas, gêneros e orientações sexuais. A abordagem tenta reduzir o
preconceito de gênero, considerando os elementos que são essenciais para
homens e mulheres. Além disso, a flexibilidade cultural das abordagens
permanece uma força de aproximação quando se trabalha com diversos
grupos de pessoas. O foco final que permanece conectado entre todos os
grupos é a ligação entre o passado, o presente eo futuro do indivíduo e da
maneira em que a melhoria da qualidade de vida através de melhorias
psicológicas é sublinhado ao longo do processo terapêutico.
Referências
Atalay, M. (2007). Psicologia da Crise: Um Relato geral da Psicologia de
Erikson. Ekev Acadêmico Review, 11 (33), 15-34.
Das, A. (1998a). Frankl eo reino de significado. Revista de Educação
Humanística e Desenvolvimento, 36 (4), 199.

Das, A. (1998b). Frankl eo reino de significado. Revista de Educação


Humanística e Desenvolvimento, 36 (4), 199.

Douvan, E. (1997). Erik Erikson: momentos críticos, a teoria crítica.


Psiquiatria Infantil e Desenvolvimento Humano, 28 (1), 15-21.
Dryden, W., & David, D. (2008). Rational Emotive Behavior Therapy:
Estado atual. Journal of Cognitive Psychotherapy, 22 (3), 195-209. doi:
10.1891/0889-8391.22.3.195
Ellis, R. (2005). Por que (realmente) tornou-se um terapeuta. Jornal da
psicologia clínica, 61 (8), 945-948. doi: 10.1002/jclp.20166
Ellis, R., Shaughnessy, MF, e Mahan, V. (2002). Entrevista com Albert Ellis
sobre a terapia de comportamento Emotive racional. North American Journal
of Psychology, 4 (3), 355-366.
Frankl, V. (1963). A Busca do Homem por um Significado. New York, NY:
Washington Square Press.
Koren, C., & Lowenstein, A. (2008). Late-vida viuvez e significado na vida.
Envelhecer International, 32 (2), 140-155. doi: 10.1007/s12126-008-9008-1

Korte, J., Bohlmeijer, E., Cappeliez, P., Smit, F., & Westerhof, G. (2012).
Terapia revisão de vida para idosos com sintomatologia depressiva
moderada: um estudo randomizado controlado pragmático. Psychological
Medicine, 42 (6), 1163-1173. doi: 10.1017/S0033291711002042
Längle, A. (2005). A busca de sentido para a vida e as motivações
existenciais fundamentais. Análise Existencial: Jornal da Sociedade de
Análise Existencial, 16 (1), 2-14.
Lachmann, F. (2004). Identidade e Auto. Fórum Internacional de Psicanálise,
13 (4), 246-253. doi: 10.1080/08037060410004700
Ainda, A. (2006). Racionalidade e REBT. Journal of Cognitive & Behavioral
Psicoterapias, 6 (1), 5-10.