Você está na página 1de 2

Aula sobre diaconato 19

Deve conservar o mistério da fé com consciência limpa.

(1TM 3.9) Calvino faz uma paráfrase: Conservando pura a doutrina de nossa religião, e isso de todo o
nosso coração e com sincero temor a Deus, os homens que são ricamente instruídos na fé não devem
ser ignorantes de nada que seja necessário a um cristão conhecer. O diácono deve conservar-se firme
na revelação graciosa de Deus (Rm 16.25,26): Jesus Cristo, manifestado em carne (1Tm 3.16; Cl 4.3) com
a consciência pura, sem contaminação intelectual, moral e espiritual. Apenas a conservação do mistério
da fé geraria um conhecimento árido, infrutífero e, por outro lado, apenas a consciência limpa,
acarretaria uma superficialidade doutrinária. [Paulo] quer que os diáconos sejam bem instruídos no
mistério da fé, porque, embora não desempenhem o ofício docente, seria completo absurdo que
exercessem um ofício público na Igreja e fossem completamente ignorantes na fé cristã, especialmente
porque mui amiúde ministram conselhos e conforto a outros, caso não queiram negligenciar seus
deveres. Ele adiciona ainda: numa consciência íntegra, a qual se estende por toda a sua vida, mas tem
especial referência ao seu conhecimento de como servir a Deus.

Sejam primeiramente experimentados 1Tm 3.10.

Provar, examinar, experimentar. Esta palavra que era aplicada para se referir ao teste dos metais
preciosos para avaliar a sua qualidade, ressalta o aspecto positivo de provar para aprovar, indicando a
genuinidade do que foi testado (2Co 8.8; 1Ts 2.4). Calvino (1509-1564) comenta: Numa palavra, a
designação de diáconos não deve consistir de escolha precipitada e fortuita de alguém que se encontra
à mão, senão que a escolha deve ter por base homens que se recomendem por sua anterior maneira de
viver, de tal forma que, depois de serem submetidos a um interrogatório, sejam investigados
profundamente antes que sejam declarados aptos. A conduta do diácono deve ser tão boa que ninguém
tenha do que o acusar; seja irrepreensível (1Tm 3.10). Este reconhecimento deve ser por parte da Igreja
e também dos de fora (Vd. 1Tm 3.7).

Que governe bem seus filhos e sua própria casa: (1Tm 3.12/3.4-5)

A maneira do presbítero ou do diácono governar a sua casa é um sintomada sua capacitação ou não
para exercer o seu ofício. O diácono juntamente com sua família, deve se constituir num exemplo de
vida cristão.

Recompensas de uma Diaconia Fiel:

A honra concedida por Deus: Jo 12.26: Jesus ensina que aqueles que o servem sinceramente, O
seguindo, o Pai mesmo o honrar·. Ainda que aqui não esteja falando especificamente do ofício de
diácono, a verdade é que estes, como todos aqueles que servem ao Senhor a palavra no Original é a
mesma (diakone) ainda que nem sempre tenham o reconhecimento devido da parte dos homens, serão
honrados por Deus. Obviamente, não devemos encontrar no texto nenhuma desculpa para a nossa falta
de reconhecimento do serviço prestado pelos servos de Deus, antes, um consolo para aqueles que não
têm sido honrados devidamente por nós.

A lembrança graciosa de Deus: Hb 6.10. Esta recompensa complementa a anterior. Deus não se esquece
dos Seus servos, nem dos seus serviços. Deus, mesmo parecendo, em algumas circunstâncias, ter se
esquecido de nós, na realidade, Ele nos acompanha sempre com a Sua graça. E, Aquele que nos
capacitou a fazer boas obras, por graça, nos recompensará.

O reconhecimento da Igreja: 1Tm 3.13. Paulo diz que aqueles que desempenharem bem o diaconato
terão o justo reconhecimento da Igreja. De fato, È justo que assim seja. Ainda que os diáconos não
trabalhem simplesmente para agradar a Igreja, visto que servem ao Senhor na Igreja, È desejável que
honremos esses servos de Deus que dedicam parte quantitativa e qualitativamente importante de seu
tempo no serviço de Deus em nossa Igreja. O reconhecimento da Igreja È um atestado da sua vocação e
do desempenho eficiente do diaconato. Calvino comenta: Ao expressar-se assim, ele realça quão
proveitoso é para a Igreja que esse ofício seja desempenhado por homens criteriosamente escolhidos,
pois o santo desempenho desses deveres granjeia estima e reverência.

Maior firmeza na fé: 1Tm 3.13.

Paulo também diz que aqueles que desempenham bem o diaconato alcançam
muita intrepidez na fé em Cristo (1Tm 3.13). A palavra tem o sentido de destemor, franqueza, ousadia,
confiança e sinceridade. O termo indica aquele que fala com ousadia e francamente, exercendo com
responsabilidade publicamente a sua função. Os diáconos no exercício de seu ofício adquirem uma
maior ousadia em sua fé, amparado na graça de Deus. Isso se manifesta na sua justa confiança em
aproximar-se de Deus em oração (Ef 3.12; Hb 4.16; 10.19; 1Jo 5.14) e, ao mesmo tempo, na sua
intrepidez para falar livre, confiada e ousadamente de Cristo (At 2.29; 4.13,29,31; 9.27,28; 13.46; 14.3;
18.26; 19.8; 28.31; 2Co 3.12; Ef 6.19; 1Ts 2.2). Lembremo-nos, no entanto, que essa intrepidez é obra do
Espírito Santo (At 4.13,29,31/1Ts 2.2). Calvino, por sua vez, analisa a contrapartida dessa fidelidade,
dizendo: Da mesma forma, aqueles que têm fracassado em seus deveres têm também sua boca fechada
e suas mãos atadas, e são incapazes de fazer tudo satisfatoriamente, de modo a não ser possível injetar-
lhes qualquer confiança, nem tampouco outorgar-lhes qualquer autoridade. O diácono, como não
poderia deixar de ser, no fiel exercício de seu ofício, amadurece em sua fé, tendo maior comunhão com
Deus e segurança na proclamação do Evangelho. … praticamente impossível desenvolver qualquer
trabalho da igreja de forma eficiente sem, ao mesmo tempo, amadurecer em nossa fé.