Você está na página 1de 3

TRABALHO 5 – MÓDULO 5

Dario Fiorentini

EDILSON ARAÚJO SANTIAGO

Governador Valadares, MG
2018
Dario Fiorentini é um professor e pesquisador da área de educação e educação
matemática da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Nasceu em Santa Rosa,
Rio Grande do Sul, em 1950. Aos 06 anos de idade começou a estudar em uma escola em
Marilia, SC. No quinto ano ingressou em um seminário destinado à formação de padres,
onde estudou até o ensino médio, e onde adquiriu o gosto pela pesquisa. Ingressou na
universidade em 1970, no curso de Filosofia, que abandonou no fim do primeiro período.
Ingressou posteriormente, em 1971 no curso de Licenciatura Curta em Ciências, e já no fim
do terceiro semestre, iniciou sua carreira como professor de matemática no ensino público.
Fez uma complementação em matemática, e posteriormente, mestrado em Matemática
Aplicada. Sentindo a dificuldade de muitos professores em aplicar os conceitos matemáticos
de forma eficaz em sala de aula ingressou no doutorado em educação, com ênfase em
educação matemática, na Unicamp. Fiorentini é fundador e líder do grupo de pesquisa
PRAPEM – Prática Pedagógica em Matemática, que se dedica a pesquisas em educação
matemática e formação de docentes de matemática, e do subgrupo deste: GEPFPM – Grupo
de Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores de Matemática.

Entre os 17 livros e dezenas de capítulos, artigos, textos e resumos publicados,


destacamos o artigo: A Formação matemática e didático-pedagógica nas disciplinas da
Licenciatura em Matemática, no qual Fiorentini enfatiza que “O conhecimento matemático
pode ser focalizado a partir de três diferentes perspectivas: da prática científica ou
acadêmica; da prática escolar; e das práticas cotidianas não formais” (FIORENTINI, 2005, p.
108). Segundo o autor, essas três perspectivas são importantes para a formação do professor
de matemática, pois existe uma interligação entre a matemática escolar, a matemática
científica e a matemática produzida a partir do quotidiano. Para ele, o professor de
matemática precisa possuir conhecimento específico da matéria, também conhecimento
pedagógico e conhecimento do conteúdo do ensino, além de saberes da experiência, ou seja,
conhecimento dos alunos e seu contexto.

Dessa forma, segundo ele, há que se ter uma formação pedagógica adequada,
acrescida de relacionamento e vivência, e acompanhada de conhecimento de conteúdo. Para
Fiorentini, o professor, mesmo que não se dê conta disso, ensina muito mais do que o que
pensa estar ensinando. Dessa forma, o formador de professores de matemática precisa
“constituir-se um profissional com características de formador-pesquisador, que assume a
docência como função principal de seu trabalho (...) e busque desenvolver pesquisas quer
deem o suporte necessário para a realização e desenvolvimento dessa função”
(FIORENTINI, 2005, p. 114).

Referências:

FIORENTINI, Dario. A Formação matemática e didático-pedagógica nas disciplinas da


Licenciatura em Matemática. Revista de Educação (Campinas), Campinas, SP, v. 1, n.18,
p. 107-115, 2005. Disponível em <http://periodicos.puc-
campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/266/249>. Acesso em: 15 jan.
2018.

FIORENTINI, Dario. Currículo do sistema currículo Lattes. [Brasília], 31 ago. 2017.


Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/9244474518505985>. Acesso em: 15 jan. 2018.

FIORENTINI, Dario. Diálogo com Educadores. Espaço Pedagógico. Passo Fundo, v. 20, n.
1, p. 217-227, jan./jun. 2013. Disponível em
<http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/3517/2302>. Acesso em: 15 jan. 2018.

FIORENTINI, Dario. GEPFPM – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Formação de


Professores de Matemática. Disponível em: <https://gepfpm.wordpress.com/dario/>.
Acesso em: 15 jan. 2018.

VIANA, Marger da Conceição Ventura. Educadoras e Educadores Matemáticos


Brasileiros. Ouro Preto: UFOP, 2011. Disponivel em : <
http://www.moodle.ufop.br/pluginfile.php/124217/mod_resource/content/1/TEXTO%20B-
Educadoras%20e%20Educadores%20Matem%C3%A1ticos%20Brasileiros..pdf>. Acesso
em: 15 jan. 2018.