Você está na página 1de 3

SEGMENTAÇÃO

I. Holoblástica
É aquela em que o zigoto se segmenta completamente (figura a seguir) e ocorre nos ovos
alécitos, isolécitos e heterolécitos .

!
De acordo com o tamanho das células formadas, essa segmentação pode ser subdividida
em três grupos:
Ia. Holoblástica igual: quando os blastômeros formados apresentam o mesmo tamanho
(figura abaixo), em face de o vitelo ser distribuído de modo homogêneo. Ela ocorre nos
ovos alécitos e isolécitos.

Ib. Holoblástica desigual: quando as células resultantes apresentam tamanhos diferentes


(figura a seguir), em face de o vitelo ser mais concentrado em um polo ovular. Neste
caso, os blastômeros são maiores na região do polo vegetativo (mais rico em vitelo),
tomando o nome de macrômeros e menores, denominados micrômeros, na região do
polo germinativo ou  animal (menos rico em vitelo). Lembramos que o polo animal se
divide mais rapidamente.  Esse tipo de clivagem ocorre nos ovos heterolécitos.

Ic. Holoblástica subigual: neste caso ocorre a formação de micrômeros e macrômeros. A


diferença, entretanto, não é tão acentuada (figura abaixo) como no caso da segmentação
total desigual. Esse tipo intermediário de clivagem ocorre nos anfioxos, que apresentam
ovos isolécitos.

!
II. Meroblástica
Nos ovos muito ricos em vitelo, a clivagem não atinge as regiões em que ele está
concentrado, dai o ovo se clivar parcialmente. Esse tipo de segmentação (figura abaixo)
ocorre nos ovos telolécitos e centrolécitos (ver tipos de ovos, matéria publicada neste
blog no dia 30/04/2015), que apresentam o vitelo em abundância dificultando a clivagem
completa do ovo.
!
Há dois subtipos de clivagem parcial: parcial discoidal e parcial superficial.

IIa. Parcial discoidal: encontrada nos ovos telolécitos. Neste caso, a clivagem se limita a
um disco de citoplasma, denominado cicatrícula ou disco germinativo (figura a seguir),
contido na região do polo animal, onde não há vitelo. Dessa forma, nem todo o zigoto
sofre mitose.

IIb. Parcial superficial: observada nos ovos centrolécitos. Neste caso, o núcleo central se
divide, e os núcleos resultantes migram para a superfície do ovo (figura abaixo), daí o
nome superficial, onde se envolvem de membranas celulares (delimitação das células,
pela divisão do citoplasma). Como consequência, forma-se, no citoplasma periférico, uma
massa multinucleada, denominada blastoderme periférica, o que caracteriza a
periblástula. Em última análise, percebe-se, nesse tipo de segmentação, uma camada de
células que fica em torno do vitelo, que permanece no centro. Como se pode constatar,
as células embrionárias se dispõem na superfície do ovo.

TIPOS DE OVOS

Com base na quantidade e na localização do vitelo (deutoplasma), substância que serve


de alimento ao embrião, dentro do ovo, os ovos podem ser classificados em cinco
grupos: isolécito (oligolécito ou homolécito), heterolécito (mesolécito, mediolécito ou
telolécito incompleto), telolécito (megalécito ou telolécito completo), centrolécito e
alécito.

I. Isolécitos
Possui pouco vitelo distribuído de modo homogêneo ou quase homogêneo dentro do
citoplasma (figura abaixo). Esse ovo é encontrado nos poríferas, celenterados, moluscos,
anelídeos, nematódeos, platelmintos, equinodermas e anfioxo (animal pertencente ao
grupo do protocordados).
II. Heterolécito
Apresenta vitelo mais abundante e distribuído de modo mais heterogêneo que o
oligolécito. Possui, em última análise, quantidade de vitelo intermediária entre a dos ovos
oligolécito e telolécito, daí sua denominação mesolécito ou mediolécito. Há, em
verdade, uma polaridade bem nítida, havendo um polo animal (germinativo) com pouco
vitelo e um polo vegetativo com maior quantidade de vitelo (figura a seguir). Nesse ovo,
o núcleo está deslocado em direção ao polo animal. Embora seja próprio dos anfíbios,
ele é encontrado, também, nos moluscos, platelmintos, nematelmintos, anelídeos e
alguns peixes.

III. Telolécito
Nesse ovo existe uma grande quantidade de vitelo e uma perfeita distinção entre os
polos animal e vegetativo. O citoplasma se separa do vitelo e se localiza juntos ao
núcleo, no polo animal (figura abaixo), que forma um pequeno disco de células,
denominado cicatrícula ou disco germinativo, encravado na gema. O vitelo ocupa, em
verdade, quase todo ovo. Ele é normalmente volumoso e se encontra nos cefalópodas
(polvos e lulas), vários peixes, répteis, aves e mamíferos prototerianos, que são ovíparos
(ornitorrinco e equidna).

IV. Centrolécito
Nesse ovo, o vitelo se acumula centralmente ao redor do citoplasma e do núcleo (figura a
seguir). Ele é encontrado na maioria dos artrópodes (como os insetos, entre outros).

V. Alécito
É semelhante ao oligolécito, diferenciando-se, principalmente, pela perda de vitelo. Nele
não há, praticamente, vitelo, dai sua denominação “alécito” (“sem vitelo”). Muitas vezes
é classificado como oligolécito ou isolécito. É encontrado nos mamíferos placentários.

Obs: Nos protostômios, a clivagem é espiral e determinada, e nos deuterostômios, é


radial e indeterminada.