Você está na página 1de 10
A política de Saúde no Brasil e o desafio da garantia do direito à saúde .

A política de Saúde no Brasil e o

desafio da garantia do direito à saúde.

Kamille Coelho Miranda- Esp. Em Educação, Pobreza e Desigualdade Social (UFPA) Residente em atenção à saúde Cardiovascular (UEPA)

A política de Saúde no Brasil: avanços e

retrocessos

Panorama da Saúde no Brasil de 1920- 1970

Saúde nos anos 20:

  • - Assistência médica pautada na filantropia e prática liberal

  • - Ações de cunho sanitarista e de saúde do trabalhador

Principal marco histórico: Criação em 1923 da lei Elói Chagas ou Caixa de Aposentadoria e pensões

Saúde nos anos 30:

  • - Início da intervenção estatal no setor políticas sociais

saúde, vide o surgimento das

  • - Saúde

dividida

em

previdenciária.

dois

subsetores: saúde pública e medicina

  • - Criação de condições sanitárias mínimas para população urbana

  • - Ênfase nas campanhas sanitárias

Principal marco histórico: criação dos Institutos de aposentadoria e pensões (IAPS)

Saúde nos anos 40 e 50:

-Verifica-se alguns avanços no setor, tais como: surgimento do Ministério da Saúde, as atividades no âmbito da saúde são ampliadas, destacando

a assistência médica, educação sanitária, saneamento e controle de

doenças transmissíveis.

Saúde nos anos 60 e 70:

- Aprofundamento dos problemas estruturais , utilização do binômio repressão-assistência. -Permanência dos subsetores: saúde pública e saúde previdenciária, com declínio na saúde pública e crescimento significativo da saúde previdenciária -Expansão da iniciativa privada com compra de serviços médicos Saúde coletiva responsabilidade do Ministério da Saúde e assistência médica individualizada de responsabilidade do setor previdenciário Principal marco histórico: criação do Instituto Nacional de Previdência Social-INAPS

O movimento de Reforma Sanitária

A partir de meados dos anos 70 ocorre o reaparecimento de forças

políticas suprimidas durante o período da ditadura

Saúde deixa de ser interesse exclusivo dos técnicos para assumir uma dimensão política, sendo inseridos novos atores sociais no

contexto de luta pelo direito à saúde.

Visava suprimir a exclusão da maior parte dos cidadãos do direito à

saúde.

Partia da concepção de saúde como resultado da forma de

organização

da

existentes.

produção

na

sociedade

e

das

desigualdades

Em 1986 ocorre a 8º Conferência de saúde, a qual possibilitou a formulação do Sistema Único de Saúde-SUS.

A promulgação da Constituição de 1988 representou, no plano jurídico,

a promessa de afirmação e extensão dos direitos sociais em nosso país (BRAVO,2009)

A partir dos anos 90, com a ofensiva neoliberal, a política de saúde transforma-se em uma arena permeada de tensões marcada pelo projeto privatista e projeto de reforma sanitária

Projeto de Reforma Sanitária

Projeto Privatista

Fortalecimento do SUS e sua

SUS focalizado para população

universalização

empobrecida

Estado atuante em função da sociedade

Estado mínimo e contenção de gastos

 

Estimulo ao seguro privado (planos

de saúde)

   

Serviço Social e o direito à saúde: entre

tensões e possibilidades no contexto

hospitalar

Atuação profissional fundamentada principalmente pelos seguintes documentos: Lei 8.080/90, Lei 8.142/90, Lei 8.662/93, código de ética profissional e parâmetros para atuação do Assistente Social na política de

saúde.

Conceito ampliado de saúde possibilitou a ampliação do espaço socio- ocupacional do Assistente Social na saúde.

As modificações da orientação das políticas sociais no neoliberalismo, atingem o conteúdo e o direcionamento da atividade profissional dos assistentes sociais, suas condições de trabalho, as atribuições,

competências e requisitos da formação deste profissional.

As relações de trabalho tendem a ser desregulamentada e flexibilizadas

No cotidiano profissional, o Assistente Social depara-se com demandas as quais necessitam de respostas imediatas, onde sem a apreensão da

realidade social, o profissional se reduz apenas em um técnico.

O êxito do trabalho do assistente social depende da articulação de uma rede de serviços e profissionais, dentro e fora do seu local de trabalho

O assistente social representa para o usuário como uma possibilidade de ter suas reinvindicações, necessidades mediatas e imediatas, atendidas

Serviço Social trabalha a identificação dos determinantes sociais.

No contexto hospitalar emergem demandas para além da saúde, o que

não significa que está desassociada a esta, entre elas o abandono, falta

de renda fixa, emprego estável e outras

Desenvolvimento de atividades em educação popular no contexto da saúde representa importante instrumento para o fortalecimento dos

direitos sociais em detrimento da concepção de direito como

benevolência ou favor.

O Mau funcionamento na atenção primária e falta de atendimento

digno resultam no inchaço nas internações e atendimento

ambulatorial na atenção terciária, provocando longas filas por atendimentos a nível hospitalar.

Dentro

do

exercício

profissional,

o

Assistente

Social

atua para

facilitação dos usuário ao acesso aos serviços de saúde

Considerações finais

A construção da política de saúde no Brasil pode ser considerada

como fruto das pressões dos trabalhadores na busca de melhores

condições de vida e a medida que, e o capital se altera para permanecer sua hegemonia, altera também as características da política de saúde, adequando esta a seus interesses.

Torna-se necessário que o assistente social exercite uma reflexão sobre o contexto histórico a qual está inserido, identificando os limites e desafios profissional, a fim de antecipar as ações necessárias que

visem o atendimento das necessidades dos usuários. Trabalhar na

efetivação de direitos dos usuários, situado em um projeto privatista de saúde, excludente, torna-se uma tarefa não muito fácil e permanentemente desafiadora para a categoria

Referencias Bibliográficas

BRAVO, Maria Inês Souza. “A Política de Saúde no Governo Lula: algumas reflexões.In: Revista INSCRITA. Brasília: CFESS, 2004. n.9.

Reforma Sanitária e Projeto ético-político do ServiçoSocial: elementos para o

______ debate“. In: Saúde e Serviço Social, São Paulo, ed.Cortez, Rio de Janeiro, UERJ, 2004.

______

Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas Sociais e Práticas Profissionais.

SãoPaulo: Cortez/ UFRJ 2009.

Política de Saúde no Brasil. In Serviço Social e Saúde, Formação e Trabalho Profissional. São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 4 ed 2009.

______

IAMAMOTO, Marilda Vilela. Renovação e Conservadorismo no serviço social. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2004.

VASCONCELOS, Ana Maria de. A prática do Serviço Social: cotidiano, formação e

alternativas na área da saúde. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2003.