Você está na página 1de 1

Indiana revalidou o título no Open de Badminton

A fabulosa P.V Sindhu, raínha e senhora de Macau

A indiana Pusarla Venkata Sindhu garantiu esta domingo, no Pavilhão do Tap Seac, um feito com
contornos inéditos no âmbito do Open de Badminton de Macau, ao tornar-se a primeira atleta a
revalidar o titulo no âmbito da categoria de singulares femininos da competição. Campeã asiática no
escalão de juniores em 2012, a atleta de apenas 19 anos derrotou a sul-coreana Kim Hyo Min em
dois sets, numa partida que se prolongou por 45 minutos. Décima primeira classificada do ranking
da Federação Mundial de Badminton, P.V Sindhu regressava a Macau com a incumbência de
revalidar o título conquistado há um ano frente à canadiana Michelle Li e partia para o certame
como a principal favorita ao triunfo, depois da espanhola Carolina Marin não ter conseguido
confirmar a presença na competição. A atleta indiana não deixou créditos por mãos alheias e
protagonizou uma autêntica marcha triunfal rumo à sua segunda vitória consecutiva no território.
Em cinco partidas disputadas no Open de Macau, Pusarla Venkata Sindhu perdeu apenas dois sets,
um contra a indonésia Fanetri Lindaweni, nos oitavos-de-final da prova, e o outro frente à chinesa
Li Han, nos quartos-de-final do certame. Confiante e expedita, a jovem indiana não tremeu no
encontro decisivo da competição, derrotando Kim Hyo Min pelos parciais de 21-12 e 21-17.
No torneio de singulares masculinos, Xue Song assinou uma meia-surpresa ao bater na final Vincent
Wong Wing Ki por dois sets a um, parciais de 16-21, 21-13 e 21-19. O atleta da vizinha Região
Administrativa Especial de Hong Kong partia para o certame com o estatuto de sexto cabeça-de-
série, mas no encontro decisivo da edição de 2014 do Open de Macau não conseguiu fazer valer
uma tal primazia contra um adversário a quem não era assacado grande favoritismo.
Quinquagésimo quarto classificado do ranking mundial, Xue Song não integrava a lista dos dez
principais favoritos à vitória no Pavilhão do Tap Seac, mas o atleta da República Popular da China
foi deixando adversários para trás e conseguiu manter o bom momento até à fase mais
preponderante da competição, acabando por inscrever o nome a letras douradas nos anais da mais
significativa prova de badminton da Região Administrativa Especial. Xue Song, de 20 anos, deixou
para trás atletas como indonésio Evert Sukamta, o taiwanês Hsu Jen Hao ou inglês Rajiv Ouseph
antes de impedir que Vincent Wong Wing Ki conseguisse em Macau o que poderia ter sido uma das
mais significativas vitórias da carreira do atleta de Hong Kong.
No torneio feminino de duplas, domínio incontestado por parte de atletas da República Popular da
China, com o triunfo a sorrir à parelha formada por Yu Xiaohan e por Ou Dongni. As atletas, de 20
e 21 anos, respectivamente, derrotaram as compatriotas Huang Yaqiong e Qian Xin Zhong em três
sets, numa partida intensa que se prolongou por uma hora e cinco minutos. Mais ágeis e eficazes,
Yu e Ou levaram a melhor sobre as adversárias pelos parciais de 19-21, 21-19 e 21-7.
Na categoria de duplas mistas, o triunfo sorriu ao par formado por Edi Subaktiar e Gloria
Emanuelle Widjaja. A parelha indonésia derrotou num embate demorado Danny Bawa Christanta e
Vanessa Yu Yan Neo, de Singapura. A partida arrastou-se por uma hora e dezasseis minutos e
terminou com o triunfo de Subaktiar e Widjaja pelos parciais de 21-25, 29-30 e 22-20.
Derrotado na final de duplas mistas, Danny Bawa Christanta vingou o desaire no encontro decisivo
da prova masculina de duplas. O atleta fez equipa com o compatriota Chayut Triyachart, derrotando
os indonésios Angga Pratama e Ricky Karanda Suwardi por dois sets a zero, parciais de 21-19 e 22-
20.

Interesses relacionados