Você está na página 1de 22

CLIQUEAQUIPARA

VIRARAPÁGINA

CADERNO DE ATIVIDADES

Serviço S o c i a l m p o r â n e o
e r v iço Soc ia l C o n te
D is c ip li n a : S
to d o S e r v iço S o cial
Tema 05: O obje
Caderno de Atividades
Serviço Social

Disciplina
Serviço Social Contemporâneo

Coordenação do Curso
Adriana Luiza da Silva
Elisa Cleia Pinheiro Rodrigues Nobre

Autoria
Prof.ª Edilene Xavier Rocha
Prof.ª Elisa Cléia Pinheiro Rodrigues Nobre

FICHA TÉCNICA Revisão Textual


Alexia Galvão Alves
Equipe de Gestão Editorial Giovana Valente Ferreira
Regina Cláudia Fiorin Ingrid Favoretto
João Henrique Canella Fiório Julio Camillo
Priscilla Ramos Capello Luana Mercúrio
Análise de Processos Diagramação
Juliana Cristina e Silva Célula de Inovação e Produção de Conteúdos
Flávia Lopes
Chanceler Pró-Reitor de Graduação
Ana Maria Costa de Sousa Eduardo de Oliveira Elias

Reitora Pró-Reitor de Extensão


Leocádia Aglaé Petry Leme Ivo Arcangêlo Vedrúsculo Busato

Pró-Reitor Administrativo Pró-Reitora de Pesquisa e PósGraduação


Antonio Fonseca de Carvalho Luciana Paes de Andrade

Realização:

Diretoria de Planejamento de EAD


José Manuel Moran
Barbara Campos

Diretoria de Desenvolvimento de EAD


Thais Costa de Sousa

Gerência de Design Educacional


Rodolfo Pinelli
Gabriel Araújo

Como citar esse documento:


GARCIA, Edilene Xavier Rocha; NOBRE, Elisa
Cléia Pinheiro Rodrigues. Serviço Social Con-
temporâneo. Valinhos: Anhanguera Educacio-
nal, 2014. p. 1-22.
Disponível em: <http://www.anhanguera.com>.
Acesso em: 03 fev. 2014.

© 2014 Anhanguera Educacional


Proibida a reprodução final ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada em língua
portuguesa ou qualquer outro idioma.
Tema 05
O objeto do Serviço Social

seções
S e ç õ e s
Tema 05
O objeto do Serviço Social
Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no livro A Natureza do Serviço Social,
do autor Carlos Montaño, Editora Cortez, 2009, 2ª Edição PLT 354.

Roteiro de Estudo:
Prof.ª Edilene Xavier Costa
Serviço Social
Processos Administrativos Prof.ª
Prof.Elisa
Ricardo
Cléia
Almeida
Pinheiro
Contemporâneo
Rodrigues Nobre

CONTEÚDOSEHABILIDADES
Conteúdo
Nessa aula você estudará:

• A existência, ou não de um objeto específico de estudo e intervenção do Serviço


Social.
• A necessidade que a categoria dos assistentes sociais se depara em encontrar uma
especificidade para a profissão a fim de legitimá-la socialmente.
• A existência de diferenças na intervenção do Serviço Social e as demais disciplinas
sociais.
• Qual a razão da “peregrinação profissional” em busca da tão apregoada especificidade.
• O objeto do Serviço Social relacionado à especialidade que o mesmo estabelece na
divisão sociotécnica do trabalho.
7
CONTEÚDOSEHABILIDADES
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

• Qual o objeto do Serviço Social?

• Por que a especificidade deve ser elemento legitimador da profissão?

• Qual a relação d o objeto do Serviço Social com o significado social da profissão?

LEITURAOBRIGATÓRIA
O objeto do Serviço Social
Montaño (2009) assinala que, nas discussões entre a categoria profissional, não há
consenso para a nomenclatura dispensada ao objeto de estudo e intervenção do Serviço
Social, “tematizada, ora como especificidade, ora como identidade, ora como natureza,
ora como perfil, ou até cultura” (MONTAÑO, p. 118). Acredita que esse esforço dá-se em
virtude de legitimá-lo diante das demais profissões. Para discutir sobre a existência ou
não da especificidade do Serviço Social, é preciso primeiramente compreender o que é
especificidade. O autor aplica por conceito deste vocábulo a “qualidade que certa espécie
possui e pela qual se torna especial, diferente das outras” (p.120); por esta razão, atribui-se
ao objeto do Serviço Social a importância de identidade. O que o Carlos Montaño pretende
demonstrar é que o objeto de uma profissão e é algo tão particular que não deve ser tratado
no exercício de outras profissões e/ou de outros profissionais. Ao analisar as leis que regem
o sistema capitalista, verifica-se que o Serviço Social busca por sua especialização e o faz
numa perspectiva de “pulverização” e “segmentação” da realidade em “questões sociais”.
Os filósofos, sociólogos, economistas, entre outros pensadores consultados por Montaño
apontam que, ao invés de dedicar o olhar para a estrutura da sociedade no sentido de intervir
nela e transformá-la, segmentou-a, especializando uma profissão para tal. Essa afirmação
manifesta-se a partir da tese Histórico-crítica quanto à gênese da profissão, ou seja, está
vinculada à ordem burguesa. Todavia no “momento em que a classe burguesa perdeu
seu caráter crítico revolucionário perante as lutas proletárias” ocorreu a “segmentação da
realidade em questões sociais”, permitindo o surgimento de uma intervenção igualmente
pulverizada: “as políticas sociais setoriais e pontuais” (MONTAÑO, 2009, pp. 125-126).
8
LEITURAOBRIGATÓRIA
Desta forma, procurar pelo objeto do Serviço Social exige identificá-lo na divisão sociotécnica
do trabalho; como demonstra Lukács:

a especialização cada vez mais estreita é o “destino” da nossa época [...]


a extensão da ciência moderna atingiu uma amplitude que não permite à
capacidade de trabalho de um só homem dominar enciclopedicamente todo
o campo do saber humano” (LUKÁCS, 1992, p.122 apud MONTAÑO, pp.
120-121).

O Serviço Social origina-se neste contexto histórico, e por isso Carlos Montaño discute a
existência, ou não, de seu objeto/especialidade, considerando-o segmentador da realidade.
Admite que haja autores que sustentam a falta da especificidade da profissão e que,
segundo eles, isso se dá “pela inexistência de um corpo teórico próprio, a carência de
um método único, a ausência de objetos, de questões sociais particulares a estes” (ibid,
p. 127). Nessa vertente, as atividades do Serviço Social podem ser desempenhadas por
outros profissionais, como sociólogos, psicólogos sociais, antropólogos etc. Infere-se que
a categoria de assistentes sociais “obstinadamente” deseja estabelecer a especificidade
do Serviço Social acreditando assim garantir sua legitimidade. Montaño destaca quatro
elementos com os quais autores pesquisados definem a especificidade do Serviço Social:

1. Recorrer à legitimidade para reverter a subalternidade gerada pela separação


positivista entre ciência X técnica. Aqui, distinguem-se três tendências:

• O grupo que entende o objeto social como próprio do Serviço Social, pois acredita que
o mesmo constitui uma ciência.

• Os que determinam o campo de pesquisa como objeto de conhecimento específico do


Serviço Social, como sendo a sistematização da prática profissional.

• Aqueles que não concebem a existência de um objeto específico, exclusivo, do Serviço


Social, nem acreditam na “sistematização de sua prática”, “entendem que há uma
‘perspectiva’ determinada, um certo ‘olhar’ ou dado ‘recorte’ específico da realidade, do
objeto social, próprio à profissão”. Para estes, o Serviço Social é percebido com o “parte
de um corpo interdisciplinar”. (ibid, p. 132)

2. Buscar a especificidade por meio de “metodologia própria: a prática profissional


específica”. Tal aspecto permite perceber o Serviço Social como Tecnologia, “uma
profissão cuja essência recai na atividade interventiva, na prática de campo e cujo método
de intervenção lhe é específico” (Livro-Texto, p. 137).

9
LEITURAOBRIGATÓRIA
3. Definir o específico do Serviço Social “no tipo do sujeito com o qual trabalha (seu
público-alvo): na relação profissional-povo” (pp. 141-142). Nessa vertente, a profissão
é apreendida como uma militância política vinculada a uma população politicamente
organizada.

4. E, como último elemento, decorrente do anterior, identificar a especificidade do Serviço


Social “nos pretensos objetivos próprios” da profissão: conscientização das classes
populares, a organização e a transformação social (Livro-Texto, p. 142). Nas palavras
de Boris Lima, “a teleologia do Serviço Social se encaminha para libertar as massas,
situando sua meta na transformação das relações sociais” (GUERRA, 1995, p.174, apud
MONTAÑO, 2009, p. 142).

Este tema é fundamental para a sua formação profissional, uma vez que pretende demonstrar
o profissional do Serviço Social como um “conscientizador e/ou agente de mudança” que,
na óptica de Montaño, desconsidera o papel político das demais profissões. Apresenta-se
indispensável, pois discute a necessidade dos assistentes sociais definirem a especificidade
da profissão no “processo de conscientização do homem”, buscando maneiras deste ter
uma visão mais crítica da sociedade e uma maior capacidade analítica da realidade.

10
LINKSIMPORTANTES
Quer saber mais sobre o assunto?
Então:
Sites
Leia o artigo de Ednéia Maria Machado: Questão social: objeto do Serviço Social, 2008.
Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/ssrevista/c-v2n1.htm> Volume 2 - Número 1 Jul/
Dez 1999. Acesso em: 03 fev. 2014.
A obra tem por objetivo resgatar a concepção de questão social como forma de refletirmos
sobre a possibilidade de a questão social, ou, as expressões da questão social, se constituir
como objeto profissional.

Leia a obra de Lessi Inês Farias Pinheiro. Questão Social: um conceito revisitado.
Disponível em: < http://www.eumed.net/rev/cccss/03/fpod.htm> Acesso em: 03 fev. 2014.
Este artigo apresenta as visões de três autores, ligados a diferentes disciplinas da área
social, com visões distintas da questão social. São abordados os trabalhos de Robert Castel,
que defende que a questão social sofre modificações ao longo do tempo, mantendo-se em
essência a mesma; Pierre Rosanvallon, que afirma que a questão social se modificou e
exige uma nova postura política na sua solução; e, finalmente, são apresentadas algumas
ideias do economista Amartya Sen, que faz uma análise do desenvolvimento econômico,
tratando sempre da questão social sem, no entanto, nomeá-la diretamente.

Vídeo
Assista ao filme Uma noite no museu, direção de Shawn Levy, que retrata a importância
de estabelecer uma rede de contatos entre os diversos segmentos de uma comunidade, e
reflita sobre o papel do Assistente Social diante dos conflitos sociais.

11
AGORAÉASUAVEZ
Instruções:
Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções
das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão
você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente
os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de
resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto
e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1: a) Procurar cada vez menos a definição e


consolidação deste “saber especializado”
Alguns pensadores advogam que a siste-
no sentido de elaborar uma “teoria da
matização da prática profissional e a sua
intervenção”.
pretendida metodologia única e própria
não constituem um objeto específico do b) Procurar cada vez mais a definição e
assistente social. Nessa vertente, Montaño consolidação deste “saber compartilhado”
(2009) realiza inúmeras pesquisas a auto- no sentido de elaborar uma “teoria da
res diversos para aprofundar-se no tema da intervenção”.
“especificidade” do Serviço Social. Salienta
que García Salord critica a atual tendên- c) Procurar cada vez mais a definição e
cia da pesquisa de Serviço Social de estar consolidação deste “saber especializado”
“orientada por um interesse sociológico” e no sentido de elaborar uma “teoria da
de ter “uma direção independente das pro- intervenção” comum a todas as ciências
blemáticas teóricas e metodológicas do sa- sociais.
ber e do fazer especializados” da profissão.
d) Procurar cada vez mais a definição e
Salord entende que, para a profissão avan-
consolidação deste “saber especializado”
çar no desenvolvimento da sua especifici-
no sentido de elaborar uma “teoria da
dade e da sua profissionalização, deve:
intervenção”.

12
AGORAÉASUAVEZ
e) Procurar cada vez mais a definição e cia de um corpo _____________ próprio, a
consolidação deste “saber especializado” carência de um método único, a ausência
no sentido de elaborar várias “teorias de _________, de questões sociais parti-
da intervenção” capazes de combater a culares a estes – faz dele uma profissão
questão social. prescindível, ____________ por vários ou-
tros profissionais e, portanto, não teria sen-
tido de existir como profissão autônoma.
Questão 2:
Assinale a alternativa que completa as la-
Há aqueles que determinam o “campo de
cunas:
pesquisa” que caracteriza o objeto de co-
nhecimento “específico” do Serviço Social a) Legitimidade; teórico; objetos;
como sendo a própria prática profissional. insubstituível.
Essa maneira de conceber o espaço pró-
prio do saber profissional se funda na ideia b) Especificidade; teórico; objetos;
de que a característica deste tipo de pes- substituível.
quisa, própria desta profissão, está orien-
c) Especificidade; técnico; objetos;
tada para a ação, não como investigação
substituível.
pura, mas para:
d) Legitimidade; teórico; objetos;
a) Desenvolver trabalhos educativos em
substituível.
comunidades.
e) Especificidade; técnico; objetos;
b) Conhecer as doenças da população.
insubstituível.
c) Criar leis de defesa dos direitos da
população. Questão 4:
d) Aprovar leis de defesa dos direitos da Assinale a alternativa que completa a lacu-
população. na conforme o texto de seu Livro-Texto:

e) Intervir na realidade social para Se o Serviço Social não contribui direta-


modificá-la. mente para o avanço das teorias sociológi-
cas ou antropológicas, entre outras, contri-
bui efetivamente para o avanço das formas
Questão 3:
de abordagens práticas do real. A originali-
Há quem sustente, portanto, que a falta de dade [“especificidade”?] do “conhecimento”
________ do Serviço Social, – a inexistên- construído em Serviço Social está, portan-

13
AGORAÉASUAVEZ
to, na forma como articula conhecimentos e d) Que a especialização cada vez mais
transforma essa articulação em mediações estreita é o “destino” da nossa época, um
____________________________. destino do qual somente os intelectuais
podem escapar.
a) Para uma construção comunitária.
e) Que a especialização cada vez menos
b) Para uma desconstrução no seu modo estreita é o “destino” da nossa época, um
de intervir. destino do qual somente os intelectuais
podem escapar.
c) Para sua ação específica.

d) Para uma ação coletiva.


Questão 6:
e) Para a construção de um método Três pesquisas, de diferente magnitude, no
comum às demais ciências ditas “sociais”. estudo da especificidade do Serviço Social
merecem destaque. Uma delas é a obra
Questão 5: de Josefa Batista Lopes: Objeto e espe-
cificidade do Serviço Social. Pensamento
Procurar a “especificidade” do Serviço So- latino-americano, na qual salienta que os
cial significa, na divisão sociotécnica do autores dentro do Movimento de Reconcei-
trabalho, determinar a sua “especialidade” tuação agrupam-se em três tendências, a
– ou, se quiserem, determinar a especiali- fim de discutirem a questão da especifici-
zação do Serviço Social. Assim, ao estudar dade do Serviço Social. Aponte as três ten-
“a divisão social do trabalho”, Lukács mos- dências mencionadas pela autora.
tra como, para os anticapitalistas românti-
cos:
Questão 7:
a) Que a especialização cada vez mais
estreita é o “destino” da nossa época, um Apesar de Batista Lopes reconhecer a não
destino do qual ninguém pode escapar. exclusividade do Serviço Social, admite a
existência de uma “especificidade” da pro-
b) Que a especialização cada vez menos fissão. Descreva o conceito de “especifi-
estreita é o “destino” da nossa época, um cidade” do Serviço Social na visão desta
destino do qual ninguém pode escapar. autora e aponte a razão pela qual não a
c) Que a especialização cada vez menos considera exclusiva da profissão.
estreita é o “destino” da nossa época, um
destino do qual o Serviço Social pode
escapar.
14
AGORAÉASUAVEZ
Questão 8: ainda que a “especificidade” do Serviço
Social confunde-se com “identidade”. Men-
Montaño (2009) dedica-se a estudos que
cione por qual razão o autor faz a relação
possam interpretar a origem e a funcionali-
entre esses dois elementos.
dade do Serviço Social. Nessa trajetória, o
autor coloca em xeque a existência de uma
“especificidade” para a profissão. Explique
qual o motivo de o autor não estar conven-
cido da existência de uma “especificidade”
para o Serviço Social

Questão 9:
O assistente social se defronta com obje-
tos singulares de diversas naturezas e com
particularidades variadas e variantes. A
intervenção nesta realidade não pode ser
nunca desinteressada. A padronização de
um método a priori, apto para conhecer e
intervir na realidade, qualquer que seja ela,
retira o substrato teleológico e histórico do
sujeito, enxuga a intencionalidade levando-
-a a objetivos abstratos. Aponte a quais os
objetivos o texto se refere.

Questão 10:
Montaño (2009) acredita que o fundamento
para a peregrinação da categoria profissio-
nal em encontrar uma “especificidade” para
o Serviço Social esteja relacionado ao fato
de que, sem um saber específico, sem um
campo específico de atuação, sem sujeitos
próprios e sem métodos específicos esta
profissão esteja fadada a não ser legitima-
da socialmente. Carlos Montaño assinala
15
FINALIZANDO
Nesse tema, você pode observar uma acirrada discussão entre Montaño e diversos
autores sobre a “especificidade” do Serviço Social. Verificou também os motivos pelos quais
o autor defende a “não especificidade” da profissão, e sim a particularidade da mesma,
assunto que será discutido no próximo tema. Por outro lado, apresenta características
próprias dos profissionais da área ao intervirem na realidade social. Como já perceberam,
é uma obra bastante crítica, o que instiga à leitura não só do Livro-Texto, mas também do
material de apoio proposto neste caderno e dos Textos Complementares.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar
seu Desafio Profissional e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Retomando a temática da “sistematização da prática” em
Serviço Social. Disponível em: <http://www.fnepas.org.br/pdf/servico_social_saude/tex-
to3-2.pdf> Acesso em: 03 fev. 2014.

BORIN, André Luiz dos Santos et alli. Como Pode Isto: Trabalhar como escravo, passar
fome num Estado rico? Só não morri, porque aqui e acolá, tem alguém prá ajudar. Liber-
tas - Volume 2 - Número 2 – Jul/2008. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistalibertas/
files/2010/01/artigo08_5.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

BUENO, Francisco da Silveira. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:


FENAME, 1981.

CAMURÇA Marcelo A. Seria A Caridade a “Religião Civil” dos Brasileiros? Revista Praia
Vermelha 12. Primeiro semestre 2005. pp. 42-63. Disponível em: <http://www.ess.ufrj.br/
siteantigo/download/revistapv_12.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.
16
REFERÊNCIAS
CENTRO BRASILEIRO DE COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO DE SERVIÇO SOCIAL –
Disponível em: www.cbciss.org. Acesso em: 03 fev. 2014.

COLMAN, Evaristo. O que é Serviço Social? Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.


br/c_v1n1_desafio.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.

ESTEVÃO, Ana Maria R. O que é serviço social. São Paulo: Brasiliense, v. 111. 1992.

FALCÃO, Frederico José. Resgate De Uma Década: a conjuntura político-social brasileira


dos anos 80. Libertas - Volume – 2 - Número 2 – Jul/2008. Disponível em: <http://www.
ufjf.br/revistalibertas/files/2010/01/artigo02_5.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico da língua portuguesa. José Jardim de Barro Jr.
(org). [CD-ROM]. Rio de Janeiro Objetiva, 2001

IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

ICHIKAWA, Elisa Yoshie et alli. Ciência, Tecnologia e Gênero: Desvelando o Significado


de Ser Mulher e Cientista. Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 11 - Nú-
mero 1 - Jul/Dez 2008 Acesso em: 03 fev. 2014.

JUNQUEIRA, L. A. P. Organizações sem fins lucrativos e redes sociais na gestão das polí-
ticas sociais. In: CAVALCANTI, M. (org.) Gestão social, estratégias e parcerias: redesco-
brindo a essência da administração brasileira de comunidades para o terceiro setor. São
Paulo: Saraiva, 2006.

LACERDA, Lélica Elisa Pereira de et alii. Do conservadorismo à moral conservadora no


Serviço Social brasileiro. Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 8 - Número
2 - Jan/Jun 2006. Acesso em 03 fev. 2014.

MACHADO, Edinéia Maria; KYOSEN, Renato Obikawa. Política e Política Social. 1998.
Disponível em: <www.ssrevista.uel.br/c_v3n1_politica.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.

MONTAÑO, Carlos. A natureza do Serviço Social: um ensaio sobre sua gênese, a “especi-
ficidade” e sua reprodução. São Paulo: Cortez, 2007.

PESSANHA, E. C. Ascensão e queda do professor. São Paulo: Cortez, 1994.

PINHEIRO, Lessi Inês Farias. Questão Social: um conceito revisitado. Disponível em


<http://www.eumed.net/rev/cccss/03/fpod.htm>Acesso em 03 fev. 2014.

17
REFERÊNCIAS
______. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação históri-
co-metodológica. 29ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.

RIBEIRO, Iselda Corrêa. et alli. Meio ambiente e gestão social. Disponível em: <http://
www.aedb.br/seget/artigos04/161_161_A%20QUESTAO%20SOCIAL%20DO%20
MEIO%20AMBIENTE2.doc> Acesso em: 03 fev. 2014.

SILVA, Carla Andréia Alves da. O sentido da reflexão sobre autonomia no Serviço Social.
Disponível em <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 6 - Número 2 - Jan/Jun 2004. Aces-
so em 03 fev. 2014.

SUGUIHIRO, Vera Lucia Tieko (at all). O serviço social em debate: fundamentos teórico-
metodológicos na contemporaneidade. Revista Multidisciplinar da UNIESP. Saber Acadê-
mico. n º 07 – Jun/2009.

TORRES, Mabel Mascarenhas. Atribuições Privativas Presentes no Exercício Profissional


do Assistente Social: uma contribuição para o debate. Libertas - Volume 1 - Número 2 –
Jun/2007. Disponível em: <http://www.mp.pb.gov.br/arquivos/psicosocial/servico_social/
atribuicoes.pdf> Acesso em 03 fev. 2014.

VELOSO, Renato. Serviço social, tecnologia da informação e trabalho. São Paulo: Cortez,
2011.

18
GLOSSÁRIO
Especificidade: qualidade daquilo que é específico; particularidade; qualidade própria,
peculiar, de uma espécie.

Ecletismo: diretriz teórica originada na Antiguidade grega, e retomada ocasionalmente


na história do pensamento, que se caracteriza pela justaposição de teses e argumentos
oriundos de doutrinas filosóficas diversas, formando uma visão de mundo pluralista e
multifacetada. Qualquer teoria, prática ou disposição de espírito que se caracteriza pela
escolha do que parece melhor entre várias doutrinas, métodos ou estilos.

Identidade: estado do que não muda, do que fica sempre igual; consciência da persistência
da própria personalidade; conjunto de características e circunstâncias que distinguem uma
pessoa ou uma coisa e graças às quais é possível individualizá-la.

Teleologia: qualquer doutrina que identifica a presença de metas, fins ou objetivos últimos
guiando a natureza e a humanidade, considerando a finalidade como o princípio explicativo
fundamental na organização e nas transformações de todos os seres da realidade; teoria
característica do hegelianismo e seus epígonos, segundo a qual o processo histórico da
humanidade – assim como o movimento de cada realidade particular – é explicável como
um trajeto em direção a uma finalidade que, em última instância, é a realização plena e
exequível do espírito humano

19
GABARITO
Questão 1

Resposta: Alternativa D.

Questão 2

Resposta: Alternativa E.

Questão 3

Resposta: Alternativa B.

Questão 4

Resposta: Alternativa C.

Questão 5

Resposta: Alternativa A.

Questão 6

Resposta: Tendência da integração social; tendência da libertação social e tendência da


perspectiva mista. (PLT, Nota de Rodapé, p.119)

Questão 7

Resposta: Especificidade significa a existência de uma perspectiva especial sobre a


realidade e que, na verdade, não deixa de representar, no que concerne ao tratamento
do objeto, a segmentação do real em “recortes” ou “domínios” de cada profissão sobre
a realidade social, mesmo concebendo que estes recortes eventualmente possam se
reintegrar no momento do trabalho interdisciplinar. (PLT, pp. 134 e 135)

20
GABARITO
Questão 8

Resposta: Montaño (2009) alega que “específico” é aquilo que é próprio de uma espécie
e não pode ser apropriada por nenhuma outra. Trazendo para o Serviço Social, nenhuma
outra profissão, ou nenhum outro profissional, poderia utilizar-se de métodos, técnicas,
teorias etc. que o Serviço Social utiliza e para Montaño não é o que ocorre, pois outras
disciplinas das ciências sociais trabalham com o mesmo sujeito, com a mesma realidade
social. Caro tutor o acadêmico deverá responder o mais próximo dessa proposta.

Questão 9

Resposta: Contribuir para o bem-estar social da população, ajudar a conscientização do


grupo na compreensão da sua realidade, e rotinizar a prática profissional. (PLT, p. 140)

Questão 10

Resposta: Montaño define especificidade como: qualidade que certa espécie possui e pela
qual se torna especial, diferente das outras [...] deve estar presente em todos os membros
da espécie – caráter inclusivo - não pode existir em membros de outras espécies- dimensão
exclusiva- e é o que diferencia uma espécie de outra. (PLT, p. 120). E se consultarmos o
dicionário verificaremos que “Identidade” significa: estado do que não muda, do que fica
sempre igual [...] conjunto de características e circunstâncias que distinguem uma pessoa
ou uma coisa e graças às quais é possível individualizá-la. Por esta razão especificidade
confunde-se com identidade. Caro tutor o acadêmico deverá responder o mais próximo
dessa proposta

21