Você está na página 1de 13

RESUMO

Relatório sobre determinação do limite de plasticidade do solo realizado


de acordo com a NBR 7180, que dispõe de metodologia para determinar o teor
de umidade necessário para uma porção cilíndrica de solo rolada sobre uma
placa de vidro formando um pequeno cordão de 3 mm de diâmetro e 10 cm de
comprimento apresenta fissuras e índice de plasticidade dos solos.

Palavras chave: solo, limite, índice, plasticidade, umidade.


LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 – Limites de Atterberg dos solos

Figura 2 – Execução do cilindro de solo com diâmetro de 3mm


LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Limite de plasticidade

Tabela 2 – Índice de plasticidade

Tabela 3 – Classificação dos solos


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

NBR Normas Brasileiras Regulamentadoras

mm Milímetros

g Gramas

cm Centímetros

°C Celsius

LP Limite de plasticidade

IP Índice de plasticidade

h Umidade
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO..............................................................................................Error! Bookmark

2. DESENVOLVIMENTO .......................................... Error! Bookmark not defined.

2.1 MATERIAIS ....................................................... Error! Bookmark not defined.

2.2 PROCEDIMENTOS ........................................... Error! Bookmark not defined.

2.3 RESULTADOS .................................................. Error! Bookmark not defined.

3. CONCLUSÃO ....................................................... Error! Bookmark not defined.

4. REFERÊNCIAS .................................................... Error! Bookmark not defined.


1. INTRODUÇÃO

Os solos originam-se de decomposição das rochas, ocasionadas por


agentes físicos e químicos através de hidratação, hidrólise, oxidação, lixiviação,
carbonatação e do clima da região onde é encontrado. Os conjuntos desses
processos interferem diretamente nas propriedades plásticas do solo que
dependem do teor de umidade, forma das partículas, granulometria e
composição química e mineralógica.

O teor de umidade do qual o solo passa do estado plástico para o estado


semissólido se denomina Limite de plasticidade (LP), ou seja, ele perde a
capacidade de ser moldado e passa a ficar quebradiço. Nesta transição, o solo
que se encontra no estado plástico perde a capacidade de fluir, perdendo
continuamente umidade fazendo com que o solo se desmanche ao ser
trabalhado. Os teores de umidade correspondentes as mudanças de estado,
são apresentados abaixo:

Figura 1. Limites de Atterberg dos solos

Fonte: Carlos de Sousa Pinto, 2006.

Esta mudança de estado se dá nos solos de forma gradual, portanto a


determinação do limite de plasticidade precisa ser arbitrada.

Conhecer o limite de plasticidade é de suma importância e tem grande


aplicação em avaliações do solo para o uso em fundações, construções de
estradas e estruturas para armazenamento e retenção de água entre outras,
por isso a quantidade e o tipo de argila presente no solo, são responsáveis
pelos movimentos e retrações que se observam quando há variação de
umidade.
Esta determinação se da, através da realização do ensaio caracterizado pela
NBR 7180/84 – Determinação do limite de plasticidade.

2. MATERIAIS UTILIZADOS

Os equipamentos e utensílios utilizados para realização deste ensaio foram:

Peneira #40;

Recipiente de porcelana;

Espátula;

Placa de vidro esmerilhada;

Cápsulas (para determinação da umidade);

Balança de precisão;

Estufa;

Gabarito;
3. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

1. Para a determinação do limite de liquidez, primeiramente a amostra foi


preparada conforme determinação da NBR 6457. Utilizou-se a amostra com
secagem prévia. Passou-se o solo na peneira de 0,42 mm e pesou 200 gramas
do material passante. Retirou-se a metade da massa para a realização do
ensaio.

2. Colocou se a amostra na cápsula de porcelana, adicionando água


destilada em pequenos incrementos, amassando e revolvendo continuamente,
com o auxílio da espátula, de forma a obter uma pasta homogênea de
consistência plástica.
3. Tomou-se uma porção da amostra em formato de uma bola com 10 g e
rolou-se a mesma sobre a placa de vidro com pressão suficiente da palma da
mão para formar um cilíndrico com 3 mm de diâmetro e 100mm de
comprimento até sua fissuração.

Figura 2 – Execução do cilindro de solo com diâmetro de 3mm

Fonte: Própria, 2016

4. Transferiram-se os fragmentos para uma cápsula metálica, colocou-se


em estufa a 105ºC por 24h para posterior determinação da umidade.
5. A análise foi realizada em triplicata, portanto repetiu-se os
procedimentos 3 e 4 por mais duas vezes.

6. Após 24 horas realizou-se a pesagem das cápsulas a fim de determinar


a massa seca e obter o teor de umidade.
3. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Após a realização do ensaio foram obtidos os seguintes resultados:

Tabela 1 – Limite de plasticidade

Cápsula Peso da Peso Massa Peso Massa


h (%)
nº Cápsula (g) úmida (g) seca (g)

1 10,16 1,82 1,52 19,74


2 10,98 1,99 1,61 23,6
3 10,43 1,87 1,48 26,35
MÉDIA 23

Fonte: Própria, 2016

O Limite de Plasticidade é definido a partir da média aritmética da


umidade calculada com base nos valores obtidos na tabela 1. Considerando-se
que não houve uma variação acima de 5% em relação à média, conforme
determina a NBR, obteve-se o valor de LP=23%.
Conhecendo o valor do limite de liquidez e plasticidade foi possível
calcular o índice de plasticidade, onde:

Tabela 2 – Índice de plasticidade

ÍNDICE DE PLASTICIDADE (%)


IP=LL-LP
IP= 41,95-23
IP= 17,00

Fonte: Própria, 2016

De acordo com o valor de IP determinou-se o solo como uma argila


variegada de São Paulo, conforme classificação abaixo:
Tabela 3 – Classificação dos solos

Fonte: Carlos de Sousa Pinto, 2006


4. CONCLUSÃO

A partir da realização do ensaio obteve-se o limite de plasticidade de


23% teor onde se iniciam fissurações no solo pelo fato de a água inicialmente
absorvida evaporar pelo calor das mãos durante a realização do cilindro,
conferindo assim a transição entre o estado plástico e semissólido tornando-o
pouco deformável sem sua ruptura. O índice de plasticidade é um fator que
depende da quantidade e tipo de argila presente no solo. Na engenharia civil é
de suma importância sua determinação, pois a concentração de argila é
responsável pelos movimentos de retração e expansão, que se observam
quando há variação da umidade provocando fissuras, que podem gerar lesões
internas e ou superficiais e permitem a penetração de água, e a ocorrência de
patologias que consequentemente contribuem para a perda de resistência do
material e sua degradação.

Com os resultados de LP e IP pode-se classificar, segundo o Índice de


Atterberg de solos brasileiros que a amostra se enquadra como argila
variegada de São Paulo.
5. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS. Solo-Determinação do


limite de plasticidade, NBR 7180.

PINTO, C.D. Curso básico de Mecânica dos solos. São Paulo, 2006. 3ed.
Oficina de textos.

PROTERRA. Projeto XIV,6, Disponivel em:

HTTP://www.javeriana.edu.co/arquidis/depart/documents/selecciondesuelos2.p
df

Você também pode gostar