Você está na página 1de 38

Prof Maiquel Santos

Auditoria
Ambiental

Prof Maiquel Santos

HISTÓRICO

1977 – 1a auditoria abrangente nas áreas ambiental, de saúde e segurança


ocupacional.
Objetivo: verificar se os requisitos legais e os padrões exigidos pela
corporação estavam sendo cumpridos;

1978 – Allied Chemical estabeleceu um programa corporativo de auditorias


de meio ambiente, saúde e segurança ocupacional;

1980 – Problemas causados por acidentes, custos do controle de poluição e


aumento das pressões sociais com os movimentos ambientalistas –
PREVENÇÃO (Programas de prevenção) – TECNOLOGIAS LIMPAS e
segurança inerente.

1
Prof Maiquel Santos

HISTÓRICO

Programa de Atuação Responsável das indústrias químicas foi


um dos produtos dessa evolução do pensamento industrial
sobre o meio ambiente.

1986 – Environmental Protection Agency (EPA), agência ambiental


americana, lançou uma declaração de princípios da auditoria
ambiental, condicionando pedidos de licenças ambientais à realização
de auditorias;

1992 – International Organization for Standartization (ISO) anunciou,


no RJ, 1992, a decisão de desenvolver uma série de normas sobre
gestão ambiental.
ISO 14000 – Normas com diretrizes para sistemas de gestão e
auditorias.

Prof Maiquel Santos

A implementação de sistemas de gestão integrados em segurança, meio ambiente


e saúde é relativamente recente (final dos anos 80) na indústria petrolífera mundial.
Um marco histórico que culminou no desenvolvimento destes sistemas, no mundo,

foi o acidente ocorrido no Mar do Norte, em 1988, na


plataforma Piper Alpha, destruída após uma série de explosões e
incêndio, culminando com a morte de 167 pessoas.

2
Prof Maiquel Santos

Prof Maiquel Santos

3
Prof Maiquel Santos

Prof Maiquel Santos

A partir deste episódio, várias outras iniciativas de implementação de


programas de gestão integrada, ocorreram em todo o mundo, incluindo a
utilização de auditorias. Como exemplo cita-se a norma API RP-75, que trata
de um programa de gerenciamento visando à promoção de segurança e
proteção ambiental durante o desempenho das operações de petróleo e gás
fora do continente, ou seja, em instalações marítimas de produção de petróleo.

4
Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO

A auditória é um instrumento de gestão que tem o


objetivo de identificar se uma determinada organização
cumpre certos requisitos estabelecidos.

Características

1.São feitas por profissionais que conhecem o assunto a ser auditado

2. São realizadas por pessoas que não estão envolvidas na atividade auditada

3. Podem ter escopo variado, havendo necessidade de definição de sua abrangência.

4.Dela participam três personagens bem definidos: cliente, o auditado, o auditor

Prof Maiquel Santos

Auditorias Ambientais

São procedimentos que tem seu objetivo ligado às questões ambientais.

[...] um processo sistemático, objetivo e documentado, de obtenção


e avaliação de evidências ligadas a um sistema de gestão e
informações, eventos ou atividades ambientais específicas,
buscando a verificação da conformidade destes com relação a
critérios definidos a priori, e a posterior comunicação do resultado
deste processo ao cliente (Câmara Internacional do Comércio)

5
Prof Maiquel Santos

Auditorias Ambientais

São procedimentos que tem seu objetivo ligado às questões ambientais.

[...] avaliação interna efetuada por empresas ou agências governamentais


a fim de verificar sua conformidade com relação a exigências legais, assim
como com relação a suas próprias políticas e normas internas (órgão de
meio ambiente do Canadá)

[...] um processo de avaliação sistemático e documentado que visa obter e


avaliar objetivamente as evidências que determinam se as atividades
específicas, acontecimentos, condições e sistemas de gestão relativos ao
meio ambiente, ou informações sobre essas questões, estão em
conformidade com os critérios de auditória e comunicar os resultados
desse processo ao cliente (ABNT 1997, p. 2).

Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DAS AUDITORIAS


AMBIENTAIS

De acordo com:
 PARTE AUDITORA
 CRITÉRIOS DE AUDITORIA
 OBJETIVOS DA AUDITORIA AMBIENTAL

6
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM A PARTE


AUDITORA

Subdivide-se em:

 Auditoria ambiental de primeira parte (auditoria interna):

Realizada por equipe formada por membros da própria


organização auditada.

Exemplo: O cliente da auditoria é, em geral, a própria alta


administração da organização.

Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM A PARTE


AUDITORA

 Auditoria ambiental de segunda parte (auditoria externa):

Realizada por uma equipe formada por membros ou


representantes de uma parte interessada diretamente na gestão
ambiental da organização auditada e que tenha poder legal ou
de negociação para exigir a auditoria.

Exemplo: Auditorias realizadas por clientes em fornecedores

7
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM A PARTE


AUDITORA

 Auditoria ambiental de terceira parte (auditoria externa):

Realizada por uma instituição isenta que não tem interesse


direto nos impactos ambientais das atividades da organização
auditada.

Exemplo: Auditorias de certificação dos sistemas de gestão


ambiental ISO 14001.

Prof Maiquel Santos


CLASSIFICAÇÃO DAS AUDITORIAS
AMBIENTAIS

De acordo com:

 PARTE AUDITORA
 CRITÉRIOS DE AUDITORIA
 OBJETIVOS DA AUDITORIA AMBIENTAL

8
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


CRITÉRIOS DE AUDITORIA

Subdivide-se em:

 Auditoria de conformidade legal ambiental

 Auditoria de desempenho ambiental

 Auditoria de sistemas de gestão ambiental

Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


CRITÉRIOS DE AUDITORIA

 Auditoria de conformidade legal ambiental:


Os critérios da auditoria são os requisitos da legislação vigente.

 Auditoria de desempenho ambiental:

São verificados indicadores de desempenho, a serem comparados


com padrões, geralmente setoriais, ou com metas definidas

Exemplo: Auditoria de passivo ambiental, que representa de


alguma forma o mau desempenho

9
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


CRITÉRIOS DE AUDITORIA

 Auditoria de sistemas de gestão ambiental:

Avalia o cumprimento das normas, critérios e procedimentos de


gestão ambiental estabelecidos pela própria organização auditada.

Prof Maiquel Santos


CLASSIFICAÇÃO DAS AUDITORIAS
AMBIENTAIS

De acordo com:
 PARTE AUDITORA
 CRITÉRIOS DE AUDITORIA
 OBJETIVOS DA AUDITORIA AMBIENTAL

10
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


OBJETIVOS DA AUDITORIA

 Auditoria ambiental de certificação


 Auditoria ambiental de acompanhamento
 Auditoria ambiental de verificação de correções

 Auditoria ambiental de responsabilidade


 Auditoria compulsória
 Auditoria Pontual ou de Processos

Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


OBJETIVOS DA AUDITORIA

 Auditoria ambiental de certificação

Tem por objetivo produzir uma declaração ou certificado


atestando que os critérios de auditoria são cumpridos pela
organização auditada.

Exemplo:

11
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


OBJETIVOS DA AUDITORIA

 Auditoria ambiental de acompanhamento

Verifica se as condições de certificação continuam sendo


cumpridas.
 Auditoria ambiental de verificação de correções

Verifica se as não-conformidades de auditorias anteriores


foram corrigidas.

Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


OBJETIVOS DA AUDITORIA

 Auditoria ambiental de responsabilidade

Avalia o passivo ambiental das empresas, ou seja, suas


responsabilidades ambientais efetivas e potenciais.

Em geral, contabiliza-se como passivo ambiental, os


seguintes custos: multas, taxas e impostos ambientais a
serem pagos

12
Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


OBJETIVOS DA AUDITORIA

 Auditoria ambiental de sítio

Destinada a avaliar o
estágio de contaminação de
um determinado local;

 Auditoria compulsória
Visa cumprir exigência legal referente a realização de
auditoria ambiental.

Prof Maiquel Santos

CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM OS


OBJETIVOS DA AUDITORIA

 Auditoria Pontual ou de Processos:

Destinada a otimizar a gestão dos recursos, a


melhorar a eficiência do processo produtivo e,
consequentemente, minimizar a geração de resíduos,
o uso de energia ou de outros insumos.

13
Prof Maiquel Santos

AS ETAPAS DA
AUDITORIA
AMBIENTAL

Prof Maiquel Santos

PLANEJAMENTO
DA AUDITORIA

14
Prof Maiquel Santos

PLANEJAMENTO
DA AUDITORIA
 De acordo com Souza (2006) o planejamento é uma componente de qualquer ação
coletiva embasada programaticamente e voltada para a mudança social construtiva.
O autor afirma ainda “[...] diga-se de passagem, mesmo no plano puramente
individual não se vive sem algum tipo de planejamento.”

 Ainda segundo Souza (2006), quatro são os elementos fundamentais de qualquer


atividade de planejamento:

 1 – Pensamento orientado para o futuro;


 2 – Escolha entre alternativas;
 3 – Consideração de limites, restrições, potencialidades e etc.;
 4 – Possibilidade de diferentes cursos de ação.

Prof Maiquel Santos

PLANEJAMENTO DA
AUDITORIA

 De acordo com D’Avignon e Rovere (2001) o planejamento em uma auditoria


ambiental é essencial para que sejam definidos, basicamente:

 O OBJETIVO;
 O ESCOPO;
 OS CRITÉRIOS;
 OS RECURSOS NECESSÁRIOS;
 A EQUIPE TÉCNICA E;
 AS DATAS DE REALIZAÇÃO DA VISTORIA.

15
Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO DO OBJETIVO

• O objetivo deve ser claramente definido desde o início


dos trabalhos de auditoria. Define-se nesta etapa se a
auditoria pretende verificar a conformidade da
empresa para com a legislação, com sua política
ambiental, com seu sistema de gestão ambiental,
dentre outros objetivos possíveis.

Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO DO ESCOPO

• O escopo também deve ser definido de forma clara e


objetiva entre o cliente e o auditor líder. Nesta seção deve-
se levar em consideração - a localização geográfica; os
limites organizacionais (em toda empresa? Em todas as
áreas de atuação? Somente a questão ambiental?); o
objeto de auditagem (isolada ou em conjunto com outros
setores como saúde, segurança do trabalhador...?); o
período de auditagem (apenas uma visita? Uma semana?);
tema ambiental (poluição do ar? Poluição da água?
Avaliação de riscos e desastres ambientais?).

16
Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS

• Os critérios correspondem às políticas, práticas,


procedimentos ou regulamentos (legais,
organizacionais, normas) que serão utilizados pelo
auditor como referência para a coleta das evidências
da auditoria.

Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO DOS RECURSOS USADOS


NA AUDITORIA

• Devem ser fornecidos recursos humanos, físicos e


financeiros suficientes para o pleno exercício da
auditoria.

17
Prof Maiquel Santos

SELEÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES

• Delimitados o objetivo e o
escopo da auditoria é então
definida a equipe de
auditoria.
• Esta deve ser independente
e imparcial.

Prof Maiquel Santos

PREPARANDO A AUDITORIA
AMBIENTAL

18
Prof Maiquel Santos

PREPARAÇÃO DA AUDITORIA
AMBIENTAL
 Deve haver aceitação e colaboração do auditado em relação à
auditoria que estará sendo realizada.
 É importante que sejam disponibilizadas informações completas e
adequadas aos temas objeto de auditoria. Isto minimiza o tempo
necessário para a investigação, além de contribuir para a qualidade
dos resultados apresentados.
 Os auditores solicitam por meio de um questionário ou um check list
informações a respeito dos seguintes aspectos:

• Razão social, registros, licenciamentos e etc.;


• Organograma gerencial com identificação de responsabilidade;
• Planta da unidade auditada...[perfil geral da empresa].

Prof Maiquel Santos

PREPARAÇÃO DA AUDITORIA
AMBIENTAL

 A partir da análise destas primeiras informações fornecidas pelo


cliente auditado o auditor líder pode identificar a necessidade de
convocar um especialista sobre determinada área do conhecimento;
 Todos os trabalhadores da Unidade devem ter conhecimento da
auditoria (pg. 35);
 Deve ser entregue a empresa auditada uma carta confirmando a data
de aplicação da auditoria ambiental, os objetivos, o escopo e os
critérios que serão analisados durante os trabalhos (pg. 35).
 Do planejamento, seguimos para a aplicação in loco...

19
Prof Maiquel Santos

APLICAÇÃO DA AUDITORIA
NO LOCAL

Prof Maiquel Santos

APLICAÇÃO DA AUDITORIA NO LOCAL

• A duração pode variar de


acordo com:
– O tamanho da unidade
auditada;
– Tamanho e qualidade da
equipe de auditores

20
Prof Maiquel Santos

APLICAÇÃO DA AUDITORIA NO LOCAL

• O sucesso da auditoria depende da boa realização


das etapas anteriores;
• Objetivos da aplicação:
– Observar e analisar evidências de atendimento aos
critérios estabelecidos para a auditoria;
– Verificar procedimentos e atribuições
• Confirmação das não-conformidades.

Prof Maiquel Santos

ETAPAS DA APLICAÇÃO
DA AUDITORIA NO LOCAL

• Etapas:
– Apresentação;
– Compreensão da unidade e sua gestão;
– Coleta de evidências;
– Avaliação das evidências;
– Apresentação de resultados.

21
Prof Maiquel Santos

APRESENTAÇÃO DA AUDITORIA

• Reunião de abertura
– Presença do gerente, membros
da unidade;
– Presença da equipe de
auditoria;
– Expor objetivos, métodos e
critérios;
– A empresa discorre sobre como
pode auxiliar os auditores.

Prof Maiquel Santos

COMPREENSÃO DA UNIDADE E DE
SUA GESTÃO
As cinco perguntas:

QUEM?
O QUE?
QUANDO?
ONDE?
COMO?

22
Prof Maiquel Santos

COMPREENSÃO DA UNIDADE E SUA


GESTÃO

• Identificação de evidências
de conformidades ou não-
conformidades, os riscos,
atribuições de indivíduos;

Prof Maiquel Santos

COMPREENSÃO DA UNIDADE E SUA


GESTÃO

• Deve se ter uma ampla visão


das atividades desenvolvidas
e análise das informações
disponíveis (período de pré-
auditoria).

23
Prof Maiquel Santos

COMPREENSÃO DA UNIDADE E SUA


GESTÃO

• Etapas desta fase:

– Reuniões de trabalho: reunião entre auditores e membros


da empresa. Sistematização das diretrizes;
– Visita de reconhecimento
– Revisão do plano de auditoria

Prof Maiquel Santos

COLETA DE EVIDÊNCIAS

• É a maior parte do tempo de


trabalho;
• Pode ser obtida por:

– Entrevistas, observação de
práticas internas, revisão de
documentação, observação
de equipamentos, etc.

– Uso de listas de verificação e


treinamento da equipe
auditora.

24
Prof Maiquel Santos

AVALIAÇÃO DAS EVIDÊNCIAS

• Avaliação minuciosa de acordo com os critérios que


levaram os auditores à observar as evidências;
• Deve ser feita concomitantemente à coleta de
evidências, evitando perdas de tempo ou observações
tardias;
• Deve-se ao final, discutir as avaliações.

Prof Maiquel Santos

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

• Deve ser apresentado os resultados ao final do


trabalho de auditoria, em forma de reuniões,
documentos, etc.
Objetiva-se com isso:
– Demonstrar as evidências encontradas;
– Sanar dúvidas
Deve ser apresentada pelo auditor líder.

25
Prof Maiquel Santos

RELATÓRIO DE AUDITORIA
AMBIENTAL

Prof Maiquel Santos

RELATÓRIO DE AUDITORIA
AMBIENTAL
• Registra formalmente o resultado da AA;
• É o documento onde a equipe de auditores
apresenta as evidências de conformidades e não-
conformidades da empresa;
• O escopo deste deve ser coerente com o objetivo
da auditoria;
• O conteúdo e a forma serão influenciados pelo
objetivo da AA e destinatário final;
• Diferentes relatórios  diferentes fins.

26
Prof Maiquel Santos

CONTEÚDO DO RELATÓRIO

• Elementos essenciais:
– INTRODUÇÃO:
• Identificação da unidade auditada e do cliente da auditoria;
• Objetivos e escopo;
• Critério utilizados;
• Data da condução da auditoria período coberto pela auditoria;
• Identificação dos membros da equipe de auditores;
• Identificação dos membros da unidade auditada com participação mais efetiva
na auditoria (“Ecotime”);

Prof Maiquel Santos

CONTEÚDO DO RELATÓRIO

• Elementos essenciais:
– SUMÁRIO: obstáculos encontrados e evidências-chaves detectadas;
– Critérios utilizados e evidências objetivas encontradas;
– CONCLUSÃO;
– Certificação de confidencialidade; e
– Lista de distribuição do relatório.

27
Prof Maiquel Santos

CONTEÚDO DO RELATÓRIO

• ATENÇÃO: as notas do trabalho, comprovando as evidências,


devem ficar sob a guarda de um membro da equipe de AA por
um período de tempo, não inferior a 3 anos, para serem
apresentadas se solicitadas.
• ISO 14011 (documentos usados para definir o critério da AA):
– Evidências de conformidade do SGA da unidade auditada com
critérios usados da AA;
– Indicação de que o SGA está propriamente implementado e mantido;
e
– Indicação de que o processo de revisão da gestão interna é capaz de
assegurar a continuidade da adequação e efetividade do SGA.

Prof Maiquel Santos

FORMATO DO RELATÓRIO

• Clareza, objetividade, precisão e concisão;


• Formato padrão para cada cliente;
• Evitar o uso de jargões técnicos;
• Identificar as bases das não-conformidades:
– Exemplos:
• O teor de mercúrio no efluente geral da fábrica é de 0,02 mg/1 Hg
(Resolução CONAMA nº 20/86);
• Não foi apresentada documentação comprobatória do
treinamento do operador da estação de tratamento de efluentes
líquidos (Política de Meio Ambiente da empresa).

28
Prof Maiquel Santos

FORMATO DO RELATÓRIO

• ATENÇÃO:
– A parte mais densa do relatório é a descrição das
conformidades, não-conformidades e observações;
– As não-conformidades têm maior destaque nos relatórios;
– As conformidades são relatadas geralmente em
parágrafos simples, destacando de maneira geral o que
foi observado, eventualmente destacando os principais
documentos ou instalações vistoriadas;
– As não-conformidade são relatadas de uma maneira
estruturada, incluindo geralmente três itens: fato,
atribuição e explicação.

Prof Maiquel Santos

FORMATO DO RELATÓRIO

• Deve-se evitar:
– Conclusões precipitadas;
– Emitir opiniões de natureza jurídica;
– Estimar consequências;
– Generalizar;
– Usar mensagens contraditórias;
– Focar a crítica em um indivíduo;
– Usar adjetivos ou locuções adjetivas aumentativos e
superlativos.

29
Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO DE GESTÃO AMBIENTAL

“Por Gestão Ambiental entende-se o conjunto de


princípios, estratégias e diretrizes de ações e
procedimentos para proteger a integridade dos meios físico
e biótico, bem como a dos grupos sociais que deles
dependem. Esse conceito inclui, também, também, o
monitoramento e o controle de elementos essenciais à
qualidade de vida, em geral, e à salubridade humana, em
especial”.
“A Gestão Ambiental é o conjunto dos aspectos de
gerenciamento global que as empresas econômicas devem
adotar, com a função de realizar o planejamento, o
desenvolvimento, a implementação e a manutenção de
uma política ambiental em sintonia com o desenvolvimento
sustentável.”

Prof Maiquel Santos

DEFINIÇÃO DE AUDITORIA
AMBIENTAL
Auditoria ambiental é o processo sistemático e
documentado de verificação, executado para
obter e avaliar, de forma objetiva, evidências de
auditoria para determinar se as atividades,
eventos, sistema de gestão e condições
ambientais especificados ou as informações
relacionadas a estes estão em conformidade
com os critérios de auditoria, e para
comunicar os resultados deste processo ao
cliente. [NBR ISO 14010 (ABNT 1996c)]

30
Prof Maiquel Santos

AUDITORIA AMBIENTAL COMO UM


INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL

Prof Maiquel Santos

AUDITORIA AMBIENTAL COMO UM


INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL

• As auditorias ambientais são utensílios da


gestão ambiental e contribuem para o bom
funcionamento do SGA, e quando utilizadas
adequadamente permitem:
Reduzir as repercussões sobre o ambiente,
Melhorar a imagem da empresa perante o
exterior,
Cumprir a legislação ambiental,

31
Prof Maiquel Santos

AUDITORIA AMBIENTAL COMO UM


INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL

• O sistema de gestão ambiental está


intimamente ligado à auditoria ambiental. O
SGA depende da auditoria para poder evoluir
na perspectiva de melhoria contínua. Ao se
implementar um sistema de gestão ambiental,
automaticamente implementa-se a auditoria
ambiental periódica. Assim, é necessário o
conhecimento da auditoria ambiental como
instrumento de gestão ambiental que irá
“pilotar” o SGA.

Prof Maiquel Santos

DINÂMICA

32
Prof Maiquel Santos

Considerando a visão sistemática da


Auditoria Ambiental, o que realmente
pode ser avaliado em uma empresa?

RESPOSTA
O processo de auditagem ambiental em uma
empresa avalia a eficácia das ações de controle
aferindo a qualidade final do processo de
controle ambiental e gestão ambiental.

Prof Maiquel Santos


O Brasil dispõe de algum instrumento legal
que obriga a aplicação de auditorias
ambientais em empresas que desenvolvem
atividades potencialmente poluidoras?
Comentário: A referida Lei dispõe sobre a prevenção, o
controle e a fiscalização da poluição causada por lançamento
de óleo e outras substâncias nocivas ou perigosas em águas
RESPOSTA
sob jurisdição nacional, e o art. 9o dispõe que: As entidades
exploradoras de portos organizados e instalações portuárias
eSim. No Brasil vigora
os proprietários desde 2002,
ou operadores de aplataformas
Resolução edosuas
CONAMA nº. 306 e a Resolução CONAMA
instalações de apoio deverão realizar auditorias ambientais
complementar) nº. 381/06,
bienais, independentes, com oatravés das
objetivo de quais
avaliarsão
os sistemas
estabelecidos
de gestão e controle ambiental em suas unidades. de
os requisitos mínimos e o termo
referência para realização de auditorias ambientais. A
referida Resolução regulamentou o artigo 9º da Lei Federal
nº 9.966 de abril de 2000, que proíbe o lançamento de
resíduos oleosos em águas jurisdicionais brasileiras.

33
Prof Maiquel Santos
Qual o objetivo das Resoluções
(306/02 e 381/06), em relação à
Auditoria Ambiental e a Gestão
Ambiental?

RESPOSTA
 O objetivo desta resolução é o de elencar
procedimentos de avaliação da auditagem dos
sistemas de gestão e controle ambiental nos portos
organizados e instalações portuárias, plataformas e
suas instalações de apoio e refinarias, sendo o
principal instrumento de avaliação do cumprimento
da legislação ambiental vigente e do licenciamento
ambiental das atividades acima listadas.

Prof Maiquel Santos


Considerando que as Resoluções (306/02 e
381/06), são instrumentos que se coadunam
com a Lei nº. 6.938/81 (Política Nacional de
Meio Ambiente), as auditorias são realizadas
pelo Estado?

RESPOSTA
 Não. AsDe acordo com o auditores
auditorias, art. 7º. da Resolução
e plano o derelatório
ação desão de
auditoria ambiental
responsabilidade e o plano responsável
do empreendedor de ação deverão
pela ser
atividade
(portosapresentados,
organizados ea instalações
cada dois anos, ao órgão ambiental e suas
portuárias, plataformas
instalações de apoio
competente, para e refinarias).
incorporaçãoEntretanto,
ao processoas auditorias
de
podem licenciamento
ser exigidas eambiental
os resultados
da instalação auditada. podem e
finais (relatórios)
devem ser analisados pelos órgãos ambientais. Caso o órgão
ambiental verifique incoerências entre o relatório da auditoria e
a realidade do funcionamento a equipe responsável pela
auditória poderá responder por omissão e etc.

34
Prof Maiquel Santos
Quais as maiores evidencias de não
conformidades resultantes de relatórios
de auditórias realizadas em portos
brasileiros e instalações portuárias?

RESPOSTA
 Os maiores problemas são:
 A inexistência de: licenças de operação (LO) e do
Licenciamento de dragagem;
 Ausências de: unidades de gestão ambiental; Planos de
emergências individuais (PEI); Planos de gerenciamento de
resíduos sólidos (PGRS); Auditorias ambientais; Programas
de gerenciamento de riscos; Planos de controle de
emergência (PCE); Programas de Prevenção de Riscos
Ambientais (PPRA - obrigatório pela NR nº 9) e Controle e
monitoramento ambiental.

Prof Maiquel Santos


Qual a diferença entre:
-Perito Ambiental
-Auditor Ambiental
-Gestor ambiental

RESPOSTA

 O Perito ambiental busca responder questionamentos feitos por um juiz a


respeito de um assunto, ou seja, o juiz não tem conhecimento técnico para
solucionar a culpa pela ocorrência de um dano ambiental e por isso chama
um perito para responder suas perguntas;
 O Auditor ambiental busca NÃO CONFORMIDADES.. ele pega uma
norma padrão e vai em busca de ocorrências que estão em desacordo com o
estabelecido na norma, tirando fotos, registrando, enfim.. No entanto, há
todo um "ritual" que deve-se seguir na realização de uma auditoria;
 Já a gestão ambiental é algo mais amplo... O Gestor ambiental trabalha de
forma geral, com conhecimento para atuar em vários campos, desde
elaboração de projetos ambientais até operação de sistemas de gestão
ambiental.

35
Prof Maiquel Santos

Quem pode fazer


auditoria ambiental?

RESPOSTA
 Ela pode ser realizada internamente por funcionários da
empresa em causa, ou por peritos independentes.
Também pode acontecer em muitos níveis diferentes,
por exemplo, na indústria, municípios e governos, e em
um nível menos formal, nos lares e escolas. Uma
auditoria pode conduzir a alterações simples, como uma
escola adota um programa de reciclagem, ou por
mudanças mais complexas, como a indústria
introduzindo práticas de poupança de água

Prof Maiquel Santos

Como caracteriza-se uma


Auditoria Ambiental
Compulsória?

RESPOSTA
 A auditoria ambiental compulsória é uma atividade de
política ambiental e enquadra-se na categoria de
auditoria pública utilizada como instrumento de ações de
controle pelo poder público. Uma de suas principais
características é a imposição da sua execução,
independente da vontade da unidade auditada. Ademais,
destaca-se que as diretrizes e a sua obrigatoriedade são
determinadas por lei.

36
Prof Maiquel Santos

CONCLUSÃO

• As auditorias ambientais se destinam não apenas a


avaliar a conformidade, mas, principalmente, auxiliar no
processo de melhoria do programa de controle
ambiental a atuar como ferramenta de prevenção
ambiental. Esta ferramenta quando utilizada auxilia na
investigação sistemática de problemas ambientais, no
atendimento das conformidades legais, na redução de
custos ambientais e como instrumento de gestão
ambiental.

Prof Maiquel Santos

CONCLUSÃO

• Através da auditoria ambiental é possível anteceder os


possíveis danos ambientais. A auditoria é um
diagnóstico ambiental que identifica os pontos fortes,
fracos e os limites da atividade relacionados ao meio
ambiente, além de contribuir no processo de melhoria
contínua da atividade.

37
Prof Maiquel Santos

38