Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS


TA-521

Modificadores Metabólicos

Bianca Bassinello Burghi RA 116247


Bruna Penteado Delboni RA 093482
Carla Vecenâncio da Silva RA 116401
Carolina Amoroso Melo RA 122034
Carolina Strauss RA 116444

Campinas
02/05/2013
Introdução

Modificadores metabólicos são usados geralmente na produção de alimentos


de origem animal para melhorar a eficiência da produção de carnes e/ou para
melhorar a composição do produto final. Os principais componentes utilizados
incluem hormônios esteroides, largamente usados em gado e ovelhas, e
bloqueadores beta-adrenérgicos, adicionados à alimentação do gado e suínos em
alguns países. A utilização desses componentes pode melhorar a eficiência em até
40% sem efeitos nocivos aos animais. A palatibilidade do produto final geralmente
não é afetada, mas a redução da palatibilidade, primeiramente através da redução
da maciez, foi observada em alguns estudos.

Efeitos gerais dos Modificadores Metabólicos

Implantes de esteroides são usados em praticamente todos os bovinos de


corte nos Estados Unidos e são comumente usados em muitos outros países. Em
geral, os implantes aumentam o consumo a ração e a deposição de proteína
muscular esquelética, aumentando a eficiência da produção e maior quantidade de
massa magra. Esteroides têm efeitos mínimos sobre o conteúdo total de gordura na
carcaça, mas pode ter alguns efeitos específicos de deposição de gordura. A
densidade do osso e sua espessura podem ser aumentadas por implantes de
esteroides e o comprimento dos ossos longos pode ser aumentado ou diminuído,
dependendo da dosagem do esteroide e da idade do animal exposto.
Vários compostos têm sido aprovados para utilização como implantes e
dosagens diferentes estão disponíveis para cada um destes compostos. A eficiência
pode variar de um aprimoramento do crescimento modesto, com efeitos mínimos
no grau de qualidade, a um grande aumento de crescimento e eficiência, muitas
vezes com uma redução dramática no grau de qualidade (Figura 1). O uso típico de
implantes irá aumentar o ganho de peso diário médio ganho (GPD, avarage daily
gain) em cerca de 18%, melhorar a eficiência da conversão alimentar (C/G) em
aproximadamente 12%, e aumentar o peso da carcaça de 9-27 kg, dependendo do
comprimento de o período de alimentação.
Os hormônios esteroides não são usados na produção de alimentos na União
Europeia (UE), e a importação de carne de animais que tenham recebido entes
produtos é proibida em países da UE. BAAs não são tão amplamente aprovados
como esteroides. Efeitos típicos de BAAs em animais para a produção de alimentos
são apresentados na Tabela 1.
Esteroides humanos na produção de alimentos

Classificação dos compostos

Compostos esteroides utilizados na produção de alimentos de origem animal


incluem androgênios, estrogênios e progesterona. Compostos comumente utilizados
podem ser classificados como naturais ou sintéticos, tal como descrito abaixo.

• Os estrogénios
Que ocorre naturalmente: estradiol
Sintética: zeranol

• Androgênios
Que ocorrem naturalmente: testosterona
Sintética: trembolona

• Progestins
Que ocorrem naturalmente: progesterona
Sintético: acetato de melengestrol

O estradiol pode ser apresentado como E2 ou como benzoato de estradiol,


que é aproximadamente 71% em peso de estradiol. Trembolona (TBOH) é fabricada
em acetato de trembolona (TBA), o qual é aproximadamente 80% em peso de
trembolona. A testosterona é fabricada como propionato de testosterona.
O estradiol é mais anabólico do que o zeranol, o que significa que uma dose
de estradiol vai estimular o crescimento de mais do que a mesma quantidade de
zeranol. Devido a isto, os produtos que contêm zeranol possuem mais composto do
que os produtos contendo estradiol. Estradiol é também mais estrogênica do que o
zeranol. Trembolona é muito mais anabólica do que a testosterona e apenas
ligeiramente mais que a androgênio. Alguns produtos para bezerras contêm
testosterona, mas não é prático produzir um produto para bezerros com
testosterona o suficiente para ser economicamente favorável para o produtor, logo
TBA é o androgênio mais significativo na produção animal. Uma diferença
significativa entre trembolona e testosterona é que trembolona não pode ser
aromatizado (convertido em estradiol).

Entrega para tipos de células alvo

A maioria dos esteroides é administrada como implantes subcutâneos,


localizados no terço meio da orelha. Produtos de implante são ou pelotas
compressas, com uma alta concentração de compostos e de uma pequena porção
de ingredientes inertes, tais como lactose ou colesterol, ou hastes silásticos
impregnado com o estradiol. Implantes estrogênicos variam em dosagem de 10-72
mg, TBA contendo produtos variam entre 40 a 200 mg. Muitos produtos contem um
androgênio e um estrogênio. Acetato de melengestrol (MGA) é um aditivo
oralmente ativo. A dosagem de MGA está numa gama a partir de 0,20-0,50
mg/hd/d.
Dissolução do implante da pelota compressada é uma função de primeira
ordem, com payout (liberação de composto do implante), diminuindo à medida que
o tamanho físico do implante diminui. Estes produtos se dissolvem completamente
ao longo do tempo, normalmente no intervalo de 100-150 dias. Pagamento de
produtos silásticos se aproxima da ordem zero com produtos projetados para pagar
cerca de 100, 200 ou 400 dias, dependendo do produto escolhido. O silastic não se
dissolve e permanece na orelha indefinidamente. Depois do implante, o produto
entra em circulação local em torno do local do implante. Componentes orgânicos,
tais como o ácido benzóico em benzoato de estradiol são clivados assim que o
produto entra na corrente sanguínea. O esteroide insolúvel liga-se reversivelmente
a um portador especifico de proteinas (globulinas de ligação ao esteroide) para
entrega aos tipos de celulas-alvo.
As concentrações plasmáticas de esteroide exógeno se parecem com os
dados idealizados na Figura 2. Há uma libertação bifásica do composto a partir do
produto que resulta em níveis plasmáticos elevados de 24-48 h após a implantação,
seguido de um lento declínio na concentração durante a vida útil remanescente do
implante, geralmente de 50 a 150 dias. A elevada concentração inicial do composto
no sangue pode ser devida a vários fatores: o insulto físico do implante faz com que
um aumento de sangue flua para o local do implante, o produto pode ter algum
composto aderente que se dissolve rapidamente, e o animal provavelmente tem
uma capacidade limitada para limpar o composto a partir da corrente sanguínea.
Após este primeiro período, o composto é absorvido de acordo com a as
características físicas do implante e do volume de sangue entre outras
características do animal. Os níveis de hormonios que esta circulando no sangue irá
diminuir ao longo do tempo à medida que o implante se esgota. Esta redução na
circulação dos hormonios acompanha uma redução no crescimento dos estímulos,
sugerindo um nível de limiar de circulação de esteroides necessários para manter o
desempenho máximo.
Se o TBA é implantado em conjunto com o E2, os níveis de E2 circulante
pode ser mantida durante cerca de 100 dias, no entanto, o implante com apenas E2
resultou em níveis basais E2 após os 60 dias pós-implantação. Uma vez que o E2
entra na circulação ele é rapidamente eliminado. Afigura-se que E2 tem uma meia-
vida relativamente curta em circulação. E2 infundido tem uma meia-vida decerca
de 8-42 min. Alta circulação E2 seguinto a implantação é provavelmente o
resultado de uma elevada taxa de libertação transiente a partir do implante, em
vez de uma lenta taxa de remoção do plasma. No entanto, o animal pode
compensar o aumento da exposição E2. Aumentando a dose de E2 não teve efeito
significativo sobre a circulação E2 em novilhas implantadas com tanto um ou dois
E2 implantes, indicando que o nivel de remoção foi alterado.
O padrão de circulação TBOH é similar ao do E2. A administração de um
único implante TBA (300 mg), resultou em um elevado plamsa TBOH (entre 900 pg
ml-1) em novilhas(heifers) no dia após o implante. Os níveis circulantes então
diminuíram gradualmente a 400 pg ml-1 no dia 90 pós-implantação. Em touros, as
concentrações circulantes de TBOH aumentaram para cerca de 1000 pg ml-1, e
foram mantidos a esse nível até à 8ª semana e, em seguida, começou a declinar
até a 11ª semana, quando houve a reinplantação nos touros novamente e a
circulação TBOH voltou a subir.
As concentrações circulantes de TBOH são afetadas pela presença de outros
esteroides. Níveis circulantes TBOH de TBA + E2 em novilhos implantados foram
duas vezes mais alta do que aqueles em novilhos implantados apenas com TBA.
Adicionalmente, níveis séricos TBOH demonstraram ser superiores, especialmente
nos primeiros dias após implantação, em novilhos implantados alimentados MGA
comparados com novilhos implantados não alimentados MGA. Diferenças aparentes
dos níveis circulantes de TBOH na presença de outros esteroides podem ser devido
a E2 ou MGA competindo com hepático metabolismo TBOH. Além disso, foi sugerido
que a meia-vida de um esteroide é muitas vezes influenciada pela administração
simultânea de outro esteroide. Finalmente, o sinergismo entre TBOH
e E2 mais provável é mais importante do que as individuais concentrações
hormonais séricas.
Concentrações hormonais circulantes não são válidas para a avaliação da
duração do implante de pagamento do produto e tais valores são muitas vezes mal
interpretados. O nível de circulação é uma função da diferença entre duas taxas - a
taxa na qual o composto entra na corrente sanguines do animal, e a taxa à qual ele
é eliminado pelo fígado ou rins - em vez de simplesmente do pagamento a partir do
implante. O efeito mínimo da concentração não é conhecido para todos os tipos de
animais e situações produzidas, de modo que a avaliação da concentração no
sangue não fornece informações suficientes para avaliar a função do implante. O
desempenho não é altamente correlacionado com a concentração de esteroides
circulantes. A correlação entre o ganho de peso e concentração sérica TBOH tem
sido relatada para nao ser superior a 0,29. Outros estudos têm relatado pouca ou
nenhuma relação entre níveis de esteroides circulantes hormonais e a taxa e a
eficiência do ganho de animais tratados com hormônios esteroides. Em crescentes
touros, que circulam concentração esteroide, teve pouca correlação com a taxa de
crescimento. Receptores de estrógenos, andrógenos e progestágenos situam-se na
maioria dos tipos de celulas, mas em vastamente diferentes proporções. A
concentração e a afinidade de ligação destes receptores afetam a capacidade
doesteroides para induzir uma resposta a este tipo de células.

Ação Genômicas dos Esteroides

Proteínas receptoras de hormônios esteroides atuam como transcrição de


fatores. Esses receptores reconhecem específicas proteínas que atuam na
sequência de DNA, referentes aos hormônios de resposta em genes alvo. Os genes
ficam localizados a cinco polegadas do hormônio promotor responsável. Um
esquema geral de ação de esteroide genômica clássica segue as condições abaixo:

1- Hormônios esteroides, lipofílico, entram em uma célula alvo por difusão simples.
2- Receptores são frequentemente associados com outras proteínas citosólicas,
tais como suas acompanhantes e de choques de calor, que ajudam na
estabilização dos receptores.
3- Uma vez que o esteroide se liga ao receptor, este choque térmico faz com que
as proteínas se dissociem.
4- Essa transformação resulta em um aumento de afinidade do receptor para o
HRE.
5- Alguns receptores são encontrados no citoplasma e translocam-se para o
núcleo após a ligação do ligamento (glucocorticóide e receptores de
mineralocorticóides), enquanto outros, como andrógenos estrogênio e
receptores de progesterona estão localizados na região nuclear.
6- Após a ligação ao ligamento, o receptor ligante complexo se liga a sequência de
DNA palindrómica às regiões promotoras dos hormônios de respostas dos genes.
7- A ligação do receptor do ligando para o HRE-ativado em genes sensíveis a
hormônios e também iniciados causam regulação positivos de transcrição ou
pode causar também uma regulação negativa de transcrição.

Ações Não Genômicas dos Esteroides

A sequência acima é frequentemente referida como ação genômica dos


esteroides, devido ao fato da transcrição do gene ser regulada muito a cima ou
muito abaixo, como resultado da ação de hormônios. Esse processo pode levar
várias horas após a primeira exposição aos esteroides.
Ultimamente, mecanismos não genômicos dos hormônios esteroides tem
sido estudados profundamente. A ação dos esteroides não genômicos é uma
resposta intracelular rápida causada por esteroides, que é inconsistente ao modelo
de genoma clássico. Essas alterações podem ocorrer dentro de segundos ou
minutos após a administração dos esteroides e são insensíveis a inibidores da
transcrição e tradução, o que sugere que esta via de sinalização pode envolver uma
cascata de mensagens clássica, como fotolipase C, acampamento / cGMP mudanças,
proteína quinase C, etc. Os efeitos dos não genômicos podem ser mediados por
outro tipo de receptor diferente do receptor de esteroide , desde que as moléculas
anti-esteroides, tais como o RU 486,um potente anti-glicocorticóides e anti-
progesterona, não bloquei esses efeitos não genômicos.

Excreção de esteroides

Quando os implantes são administrados em locais aprovados (subcutânea,


no terço médio da orelha), o risco de níveis detectáveis de resíduos que podem ser
prejudiciais a saúde humana é negligenciável. Os níveis circulantes de esteroides
em ruminantes implantados são influenciados pela liberação de taxa de esteroides a
partir do implante e a taxa metabólica de depuração de esteroides no corpo de
animais. Metabolismo de ambos os estrogénios e androgénios ocorre no fígado
através de uma série de hidroxilação e etapas de redução. O fígado é também o
lugar de conjugação de esteroides. Uma vez conjugado, os metabólitos são solúveis
em água e podem ser excretados através dos rins e eliminados do corpo através da
urina. Em ruminantes, parece que uma quantidade significativa (45%) de
esteroides, especificamente dietilestilbestrol, podendo ser eliminado através das
fezes. Uma vez liberado do implante, hormônios esteroides tem uma meia-vida
curta em circulação. Após administração de uma dose intravenoso de E2 nos bois,
as meias-vidas estimadas foram de 1 e 20 minutos na administração rápido e
lenta, respectivamente. Estes dados sugerem que os esteroides, especificamente
E2, são metabolizados muito rapidamente, uma vez que foram liberados do
implante.

Efeitos dos esteroides em animais produtores de alimentos

Implantes de esteroides influenciam o crescimento através de dois


mecanismos gerais: efeitos sobre o consumo de ração e efeitos sobre o crescimento
de tecido não especificamente relacionadas com a ingestão de nutrientes. Em
bovinos em crescimento, estrogênicos implantes aumentam o consumo de ração
em 6-8%. A estimulação do consumo de alimentos é dependente da dose, continua
para a vida eficaz do implante, e tem sido observada dentro de 24 horas de
implantação. A contagem para o aumento da quantidade de calorias ingeridas é
feita para cerca de metade do aumento do crescimento quando os implantes
estrogênicos são usados. Estudos de titulação de dose TBA indicam que o TBA
provoca uma redução de 1-2% no consumo de ração em confinamento de gado.
Quando os estrogénios e os TBA são usados em combinação, o consumo de
alimentos aumenta. Estudos de pastagens não foram concebidos para testar os
efeitos dos implantes sobre o consumo de forragem ou capacidade de carga de
pastagens.

Efeitos de esteroides nos músculos esqueléticos

O tecido muscular contém receptor tanto de androgênio quanto de


estrógeno, mas a concentração desses receptores nos músculos é às vezes 1000
vezes menor do que em tecidos reprodutivos.
Contudo, o receptor para androgênio no musculo esquelético e na próstata é
idêntico. Receptores de androgênio em tecidos musculares foram caracterizados em
várias espécies incluindo ratos, porcos, ovinos e humanos.
Similarmente, receptores de estrogênio em tecidos musculares também foram
caracterizados em ratos e bovinos. O nível de esteroides circulantes foi reportado
como sendo importante para determinar a quantidade de receptores de esteroides
desocupados. Em ovelhas, a implantação de TBA pareceu reduzir a quantidade de
androgênio detectável quando comparado com ovelhas que não tiveram essa
implantação. A implantação de TBA reduziu a afinidade e ligação de receptores
citosólicos de androgênio. A implantação em bezerros de TBA+E2 reduziu o numero
de receptores de estrogênios aproximadamente em 83% quando comparado com
bezerros sem essa mesma implantação.
A regulação positive ou negativa de receptores de esteroides deve ocorrer
via transcrição de genes.
A retirada de androgênio, por castração em 4 dias resultou em um aumento
de 1,5 a 3,0 vezes em receptores de androgênio no mRNA na próstata do rato.
Injeções de testosterona propianato em ratos, 24 horas antes da remoção de tecido
reduziram os receptores de androgênio no mRNA ao nível de ratos machos inteiros.
Esteroides tem efeitos diretos e indiretos no crescimento muscular. No caso de
estrogênios, os efeitos diretos são ditos secundários ou indiretos mediados por
mudanças m outros perfis hormonais. O efeito primário dês estrogênios é através
de um eixo somatotrófico. Estrogênios aumentam ate o pituitário tamanho e
aumenta a proporção de domatoroficos nos pituitários. Os pituitários são mais
responsáveis por liberar somatotropina.
A produção de insulina é aumentada e tanto ela quanto a somatotropina tem
suas características alteradas. Essas mudanças trabalham juntas para produzir
mais esteroides circulantes, um padrão de liberação padrão e um músculo mais
responsivo resultando em estímulos para o crescimento do músculo.
O aumento de esteroides não explica todos os efeitos do estradiol. Os
esteroides exógenos também pareceram aumentar o crescimento de estradiol
implantado do gado, e estradiol e SRF também afetam a circulação de metabolitos
e fatores de crescimento. Efeitos do estradiol e esteroides são quase aditivos
quando energia de consumo é restrita ao nível do gado sem implante de estradiol.
Outros hormônios como insulina e hormônios da tireoide também são alterados,
suportando o crescimento muscular. Os efeitos diretos de androgênios são
significativos. Trembolona trabalha diretamente na célula muscular para estimular a
síntese e a deposição de proteínas.
O gene específico que responde a trembolona não foi totalmente
caracterizado. Androgênios têm efeitos indiretos também, primeiramente através
de glucocorticoides alterados. O cortisol circulante é reduzido em novilhos com TBA
implantado, e tanto a ligação de cortisol quanto a resposta ao hormônio
adrenocorticotrófico diminuem. Androgênios também produzem um perfil de
esteroides modificado (mais alto, com picos e vales mais baixos mais frequentes).
Essas mudanças fazem o perfil de hormônio circulante em novilhos com TBA
implantado mais parecido com a de touros, e o resultado é o aumento da deposição
de músculo.

Os efeitos listados podem ser observados dentro de dias após a implantação.


Os primeiros estímulos ao crescimento dos músculos são hipertróficos na natureza,
o que foi mostrado no DNA/proteínas. (figura 3). Exposição prolongada (semanas)
a implantes de estrogênios / androgenios produz hiperplasia também. Nesse caso,
a quantidade de proteína muscular aumenta, mas a relação DNA/proteína foi
observada, indicando que a proliferação de células satélite resulta na quantidade de
DNA no músculo. Estudos de cultura de células mostraram que a atividade mitótica
em soros de novilho com implante cresceu, dando apoio a ideia que implantes
inicialmente aumentam a hipertrofia e depois aumentam a hiperplasia para
suportar a massa muscular.
Os implantes de TBA+E2 aumentam as proteínas na carcaça em
aproximadamente 10% quando comparado a novilhos sem implante. Muito desse
aumento ocorre nos primeiros 40 dias depois da implantação (figura 4). Aumentos
na circulação e produção de IGF-I foram reportados durante esse período de rápido
crescimento do musculo em novilhos com esse tipo de implante.
Porque o IGF-I é conhecido como um estimulador da proliferação e
diferenciação de células satélite, IGF-I produzidos localmente poderiam agir
autocrina e/ou paracrinamente nos mecanismos para promover a proliferação e
diferenciação do músculo (células satélites), aumentando assim a hipertrofia do
músculo. Na verdade, células satélite isoladas de músculos semi-membranosos de
novilhos com TBA+E2 implantados, após 35 dias exibiram um atraso menos e
começaram a se proliferar antes quando colocados em cultura do que células de
novilho sem implante.

Efeitos dos esteroides sobre o tecido adiposo

Os hormônios esteroides não produzem efeitos significativos diretos sobre o


tecido adiposo. Os receptores de estrogênio estão presentes em baixas
concentrações no tecido adiposo, entretanto a presença de receptores de
andrógenos não foi evidenciada até hoje. Os efeitos indiretos são provavelmente
devido à alteração ST, e aumento do consumo de energia, o que aumenta a
deposição de gordura. O efeito significativo é que a taxa de deposição de gordura
em animais produtores de alimentos não é fortemente alterada por esteroides
exógenos. As carcaças podem ser mais enxutas no momento do abate, mas isso é
devido ao aumento da quantidade (e concentração) do músculo, não diminuiu a
quantidade de gordura.
Pode haver alguma especificidade no deposito de gordura, uma vez que
muitos estudos demonstraram uma redução de gordura intramuscular (marmoreio)
em bovinos implantados, especialmente nos machos. Isso pode ser um verdadeiro
efeito dos esteroides, mas também pode ser um artefato. Muitos estudos abateram
gados que foram implantados e não implantados no mesmo período e em pontos
semelhantes. Nestes estudos, a composição química geralmente difere entre os
tratamentos, assim seria esperado que também houvesse uma diferença no
marmoreio da carne. Os pesquisadores que escolheram end points (peso de abate
do gado) e não tempo observaram menor redução da marmorização.

Efeitos dos esteroides no crescimento do osso

Esteroides sexuais são de vital importância no controle esquelético de


crescimento. Níveis adultos de esteroides sexuais são necessários para um estirão
(velocidade) tanto para os machos quanto para as fêmeas. A exposição prolongada
a estes níveis adultos de esteroides resulta no fechamento da placa epifisária do
crescimento (cessação). Assim, os esteroides podem ser positivos (velocidade) ou
negativos (ausência) para o crescimento dos ossos. Como uma questão prática em
criação animal, os efeitos de implantes sobre o crescimento ósseo são modestos.
Um trabalho limitado mostrou que o crescimento de ossos longos de fêmeas pode
ser aumentado através de estradiol exógeno, tanto durante o desmame ou pós-
desmama. Teoricamente, o excesso dos níveis de esteroides poderia limitar o
crescimento ósseo, acelerando o fechamento da placa de crescimento, mas não há
nenhuma pesquisa para provar que isso tenha ocorrido e para isso é necessário
níveis de esteroides maiores do que os utilizados na produção agropecuária.
Esteroides exógenos parecem ter pouco efeito sobre o crescimento ósseo de
novilhos.

Acetato de melengestrol (MGA)

MGA suprime o cio no ciclo das fêmeas, resultando na mudança de


comportamento, favorável para o desempenho animal. Além disso, MGA induz o
estado hiperestrogênico no ovário estático, que de alguma maneira imita o uso de
um implante estrogênico. Alguns estudos têm mostrado implantes estrogênicos e
MGA possuem efeitos aditivos, mas outros estudos não confirmam. Diferenças
nestes resultados podem ser baseadas em dosagem característica do animal, como
a maturidade, ou potencial genético para crescimento. Os efeitos do MGA são
cumulativos com os de TBA, MGA e parece atenuar os efeitos negativos da TBA em
marmoreio em algumas situações de produção.

Considerações práticas do uso de esteroides

Pelo fato da dosagem e duração de produtos de implantes não serem ideais


para algumas situações de produção, o gado pode ser implantado mais do que uma
vez durante o período de alimentação. O uso desses programas de reimplante
melhora o desempenho em relação ao uso de um único implante, mas pode reduzir
ainda mais o grau de qualidade. Os implantes podem aumentar sexual ou
agressivamente o comportamento dos bovinos confinados. Para montar
corretamente programas de implante, a dosagem, a duração e os resultados
desejados da situação de produção devem ser considerados. MGA também podem
ser específicos de cada situação, porque se pensa que um ovário maduro é o
principal alvo no tecido de novilhos, então, gados jovens ou bezerros estéreis
podem não responder ao procedimento.
Como os implantes são administrados em um procedimento cirúrgico não
esterilizado, realizado sob condições de campo, inflamação do local do implante é
comum. Mesmo pessoas qualificadas, utilizando excelente técnica e saneamento vai
observar abscessos em 3-5% nos locais de implante. Aproximadamente 1% dos
implantes são expelidos devido pressão do abcesso. Técnica adequada e
saneamento podem minimizar estes problemas, mas existe um risco de infecção
após o implante, independentemente do saneamento. Alguns implantes estão
disponíveis com concentração de tartarato de tilosina, adicionado como agente
antibacteriana para minimizar infecções no local do implante.

Agonistas Beta-adrenérgicos em animais de produção

Agonistas beta-adrenérgicos são compostos feniletanolamina aprovados para


utilização na produção de alimentos de origem animal em vários países. Nos
Estados Unidos, a ractopamina cloridrato (um indutor de crescimento utilizado na
alimentação dos animais) é utilizada na produção de suínos e foi aprovado,
recentemente, para o gado. Estes compostos são ativos por via oral e podem ser
incluídos na dieta, em contraste com os hormônios esteróides, que têm atividade
oral mínima.
BAAs podem ser geralmente classificados como B1 e B2, na base, devido
sua afinidade para o receptor. Ractopamina é uma b1-agonistas seletiva, enquanto
outros compostos amplamente estudados são B2-agonistas. BAAs são
administrados como aditivos alimentares, dosado em ppm. Tipicamente, BAAs são
administradas para os animais consumirem uma dieta de alta energia (fase de
acabamento). BAAs são usados entre as 4 e 8 semanas finais de produção.
Zilpaterol é tipicamente retirada por poucos dias antes do abate, enquanto
ractopamina não requer a retirada.
BAAs podem ser utilizadas para melhorar o desempenho de vida e a
magreza da carcaça de bovinos, ovinos, suínos ou de aves. Estes têm respostas
diferentes para diferentes espécies para os vários compostos (Tabela 1) e em
ambos, a dosagem e a duração do tratamento afetam a resposta. Em ruminantes,
os efeitos de b2-agonistas no ganho de peso e a na conversão alimentar são
eficientes e podem ser tão desejáveis quanto os efeitos do esteróides implantados.
B1-agonistas têm efeitos ligeiramente menores sobre o desempenho de ruminantes.
Ambas as classes de compostos têm grandes efeitos sobre a magreza da carcaça e
musculosidade em gado.

Mecanismo de Ação BAA

A utilização de BAAs aumenta a carcaça magra do animal aumentando a


quantidade de massa muscular e diminuindo a quantidade de gordura. Esses
compostos são frequentemente chamados de agentes divisores porque eles
aparecem para desviar energia da dieta de deposição de gordura para músculo de
deposição. Algumas evidências sugerem que os resultados de BAAs em não
ruminantes gera mobilização da energia já armazenada como gordura para ser
utilizada no crescimento muscular. Neste caso, eles podem ser chamados de
agentes de reparticionamento. Porque os efeitos de BAAs são realizados sob
administração de períodos tão breves quanto 21 dias, fica evidente que durante o
período de administração BAAs podem dramaticamente aumentar a deposição de
proteína e causar na deposição de gordura líquida o cessamento ou tornar-las
negativas.
BAAs afetam diretamente tanto o tecido adiposo quanto o esquelético do
tecido muscular. No entanto, estudos in vitro não produziram evidências sugerindo
uma ligação direta. Ações da BAA são mediadas por uma classe de abrangência de
membrana de receptores chamados receptores beta-adrenérgicos (b-AR), dos quais
existem três subtipos: b1-AR, AR de b2 e b3-AR. Estes receptores funcionam por
ligação às proteínas Gs. Após o acoplamento a proteínas Gs, adenyl ciclase é
ativada, que converte ATP para o acampamento. AMP cíclico por sua vez regula a
atividade da proteína quinase A.
No tecido adiposo, ativação da b-AR e a consequente sinalização em cascata
intracelular resulta na ativação do hormônio-sensível lipase, que facilita a lipólise.
Além disso, a ativação do receptor tem efeitos inibitórios sobre as enzimas
responsáveis por de novo síntese de ácidos graxos e triglicérides. Especificamente,
várias etapas chaves na conversão de glicose em triglicerídeos são inibidas por
ativação de b-AR. O resultado é que este substrato de energia pode ser repartido
para outros tecidos, como no músculo esquelético.
No músculo esquelético, b2-agonistas aumentam a massa no músculo,
aumentando a síntese proteica e diminuindo degradação de proteínas, que
aumentam de b1-agonistas síntese, mas não afetam a degradação (tabela 2).
Esta é uma diferença fundamental no mecanismo de ação que poderiam afetar
processos de post-mortem e de ternura também. A b1-agonista ractopamina
mostrou aumentar a abundância de mRNAs específicos do músculo esquelética em
experimentos in vivo e in vitro. Estas mudanças na hipertrofia muscular ocorrem
não alterando o conteúdo de DNA do músculo, o que implica que as células satélite
de músculo não são ativadas para fundir a fibra existente por não suportar este
rápido aumento de hipertrofia muscular. A falta de acumulação de DNA em fibras
musculares existentes limita a capacidade de sustentar hipertrofia muscular em
longo prazo.

Comparação da Eficácia dos esteroides e BAAS

Com a aprovação (junho de 2003) da Ractopamina-HCL (OptaflexxTM) para o


gado bovino nos EUA, os produtores são capazes de administrar 2 tipos distintos de
promotores de crescimentos para o gado bovino durante a fase final:os implantes
esteroides e BAAS. É natural que existirão perguntas a respeito da utilização
eficiente se os 2 forem utilizados concomitantemente.
Na teoria, os implantes esteroides e BAAS deveriam adicionar estímulo ao
crescimento de tecido magro devido aos distintos mecanismos de ações .Pesquisas
feitas anteriormente avaliam os efeitos da somatropina bovina e dos esteroides
revelando efeitos adicionais a estes 2 promotores de crescimento sobre o ganho de
peso e no depósito de proteína no gado bovino.A conclusão que cada um teve um
mecanismo distinto na ação do crescimento foi surpreendente , desde que E2 tem
sido mostrado como expansor circulatório dos níveis de ST. De fato, pesquisas
sugerem que E2 e bST não auxiliaram no efeito circulatório de ST. Se tomados
juntamente esta informação sugere que o efeito do promover o crescimento dos
estrogênios não foi totalmente mediado pelo aumento da secreção ST.
Os implantes esteroides estimulam o crescimento muscular esquelético
através de hipertrofia muscular bem como através da ativação das células satélites
musculares para promover O DNA crítico que sustenta a hipertrofia muscular.
Parece que a produção local de IGF-I pode mediar muitos destes efeitos. Como foi
dito anteriormente BAAS não tem efeito no crescimento do conteúdo esquelético
muscular. Portanto, a administração de um implante esteroide durante 60 a 90 dias
antes da alimentação com BAAS deveria ter efeitos adicionais no tecido magro do
gado bovino devido aos diferentes mecanismos de ação. Entretanto, pesquisas
recentes tem mostrado que clenbuterol (a b2 – agonist) aumentou a expressão
local de IGF – I no esqueleto muscular dos ratos. Se os efeitos forem os mesmos
no gado pode ser que tenhamos uma coincidência no mecanismo potencial de ação
no qual as 2 classes de substancias possam não ser completamente adicionadas.
Os efeitos de promovedores de crescimento sobre os efeitos de BAAS em
maciez dependem do componente estudado. Ractopamina não surte efeito a menos
que se alimente o gado na dose máxima estudada (300mg por dia) por pelo menos
28 dias. Em contraste, zilpaterol não aumenta a dureza quando estimulado
eletricamente e quando adequada maturidade não são utilizadas.
Os modificadores metabólicos, incluindo hormônios esteroides e os agonistas
beta adrenergetic aumentam a produção e melhoram a eficiência da produção
alimentar nos animais. Estes resultados em economia beneficiam os criadores e
influenciam a competitividade nos preços das fontes de proteína para os
consumidores, favorecendo o compartilhamento daquelas espécies nas quais são
utilizadas.
Os consumidores se beneficiam dos custos reduzidos e em alguns casos há
melhoria nos nutrientes da carne. A maioria dos consumidores aceitam bem
produtos advindos do uso prudente de modificadores metabólicos. A variedade de
compostos e a escolha das dosagens disponíveis aos produtores permitem um
programa de um especifico objetivo alcançado que se encaixa nos objetivos
operacionais de marketing e individuais. A próxima década de pesquisas irá
provavelmente focar nos aspectos de produção do uso de esteroides com BAAS ao
mesmo tempo e a influência destes produtos na aceitação do consumidor de carne.

Efeitos de promotores de crescimento na palatibilidade

Os efeitos dos implantes de esteroides na palatibilidade do produto final têm


sido estudados, mas os resultados não são conclusivos. Na maioria dos estudos, os
implantes não afetam significativamente a maciez, a suculência e o sabor. Efeitos
negativos sobre a ternura foram observados em uma minoria de estudos. Estes
efeitos negativos podem chegar a valores de 0,6 a 0,8 kg de aumento na força de
cisalhamento. Suspeita-se existir ligação entre a dose de esteroide e o tipo animal.
Os efeitos negativos são mais propensos a serem observados quando doses
múltiplas de androgênios são administradas, especialmente em raças mais
musculosos de gado. Em outras situações de produção, os efeitos dos implantes na
maciez são tipicamente não significativos.
Os efeitos dos BAAs sobre a maciez dependem do composto estudado.
Ractopamina não afetou a ternura da carne a menos que o gado fosse alimentado
com a dose mais alta estudada (300 mg por dia) durante pelo menos 28 dias. Em
contraste, zilpaterol tipicamente faz aumentar a dureza quando estimulação elétrica
e envelhecimento adequado não são usados.
Sumário

Modificadores metabólicos, incluindo hormônios esteroides e beta-adrenergic


agonists, aumentam a produção e melhoram a eficiência de produtos alimentícios
de origem animal. Isso resulta em benefícios econômicos aos produtores de gado e
influenciam a competitividade de preços relativa das fontes de proteína para os
consumidores, influenciando favoravelmente a quota de mercado para as espécies
em que eles são usados. Os consumidores beneficiam de custos reduzidos e, em
alguns casos, melhoras no conteúdo de nutriente da carne. A maioria dos
consumidores aceitam produtos produzidos a partir de animais com a utilização
prudente de modificadores metabólicos. A variedade de compostos e opções de
dosagem disponíveis para produtores permite que programas para ‘resultados alvos’
específicos se encaixem na produção e nos objetivos de operações individuais de
marketing. A próxima década da pesquisa provavelmente vai se concentrar em
aspectos de produção de uso concomitante de esteroides com BAAs e a influência
desses produtos na aceitação da carne pelo consumidor.