Você está na página 1de 11

O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema

cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o


transporte e a distribuição de nutrientes, gás oxigênio e hormônios para
as células de vários órgãos. O sangue também transporta resíduos do
metabolismo para que possam ser eliminados do corpo. Os vasos
sanguíneos constituem uma ampla rede de tubos por onde circula o
sangue, distribuídos por todo o corpo. Existem três tipos de vasos
sanguíneos:

• Artérias
• veias
• vasos capilares.

Artérias - são vasos do sistema cardiovascular, por onde passa o sangue que sai do coração, sendo transportado para as
outras partes do corpo
A musculatura das artérias é espessa, formada de tecido muscular bastante elástico. Permite, dessa maneira, que as paredes se
contraiam e relaxem a cada batimento cardíaco. As artérias se ramificam pelo corpo e vão se tomando mais finas, constituindo
as arteríolas, que por sua vez se ramificam ainda mais formando os capilares.
Veias - são vasos do sistema cardiovascular que transportam o sangue das diversas partes do corpo de volta para o coração.
Sua parede é mais fina que a das artérias e, portanto, o transporte do sangue é mais lento. Assim , a pressão do sangue no
interior das veias é baixa, o que dificulta o seu retorno ao coração. A existência de válvulas nesses vasos, faz com que o
sangue se desloque sempre em direção ao coração. Importante destacar que a maior parte das veias Gugular, safena, cerebral e
diversas outras) transporta o sangue venoso, ou seja, rico em gás carbônico. As veias pulmonares transportam o sangue
arterial, oxigenado, dos pulmões para o coração.
Vasos capilares - são ramificações microscópicas de artérias e veias, que integram o sistema cardiovascular, formando uma
rede de comunicação entre as artérias e as veias. Suas paredes são constituídas por uma camada finíssima de células, que
permite a troca de substâncias (nutrie ntes, oxigênio, gás carbônico) do sangue para as células e vice-versa. Fonte

O coração de uma pessoa tem o tamanho aproximado de sua mão


fechada, e bombeia o sangue para todo o corpo, sem parar; localiza-se
no interior da cavidade torácica, entre os dois pulmões. O coração é
um órgão oco e pesa cerca de 400 g. É constituído por tecido muscular
estriado cardíaco, mais conhecido como miocárdio
( myos=mú sculo ; c ardio=coração ), e possui quatro câmaras cardíacas. As
câmaras superiores do coração são chamadas de átrios cardíacos ou
aurículas, e as câmaras inferiores são chamadas de ventrículos cardíacos.
A parede dos ventrículos é muito mais espessa do que as paredes dos
átrios, em virtude da função de cada um. O átrio bombeia sangue para os
ventrículos, enquanto que os ventrículos bombeiam o sangue para todas
as partes do corpo, o que exige maior pressão.
O coração é órgão principal da circulação sangüínea. Ele é a bomba
mestra dessa circulação. mas uma bomba inteligente e autônoma cuja
sutileza de reação é extraordinária. Através do seu ritmo. é capaz de
responder instantaneamente à menor solicitação. seja ela fisiológica
(esforço) ou psicológica (emoção). Pela sua estreita relação com o
cérebro, é capaz de regular de maneira muito precisa as pressões e os
ritmos circulatórios que as circunstâncias ambientais necessitam. É ele
que comanda, dirige nossa capacidade de adaptar nossas reações
interiores às exigências exteriores.
O coração de uma pessoa tem o tamanho aproximado

de sua mão fechada, e bombeia o sangue para todo o corpo,

sem parar; localiza-se no interior da cavidade torácica,

entre os dois pulmões.

O coração é um músculo dito "involuntário",ou seja, que funciona além


da nossa vontade consciente. Sua relação com o Inconsciente é forte e
explica a importante influência das nossas emoções conscientes e
inconscientes no nosso ritmo cardíaco. Sede tradicional do amor e das
emoções, a sua relação privilegiada com o cérebro, que depende dele em
termos de energia nos mostra o quanto um amor verdadeiro não pode se
contentar em ser passional, mas que também deve ser
"inteligente", senão, corre o risco de se tomar cego.
Os males do coração, de acordo com Michael autor do livro "Diga-me
onde dói e eu te direi por que", nos falam das nossas dificuldades para
viver o amor e as nossas emoções que costumam durar a vida toda. Eles
podem significar também que damos lugar demais para o ressentimento,
para a raiva, para a violência, que reprimimos ou exprimimos de forma
distorcida (esporte, jogos, feridas). Enquanto isso, o lugar do amor pela
vida, por nós mesmos, pelos outros, pelo que fazemos diminui cada dia
mais. Ora, lembremo-nos que o coração faz a distribuição do sangue
dentro de nós. Se cultivarmos estados emocionais negativos, eles serão
distribuídos da mesma maneira. Diz-se em energética, que o estado do
Coração e o do Shen (sua representação espiritual) se vê pela tez da
pessoa, pelo brilho dos seus olhos, do seu olhar.

As palpitações, as taquicardias, os infartos e outros problemas cardíacos


exprimem todo o nosso sofrimento para gerar os nossos estados
emocionais ou, ao contrário, para dar-lhes a possibilidade de se exprimir,
de viver dentro de nós. Uma atitude séria demais em relação à vida e ao
que acontece, a ausência de prazer no que fazemos ou sentimos, o pouco
espaço para a liberdade e a descontração fragilizam as energias do
coração e podem se traduzir por tensões cardíacas. Porém o excesso de
prazer ou de paixão também fragiliza as energias do Coração e pode se
traduzir pelos mesmos efeitos.

Coração é a sede tradicional do amor e das emoções. Michael

Odoul
• Doenças Cardiovasculares x Aspectos Psicológicos de acordo com Portal da Educação.

Por meio da descrição dos fatores neurogenéticos envolvidos na origem


das doenças cardíacas coronarianas, Friedman e Rosenman (1974)
deram início a um fértil campo de pesquisas que constitui nos dias
atuais a área com maior concentração de pesquisas cientificas.
Ao estudarem pacientes cardíacos, os autores observaram que os
mesmos apresentavam algumas características:

• Impaciência;
• Comportamentos voltados para a excelência do desempenho de
modo muito determinado;
• Sentimentos exagerados de urgência de tempo;
• Envolvimento excessivo com o trabalho;
• Agressividade;
• Competitividade;
• Vigorosa atividade linguística e motora.

Diversos estudos foram realizados para diferenciar os pacientes


cardíacos da população normal (entenda-se aqui sem doenças
cardiovasculares), como os testes de personalidade MMPI (Multiple
Multiphase Personality Inventory) e a CMHS (Cook-Medley Hostility
Scale), além de entrevistas estruturadas. Á medida que os estudos foram
se aperfeiçoando, apenas uma característica tornou-se evidente: a
hostilidade, a qual pode "despertar" alguns dos comportamentos
citados.
...é provável que a hostilidade, entendida como a expressão de
pensamentos cínicos e degradantes, possa aumentar o nsco do
surgimento de doenças cardiovasculares em virtude da resposta que
ocorrerá frente aos eventos interpretados corno hostis, que
frequentemente são de raiva. Gallancher et al. (1999), após a realização
de pesquisas sobre a incidência da raiva em correlação a doenças
cardiovasculares, verificaram que tanto a "raiva para fora" (expressão do
sentimento contra outra pessoa durante um episódio de raiva extrema),
quanto a "raiva suprimida" (repressão ou não expressão do
sentimento durante o episódio que levaria o sujeito a sentir raiva)
predisporiam o indivíduo a ter doenças cardíacas isquêrnicas.
Siegman et ai. (2000) verifica que a expressão da raiva

de maneira explosiva unida ao autoritarismo são um fator

de risco cardiovascular em homens, enquanto que as

expressões mais sutis, com desafio indireto são fatores de

risco cardiovascular em mulheres

Dessa forma, parece haver uma nítida relação entre hostilidade, raiva e
doenças cardiovasculares, sendo que a hostilidade pode ser encarada
como um fator de risco de infarto do miocárdio e de morte. Tais
resultados foram constatados em ambos os sexos (Lahad et al., 1997;
Chapud et al., 2002) e em diversas culturas, como na Dinamarca
(Barefoot et al., 1995) e no México (Gloria et al., 1996). Estes estudos
nos levam a confirmar a natureza psicológica das enfermidades,
independentemente das características do meio cultural.

ALERTA VERMELHÜ - De acordo com dados do Ministério da Saúde (OMS), o peifzl nacional da
mortalidade modificou-se durante os últimos anos, evidenciando que atualment e as doenças do aparelho circulatório em
associação com vida agitada nos grandes centros urbanos, sedentarismo, estresse, alimentação desregrada e consumo
exacerbado de fumo e bebidas alcoólicas, estão em primeiro lugar no ranking, sendo as responsáveis pelo maior número de
óbitos de indivíduos de ambos os sexos. E também, de acordo com varias pesquisas, doenças cardiovasculares são as que
mais matam no Brasil .

Quando o sangue carrega muitas impurezas, com freqüência, irá naturalmente


enfraquecer o funcionamento saudável das células e tecidos. Quando existem
obstruções como plaquetas, na parede das veias, isto pode causar o
enfraquecimento do fluxo sanguíneo através do corpo, fazendo com que o músculo
do coração trabalhe ainda mais para suprir o corpo todo de sangue.

• O que a Aromaterapia pode fazer

Entre muitos Óleos Essenciais (OE) que temos ao nosso dispor para
atuar na Aromaterapia Clínica, os mais indicados para perfumar e
zelar pela saúde do CORAÇÃO, por suas propriedades terapêuticas e
ressonância com o Sistema Cardiovascular, são estes abaixo citados:

• Hipertensão:
Lavanda - Lavandula angustifolia
Limão - Citrus lemon
Ylang ylang - Canango odorata
Rosa - Rosa damascena
Manjerona -Origanum majorana
Melissa - Melissa o.fficinalis
Frankincense - Boswellia carteri
Neroli - Citrus aurantium var amara fios

Saiba mais sobre Hipertensão

De acordo a psiconeuroimunologia hipertensão, muito


frequentemente, está associada a emoção da raiva, especialmente
quando reprimida e não reconhecida.

• Hipotensão:

Lavanda, Rosa e Manjerona.

• Tônico:

Alecrim - Rosmarinus o.fficinalis


Melissa - Melissa o.fficinalis
Mirra - Commiphora myrrh
Cedro - Cedrus atlantica
Menta - Menta x piperita
Ylang ylang - Cananga odorata
Manjerona - Origanun majorana
Rosa - Rosa damascena

PODE O ALECRIM ELEVAR A PRESSÃO ARTERIAL ?

• Edema (adstringente e diurético):

Gerânio - Pelargonium graveolens


Cypress -Cupressus sempervirens
Clary sage - Salvia sclarea
Hyssop - Hyssop officinalis
Juniper - Juniperus communis
Cedro - Cedrus atlantica
Fenel - Foeniculum vulgare
Alecrim - Rosemarinus officilinalis
Limão - Citrus lemon
Mandarim - Citrus reticulata
Grapefruit - Citrus paradisi
Laranjas - Citrus aurantium var amara e dulcis.

• Tensão/estresse: (condições que afetam a pressão sanguínea).

OE reguladores do sistema nervoso


Lavanda - Lavandula angustifolia
Melissa - Melissa officinalis
Bergamota - Citrus bergamia
Petitgrain - Citrus aurantium var amara fol
Ylang ylang - Cananga odorata
Camomila romana - Anthemis nobilis
Clary sage - Salvia sclarea
Rosa - Rosa damascena
Neroli - Citrus aurantium var amara flos.
Saiba mais sobre Aromaterapia e Stress

• Veias varicosas:

Cypress - Cupressus sempervirens


Gerânio -Pelargonium graveolens
Lavanda - Lavandula officinalis
Mirra - Commiphora myrrh
Frankincense - Boswellia carteri
Limão- Citrus lemon

• Hemorróidas e fissura anal:

Cypress - Cupressus sempervirens


Lavanda - Lavandula angustifolia
Mirra - Commiphora myrrh
Frankincense -Boswellia carteri
Rosa - Rosa damascena
Tea tree - Melaleuca alternifolia
Patchouli - Pogostemon cablin
Camomila alemã - Matricaria recutita

• Consolador cordial - Neutraliza hostilidade

Manjerona - Origanun majorana


Melissa - Melissa officinalis
Ylang ylang - Cananga odorata
Lavanda - Lavandula angustifolia
Mirra - Commphira myrrh
Neroli -Citrus aurantium var amara los
Rosa - Rosa damascena
Cítricos - TODOS

Formas de Uso aqui

Vamos vibrar em ENERGIA mais AMOROSA, para o bem da saúde do nosso Sistema

Cardiovascular