Você está na página 1de 29

Regulação do Setor

Elétrico Brasileiro
Panorama e tendências

BRITCHAM
BRITCHAM José
José Mário
Mário Miranda
Miranda Abdo
Abdo
19
19 de
de julho
julho de
de 2002
2002 Diretor-Geral
Diretor-Geral
São
São Paulo
Paulo -- SP
SP
Conteúdo

I. Panorama Institucional

II. Atuação da ANEEL

III. Visão do Regulador


O modelo setorial já está
completamente implementado?
Marco Legal
Lei 9.074 –
Concessão de
serviços de energia Implantação
elétrica da ANEEL

Lei 9.478 – CNPE Lei 9.648 –


Constituição MAE e ONS
Federal e ANP (Lei do
(art. 175) Petróleo)

1988
J F M AM J J A S O N D
........ 1995 1996 1997 1998
J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N DJ F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D

Decreto 2.335
Lei 8.987 - -ANEEL
Concessão de Lei 9.427
serviços públicos - ANEEL Decreto 2.655
–MAE e ONS

Lei 10.433

1999 2000 2001 2002


J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J FM A M J J A SO N D J F M AM J J A SO N D

MP 1.819 Lei 10.438


Considerada PL 2.905
Inconstitucional
Papéis Institucionais
Políticas e diretrizes:
!
! Congresso
Congresso Nacional;
Nacional;
!
! Conselho
Conselho Nacional
Nacional de
de Políticas
Políticas Energéticas
Energéticas –– CNPE;
CNPE;
!
! Ministério
Ministério de
de Minas
Minas ee Energia
Energia –– MME.
MME.
Planejamento e garantia do suprimento:
!Ministério
!Ministério de
de Minas
Minas ee Energia
Energia –– MME.
MME.
Órgão Regulador e Poder Concedente:
!
! Agência
Agência Nacional
Nacional de
de Energia
Energia Elétrica
Elétrica –– ANEEL;
ANEEL;
Supervisão, controle e operação dos sistemas:
!
! Operador
Operador Nacional
Nacional do
do Sistema
Sistema Elétrico
Elétrico –– ONS
ONS
Contabilização e liquidação:
!
! Mercado
Mercado Atacadista
Atacadista de
de Energia
Energia Elétrica
Elétrica –– MAE
MAE

Execução e prestação dos serviços:


!
! Agentes
Agentes G,
G, T,
T, D
D ee C
C
Regulação - Diretrizes estruturais

• Segmentação das atividades (G, T, D e C);


• Competição na geração e comercialização;
• Produção independente de energia;
• Livre acesso e uso das redes elétricas;
• Serviços de transmissão e distribuição regulado;
• Licitação dos serviços de transmissão;
• Liberdade de escolha (consumidor livre);
• Operação centralizada dos sistemas (ONS);
• Planejamento e garantia da oferta (Papel de
Governo);
• Regulação e fiscalização dos serviços (Papel de
Estado).
Regulamentação das Medidas de
Revitalização do Modelo do Setor Elétrico

• 33 medidas de revitalização do modelo

• 11 medidas prioritárias

• Definição de diretrizes do Governo para


regulamentação da Lei nº 10.438, de 2002
Destaques das Leis 10.433, 10.438 e Dec.
4.261, de 2002
• MAE sob a regulação e fiscalização da ANEEL
• Definição da “Baixa Renda”
• Incentivos a fontes alternativas
• Universalização dos serviços de energia elétrica
• Conta de desenvolvimento energético - CDE
• Definição da venda de energia das estatais
• Atribuições do MME relativas ao suprimento de
energia elétrica
• Criação da CGSE– Câmara de Gestão do Setor
Elétrico
Como a ANEEL se
posiciona para
regulamentar o setor
elétrico?
ANEEL - Competências e Princípios

REGULAÇÃO
REGULAÇÃO Onde
Onde for
for necessária
necessária
Regulador
Regulador
Órgão
Órgão

Orientar
Orientar ee prevenir;
prevenir; penalizar
penalizar
FISCALIZAÇÃO
FISCALIZAÇÃO quando
quando for
for indispensável
indispensável

MEDIAÇÃO
MEDIAÇÃO Solução
Solução de
de conflitos
conflitos
Concedente
Concedente

CONCEDER
CONCEDER
Poder
Poder

Expansão
Expansão da
da oferta
oferta ee
PERMITIR
PERMITIR
serviços
serviços de
de energia
energia elétrica
elétrica
AUTORIZAR
AUTORIZAR
A palavra chave que posiciona a ANEEL
frente aos desafios da regulação do setor
elétrico é o equilíbrio, presente em sua
missão, que deve ser exercida com
autonomia
“Proporcionar condições favoráveis
para que o desenvolvimento do
mercado de energia elétrica
ocorra com equilíbrio entre
os agentes e em benefício
da sociedade”
Garantir o equilíbrio entre agentes com interesses
divergentes e até conflitantes
é o grande desafio para regular o setor elétrico

Garantir os Estabilidade de
Direitos dos Regras, Obediência
Consumidores e Equilíbrio aos Contratos e
a melhoria da Remuneração
Qualidade do Adequada do
serviço Serviço

Interesse
Público
A ANEEL não formula políticas e nem garante os
investimentos na expansão da oferta. Cria as condições para
que essa expansão se dê a partir das políticas definidas

Políticas

Governo Congresso

Planejamento Leilões - ANEEL

Promove a Garantia da Oferta


Condições Essenciais para
a Regulação

• Autonomia e Independência
• Clareza de papéis
• Processo decisório transparente
• Marco Legal consolidado
• Competição – Funcionamento do Mercado
• Diálogo com a sociedade
Participação da Sociedade

• Por meio das Agências Estaduais conveniadas –


Descentralização (13)
• Relacionamento com o Congresso Nacional (42
Audiências Públicas)
• Audiências e consultas públicas
• Relacionamento com agentes e instituições
• Ouvidoria - 0800 61 2010
• Conselho de Consumidores (65)
• Pesquisas de opinião
Qual a dimensão do risco
regulatório na ótica do
Regulador?
Em Andamento

• Revisão Tarifária
Indicadores
• Valor Normativo
• Leilões de Concessões
• Desverticalização
• Qualidade do Serviço
• Consumidor Livre
• Percepção do
• Leilões de Energia Consumidor

• Funcionamento do • Reposição das Perdas


MAE
• Intensificação do
• Licenciamento Diálogo
Ambiental
• Fiscalização
Quais os principais
resultados da atuação
do Regulador?
Mediação – 2001
Casos encerrados 421
Casos em andamento 180
TOTAL 601

Ouvidoria – 2001
Atendimentos na Central Telefônica – 2,6 milhões
80% solicitações de informações
Observação:
Observação: 95%
95% das
das ligações
ligações são
são atendidas
atendidas em
em até
até 10
10 segundos.
segundos.

Prêmio Consumidor Moderno de Excelência na


Categoria Serviços Públicos do País - 2002
Expansão da Oferta (1998 a 2001)

• 746 Usinas outorgadas – 45.550 MW *


• Importação – mais de 5.000 MW autorizados
• 12 Linhas de Transmissão – 6.000 km
licitados e concedidos
• Investimentos – R$ 62 bilhões
• Empregos – 72 mil
• Convênios com órgãos ambientais
• Estudos de inventários
** A
A capacidade
capacidade instalada
instalada brasileira
brasileira éé de
de 75.000
75.000 MW
MW
Evolução da Oferta de Energia *
(em MW)
45.000
45.000
40.618
40.618
40.000
40.000
Período
no Período

35.000
35.000
ANEEL
30.000
30.000
Média no

25.000
25.000
Média

20.000
20.000
15.501
15.501
15.000 13.143
13.143
15.000 12.141
12.141

10.000
10.000
5.797
5.797
5.000
5.000
Média: 2.428 MW Média: 2.628 MW Média: 1.159 MW Média: 3.100 MW Média: 8.123 MW
--
1981-1985
1981-1985 1986-1990
1986-1990 1991-1995
1991-1995 1996-2000
1996-2000 2001-2005**
2001-2005**

QÜINQÜÊNIOS
** incluindo
incluindo as
as importações
importações ee aa Interligação
Interligação Norte-Sul
Norte-Sul (1.000
(1.000 MW);
MW); com
com base
base no
no acompanhamento
acompanhamento
do
do cronograma
cronograma de
de obras
obras fiscalizado
fiscalizado pela
pela ANEEL.
ANEEL.
Rede Básica de Transmissão
Acréscimo Anual (em km)
Expansão
Expansão anual
anual da
da Rede
Rede Básica
Básica

4500
4500
4026,9
4026,9
4000
(km)

4000
Transmissão (km)
de Transmissão

3500
3500
ANEEL 3077,1
3000
3000 3077,1

2500
2500 2436,9
2436,9
Linhas de

2079,85
2079,85
de Linhas

2047
2047
2000
2000
Acréscimo de

1500
1500
Acréscimo

915,5
915,5 1149,7
1149,7
1000
1000 706,944
706,944
622,86 623,3
623,3 861,2
861,2
622,86
500
500 648,2
648,2
109,4
109,4
20,3
20,3
00
1990
1990 1991
1991 1992
1992 1993
1993 1994
1994 1995
1995 1996
1996 1997
1997 1998
1998 1999
1999 2000
2000 2001
2001 2002*
2002* 2003*
2003*
Ano
Ano

18
18 linhas
linhas –– 16
16 sucessos
sucessos ee 22 insucessos
insucessos
Fiscalização dos Serviços
(1996 a 2001)

Fiscalização de 100% das distribuidoras (65)


Recomen/Determ. 15.100 -
Advertências 12 -
Multas 148 R$ 27 milhões
Qualidade do Serviço
(1996 a 2001)

Evolução
Evolução do
do Desempenho
Desempenho Global
Global
Evolução
Evolução do
do Desempenho
Desempenho Global
Global
DEC
DEC
FEC
FEC
21,91
21,91 21,82
21,82
28,00
28,00 27,39
27,39 22,00
22,00 1996
1996
26,09
26,09 1997
1997
25,00 19,85
19,85
25,00 24,04
24,04 1998
1998
19,00
19,00 1999
1999
22,00
22,00
2000
2000
Horas

17,21
Horas

17,21

NI
NI
19,34
19,34
19,00
2001
2001
19,00
17,41
17,41 16,00
16,00 15,25
15,25
16,35
16,35
16,00
16,00 14,21
14,21

13,00
13,00 13,00
13,00
Média
Média Brasil
Brasil Média
Média Brasil
Brasil

Melhoria: 37% Melhoria: 35%


Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor
(Avaliação pelo Consumidor)

100,00 Brasil Internacional


Ótimo

2000 2001

77,00
90,00

70,00
69,68
69,08
80,00
63,65

63,22
63,51

62,81
61,00
Bom

60,30
59,02

59,30
57,01
70,00

56,52
60,00
Regular

50,00

40,00
Péssimo Ruim

30,00

20,00

10,00

0,00
Sudeste Sul Nordeste Norte C. Oeste Brasil Referência.
Quais as perspectivas
do setor na Visão do
Regulador?
Oportunidades de Investimentos

• Leilões de Usinas Hidrelétricas – 2002/3 (42) – 10.700


MW – R$ 17,5 bilhões
• Leilões de Linhas de Transmissão e Subestações –
2002/3 – 5.619 km – R$ 2,6 bilhões
• Incentivo às Pequenas Centrais Hidrelétricas e fontes
renováveis
• Estudos de Inventário disponíveis no data-room da
ANEEL (cerca de 20.000 MW)
• Eficiência energética e P&D (R$400 milhões/ano)
• Importação
Visão do Regulador
• Complementação do marco legal - modelo
• Fortalecimento das instituições
• Garantia da expansão da oferta
• Consolidação do ambiente competitivo
• Implementação do esquema de oferta de preços
• Liberdade de escolha ampla aos consumidores
• Universalização dos serviços de energia elétrica
• Evolução das fontes alternativas e PCH’s
• Desverticalização e realinhamento tarifário
• Oportunidades de investimentos em G,T, D e C
• Integração energética com países vizinhos
Internet: www.aneel.gov.br

Teleatendimento: 0800-61-2010

e-mail: ouvidoria@aneel.gov.br