Você está na página 1de 20

COLÉGIO DELOS – APARECIDA DE GOIÂNIA

ENSINO MÉDIO
GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA

TEMA:

“Estudos de morfologia verbal: aspectos verbais, paradigmas


de conjugação e tempos verbais”

Professor Eliel de Queiroz

SEMINÁRIOS – AULA 01
Conceito

Verbo é a classe de palavra que, do ponto de vista


semântico, expressa ação, estado, mudança de estado ou [um]
fenômeno. Verbo aponta, também, do ponto de vista
sintático, a organização das orações. Além de,
morfologicamente, ou seja, do ponto de vista morfológico,
possuir flexões que indicam pessoa, número, tempo, modo, voz,
aspecto e gênero.
A natureza do verbo

1) em caráter geral, os verbos constituem os predicados das orações;

2) justamente por constituir predicados, estabelece uma relação entre o sujeito


e o próprio predicado;

3) do ponto de vista semântico, são classificados como:

a) dinâmicos (“o que alguém faz”, “o que algo provoca” e “o que acontece”);

b) não dinâmicos (ou seja, os já conhecidos “não nocionais” ou “de ligação”,


modalizados ou não);

OBS: exemplo de verbo não dinâmico modalizado: Não existe mais o edifício “Art
Noveau”.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP,
2011.
Classificação dos verbos

1) Regulares
2) Irregulares
3) Anômalos
4) Defectivos
5) Abundantes
Regulares: são aqueles em que o radical permanece o
mesmo em toda a conjugação.

Exemplo: verbo cantar.

PRESENTE DO INDICATIVO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO


Abundantes: apresentam duas ou mais formas
equivalentes.
Irregulares: são os verbos cujos radicais se alteram ou cujas
terminações não seguem o modelo da conjugação a que pertencem.

Exemplo: verbo ouvir.

PRESENTE DO INDICATIVO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO


Anômalos: verbos que apresentam mais de um radical ao
serem conjugados.

Exemplo: verbo ser e ir. No verbo ser ocorrem radicais diferentes, note
pela diferença entre: seja, era. No verbo ir, da mesma forma: vou, fui,
irei.
Observação:
Preste bastante atenção na conjugação do verbo SER no PRETÉRITO
IMPERFEITO DO INDICATIVO

Eu era
Tu eras
Ele/Ela/Você era
Nós éramos
Vós éreis
Eles/Elas/Vocês eram

Percebeu algo de diferente? Pois bem. “Éreis”. Incomum, concorda?


Diacronia dos anômalos
Em língua portuguesa, os dois verbos
tradicionalmente classificados como anômalos são:
ser e ir. Isso é explicado pela diacronia das próprias
palavras que se formaram a partir de radicais
distintos, radicais esses que são oriundos do latim:

Ser: “sum” e “sedere”;

Ir: “ire”,“vadere” e “fugere”;


Defectivos: não se apresentam em todas as flexões.

Exemplos:
Curiosidade

Pego OU pegado?
Em Portugal, somente a forma PEGADO é
usada. No Brasil, as duas formas convivem. A forma PEGADO
só pode ser usada quando antecedida dos verbos TER ou
HAVER: “Ele tinha (ou havia) PEGADO os documentos”. A
forma irregular PEGO está consagrada entre nós e já é
aceitável na língua padrão. Pode ser usada com qualquer verbo
auxiliar (ser, estar, ter ou haver): “Ele foi PEGO em flagrante”.
“Ele tinha PEGO (ou PEGADO) os documentos”.

Isso significa, portanto, que, com os verbos SER e ESTAR,


só podemos usar a forma irregular (PEGO); e, com os verbos
TER e HAVER, podemos usar tanto a forma regular (PEGADO)
quanto a irregular (PEGO).

NOGUEIRA, Sérgio. Blog do Sérgio. 2013.


Modos verbais

Indicativo
Subjuntivo
Imperativo
Problemas para vocês resolverem!
Preste atenção:
Segundo a obra Gramática Contemporânea da Língua
Portuguesa, quanto ao tempo Indicativo Presente, posso eu ter:

a) uma ação habitual: “Corro todos os dias pela manhã.”


b) uma verdade universal: “O homem é mortal”; “O Vasco é o melhor time da
galáxia.”
c) indicar fatos já passados: “Em 1748, Montesquieu publica a obra O espírito das
leis.”
d) fatos futuros: “Amanhã vou à escola.”

NICOLA, José de. INFANTE, Ulisses. Gramática Contemporânea da Língua Portuguesa. São
Paulo: Scipione, 1997.
Tempos verbais

1) Naturais;
Exemplo: Eu estudei cinética ontem à noite.

(Pretérito Perfeito do Indicativo)

2) Composto (Ter/Haver)

Exemplo: Tenho estudado cinética à noite.

(Pretérito Perfeito Composto do Indicativo)


Aspecto verbal ou Aspecto dinâmico do verbo

Teoria:

“Análise particular de cada verbo a partir do


comportamento semântico (carga significativa + duração
do processo/ação).”

1) Maurílio falava com Caio Castro acerca do próximo encontro.

2) Maurílio falou com Caio Castro acerca do próximo encontro.


Vozes verbais
1) Ativa (sujeito + verbo + objeto)
A torcida do Goiás vaiou muito o time ontem à noite.

2) Passiva:

a) Analítica (sujeito paciente + ser/estar + verbo principal no particípio +


agente da passiva)
As roupas foram compradas por uma elegante senhora.

b) Sintética (verbo transitivo + partícula apassivadora + sujeito paciente)


Entregam-se encomendas.
c) Reflexiva

C.1)Reflexiva:
Cortei-me.
C.2) Reflexiva recíproca
Matheus e Sara amam-se vigorosamente.
Teoria da Transposição de Vozes
Respectivamente, da ativa para a passiva:

1) O sujeito da voz ativa passará a ser o agente da passiva;

2) O objeto direto da voz ativa passará a ser o sujeito da voz passiva;

3) Na passiva, o verbo ser estará no mesmo tempo e modo do verbo


transitivo da voz ativa (conservação aspectual ou dinâmica);

4) Na voz passiva, o verbo transitivo direto ficará no particípio.


Exercício de transposição de vozes
Frase na ativa:
A torcida aplaudiu os jogadores.

Frase na passiva:
Obrigado!