Você está na página 1de 13

CE ARDALIÃO AMÉRICO PIRES

UNIDADE REGIONAL DE BARRA DO CORDA


ESTADO DO MARANHÃO

Disciplina: Educação Física


ENSINO MÉDIO

Professor: Leonardo de Arruda Delgado

ANO: 2018
SUMÁRIO
1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO...................................................................................................3
2 JUSTIFICATIVA DA DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA.............................................................3
3 CARACTERÍSTICA DA REALIDADE DA ESCOLA....................................................................4
4 OBJETIVOS.......................................................................................................................5
4.1 DA ESCOLA....................................................................................................................5
4.2 GERAL DA DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA.....................................................................5
4.3 ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA PARA O ENSINO MÉDIO...................................................5
5 APRENDIZAGENS BÁSICAS DAS UNIDADES CURRICULARES DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O
ENSINO MÉDIO........................................................................................................................6
5.1 O MUNDO DOS ESPORTES............................................................................................6
5.2 ESPORTES PARA A VIDA I..............................................................................................6
5.3 ESPORTES PARA A VIDA II.............................................................................................7
5.4 GINÁSTICAS DE CONDICIONAMENTO FÍSICO I..............................................................7
5.5 GINÁSTICAS DE CONDICIONAMENTO FÍSICO II.............................................................8
5.6 GINÁSTICAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CORPORAL...........................................................8
5.7 O MUNDO DAS PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA..................................................9
5.8 PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA PARA A VIDA......................................................9
5.9 O MUNDO DAS DANÇAS.............................................................................................10
5.10 DANÇAS PARA A VIDA.................................................................................................10
PLANO ANUAL

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
CE ARDALIAO AMERICO PIRES
PROF.º: Esp. Leonardo de Arruda Delgado ENSINO MÉDIO
DISCIPLINA: Educação Física PERÍODO: 29/01 à 09/01/2019
ANO: 2018 TURNO: Matutino
PERÍODOS: I,II, III e IV DIAS LETIVOS: 200
NÚMERO DE SEÇÕES SEMANAIS: 2 N° DE ALUNOS: 33
CARGA HORÁRIA: 80h TEMPO DE AULA: 50 min

2 JUSTIFICATIVA DA DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA


A Educação Física, enquanto Componente Curricular Obrigatório da Educação
Básica (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB) é parte integrante e obrigatória
da proposta pedagógica da escola, atuando de forma integrada com outras disciplinas da
Educação Básica. Sendo sua de prática facultativa para o estudante que: cumprir jornada de
trabalho igual ou superior a seis horas; for maior de trinta anos de idade; estiver prestando
serviço militar inicial ou que, em situação similar, estiver obrigado à prática da educação física;
amparado pelo Decreto-Lei nº 1.044, de 21 de outubro de 1969; tiver prole (Art. 26, §3º).
A Educação Física como componente curricular, tem como pressuposto básico
(Objeto de Estudo) disseminar conhecimento sistematizado sobre a cultura corporal de
movimento, capacitando o educando para a regulação, interação e transformação em relação
ao meio em que vive, contribuindo para a formação do sentido de ser humano.
De acordo as orientações pedagógicas para o ano letivo de 2017 (p.9), do Estado
do Maranhão, a Educação Física deverá ser integrado à proposta pedagógica, oferecido pela
instituição de ensino e cursado pelo estudante, em horário normal de aula, ainda que a prática
lhe seja facultada e deferida pelo gestor escolar, o mesmo documento contempla ainda na
pagina 11, que a Educação Física é obrigatória à oferta também no turno noturno.
Sua função primordial é formar cidadãos, através de sua prática pedagógica,
inserida num contexto sócio - cultural de oportunidades para aprender a conhecer e a
perceber, de forma permanente e contínua, seu corpo, suas limitações, na perspectiva de
superá-las, e suas potencialidades, no sentido de desenvolvê-las, de maneira autônoma e
responsável. Aprender a conviver consigo, com o outro e com o meio ambiente. E por meio de
vivências corporais e interações sociais éticas que o indivíduo apropria-se de conhecimentos
sobre o corpo e suas práticas, consegue desenvolver sua identidade, aprende a articular seus
interesses e pontos de vista com os dos demais, apreende conhecimento sobre si, sobre o
outro e sobre o mundo, amplia sua capacidade de escutar e dialogar, de trabalhar em equipe,
de conviver com o incerto, o imprevisível e o diferente, percebendo-se como integrante
responsável, dependente e agente transformador do meio ambiente, na perspectiva de sua
preservação.
O corpo é a maneira de o sujeito estar presente no mundo e, ao movimentar-se,
expressa sentimentos, sensações, emoções e subjetividades, produzindo culturas.
A Educação Física é entendida na BNCC (Base Nacional Curricular Comum) como
“linguagem”, integrada aos outros componentes curriculares desse núcleo curricular, tem
como propósito central contribuir para a constituição da subjetividade humana, conforme os
próprios conteúdos dos objetivos da aprendizagem indicam. Desde a Educação Infantil até o
Ensino Médio essa concepção de educação física como linguagem é evidenciada e norteia todo
o documento da Base e, a partir desse entendimento, os objetivos do ensino da educação física
visam: compreender a origem e dinâmica das práticas sociais que constituem a cultura corporal
de movimento, vivenciar e desfrutar das práticas corporais, bem como ser capaz de utilizar as
práticas corporais no momento de lazer e cuidados com a saúde e reivindicar as condições
necessárias para essas práticas.
Para a educação física no ensino médio, são estabelecidas as seguintes unidades
curriculares: “O mundo dos esportes”, que compreende esportes de combate e práticas
desportivas; “Esporte para a vida I e II”, que abrange esportes coletivos, com a prática de
habilidades técnico-táticas, sistemas de jogos, bem como análise dos fatores que envolvem
estas práticas institucionalizadas (mercadológicos, midiáticos, etc...); “Ginástica de
condicionamento I e II”, que envolve programas exercícios físicos e cuidados com o corpo;
“Ginástica de conscientização corporal”; “O mundo das práticas corporais de aventura”;
“Práticas corporais de aventura para a vida”; “O mundo das danças” e “Danças para a vida”.
Essas unidades visam principalmente à análise e vivências que possibilitem aos estudantes
práticas corporais para toda a vida, de modo consciente, bem como que eles busquem
democraticamente por esse direito.
No que se refere aos pressupostos metodológicos abordam as questões
relacionadas ao corpo, ao movimento, às culturas e às múltiplas linguagens. A Educação Física
deve ser um espaço dialético em que o professor atue de forma planejada e apropriada,
balizado por saberes pedagógicos, técnicos e científicos, que contribuam para a efetivação da
aprendizagem tendo um olhar atento para as fases de desenvolvimento afetivo, cognitivo e
motor dos estudantes, a fim de garantir a escolha adequada dos desdobramentos a serem
realizados em cada ano da educação básica. Desse modo amplia de forma gradativa a
complexidade das competências e dos conteúdos nucleares que serão abordados no
componente curricular, onde o processo de ensino-aprendizagem deve entrelaçar a teoria e a
prática como faces de uma mesma moeda por meio de vivências discussões, pesquisas,
resolução de situações-problema, trabalhos em grupo, seminários, estudos do meio, os quais
podem se desenvolver com base em projetos e sequências didáticas.
A Instrumentalização da disciplina Educação Física se da a partir do
conhecimento, sistematizado, culturalmente e trabalhando a criticidade reflexiva dos alunos
para usufruir do jogo, do esporte, das atividades rítmicas e dança, das práticas de aptidão
física, em benefício da qualidade de vida.
Catarse é o momento em que se solicita que do aluno a participação e
manifestação do que por eles foi assimilado, expressando a sua nova maneira de analisar o
conteúdo.
Síntese é a etapa que o aluno revela através de suas ações reais e efetivos que os
conteúdos problematizados, instrumentalizados e sintetizados mentalmente, são capazes de
transformar sua realidade.
É importante ressaltar que a atividade corporal é um elemento fundamental da
vida, através da qual nossos alunos poderão garantir mais qualidade de vida. Nesse caso, a
Educação Física Escolar vem somar-se à educação intelectual e moral, visando à formação do
aluno em uma educação integral – corpo, mente e espírito.

3 CARACTERÍSTICA DA REALIDADE DA ESCOLA


O Centro de Ensino Ardalião Américo Pires, fundado em 30 de abril de 1986, pelo
Governo do Estado, Luís Rocha, em convênio com a prefeitura Municipal de Barra do Corda,
localizada à rua Rio Juruá nº 401, bairro Tresidela
Recebeu esse nome em homenagem ao ex-líder político Ardalião Américo Pires,
maranhense natural de Barra do Corda, tendo exercido vários cargos público como: Delegado
de Policia, vereador em vários pleitos, e eleito vice-prefeito no período de 1973 a 1977. A
escola apresenta boas condições materiais e estruturais, com quadra e materiais esportivos,
dependências com acesso para portadores de necessidades especiais, banheiros com sanitário
acessíveis aos portadores de deficiência, cozinha, cantina, pátio, sala para os professores,
aparelho de DVD, impressora, televisão, data show e biblioteca, seu código no Inep é
21118582, conta com aproximadamente 400 alunos e cerca de 70 funcionários, em pleno
funcionamento.
Esse estabelecimento de Ensino foi criado com objetivo de oferecer uma Educação
Básica de qualidade e atendendo anseios da comunidade escolar foi implantado em 2004 o
Ensino Médio que iniciou atendendo uma turma de 1ª série no turno vespertino e quatro
turmas de 1ª série no turno noturno.
Atualmente a escola consegue atender a clientela devido a necessidade de uma
Unidade Escolar neste bairro com funcionamento em três turnos, no nível de Ensino médio,
sendo a mesma órgão integrante da estrutura da Secretaria de Estado de Educação e
diretamente subordinado a Unidade Gestora de Educação de Barra do Corda, tem como
Gestora Geral a profª Iusa Bilio de Sousa Arruda.

4 OBJETIVOS
4.1 DA ESCOLA
Oferecer aos alunos conteúdo pedagógico-didático de qualidade, participando e
promovendo ativamente a transformação, a evolução e a ascensão do ensino a partir da sua
vocação primeira de privilegiar a formação ética e educacional do ser humano. A escola busca
junto à sociedade cumprir o seu papel educacional, que é contribuir para a formação de seres
humanos cidadãos e seres humanos melhores. Pretende ser reconhecida pela sociedade como
uma escola de nível e de padrão considerável. Com o desenvolvimento de projetos abertos aos
alunos e aos funcionários e preparatório para o ENEM além do ensino médio regular.

4.2 GERAL DA DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA


Introduzir e integrar o aluno na cultura corporal de movimento, formando o
cidadão que vai produzi-la, reproduzi-la e transformá-la, instrumentalizando-o para usufruir do
jogo, do esporte, das atividades rítmicas e dança, das ginásticas e práticas de aptidão física, em
benefício da qualidade da vida” (BETTI e ZULIANI, 2002, p.75).

4.3 ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA PARA O ENSINO MÉDIO


- Experimentar, fruir e apreciar a pluralidade das práticas corporais, valorizando
o trabalho coletivo e o protagonismo;
- Usar práticas corporais, de forma proficiente e autônoma, para potencializar o
seu envolvimento em contextos de lazer, para a ampliação das suas redes de
sociabilidade e para a promoção da saúde;
- Compreender a origem e a dinâmica de transformação das representações e
práticas sociais que constituem a cultura corporal de movimento, seus vínculos
com a organização da vida coletiva e individual e com os agentes sociais
envolvidos em sua produção (Estado, mercado, mídia, instituições esportivas,
organizações sociais etc.);
- Identificar, interpretar e recriar os valores, os sentidos, os significados e os
interesses atribuídos às práticas corporais, bem como aos sujeitos que delas
participam;
- Desconstruir e combater os preconceitos com relação às práticas corporais e
aos seus participantes, compreendendo suas formas de produção e efeitos;
- Formular e empregar estratégias para resolver desafios e incrementar as
possibilidades de aprendizagem das práticas corporais, além de se envolver no
processo de ampliação do acervo cultural nesse campo;
- Reconhecer as práticas corporais como elementos constitutivos da identidade
cultural dos grupos e povos, identificando nelas os marcadores sociais de
classe social, gênero, geração, padrões corporais, raça/etnia, religião;
- Interferir na dinâmica da produção da cultura corporal de movimento local em
favor da fruição coletiva, bem como reivindicar condições adequadas para a
promoção das práticas de lazer, reconhecendo-as como um direito do cidadão;
- Examinar a relação entre a realização de práticas corporais e a complexidade
de fatores coletivos e individuais que afetam o processo saúde/doença,
reconhecendo os vínculos entre as condições de vida socialmente produzidas e
as possibilidades/impossibilidades do cuidado da saúde individual e coletiva;
- Compreender o universo de produção de padrões de desempenho, saúde,
beleza e estética corporal e o modo como afetam a educação dos corpos,
analisando criticamente os modelos disseminados na mídia e evitando
posturas consumistas e preconceituosas.

5 APRENDIZAGENS BÁSICAS DAS UNIDADES CURRICULARES DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O


ENSINO MÉDIO
5.1 O MUNDO DOS ESPORTES
- Experimentar e recriar uma ou mais modalidades dos esportes de combate,
bem como outros esportes com potencial para o envolvimento em práticas de
lazer.
- Fruir e apreciar a prática esportiva diversificada em contexto de lazer,
valorizando o trabalho coletivo e o protagonismo.
- Formular e utilizar estratégias individuais e coletivas para aprender e se
desempenhar, de forma elementar, nas modalidades esportivas tematizadas.
- Envolver-se e cooperar na produção de contextos seguros e inclusivos de
prática esportiva que facilitem a aprendizagem e a participação de todos nas
modalidades tematizadas.
- Conhecer as diversas formas de interação entre oponentes que caracterizam os
diversos tipos de esportes de combate.
- Identificar os princípios de funcionamento da tática individual e da estratégia
coletiva das diversas modalidades esportivas experimentadas.
- Diferenciar e reconhecer as modalidades esportivas com base nos critérios da
lógica interna.
- Reconhecer as particularidades da indumentária, materiais, instalações,
instituições relacionadas às modalidades esportivas experimentadas.
- Contribuir na organização de eventos esportivos recreativos, adequados às
características dos grupos participantes.
- Identificar as características das principais manifestações do esporte
contemporâneo (rendimento e participação) e as diversas formas de
significação da prática esportiva no tempo-livre.
- Entender e problematizar as relações entre “esporte e saúde” e “esporte e
aprendizagem de valores sociais”.
- Conhecer locais na comunidade e materiais disponíveis para realizar práticas
esportivas de seu interesse durante o tempo-livre.

5.2 ESPORTES PARA A VIDA I


- Praticar um ou mais esportes, escolhidos pelo coletivo da escola, usando, de
forma proficiente, as habilidades técnico-táticas, as combinações táticas
básicas e os sistemas de jogo simples apreendidos em aula.
- Fruir e apreciar a prática esportiva em grupos auto-organizados, valorizando o
trabalho coletivo e o protagonismo.
- Formular e utilizar estratégias individuais e coletivas, para a solução de
desafios técnicos e táticos, nas modalidades esportivas escolhidas pela
comunidade escolar, para praticá-las de forma proficiente.
- Envolver-se e cooperar na produção de contextos de prática esportiva
balizados por princípios de equidade e solidariedade, procurando oportunizar
a participação e a fruição de todos/as.
- Identificar os elementos de desempenho esportivo das modalidades escolhidas
pelo coletivo da escola para praticá-las de forma proficiente.
- Organizar eventos esportivos recreativos adequados às características dos
grupos participantes e desempenhar diferentes papéis (ex.: árbitro, secretário,
cronometrista, técnico, dirigente etc.) do mundo esportivo institucionalizado.
- Compreender criticamente a emergência e as transformações históricas dos
sentidos, significados e interesses constitutivos do fenômeno esportivo, alguns
de seus problemas (“doping”, corrupção, violência etc.), bem como levantar
hipóteses para sua solução.
- Adaptar locais na comunidade e materiais disponíveis para realizar as práticas
esportivas escolhidas pelo coletivo da escola durante o tempo livre.

5.3 ESPORTES PARA A VIDA II


- Praticar um ou mais esportes escolhidos pelo coletivo da escola, usando, de
forma proficiente, as habilidades técnico-táticas, as combinações táticas e os
sistemas de jogo.
- Fruir e apreciar a prática esportiva em grupos auto-organizados em diferentes
contextos, prezando o trabalho coletivo e o protagonismo.
- Formular e utilizar estratégias individuais e coletivas, para ajudar colegas na
solução de desafios técnicos e táticos, nas modalidades esportivas escolhidas
pelo coletivo da escola, para praticá-las de forma proficiente.
- Envolver-se e cooperar na produção de contextos de prática esportiva
balizados por princípios de equidade e solidariedade, procurando oportunizar
a participação e a fruição de todos, independentemente do nível de
desempenho, do gênero ao qual pertence ou qualquer outra característica.
- Reconhecer a influência dos elementos de desempenho esportivo na atuação
de um atleta ou equipe, nas modalidades escolhidas pelo coletivo da escola,
para praticá-las de forma proficiente.
- Interpretar os discursos midiáticos relacionados aos elementos de
desempenho esportivos.
- Organizar eventos esportivos recreativos, envolvendo os membros da
comunidade, desempenhando diferentes papéis (ex.: árbitro, secretário,
cronometrista, técnico, dirigente etc.) do mundo esportivo institucionalizado.
- Analisar criticamente a relação entre esporte e cultura de massa (ex.: mídia,
megaeventos, “merchandising”, entretenimento, espetáculo).
- Contextualizar os grandes eventos esportivos e suas implicações na cultura
corporal de movimento contemporâneo
- Conhecer os espaços de atuação profissional no universo das práticas
esportivas.
- Organizar-se coletivamente para propor e gerar alternativas, bem como
reivindicar locais apropriados e seguros, para o acesso da comunidade à
prática esportiva.
- Refletir sobre a relação entre práticas corporais, condições de vida, saúde,
bem-estar e possibilidades/impossibilidades no cuidado de si e dos outros.

5.4 GINÁSTICAS DE CONDICIONAMENTO FÍSICO I


- Realizar, de forma proficiente, exercícios físicos para o desenvolvimento das
capacidades físicas.
- Selecionar e executar exercícios de aquecimento, de acordo com a prática
corporal a ser realizada.
- Perceber a relação entre a realização do exercício físico e as alterações
corporais.
- Adaptar a execução de exercícios físicos às condições ambientais disponíveis
no cotidiano.
- Reconhecer a variedade de exercícios físicos como uma possibilidade de
valorização das diferenças de hábitos e modos de vida, com especial atenção
às problemáticas relacionadas ao nível socioeconômico.
- Explicar os fundamentos que justificam a realização do aquecimento, antes de
se iniciar uma prática corporal mais intensa, bem como a necessidade do
repouso entre uma sessão e outra de exercícios físicos.
- Entender e observar os cuidados básicos vinculados à alimentação e à
hidratação antes, durante e após a realização das práticas corporais.
- Compreender a relação estabelecida entre as ginásticas de condicionamento
físico e a produção de padrões de desempenho, saúde, beleza e estética
corporal.
- Inferir e questionar a relação entre condições de vida e o envolvimento de
grupos sociais específicos com as práticas corporais.
- Conhecer equipamentos e/ou locais disponíveis na comunidade para
realização de exercícios físicos.

5.5 GINÁSTICAS DE CONDICIONAMENTO FÍSICO II


- Elaborar e experimentar um ou mais programas de exercícios físicos.
- Diferenciar e refletir sobre as características do(s) programa(s) de exercício(s)
físico(s) elaborado(s) (planejamento, organização, método, locais,
equipamentos etc.), estabelecendo relações com os seus efeitos.
- Compreender criticamente as transformações históricas e os significados
atribuídos aos programas de exercícios físicos, estabelecendo relações com o
contexto de ocorrência e sujeitos envolvidos.
- Identificar a relação entre movimentos corporais repetitivos e danos ao
sistema osteomuscular.
- Analisar as relações entre a execução de práticas corporais, recuperação,
repouso, alimentação e hidratação.
- Analisar criticamente os padrões de desempenho, saúde, beleza e estética
corporal disseminados pela mídia, evitando posturas consumistas e
preconceituosas.
- Problematizar a prática excessiva de exercícios físicos e o uso de medicamentos
para a ampliação do rendimento ou potencialização do desenvolvimento
corporal.
- Compreender a relação entre o envolvimento com práticas corporais e o
processo saúde doença na complexidade de fatores individuais e coletivos que
o condicionam.
- Organizar-se coletivamente para propor e gerar alternativas, bem como
reivindicar locais apropriados e seguros para a realização de exercícios físicos e
políticas públicas voltadas para a promoção da saúde.

5.6 GINÁSTICAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CORPORAL


- Experimentar uma ou mais modalidades das ginásticas de conscientização
corporal (eutonia, tai chi chuan, bionergética, Feldenkrais, yoga etc.).
- Fruir ginásticas de conscientização corporal.
- Formular estratégias para resolver desafios surgidos durante a vivência das
ginásticas de conscientização corporal.
- Envolver-se na prática das ginásticas de conscientização corporal,
reconhecendo e valorizando as características individuais.
- Reconhecer e refletir sobre os objetivos, as características (conceitos, técnicas,
formatos e equipamentos empregados) e os significados atribuídos às
ginásticas de conscientização corporal.
- Compreender e identificar a relação entre atividades físicas (laboral, doméstica
e de deslocamento), posições habituais e postura corporal.
- Problematizar a relação entre práticas corporais mediadas por tecnologias
digitais e o processo contemporâneo de virtualização da realidade.
- Compreender criticamente as marcas sociais, as transformações históricas e os
significados atribuídos às ginásticas de conscientização corporal,
estabelecendo relações com o contexto de ocorrência e com os sujeitos
envolvidos.
- Analisar as condições existentes na comunidade para a prática de ginásticas de
conscientização corporal, reivindicando a oferta e/ou a ampliação de
programas para a população.
- Refletir sobre a relação entre práticas corporais, condições de vida, saúde,
bem-estar e possibilidades/impossibilidades no cuidado de si e dos outros.

5.7 O MUNDO DAS PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA


- Experimentar práticas corporais de aventura com potencial para o
envolvimento em contextos de lazer.
- Fruir e apreciar as praticar corporais de aventura, valorizando a segurança, a
própria integridade física e a dos outros.
- Apreciar práticas corporais de aventura.
- Identificar riscos, formular estratégias e observar normas de segurança, para
superar os desafios na realização de práticas corporais de aventura na
natureza.
- Realizar as práticas corporais de aventura, respeitando o patrimônio urbano
e/ou natural e minimizando os impactos de degradação ambiental.

5.8 PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA PARA A VIDA


- Realizar, de forma proficiente, uma ou mais modalidades de práticas corporais
de aventura escolhida(s) pela comunidade escolar.
- Fruir e apreciar a realização segura e autônoma das práticas corporais de
aventura.
- Identificar riscos, formular estratégias e observar normas de segurança para
ajudar colegas a superar os desafios da realização de práticas corporais de
aventura.
- Realizar as práticas corporais de aventura, respeitando o patrimônio urbano
e/ou natural, minimizando os impactos de degradação ambiental e orientar
outros praticantes a adotar a mesma postura.
- Conhecer as características (riscos, instrumentos, equipamentos de segurança,
indumentárias, organização) das práticas corporais de aventura escolhidas,
realizando-as de forma proficiente.
- Compreender criticamente as marcas sociais, a emergência e as
transformações históricas dos sentidos, significados e interesses constitutivos
das práticas corporais de aventura escolhidas, para realizá-las de forma
proficiente, bem como levantar hipóteses para intervir nesse processo de
mudanças.
- Organizar-se coletivamente para propor e gerar alternativas, bem como
reivindicar locais apropriados e seguros para o acesso às práticas corporais de
aventura.
- Refletir sobre a relação entre práticas corporais, condições de vida, saúde,
bem-estar e possibilidades/impossibilidades no cuidado de si e dos outros.

5.9 O MUNDO DAS DANÇAS


- Experimentar diversas danças com potencial de uso no lazer.
- Fruir o desafio de experimentar diversos tipos de dança.
- Apreciar a pluralidade das danças realizadas pelos diferentes grupos e povos
no contexto do lazer e do divertimento.
- Formular e utilizar estratégias para se apropriar dos elementos constitutivos
(ritmos, espaço, gestos) de diversos tipos de danças.
- Dançar, enfatizando a não discriminação de qualquer natureza, com ênfase nas
problemáticas relacionadas ao nível sócio-econômico.
- Construir categorias de diferenciação e de apreciação das danças populares
presentes na contemporaneidade.
- Compreender a localização social e as transformações históricas das danças
experimentadas, bem como as possibilidades de recriá-las.
- Problematizar a relação entre danças populares, mídia e mercado.
- Identificar, explorar e avaliar os locais disponíveis na comunidade para realizar
diferentes tipos de dança.

5.10 DANÇAS PARA A VIDA


- Realizar, de forma proficiente, as danças escolhidas pelo coletivo da escola com
potencial de uso no lazer.
- Fruir a experiência de dançar, de forma proficiente e autônoma, apreciando as
formas singulares de realização.
- Formular e utilizar estratégias para se apropriar dos elementos constitutivos
(ritmos, espaço, gestos) das danças tematizadas.
- Identificar, compreender e recriar coletivamente os valores atribuídos às
danças tematizadas.
- Analisar as características das danças tematizadas (ritmos, espaço, gestos).
- Compreender criticamente as marcas sociais, a emergência e as
transformações históricas dos sentidos, significados e interesses constitutivos
das danças tematizadas, bem como as possibilidades de recriá-las.
- Organizar-se coletivamente para propor e gerar alternativas, bem como
reivindicar locais apropriados para promover o envolvimento da comunidade
com as danças.
- Refletir sobre a relação entre práticas corporais, condições de vida, saúde,
bem-estar e possibilidades/impossibilidades no cuidado de si e dos outros

CONTEÚDOS BÁSICOS
Padrões Corporais e Corpolatria
Aspectos Gerais da Atividade Física
Função Social da Educação Física
Atividades Físicas Artes e Identidades brasileiras
Aptidão Física e ginástica laboral
Etapas de Execução da atividade física

METODOLOGIA DE ENSINO
- Aulas teóricas em sala de aula utilizando a Lousa, mural, cartazes, livros,
apostilas, revistas, notebook, computadores e data show.
- Exploração de textos de capítulos de livros e artigos científicos;
- Utilização e observação dos segmentos corporais e posturas básicas.
- Observação e experimentação da respiração em diferentes situações.
- Experimentação de estados de tensão e relaxamento de diferentes segmentos
corporais.;

RECURSOS DE ENSINO
- Equipamentos esportivos, bolas, quadra, redes, e etc.
- Recursos de Mídia, computador, vídeo, dvd, cd, internet, slide, TV, Data
show, filmes e internet
- Materiais alternativos e reciclados

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO
Conceitual
- Avaliação escrita com questões objetivas e discursivas;
- Organização de Mural com o resultado da pesquisa sobre danças e ritmos no
Maranhão;
- Trabalhos em sala de aula;
- Pesquisas;
- Seminário e Debates;
- Produção de relatório sobre o seminário
- Avaliação do aprendizado escrito e oral;
- Síntese individual escrita sobre as atividades desenvolvidas;

Procedimental
- Registro da evolução dos educandos nas atividades práticas desenvolvidas;
- Análise da participação no desenvolvimento das atividades em grupo;
- Observar a naturalidade e espontaneidade dos movimentos.
- Experimentação dos movimentos rítmicos em diferentes situações.
- Testes Físicos: - Abdominais; - Dorsais - Braços ;- Pernas ;- Velocidade ;-
Impulsão vertical ;- Resistência;- Flexibilidade
- Exames antropométricos: - Peso; - Altura - Medidas e avaliação da composição
corporal;- Índice de massa corpórea (IMC)

Atitudinal
- Apresentação de experiência;
- Escala de atitudes frente a realização dos exercícios e elementos específicos do
conteúdo
- Observação Direta com Registro de: Pontualidade, uniforme, postura, espírito
de grupo, tarefas, respeito e cooperação;

REFERENCIAL TEÓRICO

COSTILL, David L.; WILMORE, Jack H. Fisiologia do Esporte e do Exercício. 2ª ed. São Paulo:
Manole, 2001.

DARIDO, Suraya; SOUZA JÚNIOR, Osmar Moreira. Para ensinar Educação Física:
possibilidades de intervenção na escola. Campinas: Papirus, 2007.

ESTADO DO MARANHÃO. Calendário Escolar para 2017. São Luís, SEDUC 2017.

ESTADO DO MARANHÃO. Estrutura Curricular para a Rede Estadual De Ensino. São Luis,
Maranhão 2016.
ESTADO DO MARANHÃO. Orientações Normativas para o Funcionamento Escolar Ano Letivo
2015. São Luís, Maranhão 2015.

ESTADO DO MARANHÃO. Orientações Pedagógicas para o Ano Letivo 2017. São Luís,
Maranhão 2017.

ESTADO DO MARANHÃO. Caderno de Orientações Pedagógicas para o Ano Letivo 2018. São
Luís, Maranhão 2018.

FOSS, Merle L.; KETEYIAN, Steven J. Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6ª ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Currículo do Estado de São Paulo e Suas Tecnologias
Linguagens, Códigos. 2ª ed. São Paulo, 2011.

MACHADO, Silvana. Melhorando o Desempenho Escolar com Planejamento: Caderno de


Apoio à elaboração do Planejamento Docente. São Luís, SEDUC 2017.

PALMA, A. V.; OLIVEIRA, A. A.; PALMA, J. A. Educação física e a organização curricular:


educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. 2ªed. Londrina: EDUEL, 2010.