Você está na página 1de 44

UP704 C/CE

Conversores de Interface CPE

Instalação e Operação
Revisão 00
13/Novembro/2007

Nome do Produto: Instalação e Operação


Copyright © 2007 por Parks S.A. Comunicações Digitais
ÍNDICE

ÍNDICE.......................................................................................................................................................................................2

LISTA DE TABELAS ..............................................................................................................................................................4

LISTA DE FIGURAS...............................................................................................................................................................5

DIREITOS DE EDIÇÃO .........................................................................................................................................................6

TERMO DE GARANTIA .......................................................................................................................................................7

SUPORTE TÉCNICO .............................................................................................................................................................8

RMA - AUTORIZAÇÃO DE REMESSA PARA CONSERTO .......................................................................................9

1. APRESENTAÇÃO .........................................................................................................................................................11
1.1. DESCRIÇÃO DO P RODUTO.........................................................................................................................................11
1.2. OPCIONAIS E XTERNOS ..............................................................................................................................................11
2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ................................................................................................................................12
2.1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ..................................................................................................................................12
2.2. NORMAS APLICÁVEIS ...............................................................................................................................................14
3. INSTALAÇÃO................................................................................................................................................................15
3.1 INTRODUÇÃO.............................................................................................................................................................15
3.2 DESEMBALANDO OS EQUIPAMENTOS ......................................................................................................................15
3.3 P AINEL F RONTAL......................................................................................................................................................15
3.4 P AINEL TRASEIRO .....................................................................................................................................................17
3.5 INSTALANDO OS CONVERSORES UP704 C E UP704 CE.........................................................................................18
3.5.1 Conexão à Rede Elétrica.................................................................................................................................18
3.5.2 Estrapes ............................................................................................................................................................18
3.6 INTERFACE DIGITAL .................................................................................................................................................20
3.6.1 Interface Digital V.35......................................................................................................................................20
3.6.2 Interface Digital V.36......................................................................................................................................22
3.6.3 Interface Digital G.703/G.704........................................................................................................................24
3.6.4 Interface Ethernet............................................................................................................................................25
3.6.5 Interface Digital G+V+E................................................................................................................................25
4. OPERAÇÃO....................................................................................................................................................................26
4.1 INTRODUÇÃO.............................................................................................................................................................26
4.2 INICIALIZAÇÃO..........................................................................................................................................................26
4.3 CONFIGURAÇÃO ........................................................................................................................................................26
4.3.1 Menu 1 - Configuração Conversor.................................................................................................................26
Sub-Menu 1 - Velocidade de Operacao ..........................................................................................................................27
Sub-Menu 2 - Relogio de Transmi ssao ...........................................................................................................................27
Sub-Menu 3 - Canal Inicial..............................................................................................................................................28
Sub-Menu 4 - Cascateamento..........................................................................................................................................28
Sub-Menu 5 - Chaves do Painel ......................................................................................................................................29
Sub-Menu 7 - Restaurar Configuracoes de Fabrica ......................................................................................................29
4.3.2 Menu 2 - Configuração Interface ...................................................................................................................29

Índice - 2
Sub-Menu 1 - TimeSlot 16................................................................................................................................................30
Sub-Menu 2 - Emulacao CAS ..........................................................................................................................................30
Sub-Menu 3 - CRC4 .........................................................................................................................................................31
Sub-Menu 4 - Pedido de LDR..........................................................................................................................................31
Sub-Menu 5 - Controle CT105 ........................................................................................................................................31
Sub-Menu 6 - Controle CT140/CT141............................................................................................................................32
Sub-Menu 7 - Inversao Relogio Tx..................................................................................................................................32
Sub-Menu 8 - Geração de AIS .........................................................................................................................................33
Sub-Menu 9 - Ethernet (disponível apenas para o modelo UP704 CE) .......................................................................33
4.4 APLICAÇÃO ...............................................................................................................................................................34
4.5 LAÇOS DE TESTE.......................................................................................................................................................36
4.5.1 Laço Analógico Local (LDL) ..........................................................................................................................36
4.5.2 Laço Analógico Local (LAL)...........................................................................................................................36
4.5.3 Laço Digital Remoto (LDR) ............................................................................................................................37
4.5.4 BERT.................................................................................................................................................................37
5. CONSOLE.......................................................................................................................................................................38
5.1. MENU P RINCIPAL......................................................................................................................................................39
5.2. MENU 1 - CONFIGURAÇÃO C ONVERSOR .................................................................................................................39
5.3. MENU 2 - CONFIGURAÇÃO INTERFACE ...................................................................................................................40
5.4. MENU 3 - STATUS .....................................................................................................................................................40
5.5. MENU 4 - TESTES ......................................................................................................................................................41
5.6. MENU 5 - VERSÕES ...................................................................................................................................................41
6. SOLUCIONANDO PROBLEMAS .............................................................................................................................42
6.1. P ROBLEMAS DE ALIMENTAÇÃO ...............................................................................................................................42
6.2. SISTEMA NÃO TRAFEGA DADOS ..............................................................................................................................42
6.2.1. Interface Digital V.35/V.36 .............................................................................................................................42
6.2.2. Interface G.703 ................................................................................................................................................43
6.2.3. Interface Ethernet (disponível apenas para o modelo UP704 CE)..............................................................43
7. ETIQUETA DE PRODUTO PARKS..........................................................................................................................44

Índice - 3
LISTA DE TABELAS
TABELA 3-1. - LEDS DO P AINEL F RONTAL...............................................................................................................................16
TABELA 3-2. - CONECTORES DO P AINEL FRONTAL .................................................................................................................16
TABELA 3-3. - CHAVES DO P AINEL F RONTAL..........................................................................................................................16
TABELA 3-4. - ELEMENTOS DO P AINEL TRASEIRO ..................................................................................................................17
TABELA 3-5. - CONFIGURAÇÃO DOS ESTRAPES .......................................................................................................................19
TABELA 3-6. - INTERFACE V.35 ...............................................................................................................................................21
TABELA 3-7. - INTERFACE V.36 ...............................................................................................................................................23
TABELA 3-8. - INTERFACE G.703/G.704 75Ω. ........................................................................................................................24
TABELA 3-9. - INTERFACE G.703/G.704 120Ω. ......................................................................................................................24
TABELA 3-10. - P INAGEM CONECTOR ETHERNET ...................................................................................................................25
TABELA 5-1. - P INAGEM CABO CONSOLE ................................................................................................................................38

Lista de Tabelas - 4
LISTA DE FIGURAS
FIGURA 3-1. - P AINEL F RONTAL UP704 C...............................................................................................................................15
FIGURA 3-2. - P AINEL F RONTAL UP704 CE............................................................................................................................15
FIGURA 3-3. - P AINEL TRASEIRO UP704 C..............................................................................................................................17
FIGURA 3-4. - P AINEL TRASEIRO UP704 CE. ..........................................................................................................................17
FIGURA 3-5. - PCI UP704 C/CE. .............................................................................................................................................18
FIGURA 3-6. - CABO ADAPTADOR PARA INTERFACE V.35......................................................................................................20
FIGURA 3-7. - CABO ADAPTADOR PARA INTERFACE V.36......................................................................................................22
FIGURA 3-8. - OPERAÇÃO EM G à V + E................................................................................................................................25
FIGURA 4-1. - MENU DE CONFIGURAÇÃO C ONVERSOR...........................................................................................................26
FIGURA 4-2. - SUB-MENU: 1 - VELOCIDADE DE O PERAÇÃO ...................................................................................................27
FIGURA 4-3. - SUB-MENU: 2 - RELÓGIO DE TRANSMISSÃO.....................................................................................................27
FIGURA 4-4. - SUB-MENU: 3 - CANAL INICIAL ........................................................................................................................28
FIGURA 4-5. - SUB-MENU: 4 - CASCATEAMENTO ....................................................................................................................28
FIGURA 4-6. - SUB-MENU: 5 - CHAVES DO P AINEL .................................................................................................................29
FIGURA 4-7. - SUB-MENU: 7 - RESTAURAR CONFIGURAÇÕES DE FÁBRICA ...........................................................................29
FIGURA 4-8. - MENU: 2 - CONFIGURAÇÃO INTERFACE ...........................................................................................................29
FIGURA 4-9. - SUB-MENU: 1 - TIMESLOT 16............................................................................................................................30
FIGURA 4-10. - SUB-MENU: 2 - EMULAÇÃO CAS....................................................................................................................30
FIGURA 4-11. - SUB-MENU: 3 - CRC4 .....................................................................................................................................31
FIGURA 4-12. - SUB-MENU: 4 - P EDIDO DE LDR.....................................................................................................................31
FIGURA 4-13. - SUB-MENU: 5 - CONTROLE CT-105................................................................................................................31
FIGURA 4-14. - SUB-MENU: 6 - CONTROLE CT140/CT141 ....................................................................................................32
FIGURA 4-15. - SUB-MENU: 7 - INVERSÃO R ELÓGIO TX .........................................................................................................32
FIGURA 4-16. - SUB-MENU: 8 - GERAÇÃO DE AIS ..................................................................................................................33
FIGURA 4-17. - SUB-MENU: 9 - ETHERNET ..............................................................................................................................33
FIGURA 4-18. - UP704 C/CE OPERANDO EM G à V ..............................................................................................................34
FIGURA 4-19. - UP704 CE OPERANDO EM G à E ..................................................................................................................34
FIGURA 4-20. - UP704 CE OPERANDO EM E à G à G à E.................................................................................................34
FIGURA 4-21. - UP704 C/CE OPERANDO EM E à G à G à E.............................................................................................35
FIGURA 4-22. - LAÇO DIGITAL L OCAL (LDL).........................................................................................................................36

Lista de Figuras - 5
DIREITOS DE EDIÇÃO
Copyright © 2006 por Parks S.A. Comunicações Digitais

Este manual não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, sem a expressa autorização por escrito da
PARKS S.A. COMUNICAÇÕES DIGITAIS.

Seu conteúdo tem caráter exclusivamente técnico/informativo e os editores se reservam o direito de, sem
qualquer aviso prévio, fazer as alterações que julgarem necessárias.

Todos os produtos PARKS estão em contínuo processo de aperfeiçoamento, sendo que algumas caracterís-
ticas incluídas no produto, solicitadas por clientes, podem não estar incluídas no manual, sendo estas ane-
xadas ao produto mediante adendos e erratas.

A PARKS S.A. COMUNICAÇÕES DIGITAIS agradece qualquer contribuição ou crítica que possa melhorar a
qualidade deste manual e facilitar o entendimento do equipamento que o mesmo descreve.

PARKS S.A. COMUNICAÇÕES DIGITAIS


Av. Cruzeiro, 530 - Distrito Industrial
94930-615 - Cachoeirinha - RS

Fone: (51) 3205-2100


Fax: (51) 3205-2170

Web site: www.parks.com.br

Direitos de Edição - 6
TERMO DE GARANTIA
Para utilizar os serviços de garantia de seu produto Parks, você precisará apresentar uma cópia de
sua Nota Fiscal de Compra, com a data de emissão legível, juntamente com o Certificado de Garantia que
acompanha este produto.
Obrigado por escolher um produto Parks.

Termo de Garantia - 7
SUPORTE TÉCNICO
Ao contatar o Suporte Técnico Parks, por favor, tenha as seguintes informações disponíveis:
• Modelo e número de série do produto;
• Informações sobre a garantia – dados da Nota Fiscal de Compra do produto;
• Breve descrição do problema e os passos que foram executados para resolvê-lo.

Tabela 1. Métodos de Acesso para Brasil e América Latina


Método Descrição
E-mail Suporte suporte@parks.com.br
E-mail Vendas telecom@parks.com.br - Operadoras Fixas e Móveis

canais@parks.com.br - Distribuidores e Integradores –


Canais Indiretos

Telefone (0xx51) 3205-2100


Fax (0xx51) 3205-2170

Web Site http://www.parks.com.br

Correio Comum
PARKS S.A. COMUNICAÇÕES DIGITAIS
Av. Cruzeiro, 530 - Distrito Industrial
94930-615 - Cachoeirinha - RS

Atenção
Antes de contatar com o Suporte Técnico, verifique o tipo de suporte necessário, pois não são de
responsabilidade da Parks problemas de configuração do modem, tais como:
• Configuração de sua rede local;
• Configuração de seu(s) computador(es), ou de seu(s) sistema(s) operacional(nais),
aplicativos, etc.

Suporte Técnico - 8
RMA - AUTORIZAÇÃO DE REMESSA PARA CONSERTO
Instruções para o envio do equipamento no período da garantia:
O equipamento deve ser enviado em embalagem original ou adequada para o manuseio e
transporte, juntamente com sua fonte de alimentação (quando o equipamento possuir fonte de
alimentação externa).
O frete de envio do equipamento à Parks deverá ser pago pelo remetente, enquanto que o frete
de retorno será pago pela Parks ou conforme política comercial da Parks vigente no momento da
venda.
Pessoa Física:
1. Preencher, com letra legível, a autorização de remessa para conserto (RMA);
2. Anexar cópia da nota fiscal de compra do equipamento;
3. Embalar a autorização e a cópia da nota fiscal juntamente com o equipamento e enviá-lo
para o endereço abaixo indicado.
Importante: O equipamento que não estiver com a cópia da nota fiscal ou com a autorização de
remessa para conserto (RMA) preenchida corretamente será retornado ao cliente com frete a cobrar.

Pessoa Jurídica:
1. Emitir uma nota fiscal de remessa para conserto;
2. Anexar cópia da nota fiscal de compra do equipamento*;
3. Embalar o equipamento e enviá-lo para o endereço abaixo indicado.
Importante: (*) Salvo disposições em contrário estabelecidas em contrato específico firmado entre as
partes.

Dados para envio e emissão de nota fiscal:


PARKS S.A. COMUNICAÇÕES DIGITAIS
Av. Cruzeiro, 530 - Distrito Industrial
94930-615 - Cachoeirinha - RS
CNPJ: 92.679.331/0009-75
IE: 177/0123706

RMA - Autorização de Remessa para Conserto - 9


Modelo de RMA
Para o envio de equipamento para conserto, dentro ou fora da garantia, são necessárias as
seguintes informações, conforme modelo de RMA apresentado abaixo.

Dados do Cliente

Cliente:...........................................................................................

CNPJ/CPF:................................... Inscrição estadual:...................................

Endereço:.............................................................................N°: .........

Bairro:..................................... Cidade.................................. Estado:......

CEP.............................. -.......... Telefone: ............................................

Dados do Equipamento

Modelo:..................................... Nº de série:..........................................

___________________________________________ __________________________________________
Local/data Assinatura

RMA - Autorização de Remessa para Conserto - 10


1. APRESENTAÇÃO

1.1. Descrição do Produto


Os equipamentos UP704 C e UP704 CE são conversores de interface e taxa de dados. Conforme o
modelo, possibilitam a conversão da interface G.703 para interface V.35/V.36, interface G.703 para in-
terface Ethernet, ou ainda, interface G.703 para as interfaces V.35/V.36 e Ethernet simultaneamente.

Os conversores de interface podem operar em velocidades múltiplas de 64kbps (n x 64 kbit/s, n de 1 a


32) na interface digital V.35/V.36 e/ou Ethernet, com estrutura de quadros conforme G.704, o qual pos-
sibilita transmitir os timeslots de forma seqüencial.

Os equipamentos oferecem a funcionalidade denominada cascateamento (drop-insert). Esta facilidade


permite que vários conversores compartilhem o mesmo frame E1, uma vez que raramente este frame é
utilizado na sua totalidade, desta forma economizando portas do Mux E1 e agregando valor ao circuito
de voz/dados.

Os equipamentos suportam operação com CRC-4 (Cyclic Redundancy Check-4) e CAS (Channel Asso-
ciated Signaling), conforme G.704. Através do console é possível visualizar a ocorrência de erro de
CRC-4 e indicação de sincronismo de multi-frame.

Em ambos os modelos existem as opções de operar com relógio interno, externo (sinal de relógio
CT113/XTC da interface V.35/V.36) ou regenerado (a partir do sinal G.703 recebido). Na falta de sinal
G.703, o conversor comuta automaticamente para relógio interno.

Ambos os modelos possuem facilidades de testes, permitindo a realização de laço analógico local
(LAL), laço digital local (LDL), laço digital remoto (LDR) e BERT (Bit Error Rate Test), para um rápido i-
solamento do problema em caso de falhas no link.

Ambos os modelos são apresentados na versão CPE.

1.2. Opcionais Externos


: Cabo Console
: Adaptador V.24 – V.35 Padrão ISO2110 Amd.1 ou TELEBRÁS 225-540-736
: Adaptador V.24 – V.36 Padrão ISO2110 Amd.1 ou TELEBRÁS 225-540-736

Apresentação - 11
2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

2.1. Características Técnicas

Modelos
: UP704 C – Conversor de Interface e Taxa de dados G.703/G.704 para V.35/V.36.
: UP704 CE – Conversor de Interface e Taxa de dados G.703/G.704 para V.35/V.36, G.703 para
Ethernet e G.703 para V.35/V.36 e Ethernet simultaneamente.

Interfaces Elétricas
: G.703 E1, 2048 kbps ±50ppm, codificação HDB3, 120 ou 75 ohms (selecionável via dip switch).
: V.35/V.36, nx64 kbps (n=1..32), padrão ISO2110 Amd.1 ou TELEBRÁS 225-540-736.
: Ethernet 10/100 Base-T, auto-sense, full-duplex, MDI/MDI-X conforme IEEE 802.3 (disponível
apenas para o modelo UP704 CE).

Facilidades de Teste
: Laço Digital Local
: Laço Analógico Local
: Laço Digital Remoto
: BERT (Bit Error Rate Test)

Configuração e Monitoração
A configuração do conversor é feita através de Console (ANSI/VT100 8N1), exceto a configuração física
da Interface Digital V.35/V.36 e a impedância da interface G.703, que são feitas exclusivamente por es-
trapes. Através do Console também é possível monitorar o UP704 C/CE.

Alimentação
: AC: De 93 VAC a 253 VAC.
: DC: De –36 VDC a –60 VDC.

Consumo Máximo
O consumo é dependente de vários fatores, entre os quais: número de interfaces ativas, taxa e ainda
facilidades disponíveis no modelo.

: UP704 C: +5V (440 mA), +3.3V (200 mA), –5V (40 mA)
: UP704 CE: +5V (150 mA), +3.3V (200 mA), –5V (40 mA)

Especificações Técnicas - 12
Condições Ambientais de Operação
: Temperatura de operação: 0ºC a 65ºC
: Umidade relativa: até 95% não condensada

Dimensões
: Altura: 5,5 cm
: Largura: 25 cm
: Profundidade: 18,8 cm

Peso
: 630 gramas

Especificações Técnicas - 13
2.2. Normas Aplicáveis

Resoluções Anatel

: Anexo à Resolução n° 442 - Regulamento para Certificação de Equipamentos de


Telecomunicações quanto aos Aspectos de Compatibilidade Eletromagnética.
: Anexo à Resolução nº 238 - Regulamento para a Certificação de Equipamentos de
Telecomunicações quanto aos Aspectos de Segurança Elétrica.

Práticas TELEBRÁS

: Prática TELEBRÁS 240-600-703: “Condições Ambientais Aplicáveis a Equipamentos de


Telecomunicações e Equipamentos Auxiliares”.
: Prática TELEBRÁS 225-540-730: “Especificações Gerais de Circuitos de Interconexão entre
Equipamento Terminal de Dados (ETD) e Equipamento de Comunicação de Dados (ECD)”.
: Prática TELEBRÁS 225-100-706: “Especificações Gerais de Equipamento Multiplex 2048 kbit/s
– MCP-30B”.

Normas ABNT

: NBR 13414: Circuito de interconexão entre equipamento terminal de dados(ETD) e


equipamento de comunicação de dados(ECD).
: NBR-13415: Circuito de interconexão desbalanceado para velocidades de transmissão do sinal
de dados até 100 kbit/s.
: NBR-13416: Circuito de Interconexão Balanceado para Velocidades de Transmissão do Sinal
de Dados até 10 Mbit/s.

Normas ITU

: ITU-T V.35: Data transmission at 48 kbit/s using 60-108 kHz group band circuits.
: ITU-T V.36: Modems for synchronous data transmission using 60-108 kHz group band circuits.
: ITU-T G.703: Physical/electrical characteristics of hierarchical digital interfaces.
: ITU-T G.704: Synchronous frame structures used at 1544, 6312, 2048, 8448 and 44736 kbit/s
hierarchical levels.
: ITU-T G.823: The control of jitter and wander within digital networks which are based on the
2048 kbit/s hierarchy.

Normas IEEE
: IEEE 802.3: Telecommunications and information exchange between systems - Local and
metropolitan area networks - Specific requirements, Part 3: Carrier sense multiple access with
collision detection (CSMA/CD) access method and physical layer specifications.

Especificações Técnicas - 14
3. INSTALAÇÃO

3.1 Introdução
Este capítulo tem por objetivo, auxiliar ao operador na instalação dos conversores UP704 C e UP704
CE. Ao longo deste capítulo, serão descritos também os elementos do painel frontal, bem como as inter-
faces disponibilizadas pelos conversores a fim de facilitar a instalação e a operação dos equipamentos.

3.2 Desembalando os Equipamentos


Retire os produtos das embalagens, tomando cuidado para não danificar as mesmas, pois elas poderão
lhe ser úteis em caso de eventuais transportes dos equipamentos.

Inspecione visualmente os produtos a fim de verificar a ocorrência de possíveis avarias decorrentes do


transporte, tais como amassados, arranhões, componentes soltos, etc.

Caso seja constatada alguma avaria nos equipamentos, notifique imediatamente a transportadora e o
fornecedor.

3.3 Painel Frontal

Figura 3-1. - Painel Frontal UP704 C

Figura 3-2. - Painel Frontal UP704 CE

Instalação - 15
Elementos do Painel Frontal

Tabela 3-1. - Leds do Painel Frontal

Led Descrição
Aceso indica modem ligado e fonte de alimentação operando normalmente.

RXD Indica dados recebidos do equipamento remoto na interface G.703 sendo


enviados para o ETD (CT-104) conectado à interface V.35/V.36.
TXD Indica dados recebidos do ETD (CT-103) conectado à interface V.35/V.36, a
serem enviados pela interface G.703 para o equipamento remoto.
RTS Sinal de controle do ETD que indica pedido para transmitir (CT-105). Pode
ser configurado com forçado em ON.
CTS Indica que o conversor está pronto para transmitir (CT-106).

DCD Sinal de controle gerado pelo conversor, indicando que o receptor está sin-
cronizado com a estrutura G.704, incluindo CRC-4 e CAS (Multiquadro).
RINT Aceso indica que o modem está transmitindo com relógio interno.
ERR Aceso indica que um erro de bit foi detectado quando em teste BERT.
TEST Aceso indica que o equipamento está executando algum Teste.
* ETH Aceso, indica link ativo. Piscando indica fluxo de dados na interface Ethernet.
* Disponível apenas para o modelo UP704 CE.

Tabela 3-2. - Conectores do Painel Frontal

Conectores Descrição
TERMINAL Possibilita a conexão de um terminal ANSI/VT100 (19200 8N1) para configu-
ração, monitoração e atualização de firmware.

Tabela 3-3. - Chaves do Painel Frontal

Chaves Descrição
LDL Quando pressionada aciona Laço Digital Local. Ver item 4.4.1.
LDR Quando pressionada aciona Laço Digital Remoto. Ver item 4.4.3.
LAL Quando pressionadas simultaneamente, as chaves LDL e LDR acionam o
Laço Analógico Local. Ver item 4.4.2.

Instalação - 16
3.4 Painel Traseiro

Figura 3-3. - Painel Traseiro UP704 C.

Figura 3-4. - Painel Traseiro UP704 CE.

Tabela 3-4. - Elementos do Painel Traseiro

Elemento Descrição
36-60VDC / Conector para alimentação AC (93 a 253 VAC) ou DC (–36 a –60 VDC). Quando
o cabo inserido e alimentado, automaticamente o UP704 C/CE é ligado. Observar
93-253VAC
o indicador .
* ETHERNET Conector RJ45 fêmea para conexão da interface Ethernet.
V.35 / V.36 Conector Delta de 25 pinos (DB25) para conexão da interface V.35 ou V.36. Deve
ser adquirido cabo adaptador compatível com a aplicação.
G703 IN / OUT Conectores BNC para ligação dos sinais TXD e RXD da interface digital G.703 75
75O ohms.
G703 120O Conector RJ45 fêmea para ligação dos sinais TXD e RXD da interface digital
G.703 120 ohms.
* Disponível apenas para o modelo UP704 CE.

Instalação - 17
3.5 Instalando os conversores UP704 C e UP704 CE
3.5.1 Conexão à Rede Elétrica
Antes de conectar o gabinete à rede elétrica, o usuário deve certificar-se de que o sistema de ater-
ramento está de acordo com as normas técnicas vigentes. O correto aterramento preserva a sua
segurança e a de seus equipamentos. Além do aterramento, toda a instalação elétrica externa ao
equipamento deve estar em conformidade com as normas técnicas vigentes.
Conectar o cabo de alimentação à rede elétrica (93 a 253 VAC ou –36 a –60 VDC) e observar o a-
cionamento do led indicador . Caso este indicador não seja ativado ou venha a ser desativado du-
rante a operação do equipamento, veja o item Solucionando Problemas.

3.5.2 Estrapes
Os conversores UP704 C e UP704 CE possibilitam ao usuário selecionar a impedância da interface
G.703 para 75O ou 120O. Para isso é necessário posicionar os estrapes E24, E25, E26 e E27 para
a opção desejada (1-2 75O ou 2-3 120O).
Além da impedância da interface G.703, também é possível selecionar se a interface V irá operar
como V.35 ou V.36. Para isso é necessário posicionar os estrapes E1 a E18 para a opção desejada
(1-2 V.35 ou 2-3 V.36).
Estes estrapes encontram-se na parte interna do equipamento, sendo necessário abri-lo para efetu-
ar estas configurações. Os conversores UP704 C/CE saem configurados de fábrica como V.35 e
impedância da interface G.703 como 75O.

Figura 3-5. - PCI UP704 C/CE.

Instalação - 18
Tabela 3-5. - Configuração dos Estrapes

Estrapes Função Posição

Habilita interface digital do tipo V.35. 1 –2


E1 à E18
Habilita interface digital do tipo V.36 2–3

Impedância da interface G.703 para 75O. 1–2


E24 à E27
Impedância da interface G.703 para 120O. 2–3

Instalação - 19
3.6 Interface Digital
O UP704 C possui as interfaces V.35/V.36 e G703, enquanto o UP704 CE possui as interfaces
V.35/V.36, Ethernet e G703. O acesso as interfaces é feito através do painel traseiro e são habilitadas a
partir da configuração pelo console. Além disso, será necessário um adaptador apropriado para cone-
xão da interface V.35 ou V.36. Os adaptadores são opcionais e devem ser adquiridos conforme a apli-
cação desejada.

A seguir serão descritas as interfaces disponíveis no UP704 C e UP704 CE.

3.6.1 Interface Digital V.35


Os sinais de dados e relógio presentes nesta interface digital são do tipo diferencial e balanceado,
de acordo com o Apêndice II da recomendação V.35 do ITU-TS. Os sinais de controle, por sua vez,
seguem a recomendação V.28.
A conexão mecânica geralmente é feita através de um conector retangular, como mostrado na figu-
ra 3-5, de 34 pinos, o qual obedece ao padrão ISO-2593.

Figura 3-6. - Cabo Adaptador para Interface V.35.


Este cabo possui um conector retangular de 34 pinos tipo fêmea em uma ponta e um conector delta
de 25 pinos (DB25) macho na outra, cuja pinagem é definida através da tabela 3-7.
Os estrapes E1 a E18 localizadas no interior do modem devem estar configurados para a posição
1–2.

Instalação - 20
Tabela 3-6. - Interface V.35

Pino DB25
Número Circui- Pino DB25 Pino M34
Função TELEBRÁS Sinal Origem
to ITU-TS ISO2110 Amd.1 ISO2593
225-540-736

Terra de
CT-101 1 1 P.Gnd A
proteção

Terra de 7
CT-102 13 S.Gnd B
sinal 23

Dados a 2 2 Sda P
CT-103 ETD
transmitir 14 15 SDb S

Dados a 3 4 Rda R
CT-104 ECD
receber 16 17 RDb T
Pedido p/
CT-105 4 5 RS C ETD
transmitir
Pronto p/
CT-106 5 7 CS D ECD
transmitir
Modem
CT-107 6 9 DM E ECD
pronto
Portadora
CT-109 8 10 RR F ECD
presente
Relógio de 24 11 TTa U
CT-113 transmissão ETD
externo 11 24 TTb W

Relógio de 15 3 Sta Y
CT-114 ECD
transmissão 12 16 STB ou AA

Relógio de 17 6 Rta V
CT-115 ECD
recepção 9 19 RTb X
Pedido de
CT-140 21 23 N ETD
LDR
Pedido de
CT-141 18 8 L ETD
LAL
Modem em
CT-142 25 12 NN/n ECD
teste

Instalação - 21
3.6.2 Interface Digital V.36
Os sinais destas interfaces são do tipo diferencial balanceados e seguem as características elétricas
da recomendação V.11 do ITU-TS, para dados e relógios, assim como V.10 e V.11 para os sinais de
controle.
A conexão mecânica para a interface V.36 geralmente é feita através de um conector trapezoidal de
37 pinos, o qual obedece ao padrão ISO-4902. Para interligar o equipamento a um ETD com este ti-
po de conector, é necessário utilizar um cabo adaptador, o qual pode ser adquirido, opcionalmente,
com o equipamento.

Figura 3-7. - Cabo Adaptador para Interface V.36

A interface EIA-449 é implementada de maneira idêntica à V.36, inclusive com o mesmo cabo
adaptador. Contudo, somente são implementados os circuitos da EIA-449 relevantes ao
equipamento.
A conexão mecânica para a interface EIA-530A é feita através de um conector delta de 25 pinos tipo
fêmea disponível no gabinete, não sendo necessária a utilização de cabo adaptador.
Os estrapes E1 a E18 localizadas no interior do modem devem estar configurados para a posição
2–3.

Instalação - 22
Tabela 3-7. - Interface V.36

Pino DB25
Número do Cir- Pino DB25 Pino M34
Função TELEBRÁS Sinal Origem
cuito ITU-TS ISO2110 Amd.1 ISO2593
225-540-736

CT-101 Terra de proteção 1 1 P.Gnd 1


CT-102a 7 S.Gnd a 19
Terra de sinal 13
CT-102b 23 S.Gnd b 20
CT-103a 2 2 SDa 4
Dados a transmitir ETD
CT-103b 14 15 SDb 22
CT-104a 3 4 RDa 6
Dados a receber ECD
CT-104b 16 17 RDb 24
CT-105a Pedido p/ transmi- 4 5 RSa 7
ETD
CT-105b tir 19 18 RSb 25
CT-106a Pronto p/ transmi- 5 7 CSa 9
ECD
CT-106b tir 13 20 CSb 27
6 9 DMa 11
CT-107 Modem pronto ECD
23 21 DMb 29
CT-109a Portadora presen- 8 10 RRa 13
ECD
CT-109b te 10 22 RRb 31
CT-113a Relógio de trans- 24 11 TTa 17
ETD
CT-113b missão externo 11 24 TTb 35
CT-114a Relógio de trans- 15 3 STa 5
ECD
CT-114b missão 12 16 STB 23
CT-115a Relógio de recep- 17 6 RTa 8
ECD
CT-115b ção 9 19 RTb 26
CT-140 Pedido de LDR 21 23 14 ETD
CT-141 Pedido de LAL 18 8 10 ETD
CT-142 Modem em teste 25 12 18 ECD

Instalação - 23
3.6.3 Interface Digital G.703/G.704
Esta interface está de acordo com a recomendação G.703/.704 do ITU-TS para a velocidade de
2048 kbit/s e implementada em dois conectores BNC fêmea (IN/OUT) de impedância de 75Ω, ou a-
inda, em um conector RJ45 de impedância 120Ω .

Tabela 3-8. - Interface G.703/G.704 75Ω .

Sinal Conector BNC Direção

RXDa (Núcleo)
IN ETD (Central) à Modem
RXDb (Malha)

TXDa (Núcleo)
OUT Modem à ETD (Central)
TXDb (Malha)

Tabela 3-9. - Interface G.703/G.704 120Ω.

Sinal Conector RJ45 Direção

RXDa 1
ETD (Central) à Modem
RXDb 2

TXDa 4
Modem à ETD (Central)
TXDb 5

Instalação - 24
3.6.4 Interface Ethernet
O conversor UP704 CE possuí uma interface Ethernet que opera em modo Bridge. Esta interface
possuí suporte a VLAN/TAG, auto-negotiation 10/100Base-T, auto-sense, full-duplex conforme es-
pecificado na norma IEEE 802.3.
Seu acesso está disponível através de um conector RJ45 fêmea localizado no painel traseiro do
modem, sendo possível a utilização de cabo reto ou cross (MDI/MDI-X) para conexão, sem a ne-
cessidade de adaptadores.
Operando como Bridge, sua função é segmentar uma rede local impedindo que todo o tráfego E-
thernet seja transmitido ao equipamento remoto evitando desperdício de banda. Para tanto, a Bridge
tem a capacidade de aprender automaticamente os endereços MAC das estações conectadas à re-
de local, podendo com isso filtrar o tráfego e transmitir para o lado WAN apenas os pacotes corres-
pondentes a endereços MAC não existentes na rede local.
Esta interface Ethernet opera na camada MAC, sendo totalmente transparente aos protocolos das
camadas superiores, tais como TCP/IP, UDP, etc.
A tabela de endereços locais pode armazenar até 2.000 endereços MAC, e caso uma estação fique
inativa por mais de 5 minutos, seu endereço é removido da tabela.

Tabela 3-10. - Pinagem Conector Ethernet

Powerlink 841 Origem


Função
RJ45

TX+ 1 Powerlink 841


TX- 2 Powerlink 841
RX+ 3 LAN
RX- 6 LAN

3.6.5 Interface Digital G+V+E


Uma das facilidades exclusivas do UP704 CE é a possibilidade de utilizar as interfaces G.703/704,
V.35/V.36 e Ethernet simultaneamente. Para isso, basta configurar o equipamento para tal facilidade
e escolher os adaptadores de interfaces adequados.

Figura 3-8. - Operação em G à V + E.

Instalação - 25
4. OPERAÇÃO

4.1 Introdução
Este capítulo tem por objetivo servir de auxílio na operação dos conversores UP704 C e UP704 CE. Se-
rão vistos os principais aspectos referentes aos parâmetros de configuração dos equipamentos, e ainda,
os laços de teste.

4.2 Inicialização
Ao ligarmos o conversor, é iniciado o software “ARM Bootloader”, que inicializa o hardware e provê uma
checagem de alguns dos sistemas vitais do equipamento. Para indicar que o modem ainda está na fase
de inicialização observar os indicadores ALIM e TEST (o indicador ALIM deve estar aceso e TEST deve
acender e apagar). Caso estes indicadores não sejam ativados na inicialização ou ainda se o indicador
ALIM venha a ser desativado durante a operação do equipamento, consulte o capítulo 8 – Solucionando
Problemas

4.3 Configuração
Inicialmente, deve-se conectar o cabo de console no conector DB9 localizado no painel frontal. Ao ser
inicializado, o conversor carrega a última configuração salva pelo usuário na EEPROM, desta forma,
qualquer alteração feita após a inicialização não terá efeito instantâneo, sendo preciso desligar reinicia-
lizá-lo para fazer com que as alterações tenham efeito.

As opções de configuração a seguir, correspondem ao Menu 1 (Configuração COnversor) e Menu 2


(Configuração Interface) ambos localizados no Menu principal do console.

4.3.1 Menu 1 - Configuração Conversor


Neste menu, é possível realizar as configurações referentes aos parâmetros do Conversor.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Velocidade de Operacao
2 - Relogio de Transmissao
3 - Canal Inicial
4 - Cascateamento
5 - Chaves do Painel
7 - Restaurar Configuracoes de Fabrica

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

Figura 4-1. - Menu de Configuração Conversor

Operação - 26
Sub-Menu 1 - Velocidade de Operacao
Esta opção deve ser utilizada para configurar a taxa a ser utilizada nas interfaces V.35 e/ou Ethernet.
A opção 2 – Velocidade de Operação Ethernet somente será visualizada no equipamento UP704 CE.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Velocidade de Operacao V.35/V.36


2 - Velocidade de Operacao Ethernet

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

Figura 4-2. - Sub-menu: 1 - Velocidade de Operação

Sub-Menu 2 - Relogio de Transmissao


Existem três opções de fonte de sincronismo (clock de transmissão): INTERNO, EXTERNO
e REGENERADO.
O relógio interno é obtido do oscilador a cristal do próprio conversor, com precisão de
50ppm.
O relógio regenerado é obtido a partir do sinal G.703 da linha RX(IN) do conversor, tendo
a mesma precisão do equipamento que fornece o sinal G.703 (deve ser 50 ppm). Quando o
conversor está operando com relógio regenerado, ele comuta automaticamente para relógio
interno em casos de falta de sinal G.703.
O relógio externo é fornecido pelo ETD através do CT113/XTC na interface digital. O ETD
deve fornecê-lo com precisão de 50ppm. Quando operando com relógio externo, o conver-
sor comuta automaticamente para relógio interno durante o período em que falte relógio no
CT113, mas isto pode ocasionar erros na seqüência de transmissão durante a comutação.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Clock INTerno
2 - Clock REGenerado
3 - Clock EXTerno (V)
S - Salva as alteracoes

Clock Tx = INT

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-3. - Sub-menu: 2 - Relógio de Transmissão

Operação - 27
Sub-Menu 3 - Canal Inicial
O canal inicial é utilizado para definir onde as interfaces V.35/V.36 e/ou Ethernet iniciam
dentro do frame E1. A opção 2 – Canal Inicial Ethernet somente será visualizada no equipamen-
to UP704 CE.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Canal Inicial V.35/V.36


2 - Canal Inicial Ethernet

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

Figura 4-4. - Sub-menu: 3 - Canal Inicial

Sub-Menu 4 - Cascateamento
Os conversore UP704 C/CE, possibilitam que a interface G.703 seja compartilhada entre
vários circuitos, ou seja, é possível operar o conversor em modo concatenado como fracio-
nador de um único link E1 em n portas V.35 ou V.36.
Nesta aplicação, o conversor processa os timeslots selecionados e disponibiliza os não uti-
lizados para o próximo equipamento. Ou seja, os canais utilizados serão inseridos a partir
do canal inicial e os demais timeslots serão retransmitidos sem nenhuma alteração, com
exceção do timeslot 0 (sincronismo).
Se algum conversor utilizar CRC-4, todos os demais devem habilitar a função também.
Normalmente os conversores que compartilham a mesma interface G.703 devem ser confi-
gurados para relógio regenerado, sendo o sincronismo recuperado da interface G.703. Ca-
so se deseje que um dos conversores forneça o sincronismo, somente um deles deve ser
configurado para relógio interno.
Quando o timeslot 16 estiver configurado como sinalização (CAS) em mais de um link de
dados (grooming), todos os conversores envolvidos no circuito de cascateamento devem
estar com o CAS habilitado.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Cascateamento habilitado
2 - Cascateamento desabilitado

Atual = 2

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-5. - Sub-menu: 4 - Cascateamento

Operação - 28
Sub-Menu 5 - Chaves do Painel
Esta opção possibilita habilitar ou desabilitar o funcionamento das chaves de laços de teste
localizadas no painel frontal.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Habilita Chaves do Painel


2 - Desabilita Chaves do Painel

Atual = 1

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-6. - Sub-menu: 5 - Chaves do Painel

Sub-Menu 7 - Restaurar Configuracoes de Fabrica


Este menu possibilita ao usuário configurar os equipamentos UP704 C/CE conforme as
configurações de Fábrica. Ao confirmar esta seleção, as configurações do usuário serão
perdidas e as configurações de fábrica se tornarão ativas.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

[y] - Confirma

<ESC> Menu Anterior

Figura 4-7. - Sub-menu: 7 - Restaurar Configurações de Fábrica

4.3.2 Menu 2 - Configuração Interface


Neste menu, é possível realizar as configurações referentes aos parâmetros de Interface.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - TimeSlot 16
2 - Emulacao CAS
3 - CRC4
4 - Pedido de LDR
5 - Controle CT105
6 - Controle CT140/CT141
7 - Inversao Relogio Tx
8 - Geracao de AIS
9 - Ethernet

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

Figura 4-8. - Menu: 2 - Configuração Interface

Operação - 29
Sub-Menu 1 - TimeSlot 16
Este sub-menu possibilita ao usuário configurar o envio de dados ou de sinalização CAS
pelo timeslot 16. Se o timeslot 16 estiver configurado para dados, 31 canais podem ser utili-
zados para transmissão e recepção de dados. Por outro lado, se o timeslot 16 estiver habili-
tado para transmitir a sinalização de CAS (Channel Associated Signaling), apenas 30 canais
estarão disponíveis. Em aplicações PCM30, onde o timeslot 16 contém sinalização CAS,
esta opção deve estar setada para enviar CAS.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - TS16 para dados


2 - TS16 para CAS

Atual = 1

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-9. - Sub-menu: 1 - Timeslot 16

Sub-Menu 2 - Emulacao CAS


Este sub-menu possibilita ao usuário configurar a emulação ou não da sinalização CAS.
Quando configurado para CAS emulado, é transmitido um sinal fixo de CAS apenas para
que outro equipamento possa detectar sincronismo de multiframe CAS.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Habilita Emulacao de CAS


2 - Desabilita Emulacao de CAS

Atual = 2

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-10. - Sub-menu: 2 - Emulação CAS

Operação - 30
Sub-Menu 3 - CRC4
Este sub-menu possibilita configurar a transmissão e sincronismo de CRC-4 (Cyclical Re-
dundancy Check).

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Habilita CRC4
2 - Desabilita CRC4

Atual = 1

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-11. - Sub-menu: 3 - CRC4

Sub-Menu 4 - Pedido de LDR


Através deste sub-menu, é possível configurar se o conversor irá aceitar ou rejeitar pedidos
de recepção de LDR.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Habilita Pedido LDR


2 - Desabilita Pedido LDR

Atual = 2

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-12. - Sub-menu: 4 - Pedido de LDR

Sub-Menu 5 - Controle CT105


Quando habilitado, este parâmetro permite forçar o estado do sinal CT-105 para possibilitar
a operação com equipamentos que não forneçam o sinal CT-106.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - CT105 controlado pela interface


2 - CT105 sempre ON

Atual = 1

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-13. - Sub-menu: 5 - Controle CT-105

Operação - 31
Sub-Menu 6 - Controle CT140/CT141
Este sub-menu permite habilitar ou não o envio de laços de teste via ETD (CT-140 e CT-
141).

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - CT140/CT141 controlados pela interface


2 - CT140/CT141 sempre OFF

Atual = 2

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao

Figura 4-14. - Sub-menu: 6 - Controle CT140/CT141

Sub-Menu 7 - Inversao Relogio Tx


Este parâmetro permite inverter a fase do sinal do relógio de transmissão (CT-114) para
compensar possíveis atrasos gerados por alguns ETDs.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Inverte borda do relogio de transmissao


2 - Operacao Normal

Atual = 2

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-15. - Sub-menu: 7 - Inversão Relógio Tx

Operação - 32
Sub-Menu 8 - Geração de AIS
Os conversores de interface possuem a facilidade de habilitar ou desabilitar a gera-
ção/transmissão de AIS. AIS é a abreviação de Alarm Indication Signal (Sinal de Indicação
de Alarme), e consiste na transmissão de marca (1 digital) continuamente na interface
G.703, o que causa a perda de sincronismo de frame.

Habilitando a geração de AIS, o conversor transmite um sinal de AIS (tudo marca na interfa-
ce G.703) sempre que o sinal CT-108 for para OFF na interface V.35 ou V.36. Desabilitando
a opção, o conversor não envi a AIS. Exceto no caso de aplicações específicas, recomen-
damos manter esta opção desabilitada (não gera AIS).

Esta opção é válida somente para equipamentos pinagem ISO2110 Amd.1.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Habilita geracao de AIS


2 - Desabilita geracao de AIS

Atual = 2

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-16. - Sub-menu: 8 - Geração de AIS

Sub-Menu 9 - Ethernet (disponível apenas para o modelo UP704 CE)


Os conversores UP704 CE quando configurados para operar com a interface Ethernet, pos-
suem a facilidade de escolher a taxa de transmissão (negociação) da interface Ethernet. E-
xistem cinco possibilidades de configuração: 10M Half-Duplex, 10M Full-Duplex, 100M Half-
Duplex, 100M Full-Duplex ou ainda Auto. Quando este parâmetro estiver configurado para
Auto, a placa de rede (NIC) também deve estar configurada para Auto-Negotiation.

Por exemplo, caso esta opção esteja configurada para 10M Full-Duplex no conversor e a
NIC ou interface Ethernet onde a interface Ethernet do conversor está conectado estiver
configurada para 100M Half-Duplex, o led Ethernet não acenderá indicando desta forma er-
ro na configuração.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Modifica Negociacao
S - Salva as alteracoes

Negociacao = 10M Full-Duplex

<ESC> Menu Anterior


<R> Reinicializa
Selecione a opcao:

Figura 4-17. - Sub-menu: 9 - Ethernet

Operação - 33
4.4 Aplicação
A seguir são apresentadas aplicações típicas de aplicações para os conversores de interface UP704
C/CE.

Figura 4-18. - UP704 C/CE operando em G à V

Figura 4-19. - UP704 CE operando em G à E

Figura 4-20. - UP704 CE operando em E à G à G à E

Operação - 34
Figura 4-21. - UP704 C/CE operando em E à G à G à E

Operação - 35
4.5 Laços de Teste
Com a finalidade de facilitar a análise e isolamento de possíveis falhas, os conversores UP704 C e
UP704 CE possuem implementados alguns laços de teste, os quais são descritos a seguir. O controle
destes testes pode ser efetuado de três maneiras; via chaves do painel frontal, via interface do ETD
(CT-140/141) ou via console. O estado dos laços no equipamento será sempre o último requisitado por
quaisquer dessas vias de controle.

4.5.1 Laço Analógico Local (LDL)


Ao acionar este teste, os dados transmitidos na interface V.35/V.36 são retornados ao ETD. Este
teste aciona o LED TEST e o CT-142 do equipamento local.
Este teste é complementar, ou seja, os dados recebidos na interface G.703 local são chaveados pa-
ra o transmissor do mesmo, retornando os dados para o equipamento remoto.
O acionamento deste teste é realizado pressionando-se a tecla “LDL” no painel frontal ou via Conso-
le. Para finalizar, basta soltar esta mesma tecla ou enviar um comando de fim de teste pelo Conso-
le.
Ao acionar LDL em um conversor configurado para relógio Regenerado, ele comuta automaticamen-
te para Interno.

CONVERSOR LOCAL CONVERSOR REMOTO


V35/V36 V35/V36

G.703

Figura 4-22. - Laço Digital Local (LDL).

4.5.2 Laço Analógico Local (LAL)


O sinal na saída TX da G.703 é desviado para a entrada RX, testando praticamente todos os blocos
funcionais de transmissão/recepção do conversor local, assim como a interface digital. Este teste a-
ciona o LED TEST e o CT-142 do conversor local.
O acionamento deste teste pode ser realizado pela interface digital (CT-141), por Console e pelo
painel frontal.
Ao acionar LAL em um conversor configurado para relógio Regenerado, ele comuta automaticamen-
te para Interno.

Operação - 36
CONVERSOR LOCAL CONVERSOR REMOTO
V35/V36 V35/V36

G.703

Figura 4-23. - Laço Analógico Local (LAL).

4.5.3 Laço Digital Remoto (LDR)


Neste teste, uma seqüência de pedido de ativação de laço digital é enviada para o equipamento re-
moto pela interface G.703. Se o equipamento estiver com a opção Aceitar Pedido de LDR habilitada
e então receber o código de pedido de LDR, o equipamento remoto detecta e envia um sinal de con-
firmação de reconhecimento de pedido de LDR e, então, acionará o laço. O pedido de ativação,
confirmação e desativação do laço estão de acordo com a norma V.54 do ITU.
Este teste é complementar, ou seja, os dados transmitidos pelo ETD remoto serão retornados ao
mesmo.
Este teste ativa o LED TEST e o CT-142 nos dois equipamentos do circuito. O acionamento dele
pode ser realizado pela Interface Digital (CT-140), por Console e pelo painel frontal.
Ao acionar LDR em um conversor que está configurado para relógio Regenerado, ele comuta auto-
maticamente para Interno.

CONVERSORLOCAL
CONVERSOR LOCAL CONVERSOR
CONVERSOR
REMOTO
REMOTO
V35/V36 V35/V36

G.703

Figura 4-24. - Laço Digital Remoto (LDR).

4.5.4 BERT
Acionando o teste de BERT, via console do conversor (Menu 4 - Testes), um sinal pseudo aleatório
é introduzido na saída TX da G.703. O sinal de entrada RX da G.703 é monitorado por um circuito
que também espera receber um padrão, acendendo o led ERR quando qualquer erro é detectado.
O teste de BERT permite uma rápida verificação da qualidade da transmissão do enlace, não sendo
necessário a utilização de equipamento de teste externo.

Operação - 37
5. CONSOLE
Os conversores UP704 C e UP704 CE além de configurados podem ser monitorados e operados através de
um terminal serial configurado para 9600bps no modo 8N1 padrão ANSI/VT100. Esta facilidade é denomi-
nada Console e está disponível no painel frontal através de uma porta de comunicação serial, em um conec-
tor DB9, dedicada apenas ao console.

Tabela 5-1. - Pinagem Cabo Console

UP704 C/CE Terminal Terminal Origem


Função
DB9 Macho DB9 Fêmea DB25 Fêmea
RD 2 2 3 UP704 C/CE
TD 3 3 2 ETD
GND 5 5 7 -
CTS 8 8 5 UP704 C/CE

Na inicialização, aparecerão na tela alguns testes realizados pelo ARM Bootloader e logo a seguir, aparece-
rá a tela do Menu Principal. A partir desse ponto, o sistema está pronto para operar.

O Console dos conversores tem seu funcionamento baseado em sistema de menus.

Console - 38
5.1. Menu Principal
A figura abaixo mostra o menu principal do console.

Vale obser var também que a tecla de ESPAÇO e a tecla ENTER são utilizadas para atualização de te-
las.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Configuracao Conversor
2 - Configuracao Interface
3 - Status
4 - Testes
5 - Versoes

Selecione a opcao:

Figura 5-1. – Menu Principal.

5.2. Menu 1 - Configuração Conversor


Através deste menu é possível alterar a configuração dos parâmetros referentes ao conversor. Cada i-
tem do menu de configuração dá acesso a submenus que permitem a configuração individual de cada
um destes.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Velocidade de Operacao
2 - Relogio de Transmissao
3 - Canal Inicial
4 - Cascateamento
5 - Teclas do Painel
7 - Gerenciamento REMOTO

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

Figura 5-2. – Menu Configuração Conversor.

Console - 39
5.3. Menu 2 - Configuração Interface
Através deste menu é possível alterar a configuração dos parâmetros das interfaces G.703/704,
V.35/V.36 e Ethernet. Cada item do menu de configuração dá acesso a submenus que permitem a con-
figuração individual de cada um destes.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - TimeSlot 16
2 - Emulacao CAS
3 - CRC4
4 - Pedido de LDR
5 - Controle CT105
6 - Controle CT140/CT141
7 - Inversao Relogio Tx
8 - Geracao de AIS
9 - Ethernet

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

O sub-menu 9 – Ethernet só está disponível para o conversor de interface UP704 CE.

5.4. Menu 3 - Status


Este menu apresenta as informações de status das interfaces G.703, V.35/V.36 e Ethernet do conver-
sor. A aparência das telas do Menu Status varia de acordo com cada modelo de equipamento.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Status Interfaces
2 - Visualizacao Timeslots (G.703/G.704)

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

Console - 40
5.5. Menu 4 - Testes
Neste menu é possível acionar os laços de teste do conversor. Para acionar um determinado laço ou
teste, basta pressionar a opção correspondente. Para interromper o laço de teste, basta selecionar a
opção ‘Operação Normal’. Para que um laço possa ser executado, o equipamento deve estar em opera-
ção normal.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

1 - Testes Interface G.703


2 - Testes Interface V.35/V.36
3 - Testes Interface ETHERNET

<ESC> Menu Anterior


Selecione a opcao:

5.6. Menu 5 - Versões


Este menu apresenta informações sobre versões de firmware do produto.

*******************************************************************************
PARKS S.A. UP704 CE LOCAL
*******************************************************************************

Firmware Version: 2.0.1


FPGA Version: 1.2

<ESC> Menu Anterior

Console - 41
6. SOLUCIONANDO PROBLEMAS

6.1. Problemas de Alimentação


Esta etapa apresenta alguns procedimentos genéricos utilizados na manutenção de sistemas onde fo-
ram detectados problemas de alimentação.

A alimentação do gabinete é feita através da rede AC ou DC. Na rede AC, suporta tensões entre 93 e
253V, via plug padrão US 3 (três) pinos (observar os padrões de Aterramento). Na rede DC, suporta
tensões entre –36V e –60V. A correta alimentação do equipamento é sinalizada pelo LED no painel
frontal. Se nenhum dos indicadores luminosos acenderem, execute os seguintes passos:

: Verifique se a tomada de força está ativa e dentro dos padrões descritos acima.
: Verifique se o cabo de alimentação está corretamente conectado ao painel traseiro do
equipamento.

Se houver acionamento de outros LEDs, sem o ALIM estar ligado, desligue o equipamento imediata-
mente e contate o Suporte Técnico Parks.

6.2. Sistema não Trafega Dados


É recomendada a leitura prévia do capítulo 4. Operação antes de iniciar os procedimentos de Debug.
Este capítulo contém informações básicas relativas às principais configurações e aplicações dos con-
versores.

Os indicadores de tráfego de dados para a interface V.35/V.36 são os LEDs TXD/103 e RXD/104 e cor-
respondem, respectivamente, a dados recebidos do ETD a serem enviados pela interface G.703 e da-
dos recebidos da interface G.703 a serem enviados para o ETD. Esses LEDs refletem o estado real da
interface digital dos conversores.

O indicador de tráfego de dados para a interface Ethernet é o LED ETH. Aceso indica Link OK e pican-
do tráfego de dados na interface Ethernet.

6.2.1. Interface Digital V.35/V.36


O tráfego de dados na interface V.35/V.36 é indicado pelos LEDs TXD/103 e RXD/104. O não acio-
namento desses LEDs indica a falta de sinal no sentido correspondente. Acione um LDL (Laço Digi-
tal Local). O LED TEST aciona e os dados provenientes do ETD retornarão ao mesmo, apenas pas-
sando pelo circuito digital do conversor. Se isso não ocorrer, verifique a configuração do tipo de in-
terface, no conversor e no ETD, bem como o cabo e adaptador de interface utilizados na interliga-
ção conversor - ETD.
Para um teste mais completo, pode-se utilizar o LAL (Laço Analógico Local), no qual os dados re-
tornarão ao ETD após passar por todos os circuitos do conversor, exceto transformador da interface
G.703.
A configuração, relativa à interface digital V.35 ou V.36, deve ser a seleção correta dos estrapes E1
a E18 localizados na PCI.

Solucionando Problemas - 42
6.2.2. Interface G.703
O primeiro indicador a ser verificado é o LED DCD. O acionamento desse LED indica presença de
sinal na interface G.703 e que o conversor reconheceu a codificação HDB3 utilizada pela G.703. Se
isso não ocorrer, verifique o cabo utilizado.
Além da codificação G.703 o LED DCD também indica que o receptor está sincronizado com a es-
trutura G.704, incluindo CRC-4 e CAS (Multi-frame). Quando ocorrer falta de sincronismo em algu-
ma das estruturas habilitadas, o indicados DCD fica em OFF.
Para um teste mais completo, utilizando-se um test set conectado à interface G.703, pode-se acio-
nar um LDL (Laço Digital Local). O LED TEST aciona e os dados provenientes do test-set conecta-
do à interface G.703 retornarão ao mesmo passando antes pelo circuito digital do conversor.
A configuração de maneira geral, relativa à interface G.703 deve ser a seguinte:
• Selecione a impedância desejada para a interface G.703 através da correta configuração
dos estrapes.
• Configure a opção CRC4 em ON para PCM30C e PCM31C e OFF para PCM30 e PCM31.
• Configure a opção TS16 para Dados para enviar dados no timeslot 16 ou CAS para enviar
sinalização CAS.

6.2.3. Interface Ethernet (disponível apenas para o modelo UP704 CE)


O LED ETH aceso indica LINK em operação. Piscando indica LINK em operação e trafegando da-
dos.
Caso o indicador ETH esteja na condição apagado, verificar:
• se a negociação da interface Ethernet do conversor UP704 CE (sub-menu 9) está
configurada com a mesma taxa da interface ethernet do ETD. Caso não, corrija a
configuração e reinicie o equipamento.
Caso o indicador ETH esteja aceso mas o link esteja perdendo pacotes, verificar:
• se a negociação da interface Ethernet do conversor UP704 CE (sub-menu 9) está
configurada com a mesma taxa da interface ethernet do ETD. Caso não, corrija a
configuração e reinicie o equipamento.

Solucionando Problemas - 43
7. ETIQUETA DE PRODUTO PARKS
A fim de melhor identificar o produto Parks, afixamos ao mesmo uma etiqueta contemplando vários campos
de identificação, inclusive o código de produtos certificados pela Anatel. Este garante através da Secretaria
Nacional de Comunicações - SNC, que determinado produto possui características compatíveis com o seu
uso para telecomunicações no país. Esta etiqueta está em local de fácil visualização. Abaixo segue o mode-
lo da mesma, com o devido detalhamento.

Nota: O código de fornecedor dado a produto cujo responsável pela distribuição é o seu fabricante, locali-
zado no país é XXX. O código de fornecedor dado a produto é ZZZ.

Etiqueta de Produto Parks - 44