Você está na página 1de 125

AAR - Section CI

Car Construction - Fundamental and Details


1 lb = 4.4497411497000 N
1 psi = 0.0068947572932 MPa
1 in = 25.400000000000 mm
1f = 0.3048000000000 m
1 f*lb = 13.3051176148242 N*m
1 f3 = 0.0283168465920 m3
1 oz = 0.0283495231250 kg
1 mph = 0.4470400000000 m/s 1.609344 km/h
32 º F = (F-32)*(5/9) 0 º C

Secção Pg PTO
M 908 1 Chão, Chapa de Aço- Vagões
1 Âmbito
Carga do eixo do empilhador
ou 50,000 lb 222,487 N
ou 60,000 lb 266,984 N
ou 70,000 lb 311,482 N
80,000 lb 355,979 N
e
palete 7,000 lb 31,148 N

(aplicável quando existe chão plano e não é necessário bloquear a carga )


2 Geral --
3 Definições --
4 Material
4.1 yield 50,000 psi 344.7 MPa tensão de cedência
tensile min 65,000 psi 448.2 MPa tensão de rotura mínima
espessura mínima
chão 10 2.588 mm
reforços 12 2.052 mm
4.2 A parte de baixo do chão e as áreas não acessíveis após construção (dos reforços), devem estar cobertas por um filme seco de 2
mil?? após a soldadura e limpeza.
5 Soldadura
5.1 AWS D15.1
juntas qualificadas por soldadores qualificados para a posição em questão
5.2 Os reforços devem ter soldadura suficiente incluindo para o transporte
6 Dimensões
O chão pode ser const por uma ou várias unidades
7 Tolerâncias
camber ± 0.125 in 3.175 mm flecha vertical
Sweep ± 0.063 in 1.588 mm flecha horizontal
Paralelismo ± 0.063 in 1.588 mm
Planeza ± 0.031 in 0.794 mm
8 Acabamento
superfícies com primário após soldadura para assegurar cobertura completa de todas as superfícies
superfície superior lisa, com primário ou pintada.
é permitida a aplicação de antiderrapante
9 Ensaios/Testes
ver ponto e pontos seguintes para detalhe
M 964 7 Chão, Aço Rebitado- Vagões
Não aplicável a MZ
S 203 13 Engate, Ajustamento da Altura
1 Geral
1.1 Os vagões devem estar preferencialmente vazios para o ajuste do engate
1.2 1º alinhar verticalmente o draf gear calçando no coupler carrier
depois, se necessário, ajuntar a localização dos bogies: molas, travessa do pivot e rela
1.3 proibido o uso de centradores entre o macho e fêmea da rela excepto quando a folga dos patins não pode ser ajustada de outra forma (ver ponto para de
1.4 proibido o uso de anilhas de corte entre o macho e fêmea da rela
S 204 15 Relas Separáveis, Acabamento Superficial
1 Âmbito --
2 Relas
2.1 Devem estar de acordo com AAR-sec C, S-206 e S207
e devem cumprir os requisitos da S-211
2.2 superfície de bearing
630.00E-8 in 1.60E-4 mm acabamento superficial da bearing surface
156.25E-4 in 0.397 mm planeza e rectilínea…
excepto em 5 locais onde pode ser
1.50E+0 in 38.100 mm diâmetro
625.00E-4 in 1.588 mm profundidade
312.50E-4 in 0.794 mm paralelismo entre si
2.3 a taça da rela deve estar centrada com esta e cumprir os requisitos do gabarit apropriado
2.4 o raio na junção da taça com a rela deve combinar as superfícies de ambas sem descontinuidade
2.5 Para veículos com rolamentos de
6.500 in 165.100 mm
por
12.000 in 304.800 mm
as superfícies de desgaste vertical e horizontal da rela devem ser endurecidas a
mínimo 300 BHN
profundidade 0.125 in 3.175 mm
Para veículos com rolamentos menores o endurecimento da rela é opção do cliente
3 Superfície de Montagem no Corpo do Veiculo
3.1 O fundo da longarina central e a superfície de fundo da "center filler" devem ter acabamento superficial de acordo com esta especificação
3.2 As "center filler" devem ser aplicadas de acordo com AAR MRSP antes do acabamento final
4 Ligação
4.1 Com parafusos
em número suficiente de modo a suportar o corte a suportar pela rela segundo
C-Parte II, M1001
4.2 Com combinação de parafusos e soldadura
soldadura suficiente para suportar :C-Parte II, M1001
parafusos mínimos:
4
diâmetro 0.875 in 22.225 mm
especificação ASTM A-325
4.3 Não é permitido usar apenas soldadura. Pode ser utilizada 4.1 ou 4.2
ver detalhes de preparação
5 Método para verificação de planeza

S 206 19 Relas Forjadas ou Vazadas, Vagões equipados com relas de 14 in
14 in 355.60 mm
1 Âmbito
dimensões, dureza
não aplicável a bogies com rolamentos maiores do que 6in em veículos novos
S 207 21 Relas Forjadas ou Vazadas, Vagões equipados com relas de 16 in
16 in 406.40 mm
1 Âmbito
ligação com parafusos
S 211 23 Gabarit de Rela, diâmetro de 14 in e 16 in
14 in 355.60 mm
16 in 406.40 mm
1 Âmbito
dimensões e material
S 212 25 Portas Laterais, Vagões Bordas Altas (Box Car), Penduradas por fora(deslizantes)
NA MZ
S 213 31 Portas Laterais, Vagões Bordas Altas (Box Car), Penduradas por fora(deslizantes)
Ver portas mais tarde
S 219 47 Aplicações de Segurança para vagões plataforma com topos
NA MZ
S 220 55 Aplicações de Segurança para de Bordas Altas para Serviço Especial
60 in 1,524.00 mm
1 Âmbito
Para gondolas com laterais maiores do que 60 in (acima do chão)
2 Freio Manual
2.1 Geral
2.1.1 freio manual vertical
Secção E - S-475
deve operar em harmonia com o freio
2.2 Localização
2.2.1 No topo(fim) do vagão
de modo a ser operável da plataforma de topo horizontal com o veículo em movimento
2.2.2 o veio do volante deve estar localizado à esquerda do centro do veiculo entre 17in e 22in deste
17 in 431.80 mm
22 in 558.80 mm
entre 26 in e 40 in acima do topo da plataforma de passagem
26 in 660.40 mm
40 in 1,016.00 mm
2.3 Aplicação
2.3.1 o freio manual seguro ao veiculo por ligações aparafusadas
2.3.2 Padrão de ligação de acordo com MRSP - S-475
2.3.3 O bordo exterior do volante do freio manual deve estar a mais de 4in do plano vertical paralelo ao topo do vagão e passante pela face interna da unha fe
Acessórios
3 Plataformas de Topo
3.1 Número
2
3.2 Dimensões
largura mínima 8 in 203.20 mm
comprimento mínimo 60 in 1,524.00 mm
3.3 Localização
1 plataforma centrada em cada topo do veiculo
a menos de 8 in do topo da longarina central
8 in 203.20 mm
3.4 Forma de aplicação
3.4.1 Cada plataforma deve ser segura no mínimo por 4 "braces" com secção mínima:
0.3750 in 9.53 mm por
1.5 in 38.10 mm
ou equivalente
As "braces" devem estar ligadas ao leito com parafusos ou rebites com mais do que
0.5 in 12.70 mm
3.4.2 Quando for utilizada engatagem convencional com curso inferior a 6in
6.0 in 152.40 mm
o vértice exterior de cada plataforma deve estar a mais de 12 in do plano vertical paralelo ao topo do vagão e passante pela face
12.0 in 304.80 mm
Quando for utilizada engatagem convencional com curso superior a 6in
o vértice exterior de cada plataforma deve estar a mais de 6 in do plano vertical paralelo ao topo do vagão e passante pela face in
6.0 in 152.40 mm
a plataforma NÃO deve ser feita em madeira
A passadeira deve ser antiderrapante
suficientemente larga para permitir a eliminação de neve e gelo
56 4 Degraus de "Sill"
4.1 Número
4
4.2 Dimensões
4.2.1 Secção
0.5 in 12.70 mm por
1.5 in 38.10 mm
norma ASTM A-576
Aço Grade 1015-1020
4.2.2 Comprimento mínimo
10.0 in 254.00 mm
12.0 in 304.80 mm preferencialmente
4.2.3 Profundidade livre
8.0 in 203.20 mm
4.3 Localização
4.3.1 1 perto de cada topo do vagões de cada lado
de modo a não haver mais de 18in do topo do vagão ao centro do degrau
18.0 in 457.20 mm
4.3.2 o vértice exterior do degrau não deve estar a mias de 4in para dentro da lateral do vagão, de preferência no alinhamento da lateral
4.0 in 101.60 mm
4.3.3 o passadiço do degrau não deve estar a mais de 24 in, 22 in preferencialmente, do topo do carril
24.0 in 609.60 mm
22.0 in 558.80 mm
4.4 Forma de aplicação
4.4.1 Degraus com mais de 21in de profundidade devem ter passadiço adicional
21.0 in 533.40 mm
4.4.2 A ligação deve ser feita por parafusos com porcas por fora (quando possível), no mínimo
0.5 in 12.70 mm
e rebitados por cima
ou
com rebites de, no mínimo
0.5 in 12.70 mm
56 5 Escada de Topo (Aplicações), Espaço Livre
Nenhuma parte do vagão acima dos cabeceiras, dentro de 30 in desde a longarina lateral se deve prolongar a mais de 12in do plano vertical paralelo ao t
30.0 in 762.00 mm
12.0 in 304.80 mm
O "horn" do engate deve estar contra o "buffer block" ou a travessa de topo, e o dispositivo de amortecimento (se utilizado) deve estar totalmente compr
Nenhuma outra parte do topo do vagão ou fixações acima travessa de topo, a menos que as excepções aqui mencionadas, se devem prolongar para lá da
As excepções a esta regra são:
o"buffer block"
shaf de freio
discos de feio
plataforma de topo
Corrimões horizontais de topo
alavanca de desengatagem
56 6 Corrimões Laterais
6.1 Número
16
6.2 Dimensões
6.2.1 Diâmetro mínimo
0.8 in 19.05 mm
ASTM A-576 Grade 1015-1020
6.2.2 Comprimento Livre
16.0 in 406.40 mm
24.0 in 609.60 mm preferencialmente
6.2.3 Espaço livre mínimo
2.0 in 50.80 mm
2.5 in 63.50 mm preferencialmente
6.3 Localização
horizontalmente
4 perto de cada topo e em cada lado
espaçadas por não mais de 19 in
19.0 in 482.60 mm
o de baixo deve estar a não mais de 21 in do degrau de topo da escada e o de cima deve coincidir em altura com o topo da escadaria , permitindo-se uma
21.0 in 533.40 mm
2.0 in 50.80 mm
o espaçamento entre os corrimões laterais deve ser uniforme com um limite de 2 in entre o superior e o inferior
O espaço livre da parte externa dos corrimões não deve ser mais de 8 in até ao topo do vagão
8.0 in 203.20 mm
6.4 Forma de aplicação
aparafusados com não menos de
0.5 in 12.70 mm
com porca por fora (quando possível) e rebitados por cima
ou
rebitados com não menos de
0.5 in 12.70 mm
os corrimões de baixo devem ter protecção !!!! Ver!!!!
57 7 Escadas de Topo
7.1 Número
2
7.2 Dimensões
7.2.1 diâmetro mínimo
0.8 in 19.05 mm
ASTM A-576 Grade 1015-1020
7.2.2 comprimento mínimo de piso livre
16.0 in 406.40 mm
7.2.3 espaçamento uniforme máximo entre pisos
19.0 in 482.60 mm
limite de 2in entre o topo do piso e o fundo do piso
2.0 in 50.80 mm
7.2.4 o piso das escadas de topo desde ser espaçado de forma a coincidir com os corrimões laterais e frontais, sendo permitida uma variação de 2 in
2.0 in 50.80 mm
7.2.5 O piso da escada de topo deve ter um espaço livre de 2,5in localizado tão perto do topo do vagão quanto possível
2.5 in 63.50 mm
7.2.6 Espaço livre mínimo
2.0 in 50.80 mm
2.5 in 63.50 mm preferencialmente
7.3 Localização
uma escada em cada topo
se à direita ou as indefinidas não devem estar a mais de 8in do canto direito do veiculo
8.0 in 203.20 mm
7.4 Forma de aplicação
Escadas Metálicas (que não sejam direitas nem esquerdas) devem ter "guarda corpos" a não menos de 2in a cima do topo do degraus inferior…. Ver
…… ver……
(CONTINUA)
58 8 Corrimões de topo

58 9 Corrimões das plataformas de topo

58 10 Alavancas de Desacoplamento

S 224 61 Corrimões e pisos de escadas
1 -
2 barra com diâmetro mínimo de
0.75 in 19.05 mm
suportado intermitentemente se o comprimento da parte não suportada exceder 36 in
36.00 in 914.40 mm
Quando não for possível o suporte intermitente por comprimento superiores a 36 in pode ser utilizada barra de diâmetro 1in cujo comprimento de supor
1.00 in 25.40 mm
72.00 in 1,828.80 mm
Material ASTM A-576 Grade 1015-1020
3 o raio de curvatura mínimo é metade do diâmetro da barra
S 225 63 Pára-Faíscas - Vagões com Chão de Madeira e cepos de Ferro Fundido
NA
S 226 65 "Running Boards", "Brake Steps", Plataformas de Topo, "Switching Steps"

S 229 73 Porta - Etiquetas

S 230 75 Ancoras para Correntes de carregamento - posicionamento e usos em vagões plataforma
1 NA
2
S 233 77 Portas de Descarga por Gravidade - Vagões Funil Cobertos
1 Âmbito
2 Projecto
2.1 A saída e a estrutura de saída devem ser uma unidade completa a ser soldada ou aparafusada ao corpo do vagão
Não deverão ser necessários acessórios especiais ou partes extra para esta aplicação
2.2 Para aplicação com parafusos, a flange de saída deve ter planeza de +ou-1/16in na linha de centro do parafuso
0.06 in 1.59 mm
2.3 todas as partes devem encaixar sem prender
2.4 a face interior da boca de saída e da sua estrutura devem estar projectadas de forma a não haver retenção de carga entre as arestas inferiores de todos os
2.5 as partes móveis devem ter o menor contacto possível com as partes fixas
quando forem utilizadas partes intermédias como rolamentos e patins, estas devem ser de material durável
as partes que necessitem de reposição devem requerem a menor quantidade de trabalho possível
2.6 a parte de baixo da zona de descarga deve ser desenhada, instalada e mantida de modo a prevenir a entrada de água, lixo ou detritos em transito
2.7 A comporta de descarga deve passar por ensaio de borrifo de acordo com o pto 3,5 para garantir a estanquidade
O mecanismo de abertura deve ter um binário para abertura inferior ao apresentado na tabela 2.1 quando sob uma pressão de 6 psi de área de acordo co

13.00 in 330.20 mm 400.00 flb 5,322.05 Nm


24.00 in 609.60 mm 700.00 flb 9,313.58 Nm
42.00 in 1,066.80 mm
30.00 in 762.00 mm

6 psi 0.041 MPa


Quaisquer comportas de descarga mais largas do que os tamanhos especificados não devem exceder o momento de abertura de 800flb
O mecanismo de abertura deve ser capaz de suportar 2000flb de momento estático nas comportas nas quais uma chave de potencia
2,000.00 flb 26,610.24 Nm
2.8 para serviço a granel,
largura da saída para descarga deve ser de 30 in no máximo (dimensão no plano horizontal perpendicular aos carris)
30.00 in 762.00 mm
comprimento mínimo 24 in preferencialmente(medido no plano horizontal perpendicular aos carris)
24.00 in 609.600 mm
2.9 Os mecanismos de bloqueio/desbloqueio e os pontos de vedação devem ser acessíveis e operáveis de ambos os lados do veículo por fora do carril
2.10 as funções de tranca/destranca e a fita de vedação devem estar integrados no mecanismo da comporta de descarga
2.11 mecanismo da comporta de descarga deve bloqueio automático quando a comporta é deslocada para a posição de completamente fechado
O bloqueio não deve ser activado ou ser capaz de fechar a não ser quando a porta está em posição de completamente fechado
2.12 O bloqueio deve ter um furo pelo qual possa passar um cabo de selo 1/4 in que mantenha a porta segura em posição fechada.
este furo pode ser também utilizado para selar o veículo.
a tranca/bloqueio não deve poder ser desapertada/desbloqueada deixando abrir a comporta enquanto o veiculo estiver selado.
2.13 os ponto fixos do mecanismo de abertura das comportas devem ser projectados e instalados de acordo com o anexo A desta norma
os ponto fixos devem ser projectados de forma a manter a sua posição durante a operação de descarga
2.14 Para fornecer descarga manual, os poentos fixos e os eixos do mecanismo de descarga devem ser projectados e instalados de modo aceitarem uma barra
6.00 f 1,828.800 mm
1.50 in 38.10 mm
deve ser deixada uma folga mínima de 3in entre o corpo do veiculo e a barra em qualquer posição
3.00 in 76.20 mm
3 Ensaios
de tipo
3.1 Ensaio de ciclo
3.1.1 deve ser feito um ciclo de descarga completo ser comprometer nenhuma das partes
um ciclo de descarga consiste na movimentação da porta desde a posição de completamente aberta até completamente fechada
3.1.2 a descarga deve operar num mínimo de 1000 ciclos sem ficar com folgas dou encravamentos
estes ensaios devem ser feitos em carga completa ou carga equivalente na comporta
após conclusão com sucesso dos referidos ensaios a(s) mesma(s) comporta(s) devem ser sujeitas ao ensaio de estanqueidade de acordo com o pto 3.3 e d
3.2 Ensaio de Vibração
o conjunto não deve ser danificado quando for utilizado um aparelho vibratório na estrutura do funil
se o conjunto não for testado montado no veiculo, o funil de teste deve ter rigidez equivalente ou aproximada à do veiculo na zona de ligação
o conjunto total deve suportar uma vibração máxima de 240 minutos com energia de saída de vibração total mínima 15 000 000 f lb induzida nos suporte
15,000,000.00 f lb 199,576,764.22 Nm
3.3 Ensaio de Estanquidade
a comporta utilizada no ensaio de ciclo descrito no ponto 3.1 e no ensaio de vibração descrito no ponto 3.2deve ser sujeita ao seguinte ensaio de estanqu
3.3.1 a comporta deve estar montada num vagão funil, num funil de ensaio
o funil de ensaio deve ter a mesma rigidez aproximada que a estrutura do veiculo na zona de ligação
3.3.2 a comporta de descarga deve estar fechada e trancada com o mecanismo de bloqueio
3.3.3 o funil deve estar cheio com, no mínimo, 50f3 de sílica fina seca, como a utilizada para fazer vidro
a humidade máxima é de 1% do peso
deve ser utilizada carga suficiente no topo desta para atingir uma pressão de 6psi na superfície da comporta
isto pode ser feito pelo aumento da altura da carga ou pela introdução de carga morta uniformente distribuída sobre a superfície da sílica
50.00 f3 1.42 m3
3.3.4 O mesmo aparelho vibratório utilizado no ponto 3.2 deve ser instalado em suportes standard no vagão funil ou no funil de teste em posição equivalente
3.3.5 deve ser fornecido um receptáculo mais largo do que as área de descarga, ou outro método de recolha da carga que sai da descarga
3.3.6 o aparelho vibratório deve estar em funcionamento por 1hora
3.3.7 qualquer sílica que saia da zona de descarga deve ser reunida e pesada após a conclusão do ensaio
3.3.8 as comportas são consideradas aceites se a fuga de sílica não exceder 8oz durante 1hora de ensaio
8.00 oz 0.23 kg
3.4 Ensaio de Impacto
3.4.1 vagão de ensaio - carga= sílica
impacto contra fila de vagões parados:
3 vagões de capacidade nominal 70ton
totalmente carregados de acordo com MRSP -Sec CII, M1001, Cap4
carregados com areia ou outro material granular
com tracção com amortecimento no extremo parado -MRSP - Sec B - M901E
com freio manual apertado do ultimo vagão do extremo não parado
deve ser removida a folga livre entre os vagões, mas os engates não devem estar comprimidos
não deve ser utilizada qualquer restrição ao movimento para além do freio manual no último vagão
o ensaio deve ser realizado num linha tangente
3.4.2 velocidade
começar a 2mph e incrementar de 2mph até uma força no engate de 1 250 000lb ou 10mph
2.00 mph 0.89 m/s 3.22 km/h
10.00 mph 4.47 m/s 16.09 km/h
1,250,000 lb 5,562,176 N
deve ser feito um ciclo completo de abertura da comporta após o impacto inverso
3.4.3 impacto em tara
10.00 mph 4.47 m/s 16.09 km/h
para ambos os lados
deve ser feito um ciclo completo de abertura da comporta após o impacto inverso
3.4.4 Critério de falha
3.4.4.1 é causa para falha no ensaio: utilizando o receptáculo utilizado em 3.3.5, a carga perdida mais do que 8oz durante 10 minuto imediatamente após o ensai
8.00 oz 0.23 kg
3.4.4.2 é causa para falha no ensaio: a falha de funcionamento do mecanismo de abertura após conclusão do ensaio a velocidade máxima, em carga ou em tara
3.4.4.3 é causa para falha no ensaio: o desengate do mecanismo de abertura
3.5 Teste de pulverização
agua aplicada como: corrente de agua
sobre todos os vedantes e juntas das comportas
pressão da água medida no bocal de saída: entre 15 psi e 30psi
15 psi 0.103 MPa
30 psi 0.207 MPa
diâmetro interno do bocal: 1/2in
0.50 in 12.70 mm
distância mínima de aplicação: 5f
5.00 f 1,524.000 mm
com uma velocidade de 4in/sec
4.00 in/s 101.60 mm/s
após o ensaio, o interior da comporta deve estar livre de penetração de água
79 4 Manutenção
4.1 as peças ou conjuntos para reposição dos mecanismos de descarga devem ser possíveis de substituir com ferramentas de reparação normais
4.2 todos os parafusos utilizados para ligar o mecanismo de descarga ao vagão devem ser standard e de fácil aquisição
4.3 as partes sujeitas a desgaste periódico, como rolamentos, patins, engrenagens e/ou os seus dentes, etc., devem ser de fácil substituição, preferencialmen
4.4 todas as juntas /vedantes, se utilizados, devem poder ser substituídos ser a utilização de ferramentas especiais
5 Inscrições

6 ensaios de Aceitação pelo Cliente
Por escolha do cliente
???
7 Vedantes não metálicos
devem ser compatíveis com as cargas a transportar, temperaturas de serviço e outras condições ambientais especificadas pelo cliente no momento da com
8 Aprovação
8.1 MRSP, S060 NA
8.2 NA
8.3 NA
S 234 83 Levante de Vagões
1 -
2 para facilitar operações de carrilamento e melhorar a sua manipulação
3 4 localizações
preferencialmente na ou junto à travessa do pivot na longarina lateral
4 força em cada ponto
40% GRL - peso total nos carris
dentro de 15º do eixo vertical
tensão adm=yield, excepto localmente !!
5 as"provisions" para levante podem ser um furo ou uma ranhura com terminações arredondadas
as"provisions" para levante devem ter tal configuração que retenham um gancho de acordo com o pto 4
6 as"provisions" para levante e a zona envolvente deve permitir o uso de:
S 235 85 Placa de Desgaste dos patins de Escorregamento - Corpo do vagão
2 Placa de Desgaste dos Patins de Escorregamento
2.1 Espessura mínima = 5/8in, medida na linha de centro do parafuso
É aceitável 3/8in para bolsters curtas de fundição
0.63 in 15.88 mm
0.38 in 9.53 mm
2.2 A superfície de desgaste do veiculo deve ser plana ou convexa de 1/16in no máximo
0.06 in 1.59 mm ver figura 1.1
2.3 ligação: parafusos de diâmetro 3/4in
0.75 in 19.05 mm
2.4 quando forem utilizados parafusos roscados!!!
2.4.1 Parafuso: aço no mínimo ASTM A-325 ou SAE grade 5
2.4.2 Porca: standard heavy hex s/ locking
binário de aperto mínimo
300.00 f lb 3,991.54 Nm
força de aperto mínima a recomendar pelo fabricante
26,600 lb 118,363 N
2.4.3 a porca deve ser pingada ao parafuso
2.5 a cabeça do parafuso deve estar embebida abaixo da superfície de desgaste
2.6 são permitidos no máximo 3 calços removíveis com um total máximo de 1 in nas localizações articuladas da conecção
1.00 in 25.40 mm
adicionalmente, é requerido um calço mínimo de 1/8in em qualquer localização lado do patim de escorregamento
0.13 in 3.18 mm
2.7 Material
2.7.1 Dureza
277-341 BHN ou equivalente
ou
aço tratado com 11%-14% manganês de forma a ser totalmente austenitico
2.7.2 BHN deve ser lida no patim do bogie em pelo menos 3 pontos… ver
3.0 Calços do Patins de Escorregamento (do bogie)
3.1 os calços devem ter dois furos, que não ranhuras
preferencialmente, devem ser de aço laminado ou em bruto
3.2 se forem fabricados por corte por arrombamento, as arestas e furos devem ser rebarbadas antes de aplicado
podem ser utilizados no máximo 2 calços por localização com espessura mínima de 1/16in
com espessura mínima de 1/16in
0.06 in 1.59 mm
espessura máxima total 3/4in em cada patim
0.75 in 19.05 mm
S 236 87 Striker
S 238 89 Striker
S 243 91 Draft arrangement
S 244 93 Draft arrangement
S 245 95 Draft arrangement
S 247 97 Draft arrangement
S 249 99 Suporte do Puxador da Porta
S 252 101 Tubagem de Ar nas Portas - Localização das torneiras
S 253 107 Vagões de Carvão, Capacidade Nominal 100Ton, com Train Positioner - diagrama de espaço livre
S 254 109 Tolerâncias da Caixa do Engate
S 255 111 Tolerâncias combinadas entre o Striker e front draft lug
S 258 113 Relevo da rela
S 259 115 Vagões de GRL 286 000lb
GRL - Gross Rail Load - Peso Total nos Carris
286,000 lb 1,272,626 N
NA
S 265 117 Espigão da Rela - Vagões
S 266 119 Secção Caixa do Engate , Aço laminado
1 a caixa do Engate
e outras secções de aço laminado
S 267 121 Secção Caixa do Engate , soldadura
1 para a caixa do Engate
2
2.1 center sill with separate strikers and center fillers
soldadura eléctrica contínua
penetração mínima 60%
penetração de 100% no mínimo em 24 in em cada lado da linha de eixo da travessa do pivot e não menos de 6in para traz do bordo interior da tampa da
24.00 in 609.60 mm
6.00 in 152.40 mm
2.2 caixas do engate com partes em aço vazado/fundido
penetração mínima 60%
penetração de 100%não menos de 6in para traz do bordo interior da tampa da travessa do pivot
ver
2.3 Quando a caixa do engate for ligada a topos vazados/fundidos, a soldadura deve ser de acordo com a fig2,1, diagrama a
ver
S 286 123 Interoperação livre/sem restrições para Vagões de GRL 286 000lb
GRL - Gross Rail Load - Peso Total nos Carris
286,000 lb 1,272,626 N
NA
S 2008 125 Letreiro - Vagões
Letreiro e estrutura de montagem
S 2025 127 Vagões Funil - Terminação do veio de operação das Portas
S 2026 129 Plate B - Diagrama de equipamentos para serviço interoperável não limitado
- - GABARIT
S 2027 131 Plate B1 - Largura máxima dos veículos com diferentes distâncias entre eixos- - GABARIT
- - GABARIT
S 2028 133 Plate C - Diagrama de equipamentos para serviço interoperável limitado
gabarit com restrições de serviço
S 2029 135 Plate C1 - Largura máxima dos veículos com diferentes distâncias entre eixos
gabarit com restrições de serviço
S 2030 137 Plate D - Largura máxima dos veículos, que não na linha de eixo do veiculo, para serviço interoperável limitado e não limitado
- - GABARIT fora da linha de eixo
S 2031 139 Plate E - Diagrama de equipamentos para serviço interoperável limitado
gabarit com restrições de serviço
S 2032 141 Plate F - Diagrama de equipamentos para serviço interoperável limitado
gabarit com restrições de serviço
S 2034 143 Certificação do fabricante de vagões

S 2035 159 Corrimões Laterais, Adicionais - vagões Funil e Bordas Altas
1 aplicável a vagões
funil
gondolas com laterais com mais do 36in acima do chão
36.0 in 914.40 mm
deve ser aplicado um segundo corrimão nas latereis nos cantos AL e BR, acima das requeridas pela secção 231.2 do US Safety Appliance Standards
estar são adicionais a todas as requeridas pelo US Safety Appliance Standards
2 Corrimões Laterais Adicionais
2.1 Número
2
2.2 Dimensões
2.2.1 diâmetro mínimo
0.8 in 19.05 mm
ASTM A576 Grade 1015-1020
2.2.2 Espaço livre mínimo
2.0 in 50.80 mm
2.5 in 63.50 mm preferencialmente
2.2.3 comprimento livre mínimo
16.0 in 406.40 mm
24.0 in 609.60 mm preferencialmente
2.3 Localização
horizontais
1 em cada lado nos cantos AL e BR
a menos de 52,5in acima do piso do sill step e entre 20in e 26 in abaixo do corrimão mais baixo, excepto se a escada servir de corrimão
52.5 in 1,333.50 mm
20.0 in 508.00 mm
26.0 in 660.40 mm
em vagões com laterais muito baixas que não permitem a localização do corrimão a menos de 52,5in acima do piso do sill step , este deve ser colocado a
2.5 in 63.50 mm
2.0 in 50.80 mm
a parte exterior do corrimão livre não deve estar a mais de 8 in do topo do veiculo
8.0 in 203.20 mm
2.4 forma de aplicação
aparafusados com não menos de
0.5 in 12.70 mm
com porca por fora (quando possível) e rebitados por cima
ou
rebitados com não menos de
0.5 in 12.70 mm
S 2036 161 Temperatura . Estrutura e Componentes
Vagões em aço
temperaturas superiores a
700 º F 371 º C
atingida que pela colocação da carga ou pela extracção da mesma
Vagões alumínio
temperaturas superiores a
250 º F 121 º C
Bogies, componentes não metálicos, partes do sistema de freio
temperaturas superiores a
140 º F 60 º C
S 2037 163 Coberturas /Escotilhas
1 aceitação e ensaio em laboratório
para uso em vagões funil ou equivalente
2 Standards de aceitação
2.1 qualquer cobertura testada deve passar nos ensaios a que for sujeita mantendo integridade suficiente para operar satisfatoriamente
2.2 Material
alumínio
aço galvanizado
plástico reforçado com fibra de vidro
outro material adequado
as propriedades do material não estão restritas por esta norma
2.3 peso máximo
286,000 lb 129,727 kg
por cobertura/escotilha
incluindo o material a esta ligado
2.4 Protecção
2.4.1 para as coberturas não metálicas: contra os raios ultra violeta
para as coberturas metálicas: contra a corrosão
a protecção deve mante-se intacto durante todos os ensaios
2.4.2 esta especificação não tem intenção de definir protecção contra carga corrosiva, esta deve ser opção do cliente
2.5 vedantes
os vedantes da cobertura devem impedir a contaminação da carga por sujidade e humidade
vedantes da cobertura ocas devem ter todas as aberturas para prevenir a infestação por insectos
2.6 intermutabilidade
as coberturas devem ser intermutáveis com outras coberturas com a mesma largura comprimento, localização da articulação da extremidade e localizaçã
dimensões standard:
2.7 Deterioração
ensaio de acordo com o anexo B
contra a acção dos raios ultravioleta durante 15 anos
2.8 Causas para Falha no Ensaio
2.8.1 Danos permanentes na protecção dos raios ultravioleta
Danos permanentes na protecção anticorrosiva
Danos protecção que exponham o material a proteger
O ensaio de penetração está isento
2.8.2 Fissuras superficiais
com 6in ou superiores 6.0 in 152.40 mm
que atravessem o material
separação do material
2.8.3 fendas inferiores a 6in, devem ser marcadas e o ensaio deve ser repetido apenas mais uma vez
se as fendas se prolongarem o ensaio deve ser rejeitado
se as fendas não se prolongarem o ensaio é considerado aceite
2.8.4 flexão permanente
distorção permanente
compressão dos vedantes no ensaio do ponto 3.3.1
3 Requisitos de ensaios em laboratório
3.1 Preparação do Ensaio
….
4 Inscrições
na cobertura
….
5 Inspecção
opção do cliente
6 Entrega
protegida para não ser danificada ou deformada
7 Responsabilidade de Aplicação
fabricante da cobertura e fabricante do vagão
8 Cobertura aprovadas
anexo C
S 2038 173 porta automóveis(Rack car), vários níveis, com ou sem porta ou tecto, normas de segurança
NA
S 2039 177 Dobradiças? Batten bars
1 Battern bars para uso nas coberturas/escotilhas fabricadas de acordo com a S 2037
2 Ensaios do ponto 3 sem falha
2.1 peso máximo incluindo vedantes
15 lb 7 kg
2.2 Dimensões Standard
de acordo com S 2037, ponto 2.6
2.3 Material dos vedantes
certificado de acordo com: ASTM D 1056
ensaio de certificação: SCE-42-A1-B1-C1-F2
método de ensaio: A no ensaio C1 num período de 180 dias e com alteração da variação das temperatura a cada 30 dias a 160ºF e 30 dias a -70ºF
qualidade de retenção:100%
crescimento de fenda:0
todos os outros ensaios devem ser os definidos por defeito no ASTM D 1056
2.4 Marcação

2.5 Falha
Definida por
fissura do material ou soldadura, deformação permanente ou separação entre vedante e a cobertura/escotilha
falha nos ensaios do ponto 3
estragos nas coberturas devido à operação durante os ensaios do ponto 3
3 Ensaios em laboratório

S 2040 181 Plate H - Diagrama de equipamentos para serviço interoperável limitado
gabarit com restrições de serviço
S 2041 183 Plate H1 - Largura máxima dos veículos com diferentes distâncias entre eixos
gabarit com restrições de serviço
S 2042 185 Desempenho dos degraus da
1 -
1.1 -
1.2 desempenho minimo
2 -
3 Número
4 por veículo, nomínimo
ou o necessário para veiculos articulados ou drawbar
4 Dimensões
4.1 comprimento do piso mínimo
10.0 in 254.00 mm
12.0 in 304.80 mm preferencialmente
Mas quando o sill degrau também serve como degrau de freio, para o freio manual:
14.0 in 355.60 mm
16.0 in 406.40 mm preferencialmente
para o degrau mais perto do freio manual
4.2 profundidade livre minima
8.0 in 203.20 mm
os que excederem 21 in devem ter piso adicional
21.0 in 533.40 mm
4.3 largura do material
1.5 in 38.10 mm
espessura do material: a necessária para os requisitos de resistencia mas nunca menos de 1/2in
0.5 in 12.70 mm
Mas quando o sill degrau também serve como degrau de freio, para o freio manual:
largura do material
4.0 in 101.60 mm
e a superficie do piso deve ser antiderrapante
5 Localização
5.1 1 perto de cada topo em cada lada para vagões unitários
não devem havem mais de 18in do topo do vagão até ao centro do degrau
18.0 in 457.20 mm
5.2 o bordo externo do piso não deve estar a mais de
4.0 in 101.60 mm
para dentro da face lateral do vagão, preferncialmente deve estar à face
5.3 o piso não dve estar a mais de
14.0 in 355.60 mm
16.0 in 406.40 mm preferencialmente
acima do topo do carril
6 Forma de aplicação
A ligação deve ser feita por parafusos com porcas por fora (quando possível), no mínimo
0.5 in 12.70 mm
e rebitados por cima
ou
com rebites de, no mínimo
0.5 in 12.70 mm
ou
com rebites de duas peças de, no mínimo
0.5 in 12.70 mm
7 Requisitos de carregamento
determinado por ensaio ou projecto
degraus e suas fixações ao vagão devem suportar
força vertical estática
450 lb 2,002 N
em combinação c/ força horizontal estática na direcção transversal
250 lb 1,112 N
distribuida no meio do degrau sobre
5.0 in 127.00 mm
sem falha do derau ou das fizações
o ensaio deve ser feito com o degrau no vagão ou fixado de forma equivalente
após o ensaio e degrau deve voltar à sua posição original com uma tolerância de
0.1 in 3.18 mm
8 material e mão de obra
ridiculo
S 2043 187 Vagões para transporte de material altamente radioactivo
NA
S 2045 223 Equipamento de monitorização remota, instalação
--
S 2046 229 Especificações de Ensaios de Fadiga para Aplicações com Aumento de Vida Útil
a Rule 88 o Office Manual das AAR Interchange Rules estabelece
50 anos de vida útil
podem existir serviços que necessitem de mais
NA
S 2047 235 Plate J- Diagrama de equipamentos para serviço interoperável limitado
gabarit com restrições de serviço
S 2048 237 Plate K - Largura máxima para serviço interoperável limitado
gabarit com restrições de serviço
S 2049 239 Dispositivo Anti-Roubo - Portas deslizantes dos vagões de Bordas Altas
S 2050 241 Dispositivo Anti-Roubo - Portas de encaixe dos vagões de Bordas Altas
S 2051 243 Plate J1- Largura máxima dos veículos com diferentes distâncias entre eixos
gabarit com restrições de serviço
S 2052 245 Plate J1- Largura máxima dos veículos com diferentes distâncias entre eixos
gabarit com restrições de serviço
RP 200 247 Vagões funil, Abertos em serviço shaker
1 -
2 vibração no topo do vagão
2.1 as laterais com rebites devem ter arestas : ...NA
2.2 as laterias devem ter prumos sufientes ou rigidez suficiente para que a sua frequencia na natural seja superior a 100 ciclos/segundo
100 ciclos/segundo 100.00Hz
2.3 as vigas laterais de topo e de fundo dos vagões com laterais planas devem ser direitas e paralelas às laterais e ás vigas laterais por forma a eliminar elevad
2.4 a viga de topo de cantoneira, perfil em U ou configurações similares devem ter
uma barra soldada de
0.5 in 12.70 mm
por
1.0 in 25.40 mm
no topo do rebordo horizonta, tão próximo do vértice interno quanto possível
ou
???
2.5 as vigas laterias para laterais soldadas devem prolongar-se até e ser soldadas aos rebordos horizontais das vigas horizontais
-
2.6 o suporte interior deve ser ligado à lateral do veículo pelo menos a
6.0 in 152.40 mm
abaixo da superficie superior da viga superior
o suporte interior pode ser soldado ou aparafusado
2.7 os suportes da tubagem de ar não devem estar separados por mais de
5.00 f 1,524.000 mm
onde a tubagem estiver flectida no overhang, este deve ser apoiado
as válvulas de freio, de retenção, os t's e o reservatório devem ser montados rigidamente de forma a minimizar o esforço na tubagem e nas ligações
2.8 membros compridos não suportados como
corner post
end post
freio manual
devem ser pararafusados ou rebitados
2.9 aplicações de segurança como corrimões , pegadeiras, etc
não devem ser ligadas a materias fino como laterias sem placas de reforço
se tiverem punho forjados devem ser feitas de aço macio
pegadeiras compridas não devem ser utilizadas ou devem ter suportes adicionais
2.10 devem ser evitadas mudançasabruptas na secção do material, particularmente em elementos estruturais e aplicações de segurança
2.11 especial cuidade na soldadura das juntas para evitar criação de tensões nas juntas soldadas
nas soldaduras de
end post
vigas laterias
laterias
devem ser contínuas, não intermitentes
devem ser evitadas nas soldaduras: bordo queimados e transversais VER
2.12 os furos para rebites e/ou parafusos devem ser punçoados com tamanho mais pequeno e rectificados no local de montagem
2.13 parafusos
de elevada resistencia
método de aplicação: turn-off-the-nut: dando momento ao parafuso
2.14 o projecto deve assegurar qie vibradores adicionais não possam ser ligados ao vagão em áreas onde o possam danificar
ou seja: evitar projectar rebordos verticais ou horizontais, particularmente nas vigas laterias ou frontais
2.15 Ensaio de Vibração de Protótipo
8 horas
sem danos estruturais tais que impessam o serviço
o aparelho vibratório deve ser:
RP 206 249 Chão de madeira, Vagões abertos
NA
RP 207 251 Receptáculo de Cartão de Defeito
1 -
2 requisitos minimos
2.1 de metal (preferencialmente anti-corrossivo)
de borracha
de outro material adequado
2.2 dimensões internas
0.5 in 12.70 mm por
4.0 in 101.60 mm por
8.5 in 215.90 mm
ou cilincrico
1.3 in 31.75 mm
8.5 in 215.90 mm
2.3 deve ser fácilmente secured a madeira ou metal
2.4 devem ser feitos de forma a que os cartões sejam de fécil insersão e remoção e que não caiam quando o vagão seja operado por máquinas de descarga
2.5 a parte de fora defe ter escrito "DEFECT CARDS"
2.6 deve protejer o seu conteudo da intemperis
2.7 cobertura é opcional
se tiver cobertura esta deve fecha-se autométicamente e não se deve abrir por vibração ou com o vento
2.8 Localização
Field Manual, AAR Interchange Rules, Rule 71
RP 208 253 Porta-fueiros, permanentes
1 ligação com rebites ou soldadura
2 material RP 209 ou outro aprovado
3 a localização dos fueiros deve ser adequada à construção ou ao serviço
mas os fueiros não devem estar afastados entre centros mais de
4.00 f 1,219.200 mm
4 em vagões plataforma os fueros devem ter
largura 4.0 in 101.60 mm
profundidade 5.0 in 127.00 mm
5 em vagões plataforma
espassamento entre centro dos fueiros
minimo 2.00 f 609.600 mm
máximo 4.00 f 1,219.200 mm
6 os vagões plataforma devem ser fornecidos com porta-fueiros consideravelmente ligados aos membros do leito
7 cargas a suportar pelos porta-fueiros e pelas suas ligações
23,000 lb 102,344 N lateral aplicada para fora no topo da aresta
60,000 lb 266,984 N vertical nas superficies inferiores
sem atingir na cedencia (Yield)
RP 209 255 Porta-fueiros, para vagões plataforma
1 dimensões
RP 227 257 Pocket Universal, Amortecimento 15 in, engate E69
-
RP 228 259 Pocket Universal, Amortecimento 10 in, Chão rebaixado, engate E69
-
RP 231 261 Pocket Universal, Secções tipicas e Notas
-
RP 232 263 Escadas , de topo e laterais - Configuração
RP 233 265 Hold-Down Clips - !amarrações para cobertura - Bordas altas e Bordas Baixas - montados nas laterais
RP 233 265 Hold-Down Clips - !amarrações para cobertura - Bordas altas e Bordas Baixas - montados na viga de topo
RP 258 269 Vagões Funil, Serviço de Cereais
1 disposições adicionais às restantes da AAR
2 Corpo do vagão finul e componente relaccionados
2.1 deve existir uma escada de acesso a cada compartimento do funil
2.2 passadeiras
largura minima 22.0 in 558.80 mm
extenções em latitude
largura minima 24.0 in 609.60 mm
3 coberturas/escotilhas passantes
3.1 devem abrir em ambas as direcções para permitir espaço de passagem livre
3.2 a capacidade em m3 do vagão deve ser inscrita na parte de baixo das coberturas/escotilhas de topo de acordo com a MSRP, SECTIONL, S910
RP 905 271 Bordas Altas Cisternas de Combustíel Refrigeradas
NA
RP 940 273 Formato de Distribuição Electronico para Desenhos de Engenharia
VER
RP 2017 275 Fundição/vazamento do Striker, Aço vazado/fundido
1 requisitos dimensionais e de material
FIM
outra forma (ver ponto para detalhe)
sta especificação
nte pela face interna da unha fechada da tracção com o engate ver
o do vagão e passante pela face interna da unha fechada da tracção com o engate ver

do vagão e passante pela face interna da unha fechada da tracção com o engate ver com o engate totalmente recolhido
n do plano vertical paralelo ao topo do vagão e passante pela face interna da unha fechada da tracção com o engate ver.

o) deve estar totalmente comprimido aquando destas medições.


, se devem prolongar para lá da face do "buffer block"
a escadaria , permitindo-se uma variação de 2in
uma variação de 2 in

do degraus inferior…. Ver


1in cujo comprimento de suporte não pode exceder 72in
as arestas inferiores de todos os lados, nem durante nem após a descarga, e de modo a que a face da "porta" de descarga de "autolimpeza"
ou detritos em transito

ão de 6 psi de área de acordo com o pto 3.3.3

rtura de 800flb
de potencia

veículo por fora do carril

etamente fechado
de modo aceitarem uma barra de 6f de comprimento e 1,5in de diâmetro
ade de acordo com o pto 3.3 e devem estar aptas a operar sem exceder os mementos de abertura do ponto 2.7 para vários tamanhos de abertura.

o na zona de ligação
00 000 f lb induzida nos suportes do vibrador nas laterais do funil com o funil em tara

a ao seguinte ensaio de estanquidade:

perfície da sílica

e teste em posição equivalente


uto imediatamente após o ensaio de impacto

máxima, em carga ou em tara


reparação normais

il substituição, preferencialmente sem ser necessária a completa desmontagem do mecanismo de descarga

pelo cliente no momento da compra


do bordo interior da tampa da travessa do pivot
fety Appliance Standards
r de corrimão

step , este deve ser colocado a 2,5 in, normalmente, mas não menos de 2in, da parte de baixo do topo do vagão de modo a fornecer o necessário espeço livre para a mão.
ção da extremidade e localização da tranca
160ºF e 30 dias a -70ºF

ura/escotilha
rais por forma a eliminar elevada tensão inicial nestes pontos
na tubagem e nas ligações
do por máquinas de descarga
P, SECTIONL, S910