Você está na página 1de 4

PROVA ORAL DE IED

1. LEI

Conceito:
É a forma de que se reveste a norma. A norma é uma prescrição, a lei transforma a prescrição em direito, lhe dá o
caráter legal (institucionalização). A institucionalização está referida à crença em procedimentos que, por sua
publicidade e solenidade, conferem aos enunciados o caráter legal. Assim, a lei é a principal fonte do direito no nosso
ordenamento jurídico.
“Ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer algo senão em virtude de lei.”

Espécies & Hierarquia:

Normas Constitucionais:
Constituição: é a lei fundamental e suprema do Brasil, servindo de parâmetro de validade a todas as demais
espécies normativas, situando-se no topo do ordenamento jurídico.

Emendas Constitucionais: As emendas são propostas de mudança no texto da Constituição que passam a integrá-la.
As emendas visam a possibilidade de mudanças na Constituição para a adequação à realidade social sem que haja a
necessidade de criação de uma nova Constituição cada vez que surge uma mudança.
A Constituição estabelece que as alterações do texto somente podem ocorrer se presentes os seguintes requisitos:
 a emenda deve ser proposta por no mínimo 1/3 dos membros da Câmara dos Deputados ou
do Senado ou pelo Presidente da República ou pela maioria absoluta das assembleias Legislativas das
unidades da Federação, sendo que cada uma deve manifestar-se pela maioria relativa de
seus membros;
 o texto constituicional não pode ser alterado durante a vigência de intervenção federal, de estado de
defesa ou de estado de sítio.
Há ainda as chamadas Cláusulas Pétreas, que não podem ser emendadas e, para sua modificação, é necessária a
edição de uma nova Constituição. Artigos que regem sobre a forma federativa do Estado; o voto direto, secreto,
universal e periódico; a separação dos Poderes; e os direitos e garantias fundamentais são objeto das Cláusulas
Pétreas.

Tratados e Convenções Internacionais sobre os Direitos Humanos: Também podem vir a ter força de emenda
constituicional se celebrados pelo presidente da república, aprovado pelo congresso nacional e promulgado pelo
presidente da república através de decreto.

Normas infraconstitucionais:
Lei Complementar: tem como propósito complementar, explicar, adicionar algo à constituição. “ Lei complementar
disporá sobre a elaboração, redação, alteração
e consolidação das leis.”

A lei complementar diferencia-se da lei ordinária desde o quorum para sua formação. A lei ordinária exige apenas
maioria simples (50% + 1 dos presentes) de votos para ser aprovada, já a lei complementar exige maioria absoluta
(50% + 1 de todos). Nem todas as leis complementares, como se pensa erroneamente, destinam-se a complementar
diretamente o texto constitucional, pois o constituinte, originário ou reformador, reserva à lei complementar
matérias de especial importância ou matérias polêmicas, para cuja disciplina seja desejável e recomendável a
obtenção de um maior consenso entre os parlamentares.
Na verdade não há hierarquia entre lei ordinária e lei complementar, o que há são campos de atuação diversos.

Lei Ordinária: Lei positiva comum, de natureza interna, que regula as relações jurídicas de ordem privada.

A iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a qualquer


membro ou Comissão da Câmara dos Deputados, do Senado Federal ou do Congresso Nacional,
ao Presidente da República, ao Supremo Tribunal Federal, aos Tribunais Superiores, ao
Procurador-Geral da República e aos cidadãos, na forma e nos casos previstos nesta
Constituição.

Lei Delegada: é um ato normativo elaborado pelo chefe do poder executivo no âmbito federal, estadual e municipal,
com a solicitação ao Congresso Nacional, relatando o assunto que se irá legislar. O chefe do executivo solicita a
autorização, e o poder legislativo fixa o conteúdo e os termos de seu exercício. Depois de criada a lei pelo chefe do
executivo, ela é remetida ao legislativo para avaliação e aprovação. Considerando que os limites foram respeitados e
que a lei é conveniente, o legislativo a aprova, contudo, essa norma entra no sistema jurídico na qualidade de lei
ordinária. As leis delegadas não admitem emendas.

Medida Provisória: é um ato unipessoal do presidente da República, com força de lei, sem a participação do Poder
Legislativo, que somente será chamado a discuti-la e aprová-la em momento posterior. O pressuposto da MP
é urgência e relevância, cumulativamente. São expedidas diretamente pelo presidente da república, com ressalva de
certas matérias nas quais não são admitidas, em caso de relevância e urgência, e que terão força de lei, cuja eficácia,
entretanto, será eliminada desde o início se o Congresso Nacional, a quem serão imediatamente submetidas, não as
converter em lei dentro do prazo de 60 + 60 dias contados a partir de sua publicação.

Decreto Legislativo: é um ato normativo de competência exclusiva do poder legislativo com eficácia análoga a de
uma lei. o decreto legislativo tem como objeto matérias apontadas como de competência exclusiva do Congresso
Nacional, por exemplo, as relações jurídicas decorrentes de medida provisória não convertida em lei.

Resolução: é norma jurídica destinada a disciplinar assuntos do interesse interno do Congresso Nacional.

Além dessas, estão presentes também nas normas infraconstitucionais os Tratados Internacionais em geral, os
Decretos, as Portarias e as Instruções Normativas. Estes três últimos, porém, não são considerados leis, são apelas
normas institucionais internas.

Lei Material x Lei Formal


Lei formal designa um modo de produção de normas. Lei material designa seu conteúdo.
Lei material é caracterizada pela sua natureza. Lei formal é caracterizada pela forma.

Processo de elaboração de uma lei ordinária federal:


Iniciativa: qualquer membro ou comissão:
- da câmara dos deputados
- do senado federal
- do congresso nacional

- presidente da república
- STF
-Tribunais superiores
- Procurados-geral da república
- cidadãos

Apresentação do projeto
Exame pelas comissões técnicas, discussões e aprovação
Depois de passar pelas comissões, deverá ir para o plenário para discussão e votação. Tem que ser aprovada nas
duas casa por maioria simples.

Revisão
Camara e senado federal. Se inicia em uma, deve ir à outra para revisão.

Sanção
Concordância pelo presidente da república com o projeto já aprovado pelos legislativo.

Promulgação
Declaração formal da existência da lei.

Publicação
Deve ser feita por órgão oficial. O início da vigencia pode acontecer na publicação ou, no caso de vacatio legis, na
data prevista na lei pra entrar em vigencia.

COSTUME

Definição: diferenças entre usos, hábitos e costumes.


"é um ordenamento de fatos que as necessidades e as condições sociais desenvolvem e que, tornando-se geral e
duradouro, acaba impondo-se psicologicamente aos indivíduos.”

"Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de
direito.

Você também pode gostar