Você está na página 1de 677

Sistemas ACL Elite / Elite Pro

Manual do Operador • P/N 181121-11 • Rev. 0 Dezembro de 2005

Fabricante Representante Autorizado EU


Instrumentation Laboratory Company Instrumentation Laboratory SpA
101 Hartwell Avenue - P.O> Box Viale Monza 338-20128
9113 Milão, Itália
Lexington, MA 02421 – 3125 EUA Telefone ; (+39) 02-2522-1
Telefone: (+1) 781-861-0710
Manual do Operador ACL Elite/Elite Pro Texto P/N. 181121-11 Rev. 0 Dezembro de 2005
Esta publicação e quaisquer e todos os materiais (incluindo o software) dizem respeito
aos produtos do Sistema ACL Elite/ Elite Pro da IL e são de propriedade natural e são
comunicados em uma base estritamente confidencial; eles não podem ser reproduzidos,
registrados, armazenados em um sistema de recuperação, transmitido ou descoberto de
qualquer forma e por quaisquer meios que seja, eletrônico, mecânico por fotocópia ou de
outra maneira, sem o consentimento por escrito da IL.
A informação contida aqui é acreditada por IL por ser acurada: em todo caso, nenhuma
responsabilidade, seja expressa ou implícita, será assumida pelo presente por IL por ou
em conexão com o uso dai ou por infração de quaisquer direitos da terceira parte que
possam nascer daí ou de qualquer representação ou omissões contidas nesse particular.
A informação está sujeita a mudanças e/ ou atualização sem notificação.

Sarstedt, Epson e Hewlett Packard são Marcas Registradas.


Índice Geral

1 informação Geral
1.0 Introdução 1.1
1.1 Uso do Produto 1.2
1.2 Parâmetros Medidos 1.2
1.3 Apresentação dos Resultados 1.4
1.4 Descrição e Operação do Equipamento 1.4
1.4.1 Sumário 1.4
1.4.2 Principais Componentes do Hardware 1.5
1.4.3 Bandeja da Amostra 1.8
1.4.4 Área do Reagente 1.10
1.4.5 Área de Enxágüe/ Resíduo 1.11
1.4.6 Sistema de Amostragem/Dispensa 1.12
1.4.7 Área de Carregamento e Análise 1.16
1.4.8 Microprocessador e Eletrônicos 1.22
1.4.9 Display de Cristal Líquido (LCD) 1.23
1.4.10 Teclado 1.24
1.4.11 Conectores de Interface 1.24
1.4.12 Sistema de Resfriamento Interno 1.25
1.4.13 Leitor de Código de Barra On-board 1.25
1.4.14 Escaner de Código de Barra Externo (Opcional) 1.26
1.4.15 Impressora Externa (Opcional) 1.27
1.4.16 Drive do Disquete 1.28
1.5 Características Adicionais 1.28
1.5.1 Status de Aguardar 1.28
1.5.2 Fim do Ciclo 1.29
1.5.3 Perda de Força 1.29
1.5.4 Programas Setup e Utilidades 1.30
1.5.5 Detecção de Falha 1.30
1.5.6 Display do Video – Cores e Símbolos 1.30
1.6 Limitações do Processo 1.31
1.7 Certificações 1.31
1.8 Disposição dp Equipamento 1.33
1.9 Tabela de Símbolos 1.34

2 Instalação
2.0 Introdução 2.1
2.1 Exigências de Instalação 2.1
2.1.1 Condições Ambientais 2.1
2.1.2 Exigências de Espaço 2.1
2.1.3 Exigências Elétricas 2.2
2.2 Entrega e Desempacotamento do Equipamento 2.4
2.3 Partes de Equipamento Montandas 2.6
2.4 Ligando oSistema 2.10
2.5 ACL – Cabo de Interconexão do Hospedeiro 2.14

3 Operações Analíticas
3.0 Introdução 3.1
3.1 Componentes e Uso da Interface do Operador 3.1
3.1.1 Tela de Toque 3.1
3.1.2 Teclado Numérico 3.3
3.1.3 Teclado Padrão do PC 3.3
3.1.4 Leitor de Código de Barra Externo 3.4
3.1.5 Porto do Mouse 3.5
3.1.6 Menus 3.5
3.1.7 Janelas e Caixas 3.5
3.1.8 Elementos da Tela do Teclado 3.6
3.1.9 Uma Janela Especial para Alarmes e Erros 3.11
3.1.10 Salvar Tela 3.11
3.1.11 Árvore do Software ACL Elite/Elite Pro 3.11
3.2 Análise da Amostra 3.13
3.2.1 Procedimentos de Análise da Amostra – Sumarizado 3.14
3.2.2 Modos de Análise da Amostra 3.18
3.2.3 Mapa do Material 3.29
3.2.4 Análise: Loadlist 3.33
3.2.5 Análise: Relatório da Sessão 3.40
3.2.6 Condições de Pausa de Sessão 3.44
3.2.7 Análise: Funções Pausa / STAT 3.45
3.2.8 Lista de Resultados 3.51
3.2.8.1 Ícone do Extrato 3.54
3.2.8.2 Ícone do Detalhe da Amostra 3.56
3.2.8.3 Ícone de Amostra Nova (Tubos em pastas) 3.60
3.2.8.4 Ícone Apagar (Lixeira) 3.60
3.2.8.5 Resultados Impressos 3.61
3.2.8.6 Resultados Enviados para o Computador Hospedeiro 3.63
3.3 Controle de Qualidade 3.64
3.3.1 Analisando os Materiais de QC usando-se uma Loadlist 3.65
3.3.2 Setup do Controle de Qualidade 3.66
3.3.3 Revisão do Resultado de QC 3.70
3.3.4 QC – Gráfico e Estatísticas 3.71
3.3.5 QC – Resultados Cumulativos 3.74
3.3.6 QC – Comunicação do Hospedeiro 3.79
3.3.7 QC – Resultados de Extrato 3.81
3.4 Calibração 3.83
3.4.1 Procedimento de Calibração Geral 3.84
3.4.2 Salvando uma Calibração – Sumário 3.85
3.4.3 Calibrações Dedicadas – Detalhes 3.86
3.4.4 Calibração – Revisão da Calibração 3.88
3.4.5 Calibração dos Ensaios de Fator 3.94
3.4.6 Calibração dos Ensaios de Fator – Testes de Paralelismos 3.102
3.4.7 Resultados de Paralelismo do Ensaio de Fator 3.102
3.5 Referência Analítica 3.105
3.5.1 Referência Analítica: Setup 3.105
3.5.2 Referência Analítica: Gráfico e Estatísticas 3.109
3.5.3 Referência Analítica: Resultados Cumulativos 3.111
3.5.4 Referência Analítica: Comunicação do Hospedeiro 3.113
3.5.5 Referência Analítica: Dados do Extrato 3.114

4 Setup e Utilidade
4.0 Introdução 4.1
4.1 Setup 4.1
4.1.1 Submenu do Setup 4.1
4.1.2 Setup – Testes – Visão/ Define 4.2
4.1.3 Setup – Testes – Tipo 4.5
4.1.4 Setup – Testes – Tabela de Interferencia 4.7
4.1.5 Setup – Testes – Testes Default 4.9
4.1.6 Setup – Testes –Testes de Reflexão 4.11
4.1.7 Setup – Perfil de Multi-Testes 4.16
4.1.8 Setup – Multi-Testes – Grupos de Testes 4.20
4.1.9 Setup – Multi-Testes – Perfis de Grupos de Testes 4.27
4.1.10 Setup – Multi-Testes – Tipos de Multi-Testes 4.31
4.1.11 Setup – Multi-Testes Default 4.32
4.1.12 Setup – Líquidos 4.33
4.1.13 Setup – Interfaces – Hospedeiros 4.43
4.1.14 Setup – Interfaces – Impressora 4.45
4.1.15 Setup – Interfaces – Leitor de Código de Barra Interno 4.47
4.1.16 Setup – Interfaces – Leitor de Código de Barra Externo 4.49
4.1.17 Setup – Interfaces – Teclados 4.50
4.1.18 Setup – Interfaces – Rede de Trabalho 4.52
4.1.19 Setup – Interfaces – Modem 4.52
4.1.20 Setup – Configuração do Sistema 4.52
4.1.21 Setup – Segurança 4.55
4.1.22 Setup – Alarmes Audíveis 4.60
4.1.23 Setup - Data/Hora 4.61
4.1.24 Setup - Unidades (Temperatura) 4.62
4.2 Setup – Testes – Definir 4.64
4.2.1 Copiar Teste 4.67
4.2.2 Setup – Detalhes de Testes 4.68
4.2.3 Análise: Setup do Carregamento 4.75
4.2.4 Calibração: Setup do Carregamento 4.88
4.2.5 Setup de Aquisição 4.101
4.2.6 Setup do Cálculo 4.103
4.3 Utilidade 4.140
4.3.1 Submenu Utilidade 4.140
4.3.2 Utilidade – Biblioteca IL de Atualizações 4.141
4.3.3 Utilidade – Backup/Restaurar 4.141
4.3.4 Utilidade – Arquivo 4.143
4.3.5 Utilidade – Software – Identificação do Software 4.144
4.3.6 Utilidade – Software – Software Atualizar/ Carregar 4.145
4.3.7 Utilidade – Salvar Mapa do Rotor 4.147
4.3.8 Utilidade – Salvar Rastro 4.148
4.3.9 Utilidade – Teste/Material – Backup e Carregar 4.149
5 Diagnósticos e Manutenção
5.0 Introdução 5.1
5.1 O Submenu Diagnóstico 5.1
5.1.1 Preparação 5.2
5.1.2 Limpeza 5.4
5.1.3 Manutenção 5.7
5.1.4 Controle de Temperatura 5.10
5.1.5 Posição das Agulhas 5.11
5.1.6 Sessão Histórico do Erro 5.13
5.1.7 Arquivo Histórico do Erro 5.14
5.1.8 Livro Log 5.15
5.1.9 Serviço (diminuído) 5.17
5.2 Procedimentos de Manutenção 5.17
5.2.1 Introdução 5.17
5.2.2 Manutenção Preventiva Diária 5.18
5.2.3 Manutenção Preventiva Semanal 5.21
5.2.4 Manutenção Preventiva Quinzenal 5.24
5.2.5 Manutenção Preventiva Mensal 5.25
5.2.6 Manutenção quando necessária 5.26
5.2.7 Procedimento de Descontaminação 5.31
5.3 Tabela de Manutenção 5.34
6 Resolvendo Problemas (Troubleshooting)
6.0 Introdução 6.1
6.1 Falhas, Alarmes e Advertências 6.1
6.1.1 Anomalias do Sistema 6.2
6.1.2 Anomalias do REM (Módulo de Troca do Rotor) 6.8
6.1.3 Anomalias de Temperatura 6.10
6.1.4 Anomalias Mecânicas 6.13
6.1.5 Anomalias da Estação de Aquisição 6.15
6.1.6 Anomalias dos Líquidos 6.16
6.1.7 Anomalias Óticas 6.20
6.1.8 Anomalias Operacionais 6.21
6.1.9 Anomalias de Análise (Parsing) e Carregamento 6.22
6.1.10 Anomalias da Base de Dados 6.23
6.2 Falha na Transmissão de Dados 6.23
6.3 Códigos de Erro de Redução de Dados 6.24
6.3.1 Sessão de Códigos de Erro 6.24
6.3.2 Códigos de Erro da Cirva de Reação 6.25
6.3.3 Códigos de Erro da Calibração 6.29
6.3.4 Códigos de Erro de Referência Analítica 6.33
6.3.5 Códigos de Erro de QC 6.36
6.3.6 Códigos de Erro de Testes Duplos 6.37
6.3.7 Códigos de Erro de Razão e INR 6.38
6.3.8 Erros DMS 6.40
6.3.9 Outros Erros Miscelâneos 6.40
6.4 Erros de Coagulação (Redução de Dados) 6.41
6.5 Erros de ID da Amostra 6.42
6.6 Diagrama de Redução de Dados para PT, APTT e TT 6.43
7 Especificações do Ensaio e do Equipamento
7.0 Introdução 7.1
7.1 Parâmetros de Medição 7.3
7.2 Cálculo dos Resultados 7.5
7.2.1 Testes Coagulométricos 7.8
7.2.2 Testes Cromogênicos 7.14
7.3 Configuração e Especificações de Amostras/ Reagentes 7.19
7.3.1 Exigências de Amostras e Posições 7.19
7.3.2 Posição da Amostra no Rotor 7.22
7.3.3 Volumes de Testes Coagulométricos 7.24
7.3.4 Volumes de Testes Cromogênicos 7.26
7.3.5 Volumes de Testes Especiais 7.27
7.4 Especificações de Características, Parâmetros e Analíticos de
Processamento de Dados 7.28
7.4.1 Limites Sinalizados 7.28
7.4.2 Formato dos Resultados: VDU e Impressoras 7.32
7.4.3 Conduta com Mensagens de Resultados 7.32
7.4.4 Declive da Curva de Calibração (m) 7.34
7.4.5 Interceptador da Curva de Calibração (q) 7.35
7.4.6 Alcances para Valores de Plasma de Calibração 7.36
7.4.7 Tempos de Reação 7.36
7.4.8 Algoritimos de Teste 7.39
7.5 Características de Performance do Ensaio 7.39
7.5.1 Estudos de Performance de Precisão, Linearidade e
Comparação de Métodos 7.39
7.5.2 Ensaio da Estabilidade de Calibração 7.43
7.6 Limitações Analíticas 7.44
7.6.1 Transporte 7.44
7.6.2 Cefalina: Agulha Autocondicionada 7.45
7.6.3 Amostras Lipêmicas 7.46
7.7 Especificações do Recipiente 7.46
7.7.1 Tubos Primários 7.46
7.7.2 Recipientes de Cálices e Reagente 7.47
7.8 Especificações do Equipamento 7.48
7.8.1 Especificações do Hardware e Operacional 7.48
7.8.2 Dimensões 7.49
7.8.3 Especificações da Base de Dados 7.50
7.9 Especificações de Ambiente 7.51
7.10 Especificações Elétricas 7.52
7.11 Perigos 7.52
7.11.1 Advertência Geral 7.52
7.11.2 Perigo de Choque 7.53
7.11.3 Perigos Elétricos 7.53
7.11.4 Bio-perigos 7.54
7.11.5 Perigos Mecânicos 7.54
Adendo: Estudos de Comparação de Métodos 7.56

8 Coleta de Amostra e Armazenagem


8.0 Introdução 8.1
8.1 Coleta de Amostra 8.1
8.2 Manuseio do Plasma 8.2
8.2.1 Separação do Plasma 8.2
8.2.2 Transporte do Plasma 8.2
8.2.3 Armazenagem do Plasma 8.2
8.3 Plasma de Calibração 8.2
8.3.1 Descrição 8.2
8.3.2 Preparação 8.3
8.3.3 Valor Assinalado 8.3
9 Partes e Consumíveis
9.0 Introdução 9.1
9.1 Kit de Inicialização 9.1
9.2 Informação de Pedidos para os Consumíveis 9.6

10 Garantia
10.0 Condições de Garantia Gerais 10.1
10.1 Renúncia Relacionada à Não-Qualidade do Produto da IL 10.2

11 Localizações Mundiais da IL
Apêndice A: Protocolo de Comunicação do Hospedeiro
Apêndice B: Especificação do Rótulo de Código de Barra
Apêndice C: Procedimentosde Testes Especiais
Apêndice D ACL Elite/ Elite Pro Exemplos de Impressos
Informação Geral
1.0 Introdução
Esse Manual do Operador contém informação necessária para operar, manter e
resolver problemas para o ACL Elite e Elite Pro da Instrumentation Laboratory.
Pessoal responsável pela operação e manutenção do equipamento deve ler
entender o material aqui incluído antes de usar o sistema. Este Manual deve ser
mantido perto do equipamento ou em um local apropriado para referência quando
exigido.
Esta Sessão do Manual contém informação geral sobre os Sistemas ACL
Elite/Elite Pro, incluindo os parâmetros de uso e medição, descrição dos módulos
do hardware assim como sua função e operação, metodologia, características
adicionais e limitações processuais. A descrição e uso da Interface do Operador
do ACL Elite/ Elite Pro é dirigido em Seções separadas deste Manual.

ACL Elite Pro system

1. 1
1.1 Uso do Produto
O Sistema ACL Elite/Elite Pro da IL é um analisador totalmente automático, de alta
produtividade especificamente desenhado para uso clínico no laboratório de
hemostase, para teste de coagulação e/ou fibrinólise. O sistema provê resultados
para as medições diretas de hemostase e e parâmetros calculados.

1.2 Parâmetros Medidos


Os sistemas ACL Elite/ Elite Pro são usados para executar os seguintes testes:
Testes Coagulométricos
o PT-Fib (Tempo de Protrombina e concentração de PT de Fibrinógeno-
baseado).
o APTT (Tempo de Tromboplastina Parcialmente Ativado).
o TT (Tempo de Trombina).
o Fatores Simples (VII, X, V, II, XII, XI, IX, VIII).

Testes de Absorbância
o Antitrombina
o Heparina
o Proteína C
o Inibidor Plasmina
o Plasminogênio
o Fibrinógeno-C (método de Clauss)

Testes Imunológicos
o Dímero-D
o Fator von Willebrand – Atividade e Antígeno
o Proteína S Livre

1. 2
Testes Especiais
o Pró-coágulo (Proteína C do coágulo)
o Proteína S
o Fator V Leiden
o Triagem e Confirmação de LAC
o Pro-IL-Complex (*)
o Hepatocomplex (*)
Nota:
Um (*) indica que o teste não é correntemente disponível nos Estados Unidos.

Teste Único ou Multi-Testes


O usuário pode programar testes únicos ou múltiplos em amostras de pacientes a
serem executadas em uma base de acesso aleatória. Reporte-se à Seção 4 para
informações adicionais sobre esse tema.

Grupos de Testes
Alguns testes podem ser corridos juntos como um grupo, assim, economizando
tempo quando o número de amostras a serem analisadas for relativamente
pequeno. A seguir, alguns exemplos:
PT-FIB/ APTT
PT-FIB/ APTT/ TT
Fib-C/ AT/Dímero-D

Testes Duplos (Teste Duplicado)


Os sistemas ACL Elite/ Elite Pro oferecem ao usuário a capacidade para fixar
testes duplos. O Capítulo 4 contém informações que permitirão fixar os testes
duplos no sistema.

1. 3
1.3 Apresentação dos Resultados
O ACL Elite/ Elite Pro oferecem as seguintes escolhas para exibir e imprimir os
resultados do teste:
o s (segundos)
o R (taxa)
o NR (Razão normalizada)
o INR (Razão Normalizada Internacional)
o % (Porcentagem da Atividade)
o U/mL (unidades/ mL)
o mg/dL (por exemplo para o Fibrinógeno)
o mg/L
o g/L (por exemplo para o Fibrinógeno)
o ng/mL (por exemplo para o Dímero-D)
o microg/mL
o microg/L (por exemplo para o Dímero-D)
o micromo/L
o IU/mL (Unidade Internacional)
o Unidade configurável pelo usuário

1.4 Descrição e Operação do Equipamento


1.4.1 Sumário
O ACL é uma família de analisadores completamente automatizados controlados
por computador, microcentrifugais. O sistema ACL Elite/ Elite Pro incorpora uma
unidade de Display de Cristal Líquido (LCD) que mostra o status do equipamento,
que permite ao usuário selecionar procedimentos desejados e, pelo uso de menus
e opções, guia o operador para estes procedimentos. Informação e instruções são
inseridas no sistema por um dispositivo na Tela de Toque ou por um teclado
padrão de PC ou por mouse.

1. 4
Quando a amostra testada é iniciada, as amostras e reagentes são
sequencialmente pipetados em um rotor de poliestireno de 20 cuvetes (processo
de carregamento). Um processo de centrifugação mistura, então, a amostra e os
reagentes. A mistura é levada a cabo por uma combinação de ações de
aceleração rápida e freagem que são efetivadas completamente na mistura dos
líquidos. As medidas de reação (aquisição de dados) via fotômetro são feitas
enquanto o rotor estiver girando.
O ACL mede os parâmetros a 37oC + 1oC (98.6oF + 1.8oF), a uma temperatura
ambiente de 15oC a 32oC (59oF a 89oF). Porém, se o ACL estiver em uma
temperatura ambiente controlada cuja temperatura ambiente é mantida constante,
as medidas são feitas dentro de uma temperatura estreitada de alcance 37 oC +
0.25oC.
Os resultados são exibidos no LCD e opcionalmente impressos pela impressora
externa e/ ou enviados a um computador hospedeiro. O ACL executa a calibração
automática, oferece uma série de programas de utilidade para o operador e
administra um programa de controle de qualidade completo.

1.4.2 Componentes Principais do Hardware


O analisador ACL Elite/ Elite Pro inclui vários componentes do Hardware e
módulos que interagem com cada um dos outros para levar a cabo o processo
analítico.
Essa seção contém descrições dos componentes e suas funções assim como as
operações que têm lugar durante o processo analítico.
A figura a seguir destaca alguns dos principais componentes dos ACL Elite/ Elite
Pro como visto na frente do sistema.

1. 5
Sistema – Componentes (ACL Elite não tem Transporte de Rotor e Braço de Rotor)

1. Emulsão de Lavagem-Referência
2. Diluidores
3. Bandeja de Amostra
4. Área de Reagente
5. Braço de Amostragem
6. Driver do Disquete
7. LCD
8. Área de Pilha do Rotor
9. Cobertura do Portador do Rotor
10. Transportador do Rotor e Braço do Rotor (não disponível no ACL Elite)
11. Área de Resíduo do Rotor
12. Teclado
13. Área dos Adaptadores
14. Saída do Resíduo Líquido

1. 6
Os seguintes itens serão tratados nas Seções a seguir:
 Bandeja de Amostra (Seção 1.4.3)
 Área do Reagente (Seção 1.4.4)
 Área de Enxágüe/Resíduo (Seção 1.4.5)
 Sistema de Amostragem/ Dispensa (Seção 1.4.6)
- Emulsão de Lavagem-Referência
- Bloco do pistão e eletroválvulas
- Braço de Amostragem e Montagem
- Sensores
 Área de Carregamento e Análise (Seção 1.4.7)
- Rotores (cuvetes de reação)
- Alojamento do Rotor e Transporte do Rotor*
- Portador do Rotor e Carregamento de Rotor
- Sistema de Medição Ótica (fotométrico e nefelométrico)
- Área de Resíduo do Rotor
 Microprocessador e Eletrônicos (Seção 1.4.8)
 Display de Cristal Líquido (LCD) (Seção 1.4.9)
 Teclado (Seção 1.4.10)
 Conectores de Interface (Seção 1.4.11)
 Sistema de Refrigeração Interna (Seção 1.4.12)
 Leitor de Código de Barra On-board (Seção 1.4.13)
 Escâner de Código de Barra Externo (Seção 1.4.14)
 Impressora Externa (Seção 1.4.15)
 Drive do Disquete (Seção 1.4.16)
*Sistema de Transporte do Rotor não está disponível no ACL Elite

1. 7
1.4.3 Bandeja de Amostra
O auto mostrador do sistema ACL inclui uma bandeja de amostra rotatória que
contém:
- posições de 40 x 14.2 mm de diâmetro para cálices e tubos primários
e
- posições de 10 x 23 mm de diâmetro para portar materiais
acessórios tais como calibradores, diluentes, frascos de reagentes,
etc.
Sensores óticos localizados em volta da bandeja verificam se a bandeja está
posicionada corretamente e também detectam a presença de cálices, tubos e
frascos.
Três diferentes bandejas de amostra podem ser usadas (com o sistema ACL),
dependendo da configuração do equipamento. Cada uma é apropriada para um
diferente tamanho de tubos primários: 3 mL, 5 mL e S11.5; todas podem ser
usadas para cálices 0.5, 2 ou 4.

Pequeno (3 ml) Tubo Primário (13x75 mm)


Grande (5 ml) Tubo Primário (13x75 mm e/ ou 13x100 mm)
Grande (S 11.5) Tubo Primário Sarstedt (11.5x66 mm) e/ou (11.5x92 mm)

As dimensões mencionadas acima são todos valores nominais.

Bandeja de Amostra

1. 8
Localização da Bandeja no ACL

Pressione o botão para remover a bandeja

 Posições de Reagentes Adicionais


As dez posições internas da bandeja de amostra – A1 a A10 – são usadas para
colocar materiais como calibradores, diluentes ou reagentes em uma escolha de
recipientes como frascos de 23 mm (10 mL de volume completo), frascos de 18
mm (4 mL de volume completo) ou cálices. São precisos adaptadores para os
frascos de 4 mL e cálices como visto na figura a seguir.
Normalmente, a posição A1 é reservada para um cálice que contenha plasma de
calibração (pool normal) e a posição A2 é reservada para um cálice que contenha
Diluente de Fator da IL para uso no procedimento de calibração.

1. 9
Adaptadores para as posições internas na Bandeja de Amostra

Adaptador do Cálice Adaptador do frasco

1.4.4 Área do Reagente


A área do reagente do ACL Elite consiste de 8 reservatórios rotulados R1 a R8
projetados para portar recipientes de reagente. O ACL Elite Pro tem 4 posições
adicionais refrigeradas não-ativas de R9 a R12. Uma área ao lado dos buracos de
frasco é projetada para portar as tampas dos frascos enquanto estes estão em
uso.
As posições R1 a R4 (todos os modelos) e R9 a R12 (ACL Elite Pro somente) são
mantidas entre 10-16oC por um regulador Peltier de efeito. As posições R1 a R4
estão equipadas com um mecanismo misturador.
As posições R5 a R8 são usadas para reagentes em temperatura ambiente; essas
posições não têm um mecanismo misturador.
Os reagentes nas posições R1 a R6 e R9 a R12 são aspirados com a agulha
interna (Reagente) enquanto os reagentes colocados nas posições R7 e R8 são
aspirados com a agulha externa (Amostra).

1. 10
Área do Reagente – ACL Elite

Todas as oito posições de reagente podem segurar 28 frascos de mm (16 mL de


volume completo). Frascos de diâmetros menores requerem o uso de adaptadores
de códigos de cores.
Adaptadores de Frascos
Cinza: para frascos de 10 mL que requerem
agitador magnético
Rosa: para frascos de 10 mL que não
requerem agitador magnético
Verde: para frascos de 4 mL que não requerem
agitador magnético

1.4.5 Área de Enxágüe/Resíduo


O sistema de enxágüe/ resíduo do ACL consiste de um reservatório de cálice de
enxágüe removível posicionado entre as posições R4 e R5 de reagentes, um tubo
de plástico conectado ao reservatório do cálice que escoa o resíduo do cálice e
um recipiente de resíduo fora do analisador (lado esquerdo) que coleta o resíduo.
O cálice, que está sempre cheio com a Emulsão de Lavagem-Referência , é usado
como uma bacia de lavagem para as agulhas de dispensas entre os ciclos; o
resíduo líquido é, então, escoado e coletado no recipiente de de resíduo do lado
de fora do analisador para descarte apropriado.

1. 11
Sistema de enxágüe/ resíduo

Recipiente de enxágüe/ resíduo sob as Reservatório externo de resíduos (lado


agulhas esquerdo, frente da unidade)

1.4.6 Sistema de Amostragem/ Dispensa


O sistema de amostragem/ dispensa do ACL Elite/ Elite Pro inclui os seguintes
componentes:

Garrafa de Emulsão de Lavagem-Referência


Esta é uma garrafa de plástico que contém 1000 mL de emulsão de silicone que é
empregada como uma solução de lavagem e serve como referência ótica para o
canal nefelométrico. Um sensor localizado dentro da garrafa alerta o usuário
quando o nível do líquido cai abaixo dos valores aceitáveis. A tampa na garrafa é
removida erguendo-a e retirando-a da garrafa.

Bloco de Pistão e Eletroválvulas


Fixada contra a parede da parte de trás do analisador é um bloco de acrílico com
dois cilindros cada os quais têm um pistão de aço inoxidável. Duas eletroválvulas
são conectadas aos pistões. As eletroválvulas são controladas eletronicamente e
se conectam aos pistões pela garrafa de Emulsão de Lavagem-Referência assim
como pelas duas agulhas montadas no braço de amostragem/ dispensa.

1. 12
Montagem do Braço de Amostragem/ Dispensa
Duas agulhas de aço inoxidável, externa (Amostra) e interna (Reagente), estão
montadas no fim do distal de um braço que é movido radialmente por um motor
gradual. Um outro motor gradual move o braço no plano vertical por um parafuso
de rosca. A combinação destes dois movimentos permite as seguintes operações:
o Aspiração da amostra e/ ou reagente de suas respectivas localizações
respectivas
o Dispensa de amostra e reagente nos compartimentos internos e externos
dos cuvetes de reação dentro do rotor.
o Lavagem das agulhas na estação de resíduo/ enxágüe.

Sistema de amostragem/ dispensa

Sensores
Dois sensores de nível do líquido conectados ao bloco de agulhas são usados
para detectar a presença de amostras e reagentes nas agulhas.
Pelos sensores de nível de líquidos, o sistema monitora a presença de amostras e
materiais líquidos (calibradores, plasma deficiente, diluentes, etc.) na bandeja de
amostra e reagentes nos frascos de reagente originais localizados na área do
reagente.

1. 13
Esses sensores de líquidos estão integrados dentro dos ciclos analíticos do ACL
de tal modo que sua operação não afeta o processamento do sistema. Durante
todos os ciclos analíticos, a verificação pelos sensores é dada in-line durante a
fase de carregamento. O braço de amostragem pára quando a agulha estiver
apenas debaixo da superfície do líquido para permitir a aspiração apropriada da
quantidade programada de líquido.
Os sensores dos líquidos tornam-se ativo no começo de cada ciclo analítico. A
seqüência de operações dos sensores durante um ciclo é como segue:
o autoverificação
o teste do líquido
o lavagem
o autoverificação final do sensor
o se aplicável, relatórios das falhas dos sensores para serem exibidos no
LCD.

Se os operadores são advertidos das falhas dos sensores de amostra/ reagente:


os resultados de uma amostra para que o sistema detecte volume insuficiente
aparecerá com uma advertência. Por exemplo, se a falha foi devido à amostra
insuficiente em um cálice, a mensagem de advertência exibirá “nível baixo”. Se
todos os recipientes de amostra na bandeja de amostra estiverem vazios, o ciclo
será abortado depois da autoverificação final. Nenhuma outra advertência
aparecerá no vídeo ou na impressora.

1. 14
Braço de amostragem com sensor
Linha de amostra está no topo

Interno (Reagente) Externo (Amostra)

Qualquer advertência de falha do sensor devido a autoverificação ou para


reagente insuficiente irá:
o desaparecer no começo da fase de carregamento;
o aparecer durante a incubação/ aquisição no caso de autoverificação erro
ou reagente insuficiente;
o permanecer até a próxima fase de carregamento no ciclo seguinte.

Embora o teste de sensor termine assim que um erro for descoberto durante a
autoverificação inicial, o ciclo analítico continua. Nesse caso, os resultados de
teste são dados e uma advertência aparece na linha do status indicando a falha do
sensor. Nenhuma indicação será dada sobre a ausência de amostras e/ ou
reagentes.
O operador pode ver a condição de advertência pressionando o ícone
Advertência.
Uma mensagem equivalente será impressa com os resultados.

Nota: Nenhuma quantidade adicional de líquido (amostra ou reagente) é aspirado


para o sensor de verificação.

1. 15
1.4.7 Carregamento e Área de Análise
A área do analisador, onde os cuvetes de reação são carregados e a análise tem
lugar, está localizado sob a cobertura de portador do rotor no centro do
equipamento, à direita da área do reagente. Essa área inclui o sistema de
armazenagem dos cuvetes de reação (rotores) e mecanismos envolvidos no
transporte desses rotores, o prato onde o rotor é posto durante o carregamento e
análise (o portador do rotor), os componentes do hardware responsáveis por
assegurar a mistura apropriada de reagentes e amostras nos cuvetes e o sistema
ótico usado para medições analíticas. A cobertura do portador do rotor pode ser
aberta ao pressionar-se a cobertura do rotor.

Rotor

Pocinho mais interno

Pocinho mais externo

Precaução: evite tocar a área do


rotor onde a leitura ótica ocorre.
Isto inclui o topo, lado e fundo da
parte mais externa do rotor.

1. 16
Rotor (cuvetes de reação)
Os cuvetes de reação disponíveis, de precisão são feitos de poliestireno
transparente de UV, são radialmente organizados em grupos de 20. A unidade 20
do cuvete é chamada rotor. As leituras óticas ocorrem na parte mais externa do
rotor.
Cada cuvette em forma de cunha contém dois compartimentos, um interno
próximo ao centro para portar a amostra e/ ou reagente e um externo que porta
apenas reagente. Um dique parcial entre os compartimentos mantém os
conteúdos separados durante o processo de carregamento; quando a ação
centrifugadora começa, a amostra/ reagente no lado de dentro do compartimento
flui sobre o dique para misturar-se com os conteúdos no compartimento esterior. A
reação e análise têm lugar dentro do compartimento grande e externo enquanto o
rotor estiver girando.

Pilha do Rotor, Transporte do Rotor e Braço do Rotor


Pilha do Rotor – antes de seu uso, os rotores são armazenados em uma pilha que
sustenta 12 rotores. O compartimento da pilha do rotor, que pode ser acessado à
direita do topo do analisador, pode ser enchdo a qualquer hora (carregamento
contínuo do rotor) ou manualmente (um rotor de cada vez) ou usando-se uma
ferramenta de refil de rotor (até 10 rotores por vez). A área da pilha do rotor é
controlada termostaticamente para manter os rotores a um alcance de
temperatura entre 36o e 39oC; a pilha do rotor é separada para ajudar a termo-
regulagem. O equipamento informa ao operador quando a pilha do rotor está vazia
no ACL Elite Pro.

1. 17
Uso da Ferramenta de Refil do Rotor

Pressione o centro do botão para


carregar e descarregar os rotores

Alimentando o Pilha do Rotor

Transporte do Rotor*– abaixo da pilha do rotor, um mecanismo de deslizamento


de transporte do rotor move o rotor do botão fora para torná-lo disponível ao
mecanismo do braço o rotor.

Braço do Rotor* – o braço robótico leva o rotor e insere-o no portador do rotor.


Essa é a área na qual o rotor permanecerá durante o carregamento e o processo
de análise. Uma vez que a análise seja completada, se o rotor for utilizado
completamente (ou se requisitado pelo usuário), o braço do rotor descarrega o
rotor dentro do recipiente de resíduo do rotor.

1. 18
*Transporte e Braço do Rotor (Não aplicável ao ACL Elite)*

No ACL Elite, os rotores devem ser carregados manualmente da área de


armazenagem dentro do compartimento de análise. Pressione o ícone “Tampa
Aberta” para elevar/baixar a cobertura do compartimento de análise. Pressione o
botão no centro do círculo central no compartimento de análise para assentar
apropriadamente e remover o rotor. O analisador alertará o operador quando a
mudança do rotor for necessária.

Portador de Rotores e Carregamento do Rotor


O portador de rotores é um disco de alumínio que segura o rotor no lugar durante
o carregamento e análise. O portador do rotor é controlado termostaticamente a
uma temperatura de 38.5oC + 0.5oC para assegurar 37oC dentro do cuvete.

Área do Portador do Rotor

Pressione este botão manualmente para


colocar e remova os rotores

1. 19
Carregamento do Rotor: como indicado antes, o carregamento de amostra e
reagentes nos cuvetes de reação envolve a ação do braço de
amostragem/dispensa e agulhas.

Sistema de Medição Ótica


A área de Carregamento e Análise também aloja o sistema ótico para análise em
dois canais: nefelométrico e de absorbância.
Canal Nefelométrico: a fonte de luz para este canal é um diodo de emissão de luz
(LED); a luz ( = 660 nm) é dirigida aos cuvetes de reação no rotor por um sistema
de fibra ótica. A luz difundida é lida a um ângulo de 90º com respeito ao feixe
incidente de irradiação, usando um detetor de estado sólido localizado abaixo do
portador do rotor.

Canal de Absorbância: a fonte de luz é uma luminária de halogênio cuja radiação


é dirigida aos cuvetes de reação no rotor por uma fibra ótica de quartzo e um
sistema de foco. A seleção do comprimento de onda para análise é efetuada por
um filtro central de interferência de faixa estreita em  = 405 nm.
O detetor ótico é montado na cobertura da área de carregamento/ análise, então
as leituras são feitas a um ângulo de 180º do feixe de luz.
A largura de caminho ótico para o canal de absorbância é 0.5 cm (altura do
cuvete). Os valores de absorbância providos pelo analisador são normalizados a 1
cm. Esses valores são geralmente dobrados daqueles obtidos em outros modelos
de ACL para os quais os valores de absorbância não são normalizados e, assim,
são exatamente os únicos obtidos para os 0.5 cm do caminho do cuvete.
A lâmpada de halogênio pode ser substituída ao acessar-se a área por uma
cobertura removível dentro da área de resíduo do rotor no centro do equipamento
por um engenheiro de serviço da IL.

1. 20
Sistemas de Detecção Nefelométrica e de Absorbância (cromogênico)

Área de Resíduos do Rotor


Os rotores usados são postos em um recipiente de resíduos no sistema ACL Elite
Pro. No sistema ACL Elite, os rotores podem ser movidos manualmente dentro da
caixa de resíduo ou descartados imediatamente dentro de um recipiente
designado de bio-perigo pelo protocolo do laboratório. Esse recipiente é acessado
por uma porta na área dianteira direita do analisador para remoção e deposição
dos rotores usados, como visto na figura a seguir. O equipamento informa ao
usuário quando o Rotor de Resíduos está cheio.

Advertência: Os cuvetes dentro do rotor são pretendidos para usar-


se somente uma vez. A IL não recomenda ou dá suporte ao re-uso
de cuvetes usados e lavados em um rotor.

1. 21
Acesso ao Resíduo do Rotor e Remoção

Na área de resíduos, um interruptor (sensor) verifica a presença do recipiente de


resíduo.

1.4.8 Microprocessador e Eletrônicos


Essa unidade de analisador ACL é construída em volta de três
microprocessadores do computador. Estes microprocessadores controlam todos
os eventos do analisador: movimentos mecânicos, aspiração e dispensa de
amostras e fluidos, aquisição e processamento de dados e interface do operador
com dispositivos de entrada (teclado) e saída (vídeo/ impressora).
Os eletrônicos consistem de placas de circuitos impressas mantidas juntas por
uma estrutura montada atrás do painel dianteiro do analisador. Três dessas placas
são assinaladas para o microprocessador e Seções logísticas enquanto as outras
três são usadas pelos módulos da interface e os vários controles de ativação.
Uma provisão de força de interruptor conectada à força principal dá suporte a
estes circuitos e as submontagens do equipamento são suporte de uma fonte de
alimentação diretamente ligado à força principal.

1. 22
1.4.9 Display de Cristal Líquido (LCD)
- The lower Seção displays instruction icons.
Esse módulo consiste em um Display de Cristal Líquido, de matriz de 12
polegadas ativa (LCD) que é provida com uma função Tela de Toque, permitindo
para a maioria das operações a serem carregadas usando o LCD.
O LCD guia o operador durante o processo analítico e exibe dados do calibrador e
os resultados de paciente. É também usado para exibir às curvas de calibração
para executar vários programas Utilidades que são facilmente acessíveis por esse
dispositivo de entrada.
O sistema da tela LCD reproduz 256 cores e mostra caracteres numéricos e
alfanuméricos. A interação com o operador também é feita pelo usuário amigável
pela disponibilidade de gráficos e ícones. A tela é dividida em três áreas.
o a seção superior exibe os submenus.
o a seção central exibe menus, resultados, diagramas gráficos e
diretrizes instrutivas.
o a seção inferior exibe ícones de instruções.

Display de Cristal Líquido (LCD)

1. 23
1.4.10 Teclado
O ACL Elite/ Elite Pro têm um teclado padrão de computador com teclas
mecânicas que permitem ao usuário acessar os vários modos operacionais do
equipamento.
Embora o equipamento esteja equipado com e suporta o plano de layout do
teclado inglês (britânico e americano), o próprio software do ACL também utiliza
os idiomas seguintes: alemão, francês, espanhol, japonês (Kanji) e italiano.

Teclado

1.4.11 Conectores de Interface


Interface RS-232 C para o hospedeiro (porto 1).
O ACL Elite/Elite Pro contém uma interface RS-232 C (Padrão DTE) para a saída
de dados para um compuador central (Hospedeiro) ou um computador pessoal. A
comunicação para o computador hospedeiro é via um protocolo ASTM.
Interface RS-232 C para um mouse serial (porto 2).
Portos USB (4 receptores)
Os portos USB podem ser usados por um mouse, impressora ou um leitor externo
opcional de código de barra de reagente.
Modem (porto 4) não suportado nesse lançamento de software.
Saída de Impressora Externa (porto 5).
O ACL Elite/ Elite Pro tem uma saída para uma impressora externa opcional. Dois
protocolos de emulação estão disponíveis para impressoras: ESC/P2 (Epson
como impressora) e HP-PCL (para HP como impressora Laser).
Teclado padrão de PC (porto 6).

1. 24
Painel traseiro e Fusível

1. RS-232 C 1 (Hospedeiro – opcional)


2. RS-232 C 2 (Mouse)
3. USB (4 portas), Mouse, Impressora, Código de barra externo
4. Modem (NS)
5. Impressora paralela (opcional)
6. Teclado

1.4.12 Sistema de Refrigeração Interna


O sistema de refrigeração é assegurado pela presença de ventiladores montados
no lado direito interno do analisador. Um filtro de ar impede que o pó entre no
sistema (ver Seção Manutenção).
Um alarme de dois níveis avisa o usuário quando a temperatura interna do
equipamento sobe a níveis prejudiciais. O primeiro nível alerta o operador do
aumento de temperatura e exibe uma advertência. O segundo nível desliga o
equipamento.

1.2.13 Leitor de Código de Barra On-board


O leitor de código de barra on-board, uma característica padrão do ACL Elite/ Elite
Pro está localizado na área de amostragem como indicado na figura abaixo. Uma
janela pequena indica sua posição. Para informação adicional sobre o uso do leitor
de código de barra on-board, reporte-se à Seção 3, Seção 7 e Apêndice B desse
Manual.

1. 25
Os códigos legíveis numéricos e alfanuméricos são:
o código de barra
o código 39
o código 128
o interfólio 2 de 5

Quando usando tubos de amostra de código de barra, é importante posicioná-los


na bandeja de amostra de tal forma que os rótulos estejam voltados para fora da
bandeja de amostra, como mostrado no quadro acima. Isto permitirá uma leitura
correta dos rótulos pelo leitor de código de barra on-board.

Leitor de Código de Barra On-board

1.4.14 Escâner de Código de Barra Externo (opcional)


O escâner de código de barra externo é uma característica padrão do ACL Elite
Pro e uma característica opcional do ACL Elite. Esse escâner de código de barra é
capaz de ler as informações alfanuméricas nos frascos de reagente da HemosIL
quando o mapa do material é exibido. O rótulo do frasco inclui a seguinte
informação usada no ACL Elite/ Elite Pro:
o os últimos 4 dígitos do número de lote
o a data de validade do número do lote
o o ID do material

1. 26
O escâner é ligado a um dos portos USB localizado na traseira do analisador.
Conecte o escâner com o analisador desligado e dê o boot no sistema. O escâner
se tornará ativado.
O escâner é ativado automaticamente quando o mapa do material for exibido.

Escâner de Código de Barra Externo

1.4.15 Impressora Externa (opcional)


Uma impressora externa de 80 colunas pode ser interfaceado ao ACL Elite/ Elite
Pro.
Podem ser usados dois protocolos de emulação: ESC P2 ou HP-PCL.
O ESC P2 é uma Epson típica como de protocolo enquanto o HP-PCL é um
Hewlett Packard típico como de protocolo para impressoras a Laser.
A impressora pode usar um conector USB ou um Paralelo. Se a conexão USB for
usada, a impressora deve ser conectada e ligada antes de dar o boot no sistema.
Se a impressora estiver desligada enquanto o equipamento estiver ligado, deve
ser dado o reboot no analisador a fim de que a impressão ocorra.

Impressora Externa

1. 27
1.4.16 Driver do Disquete
Um driver do disquete está montado na parte direita superior do ACL Elite/ Elite
Pro. Esse dispositivo é usado para alguns dos programas Utilidade (reporte-se à
Seção 4).

O disquete é acessível da cobertura tampa empurrando ambos os lados para


abrir.
Disquetes de alta densidade 3.5” pré-formatado IBM deve ser usado no drive.

1.5 Características Adicionais


1.5.1 Status Standby
Se o ACL Elite/ Elite Pro permanecer ligado por um período maior que 30 minutos
sem qualquer ação do operador, o sistema vai para o status Standby. A tela LCD é
“Apagada”. Pressionando-se a Tela de Toque, reativa-se a exibição e permitirá ao
sistema retomar a operação normal.
Quando o sistema entra no status Standby, todos os motores são desativados
para reduzir o consumo de força e a fonte LED é apagada. Enquanto o
equipamento estiver no status Standby, um ciclo de preparação automático é
executado a cada 30 minutos.

1. 28
1.5.2 Fim do Ciclo
No fim de cada ciclo analítico, um bip notifica o operador de que o ciclo
completara-se.

1.5.3 Perda de Força


O ACL contém uma memória não volátil para reter o banco de dados no caso de
uma falha de força. O equipamento executa um salvamento automático do banco
de dados com toda entrada em standby ou quando sair do programa principal
desligando a força. Falha de finalização antes de fechar o sistema pode resultar
em perda de alguns resultados que não foram salvos no banco de dados.
O equipamento tem um relógio interno que mantém rasto de data e tempo.
Quando a força volta depois de uma interrupção, o equipamento executa
autochecagem e exibi a tela login. Entrando na tela principal, duas situações são
possíveis:
1. A temperatura do portador do rotor estava dentro do alcance aceitável
durante a verificação. O sistema está pronto.
2. A temperatura do portador do rotor estava fora do alcance. No Menu
Principal, o ícone de Advertência na parte mais baixa da tela que é ativada,
indicando que uma ou mais temperaturas estão fora de alcance.

Nota: Selecionando o ícone “Advertência” que uma mensagem pode


ser exibida se temperaturas do sistema de refrigeração do reagente,
o portador de rotor, o transporte de rotor e/ou a pilha do rotor estará
fora do alcance.

1. 29
1.5.4 Setup e Programas Utilidade
O equipamento incorpora vários programas Utilidade que permitam certas funções
serem mudadas ou fixadas de acordo com as necessidades do usuário. Esses
programas também ajudam na resolução de problemas.
Para informação adicional, reporte-se à Seção 4 e Seção 6 deste Manual.

1.5.5 Detecção de Falha


O sistema monitora falhas automaticamente para assegurar a acuracidade dos
dados da amostra e desempenho do sistema. Monitorar falhas inclui a exibição de
alarmes e advertências.
Para informação adicional, reporte-se à Seção 6 deste Manual.

1.5.6 Display de Vídeo Reverso


Certas situações referentes aos resultados e parâmetros de calibração são
exibidas como segue:
- Preto = Resultado dentro do Alcance Normal
- Violeta = fora de alcance normal
- Vermelho = fora do Alcance do Teste
- *** = resultado fora da escala de alcance, alto, para o ensaio
- --- = resultado fora da escala de alcance, baixo, para o ensaio
- ? = nenhum resultado está disponível para este teste solicitado
- * = mais de um resultado está disponível para este teste

Para informação adicional, reporte-se à Seção 3.2.2 e Seção 7 deste Manual.


Definidos como normais, os limites de teste e de alcance da escala podem ser
obtidos detalhando-se os testes individuais no sistema. Alcances normais devem
ser entrados pelo usuário.

1. 30
1.6 Limitações Processuais
O alcance operacional do ACL Elite/ Elite Pro é 15º a 32ºC (59º a 89ºF) e até 85%
de Umidade Relativa (não condensada). O sistema fora testado de acordo com o
EN61010-1 para assegurar que nenhum perigo de segurança ocorra no alcance
de temperatura de 5-40oC (41o a 104ºF) e são retomadas as características de
desempenho funcionais quando o equipamento entra novamente no alcance de
15º a 32ºC (59º a 89ºF).

1.7 Certificação
Certificação CE
O rótulo CE na traseira do equipamento indica que o ACL Elite/Elite Pro está em
conformidade com as Diretivas Européias como postas na Declaração de
Conformidade da IL.
Diretiva dos EUA:
IVD – 98/79/EC (27-10-1998) , Anexo I e III

Padrões aplicáveis:
 EN 61326-1: 1998/A2 2001 (Classe A)
 EN 61010-2-04 Exigências de Segurança para equipamento elétrico para
medição, controle e uso de laboratório. Parte 1: Exigências Gerais.
 EN 61010-2-101 Parte 2: Exigências Particulares para equipamento de
laboratório de diagnóstico in-vitro.
 EN 61010-2-081 Parte 2: Exigências Particulares para equipamento de
laboratório automático e semi-automático para análises e outras propostas.

1. 31
Certificação CSA
O rótulo CSA na traseira do equipamento indica que a Associação de Padrões
Canadences (CSA) certificara o ACL Elite/Elite Pro para os padrões aplicáveis.

Padrões aplicáveis:
 CAN/CSA C22.2 No. 1010.1-92
 UL Std. No. 61010-1, 2a. Edição

LOPD (Lei Orgânica de Proteção de Dados)


Diretiva 95/46/CE do Parlamento Europeu e a Diretiva 95/46/CE do Parlamento
Europeu e a Diretiva do Conselho de 24 de Outubro de 1995.

Regulamento Europeu sobre proteção de dados, concernente a:


Luxemburgo Irlanda Grécia
Reino Unido Bélgica Portugal
Áustria Alemanha Itália
Dinamarca França Países Baixos
Suécia Finlândia Espanha

Diretivas do Parlamento e Conselho Europeu e regulamentos sobre proteção de


dados.
Constituição Espanhola de 1978
Lei Orgânica 15 de 13 de Dezembro de 1999, sobre Proteção de Dados Pessoais
(LOPD)
Decreto Real 994/1999 sobre Medidas de Segurança. Decreto Real 1332/1994.
Regulamento de Processamento Computadorizado de Dados Pessoais.
Instruções da Agência Espanhola de Proteção aos Dados

1. 32
Outras Certificações
O ACL Elite/Elite Pro encontra-se em CEI/IEC 61010-1, 2001 Modo, Segunda
Edição, para o seguinte:
 Temperatura de Superfície Externa
 Resistência à Chama
 Resistência Fluida
 Fluxo de Ar Interno e Temperatura
 Barulho Audível
 Rotulagem do Produto

O pacote de transporte do ACL Elite/Elite Pro, EUA ou ultramar, obedece o


Procedimento de Teste de Pacotes em Trânsito com Segurança Internacional
(Junho, 1999) ISTA 1B e ASTM 999.

1.8 Disposição do Equipamento


Diretiva da União Européia 2002/96/EC sobre Resíduo Elétrico e
Equipamento Elétrico (WEEE)

Instrumentation Laboratory está comprometido ou excedendo as condições da


Diretiva WEEE e sendo um bom parceiro ambiental. Em conformidade com a
Diretiva, começando com o produto transportado depois de 13 de agosto de 2005,
começando com produto transportou depois de 13 de agosto de 2005, todos os
equipamentos serão etiquetados com o símbolo de caixa de transporte.
Por favor, chame seu distribuidor da Instrumentation Laboratory para informações
a respeito da disposição de qualquer equipamento em final de vida.

1. 33
1.9 Quadro de Símbolos
O seguinte quadro apresenta os vários símbolos que podem aparecem estar
associados com o sistema ACL Elite/ Elite Pro.

Símbolo Descrição

Marca CE

Limitação de temperatura

Uso por

Fabricante

Código do lote

Risco biológico

Atenção: Ver Instruções de Uso

Precaução: Risco de choque elétrico

1. 34
Nota: Informação importante ao usuário

Atenção: Documentos de consulta

Número de catálogo

Número de série

Dispositivo de diagnóstico in-vitro

Representante autorizado

Contém o suficiente para <n> testes

Terminal terra do condutor de proteção

Fio terra

Desligado (suprimento)

Ligado (suprimento)

1. 35
Perigo do Leitor de Código de Barra

Fim da Vida – Descarte


(WEEE)

1. 36
Instalação
2.0 Introdução
Esta Seção contém todas as informações para instalação e montagem do sistema
ACL Elite/Elite Pro.

Advertência: O sistema ACL Elite/Elite Pro somente deve ser


instalado por pessoal da IL ou pessoas autorizadas pela IL.
Antes de tentar a instalação do sistema ACL Elite/Elite Pro no
laboratório, inspecione o local com o pessoal do laboratório para
identificar o local desejado para o sistema e assegurar que o meio
ambiente encontre todas as exigências para sua instalação com
sucesso.

2.1 Exigências de Instalação


A seguintes Seções detalham as exigencies de instalação específica para o ACL
Elite/Elite Pro.

2.1.1 Condições Ambientais


O equipamento funcionará corretamente em uma temperatura ambiente de 15-
32°C (59oF a 89oF) com unidade relativa até 85% (não condensante).
De acordo com os regulamentos IEC, nenhuma falha do equipamento ocorrerá na
presença de curto prazo de temperatura ambiente menor que 5 oC ou maior que
40oC.
O equipamento deverá ser posicionado em uma área livre de pó, fumaça,
vibrações e variações excessivas de temperatura.

2.1.2 Exigências de Espaço


As dimensões externas do analisador são:
- Altura no nível do display 60 cm 23.6 polegadas

2. 1
- Altura da superfície de análise 27 cm 10.6 polegadas
- Largura (incluindo o LCD) 100 cm 39.4 polegadas
- Profundidade 60 cm 23.6 polegadas
- Peso 63 Kg 139 libras

Durante a operação normal, o calor gerado pelo equipamento é expelido pela


base, na frente direita e lado esquerdo do equipamento.
Deve ser deixado espaço suficiente em volta do equipamento para permitir a
circulação do ar para resfriar. O equipamento deve ser posicionado de modo que
um tubo de resíduo possa ser facilmente conectado para o lado direito.
Se o operador deseja trabalhar em frente do equipamento, deverá ser deixado
espaço vazio embaixo do equipamento.

2.1.3 Exigências Elétricas


O equipamento foi projetado para operar corretamente com variações de + 10%
na voltagem de linha nominal e com freqüência de linha entre 50-60 Hz.
O equipamento tem um suprimento de força que pode operar de 100 a 240 V e ele
automaticamente liga-se a linha de voltagem requerida.

Advertência: Verifique se a voltagem de linha nominal no


laboratório é compatível com o rótulo na parte traseira do
equipamento como mostrado na tabela a seguir. A instalação
elétrica da sala deve estar de acordo com as exigêcias locais,
estaduais ou nacionais (incluindo um circuito de suprimento de
força com terra independente).

Valor como mostrado no rótulo Valores da voltagem de linha


Para a função nominal
100-240 V 100, 110, 115, 120, 125 Vac + 10%
220, 230, 240 Vac + 10%

2. 2
Consumo de força
Verifique se a linha é capaz de suprir 350 VA.

Advertência: O consumo médio de força é de cerca de 350 VA,


mas a carga pico ou ondas de corrente pode excedereste valor
quando ligar o equipamento.

Freqüência de Linha
O equipamento funcionará em qualquer freqüência entre 50-60 Hz.
O fio de força provido com o sistema é especialmente desenhado para uso com o
ACL Elite/Elite Pro. Nenhum outro fio deve substituí-lo. O fio pluga-se no soquete
como mostrado na figura a seguir. Os fusíveis são envolvidos no compartimento à
direita da tomada. O módulo de entrada de força e interruptor Liga/ Desliga
(On/Off) estão incluídos.

Soquete de Força e Fusível

2. 3
Conectores
O equipamento é provido com vários conectores localizados na traseira do
equipamento.

Conectores

1. RS232C 1 (Hospedeiro – Opcional)


2. RS232C 2 (Mouse Serial)
3. Portos USB (4): Mouse, Impressora ou Leitor de Código de Barra Externo
4. Modem (NS)
5. Impressora Paralela (Opcional)
6. Teclado
NS = Não suprido nessa liberação de software

2.2 Entregando e Desempacotando o Equipamento


Um representante certificado da IL deverá desempacotar as caixas contendo o
ACL e os acessórios, inspecioná-los visualmente para verificar se não houve
nenhum dano durante o transporte e manuseio. IL não é responsável por danos
resultantes de qualquer representante não certificado pela IL abrir a caixa.
Em caso de dano, notificar o carregador e a IL imediatamente.

2. 4
Remova a caixa contendo os rotores e o kit de inicialização. Usando a lista do kit
de inicialização incluída na caixa, confirme se todos os componentes listados
estão presentes.
Remova o equipamento e coloque-o na superfície de trabalho.
Remova a fita adesiva usada para o transporte de várias partes (coberturas,
cobertura do ventilador, etc.)

Precaução: Duas pessoas podem erguer o equipamento usando os espaços


abaixo da unidade na frente e na traseira como mostrado na próxima figura.

Pontos para Carregar o Equipamento

2. 5
2.3 Montagem das Partes do Equipamento
Tubo do Resíduo
Conecte o tubo de resíduo para o ajuste no lado esquerdo na base do
equipamento. Corte o tubo no comprimento apropriado para conectar o recipiente
do resíduo que deve estar situado abaixo do porto de saída de resíduo do
equipamento, como mostrado na figura a seguir.

Precaução: A seção horizontal do tubo deve ser mantida tão curta quanto
possível e a final livre não deve estar imerso no recipiente do resíduo líquido.

Advertência: O resíduo líquido do equipamento é para ser


considerado contaminado e deve ser disposto de acordo com os
procedimentos de gerenciamento de resíduos de laboratório e em
conformidade com os regulamentos locais (ver também CLSI GP25-
A, Vol. 13 No. 22: Gerenciamento de Resíduo de Laboratório
Clínico, Dez. 1993).

Conexão do tubo de resíduos e a posição do container de resíduo

2. 6
Acessórios de Enxágüe, Amostra e Reagente
 Verifique se o reservatório de resíduo-enxágüe está colocado em sua
posição apropriada.
 Ajuste a bandeja de amostra apropriada em seu suporte correspondente.
 Ajuste os adaptadores em suas posições apropriados (se necessário),
como mostrado na figura a seguir. Três adaptadores de reagente
codificados por cor estão disponíveis para as posições R1 a R8 de
reagentes (ACL Elite) e R1 a R12 (ACL Elite Pro):

Cinza para frascos de 10 mL que requerem agitador magnético (R1 e R4


somente)
Rosa para frascos de 10 mL que requerem agitador magnético
Verde para frascos de 4 mL que não requerem agitador magnético

Diferentes adaptadores azuis do frasco são usados para as posições adicionais na


bandeja de amostra.
 Coloque os agitadores magnéticos dentro dos frascos de reagents nas
posições R1 a R4 de reagentes se necessário.

Adaptadores de Reagente para as Posições R1-R8 (ACL Elite) e R1-R12 (ACL Elite
Pro)

2. 7
Adaptadores de Reagente para as Posições da Bandeja de Amostra A1-A10

Adaptador de Adaptador de
Cálice frasco

Emulsão de Lavagem de Referência


Coloque uma garrafa de 1 litro de Emulsão de Lavagem de Referência na posição
apropriada nas costas do bloco diluidor. Insira o tubo de aspiração. Tenha certeza
de que o conector do tubo de aspiração está conectado apropriadamente no
dispositivo de nível de sensibilidade.

Posiconamento da garrafa de Emulsão de Lavagem de Referência

2. 8
Estrutura da Eletrovávula-Agulha
Verifique se os dois tubos da estrutura de diluidor / eletroválvula para o bloco de
agulhas são conectados com força.

Nota: O tubo da eletroválvula esquerda fica dentro do interior


corretor de agulha e os tubos direitos ficam dentro do superior
corretor de agulha.

Estrutura da Eletroválvula-Agulha

2. 9
Posicionando o display LCD de tela de toque
Conecte o display LCD para o local apropriado no lado direito do equipamento,
como mostrado na figura a seguir.

Posição do display LCD

O monitor pode ser ajustado no ângulo de visão esquerda/direita e para


cima/para baixo.

2.4 Ligando o Sistema


Antes de ligar o equipamento, verifique se quadr da linha de voltagem do
laboratório está de acordo com o rótulo do equipamento. Conecte o equipamento
para a força suplementar e ligue-o usando o interceptor de força na traseira do
painel.
Verifique se a mensagem de Advertência “TERMPERATURA de INCUBAÇÃO fora
do ALCANCE” aparece no display da tela acessando o ícone Advertência.
Verifique se os misturadores magnéticos nos frascos de reagente R1 e R4 estão
rotando (se necessário).

2. 10
Data/Hora
Selecione Setup da barra do Menu Principal e clique na opção Data/Hora.
Escolha o formato de data. Coloque a data e hora. Pressione Confirmar/Cancelar
para acertar ou ignorar as mudanças (reporte-se à Seção 4 – Setup Data/Hora).

Nota: A mensagem “TEMPERATURA de INCUBAÇÃO fora do


ALCANCE” na lista de Advertências é exibida por, aproximadamente,
15 minutos, até o portador do rotor alcance a temperatura de
operação.

Montagem do Braço de Agulha


Por favor, reporte-se à Seção 5 para informação sobre o procedimento da Posição
das Agulhas.

Priming
Selecione Diagnósticos da barra de menu da tela principal e clique na opção
Priming. A tela Priming é exibida durante o ciclo de preparação:

2. 11
Tela Priming
Durante a preparação, verifique se o número de bolhas nas câmaras do diluidor
estão reduzidas a um mínimo. Se necessário, aperte os tubos de saída da câmara
com seus dedos enquanto o pistão estiver descendo e solte-o antes que o pistão
alcance o centro morto do botão. Repita o ciclo de preparação se necessário.
Verifique se não há bloqueios ou buracos no caminho do fluído e se o líquido está
fluindo suavemente da garrafa para os diluidores e dos diluidores e dos diluidores
para as agulhas.
Verifique se o descarte do líquido do cálice de enxágüe para a saída do
equipamento e, então, para o recipiente de resíduo não está deteriorado.

Advertência: Se a mensagem “FALHA do SENSOR” na área de


Advertência é exibida, o ciclo de preparação deve ser repetido.

Verificação do Sistema de Refrigeração do Ar


Localize o portador do filtro de ventilação no lado direito do equipamento. Verifique
se o filtro está limpo e se os dois ventiladores estão operando apropriadamente.

Verificação da Temperatura
Espere até a advertência “TEMPERATURA de INCUBAÇÃO fora do ALCANCE”
tiver desaparecido e o menu Principal for exibido. Clique no botão Diagnóstico na
barra do menu e selecione a opção Controle de Temperatura o qual abrirá a tela
Controle de Temperatura. Para detalhes, reporte-se à Seção 5.

2. 12
Tela de Controle da emperatura
A temperatura deve estar dentro dos seguintes alcances para cada área:
- Portador do rotor 38 a 39oC (100.4 a 102.2oF)
- Peltier* 10 a 16oC (50 a 60.8oF)
- Transporte* do Rotor 34 a 40oC (93.2 a 104.0oF)
- Pilha do Rotor 34 a 40oC (93.2 a 104.0oF)

* ACL Elite/ Elite Pro exibe dois Peltiers para R1 – R4 e R9 – R12.

O display da temperatura é constantemente restaurado, dando um efeito de piscar


no display.

Leitor de Código de Barra On-Board


Esta é uma característica padrão para o ACL Elite/ Elite Pro. Coloque o Leitor de
Código de Barra On-Board de acordo com acordo com o procedimento descrito na
Seção 4 deste Manual.
Para informação adicional sobre o Leitor de Código de Barra On-Board, reporte-se
ao Apêndice B.

2. 13
Responsabilidade do Fabricante
O fabricante é responsável pelos defeitos que tenham um impacto na segurança,
confiabilidade e performance do equipamento se e somente se:
- As operações de montagem, extensões, reajustes, modificações ou reparos
forem levadas a cabo por pessoal autorizado pelo fabricante; e
- As instalações elétricas estiverem de acordo com as exiências nacionais; e
- O equipamento for usado de acordo com estas instruções de operação.

2.5 ACL – Cabo de Interconexão do Hospedeiro


A seguinte tabela provê informação referente à instalação elétrica do cabo de
interconexão entre o ACL e um PC (Hospedeiro)

Legenda:
9 Pin Female Delta Connector – Conector Fêmea Delta de 9 Polegadas

2. 14
Operações Analíticas

3.0 Introdução
Esta Seção descreve os diferentes procedimentos associados com a análise da
amostra, calibração e Controle de Qualidade (CQ) nos sistemas ACL Elite/Elite
Pro. Desde que estes procedimentos requeiram uma interação entre o operador e
o ACL, esta Seção começa com alguma informação geral sobre a Interface do
Operador do Sistema (IO) para fácil referência, quando necessário aparecer.

3.1 Componentes e Uso da Interface do Operador


As seguintes subseções são pretendidas para familiarizar o operador com os itens
da Interface do Operador (IO) usado durante o processo das operações analíticas
de solicitação e execução, tais como os dispositivos de entrada de dados, itens do
menu, botões e ícones. O software ACL Elite/Elite Pro é também incluído.

3.1.1 Tela de Toque


A interação básica com o ACL é feita por menus que permitam o acesso aos
grupos de funções relacionadas (análise, calibração, QC, setup, diagnósticos, etc.)
e pelo uso das caixas de diálogos ou mensagens para entrar ou buscar
informações.
O dispositivo de entrada da informação principal para o usuário é a tela de toque.
Para iniciar uma ação “entrar” ou “editar”, o operador toca a área a ser editada. Se
a informação a ser entrada for estritamente numérica, a edição é feita diretamente
no teclado ou teclado numérico (configuração operacional do sistema). Se a
informação requerer caracteres alfa-numéricos, a entrada é feita pelo teclado
externo.

A ação de editar pode ser fechada pressionando os botões Confirmar ou

Cancelar .

3. 1
Uma vez completada a informação, o sistema executa uma verificação automática
no valor entrado; se uma entrada errada for detectada, o usuário é notificado por
meio das caixas de diálogos e a ação de editar é reativada. A tela de toque
suporta as funções auto-repetidas a fim de fazer listas mais fáceis para passar na
tela (por exemplo, listas de amostras, listas de testes, ordem crescente/
decrescente).
A tela de Base de Dados Principal é dividida em três áreas principais:
1. Área de Status: parte superior da tela que contém:
Status do Equipamento
Usuário atual
Data e Hora
Revisão do Software
Logo da IL

2. Área de Trabalho: área central da tela que exibe as janelas que


contenham dados ou mensagens.

3. Área da Barra de Ferramentas: parte da base da tela que contém uma


série de botões para acesso imediato para funções particulares e fácil
acesso a comandos específicos. O status dos botões é dependente do
status do equipamento, mas independente do tipo de informação exibida na
área de trabalho.

Nota: Na tela de toque, qualquer objeto exibido (menu, caixa de


checagem, ícone, botão) está obscurecido e não pode ser
selecionado.

3. 2
3.1.2 Teclado Numérico
O teclado numérico permite ao operador editar dados numéricos sem usar o
teclado padrão do PC. O teclado numérico pode ser configurado para ser exibido
automaticamente quando o usuário começa uma ação da edição (reporte-se à
Seção 4.1.17). O teclado permite ao operador visualizar a fila editada enquanto a
edição estiver em progresso. O teclado desaparece automaticamente quando os

botões Confirmar ou Cancelar são selecionados ou a ação de edição é


implicitamente fechada.
O teclado exibe o nome do campo a ser editado como uma janela de captura e a
informação nos valores de alcance aceitos; ele também dá suporte ao formato da
data.
Quando o teclado numérico é aberto, os valores mostrados nos campos são ou o
default (padrão da fábrica) ou os valores previamente entrados. Use os botões de
setas para selecionar o campo a ser editado.

3.1.3 Teclado Padrão do PC


A função principal do teclado do PC é entrar e editar dados nos campos
alfanuméricos. A entrada do teclado é de forma sensível.
Para iniciar a ação de edição, selecione o campo a ser editado. Este é feito ao
mover-se o cursor do objeto atual (pode ser o objeto default se a janela estiver
apenas aberta) para o objeto escolhido, pressionando-se [TAB] ou [SHIFT] +
[TAB].
Para fechar a ação de edição da presente caixa de texto, pressione [Enter] ou
selecione um outro objeto ativo ou mova o cursor pressionando-se as teclas [TAB]
ou [Shift] + [TAB]. Em todos os casos, fechando a ação de edição provoca a
ativação, no sistema, de verificações nos dados entrados e o usuário é notificado
de qualquer condição de erro por meio de uma caixa de diálogo. Se a ação de
edição for fechada (tocando uma área diferente da tela), o valor entrado será
mudado para um pré-existente.

3. 3
A ação de edição da presente caixa de texto pode também ser fechada
pressionando-se a tecla [ESC] sem ativar qualquer mudança, nesse caso o valor
volta ao pré-existente.
O menu principal e secundário pode ser selecionado usando o teclado. Os menus
são abertos pressionando-se [ALT] + Caracter Sublinhado; as seleções dentro
dos menus são feitos usando-se o caracter sublinhado específico. Pressionando-
se a tecla [ENTER] permite acesso aos menus secundários.
As teclas das funções do teclado (F1-F10) podem também ser usadas para ativar
as funções na lista da base dos ícones. Use [Ctrl] + F4 para sair do teclado.

3.1.4 Leitor de Código de Barra Externo (opcional no ACL Elite)


Os portos USB permitem a conexão de um leitor de código de barra externo de
mão. Este dispositivo pode ser usado para identificar reagentes e indicar o lugar
deles on-board do sistema. Por favor reporte-se à seção 4.1.16.

3. 4
3.1.5 Mouse – Porto 2
Um mouse serial pode ser usado como um dispositivo de apontar no lugar de
tocar a tela.
Os portos USB também provêm a capacidade para conectar um mouse USB ao
analisador.

3.1.6 Menus
Um menu pode ser operado selecionando-se a área apropriada da tela (tocando
ou clicando com o mouse) ou usando o teclado: [ALT] + letra sublinhada.
A seleção de menus a ser aberta pode ser feita em todas as direções: para cima e
para baixo ou à direita e à esquerda.
Os itens exibidos, que tem um menu secundário, são identificados com um
marcador ( ).
Selecionando-se um item do menu, tocando-se uma área externa, ou
pressionando-se [ESC] do teclado padrão fecha-se um menu.

Nota: Em qualquer menu, um item inativo está obscurecido.


Selecionando-se um item inativo não torna lícita uma resposta; portanto,
este método não pode ser usado para sair do menu.

3.1.7 Janelas e Caixas


Dentro das telas do ACL, os dados, informações ou mensagens para o usuário
são agrupadas ou contidas em unidades definidas de três tipos diferentes:
 Janela padrão: usualmente uma área maior que contém grupos de
dados relacionados que podem ser editados pelo usuário.
 Caixa de diálogo: uma área pequena usada para levar o usuário a
escolher uma das várias opções (isto é, OK, Abortar, Tentar novamente,
Ignorar, Cancelar, Sim, Não).
 Caixa de mensagem: uma área somente para prover informação.

3. 5
Os Ícones são freqüentemente incluídos em uma caixa de mensagens. A
tabela a seguir lista todos os ícones possíveis com seus significados
correspondentes.

Ícone Significado
ERRO. Chama a atenção para falhas de alta prioridade e
mensagens de falha.
ADVERTÊNCIA: Envia diferentes tipos de mensagens i.e.,
para advertir o usuário de uma operação “não
permitida/errada” ou de problemas / erros detectados pelo
equipamento durante ou depois de uma operação.
PERGUNTA. Pede confirmação ao usuário antes de iniciar
uma operação ou antes de cancelar uma ação.
INFORMAÇÃO. Oferece informação geral. Em algumas caixas,
mas não sempre, a mensagem é seguida por uma solicitação
para confirmação.

3.1.8 Elementos de teclas da tela


A seguir estão as descrições dos itens mais siginificativos encontrados nas teclas
do ACL.
 Status do Equipamento
Localizado na parte superior da tela na área de Status, este item identifica o
estado atual do equipamento como um dos seguintes:

INT (Boot/Inicializar): indica que o equipamento está executando as operações


de início (inicializar).

READY (Pronto): indica que ali não houve erros detectados, não há operações
analíticas em progresso e o equipamento está pronto para ser iniciado.

3. 6
OPERATING (Operando): indica se uma função analítica está em progresso (isto
é, calibração ou análise da amostra) ou uma função diagnóstica está sendo
executada.

HOLD (Portar): identifica uma condição de “pausa” do sistema durante uma


sessão analítica (isto é, solução fotostática, nenhum rotor, etc).

FAILURE (Falha): indica se o sistema detectou um mau funcionamento mecânico


interno (dispositivos de controle de temperatura, etc.).

STAND-BY (Espera): o status no qual o equipamento se move automaticamente


depois de 30 minutos de inatividade. O display LCD é ligado (proteção de tela);
este extende a vida do LCD. Um LED laranja indica se o equipamento está ligado.
Tocando a tela ou qualquer tecla no teclado levará o equipamento a sair do
standby.

Nota: quando o equipamento estiver na operação standby, a cada 30


minutos um ciclo de preparação automático é executado. O consumo
de Emulsão de Referência de Lavagem é aproximadamente 0.9mL (3
acessos por pistão de diluídor único — total de 6 acessos; cada
acesso único de 0.15mL).

3. 7
SERVICE (Serviços): o status assumido quando as funções Serviços estão em
uso.

 Verificar Caixas, Botões e Ícones.


Os botões permitem ao usuário selecionar opções, provocar ações e ir de uma
parte do software a outro. Os botões estão posicionados em diferentes áreas
dependendo da tela. Os botões são identificados com o texto que é auto-
explicativo da ação. Os Ícones que ilustram uma ação, são definidos a seguir.
Verifique as caixas permitidas ao usuário para “marcar” um item.
Se uma caixa de verificação ou botão estiver em exclusão mútua com uma outra
caixa de verificação ou botão, há uma estrutura envolvendo os dois junto com a
informação “gráfica”.

 Ícones
Os ícones podem ser encontrados no meio da Área de Trabalho da tela ou
alinhando-se na Área de Barra de Ferramenta na base da tela.
A seguir, há duas listas agrupando os ícones padrão usados por todo ACL Elite/
Elite Pro junto com seus comandos associados. O primeiro deles inclui os Ícones
de Janela encontrados na Área de Trabalho da tela e o segundo inclui os Ícones
de Barra de Ferramenta encontrados na Área de Trabalho da tela.

Notas:
1. O mesmo ícone pode ter sútis diferenças de significado dependendo da tela
onde se encontrar.
2. Um ou mais desses pode ser incapacitado em uma tela específica, indicada
por uma representação obscurecida. Sua seleção é ignorada.
3. Botão “ativo” da barra de ferramenta para cada tela especifica e sua acões
são descritas no final de cada seção apropriada desse manual.

3. 8
Tabela – Ícones da Barra de Ferramentas
Ícone da Janela Comando/Ação
Confirmar (obscurecido se a ação de Editar não
for permitida).
Cancelar

Imprimir

Transmitir (Hospedeiro)

Apagar

Adicionar um item à lista

Remover um item da lista

Transferir um item de uma lista para outra

Detalhes

Informação em línguas deferentes

Novas Amostras

Extrair Dados da Amostra

Nota

Nome do Paciente

Detalhes do Paciente

Salvar informação no disquete

3. 9
Tabela — Ícone da Barra de Ferramenta
Ícones da Barra Comandos/ Ações Status do Equipamento
de Ferramenta (Ícone ativo)
Fotostático/ Pausa
Operando
Dá pausa no sistema para o
Portar
fotostático ou entrada de amostra
Status do Equipamento
Operando
Status da operação em progresso.
Pronto
Exibe mapa de material em
Portar
Pronto
Fechar / Abrir cobertura
Pronto
Portar
Parar Pronto
Configuração é requerida Operação
Portar
Mapa do Reagente
Mudanças de cor dependendo do
Operação
status do mapa do reagente.

CQ
Pressione para ver os dados de Pronto
CQ mais recentes. “!” Vermelho Portar
indica uma falha de CQ. Operação
Falha

Visualização da Base de Dados


Pronto
Volta à tela Visualizar Visão de
Operação
Base de Dados ou Principa”.
Portar

Status do Hospedeiro Pronto


Comunicação do hospedeiro em Portar
progresso. Operação
Falha
Advertência
Este ícone indica que há
Pronto
Advertências. Pressione para abrir
Falha
Listas de Advertências.

Sair
Permite ao operador sair da tela. Pronto
A confirmação é requerida. Falha

Iniciar ou Correr Resumo.


Pronto
Portar

3. 10
3.1.9 Uma Janela Especial para Alarmes e Erros
Se uma situação anormal se desenvolve e causa uma interrupção durante o
progresso de uma operação, o operador é informado por uma mensagem de
alarme em uma caixa de mensagem especifica. Essa caixa de mensagem é
exibida na face de todas as outras janelas presentes na área de Trabalho. Depois
do operador confirmar a mensagem, a informação sobre o alarme pode ser vista
nessa janela de advertência.
Condições de erro que não afetem a sessão analítica em progresso podem ser
revistas acessando a Sessão Histórico de Erro. O operador é capaz de ver uma
lista de todas as mensagens de advertência e erro. A Sessão Histórico de Erro é
salva na conclusão de cada sessão analítica assim os erros podem ser checados
entre as sessões analíticas.
A janela Arquivo do Hitórico de Erro contém uma lista, separada por hora, dos
últimos 100 alarmes ou condições de erro. As janelas Sessão Histórico de Erro e
Arquivo do Histórico de Arquivo de Erro são atualizadas dinamicamente
quando abertas e devem ser fechadas antes de iniciar uma nova operação.

3.1.10 Protetor de Tela


Um branco de tela é ativado depois de 30 minutos da inatividade do sistema,
provido pelo sistema ACL, está no status Pronto. O operador não pode modificar
esta hora. Qualquer ação executada na tela de toque, por teclado ou leitor de
códigos de barra reativará o sistema.

3.1.11 Árvore do Software do ACL Elite/ Elite Pro


A seguir, é apresentada a estrutura da Interface do operador ACL Elite/ Elite Pro –
ou Árvore do Software do sistema – incluindo o menu principal, submenus de
primeiro e segundo níveis.

3. 11
Árvore do Software do ACL Elite/ Elite Pro
Menu Submenu do Primeiro Nível Submenu do Segundo Nível

Análise Sessão Multi-Teste


Sessâo Teste Único
Loadlist (lista de carragamento)
Sessão Histórico

CQ Revisão do CQ

Calibração Calibrador
Revisar Calibrações
Referência Analítica

Diagnóstico Preparação
Limpeza
Manutenção
Controle de Temperatura
Posição das Agulhas
Sessão Histórico do Erro
Arquivo Histórico do Erro
Livro de Registro
Serviço (obscurecido)

Preparação Testes Ver/Definir


Classificar Testes
Grupo de Testes
Tabela de Interferência
Testes Default
Testes de Reflexão

Multi-Testes Perfis
Grupos de Testes
Perfis de Grupos de Testes
Classificar Multi-Testes
Multi-Teste Default

Líquidos
Interfaces Hospedeiro
Impressora
Código de Barra Interno
Código de Barra Externo
Teclado
Rede de Trabalho (obscurecido)
Modem (obscurecido)

3. 12
Configuração do Sistema
Segurança
Alarmes Audíveis
Data/Hora
Unidades

Utilidade Atualizar Biblioteca da IL


Backup/Restaurar
Arquivo

Software Identificação SW
Atualização SW (#)

Salvar Mapa do Último Rotor


Salvar Rastro

Teste/Material Fazer Backup


Carregar

Depurar (obscurecido)
Teste (obscurecido)

3.2 Análise da Amostra


A Seção 3.2.1 e as seguintes contêm descrições detalhadas das telas, opções e
passos envolvidos no processo de ánalise de amostras no ACL Elite/Elite Pro.
O ACL provê 2 modos para correr amostras: Teste Único e Multi-Testes. Dentro
de cada uma dessas uma ”sessão” é considerada para ser o total de todas as
“corridas” de testes individuais. Por exemplo, quando se está usando o perfil PT-
APTT e há 20 amostras para processar. Cada amostra contém ambos os testes. A
“Sessão” será, portanto, composta por 4 “corridas” de Teste; 2 corridas para PT e
2 corridas para APTT desde que o número máximo de amostras por corrida seja
19 para os testes PT e APTT.

3. 13
O ACL permite uma variedade de escolhas para entrar a informação do ID da
amostra no sistema antes da análise, dependendo dos procedimentos do
laboratório e o setup do sistema. Para aqueles usuários que já estejam
familiarizados com a Interface do Operador do ACL, a Seção 3.2.1 inclui
protocolos sumarizados de análise da amostra a serem seguidos, dependendo do
modo de entrada do ID da amostra.

3.2.1 Procedimentos de Análise da Amostra – Sumarizado


Entrada Manual do ID da Amostra – Loadlist criada antes da Análise
1. Selecione Analise.
2. Selecione loadlist.
3. Selecione a Loadlist (vazia) desejada, verifique o ícone Detalhes.
4. Clique no botão Entrar/ editar ID da Amostra.
5. Digite o ID da Amostra, usa o ? para mover-se para a próxima posição ou
Confirmar quando todas as amostras já foram entradas.
6. Se Testes Default são desejados para a lista, não programar testes para
amostras individuais. Clique no botão Ajustar Teste Default.
7. Clique no botão Programar Teste.
8. Programe Testes/ Multi-Testes na amostra clicando a seleção do teste
desejado na matriz de testes. A seleção exibira nas listas de Testes
Programadas. As correções podem ser feitas clicando-se na seleção de
teste novamente para desselecionar se os testes/perfis desejados forem os
mesmos que os da amostra anterior. Clique no botão Prv. Prog. Pressione
? para ir para a próxima posição da loadlist ou Confirmar quando
completo.
9. Clique no botão Confirmar: Data e Hora estão associadas ao Número da
Loadlist e o sistema transfere para a tela da Loadlist.
10. Clique no botão Confirmar: o sistema transfere-se para a tela Principal. As
amostras inseridas são exibidas na base de dados.
11. Selecione Analisar, então escolha: Multi-Testes ou Teste Único.
12. Clique na caixa No. da Loadlist e entre o número da Loadlist.

3. 14
13. Se os testes não foraem anteriormente ordenados na amostra (passo 6) ou
testes default
14. Verifique se a seleção de teste atual é a única das escolhas para confirmar
o mapa dos materiais e clique no ícone Corrida.
15. Durante a análise, a tela Relatório da Sesão é mostrada. A sequência de
Testes é indicada. Dessa tela, o Mapa do Material e Histórico de Erros
estão disponíveis.

Entrada Manual do ID da Amostra – Loadlist criada durante Análise


1. Selecione Análise.
2. Selecione a Sessão Multi-testes ou Teste Único.
3. Com o cursor na primeira posição da bandeja da Loadlist, clique no botão
Programar Amostra. O CQ pode ser adicionado clicando no botão
Adicionar CQ.
4. Na tela Entrar Amostra entre o ID da Amostra e selecione os Testes a
serem corridos.
5. Clique no ícone Nova Amostra para entrar a próxima posição e entre o
próximo ID da Amostra.
6. Se os teste a serem corridos forem os mesmos de antes, clique no botão
PrevProg, se eles forem diferentes, selecione um Teste novo.
7. Repita os passos 6 e 7 até todas as amostras e testes serem entradas.
8. Clique no botão Confirmar para aceitar as mudanças, o sistema transfere-
se para a tela Pré-Análise de Teste Único (se um único teste for
selecionado) ou para a tela Pré-Análise de Multi-Testes (se Multi-testes for
selecionado).
9. As posições da bandeja serão exibidas em azul escuro com a letra P (para
Pendente).
10. Pressione o botão Armazenar Loadlist e entre o número da Loadlist.
11. Uma vez que as amostras estiverem na bandeja da amostra, confirme os
materiais, clique em Corrida.

3. 15
Entrada Manual do ID da Amostra – Loadlist criada do menu Base de Dados.
1. Clique no ícone Nova Amostra.
2. Entre o ID da Amostra.
3. Selecione o Teste a ser programado.
4. Repita os passos 1, 2 e 3 até todas as amostras entrarem.
5. Depois de programar a última amostra, clique no botão Confirmar. O
sistema transfere-se de volta para a tela Principal. As amostras inseridas
são exibidas e marcadas com um P (para Pendente), na área Teste
Requerido, os teste solicitados são marcados com um ?.
6. Selecione Análise.
7. Selecione Loadlist.
8. Clique no botão Fazer Loadlist.
9. Entre o Número da Loadlist para Iniciar com (1-20), default é 1 e o
Número de Amostras para Loadlist (1-40), default é 40.
10. Clique no botão Pendente (seleção “Todos” ou “Teste”). Pode, então,
selecionar um certo alcance de “Data e Hora” junto com um alcance do “ID
da Amostra”.
11. Um método alternativo é clicar em Marcar Amostras e selecionar os IDs da
Amostra da base de dados da amostra.
12. Clique no botão Confirmar. O sistema retorna à situação anterior da tela da
Loadlist, mostrando a Data e a Hora quando a loadlist for salva.
13. Clique no botão Confirmar. O sistema retorna à situação anterior da tela
para a tela Principal.
14. Selecione Análise.
15. Selecione a Sessão Multi-Testes ou Testes Únicos.
16. Clique na caixa do No. da Loadlist e entre um número de Loadlist válido.
17. Uma vez que as amostras estejam na bandeja da amostra, confirmar
materiais, pressione Corrida.

3. 16
Entrada Manual do ID da Amostra – Loadlist criada do menu Base de Dados.
1. Selecione Análise.
2. Selecione a Sessão Multi-Testes ou Testes Únicos.
3. Coloque as amostras na bandeja de amostra.
4. Selecione Ler Códigos de Barra e o equipamento criará a loadlist usando
o leitor de código de barra.
5. Clique em Programar Amostra e selecione o Teste a ser corrido.
6. clique no botão para mover-se para a próxima posição do ID da Amostra.
7. se os testes a serem corridos estiverem da mesma forma quanto antes,
clique o botão Prev.Prog; se estiverem diferentes, selecione um novo
Teste. Repita o passo 6 ou quando completar, clique no botão Confirmar.
8. Confirme Mapa dos Materiais e pressione o ícone Corrida.
9. Durante a análise a tela Relatório da Sessão é mostrada. A seqüência de
Teste é indicada. Dessa tela, Mapa dos Materiais e Histórico de Erros
estão disponíveis.

Entrada do ID da Amostra por Códigos de Barra – a conexão com um


computador hospedeiro (Modo de Consulta do Hospedeiro)
1. Selecione Análise; selecione a Sessão Multi-Testes ou Testes Únicos.
2. Confirme o mapa do reagente e clique no ícone Corrida (o equipamento
executará a Consulta so Hospedeiro e proceda à análise).
3. Durante a Análise, a tela Relatório da Sessão é mostrado. A seqüência de
Teste é indicada. Dessa tela, o Mapa do Material e o Histórico de Erro
estão disponíveis.

Entrada do ID da Amostra por Códigos de Barra – a conexão com um


computador hospedeiro (Modo de Consulta do Hospedeiro) – Multi-Testes
Default
1. Coloque as amostras codificadas na bandeja da amostra. Da tela base de
dados principal, clique no ícone Corrida (equipamento executará a
Consulta do Hospedeiro e proceda à análise).

3. 17
Nota: é importante assegurar que as posições on-board do Reagente no
analisador estejam organizadas com os reagentes corretos colocados para essa
opção. Falha para fazer assim pode resultar em corridas de testes com um
reagente inapropriado. Reporte-se a Setup do Perfil para ver o mapa do material
para o perfil default.

O ACL Elite/ Elite Pro pode processar até 40 amostras em uma sessão única
(incluindo Testes de Reflexão) programada com um número de testes enquanto
otimizando as posições do cuvete dentro dos rotores. Como as posições na
bandeja da amostra estiverem completas, novas amostras podem ser substituídas
dentro dessas posições. Isso é realizaso usando-se o ícone Fotostático/ Pausa.
Os reagentes e amostras (dos cálices ou recipientes originais) são
automaticamente aspiradas e dispensadas pelo braço da agulha. Os rotores estão
carregados e descartados automaticamente, provendo um sistema completo de
caminhada para o ACL Elite Pro. O ACL Elite indicará o usuário quando um novo
rotor para análise é requerido.

3.2.2 Modos de Análise da Amostra


O processo análise da amostra é iniciado da tela Principal selecionando-se
Análise na barra do menu. As duas opções dadas na tela Análise para as
amostras processadas são Multi-Testes e Teste Único. Além disso, o ícone
Corrida na base de dados principal iniciará uma corrida usando o Setup do Multi-
Testes Default.
 Multi-Testes: essa opção permite processar testes múltiplos em um acesso
de feitio aleatório nas amostras na bandeja. Os agrupamentos de testes
são definidos e configurados pelo usuário no menu Setup. Os
agrupamentos de multi-testes podem ser compostos por um ou mais testes
únicos (perfil) ou um ou mais grupos de testes (perfil de grupos de testes).

3. 18
 Teste Único: essa opção configurará o sistema para somente processar o
teste único selecionado para análise. Se as amostras na bandeja tiverem
testes múltiplos programados nele, somente o teste selecionado será
analisado e os testes não-processados permanecerão pendentes em uma
amostra.

Tela Análise de Teste Único

Tela Análise de Multi-Testes

3. 19
Notas:
 O menu navegável Multi-Teste Atual listará os perfis
disponíveis, os grupos de testes e os perfis dos grupos de
testes na ordem selecionada pela função Classificar Multi-
Testes.

Essas duas telas de análises contém janelas múltiplas e botões associados:


1. Área do topo esquerda: a janela Corrente Multi-Testes ou Testes Únicos
exibe a seleção a ser corrida na sessão analítica atual. A seleção pode ser
mudada pressinando-se o botão à direita da janela e navegando pela
lista exibida; a decisão deve ser confirmada pressionando-se o mesmo
botão novamente. O objetivo principal dessa tela é ativar o mapa de
Materiais, desde que a programação do mapa é dependente da seleção
atual exibido.
O ( ) exibido antes para os nomes do grupo de testes tem o seguinte
significado.

Grupo de Testes Únicos


Sessão de Multi-Testes cpmpostos por testes únicos

Sessão de Multi-Testes cpmpostos por Grupos de Testes

O botão Testes Desselecionados (disponível quando natel Análise de Multi-Testes


somente) pode ser clicado para abrir a janela Detalhes de Multi-Testes. Essa tela
permite ao operador desselecionar uma corrida (ou mais) dos testes, em todas as
amostras, incluído no Multi-Testes.
Clicando-se no botão Lista de Material na base da tela abre-se a lista de
materiais requerida pela análise.
Clicando-se no botão Mapa de Materiais, abre-se a janela Pré-Análise: Status do
Material como mostrado a seguir (para detalhes, reporte-se à Seção 3.2.3).

3. 20
2. Área média: as duas janelas no meio da tela Pré-Análise Selecionada
(reporte-se às páginas 3.14 e 3.15) contém a informação de programação
da amostra. O circulo redondo à esquerda, dividida em 4 quadrantes é
usado para selecionar uma região na bandeja da amostra. O quadrante
selecionado atual é exibido em amarelo e iluminado. A janela à direita exibe
o status de 10 amostras dentro do quadrante selecionado. A cor do círculo
provê informação sobre o status da amostra. Além da cor, o círculo pode
conter uma letra ou símbolo que provê mais detalhes sobre o tipo de
amostra. A tabela seguinte contém detalhes sobre as cores e as letras do
tipo de amostra.

3. 21
Cor Status Letra/Símbolo Status
Vazio Stat
Disponível
cinza
Nenhum teste Programado
programado on-board
azul claro
Programado, mas não Completo
será nessa sessão
azul escuro
Amostra tem teste Não
que bate com a atual programado
cor de corrida
alfazema
Completado com Controle de
antecedência ou Qualidade
verde sessão atual
Pendente, mas será Cálice vazio na
processdo na sessão posição
laranja
Advertência ou Erro (Ampulheta)
ID da amostra processamento
amarelo da amostra
Amostra não
identificada

3. 22
Os círculos serão coloridos e, também, conterão um símbolo. Exemplos incluem:

1-2: Stats programados


3-4: Rotina programada
5: Amostra completada
6: Testes não programados
7: Amostra não identificada
8: Amostra de CQ
9: Posição vazia
10: Cálice 0.5 em posição

Clicando-se em um círculo da posição exibirá a informação sobre aquela amostra.

#: posição da bandeja de amostra.


+: prioridade da amostra – Stat indicado por !.
S: Status do Teste (P, C ou N):
 P – Pendente: um ou mais testes tiveram o resultado perdido.
 C – Completo: todos os testes programados na amostra foram analisados
 N – Sem teste: ID da amostra não tem testes solicitados.
F: bandeiras associadas com aquela amostra.

Amostras que forem detectadas como curtas serão sinalizadas em amarelo com L.
Nenhum teste mais será executado nessa posição de amostra durante essa
sessão. Se a amostra for cheia, a amostra deve ser movida para uma posição
diferente na bandeja se o processamento for desejado na sessão atual.
Uma janela pequena, no topo esquerdo, Mapa da Bandeja de Amostra permitirá
ao botão de Ler o Código de Barra ser exibido.

3. 23
A janela No. da Loadlist permitirá ao operadorcriar uma nova loadlist ou selecione
uma armazenada. Para criar um novo número de Loadlist (1-20) não definido
atualmente para amostras, reporte-se à Seção 3.2.4 para detalhes da loadlist. Se
se modificar uma loadlist, pressione o botão Armazenar Loadlist para salvar as
mudanças.

O operador escolhe como programar as amostras de acordo com o modo de


entrada de ID da amostra desejada.
- Entrada Manual no menu Análise.
- Entrada Manual no menu Loadlist.
- Entrada Manual no menu Base de Dados.
- Uso das amostras codificadas em barra, sem conexão com o
Computador Hospedeiro.
- Uso das amostras codificadas em barra, conectadas, modo Consulta
do Hospedeiro.
 Clicando-se no botão Ler Códigos de Barra ativa a rotação da
bandeja de amostra. Durante a rotação, o leitor de código de barr e o
cálice da amostra/ leitor da posição do tubo para identificar um
cálice/ tubo colocado na bandeja junto com a identificação da
amostrapara ler os códigos de barra. Se as amostras codificadas em
barra estiverem presentes e os códigos de barra forem legíveis, seus
IDs da Amostra correspondente são exibidos na janela grande. Se
um cálice ou tubo for identificado para estar em lugar e o sistema é
incapaz de ler o rótulo de código de barra, uma advertência de Erro
na Identificação da Amostra é apresentada ao operador. Se isso
ocorrer, verifique a posição do tubo para assegurar que o rótulo de
código de barra fora apropriadamente orientado, entãoclique no
botão Ler Código de Barra novamente. As bandeiras de Ler Código
de Barra: (No_R) – ID da Amostra perdido, (Dpl) – ID da Amostra
duplicado, (No_C) – ID da Amostra truncado, (Inv) –

3. 24
ID da Amostra inválido. Um ID do rótulo que não pôde ser lido pelo leitor
deve ser entrado manualmente, selecionando-se a posição da Loadlist e
pressionando-se o botão Editar ID da Amostra. Reporte-se à Seção 6.5
para informação sobre como resolver o problema do código de barra.
 O botão Loadlist exibirá o status de 20 Loadlists.
 O botão Armazenar Loadlist salvará as mudanças na lista atual.
 Clicando-se no botão Adicionar CQ na base da tela se abrirá a tela
CQ. Role a lista na tela do computador e selecione o líquido de CQ
desejado para ser proessado na posição atual. Pressione Confirmar
(v) para aceitar.

 Clicando-se no botão Editar ID da Amostra exibe uma janela que


permitirá ao operador para digitar a identificação de amostra. Até 16
dígitos alfa-numéricos podem ser entrados pelo teclado padrão ou
até 16 dígitos numéricos usando-se o teclado da tela. Use o ? para
entrar IDs adicionais em posições subseqüêntes na bandeja da
amostra.
 Uma vez que os números de ID forem digitados, clicando-se o botão
Confirmar se aceita todos os IDs e volta-se à tela Pré-Análise
Selecionada. Para voltar à tela Pré-Análise Selecionada sem aceitar
as mudanças, clique no botão Cancelar. O sistema não permitirá o
mesmo ID da Amostra ser carregado duas vezes; se isso for
tentado, uma advertência aparecerá: ID da Amostra Duplicado.

3. 25
 Clicando-se no botão Limpar o ID apaga o ID da Amostra
selecionada, deixando o espaço branco para entrar um outro ID da
Amostra. Nenhuma confirmação é requerida.
 Clicando-se o botão Programar Amostra, abre-se a janela que
permitirá programar uma nova amostra.

1. Programar Amostra para NOVA AMOSTRA

Dentro dessa tela, o operador digita o ID da Amostra (campo requerido) e entre a


informação do Demográfico de Paciente (opcional) no topo no meio da tela. Se a
amostra é uma amostra Stat, o ícone Stat deverá ser verificado. O Teste ou Multi-
Testes (mostrado quando no modo de análise de Multi-Testes) para correr na
amostra é ordenado clicando-se na seleção desejada. Se um erro ocorrer, o ícone
Tesoura poderá ser usado para deletar o Teste ou Multi-Teste dessa amostra ou
poderá não verificar uma caixa de seleção. Use o ícone Nova Amostra (tubos na
pasta) para salvar essa exigência e apresentar uma nova ordem (em branco) do
perfil de entrada para a próxima amostra. Se a amostra atual tiver o mesmo teste
ou perfil como a anterior, pode-se usar o botão Prev.Prog. Essa seqüência é
repetida para todas as novas amostras.

3. 26
Depois de programar a última amostra, clique no botão Confirmar (v). O sistema
voltará à tela Pré-Análise de Teste Único/ Multi-Testes ou Grupo de Testes.
A amostra entrada será exibida e marcada com um P (Pendente).

2. Detalhes para AMOSTRA com Testes Anteriores

Demográficos do Paciente: a porção superior dessa janela exibe a informação


demográfica do paciente. Os campos exibidos que serão editados incluem: ID do
Paciente, Nome do Paciente, Nome ou Número do Departamento (Dept.), Data de
Nascimento e Sexo. Nota: O campo do ID da amostra não pode ser mudado
uma vez que for confirmada (v).

Os campos Loadlist e Posição exibem a Loadlist e as posições atuais dentro da


lista para amostra exibida.

Detalhes de Paciente: clicando-se nesse ícone permitirá acess aos campos


adicionais, tais como as Notas do Operador, o nome do Médico e a Data de
Entrada (ver tela a seguir).

3. 27
Se a amostra for uma amostra Stat, o ícone Stat deverá ser verificado.
Status: o “status” associado a cada amostra é exibido na Tela de Dados da
Amostra:
o Trans.T = Transmitido e L = Local (não transmitido)
o Status da Amostra: (sem teste ordenado [N]; pendente por, pelo
menos, um teste [P]; completado [C]).

Os testes programados na amostra serão exibidos na porção central da tela. Os


Testes Pendentes serão indicados com um (?). os resultados para testes
completados serão exibidos. Pressione o ícone Detalhes para ver a informação
detalhada sobre o teste (i.e. curva de coagulação). Para apagar um teste que
estiver pendente ou completado em uma amostra, mova o cursor para o teste e
pressione o ícone Lixo (apagar).
Testes adicionais ou repetidos que podem ser corridos na amostra são ordenados
clicando-se no botão Programar Teste. Use o ícone Nova Amostra (tubos na
pastas) para salvar essa solicitação e apresentar uma nova tela de ordem de
entrada (em branco) para a próxima amostra. Essa tela devera´ser uma das
exibidas na opção 1 anteriormente exibida.

3. 28
Para mover-se para o próximo ID da Amostra na lista use o (? ?) para mover para
baixo ou para cima na lista. As amostras podem ser impressas pressioando-se o
ícone Imprimir.
Depois de programar-se a úlima amostra, clique no botão Confirmar (v). O
sistema voltará à tela Pré-Análise de Teste Único/ Multi-Testes ou Grupo de
Testes.
A amostra entrada será exibida e marcada com um P (Pendente).

3.2.3 Mapa dos Materiais


Pressionando-se o botão Mapa de Materiais exibirá os Líquidos necessários para
fazer o teste para essa sessão.

O Mapa dos Materiais exibe em um formato gráfico as posições do líquido no


analisador. O Mapa mostrado aplica-se ao ACL Elite Pro. O ACL Elite não tem as
posições (R9-R12), que são mostrados.

3. 29
Essa tela exibe o status dos reagentes atualmente on-board no sistema, junto com
outras informações As cores da posição dos círculos podem ser:
Verde: volume do líquido na posição é maior que o limite de advertência.
Laranja: volume do líquido na posição é menor que o limite de advertência ou a
estabilidade on-board ou do número do lote expirou.
Vermelho: o analisador detectou um reagente escasso nessa posição.

Nota: quando iniciar uma corrida, o mapa dos materiais não é


verificado para o status do volume. O analisador procederá com o
teste indiferentemente da cor da posição do reagente. As cores
são somente alerta ao usuário.

O operador é capaz de verificar a situação das dez posições da Bandeja de


Amostra e as posições da Bandeja do Reagente. Clicando-se em uma das
posições coloridas dos líquidos exibirá detalhes sobre aquele líquido. Essa
informação inclui:
o ID do Líquido: o nome do líquido assinalado para esta posição.
o Número do Lote: o número do lote atual entrado para o líquido nessa
posição.
o Nível do Líquido: o volume remanescente do líquido nessa posição. Esse
nível é retido da última sessão parao qual foi usado. O sistema rastreia o
nível contando o volume durante o teste. O operador deve entrar o volume
inicial “começado”. Isso é geralmente feito quando uma nova garrafa é
usada on-board ou pelo leitor de código de barra opcional.
o Data de Validade: a data de validade do número do lote para este líquido.
Se esse líquido for usado além da data de validade, o operador será
alertado com uma advertência na lista da Sessão Histórico do Erro. A data
de validade é pré-definida na tela Líquidos.

3. 30
o Estabilidade on-board: o tempo remanescente deixado para esse líquido
on-board no analisador. O sistema rastreia o tempo em que a garrafa está
on-board no analisador. O operador deve iniciar o relógio usando o botão
Iniciar Cronômetro quando uma nova garrafa é colocada no analisador. O
botão Iniciar Todos os Cronômetros iniciará o relógio para todos os
líquidos exibidos no mapa de materiais atual. Se uma garrafa é removida do
analisador, o cronômetro de contagem regressiva será parado
pressionando-se o botão Pausa do Cronômetro. Quando uma garrafa
volta para o analisador, o relógio pode ser retomado pressionando-se o
botão Pausa do Cronômetro. Se esse líquido é usado além do tempo de
estabilidade on-board, o operador alertará com a advertência Estabilidade
do material on-board expirou na posição XX na lista da Sessão Histórico
de Erro. O tempo da estabilidade on-board é pé-definido na tela Líquidos.
A estabilidade expirada será exibida em laranja no Mapa de Materiais.

Nota: O uso de rastreamento do Nível do Líquido, Data de


Validade e Estabilidade on-board é opcional. O operador pode
rastrear esses itens off-line e não ter de usar as características on-
board.

Três operações podem ser levadas a cabo nos ajustes do Nível de Líquido:
 Ajustar volume permitirá a atualização do volume da posição
específica do reagente para um valor personalizado (usando o
teclado ou o teclado numérico na tela).
 Reajustar único atualizará o volume da posição do reagente
selecionada para o valor default (pré-definido na tela Líquidos).
 Reajustar Tudo atualizará todos os volumes de todas as posições
do reagente exibidos no mapa atual para os valores default (pré-
definidos na tela Líquidos).

3. 31
Quando a tela é ativada, o sistema também verifica e exibe a informação sobre o
status da estação do rotor, o status do resíduo, o número de cuvetes disponível no
rotor e o volume atual da Emulsão Lavagem-Referência. Para iniciar a sessão
com um rotor não usado, o operador deve verificar a caixa Iniciar com um Novo
Rotor.
Presione Confirmar (v) para aceitar as mudanças e volta à tela Pré-Analítica.
Pressioando-se Cancelar (X) descartará quaisquer mudanças feitas. Pressione o
ícone Corrida e a corrida começará.
Detalhes do Líquido: este botão exibirá a tela do Setup do líquido para a posição
do líquido atual selecionado. Reporte-se à Seção 4.1.13 para mais detalhes.
O Leitor de Código de Barra Externo pode ser usado para identificar a
colocação do reagente e a validade do número do lote e data de validade. Quando
o mapa do material é exibido, leia o rótulo do frasco usando o leitor. A informação
do número do lote e a validade são verificadas e as posições para colocar-se o
reagente on-board no analisador ficará piscando. Coloque o frasco na localização
designada. Se o número do lote ou data de validade forem inváidas, o sistema
exibirá uma caixa de advertência na tela. Pode-se configurar a estabilidade
externa para o frasco quando um rótulo é lido.
Se Parar Cronômetro é verificado para um frasco do reagente, quando este
frasco é lido com o leitor de código de barra externo, o Parar Cronômetro ficará
sem verificação. Se o frasco for, então, lido uma segunda vez nesse ponto, o
volume e o cronômetro serão reajustados se essas opções estiverem habilitadas
sob o Setup do código de barra externo.
Reporte-se à Seção 4.1.16 para informação sobre habilitação do leitor do código
de barra.

3. 32
3.2.4 Análise: Loadlist
A tela Loadlist a seguir pode ser acessada selecionando-se Análise da tela
Principal da barra do menu e, então, a opção Loadlist do menu Análise.

Essa tela dá ao operador acesso à informação nas loadlists armazenadas, sendo


em branco ou definida. Cada uma das loadlists armazenadas (20 no máximo) é
identificada com um número, status e data/hora.
Várias opções estão disponíveis:
 Limpar Único limpa a Loadlist única iluminada. Limpando uma Loadlist não
tem nenhum impacto nas amostras na base de dados. As amostras que
estiverem na loadlist podem ser ainda vistas e impressas depois de uma
Loadlist ser limpa.
 Limpar Tudo limpa todas as definições de Loadlists.
 Fazer Loadlist abre a tela de criação de loadlist.
 Clicando no botão Limpar Único na tela Loadlist, exibe uma janela de
confirmação: Você realmente quer limpar a loadlist selecionada? Ok limpa a
loadlist única selecionada; Cancelar cancelará a operação.

3. 33
 Clicando no botão Limpar Tudo na base direita da tela, exibe uma janela
de confirmação: Você realmente quer limpar todas as loadlists? Ok limpa as
loadlists selecionadas; Cancelar cancelará a operação.
 Clicando no botão Fazer Loadlist abre-se a tela Fazer Loadlist (ver
detalhes a seguir).

Loadlist pode ser criada de 4 formas:


1. Intervalo de Tempo (Data/Hora da amostra foi entrada dentro da base de
dados).
2. Alcance do ID da Amostra.
3. Fazendo ou selecionando de amostras individuais.
4. criação da Lista Automático usando-se um ID pré-definido de Amostra
Anteposto ou Posposto.

3. 34
Uma vez que um dos quatro critérios de lista é escolhido, selecione, então, quais
testes serão incluidos na loadlist. Clicando-se no botão Pendente (todos)
pesquisará a base de dados para todos os testes pendentes para o grupo de
amostras escolhido. Clicando-se no botão Pendente (seleção de teste) permitirá
rolar na tela a lista de testes exibida e selecionar os testes desejados
pressionando-se Selecionar. Se um erro ocorrer, pode-se remover um teste
clicando-se no botão Desselecionar. A anotação na coluna Selecionar será,
então, removida.

Processo de Criação da Loadlist


O primeiro item para definir no topo da tela é o Número de Loadlist para Iniciar
com. Deve-se entrar com um valor entre 1-20 nesse campo. À direita desse
campo está a localização entrada para o Número de Amostras por Loadlist.
Entre em un valor entre 1-40.
Então, selecione um dos 4 modos listado a seguir para usar para a criação da
loadlist.
1. Intervalo de Tempo: Clicando-se Todo Intervalo de Tempo criará a loadlist
sem respeitar o tempo no qual as amostras foram entradas na base de
dados. Se clicar em De/Para, deve-se entrar em um Iniciar Data/Hora e
Finalizar Data/Hora.
2. Alcance do ID sa Amostra – Clicando-se Todas as Amostras selecionará
todas as amostras sem respeitar o ID da Amostra anexada a ele. Se clicar
em De/Para, deve-se entrar em um Iniciando ID da Amostra e Finalizando
ID da Amostra para incluir na loadlist. Somente amostras dentro do alcance
serão colocadas na loadlist.

3. 35
3. Se clicar no botão Marcar Amostras, a seguinte tela aparecerá.

Esta tela exibirá todas as amostras junto com seu status atuais na base de
dados. Pode-se rolar a lista e pressionar Selecionar para marcar a amostra
individual atual. Se houver um erro, pressione Desselecionar Único para
remover a anotação na coluna marcada. Pressionando-se Desselecionar
Tudo removerá a anotação na colunamarcada para todas as maostras.
Quando estiver terminando, pressione Confirmar (v) ou Cancelar (X) para
voltar à tela anterior.
4. Clique no botão Autolista para exibir a tela de criação da loadlist
automática. Esta tela permitirá criar-se uma ou mais loadlists. Podem-se
criar os IDs da Amostra para a loadlist usando-se um prefixo ou sufixo.

3. 36
Nessa tela, deve-se entrar no número de loadlist que se quer preparar. Pode-se
criar até 20 loadlists; cada loadlist conterão até 40 amostras. No campo Fileira
Fixada, entre em uma fileira de caracteres para anexar para cada ID da Amostra.
Se quiser usar a fileira fixada como um prefixo, clique no botão Usar como um
prefixo. Se você não clicar nesse campo, então a fileira fixada será juntada como
um sufixo ao ID.
O campo Fileira Variável determinará o número máximo de IDs de Amostra a
serem criados. Se selecionar uma fileira variável de 2, o número máximo de
amostras serão 99, se selecionar 3, o número máximo será 999. O campo do
número inicial variará em comprimento dependendo da entrada do campo da
fileira variável. O número que será entrado dentro do campo Número Inicial será
usado para a primeira amostra. Os IDs remanescentes indexarão, então, por um
depois desse valor.
Quando estiver terminando, pressione Confirmar (V) ou Cancelar (X) para voltar
à tela anterior.

3. 37
Nota: nessa tela se determinará o número da loadlist para
preparar. Na tela anterior, entra-se no número da loadlist para
iniciar junto com o número de cada loadlist dos IDs da Amostra
contidas.

Uma vez que Loadlist/Autolista for criada, então se programa os testes para os
IDs da Amostra na lista. Selecione Loadlist e, então, pressione o ícone Detalhe.

3. 38
O ID da Amostra nessa loadlist será exibido na coluna à esquerda. Podem-se
mudar os IDs da Amostra na lista selecionando-se uma amostra particular e
pressionando-se Editar ID da Amostra. Se for necessário apagar amostras da
lista, podem-se usar os botões Apagar ID da Amostra ou Apagar Todos os IDs
das Amostras.
Para programar ou mudar os testes requeridos, selecione um ID de Amostra
particular ou o primeiro da lista.
Para programar testes para a amostra selecionada, pressione o botão Programar
Amostra.
Clique no botão Prev.Prog para Todas para programar os testes anteriores
requeridos para TODAS as amostras na loadlist. Se pressionar o botão
Prev.Prog, os testes anteriores serão ordenados na amostra iluminada atual
somente.
Clique no botão Ajustar Testes Default para programar os testes Default para
todas as amostras na loadlist.
Ilumine uma amostra e clique no botão Detalhes para ver a amostra corrente. Ela
exibirá os demográficos junto com os testes ordenados e quaisquer resultados
completados para a amostra.
Para imprimir uma loadlist, clique no ícone Imprimir.

3. 39
O botão Confirmar ou Cancelar sai da tela; o sistema volta para a tela anterior.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3.2.5 Análise: Relatório da Sessão


Esta tela é automaticamente exibida durante uma corrida.

Essa tela exibe a informação sobre o status dos testes e amostras para as
corridas analíticas executadas no sistema.
A linha do topo exibe o teste atual sendo analisado e a fase atual para o teste (i.e.
carregamento, espera, aquisição, ...).

3. 40
O meio da tela exibe os 4 quadrantes de anéis da amostra à esquerda e os 10
cálices de amostra incluídos dentro do quadrante. Por favor, reporte-se à Seção
3.2.2 para detalhes sobre os códigos de cor e símbolos usados para as posições
da amostra.
Os detalhes (resultados) de uma amostra podem ser exibidos selecionando-se o
quandrante do anel da amostra à esquerda, então, selecionando-se a posição do
cálice desejado e clicando-se no botão Detalhes. Se uma amostra estiver
completa, os resultados serão exibidos.
O botão Mapa dos Materiais exibirá o mapa do reagente atual para a sessão.
Por favor, reporte-se à seção 3.2.3 para detalhes sobre o Mapa de Materiais.
O botão Status da Sessão exibirá a tela do relatório da sessão de Análise para
todas as amostras na sessão atual.

A caixa Status de Exucação de Teste exibe a informação nos testes na sessão.


Exibe os testes que podem ser analisados nessa sessão junto com o número de
amostras programadas, número de testes de reflexão a serem processados e o
número de amostras completadas. Os Grupos de Testes são considerados testes
individuais e exibe que caminho na caixa.

3. 41
A caixa Status da Amostra para a Sessão à direita exibe as amostras a serem
processadas nessa sessão. Esta caixa é dividida em 5 colunas.
 # Coluna: posição na bandeja da amostra.
 +: Uma ! nessa coluna indica a amostra que é designada uma amostra stat.
 Status: Exibe o status atual dessa amostra. O status pode ser indicado
pelos seguintes símbolos:
- Símbolo de ampulheta: a amostra está em processo.
- Símbolo de relógio: a amostra está em um status de aguardando.
- Verificar Marca (v): a amostra está terminando de ser processada.
- Curto: esta coluna exibirá um indicador “baixo” quando uma amostra
for detectada para ser curta. Uma amostra designada para ser curta
parará todos os testes naquela amostra.
- A coluna ID da Amostra exibirá os IDs da Amostra na loadlist.

O botão Mapa de Materiais exibirá o mapa de reagente atual para a sessão.

Nota: a base da fila de ícones na tela Principal contém uma das


garrafas de reagente. A cor da garrafa indica o status dos
reagentes no mapa. Se todos os reagentes tiverem níveis acima
do volume de advertência, o ícone será exibido em verde.
Enquanto um teste estiver em processo, se um reagente ficar
baixo, o ícone da garrafa fiará laranja. Se um reagente acabar
durante a análise, o ícone da garrafa ficará vermelho.
Pressionando-se o ícone da garrafa exibirá o mapa do reagente
atual.

3. 42
Quando um reagente corre curto durante a análise, o sistema continuará
processando todos os outros testes. Quando o teste é completado, o sistema
exibirá uma caixa de mensagem com o seguinte:
Um ou mais reagentes são suficientes para completar todas as amostras. Você
quer reencher;
Pressione Sim para reenchê-la e, então, reinicie.
Pressione Não para fechar a sessão.

Se a opção Sim for selecionada, o operador deve encher os reagentes que


estiverem curtos e pressionar o ícone Corrida para reiniciar a corrida.
Se Não for selecionado, o sistema terminará a sessão analítica atual. A corrida
pode ser reiniciada mais tarde selecionando-se Análise→Sessão Histórico.
O botão Reiniciar esta Sessão começará a análise novamente para processar
aquelas amostras com um status de Pendente. Isso pode ser útil se um reagente
correr curto durante a análise.
O botão Sessão Histórico estará normalmente obscurecido durante a análise. Se
uma condição de erro ocorrer durante a análise, o botão se iluminará. O operador
deve tomar nota do status dos botões. Quando um botão se ilumina, o operador
deve pressionar o botão para exibir a Lista da Sessão Histórico.

3. 43
A lista exibirá a Data e a Hora junto com o Erro que ocorreu.
A opção Imprimir imprimirá o Relatório da Sessão Histórico dos Erros seguido por
uma janela de confirmação Você realmente quer imprimir? Sim permitirá ao
operador imprimir o Relatório da Sessão Histórico de Erro; Não cancelará a
operação.
Pressione o botão Confirmar (v) para voltar à tela anterior.
Se a sessão for completada, pode-se voltar à tela Sessão Histórico
selecionando-se Análise da tela Principal da barra do menu e Sessão Histórico
do menu Análise. Isso abrirá a tela Análise: Relatório da Sessão.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe o tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3.2.6 Condições de Pausa da sessão


As seguintes condições colocarão o ACL Elite/ Elite Pro no status de pausa
durante a análise. Se isso ocorrer, a condição anotada deverá ser corrigida. A
corrida, então, será retomada pressionandose o ícone Corrida.

Resíduo do Rotor Cheio (Elite Pro somente)


Quando o resíduo do rotor estiver cheio, o equipamento bipará e irá para pausa
automaticamente.
Para proceder ao operador tem de esvaziar o recipiente do resíduo do rotor e
pressionar o ícone Corrida.

3. 44
Pilha do Rotor Vazia (Elite Pro somente)
Quando a pilha do rotor estiver vazia, o equipamento bipará e, automaticamente,
irá para a pausa.
Para proceder ao operador tem de esvaziar o recipiente do resíduo do rotor e
pressionar o ícone Corrida.

Reagente Curto
Um reagente escasso detectado durante a análise colocará o sistema na condição
Portar no final da sessâo. Nesse momento, o operador tem a opção de reencher
os reagentes e resumirão a sessão.

3.2.7 Análise: Funções Pausa/STAT


Durante uma corrida, o status da sessão é apresentado mostrando o número de
testes executados e qual fase de teste está em progresso.

3. 45
É possível dar pausa no sistema durante uma sessão analítica usando-se o ícone
Ambulância Stat/ Pausa no lado da base esquerda da tela.
Quando esse ícone é ativado, uma mensagem dizendo Você realmente quer
portar a sessão será apresentada.
Pressionando-se Não, a sessão preocederá.
Pressionando-se Sim, a sessão dará uma pausa em um tempo apropriado na
sessão corrente. Notificar-se-á quando estiver seguro para proceder.
As amostras Stat não podem ser executadas durante a Transmissão Automática
do Hospedeiro.
Durante o estado de Portar, pode-se executar o seguinte no sistema:
 Adicionar Amostras, ambas STAT e Rotina.
 Mudar Prioridade de uma Amostra de Rotina para Stat.
 Adicionar testes para uma amostra na bandeja de amostra.
 Adicionar amostras de CQ para a sessão.
 Acessar o Mapa de Materiais para encher os reagentes.
 Substituir as Amostras na bandeja da amostra. Amostras completadas
indicadas por um círculo verde da posição da amostra (também anotado
por um C na coluna S) pode ser removido e substituído com uma nova
amostra.

3. 46
A tela Adicionar Amostra / Stat exibe o status das amostras na bandeja.
O status das amostras é exibido usando-se cores e letras/ símbolos para as
posições do cálice (reporte-se à seção 3.2.2 para detalhes sobre as cores e
símbolos). A bandeja da amostra é dividida em 4 quadrantes de 10 posições de
amostra cada. Para mudar para um quadrante diferente, simplesmente clica-se no
segmento desejado no círculo à esquerda.

Amostras Stat de Código de Barra


Ler Códigos de Barra: esse botão ativará o leitor de código de barra e lerá o IDs
das Amostras na bandeja. Exibirá, então, os IDs das Amostras. Nenhuma consulta
do Hospedeiro será executada durante essa ação. Os IDs de Amostras não
codigicadas em barras (exceto cálices de CQ) serão apagadas da lista para
amostras que não estiverem atualmente ativas no rotor sendo analisado. Se não
estiver bidirecionalmente interfaceado, depois de ler o os códigos de barra, clique
na posição da amostra desejada para exibir a tela programando amostra. Entre a
informação demográfica opcional. Para designar a amostra como uma stat, clique
no ícone Stat. Selecione os testes clicando-se na caixa de testes desejada. Para
remover um teste da lista de testes programados, clique no mesmo nome de teste
uma segunda vez. Use a seta down para ir para a próxima posição da amostra.
Quando completado, pressione o botão Confirmar.

Reiniciar com BCR: esse botão pode ser selecionado se você estiver usando a
consulta ao hospedeiro e as amostras codificadas por barras. Clique nesse botão,
e, então, pressione o botão Retomar. O sistema lerá os IDs das Amostras e
consultará o hospedeiro para os testes para processar. Essa opção não é
recomendada para ser usada quando uma mistura de amostras codificadas e sem
código de barra são apresentadas na bandeja de amostra.

3. 47
Amostras Stat sem Código de Barra
Programando Amostras sem Código de Barra: clique na posição da amostra
desejada para exibir a tela Programando Amostra.

Para programar as amostras, entre ID da Amostra junto com qualquer uma das
outras informações demográficas opcional. Para designar a amostra como uma
stat, clique no ícone Stat. Selecione os testes clicando na caixa de teste desejada.
Para remover um teste da lista de testes programados, clique no nome do teste
uma segunda vez. Se tiver terminado de programar as amostras, clique no botão
Confirmar. Pressione o ícone Correr Corrida para iniciar a análise.

3. 48
Entrar / Editar ID da Amostra: este botão permite entrar manualmente um ID ou
editar uma que será exibida. As posições que não puderem ser editadas terão o
botão obscurecido.

Limpar ID: este botão limpará um ID de uma posição na bandeja de amostra. A


posição pode, então, ser usada para programar uma nova amostra na bandeja.
Este botõ será obscurecido se a bandeja da amostra não tiver as posições na qual
a amostra for completada. Amostras completadas serão designadas como um
círculo verde da posição do cálicecom a letra C. As amostras com testes
pendentes a serem completados serão designadas como um cículo laranja na
posição do cálice com a letra P. As posições que não puderem ter o ID clareado
obscurecerão do botão.

Programar Amostra: abre a tela da ordem de testes. Reporte-se à informação na


seção 3.2.2 para detalhes sobre essa função.

Adicionar Líquidos CQ: exibe a lista do líquido do CQ. Selecionar o líquido


desejado e clique no botão Confirmar para aceitar. O líquido de CQ será, então,
adicionado às amostras na bandeja. Nota: Não clique no Reiniciar com o botão
BCR quando o CQ é adicionado à lista. Pressione o ícone Corrida somente para
iniciar a corrida.

Uma vez que Amostras Stats / Novas sejam programadas e adicionadas à


bandeja de amostra, a corrida é reiniciada usando-se o ícone Corrida.

3. 49
Notas:
 Quando o ícone stat/pausa é pressionado, o sistema
exibirá uma mensagem indicando quando é seguro
adicionar/ remover amostras da bandeja. Por favor,
espere essa mensagem aparecer. Isso é uma
indicação de que o braço da amostra não se moverá
para a bandeja de amostra.
 Se um teste é adicionado, mas não contém no Multi-
Teste ou Teste Único agora correndo o teste somente
programado.
 Testes Default serão adicionados a uma amostra
quando o próximo teste na corrida é iniciado. Antes para
esse círculo ser exibido na luz azul com o status de N.
Depois do próximo teste na corrida ser iniciado, o teste
default será adicionados às amostras e o círculo ficará
púrpura quando o processamento ocorrer.
 Se um teste estiver contido no Multi-Teste ou Teste
Único agora correndo, o teste interromperá a sessão
atual ou será executado em uma sessão depois da
atual. A sessão atual será interrompida se as amostras
não tiverem sido pipetadas. Se o stat ocorrer durante
uma sessão por meio da qual o reagente será somente
pipetado, o sistema abortará a corrida para processar o
stat. Se não quiser abortar a corrida atual, espere até a
unidade começar a pipetar a amostra antes de solicitar a
interrupção do stat.

3. 50
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3.2.8 Lista dos Resultados


A tela principal do ACL Elite/ Elite Pro é à base de dados ou listas dos resultados.
Até 1000 IDs das Amostras podem ser contidas na base de dados da amostra. A
base de dados é controlada em um sistema FIFO (primeiro que sai, primeiro que
entra) para amostras completas. Quando a base de dados alcançar 1000
amostras, as amostras mais velhas com o status de “Completo” serão
permanetemente apagados. Cada ID da Amostra pode referir até 30 testes. Os
testes processados em duplicado ocupam um mínimo de 3 posições de testes
(primeiro resultado, segundo resultado e média).

3. 51
A Visualização da Base de Dados no topo da tela indica se está se vendo Todas
as Amostras ou um Subconjunto de amostras. Um subconjunto das amostras na
base de dados é obtido extraindo-se os resultados. Se estiver vendo-se um
subconjunto dos resultados e desejar-se ver todo, deve-se extrair novamente e
selecionar a opção Todas as Amostras.
Os valores numéricos no lado direito da tela (i.e. 147/540) indicam como muitas
amostras são atualmente exibidas na base de dados. Se extrair, o primeiro valor
indica como muitas amostras foram extraídas e o segundo valor indica o número
total de amostras na base de dados inteira. Quando são vistas “Todas as
Amostras”, os dois valores serão idênticos.
A lista dos resultados tem várias colunas:
- + indica se a amostra foi corrida com um atributo de prioridade (STAT).
- A coluna S indica o status do ID da Amostra
 N significa que nenhum teste programado naquele ID da amostra.
 P significa que um ou mais testes tiveram seus resultados perdidos.
 C significa que todos os testes foram corridos na amostra e é
considerada completa.
- A coluna E indica que os erros são apresentados em pelo menos um teste
para o ID da Amostra (reporte-se à seção 6.3 para mais detalhes).
- A coluna ID da Amostra (máximo de 16 caracteres). Cada uma das 100
amostras na base de dados deve ter um único ID da Amostra. IDs
duplicados não são permitidos. Se precisar, reuse o ID da Amostra, deve-se
apagar o original, o primeiro, ilumine o ID e clique no ícone Lixeira para
apagá-lo.

- A coluna Nome do Paciente (máximo de 25 caracteres). Usando o ícone


Cartão de Identidade, essa coluna pode ser escondida. Isso permitirá mais
testes de serem exibidos pela tela do banco de dados.

3. 52
- As colunas Teste e Unidade são definidas (personalizadas) nesse tipo de
submenu de teste no Setup de Teste. Por favor, reporte-se à Seção Setup
de Teste (Capítulo 4). Se um teste tiver uma ? em uma coluna, então o
resultado fica pendente para a amostra. Como o teste é completado, o ?
será substituído pelo resultado. Se o resultado é exibido junto com o
símbolo “Bola de Neve”, então há um resultado disponível para aquele teste
particular. Os Testes com erros serão anotados em vez de um resultado na
tela. Ilumine a amostra e pressione o ícone Detalhe para ver todos os
resultados.

Um resultado apresentado na cor preta significa que está dentro do alcance


normal.
Um resultado apresentado na cor violeta significa que está fora do alcance
normal.
Um resultado apresentado na cor vermelha significa que está fora do alcance do
teste.
Um resultado apresentado como *** significa que está fora do alcance alto da
escala.
Um resultado apresentado como --- significa que está fora do alcance baixo da
escala.
O status da linha do equipamento também exibe o atual usuário registrado no
sistema e a atual revisão do software no analisador.

3. 53
Várias funções estão disponíveis da lista de resultados de teste:

Resultados Extraídos Ícone de Detalhe da Amostra

Nova Amostra Apagar Amostras

Imprimir Amostra Transmitir ao Hospedeiro

3.2.8.1 Ícone Extrair


 Usando-se o ìcone Extrair (manual no desenho do arquivo) é possível
filtrar a base de dados para as amostras desejadas baseado em vários
critérios. Ver tela a seguir.
- ID de Amostra Única
- ID da Amostra De ... A ... (use o mesmo número de caracteres
quando definir o alcance De/A que normalmente tem para o ID
da Amostra).
- ID do Paciente
- Nome do Paciente
- Número da Loadlist
- Todas as amostras
- Entrar Data De ... A ...
- Departamento

3. 54
É possível combinar os critérios do ID da amostra com a caixa de verificação dos
critérios do resultado na parte inferior da tela.
- Completo/ Pendente
- Stat/ Não Stat
- Transmitido/ Não Transmitido
- Sinalizado/ Não Sinalizado

Nota: se extrair de um subconjunto da base de dados, deve-se


re-estrair usando-se a caixa de verificação Todas as Amostras
pra voltar à base de dados para exibir todas as amostras.
Novas amostras entradas na base de dados enquanto estiverem
em um subconjunto podem não ser mostrada na base de dados.

3. 55
3.2.8.2 Ícone Detalhes da Amostra
 Usando a função Detalhes (lupa), informações adicionais sobre a Amostra
e Testes podem ser exibidas. Esta informação pode incluir dados
Demográficos, Resultados, Erros e Curvas de Reação.

Da tela Dados de Amostra, o ícone Detalhes de Paciente exibe informação


demográfica adicional.

3. 56
Da tela Dados de Amostra é possível ver a curva de reação. Ilumine o teste
desejado e pressione o ícone Detalhes para ver a curva.

Advertências associadas são exibidas com os resultados de teste na lista de


advertência. Por favor, revise estes e entre com a ação apropriada, se
necessário, antes de informar os resultados.
O ícone Disquete permite salvar as “leituras de dados normalizadas” para a curva.
Os dados podem, então, serem visualizados usando-se outro programa de
software (i.e. Microsoft Excel). A curva como é apresentada pode ser impressa
usando o ícone Imprimir. Advertências associadas aos resultados na lista de
advertência são exibidas.
A Curva de Coágulação/Reação exibe os pontos de dados normalizados
registrados durante a fase de aquisição. O eixo “Y” exibe a mudança da reação
total dividida em 5 pontos. A mudança de reação é arredondada a 2 casas
decimais; então as amostras com uma pequena quantidade de mudanças podem
exibir pontos duplicados dentro dos 5 que são exibidos.

3. 57
As curvas para ensaios de coagulação serão apresentadas tipicamente em um
padrão de “S”. A curva é geralmente composta por 4 seções: Linha de base,
aceleração, desaceleração e ponto final.

Legenda:
Optical readings: leituras óticas.
Deceleration: desaceleração.
Endpoint: ponto final.
Baseline: linha de base.
Acceleration: aceleração.
Acquisition time: tempo de aquisição.

As leituras de Linha de Base começam depois de quaisquer ajustes de demora de

aquisição na definição de teste. Durante a linha de base, a amostra e reagentes

são misturados e isto continua até que o coágulo começe a se formar. Na fase de

aceleração, o coágulo continua a se formar resultando em um aumento nas

leituras ópticas. A fase de desaceleração é o tempo quando a formação do

coágulo começa a reduzir a velocidade. Para um ensaio baseado na coagulação,

uma vez que todo o fibrinógeno foi convertido em fibrina o ponto final foi alcançado

e as leituras estabilizadas.

3. 58
Vários algoritmos são usados pelo sistema para selecionar o tempo de coagulação

atual. Alguns exemplos deles incluem:

- Primeira derivativa: tempo no qual a velocidade máxima de formação de


coágulo é notada.
- Segunda derivativa: tempo no qual a mudança máxima na velocidade
(aceleração máxima) de formação de coágulo é notada.
- Umbral: quando um valor de densidade óptico pre-ajustado é alcançado.
- Limiar – 2a. derivativa: Se a leitura do umbral não for encontrada, então o
sistema usará o valor da 2a. Derivativa.

Quando vendo uma curva de coágulação, alguns itens que devem ser lembrados

incluem:

- Forma da curva (curvas planas podem indicar nenhuma coagulação).


- Linhas de base longas indicam um tempo de coagulação prolongado.
- Alcance do eixo de “Y”. Um alcance apertado pode indicar nenhuma
coagulação ou um baixo valor de fibrinógeno. Compare o eixo “Y” da
amostra questionável com um de uma amostra normal. Um alcance amplo
no eixo “Y” pode indicar um valor de fibrinógeno alto.
- Elevação ininterrupta na fase de aceleração sem ponto final indica que a
amostra não se coagulou dentro do tempo de aquisição.
- Uma gota no ponto final pode indicar uma formação instável de coágulo.

3. 59
3.2.8.3 Ícone da Nova Amostra (tubos em pasta)
 Usando-se o Ícone da Nova Amostra, é possível adicionar uma nova
amostra para o banco de dados e programe manualmente os testes nele.
Por favor, reporte-se a Programar Amostras para Nova Amostra para
detalhes.

3.2.8.4 Apagar Ícone (Lixeira)


 Usando-se o ícone Apagar, é possível para apagar os resultados usando-
se os seguintes critérios:
- ID da Amostra Única.
- ID da Amostra De ... A ... (use o mesmo número de caracteres
quando definir o alcance De/A que normalmente tem para o ID da
Amostra)..
- ID do Paciente.
- Nome do Paciente.
- Número de Loadlist.
- Todas as Amostras.
- Entrar Data De ... A ...
- Departamento.

3. 60
É possível combinar os critérios do ID da Amostra com as seleções das caixas de
verificação dos critérios de teste na parte inferior da tela.
- Completado/ Pendente
- Stat/ Não Stat
- Transmitido/ Não Transmitido
- Sinalizado/ Não Sinalizado.

3.2.8.5 Imprimir Resultados


 Usando-se o ícone Imprimir, é possível para imprimir os resultados (dois
tipos de relatórios podem ser gerados: relatórios cumulativos e da
amostra) usando-se os seguintes critérios:
- ID da Amostra Única.
- ID da Amostra De ... A ... (use o mesmo número de caracteres
quando definir o alcance De/A que normalmente tem para o ID da
Amostra).

3. 61
- ID do Paciente.
- Número de Loadlist.
- Nome do Paciente.
- Todas as Amostras.
- Entrar Data De ... A ...
- Departamento.

É possível combinar os critérios do ID da Amostra com as seleções das caixas de


verificação de teste na parte inferior da tela.
- Completado/ Pendente
- Stat/ Não Stat
- Transmitido/ Não Transmitido
- Sinalizado/ Não Sinalizado.

3. 62
3.2.8.6 Enviando Resultados para o Computador Hospedeiro
 Usando-se o ícone Hospedeiro, é possível para baixar os resultados de
testes requeridos ou transmitidos usando-se os seguintes critérios:
- ID da Amostra Única.
- ID da Amostra De ... A ... (use o mesmo número de caracteres
quando definir o alcance De/A que normalmente tem para o ID da
Amostra)..
- ID do Paciente.
- Número de Loadlist (1 a 20).
- Todas as Amostras.
- Nome do Paciente
- Entrar Data De ... A ...
- Departamento.

É possível combinar os critérios do ID da Amostra com as seleções das caixas de


verificação de teste na parte inferior da tela.
- Completado/ Pendente
- Stat/ Não Stat
- Transmitido/ Não Transmitido
- Sinalizado/ Não Sinalizado.

3. 63
Nota: se o líquido e/ou sensores de Lavagem-Referência
estiverem desabilitados, o sistema não transmitirá
automaticamente os resultados ao hospedeiro. No fim de cada
corrida, uma mensagem de advertência aparecerá, instruindo o
operador a verificar os níveis de material e amostra para
assegurar que haja volume residual suficiente nos recipientes.
Uma vez que a verificação seja executada, então os resultados
podem ser transmitidos manualmente ao hospedeiro. Quando os
sensores forem reabilitados, a autotransmissão reassumirá.

3.3 Controle de qualidade


Esta Seção contém toda a informação necessária para executar a análise de
materiais de controle de qualidade e para satisfazer as exigências do programa do
controle de qualidade programa de seu laboratório no ACL Elite/ Elite Pro. A
primeira subseção apresenta um procedimento resumido para os usuários já
familiarizados com sistema ACL Elite/ Elite Pro. Detalhes específicos sobre as
telas, opções, etc. são descritos mais tarde nos procedimentos passo a passo.
 Os materiais de CQ devem ser pré-definidos na tela Setup dos Líquidos;
reporte-se à informação pertinente na Seção 4 – Setup.
 Os valores objeto dos materiais devem ser pré-definidos na tela Setup de
CQ; reporte-se à informação pertinente na Seção 4 – Setup.
 Os materiais de CQ podem ser corridos com amostras de pacientes durante
o teste de rotina normal ou apenas como uma corrida separada. No
primeiro caso, reporte-se à seção 3.2.1 Análise; no segundo caso, siga os
passos a seguir.

3. 64
3.3.1 Analisando Materiais de CQ usando-se uma Loadlist
Este procedimento descreverá como correr CQ em uma loadlist sem amostras de
pacientes.
A loadlist pode ser salva e pode ser chamada cada vez que se precisar correr o
CQ. Várias loadlists diferentes podem ser configuradas no sistema. Cada loadlist
pode conter diferentes materiais de CQ.
 Selecione Análise.
 Selecione Multi-Testes ou Testes Únicos.
 Clique na caixa No. de Loadlist. Entre um número da loadlist (1-20). Se
não souber quais loadlists estão disponíveis, clique no botão Loadlist para
exibir o status do 20 loadlists.
 A posição do cursor na posição do cálice desejada na bandeja de amostra.
Clique no botão Adicionar CQ dos Líquidos.
 Escolha o controle e clique no botão Confirmar (v).
 Repita as últimas duas ações até que todos os materiais sejam inseridos.
 Clique no botão Armazenar Loadlist para salvar a loadlist.
 Coloque os cálices da amostra de CQ na bandeja de amostra nas posições
respectivas. Pressione o ícone Correr para começar a análise.

Nota: Na conclusão da corrida, a loadlist completa é


armazenada ainda na memória. Se não for apagada, pode-se
trazê-la da próxima vez em que se precisar correr CQ. Nesse
caso, não seria preciso reprogramar as posições da bandeja de
amostra.

3. 65
3.3.2 Setup do Controle de Qualidade
o processo do controle de qualidade é iniciado da tela Principal, selecionando-se
CQ na barra do menu e selecionando-se Setup/Revisão de CQ. Ela abrirá a tela
Revisão de CQ mostrada.

3. 66
Sob o cabeçalho ID do LÍQUIDO, a janela à esquerda da tela lista todos os
materiais de controle que são configuráveis no menu Setup dos Líquidos,
enquanto a janela Teste Configurado, no meio da tela, lista os testes que estão
associados a cada material.
As estatísticas de CQ são reportadas no lado direito da tela:
- Unidade
- Média Atual
- Média Objeto
- SD Atual
- SD Objeto
- CV Atual
- Resultados em Estatísticas
- Resultados na Base de Dados (DB)

Clicando no botão Mostrar Habilitados reduzirá a lista de líquidos e exibirá


apenas os líquidos que foram organizados para a análise de CQ no sistema. Esse
é um botão do tipo articulado. Com o botão não-clicado, exibirá somente os
líquidos previamente organizados.
Clicando-se no botão Confirmar (v) sai da tela e o sistema volta para a tela
Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

As configurações dos CQ devem ser entradas no botão Setup de CQ mostrado a


seguir. Selecione o líquido de CQ na caixa à esquerda, então, pressione o botão
Setup no meio da janela.

3. 67
O topo da tela exibe o material de CQ selecionado (ID do Líquido) e a informação
específica sobre ele como Data de Validade, Número do Lote, mais um espaço
para Notas.
O próximo passo é associar os testes ao Líquido de CQ selecionado.
Para fazer isto, o operador ilumina um teste da lista de Testes Habilitados
mostrada na janela esquerda, então, clica no ícone Seta sob a janela. Esta ação
faz o teste selecionado mover-se da lista de Testes Habilitados para a lista de
Testes Configurados mostrada no meio da janela. Repetindo esta seqüência, o
material de controle é associado com até 15 testes.

Para remover um teste da lista de Testes Configurados, clique no ícone Tesouras


sob a janela. Esta ação abre primeiro uma janela de confirmação: Removendo
teste remove todos os dados de testes .... Você realmente quer remover o teste
selecionado? As seleções Sim ou Não lembram o operador que removendo um
teste significa remover todos os resultados salvos para aquele teste.
Uma vez que a associação Líquido de CQ/ Testes estiver completa, o próximo
passo é definir as unidades, média objeto, SD objeto e Alcance de SD para todos
os testes associados ao material de CQ.

3. 68
Unidade: para cada teste, a seleção de unidades inclui só aquela que são
legítimas para aquele teste. Modificando-se uma unidade anteriormente
selecionada não causará uma mudança na Média Objeto e nos valores de SD.
Estes precisariam ser atualizados se o tipo de unidade for mudado.
Média Objeto e SD Objeto: estes campos aceitam qualquer valor que seja
entrado tocando o campo e usando o teclado externo ou o teclado complementar
na tela.
Alcance de SD: escolha 1, 2 ou 3 SD. O SD típico varia para reagentes da IL e e
níveis de controles são reportados na seção 3.3.8. os laboratórios podem usar
estes valores como diretrizes, mas eles devem estabelecer seu próprio SD.

Se a caixa Verificação do Alcance de CQ for ativada, o controle será verificado e


será sinalizado se considerado fora do alcance definido. Não serão sinalizados
resultados de pacientes se somente essa caixa for conferida.
A caixa de verificação Sinalizar Resultados do Paciente só pode ser ativada
depois da ativação da caixa Verificação do Alcance de CQ. Se esta caixa for
verificada e o CQ estiver fora do alcance, então uma bandeira será notada nas
amostras de pacientes processadas na mesma corrida que as amostras de CQ.
Não serão sinalizadas amostras processadas em corridas subseqüentes que não
tenham amostras de CQ.
As caixas de verificação Verificação do Alcance de CQ e Sinalizar Resultados
do Paciente podem ser ativadas pelo simples toque, provocando o aparecimento
de uma marca de verificação.
O botão Limpar Estatísticas apaga, depois da confirmação, todos os resultados
de um Teste particular – combinação de Material de CQ.

Advertência: Mudando-se o número do Lote para um líquido de


CQ sob o menu Setup dos Líquidos, todo resultado anterior do
CQ será deletado para aquele líquido.

3. 69
Clicando-se no ícone Impressora, seguido por uma janela de confirmação Quer
realmente imprimir? Sim permite ao operador escolhar imprimir o Setup do teste;
Não cancelará a operação.
Clicando-se no botão Confirmar sai dessa tela e retorna para a tela Revisão de
CQ.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Quando houver uma associação ativa entre um material de CQ e os testes, os


ícones Gráfico e Estatísticas, Resultados Cumulativos e Hospedeiro estarão
ativos.

3.3.3 Revisãodo Resultado de CQ


Uma tela Banco de Dados Principal tem um ícone CQ na fila de fundo. Esse ícone
exibirá um banco de dados separado dos últimos 100 resultados de CQ
processados no sistema. Um ponto de exclamação vermelho será exibido pelo
ícone se houver uma falha de CQ no sistema. Resultados fora de 2SD serão
exibidos em azul, enquanto que os externos 3SD serão exibidos em vermelho. Os
resultados dentro de seu alcance serão exibidos em preto. O ponto de exclamação
permanecerá no ícone até que a falha de CQ seja limpa da lista. Se todos os
líquidos de CQ e testes não tiverem nenhum CQ isolados, o ponto de exclamação
não será exibido.

3. 70
O banco de dados exibe o seguinte para os resultados de CQ: teste, material de
CQ, resultado, unidade para resultado e qualquer erro. O número de Resultados
no banco de dados é exibido na caixa “Resultados” no lado direito acima. Os
botões Limpar Tudo e Limpar Únicos removerão os resultados do banco de
dados de CQ, porém eles ainda serão exibidos sob as opções Gráfico de CQ e
Resultados Cumulativos. Os resultados no banco de dados podem ser impressos
usando-se Imprimir Todo o CQ ou Imprimir CQ de Hoje

3.3.4 CQ – GRÁFICO e ESTATÍSTICAS


Para abrir a janela do Gráfico e Estatísticas de CQ (mostrado a seguir), pressione
o Gráfico e Estatísticas de CQ localizou na tela Revisão de CQ.
Essa tela exibe o Gráfico e as Estatísticas de um Material de CQ selecionado e o
par de testes, exibidas no topo da tela.

3. 71
A janela no lado esquerdo da tela exibe a informação seguinte que não é editável
dessa tela:
- Data inicial.
- Data final.
- Unidade
- Média Atual
- Média Objeto
- SD Atual
- SD Objeto
- CV Atual
- Resultados na Estatísticas
- Resultados na Base de Dados (DB).

O gráfico de CQ para um teste pode ser visto à direita na janela lateral da tela. O
quadro indica Dias no eixo X, a unidade e a média objeto no eixo Y esquerdo e o
SD no eixo Y direito.

3. 72
O display cobre um intervalo de 30 dias; a janela default exibe os resultados para
os últimos 30 dias de intervalo, mas o operador pode ver os dados mais anteriores
e mover-se usando a barra de paginação. Os últimos 500 valores de CQ por
líquido e teste podem ser exibidos no gráfico. O sistema reterá os últimos 65,536
valores por cálculos estatísticos.
Valores de CQ serão exibidos como segue no gráfico:
- Valores Omitidos aparecem como um símbolo diamante azul
- Valores de CQ fora do alcance de SD (1 ou 2 SD) aparecem como um
círculo violeta
- Valores de CQ fora de 3 alcances de SD aparecem como um triângulo
vermelho
- Valores de CQ válidos aparecem como um asterisco

O cálculo estatístico é feito usando-se todos os resultados no banco de dados.


Para obterem-se as Estatísticas e Gráficos para outros intervalos selecionados
de tempo, clique no botão Selecionar Intervalo e entre na data de início
específico e final (dd.mm.aaaa ou de acordo com o formato de data selecionado
na configuração Data/ Hora) nos campos específicos da tela Selecionar Intervalo:

3. 73
O novo intervalo deve ser confirmado clicando-se no botão Confirmar cujos
resultados no sistema voltam para a tela Gráfico e Estatísticas de CQ ou não
confirmado clicando-se no botão Cancelar (isso se aplica somente ao intervalo
selecionado). Os resultados estatísticos serão atualizados baseados no intervalo
selecionado.
Clicando-se no botão Resultados Cumulativos, abre-se a tela Resultados
Cumulativos de CQ (reporte-se à subseção a seguir)
Clicando-se no botão Confirmar sai dessa tela e volta-se para a tela Revisão de
CQ.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3.3.5 CQ – RESULTADOS CUMULATIVOS


Clicando-se no botão Resultados Cumulativos localizados nas telas Gráfico e
Estatísticas de CQ e Revisão de CQ abre-se a tela Resultados Cumulativos de
CQ:

3. 74
A porção de topo da tela exibe o seguinte: o material de CQ selecionado (ID do
Líquido), o teste selecionado (ID do teste), o alcance da data (dd.mm.aaaa) e o
alcance da hora (hh.mm). Essa informação não pode ser editada nessa tela.
A parte maior da tela é usada para exibir os resultados obtidos para o par de
materiais-teste de CQ selecionado.

A bandeira da coluna “F” – Um Q aparece nesse campo se houver um alerta de


CQ.
A coluna “S” indica o status de transmissão (L é local, T é transmitido).
A coluna “O” significa omitido, designado por marca de conferência nessa coluna.
Os resultados são exibidos usando-se uma lista que pode ser movida
verticalmente; as colunas mostram os resultados numéricos na unidade
configurada e a data/ hora da análise. Valores fora do alcance de SD programado
(1 ou 2 SD) serão exibidos em violeta e aqueles valores fora de 3 SD serão
exibidos em vermelho.
Há também uma coluna para notas e colunas para possíveis bandeiras e
advertências.
Detalhes adicionais sobre um único resultado são acessíveis clicando-se no ícone

3. 75
Detalhes abre-se a tela Detalhes dos Resultados Único de CQ:

Nessa tela, é exibida a identidade do par ID dos Líquidos/ ID do Teste na primeira


linha da tela.
As janelas no lado esquerdo da tela exibem a curva da amostra de CQ, as
unidades medidas e as unidades calculadas.
Informação adicional sobre o resultado exibido também é visível à direita da tela:
- Status de transmissão (T: Transmitido ao Hospedeiro ou L: Local quando o
resultado não for transmitido ao Hospedeiro).
- Status de omissão (Sim ou Não).
- Data e hora da análise.
- Notas (quaisquer).
- Lista de Advertências.

Clicando-se no ícone Disco permite ao operador salvar o resultado em um


disquete para uso futuro. A ação abre a tela Nome do Tipo de Arquivo.
Depois de digitar o nome do arquivo e confirmar a operação, a tela Operação em
Progresso abre-se e a informação é salva no disco.

3. 76
A rotina de salvar do disco salva as leituras dos pontos dos dados brutos e não a a
curva de coagulação atual exibida para disco. O arquivo deve ser nomeado com
uma extensão “crv” (i.e. PTCQ1.crv).
Clicando-se no ícone Impressora, seguido por uma janela de confirmação Quer
realmente imprimir? Sim permite ao operador escolher imprimir o resultado único;
Não cancelará a operação.
Clicando-se no botão Confirmar salva quaisquer mudanças e o sistema volta à
tela Resultados Cumulativos.
Os operadores podem entrar em suas próprias notas na tela Inserir Notas
(mostrada a seguir) que é aberta clicando-se no ícone Notas.
O campo de nota de texto livre permite ao operador digitar até 30 caracteres
alfanuméricos. Clique no botão Confirmar depois de entrar na nota para salvá-la.

Clicando-se no botão Omitir Resultados permite ao operador omitir,


permanentemente, o resultado selecionado. Antes de omiti-lo, a confirmação é
pedida Omitindo resultado ... Você realmente quer omitir o resultado selecionado?
As seleções Sim ou Não são possíveis. Quando o resultado é omitido, uma
verificação aparecerá na coluna O ao lado do resultado e esse resultado não será
incluído no cálculo estatístico.

3. 77
Resultados omitidos serão exibidos no Gráfico de CQ como um símbolo
“diamante” azul. Não se pode desomitor um resultado uma vez que fora omitido.
Clicando-se no botão Gráfico e Estatísticas permite-se acesso à tela Gráfico e
Estatísticas de CQ (reporte-se à seção 3.3.4).
Clicando-se no ícone Hospedeiro abre-se a tela Comunicação de CQ do

Hospedeiro (reporte-se a seção 3.3.6 a seguir).

Clicando-se no ícone Extrair Resultados, abre-se a tela Extrair Dados de CQ


(reporte-se a seção 3.3.7 a seguir).
Clicando no ícone Impressora, seguido por uma janela de confirmação Quer
realmente imprimir? Sim permite ao operador escolhar imprimir os resultados; Não
cancelará a operação.
Clicando-se no botão Confirmar salva quaisquer mudanças e o sistema volta à
tela Revisão de CQ.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 78
3.3.6 CQ - COMUNICAÇÃO DE HOSPEDEIRO
Clicando-se no ícone Hospedeiro encontrado em ambas as telas Resultados
Cumulativos de CQ e Revisão de CQ abre-se a tela Comunicação do Hospedeiro:

A configuração de Comunicação do Hospedeiro exibida na tela é necessária para


decidir que tipos de resultados de CQ são para ser enviado para qual intervalo de
tempo.
O usuário define o alcance da data primeiro, enquanto escolhe entre:
- “Todo alcance (todo alcance inclui todos os resultados para os testes
selecionados)”.
- “De ... A ...” (Alcance de Dados específicos para enviar).

Se o posterior for selecionado, a data/ hora inicial e a data/ hora final devem ser
definidas.

3. 79
Uma vez que as datas do alcance e dos testes forem escolhidas, o usuário pode,
então, estreitar quais resultados enviar das seguintes escolhas:
- Resultados válidos
- Resultados inválidos
- Resultados não numéricos
- Resultados fora da escala
- Resultados omitidos
- “Transmitido” ou “Não transmitido”
- “Sinalizado” ou “Não sinalizado”

Tocando-se a área da caixa de verificação perto da opção faz-se as seleções;


uma marca de verificação aparece próximo à escolha. Estas opções permitem ao
usuário agrupar os resultados extraídos para facilidade o manuseio: i.e.
Resultados Válidos e Não Sinalizado. As opções de segundo nível também podem
ser combinadas com aquelas para se ver os grupos tais como resultados válidos e
não sinalizados – mas omitidos.
Uma vez que os critérios de extração sejam definidos, o processo começa
clicando-se no botão Iniciar Comunicação.
Clicando-se no botão Cancelar rejeita as mudanças; e o sistema volta à tela
Resultados Cumulativos de CQ ou à tela Revisão de CQ dependendo de qual tela
no ícone Hospedeiro for pressionada.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 80
3.3.7 CQ – EXTRAIR DADOS
Clicando-se no botão Resultados Cumulativos da tela Revisão de CQ, abre-se a
tela Resultados Cumulativos de CQ.
Clicando-se no ícone Extrair Resultados, abre-se a tela Extrair Dados do CQ
(mostrada a seguir) que é quase idêntica à tela Comunicação do Hospedeiro de
CQ.

A configuração dos dados exibidos nessa tela é necessária para decidir qual tipo
de resultados de CQ será extraído e a que intervalos de tempo. A associação ID
do Líquido/ ID do Teste é visível na parte superior da tela.
O usuário define o alcance da data primeiro, enquanto escolhe entre:
- “Todo alcance (todo alcance inclui todos os resultados para os testes
selecionados)”.
- “De ... A ...” (Alcance de Dados específicos para enviar).

Se o posterior for selecionado, a data/ hora inicial e a data/ hora final devem ser
definidas.

3. 81
Uma vez que as datas do alcance e dos testes forem escolhidas, o usuário pode,
então, estreitar quais resultados enviar das seguintes escolhas:
- Resultados válidos
- Resultados inválidos
- Resultados não numéricos
- Resultados fora da escala
- Resultados omitidos
- “Transmitido” ou “Não transmitido”
- “Sinalizado” ou “Não sinalizado”

As seleções são feitas tocando a área de caixa de verificação perto da opção; uma
marca de verificação aparece próximo à escolha. Estas opções permitem ao
usuário agrupar os resultados extraídos para facilidade o manuseio: i.e.
Resultados Válidos e Não Sinalizado. As opções de segundo nível também podem
ser combinadas com aquelas para se ver os grupos tais como resultados válidos e
não sinalizados – mas omitidos.
Uma vez que os critérios de extração sejam definidos, o processo começa
clicando-se no ícone Extrair. Os dados cumulativos para o intervalo selecionado
serão exibidos. Os resultados estatísticos não são atualizados baseados nos
dados selecionados. As estatísticas serão baseadas nos dados default do
intervalo.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 82
3.4 Calibração
O sistema ACL Elite/ Elite Pro requer que certos testes sejam calibrados antes de
ou simultaneamente à análise da amostra. Se um teste com uma calibração
dedicada é pedido e não haja nenhuma curva de calibração na memória, uma
advertência “calibração perdida” será exibida durante a verificação pré-analítica.
Embora as calibrações requeiram o uso de reagentes de testes específicos e
freqüentemente outros materiais específicos, o procedimento de calibração é
comum a todos os testes.
Esta seção contém toda a informação necessária para calibrar os ensaios no ACL
Elite/ Elite Pro, começando com um procedimento resumido para os usuários já
familiarizados com o sistema ACL Elite/ Elite Pro, seguido pelos procedimentos
passo a passo com detalhes específicos sobre as telas, opções, etc.

Características da Tabela de Calibração por Teste

*Ensaios com Paralelismo importam a calibração do mesmo ensaio de fator com


um modo de calibração dedicado.

3. 83
Dedicada significa que uma sessão separada é iniciada para executar uma
calibração. A sessão é iniciada usando-se o menu Calibração. O analisador
armazenará a última curva de calibração executada. A curva é visível sob o
submenu Revisão da Calibração.
Em sessão significa que a calibração é executada na primeira vez junto com as
amostras e, então, salva. Corridas subseqüentes para o teste na mesma sessão
analítica usam a curva salva. Para sessões analíticas futuras, se os calibradores
forem posicionados na bandeja de amostra, a calibração será executada, se não,
a calibração anterior será usada. O sistema armazenará as últimas cinco
calibrações em sessão por teste. As curvas são visíveis usando-se o menu
Revisão de Calibração. A última curva executada fica ativa e em uso.
Cada Rotor significa que cada vez que um rotor é carregado com amostras, à
calibração é executada. O material de calibração é requerido para ser colocado na
bandeja de amostra para cada corrida. Se rotores múltiplos forem processados
dentro de uma sessão analítica, uma calibração será executada em cada rotor.

3.4.1 Procedimento – Resumo de Calibração Dedicada


1. Selecione Calibração da tela Principal da barra do menu e selecione
Calibrar do submenu Calibração.
2. Mova a lista de testes exibida na janela Teste a Calibrar-se no lado direito
de topo da tela e selecione o teste a ser calibrado.
3. Olhe para a janela lateral esquerda ou o Mapa de Materiais e tenha
certeza de que haja em mãos materiais listados para executar-se a
calibração para o teste.
4. Pressione Iniciar para começar a fase de Pré-análise. O ACL Elite/ Elite Pro
verificará a presença dos materiais exigidos; se todos os materiais exigidos
estiverem presentes, a corrida de calibração começará.

3. 84
3.4.2 Salvado uma Calibração – Resumo
No final do ciclo, a Calibração pode ser vista antes de ser salva.
Quando a nova calibração for aceita, a calibração anterior será apagada.
Para calibrações dedicadas só é possível comparar os resultados da nova sessão
de calibração com os da calibração anterior antes de decidir salvá-la ou não. Para
calibrações não-dedicadas, o sistema retém as últimas 5 calibrações na memória.
A mais velha é, automaticamente, cancelada com qualquer corrida de calibração
nova.

Nota: As calibrações devem ser revisadas e aceitadas antes do sistema entrar em


standby.

3. 85
3.4.3 Calibração Dedicada – Detalhes
O processo de calibração é iniciado da tela Principal selecionando-se Calibração
na barra de menu e selecionando-se Calibrar do submenu Calibração. Ela abrirá
a tela Pré-análise de Calibração:
A tela é dividida em várias áreas:
Área do Topo Direita: a janela Teste a Calibrar-se permite ao usuário mover a lista
de testes exibidos e escolhe o teste a ser calibrado. A lista inclui todos os testes
que requeiram uma calibração dedicada.
Área do Topo Esquerda: Uma janela grande exibe a lista de materiais necessários
para executar a calibração para o teste selecionado na janela Teste a Calibrar-se.
Por exemplo, se um teste de PT for selecionado, o Plasma de Calibração, o
Diluente de Fator e a Tromboplastina aparecerão como materiais exigidos.

 Se estiver usando-se um lote novo de quaisquer dos materiais, pressione o


botão Detalhes dos Líquidos no fundo da janela e modifique o número de
lote apropriado.
 Se estiver usando-se um lote novo de Plasma de Calibração, pressione o
botão Detalhes dos Líquidos no fundo da janela e entre o novo valor
assinalado como mostrado na bula do Plasma de Calibração.

Nota: Para a calibração de PT, o valor entrado para o Plasma de Calibração é


100.

3. 86
A janela é dividida em 4 colunas com uma fila por Material. A informação exibida é
a mesma que a entrada quando se define a configuração do material:

-# Número da posição assinalada na Bandeja de Amostra do


ACL (A1-10) ou Posição do Reagente (R #).
- Número de lote Número do lote específico.
- Valor Valor assinalado pelo PRIMEIRO Padrão, como indicado
na bula.

Clicando-se no botão Mapa de Materiais no fundo da janela, abre-se a tela Pré-


análise: Status do Material:

Esta tela exibe o status de reagentes atualmente on-board no sistema, junto com
outra informação do analisador. Reporte-se à seção 3.2.3 para detalhes sobre o
Mapa de Materiais.
Clicando no botão Iniciar do Mapa de Materiais inicia-se a corrida de calibração.

3. 87
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3.4.4 Calibração – Revisar Calibrações


O processo de Revisão da Calibração (clibração dedicada e em sessão) é iniciado
da tela Principal selecionando-se Calibração na barra do menu e selecionando-se
Rever Calibração do submenu Calibração. Isto abrirá a tela Revisão de
Calibração:

Essa tela exibe a data e a hora registradas de todas as calibrações


executadas para cada teste habilitado.
 Calibrações dedicadas: O ACL salvará a última calibração executada.
 Calibração de em-sessão: O ACL salvará as últimas 5 calibrações. A mais
recente será a ativa.

3. 88
As calibrações podem ser apagadas selecionando-se o ID de Teste desejado e a
data/ hora da Calibração, clicando, então, no ícone Apagar.
Clicando no ícone Detalhes no fundo da tela, abre-se a tela Dados de Calibração
(mostrado a seguir).

Esta tela dá ao usuário a habilidade para ver a informação mais importante à


primeira vista relacionadas às corridas de calibração:
- Nome do teste (ID).
- Data e hora quando a calibração foi executada.
- Curva de calibração.
- Coeficientes da Equação da Linha de Calibração.
- Erros (clique no botão Visualização do Erro, veja a seguir).
- Advertências (clique no botão Lista de Advertências, veja a seguir).
- Valor médio dos replicados, as unidades de medida de % de CV.

3. 89
Clicando no ícone Detalhes exibe a informação sobre cada replicado único.

Essa tela permite ao operador revisar a curva de formação de coágulo (ou a


curva de absorbância, dependendo do teste) para cada replicado único,
junto com o valor numérico. Para as curvas de teste de coagulação, o ponto
de coagulação também é exibido.
Replicados individuais podem ser omitidos pressionando-se o botão Omitir
Replicado. O replicado selecionado será removido do cálculo da média.
Permanecerá exibido e terá uma verificação dentro de Omitir Coluna. Pode-se
omitir replicados múltiplos, mas tem de deixar pelo menos um para o cálculo da
curva.
O valor médio para uma calibração é calculado pela média todos os valores
replicados. O replicado mais distante da média é eliminado. Para os
replicados restantes são calculadas as médias. O valor é usado para
construir a curva.
Os dados brutos para o nível do replicado podem ser salvos usando-se o
ícone Disquete. A curva deve ser nomeada. A extensão .crv será
acrescentada, automaticamente, ao nome.

3. 90
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Advertência: Mudando o valor objeto de um calibrador na tela


Setup dos Líquidos depois de uma calibração ser executada, os
resultados na calibração armazenada sendo, automaticamente,
atualizados para refletir o valor novo. Uma mensagem de
advertência é apresentada informando o usuário a calibração
armazenada será atualizada. A calibração deve ainda ser
executada para o teste se a calibração nunca tiver sido
executada usando-se esse lote de calibrador.

Clicando-se no botão Confirmar permitirá ao operador sair da tela e o sistema


volta à tela Dados de Calibração.
Clicando-se no ícone Impressora, a curva de calibração e os dados de calibração

são impressos. Se a curva for composta por segmentos múltiplos, tem de se

imprimir cada segmento individualmente. Se o ícone Impressora for pressionado

enquanto vendo-se as curvas replicadas, então a curva exibida será impressa.

Clicando no botão Visualização do Erro, abre-se a tela de Visualização do Erro


(mostrado a seguir).

3. 91
Clicando-se no botão Lista de Advertência, abre-se a tela Ver Advertências:

O botão Confirmar sai da tela; o sistema volta para a tela Dados de Calibração.

3. 92
Tabela: Número de pontos de calibração usou por teste.
Teste Padrão de Número Total Número de Número Total
Calibração a ser de Pontos de Replicados para de Pontos de
posicionado Calibração cada Ponto Calibração
PT 1 3 6 18
Fib-PT Baseado * * * *
Fib-C 1 3 4 12
Fatores# 2 6 1 6
$
Fatores 1 6 2 12
AT 1 3 4 12
HEP 2 3 4 12
P-C 1 3 1 3
PLG 1 3 1 3
FVIII Cr 1 3 1 3
P-I 1 3 1 3
ProCoag 1 3 1 3
ProS 2 3 1 3
Dímero-D 1 3 4 12
VWF (Ag/ Act) 1 4 4 16

* mesmo número como os testes de PT


# 2 padrões são usados para a calibração de Ensaios de Fator sem Paralelismo:
100% é o Plasma de Calibração como é (limpo) e o Plasma de Calibração de
Fator Baixo é o mesmo Plasma de Calibração diluido 1+15 com Diluente de Fator
(essa diluição tem de ser preparada manualmente pelo operador).
Os Fatores com paralelismo apenas utilizam Plasma de Calibração.
Testes de Fatores com Paralelismos definidos importarão a calibração do mesmo
ensaio sem as diluições do paralelismo. A calibração para este teste requererá 3
cálices vazios durante o ciclo de calibração que será usado para preparar a
diluição do Plasma de Calibração de Fator Baixo.

3. 93
3.4.5 Calibração de Ensaio de Fator para Testes de Não
Paralelismo
Essa informação é válida para todos os 8 ensaios de fator (VII, X, V, II, XII, XI, IX e
VIII *) ao usar a Biblioteca de testes da IL. A curva de calibração para fatores é
dividida em 3 segmentos:
1. Curva Alta: Preparado usando-se Plasma de Calibração com níveis a
100%, 50% e 25%.
2. Curva Baixa: Preparado usando-se Cal F Baixo com níveis que variam de
6.25%, 3.125% e 1.56%.
3. Segmento médio conecta os 25% de segmento um e os 6.25% de
segmento três.

*exclui Fator VIII de Cromogênico

Preparação dos Padrões de Calibração


Para a calibração do ensaio de fator é necessário preparar dois padrões de
calibração:
100% é representado pelo Plasma de Calibração reconstituído; o valor nomeado
específico contido na bula do Plasma de Calibração precisa ser usado como o
valor assinalado por este material e o fator relativo sendo testado.
Cal F Baixo (6.25%) é representado pelo Plasma de Calibração diluido usando-se
1 + 15 Diluente de Fator. O valor nomeado é automaticamente calculado pela ACL
Elite/ Elite Pro dos 100% do valor entrado pelo usuário. O padrão é preparado
pipetando-se 20 µ L de Plasma de Calibração + 300 µL de Diluente de Fator no
cálice de 0.5 ml. Misture bem antes de usar.
Os 100% do Plasma de Calibração é exigido para obter-se uma curva de
calibração válida.

3. 94
Se os 100% do material do Plasma de Calibração não for colocado, uma janela
indicará os materiais perdidos. As opções para abortar ou continuar são
determinadas. Se o usuário escolher continuar, análises de amostra são
executadas embora a calibração não possa ser executada. Os resultados de
amostra são calculados baseados na calibração anterior. As respostas e valores
de atividade (%) são informados. Se não houver nenhuma curva de calibração
armazenada, os resultados somente serão exibidos em segundos.
Se os 100% do material não der um resultado válido, a calibração inteira é
automaticamente rejeitada. Ao revisar-se a calibração, uma mensagem de erro é
exibida. Além disso, nenhuma curva de calibração ou estatística será exibida.
A IL recomenda que 100% do material seja colocado na bandeja de amostra para
cada sessão de Análise de Fator.
O material de Cal F Baixo (6.25%) é um material opcional. É usado para obter os
segmentos da curva de calibração Baixos e Médios.
A seguir é apresentado um resumo das 6 diluições usadas peloa ACL Elite/ Elite
Pro para executar uma calibração de Ensaio de Fator quando todos os 3
segmentos são executados.

Taxa de diluição em Preparação


%
100 Plasma de Calibração não diluído
50 Plasma de Calibração – Diluição feita
automaticamente pelo ACL Elite / Elite Pro
25 Plasma de Calibração – Diluição feita
automaticamente por ACL Elite / Elite Pro
6.25 Cal F Baixo – Preparado manualmente diluindo o
Plasma de Calibração 1+15 com o Diluente de Fator.
3.12 Cal F Baixo – Diluição feita automaticamente pelo ACL
Elite/ Elite Pro.
1.56 Cal F Baixo – Diluição feita automaticamente pelo ACL
Elite/ Elite Pro.

3. 95
3 Segmentos de Calibração: Alto, Médio e Baixo

A curva de calibração para ensaios de fator é composta por 3 segmentos:

O segmento alto é obtido conectando-se aos pontos 100, 50 e 25%


O segmento médio é obtido conectando-se aos pontos 25 e 6.25%
O segmento baixo é obtido conectando-se aos pontos 6.25, 3.12 e 1.56%.

A calibração do ensaio de fator na biblioteca de teste da IL usa os critérios do


modo de calibração de em sessão. Se o Plasma de Calibração não diluído estiver
presente na bandeja de amostra do ACL Elite/ Elite Pro, a calibração do segmento
alto é executada durante a sessão analítica.
Se o Plasma de Calibração não diluído não estiver presente, a calibração Alta
anterior armazenada na memória é usada para o cálculo e o relatório dos
resultados.

Nota: Não coloque o cálice de Cal F Baixo on-board no analisador sem colocar o
cálice de Plasma de Calibração.

Uma sessão analítica é definida como começando com o início e final da


análise e quando o equipamento voltar a Pronto.

Nota: Todos os resultados processados em uma curva de calibração com um erro


em um segmento serão sinalizados com uma advertência “segmento adjacente
inválido.”

3. 96
Curva Alta
No caso de o operador precisar somente da curva alta, é possível executar a
calibração usando-se apenas o Plasma de Calibração não diluído.
O ACL Elite/ Elite Pro executará somente 3 pontos de calibração: 100%, 50 e
25%.
A linearidade varia de fator a fator, mas o equipamento sempre sinalizará um
resultado menor que 60% do ponto mais baixo de calibração.
No caso do menor ponto de calibração ser 25%, todos os resultados abaixo de
15% será sinalizado com um “C” na coluna de Erro e sinalizados com “Resultado
Extrapolado” na Lista de Advertência dos detalhes de Teste.
Se um resultado for maior que 150% do valor de ponto de calibração mais alto, um
“C” será exibido na coluna Erro e sinalizados “Resultado Extrapolado” será
mostrado na Lista de Advertência dos detalhes de Teste.
Por exemplo, se o ponto mais alto da calibração for 100%, todos os resultados
acima de 150% serão sinalizados com um “C” e sinalizados com “Resultado
Extrapolado”.
Se a curva alta não for válida (rejeitada), os resultados em pacientes serão
apresentados somente em segundos.
Se a curva de calibração alta for rejeitada, mas o 100% resultado for um resultado
válido, a curva baixa e os segmentos da curva média serão calculados.
Se os 100% dão um resultado não-válido (i.e. número de erro de xx) as curvas
alta, média e a baixa serão rejeitadas.
Em ambos os casos listados anteriormente a calibração deve ser repetida junto
com o Controle de Qualidade e as amostras de pacientes.
É possível que somente dois pontos (inclusive os 100%) sejam válidos e, nesse
caso, o equipamento apresentará a condição “2 pontos de cal”.

3. 97
Curva Baixa
Se forem requeridos segmentos Altos e Baixos, devem ser calibrados ambos os
segmentos ao mesmo tempo.
Se a curva Alta for rejeitada devido a um 100% resultado não-válido, a Curva
baixa é rejeitada.
Se a Curva baixa é rejeitada (inválido, não monotônicas, etc.), o Alto e os
segmentos de curva Medianos podem ser considerados válidos. A curva de
segmento Mediana deveria ser verificada antes de informar os resultados
pacientes.
É possível que só dois pontos (inclusive os 6.25%) sejam válidos e neste caso o
instrumento apresentará a “2 “cal de ponto condição.
Qualquer resultado fora de seu alcance de Teste especificado como definido na
setup de teste será sinalizada com um “C” na coluna de Erro e “Fora de Alcance
de Teste” será exibida na Lista de Advertência dos detalhes de Teste”.

Curva média
A curva média será calculada quando os segmentos das curvas alta e baixa forem
calibrados ao mesmo tempo e ambos os pontos 25% e 6.25% produzam
resultados válidos.
No caso do segmento alto e baixo não produzir uma calibração válida (i.e.
inclinação fora do alcance), se os resultados do segmento da curva média forem
válidos, o segmento da curva média será calculado. A curva do segmento média
deve ser verificada antes de informar os resultados dos pacientes.
Qualquer resultado fora de seu alcance de teste especificado como definido no
setup de teste será sinalizada com um “C” na coluna de Erro e “Fora de Alcance
de Teste” será exibida na Lista de Advertência dos detalhes de Teste.

3. 98
Verificação não monotônicas
Uma outra verificação feita na calibração é chamada “monotônicas”.
Essa verificação confere se os resultados obtidos em segundos estão procedendo
na mesma direção: de baixo para o alto ou alto para o baixo.
Se um dos pontos em segundos for “não monotônicos”, o segmento inteiro da
curva é sinalizado e rejeitado.
Se o segmento da curva alta for considerado “não monotônico”, os resultados de
amostra serão calculados baseados nos segmentos de curva alta e baixa se
válidos.
Se o segmento da curva baixa for considerado “não monotônico”, os resultados da
amostra serão calculados baseados nos segmentos médios das curvas alta e
baixa se válidos.
Para as duas condições anteriores, a curva deve ser verificada antes de informar
os resultados de pacientes.
Se somente o 100% do calibrador estiver presente e o erro “não monotônicas” for
mostrado, a curva inteira será rejeitada. Neste caso os resultados de amostra
serão calculados baseados na curva de calibração anterior. Se uma curva de
calibração anterior não estiver presente, somente os valores da resposta serão
informados.

Verificação de inclinação
Se a inclinação da calibração exceder o limite de inclinação especificamente
definido para o segmento, o segmento será rejeitado com a mensagem de erro
“Inclinação fora do alcance”.
Amostras corridas nessa condição serão sinalizadas com um “C” junto com a

mensagem “Inclinação fora do alcance”.

3. 99
Verificação de r2
Se r2 da calibração para um segmento específico exceder o limite de r 2 definido
especificamente para o segmento, o r2 será apresentado em vermelho e uma
bandeira “C” com a mensagem “r2 fora do alcance” será apresentada junto com os
resultados da amostra de pacientes.

Bandeiras em resultados de pacientes


Várias bandeiras sobre os resultados de pacientes podem ser apresentadas e são
resumidas na tabela a seguir.

Bandeira Explicação
Fora de Alcance de Teste = o O resultado está fora do alcance de teste para
resultado é exibido em violeta aquele teste específico.
Resultado extrapolado Quando o resultado for maior que 150% do
ponto de calibração mais alto ou menor que
60% do ponto de calibração mais baixo. Aplica-
se a curva alta ou baixa.
Calibração anterior O resultado é calculado usando-se uma
calibração anteriormente armazenada.
Segmento Adjacente inválido Curva de Calibração tem um segmento com um
erro.
Inclinação fora do alcance O resultado é calculado se, pelo menos, o
segmento da curva alto for válido.
R2 fora do alcance O resultado é calculado e uma mensagem de
erro é mostrada (r2 fora do alcance).
Resposta “não monotônicas” O resultado é calculado e uma mensagem de
erro é mostrada (resposta “não monotônicas”).

3. 100
Recomendação:

Se as falhas e resultados do Segmento baixo forem obtidos < 25%, repita a


calibração, o Controle de Qualidade e as amostras pacientes.
Desde que a calibração possa ser corrida simultaneamente com as amostras de
pacientes ou uma calibração previamente armazenada puder ser usada, o
operador deve verificar se todos os segmentos de calibração são válidos e
nenhuma bandeira de calibração está presente antes de validar qualquer
resultado.
Para boas práticas de laboratório, dois (2) níveis de controles devem ser corridos
junto com as amostras de pacientes.
Se uma calibração exibir qualquer bandeira, a boa prática de laboratório sugere
repetir a calibração, o Controle de Qualidade e as amostras de pacientes.
No caso de Fator VIII e/ou IX, o tratamento terapêutico do paciente pode ser
associado aos resultados de teste. Execute a calibração da curva baixa, ao
mesmo tempo em que a calibração da curva alta, para cobrir as concentrações de
fator abaixo de 1.56% do nível.
A estabilidade de uma curva de calibração armazenada deve ser monitorada pelo
uso de, pelo menos, dois níveis de materiais de Controle de Qualidade para cada
dia de teste.

3. 101
3.4.6 Calibração do Ensaio de Fator para Testes de Paralelismo
Os ensaios de fator para os testes com paralelismo importam a calibração do
mesmo fator de teste definido sem as diluições de paralelismo. Esse teste mestre
é calibrado usando-se o modo de calibração dedicado.
Essa informação é válida para todos os ensaios de fator com Paralelismo quando
usar a Biblioteca de Testes da IL. A curva de calibração para fatores é dividida em
3 segmentos:
o A Curva Alta: Preparado usando-se Plasma de Calibração com níveis a
100%, 50% e 25%.
o A Curva Baixa: Preparada usando-se Cal F Baixo com níveis que variam de
6.25%, 3.125% e 1.56%.
o O Segmento Médio conecta os 25% do segmento um e os 6.25% do
segmento três.
A calibração do teste mestre requererá 3 cálices vazios na bandeja de amostra
durante o ciclo de calibração. Esses cálices serão usados para preparar
automaticamente a diluição do Plasma de Calibração para usar como Cal F Baixo.
As amostras que forem processadas com o Paralelismo de Fator processarão as
amostras em três níveis de diluição: 100%, 50% e 25%.

3.4.7 Resultados de Paralelismo do Ensaio de Fator


Introdução
O Paralelismo de fator é uma técnica usada para determinar a influência ou os
inibidores de efeito tem sobre o resultado da atividade do Ensaio de fator de uma
amostra. A possível presença de um inibidor e seu efeito pode ser determinado
analisando-se o Fator usando uma série de diluições. O impacto das diluições
sobre a atividade de fator pode, então,ser observado.
O propósito da função de Paralelismo no ACL Elite/ Elite Pro é ajudar com a
identificação de um inibidor de uma forma fácil, automatizada. O modo de teste de
Paralelismo é um meio do operador criar diluições definíveis.

3. 102
O equipamento executará todas as diluições, executará testes nas diluições e
proverá dados de avaliação nos resultados para ajudar a determinar a presença
de um inibidor.
O software provê as verificaçãos múltiplas dos dados gerados e provê ao operador
valiosa informação para ajudar a identificar a presença de um padrão inibitório.
Algumas verificaçãos incluem comparação ao resultado original não diluído e os
dados de precisão das diluições adicionais.
Executar Paralelismo de Fator é uma característica opcional e se executada
proverá uma Bandeira definível pelo operador para alertar ao próprio operador se
um limite for excedido. Se um inibidor é suspeitado, o teste confirmatório é
sugerido.
Os resultados são obtidos correndo-se uma série de diluições da amostra
semelhante à executação de uma calibração. Amostras corridas usando-se o
paralelismo de fator serão analisadas aos 100%, 50% e 25% níveis. No relatório
cumulativo serão informados os resultados para todas as 3 diluições como Dil 1
(100%), Dil 2 (50%) e Dil 3 (25%). Cada um desses níveis pode exibir os
resultados em segundos, % (Não Calculado) e % de Rec (Recalculado). Os
resultados recalculados serão a % dos valores não calculados multiplicados pelo
fator de diluição.
Além dos resultados indivíduais, o sistema executará cálculos para os seguintes:
- AVeCR% - Média dos três Resultados Corrigidos em % de atividade.
- C.V.-CR% – % de CV das três % dos valores dos Resultados Corrigidos.
Quando este valor exceder o limite no setup de teste, os resultados serão
exibidos em vermelho na tela e um erro impresso no relatório.
- Inclinação. A inclinação para os 3 valores de paralelismo é calculada. Esta
inclinação deve coincidir com a da calibração de teste de fator. No setup de
teste há um limite de Inclinação permissível mínimo e máximo definível pelo
usuário. Quando a inclinação recuperada para as amostras estiver fora dos
limites no setup de teste, os resultados serão sinalizados em vermelho e o
erro “Inclinação fora do alcance” será impresso.

3. 103
- Int – Este valor é o interceptador para a linha baseada nas 3 diluições de
paralelismo de fator. No setup de teste há um limite de Interceptador
permissível mínimo e máximo definível pelo usuário. Quando o valor
recuperado para as amostras estiver fora dos limites, os resultados serão
sinalizados em vermelho e o erro “Interceptador fora do alcance” será
impresso.
- R2 – Este valor é o coeficiente de correlação calculado usando-se os
segundos e a 3 valores da % de diluição de paralelismo de fator (não
corrigido). No setup de teste há um limite R2 permissível mínimo e máximo
definível pelo usuário. Quando o valor recuperado para as amostras estiver
fora dos limites, os resultados serão sinalizados em vermelho e o erro “R2
fora do alcance” será impresso.

Os resultados da amostra com um erro em quaisquer das unidades anteriores


deve ser revisada para a presença de um possível inibidor de fator. Re-testes
adicionais incluindo diluições off-line para níveis maiores podem ser exigidos para
confirmar quaisquer resultados questionáveis.

Exemplo 1:
Discrepância Máxima de Laboratórios ± 10% da média
Concentrações: 100% 50% 25%
Valores: 54.7% 51.5% 46.4%

No exemplo anterior, os resultados de 54.7% e 51.5% têm uma média de 53.1


com 10% de acordo o alcance é de 47.8% – 58.4%. Se os resultados estiverem
fora daquele alcance, uma outra diluição deve ser feita, se estiverem dentro do
alcance estão próximos o bastante do informado. Se todos os pontos entiverem
dentro de 10% de suas médias o valor de 100% da concentração deve ser
informado desde que nenhuma outra bandeira seja vista.

3. 104
O propósito exclusivo de paralelismo é o ajudar na identificação de inibidores. No
caso de um inibidor, a resposta informada deve ser o resultado obtido quando 2
diluições (de CR) estiverem de acordo.

3.5 Referência Analítica


Referência analítica (AR) é o nome associado a um material de controle que é
pretendido para o uso como um verificdor geral do sistema de precisão.
Os resultados de AR são manuseados como os resultados para um material de
Controle de Qualidade.
O gráfico e a lista cumulativa dos resultados estão ambos disponíveis para o AR.
Estes resultados podem ser transferidos a um computador Hospedeiro, impressos
ou arquivados em um disquete.

3.5.1 Referência Analítica: Setup


Para revisar os resultados da Referência Analítica, da tela Principal, selecione
Calibração na barra do menu, então selecione Referência Analítica do submenu
Calibração. Isto abrirá a tela Revisão da Referência Analítica:

3. 105
Essa tela é similar à tela Revisão de CQ.
O usuário pode selecionar o teste desejado da lista de testes habilitados. As
seguintes estatísticas são exibidas, mas não podem ser editadas, à direita da tela:
- Unidade
- Média Atual e Objeto
- SD Atual e Objeto
- CV Atual
- Resultados nas Estatísticas e na Base de Dados (DB),

Se a caixa Uso do AR for verificada, então, o sistema verificará pela presença de


Referência Analítica durante a verificação Pré-Analítica para todos os ensaios.
Remova a verificação da caixa para desabilitar o uso da Referência Analítica para
todos os ensaios. O valor default é para a caixa não ser verificada.
Se o botão Uso do AR for verificado (habilitado) e os perfis forem criados, o mapa
de materiais para o perfil refletirá a necessidade para Plasma de Calibração. Se o
botão Uso do AR for desabilitado mais tarde, os perfis que contém os testes que
usam o AR precisarão ser apagados e recriados.
Clicando-se no botão Setup, abre-se a tela Setup da Referência Analítica (ver
detalhes nesta Seção).
Clicando-se no botão Gráficos e Estatísticas, abre-se a tela Gráfico e
Estatísticas da Referência Analítica (ver detalhes nesta Seção).
Clicando-se no botão Resultados Cumulativos, abre-se a tela Dados de
Referência Analítica (ver detalhes nesta Seção).
Clicando-se no ícone Transferir ao Hospedeiro, abre-se a tela Comunicação AR
do Hospedeiro (ver detalhes nesta Seção).
Clicando-se no botão Confirmar sai da tela.

3. 106
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Clicando-se no botão Setup na tela Revisão da Referência Analítica, abre-se a


tela Setup da Referência Analítica:

3. 107
O ID do Teste selecionado aparece no topo da tela; abaixo dele o operador pode
ver a seguinte informação:
- Unidade.
- Média Atual e SD.
- SD Objeto.
- Alcance de SD
- Resultados na Base de Dados. 10, 100, 500 e 1000 são selecionados.
Qualquer mudança para o número de resultados na base de dados apagará
todos os resultados AR para este teste.
- Nota.

Clicando-se no botão Limpar Estatística, seguido pela janela de confirmação


Limpando os Resultados Cumulativos para este teste? Sim limpa os resultados
cumulativos; Não cancelará a operação.
Clicando-se no botão Confirmar salva as mudanças, enquanto que clicando-se no
botão Cancelar rejeita-se todas as mudanças; em ambos os casos, o sistema
volta à tela Revisão da Referência Analítica.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e; ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 108
3.5.2 Referência Analítica: Gráficos e Estatísticas
Clicando no botão Gráfico e Estatísticas na tela Revisão de Referência Analítica
abre a tela Gráfico e Estatísticas de AR.

Essa tela exibe o Gráfico e a Estatística para o teste selecionado.


A seguinte informação está visível, mas não editável, no extremo esquerdo da
tela:
- Data Inicial e Final
- Unidade
- Média Atual e Objeto
- SD Atual e Objeto
- CV Atual
- Resultados nas Estatísticas e na Base de Dados (DB), as escolhas são 10,
100, 500 e 1000 resultados visíveis.

O gráfico de AR é exibido no extremo direito da tela; os eixos no quadro indicam:


- Eixo X = dias
- Eixo esquerdo Y = média objeto e unidades escolhidas
- Eixo direito Y = SD

3. 109
O display cobre um intervalo de 30 dias; a janela default exibe os resultados para
o último intervalo de 30 dias, mas o operador pode ver os dados anteriores e se
mover usando a barra de paginação.
O cálculo estatístico é feito usando-se todos os resultados no banco de dados.
Para obterem-se as estatísticas para outros intervalos selecionados de de tempo,
clique o botão Selecionar Intervalo e entrar a data inicial e final específica
(dd.mm.aaaa ou de acordo com o formato de data selecionado na configuração
Data e Hora) nos campos específicos da tela Selecionar Intervalo.
O novo intervalo deve ser confirmado clicando o botão Confirmar cujos resultados
no sistema voltam para a tela Gráfico e Estatística de AR ou não confirmado
clicando no botão Cancelar (isto aplica-se somente ao intervalo selecionado).
Clicando no botão Imprimir, abre-se a tela Relatório do Resultado AR com as
várias possibilidades:
Clicando no botão Resultados Cumulativos abre-se a tela Dados de Referência
Analítica (reporte-se à subseção a seguir).
Clicando no botão Confirmar permite ao operador deixar essa tela e voltar à tela
Dados AR.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 110
3.5.3 Referência Analítica: Resultados Cumulativos
clicando-se no botão Resultados Cumulativos ou na tela Revisão de Referência
Analítica ou na tela Gráficos e Estatísticas da Referência Analítica abre-se a
tela Dados de Referência Analítica.

Na parte superior da tela, o usuário vê o ID do Teste selecionado. A parte grande


da tela é usada para exibir os resultados obtidos. Os resultados podem ser
exibidos usando-se a lista que pode ser rolada vertical e horizontalmente; as
colunas mostram os resultados numéricos em todas as unidades configuradas e a
data/hora da análise.
Há também espaço para anotações e colunas para bandeiras e advertências. O
operador pode entrar suas próprias anotações clicando no ícone Nota que abre a
tela Inserir Notas (similar àquela na tela de CQ).
Clicando no botão Confirmar permite ao operador salvar a anotação entrada ou
modificada e sair da tela, voltando para a tela Dados AR.
Clicando no botão Omitir Resultados permite ao operador omitir
permanentemente o resultado selecionado.

3. 111
Antes de omiti-lo, a confirmação é requerida Omitindo resultado ... Você realmente
quer omitir o resultado selecionado? Seleções Sim ou Não são possíveis. Quando
o resultado é omitido, uma verificação aparecerá na coluna O ao lado do resultado
e esse resultado não será usado no cálculo estatístico.
Clicando no botão Gráficos e Estatísticas permite ao operador ter acesso à tela
Gráficos e Estatísticas da Referência Analítica (reporte-se à subseção anterior).
Clicando no ícone Hospedeiro, abre-se a tela Comunicação AR do Hospedeiro
(reporte-se à subseção a seguir).
Clicando no ícone Extrair Resultados, abre-se a tela Dados AR Extraídos
(reporte-se à subseção a seguir).
Clicando no botão Imprimir, abre-se a tela Relatório do Resultado AR com as
várias possibilidades:
- TUDO
- De ... A ...
- Nâo Numérico
- Fora de Escala.
- Omitido.
- Transmitido.
- Não Transmitido.
- Sinalizado.
- Não Sinalizado.

Clicando no botão Confirmar sai dessa tela e volta à tela Revisação da


Referêncio Analítica.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 112
3.5.4 Referência Analítica: Comunicação do Hospedeiro
Clicando-se no ícone Transferir ao Hospedeiro na tela Revisão da Referência
Analítica abre-se tela Comunicação AR de Hospedeiro (similar para a
funcionalidade de CQ).
A configuração da Comunicação do Hospedeiro exibido nessa tela é necessária
para decidir que tipos de resultados AR são para ser enviados e em qual intervalo
eles devem ser transferidos para o Computador do Hospedeiro.
O usuário primeiro define ao alcance dos dados, encolhendo entre:
- “Todo Alcance”.
- “De ... A ...”.

Se o posterior for selecionado, a data/hora inicial e a data/hora final devem ser


definidas.

O usuário pode, também, selecionar se um dado específico de teste deve ser


transmitido entre as seguintes opções:

- “Teste Único”.
- “Todos os Testes”.

O usuário, então, faz uma escolha do segundo nível para cada um dos pares
seguintes:
- Resultados não Numéricos.
- Resultados Fora de Escala.
- Resultados Omitidos.
Algumas seleções do segundo nível estão, também, disponíveis:
- “Transmitido” ou Não Transmitido”.
- “Sinalizado” ou “Não Sinalizado”.

3. 113
Tocando a área perto da opção fazem-se as seleções; uma marca de verificação
aparece próximo as escolha. Essas opções permitem ao usuário os resultados
transmitidos para facilidade de manuseio, i.e. resultados não numéricos e não
sinalizados. As opções de segundo nível possam também ser combinadas com as
de grupos de transmissão tais como resultados não numéricos e não sinalizados –
mas omitidos. Uma vez que os critérios de extração sejam definidos, clicando-se
no ícone Extrair pode-se ativar a extração.
Clicando no botão Cancelar rejeita as mudanças e sai da tela.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3.5.5 Referência Analítica: Extrair Dados


Selecionando-se Referência Analitica do menu Calibração, Resultados
Cumulativos e, então, o ícone Extrair Resultados na tela Dados de Referência
Analítica, abre-se a tela Dados de AR Extraidos (similar à funcionalidade de CQ).
A configuração de dados exibida nessa tela é necessária para decidir que tipo de
resultados AR será extraído e em que hora eles serão extraídos.
O usuário primeiro define ao alcance dos dados, encolhendo entre:
- “Todo Alcance”.
- “De ... A ...”.

Se o posterior for selecionado, a data/hora inicial e a data/hora final devem ser


definidas.

3. 114
O usuário, então, faz uma escolha do segundo nível para cada um dos pares
seguintes:
- Resultados não Numéricos.
- Resultados Fora de Escala.
- Resultados Omitidos.

Algumas seleções do segundo nível estão, também, disponíveis:


- “Transmitido” ou “Não Transmitido”.
- “Sinalizado” ou “Não Sinalizado”.

Tocando a área perto da opção fazem-se as seleções; uma marca de verificação


aparece próxima as escolha. Essas opções permitem ao usuário os resultados
transmitidos para facilidade de manuseio, i.e. resultados não numéricos e não
sinalizados. As opções de segundo nível podem também ser combinada com as
de grupos de transmissão tais como resultados não numéricos e não sinalizados –
mas omitidos. Uma vez que os critérios de extração sejam definidos, clicando-se
no ícone Extrair pode-se ativar a extração.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

3. 115
Setup e Utilidade

4.0 Introdução
A intenção desta Seção é familiarizar o usuário do ACL Elite/ Elite Pro com os
itens incluídos nas porções Setup e Utilidade da Interface do Operador. A
compreensão dos itens e seu uso apropriado são chave a fim de preparar o
sistema para sua ótima operação analítica para manusear dados e para trabalhar
com o software do sistema.

4.1 Setup
A porção Setup do software do ACL Elite/ Elite Pro agrupa todas as funções
relacionadas à definição ou configuração de características ou itens a fim de
adaptar e otimizar o uso do sistema para as necessidades do laboratório antes de
executar as operações analíticas.

4.1.1 Submenu SETUP


Clicando no botão Setup na tela Principal da barra do menu exibirá:
TESTES
- Ver/Definir
- Classificar Testes
- Tabela de Interface
- Testes Default
- Testes de Reflexão
MULTI-TESTES
- Perfis
- Grupos de Testes
- Perfis de Grupos de Testes
- Classificar Multi-Testes
- Multi-Testes Default

4. 1
INTERFACES dos LÍQUIDOS
- Hospedeiro
- Impressora
- Leitor de Código de Barra Interno
- Leitor de Código de Barra Externo
- Teclado
- Rede de Trabalho (escurecido) – não provido nesta versão
- Modem (escurecido) – não provido nesta versão
CONFIGURAÇÃO do SISTEMA
SEGURANÇA
ALARMES AUDÍVEIS
DATA/ HORA
UNIDADES

4.1.2 Setup – Testes – Ver/Definir


Essa área do software é usada para definir e ver testes individuais. O ajuste
default para todos os testes está desabilitado. A biblioteca de testesb pode conter
até 300 testes, 200 reservados para as aplicções da IL e 100 reservados para
aplicações do cliente, até 100 testes podem estar habilitados (ativos) ao mesmo
tempo, independente da mistura.
Selecionando Testes do submenu Setup e, então, escolhendo Ver/Definir abre-se
a tela Ver Teste:

4. 2
A lista de teste, uma caixa retângular, mostrará o número de testes presentes na
Aplicação da Biblioteca. A caixa mostrará dois números; os testes habilitados
seguido pelo número total de testes.
Uma janela grande à esquerda da tela exibe uma tabela de todos os testes
configurados.
Cada teste é identificado por um nome abreviado, ID do Teste, mostrado no lado
direito da coluna. O nome ID do Teste pode ser personalizado na tela de detalhes
de teste. O ID de Teste deve ser único para cada teste.
As duas colunas à esquerda dos nomes dos testes contêm variações, indicando
se cada teste:
- está atualmente habilitado e pronto para correr no ACL
- é uma aplicação de teste pré-definido pela IL.

4. 3
Nota: Testes pré-definidos pela IL foram desenvolvidos e testados
especificamente para uso com os reagentes da IL e novos
suprimentos (i.e. rotores e Lavagem-Referência) para uso no ACL
Elite/ Elite Pro. A performance apropriada dos outros reagentes e suprimentos
incluindo rotores lavados não foram totalmente testados ou verificados e o uso
deles pode causar degradação clinicamente significativa da performance e
resultados. A IL não assume qualquer obrigação ou compromisso de garantia
relativo à pressão e/ou acurácia das medições ou por qualquer dano ao
equipamento resultante, direto ou indiretamente, do uso de reagentes,
consumíveis e outros suprimentos descartáveis que os vendidos por IL.
Toda responsabilidade para o desenvovimento dos parâmetros e
validação dos testes novos ou copiados pertence ao usuário apenas.

O lado direito da tela contém os seguintes campos:


CÓDIGO do TESTE
REVISÃO do TESTE
CÓDIGO do TESTE para o HOSPEDEIRO
NOME EXTENDIDO
MODO de CALIBRAÇÃO

A informação mostrada nesses campos pode ser vista, mas não editada por esta
tela. Vários botões são encontrados em volta desses campos:
Clicando no ícone Detalhes abre-se a tela Detalhes de Teste que permitirá a
edição dos campos (reporte-se à Seção 4.2.2 para detalhes),
Clicando no ícone Imprimir, seguido da confirmação Você realmente quer
imprimir o relatório de teste? Sim permitirá o operador a imprimir o Setup de
Testes do teste selecionado; Não cancelará a operação.
Clicando no botão Habilitar/Desabilitar, seguido pela janela de confirmação
Sim/Não apaga toda a informação relacionada ao teste selecionado da Base de
Dados do Paciente e a Base de Dados do CQ. Se o teste estiver desabilitado,
clicando no botão Habilitar/Desabilitar o habilitará.

4. 4
Clicando na caixa de verificação Mostrar o Habilitado permitirá ao operador ver
somente os testes habilitados. Quando essa caixa de verificação é marcada, a
lista apresentada exibe apenas os testes permitidos. Este ajuste é salvo quando
sair dessa e, também, quando desligar.
Clicando no botão Copiar Teste abre-se a tela Copiar Teste (reporte-se à Seção
4.2.1 a seguir).
Clicando no botão Novo Teste abre-se a tela Novo Teste (reporte-se à Seção
4.2.2 a seguir).
Clicando no botão Apagar, seguido por uma janela de confirmação, apaga toda a
informação relacionada ao teste selecionadoatualmente. Os testes fechados pela
IL não podem ser apagados.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e; ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4.1.3 Setup – Testes – Classificar Testes


Esta área do software é usada para classificar os testes disponíveis no sistema.
Selecionando-se Testes do submenu Setup e escolhendo Classificar Testes
abre-se a tela Classificar Testes.

4. 5
Ao classificar os testes define-se a ordem de exibição dos testes na base de
dados do paciente, a ordem da lista de testes durante a programação e a ordem
dos testes na impressão.
A janela do lado esquerdo da tela exibe uma tabela de todos os Testes atualmente
habilitados; uma marca de verificação à esquerda de um teste indica que ele é um
Teste Classificado.
A janela do lado direito da tela exibe a ordem na qual os testes são classificados.
Os ícones Seta e Tesoura na base da janela são usados para criar uma lista
classificada.
A condição default é para ter os testes em ambas as colunas listadas por ordem
alfabética.
O operador seleciona os testes da caixa de testes classificada e pressiona o ícone
Tesoura; os testes são, então, removidos da janela do lado direito.
Essa operação é necessária porque os testes não podem ser movidos para cima e
para baixo na lista Classificar Testes.
A Seta é usada opara mover um teste da lista esquerda (testes habilitados) para a
lista à direita (classificados) na posição desejada.

4. 6
Os testes são adicionados depois no cursor. Se um engano for cometido, o ícone
Tesoura é usado para remover o teste da lista classificada. Nenhum teste pode
ser adicionado acima do primeiro teste na lista.
Testes habilitados que não forem classificados serão impressos e vistos depois
daqueles que forem classificados.
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Visualizar
Base de Dados/ Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e; ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4.1.4. Setup – Testes – Tabela de Interferência


Muito embora o ACL tenha sido designado para minimizar o transporte do
reagente entre testes, encontrou-se experimentalmente que se executando uma
operação chamada “preparando o reagente” pode-se melhorar a performance do
sistema. A opção Tabela da Interface é usada para ativar essa operação entre
pares de testes.
Selecionando-se Testes do submenu Setup e escolhendo Tabela de
Interferência abre-se a tela Tabela de Interferência, mostrada a seguir.

4. 7
Essa tela contém três janelas:
TESTES com PREPARAÇÃO de REAGENTES no lado esquerdo, que lista os
testes que requeiram uma preparação preventiva da agulha como definido no
Setup de Testes.
TESTES INTERFERENTES no meio, que exibe todos os testes que interferem
com o teste atual iluminado na janela à esquerda (Teste com Preparação de
Reagentes).
TESTES HABILITADOS no lado direito exibem todos os testes habilitados no
sistema.
Se um teste interferente é executado antes de um teste que requeirapreparação
do reagente, a preparação do reagente é executada antes da primeira dispensa do
reagente.
A tabela de testes interferentes é pré-ajustada para os testes pré-definidos pela IL.
Os ícones Seta e Tesoura na base da janela são usados para adicionar ou
remover um teste.

4. 8
Os passos para organizar a tabela de testes interferentes são como se segue:
1. Selecione um teste com a Preparação de Rreagente definida da lista na
caixa à esquerda.
2. Selecione os testes interferentes que afetam o teste iluminado selecionado
no passo 1 da caixa Teste Habilitados.
3. mova o teste selecionado no passo 2 para a coluna de testes interferentes,
usando a Seta. Use a Tesoura para apagar um teste da coluna central.

Na base dessa tela, clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando


no botão Cancelar rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para
a tela Principal.

Advertência:
Depois de executar quaisquer atualizações da biblioteca do
software, é importante verificar a tabela de interferência se tiver tes-
tes definidos pelo cliente. Testes personalizados que interfiram com os testes
fechados pela IL (testes com preparação de reagentes definida) não estarão
por muito tempo ligados na tabela de interferência. Será preciso re-entrar a
interferência.
Preparo do Reagente Testes Interferentes Status depois da atualização
Testes fechados por IL Testes personalizados Depois da atualização – sem ligação
Testes personalizados Testes fechados por IL Depois da atualização – ainda ligados

4.1.5 Setup – Testes – Testes Default


Os testes default são programados nos IDs da amostra sem um teste solicitado da
base de dados interna ou do Hospedeiro.
Se o teste default estiver habilitado, um ID da Amostra com nenhum teste
solicitado (status de N) se tornará o teste default automaticamente programado.
Se os testes estiverem incluídos na sessão Multi-testes ou Testes Únicos
selecionados, eles serão processados.

4. 9
A lista à esquerda mostra todos os testes habilitados. A lista à direita mostra os
testes selecionados como default.
Os ícones Seta e Tesoura na base da janela são usados para adicionar ou
remover um teste.
Selecione os testes a serem adquiridos na lista de testes Default da caixa à
esquerda (Testes habilitados) e pressione a tecla Seta. Os testes selecionados se
moverão para a caixa de testes Default.
Os Testes default podem ser desabilitado/habilitados usando a caixa de
verificação Testes default Habilitados.

Nota: os testes default são adicionados a uma amostra depois de


se verificar a base de dados e se executar uma consulta ao
hospedeiro. Se nenhums dessas verificações resulta em testes
sendo programados em uma amostra, então, os testes default se-
rão adicionados. Os testes default não serão adicionados a uma amostra
corrida anteriormente com os resultados completados. Os testes default não
serão corridos se não estiverem incluídos na sessão atual de testes únicos ou
multi-testes selecionados.

4. 10
4.1.6 Setup – Testes – Testes de Reflexão
Os Testes de Reflexão permitem ao usuário programar e/ou executar um teste
gerado por uma condição do teste master. As lógicas da reflexão são aplicadas
em cada amostra. A verificação da lógica adicional não é executada em resultados
que se originaram em ordens de testes de regras de testes de reflexão.
Até 60 regras podem ser definidas. Uma regra é composta de 1 a 3 condições.
Uma condição pode ser resultado numérico baseado (em uma unidade específica)
ou dependente de erros que ocorreram no teste master (i.e. erro 6, erro 7, erro 12,
etc.).

Cada regra pode programar e/ou executar automaticamente até 10 testes.

Clicando no ícone Detalhes quando o cursor estiver em uma regra específica


todas as condições de teste serão exibidas. Todas elas podem ser modificadas.
Movendo o cursor usando as setas up e down e, então, clicando no botão
Habilitar/Desabilitar selecionar-se-á ou desselecionar-se-á cada uma das regras.
Quando uma regra é habilitada, uma marca de verificação aparece perto do
número da regra. Se uma regra é verificada ela será aplicada (ver Configuração
do Sistema para Ativação de Regras Gerais de Reflexão na Seção 4.1.20).
Clicando no ícone Apagar, apaga a regra.
Clicando no ícone Imprimir, imprime todas as regras de reflexão.

4. 11
Para inserir uma regra, use o ícone Inserir.
Clicando-se no ícone Detalhe, a janela Detalhes das Regras de Reflexão
aparecerá.

O ícone Detalhes permite ver/editar as condições para a regra de reflexão atual.


A janela superior permite a inserção da condição da regra pressionando-se o
ícone Inserir.
A janela Condições da Regra de Reflexão aparece.

4. 12
O teste que gera o teste de reflexão pode ser escolhido da Lista do ID de Testes.
Para a classe de resultados numéricos use o campo Unidade apropriado para
selecionar qual unidade deve ser verificado pela regra.
Duas classes de condições estão disponíveis: valor – baseado nos resultados
numéricos – e erro – baseado no erro que ocorreu.
Para os resultados numéricos, a unidade pode ser selecionada de acordo com o
teste e as unidades definidas no Setup de teste específico.
Então, selecione Comparação em termos de >; =; < para o valor entrado acima.
No campo Valor, depois de clicar o valor na caixa de checagem, entre no valor
numérico para comparação, pressione a verificação verde para confirmar e salvar
a condição.
A segunda classe inclui o erro do resultado (erros de redução de dados), e.g. erro
6, erro 7, erro 12, etc. A maioria dois erros estão baseados nas unidades de
medicação, portanto essa unidade deve ser usada quando definir as lógicas. Veja
Seção 6 - Resolvendo os Problemas para informação adicional sobre cada erro
específico.
Para as condições de erro, é possível agrupar erros múltiplos (até 5) em uma
única regra usando o ícone Selecionar.

4. 13
Mova o cursor sobre o erro a ser selecionado e então, pressione o botão
Selecionar, uma marca de checagem aparecerá fechada para os erros
selecionados. Pressione a verificação verde para confirmar e salvar a condição.
Condições múltiplas são verificadas usando os qualificadores “E/OU”.
Até 3 condições podem ser ligadas pela mesma regra usando-se a opção “E/OU”.
Se a opção E for selecionada, ambas as condições selecionadas devem ser
preenchidas para gerar teste(s) de reflexão.
Se a condição OU for selecionada, somente uma das condições deve ser
preenchida para gerar teste(s) de reflexão.
A parte inferior da tela Detalhes das Regras de Reflexão permite aos testes de
reflexão serem selecionados usando os ícones Setas e Tesouras.
As regras e condições podem ser revistas ou apagadas pressionando-se os
ícones Detallhes ou Apagar.
O ícone Imprimir imprime todas as informações relevantes para todas as regras e
condições armazenadas.
A seguir, alguns exemplos possíveis de regras de reflexão são listados. Essas
regras não representam quaisquer aspectos clínicos particulares, mas somente
exemplos seletivos possíveis.
Cada cliente deve definir suas próprias regras de reflexão. Para a execução das
regras de reflexão, por favor, reporte-se à seção Configuração do sistema.
Exemplos de Regras de Reflexão.
 PT > 50 segundos então PT-e
 PT (seg) = erro 6 então PT
 PT (seg)= erro 7 então PT-e
 APTT > 110 segundos APTT-e
 APTT (seg) = erro 6 então APTT-e
 APTT (seg) = erro 7 então APTT-e
 Fib-C > 600 mg/dL (ou g/L) Fib-C H
 Fib-C > 100 mg/dL (ou g/L) Fib-C I
 Dímero–D > 1050 ng/ml D-D h
 VWF > 150% VWFH

4. 14
Nota: Somente um nível de verificações da lógica das reflexões
é aplicado para cada amostra. Nenhuma verificação adicional da
lógica das reflexões é aplicada aos resultados de testes que
foram adicionados a uma amostra do primeiro nível de
verificação da lógica das reflexões.

A seguinte tabela lista os códigos de erro da curva de reação junto com a unidade
que deve ser usada quando se definir uma lógica de reflexão para aquele erro.

Código do erro Definição Causa Unidade de reflexão


5 Falha Ótica Saturação de ADC Medido
6 Não coagulação Primeiro umbral não Medido
passado
7 Erro de coagulação Segundo umbral não Medido
passado
8 Erro de coagulação Delta tempo entre os Medido
umbrais é maior que o
valor selecionado
9 Erro de coagulação Inclinação inicial da Medido
curva da reação é maior
que o valor selecionado.
10 Erro de coagulação Inclinação finali da curva Medido
da reação é maior que o
valor selecionado
11 Erro do delta final Delta final da reação é Medido
maior que o valor
selecionado
a
12 Erro de coagulação Pico máximo de 1 Medido
derivativa está abaixo do
valor limite selecionado
a
13 Erro de coagulação Pico máximo de 2 Medido
derivativa está abaixo do
valor limite selecionado
14,30 Erro de compensação Valor de compensação Medido
está fora dos limites
31 Erro do Delta de Curva Delta de curva de Medido
reação não encontra
limite especifico para o
teste
32 Linha de base ruidosa Leituras da reação Medido
33 Reação ruidosa Leituras da reação Medido
45 & 46 Média não calculada Um dos dois resultados Medido
de teste não é valido
(resultados não
numéricos)

4. 15
4.1.7 Setup – Multi-Testes – Perfis
Está área do software permite aos usuários definir e ver sua própria escolha de
Multi-Testes (Perfis ou Perfis de Grupos de Testes). Os Perfis de Multi-Testes são
compostos por testes únicos e os Perfis de Grupo de Testes são compostos por
grupos de testes. Reporte-se à Seção 4.1.10 para detalhes sobre o ajuste dos
Perifis de Multi-Testes de Grupo de Testes.
Até 30 perfis de Multi-Testes podem ser criados (números de códigos de 1 a 99).
O mesmo número não pode ser usado para um perfil de multi-teste e em um perfil
de grupo de testes.

Um perfil de multi-testes pode conter um máximo de 20 testes. Um perfil de grupo


de testes pode conter um máximo de 20 grupos de teste.
Selecionado Multi-Testes e Perfis do submenu Setup e, então, escolhendo
Ver/Definir abre-se à tela Visualizar Perfis mostrados a seguir.
A ordem na qual os testes são postos no Perfil é um dos maiores determinantes
da seqüência de análise dos testes quando o perfil é selecionado.

A janela no lado esquerdo da tela exibe uma lista dos perfis definidos, enquanto
que a janela no meio exibe os testes individuais no Perfil iluminado à esquerda.

4. 16
A cada Perfil é assinalado um código numérico (código do perfil: 1-99) e para cada
um há um campo NOTA associada.
As notas podem somente ser vistas nessa tela.
A informação mostrada para esses campos pode ser vista, mas não editada dessa
tela. Vários botões são encontrados perto desses campos.
Clicando no ícone Detalhes abre-se a tela Detalhes do Perfil que permitirá editar
os campos (reporte-se à seção especifica a seguir).
Clicando no ícone Apagar, seguido por uma janela de confirmação Você quer
apagar o perfil atual? Sim permite ao operador apagar o perfil selecionado, Não
cancelará a operação.
Clicando no ícone Imprimir, seguido da confirmação Você realmente quer
imprimir o perfil atual? Sim imprime o Setup do perfil; Não cancelará a operação.
Clicando no botão Novo Perfil permite ao operador acessar a tela Novo Perfil
(reposte-se à seção especifica a seguir)

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

A tela Detalhes dos Perfis


Como já mencionado, quaisquer mudanças a serem feitas para os campos
mostrados na tela Visualizações dos Perfis são feitas pela tela Detalhes dos Perfis
que abrem clicando-se no ícone Detalhes.

4. 17
Nota: Se o usuário desejar definir um NOVO perfil, clicando no
botão Novo Perfil abrirá a tela Novo Perfil que tem campos em
branco a serem cheios (ver a seguir). Desde que a proposta
das telas Novo Perfil e Detalhes do Perfil são muito similares,
elas têm um design idêntico. Quando os campos são
completados na tela Novos Perfil ele torna uma tela Detalhes
de Perfis.

Dois campos na parte superior da tela exibem o ID do Perifl e o Código do Perfil


assinalado. Duas janelas estão localizadas abaixo: a janela esquerda exibe todos
os Testes Habilitados e aquele à direita contém os testes que formam o perfil
selecionado. Os testes que usam uma diluição do cálice ou calibração em sessão
não podem ser colocados em um perfil de multi-testes.
O usuário define os testes no perfil com a ajuda dos ícones Seta e Tesoura para
adicionar e apagar os testes da janela de Testes Habilitados para os testes na
janela de perfis. O campo NOTA a extrema direita é aberto para o usuário
adicionar os comentários desejados (texto livre).

4. 18
O mapa dos materiais é criado automaticamente tão logo os testes Sejam
inseridos de acordo com a posição default dos líquidos do Setup. Se a posição
default do reagente para um mapa do material do perfil estiver ocupada por um
outro reagente, o próximo disponível “como” posição é, então assinalada
automaticamente. Se todas as posições em uma área homogênea R1 a R4, R9 a
R12( ACL Elite Pro somente), R7 a R8, A1 a A10 e R5 a R6, estiverem cheias, o
líquido não pode ser colocado e uma mensagem adverte o usuário de que o teste
não pôde ser adicionado ao perfil.
Uma janela grande na base da tela reposta a informação atualmente armazenada
para este perfil no Mapa dos Materiais:
 ID do Líquido: o nome dos materiais usados para analisar o perfil
selecionado.
 Posição: a posição selecionada (A1...A10 ou R1... R12) para o material
específico do liquido.
 Refrigerado: uma verificação indica que o material líquido selecionado
deve ser mantido a 15oC, posições R1 a R4, R9 a R 12 (ACL Elite Pro
somente).
 Misturado: uma verificação indica que o material líquido deve ser
misturado pela barra de mistura magnética (posições R1 a R4)
 Agulha: indica que agulha (amostra ou reagente) dispensa o material
selecionado.

Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar


rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Visualização
de Perfis.
O ícone Globo permite modificar o nome dos perfis na língua selecionada.

4. 19
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4.1.8 Setup – Multi-Testes – Grupo de Testes


O Grupo de Testes é uma combinação de testes usando o mesmo comprimento
de onda, referência ótica e ciclo de aquisição de dados.
Os Grupos de Testes são pré-definidos por IL. Um usuário pode criar um novo
grupo de teste quando eles estiverem anotados em um nível de segurança de
Gerencia do Lab.
Selecionando Multi-Testes do submenu Setup e, então, escolhendo Grupo de
Testes abre-se a tela Grupo de Teste, mostrada mais adiante.
A janela no lado esquerdo da tela exibe uma lista dos grupos atuais dos testes, “ID
dos Grupos de Teste”, enquanto a janela no lado direitoexibe os testes individuais
no Grupo iluminado.
Cada Grupo de Teste é assinalado um código numérico e à direitahá um espaço
para entrar uma NOTA para cada um. As notas podem ser vistas, mas não
definidas nessa tela.
Vários botões estão localizados em volta dessas janelas:
Clicando no ícone Detalhes permitirá ao operador acessar a tela Detalhes do
Grupo de Teste (reporte-se à seção a seguir).
Clicando no ícone Imprimir, seguido da confirmação Você realmente quer
imprimir o Grupo de Teste? Sim imprime o Setup do grupo de testes; Não
cancelará a operação.

4. 20
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e o sistema volta à tela
Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

A tela Detalhes do Grupo de Teste


Clicando no ícone Detalhes permitirá ao operador acessar a tela Detalhes do
Grupo de Teste mostrado a seguir.
O ID e o código do grupo de teste são exibidos na parte superior desa tela; à
direita há espaço para o usuário inserir notas.
Uma janela grande à esquerda da tela é usada para descrever a seqüência das
operações para cada um dos testes incluidos no grupo de testes específicos,
enquanto que uma janela menor à direita lista os testes habilitados.

4. 21
Clicando no botão Mapa dos Materiais abre-se a tela Mapa dos Materiais do
Teste. Esta tela é usada para verificar o número e as características das posições
onde os reagentes para estes testes estão alocados (refrigerado ou não;
misturado ou não; uso de agulhas de amostra ou reagente). Nota: o Setup dos
materiais líquidos é descrito na Seção 4.1.14.
Clicando no botão Verificação do Material, são exibidas as ações a serem
tomadas pelo equipamento quando um nível baixo do líquido é detectado. As
ações podem somente ser mudadas depois de um grupo de testes ser
inicialmente salvo.

4. 22
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e o sistema volta à tela Detalhes
do Grupo de Testes.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Criando um Novo Grupo de Testes


O usuário pode criar grupos de teste quando eles estiverem anotados em um nível
de segurança de Gerencia do Lab. Quando criar um novo grupo há vários itens
que precisam ser considerados para os testes serem compatíveis no grupo.
- O grupo de teste deve ter um mínimo de um teste.
- Os testes podem utilizar o mesmo comprimento de onda.
- Os testes devem ter ajustes de Setup de Aquisição similares. O tempo de
aquisição atual não tem de ser o mesmo, no entanto, os ajustes da mistura,
da rampa e inter-rampa devem ser os mesmos.

4. 23
- O tempo para pipetar o segundo teste no grupo deve ser menor que o
tempo de incubção para o primeiro teste.
- O grupo de testes pode ter um RP (Reagente Prime) e isso ocorre como a
primeira aspiração no grupo.
- O grupo de testes pode ter um ciclo CL (Limpa) no final do grupo.
- O grupo pode ter somente uma Referência Ótica e/ ou passo de
Referência.
- A tela do material de verificação pode somente ser modificada depois de
um grupo de teste ser salvo.

Clicando o botão Novo Grupo de Testes abrirá uma tela Detalhes do Grupo de
Testes em branco.

- A caixa Valor Máximo das Amostras Habilitadas permite limitar o número


de amostras que podem ser processados quando usar esse grupo. Para os
testes fechados por IL, esse campo pode ser editado no nível de segurança
do Serviço.

4. 24
- A lista dos testes habilitados é exibida na caixa Testes Habilitados. Ilumine
o teste desejado e mova o teste para dentro do grupo usando o ícone Seta.
Repita o passo para todos os testes desejados no grupo. Note se o
segundo teste e todos os testes subseqüêntes que forem adicionados
dentro do grupo estão colocados abaixo dos anteriores.
- Uma vez que todos os testes sejam colocados dentro do grupo, então é
necessário modificar a seqüência dos passos de pipetagem. Quando
estiver fazendo isso, é preciso considerar os itens tais como as operações
similares agrupando ou movendo os passos de pipetagem, assim, eles
ocorrem durante as incubações.
- A próxima coisa a ser considerada é o relógio do tempo de incubação. Para
os passos com um tempo obrigatório de “ajustar cronômetro” é preciso ter
de “esperar até o cronômetro expirar” para prosseguir. Se tiver dois passos
simultâneos com o “ajuste de cronômetro”, o sistema respeitará a hora para
o primeiro passo quando encontrar o “esperar até o cronômetro expirar”.
Nesse caso, o segundo cronômetro é ignorado se ambos os testes forem
corridos.
- Passos excessivos de referência ótica devem ser apagados. O grupo
somente requer um.

ID do Grupo de Teste: Entra um nome de ID para o grupo (8 caracteres alfa-


numéricos).
Código do Grupo de Testes: Entra um único valor numérico entre 501-999.
Amostras Duplas: Uma verificação nessa caixa iniciará todos os testes a serem
executadosem duplicadopara este grupo.

Notas: Este campo pode ser usado para comentários de textos livres sobre o
grupo de teste.

4. 25
Mapa dos Materiais: exibe o mapa dos materiais para o grupo.
Assinalar Número do Passo: pressionando-se esse botão exibe uma janela que
permite mudar o número do passo para o passo atual iluminado.
Adicionar Passo: esse botão abre-se a janela que permitirá programar um novo
passo para o grupo.

Reporte-se ao Setup de definição de testes para detalhes sobre o preenchimento


nessa tela.
Clicando o botão Confirmar salva as mudanças.
A tabela seguinte contém a lista dos grupos de testes fechados pela IL e os testes
contidos dentro deles.

4. 26
4.1.9 Setup – Multi-Testes – Perfis do Grupo de Testes
Esta área do software permite aos usuários definir e ver suas próprias escolhas de
grupos de testes a serem corridos nas sessões analíticas de multi-testes.
Até 30 perfis de Multi-Testes podem ser criados (números de código de 1 a 99).
Cada perfil pode conter um máximo de 20 combinações de testes cada. Ao
número máximo atual de testes será capaz de adicionar dependendo das posições
de reagentes disponíveis.
Selecionando Perfis de Multi-Testes e Grupo de Testes do submenu Setup e
então escolhendo Novo Perfil de Grupo de Testes abrirá a janela mostrada a
seguir.

4. 27
A janela no lado esquerdo da tela exibe a lista de Grupos de Testes definidos,
enquanto a janela no meio exibe os grupos de testes no perfil atual.
A cada perfil está assinalado um ID de Perfil (8 caracteres alfa-numéricos no
máximo), código numérico (código do perfil: 1-99) e para cada um há um campo
de nota associado.
O usuário define os grupos de testes no perfil com a ajuda dos ícones Seta e
Tesoura para adicionar e apagar os grupos da janela esquerda para a janela
direita. O campo NOTA no extremo direito está aberto para o usuário adicionar os
comentários desejados (texto livre).
O mapa dos materiais é criado automaticamente tão logo o grupo de testes seja
inserido de acordo com a posição default dos líquidos do Setup. Se a posição
Default para um reagente já estiver ocupada por um outro reagente, o próximo
disponível “como” posição é automaticamente assinalado. Se todas as posições
em uma área homogênea R1 a R4, R9 a R12 (ACL Elite Pro somente), R7 a R8,
A1 a A10 e R5 a R6 estiverem cheias, o líquido não pode ser colocado e uma
mensagem adverte o usuário que o grupo de testes não pode ser adicionado ao
perfil.

4. 28
- ID do Líquido: o nome dos materiais usados para analisar o perfil
selecionado
- Posição: a posição selecionada (A1... A10 ou R1... R12) para o material
específico do líquido.
- Refrigerado: uma verificação indica se o material líquido selecionado deve
ser mantido a 15ºC, posições R1 a R4, R9 a R12 (ACL Elite Pro somente)
- Misturado: uma verificação indica se o material líquido selecionado deve
ser misturado pela barra de misturar magnética (posições R1 a R4)
- Agulha: indica qual agulha (amostra ou reagente) dispensa o material
selecionado.

Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar


rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela visualização
de perfis.
O ícone Globo permite modificar o nome dos perfis na língua selecionada.

A tela Detalhes de Perfis de Grupos de Testes:


Como mencionado anteriormente, quaisquer mudanças a serem feitas nos
campos mostrados na tela visualizações de perfis são feitas pela tela detalhes de
perfis a qual abre-se clicando no botão Detalhes.

4. 29
Nota: desde que a proposta das telas Novo Perfil e Detalhes de
Perfis são muito similares elas têm um design idêntico. Quando os
campos são completados na tela novo perfil, ela torna-se uma tela
Detalhes de Perfis.

Clicando no ícone Apagar, seguido pela janela de confirmação Você quer apagar
o perfil atual? Sim permite ao operador apagar o perfil selecionado; Não cancelará
a operação.
Clicando no ícone Imprimir, seguido pela janela de confirmação Você realmente
quer imprimir o Perfil Atual? Sim imprime o Setup do perfil selecionado; Não
cancelará a operação.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4. 30
4.1.10 Setup – Multi-Testes – Classificar Multi-Testes
Essa área do software é usada para a espécie de perfis de testes definidos no
sistema. Perfis de grupos de testes que não estão na lista classificada de tipos
não serão visíveis quando correr os modos sob análise. O operador precisa
somente escolher os perfis, os grupos de teste e os perfis de grupos de testes que
correrá.
Selecionando Multi-Testes – Classificar Multi-Testes do submenu Setup abre-se a
tela Classificar Multi-Testes, mostrada a seguir.

As 3 janelas do lado esquerdo da tela listam Perfis, Grupos de Testes e Perfis de


Grupos de Testes. Um marcador de verificação no lado esquerdo indica que item
está na lista de perfis classificados.
A janela na parte direita da tela exibe todos os perfis classificados.
Os ícones Seta e Tesoura são usados para classificar perfis e grupos. Quando o
operador seleciona a entrada e pressiona o ícone seta, o perfil/ grupo é copiado
de uma posição a outra na lista de perfis classificados no lado direito da janela. Se
um erro é cometido, o ícone tesoura é usado para remover o perfil da lista
classificada. O perfil é inserido abaixo do cursor. Os perfis que não estão
classificados não serão visíveis no menu de análise abaixo da seleção.

4. 31
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Visualização
de Perfis.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4.1.11 Setup – Multi-testes Default


A seleção do Perfil Multi-Testes Default determina os testes que podem ser
corridos e seu Setup associado de mapa de materiais quando um usuário ativa
uma corrida usando o ícone correr da tela de base de dados principal.
Selecionando Multi-Testes do submenu Setup e escolhendo Multi-Testes
Default abre-se a tela grupos de itestes, mostrada a seguir.

4. 32
A caixa à esquerda lista todos os perfis de Multi-Testes e Grupo de Testes
criados. Escolha a seleção Default desejada da lista e mova-a para a coluna à
direita usando a seta. Se você quiser mudar o perfil Default selecionado, use o
ícone tesoura para remover. Para habilitar os Multi-Testes Default faça uma
verificação na caixa. Os testes desejados para correr ainda precisam ser
programados em uma amostra mesmo que os Multi-Testes Default estejam
habilitados.

4.1.12 Setup – Líquidos


Esta área do software permite ao usuário definir e ver o Setup para todos os
materiais líquidos necessários para correr os testes no ACL Elite/ Elite Pro. O
sistema armazenará 300 líquidos dos quais 200 são reservados para uso da IL e
100 são habilitados ao operador para definir.
Selecionando Líquidos do submenu Setup abre-se a tela Setup dos líquidos.

Uma lista dos líquidos pré-definidos pela IL já está armazenada no software.


Esta tela exibe as características atualmente configuradas no sistema.

4. 33
- ID do Líquido: o nome curto dos materiais líquidos. Para líquidos de
controle este ID pode ser todo numérico (caracteres de 1 a 10). Este é o ID
do controle enviado para o hospedeiro se o analisador estiver interfaceado.
Todos os outros líquidos devem ter IDs alfa-numéricos.
- Nome por Extenso: o nome completo do material dos líquidos (máximo 15
caracteres alfa-numéricos).
- Número do Lote: o número do lote do material.
- Data de Validade: a data de validade que é mostrada no rótulo do frasco. É
possível usar a data de validade como uma função das advertências do
mapa do reagente (ver mapa do reagente na sessão 3.2.3)
- Estabilidade on-board: a estabilidade como afirmada na bula. É possível
usar o valor da estabilidade on-board para cronometrar a estabilidade de
tempo real como uma função das advertências do mapa do reagente (ver
mapa do reagente na sessão 3.2.3). Entre um número seguido por h para
horas e d para dias.
- Volume Atual: quantidade de líquido (em mL) remanescente do recipiente
dependendo do reagente específico usado (não editável para esta tela).
- Volume Assinalado: quantidade de líquido (em mL) em um recipiente novo
antes de iniciar-se a sessão analítica (volume default como definido no
rótulo do produto)
- Volume de Advertência: quantidade de líquido (em mL) sob as quais as
cores da posição do mapa de materiais e o ícone do mapa de reagente
mudarão de verde para laranja. Este campo deverá ser preenchido para
todos os reagentes a serem monitorados.
- Tipo de Líquido: calibrador, controle, reagente, solução.

Esta tela também exibe uma tabela “usado por” mostrando os testes para os quais
cada material é usado. Nessa tabela, o usuário pode também registrar os valores
ISI. Para os calibradores, o usuário pode entrar o valor assinalado para o padrão
como reportado na bula do produto.

4. 34
Os valores assinalados do ISI e Plasma de Calibração podem ser inseridos
clicando no botão Valor Assinalado e entrando valor ou com o teclado ou com o
teclado numérico. O ajuste Default para todas as atribuições está em branco. O
usuário deve entrar os valores do calibrador e o valor ISI antes da corrida no
analisador. O valor do calibrador para a corrida de teste PT do laboratório deve ser
posto para 100. O valor ISI é encontrado na bula do reagente PT e é específica do
lote.

Nota: cada vez que o valor ISI for modificado, todos os resultados usarão o
novo valor ISI para calcular o INR. O valor ISI entrado deve estar dentro do
alcance do ISI especificado, como definido nos detalhes de líquidos para o
reagente PT.
Nota: o Setup do leitor do código de barras externo opcional
permite ao operador configurar o sistema para automaticamente
reiniciar a estabilidade on-board e/ou o volume assinalado cada vez
que um rótulo de frasco é lido. Reporte-se à seção 4.1.16 para mais
detalhes.
Nota: para os testes de PT fechados pela IL, o valor do ISI entrado para o teste
primário PT é automaticamente importado para os testes secundários (i.e.,
testes estendidos – e - assim como duplos - d). Essa opção está também
disponível para testes de PT do cliente (não fechada por IL). Reporte-se à
seção 4.2.6 para mais detalhes.
Nota: cada vez que o valor meta do plasma de calibração for modificado, as
calibrações armazenadas para os testes são automaticamente atualizadas e
todos os resultados futuros são calculados de acordo com o novo valor
assinalado.

4. 35
Um campo Notas está disponível para o usuário entrar comentários (texto livre).
Clicando no ícone Detalhes abre-se a tela Detalhes do Líquido que provê mais
detalhes sobre o material selecionado (reporte-se aos detalhes específicos a
seguir).
Clicando no botão Novo Líquido abre-se a tela Novo Líquido para usuário entrar
as características de um novo material (reporte-se aos detalhes específicos a
seguir).
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Visualização
de Perfis.
Clicando no ícone Imprimir e confirmando a seleção, o relatório dos líquidos é
impresso.
Clicando na caixa de verificação Mostrar Habilitados, a lista de líquidos à
esquerda será reduzida para somente exibir os líquidos usados pelos testes
habilitados. Se a caixa mostrar habilitados for verificada, os líquidos de CQ não
estarão visíveis na lista. Para ver os líquidos de CQ remova a verificação na caixa.
Uma janela de advertência se abre depois de uma mudança que é feita em
qualquer campo: os parâmetros dos líquidos foram mudados. Você quer salvá-los
antes de prosseguir? O operador deve selecionar Cancelar, Sim ou Não.
 Cancelar: a janela é fechada; o novo valor entrado é exibido, mas não
salvo ainda.
 Sim: a janela é fechada e as mudanças são salvas.
 Não: a janela é fechada, as mudanças entradas são apagadas e o valor
salvo anteriormente é exibido.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4. 36
ACL Elite/Elite Pro – Notas da INR do Boletim Técnico Importante
Fórmula INR
INR = (PT do Paciente/ PT do Normal)ISI

PT do PACIENTE = PT do Paciente em segundos


PT NORMAL = Média* do Alcance Normal (no ACL Elite/Elite Pro isso é chamado
de Valor de Referência)
Valor ISI = Índice de Sensibilidade Internacional do lote atual do reagente de
tromboplastina sendo usado.
Para assegurar relatório apropriado dos resultados de INR, essas etapas devem
ser seguidas:
1. Tenha certeza de que o equipamento esteja no modo PRONTO. Do
MENU de SETUP selecione o SUBMENU LÍQUIDOS, então selecione o
REAGENTE de TROMBOPLASTINA (ID do LÍQUIDO) apropriado da
lista no lado superior esquerdo da tela.
2. Selecione teste de PT que use esse reagente de Tromboplastina e
clique no VALOR ASSINALADO.
3. Entre o VALOR de ISI do Lote de Tromboplastina em use e selecione
Confirmar duas vezes para entrar o valor. Tenha certeza de que todos
os testes de PT usando a mesma Tromboplastina importem a atribuição
de ISI apropriada. Vários TESTES de PT usando a mesma
Tromboplastina podem estar presentes, tais como tempo de aquisição
de PT estendido, padrão de PT duplicado e de PT estendido e
duplicado. Esses testes importarão o valor do teste padrão.
NOTA: O valor de ISI é específico para o número de lote do reagente de
tempo de protrombina sendo usado.

4. 37
4. Do MENU SETUP selecione VER/ DEFINIR TESTES. Selecione o
TESTE de PT apropriado e clique em detalhes.
5. Selecione SETUP do CÁLCULO e o equipamento mostrará no lado
direito da tela à seleção do VALOR de REFERÊNCIA. Isso representa a
média do valor normal da população em segundos, que é usado como
um denominador no CÁLCULO da TAXA de INR.
6. Assegure-se de que o valor entrado nesse campo represente a MÉDIA
do ALCANCE NORMAL da POPULAÇÃO de PT local. Esse valor é
editável e pode ser modificado para refletir o alcance médio normal
estabelecido pelo laboratório.
7. Confirme todos os testes de PT usando o mesmo lote de tromboplastina
para a taxa/ INR que será calculado usando o mesmo valor em
segundos como denominador (MÉDIA do ALCANCE NORMAL da
POPULAÇÃO).
8. O equipamento usa a seguinte fórmula para o cálculo da taxa.
CÁLCULO DA TAXA = PLASMA DO PACIENTE (segundos)
VALOR DE REFERÊNCIA (segundos)
O valor de Referência significa MÉDIA da POPULAÇÃO NORMAL
(segundos). MÉDIA do ALCANCE NORMAL da POPULAÇÃO = Tempo de
PT médio Normal = Média do Alcance Normal do Paciente (segundos) como
recomendado no Documento CLSI C28A, Vol. 15, No. 4.

9. O INR será então calculado como segue:


INR = (PT Paciente/ PT do Valor de Referência)ISI
Usando-se a característica do Valor de Referência, o denominador usado no
cálculo da Taxa do INR refletirá acuradamente a Média do Alcance Normal da
População.
* ou Média Geométrica

4. 38
ADVERTÊNCIAS IMPORTANTES:
* Se o cálculo do INR não estiver apropriadamente configurado, então
resultados de pacientes errados podem ser reportados.
* Se o número do lote do produto muda, então o novo valor de ISI do pacote
deve ser entrado.
* No ACL Elite/Elite Pro a tela e impressão mostram/ reportam as unidades
de Taxa e de INR separadamente.

Tela de Detalhes dos Líquidos:


Clicando no botão Detalhes na tela Setup dos Líquidos abre-se a tela Detalhes
dos Líquidos. Ela permite acesso a muitas informações sobre um material de
líquidos selecionado.

A informação nessa tela pode ser vista, mas não editada. A única exceção é a
Posição Default para os líquidos da IL somente. A informação provida nesta tela é:
- ID do Líquido (ID máximo de 10 caracteres alfa-numéricos)
- Código do Líquido (números válidos para os líquidos definidos pelo usuário
são 501 – 999)
-

4. 39
- Tipo de Líquido (Calibrador, controle, reagente, solução)
- NOME por EXTENSO (nome com no máximo 15 caracteres alfa-numéricos)
- POSIÇÃO DEFAULT (deve coincidir com as três seleções seguintes)
- ACESSANDO AGULHA
 Amostra: Válido para posições A1 – A10 e R7 - R8
 Reagente: válido para as posições R1 – R6 e R9 – R12
- REFRIGERADO (caixa de verificação) – o Líquido deve usar agulha do
Reagente e estar colocado em R1-R4 ou R9-R12 (ACL Elite Pro somente)
- MISTURADO (caixa de verificação) - o Líquido deve usar agulha do
Reagente e estar colocado em R1-R4
- Valores mínimo e máximo de ISI para um Reagente
- LÍQUIDOS da IL (disponível para uso da IL somente)

Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar


rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela visualização
de perfis.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Tela Novo Líquido


Clicando no botão Novo Líquido na tela Setup dos Líquidos abre-se a tela Novo
Líquido. Esta é a tela onde o operador entra toda a informação pertencente a um
novo material de líquidos a ser usado no sistema ACL que será exibido nas outras
telas.

4. 40
Os seguintes campos são “abertos” pelo operador para entrar os dígitos alfa-
numéricos desejados (campos com o * são obrigatórios).
- ID do LÍQUIDO* o nome abreviado do material (10 caracteres). Para
líquidos de controle somente, esse ID pode ser todo numérico.
- NOME POR EXTENSO: o nome completo do material (15 caracteres alfa-
numéricos).
- CÓDIGO do LÍQUIDO*: o código numérico do material (os códigos da IL
são reservados de 1 a 500; os códigos do usuário são de 501 a 999).
- NÚMERO do LOTE: o número do lote do material (8 caracteres).
- DATA de VALIDADE: a data de validade que é mostrada no rótulo do
frasco. O sistema monitorará esta data e alertará o operador na tela sessão
histórico de erros quando a data do líquido expirar.
- VOLUME ASSINALADO: quantidade de líquido (em mL) presente em um
novo recipiente antes de iniciar-se a sessão analítica (volume default como
definido no rótulo do produto).
- VOLUME de ADVERTÊNCIA: quantidade de líquido (em mL) sob as quais
as cores da posição do mapa de materiais e o ícone do mapa de reagente
mudarão de verde para laranja. Este campo deverá ser preenchido para
todos os reagentes a serem monitorados.

4. 41
- ESTABILIDADE ON-BOARD: a estabilidade como afirmada na bula. O
tempo pode ser entrado usando-se as seguintes abreviações: h = horas e d
= dias (i.e. 24h ou 1d).
- Valor Mínimo de ISI: Se esse líquido é definido como um Reagente, o valor
mínimo aceitável de ISI para o reagente pode ser entrado.
- Valor Máximo de ISI: Se esse líquido é definido como um Reagente, o valor
máximo aceitável de ISI para o reagente pode ser entrado.

Nos seguintes camposperador deve escolher entre as opções dadas:


- ACESSANDO A AGULHA*: amostra (agulha externa) pode aspirar soente
de A1a A10 e R7 e R8. O Reagente (agulha interna) pode somente aspirar
de R1 a R6 e de R9 a R12 (ACL Elite Pro somente).
- POSIÇÃO DEFAULT*: A1 a A10 ou R1 a R8 ou R9 a R12 (ACL Elite Pro
somente). Posição default pode ser modificada também para Líquidos da
IL, mantendo o as características de exigência do líquido (refrigeração,
mistura, agulha, etc.)
- TIPO DE LÍQUIDO*: calibrador, reagente, controle ou solução.

Nas seguintes duas áreas, o operador deve “verificar” na caixa de verificação se o


líquido requer a característica on-board (verificar = Sim):
- REFRIGERADO (deve usar a agulha do reagente e as posições R1-R4 e
R9-R12)
- MISTURADO (deve usar agulha de reagente e posições R1-R4)
- LÍQUIDO DA IL (obscurecido)

Desde que somente as primeiras quatro posições da área do reagente (R1 ... R4)
podem ser refrigeradas e misturadas (no ACL Elite Pro refrigeração adicional
somente nas posições e localizações na área de R9 a R12), uma janela de
advertência aparece se o operador tenta definir um Setup impróprio (i.e. um
líquido é colocado na posição R5 e o operador observa a caixa de verificação
“Refrigerado”).

4. 42
A advertência lê:
Setup do Líquido inválido. O Setup do líquido específico é inválido e não pode ser
armazenado. Por favor, corrija o Setup antes de salvar.

Se o material líquido for um “liquido pré-definido da IL”, uma outra caixa de


verificação é automaticamente verificada; essa caixa não pode ser editada,
significando que um “líquido do usuário” não pode ser identificado como um
“Líquido da IL”.
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Setup dos
Líquidos.
O ícone Globo permite modificar o nome dos perfis na língua selecionada.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4.1.13 Setup – Interfaces – Hospedeiro


Esta área do software permite ao usuário definir algumas características da
comunicação entre o ACL Elite/ Elite Pro e o computador hospedeiro ao qual está
interfaceado.
Selecionando Interfaces do submenu Setup e selecionando Hospedeiro abre-se a
tela Setup do Hospedeiro, mostrada a seguir.

4. 43
Dois campos nesta tela permitem ao operador definir:
- TAXA BAUD – as escolhas são: 2400, 4800, 9600, 19200 ou 38400.
- TRANSMISSÃO de DADOS AUTOMÁTICA (TX) – as escolhas são: “não
requerida”, “amostra do paciente” ou “Amostras de CQ, AR e de paciente”.

Selecionando transmissão automática de dados, a transmissão dos resultados é


feita no final de cada corrida de teste durante a sessão analítica.
Outros botões na tela são “verificados” pelo operador se a característica for
desejada (verificar = sim):
- CONSULTA do HOSPEDEIRO
- APAGAR AUTOMATICAMENTE depois da TRANSMISSÃO (TX)
selecionando-se o apagar automático não permitirá a re-transmissão dos
resultados na vez final.
- ID ÚNICO do EQUIPAMENTO (um dígito entre 1 e 99 pode ser definido)

Os testes baixados dos LIS que estiverem desabilitados no analisador não serão
exibidos na base de dados.
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Setup dos
Líquidos.

4. 44
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Para informação adicional na comunicação do hospedeiro, reporte-se ao Apêndice


A (Protocolo de Comunicação do Hospedeiro) localizado no final desse manual.
Reporte-se à Seção 2.5 para detalhes na configuração do alfinete de cabo.

4.1.14 Setup – Interfaces – Impressora


Esta área do software permite ao usuário para configurar a impressora externa
opcional ACL Elite/ Elite Pro.
Selecionando Interfaces do submenu Setup e selecionando impressora abre-se a
tela de Setup da Impressora.

4. 45
Na extremidade superior da tela, o operador define:
- AMOSTRAS IMPRESSAS: quaisquer testes apenas analisados
(independentemente do status da amostra) ou apenas o completado (status
da amostra está completado).
- TIPO de RELATÓRIO: cumulativo (amostras múltipla por página) ou
relatório da amostra (amostra simples por página)
- PROTOCOLO de IMPRESSORA: ESC/P2 (para Epson como impressoras)
ou hp-pcl (para HP como impressoras)
- DIMENSÃO do PAPEL: A4 (210 x 297 mm) ou carta (216 x 280 mm/ 81/2 x
11 polegadas)
- FORMATO DO PAPEL: folha única ou folha contínua

Uma verificação na caixa Impressão Automática indica que esta característica é


desejada.
Impresão automática ocorre no final de cada corrida dentro de um rotor de acordo
com o critério selecionado (qualquer analisador, completado; cumulativo ou rlatório
de amostra).
O usuário define a áre de DADOS DO RELATÓRIO DA AMOSTRA pressionando-
se o botão Habilitar;desabilitar. As escolhas são: o nome do equipamento, os
alcances normais e a data/hora.
Clicando o botão Cabeçalho Personalizado permite mais personalizado do
relatório provendo 5 linhas de 30 características cada de texto livre para o usuário
como entrado na tela cabeçalho personalizado.
Nas telas Setup da impressora e Setup do cabeçalho personalizado, clicando-se
no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar rejeita as
mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Setup da impressora.

4. 46
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Nota: O ACL Elite/ Elite Pro dá suporte o uso de um paralelismo da


conexão USB para a impressora externa. Se a conexão USB for
usada, a impressora deve ser conectada e ligada antes para o siste-
ma ser começado. Se a impressoraestiver desligada enquanto o equipamento
estiver ligado, o analisador dever ser reiniciado a fim da impressão ocorrer.

4.1.15 Setup – Interfaces – Código de Barra Interno


Essa área do software permite ao usuário configurar o leitor de código de barra
interno usado para a identificação da amostra no sistema ACL Elite/ Elite Pro.
Selecionando Interface do submenu Setup e selecionando Código de Barra
abre-se a tela Setup do Código de Barra:
O primeiro passo é para ativar o leitor de código de barra interno clicando-se na
caixa de verificação LCB interno habilitado visto no topo da tela.
Os quatro campos visíveis na tela correspondem às quatro famílias de códigos de
barra que possam ser ativados no ACL junto com seus subtipos correspondentes
de códigos de barra.
Para cada campo, o usuário deve escolher uma das opções de acordo com as
necessidades do laboratório, como mostrado a seguir.

4. 47
CODABAR: Desabilitado
Sem verificação de soma
AIM Mod 16
NW7 Mod 11
NW7Mod 16

CÓDIGO 39: Desabilitado


Sem verificação de soma
Mod 43

INTERFÓLIO 2 de 5: Desabilitado
Sem verificação de soma
USS mMod 10
OPCC Mod 10

CÓDIGO 128: Desabilitado


Sem verificação de soma

4. 48
Clicando-se no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e; ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4.1.16 Setup – Interfaces – Código de Barra Externo (opcional)

O leitor de código de barra externo é uma opção que permite aos códigos de barra
do frasco do reagente ser lido quando o mapa do material é exibido. Clique no
botão BCR Externo Habilitado para habilitar a característica.
A caixa abaixo Código 128 provê duas seleções: Habilitado, sem verificação de
soma.
Reajuste o volume do reagente quando escaneado: verificando esta caixa
reajustará automaticamente o volume do reagente no mapa para o volume default
definido para o líquido.

4. 49
Reajuste o cronômetro qando escaneado: verificando esta caixa ajustará
automaticamente o cornômetro de estabilida de on-board para o valor default
definido para o líquido. Se o cronômetro da pausa é verificado para um reagente,
quando o rótulo do frasco for lido, não verificará o botão pausa. Se o frasco for lido
uma segunda vez, nesse ponto, o cronômetro e o volume serão reiniciados.
Estabilidades on-board e volumes de líquidos default devem ser definidos para qie
as duas opções listadas anteriormente estejam funcionais.
Quando o mapa do material é exibido, o leitor de código de barra externo está
ativo. O leitor de código de barra pode se rusado para ler o rótulo nos reagentes. A
posição para se colocar o frasco on-board no sistema ficará piscando. Se a data
de validade do número do lote for inválida uma mensagem de advertência será
exibida.

Notas:
- o dispositivo de código de barra foi testado de acordo com a segurança
EN60825-1 LED e foi certificado por estar sob os limites de um dispositivo
de Classe 1 LED.
- O alojamento do escaner não é impermeável, portanto não submerja o
escaner na água. O alojamento e a janela do escaner devem ser limpos
com um pano suave de tecido facial umedecido com água ou água com
detergente suave. Não limpe o escaner ou janela com alcool ou solventes.

4.1.17 Setup – Interfaces – Teclado


Essa área do software permite ao usuário configurar o teclado padrão do ACL
Elite/ Elite Pro para a língua usada no laboratório e para decidir sobre o uso do
teclado numérico da tela.
Selecionando Interface do submenu Setup e selecionando Teclados abre-se a
tela Setup do Teclado.

4. 50
A janela nesta tela seleciona:
- TIPO de TECLADO: inglês (britânico), francês, alemão, italiano, espanhol
ou inglês norte-americano.
- TECLADO NÚMERICO: desabilitado, todos os campos numéricos ou todos
os campos numéricos e ID da amostra.

Clicando-se no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar


rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Setup do
Teclado.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4. 51
4.1.18 Setup – Interfaces – Rede de Trabalho
Não provida nesta revisão de software.

4.1.19 Setup – Interfaces – Modem


Não provida nesta revisão de software.

4.1.20 Setup – Configuração do Sistema


Essa área do software permite ao usuário configurar algumas das características
do sistema do ACL Elite/ Elite Pro.
Selecionando Configuração do Sistema do submenu Setup abre-se a tela
Configuração do Sistema:

Esta tela permite ao usuário selecionar as opções preferidas para os segintes:


LISTANDO a BASE de DADOS do PACIENTE: define a ordem das amostras do
paciente na base de dados; 4 opções estão disponíveis.
1. Último paciente entrado está no topo
2. Última entrada está no final
3. ID da amostra em ordem ascendente
4. ID da amostra em ordem descendente

4. 52
As opções 1 e 2 estão baseadas na data/hora da entrada da amostra e as opções
3 e 4 estão baseadas na classificação alfa-numérica do ID da amostra.

LISTANDO BASE de DADOS do CQ/AR: define a ordem dos materiais de CQ na


base de dados; último material entrado está no topo ou o último entrado está no
final.
STATUS de REFLEXÃO: se as regras são definidas no Setup/testes/testes de
reflexão, três opções estão disponíveis: programar reflexão somente, executar
reflexão antes de fechar a sessão, desabilitar. Para informação adicional, por favor
reporte-se à seção 4.1.7.
 Programar reflexão somente: adicionar os testes para o ID da amostra, mas
não executar a análise. O teste permanecerá pendente até ser executado
em uma sessão subsequente.
 Eexecutar reflexão antes de fechar a sessão: programa testes e executa-os
durante a sessão atual que provê os testes serem definidos dentro da
sessão de perfil atual em uso.
 Desabilitar: desliga toda programação de reflexão e teste.

LINGUA ATUAL: inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou japonês (kanji).


Reinicie o analisador depois de mudar o Setup da língua. Entre no livro de registro
(logbook), arquivo e sessão de histórico de erros não são atualizados para
entradas antes da mudança de língua, data e hora.
TELA DEFAULT: quando o sistema inicia pode ser selecionado das seguintes
duas telas como a tela inicial: visualização da base de dados ou pré-análise dos
multi-testes (pré-análise da última sessão de multi-testes é exibida).
CIXA de VERIFICAÇÃO do SENSOR do LÍQUIDO: habilitar/desabilitar o uso do
sensor de nível do líquido da amostra e da sonda.
CAIXA de VERIFICAÇÃO de EMULSÃO LAVAGEM-REFERÊNCIA:
habilitar/desabilitar o uso desse sensor.

4. 53
Advertência: se os sensores de líquidos e sensor de lavagem-
referência estiverem desabilitados uma mensagem de advertência e
um bandeira em todos os resultados será apresentado. Se o sensor
do líquido estiver desabilitado, o operador deve cuidadosamente
monitorar o volume dos líquidos e amostras para assegurar que
quantidades adequadas sejam apresentadas para teste. A transmissão
automática dos resultados para o hospedeiro estará desabilitada quando os
sensores estiverem desabilitados. No final de cada sessão uma caixa
instantânea alertará o operador para confirmar se suficiente amostra/reagente
permanece on-board no analisador. Depois da confirmação dos volumes, o
operador pode iniciar um carregamento manual dos resultados para o
hospedeiro. Quando o sensor estiver re-habilitado, a comunicação com o
hospedeiro será automaticamente reativada.
REM habilitado: habilitar;desabilitar o uso do Módulo de Mudança do Rotor.
Não aplicável para o ACL Elite. Quando o REM estiver desabilitado, o
operedor pode usar o sistema de carregamento manual dos rotores.

Clicando-se no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar


rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4. 54
4.1.21 Setup – Segurança
Essa área do software permite ao Chefe do Laboratório configurar o nível de
privilégio para os usuários (supervisor ou operador) e definir os Ids e senhas para
todo o pessoal que usar o ACL Elite/ Elite Pro.
Até 99 usuários podem ser definidos na área de segurança.
A primeira operação a ser executada pelo chefe do laboratório é a definição do
nível de entrada para os outros dois grupos de usuários.

O chefe de labaratório, usando sua senha, terá acesso ao botão Visualização do


Chefe de Laboratório.
Nota: é aconselhável na instalação do sistema entrar um novo ID de Chefe de
Laboratório e senha.
Clicando no botão Visualização do Chefe de Laboratório, uma tela onde
supervisor e operador acessem a definição aparecerá.

4. 55
Nessa tela, para cada menu/submenu, o nível de entrada pode ser definido pelo
chefe de laboratório de acordo com as necessidades específicas do laboratório.
NÍVEL: o menu de navegação seleciona o nível a definir-se: supervisor ou
operador.

Nota: o chefe de laboratório deve definir os níveis de acesso à tela para o


supervisor e operador. Definindo-se sem acesso no nível supervisor para um
submenu não exclui automaticamente acesso no nível operador.

Para cada menu/submenu o chefe do laboratório tem três opções básicas:


 Nenhum acesso
 Acesso, ver* somente.
 Acesso, editar*

* O V e E listado sob a columa Ambiente prontoaguardam para Ver e Editar.

Nenhum acesso significa que não será possível entrar em um menu ou submenu;
a opção estará obscurcida.

4. 56
Acesso, ver* somente significa que o acesso é possível. As telas podem ser
vistas, mas nenhuma modificação poder ser executada.
Acesso, editar* significa que o acesso é possível e a capacidade de editar está
disponível (dependendo do tipo de tela).

Selecionando o ícone Detalhes depois de escolher o menu/submenu, a tela acima


aparecerá
Na caixa de Modo de Acesso, o chefe do laboratório pode definir o Acesso/ Não
acesso para o menu/submenu específico.
Se a opção Acesso for escolhida, o chefe do laboratório pode, então, definir Ver
Somente ou capacidade de Editar para o menu/ submenu selecionado.
Quando o novo usuário tiver de ser entrado no sistema, o botão Novo Usuário
tem de ser escolhido da tela principal Entrar em Segurança.

4. 57
A próxima tela aparecerá.

Nessa tela a informação seguinte precisa ser entrada.


NOME do USUÁRIO: digite o nome do usuário (deve ser único). É aconselhável
manter o nome curto (mínimo 3 e máximo 15 caracteres) como será usado para
anotar no sistema.

4. 58
NOME do USUÁRIO por EXTENSO: digite o nome por extenso do usuário para
diferenciar os usuários (máximo 20 caracteres).
NÍVEL: o chefe do laboratório definirá para cada usuário o nível de entrada:
- Chefe de lab.
- Supervisor
- Operador

SENHA: o novo usuário entrará sua senha.


CONFIRMAR SENHA: re-entrar a mesma senha para confirmação.
A senha tem de ser de no mínimo 3 e no máximo 9 caracteres.
Quando entrando no sistema o Nome do Usuário e a Senha serão requeridos.

É recomendado que, quando o sistema não estiver em uso para finalização


(usando-se a tecla do ícone) requerendo ao próximo usuário entrar.
Quando usando o sistema Segurança/ Senha, todas as operações importantes
serão anotadas no Livro de Registro (ver Seção 5 – Diagnóstico).

4. 59
4.1.22 Setup – Alarmes Audíveis
A tela Setup Alarmes Audíveis permite aos laboratórios habilitar/desabilitar o
alarme sonoro para várias condições do sistema.
Selecionando Alarmes Audíveis do menu Setup abre-se a tela seguinte:

3 Alarmes Sonoros são prefixados pelo Analisador, chamados: A, B, C.


Os alarmes audíveis podem ser habilitados/desabilitados para as condições
seguintes:
- FIM da SESSÃO ANALÍTICA (Alarme A)
- STATUS do PORTADOR (Alarme B): Esta condição ocorre durante uma
interrupção STAT, quando o teste atual em progresso for completado.
- STATUS de FALHA (Alarme C): Condição de Erro do Sistema encontrado.
- REAGENTE INSUFICIENTE (Alarme B): Falta de reagente durante a
sessão analítica.
- EMULSÃO de LAVAGEM-REFERÊNCIA INSUFICIENTE (Alarme B):
Garrafa de Lavagem-Referência está vazia.
- ALCANCE de CQ fora de SD (Alarme B): Alerte quando uma falha de CQ
ocorrer no sistema.
- PERDA do MATERIAL/CALIBRAÇÃO antes da ANÁLISE COMEÇAR
(Alarme B): Material perdido observado durante verificação pré-analítica.

4. 60
- PERDA de MATERIAL/ PERDA de AMOSTRAS (Alarme B): Perda de
Material ou Amostras observadas durante verificação pré-analítica.
- REUTILIZAÇÃO do ROTOR (Alarme B): Mapa do cuvette físico para o rotor
não corresponde com o mapa lógico, o operador tem de entrar/confirmar
posições de cuvette.

Mova o cursor para a Condição de Alarme Audível desejada e pressione o botão


Desselecionar para habilitar/desabilitar o alarme para esta condição.
Se o alarme é habilitado, ele soará a um intervalo de 60 segundo para até uma
hora.

4.1.23 Setup – Data/Hora


Esta área do software permite ao usuário configurar o formato da Data e fixar a
Data e Hora atual para o uso em todas as telas apropriadas e impressões do
sistema ACL Elite / Elite Pro.
Selecionando Data/Hora do submenu Setup abre-se a tela Data e Hora:

4. 61
FORMATO de DATA: neste campo o usuário escolhe entre as opções seguintes:
dd.mm.aaaa (estilo europeu)
aaaa.mm.dd (estilo japonês)
mm.dd.aaaa (estilo dos EUA)

A fim de fixar a data e hora, dois campos numéricos estão disponíveis.


Clicando-se no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Advertência: mudando a Data para uma data anterior pode provocar


impacto no resultado (Paciente, CQ, Calibração & AR) da operação
FIFO do banco de dados. Resultados processados em datas mais
distantes da data de sistema atual serão as primeiras a serem
apagadas automaticamente.

4.1.24 Setup – Unidades


Esta área do software permite ao usuário configurar as unidades usadas para
temperatura no sistema ACL Elite / Elite Pro.
Selecionando-se Unidades do submenu Setup abre-se a tela Unidades:

4. 62
O campo UNIDADE de TEMPERATURA tem as opções seguintes: °C ou °F.
Clicando-se no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

4. 63
4.2 Setup – Testes - Definir
Esta área do software é usada pra ver e definir testes.

Advertência: Depois de definir um novo teste ou copiado teste, os


ajustes do teste devem ser impressos e verificados para confirmar a
entrada correta. A IL não assume nenhuma responsabilidade pela
performance de testes fechados não pela IL no analisador. Cada
laboratório tem de verificar e confirmar a validade e os resultados
dos testes definidos pelo usuário.

Selecionando Testes do submenu Setup e, então, escolhendo Ver/Definir abre-se


a tela Ver Testes.

No topo da lista de teste, uma caixa retangular mostrará o número de testes


presentes na Biblioteca de Aplicação. A caixa mostrará dois números: os testes
habilitados e o número total de testes.
A janela grande à esquerda da tela exibe uma tabela de todos os testes
configurados.

4. 64
Cada teste é identificado por um nome abreviado, ID do Teste, mostrado na
coluna lateral à direita. Ambas as colunas à esquerda dos nomes de teste contêm
verificações para indicar se cada teste:
- está atualmente Habilitado e pronto para ser corrido no ACL.
- é um teste pré-definido fechado pela IL.

Advertência: Testes pré-definidos pela IL foram desenvolvidos e


testados especificamente para uso com os reagentes HemosIL™
e os suprimentos providos por IL para uso no ACL. Elite/Elite Pro.
A própria performance de outros reagentes e materiais não foi
testada ou verificada completamente e o uso deles pode causar
degradação clinicamente significativa de desempenho e
resultados.
A IL não assume qualquer obrigação ou compromisso de garantia relativo à
precisão e/ou acuracidade das medições ou por qualquer dano ao
equipamento resultante direta ou indiretamente do uso de reagentes, artigos
de consumo (novos ou lavados) e materiais descartáveis diferentes desses
vendidos por IL.
Toda a responsabilidade para desenvolvimento de parâmetro e a
validação de testes novos ou copiados pertencentes ao usuário apenas.

O lado direito da tela contém os campos seguintes:


CÓDIGO do TESTE
TESTE de REVISÃO
CÓDIGO do TESTE para o HOSPEDEIRO
NOME por EXTENSO
MODO de CALIBRAÇÃO

4. 65
A informação mostrada nesses campos pode ser vista, mas não editada dessa
tela. Vários botões encontram-se ao redor desses campos:
Clicando no ícone Detalhes abre-se a tela Detalhes de Teste que permite editar
os campos (reporte-se à seção específica a seguir).
Clicando no ícone Impressora, seguido por uma janela de confirmação Quer
realmente imprimir? Sim permite ao operador escolhar imprimir o Setup do Teste
do teste selecionado; Não cancelará a operação.
Clicando no botão Habilitar/Desabilitar, seguido por uma janela de confirmação
Sim/Não, apaga toda a informação relacionada ao teste selecionado do Banco de
dados do Paciente e do Banco de dados de CQ. Se o teste for desabilitado,
clicando no botão Habilitar/Desabilitar o habilitará.
O banco de dados de teste pode conter até 300 testes; 200 reservados para
aplicações da IL e 100 reservados para aplicações personalizadas; até 100 testes
podem ser habilitados (ativos) ao mesmo tempo.
Clicando na caixa de verificação Mostrar Habilitados permite ao operador ver
somente os testes habilitados da tabela de teste. Quando esta caixa de verificação
é marcada a lista apresentada é relativa aos testes habilitados. Esta informação é
salva saindo dessa tela e também na força.
Clicando Apagar apaga somente os testes abertos (personalizados); os testes
pré-definidos pela IL não podem ser apagados.

4. 66
4.2.1 Copiar Teste
Clicando no botão Copiar Teste abre-se a tela de Copiar Teste.

O campo superior indica o "Teste a ser Copiado"; a lista contém todos os testes
presentes no banco de dados de teste.
O campo NOVO ID de TESTE permite ao operador nomear o teste novo (8
caracteres no máximo). Este é um campo obrigatório.
O campo NOME por EXTENSO permite ao operador para nomear o teste novo
com um nome mais detalhado (15 caracteres no máximo).
O ampo CÓDIGO de TESTE para HOSPEDEIRO representa o código numérico
para a comunicação do Hospedeiro (quatro caracteres no máximo).
CÓDIGO de TESTE é um campo numérico único (quatro caracteres no máximo).
Este é um campo obrigatório. O alcance do código de teste aceitável para testes
fechados não pela IL está entre 501 e 999.
REVISÃO de TESTE ajuda o operador para manter o rastro das mudanças na
aplicação. O número deve ser digitado manualmente (4 caracteres no máximo).
O botão Confirmar/Cancelar salva ou rejeita as mudanças e o sistema volta à
tela Ver Teste.

4. 67
4.2.2 Setup – Detalhes de Testes
A tela Detalhes de Teste é mostrada abaixo. Para novos testes, os campos serão
em branco, enquanto aqueles para testes copiados conterão os ajustes do teste
original que foi copiado.

Nos novos detalhes de teste, a informação seguinte está acessível.


 ID do Teste – 8 caracteres
Este campo é editável para todos os testes inclusive os pré-definidos pela IL. O ID
do TESTE deve ser único para cada teste. O ID do TESTE é usado para ordenar
os testes como também revisar os resultados (i.e. coluna de ID do TESTE).
O ID do TESTE é impresso no relatório cumulativo.
Pelo menos um caráter alfa-numérico é obrigatório.
 Código do Teste – 3 caracteres
Este campo é editável em um teste aberto, mas não nos testes fechados pela IL.
Números disponíveis para os ensaios abertos são de 501 para 999

4. 68
 NOME de TESTE por EXTENSO – 15 caracteres
Este campo é editable no testes aberto da IL.
Este campo é impresso no relatório de amostra.
Pelo menos um caráter alfa-numérico é obrigatório.
 CÓDIGO de TESTE para HOSPEDEIRO – 4 caracteres (editáveis)
Este campo é editável para todos os testes.
Este campo representa o Código para Transmissão ao Hospedeiro
 REVISÃO de TESTE – 4 caracteres
Este campo é editável em um teste aberto.
Formato é de 0.00 a 99.99.
 MODO de CALIBRAÇÃO – Uma das opções seguintes pode ser
selecionada:
- Nenhuma: nenhuma calibração é precisada para este teste.
- Uma vez por Sessão: este teste não tem um ciclo de calibração
dedicado; a calibração é executada com a sessão analítica e é
armazenada e usada para análise adicional.
- Cada rotor: Este teste não tem um ciclo de calibração dedicado; a
calibração é executada para cada sessão analítica dentro do rotor. A
calibração prévia pode ser revisada, mas não pode ser usada para
análise adicional.
- Dedicado: Este teste tem um ciclo de calibração dedicado e que esta
calibração pode ser armazenada.
 IMPORTAR CALIBRAÇÃO – Uma das opções seguintes pode ser
selecionada:
- Nenhuma: nenhuma importação de calibração é necessária para
este teste
- Lista de Teste Pendente: Se for necessário importar uma calibração,
escolha o teste da lista de teste exibida. Apenas os testes habilitados
com uma calibração definida aparecerão.

4. 69
 IMPORTAR DADOS BRUTOS de – As opções seguintes podem ser
selecionadas:
- Nenhuma: Este teste não importa dados brutos de qualquer outro
teste.
- Lista de teste Pendente: se for necessário importar os dados brutos,
escolha o teste da lista de teste exibida. Todos os testes são
exibidos.

Selecione Alcances da tela Setup de Teste para modificar a unidade reportanda


na opção, os alcances para a unidade selecionada e a escala do eixo Y das
curvas de reação.

Nota: Quando definir um teste novo os Alcances devem ser


entrados depois de todas as subseções (Análise, Calibração,
Aquisição e Cálculo) do Setup de teste a serem definidos.

4. 70
A tabela Alcance e Unidades contêm a informação seguinte.
- Mostrar em lista da amostra: Se a unidade foi verificada (Sim), a unidade
é exibida no banco de dados do paciente e impressa.

Nota: Esse ajuste não tem nenhum impacto na transmissão de


resultados para um sistema do Hospedeiro. Todas as unidades
para um teste são sempre transmitidas, apesar do ajuste nessa
caixa de verificação.

- Parâmetros de Correção: Se qualquer fator de correção for aplicado a


uma unidade específica, um asterisco aparecerá.
- Unidade do Resultado: Unidades que estiverem disponíveis no teste
selecionado (de 1 para 4).
- Alcance Normal: Define o alcance normal para cada unidade. Valores
mínimos e máximos podem ser digitados. O alcance
normal é usado para sinalizar os resultados dos
pacientes. Na tela, os resultados são exibidos em preto
quando dentro do Alcance Normal; os resultados são
exibidos em violeta quando fora do Alcance Normal; na
cópia impressa um asterisco será impresso (perto dos
resultados fora do alcance normal)..
- Alcance de Teste: Define o alcance de teste para cada unidade (i.e.
Alcance de Linearidade). valores mínimos e máximos não
podem ser editados nos testes de aplicações da IL, mas
podem ser editados nas aplicações personalizadas. O
alcance de teste é usado para sinalizar os resultados de
pacientes. Valores fora do Alcance de Teste são exibidos
em vermelho; na cópia impressa esses resultados serão
impressos em negrito.

4. 71
 Alcance da escala: Alcance numérico reportado para o teste. Valores
numéricos fora do alcance de escala alta são
apresentados como asteriscos (***) e valores fora do
alcance baixo são apresentados como hífenes (---).
Valores mínimos e máximos não podem ser editados nas
aplicações de teste da IL, mas podem ser editados nas
aplicações personalizadas.
 Gráfico de Curva de Reação: Define o eixo Y da curva de reação (valores
mínimos e máximos). Se os campos forem deixados em
branco, o sistema se auto-escalará baseado nos dados
brutos obtidos.

O Valor de Referência é entrado na seção de Setup de Cálculo.


O valor é usado para R (Razão) e o cálculo de INR para os testes. Este valor é o
denominador do R e do cálculo de INR e devem representar o tempo médio da
população normal para o teste selecionado.
O valor de referência para o padrão de teste pode ser importado automaticamente
nos testes relacionados secundários. Por exemplo, o valor de referência de PT
(teste padrão) será automaticamente importado para os testes PTe, PTd e PTed
(secundário). A importação automática está imbutida nos testes fechados pela IL.
Para testes não fechados pela IL esta característica pode ser usada se os testes
estiverem organizados para assim o fazer. Reporte-se à seção de Setup do
Cálculo para mais detalhes.
Clicando no botão Correção da Unidade é possível corrigir as unidades dos
resultados baseadas em uma equação matemática.
As unidades calculadas para os testes podem ser corrigidas nesta tela (i.e. %, R,
INR, g/L, mg/dL., U/mL, etc.), enquanto que as unidades primárias (i.e. segundos,
delta, absorbância, etc.) podem ser corrigidas na Seção 4.2.6 – Cálculo. Os
resultados de teste fechados pela IL cujos parâmetros de correção foram entrados
para a unidade primária (medido) exibirão Correlação de Laboratório Aplicada na
caixa da lista de advertências quando a curva de coágulação for exibida.

4. 72
Até 3 intervalos de correções baseados nos alcances dos resultados podem ser
ativados.
A correção é representada pela fórmula seguinte:

Y = mX + q

onde m representa o declive e q o interceptador no eixo de Y.


X é o resultado original e Y é resultado corrigido.

Valores de Intervalos mínimos e máximos representam o alcance da unidade onde


é esperada que a correção esteja ativa. Os valores para estes campos devem ser
números positivos dentro do alcance de teste para o teste selecionado.
Para os coeficientes "m" de "q" coeficientes de valores positivos e negativos
podem ser entrados.
A definição dos Parâmetros de Correção (quando não definidos pela IL nas
Aplicações de Teste Fechadas pela IL) usada é a responsabilidade pessoal do
laboratório.

4. 73
Advertência: Modificação dos parâmetros de correção para as
unidades calculadas nos Testes fechados pela IL (i.e. Dímero-D
Alto) não é recomendado. Uma caixa de mensagem é exibida para
alertar ao usuário se tentar mudar as colocações.
A seqüência de operações indicada quando um teste novo é criado é o
seguinte.
1. Análise: carregando Setup
2. Calibração: carregando Setup
3. Setup de Aquisição
4. Setup de Cálculo
5. Setup de Alcances

Advertência: Quando uma aplicação nova é definida, por favor


considere que maiores mudanças para o Setup dos passos da
Análise (i.e. adicionando ou removendo passos), o Setup dos
passos de Calibração (i.e. adicionando ou removendo pontos de ca-
libração) e o Setup de Aquisição (i.e. mudar o tempo de aquisição) apagará
todas as condições de Setup de Cálculo. Isto é feito para prevenir as
condições de possíveis inconsistências de testes. Por essa razão, é
importante assegurar que o Carregamento da Análise, Carregamento de
Calibração e o Setup de Aquisição está correto antes de definir o Setup do
Cálculo.

É aconselhável antes de qualquer mudança seja feita para um teste aberto novo
ou copiado, imprimir os parâmetros a fim de ter uma referência para usar quando
re-entrar do Setup de Cálculo é preciso.
Quando uma nova aplicação é definida, por favor, considere que as menores
mudanças de do Setup dos passos de Análise (i.e. mudança de um nome de
líquido ou volume em um passo existente) e o Setup dos passos de Calibração
(i.e. mudança de um nome de líquido ou volume em um passo existente) não
apagarão as condições de Setup de Cálculo.

4. 74
4.2.3 Análise – Setup de Carregando
Análise: Fluxo da Tela de Setup de Carregamento

Legenda:
Teste details: detalhes de teste
Cleaning: limpeza
Calibration loading Setup: Setup de carregamento de calibração
Reagent priming: preparação do reagente
Step Setup (single step): passo da organização (passo único)
Material check: verificação do material
Parameters (sample line): parâmetros (linha da amostra)
Parameters (reagente line): parâmetros (linha do reagente)

4. 75
Clicando no botão Análise: Setup de Carregamento permite o usuário ver/editar
o Setup dos reagentes e da amostra nas bandejas durante análise.

Esta tela é usada para definir todos os passos necessários para levar-se a cabo a
análise.

ID de Teste: neste campo o ID de teste previamente definido é exibido. Este


campo está presente em todas as telas do Setup de teste.
Cálices Vazios no Anel Exterior a partir do Número da Posição: este campo só
é usado quando for necessário colocar um cálice vazio (0.5mL) na bandeja de
amostra para o propósito de pré-diluição.
Replicações do Pontos de Calibração: ver campo somente; definido em Setup
de calibração.
Caixa de Verificação das Amostras Duplas: verificar esta caixa para correr
testes em modo duplicado. Verificação do valor médio está habilitado sob o Setup
de Cálculo.

4. 76
Passo: é a ordem da execução da análise.
Botão Adicionar: este botão é usado para definir em detalhes todos os passos da
análise. Um único passo é a ação de aspiração/dispensa dos líquidos. Um passo
pode ser levado a cabo pela agulha de amostra e a do reagente ou por ambas. O
resultado final de um passo é a conclusão de um escopo.

Vários escopos podem ser selecionados:


- Referência óptica (Emulsão de Lavagem-Referência) para ser usada com
as definições de canal de 660 nm e 405 nm.
- Referência (em testes de Absorbância) para ser usada com a definição de
canal de 405 nm.
- Amostra
- Amostra a (amostra ativada como em teste de APCR-V)
- Amostra 1, 2, 3 (Para uso com paralelismo de fator)
- Referência analítica
- Referência analítica a (referência analítica ativada como no teste APCR-V)

Os ícones Seta/Tesouras adicionam ou apagam um escopo possível.

4. 77
A lista do "escopo possível" apresentada nessa tela é apenas um exemplo;
seleções reais possíveis escopos são indicadas no texto anteriormente.
Quando o escopo é definido, é necessário definir qual agulha será usada para
aspirar/dispensar os líquidos.
O botão Parâmetros para entrar na linha da Amostra ou do Reagente abre a
janela Parâmetros do Setup dos Passos.

Os parâmetros de carregamento para a Amostra e Reagente pode ser definida


como Sem Carregamento, Sem Diluição, Em Diluição de Linha ou Em Diluição
de Cálice.

Nota: Um volume máximo de 10 microlitros é sempre


automaticamente adicionado a cada condição total do passo na
linha da amostra, assim como na linha do reagente para todas as
três condições: sem diluição, na diluição de linha e na diluição de
cálice. Todos os volumes dos líquidos devem ser entrados como volumes de
microlitros. A aspiração do ciclo de lavagem é 130 mL da lavagem-referência
por ciclo.

4. 78
Sem carregamento: essa linha não aspira/ dispensa qualquer líquido nesse
passo.
Sem Diluição: o líquido é aspirado e dispensado quando estiver sem qualquer
diluição.
Os seguintes campos devem ser entrados:
 ID do líquido: escolha da lista de líquidos.
 Volume: entra os volumes nos microlitros (mínimo = 10, máximo = 140).

Em Diluição de Linha: Um diluente e a amostra são aspirados um depois do


outro e dispensados juntos. Os seguintes campos devem ser entrados:
 ID do líquido do diluente: escolhe o líquido do diluente da lista.
 ID do líquido diluído: escolhe o líquido a ser diluído da lista.
 Volume: entra os volumes para cada líquido em microlitros (mínimo de um
único líquido = 2; máximo do volume total é 140).

Em Diluição de Cálice (agulha da amostra somente): Diluente e amostra são


dispensados em um cálice vazio (0.5 mL) quando uma diluição muito alta é
necessária.
A opção Em Diluição de Cálice não está disponível para a agulha do reagente
visto que essa agulha não pode aspirar/ dispensar na área da bandeja de amostra.
 ID do líquido pré-dispensado: escolhe o diluente da lista de líquidos*
 ID do líquido do diluente: escolhe o diluente da lista de líquidos*
 ID do líquido diluído: escolhe o líquido a ser diluído da lista (i.e. plasma).
 Volume: entra os volumes para cada líquido em microlitros (mínimo de um
único líquido = 2; mínimo do volume total do cálice = 150; máximo do
volume total do cálice é 250).
O campo Lavagem deve ser entrado se um ciclo de lavagem for necessário
depois de cada diluição de taça a ser completada. O valor refere-se ao número de
ciclos e o alcance é 1-5.
A posição do cálice vazio (0.5 mL) na bandeja de amostra é definida conferindo-se
a Caixa de Verificação do Anel Interno (A1 – A10) ou Anel Externo.

4. 79
*Quando uma amostra altamente diluída é requerida, o diluente deve ser
adicionado em duas fases. O diluente usado na primeira fase é chamado “líquido
pré-dispensado”. O diluente usado na segunda fase junto com a amostra, é
chamado “líquido do diluente”.

Advertência: quando uma amostra de volume baixo precisa ser


dispensada, é recomendável usar a opção Em Diluição de Linha ou
a opção Em Diluição de Cálice. Não é recomendado dispensar uma
amostra baixa (abaixo de 10 microlitros) sozinho sem qualquer
diluente/ tampão.

Caixa de Verificação do Enxágüe Intermediário: se verificado, a agulha é


mergulhada no reservatório resíduo/ enxágüe para lavar o exterior da sonda. Essa
ação é recomendada quando volumes baixos são usados.
Caixa de Verificação Lavagem/ Referência: se verificado, as agulhas são lavadas
no enxágüe antes de iniciar o próximo passo. A lavagem deve ser ativada para
correr antes de carregar.
Lavagem entre carregamento: define como muitos ciclos de enxágüe são
executados entre qualquer carregamento da linha da mostra ou entre qualquer
carregamento da linha do reagente. O mínimo é 0 e o máximo é 5.
Lavagem na conclusão do passo: define como muitos ciclos de enxágüe são
executados no fim da fase de carregamento para a linha da mostra ou a linha do
reagente para esse passo. O mínimo é 0 e o máximo é 5.
Restrição da cronometragem: alguns passos podem ser mais críticos na
cronometragem que outros. Para esses, é necessário definir um intervalo de
tempo que deve ser honrado no(s) passo(s) definido(s).
Nenhum: O seguinte passo é executado imediatamente depois da
conclusão da dispensa do líquido presente.

4. 80
Comprimento do passo: é possível definir o intervalo de tempo dentro do
qual um único passo deva ser completado. O tempo de carregamento está
incluído no comprimento total do passo. O sistema esperará pelo
remanescente do tempo do comprimento do passo se o carregamento for
completado antes do limite de tempo decorrido. A mistura ocorrerá depois
que o tempo do comprimento do passo expirar.
Demora na conclusão: depois do carregamento dos líquidos no passo,
uma demora fixada é adicionada; tempo de carregamento não está
incluído dentro do tempo de demora na conclusão. Nenhuma mistura
ocorre antes de iniciar o cronômetro de demora.
Comprimento do passo e demora na conclusão são também aplicados
para uma definição de passo único somente.
Ajustar cronômetro: no fim da fase de carregamento do passo definido,
um cronômetro é ajustado por uma certa quantidade de segundos; esse
cronômetro será usado pelo(s) próximo(s) passo(s) de carregamento (i.e.:
o tempo de encubação do passo de cefalina no teste APTT tem de
esperar pelo passo do Cloreto de Cálcio). Os passos subseqüentes, até
um passo de cronômetro de espera, são executados imediatamente
somente o cronômetro é ajustado.
Espera até o cronômetro está expirada: o passo do carregamento é
executado depois do passo anterior de ajustar o cronômetro expirar (i.e.: o
passo CACL2., no teste APTT, tem de fechar o cronômetro anteriormente
aberto).
Nota: Ajustar o cronômetro e a espera até o cronômetro estar
expirada são usados quando um cronômetro cruza vários passos
(mínimo de 2). Nesse caso, o tempo cruzará múltiplos passos.
Quando ajustar o cronômetro é definido em um passo, um passo.
subseqüente deve ter uma condição Espera Até o Cronômetro estar
Encerrado a fim de fechar o cronômetro anteriormente aberto. As condições
ajustar Cronômetro e Espera até Cronômetro estar expirado tem de ser usadas
em uma única definição de aplicação

4. 81
Tempo em segundos para o campo Restrição da Cronometragem pode ser
definido de um a 999 segundos (0 significa desabilitado)

Área da Mistura: no passo atual, se for necessário misturar os conteúdos do


cuvete do rotor, a caixa de verificação da rampa deve ser verificada.

Os seguintes campos devem ser preenchidos.


Tempo de Centrifugação: o rotor pode girar de 1 segundo para 999 segundos.
Se o valor 0 é posto, o rotor não girará.
Intervalo inter-rampa: se o rotor é parado depois da primeira aceleração, esse
intervalo deve ser definido. O mínimo é 1 segundo e o máximo 10 segundos. Se 0
é posto, nenhuma inter-rampa ocorrerá.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.
Tão logo o passo um seja entrado, o botão Detalhes se torna ativo e pode ser
pressionado para rever e editar os campos.
O ícone Apagar pode ser usado para apagar um passo na seqüência de análise.

 LIMPEZA
Da tela Análise: Setup do Carregamento, pressione o botão Limpeza para exibir a
tela de Setup de Limpeza.

4. 82
Esta tela é usada para definir o líquido e seu volume usado para limpar a linha do
reagente e a linha da amostra.
Quando o procedimento de limpeza é definido, é levado a cabo depois do último
passo do ciclo de teste.
Os Líquidos podem ser definidos como ID do Líquido do Diluente e/ou ID do
Líquido Diluído que significa que é possível usar uma solução única ou para diluir
a solução com um outro líquido.
O volume total tem de estar dentro de 10-140 microlitros, independente do Líquido
do Diluente somente, Líquido Diluído somente e ambos (Líquido do Diluente e
Líquido Diluído).
No. de Ciclos: este é o número dos ciclos (mínimo 1 – máximo 5). Se 0 é entrado
nenhuma limpeza é executada.
Executar Sequencialmente: se verificada, uma linha (linha da agulha da amostra)
é limpa antes de uma outra (agulha do reagente); se não verificada, a limpeza é
executada ao mesmo tempo.

4. 83
Lavagem na Conclusão: define a lavagem feita pela Emulsão de Lavagem-
Referëncia em número de ciclos no final do ciclo de limpeza (mínimo 12 – máximo
5).
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

 PREPARAÇÃO do REAGENTE
Da tela Análise: Setup do Carregamento, pressione o botão Preparação da
Reagente para exibir a tela de Setup da Preparação do Reagente.

Essa tela é usada para definir o líquido e seu volume a ser usada para a
preparação do reagente par a linha do reagente e/ou a linha da amostra.
Quando o procedimento Preparação do Reagente é definido, é levado a cabo no
começo do ciclo de testes (antes do primeiro passo).
Quando a Preparação do Reagente é definido, os testes interferentes que
precipitarão precisam ser ativados usando-se a organização da Tabela de
Intererência na Seção 4.1.5.

4. 84
Lavagem no Começo: define que a lavagem feita pela Emulsâo Lavagem-
Referência no número dos ciclos no começo do ciclo de preparação de reagente.
Os Líquidos pode ser definido como ID do Líquido do Diluente e ID do Líquido
Diluído que significa que é possível usar uma solução simples para diluir a
solução com um outro líquido.
O volume total tem de estar dentro de 10-140 microlitros, independente do Líquido
do Diluente somente, Líquido Diluído somente e ambos (Líquido do Diluente e
Líquido Diluído).
No. de Ciclos: este é o número dos ciclos (mínimo 1 – máximo 5). Se 0 é entrado
nenhuma limpeza é executada.
Antes e depois da preparação do reagente, um procedimento de lavagem
(usando-se Emulsão de Lavagem-Referência) pode ter lugar, um número pode ser
definido (mínimo 1 – máximo 5).
Executar Sequencialmente: se verificada, uma linha (linha da agulha da amostra)
é limpa antes de uma outra (agulha do reagente); se não verificada, a limpeza é
executada ao mesmo tempo.
Lavagem na Conclusão: define a lavagem feita pela Emulsão de Lavagem-
Referëncia em número de ciclos no final do ciclo de limpeza (mínimo 12 – máximo
5).
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

 Verificação dos Materiais


Uma vez que os líquidossejam configurados, é possível definir se o equipamento
verifica por presença do recipiente líquido durante a verificação pré-analítica.

4. 85
Se um líquido é selecionado para ser verificado, pode-se definir que ações tomar
se o líquido ficar baixo durante a análise.
A opção Verificação em Pré-Análise define se a análise pode começar mesmo se
o líquido não estiver presente (presença opcional). Isso se aplica às posições de
materiais A1-A10 na bandeja da amostra.
Se o líquido está marcado como obrigatório, a análise não pode começar sem ele
e as opções Verificar e Continuar ou Abortar são apresentadas depois das
verificações de pré-análise.
Se o líquido não estiver marcado como obrigatório, a análise pode começar sem
ele e a opção Continuar é também apresentada depois das verificações de pré-
análise, permitindo a análise continuar sem um líquido específico.
A caixa Verificar Fila Selecionada é usada para definir o líquido como
obrigatório.
A opção Verificar Fila Selecionada pode também ser usada para os líquidos
posicionados em A1 a A10 (posições da bandeja de amostra auxiliar).

4. 86
As Ações disponíveis do sistema quando uma lista estiver baixa são como segue:
- Abortar Teste: em alguns casos, a presença do líquido é requerida
para completar a sessão (i.e. calibração): se o líquido estiver baixo, a
sessão será abortada. Amostras e reagentes pipetados dentro do
rotor antes de escassearem não serão analisados.
- Completar Possível e Analisar: nesse caso, se o líquido ficar baixo
durante a sessão, as amostras que tiverem líquido suficiente
aspirado e dispensadoserá completado; enquanto isso, depois da
condição de reagente baixo ser detectado, será mantido retido e o
sistema advertirá o usuário. Os testes depois da condição baixa
permanecem pendentes. A corrida pode ser reiniciada enchendo-se
os reagentes depois da conclusão da sessão.
- Apenas Sinal: o equipamento apenas avisará o operador que o
líquido está baixo, mas continuará a executar todas as operações de
pipetagem.

O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças


e o sistema volta à tela Principal.

4. 87
4.2.4 Calibração – Setup de Carregamento
Análise: fluxo da tela de Setup de Carregamento

Legenda:
Teste details: detalhes de teste
Cleaning: limpeza
Calibration loading Setup: Setup de carregamento de calibração
Reagent priming: preparação do reagente
Step Setup (single step): passo da organização (passo único)
Material check: verificação do material
Parameters (sample line): parâmetros (linha da amostra)
Parameters (reagente line): parâmetros (linha do reagente)

4. 88
Clique no botão Calibração: Setup do Carregamento para ver/editar a
organização dos líquidos (reagentes, calibradores) nas bandejas durante a
calibração do teste.

Esta tela é usada para definir todos os passos necessários para levar a cabo a
calibração.
ID do Teste: neste campo, o ID do teste anteriormente definido é exibido. Este
campo está presente em todas as telas no Setup de testes.
Cálices Vazios no Anel Externo a partir do Número da Posição: este campo é
usado somente quando for necessário colicar um cálice vazio (0.5 mL) na bandeja
da amostra com o propósito de pré-diluição.
Replicados dos Pontos de Calibração: o número máximo de replicados é 6.
desde que a calibração deve ser executada em um único rotor, o número total
usável de cuvetes no rotor é 18; as possiveis combinações (níveis de padrão/
replicados) são como se segue: 2 níveis e 3, 4, 5 e 6 replicados; 3 níveis e 3, 4, 5
e 6 replicados; 4 níveis e 3 e 4 replicados; 5 níveis e 3 replicados; 6 níveis e 3
replicados.

4. 89
O ícone Apagar pode ser usado para deletar um passo na seqüência de
calibração.

Adicionar Botão: este botão é usado para definir em detalhes um passo da


calibração. Um passo único está em ação de aspiração/ dispensa de líquidos. Um
passo pode ser levado a cabo por uma agulha de amostra e agulha do reagente
ou por ambas. O resultado final de um passo é a conclusão de um escopo.

Passo: essa é a ordem da execução da corrida de calibração.


Vários escopos podem ser selecionados:
- Referência óptica (Emulsão de Lavagem-Referência) para ser usada com
as definições de canal de 660 nm e 405 nm.
- Referência (em testes de Absorbância) para ser usada com a definição de
canal de 405 nm.
- Amostra
- Padrão 1,-2-3-4-5-6)
- Todos (somente se todos os passos tiverem as mesmas condições)

4. 90
Os ícones Seta/Tesouras adicionam ou apagam um passo.
Uma vez que o escopo seja definido, é necessário definir quais agulhas serão
usadas para aspirar/dispensar o líquido no passo.
O tipo de carregamento para a agulha da linha da amostra pode ser definido; aqui
está a definição da linha da Amostra e/ ou do Reagente.
Sem carregamento: essa linha não aspira/ dispensa qualquer líquido nesse
passo.

Sem Diluição: o líquido é aspirado e dispensado como ele é.

Em Diluição de Linha: Um diluente e a amostra são aspirados um depois do


outro e dispensados juntos.

Em Diluição de Cálice: Diluente e amostra são dispensados em um cálice vazio


quando uma diluição muito alta for necessária.

O botão Parâmetros para entrar na linha da Amostra ou do Reagente abre a


janela Parâmetros do Setup dos Passos.

4. 91
Sem Diluição: o líquido é aspirado e dispensado quando estiver sem qualquer
diluição.
Os seguintes campos devem ser entrados:
 ID do líquido: escolha da lista de líquidos.
 Volume: entra os volumes nos microlitros (mínimo = 10, máximo = 140).

Em Diluição de Linha: Um diluente e a amostra são aspirados um depois do


outro e dispensados juntos. Os seguintes campos devem ser entrados:
 ID do líquido do diluente: escolhe o líquido do diluente da lista.
 ID do líquido diluído: escolhe o líquido a ser diluído da lista (i.e. plasma de
calibração).
 Volume: entra os volumes para cada líquido em microlitros (mínimo de um
único líquido = 2; máximo do volume total é 140).

A opção Em Diluição de Cálice (opção Sonda da Amostra somente) dilui o


material em um cálice vazio de 0.5 mL antes de carregar dentro de um cuvete no
rotor. Usado quando uma taxa de diluição muito alta do material é necessária. Os
seguintes campos devem ser entrados:
 ID do líquido pré-dispensado: escolhe o diluente da lista de líquidos*
 ID do líquido do diluente: escolhe o diluente da lista de líquidos*
 ID do líquido diluído: escolhe o líquido a ser diluído da lista (i.e. plasma).
 Volume: entra os volumes para cada líquido em microlitros (mínimo de um
único líquido = 2; mínimo do volume total do cálice = 150; máximo do
volume total do cálice é 250).
*No caso de uma amostra altamente diluída ser requerida, o diluente deve ser
adicionado em duas fases. O diluente usado na primeira fase é chamado “líquido
pré-dispensado”. O diluente usado na segunda fase junto com a amostra, é
chamado “líquido do diluente”.

4. 92
A opção Em Diluição de Cálice não está disponível para a agulha do reagente
visto que essa agulha não pode aspirar/ dispensar na área da bandeja de amostra.

Nota: Um volume máximo de 10 microlitros é sempre


automaticamente adicionado a cada condição total do passo na
linha da amostra, assim como na linha do reagente para todas as
três condições: sem diluição, na diluição de linha e na diluição de
cálice.

O campo Lavagem deve ser entrado se um ciclo de lavagem for necessário


depois de cada diluição de taça a ser completada. O valor refere-se ao número de
ciclos e o alcance é 1-5.
A posição do cálice vazio (0.5 mL) na bandeja de amostra é definida conferindo-se
a Caixa de Verificação do Anel Interno (A1 – A10) ou Anel Externo.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças.

Advertência: quando uma amostra de volume baixo precisa ser


dispensada, é recomendável usar a opção Em Diluição de Linha ou
a opção Em Diluição de Cálice. Não é recomendado dispensar uma
amostra baixa (abaixo de 10 microlitros) sozinho sem qualquer
diluente/ tampão.

4. 93
Caixa de Verificação do Enxágüe Intermediário: se verificado, a agulha é
mergulhada no reservatório resíduo/ enxágüe para lavar o exterior da sonda. Essa
ação é recomendada quando volumes baixos são usados.
Caixa de Verificação Lavagem/ Referência: se verificado, as agulhas são lavadas
no enxágüe antes de iniciar o próximo passo.
Lavagem entre carregamento: define como muitos ciclos de enxágüe são
executados entre qualquer carregamento da linha da mostra ou entre qualquer
carregamento da linha do reagente. O mínimo é 0 e o máximo é 5. Cada ciclo de
lavagem enxágua-se com 130μL de Lavagem-Referência.
Lavagem na conclusão do passo: define como muitos ciclos de enxágüe são
executados no fim da fase de carregamento para a linha da mostra ou a linha do
reagente para esse passo. O mínimo é 0 e o máximo é 5. Cada ciclo de lavagem
enxágua-se com 130μL de Lavagem-Referência.
Restrição da cronometragem: alguns passos podem ser mais críticos na
cronometragem que outros. Para esses, é necessário definir um intervalo de
tempo que deve ser honrado no(s) passo(s) definido(s).
Nenhum: O seguinte passo é executado imediatamente depois da
conclusão da dispensa do líquido presente.

4. 94
Comprimento do passo: é possível definir o intervalo de tempo dentro do
qual um único passo deva ser completado. O tempo de carregamento está
incluído no comprimento total do passo. Por exemplo, o carregamento do
substrato no Teste AT: o tempo de ativação deve ser respeitado porque é
um passo crítico na reação.
Demora na conclusão: depois do carregamento dos líquidos no passo,
uma demora fixada é adicionada; tempo de carregamento não está
incluído dentro do tempo de demora na conclusão. Nenhuma mistura
ocorre antes de iniciar o cronômetro de demora.
Comprimento do passo e Demora na conclusão são também aplicados
para uma definição de passo único somente.
Ajustar cronômetro: no fim da fase de carregamento do passo definido,
um cronômetro é ajustado por uma certa quantidade de segundos; esse
cronômetro será usado pelo(s) próximo(s) passo(s) de carregamento (i.e.:
o tempo de encubação do passo de cefalina no teste APTT tem de
esperar pelo passo do Cloreto de Cálcio). Os passos subseqüentes, até
um passo de cronômetro de espera, são executados imediatamente
somente o cronômetro é ajustado.
Espera até o cronômetro está expirada: o passo do carregamento é
executado depois do passo anterior de ajustar o cronômetro expirar (i.e.: o
passo CACL2., no teste APTT, tem de fechar o cronômetro anteriormente
aberto).

Nota: Ajustar o cronômetro e a espera até o cronômetro estar


expirado são usados quando um cronômetro cruza vários passos
(mínimo de 2). Nesse caso, o tempo cruzará múltiplos passos.
Quando ajustar o cronômetro é definido em um passo, um passo.
subseqüente deve ter uma condição Espera Até o Cronômetro estar
Encerrado a fim de fechar o cronômetro anteriormente aberto. As condições
ajustar Cronômetro e Espera até Cronômetro estar expirado tem de ser usadas
em uma única definição de aplicação

4. 95
Tempo em segundos para o campo Restrição da Cronometragem pode ser
definido de um a 999 segundos (0 significa desabilitado)

Área da Mistura: no passo atual, se for necessário misturar os conteúdos do


cuvete do rotor, a caixa de verificação da rampa deve ser verificada.

Os seguintes campos devem ser preenchidos.


Tempo de Centrifugação: o rotor pode girar de 1 segundo para 999 segundos.
Se o valor 0 é posto, o rotor não girará.
Intervalo inter-rampa: se o rotor é parado depois da primeira aceleração, esse
intervalo deve ser definido. O mínimo é 1 segundo e o máximo 10 segundos. Se 0
é posto, nenhuma inter-rampa ocorrerá.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças.
Tão logo o passo um seja entrado, o botão Detalhes se torna ativo e pode ser
pressionado para rever e editar os campos.

 LIMPEZA
Para a Setup do Carregamento da Calibração, pressione o botão Limpeza para
exibir a tela de Setup de Limpeza.

4. 96
Esta tela é usada para definir o líquido e seu volume usado para limpar a linha do
reagente e a linha da amostra.
Quando o procedimento de limpeza é definido, é levado a cabo depois do último
passo do ciclo de teste.
Os Líquidos podem ser definidos como ID do Líquido do Diluente e/ou ID do
Líquido Diluído que significa que é possível usar uma solução única ou para diluir
a solução com um outro líquido.
O volume total tem de estar dentro de 10-140 microlitros, independente do Líquido
do Diluente somente, Líquido Diluído somente e ambos (Líquido do Diluente e
Líquido Diluído).
No. de Ciclos: este é o número dos ciclos (mínimo 1 – máximo 5). Se 0 é entrado
nenhuma limpeza é executada.
Depois de limpar, um procedimento de limpeza (usando-se Emulsão de Lavagem-
Referência) pode ter lugar: um número de ciclo pode ser definido (mínimo 1 –
máximo 5).
Executar Sequencialmente: se verificada, uma linha (linha da agulha da amostra)
é limpa antes de uma outra (agulha do reagente); se não verificada, a limpeza é
executada ao mesmo tempo.

4. 97
Lavagem na Conclusão: define a lavagem feita pela Emulsão de Lavagem-
Referëncia em número de ciclos no final do ciclo de limpeza (mínimo 12 – máximo
5). Cada ciclo de lavagem enxágua-se com 130μL de Lavagem-Referência.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

 PREPARAÇÃO do REAGENTE
Da tela Análise: Setup do Carregamento, pressione o botão Preparação da
Reagente para exibir a tela de Setup da Preparação do Reagente.

Essa tela é usada para definir o líquido e seu volume a ser usado para a
preparação do reagente e/ou a linha da amostra.

4. 98
Quando o procedimento Preparação do Reagente é definido, é levado a cabo no
começo do ciclo de testes (antes do primeiro passo).
Quando a Preparação do Reagente é definido, os testes interferentes que
precipitarão precisam ser ativados usando-se a organização da Tabela de
Intererência na Seção 4.1.5.
Lavagem no Começo: define que a lavagem feita pela Emulsâo Lavagem-
Referência no número dos ciclos no começo do ciclo de preparação de reagente.
Os Líquidos pode ser definido como ID do Líquido do Diluente e ID do Líquido
Diluído que significa que é possível usar uma solução simples para diluir a
solução com um outro líquido.
O volume total tem de estar dentro de 10-140 microlitros, independente do Líquido
do Diluente somente, Líquido Diluído somente e ambos (Líquido do Diluente e
Líquido Diluído).
No. de Ciclos: este é o número dos ciclos (mínimo 1 – máximo 5). Se 0 é entrado
nenhuma limpeza é executada.
Executar Sequencialmente: se verificada, uma linha (linha da agulha da amostra)
é limpa antes de uma outra (agulha do reagente); se não verificada, a limpeza é
executada ao mesmo tempo.
Lavagem na Conclusão: define a lavagem feita pela Emulsão de Lavagem-
Referëncia em número de ciclos no final do ciclo de limpeza (mínimo 12 – máximo
5). Cada ciclo de lavagem enxágua-se com 130μL de Lavagem-Referência.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

4. 99
 VERIFICAÇÃO dos MATERIAIS
Uma vez que os líquidossejam configurados, é possível definir se o equipamento
verifica por presença do recipiente líquido e também que ação tomar se o volume
do líquido estiver baixo.

Se um líquido é selecionado para ser verificado, pode-se definir que ações tomar
se o líquido ficar baixo durante a análise.
A opção Verificação em Pré-Análise define se a análise pode começar mesmo se
o líquido não estiver presente (presença opcional).
Se o líquido está marcado como obrigatório, a análise não pode começar sem ele
e as opções Verificar e Continuar ou Abortar são apresentadas depois das
verificações de pré-análise.
Se o líquido não estiver marcado como obrigatório, a análise pode começar sem
ele e a opção Continuar é também apresentada depois das verificações de pré-
análise, permitindo a análise continuar sem um líquido específico.
A caixa Verificar Fila Selecionada é usada para definir o líquido como
obrigatório.
A opção Verificar Fila Selecionada pode também ser usada para os líquidos
posicionados em A1 a A10 (posições da bandeja de amostra auxiliar).

4. 100
As Ações disponíveis do sistema quando uma lista estiver baixa são como segue:
- Abortar Teste: em alguns casos, a presença do líquido é requerida
para completar a sessão (i.e. calibração): se o líquido estiver baixo, a
sessão será abortada.
- Completar Possível e Analisar: nesse caso, se o líquido ficar baixo
durante a sessão, as amostras que tiverem líquido suficiente
aspirado e dispensadoserá completado; enquanto isso, depois da
condição de reagente baixo ser detectado, será mantido retido e o
sistema advertirá o usuário (os testes depois da condição baixa
permanecem pendentes).
- Apenas Sinal: o equipamento apenas avisará o operador que o
líquido está baixo, mas continuará a executar todas as operações de
pipetagem.

O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças


e o sistema volta à tela Principal.

4.2.5 Setup de Aquisição


clique no botão Aquisição: Setup para abrira tela ver/editar os ajustes de
aquisição de dados para este teste.
Essa tela é usada para definir os parâmetros de aquisição.
O perfil aquisição é representado no desenho a seguir.

4. 101
Cada Rampa de mistura é fixada em 0.4 segundos.
Intervalo Entre-Rampas, Tempo de Demora e Tempo de Aquisição são definidos
de acordo com a aplicação.
Em termos gerais, as reações de coagulação têm um Intervalo de Entre-Rampa
enquanto que as reações cromogênicas e de látex não usam o Intervalo Entre-
Rampas.

Se a caixa de verificação Rampa for constata, os outros parâmetros podem ser


entrados.
As primeiras rampas da mistura (rampa para cima e para baixo) são ajustadas em
0.8 segundos no total.
Intervalo Entre-Rampas: tempo em segundos entre as duas rampas (0 significa
sem entre-rampas; ou 1 a 10 segundos define o tempo entre as duas rampas).
A segunda rampa para cima depois do intervalo entre-rampas e antes da demora
de aquisição é ajustado em 0.4 segundos.
Demora de Aquisição: tempo no qual nenhum ponto de dados é registrado
durante a aquisição (1-60). Se 0 é entrado, nenhuma demora será considerada.
Taxa de Amostragem: Intervalo entre os pontos dos dados em milisegundos (50
a 1000 milessegundos em intervalo de 50 milisegundos).
Tempo de Aquisição: tempo usado para ler a reação (1-120 segundos).

4. 102
Velocidade: 600 ou 1200 rpm.
Canal de Aquisição: 405 (absorbância) ou 660 (nefelométrico) nm.

O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças


e o sistema volta à tela Principal.

4.2.6 Setup do Cálculo


Cálculo: Fluxo da tela Setup.

4. 103
Legenda:
Teste details: detalhes de teste
Checks: verificações
Calculation Setup: Setup do Cálculo
Define parameters: definir parâmetros
Calculation algorithms: algoritmos de cálculo
Calibration Setup: Setup de Calibração
Calibration curve Setup: Setup da curva de calibração

Clique no botão Cálculo: Setup para ver/editar os ajustes de cálculo de dados


para o teste.
Esta tela é usada para definir todos os passos necessários para gerenciar os
dados brutos (calibração e análise).

ID de Teste: neste campo, o ID de Teste que fora anteriormente definido é


exibido. Esse campo está presente em todas as telas do Setup de cálculo.
Normalização: dois critérios podem ser selecionados: S/R* 100 ou log (R/S). O
primeiro algoritmo é comumente usado para os ensaios de coagulação, enquanto
o segundo é, principalmente, usadopara ensaios cromogênicos.S significa o valor
(em mV) da amostra e R significa o valor (em mV) da Emulsão Lavagem-
Referência (para S/R*100) e também a Referência Ótica (para log(R/S)).

4. 104
Escopo: define o cálculo para todos os passos definidos no Setup do passo de
carreamento:
- Referência óptica (Emulsão de Lavagem-Referência)
- Referência (em testes de Absorbância)
- Amostra, Amostra a (amostra ativada como em teste APCR-V)
- Referência Analítica, Referência Analítica a (referência analítica ativada
como em teste APCR-V)
- Todos
Taxa: selecione a fórmula usada para calcular a Taxa. As opções disponíveis são:
- Nenhuma (sem cálculo de taxa executado)
- R = S/ Valor de Referência
- R = S/Padrão 1
- R = S/ Padrão 2
- R = S/ Padrão 3

Importar Valor de Referência de: selecionar se Nenhum ou um teste da lista


navegada.
O valor de referência entrado para o teste primário é automaticamente importado
dentro dos testes secundários (i.e. tetes estendidos (e) e dobrados (d)). Este valor
é o denominador do cálculo de R e NR e deve representar a média geométrica do
tempo da população normal para o teste selecionado.
Taxa Normalizada: selecione a fórmula da lista navegada.
- Nenhuma (sem cálculo executado)
- INR = R^ISI
- NR = R(S)/ Referência

4. 105
Importar Valor ISI de: selecionar se Nenhum ou um teste da lista navegada.
O valor ISI entrado para o teste primário é automaticamente importado dentro dos
testes secundários (i.e. tetes estendidos (e) e dobrados (d)).
Tipo do Algoritmo: sete seleções estão disponíveis:
Nenhuma, Tendência do Algoritmo, Umbral, Umbral/Segunda Derivativa,
Primeira Derivativa, Segunda Derivativa e Delta.

4. 106
Legenda:
Algorithm type: tipo de algoritmo
None: nenhuma
Trend algorithm Page 4.88: tendência do algoritmo página 4.88 (próximo item)
Threshold page 4.89: umbral página 4.89 (seguinte ao anterior)
Threshold 2nd. Derivative: umbral da segunda derivativa
First derivative page 4.96: primeira derivativa página 4.96 (seguinte ao anterior)
Secondy derivative page 4.98: segunda derivativa página 4.98 (na seqüência)
Delta page 4.1.10: delta página 4.1.10 (na seqüência)

Uma vez que o tipo de algoritmo fora selecionado, a tela Definir Parâmetros pode
ser acessada para definir o cálculo do Tipo de Algortmo.

 Nenhum
Nenhum algoritmo é aplicado. Somente os dados brutos sestarão disponíveis.
 Tendência do Algoritmo
Selecionando-se Tendência, as seguintes seleções são possíveis:

4. 107
Dois alisamentos podem ser selecionados em termos de números de pontos.
A curva de reação pode ser analisada em duas áreas: a Primeira Parte
(Compensação e Mínima) e Parte Final (Final ou Máxima). O número de pontos
a ser usado para calcular a média ou determinar o Mínimo/Máximo para a
tendência do algoritmo pode ser definido.

Unidades Apresentadas
As únicas unidades disponíveis para a Tendência do Algoritmo são a primeira
parte da Compensação/Mínimo curva de reação e a Final/Máxima para a parte
final da curva.

Verificações da Curva
A caixa de Verificação de Saturação ativa um monitor nas leituras de curva de
reação para assegurar que elas estiverem dentro do limite de hardware da
lâmpada usada.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

 Umbral do Algoritmo
Selecionando Umbral as seleções seguintes são possíveis:

4. 108
Dois alisamentos podem ser selecionados em termos de number de pontos:
Primeiro Alisamente e Segundo Alisamento.
Alisamentos são calculados usando-se os critérios médios da média de
movimento; os critérios para calcular a média do movimento médio é definido pelo
número de pontos (graus) usados para calcular os novos valores suavisados.
A curva de reação pode ser analisada em duas áreas: a Primeira Parte
(Compensação e Mínima) e Parte Final (Final ou Máxima). O número de pontos
a ser usado para calcular a média ou determinar o Mínimo/Máximo para a
tendência do algoritmo pode ser definido.
Pressionando-se o botão Parâmetros do Umbral exibirá a seguinte janela:

A janela Primeiro Parâmetro do Umbral permite ajustar os seguintes parâmetros:


A Direção da Pesquisa do Umbral provê a opção pesquisar para o valor do
umbral na direção Forward (para frente) (iniciando-se no começo da reação) ou
Backward (para trás) (iniciando-se do fim da reação e movendo-se para o
começo).
O Modo Umbral permite a seleção do Absoluto (total) ou % da Curva para
calcular o umbral.
O Primeiro Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um
valor numérico deve ser entrado. O umbral representa uma mudança fixa em
turvação da compensação inicial da curva de reação.

4. 109
Ajustes do Umbral Backwars ajusta não aplicável para o algoritmo.

Unidades Apresentadas
Tempo em segundos (calculado contra o primeiro umbral) é em geral apresentada
em unidade, outra unidade tais como a Compensação/Mínimo da curva de
reação e a Final/Máxima para a parte final da curva podem ser escolhidas.

Verificações da Curva
A caixa de verificação da Verificação de Saturação ativa um monitor um monitor
nas leituras de curva de reação para assegurar que elas estiverem dentro do limite
de hardware da lâmpada usada.
O Segundo Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um
valor numérico deve ser entrado. Este valor é usado como uma verificação que
uma curva de coagulação real é apresentada.
Em geral, o segundo umbral é usado para discriminar entre curvas de coagulação
reais e ruido ou curvas de coagulação inst´áveis ou Fibrinógeno Baixo.
Tempo Delta é usado para verificar as curvas bifásicas; representa a diferença
em segundos entre os dois umbráis.
A Inclinação Inicial é usada para verificar as curvas não-fásicas; representa a
inclinação inicial da curva de reação no começo do tempo de aquisição. No caso
da verificação da inclinação não ser encontrada um erro será gerado.

Correção da Unidade Primária


Acessando-se a janela Parâmetros de Correção, é possível ajustar as correções
dos valores baseados na compensação da reação.
Os Parâmetros de Correção são aplicados aqui na unidade primária, nesse caso,
segundos.

4. 110
O Intervalo de Compensação pode ser definido e a curva de correção em termos
de inclinação (m) e interceptador (q) podem ser ajustados.
Até 3 intervalos de correções baseados nos alcances dos resultados podem ser
ativados.
A correção é representada pela fórmula seguinte:

Y = mX + q

onde m representa o declive e q o interceptador no eixo de Y.


X é o resultado original e Y é resultado corrigido.
Valores do Intervalo Mínimo e Máximo representam o alcance de unidade na qual
a correção é esperada ser ativa.
Por coeficientes “m” e “q” ambos coeficientes de valores positivo e negativo
podem ser entrados.
Por exemplo, essa correção é usada para o método Fibrinógeno PT-Baseado em
muitas amostras lipêmicas.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

4. 111
 Umbral/Algoritmo da segunda Derivativa
Selecionando Umbral/Segunda Derivativa, as seguintes seleções são possíveis:

A Primeira e Segunda Derivativas calculam-se em termos de número de pontos


a ser usado.
Cinco alisamentos podem ser selecionados em termos de número de pontos:
Primeiro Alisamento, Segundo Alisamento e Terceiro Alisamento são usados
para os dados brutos; o Quarto e Quinto Alisamentos são usados pela Primeira
Derivativa.
Alisamentos são calculados usando-se os critérios médios da média de
movimento; os critérios para calcular a média do movimento médio é definido pelo
número de pontos (graus) usados para calcular os novos valores suavisados.
A curva de reação pode ser analisada em duas áreas: a Primeira Parte
(Compensação e Mínima) e Parte Final (Final ou Máxima). O número de pontos
a ser usado para calcular a média ou determinar o Mínimo/Máximo para a
tendência do algoritmo pode ser definido.
Verificação de Delta define o delta mínimo aceitável para os dados normalizados.

4. 112
Unidades Presentes
Tempo em segundos (calculado contra o primeiro umbral ou no pico máximo da
segunda derivativa; ver Inclinação Inicial e Tempo Delta) é em geral apresentado
em unidade, outras unidades tais como a Compensação/Mínimo da curva de
reação e a Final/Máxima para a parte final da curva podem ser escolhidas.

Pressionando o botão Parâmetros do Umbral exibe a seguinte janela:

A janela Primeiro Parâmetro do Umbral permite ajustar os seguintes parâmetros:


A Direção da Pesquisa do Umbral provê a opção pesquisar para o valor do
umbral na direção Forward (para frente) (iniciando-se no começo da reação) ou
Backward (para trás) (iniciando-se do fim da reação e movendo-se para o
começo).
O Modo Umbral permite a seleção do Absoluto (total) ou % da Curva para
calcular o umbral.
O Primeiro Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um
valor numérico deve ser entrado. O umbral representa uma mudança fixa em
turvação da compensação inicial da curva de reação.
Clique na caixa Ajustes de Umbral Backwards para habilitar o cálculo do fim do
tempo de aquisição movendo-se de volta para o início.

4. 113
O Modo Umbral permite a seleção do Absoluto (total) ou % da Curva para
calcular o umbral.
O campo Valor define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um valor
numérico deve ser entrado. O umbral representa uma mudança fixa na turvação
da compensação inicial da curva de reação.

Verificação da Curva
Acessando a janela Parâmetros de Verificação da Curva é possível fazer as
seguintes seleções:

A caixa de Verificação de Saturação ativa um monitor nas leituras de curva de


reação para assegurar que elas estiveram dentro do limite de hardware da
lâmpada usada.
O Segundo Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um
valor numérico deve ser entrado. Este valor é usado como uma verificação que
uma curva de coagulação real é apresentada.
Em geral, o segundo umbral é usado para discriminar entre curvas de coagulação
reais e ruido ou curvas de coagulação instáveis ou Fibrinógeno Baixo.

4. 114
Tempo Delta é usado para verificar as curvas bifásicas; representa a diferença
em segundos entre os dois umbráis. No caso do tempo delta não ser encontrado,
os dados brutos serão analisados usando-se os critérios da Segunda Derivativa.
A Inclinação Inicial é usada para verificar as curvas não-fásicas; representa a
inclinação inicial da curva de reação no começo do tempo de aquisição. No caso
da verificação da inclinação não ser encontrada um erro será gerado. No caso do
tempo delta não ser encontrado, os dados brutos serão analisados usando-se os
critérios da Segunda Derivativa.
A Segunda Derivativa calcula-se em termos de número de pontos a ser usado.
A Segunda Derivativa representa a aceleração da reação e pode ser usada como
critérios para encontrar o ponto de coagulação pesquisando-se por um pico
máximo da segunda derivativa.
Clique no botão Verificação 1 de Ruído para ativá-lo. Se habilitado, o sistem
determinará o tempo de coagulação procurando do final ao início pela curva de
dados para um valorque seja uma porcentagem de delta da curva. A porcentagem
desejada é entrada no campo Porcentagem. O delta entre o tempo original
(tempo ou umbral) e o tempo de cálculo backward é determinado. O valor Delta
Tempo Máximo é o delta tempo máximo permitido entre os dois valores.
Clique no botão Verificação 2 de Ruído para ativá-lo. Se habilitado, o sistem
buscará o próximo valor máximo ou a partir do valor original ou tempo. Se não
houver mais navegação na curva de dados normalizada, então, o valor local
máximo e o tempo se igualarão ao original.
No campo Pontos entre o número mínimo de pontos no qual a curva deve cair na
order para o máximo local a ser considerado como um pico verdadeiro. O Pico
Delta Mínimo éa porcentagem do delta global da curva que o valor máximo local
deve exceder na ordem para a qual seja considerado um pico verdadeiro. A
diminuição Mínima é a diferença mínima em sinal (absoluto) para o máximo local a
ser considerado como um pico verdadeiro.
Clique no botão Verificação da Localização da Coagulação para ativá-lo. Se
habilitado, o sistema verificará o pontode coagulação para assegurar se caiu
dentro da Porcentagem do delta da curva total.

4. 115
Correção da Unidade Primária
Acessando-se a janela Parâmetros de Correção, é possível ajustar as correções
dos valores baseados na compensação da reação.
Os Parâmetros de Correção são aplicados aqui na unidade primária, nesse caso,
segundos.

O Intervalo de Compensação pode ser definido e a curva de correção em termos


de inclinação (m) e interceptador (q) podem ser ajustados.
Até 3 intervalos de correções baseados nos alcances dos resultados podem ser
ativados.
A correção é representada pela fórmula seguinte:

Y = mX + q

onde m representa o declive e q o interceptador no eixo de Y.


X é o resultado original e Y é resultado corrigido.
Valores do Intervalo Mínimo e Máximo representam o alcance de unidade na qual
a correção é esperada ser ativa.
Por coeficientes “m” e “q” ambos coeficientes de valores positivo e negativo
podem ser entrados.

4. 116
Por exemplo, essa correção é usada para o método Fibrinógeno PT-Baseado em
muitas amostras lipêmicas.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

 Algoritmo da Primeira Derivativa


Selecionando-se Primeira Derivativa, as seguintes seleções são possíveis:

A Primeira Derivativa calcula-se em termos de número de pontos a ser usado.


Ela apresenta a velocidade de reação e pode ser usada comocritério para
encontrar o ponto de coagulação pesquisando-se o pico máximo da primeira
derivativa.
Cinco alisamentos podem ser selecionados em termos de número de pontos:
Primeiro Alisamento, Segundo Alisamento e Terceiro Alisamento são usados
para os dados brutos; o Quarto e Quinto Alisamentos são usados pela Primeira
Derivativa.
Alisamentos são calculados usando-se os critérios médios da média de
movimento; os critérios para calcular a média do movimento médio é definido pelo
número de pontos (graus) usados para calcular os novos valores suavisados.

4. 117
A curva de reação pode ser analisada em duas áreas: a Primeira Parte
(Compensação e Mínima) e Parte Final (Final ou Máxima). O número de pontos
a ser usado para calcular a média ou determinar o Mínimo/Máximo para a
tendência do algoritmo pode ser definido.
Verificação de Delta define o delta mínimo aceitável para os dados normalizados.

Unidades Presentes
Tempo em segundos (calculado no pico máximo da primeira derivativa) é em
geral apresentado em unidade, outras unidades tais como a
Compensação/Mínimo da curva de reação e a Final/Máxima para a parte final
da curva podem ser escolhidas.

Correção da Unidade Primária


Acessando-se a janela Parâmetros de Correção, é possível ajustar as correções
dos valores baseados na compensação da reação.
Os Parâmetros de Correção são aplicados aqui na unidade primária, nesse caso,
segundos.

O Intervalo de Compensação pode ser definido e a curva de correção em termos


de inclinação (m) e interceptador (q) podem ser ajustados.

4. 118
Até 3 intervalos de correções baseados nos alcances dos resultados podem ser
ativados.
A correção é representada pela fórmula seguinte:

Y = mX + q

onde m representa o declive e q o interceptador no eixo de Y.


X é o resultado original e Y é resultado corrigido.
Valores do Intervalo Mínimo e Máximo representam o alcance de unidade na qual
a correção é esperada ser ativa.
Por coeficientes “m” e “q” ambos coeficientes de valores positivo e negativo
podem ser entrados.
Por exemplo, essa correção é usada para o método Fibrinógeno PT-Baseado em
muitas amostras lipêmicas.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

4. 119
Verificação da Curva
Acessando a janela Parâmetros de Verificação da Curva é possível fazer as
seguintes seleções:

A caixa de Verificação de Saturação ativa um monitor nas leituras de curva de


reação para assegurar que elas estiveram dentro do limite de hardware da
lâmpada usada.
O limite da Primeira Derivativa verifica-se em termos de valor absoluto a ser
usado para verificar se uma coagulação apropriada está ocorrendo.
A Segunda Derivativa calcula-se em termos de número de pontos a ser usado e
verifica o valor limite a ser usado para verificar se uma coagulação apropriada está
ocorrendo.

4. 120
 Algoritmo da Segunda Derivativa
Selecionando-se Segunda Derivativa, as seguintes seleções são possíveis:

A Primeira Derivativa calcula-se em termos de número de pontos a ser usado.


A Segunda Derivativa calcula-se em termos de número de pontos a ser usado.
Ela representa a aceleração da reação e pode ser usada como critérios para
encontrar o ponto de coagulação pesquisando-se por um pico máximo da segunda
derivativa.
Cinco alisamentos podem ser selecionados em termos de número de pontos:
Primeiro Alisamento, Segundo Alisamento e Terceiro Alisamento são usados
para os dados brutos; o Quarto e Quinto Alisamentos são usados pela Primeira
Derivativa.
Alisamentos são calculados usando-se os critérios médios da média de
movimento; os critérios para calcular a média do movimento médio é definido pelo
número de pontos (graus) usados para calcular os novos valores suavisados.
A curva de reação pode ser analisada em duas áreas: a Primeira Parte
(Compensação e Mínima) e Parte Final (Final ou Máxima). O número de pontos
a ser usado para calcular a média ou determinar o Mínimo/Máximo para a
tendência do algoritmo pode ser definido.

4. 121
Verificação de Delta define o delta mínimo aceitável para os dados normalizados.

Unidades Apresentadas
Tempo em segundos (calculado contra o primeiro umbral) é em geral apresentado
em unidade, outras unidades tais como a Compensação/Mínimo da curva de
reação e a Final/Máxima para a parte final da curva podem ser escolhidas.

Verificações da Curva
A caixa de verificação da Verificação de Saturação ativa um monitor um monitor
nas leituras de curva de reação para assegurar que elas estiverem dentro do limite
de hardware da lâmpada usada.
A Segunda Derivativa representa a aceleração da reação e pode ser usada como
critérios para encontrar o ponto de coagulação pesquisando-se por um pico
máximo da segunda derivativa.

Correção da Unidade Primária


Acessando-se a janela Parâmetros de Correção, é possível ajustar as correções
dos valores baseados na compensação da reação.
Os Parâmetros de Correção são aplicados aqui na unidade primária, nesse caso,
segundos.

4. 122
O Intervalo de Compensação pode ser definido e a curva de correção em termos
de inclinação (m) e interceptador (q) podem ser ajustados.
Até 3 intervalos de correções baseados nos alcances dos resultados podem ser
ativados.
A correção é representada pela fórmula seguinte:

Y = mX + q

onde m representa o declive e q o interceptador no eixo de Y.


X é o resultado original e Y é resultado corrigido.
Valores do Intervalo Mínimo e Máximo representam o alcance de unidade na qual
a correção é esperada ser ativa.
Por coeficientes “m” e “q” ambos coeficientes de valores positivo e negativo
podem ser entrados.
Por exemplo, essa correção é usada para o método Fibrinógeno PT-Baseado em
muitas amostras lipêmicas.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

4. 123
 Algoritmo Delta
Selecionando-se Delta as seguintes seleções são possíveis:

Dois Alisamentos (Primeiro e Segundo) podem ser selecionados em termos de


números de pontos.
Alisamentos são calculados usando-se os critérios médios da média de
movimento; os critérios para calcular a média do movimento médio é definido pelo
número de pontos (graus) usados para calcular os novos valores suavisados.
A curva de reação pode ser analisada em duas áreas: a Primeira Parte
(Compensação e Mínima) e Parte Final (Final ou Máxima). O número de pontos
a ser usado para calcular a média ou determinar o Mínimo/Máximo para a
tendência do algoritmo pode ser definido.
Verificação de Delta define o delta mínimo aceitável para os dados normalizados.

4. 124
Unidades Apresentadas
Delta é, em geral, apresentado em unidade, outras unidades tais como a
Compensação/Mínimo da curva de reação e a Final/Máxima para a parte final
da curva podem ser escolhidas.
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.

Verificações da Curva
Acessando a janela Parâmetros de Verificação da Curva é possível fazer as
seguintes seleções:

O Primeiro Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um


valor numérico deve ser entrado. Esse valor é usado como uma verificação que
uma curva de coagulação real é apresentada.
O umbral representa uma mudança fixa em turvação da compensação inicial da
curva de reação.
A Compensação Mínima verifica se a reação para ver se o valor de
compensação é menor que esse valor. Se a compensação for menor que o valor,
a resposta é falha.

4. 125
A caixa de Verificação de Saturação ativa um monitor nas leituras de curva de
reação para assegurar que elas estiveram dentro do limite de hardware da
lâmpada usada.
O Segundo Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um
valor numérico deve ser entrado. Este valor é usado como uma verificação que
uma curva de coagulação real é apresentada. Em geral, o segundo umbral é
usado para discriminar entre curvas de coagulação reais e ruido ou curvas de
coagulação inst´áveis ou Fibrinógeno Baixo.
Tempo Delta é usado para verificar as curvas bifásicas; representa a diferença
em segundos entre os dois umbráis.
A Inclinação Inicial é usada para verificar as curvas não-fásicas; representa a
inclinação inicial da curva de reação no começo do tempo de aquisição. Números
de pontos e valor da inclinação podem ser entrados (valores numéricos).
A Inclinação Inicial é usada para verificar as curvas não-fásicas; representa a
inclinação final da curva de reação no final do tempo de aquisição. Números de
pontos e valor da inclinação podem ser entrados (valores numéricos).
A Primeira Parte verifica se a mistura da reação inicial a ser assegurada não
excedera o valor entrado (reação turva).
Máxima/Final verifica se a mistura final da reação está turva ou não. As leituras
de absorbância máximas menos a leitura de absorbância final não podem exceder
esse limite.

4. 126
Pressionando-se o botão Parâmetros do Umbral exibirá a seguinte janela:

A janela Primeiro Parâmetro do Umbral permite ajustar os seguintes parâmetros:


A Direção da Pesquisa do Umbral provê a opção pesquisar para o valor do
umbral na direção Forward (para frente) (iniciando-se no começo da reação) ou
Backward (para trás) (iniciando-se do fim da reação e movendo-se para o
começo).
O Modo Umbral permite a seleção do Absoluto (total) ou % da Curva para
calcular o umbral.
O Primeiro Umbral define onde o tempo de coagulação deve ser tomado; um
valor numérico deve ser entrado. O umbral representa uma mudança fixa em
turvação da compensação inicial da curva de reação.
Ajustes do Umbral Backwars ajusta não aplicável para o algoritmo.

4. 127
Parâmetros de Correção
Acessando-se a janela Parâmetros de Correção, é possível ajustar as correções
dos valores baseados na compensação da reação.
Os Parâmetros de Correção são aplicados aqui na unidade primária, nesse caso,
segundos.

O Intervalo de Compensação pode ser definido e a curva de correção em termos


de inclinação (m) e interceptador (q) podem ser ajustados.
Até 3 intervalos de correções baseados nos alcances dos resultados podem ser
ativados.
A correção é representada pela fórmula seguinte:

Y = mX + q

onde m representa o declive e q o interceptador no eixo de Y.


X é o resultado original e Y é resultado corrigido.
Valores do Intervalo Mínimo e Máximo representam o alcance de unidade na qual
a correção é esperada ser ativa.
Por coeficientes “m” e “q” ambos coeficientes de valores positivo e negativo
podem ser entrados.
Por exemplo, essa correção é usada para o método Fibrinógeno PT-Baseado em
muitas amostras lipêmicas.

4. 128
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.
Uma vez que o tipo de Algoritmo seja selecionado e definido, alguns ajustes
adicionais no Setup do cálculo principal podem ser definidos.

Apagar Parâmetros: é usado para apagar os parâmetros com um botão único.


Campo Calcular Média: se a opção para correr o teste em duplicado (campo de
teste duplo) foi escolhida, calcular a média pode ser usado para obter a média das
unidades selecionadas com cada resultado único da duplicada.
Campo Verificar Média: este campo ativa a bandeira dos valores duplicados
quando estiverem longe da média; essa unidade representada em variação da %
da unidade selecionada.
Por exemplo, se o valor inserido é 10%, a verificação é feita como Média + 10%.
Uma bandeira é apresentada quando a Duplicada estiver fora do alcance.
Seleção de Taxa: seleciona o modo para o Cálculo de Taxa. Ou contra o AR
(Referência Analítica) em cada bandeja de amostra única ou contra o Valor de
Referência. O Valor de Referância representa o Alcance Normal Médio da
População de Pacientes Locais Normal e cada laboratório deve estabelecer seu
próprio Valor de Referência.

4. 129
O teclado ou teclado numérico podem ser usados para digitar o valor próprio.
Se o cálculo versus Valor de Referência é ativado, todos os Resultados em Taxa e
INR serão calculados usando-se o Valor de Referência como denominador.
TAXA = Resultado da Amostra/ Valor de Referência
Para a Seleção de Taxa (R), 3 seleções são possíveis
- Nenhuma: nenhum cálculo é feito.
- R = S/Valor de Referência: Taxas iguais ao resultado da amostra dividido
pelo Valor de Referência.
- R = S/Padrão X: Taxa igual resultado da amostra dividido pelo valor do
padrão selecionado da calibração.

X = selecionado dos padrões definidos na calibração.


Campo da Taxa Normalizada: 3 seleções são possíveis.
- Nenhuma: nenhum cálculo é feito.
- INR = RISI
- NR = R(S)/valor de Referência

O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças


e o sistema volta à tela Principal.
Pressionando-se o botão Verificar, exibe a tela Verificar.

4. 130
Essa tela é usada quando uma Referência Analítica foi ajustada e o usuário
precisa ativar uma bandeira dos critérios baseados na Referência Analítica e o
valor da Referência Analítica Ativada (i.e. ensaio APCR-V).
A verificação é feita em % versus ovalor médio da Referência Analítica
Uma % do valor absoluto e o tipo de Valor deve ser definido.
Várias possibilidades para o valor AR podem ser escolhidas entre as seguintes:
 Valor de Referência (valor entrado manualmente pelo operador)
 Padrão 1 (contra o primeiro ponto padrão de calibração)
 Padrão 2 (contra o segundo ponto padrão de calibração)
 Padrão 3 (contra o terceiro ponto padrão de calibração)

4. 131
Selecionando o botão Setup de Curva de Calibração exibe a tela Setup de
Calibração.

Tipo de Algoritmo: 7 opções estão disponíveis: Nenhuma, Tendência Algoritmo,


Umbral, Umbral/Segunda Derivativa, Segunda Derivativa, Delta.
Definir Parâmetros: esta opção em Setup de Calibração tem as mesmas
seleções como para o Setup do cálculo de teste; por favor, reporte-se à seção
anterior neste capítulo (4.2.7)
Apagar Parâmetros: é usado para apagar os parâmetros definidos com um botão
único.
Tipo de Resposta: a unidade medida é exibida neste arquivo.
Caixa de verificação Verificar CV: se o usuário quiser sinalizar o CV dos
replicados de calibração, esta caixa de verificação deve ser selecionada.
Caixa de verificação Isolado: se verificado, o resultado isolado é automaticamente
descartado no cálculo de calibração.
O equipamento calcula a média, então descarta o valor mais distante da média,
então, a nova média é recalculada usando-se os pontos remanescentes.

4. 132
% da Taxa de Diluição: a ser definida de acordo com o Setup de carregamento
da calibração (até dois decimais podem ser entrados).
CV: quando um mínimo de três replicados foi configurado, o campo pode ser
preenchido com o valor aceitável de % de CV. Quando o valor de % de CV obtido
for maior que o limite definido, o ponto de calibração padrão específico é
sinalizado.
Unidade Final: representa a unidade calculada da calibração. A unidade pode ser
selecionada de uma lista incluindo: mg/dL, g/L, %, ng/mL, U/mL, μg/L, μmol/L,
IU/mL, %, mg/mL, μg/mL.
Nova Unidade: se uma unidade diferente daquelas incluídas nessa lista for
configurada, o usuário pode configurar uma unidade personalizada digitando-a
nesse campo (até 8 caracteres).
O botão Confirmar/ Cancelar deixará a tela, salvando ou rejeitando as mudanças
e o sistema volta à tela Principal.
Setup da Curva de Calibração: pressionando-se esse botão exibe-se a tela
Setup da Curva de Calibração.

4. 133
Essa tela objetiva definir a relação matemática entre X (unidade medida) e Y
(unidade calculada).

Normalização de X e Y: S e Y podem ser recalculados de acordo com as opções


selecionadas.
- X (como ele é).
- R = X/Padrão Z (Z = selecionado dos padrões definidos na calibração).

E para o Y
- Y (como ele é)
- R = Y/Padrão Z (Z = selecionado dos padrões definidos na calibração).

Caixa de verificação Corrigir com o AR em análise: o resultado AR na corrida é


usado para modificar à curva de calibração (ela representa uma calibração de
ponto único); todos os resultados de paciente serão calculado na base da
calibração modificada, se a caixa de verificação é conferida. Essa opção é válida
somente para as sessões de calibração dedicadas e somente para a unidade de
calibração.

Resultado Extrapolado
A função do Resultado Extrapolado é automaticamente executada e é embutido
no software. Não é visível em qualquer tela e não pode ser modificado pelo
operador. Quando um resultado estiver acima de 150% do ponto de calibração ou
abaixo de 60% do menor ponto de calibração, será sinalizado.

4. 134
Definir como Obrigatório: define qual ponto de calibração é obrigatório.

A curva de calibração pode usar funções múltiplas para melhor interpolar os


padrões de calibração.
A curva pode ser dividida em três diferentes segmentos e diferentes funções
podem ser aplicadas para cada um deles.
A fim de definir os segmentos, é necessário definir os pontos iniciais e finais que
correspondem aos padrões anteriormente definidos. Por exemplo, os ensaios de
Fator usam 3 segmentos para cobrir o alcance inteiro.
O ponto final do primeiro segmento corresponde ao ponto inicial do segundo; o
ponto final do segundo segmento corresponde ao ponto inicial do terceiro.

F(X) e G(y): lista as funções selecionável

Caixa de verificação q’: quando verificado, é possível forçar a curva a passar pelo
padrão do ponto de calibração desejado. Se os segmentos mútiplos forem
definidos, o q’ deve corresponder a ponto de interconexão entre os dois
segmentos (fim de um segmento – início do outro segmento).

4. 135
Verificações da Curva de Calibração:
Uma bandeira diferente do alcance da inclinação pode ser atribuída aos
segmentos da curva de calibração. O limite é de –99999 a +99999.
Se a urva não é dividida em segmentos, somente a primeira linha pode ser
preenchida.
Se a inclinação estiver for a do alcance dado, um erro é apresentado.
Uma bandeira diferente r2 pode ser atribuido s diferentes segmentos da curva de
calibração. Se o valor r2 for menor que o limite dado apresentado (formato é
x.xxxx), uma bandeira é exibida.
Se a curva náo for dividida em segmentos, somente a primeira linha deve ser
preenchida.
Clicando no botão Confirmar salva as mudanças e clicando no botão Cancelar
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Visualizar
Base de Dados/ Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

Setup do Paralelismo
Selecionando o botão Setup do Paraleismo permite definir as verificações
usadas para os ensaios de fator com paralelismo.

4. 136
Três diluições podem ser executadas em cada amostra. A % de Taxa de Diluição
exibe a porcentagem de diluição usada no sistema.
Os resultados para o Paralelismo podem ser selecionados para exibir e imprimir
em várias unidades usando as seguintes caixas de verificações.
o % CR: o sistema tomará os resultados em segundos para cada diluição
convertes esses resultados para % de atividade lendo-os fora da curva de
calibração, então, multiplica os resultados pela diluição de fatores.
o Ave %CR: a média dos 3 resultados de % de CR.
o % de CV-CR: o CV dos resultados de % de CR.

Inclinação*: se habilitada, um valor mínimo e máximo aceitável para a curva da


linha baseada nos 3 valores de diluição podem ser entrados. Os resultados fora
desses limites serão sinalizados “fora do alcance” e impresso em negrito.
Interceptador: se habilitado, um valor mínimo e máximo aceitável para o
interceptador da linha, baseado nos 3 valores de diluição podem ser atribuidos.
Os resultados fora desses limites serão sinalizados “fora do alcance” e os
resultados impressos em negrito.

* Para habilitar e entrar valores deve-se estar no nível de Chefe de Laboratório.

4. 137
R2: se habilitado, um valor mínimo e máximo aceitável para o R 2para a linha de
regressão linear (segundos versus recuperação de % não corrigida) baseada nos
3 valores de diluição podem ser entrados. Os resultados fora desses limites serão
sinalizados “fora do alcance” e os resultados impressos em negrito.
Variância Máxima da Porcentagem: diferença máxima permitida entre os
resultados recalculados. Esta verificação é determinada ao comparar-se o
resultado 1 da diluição com o resultado 2 da diluição e, também, comparando o
resultado 3 da diluição e o resultado 3 da diluição.
Variação Máxima de %: % de Cv máximo permitido para os resultados
recalculados.

Pressionando-se o botão Unidades exibirá as unidades disponíveis para


paralelismo. Podem-se selecionar quatro das unidades para exibir e imprimir.

Ilumine a unidade desejada e pressione Mostrar em Lista da Amostra. Uma


verificação será posta na coluna à esquerda. Essas unidades serão exibidas na
tela e impressos. Até 4 unidades podem ser selecionados.

4. 138
Unidades disponíveis incluem:
o AVECR%: média dos resultados recalculados em %
o CV-CR%: CV dos resultados recalculados em %
o Inclinação: Inclinação da linha de paralelismo
o INT: Interceptador da linha de paralelismo
o r2: correlação da linha de paralelismo baseada nos
resultados versus % de diluição. Isso é determinado
usando a análise de regressão linear.

Para a Inclinação e INT, deve-se entrar um alcance para reportar e sinalizar essas
unidades.

Os resultados para o paralelismo de fatores podem ser impressos de 3 formas:


1. Relatório de Amostra – esse relatório incluirá 4 dos seguintes selecionados pelo
usuário:
a. % de CR Ave
b. % de CV-CR
c. Inclinação
d. Int. (Interceptador)
e. r2

2. Relatório Cumulativo – esse relatório incluirá:


a. Resultados da: primeira, segunda e terceira diluição expressa em
segundos (s), porcentagem (%) e resultado corrigido em % (% de CR)
Nota: para os testes fechados por IL, a 1a. Diluição é 100%, a 2a. Diluição
é 50% e a 3a. Diluição é 25%.
b. % de CR Ave
c. % de CV CR
d. Inclinação
e. Int. (Interceptador)
f. r2

4. 139
3. Relatório de Detalhes de Paralelismo
Este relatório incluirá tudo que estiver incluído no relatório cumulativo para uma
amostra junto com uma lista de erros associados à amostra.

4.3 UTILIDADE
A porção Utilidade do software do ACL Elite/ Elite Pro agrupa todas as funções
relacionadas com salvar e manusear dados pelo software do ACL. Para facilidade
de uso, a Seção 4.3.1 mostra o submenu Utilidade e Seções 4.3.2 e subseqüentes
são rotuladas como os itens neste submenu.

4.3.1 Submenu UTILIDADE


Esse grupo de funções pode ser acessado da tela Principal pressionando-se o
botão Utilidades na barra de menu:
ATUALIZAR BIBLIOTECA da IL
BACKUP/ RESTAURAR
ARQUIVO
SOFTWARE
- Identificação do software
- Atualização do software
- Carregar-Atualizar SW Mestre
- Carregar-Atualizar SW Escravo
- Carregar-Atualizar SW REM
SALVAR ÚLTIMO MAPA do ROTOR
SALVAR RASTRO

4. 140
4.3.2 Utilidade – Atualizar Biblioteca da IL
Esta utilidade é usada para atualizar a biblioteca da IL.
Siga as instruções indicadas na tela.
A tela indicará para inserir o disquete da Biblioteca da IL no driver do disquete
(lado superior direito do equipamento) e pressione Continuar.
No final da atualização da Biblioteca da IL, todas as modificações são listadas na
tela.

As modificações que ocorrerem podem ser impressas em um relatório.

4.3.3 Utilidade – Backup/Restaurar


Essa utilidade é usada para fazer backup ou restaurar a configuração do sistema.

Backup salvará a informação seguinte para um ou mais disquetes: configuração


do sistema em termos de Hospedeiro, Impressora, Código de barra e Teclado;
todo Setup de testes, Setup de perfis, Setup de grupo de testes, Setup de líquidos,
tabela de interferência, testes default, testes de reflexão; Setup de, Setup de
testes, Setup de AR, etc.
Restaurar copiará a informação de Setup salva dos disquetes atrás do analisador.

4. 141
Nota: resultados de pacientes, curvas de calibração, resultados de
CQ e resultados de AR não podem ser feitos backup e restaurados.

Ver Data do Backup exibirá a data na qual o backup foi criado.


O disco usado para criar o backup deve ser um disquete pré-formatado, não
protegido, alta densidade, dupla face, 3-1/2”.

Advertência: pode-se fazer backup de um ACL Elie e restaurá-lo


em um ACL Elite Pro, no entanto, não se pode fazer backup de um
ACL Elie Pro e restaurá-lo em um ACL Elite.

4. 142
4.3.4 Utilidade - Arquivo
esta utilidade é usada para copiar/transferir dados analíticos para o disquete.

Quatro caixas de verificações permitem a seleção do grupo de dados a serem


copiados/transferidos.
- Dados do Paciente (alcance da data de Entrada da Amostra é
selecionável)*
- Dados de CQ (alcance da data, líquido de CQ e testes são selecionáveis)
- Dados de AR (alcance da data e testes são selecionáveis)
- Dados de Calibração (testes são selecionáveis)

*Dados de pacientes são arquivados baseado na data de entrada da amostra e


não na data na qual a amostra foi analisada.
Habilitando a caixa de verificação Remover Dados Depois de Arquivar apagará
os dados selecionados para amostras completadas do banco de dados de ACL.
Para começar o procedimento arquivando, pressione o botão de Iniciar.

4. 143
O nome de arquivo criado pelo equipamento é composto por duas letras e seis
caracteres numéricos: as duas letras identificam o tipo de seleção feito pelo
operador (CD = Dados de Calibração, QC = Controle de Qualidade, PD = Dados
dos Pacientes, AR = Referência Analítica), os números correspondem à data
quando esta operação é levada a cabo (ddmmaa). A extensão de arquivo é .000.
Estes arquivos são visíveis usando programas comuns capazes de ler dados de
texto.
Os Dados arquivados incluem o seguinte: nome do teste, nome do paciente com
demográficos relacionados, resultados, bandeiras e parâmetros da curva de
calibração, dependendo da seleção feita.

Advertência: dados arquivados não podem ser restaurados no


ACL Elite/ Elite Pro. Os dados podem se rvistos usando um PC
padrão capaz de ver dados de texto.

4.3.5 Utilidade – Software – Identificação do Software


Selecionando-se o botão Utilidade na barra de menu e selecionando-se
Identificação do Software, abre-se a tela Identificação do SW.
A seguinte informação pode ser vista, mas não editada nessa tela:
IDENTIFICAÇÃO SW MESTRE
IDENTIFICAÇÃO SW ESCRAVO
IDENTIFICAÇÃO SW REM (não disponível no ACL Elite)
BIBLIOTECA de TESTE da IL

4. 144
O botão Confirmar deixa a tela e o sistema volta para a tela Principal.

4.3.6 Utilidade – Software – Software Carregar-Atualizar


Esta opção permite atualizar e carregar as áreas do software principais quando
um lançamento do software fica disponível.
Para iniciar os procedimentos de atualização e carregamento, selecione o
software a ser atualizado e carregado (o Escravo, o Mestre ou o REM), insira o
disco e siga as instruções na tela.
O procedimento para carregar uma nova revisão de software é feito em dois
passos para cada uma das 3 áreas do software (o Escravo, o Mestre e o REM).
A operação do software Carregar copia a informação inteira no disco rígido.
A operação do software Atualização instala o software do disco rígido pelo
sistema.

4. 145
Carregar e Atualizar* Escravo
A segunda operação é Carregar Escravo (copiando informação do disco rígido).
Insira o disco, selecione o Carregar Escravo e Continuar.
Quando o procedimento Carregar estiver completo, por favor selecione Atualizar
Escravo (instalação de software do disco rígido) e Continuar.

Carregar e Atualizar* Mestre


A primeira operação é Carregar Mestre (copiando informação do disco rígido).
Insira o disco, selecione o Carregar Mestre e Continuar.
Quando o procedimento Carregar estiver completo, por favor selecione Atualizar
Mestre (instalação de software do disco rígido) e Continuar.

Carregar e Atualizar* REM


A terceira operação é Carregar REM (copiando informação do disco rígido).
Insira o disco, selecione o Carregar REM e Continuar.
Quando o procedimento Carregar estiver completo, por favor selecione Atualizar
REM (instalação de software do disco rígido) e Continuar.
No final de cada operação, por favor verifique se Identificação de Software
informa o número de revisão correto.

Advertência: *Advertência: cada kit de Atualização incluirá


instruções detalhadas que substituem as instruções anteriores caso
sejam diferentes.

Por favor, siga as instruções no pacote de atualizações para executar as


operações de Carregar e Atualizar.

4. 146
4.3.7 UTILIDADE – Salvar Mapa do Rotor
Selecionando-se o botão Utilidade na barra de menu e selecionando-se Salvar
Mapa do Rotor, abre-se a tela Salvar Rotor mostrado a seguir:

Essa utilidade é usada para a análise dos dados brutos em um disquete.


O sistema retém od dados brutos para todo teste executado pelos últimos 31 dias.
O usuário pode digitar o nome do arquivo e selecionar o formato do arquivo
conferindo a caixa de verificação apropriada.
Os arquivos DAT são compatíveis com o Programa de Pesquisa da Windows.

Nota: o arquivo DAT estará somente disponível se um teste (até 19


amostras no máximo) for executado no rotor. Se mais testes forem
executados no mesmo rotor, a opção arquivo DAT não estará
disponível.

Os arquivos TXT são arquivos ASCII e são compatíveis com os editores de texto
mais comuns e planilha eletrônica (i.e. Word ou Excel)
Um máximo de 8 caracteres pode ser usado para nome de arquivo. Não entre a
extensão do nome de arquivo quando entrar o nome do arquivo.

4. 147
A extensão será automaticamente adicionada dependendo da caixa de verificação
selecionada (TXT ou DAT).
O formato do nome de arquivo é: RMdxxhyy.
o xx = dia do mês em que a corrida foi executada
o yy = hora do dia em que a corrida foi executada*

inserir o disco e pressione Continuar.


O botão Cancelar sairá para a tela Principal.

Nota: se corridas múltiplas forem executadas dentro da hora


selecionada, todas as corridas serão salvas no disco. Uma marca
de tempo de corrida separa os vários dados de corrida no disco. O
fim do tempo da corrida é usado para a marca de tempo.

4.3.8 Utilidade – Salvar Rastro


Esta utilidade é usada para salvar todas as operações executadas pelo
equipamento.
Esta utilidade é usada com o propósito de resolver problemas no caso de defeito
do software puder ocorrer (i.e. erro da base de dados, sistema de encerramento,
etc.).
O sistema salva até 31 arquivos de rastro, um para cada dia pelos últimos 30 dias.

4. 148
Digite o nome do arquivo usando o seguinte formato: Trace_XX.txt.
Usando um nome de arquivo já no disco subscreverá o arquivo anterior.
XX é o dia do mês que você quer salvar no localizar.
Por exemplo, salvar o rastro para o décimo dia digite: Trace_10.txt.
No caso do sistema tiver de ser reiniciado, o arquivo de rastro pode ainda ser
executado depois de reiniciar o analisador.
A dimensão do arquivo de rastro é de no máximo 1.44 Mb.

Nota: o arquivo de rastro somente monitorará o software interno ou


erros de base de dado. Um arquivo do rastro não inclui informação
sobre resultados anormais.

4.3.9 Utilidade – Teste/Material – Backup e Carregar


Esta característicapermite definições de material e teste único a ser copiada
dentro de disquetes e carragado do disco.
Selecionando a opção Backup do menu exibe a seguinte tela:

4. 149
A caixa abaixo Teste/Material permite selecionar um ID de material, de teste ou
grupo de teste para backup.
A lista de Teste/Material abaixo da seleção exibirá, então, ou o Ids do material
testes ou grupo de teste baseado na seleção acima.
Verifique a caixa Comentários pra incluir os comentários internos no backup.
Na caixa Nome do Arquivo entra o nome do arquivo (máximo de 8 caracteres
com extensão necessária).
Pressione o botão Confirmar do menu exibe a seguinte tela.
Selecionando-se a opção Carregar do menu a seguinte tela é exibida:

4. 150
Selecione Teste/Material da caixa abaixo.
Uma verificação na caixa subscrever causará a nova informação carregada para
colocar a informação atualmente definida no sistema.
Entre o Nome do Arquivo do Material ou teste ser carregado (máximo de 8
caracteres com nenhuma extensão necessária).
Pressione o botão Confirmar para iniciar p backup ou o botão Cancelar para sair
da tela.

4. 151
Diagnóstico e Manutenção

5.0 Introdução
A proposta desta Seção é familiarizar o usuário do ACL Elite/ Elite Pro com os
procedimentos diagnósticos do software-dirigido que são executados
automaticamente pelo sistema a pedido do operador. Por meio dos programas de
diagnósticos do ACL, o usuário pode acessar o histórico de erro e os livros de
registro do sistema assim como executar verificações nos itens fundamentais do
hardware.
Além disso, essa Seção contém toda a informação necessária para executar os
procedimentos de Manutenção Preventiva e, assim manter o ACL Elite/ Elite Pro
nas melhores condições de funcionamento.

5.1 O Submenu DIAGNÓSTICO


o submenu Diagnóstico pode ser acessado da tela principal pressionando-se o
botão DIAGNÓSTICO na barra de menu.
PRIMING
LIMPEZA
MANUTENÇÃO
CONTROLE de TEMPERATURA
POSIÇÃO das AGULHAS
SESÃO HISTÓRICO dos ERROS
ARQUIVO HISTÓRICO dos ERROS
LIVRO de REGISTROS
SERVIÇO (dimmed). Acessível somente para Serviço

As seguintes seções contêm detalhes sobre cada um dos itens no submenu


Diagnóstico.

5. 1
5.1.1 Priming (preparação)
INSTRUÇÕES para executar um CICLO PRIMING
(do status PRONTO)

 Clique no botão Diagnóstico na barra de Menu Principal


 Selecione Priming do menu Diagnóstico

Todo ACL começa um ciclo de preparação lavando as agulhas e pistões


Duração: aproximadamente 50 segundos.

A característica Priming do menu Diagnóstico permite ao operador executar um


ciclo automático de preparação no ACL a fim de lavar os pistões e agulhas do
módulo de carregamento. Este ciclo de preparação pode somente ser ativado se o
sistema estiver no modo Pronto.
O ciclo de preparação deve ser executado nas vezes seguintes:
- Começo de um trabalho ou uma troca
- Fim de um trabalho ou uma troca
- Quando o ACL estiver desligado por um período prolongado de tempo.
- Depois da substituição da garrafa de Emulsão de Lavagem-Referência

A fim de executar-se um ciclo de preparação, clique no botão Diagnóstico na


barra do Menu Principal e selecionea opção Priming do submenu Diagnóstico
para abrir a tela Priming:

5. 2
A janela nessa tela exibe uma barra que muda durante a ativação do ciclo para
mostrar o tempo decorrido para um total de aproximadamente 50 segundos.
Os dois diluidores do pistão moverão a preparação para cima e para baixo da
linha de tubulação com um consumo de aproximadamente 6 mL de Emulsão de
Lavagem-R (20 batidas por um único diluidor de pistão – total de 40 batidas; cada
braçada única de 0.15 mL)..

* BOTÕES ATIVOS no topo dessa tela são:


- Stop (parar) seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
parar a operação atual? Ok confirma a escolha de parar e Cancel (cancelar)
cancela a operação:

- Database View (ver a base de dados) exibe a tela Ver Base de Dados ou
Principal.
- Shutdown (fechar) seguido por uma janela de confirmação Você realmente
quer fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5. 3
Nota: quando o equipamento estiver em standby, um ciclo de
preparação automático é executadoa cada 30 minutos. O
consumo da Emulsão de Lavagem-Referência é de
aproximadamente 0.9 mL (3 batidas por diluidor do pistão
único – total de 6 batidas; a cada batida única de 0.15 mL).

5.1.2 Limpeza
INSTRUÇÕES para executar um CICLO LIMPEZA
(do status PRONTO)

Antes de iniciar o ciclo de limpeza, coloque as soluções de limpeza desejadas na


posição R6 do reagente (para a linha de reagente) e posição R7 de reagente (para
a linha de amostra)

 Clique no botão Diagnóstico na barra de Menu Principal


 Selecione Limpeza do menu Diagnóstico

Todo ACL começa um ciclo de limpeza para as agulhas da amostra


Duração: dependendo da configuração do cilo (ver detalhes a seguir)

A característica Limpeza do menu Diagnóstico permite ao operador executar uma


limpeza automática profunda das agulhas do ACL usando as soluções de limpeza
selecionadas, seguido pelos ciclos de enxágüe usando a Emulsão de Lavagem-
Referência. Antes de iniciar o ciclo, as soluções de limpeza selecionadas devem
ser postas na posição R6 do reagente para a linha do reagente e a posição R7 do
reagente para a linha da amostra.

5. 4
Para recomendações sobre as soluções de limpeza, reporte-se às Seções 5.2.3 e
5.2.7

A fim de executar um ciclo de limpeza, clique no botão Diagnóstico na barra de


Menu Principal e selecione a opção Limpeza do submenu Diagnóstico para abrir
tela Limpeza mostrada a seguir. Nota: Este procedimento pode somente ser
iniciado se o sistema estiver no modo PRONTO.
Nessa tela o operador pode definir a configuração da operação de limpeza:

- VOLUME – volume em microlitros de soluções de limpeza (posições R6 e


R7) a serem usadas em cada ciclo único para limpar as linhas do reagente
e da amostra: o default (padrão do fabricante) é 130 microlitros. O volume
mínimo é 0 e o máximo é 130 microlitros.
- NÚMERO de CICLOS – o número de ciclos de limpeza usando as soluções
de limpeza (a mesma para ambas as linhas); o default é 3 ciclos. O mínimo
é 1 e o máximo é 5 ciclos. Selecionando-se 0 nenhum ciclo será executado.
- LAVAGEM na CONCLUSÃO – número de ciclos de enxágüe (definido para
cada linha) usando Emulsão de Lavagem-Referência; o default é 5 ciclos. O
mínimo é 1 e o máximo é 5 ciclos. Selecionando-se 0 nenhum ciclo será
executado.

5. 5
No mínimo a linha da amostra, as dos reagentes ou ambas precisam ser definidas
antes de pressionar “Iniciar” para o ciclo de limpeza a ser executado.

Procedimento de Limpeza
Materiais necessários:
 4 frascos de vidro (volume de 10 mL; diâmetro sw 23 mm)
 16 mL de soluçao de Limpeza
 16 mL de Fator Diluente
coloque a solução de Limpeza nas posições R6 e R7 usando os dois frascos de
vidro indicados (volume máximo de 10 mL; diâmetro de 23 mm) enchidos com 8
mL de cada uma das seguintes soluções:
 HemosIL Solução de Limpeza (P/N 98317-00) para um procedimento
normal de limpeza ou
 HemosIL Agente de Limpeza (P/N 98327-00) diluído 1:8 para um
procedimento de Descontaminação.

Clicando no botão Iniciar começa o ciclo de limpeza e abre-se uma janela


exibindo uma barra que muda para mostrar o tempo decorrido do procedimento.

5. 6
Se nenhum líquido é detectado nos frascos, a limpeza será abortada.
Depois do primeiro passo usando a solução de limpeza apropriada, substitua os
dois frascos cheios com o Diluente de Fator em R6 e R7. Reinicie a limpeza.
Se os líquidos não estão nas posições apropriadas, o ciclo abortará
automaticamente e uma janela de erro parecerá.
Clicando no botão Cancelar sai-se da tela.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Stop (parar) para o procedimento de limpeza.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5.1.3 Manutenção
A subseção Manutenção do menu Diagnóstico permite ao usuário acessar e
gravar datas relacionadas à performance das operações de manutenção
específicas. Isso significa manter trilha da frequencia com que o equipamento é
mantido e as propostas de resolver problemas.

Para informação sobre os Procedimentos de Manutenção e guia de


freqüência recomendadas, reporte-se à Seção 5.2.

5. 7
Para abrir a tela Manutenção, clique no botão Diagnóstico na barra de Menu
Principal e selecione a opção Manutenção do submenu Diagnóstico:

Uma janela grande que ocupa a maior parte da tela exibe uma lista das operações
de manutenção sugeridas junto com sua freqüência recomendada em dias
Operação Dias (Freqüência)
 CICLO de LIMPEZA 7
 RESERVATÓRIO de RESÍDUO de ENXÁGÜE 7
 LIMPAR dos SENSORES ÓTICOS e JANELAS 14
 LIMPAR FILTRO de AR 28

Próxima à coluna Manutenção/Operação há três outras colunas contendo a


seguinte informação relativa a cada procedimento:
ÚLTIMA DATA: a data não precisa ser digitada depois da performance de uma
operação específica. Clicando no botão Data leva a data do dia atual a aparecer
automaticamente. Os itens exibidos em vermelho indicam que a manutenção é
passada, a freqüência listada está atrasada.

5. 8
Se uma corrida é processada com manutenção atrasada, o botão Sessão
Histórico do Erro se iluminará para alertar o operador e os resultados serão
sinalizados. O ícone de alerts será também iluminado quando a manutenção é
devida. O botão Limpar apagará a data exibida.

DIAS: este número não pode ser editado; é a freqüência recomendada pela IL em
dias nos quais este procedimento deve ser executado.

O ícone NOTA abre a tela Inserir Notas para a entrada de texto livre (26
caracteres no máximo podem ser impressos).
Clicando no botão Confirmar, salva as mudanças na tela Notas.
Clicando no botão Cancelar, rejeita as mudanças, em ambos os casos o sistema
volta para a tela Prinipal.
Clicando no botão Imprimir, seguido por uma janela de confirmação Você
realmente quer imprimir? Sim/Não, imprime a lista de manutenção.
Clicando no botão Confirmar, salva as mudanças e clicando no botão Cancelar,
rejeita as mudanças; em ambos os casos o sistema volta para a tela Prinipal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5. 9
5.1.4 Controle de Temperatura
Pela opção Controle de Temperatura do submenu Diagnósticos, o operador é
capaz de verificar se as temperaturas do sistema estão dentro de seus alcances
aceitáveis. Isso é uma tela de atualização em tempo real e a exibição tremulará
quando as temperaturas estiverem constantemente atualizadas.
Clicando no botão Diagnóstico na barra do menu Principal e selecionando-se
Controle de Temperatura abre a tela Controle de Temperatura:
A janela nessa tela contém 3 colunas:

DISPIOSITIVO – indica as áreas que são verificadas.


ALCANCE NORMAL (oC) – indica o alcance aceitável para cada dispositivo:
- Portador do rotor 38 a 39oC 100.4 a 102.2oF
- Peltier 10 a 16oC 50 a 60.8oF
- Transporte* do Rotor 34 a 40oC 93.2 a 104.0oF
- Pilha 34 a 40oC 93.2 a 104.0oF
TEMPERATURA – (oC ou oF de acordo com as Unidades selecionadas no Setup)
– indica a temperatura atual na área.

5. 10
* Usado para base do monitor da pilha do rotor no ACL Elite.

Clicando no botão Imprimir, seguido por uma janela de confirmação Você


realmente quer imprimir? Sim/Não, imprime o relatório da lista da temperatura.
Clicando no botão Confirmar, sai da tela e volta para a tela Prinipal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5.1.5 Posição das Agulhas


A opção Posição das Agulhas do submenu Diagnóstico é usada para centralizar
as agulhas depois de mudar ou remover o bloco de agulhas.
As posições das agulhas são verificadas com a cobertura do rotor aberta, por isso
pressione o botão Abrir/ Fechar Cobertura para abrir a cobertura do rotor. Instale
a ferramenta de alinhamento.
Clicando no botão Diagnóstico na barra do Menu Principal e selecionando
Posição das Agulhas causará uma auto-inicialização muito rápida. Depois de um
lembrete para abrir a cobertura, o braço se move acima do portador do rotor.

5. 11
O botão Levantar/ Abaixar Braço elevará ou baixará o braço acima da área do
portador do rotor.
O botão Rotar moverá o portador do rotor a 90oC (1/4 da volta).
Se o procedimento de posição de agulhas for levado a cabo, a ferramenta de
ajuste da agulha deve ser colocada no portador do rotor. Para detalhes sobre
eesa operação, reporte-se à Seção 5.2.6.
Lembre-se de remover a ferramenta no final do procedimento.
Clicando no botão Stop, seguido pela janela de confirmação Você realmente quer
parar a operação atual? Ok o sistema volta pata a tela Principal; Cancelar
cancelará a operação.
A fim de verificar a centralização da agulha com a cobertura do rotor fechada,
repita a operação descrita no 5.2.6.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5. 12
5.1.6 Sessão Histórico de Erros
Qualquer erro ou alarme ocorrendo durante uma sessão analítica é registrado no
sistema.
Até 20 erros podem ser armazenados no arquivo de erro. O arquivo é manuseado
automaticamente usando uma a uma aproximações.
Se o usuário quer visualisar os erros e alarmes enquanto a sessão estiver ativa,
clicando no botão Diagnóstico na barra de menu Principal e, então, selecione a
opção Sessão Histórica de Erros abrirá a tela Sessão Histórico de Erros.

A janela nessa tela contém descrições de tdos os erros e advertências que


ocorreram durante a sessão atual com a data e hora. O último erro ou advertência
aparecerá no topo da lista,
Clicando no botão Imprimir, seguido por uma janela de confirmação Você
realmente quer imprimir? Sim/Não, imprime a lista de erros.
Clicando no botão Confirmar sai da tela e o sistema volta para a tela Principal.
Tão logo quanto possível, uma nova sessão começa, os erros da sessão anterior
são automaticamente apagados e os erros permanentes são transferidos para a
base de dados do Arquivo Histórico de Erros.

5. 13
* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:
- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5.1.7 Arquivo Histórico de Erros


O software do ACL Elite/ Elite Pro registra, armazena e exibe todos os erros e
advertências que ocorreram desde que o sistema esteja ligado.
Até 100 erros podem ser armazenados no arquivo de erro. O arquivo é
manuseado automaticamente usando uma a uma aproximações.
O histórico de erro pode ser visualisado na tela Arquivo Histórico de Erros
(mostrado a seguir) que abre primeiro clicando-se no botão Diagnóstico na barra
de menu Principal e, então, selecionando a opção Arquivo Histórico de Erros do
submenu Diagnóstico.

Essa tela exibe descrições de todos os erros e advertências junto com a data e a
hora quando ocorreram. O último erro ou advertência aparecerá no topo da lista.
Clicando no botão Imprimir, seguido por uma janela de confirmação Você
realmente quer imprimir? Sim/Não, imprime os registros do livro de registros.

5. 14
Clicando no botão Limpar, seguido por uma janela de confirmação apaga todas
as mensagens no arquivo. Disponível apenas no nível do Serviço IL.
Clicando no botão Confirmar sai da tela e o sistema volta para a tela Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/Fechar abre ou fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5.1.8 Livro de Registro (Logbook)


O software do ACL Elite/ Elite Pro registra, armazena e exibe todos os erros e
advertências que ocorreram desde que o sistema esteja ligado.
Ações localizadas no Livro de Registro são todas as condições na qual uma
decisão do operador é tomada. Por exemplo, uma entrada de Líquido, uma
mudança no valor assinalado, uma modificação no setup e/ou na configuração,
etc. são registrados.
Até 200 mensagens podem ser armazenadas no arquivo logbook. O arquivo é
manuseado automaticamente usando uma a uma aproximações.
O livro de registro pode ser visto na tela Logbook que abre primeiro clicando no
botão Diagnóstico na barra de menu Principal e, então, selecionando a opção
Logbook do submenu Diagnóstico.

5. 15
Essa tela exibe descrições de todas as ações e o nível de o login junto com a data
e a hora quando ocorreram. A última ação aparecerá no topo da lista.
 DATA/HORA – data e hora quando a ação ocorreu.
 NÍVEL: nível da senha.
 NOME do USUÁRIO: usuário.
 AÇÃO: descrição da ação executada.
 NOTA: campo do usuário editável para comentários.

Clicando no botão Notas o operador é autorizado a entrar comentários para cada


mensagem do livro de registro (26 caracteres no máximo).
Clicando no botão Imprimir, seguido por uma janela de confirmação Você
realmente quer imprimir? Sim/Não, imprime os registros do livro de registros.
Clicando no botão Confirmar sai da tela e o sistema volta para a tela Principal.

* BOTÕES ATIVOS na base dessa tela são:


- Abrir/ Fechar abre e fecha a cobertura do portador do rotor.
- Database View exibe a tela Ver Base de Dados ou Principal.
- Shutdown seguido por uma janela de confirmação Você realmente quer
fechar o ACL? Sim fecha a sessão, permitindo ao operador sair e;ou
desligar o sistema; Não cancela a operação.

5. 16
5.1.9 Serviço (obscurecido)
Esta seção não está disponível no nível de usuário.
Estes procedimentos listados na Seção Serviço do software são para ser
executada somente por Engenheiros de Serviço treinados da IL e, portanto, não
estão incluídos nesse Manual do Operador.

5.2.Procedimentos de Manutenção
5.2.1 Introdução
O ACL é um equipamento de precisão. A fim de mantê-lo em condição funcional, a
IL recomenda que as seguintes operações sejam levadas a cabo por um operador
treinado na freqüência especificada.

Advertência: O equipamento deve ser descontaminado antes de


executar qualquer procedimento de manutenção e/ ou serviço. Para
instruções relacionadas a Procedimentos de Descontaminação,
reporte-se à Seção 5.2.7 a seguir.
Enquanto executar procedimentos de manutenção, o operador deve
usar roupa protetora e luvas para prevenir contato direto com artigos
potencialmente contaminados com sangue. As mãos também deve
ser lavadas imediatamente depois das luvas terem sido removidas e
antes de deixar o laboratório. Também se reporte a NCCLS GP25-A
Vol. 13 no. 22: Administração do Resíduo do Laboratório Clínico,
Dec. 1993.

5. 17
5.2.2 Manutenção Preventiva Diária
As seguintes verificações e procedimentos devem ser executados no ACL antes
de começar o teste diário ou uma vez a cada troca.

Nota Importante: O ACL executará otimamente se permanecer


ligado sempre. O circuito eletrõnico complexo é confiável se o
número de ciclos de ligar/ desligar for mantido a um mínimo.
Deixando o equipamento no modo Standby garantirá o consumo de
força mínimo e máxima prontidão para a operação a qualquer hora
para operação. Para informação adicional, reporte-se à Seção 1.

 Verificação da Emulsão de Lavagem-Referência


A garrafa de Emulsão de Lavagem-Referência é provida de um sensor de nivel do
líquido que relata em tempo real a quantidade de soluções deixadas na garrafa
(mL). Este sensor também produz uma advertência para alertar o operador
quando a solução na garrafa é insuficiente para teste adicional.
Se o sensor estiver desligado na opção Configuração de Setup, o operador deve
verificar se o nível de líquido na garrafa está a pelo menos 1.5 a 2 cm do fundo.
Se o nível estiver mais baixo, substitua a garrafa de Emulsão de Lavagem-
Referência por uma cheia e execute o procedimento de preparação antes de usar
o sistema para teste.

Nota: a um nível de 2 cm, há solução suficiente para executar o


teste em um ou dois rotores mais (levando-se em conta o volume
morto da garrafa).

 Verificação do Recipiente do Resíduo Líquidol


Verifique o nível do recipiente de resíduo e esvazie-o se necessário. Também
verifique, visualmente, se o resíduo flui livremente no recipiente. Para instalação
correta, por favor, reporte-se à Seção 2.

5. 18
Advertência: O resíduo líquido do equipamento deve ser
considerado uma fonte de contaminação e deve ser descartado
seguindo os procedimentos de resíduo do laboratório, em
conformidade com os regulamentos locais. Também se reporte a
NCCLS GP25-A, Vol. 13, n. 22: Administração de resíduos de
Laboratório Clínico, Dec. 1993.

 Executar o Procedimento Priming


O procedimento Priming é usado para enxaguar o caminho do fluxo do líquido do
sistema e, assim, assegurar a remoção de resíduos da amostra ou do reagente
que podem se acumular durante a análise da amostra. O procedimento de
preparação é um modo efetivo para manter a estrutura da agulha do ACL e o
reservatório de enxágüe em boas condições de funcionamento.
O procedimento da preparação automático do ACL deve ser executado no
princípio e no término de cada dia de funcionamento.
A fim de executar o ciclo de preparação, clique no botão Diagnóstico na barra do
Menu Principal e selecione a opção Priming do submenu Diagnóstico. A tela
Priming se abre com uma mensagem "Preparação em Progresso" e a preparação
começa imediatamente. Quando o sistema do dispensador termina de enxaguar
as agulhas da amostra e do reagente, o equipamento volta automaticamente ao
Menu Principal. Para detalhes adicionais, reporte-se à Seção 5.1.1.

Importante: Enquanto o ciclo Priming está em desenvolvimento, o operador deve


inspecionar três itens visualmente:
 O número de bolhas na câmara de diluidor está reduzido a um
mínimo. Se as bolhas ainda estiverem presentes, pince os tubos da
saída da câmara enquanto o pistão estiver descendo e solte-os antes de
alcançar o pistão do fundo do centro morto. Repita o ciclo de preparação
quando necessário até todas as bolhas ter saído.

5. 19
 Não haja nenhum bloqueio ou vazamento no caminho do fluxo do
líquido e o líquido esteja fluindo suavemente do reservatório e dos
diluidores para as agulhas.
 Haja fluxo livre de resíduo líquido da câmara de lavagem para o tubo
de saída do equipamento e, então, para o recipiente do resíduo.

 Esvaziar o Resíduo do Rotor


Para acessar o recipiente com os rotores usados, abra a porta pequena na frente
do corpo do analisador, à direita da área do reagente. Agarre a manivela do
recipiente e puxe-a para removê-la.
Descarte corretamente os rotores usados encontrados no recipiente do resíduo do
rotor.

Localização do Recipiente de Resíduo do Rotor e o Resíduo do Rotor

Advertência: os rotores contêm materiais potencialmente


contaminados; descarte e incinere os rotores usados de acordo
com os regulamentos locais formais.

5. 20
Nota: Um rotor parcialmente usado pode ser deixado no
portador do rotor. Um cronõmetro de 24 horas é posto
quando um novo rotor é introduzido. Depois de 24 horas, o
usuário será incitadoa entrar nas posições abertas dos
cuvetes para subseqüentes corridas no rotor. A fim de remover
um rotor do portador de rotor, pressione o ícone Abrir/ Fechar
para abrir a cobertura de portador do rotor e, manualmente, cubra
o rotor e, tendo a certeza de não derramar seu conteúdo enquanto
transporta-o para o recipiente do resíduo. Feche a cobertura do
portador do rotor, pressionando o ícone Abrir/ Fechar na tela. Um
rotor parcialmente usado pode ser colocado de volta no portador
de rotores para usar os cuvetes restantes. Antes de colocar um
rotor de volta no analisador, o último cuvete usado deve ser
enchido com 200 μL de Solução de Lavagem-Referência.

Advertência: Não devolva um rotor parcialmente usado ao pré-


aquecedor do rotor.

5.2.3 Manutenção Preventiva Semanal


A manutenção preventiva semanal para o ACL consiste em limpar todas as áreas
chaves do equipamento que normalmente entram em contato com amostra e
reagentes e, por isso, acumulam resíduos que vão, se permitido, prejudicar a
funcionalidade do equipamento e afetar os resultados do teste.

As partes/ áreas a serem limpas são:


- O corpo de instrumento, inclusive a área autoclassificadora e a área do
portador do rotor,
- A estrutura da agulha
- O reservatório de enxágüe

5. 21
 Procedimento Geral de Limpeza do Equipamento
Enxugue todas as superfícies expostas do corpo do analisador, o compartimento
interno do autoclassificador e o compartimento de rotor (excluindo o portador do
rotor), usando um pano empapado em solução de 0.1N Ácido Clorídrico (HCI) (IL
Solução de Limpeza P/N 98317-00). Enxágüe usando um pano empapado em
água de deionizada. Enxugue-o.

 Limpeza da Amostra Derramada


No caso de derrame de amostra no autoclassificador ou no compartimento de
rotor, pode ser exigido limpar o sensor de cuvete e os dois caminhos ópticos na
área de análise.
O sensor de cuvete dentro da área de bandeja de amostra: enxugue as duas faces
verticais do sensor de cuvete usando um pano limpo ou ponta de algodão
empapado em uma solução de 0.1 N HCI. Derrames no compartimento do rotor
devem ser limpos usando HemosIL Agente de Limpeza (P/N: 98327-00) diluído
(1:8). Complete com água deionizada e seque com um pano limpo ou aplicador de
ponta de algodão.
Os caminhos óticos na área de análise: reporte-se à seção 5.2.4 a seguir.

 Procedimento de Limpeza das Agulhas


Embora o procedimento de preparação diário ajude na manutenção das agulhas
de amostragem/ dispensa em boas condições de trabalho, depois enquanto uma
proteína e outros depósitos acumularão no lado de dentro e de fora das agulhas
de amostragem/ dispensa. O seguinte procedimento de limpeza deve ser
executado semanalmente para remover esses depósitos.
O procedimento requer interação entre o operador e o software de ACL. Para
detalhes adicionais, reporte-se à Seção 5.1.2 – Limpeza.

5. 22
Setup do ACL:
Coloque 8 mL de uma solução 0.1 N HCI em 2 frascos.
Coloque os frascos vazios na posição de reagente R6 e R7.
Para informação mais detalhada, por favor, reporte-se à Seção 5.1.2 – Limpeza.

Ciclo de Limpeza
Clique no botão Diagnóstico na barra do Menu Principal e selecione a opção
Limpeza do submenu Diagnóstico para exibir a tela Limpeza.
Nesta tela o operador define a configuração da operação de limpeza, de acordo
com as necessidades do equipamento (reporte-se à Seção 5.1.2).
Clicando o botão Iniciar começa o ciclo de limpeza e abre-se uma janela que
exibe uma barra que muda para mostrar o tempo decorrido do procedimento.

Advertência: Se amostras suspeitas de infecção foram testadas


no sistema, reporte-se à Seção 5.2.7 para seguir o Procedimento
de Descontaminação apropriado.

 Procedimento de Limpeza do Reservatório de Enxágüe


Siga os passos a seguir para limpar o reservatório de enxágüe:
Clique no botão Diagnóstico na barra do Menu Principal e selecione Posição das
Agulhas.
Isto levará o braço da agulha a se mover até o topo do portador de rotor.
Remova o reservatório de enxágüe, lave completamente com uma solução de
0.1HCI e enxágüe com água deionizada.
Devolva o reservatório de enxágüe a sua posição. Pressione o ícone Stop e
confirme com OK. O braço da agulha volta à posição inicial no reservatório de
enxágüe de resíduo. O equipamento volta ao status Pronto.

5. 23
5.2.4 Manutenção Preventiva Quinzenal
O portador do rotor e os componentes do caminho óptico que se encontram na
área de análise devem ser limpos a cada duas semanas de uso normal do
equipamento.
Procedimento de Limpeza do portador de rotor e do caminho ótico.
Pressione o ícone Abrir/ Fechar Rotor para abrir a cobertura do portador do rotor.
Proceda como segue, usando a figura a seguir como uma referência:

Limpando o Caminho Ótico

- Usando um aplicador de ponta de algodão, umedeça com água deionizada,


limpe todos os 20 buracos no portador do rotor e a superfície do sensor do
canal. Use um aplicador de ponta de algodão limpo e seco para remover
toda a umidade destas áreas.
- Limpe a superfície do sensor LED (sob o portador do rotor) e a superfície
da fibra ótica do LED, usando um aplicador de ponta de algodão umedecido
com água deionizada. Use um aplicador de ponta de algodão limpo, seco
para secar bem estas áreas.
- Usando um aplicador de ponta de algodão umedecido com água
deionizada, limpe a saída da fibra da lâmpada de halogênio sob o portador
do rotor e a superfície do filtro do sensor do canal cromogênico montado na
cobertura do portador do rotor, como visto na figura anterior.

5. 24
Use um aplicador de ponta do algodão limpo, seco para secar as áreas depois de
limpar.
Pressione o ícone Abrir/ Fechar Rotor para fechar a cobertura do portador do
rotor.

5.2.5 Manutenção Preventiva Mensal


 Verificando e Limpando o Filtro de Ar
Para limpar o filtro de ar do analisador, ele deve ser removido primeiro de sua
localização do lado direito do equipamento. Insira um dedo na abertura de
portador; o filtro desliza quando puxado (veja a figura a seguir).

Removendo o Filtro do Ventilador

Verifique o filtro. Se estiver sujo ou bloqueado, limpe-o com ar comprimido ou


lave-o com água e sopre-o até secar.
Se o filtro aparece danificado, deve ser substituído.
Não coloque um filtro molhado de volta na posição do analisador.
Insira o filtro limpo ou novo atrás no portador.

5. 25
5.2.6 Manutenção Quando Necessária
 Procedimento de Limpeza da Linha de Resíduo
Este procedimento é executado para prevenir a formação de coágulos ou limpar
quaisquer possíveis bloqueios (devido a coágulos) na linha de resíduo. A
freqüência com que este procedimento deve ser feito depende da carga de
trabalho diária; uma vez por dia pode ser necessário para cargas pesadas e
menos freqüentemente para cargas de mais leves.

Nota: Este procedimento pode ter de ser executado mais


freqüentemente quando necessário, dependendo do uso do
equipamento.

Materiais requeridos:
- uma seringa de plástico de 20 mL.
- um tubo de 20 cm de PVC, 4 mm ID, 6 mm OD (estas dimensões do tubo
devem ser tais que se ajustarão sobre a seringa em uma ponta e na linha
de resíduo na outra ponta).
- 20 mL de água deionizada.
- um recipiente para a água deionizada.

Preparação
Remova a agulha da seringa de plástico (se necessário) e ajuste o tubo do PVC
no fim da seringa. Encha a seringa de água deionizada.

Procedimento
Clique no botão Diagnóstico na barra de Menu Principal e selecione Posição das
Agulhas do submenu Diagnóstico. Isto levará o braço a mover-se até o topo do
portador do rotor.
Remova o reservatório de enxágüe e limpe se necessário (reporte-se à Seção
5.2.3).

5. 26
Insira a ponta livre do tubo de PVC na linha do resíduo (buraco na área do
reservatório de enxágüe). Cuidadosamente injete a água deionizada na linha do
resíduo e verifique se os fluxos dos líquidos da linha do resíduo externa do
equipamento para o recipiente de resíduos.
Repita o procedimento várias vezes para assegurar a remoção de qualquer
bloqueio potencial.
Substitua o reservatório de enxágüe. Clique no ícone Stop e confirme com OK; o
braço volta à posição do resíduo e o ACL volta ao status Pronto.

 Substituindo a Agulha
- Pressione o ícone Abrir/ Fechar Cobertura do Rotor para abrir a
cobertura do rotor.
- Clique no botão Diagnóstico na barra do Menu Principal e selecione
Posição das Agulhas do submenu Diagnóstico. O braço de agulha move
acima do portador do rotor.
- Rotule as duas tubulações que conectam a estrutura da agulha (i.e. topo e
base).
- Solte o botão branco na parte de trás da agulha, desconecte a tubulação,
desconecte o cabo do sensor e remova o bloco de agulha.
- Insira o bloco de agulha novo, conecte o cabo do sensor, conecte as duas
tubulações e posicione o bloco mais alto que a superfície de topo do braço.

Siga o procedimento do posicionamento da agulha como descrito a seguir.

 Procedimento de Posicionamento da Agulha


O procedimento para reposição ou ajuste das agulhas de amostragem/ dispensa
do ACL é necessário nas seguintes situações:
o Depois de ter desmontado o bloco de agulhas para limpeza ou da
descontaminação das agulhas.
o Depois de ter mudado o bloco de agulhas.

5. 27
Procedimento
o A fim de verificar se a agulha centrada com a cobertura aberta, pressione o
ícone Abrir/ Fechar Cobertura do Rotor para abrir a cobertura do rotor.
o Insira “ferramenta de alinhamento da agulha” (uma ferramenta especial no
kit transportado) dentro do portador do rotor com o lado A virado para cima
(reporte-se às figuras nas próximas páginas).
o Clique no botão Diagnóstico na barra do Menu Principal e selecione
Posição das Agulhas do submenu Diagnóstico. Uma tela Abrir Cobertura?
Sim/Não exibirá se você não pode abrir a cobertura anteriormente. Clique
Sim para abrir a cobertura. O braço de agulha se move para cima do
portador do rotor.
o Solte o botão branco na parte de trás do braço de agulha e mova o bloco da
agulha (ou insira um novo) de forma que a superfície de topo esteja mais
alta que a superfície de topo de braço.

o Clique no botão Levantar/ Abaixar Braço para abaixar o braço para o


portador do rotor sobre a ferramenta.
o Ajuste a altura do bloco de agulha de forma que as agulhas toquem a
superfície superior da ferramenta e confirme se as duas agulhas batem com
os dois pontos brancos de referência na superfície da ferramenta.

5. 28
o Aperte as agulhas, usando o botão branco do braço, tendo a certeza de que
a posição não mudou depois de apertar.
o Clique no botão Levantar/ Abaixar Braço para elevar o braço.
o Remova a ferramenta e insira um rotor da ACL, manualmente empurre o
centro do rotor rápido para ajustar o rotor apropriadamente.
o Clique no botão Levantar/ Abaixar Braço para abaixar o braço e verificar
se as agulhas entram nos buracos do rotor (posição 1 do cuvete) sem tocar
as extremidades dos buracos.
o Clique no botão Levantar/ Abaixar Braço para elevar o braço.
o Clique o botão de Rotar para mover o rotor para a próxima posição (cuvete
6 do rotor) e repita o mesmo procedimento (como para a posição 1 do
cuvete).
o Repita como anteriormente os números 11, 16 e 1da posição dos cuvetes.
o Se a centralização das agulhas estiver correta, como mostrado nos
exemplos A e B da figura Alinhamento da Agulha, proceda ao próximo
passo. Se as agulhas não estiverem centradas, corrija a posição.
o Remova o rotor manualmente.
o Clique o ícone Stop e confirme com OK.
o O braço volta à posição do reservatório de enxágüe de resíduos.
o A fim de verificar a agulha centrada com a cobertura fechada, clique no
botão Diagnóstico e selecione Posição das Agulhas, novamente.
o Os braços das agulhas movem-se acima do portador de rotor.
o Verifique se as agulhas contidas nos buracos da cobertura do rotor.

o Pressione STOP e confirme com e o braço volta à posição do


reservatório de resíduos.
o Execute um ciclo Priming (ver Seção 5.1.1).

5. 29
Nota: O alinhamento das agulhas pode não ser idêntico para os
quatros cuvetes do rotor testados. Se uma agulha/ agulhas não
entra(m) no(s) porto/portos do rotor ou se a agulha da amostra
estiver posicionada à direita do centro em qualquer um dos cuvetes
(como no exemplo C das figuras a seguir), as agulhas devem ser
ré-ajustadas no cuvete onde estiverem mais à direita e o
procedimento todo deve ser repetido.

Ferramenta de Posicionamento da Agulha: visão do topo

Pontos de Referência

Ferramenta de Posicionamento da Agulha: Visão lateral

5. 30
Alinhamento das Agulhas

Sonda da amostra centrada


ou solta à esquerda

 Substituindo a Lãmpada de Halogeno


Esta operação deve ser feita por um Engenheiro de Serviço representante da IL.

5.2.7 Procedimento de Descontaminação


Introdução
Esta seção descreve o procedimento a ser usado para descontaminar o ACL Elite/
Elite Pro, ou como uma precaução geral para prevenir e eliminar potencial
contaminação bacteriana, ou depois de usar o sistema para testar uma amostra
altamente infecciosa (isto é, de conhecido ou suspeitado antígeno da Austrália e/
ou HIV positivo, etc.).

Nota: se o derrame de uma amostra não-infectada ocorrer durante


o curso de uso normal do sistema, limpe as áreas afetadas,
seguindo os procedimentos indicados na Seção 5.2.3.

O uso do Sistema ACL para a análise de conhecidas ou altamente suspeitas


amostras infecciosas devem ser seguidas por cuidadosa desinfecção das
superfícies dos equipamentos e das partes que estiveram em contato com as
amostras.

5. 31
O agente de desinfecção usado para executar o procedimento indicado a seguir é
uma diluição de 1:8 de HemosIL Agente de Limpeza P/N 98327-00, que é uma
solução de hipoclorito de sódio com uma concentração de menos que 0.625% de
cloro disponível. A solução diluída a 1:8 é preparada misturando 1 parte de Agente
de Limpeza com 7 partes de água destilada.

Advertência: Use somente HemosIL Agente de Limpeza da IL (P/N


98327-00) diluido a 1:8 com água destilada.
Precaução: O uso do HemosIL Agente de Limpeza não diluído
pode provocar corrosão das partes do metal.

Procedimento de descontaminação
Materiais requeridos
 2 frascos de vidro (23 mm diâmetro , 10 mL de volume máximo).
 Prepare aproximadamente 16 mL de solução de agente de limpeza (misture
1 parte do agente de limpeza da IL e 7 partes de água destilada; por
exemplo 2 mL de agente de limpeza e 14 mL de água destilada).

Carregue a posição R6 e R7 do reagente do ACL:


 Posição do Reagente R6 – coloque o frasco de vidro cheio de 8 mL de
Solução Agente de Limpeza.
 Posição de reagente R7 – coloque o frasco de vidro cheio de 8 mL de
Solução Agente de Limpeza.
 Selecione Diagnóstico, então selecione Limpeza.
 Pressione Iniciar.

No fim do ciclo de limpeza o ACL volta à tela de limpeza.


Substitua a Solução de Limpeza com o Diluente de Fator e repita o procedimento.
Pressione o botão Cancelar para voltar à tela principal.
Reporte-se à Seção 5.1.2 para mais detalhes sobre o ciclo de limpeza.
Remova os frascos das posições R6 e R7.

5. 32
Execute um ciclo Priming.
Substitua o tubo externo de resíduos e o recipiente de resíduos.

Notas:
Os itens descartados devem ser colocados em um recipiente apropriado
para melhor incineração, de acordo com os regulamentos locais
apropriadas.
No caso de suspeita de severa contaminação, substitua a tubulação e
descarte a velha em um recipiente apropriado para melhor incineração, de
acordo com os regulamentos locais apropriados.

5. 33
5.3 Tabela de Manutenção
Procedimento de Manutenção
Diária # Esvaziar, se necessário, o recipiente de resíduo líquido.
# No começo e no final de cada dia de trabalho ou uma
vez por troca, levar a cabo um ciclo de preparação
(priming).
# Remover e descartar rotores usados do portador do
rotor no final da operação.
Semanal # Executar um procedimento de limpeza do equipamento
limpando todas as superfícies expostas e dentro dos
compartimentos do autoclassificador e do rotor, exceto o
portador do rotro, com um pano umidecido com uma
solução diluída do HemosIL Solução de Limpeza (P/N
98317-00) e enxágüe com água deionizada (limpar o
portador do rotor com HemosIL Agente de Limpeza (P/N
98327-00) diluído).
# Executar um procedimento de limpeza para as agulhas
levando a cabo um ciclo de limpeza dedicado.
# Executar um procedimento de limpeza do reservatório
de resíduo de enxãgüe.
Quinzenal # Limpar com um aplicador de ponta de algodão:
- a superfície da fibra ótica da lâmpada de halogeno.
- o sensor LED.
- A superfície da fibre ótica do LED.
- Os 20 buracos do portador do rotor.

5. 34
Cada 4 semanas # Verificar o filtro de ar.
Anual # Substituir o filtro de ar.
# Substituir os tubos da amostra e do reagente.
# Substituir o tubo do resíduo.
# Substituir o bloco da agulha.
# Substituir o reservatório de resíduo.

Quando necessária # Executar um procediento de limpeza da linha de resíduo


no final de cada dia de trabalho, ou mais freqüentemente,
se o número de amostras tornar necessário.
# Executar um procedimento de posição da agulha.

5. 35
5. 36
Resolvendo Problemas (Troubleshooting)

6.0 Introdução
Seguindo o Guia de Manutenção descrito na Seção 5 deste Manual, é de suprema
importância manter o sistema ACL Elite/ Elite Pro em boas condições de trabalho
e minimizar as falhas do equipamento.
No caso de mau funcionamento, o ACL notifica automaticamente o usuário da
situação por meio de um sistema de advertências e alarmes. Com a ajuda de
verificações do sistema embutido e o guia oferecido nesta Seção, o usuário pode
ser capaz de resolver a maioria dos problemas que possam surgir.

6.1 Falhas, Alarmes e Advertências


As seguintes definições gerais aplicam-se aos tipos de mensagens que o ACL
Elite/ Elite Pro exibe no caso de problemas no sistema:
 Uma ADVERTÊNCIA, exibida na forma e um ìcone amarelona parte inferior
da tela, anuncia um problema ao usuário. Clicando no ícone pode-se ver o
texto que descreve o problema. Como uma regra geral, o equipamento
pode continuar a ser usado com algumas limitações, dependendo do
problema.
 Um ALARME adverte o usuário sobre um problema que precisa de atenção
imediata. Algumas subfunções do sistema e operações estarão ainda
disponíveis. Se a falha persistir depois do operador depois do operador
desligar o equipamento e ligá-lo novamente (no caso disso ser sugerido), o
problema deve ser reportado a um Engenheiro de Serviço.
 Uma mensagem de FALHA indica um problema suficientemente sério para
evitar uso adicional do equipamento e requer a intervenção de um
Engenheiro de Serviço.

6. 1
Todas as Advertências, Alarmes e Falhas são agrupadas nas 10 seguintes
categorias, dependendo de sua origem. Cada grupo é dirigido nas Seções
indicadas a seguir:
 Anomalias do Sistema Seção 6.1.1
 Anomalias REM (Módulo de Mudança do Rotor) Seção 6.1.2
 Anomalias de Temperatura Seção 6.1.3
 Anomalias Mecânicas Seção 6.1.4
 Anomalias do Estado de Aquisição Seção 6.1.5
 Anomalias dos Líquidos Seção 6.1.6
 Anomalias Óticas Seção 6.1.7
 Anomalias Operativa Seção 6.1.8
 Anomalias de Análise e Carregamento Seção 6.1.9
 Anomalias do Banco de Dados Seção 6.1.10

6.1.1 Anomalias do Sistema


Falhas
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Fechar a corrente A temperatura dentro do Contate o Serviço de
térmica do ACL analisador é maior que Assistência
75oC. O equipamento
fecha automaticamente.
Fechar o ACL A corrente produzida do Contate o Serviço de
suprimento de +5V é Assistência
maior que 11 A. O
equipamento fecha
automaticamente.
Falha do Disco Rígido Problema com o Contate o Serviço de
controlador ou dano no Assistência
disco rígido
Falha do Disquete Problema com o Contate o Serviço de
controlador ou dano no Assistência
disquete
Falha da Memória Bios encontrou Contate o Serviço de
RAM problema do RAM Assistência
Disco Rígido Cheio O disco rígido está cheio Contate o Serviço de
Assistência

6. 2
Arquivo de Abertura Arquivo de abertura Recarregue o software
crítico perdido principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Alarme de Comprimento errado de Recarregue o software
Comprimento do um arquivo crítico principal. Se a falha persistir,
Arquivo contate o Serviço de
Assistência.
Alarme de Leitura do Leitura perdida de um Recarregue o software
Arquivo arquivo crítico principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Alarme de escrita do Escrita perdida de um Recarregue o software
Arquivo arquivo crítico principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Alarme de Fechar do Fechamento perdido de Recarregue o software
Arquivo um arquivo crítico principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Memória Exaurida Memória master Recarregue o software
exaurida principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro da Janela de Erro enquanto se abre Recarregue o software
Abertura uma janela no master principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro do Gerenciador Erro no gerenciador de Recarregue o software
Master erro master principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Mensagem Interna Mensagem interna Recarregue o software
Inesperada inesperada no master principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Envio Interno Falhou Envio interno falhou no Recarregue o software
master principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro de Criação de Erro enquanto se cria Recarregue o software
Fila/Semáforo uma fila ou um semáforo principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

6. 3
Erro de Instalação do Erro enquanto se instala Recarregue o software
Driver principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro de alocação do Erro enquanto se aloca Recarregue o software
cronômetro o cronômetro no master principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro de Biblioteca Erro nterno na biblioteca Recarregue o software
Interna no master principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro de Análise LEM Erro no comprimento da Recarregue o software
mensagem do master a principal. Se a falha persistir,
um terminal remoto contate o Serviço de
Assistência.
Erro de Análise do Erro no código da Recarregue o software
Subtipo mensagem (subtipo) do principal. Se a falha persistir,
master ao remoto contate o Serviço de
Assistência.
Erro do Tipo de Erro no código da Recarregue o software
Análise mensagem (tipo) do principal. Se a falha persistir,
master ao remoto contate o Serviço de
Assistência.
Parâmetro Inválido Erro na mensagem do Recarregue o software
parâmetro do master principal. Se a falha persistir,
para o remoto contate o Serviço de
Assistência.
Falha da Base de Erro maior no manuseio Recarregue o software
Dados da base de dados principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Falha do SW Erro maior no manuseio Recarregue o software
Codificado do código principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

6. 4
Alarmes
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Falha de Master e Remoto não se Recarregue o software
Comunicação do comunicam. principal. Se a falha persistir,
Remoto contate o Serviço de
Assistência.
Falha do Conversor Erro periódico enquanto Recarregue o software
A/D manuseia o ADC. principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Ausência do Código Perdendo código do Recarregue o software
do Remoto remoto. principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro de Download do Carregamento falho do Recarregue o software
Remoto código do remoto. principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro de Verificação Erro em consistência no Recarregue o software
DB banco de dados. principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Erro dos Parâmetros Erro em consistência Recarregue o software
de Verificação dos parâmetros. principal. Se a falha persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

Advertências
Advertência* termal do A temperatura dentro do Desligue o sistema,
ACL analisador é maior que aguarde alguns segundos
60oC e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Erro de Comunicação Perdendo a comunicação Desligue o sistema,
REM (N/A no ACL Elite) com REM. Ou o software aguarde alguns segundos
está perdido ou o REM e ligue-o de novo. Se o
não está funcionando. erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Erro de Comando REM Comando não executado Desligue o sistema,
(N/A no ACL Elite) corretamente. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.

6. 5
Erro de Download REM Download não executado Desligue o sistema,
(N/A no ACL Elite) corretamente. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Erro de Restabeler DB Falha para restaurar a Desligue o sistema,
base de dados. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Erro de Backup de DB Falha de Backup da base Desligue o sistema,
de dados. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Advertência de Abertura Abertura perdida de um Desligue o sistema,
do Arquivo arquivo não crítico. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Advertência de Comprimento incorreto de Desligue o sistema,
Comprimento do um arquivo não crítico. aguarde alguns segundos
Arquivo e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Advertência de Leitura Leitura perdida de um Desligue o sistema,
do Arquivo arquivo não crítico. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Advertência de Escrita Escrita perdida de um Desligue o sistema,
do Arquivo arquivo não crítico. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Advertência de Fechamento perdido de Desligue o sistema,
Fechamento do Arquivo um arquivo não crítico. aguarde alguns segundos
e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Disquete Cheio O disquete atual está Substitua por um novo
cheio. disquete ou driver de
disquete.
Disquete Perdido* O disquete atual está Verifique o disquete ou
perdido. unidade de disco.

6. 6
Disquete Protegido de O disquete atual está Substitua por um novo
Escrita* protegido de escrita. disquete.
Falha da Impressora**# Impressora não está Verifique a impressora e a
conectada ou não está conexão.
funcionando.
Final do Papel Nenhum papel mais na Recarregue o papel da
impressora. impressão.
Falha Interna BCR O leitor de código de Desligue o sistema,
barra interno não está aguarde alguns segundos
funcionando. e ligue-o de novo. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.

* Falha Termal
Esta advertência indica que o equipamento está superaquecendo internamente
que pode ter um efeito na temperatura da câmara de medição. A razão pode ser
um filtro de ar entupido obstruindo o fluxo de ar de entrada e saída do analisador.
Verifique se o filtro de ar no lado direito do analisador; limpe ou substitua-o quando
necessárioseguindo as instruções na Seção 5 (Manutenção). Tenha certeza de
que haja fluxo de ar livre e que temperatura de ar ambiente esteja abaixo de 35 oC.

Nota: O ACL Elite/ Elite Pro trabalha otimamente quabdo a temperatura ambiente
estiver no alcance de 15 a 32oC, e não falha no alcance de 10 a 40oC.

Se limpar o filtro de ar não resolver, a advertência e a temperatura ambiente está


dentro dos limites, contate o Serviço de Assistência.

** Falha da Impressora
Se a impressora não produz uma impressão devido a uma falha na própria
impressora, os resultados podem ser obtidos do video. Os resultados transmitidos
via link de dados RS232 C (se conectado e habilitado) são também corretos.
A fim de resolver o problema de impressão, verifique se o papel está carregado
corretamenteverifique também se o protocolo de transmissão apropriado foi
selecionado no ACL Elite/ Elite Pro (ESCP2 ou PCL) e se a impressora suporta o
protocolo de emulação selecionado.

6. 7
#O erro atual exibido variará dependendo do submenu onde a requisição foi feita.
Se a falha persistir, contate o Serviço de Assistência.

6.1.2 Anomalias REM (Módulo de Mudança do Rotor)*


* (N/A no ACL Elite)
Falhas
Mensagem de Erro Possível Explicação
Ação Remediadora
Eleição do REM falha Falha elétrica do REM.
Por favor, saia. Desligue o
sistema, aguarde alguns
segundos e ligue de novo.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Voltagem do REM Voltagem do REM fora Por favor, saia. Desligue o
Fora do Alcance do alcance. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue de novo.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Alarme Vertical do Falha do motor do braço Verifique se não há
REM vertical robótico. obstrução interferindo com o
movimento. Se não houver
nenhuma obstrução, mas o
problema persistir, o sistema
pode ser usado no modo
manual para incapacitar o
REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Alarme Horizontal do Falha do motor do braço Verifique se não há
REM horizontal robótico. obstrução interferindo com o
movimento. Se não houver
nenhuma obstrução, mas o
problema persistir, o sistema
pode ser usado no modo
manual para incapacitar o
REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

6. 8
Alarme de Transporte Falha no motor de Verifique se não há
do REM transporte. obstrução interferindo com o
movimento. Se não houver
nenhuma obstrução, mas o
problema persistir, o sistema
pode ser usado no modo
manual para incapacitar o
REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

Falha do CPU do REM Falha do CPU do REM. Verifique se não há


obstrução interferindo com o
movimento. Se não houver
nenhuma obstrução, mas o
problema persistir, o sistema
pode ser usado no modo
manual para incapacitar o
REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Falta de EM do braço Falha de EM do braço. O sistema pode ser usado no
do REM modo manual incapacitando
o REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Falta do Driver do EM Falha do circuito do O sistema pode ser usado no
do braço do REM braço. modo manual incapacitando
o REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Falta do EM do Falha do EM de O sistema pode ser usado no
transporte do REM transporte. modo manual incapacitando
o REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Falta do Driver do EM Falha do circuito de O sistema pode ser usado no
do transporte do REM transporte. modo manual incapacitando
o REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.
Falha do EM da Pilha Falha do EM da pilha. O sistema pode ser usado no
do REM modo manual incapacitando
o REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

6. 9
Falta do Driver do EM Falha do circuito da O sistema pode ser usado no
da pilha do REM pilha. modo manual incapacitando
o REM. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

Erros do REM podem ser gerados se a porta do Resíduo do Rotor estiver aberta
enquanto o analisador estiver executando uma troca de rotor.

6.1.3 Anomalias de Temperatura


Alarmes (ver também as notas no final desta tabela)
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Força Termal Circuito de força Por favor, saia. Desligue o
Desligada desligado. sistema, l alguns segundos e
ligue novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Temperatura de Temperatura de Aguarde 30 minutos depois
Incubação Fora do incubação fora do de ligar para permitir a
Alcance na alcance depois da força estabilização da temperatura.
Inicialização ligada. Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Temperatura de Temperatura de A mensagem pode aparecer
Incubação Fora do incubação fora do por uns poucos segundos se
Alcance alcance durante a a cobertura do rotorfoi
operação normal. deixada aberta. Se a
advertência persisitir depois
da cobertura do rotor estiver
fechada por vários minutos,
contate o Serviço de
Assistência.
Peltier Fora do Temperatura Peltier fora Espera 30 minutos depois de
Alcance na do alcance depois de ligar. Se a advertência
Inicialização ligada. persistir, contate o Serviço
Veja Nota 1. de Assistência. Embora a
refrigeração do reagente não
está funcionando
corretamente, o sistema
pode continuar a ser usado
tão logo os reagentes sejam
deixadosno analisador
somente pelo tempo
requerido para o teste.

6. 10
Peltier Fora do Temperatura Peltier fora Se a advertência persistir,
Alcance do alcance durante a contate o Serviço de
operação normal. Assistência. Embora a
Veja Nota 1. refrigeração do reagente não
está funcionando
corretamente, o sistema
pode continuar a ser usado
tão logo os reagentes sejam
deixadosno analisador
somente pelo tempo
requerido para o teste.
Transporte Fora do Temperatura do Espera 30 minutos depois de
Alcance na transporte fora do ligar. Se a advertência
Inicialização alcance na inicialização. persistir, contate o Serviço
(N/A no ACL Elite) Ver Nota 2. de Assistência. Enquanto
isso, embora a regulação
termal do transporte do rotor
não é operada corretamente,
o sistema pode ser usado.
Transporte Fora do Temperatura do Se a advertência persistir,
Alcance transporte fora do contate o Serviço de
(N/A no ACL Elite) alcance. Assistência. Enquanto isso,
Ver Nota 2. embora a regulagem termal
do transporte do rotor não é
operada corretamente, o
sistema pode ser usado.
Pilha Fora do Alcance A temperatura da pilha Espera 30 minutos depois de
na Inicialização do rotor fora do alcance ligar. Se a advertência
na inicialização. persistir, contate o Serviço
Ver Nota 2. de Assistência. Enquanto
isso, embora a regulagem
termal do transporte do rotor
não é operada corretamente,
o sistema pode ser usado.
Pilha Fora do Alcance A temperatura da pilha Se a temperatura estiver fora
do rotor fora do alcance. do alcance o sistema pode
Ver Nota 2. ser usado contanto que o CQ
seja processado durante a
sessão e os resultados
estiverem dentro dos limites
estabelecidos. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 11
Notas:
1. Mensagem de Erro: Temperatura Peltier fora do Alcance.
Explicação: a temperatura está fora do alcance de 10-16oC.
Ação Remediadora: Selecione DIAGNÓSTICO do Menu Principal e, então,
selecione CONTROLE DE TEMPERATURA.
- Se o video exibe ----- ou **** para o Peltier, a temperatura pode ser
muito maior ou muito menor. O equipamento pode continuar a ser
usado contanto que os reagentes estejam a esquerda on-board
somente pela duração do teste e estiverem refrigerados depois.
Contate o Serviço de Assistência.
- Se o video exibe um valor de temperatura de 4 a 12 oC para o Peltier,
o sistema está completamente operacional e as precauções
precisam ser tomadas.
- Se o video exibe um valor de temperatura baixo (de 20 a 36 oC),
verifique se a temperatura ambiente não está maior que 32 oC. Se o
problema não for corrigido, contate o Serviço de Assistência.

Nota: Como observado, uma alta temperatura pode ser causadapor filtros sujos ou
temperatura ambiente fora do alcance operacional ótimo.

2. Mensagem de Erro: Temperatura do Transporte ou da Pilha fora do


alcance.
Explicação: a temperatura está fora do alcance de 36-39oC.
Ação Remediadora: Selecione DIAGNÓSTICO do Menu Principal e, então,
selecione CONTROLE DE TEMPERATURA.
- Se o video exibe ----- ou **** para a temperatura do transporte ou da
pilha e o equipamento foi aquecido apropriadamente, contate o
Serviço de Assistência.

6. 12
- Se o video exibe um valor alto de temperatura (de 36 a 50 oC),
verifique se o filtro de ar e as condições ambientes estão como
indicado em 6.1.1. Se o problema não for corrigido, contate o Serviço
de Assistência.
- Se o video exibe um valor de temperatura baixo (de 20 a 36 oC),
verifique se o equipamento foi aquecido apropriadamente e se a
temperatura ambiente for maior que 15oC. Se o problema não for
corrigido, contate o Serviço de Assistência.

Nota: O sistema está completamente operacional mesmo quando a temperatura


de pré-aquecimento estiver fora do alcance, a menos que a mensagem
“TEMPERATURA DE INCUBAÇÃO FORA DO ALCANCE” aparecer no início da
análise.

6.1.4 Anomalias Mecânicas


Alarmes
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Alarme do Problema do Por favor, saia. Desligue o
Autoclassificador autoclassificador sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Alarme do Rotor Problema do portador do Por favor, saia. Desligue o
rotor. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Alarme do Motor Problema do braço do Por favor, saia. Desligue o
Horizontal motor horizontal. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Alarme do Motor Problema do braço do Por favor, saia. Desligue o
Vertical motor vertical. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.

6. 13
Alarme do Diluidor do Problema do diluidor do Por favor, saia. Desligue o
Reagente reagente. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Alarme do Diluidor da Problema do diluidor da Por favor, saia. Desligue o
Amostra amostra. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Alarme da Cobertura Problema da cobertura Por favor, saia. Desligue o
do rotor. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.

Advertências
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Advertência do Problema intermitente Por favor, saia. Desligue o
Autoclassificador com o autoclassificador. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Advertência do Rotor Problema intermitente Verifique se não há
com o portador do rotor. obstrução interferindo com o
movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Advertência do Motor Problema intermitente Verifique se não há
Horizontal com o braço do motor obstrução interferindo com o
horizontal. movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Advertência do Motor Problema intermitente Verifique se não há
Vertical com o braço do motor obstrução interferindo com o
vertical. movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Advertência do Problema intermitente Verifique se não há
Diluidor do Reagente com o diluidor do obstrução interferindo com o
reagente. movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 14
Advertência do Problema intermitente Verifique se não há
Diluidor da Amostra com o diluidor da obstrução interferindo com o
amostra. movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Alarme da Cobertura Problema intermitente Verifique se não há
com a cobertura do obstrução interferindo com o
rotor. movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Falha do Misturador Misturador magnético O sistema pode ser usado
não funcionando. sem o misturador de
reagente. Nesse caso, o
reagente deve ser bem
misturado antes de cada
corrida. Se o erro persistir,
contate o Serviço de
Assistência.

6.1.5 Anomalias da Estação de Aquisição


Falhas
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Alarme de Intervalo de Aquisição levando mais Desligue o sistema, aguarde
Aquisição de 30 minutos. alguns segundos e ligue
novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

Advertências
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Erro de Iniciar Posição interna não Verifique se não há
Aquisição encontrada no início. obstrução interferindo com o
movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro Sinc. De Posição interna não Verifique se não há
Aquisição encontrada durante a obstrução interferindo com o
aquisição. movimento. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 15
Erro de Interrupção do Interrupção inesperada Desligue o sistema, aguarde
ADC (adc int error) do ADC. alguns segundos e ligue
novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro de Interrupção do Interrupção inesperada Desligue o sistema, aguarde
Cuvete (cuv int error) do cuvete. alguns segundos e ligue
novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro da Aquisição de Portador do rotor Verifique se não há
Centrifugação bloqueado. obstrução. Desligue o
sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Erro TX de Aquisição Incapaz de transmitir os Desligue o sistema, aguarde
(Acq tx error) dados. alguns segundos e ligue
novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro de Aquisição de Falha do rotor. Desligue o sistema, aguarde
Falha do Rotor (Acq alguns segundos e ligue
rot fail error) novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro de Aquisição de Falha da referência Desligue o sistema, aguarde
Referência Ótica (Acq ótica. alguns segundos e ligue
opt ref error) novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro de Aquisição de Falha da emulsão de Desligue o sistema, aguarde
Referência (Acq ref referência. alguns segundos e ligue
error) novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro de Aquisição Cobertura aberta Verifique se a cobertura do
com a Abertura da durante a aquisição. rotor está fechada. Se a
Cobertura (Acq cover cobertura estiver fechada,
open error) mas o erro perssistir,
desligue o sistema, aguarde
alguns segundos e ligue
novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 16
6.1.6 Anomalias Líquidas
Alarmes
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Fluxo Brusco Emulsão de Referência Verifique o nível do líquido
não presente. da garrafa da Emulsão de
Referência de Lavagem. Se
o nível do líquido estiver
baixo, substitua por uma
nova garrafa. Se houver
líquido o suficiente presente,
o usuário pode desabilitar
temporariamente o sensor da
Referência de Lavagem. É
então responsabilidade do
operador verificaro nível da
Referência de Lavagem. Se
o erro persisitir com o sensor
habilitado, contate o Serviço
de Assistência.

Advertências
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Advertência de Fluxo Emulsão de Referência Verifique o nível do líquido
abaixo do nível de 100 da garrafa da Emulsão de
mL. Lavagem-Referência. Se o
nível do líquido estiver baixo,
substitua por uma nova
garrafa. Se houver líquido o
suficiente presente, o usuário
pode desabilitar
temporariamente o sensor da
Referência de Lavagem. É
então responsabilidade do
operador verificaro nível da
Referência de Lavagem. Se
o erro persisitir com o sensor
habilitado, contate o Serviço
de Assistência.

6. 17
Sensor Líquido da Sensor da agulha Se o sensor estiver
Amostra Desligado (amostra) externa desabilitado, será de
desabilitado. responsabilidade do
operador verificar os níveis
do líquido. Se o erro persisitir
com o sensor habilitado,
contate o Serviço de
Assistência.
Sensor Líquido do Sensor da agulha Se o sensor estiver
Reagente Desligado (reagente) interna desabilitado, será de
desabilitado. responsabilidade do
operador verificar os níveis
do líquido. Se o erro persisitir
com o sensor habilitado,
contate o Serviço de
Assistência.
Falha do Sensor Erro do circuito do Se o sensor estiver
Líquido da Amostra sensor da agulha desabilitado, será de
(amostra) externa. responsabilidade do
operador verificar os níveis
do líquido. Se o erro persisitir
com o sensor habilitado,
contate o Serviço de
Assistência.
Falha do Sensor Erro do circuito do Verifique se não há
Líquido do Reagente sensor da agulha obstrução. Desligue o
(reagente) interna. sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Amostra Curta na Amostra insuficiente na Um nível insuficiente de
Posição xxx posição xxx. amostra foi detectado. Use a
transferência de tubo da
amostra remanescente para
um cálice da amostra e repita
o teste.se amostra suficiente
estiver presente, mas o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 18
Limpeza não Limpeza não executada Se o erro apareceu durante
executada devido à solução de uma análise, verifique se o
limpeza insuficiente ou nível do material de limpeza
não presente. e execute um ciclo de
limpeza. Se material
insuficiente estiver presente,
mas o erro persisitir, contate
o Serviço de Assistência.
Estabilidade do Cronômetro para um Substitua o material e
Material On-board material on-board reajuste o cronômetro on-
Expirou na posição expirara. Este material board.
“XX” será exibido em laranja
no mapa do matrerial.
“ID” do Líquido Curto Um “ID” do líquido não- Um material insuficiente foi
obrigatório específico detectado. Tenha certeza de
está ausente ou em que o nível do material é
quantidade insuficiente. suficiente. Se material
suficiente estiver presente,
mas o erro persisitir, contate
o Serviço de Assistência.
“ID” do Líquido Um “ID” do líquido Um material insuficiente foi
Obrigatório Curto obrigatório específico detectado. Tenha certeza de
está ausente ou em que o nível do material é
quantidade insuficiente. suficiente. Se material
suficiente estiver presente,
mas o erro persisitir, contate
o Serviço de Assistência.

Mensagem de Erro: Erro do Canal de Fluxo/Ótico


Explicação: problema com a dispensa da Emulsão de Referência
Ações Remediáveis:
- Verifique o nível da Emulsão de Referência na garrafa. Se o nível
estiver menor que 1 cm, substitua a garrafa por uma nova. Misture
por gentil inversão antes de colocar no equipamento.
- Verifique se a Emulsão de Referência foi corretamente dispensada
dentro dos cuvetes do rotor para o rotor no ciclo de análise (mais
detalhes na Seção 7)
- Se a garrafa da Emulsão de Referência estiver no lugar e tiver
líquido suficiente, verifique se o caminho fluídico está livre de
obstruções.

6. 19
Nota: uma maneira rápida de verificar o caminho fluídico é
remover a estrutura da agulha do braço da amostra. Usando-
se uma proveta para coletar o líquido, execute um ciclo
PRIMING (de preparação) automático e verifique se o líquido
está saindo de ambas as agulhas. Lembre-se de executar um
AJUSTE DA POSIÇÃO DAS AGULHAS depois dessa
verificação (reporte-se à Seção 5).
- Verifique se o LED está ligado.
- Se o LED estiver ligado, execute a limpeza do caminho ótico como
descrita na Manutenção, Seção 5.
- Se nada disso resolver o problema, contate o Serviço de Assistência.

6.1.7 Anomalias Óticas


Advertência
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Falha da Lâmpada Lâmpada alogênica não Por favor, saia. Desligue o
Halogênica está funcionando. sistema, espere alguns
segundos e ligue novamente.
O sistema pode ser usado
sem a lâmpada de halogênio
para testes básicos de
coagulação somente. Se o
erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.

6. 20
6.1.8 Anomalias Operativas
Advertências
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Resíduo Cheio Resíduo do rotor está Esvazie o recipiente do
cheio. resíduo do rotor. Se o erro
persisitir depois de
esvaziado, contate o Serviço
de Assistência.
Resíduo Aberto Cobertura do resíduo do Feche a porta do recipiente
rotor está aberta. para o resíduo do rotor. Se o
erro persisitir depois dessa
ação, contate o Serviço de
Assistência de Assistência.
Sem Rotores (REM Nenhum rotor mais na Reabasteça a pilha do rotor.
ativo) pilha do rotor. Se o erro persisitir depois
dessa ação, contate o
Serviço de Assistência de
Assistência.
Sem Rotores (REM Nenhum rotor mais na Reabasteça a pilha do rotor.
não Ativo) pilha do rotor. Se o erro persisitir depois
dessa ação, contate o
Serviço de Assistência de
Assistência.
Estação do Rotor Nenhum rotor mais na Reabasteça a pilha do rotor.
Vazia pilha do rotor. Se o erro persisitir depois
dessa ação, contate o
Serviço de Assistência de
Assistência.
Refil do Rotor Somente um ou dois Reabasteça a pilha do rotor.
rotores deixados na Se o erro persisitir depois
pilha do rotor. dessa ação, contate o
Serviço de Assistência de
Assistência.
Cobertura Aberta Cobertura do rotor foi Feche a cobertura do rotor.
durante aberta durante a Se o erro persisitir depois
Carregamento/ operação de dessa ação, contate o
Incubação carregamento ou Serviço de Assistência de
incubação. Assistência.
Tempo de Espera Tempo de espera não Saia. Desligue o sistema,
Expirou durante encontrado durante o aguarde alguns segundos e
Carregamento carregamento. ligue novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 21
Nenhum teste para Nenhum teste para Verifique se os testes
executar executar programado na programados na base de
base de dados e depois dados batem com os testes
na consulta do na sessão de multi-testes.
hospedeiro. Verifique se está
funcionando de forma
apropriada a conexão com o
hospedeiro. Se estiverem
okay, contate o Serviço de
Assistência.
? Nenhum teste foi Verifique a presença de
executado devido à líquidos necessários. Se
perda de líquidos. estiverem todos on-board,
contate o Serviço de
Assistência de Assistência.

6.1.9 Anomalias de Análise (Parsing) e Carregamento


Advertências
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Erro de Análise xxx Erro encontrado nos Verifique se o setup da
parâmetros durante definição de teste está
carregamento acurado. Saia. Desligue o
sistema, aguarde alguns
segundos e ligue novamente.
Se o erro persistir, contate o
Serviço de Assistência.
Erro de Corrida xxx Erro encontrado durante Saia. Desligue o sistema,
a corrida. aguarde alguns segundos e
ligue novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.
Erro de Sessão xxx Erro encontrado durante Saia. Desligue o sistema,
a Sessão. aguarde alguns segundos e
ligue novamente. Se o erro
persistir, contate o Serviço
de Assistência.

6. 22
6.1.10 Anomalias da Base de Dados
Advertências
Mensagem de Erro Possível Explicação Ação Remediadora
Advertência da Base Base de dados do Remova os dados da base
de Dados paciente a 95% ou de dados.
maior.
Base de Dados Cheia Base de Dados a 100%. Remova os dados da base
de dados.

6.2 Falha na Transmissão de Dados


O erro Transmissão de Dados é exibido quando houver um erro na transmissão de
dados na interface RS232 C.

Tente retransmitir os dados como segue:


 Selecione SETUP do Menu Principal, selecione STATUS DA INTERFACE
para ver as características da transmissão de dado ap Computador
Hospedeiro.
 Selecione a conexão da Transmissão de Dados (computador ACL).
 Repita a transmissão da Base de Dados.

Se a falta persistir, contate o Serviço. Para informação adicional, por favor,


reporte-se ao Apêndice (Protocolo de Comunicação do Hospedeiro).

6. 23
6.3 Códigos de Erro de Redução de Dados
qualquer erro que ocorre durante o processo de redução de dadosserá reportado
como um número de código. As seguintes subseções descrevem todos os
números de código de erro e seus significados. Possíveis fontes para os erros,
identificados pelos códigos de letras, são mostrados como bandeiras de acordo
com a lista seguinte:

Código de Erro Abreviação Prioridade


Erros de redução de dados R 1 (mais alta)
Erros de temperatura T 2
Erros de equipamento (i.e., erro de Sensor) E 3
Erros de calibração C 4
Erros de Referência Analítica A 5
Erros de CQ Q 6
Erros de Paralelismo P 7
Erros nos Algoritmos, taxas, Alcances, etc. W 8
Erros de material (i.e., expiração) M 9 (mais baixa)

Códigos de erro, que não gerarão um resultado válido, são representados por um
Número de Erro. Número do Erro é apresentado em vez de um resultado válido.
Códigos de erro, que não gerarão um resultado mais uma bandeira adicional, são
indicados com uma mensagem que explica o erro.
Os resultados com mais que um erro exibem o erro de mais alta prioridade.

6.3.1 Códigos de Erro de Sessão


Erro 1 – Erro sem fluxo/ ótico
Significado Erro sem fluxo/ ótico
Causa Canal de Referência Ótica Nefelométrico fora do alcance
(acima de 4.0 V ou abaixo de 1.5 V).
Bandeira Ciclo abortado
Resultados Nenhum resultado na base de dados
Ação remediadora Substituir garrafa de Emulsão de Referência e limpar óticos

6. 24
Erro 2 – Erro ótico
Significado Erro ótico
Causa Canal de Referência Ótica de Absorbância fora do alcance
(acima de 9.5 V ou abaixo de 5.0 V).
Bandeira Ciclo abortado
Resultados Nenhum resultado na base de dados
Ação remediadora Limpar óticos

Erro 3 – Erro sem fluxo


Significado Erro sem fluxo
Causa Canal de Emulsão de Referência do Canal deAbsorbância
fora do alcance (acima de 3.5 V ou abaixo de 0.0 V).
Bandeira Ciclo abortado
Resultados Nenhum resultado na base de dados
Ação remediadora Substituir garrafa de Emulsão de Referência e limpar óticos

Erro 4 – Falha Ótica


Significado Falha ótica
Causa Verificação dos dados de Aquisição (sinal acima de 10 V)
Bandeira Ciclo abortado
Resultados Nenhum resultado na base de dados
Ação remediadora Substituir garrafa de Emulsão de Referência e limpar óticos

6.3.2 Códigos de Erro de Curva de Reação


Advertência: Para qualquer amostra, se estiver inseguro sobre o
resultado depois de ver o código de erro e a curva de coágulo,
recomenda-se que se corra novamente a amostra usando um método
alternativo.

Código de Erro – 5
Significado Falha ótica
Causa Saturação ADC (sinal acima de 9.5 V no final da curva de
coagulação)
Bandeira R
Resultados Erro 5 em vez do resultado
Ação remediadora Possível concentração alta de Fibrinógeno. Diluir a amostra
em 1:1 com Diluente de fator e repetir o teste.

6. 25
Código de Erro – 6*
Significado Sem coágulo
Causa Não passou no primeiro umbral
Bandeira R
Resultados Erro 6 em vez do resultado
Ação remediadora Amostra não coagula dentro do tempo de aquisição. Repetir
o teste extendendo o tempo de aquisição.

Código de Erro – 7*
Significado Erro de coagulação
Causa Não passou no segundo umbral
Bandeira R
Resultados Erro 7 em vez do resultado
Ação remediadora Curva de coagulação da amostra está turbulenta e não dá
um sinal de coagulação normal dentro do tempo de
aquisição. Repetir o teste estendendo o tempo de aquisição.

Código de Erro – 8
Significado Erro de coagulação
Causa Tempo delta entre os dois umbráis é maior que o valor
selecionado.
Bandeira R
Resultados Erro 8 em vez do resultado
Ação remediadora Possível curva de coagulação não-fásica. Rever a curva de
coagulação. Possível interferência de amostra com a reação
de coagulação.

Código de Erro – 9
Significado Erro de coagulação
Causa Inclinação inicial da curva de reação é maior que o valor
selecionado
Bandeira R
Resultados Erro 9 em vez do resultado
Ação remediadora Possível curva de coagulação bi-fásica. Rever a curva de
coagulação. Possível interferência de amostra com a reação
de coagulação.

*
Ver mais detalhes na Seção 6.4.

6. 26
Código de Erro – 10
Significado Erro de coagulação
Causa Inclinação final da curva de reação é maior que o valor
selecionado
Bandeira R
Resultados Erro 10 em vez do resultado
Ação remediadora Ponto final instável da curva de coagulação. Rever a curva
de coagulação. Possível interferência de amostra com a
reação de coagulação. Repetir o teste estendendo o tempo
de aquisição.

Código de Erro – 11
Significado Erro de delta final é uma verificação se a curva não está
caindo muito, depois de alcançar sua leitura máxima
Causa Delta final da curva de reação (leitura máxima de
absorbância – leitura de absorbância final) é maior que o
valor selecionado.
Bandeira R
Resultados Erro 11 em vez do resultado
Ação remediadora Se isso for uma reação nefelométrica, pode ser uma
indicação de um ponto final instável na curva de coagulação.
Rever a curva de coagulação. Repetir o teste estendendo o
tempo de aquisição.
Se isso for um teste de absorbância, pode ser um indicador
ou um valor de absorbância fora do limite específico.

Código de Erro – 12
Significado Erro de coagulação
Causa Pico máximo da primeira derivadativa está abaixo do valor
limite selecionado.
Bandeira R
Resultados Erro 12 em vez do resultado
Ação remediadora Pico da primeira derivativa não é significativo o suficiente
para indicar um ponto de reação de coagulação real. Rever a
curva de coagulação. Repetir o teste estendendo o tempo de
aquisição.

6. 27
Código de Erro – 13
Significado Erro de coagulação
Causa Pico máximo da segunda derivadativa está abaixo do valor
limite selecionado.
Bandeira R
Resultados Erro 13 em vez do resultado
Ação remediadora Pico da segunda derivativa não é significativo o suficiente
para indicar um ponto de reação de coagulação real. Rever a
curva de coagulação. Repetir o teste estendendo o tempo de
aquisição.

Código de Erro – 14
Significado Erro de compensação (algoritmo delta)
Causa Valor de compensação é maior que o valor da “Primeira
Parte” definido na Seção de Setup do cálculo da definição de
teste ou abaixo do limite de escala baixo do alcance.
Bandeira R
Resultados Erro 14 em vez do resultado
Ação remediadora Rever a escala do eixo “Y” da curva de reação de
coagulação para determinar se o valor for baixo ou alto
(turbid.). corra novamente a Amostra.

Código de Erro – 30
Significado Erro de compensação (algoritmo delta)
Causa Compensação da parte inicial da curva é abaixo do valor
limite selecionado.
Bandeira R
Resultados Erro 30 em vez do resultado
Ação remediadora Turvação inicial da reação é relativamente baixa. Rever a
curva de coagulação. Verificar a integridade dos reagentes e
garantir que nenhuma bolha esteja presente.

Código de Erro – 31
Significado Delta Mínimo da Curva não encontrada
Causa O delta total da curva de reação é menor que o limite
especificado no setup do teste.
Bandeira R
Resultados Erro 31 em vez do resultado
Ação remediadora Rever a curva e a re-corrida da amostra. A amostra deve ter
um tempo de coagulação estendido.

6. 28
Linha de Base Turbulenta/ Curva de Reação (Erro 32/33)
Significado Leituras da linha de base da curva de reação são erráticas.
Causa Interferência em leituras de reação.
Bandeira Q – “Linha de Base Turbulenta/ Curva de Reação” exibida na
caixa Lista de Advertência quando a curva de coagulação é
exibida.
Resultados Resultado Numério exibido.
Ação remediadora Rever Curva e repetir amostra.

6.3.3 Códigos de Erro de Calibração


Código de Erro – 15
Significado Nenhuma calibração – dados insuficientes (curva com um
segmento único).
Causa Menos que 2 calibrações padrão deram resultados válidos no
segmento de curva específico.
Bandeira C – Nenhuma calibração – dados insuficientes.
Resultados de Cal Erro 15 em vez do resultado.
Ação remediadora Resultado inválido. Rever a curva de reação. Repetir a
calibração com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 16
Significado Curva inválida – dados insuficientes (curva com mais de um
segmento).
Causa Menos que 2 calibrações padrão deram resultados válidos.
Bandeira C – Curva inválida – dados insuficientes.
Resultados de Cal Erro 16 em vez do resultado.
Ação remediadora Resultado inválido. Rever a curva de reação. Repetir a
calibração com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 17
Significado Número menor de padrões.
Causa Um número de pontos padrões são menores que os
definidos no setup.
Bandeira C – Pontos padrões n-1.
Resultados de Cal Erro 17 em vez do resultado.
Ação remediadora Resultados inválidos. Rever a curva de reação. Repetir a
calibração com materiais preparados frescos.

6. 29
Código de Erro – 18
Significado Número de calibrações – padrão/ões não obrigatórios.
Causa Um padrão de calibração obrigatória não dá um resultado
válido (curva com mais de um segmento).
Bandeira C – Nenhuma calibração sem Padrão.
Resultados Erro 18 em vez do resultado.
Ação remediadora Curva inválida. Rever a curva de reação. Repetir a calibração
com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 19
Significado Segmento da curva inválido – nenhum padrâo obrigatório.
Causa Um padrão de calibração obrigatória não dá um resultado
válido (curva com mais de um segmento).
Bandeira C – Curva inválida sem Padrão.
Resultados de Cal Erro 19 em vez do resultado.
Ação remediadora Curva inválida. Rever a curva de reação. Repetir a calibração
com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 20
Significado Padrões replicados inválidos.
Causa Um ou mais dos replicados para um padrão de calibração
definido não deu um resultado válido.
Bandeira C – Pardão inválido n.
Resultados de Cal Erro 20. A média é sinalizada. CV é mostrada sinalizada (em
vermelho).
Ação remediadora Padrão inválido. Rever a curva de reação. Repetir a
calibração com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 21
Significado CV não mostrado – replicadas insuficientes.
Causa Um ou mais dos replicados para um padrão de calibração
definido não deu um resultado válido. CV não pode ser
calculado (replicados abaixo ou = 2).
Bandeira C – replicados insuficientes.
Resultados de Cal Erro 21. CV não é mostrado.
Ação remediadora Padrão inválido. Rever a curva de reação. Repetir a
calibração com materiais preparados frescos.

6. 30
Código de Erro – 22
Significado Replicado inválido.
Causa Um replicado para um padrão de calibração definido não deu
um resultado válido.
Bandeira C – replicados inválidos.
Resultados Erro 22. Valor médio é sinalizado.
Ação remediadora Replicado inválido. Rever a curva de reação. Repetir a
calibração com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 23
Significado CV fora do alcance.
Causa CV dos replicados maior que o limite selecionado.
Bandeira C – CV fora do alcance.
Resultados de Cal Erro 23. CV é sinalizado.
Ação remediadora Resultado fora do alcance. Rever a curva de reação. Repetir
a calibração com materiais preparados frescos.

Código de Erro – 24
Significado Sem cal – inclinação fora do alcance.
Causa A inclinação da curva (curva composta por uma única
equação) está fora do alcance definido (segmento único).
Bandeira C – Sem calibração: inclinação fora do alcance.
Resultados de Cal Erro 24. Curva de calibração não exibida.
Ação remediadora Rever a curva de reação. Repetir a calibração com materiais
preparados frescos.

Código de Erro – 25
Significado Curva inválida – inclinação fora do alcance.
Causa Uma das inclinações da curva (curva composta por vários
segmentos) está fora do alcance definido.
Bandeira C – Segmento inválido – inclinação fora do alcance.
Resultados de Cal Erro 25. Curva de calibração não exibida.
Ação remediadora Rever a curva de reação. Repetir a calibração com materiais
preparados frescos.

6. 31
Código de Erro – 26
Significado R2 fora do alcance.
Causa O R2 da calibração está fora do limite selecionado.
Bandeira C – R2 fora do alcance.
Resultados de Cal Erro 26. Curva de calibração não exibida. O valor R2 é
senalizado.
Ação remediadora Rever a curva de reação. Repetir a calibração com materiais
preparados frescos.

Código de Erro – 27
Significado Sem calibração – Nenhuma curva válida.
Causa A curva de calibração não tem qualquer segmento válido.
Bandeira Sem calibração – sem curva válida.
Resultados de Cal Erro 27. Curva de calibração não é apresentada.
Ação remediadora Rever a curva de reação. Repetir a calibração com materiais
preparados frescos.

Código de Erro – 28
Significado Curva não monotônica.
Causa Calibração inválida devido a um resultado não em seqüência
comparado a outros pontos de calibração.
Bandeira C – Segmento inválido.
Resultados de Cal Erro 28. Curva não monotônica.
Ação remediadora Repetir a calibração.

Erro – Dados extrapolados


Significado Dados extrapolados.
Causa Resultado do teste está acima de 150% quando comparado
à maior calibração padrão ou abaixo de 60% quando
comparado à menor calibração padrão.
Bandeira C – resultado extrapolado.
Resultados de Cal Nenhum.
Ação remediadora Nenhuma.

Erro – Segmento Adjacente Inválido (Ensaios de Fator)


Significado Um Segmento da Curva de Calibração contém um erro.
Bandeiras na C – Segmento Adjacente Inválido.
amostra
Ação remediadora Rever resultados antes de reportar. Repetir quaisquer
amostras se os resultados forem suspeitos.

6. 32
6.3.4 Códigos de Erro de Referência Analítica
Erro – AR inválido
Significado AR inválido (usando Valor de Referência para Taxa/ cálculo
de INR).
Causa AR não dá um resultado válido.
Bandeira A – AR inválido
Resultados de AR AR é sinalizado com um R que indica o número de código de
Erro específico.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR fora do alcance


Significado AR fora do alcance (usando Valor de Referência para Taxa/
cálculo de INR).
Causa AR dá um resultado fora do alcance.
Bandeira A – AR fora do alcance.
Resultados de AR AR é sinalizado em azul.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR inválido
Significado AR inválido (AR usado como Valor de Referência para Taxa/
cálculo de INR).
Causa AR não dá um resultado de cálculo válido.
Bandeira A – AR inválido. Taxa/ INR em amostras não é apresentada.
Resultados de AR AR é sinalizado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR fora do alcance


Significado AR fora do alcance (AR usado como Valor de Referência
para Taxa/ cálculo de INR).
Causa AR dá um resultado fora do alcance.
Bandeira A – AR fora do alcance. Taxa/ INR em amostras não é
apresentada.
Resultados de AR AR é sinalizado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6. 33
Erro – AR fora do alcance
Significado AR fora do alcance (AR usado como Valor de Referência
para Taxa/ cálculo de INR).
Causa AR não dá um resultado de taxa válido.
Bandeira A – AR fora do alcance. Taxa/ INR em amostras não é
apresentada.
Resultados de AR AR não tem taxa calculada.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR não verificado


Significado AR não verificado (comparado ao padrão de calibração não
definido).
Causa AR não verificado.
Bandeira A – AR não verificado. Taxa/ INR é dada em amostras.
Resultados de AR AR é sinalizado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR fora do alcance


Significado AR fora do alcance (sem verificação em AR selecionado).
Causa AR dá um resultado inválido.
Bandeira Nenhuma.
Resultados de AR AR é sinalizado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – ARa inválido


Significado ARa inválido (verificação em Ara selecionado).
Causa ARa é inválido.
Bandeira A – ARa inválido
Resultados de ARa ARa sinalizado.
Ação remediadora Repetir o teste com materiais preparados frescamente.

Erro – ARa fora do alcance


Significado ARa fora do alcance (verificação em Ara selecionado).
Causa ARa está fora do alcance.
Bandeira A – ARa está fora do alcance.
Resultados de ARa ARa é apresentado em azul.
Ação remediadora Repetir o teste com materiais preparados frescamente.

6. 34
Erro – ARa inválido
Significado ARa inválido (verificação em Ara selecionado).
Causa ARa inválido.
Bandeira Nenhuma.
Resultados de ARa ARa sinalizado.
Ação remediadora Repetir o teste com materiais preparados frescamente.

Erro – AR inválido
Significado AR inválido (Taxa definida versus uma Calibração Padrão).
Causa AR dá uma unidade calculada inválida.
Bandeira A – AR inválido. Taxa/ INR é apresentada em amostras.
Resultados de AR AR é sinalizado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR fora do alcance


Significado AR fora do alcance (Taxa definida versus uma Calibração
Padrão).
Causa AR dá uma unidade calculada fora do alcance.
Bandeira A – AR inválido. Taxa/ INR é apresentada em amostras.
Resultados de AR AR é calculado e apresentado em azul.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR inválido
Significado AR inválido (sem verificação em Ar selecionado).
Causa AR dá um resultado inválido.
Bandeira Nenhuma.
Resultados de AR AR é sinalizado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – AR fora de alcance


Significado AR fora do alcance (verificação em Ar é selecionada).
Causa AR dá um resultado fora do alcance.
Bandeira Nenhuma.
Resultados AR AR é sinalizado em azul.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6. 35
Erro – AR fora de alcance
Significado AR fora do alcance (verificação em Ar é selecionada no
padrão de Calibração).
Causa AR dá um resultado fora do alcance.
Bandeira A – AR fora do alcance. Taxa/ INR são dadas, mas
sinalizadas.
Resultados AR AR é sinalizado em azul.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6.3.5 Códigos de Erro de CQ


Erro – CQ inválido
Significado CQ não válido (Verificação de CQ – não selecionado).
Causa CQ dá um resultado não-válido.
Bandeira Sem bandeira em amostras.
Resultados de CQ Resultado de CQ não é exibido e o número de código
específico é apresentado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – CQ inválido
Significado CQ não válido (Verificação de CQ selecionado, amostra da
bandeira – não selecionado).
Causa CQ dá um resultado não-válido.
Bandeira Sem bandeira em amostras.
Resultados de CQ Resultado de CQ não é exibido e o número de código
específico é apresentado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – CQ fora de alcance


Significado CQ fora de alcance (Verificação de CQ selecionado, amostra
da bandeira – não selecionado).
Causa CQ dá um resultado fora de alcance.
Bandeira Sem bandeira em amostras.
Resultados de CQ Sinalizado com CQ inválido e aparece em violeta ou
vermelho.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6. 36
Erro – CQ inválido
Significado CQ não válido (Verificação de CQ selecionado, amostra da
bandeira – não selecionado).
Causa CQ dá um resultado não-válido.
Bandeira Q – CQ inválido. Bandeira em amostras está presente.
Resultados de CQ Resultado de CQ não é exibido e o número de código
específico é apresentado.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – CQ fora de alcance


Significado CQ fora de alcance (Verificação de CQ selecionado, amostra
da bandeira – não selecionado).
Causa CQ dá um resultado fora de alcance.
Bandeira Q – CQ fora do alcance. Bandeira em amostras está
presente.
Resultados Resultado de CQ é sinalizado em violeta ou vermelho.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6.3.6 Códigos de Erro de Teste Duplo


Código de Erro – 45
Significado Média não calculada (sem verificação selecionada no meio).
Causa Um dos dois testes não é vãlido (resultado não numérico).
Bandeira Sem bandeira em amostras.
Resultados Erro 45. Média não é exibida.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Código de Erro – 46
Significado Média não calculada (verificação selecionada no meio).
Causa Um dos dois resultados não é vãlido.
Bandeira W – Média não calculada. Bandeira em amostras.
Resultados Erro 46. Média não é exibida.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6. 37
Erro – Média fora do alcance
Significado Média fora do alcance (verificação selecionada no meio).
Causa Um dos dois resultados está fora do alcance ou alcance da
linearidade.
Bandeira W – Média não calculada. Bandeira em amostras.
Resultados Média é apresentada em relação ao alcance do resultado em
violeta.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Erro – Média fora do alcance


Significado Duplicada fora do alcance (verificação selecionada no meio).
Causa Diferença entre Replicados excede o limite.
Bandeira W – Média não calculada. Bandeira em amostras.
Resultados Média é sinalizada em violeta.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

6.3.7 Taxa em Códigos de Erro INR


Código de Erro – 52/ 53/ 54/ 55/ 56/ 59/ 60/ 62/ 63/ 65
Significado Erro de cálculo da taxa (i.e Taxa para PT, APTT, TT, etc.).
Causa Um dos dois resultados necessários para o cálculo não é
válido.
Bandeira W – Erro de cálculo da taxa. Bandeira em amostras.
Resultados Erro 52 = amostra
Erro 53 = padrão
Erro 54 = AR
Erro 55 = Sa
Erro 56 = ARa
Erro 59 = AR inválido
Erro 60 = padrão inválido
Erro 62 = amostra inválida
Erro 63 = referência inválida*
Erro 65 = ARa inválido
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.
* Valor de Referência é fixo em 0.

6. 38
Código de Erro – 50
Significado Erro de cálculo da taxa (i.e Taxa para PT, APTT, TT, etc.).
Causa Um dos dois resultados necessários para o cálculo não é
válido.
Bandeira W – Erro de cálculo da taxa. Bandeira em amostras.
Resultados Erro 50. Taxa não é calculada.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Código de Erro – 58
Significado NR: AR OU ARa fora do alcance (i.e. NR para APCR-V).
Causa AR ou ARa fora do alcance.
Bandeira W – R: AR, ARa fora do alcance.
Resultados Erro 58. Taxa não é calculada.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.

Código de Erro – 57/ 64/ 66


Significado Erro NR.
Causa Taxa não disponível para calcular o NR.
Bandeira W – Erro NR.
Resultados Erro 57 = taxa não encontrada*.
Erro 64 = Taxa AR inválida.
Erro 66 = Delta AR inválido.
Ação remediadora Rever as curvas de reação. Repetir o teste com materiais
preparados frescamente.
* Valor de Referência é fixo em 0.

6. 39
6.3.8 Erros DMS
Mensagem de Erro Possível Explicação
Base de Dados Cheia Mais de 100 IDs de ammostras na
amostra no DMS. Os IDs das amostras
devem ser apagados para permitir
espaço para a programação.
Mais que 30 testes programadas por Tentando programar o teste # 31 para
amostra uma amostra. Os testes devem ser
apagados para permitir espaço para a
programação.
ID duplicado da amostra Um ID duplicado da amostra foi entrado
quando editada uma loadlist. O ID
duplicado da amostra deve ser
apagado.
ID do controle já usado ID já usado para um material de CQ. O
ID da amostra deve ser mudado.
ID do controle já usado para paciente ID já usado para uma outra amostra de
paciente. O ID da amostra deve ser
mudado.
Seleção do alcance inválido Um dos dois IDs no alcance
selecionado não existe.
ID da amostra não encontrado ID requesitado não existe no banco de
dados.

6.3.9 Outras Miscelâneas de Erros


Mensagem de Erro Possível Explicação
Amostra não identificada na posição X Amostras não têm um ID associado na
loadlist.
Verificar a bandeja da amostra O material está perdido da bandeja da
amostra.
Baixo Amostra foi encontrada perdida durante
verificação da aspiração ou detecção do
nível do líquido.
Teste X não está calibrado. Teste não tem uma calibração
associada com ele.
Adicionar amostra na posição X Uma amostra que não estava na loadlist
anterior foi encontrada durante a
verificação da bandeja de amostra.
Rotor usado Rotor está parcialmente usado. Entre as
posições das cuvetes não usadas (abra
a cobertura do rotor para verificar o
primeiro número disponível de cuvete
vazio).

6. 40
Carregar rotores Rotor é insuficiente para executar a
análise requisitada. Adicionar mais
rotores para a pilha do rotor.
AR fora do alcance NP fora do alcance (+ 9% para PT, +
15% para APTT ou + 20% paraPT-Fib
baseado).
CQ fora do alcance Material de CQ fora do alcance de
acordo com o limite de SD selecionado
no setup de CQ.

6.4 “Erro Clássico da Redução de Dados”


“Erro” aparece quando há anomalias nos dados gerados durante a coagulação da
amostra. O número que acompanha o erro – 6, 7 ou 13 – refere-se aos algorítmos
dos critérios que detectam o problema.
Para detalhes adicionais, reporte-se ao diagrama na Seção 6.6 que descreve,
graficamente, o processo de redução de dados.

Erro 6
Falhando os critérios: a curva do coágulo não passa o primeiro umbral antes do
final do tempo de aquisição.
Possíveis causas: a amostra pode não ter coagulado durante o tempo de
aquisição ou a variação na turvação é suficiente para engatilhar a leitura do ponto
de coagulação. Corra-a no tempo de aquisição extendido.

6. 41
Erro 7
Falhando os critérios: a curva do coágulo passa o primeiro umbral, mas não o
segundo umbral, antes do final do tempo de aquisição.
Possíveis causas: a amostra pode não ter coagulado durante o tempo de
aquisição ou a variação na turvação é suficiente para engatilhar a leitura do ponto
de coagulação. Corra-a no tempo de aquisição extendido.

Erro 13
Falhando os critérios: quando a inclinação inicial da curva de reação for muito
alta, os critérios usados para decidir o ponto de coagulação é o Máximo da
Segunda Derivativa. Se o limite do Máximo da Segunda Derivativa não passou,
isso significa que a aceleração da reação não é significativa o bastante.
Possíveis causas: a curva de reação pode não ser uma curva de coagulação
real, provavelmente indicando uma curva que exibe uma forma bifásica inusual.

6.5 Erros no ID da Amostra (usando o leitor de código de barra

interno)
Quando usar amostras com código de barra e a identificação da amostra é feita
com o leitor de código de barra interno do ACL, os seguintes erros podem ser
gerados:

- No_R = ID da amostra perdido


- Dpl = ID da amostra duplicada
- No_C = ID da amostra truncada
- Inv = ID da amostra inválida

Se qualquer desses erros ocorrer, o operador pode entrar o ID da amostra


manualmente dentro do sistema.

6. 42
6.6 Diagrama de Redução de Dados para PT, APTT e TT
Curvas do coágulo
(depois de alisados)

Abaixo do Primeiro Algoritmo do Umbral Entre os 1o. e 2o.
Umbral (parte 1) Umbrais
Erro 6 Erro 7
o
Acima do 2 . Umbral 
(Acima de  tempo) ( tempo em segundos)
 Abaixo do  tempo 
 Controle de checagem
 do declive


 Acima do limite Abaixo do limite
2o. Algoritmo derivativo Algoritmo do umbral
(2a. parte)
Abaixo do limite  Erro 13 Acima do 2o. Umbral
 Acima do limite  Resultado (#) 
Resultado (*)
(#) O tempo é calculado na correspondência da Segunda Derivativa Máxima da
curva de coagulação
(*) O tempo é calculado na intersecção entre da curva de coágulo e o 1 o. umbral.

6. 43
Ensaio e Especificações do Equipamento

7.0 Introdução
Esta Seção inclui as especificações relatadas para muitos ensaios que são
executados no sistema ACL Elite/ Elite Pro, assim como as especificações
relatadas para o equipamento e seus acessórios.
As seguintes abreviaturas são usadas:
o APCR-V Resistência à Proteína C Ativada – Testes Fator V
o AT Antitrombina
o PLG Plasminogênio
o PCX Pro-IL-Complex*
o HPX Hepatocomplex*
o PCL ProCloág
o PC Proteína C (Cromogênico)
o PS Proteína S
o FIB-C Fibrinógeno Clauss
o FIB-C h Fibrinógeno Clauss alto
o FIB-C l Fibrinógeno Clauss baixo
o HEP Heparina
o PI Inibidor de Plasmina (alfa-2-antiplasmina)
o D-D h Dímero-D alto
o DP Plasma de Deficiência
o AR Referência Analítica

* Não correntemente disponível nos EUA

Nota: O ACL Elite/ Elite Pro e o ACL8/9 e 10000 usam sistemas


analíticos idênticos. Reagentes, Calibradores, Controles e os valores
assinados são intercambiáveis entre os dois sistemas.

7. 1
A informação fornecida nesta Seção é organizada como segue:
Parâmetros medidos Seção 7.1
Cálculo dos resultados Seção 7.2
Testes coagulométricos 7.2.1
Testes cromogênicos 7.2.2
Configuração e especificações das amostras e reagentes Seção 7.3
Exigências e posições das amostras 7.3.1
Posições da amostra no rotor 7.3.2
Volumes de testes coagulométricos 7.3.3
Volumes de testes cromogênicos 7.3.4
Volumes de testes especiais 7.3.5
Características, parâmetros e especificações analíticas do Seção 7.4
processamento de dados
Limites sinalizados 7.4.1
Formato dos resultados: VDU e Impressora 7.4.2
Lidando com as mensagens dos resultados 7.4.3
Inclinação da curva de calibração (m) 7.4.4
Interceptador da curva de calibração (q) 7.4.5
Alcances para os valores do plasma de calibração 7.4.6
Tempos de Reações 7.4.7
Testes coagulométricos e especiais
Testes cromogênicos
Algoritmos dos testes 7.4.8
Características da performance do ensaio Seção 7.5
Ensaio da performance de precisão, linearidade e 7.5.1
estudos da comparação de métodos
Ensaio da estabilidade de calibração 7.5.2
Limitações analíticas Seção 7.6
Transporte (carryover) 7.6.1
Ensaiando uma amostra contaminante
Ensaiando uma amostra contaminada
Cefalina: agulha auto-condicionada 7.6.2
Amostras lipêmicas 7.6.3
Especificações do recipiente Seção 7.7
Tubos primários 7.7.1
Cálice e recipientes do reagente 7.7.2
Especificações do equipamento Seção 7.8
Hardware e especificações operacionais 7.8.1
Dimensões 7.8.2
Especificações das bases de dados 7.8.3
Especificações de ambiente Seção 7.9
Especificações elétricas Seção 7.10
Perigos Seção 7.11
Advertência geral 7.11.1
Perigos de choque 7.11.2
Perigos elétricos 7.11.3
Bio-perigos 7.11.4
Perigos mecênicos 7.11.5
Adendo: Estudos de Comparação de Métodos

7. 2
Nota: por favor, reporte-se às definições de testes individuais no
menu Setup no analisador para os últimos ajustes na biblioteca de
testes para cada ensaio.

7.1 Parâmetros Medidos


Aqui estão descritos os parâmetros que são medidos pelos ensaios da ACL Elite/
Elite Pro para determinar os resultados de teste. Os testes estão agrupados de
acordo com sua metodologia comum Uma breve explicação (texto e gráfico) dos
métodos usados é dado.
Alguns desses parâmetros podem também ser um dos resultados escolhidos
reportado pelo ACL, assim como “segundo” para os resultados, se relatados para
curvas de calibrações ou processadas em vários caminho para repostar outros
parâmetros úteis.
Todos os parâmetros são medidos na ACL Elite/ Elite Pro à 37ºC + 1ºC, provido a
temperatura ambiente é deixada dentro do alcance de 15ºC a 32ºC.

TESTES COAGULOMÉTRICOS: PT, APTT, TT, Fatores, Pro-IL-Complex*,


Hepatocomplex*, ProCoág e Proteína S.
O ACL monitora a formação do coágulo por difusão de luz (LS), medindo o tempo
(t) expresso em segundos (s) requerido para procurar um ponto selecionado na
curva de formação de coágulo.

* Não correntemente disponível nos EUA

7. 3
FIBRINÓGENO (PT-Base)
Esse teste de Fibrinógeno é baseado no monitoramento das medidas do coágulo
como registro da difusão de luz antes da formação do coágulo e calcular a
diferença entre a leitura (difusão de luz delta = ALS).

TESTES CROMOGÊNICO E DE LÁTEX: Antitrombina, Heparina, Inibidor de


Plasmina, Plasminógeno, Proteína C (Cromogênico) e Dímero-D.
O ACL monitora fotometricamente a cor desenvolvida da reação e calcula a
diferença entre a luz absorvida no começo da reação e a luz absorvida em um
ponto durante a reação (AOD).

7. 4
FIBRINÓGENO-C
Esse teste Fibrinógeno é medido pelo fotômetro, medindo o tempo em segundos,
que são tomados pela absorbância para mudar uma contagem pré-definida; esse
tempo é, então, completamente relatado para a concentração de Fibrinógeno.
No caso dos resultados do paciente serem maiores que 600 mg/dL (6 g/L) o teste
pode ser executado usando-se o FIB-C h. No caso de resultados de pacientes
menores que 100 mg/dL (1 g/L), o teste pode ser executado usando-se o FIB-C l.
O teste FIB-C h diluirá automaticamente a amostra em duas partes e o teste FIB-C
I concentrará a amostra pela metade usando um volume reduzido.

7.2 Cálculo dos Resultados


Esta Seção descreve o ACL aproxima o cálculo dos resultados dos parâmetros
medidos para cada teste. Alguns parâmetros são informados diretamente, como
"segundos" para os testes coagulométricos. Para outros testes, como alguns
cromogênicos, os resultados são calculados baseados no de medidas óticas para
curva de calibração, construído para executar medições semelhantes em
calibradores. O ACL oferece escolhas de unidades do resultado para muitos dos
testes, como é capaz de usar as medidas básicas para uma amostra e processá-
los de diferentes modos para derivar vários outros valores que são clinicamente
significantes (isto é, relações).
A tabela a seguir resume os testes, os parâmetros de medições ACL e os
formatos de resultado que podem ser informados ao ACL.

7. 5
A escolha dos resultados informados é dependendo no equipamento e condições
analíticas (isto é, pré-calibração, presença de AR na corrida, seleção de unidades)
como visto na tabela a seguir.

Testes Parâmetros de Medição Resultados Relatados


PT Segundos s, %, R ou INR
FIB (PT-baseado) Difusão de Luz Delta mg/dL ou g/L
APTT Segundos s, R
TT Segundos s, R
Fator Simples Segundos s, %
Antitrombina O.D. %
Heparina O.D. U/mL
Plasminogênio O.D. %
Inibidor de Plasmina O.D. %
Pro-IL-Complex* Segundos s, %, R ou INR
Hepatocomplex* Segundos s, %, R ou INR
ProCloág Segundos s, %, R ou INR
FIB-C Segundos mg/dL ou g/L
Proteína C (Cromogênica) O.D. %
Proteína S Segundos S, %
Proteína S Livre Segundos S, %
Lac Screen/ Confirme Segundos S, R
VWF O.D. Compensação*, Máx., %
F8 Cromog. H/L O.D. %
Dímero-D O.D. ng/mL, compensação*
APCR-V Segundos (s e sa) s, R ou INR
* Leitura da absorbância média inicial para a reação.

7. 6
Teste Plasma Normal Pré-calibrado Não calibrado
(AR) em corrida
PT (correto ON) Com AR s, %, R, INR * s, %, R/INR *
Sem AR segundos segundos
PT (correto ON) Com AR s, %, R, INR * segundos
Sem AR segundos segundos
Fibrinógeno Com AR mg/dL, g/L O teste deve ser
Sem AR calibrado
APTT Com AR Esse teste não segundos, taxa
Sem AR requer segundos ***
calibração
TT Com AR Esse teste não segundos, taxa
Sem AR requer segundos ***
calibração
Antitrombina %, O.D. O.D.
Heparina Xa U/mL, O.D. O.D
Inibidor de Plasmina %, O.D. O.D
Plasminógeno %, O.D. O.D.
Proteína C Cromogênico %, O.D. O.D.
Dímero-D ng/mL, O.D. O.D
F8 Cromog. H/L %, O.D. O.D
Proteína C Livre %, O.D. o teste DEVE ser
calib. a cada corrida
O.D
Fatores s, % segundos
ProCloág s, %, R segundos
Fib-C s, mg/dL ou g/L segundos
Proteína S s, % esse teste DEVE
ser calib. a cada
corrida
Pro-IL-Complex *** s, %, INR segundos
Hepatocomplex *** s, %, INR segundos
APCR-V # Esse teste não segundos (s e sa)
requer R, NR
calibração
* O valor de ISI da Tromboplastina ISI ‘inserido no Setup Líquido
** somente no caso R = S/AR
*** Não corretamente disponível no EUA
# AR é requerido para o cálculo NR

7. 7
7.2.1 Testes Coagulométricos
PT (Tempo de Protrombina)
O PT é medido em segundos. Se o Plasma Normal (AR) ou a curva de calibração
é corrida, o ACL pode executar diferentes cálculos a fim dos resultados do
relatório em outros formatos: % atividade, R (taxa) ou INR (Taxa Normalizada
Internacional).
No exemplo a seguir, o (calibrador 100%) é medido à 11 segundos (R=1), a
diluição 50% do Plasma de Calibração medido à 15 segundos (R=1.36) e a
diluição 25% é medida à 21 segundos (R=1.9).
O valor do Plasma de Calibração (calibrador 100%) – em segundos – é usado
como denominador para calcular a Taxa (R).

100% NP : 11 s 11 + 11 = 1 (R)
50% NP : 15 s 15 + 11 = 1.36 (R)
25% NP : 21 s 21 + 11 = 1.9 (R)

Nota: se o teste PT é corrido com “Correto com AR em Análise” checado


, o valor de Referência Analítica em segundos é usado para o cálculo do
valor do amostra.
Se o teste PT é corrido com “Correto com AR em Análise” não checado, o
valor do Plasma de Calibração na curva de calibração (ponto 100%) é
usado ara o cálculo ou o valor de amostra.
Recalibre o teste de PT quando o lote do Lavagem de Referência ou o lote
do rotor (alfa-caracteres) mudar.
Para mais detalhes, reporte-se à Seção 4 – Setup do teste.

7. 8
 O resultado como % de atividade: A atividade de protrombina da amostra
é expressa como % calculada da curva de calibração baseada no valor de R.
 O resultado como R: R é a taxa entre o valor em segundos para a amostra
e o valor em segundos ou para o AR, o Valor de Referência ou um dos padrões
de calibração (ver NOTA).

R (taxa) = ______________Amostra PT (em segundos)_____________________


AR ou Valor de Referência ou Padrão de Calibração (em segundos)

 O resultado como INR: é o valor R normalizado de acordo com o ISI (Índice


de Sensibilidade). Para obter esse valor, o ISI já deve estar inserido no software
do ACL.
INR = RISI

APTT, TT
APTT e TT são medidos em segundos. Esses testes não requerem calibração. O
Plasma Normal pode ser colocado ao longo com as amostras em cada análise
corrida, ou um valor para AR pode ser armazenado no software. Para informação
adicional reporte-se ao Setup do Teste.

 O resultado como R: R é a taxa entre o valor em segundos para a amostra


e o valor em segundos ou para o AR, ou Valor de Referência.

R (taxa) = Amostra APTT/ TT (em segundos)


AR ou Valor de Referência (em segundos)

7. 9
APCR-V
Esse teste é medido em segundos. Sa é o “tempo ativado” e S é o “tempo basal”.

 O resultado como R: R é a taxa entre o valor em segundos para Sa e o


valor em segundos para S.

R (taxa) = Sa em segundos
S em segundos

 O resultado como NR: NR é a taxa normalizada, o valor da taxa da amostra


dividido pelo valor da taxa de Plasma Normal (AR).

R (taxa) = Valor da Taxa de Amostra


Valor da taxa AR

Fatores
Os Fatores são medidos em segundos; o ACL também calcula a % de atividade
baseada em uma curva de calibração.
As curves de calibração para os ensaio do Fator são compostos por três
segmentos: um segmento de Curva Alta com concentração de calibradores mais
alta; um segmento de Curva Baixa com concentração mais baixa de calibradores e
um segmento Médio cujos conectores do ponto de calibração de 25% com o ponto
de calibração de 6.25%.
O valor do Plasma de Calibração (calibrador 100 %) – em segundos – é usado
como denominador para calcular a taxa (R).

7. 10
o Para o segmento da Curva de Calibração mais Alta:
100% NP : 40 s 40 + 40 = 1 (R)
50% NP : 50 s 50 + 40 = 1.25 (R)
25% NP : 60 s 60 + 40 = 1.50 (R)

A curva é construída com Taxas (de segundos) no eixo x e % de atividade no eixo


y, usando uma escala log-log.

o Para o segmento de Curva de Calibração Baixa:


6.25% NP (log = 0.80): 70 s 70 + 40 = 1.75 (R)
3.12% NP (log = 0.50): 80 s 80 + 40 = 2.00 (R)
1.56% NP (log = 0.20): 90 s 90 + 40 = 2.25 (R)

O SEGMENTO MÉDIO conecta os pontos 25% e o 6.25%.

7. 11
 O resultado como % de atividade: para o alcance inteiro da taxa da Curva de
Calibração Multilinear entre o valor de amostra em segundos e o valor do Plasma
de Calibração 100% em segundos é calculado e, então, usada para ler o valor de
Atividade da curva de calibração.

Nota: Todas as amostras corridas para a análise do fator são


automaticamente diluídas (x5) pelo sistema ACL durante a análise.

Pro-IL-Complex*
Pro-IL-Complex é medido em segundos; o ACL também calcula a % de atividade
baseada em uma curva de calibração.
A seguir são alguns dados de calibração típico e um exemplo gráfico de uma
curva de calibração do Pro-IL-Complex – segmento de 25% – 6.25.

Os valores são calculados, usando o Padrão 100% como denominador.


Então, o Plasma de Calibração pode ser colocado na bandeja da amostra quando
a calibração Pro-IL-Complex estiver correndo.
100% NP 40 s 40 + 40 = 1
25% NP (log = 1.40): 65 s 65 + 40 = 1.63 (R)
12.5% NP (log = 1.10): 95 s 95 + 40 = 2.4 (R)
6.25% NP (log = 0.80): 150 s 150 + 40 = 3.75 (R)

7. 12
O segmento 100% – 25% é construído com Taxas (de segundos) no eixo x e 1/%
de atividade no eixo y, usando uma escala linear.
O segmento 25% – 6.25% é construído com Taxas (de segundos) no eixo x e %
da atividade no eixo y, usando uma escala log-log.
A atividade da amostra é obtida calculando a taxa entre o valor da amostra em
segundos e 100% Plasma de Calibração em segundos para ler o valor da % de
atividade diretamente na curva de calibração.

* Não correntemente disponível nos EUA

HEPATOCOMPLEX*
O Hepatocomplex é medido em segundos; o ACL também calcula a % da
atividade baseada em uma curva de calibração.
A seguir são dados alguns dados de calibração típicos e um exemplo gráfico de
uma Curva de calibração do Hepatocomplex.
100% NP : 18 s 18 + 18 = 1 (R)
50% NP : 27 s 27 + 18 = 1.5 (R)
25% NP : 36 s 36 + 18 = 2 (R)

A curva de Calibração é construída com Taxas do eixo x e 1/ atividade no eixo y,


em uma escala linear.

7. 13
A atividade da amostra é obtida calculando a taxa entre o valor da amostra em
segundos e 100% do Plasma de Calibração em segundos para ler o valor de % da
atividade diretamente na curva de calibração.

* Não correntemente disponível nos EUA

Tempo de coagulação de sílica – Triagem e Confirmação


O SCT é medido em segundos. Esses testes não requerem calibração. O Plasma
Normal pode ser colocado ao longo com as amostras em cada corrida de análise
ou um valor de referência pode ser armazenado no software.

o Resultado como R: R é a taxa entre o valor da amostra em segundos e


o valor em segundos para o Valor de Referência.

Triagem de R (taxa) = ____Resultado de triagem da amostra em segundos______


Media do Alcance Normal de Triagem (em segundos)

Confirmação R (taxa) = ____Resultado de triagem da amostra em segundos_____


Media do Alcance Normal de Confirmação (em segundos)

SCT Normalizado (taxa) = __Taxa de triage, da amostra____


Taxa de confirmação da amostra

ProCloág
ProCloágulação é medido em segundos; o ACL também calcula o ProCloág da %
da atividade baseada em uma curva de calibração.
A seguir são dados alguns dados de calibração típicos e um exemplo gráfico de
uma Curva de calibração ProCloág.
100% NP : 165 s 165 + 60 = 2.75 (R)
50% NP : 120 s 120 + 60 = 2.0 (R)
0% NP : 60 s 60 + 60 = 1.0 (R)

7. 14
A curva de calibração é construída com quadros de Taxas no eixo x e atividade no
eixo y, em uma escala linear.

A atividade da amostra é obtida usando a taxa do quadro (calculado entre o valor


de amostra em segundos e 0% da curva de calibração em segundos) para ler a
0% da atividade na curva de calibração.

FIBRINÓGENO (PT-Baseado)
O ACL registra a difusão de luz antes e depois da informação de um coágulo e
calcula a diferença (ΔLS) entre as duas leituras.
O ACL calcula o valor do fibrinógeno da amostra em mg/dL, usando uma curva de
calibração. A curva correlata a concentração de fibrinógeno de 3 calibradores com
suas ΔLS Taxas.
A seguir são dados alguns dados de calibração de fibrinógeno típicos e a Curva de
Calibração construída com eles.

Conc. Cal. (md/dL) Delta LS Taxa R


300 60 60 + 60 = 1
150 30 30 + 60 = 0.5
75 15 15 + 60 = 0.25

7. 15
A curva de calibração é construída com Taxas no eixo x e concentração de
Fibrinógeno no eixo y, em uma escala linear.

O ACL calcula a taxa dos valores de amostra de fibrinógeno (em delta LS) e o
primeiro ponto do Plasma de Calibração (em delta LS) para obter o valor
correspondente em mg/dL da curva de calibração.

7.2.2 Testes Cromogênicos


Antitrombina, Inibidor de Plasmina, Plasminogênio, Proteína C
(cromogênico)
Para esses testes cromogênicos, o ACL medirá a diferença entre a luz absorvida
no começo e um ponto definido durante a reação (OD). A % da atividade da
amostra é calculado por uma curva de calibração construído com 3 calibradores
da atividade conhecida e medida OD. A seguir são exemplos de curves de
calibração para Antitrombina, Inibidor de Plasmina, Plasminogênio e Proteína C.

7. 16
Heparina
Para Heparina, o ACL calcula a concentração das amostras em U/mL baseada em
uma curva de calibração. A curva de calibração é construída com 3 calibradores
de concentração conhecida e medição OD.
Um exemplo e uma Curva de Calibração da Heparina é mostrado a seguir.

Nota: Para Antitrombina e Heparina, o delta OD é medido ao longo


da tempo de aquisição de reação de 30 segundos. Para Inibidor de
Plasmina, Plasminogênio e Proteína C (Cromogênico) o tempo de
aquisição é 60 segundos).

DÍMERO-D
Para o teste Dímero-D, o ACL mede a diferença entre a luz absorvida no começo
e em um ponto definido durante a reação (OD). A concentração do Dímero-D na
amostra, em ng/mL, é calculado de uma curva de calibração construída pela
correlação dos valores dos calibradores delta OD e sua concentração respectiva
em ng/mL.

Nota: O teste D-Dh deve somente ser corrido em pacientes com a


concentração da amostra de Dímero-D maior que 1000 ng/mL.

7. 17
Um exemplo de Cura de Calibração de Dímero-D é mostrado a seguir.

Proteína-S Livre
Para o teste de Proteína-S Livre, o ACL mede a diferença entre a luz absorvida no
começo e em um ponto definido durante a reação (ΔOD). A concentração de
Proteína-S Livre na amostra, em %, é calculada de uma curva de calibração
construída em correlatando os valore de delta OD do calibrador e suas respectivas
concentrações em %. A curva de calibração para a Proteína-S Livre é construída
em 3 segmentos:

Segmento 1: 100% a 50%


Segmento 2: 50% a 25%
Segmento 3: 25% a 12.5%

Um exemplo de curva de Calibração Proteína-S Livre é mostrado a seguir:

7. 18
7.3. Configuração e Especificações das Amostras/
Reagentes
7.3.1 Exigências de Amostra e Posições
As tabelas seguintes indicam os materiais que devem ser colocados na bandeja
de amostra do ACL Elite/ Elite Pro a fim de executar cada teste, junto com suas
posições respectivas. As tabelas agrupam tipos diferentes de testes.
Nas tabelas, AX indica que posição na bandeja de amostra de A1 a A10 pode ser
usada para Calibradores, Diluentes, Tampões, Plasma Deficiente, etc. Estas
posições de fábrica são definidas no submenu Setup do software do ACL Elite/
Elite Pro.
Para detalhes, reporte-se à Seção 4 e Apêndice C deste Manual.

TESTES COAGULOMÉTRICOS
Teste POSIÇÕES
Ax Ax Ax Ax 1-40
PT-FIB CAL Normal Diluente __ __ __
Pool de Fator
PT-FIB Normal __ __ __ Amostras
Pool
APTT Normal __ __ __ Amostras
Pool
TT Normal __ __ __ Amostras
Pool
PT-FIB/APTT Normal __ __ __ Amostras
Pool
SCT Normal __ __ __ Amostras
Pool
FATORES Normal Diluente Diluído Plasma Amostras
(Calibração + Pool de Fator Normal Deficiente
Analise (100%) Pool
(6.25%)

7. 19
TESTES DUPLOS
Teste POSIÇÕES
Ax Ax Ax Ax 1-40
TESTES DUPLOS Normal __ __ Amostras
(PT-FIB, APTT, TT) Pool

Normal Pool = Plasma de calibração


* Normal Pool Diluído é preparado colocando-se 300 μl de Diluente de Fator + 20
μl de Plasma de Calibração em uma taça de 0.5 mL. Misture a taça bem antes de
usar.

TESTES CROMOGÊNICOS e ESPECIAIS


Teste POSIÇÕES
Ax Ax Ax Ax Amostras
AT Normal Diluente Taças Taças Taças
Calibração Pool de Fator vazias vazias vazias
Posições
1 – 12
AT __ Diluente __ __ 1 – 20;
Análise de Fator Taças
vazias
Posições
21 – 40
AT * Normal Diluente Taças Taças __
Calibração Pool de Fator vazias vazias
AT * __ Diluente 1 – 40
Análise de Fator
Heparina Taças Calibrador Calibrador Diluente
Calibração vazias Trabalho
Heparina __ __ __ Diluente 1 – 40
Análise Trabalho
PI Normal Tampão __ __ 1 – 40
Pool Diluído
PLG Normal Diluente Substrato __ 1 – 40
Pool de Fator
PCX Cal.** Normal Tampão DP # Taças __
Pool Diluído vazias
PCX Anal.** __ __ DP # __ 1 – 40

HPX Cal.** Normal Tampão Taças DP # __


Pool Diluído Vazias

7. 20
HPX Anal.** __ __ __ DP # 1 – 40

PCL Normal Diluente Proteína C Taças 1 – 40


Pool Trabalho DP # vazias
FIB-C Cal. Normal Diluente __ __ __
Pool de Fator
FIB-C Anal. __ Diluente __ __ 1 – 40
de Fator
PS Normal PS PS 50% 1 – 40
Pool DP # Ativado Std
DP #
PC Normal Diluente Substrato __ 1 – 40
Pool diluído
FPS Normal Diluente Taças __ __
Calibração Pool de Fator vazias
FPS __ Diluente __ __ 1 – 40
Análise de Fator
F8 H Crom Normal Taças Taças Tampão 1 – 20
Cal/Anal Pool vazias vazias F8 Crom Taças
vazias
Posição
21 – 40
F8 L Crom Taças Taças Normal Tampão 1 – 20
Cal/Anal vazias vazias Pool F8 Crom Taças
Diluído vazias
Posição
21 – 40
LAC Screen/ Normal __ __ __ 1 – 40
Confirmação Pool
vWF Calibração Normal Diluente Taças Tampão __
Pool de Fator vazias vWF
vWF Análise __ Diluente __ Tampão __
de Fator vWF
Dímero-D Calibrador Tampão Diluente __ __
Calibração Pool de Fator
Dímero-D __ Tampão __ __ 1 – 40
Análise
APCR-V Normal Fator V __ __ 1 – 40
Pool DP #
* Antitrombina Líquida
** Não correntemente disponível nos EUA
#= Plasma Deficiente

7. 21
O Pool Normal pode ainda ser o IL Plasma de Calibração ou um plasma agrupado
de laboratório.

7.3.2 Posições da Amostra no Rotor (caso de desuso)


As tabelas seguintes indicam, para cada teste diferente (ou combinação de testes
no caso de testes duplos), a posição ocupada no rotor pelos materiais necessários
para executar o ensaio. Um máximo de 19 amostras são usadas.

TESTE Curva de NP Amostras Emulsão Referência


Calibração de Ótica
Referência
PT-FIB CAL 100% 1-6   19 
50% 7-12
25% 13-18
PT-APTT  1 2 – 19 20 
SCT   1 – 19 20 
TT  1 2 – 19 20 
Fatores 100% 1  7 – 19 20 
(Cal+Anal) 50% 2
25% 3
6.25% 4
3.12% 5
1.56% 6
Fatores Análise   1 – 19 20 
Teste Duplo  1 2 – 19 20 
(PT-FIB,
APTT,TT)
AT líquido 100% 2-5   14 1
Cal. 50% 6-9
25% 10-13
AT líquido   2–9 20 1
Análise
AT Cal. 100% 2-5   14 1
50% 6-9
25% 10-13
AT Análise   2–9 20 1
Heparina 0.8 2-5  14 1
Calibração 0.4 6-9
0.0 10-13
Heparina   2 – 19 20 1
Análise

7. 22
PI/PLG 100% 2  5 – 19 20 1
50% 3
0% 4
PCX 25% 5-8   17 
Calibração* 12.5% 9-12
6.25% 13-16
100% 1-4
PCX   1 – 19 20 
Análise *
HPX 100% 1-4   13 
Calibração 50% 5-8
25% 9-12
HPX   1 – 19 20 
Análise
PCL 100% 1  4 – 19 20 
50% 2
0% 3
FIB-C 150% 2-5   14 1
Calibração 100% 6-9
50% 10-13
FIB-C Análise   2 – 19 20 1
Proteína-S 100% 1  4 – 19 20 
50% 2
0% 3
Proteína-C 100% 2  5 – 19 20 1
50% 3
0% 4
FPS Cal 100% 2-4   14 1
50% 5-7
25% 8-10
12.5% 11-13
FPS Anal.   2 – 19 20 1
F8 Crom H/L 100% 2  5 – 19 20 1
Cal/ Anal 50% 3
25% 4
LAC Screen/  1 2 – 19 20 
Confirmação
VWF Calibração 100% 2-5   18 1
50% 6-9
25% 10-13
12.5% 14-17
VWF Análise   2 – 19 20 1
Dímero-D 1000 2-5   14 1
Calibração 500 6-9
250 10-13

7. 23
Dímero-D   2 – 19 20 1
Análise
APCR-V  1e2 3 – 10 (s) 19 
11-18 (Sa)
Nos ciclos cromogênicos, a Emulsão de Referência serve como um verificador
para checar a lavagem completa entre as amostras e de rotor a rotor.
* Não correntemente disponível nos EUA

7.3.3 Volumes de Teste de Coagulométricos


As seguintes tabelas sumarizam os volumes de amostra e reagente aspirados e
dispensados para cada teste coagulométrico, incluindo os volumes da “cabeça”.

PT-Fib Cal PT-Fib APTT TT


100% Análise & SCT
50%
25%
Topo da 10 μL/amostra 10 μL/amostra 10 μL/amostra 10 μL/amostra
amostra 0
0
Amostra 50 μL 50 μL 53 μL 75 μL
dispensada 25 μL
12.5 μL
Cabeça do    
diluente 10 μL/amostra
10 μL/amostra
Diluente    
dispensado 25 μL
37.5 μL
Cabeça do 10 μL 10 μL/amostra 10 μL 50 μL por rotor
reagente 10 μL reagente/amostra
10 μL 50 μL CaCl2/rotor
Reagente 100 μL 100 μL 53 μL reagente 75 μL
dispensado 100 μL 50 μL CaCl2
100 μL

7. 24
Nota: Condição da agulha para cefalina (APTT). Quando o teste baseado no
APTT é realizado por um ciclo usando-se tromboplastina – PT, Fatores de
Caminho Extrínseco, Pro-IL-Complex*, Hepatocomplex* e Proteína-S, a agulha
interna aspira 90 μL de cefalina ou Limpeza A seguido por um 80 μL de bolha de
ar. A cefalina ou Limpeza A é, então, dispensada para dentro do reservatório de
resíduo. Este passo é repetido três vezes.

FATORES do CAMINHO EXTRÍNSECO FATORES do CAMINHO


INTRÍNSECO
Cabeça de NP Std 1 – 6 10 ul NP Std 1 – 6 10 ul
Amostra Amostras 10 ul Amostras 10 ul
Amostra NP Std 1,4 ** 8 ul NP Std 1,4 ** 8 ul
Dispensada NP Std 2,5 4 ul NP Std 2,5 4 ul
NP Std 3,6 2 ul NP Std 3,6 2 ul
Amostras 8 ul Amostras 8 ul
Cabeça do NP Std 1 – 6 10 ul NP Std 1 – 6 10 ul
Diluente
Diluente NP Std 1,4 32 ul NP Std 1,4 32 ul
Dispensado NP Std 2,5 36 ul NP Std 2,5 36 ul
NP Std 3,6 38 ul NP Std 3,6 38 ul
Cabeça do 10 ul 50 ul 10 ul 50 ul 50 ul
Reagente Padrões DP p/ Padrões CaCl2 DP
e amostras cada e amostras Por rotor P/ cada
Fator fator
Reagente 80 ul 40 ul 40 ul 40 ul 40 ul DP
Dispensado Trombopl. DP Cefalina CaCl2 p/
Por amostra
amostra
 NP é a abreviação para o Plasma Normal
 Std. é a abreviação para padrão
* Não correntemente disponível nos EUA
** Std 4 para ser preparado manualmente.

7. 25
Padrões para ensaio do Fator Simples
Para ensaio do Fator Simples dos Caminhos Extrínseco e Intrínseco, os padrões
são como indicado abaixo:

segmento CURVA ALTA segmento CURVA ALTA


1O. Padrão 100% 6.25%
O
2 . Padrão 50% 3.12%
3O. Padrão 25% 1.56%

O SEGMENTO MÉDIO conecta os pontos 25% e o 6.25%.

7.3.4 Cromogênico/ Volumes de Testes filtro 405


A tabela a seguir lista o uso dos testes 405 nm filtro no ACL Elite/Elite Pro.
Detalhes para cada teste podem ser vistos na tela ou impressos. A informação de
teste pode ser obtida no menu Setup, Testes, menu Ver/ Definir. Uma vez que
ilumine o teste pode imprimir-se a informação pressionando o Ícone imprimir ou
pode-se pressionar o Ícone detalhe para ver o teste.
Os volumes de teste podem ser encontrados nas seções Setup de Calibração e
Setup de Análise para cada teste. O volume listado definido para cada teste não
inclui quaisquer volumes de registro inicial. Os volumes iniciais são como segue:
Cabeça da amostra: 10 μl/ Amostra.
Cabeça de reagente: 10 μl/ cuvette, quando pipetadas junto com a
amostra (i.e.Cefalina APTT).
Cabeça de reagente: 50μl/ rotor quando pipetados por si mesmos
dentro do rotor (i.e. APTT Ca/Cl).

7. 26
Cromogênico/ filtro 405
Testes do Canal
Abreviação dos Testes Nome do Teste Número do Código do Teste
PLG Plasminogênio 212
PI Inibidor de Plasmina 213
PC Proteína C 214
F8 Chr H VIII Cromogênico Alto 220
D-D Dímero-D 250
AT Anti-Trombina 200
AT* Anti-Trombina Líquida 199
HepXa Heparina-UHF 210
Fib-C Fibrinogênio Clauss 202
VWF Fator Von Willebrand 400
PS Livre Proteína Livre S 160

Nota: A “Referência ótica” é a referência para os testes


cromogênicoa. Ele consiste de 80μL de tampão diluído + 80 μL de
enzima.

7.3.5 Volumes de Testes Especiais


A tabela a seguir lista os testes especiais no ACL Elite/Elite Pro. Detalhes para
cada teste podem ser vistos na tela ou impressos. A informação de teste pode ser
obtida no menu Setup, Testes, menu Ver/ Definir. Uma vez que ilumine o teste
pode imprimir-se a informação pressionando o Ícone imprimir ou pode-se
pressionar o Ícone detalhe para ver o teste.
Os volumes de teste podem ser encontrados nas seções Setup de Calibração e
Setup de Análise para cada teste. O volume listado definido para cada teste não
inclui quaisquer volumes de registro inicial. Os volumes iniciais são como segue:
Cabeça da amostra: 10 μl/ amostra.
Cabeça de reagente: 10 μl/ cuvette, quando pipetadas junto com a
amostra (i.e.Cefalina APTT).

7. 27
Cabeça de reagente: 50μl/ rotor quando pipetados por si mesmos
dentro do rotor (i.e. APTT Ca/Cl).

Testes Especiais
Abreviação dos Testes Nome do Teste Número do Código do Teste
APCR-V Proteína C ativada 225
LAC-S, LAC-C LAC Triagem/Confirmação 410/ 411
SCT-S, SCT-C SCT Triagem/Confirmação 155/ 156
PCX* Pro-IL Complex 150
HPX* Hepatocomplex 151
P-Coágulo Procoagulação SP 153
PS Proteína S 159

* Não correntemente disponível nos EUA.

7.4 Características dos Dados Processados, Parâmetros


e Especificações Analíticas
7.4.1 Sinalizando os Limites
Quando alguns tipos de resultados estão fora de limites aceitáveis, o ACL sinaliza-
os, exibindo-os em uma cor diferente. Há três tipos de resultados que são
sinalizados desta maneira:
1. Resultados de teste fora da capacidade de escala de leitura do
equipamento
2. Linearidade de curvas de calibração fora dos limites aceitáveis
3. Porcentagem de CV (%CV) para ciclos de calibração fora de limites
aceitáveis relativos.

7. 28
1. Resultados de teste fora da capacidade de escala de leitura do
equipamento (Linearidade).
Estes limites são impostos pelas capacidades electro-mecânicas do equipamento
e necessariamente não são igual aos limites do alcance de ensaio.

Nota: Cheque o pacote inserido incluído com os reagentes do ensaio


para obter a informação sobre o alcance e as limitações do ensaio, e
o procedimento a ser seguido quando os resultados do ensaio
estiverem fora do alcance linear.

A tabela a seguir indica, para cada teste, quais resultados são exibidos em Preto e
quais resultados estão fora dos limites e são exibidos em Vermelho.

TESTE Vermelho Preto Vermelho ***


PT < 15% 15-150% >150% <0 ->500%
Fibrinógeno < 40 mg/dL 40-800 mg/dL >800 mg/dL <0->3000
< 0.4 g/L 0.4-0.8 g/L >0.8 g/L mg/dL
<0 ->30 g/L
Fatores < 1% 1-150% >150% <0 ->900%
Antitrombina < 15% 15-150% >150% <0 ->900%
Liofilizada
Antitrombina < 15% 15-150% >150% <0 ->900%
Líquida
PI < 10% 15-150% >150% <0 ->500%
PLG < 10% 15-150% >150% <0 ->500%
PC < 15% 15-150% >150% <0 ->500%
Heparina < 0.1 U/mL 0.1-1 U/mL >1 U/mL <0 ->90 U/mL
Pro-IL-Complex* < 4% 4-150% >150% <0 ->900%
Hepatocomplex* < 8% 8-120% >120% <0 ->500%
ProCloág < 10% 10-150% >150% <0 ->500%
Proteína S < 10% 10-150% >150% <0 ->500%
FIB-C < 60 mg/dL 60-550 mg/dL >550 mg/dL <0->900 mg/dL
< 0.6 g/L 0.6-5.5 g/L >5.5 g/L <0 ->9.0 g/L
Proteína-S Livre < 10% 10-140% > 140% < 0 – >999%
F8 Crom H < 10% 10-120% > 120% < 0 – >500%

7. 29
F8 Crom L < 0% 0-10% > 10% < 0 – >500%
LAC S/C < 12 s 12.0–165.0s > 165 s 10 – 999 s
< 0.5 R 0.5 – 5.0 R > 5.0 R <0 –> 99.0 R
SCT S/C < 0.064 s 24-35 s > 247.5 s < 0 – > 300
VWF < 10% 10-150% > 150% < 0 – >999%
Dímero-D < 200 ng/mL 200-1050 >1050 ng/mL <0 ->9999
ng/mL ng/mL
* Não correntemente disponível nos EUA
*** Representa o limite de operação do sistema (alcance de escala)

2. Linearidade das curvas de calibração fora dos limites aceitáveis


Dado que a maioria dos resultados confiáveis são obtidos quando o coeficiente de
linearidade r2 de uma curva de calibração estiver entre 0.980 e 1.000, o ACL
oferece ajuda “visual” auxiliado por sinalizações r2 fora dos limites relativos
aceitáveis.

 r2 < 0.980 – exibida em vermelho.


 0.980 < r2 < 1.000 – exibido em negro.

Reporte-se aos parâmetros de setup do cálculo para limites específicos em


cada teste.

3. Porcentagem CV (% Coeficiente de Variação) para ciclos de calibração


Nesse caso, quando as % dos valores de calibração CV forem tão grandes quanto
o limites relativos aceitáveis, eles serão sinalizados em vermelho. A tabela a
seguir lista dos limites aceitáveis para cada teste.

Nota: para PT e Fibrinógeno, as calibrações são consideradas aceitáveis pelo


sistema se a % de CV for mais de 1% mais alta que o limite, mas o r2 estiver
dentro dos limites aceitáveis.

7. 30
TESTE Calibrador % CV limite
PT NP (100%) 1.5
NP (50%) 2.0
NP (25%) 2.0

FIB NP (100%) 8.0


NP (50%) 12.0
NP (25%) 12.0

Liofilizada AT NP (100%) 8.0


NP (50%) 6.0
NP (25%) 4.0

Líquido AT NP (100%) 8.0


NP (50%) 6.0
NP (25%) 4.0

Heparina NP (100%) 8.0


NP (50%) 6.0
NP (25%) 4.0

HPX* NP (100%) 1.5


NP (50%) 2.0
NP (25%) 6.0

PCX* NP (100%) 2.0


NP (25%) 3.0
NP (12.5%) 4.0
NP (6.25%) 6.0

FIB-C NP (150%) 1.5


NP (100%) 2.0
NP (50%) 2.5

FPS NP (100%) 7.0


NP (50%) 8.0
NP (25%) 8.0
NP (12.5%) 20.0

vWF NP (100%) 5.0


NP (50%) 5.0
NP (25%) 7.0
NP (12.5%) 10.0

Dímero-D NP (1000 ng/mL) 4.0


NP (500 ng/mL) 6.0
NP (250 nf/mL) 10.0
* Não correntemente disponível nos EUA

7. 31
7.4.2 Formato dos Resultados: VDU e Impressora
O formato usado para exibir campos numérico depende dos valores acordados
para as seguintes regras:

Alcance do Valor Formato Exemplo


X<1 x.yyy Concentração (U/mL)
1 < X < 10 x.yy Tempo
10 < X < 100 xx.y Atividade
X > 100 XXX (ou maior, Concentração (mg/dL)
dependendo do tamanho
do campo)

7.4.3 Lidando com Mensagens de Resultado


Uma tabela é apresentada a seguir a qual está relacionada para as mensagens de
resultado que aparecem no VDU ou impressora.
 Essa tabela contém uma lista das mensagens mais comuns que
podem aparecer no ACL em lugar de resultados, ordenados por
teste, junto com a explicação e sugestões para obter um resultado
numérico.

Tabela de Mensagens Gerais


TESTE MENSAGEM Possível Explicação
PT Erro 6 A amostra não coagula dentro do tempo
de aquisição programada.
Leia a amostra no Tempo Esperado.
Erro 7 Fibrinógeno < 60 mg/dL
Amostra já coagulada
Valor do Plasma Normal Plasma Normal for do alcance com
respeito ao dado de referência (alcance
Exibido em azul
de + 9% do valor de referência). Os
resultados são assinalados, dependendo
do setup calculado.

7. 32
FIB *** na amostra O valor do FIB é > 1500 mg/dL.
Dilua a amostra 1:2 com o Fator DIL para
fixar dentro do equipamento para fixar
dentro do alcance de operação do
equipamento.
Valor > 800 mg/dL on Dilua a amostra a 1:2 colocar o
equipamento no alcance de operação.
A amostra, em vermelho
Normal Plasma valor Normal Plasma fora do alcance (Alcance
+ 20% do valor de referência).
Exibido em azul
Error 10 O coágulo não deve estar completamente
estabilizado. Leia a amostra no Tempo de
Aquisição Estendido
Nenhuma FIB. é A difusão de luz excede o limite máximo
limite legível do amplificador.
determinada para o
1. A Mistura da Análise é muito turva e
amostra inicialmente excede o limite legível.
2. Durante a formação do coágulo, a
curva excede o limite legível.
Dilua a amostra 1:2 para ajustar-se ao
alcance operacional do equipamento e
multiplicar os resultados por 2.
APTT Erro 6 amostra não coagula dentro do tempo
máximo. Leia a amostra em Tempo de
Aquisição Estendido.
Erro 7 - Fibrinógeno < 60 mg/dL
- Amostra já coagulada
Valor do Plasma Normal Plasma Normal fora do alcance com
respeito ao dado de referência (alcance +
Exibido em azul
15% do valor de referência). Os
resultados são sinalizados dependendo
do setup de calculado
TT Erro 6 A amostra não coagula dentro do tempo
de aquisição. Leia a amostra no Tempo
de Aquisição Estendido.
Error 7 - Fibrinógeno < 60 mg/dL
- Amostra já coagulada
Valor do Plasma Normal Plasma Normal for a do alcance (Alcance
+ 20% do valor de referência). Os
exibido em azul
resultados são sinalizados, dependendo
do cálculo de setup.

7. 33
7.4.4 Inclinação da Curva de Calibração (m)
A tabela a seguir lista os inclinaçãos esperados (m) para as linhas de calibração.

TESTE Alcance do inclinação m


PT 0 – 0.2
FIB – mg/dL 0 – 1000
g/L 0 – 10
Fatores 100% - 25% -20 – 0
25% - 6.25% -30 – 0
6.25% - 1.56% -30 – 0
Antitrombina Liofilizada -2000 – 0
Antitrombina Líquida -2000 – 0
Inibidor de Plasmina -2000 – 0
Heparina -200 – 0
Plasminógeno 0 – 1000
Pro-IL-Complex* -12 – 0
25% - 6.25% segmento
Pro-IL-Complex * 0 – 0.17
100% - 25% segmento
Hepatocomplex 0 – 0.35
ProCloág 0 – 200
FIB-C -10 – 0
PC 0 – 1000
Proteína-S 0 – 10
Dímero-D 0 – 6000
o Não correntemente disponível nos EUA

7. 34
7.4.5 Interceptador da Curva de Calibração (q)
Em testes que requerem calibração (PT-FIB, Fatores, Testes e Testes Especiais
Cromogênicos), a curva de calibração é melhor fixada para os pontos medidos
mais que o primeiro ponto (primeira diluição) deitados na linha de calibração.
Os seguintes gráficos ilustram a situação antes e depois de fixos para o primeiro
ponto.
A equação para uma linha é: Y = mX + q
Então: q = Y – mX
O gráfico exibido usa esse primeiro interceptador “q”, como mostrado a seguir:

Uma curva, então, transportada passa pelo primeiro ponto, e uma nova
interceptação “q” é calculada: q’ = Y’ – mX’
Os resultados da amostra para esses testes calibrados foram calculados dessa
nova curva de calibração que tem um inclinação idêntico ao original, mas uma
diferente interceptação.

7. 35
7.4.6 Alcances para Valores de Plasma de Calibração
Antes de analisar as amostras, o ACL Elite/ Elite Pro requer que o usuário defina o
valor correspondente do Plasma de Calibração para cada teste. Isso é dado na
área do setup Líquido do software.
Quando esta área é acessada, um valor de falta é exibido; o usuário entra no valor
correspondente ao lote do Plasma de Calibração em uso.

7.4.7 Tempos de Reação


Esta Seção contém informação sobre os diferentes timings dentro das reações
para cada teste medido pelo ACL ELITE/ ELITE PRO , inclusive os detalhes do
processo de aquisições de dados. Os testes foram divididos em dois grupos que
são tratados separadamente: testes Coagulométricos/ Especial e testes
Cromogênicos.

TESTES COAGULOMÉTRICOS e TESTES ESPECIAIS


O diagrama seguinte representa a reação geral para um teste coagulométrico e
um especial:

A tabela a seguir mostra o tempo de reação específico para cada teste


coagulométrica e especial.

7. 36
NOTAS relatadas para a tabela seguinte:

1. TEMPO em BRANCO = RAMPA + INTERVALO de INTER-RAMPA (segundos)

2. TEMPO de AQUISIÇÃO TOTAL = TEMPO em BRANCO + TEMPO de


AQUISIÇÃO (segundos) ou TEMPO em BRANCO + DEMORA + TEMPO de
AQUISIÇÃO (segundos)
3. Tempo ESTENDIDO está disponível para PT-FIB, APTT e TT em modo de
testes simples e em dobro.

TESTES Tempo em Aquisição de Aquisição Aquisição


COAGULOMÉTRICOS espaço em Tempo por de Tempo total. Tempo
branco Ponto (m/ s) (seg.) (segundos)
(seg.)
Calibração PT/FIB* 4 100 58 62
PT/FIB análise*
(simples, dupla)
padrão 4 100 58 62
estendida 4 150 165 169
APTT (simples, duplo)* 119
padrão 4 100 115 249
estendida 4 250 245
TT 2 ml
padrão 2 100 58 60
estendida 2 150 165 167
TT 5 mL
padrão 4 100 58 62
estendida 4 150 165 169
TT 8 mL
padrão 4 100 58 62
estendida 4 150 165 169
FATORES
Caminho Extrínseco
Calibração + Análise 4 150 165 169
FATORES
Caminho Intrínseco
Calibração + Análise 4 150 165 169
FATORES
Caminho Extrínseco
Calibração + Análise 4 150 165 169
FATORES
Caminho Int. Análise 4 150 165 169
* Checar definições de teste individual no sistema para valores específicos

7. 37
TESTES ESPECIAIS Tempo Esp. Aquis. Aquis. Aquis.
branco (s) Tempo Tempo total
demora da por Pto. (seg) Tempo
Rampa (m/ s) (seg)
Pro-IL-Complex # 4 + 20 250 275 299
Hepatocomplex # 4 200 220 224
ProClot 4 + 20 250 275 299
Proteína-S 4 200 220 224
APCR-V 4 200 220 224
# Calibração e Análise; não correntemente disponível nos EUA

TESTES CROMOGÊNICOS
O seguinte diagrama representa a reação para um ensaio cromogênico:

A tabela a seguir sumariza os tempos de reação:


TESTES Tempo em Tempo de Tempo de Tempo de
CROMOGÊNICOS Branco (seg) Aquis. por Aquis. (seg) Aquis.
Demora Ponto (m/ s) Total
Rampa (seg)
Antitrombina 1 100 30 31
Antitrombina Líquido 1 50 20 21
Heparina 1 100 30 31
Plasminogênio 1 100 60 61
Inibido de Plasmina 1 100 60 61
Proteína C (Cromogênico) 0 100 90 90
Fibrinogen-C 2 100 90 92
Fator VIII (cromogênico) 1 100 90 121
vWF; Antígeno 1 250 300 301
Proteína-S Livre 1 250 300 301
Dímero-D 2+1 250 300 303

7. 38
7.4.8 Testes Algoritmos
A seguinte tabela mostra os algoritmos que relatam o eixo y e o eixo x para as
medidas dos parâmetros dados no ACL Elite/ Elite Pro.

TESTE CORRELAÇÃO Y X
PT Linear 1/ Atividade Taxa
FIBRINOGEN Linear C (mg/dL ou Taxa
g/L)
FATORES Log Atividade Taxa
AT, PLG, PC, PI Linear Atividade OD
HEPARINA Linear C (U/mL) OD
PRO-IL-Complex* Log/Log Atividade R
(25%-12.5%-6.25%)
PRO-IL-Complex* Linear 1/ Atividade R
(100% - 25%)
HEPATOCOMPLEX Linear 1/ Atividade R
PROCLOÁG Quadrático Atividade R2
FIBRINOGEN-C Log/Log/Log C (mg/dL ou Segundos
g/L)
PROTEÍNA-S Linear Atividade Segundos
DÍMERO-D Linear 1/ C (ng/mL) OD
VWF Linear Atividade OD
PROTEÍNA-S LIVRE Linear Atividade OD
* Não correntemente disponível nos EUA

7.5 Características da Performance do Ensaio


7.5.1 Performance de Precisão do Ensaio, Linearidade e Estudos
de Método de Comparação
Esta seção contém informação sobre o desempenho de precisão analítico de
vários ensaios no ACL Elite/ Elite Pro. As tabelas exibidas a seguir incluem dados
obtidos durante estudos de desempenho (com a finalidade de avaliação do
sistema) administrado em laboratórios de IL ou no campo.
Os dados apresentados devem ser usados como um exemplo de desempenho de
precisão típico dos ensaios no ACL Elite/ Elite Pro.
Estudos de Precisão

7. 39
A tabela a seguir mostra os dados de precisão obtidos dentro da corrida para 2 ou
3 níveis de controles, durante os estudos executados no IL em um ACL Elite/ Elite
Pro para os seguintes reagentes de teste da IL.

Dentro da Corrida de Precisão


Dentro da corrida de precisão avaliou-se múltiplas corridas (10), usando-se níveis
múltiplos de plasma de controle deram os resultados seguintes:

Desempenho de Precisão
Reagente Controle de Nível n Meio % CV
Antitrombina Normal 30 112.3 2.33
Anormal 1 30 58.3 3.23
(%) Anormal 2 30 25.7 3.42
APCR-V Nível 1 40 0.98 1.82
(Taxa Normalizada) Nível 2 40 0.62 1.96
APTT-SP Normal 60 29.3 1.27
(segundos) Anormal 1 60 49.2 0.98
Anormal 2 60 61.3 1.72
Dímero-D Nível 1 90 263 6.54
(ng/mL) Nível 2 90 673 3.00
Fator VII (%) com Normal 40 78.9 3.32
PT-Fibrinógeno Anormal 1 40 55.7 3.01
Anormal 2 40 24.4 4.04
Fator VIII (%) com Normal 40 77.0 8.39
APTT-SP Anormal 1 40 84.0 6.67
Anormal 2 40 39.2 6.67
Fibrinogen-C (mg/dL) Normal 80 269.3 3.20
Baixo Fibrinógeno 80 97.2 2.09
Heparina 0.85 LMW 30 0.8 2.02
Heparina 30 0.3 4.33
(U/mL) Baixa Heparina 30 0.7 2.65
Alta Heparina
Inibidor de Plasmina Normal 50 110 1.21
(%) Anormal 1 50 68.4 2.52
Anormal 2 50 35.3 3.82
Plasminogênio Normal 50 106.2 2.78
(%) Anormal 1 50 69.2 2.94
Anormal 2 50 31.3 3.31
ProCloág (%) Normal 80 83.0 3.71
APTT-SP Anormal 80 48.6 5.12
Proteína –C (%) Normal 40 95.4 1.68
Anormal 1 40 51.1 1.77
Anormal 2 40 22.8 3.31

7. 40
Proteína –S (%) Normal 70 103.1 2.60
Anormal 2 70 50.7 4.36
PT (segundos) Normal 60 12.8 1.30
Anormal 1 60 19.2 1.75
Anormal 2 60 29.1 2.07
PT-FIB (mg/dL) Normal 90 243.0 7.06
Baixo fibrinógeno 90 106.4 7.14
TT 8 mL (segundos) Normal 90 17.9 3.39
Amostra Heparina 90 22.8 3.57

Estudos de Linearidade
Os estudos de linearidade foram executados sob múltiplos níveis de amostra com
cada nível corrido em duplicada em um ACL Elite/ Elite Pro. Os resultados são
mostrados na tabela abaixo.

Reagente No. de Níveis Inclinação Interceptador R Alcance


de Amostra Amostra
Antitrombina (%) 7 0.94 5.958 0.999 14-140
Dímero-D (ng/mL) 10 0.97 6.229 0.998 56-1192

Fator VII (%) com 9 1.01 -4.036 0.997 1.9-132


PT-Fibrinógeno
Fator VIII (%) com 9 0.87 -0.508 1000 2.3-127.5
APTT-SP
Fibrinogen-C 7 1.10 -25.713 0.999 91.528
(mg/dL)

Heparina (U/mL) 7 0.97 -0.007 0.999 0.00-1.07

Inibidor de 7 0.94 6.677 0.997 0-115


Plasmina (%)
Plasminógeno (%) 7 0.95 3.500 0.994 0-137

ProCloág –C 8 0.92 -0.129 1000 0-171


APTT-SP

Proteína –C (%) 7 1.04 -0.338 1000 0.5-173.5

7. 41
Proteína –S (%) 11 1.00 -0.221 1.000 0-120

PT (segundos) 6 0.96 0.565 1.000 12-35

PT-Baseado 9 0.95 15.621 0.997 0-567


fibrinógeno
(mg/dL)

Estudos do Método Comparativo


Nos estudos de comparação de método avaliando amostras de plasma de citrato,
os resultados do ACL Elite/ Elite Pro foram similares aos resultados dos
dispositivos predicados (ACL 9000) como suportado pelo resumo das estatísticas
das regressões lineares a seguir. Os gráficos são reportados ao final desta
unidade.

Reagente No. de Inclinação Interceptador R Alcance de


Níveis de Amostra
amostra
Antitrombina (%) 48 1.08 -3.031 0.995 14-125
APCR-V 57 0.97 0.021 0.993 0.457-1.105
(Taxa Normalizada)
APTT-SP (seg.) 54 1.04 -1.471 0.998 27.5-96.2
Dímero-D (ng/mL) 46 0.91 86.596 0.996 56-1083
Fator VII (%) com 48 1.02 -2.605 0.996 2.4-170
PT-Fibrinógeno
Fator VIII (%) com 47 0.96 0.6184 0.990 0.96-199.2
APTT-SP
Fibrinógeno-C 54 1.10 -14.032 0.998 74-766
(mg/dL)
Heparina (U/mL) 50 1.03 -0.002 0.996 0.00-1.21
Inibido de Plasmina 57 0.91 8.642 0.990 49.6-125.0
(%)
Plasminogen (%) 57 0.994 3.525 0.989 18.4-150.8
ProCloág (%) 54 0.98 1.912 0.995 10.7-199.1
APTT-SP
Proteína –C (%) 52 1.10 -5.781 0.998 22-317
Proteína –S (%) 54 0.92 2.935 0.993 12-117
PT (segundos) 52 1.07 -0.838 0.999 10.4-25.1

7. 42
PT-Baseado 51 0.93 35.038 0.990 49.7-844.7
Fibrinógeno(mg/dL)
Tempo de Trombina 54 1.01 1.010 0.998 15.5-43.5
8 mL (segundos)
Favor reportar-se ao fim deste capítulo para os Gráficos do Método Comparativo.

7.5.2 Ensaio da Estabilidade de Calibração


Estudos da Estabilidade de Calibração são dados no IL com um alcance completo
de controles a fim de determinar a quantidade de tempo que uma curva de
calibração pode ser usado para cada ensaio.

TESTE Estabilidade da Calibração


Fator II 5 dias
Fator V 5 dias
Fator VII 5 dias
Fator VIII 5 dias
Fator IX 5 dias
Fator X 5 dias
Fator XI 5 dias
Fator XII 5 dias
IL Teste Fibrinogen-C 5 dias
IL Teste Antitrombina 5 dias
IL Teste de Antitrombina Líquido 30 dias
IL Teste Heparina 5 dias
IL Teste Plasminogênio 5 dias
IL Teste de Inibidor de Plasmina 5 dias

Esses intervalos de tempo podem ser usados como guia somente. Use materiais
com controle de qualidade é o melhor determinado de estabilidade em cada
laboratório.

7. 43
7.6 Limitações analíticas
7.6.1 Transporte (carryover)
Estudos executados em todos os membros da família ACL mostraram que o
transporte da amostra pode ser menos que 0.5% por volume.
Em muitos casos, a incuracidade contribuido pelo fator transporte está bem dentro
da imprecisão esperada do método; por esta razão, não é estatística ou
clinicamente significativo.
Os seguintes casos de exceção foram considerados estatística, mas não
clinicamente significativos (a quantidade de contaminação não altera um resultado
de amostra anormal dentro do alcance normal):
1. Quando testando uma amostra de plasma (PT ou APTT) de um
paciente com uma severa Deficiência de Fator (fator < 10%)
imediatamente depois de uma amostra normal.
2. Quando testando uma amostra heparinizada inusualmente alta (>
10 U/mL) ou amostras de pacientes sofrendo terapia agressiva de
substituição de fator, imediatamente antes de uma amostra
normal.

Ensaio uma Amostra Contaminante


Para uma amostra com suspeita de níveis altos de contaminação por Fatores de
Heparina, o seguinte método de é recomendado :
No modo duplicado para APTT ou PT/FIB colocar a deficiência suspeita ou
amostra de Heparina na taça # 1
Coloque a emulsão de referência ou fator diluente na posição pool.
Coloque o HCL ( Ácido Hidroclórico) nas posições 2 e 4
Coloque a água deionizada nas posições 3 e 5

7. 44
A amostra remanescente do trabalho de carga pode ser colocada nas posições
das taças remanescentes.

Nota: nenhum resultado calculado será reportado nesta situação (i.e.,


taxa, INR, % da atividade e fibrinógeno).

Ensaiando uma Amostra Contaminada


Para as amostras suspeitas de terem sidas contaminadas em uma corrida anterior
pela amostra precedendo-as na corrida ( devido a amostra contaminada ter altos
níveis de Heparina ou Fatores), o seguinte método é recomendado para a nova
corrida de amostra remanescente na taça.

Nota: porque a contaminação é causada pelo transporte, isso afeta principalmente


a amostra aspirada e tem efeito mínimo na amostra remanescente no cálice.

No modo de teste para APTT ou PT/FIB: coloque a amostra a ser ensaiada no


cálice # 1. use os cálices nas posições 2-9 para colocar as outras amostras a
serem ensaiadas.

7.6.2 Cefalina: agulhas auto-condicionadas


A agulha de aspiração/dispensa do reagente faz seu próprio “auto-
condicionamento” antes de usar o reagente cefalina.
Quando um teste que use cefalina é precedido por um ciclo usando tromboplastina
(isto é, PT, Fatores Únicos do Caminho Extrínseco, Pro-IL-Complex*,
Hepatocomplex ou Proteína-S), o seguinte procedimento é repetido três vezes
antes de aspirar-se a cefalina:
o a agulha interna aspira 90L do reagente ou Limpeza A, seguido por
80L de um bolhas de ar.
o O líquido é descartado dentro do reservatório de resíduo.
* Não correntemente disponível nos E.U.A.

7. 45
7.6.3 Amostras Lipêmicas
Espécies Lipêmicas podem ser limpas e re-testadas no sistema ACL. Se uma
amostra lipêmica é testada no analisador ACL, turbicidade pode mascarar a
quantidade atual do fibrinógeno presente pela interferência com a dispersão de
luz.
Espécimens lipêmicas deve preferencialmente ser clareados antes de testados no
ACL. No entanto, uma relação linear entre a turbicidade e os valores do
fibrinógeno esperados foi encontrada e uma correção foi introduzida na base do
cálculo de compensação da amostra a fim de compensar a interferência lipêmica.

7.7 Especificações do recipiente


7.7.1 Tubos Primários
A bandeja de amostras do ACL Elite/ Elite Pro aceita vários tipos de tubos
primários, em diferentes tamanhos e volumes de preenchimento, como
especificado na tabela abaixo.

Vidro primário Volume Volume de sangue Volume Total


Tamanho do tubo (mm) anticoagulante (mL) colhido (mL) (mL)
13 x 75 – Tipo a 0.50 4.5 5.0
13 x 75 – Tipo b 0.35 3.15 3.5
13 x 64 0.30 2.7 3.0
11.5 x 64 0.30 2.7 3.0
11.5 x 92 0.50 4.5 5.0
13 x 100 0.50 4.5 5.0

Especificações para a coleta do ACL dos tipos de tubos primários a e b


Tipo a
Para coleta de volumes de sangue de 4.5 mL (valor nominal), o ACL pode aspirar
o plasma com tolerâncias de + 10 a –2%.
Para uma coleta máxima de amostra (4.5 mL + 10%), o ACL pode aspirar a
quantidade correta da amostra se o hematócrito for < 70%.

7. 46
Tipo b
Para coleta de volumes de sangue de 3.15 mL (valor nominal), o ACL pode aspirar
o plasma com tolerâncias de + 10 a –2%.
Para uma coleta máxima de amostra (3.15 mL + 10%), o ACL pode aspirar a
quantidade correta da amostra se o hematócrito for < 70%.

Nota:
As especificações acima podem ser afetadas pelas seguintes variáveis:
- variações de lote e fabricante do diâmetro interno do tubo.
- Tempo remanescente para a data de validade (nível do vácuo
diminue perto do final de vida do tubo).

7.7.2 Taça e recipiente do reagente


o quadro seguinte detalha as especificações para os cálices e recipientes da
amostra que podem ser usados no ACL Elite/ Elite Pro.

Bandeja de Amostra
Tipo de Volume usável Volume usável
recipiente Volume Diâmetro Posições 1-40 Posições A1-A10

Cálice da amostra 0.5 mL 14 mm 0.4 mL No cálice de diluição apenas


Cálice da amostra 2 mL 14 mm 1.8 mL 0.5 mL
Cálice da amostra 4 mL 14 mm 3.8 mL 0.5 mL
Frasco de reagente 4 mL 18 mm NA 0.5 mL
Frasco de reagente 10 mL 23 mm NA 0.5 mL

Área do Reagente
Tipo de Volume usável Volume usável
recipiente Volume Diâmetro Reag. misturados Reag. não misturados

Frasco de reagente 4 mL 18 mm NA 3.5 mL


Frasco de reagente 10 mL 23 mm 8.3 mL 9.4 mL
Frasco de reagente 16 mL 28 mm 13.2 mL 14.1 mL

7. 47
Nota: Os frascos do reagente parcialmente cheios com os reagentes PT_Fib e
APTT podem ser tampados com reagente fresco SOMENTE SE oreagente no
frasco ainda estiver dentro da estabilidade on-board a 15oC e a taxa entre o
reagente velho e o reagente fresco não exceder 1:2 (sugestão é usar um parte do
velho reagente mais duas partes dos novos reagentes)

7.8 Especificações do Equipamento


7.8.1 Hardware e Especificações Operacionais
Temperatura dos reservatórios de reagente: 10 – 16ºC
Temperatura da área de análise: 37 + 1ºC à temp. ambiente de 15o to 32ºC
Origem de Luz do Canal Coagulométrico: Diodo de emissão de luz,  = 660
nm
Origem de Luz do Canal Cromogênico: Lâmp. de Halogênio,  = 405 nm com iltro
Caminho Ótico do Canal Cromogênico: 0.5 cm
Cuvetes Analíticos: unidades do rotor contendo 20 cuvetes
cada
Número dos Rotores na Pilha do Rotor: 12 máximo
Bandeja de Amostra Disponível:
1. para cálices e tubos primários (13x75 cm – 5 mL & 13x64 mm – 3 mL)
2. para cálices e tubos primários (13x100 mm – 5 mL)
3. para cálices e tubos primários Sarsdedt (11.5x64 mm – 5 mL and 11.5x92
mm – 3 mL)
Adaptadores da Bandeja de Amostra: para recipientes de reagente de 4 mL e
taças
Recipientes de Reagente: 4 mL, 10 mL e 16 mL frascos, cálices
Adaptadores de Reservatório de Reagente:
para frasco de 10 mL com estirrer magnético (cinza)
para frasco de 10 mL com estirrer magnético (rosa)
para frascos de 4 mL com estirrer magnético (verde)

7. 48
Estirrer magnético do reagente R1-R4: tamanho – 10x5 mm de diâmetro
Velocidade de rotação – 250 rpm
Dispensando Amostra/ Reagente: pistão de aço inoxidável contidos em uma
estrutura de acrílico
Tubo de Resíduo: PVC, 12 mm de diâmetro
Ventiladores de refrigeração: dois, com cinco lâminas e filtro de poeira
Fusíveis: Dois, T 6.3 A (para 100-240 Vac nome)
Teclado do PC: Padrão
Unidade de Display de Vídeo: 12.1” cor LCD, com tela de toque
Interface para transmissão de dado ao hospedeiro: RS 232C
Interfaces Adicionais:
um para Escâner de Código de Barra Opcional
um para Impressora Externa Opcional
Estrutura do Equipamento: poliuretano expandido designado para
montagem direto de elementos internos

7.8.2 Dimensões
Altura total: 60 cm
Altura da superfície de análise: 33 cm
Largura: 100 cm
Profundidade: 60 cm
Peso: 63 Kg

7. 49
7.8.3 Especificações da Base de Dados
A tabela a seguir provê as especificações relatadas para o tamanho máximo de
todos os Banco de Dados no software do ACL Elite/ Elite Pro.

Descrição Tamanho Tipo de


Máximo Manuseio
Nº de IDs de Pacientes no Banco de Dados 1000 FIFO
Número de Resultados por Paciente* 30 N/A
Número de Curvas de Reação em Banco de Dados de 800 FIFO
Paciente
Número de Resultados em cada arquivo simples de QC 500 FIFO
Número total de Resultados de QC em cada arquivo de 65536 FIFO
estatísticas
Número de Curvas de reação em Banco de Dados de QC 200 FIFO
Número Total d Materiais de QC 50 N/A
Número de materiais de QC 30 N/A
Número de materiais de QC compráveis 20 N/A
Número de Testes por cada material de QC simples 15 N/A
Número de Resultados em Banco de Dados de AR 10-50- Selecionável
100-500-
1000
Número de Curvas de reação em Banco de Dados AR 100 FIFO
Número Total de Perfis 30 N/A
Número de Testes em um Perfil simples 20 N/A
Número Total de Testes na Biblioteca 300 N/A
Número de Testes de IL na Biblioteca 200 N/A
Número de testes de Disponíveis na Biblioteca 100 N/A
Número Total de Grupos de Teste 60 N/A
Número de Grupos de Teste de IL 30 N/A
Número de Grupos de Teste Disponíveis 30 N/A
Número de Testes em um Grupo de Teste Simples 6 N/A
Número Total de Materiais (Líquidos) no Banco de Dado 150 N/A
Número de materiais da IL (Líquidos) no Banco de Dados 100 N/A

7. 50
Número de materiais disponíveis (Líquidos) no Banco de 50 N/A
Dados
Número de LoadLista 20 N/A
Número de IDs de Amostra em uma LoadLista 40 N/A
Número de Passos usados em uma Aplicação de Teste 30 N/A
Número de Materiais (líquidos) usados em uma Aplicação 36 N/A
de Teste
Número de Regras de Reflex 60 N/A
Número de critérios em cada Regra Reflex Simples 3 N/A
Número de Testes que podem ser gerados por cada 10 FIFO
Regra Reflex Simples
Número de Calibrações para Sessão Dedicada 1 FIFO
Número de Calibrações por Sessão e Correndo 5 FIFO
Número de Mensagens na História de Erro da Sessão 200 FIFO
Número de Mensagens a história de Erro do Arquivo 100 FIFO
Número de Mensagens no Logbook 200 FIFO
Número de Mensagens no arquivo de traço Mais de Automático
1.4 MB
* Contagem de teste duplicada por 3 resultados (primeiro resultado, segundo resultado e meio).
FIFO = Primeiro que entra, primeiro que sai.

7.9 Especificações Ambientais


O ACL Elite/ Elite Pro pertence à seguinte classe de equipamentos.

Categoria: II
Grau de poluição: 2
Uso: internos

As seguintes condições ambientais se aplicam ao ACL Elite/ Elite Pro:


o Condições ambientes para transporte e armazenagem.
Temperatura: 4º – 45ºC
RH: máximo 95%, não-condensado

7. 51
o Condições ambientais funcionais
Temperatura: 15 – 32ºC
RH: máximo 85%, não-condensado
BP: 500 a 1060 mbar
Altitude: máximo 2000 metros

o Condições ambientais de limite de segurança


Temperatura: 5 – 40ºC
RH: máximo 95%, não-condensado
BP: 500 a 1060 mbar
Altitude: máximo 2000 metros

7.10 Especificações Elétricas


FREQÜÊNCIA: 50 e 60 Hz (nominal)
Freqüência de Alcance: 50 – 60
VOLTAGEM: 100V a 240 V
Tolerância de Voltagem: + 10%
Força de Consumo: 350 VA
Fusíveis: 2 x T 6.3 A

7.11 Perigos
7.11.1 Advertências Gerais
O analisador ACL Elite/ Elite Pro pode ser usados com uma voltagem principal de
90 a 240 VAC (50/60 Hz). Uma unidade de provisão de força automática é provida
com o equipamento que permite o uso da provisão de força local 90-240 V.
O analisador deve estar ligado a uma saída de força terra.
A fim de permitir refrigeração apropriada em volta do analisador, permita ao mais
15 cm (6 polegadas) dos lados livres, atrás e no topo da unidade.

7. 52
O ACL Elite/ Elite Pro foi testado e foi criado em concordância com as exigências
nacional e internacional de EMC e RFI. Essas exig6encias são projetados para
prover proteção razoável contra interferência prejudicial quando o equipamento for
operado em um ambiente comercial. Este equipamento gera, usa e pode radiar
energia de freqüência de rádio. Se uma interferência prejudicial é produzida como
resultado de instalação e uso diferente do recomendado pelo fabricante, será
pedido ao usuário corrigir a interferência à sua própria custas.

7.11. 2 Perigo de Choque

Os operadores e pessoal da manutenção do analisador do ACL Elite/ Elite Pro que


são urgidos para seguir som de segurança elétrica prática quando usar o
equipamento. Embora todas as partes de metais expostas do analisador estão em
potencial terra (0 volts), nunca deverá ser tocado com uma mão enquanto a outra
mão estiver tocando uma instalação de encanamento, radiador, que o dispositivo
operador AC ou outro objeto terra.

7.11. 3 Perigos Elétricos


o Desconecte o analisador da saída de força antes de abrir o corpo do
analisador.
o Desligue o analisador antes de substituir os componentes ou tentar
qualquer conserto.
o Não opere o analisador em uma atmosfera que contenha gases explosivos,
visto os componentes do analisador poderem gerar faísca.

Fio terra: identifica um terminal de fio Fio terra protegido: identifica qualquer
terra terminal pretendido para conexão a um
condutor externo.

7. 53
7.11.4 Bioperigos

Considerando que o ACL é usado para trabalhar com produtos derivados de


sangue humano, todas as partes acessíveis do operador do analisador devem ser
consideradas potencialmente bioperigosas. Por isto, devem ser usadas luvas e
roupa protetora durante a operação do sistema.
Quando levando bandejas de amostra carregadas com amostras, a precaução em
exercício para evitar derramamento de amostras. Também evite derramar fluidos
no analisador e limpe imediatamente caso isso ocorra.
A superfície do analisador freqüentemente deve ser inspecionada para
derramamentos visíveis e deve ser descontaminada.
Siga as recomendações dadas para manutenção preventiva e rotineira do
equipamento.
Instrumentation Laboratory está em conformidade com a Diretiva 2002/96/EC do
Parlamento Europeu sobre Equipamento Elétrico de Resíduo Elétrico (WEEE).
Para instruções do Final da Vida, por favor, contate seu distribuidor local para
mais detalhes.

7.11.5 Perigos Mecânicos


O operador deve prestar atenção às partes móveis do equipamento durante a
operação normal.
Em particular, a área da bandeja de amostra só deve ser acessada em estado
pronto ou usando a função STAT (Pausa) para evitar perigo mecânico devido ao
movimento de braço de agulhas.

7. 54
Retratações
Instrumentation Laboratory Inc. (IL) é responsável pelos defeitos que tenham um
impacto na segurança, confiabilidade e performance do equipamento se e
somente se:
- As operações de montagem, extensões, reajustes, modificações ou reparos
forem levadas a cabo por pessoal autorizado por IL; e
- As instalações elétricas estiverem de acordo com as exiências locais,
estaduais ou nacionais (incluindo um circuito de força suplementar com
terra independente); e
- O equipamento for usado de acordo com estas instruções de operação.

Bibliografia
Para informação adicional, reporte-se a NCCLS documento 117-P No. 15:
Proteção de Trabalhadores de Laboratório de Equipamentos Bioperigosos, 1991.

7. 55
Adendo: Estudos de Comparação de Métodos
Nota: A Performance analítica para o ACL 8000/ 9000/ 10000 e Elite/ Elite Pro são
comparáveis.

Antitrombina (%)

Resistência ao Fator V APC (Taxa normalizada):

7. 56
APTT-SP (segundos):

Dímero-D (ng/ml):

7. 57
Fator VII (%) com PT-Fibrinógeno:

Fator VIII (%) com APTT-SP:

7. 58
Fibronógeno-C (mg/dL):

Heparina:

Inibidor de Plasmina (%):

7. 59
Plasminógeno (%):

Pró-coagulação (%) com APTT-SP:

Proteína-C (%):

7. 60
Proteína-S (%):

PT (segundos):

PT-Fibronógeno Baseado (mg/dL):

7. 61
Tempo de Trombina – 8 ml (segundos):

7. 62
Coleta de Amostra e Armazenagem

8.0 Introdução
dada a importância dos testes de coagulação para tomar decisões diagnósticas e
terapeuticas, é essencial seguir um procedimento detalhado para a coleta e
transporte das espécies de sangue assim como para a preparação de plasma
usado para esses testes. Muitas variáveis, tais como o tipo de anticoagulante, a
armazenagem da amostra e o tipo de recipiente para colher o sangue têm um
efeito nos resultados analíticos.
O procedimento geral descrito a seguir – que diz respeito à coleta de amostras de
sangue humano do paciente, seu transporte do local de coleta para o laboratório e
seu manuseio e armazenagem no laboratório – são consideradas padrões para
qualquer teste de coagulação.

8.1 Coleta de Amostra


O sangue venoso deve ser colhido com mínimo estase usando uma seringa de
plástico ou em um tubo de teste à vácuo, como recomendado por Documento do
NCCLS H21-A3.
Para todos os testes relativos ao controle de hemostase com exceção da
contagem de plaquetas, o anticoagulante preferido é o citrato de trissódio na
concentração recomendada por Documento do NCCLS H21-A3 na proporção de 1
volume de citrato para 9 volumes de sangue.
A concentração correta do anticoagulante é de extrema importância para a
precisão dos resultados. O Documento mencionado anteriormente deve ser usado
como referência quando ajustes para a concentração de citrato forem requeridos.

8. 1
8.2 Manuseio do Plasma
8.2.1 Separação do Plasma
As amostras devem ser centrifugadas a 2.500g durante 15 minutos tão logo
quanto for possível depois da coleta.
A hemólise deve ser evitada durante a coleta e centrifugação da amostra devido à
presença de células vermelhas as quais têm superfícies fosfolipídicas com a
atividade de tromboplastina que afetará os tempos de coagulação.

8.2.2 Transporte do Plasma


Para recomendações sobre o transporte do plasma, por favor, reporte-se ao
Documento do NCCLS H21-A3.

8.2.3 Armazenagem do Plasma


Para recomendações sobre armazenagem do plasma, por favor, reporte-se ao
Documento do NCCLS H21-A3.

8.3 Plasma de Calibração


8.3.1 Descrição
As condições operativas do sistema ACL Elite/ Elite Pro usa um pool de plasma
normal (plasma de calibração) para verificar o sistema como um todo
(equipamento + reagente).
IL Teste™ de Plasma de Calibração consiste de um pool liofilizado de plasma
normal tendo as mesmas características de um pool de plasma humano normal
fresco. O material liofilizado oferece as vantagens de fácil armazenagem e
estabilidade mais longa.

8. 2
O ACL Elite/ Elite Pro usa p Plasma de Calibração como segue:
1) Para gerar uma curva de calibração onde for necessário.
2) Para verificar e seguir as condições durante a análise da amostra dentro do
sistema inteiro (opcional para certos ensaios)

Para os ensaios PT, Fibrinógeno baseado do PT, APTT e TT, o valor do


Plasma de Calibração deverá estar dentro do alcance de referência
armazenado na memória do ACL. Se não for o caso, bandeiras de mensagens
serão dadas ao operador. Resultado sinalizado é opcional.

8.3.2 Preparação
Por favor, reporte-se à bula impressa que acompanha cada produto.

8.3.3 Valor Assinalado


O Plasma de Calibração difere do plasma de controle normal o qual é usado para
gerar uma curva de calibração e para monitorar a precisão e a acuracidade do
sistema (analisador mais reagentes).
Isso significa que o Plasma de Calibração tem um valor objeto conhecido – ou
valor de referência – para os testes. Plasma de controle normal tem um alcance
de valores aceitáveis, não um único valor objeto, para os testes.
O Plasma de Calibração deve ter uma atividade perto de 100% dos valores
esperados, enquanto que a atividade do plasma de controle normal deve somente
estar dentro de um alcance de referência assinalado.
Os plasmas de controle normal e anormal podem ser usados aleatoriamente como
parte de um programa de controle de qualidade interno para verificar a
performance analítica do sistema.
O valor objeto do Plasma de Calibração indicado na bula é assinalado usando-se
um número de determinações levadas a cabo em diferentes equipamentos.

8. 3
A fim de eliminar qualquer possível variação laboratório a laboratório, é
aconselhável calcular os tempos de PT, APTT e TT (em segundos) para cada lote
do Plasma de Calibração que podem ser usados como um valor de referência
para as condições próprias de cada laboratório.
A IL sugere os seguintes procedimentos para determinar o valor do laboratório
para o Plasma de Calibração:
 Para o APTT e PT, execute um mínimo de 5 e um máximo de 10
determinações. Calcule o valor médio para cada ensaio e entre-o na
estrutura de “verificação” do Setup do Teste do ACL.
 Para o PT, o título corresponderá ao valor, em segundos, de 100%
da solução. Uma vez que a calibração seja aceita, entre o valor
obtido para os 100% padrão na estrutura de “verificação” do Setup
do Teste.
 Para o Fibrinógeno, quando executando-se a calibração do
Fibrinógeno, entre o valor reportado na bula do Plasma de
Calibração. Entre esse valor também na estrutura de “verificação” do
Setup do Teste.

Nota: O procedimento descrito deve ser executado sempre que haja uma
mudança – tais como novo lote do Plasma de Calibração, novo lote do reagente,
etc. – requerendo uma nova calibração do sistema ACL Elite/ Elite Pro.

Referências
1) Documento CLSI (última revisão). Coleta, Transporte e Processamento de
Espécimes de Sangue para Teste de Coagulação e Desempenho Geral de
Ensaios de Coagulação.
2) ECCLS Vol No. 1 Padrão para Coleta de Espécime.
3) Documento CLSI (última revisão). Procedimentos para Coleta de
Espécimes de Sangue para Diagnóstico por Venipuntura.

8. 4
Partes e Consumíveis

9.0 Introdução
Esta Seção contém informação sobre os materiais consumíveis que estão
disponíveis para uso com o sistema ACL Elite/ Elite Pro. Esses itens podem ser
pedidos para IL ou seu representante sempre que for necessário usando-se os
Números do Catálogo como mostrado na tabela, Seção 9.2. Um ou mais desses
itens são transportados no “Kit de Inicialização” incluído com o sistema ACL Elite/
Elite Pro, como indicado na Seção 9.1.

9.1 Kit de Inicialização


Os seguintes materiais consumíveisestão contidas no Kit de Inicialização que é
transportado com o ACL Elite/ Elite Pro:

Bandejas de Amostra
Três tipos de bandejas de amostras estão disponíveis como mostrado a seguir. O
kit de inicialização inclui dois deles. O usuário escolhe a configuração desejada do
sistema entre a Configuração Curta e Longa. Bandejas para os tubos Sarstedt
devem ser pedidas separadamente.

Tipo de Bandeja Usado para


Curta Tubo Primário, 3 ou 3.5 mL de volume total
(13x75 mm)
Longa Tubo Primário, 5 mL de volume total (13x75 ou
13x100 mm)
S 11.5 Tubo Tipo Sarstedt, 3 mL (11.5x66 mm) ou 5
mL (11.5x92 mm)

9. 1
Adaptadores de Bandeja de Amostra
 Para cálices de plásticos – 4 peças
 Para frascos de vidros de 4 mL – 6 peças

Adaptadores do Frasco do Reagente


 Para frascos de 10 mL, reagentes requerindo misturador magnético (cinza)
– 4 peças
 Para frascos de 10 mL, reagentes não requerindo misturador magnético
(rosa) – 6 peças
 Para frascos de 4 mL, reagentes não requerindo misturador magnético
(verde) – 4 peças

Misturadores Magnéticos
 Para misturar reagentes – um pacote contendo 6 peças

Cálices Pequenos de Amostra


 Cálices de 0.5 mL de amostra – um pacote contendo 1000 peças

Cálices Grandes de Amostras


 Cálices de 2.0 mL de amostra – um pacote contendo 1000 peças

Cálices de Diluente/ Tampão/ Reagente


 Cálices de 4.0 mL, com rótulos – um pacote contendo 100 peças

Frascos de Vidro de Diluente/ Tampão/ Reagente


 Frascos de vidro de 10 mL – um pacote contendo 10 peças

9. 2
Estrutura do Bloco e Sondas
 Uma estrutura consistindo de um bloco de acrílico com as agulhas da
amostra e reagente e seus sensores líquidos associados.

Tubulação da Amostra e Reagente


 Uma peça de 1.5 metros de tubulação para ser usada quando necessário

Ferramenta de Inserção para Tubulação Amastro e Reagente


 Uma ferramenta para ser usada quando substituir a tubulação da amostra e
reagente

Emulsão de Lavagem-Referência
 Uma garrafa de 1 litro de Emulsão

Reservatório de Resíduo/ Enxágüe


 Um reservatório para agulha de lavagem e enxágüe

Garrafa de Resíduo
 Uma garrafa de 5 litros para coleta de resíduo do ACL

Tubulação de Resíduos
 Uma peça de 1.5 metros de tubulação para ser usado para coleta de
resíduo líquido

Ferramenta de Ajuste para Agulhas de Aspiração/ Dispensa


 Uma ferramenta para ser usada para ajustar a posição das agulhas no
braço

9. 3
Rotores
 Rotores de 20 Cuvetes – pacote contendo 100 peças

Ferramenta de Inserção do Rotor


 Uma ferramenta usada para inserir rotores no sistema

Recipiente e Resíduo dos Rotores


 Um recipiente removível usado dentro do sistema para portar os rotores
usados

Filtro de Ar Moldado
 Um filtro de ar para o corpo do analisador

Fusíveis 6.3 AT
 2 fusíveis para o sistema

Fio de Força
 um fio de força para o sistema: o fio incluido é consistente com a voltagem
com a qual o sistema será usado, 100-115 V ou 220-240 V.

Cabo da Impressora Externa


 um cabo para conectar a impressora externa opcional

9. 4
Cabo do Computador Hospedeiro
 um cabo para conectar o computador hospedeiro opcional

Kit do Disco do Software do Sistema


 Kit contendo o software principal do sistema

Kit do Disco da Biblioteca de Teste


 Kit contendo o software da biblioteca de teste

Manual do Operador
 O Manual do Operador para o uso do sistema ACL Elite/ Elite Pro

Dispositivo de Apontamento de Mouse de dois Botões


Leitor de Código de Barra (somente ACL Elite)
Certificado de Conformidade
 Um certificado de conformidade do sistema específico

9. 5
9.2 Informações de Pedidos para os Consumíveis
Número do Descrição do Item # Peças em
Catálogo Unidade de Pacote
181108-90 * Bandeja de Amostra para tubos 13x75 mm (3-3.5 mL) 1
181108-98 * Bandeja de Amostra para tubos 13x75 mm & 13x100 mm (5 1
mL)
181812-85 Bandeja de Amostra para tubos Sarstedt 11.5x66mm (3 mL) 1
& 11.5x92 mm (5 mL)
190764-00 Adaptador de bandeja de Amostra para cálice de plástico 4
190763-00 Adaptador de bandeja de Amostra para frascos de 4 mL 6
181812-65 Adaptador para frascos de reagente de 10 mL com 4
misturador magnético (cinza)
190762-00 Adaptador de frascos de reagente de 10 mL sem misturador 6
magnético (rosa)
190761-00 Adaptador de frascos de reagente de 10 mL sem misturador 4
magnético (verde)
97466-06 Misturador magnético 6
189241-00 Frascos de vidro, 10 mL 10
67992-00 Cálices de amostra, 0.5 mL 1000
55751-00 Cálices de amostra, 2 mL 1000
67994-00 Cálices, 4 mL, mais Rótulos 100
68000-00 Rotores – 20 Cuvetes 100
181812-77 Ferramente de Refil de Rotor 1
181108-97 Recipiente de Resíduo do Rotor 1
181108-43 Estrutura da Sonda do Bloco 1
181039-41 Ferramenta de Ajuste de Agulhas 1
73289-01 Tubulação de Amostra e Reagente, 1.5 m 1
181080-65 Ferramenta do Extrator de Tubulação da Amostra e 1
Reagente
181812-72 Reservatório de Resíduos, para lavagem de agulhas 1
181057-69 Garrafa de Resíduos Líquidos 1
99095-03 Tubo do Resíduo, 1.5 m 1
181812-71 Filtro de Ar, moldado 1
68931-02 Fusível 6.3 AT 2
148821-00 Fio de Força, 100-115 V 1
71992-00 Fio de Força, 220-240 V 1
84864-50 Cabo da Impressora Externa 1
181812-74 Cabo do Computador Hospedeiro (9 pol. – 9 pol.) 1
200024-00 Emulsão de Lavagem/ Resíduo, 1 litro 1
181951-XX Kit do Disco do Sistema do Software 1
181963-XX Kit do Disco da Biblioteca de Teste 1
97627-50 Certificado de Conformidade 1
181121-11 Manual do Operador, versão em inglês 1

* 2 bandejas de amostra são incluídas em cada kit de inicialização.


XX = depende da revisão do software.

9. 6
Garantia

10.0 Condições Gerais da Garantia


IL declara ao Comprador original que cada equipamento fabricado e/ ou vendido
pela IL estará livre de defeitos no material artesanal e, sob as condições de uso
normais e próprias, terá garantia por um período de um ano da instalação e não
mais de 13 meses da data de envio.
A obrigação de IL é limitada a reparos, substituições ou modificações (ao
julgamento indiscutível da IL) na fábrica da IL – Paderno Dugnano ou em outro
lugar no qual o material defeituoso for verificado contanto que o Comprador
informe a IL de qualquer defeito encontrado dentro de 8 dias do recebimento ou da
descoberta em caso de defeitos que possam não ter sido identificado na inspeção
normal.
Danos causados pela conexão para transportar estão excluídos. Transportar para
e da Fábrica de Paderno da IL estará a cargo e risco do Comprador e também
pagará o reenvio.
Estas substituições, consertos ou alterações não vão, em nenhum caso,
determinar a extensão do período de garantia acima especificado.
Esta garantia não cobre as partes que deterioraram ou que são considerados
artigos consumíveis ou as partes dos artigos que por sua natureza exige-se que
sejam substituídos periodicamente de acordo com a manutenção normal (incluindo
sem lâmpadas de limitação e tubos).
Esses equipamentos ou acessórios que são providos pelo IL, mas que ela não é a
fabricante, só beneficiará das condições de garantia oferecidas pelo fabricante.
Também é compreendido que, seguindo a compra e entrega do equipamento, o
Comprador estará sujeito a qualquer perda, danos ou reclamações relativo a
pessoas ou coisas derivadas do uso ou abuso do equipamento no interesse do
Comprador, seus empregados, co-operadores ou outros.

10. 1
A IL não se obriga ou compromete a qualquer garantia relativa a precisão e/ ou
acuracidade das medições bem como por qualquer dano ao equipamento que é o
resultado direta ou indiretamente do uso de artigos de consumo e/ ou de
reagentes diferentes dos especificamente produzido pela IL para seus próprios
equipamentos mesmo corretamente testado.
A Garantia não se aplicará aos equipamentos defeituosos ou materiais que
mostraram defeitos ou dano surgidos pelas seguintes causas:
a. Cuidado insuficiente ou negligente pelo Comprador.
b. Mmanutenção insuficiente ou negligente pelo Comprador em relação às
instruções contidas nos Manuais preparados pela IL para este propósito e
se mexe ou altera os equipamentos ou em todo caso de intervenção ou
consertos não feitos propriamente por qualquer pessoa autorizada pela IL.
c. Abuso devido a descuido, negligência, inexperiência.
d. Emprego de materiais sob condições mais pesadas que às quais tenham
sido projetados e tenham sido fabricados ou uso do mesmo em combinação
com produtos incompatíveis ou perigosos.
e. Não-observância de regulamentos relativo à instalação, provisão de poder e
operação dos equipamentos (com particular consideração aos
regulamentos para prevenção de acidente).

10.1 Renúncia a Respeito da não Qualidade do Produto IL


A qualidade dos reagentes consumíveis (incluindo, por exemplo, emulsão de
referência e rotores) da IL foram especificamente desenvolvido pela centrífuga da
ACL, o sistema de detecção do coágulo nefelométrico. Os produtos de sistemas
ACL da IL são testados para assegurar o desempenho formal, usando amostras
de plasma conforme o protocolo descrito na Seção 8. Cada lote de reagentes da
marca ACL da IL são testados por este critério. A verificação de outras marcas de
reagente ou materiais para averiguar sua conveniência para a metodologia da

10. 2
ACL ou seu nível de desempenho dos equipamentos ACL do IL ACL não foram
executados. O uso de reagentes de marcas que não sejam da IL ou materiais para
testar que não é feito conforme os protocolos da IL pode causar uma degradação
clinicamente significativa de desempenho e resultados.
A IL não assume qualquer obrigação ou compromisso de garantia relativo à
precisão e/ ou acuracidade das medições como para qualquer dano para o
equipamento que é o resultado direta ou indiretamente pelo uso de reagentes,
artigos de consumíveis e materiais descartáveis diferentes dos produzidos pela IL.

ESTA GARANTIA É EXPRESSAMENTE DETERMINADA E EM LUGAR DE TODAS AS OUTRAS

GARANTIAS, EXPRESSAS OU IMPLICITAS, O COMPRADOR CONCORDA QUE NÃO HAJA

NENHUMA GARANTIA OU NEGOCIAÇÃO E QUE NÃO HAJA NENHUM OUTRO REMÉDIO OU

GARANTIAS, EXPRESSAS OU IMPLICITAS, QUE SE ESTENDAM ALÉM DOS CONTEÚDOS DESTE

ACORDO.

Nenhum agente ou empregado de IL está autorizado a estender qualquer outra


garantia ou assumir pela IL qualquer obrigação excluindo as expressas acima.
A IL não testa reagentes de outros fabricantes para averiguar a sua conveniência
à metodologia ou seu nível desempenho dos equipamentos ACL da IL.

Garantia ACL
Os seguintes itens são considerados como consumíveis:
- Tubulação Fluídica
- Sonda de Amostragem

10. 3
11 IL locais mundiais

Laboratório de instrumentação sede incorporada


Aragón 90-08015 Barcelona, Espanha
P.O. Encaixote 35027 (08080)
Telefone: 34-93-4010101
Fac-símile: 34-93-4513745
http://www.ilww.com/

E.U.A., Canadá, sede de América Latina


Companhia de laboratório de instrumentação
113 Hartwell avenue
Lexington, MA 02421-3125 U.S.A.
Telefone: 1-781-861-0710
Fac-símile: 1-781-861-1908
http://www.ilus.com

México
Diagnósticos de laboratório de instrumentação, S.A. DE C.V.
Londres 47. Colonia Juárez. México, D.F. 06600
Telefone: 52-5-525-8639
Fac-símile: 52-5-525-8539

E.U.A.
Companhia de laboratório de instrumentação
101 Avenida de Hartwell
Lexington, MA 02421-3125 U.S.A.
Telefone: 1-781-861-0710
Fac-símile: 1-781-861-1908
http://www.ilus.com

11. 1
Sede pacífica
Laboratório de instrumentação
Hamamatsucho Bldg geral. 6F
2-2-15 Hamamatsucho
Minato-ku, Tóquio 105, Japão
Telefone: 81-3-3437-6350
Fac-símile: 81-3-3437-6352

Hong Kong
Estância termal de laboratório de instrumentação
29th Pavimentam Asa Em Centro
111 Connaught estrada central telefônica
Hong Kong
TeleForphone: 852-27927773
Fac-símile: 852-27919972

Japão
Laboratório de instrumentação
Hamamatsucho Bldg geral. 6F
2-2-15 Hamamatsucho
Minato-ku, Tóquio 105, Japão
Telefone: 81-3-3437-6350
Fac-símile: 81-3-3437-6352

Europa, Oriente Médio, sede de África


Estância termal de laboratório de instrumentação
Viale Monza 338
20128 Milão, Itália
Telefone: 39-02-25221
Fac-símile: 39-02-2575250
http://www.il-italia.it

11. 2
Áustria
Laboratório de instrumentação Gesellschaft m.b.H.
Baldassgasse, 5. Postfach 54
1211 Wien, Áustria
Telefone: 43-1-2565800-0
Fac-símile: 43-1-2565800-88

Bélgica
Laboratório de instrumentação (Bélgica) N.V./S.A.
Excelsiorlaan 81 ônibus 1
1930 Zaventem (Bruxelas). a Bélgica
Telefone: 32-2-7252052
Fac-símile: 32-2-7212409

Tcheco
Laboratório de instrumentação o tcheco*
Plananska 1
10800 Praha 10, tcheco
Telefone: 420-2-7816047
Fac-símile: 420-2-7817434

França
Laboratório de instrumentação S.A.
32 Avenida de São-Mandé
B.P. 35. 75560 Paris Cedex 12 França
Telefone: 33-1-53338600
Fac-símile: 33-1-53338601

Alemanha
GmbH de laboratório de instrumentação
Klausnerring 4
D-85551 Kirchheim bei München, Alemanha
Telefone: 49-89-909070
Fac-símile: 49-89-90907116

11. 3
Hungria
Laboratório de instrumentação a Hungria**
Róbert Károly Krt. 82-84
H-1135 Budapeste, Hungria
Telefone: 36-1-4527810
Fac-símile: 36-1-4527812

Itália
Estância termal de laboratório de instrumentação
Viale Monza 338
20128 Milão, Itália
Telefone: 39-02-25221
Fac-símile: 39-02-2575250
http://www.il-italia.it

Lituânia
Laboratório de instrumentação (Lietuva) B.I.
Savanoriu 281A
3009 Kaunas. a Lituânia
Telefone: 370-7-313157
Fac-símile: 370-7-313159

Polônia
Laboratório de instrumentação a Polônia***
Wolinska 4
03-699 Warszawa, Polônia
Telefone: 22-8447412
Fac-símile: 22-8449963

11. 4
Os Países Baixos
Laboratório de instrumentação (Países Baixos) B.V.
Moskesbaan 2
4823 AI Breda. os Países Baixos
Telefone: 31-76-5480100
Fac-símile: 31-76-5480102

Reino Unido
Laboratório de instrumentação (U.K.) SA.
Kelvin Close. Birchwood ciência parque
Warrington, Cheshire WA3 7PB. a Inglaterra
Telefone: 44-1925-81-0141
Fac-símile: 44-1925-826708

* IL tcheco é a Divisão Diagnóstico de Comesa tcheco, uma Companhia de


CH-Werfen
** IL Hungria é a Divisão Diagnóstico de Comesa Budapeste, uma
Companhia de CH-Werfen
*** IL Polônia é a Divisão Diagnóstico de Comesa Polska, uma Companhia de
CH-Werfen

11. 5
ACL Elite/Elite Pro – Notas da INR do Boletim Técnico Importante
Fórmula INR
INR = (PT do Paciente/ PT do Normal)ISI

PT do PACIENTE = PT do Paciente em segundos


PT NORMAL = Média* do Alcance Normal (no ACL Elite/Elite Pro isso é chamado de
Valor de Referência)
Valor ISI = Índice de Sensibilidade Internacional do lote atual do reagente de
tromboplastina sendo usado.
Para assegurar relatório apropriado dos resultados de INR, essas etapas devem ser
seguidas:
1. Tenha certeza de que o equipamento esteja no modo PRONTO. Do MENU de
SETUP selecione o SUBMENU LÍQUIDOS, então selecione o REAGENTE de
TROMBOPLASTINA (ID do LÍQUIDO) apropriado da lista no lado superior
esquerdo da tela.
2. Selecione teste de PT que use esse reagente de Tromboplastina e clique no
VALOR ASSINALADO.

3. Entre o VALOR de ISI do Lote de Tromboplastina em use e selecione


Confirmar duas vezes para entrar o valor. Tenha certeza de que todos os testes
de PT usando a mesma Tromboplastina importem a atribuição de ISI
apropriada. Vários TESTES de PT usando a mesma Tromboplastina podem
estar presentes, tais como tempo de aquisição de PT estendido, padrão de PT
duplicado e de PT estendido e duplicado. Esses testes importarão o valor do
teste padrão.
NOTA: O valor de ISI é específico para o número de lote do reagente de tempo de
protrombina sendo usado.
4. Do MENU SETUP selecione VER/ DEFINIR TESTES. Selecione o TESTE de
PT apropriado e clique em detalhes.
5. Selecione SETUP do CÁLCULO e o equipamento mostrará no lado direito da
tela à seleção do VALOR de REFERÊNCIA. Isso representa a média do valor
normal da população em segundos, que é usado como um denominador no
CÁLCULO da TAXA de INR.
6. Assegure-se de que o valor entrado nesse campo represente a MÉDIA do
ALCANCE NORMAL da POPULAÇÃO de PT local. Esse valor é editável e
pode ser modificado para refletir o alcance médio normal estabelecido pelo
laboratório.
7. Confirme todos os testes de PT usando o mesmo lote de tromboplastina para a
taxa/ INR que será calculado usando o mesmo valor em segundos como
denominador (MÉDIA do ALCANCE NORMAL da POPULAÇÃO).
8. O equipamento usa a seguinte fórmula para o cálculo da taxa.
CÁLCULO DA TAXA = PLASMA DO PACIENTE (segundos)
VALOR DE REFERÊNCIA (segundos)

O valor de Referência significa MÉDIA da POPULAÇÃO NORMAL (segundos).


MÉDIA do ALCANCE NORMAL da POPULAÇÃO = Tempo de PT médio Normal =
Média do Alcance Normal do Paciente (segundos) como recomendado no Documento
CLSI C28A, Vol. 15, No. 4.
9. O INR será então calculado como segue:
INR = (PT Paciente/ PT do Valor de Referência)ISI
Usando-se a característica do Valor de Referência, o denominador usado no cálculo da
Taxa do INR refletirá acuradamente a Média do Alcance Normal da População.
* ou Média Geométrica

ADVERTÊNCIAS IMPORTANTES:
* Se o cálculo do INR não estiver apropriadamente configurado, então resultados de
pacientes errados podem ser reportados.
* Se o número do lote do produto muda, então o novo valor de ISI do pacote deve
ser entrado.
* No ACL Elite/Elite Pro a tela e impressão mostram/ reportam as unidades de Taxa
e de INR separadamente.
APÊNDICE A

ACL Elite/ Elite Pro

Protocolo de Comunicação com o Hospedeiro

Revisão 2.3
Dezembro 2005
Data da Revisão Comentários
07 de Dezembro de 2002 Adicionado exames de transmissão
Números do Campo ASTM especificado
Adicionar Notas para informação
Número Total de páginas
Códigos de Teste Revisados
16 de Dezembro de 2002 Revisar algumas Notas

Abril de 2004 Código de Erro atualizado

Dezembro de 2005 Elite/Elite Pro atualizado

2
Índice
1.0 Introdução 04
1.1 Proposta 04
2.0 Descrição Geral 05
2.1 Perspectiva do produto 05
3.0 Exigências Especificas 07
3.1 Especificação do Protocolo 07
3.2 Interface de Nível Baixo 07
3.3 Ligação de Dados e Camada Lógica 07
3.4 Sessões 08
3.4.1 Título da Mensagem e Registros dos Encerradores da Mensagem 09
3.5 Baixando Ordem de Testes 10
3.5.1 Receber Sessão do DMS 11
3.5.1.1 Mensagem de Requisição de Teste 13
3.5.1.2 Mensagem de Ordem de Teste 14
3.5.1.2.1 Registro de Informação do Paciente 14
3.5.1.2.2 Registro de Ordem de Teste 16
3.5.2 Consulta ao Hospedeiro 18
3.5.3 Mensagem Requerida de Teste 21
3.5.4 Mensagem de Ordem de Teste 22
3.6 Ordem de Teste Rejeitado 22
3.7 Baixando Volume de Sessão 25
4.0 Atualizando Resultados de Teste 27
4.1 Mensagem de Resultado de Teste 29
4.1.1 Registro de Informação 30
4.1.2 Registro da Ordem de Teste 31
4.1.3 Registro do Resultado 32
4.1.4 Registro do Comentário 34
4.1.5 Códigos de Erro 34
4.2 Atualizar Volumes de Sessão 37
5.0 Registros não Supridos 39
6.0 Transmissão Abortada 39
7.0 Apêndice – Códigos de Teste ACL Elite/Elite Pro 41
8.0 Apêndice – Características Supridas do Elite/Elite Pro 45
8.1 Características Supridas para ID da Amostra. 45
8.2 Características Supridas para Nome de Paciente e Departamento 45
8.3 Características Supridos para delimitadores 45
9.0 Apêndice – Unidades Supridas do ACL Elite/Elite Pro 46

3
1.0 Introdução
1.1 Proposta
Este documento é um guia para integrar os sistemas de Gerenciamento de
Informação de Laboratório com os equipamentos da família Elite/Elite Pro da
Instrumentation Laboratory, usando a especificação ASTM (Sociedade Americana
para Testes e Materiais) para transferir a informação entre equipamentos clínicos
e sistemas de computador.

A especificação ASTM E-1394-91 Especificação de Padrão para Transferir


Informação entre equipamentos clínicos e Sistemas de Computador e transferir
Mensagens entre Equipamento de Laboratório Clínico e Sistemas de
Computadores foram usados como padrão para desenvolver o protocolo de
Comunicação do Hospospedeiro Elite/ Elite Pro

Especificação E-1381 refere-se ao protocolo de nível baixo, informação


significativa para a aplicação da família Elite/Elite Pro pode ser encontrado mais
tarde nesse documento.

4
2.0 Descrição Geral
2.1 Perspectiva do Produto
Sessões de comunicação com o computador hospedeiro podem ser iniciado nos
equipamentos da família Elite/Elite Pro pelo operador solicitar ou automaticamente
na conclusão da sessão
Se o operador requer uma sessão manual baixada, o equipamento abre
comunicação com o computador hospedeiro que proverá a transmissão de todas
as ordens de teste.
Se o operador requer uma sessão de carregamento, o equipamento transmite um
subgrupo dos resultados da amostra (identificado pelo usuário) armazenado na
base de dados do equipamento ou base de dados de CQ ou base de dados de
Referência Analítica.
Se o equipamento for configurado apropriadamente, sessões automáticas de
baixar e carregar podem ser iniciados pelo equipamento Elite/Elite Pro
Download automático ocorrerá no início da sessão se a questão do hospedeiro for
configurada, Nessa condição o equipamento solicitará as ordens de testes para
IDs de amostras específicas reconhecidas na bandeja da amostra.
A segunda condição ocorrerá se o carregamento automático for solicitado na
conclusão da sessão.
Nesse caso, a sessão de comunicação não é gerada do equipamento, qualquer
mensagem do computador hospedeiro será ignorada.
Toda a informação recebida pelo computador hospedeiro deve estar associada
com um ID da Amostra que é a chave primária do banco de dados. Além dos
testes programados, uma certa quantidade de informação pode estar associada a
um ID da Amostra (dados dos pacientes) e ser armazenada no banco de dados do
Elite/ Elite Pro. Esta informação é opcional.
A ID da Amostra é a chave primária para acessar a informação no banco de
dados.
Se as verificações falharem, quaisquer operações de carregamento serão
abortadas. Veja seção Ordem de Carregamento dos Testes.

5
No máximo 1000 amostras podem ser armazenadas no banco de dados do Elite/
Elite Pro; cada amostra pode ter um máximo de 30 testes associados (testes
dobrados são considerados como 3 testes).
O comportamento de sistema quando estes limites são excedidos é explicado no
parágrafo Ordem de Teste do Carregamento.
Se 1000 amostras estiverem presentes no banco de dados, o FIFO (Primeiro que
Entra Primeiro que Sai) não aceitará amostras adicionais durante um
Carregamento Manual.
A operação de ordenação de teste, para identificar o tipo de teste ordenado
através de computador hospedeiro, tem de recorrer a um código de computador
que é o equipamento específico. Reporte-se ao Carregamento de Ordem de Teste
para detalhes adicionais e ao Apêndice ao término deste documento para a tabela
de códigos de teste.

Nota: Pelo carregar o Hospedeiro deve-se enviar à ELITE / ELITE PRO


informação de fileira na única estrutura (única linha) durante a transmissão ou até
máximo de 240 bytes durante a transmissão.

6
3.0 Exigências Específicas
3.1 Protocolo e especificação
3.2 Baixa Interface de Nível
Baixa interface de nível conforme a especificação de ASTM E-1381-91. As
características seguintes são apoiadas e configuráveis pela Interface de Operador:
Taxa de Bauds 2400, 4800, 9600, 19200, 38600
Comprimento de caracter 8 bits
Paridade Nenhuma paridade
Parar bits 1

3.3 Dados Ligados e Camada Lógica


Para a Ligação de Dados e Camada Lógica, a especificação ASTM E-1381-91 foi
mantida como uma referência. Os limites de protocolo e restrições são aqueles
declarados pelo padrão.
Para mencionar alguns deles, à parte dos dados das estruturas trocadas entre o
equipamento e o computador hospedeiro devem ser feitas como única estrutura.
Como uma conseqüência, durante as sessões de transmissão, rotinas específicas
provêem a habilidade para dividir registros grandes em estruturas múltiplas e
durante uma sessão de recepção reconstróem estruturas parciais em um único
registro. O nível de aplicação não tem nenhuma evidência deste mecanismo.

De acordo com o padrão ASTM os seguintes caracteres não podem fazer parte de
registros de dados: <SOH>,<STX>, <ETX>, <EOT>, <ENQ>, <ACK>, <DLE>,
<NAK>, <SYN>, <ETB>, <LF>, <DC1>, <DC2>, <DC3>, <DC4>.

7
O Intervalo e a lógica da retentativa novamente são os especificados pelo padrão;
o Diagrama de Estado de Mensagem Nível Baixo Clínico representando o
automático implementado é a referência.
No status interrompido pedido, o equipamento aceita EOT remoto.

3.4 Sessões
Há dois tipos de sessões que o equipamento controla com a interface ASTM: o
das ordens de teste baixadas e os resultados de teste carregados. Estas sessões
podem ser iniciadas pelo operador ou ser automaticamente ativadas pelo
equipamento.
Quando o usuário / operador requer uma operação de download (Receber
Comando), o equipamento enviará um pedido ao hospedeiro para ordens de teste
disponíveis (tudo) ou para ordens de teste pedidas para amostras específicas e o
hospedeiro responderá com as ordens de teste disponível pelo equipamento.
Carregar Resultados de teste (Transmitir Comando) será iniciado pelo usuário ou
automaticamente pelo equipamento da mesma forma. Ao hospedeiro não é
permitido transmitir mensagens não solicitadas, qualquer tipo de investigações ou
teste não ordenados requeridos explicitamente pelo equipamento.

8
3.4.1 Cabeçalho da Mensagem e Registro dos Encerradores da
Mensagem
seguindo-se a especificação da ASTM, cada tipo de transação entre o
equipamento (DTE) e o computador hospedeiro (DCE) tem dois registros comuns
que são o registro de Cabeçalho de Mensagem e o registro dos Encerradores da
Mensagem. Esses registros abrem e fecham a transmissão de dados entre os
equipamentos Elite/ Elite Pro e o computador hospedeiro.
Os campos deles/delas são descritos no seguinte:
Registro do Cabeçalho da Mensagem:
ID do Tipo de registro Sempre ajustar para “H”
Definição doe Delimitador Os 5 caracteres de ASCII que compõem esse campo
definem o tipo de delimitadores que serão usados nos
registros seguintes. Veja Apêndice B para delimitadores
suportados.
ID de controle da mensagem Não provido
Acessar senha Não provido
Nome do remetente ou ID Ajuste para “ACL9000” quando transmitir para ou
receber do hospedeiro. Como uma opção, é suportada,
também, a habilidade para identificar inequivocamente
o equipamento por meio de uma extensão para o nome
do equipamento: a sintaxe de nome se torna 'ACL9000-
xx' onde xx são dois códigos de dígito na gama 01-99.
A extensão para o nome do equipamento é configurável
pelo usuário no ambiente de setup.
O ID do equipamento sempre será ACL9000
independente do modelo; Elite/ Elite Pro.
Endereço do remetente Não provido
Campos reservados Não provido
Número de telefone do remetente Não provido
Características do remetente Não provido
ID do Receptor Deve ser ajustado para “ACL9000” quando receber do
hospedeiro.
Dependendo do setup do equipamento, a habilidade
para identificar inequivocamente o equipamento por
meio da extensão para o nome de equipamento
também é suportada: a sintaxe de nome se torna
'ACL9000-xx' onde xx são dois códigos de dígito na
gama 01-99.
Se o ID for diferente do esperado, a sessão será
interrompida.
Comentário ou Ordens especiais Não provido
ID do Processamento Sempre ajuste a “P” significando Produção
Versão no. Ajustar ao ASTM versão atual padrão= 1'
Data e hora da mensagem O Formato é AAAAMMDDHHMMSS

9
Exemplo de mensagem enviada do Elite/ Elite Pro

Exemplo de mensagem enviada do Hospedeiro:

Registro da Mensagem de Encerramento:


ID do Tipo de Registro Sempre ajustar para “L”
Número da Seqüência Sempre ajustar para “1”
Código de encerramento Ajustar para “N” para terminação normal e para E para
terminação anormal enquanto transmitir ao hospedeiro

Exemplo do encerrador

3.5 Baixando Ordem de Teste


baixando ordem de teste é usado para requisitar as ordens de teste disponíveis no
hospedeiro e para tê-los no equipamento. Essa operação pode ser obtida de dois
modos: abrindo manualmente uma sessão de download do ambiente de DMS ou
habilitando no equipamento a função consultar hospedeiro.
No primeiro caso, o hospedeiro deve transmitir aos equipamentos todas as ordens
de teste pendentes; no segundo caso, o equipamento requererá,
automaticamente, a informação específica para as amostras colocadas na bandeja
de amostra e sem qualquer pedido de teste.
Detalhes para ambas as modalidades são explicados nos parágrafos Receber
Sessão de DMS e Consultar Hospedeiro.

10
3.5.1 Receber Sessão de DMS
O operador inicia manualmente o download da ordem de teste do ambiente DMs.
O hospedeiro proverá ao equipamento todas as solicitações de teste disponíveis.
O hospedeiro pode enviar zero ou mais ordens de teste em uma ou mais
mensagens, mas todas as mensagens farão parte da mesma sessão de
transmissão.
Durante uma sessão de transmissão mais ordens de teste podem ser requeridas
para a mesma amostra.
O hospedeiro envia, usualmente, todas as ordens de teste para as quais não
recebera os resultados mesmo se tiverem sido anteriormente transmitidas.
O equipamento Elite/ Elite Pro processará cada ordem de teste recebida validando
os campos que Elite/ Elite Pro apoia; alguma informação será extraída do registro
recebido enquanto outra informação será ignorada.
Somente ordem de teste relacionada ao paciente é considerada, se o ID da
amostra de teste requierido não exitir na base de dados e o ID da amostra
requerido não for usado na base de dados do CQ, um novo registro é criado. Se a
base de dados estiver cheia, a sessão de transmissão será abortada.
Se as ordens de teste para uma amostra já existente na base de dados da
amostra, as novas solicitações serão adicionadas aos testes existentes, mas todos
os testes já solicitados ou executados permanecerão imutáveis.
Se a ordem de teste com mais que o número máximo de testes programáveis é
enviada, a solicitação é rejeitada. O limite é 30 testes únicos ou 10 testes duplos.
Se a ordem de teste não for reconhecida como uma das suportadas pelo Elite/
Elite Pro, ela será rejeitada. O equipamento informará ao computador hospedeiro
usando um registro que contenha a lista das ordens de teste rejeitadas.
Durante uma sessão de carregamento, as condições de erros listadas podem ser
detectadas, a ação associada do Elite/ Elite Pro é listada:

11
Condição de Erro Ação Mensagem do Usuário
ID da amostra usada na base Comunicação abortada ID da amostra já usado na
de dados de CQ base de dados de CQ
ID da amostra ruim (caracteres Comunicação abortada ID da amostra inválido
longos, não suportados)
Base de dados cheia Comunicação abortada Base de dados do paciente
está cheia
Registro de paciente não tem Comunicação abortada ID da amostra não identificado
registro de ordem de teste para dados de paciente
associado
Ordem de teste não tem Comunicação abortada Nenhum registro de paciente
registro de paciente associado para os testes solicitados
Indentificador do equipamento Comunicação abortada Identificador do equipamento
diferente do ACL 9000 ou inválido
subseqüente
Muitos testes solicitados para o Ordem de teste rejeitada –
mesmo ID da amostra
Teste requisitado Ordem de teste rejeitada –
desconhecido
Testes ruins Ordem de teste rejeitada –
Formato de registro ilegal Comunicação abortada Formato de registro incorreto
nas mensagens do hospedeiro

Todas as condições abortivas implicam que a família de equipamentos Elite/ Elite


Pro enviará ao computador hospedeiro uma mensagem com a razão da
interrupção da transmissão (ver Ordem de Teste de Rejeição) enquanto a
mensagem é apresentada ao usuáriono equipamento. Quando a transmissão
abortada não é incluída, an conclusão da transmissão um ou mais registros
seguirão (veja Ordem de Teste Rejeitada) com uma indicação das ordens de teste
rejeitadas.
A informação rejeitada é tipicamente de solicitações de teste desconhecidas ou
solicitações de teste excederam o tamanho de registro de amostra no Sistema de
Administração de dados do Elite/ Elite Pro. Deve ser observado que se quaisquer
destas informações forem rejeitadas, não implica que todos os dados da amostra
foram rejeitados.
Os grupos de testes legais requeridos são normalmente armazenados enquanto
os ilegais para o mesmo ID da amostra serão rejeitados.
Também deve ser sublinhado que Elite/ Elite Pro limite o tamanho de registros
controlados (independente do tipo de registro suportado por ASTM) para 1024
byte durante a sessão de carregamento.

12
Nota: Para o download, o Hospedeiro deve enviar à informação da fila do Elite/
Elite Pro na estrutura única (fila única) durante a transmissão ou até 240 bytes no
máximo durante a transmissão.

3.5.1.1 Mensagem de Requisição de Teste


A Mensagem de Requisição de Teste é usada pelo Elite/ Elite Pro para iniciar a
sessão de carregamento da ordem de teste. É composto por um registro
Cabeçalho de Mensagem, um registro Informação do Paciente, um ou mais pares
de registro de Ordem de Teste.
O registro Informação da Requisição solicita ao hospedeiro TODAS as ordens de
teste disponíveis para o equipamento específico.
Seguindo a especificação da ASTM, os campos que compõem a Informação da
Requisição são descritos a seguir.

Registro da Informação Requerida


ID do Tipo de Registro Sempre ajustar para “QC”
Número da seqüência Como definido pelo grupo do padrão ajustar para “1” quando a
consulta for enviada.
Número do ID do alcance inicial Ajustar para a fileira TODOS
Número do ID do alcance final Não provido
ID de Teste universal Não provido
Natureza do limite de tempo Não provido
requerido11
Data e Hora dos Resultados Não provido
sendo requeridos
Nome do médico que requisitou Não provido
Campo do usuário #1 Não provido
Campo do usuário #2 Não provido
Código do Status da informação Sempre ajustar para “O” (ordens de teste requisitados e
requerida demográficos somente)

Um exemplo para uma mensagem completa (composta pelo cabeçalho, registro


da informação requerida e um registro de encerramento da mensagem) é dado:

13
3.5.1.2 Mensagem de Ordem de Teste
Para responder à Mensagem de Teste Requerida do Elite/ Elite Pro, o computador
hospedeiro envia para a Mensagem de Ordem de Teste. Ela contém os registros
especificando quais testes estão sendo solicitados para cada amostra
especificada. O computador hospedeiro pode responder com uma ou mais
mensagem; cada uma contém uma ou mais especificações da ordem de teste. A
especificação da ordem de teste consiste em um registro Informação do Paciente
seguido por um ou mais registros Ordem de Teste.
O hospedeiro pode enviar ao mesmo ID da amostra uma Informação do registro
do Paciente seguida por muitos registros de Ordem de Teste ou, para cada teste a
ser solicitado, um par composto pela Informação do registro do Paciente seguida
pela Ordem de Teste.
Mensagens Comentário do Registro durante as operações de carregamento são
ignoradas pelo Elite/ Elite Pro.

3.5.1.2.1 Registro de Informação do Paciente


Os campos caracterizando este registro são específicados a seguir.
Registro da Informação do Paciente:
ID do Tipo de registro Deve ser “P”
Número da seqüência Deve começar com “1” e, então, deve incrementar de
um para cada novo registro de informação do paciente.
ID do Paciente Assinalado da prática Ignorado
Laboratório assinalado pelo ID do Nenhuma verificação foi executada para este campo e a
paciente fila será truncada a 15 caracteres.Provido se conhecido
como uma fileira livre de até 15 caracteres.
ID do paciente #3 Ignorado
Nome do paciente Armazenado se disponível como uma fila única no
campo “nome” do registro da amostra, considerando-se
somente os dois primeiros sub-campos nesse campo
data (segundo e primeiro nomes). A fileira será truncada
em 30 caracteres. Se um caracter não suportado for
encontrado (ver Apêndice para caracteres suportados),
o nome do paciente e todas as outras filas no registro
do nome do paciente serão ignorados.
Se o nome do paciente não estiver disponível 4
separadores devem ser transmitidos:^^^^.

14
Nome de solteira da mãe Armazenado se disponível. Os dados serão convertidos
e exibidos a seguir de acordo com o formato suportado
por Elite/ Elite Pro.
Formato esperado, conforme o padrão ASTM é
AAAMMDD.
Data de nascimento Ignorado
Sexo do paciente Armazenado se disponível. Caracteres permitidos são
M, m, F, f, U, u; qualquer outro caracter será
interpretado como U
Origem étnica do paciente Ignorado
Endereço do paciente Ignorado
Campo reservado Ignorado
Número de telefone do paciente Ignorado
ID do Médico que deu assistência Ignorado
Campo especial #1 Ignorado
Campo especial #2 Ignorado
Altura do paciente Ignorado
Peso do paciente Ignorado
O paciente Soube ou Suspeitou da Ignorado
Diagnose
Medicações ativas do paciente Ignorado
Dieta do paciente Ignorado
Campo prático #1 Ignorado
Campo prático #2 Ignorado
Datas de admissão e liberação Ignorado
Status de admissão Ignorado
Local Armazenado se disponível como uma fila livre no
campo “médico” de registro da amostra. A fileira será
truncada para 30 caracteres. Veja Apêndice B para
caracteres apoiados.
Natureza do código diagnóstico Ignorado
alternativo e classificadores
Código diagnóstico alternativo e Ignorado
classificadores
Religião do paciente Ignorado
Status matrimonial Ignorado
Status de isolamento Ignorado
Idioma Ignorado
Serviço do hospital Ignorado
Instituição do hospital Ignorado
Categoria da dosagem Ignorado

15
3.5.1.2.2 Registro de Ordem de Teste
São especificados os campos caracterizando esse registro a seguir:
Registro de ordem de teste:
1. ID do Tipo de Registro Deve ser 'O' (letra)
2. Número de seqüência Deve ser iniciado com 1' e, então, tem de
incrementar para cada novo registro de ordem de
teste para o mesmo paciente.
3. ID do Espécime Esse é o ID da amostra do Elite/ Elite Pro; o campo
deve ser menor que ou igual 15 caracteres e deve
ser consistente com as regras no ID da amostra (ID
já em uso para o banco de dados de CQ não será
legal). Se não em conformidade com o ID da
amostra causará um processor de abortar o
carregamento.
Veja Apêndice B para caracteres suportados por
Elite/ Elite Pro.
4. ID da Espécime do equipamento Ignorado
5. ID de Teste universal O campo é composto de 4 partes; somente o
componente do Código do Fabricante é usado
como um código de 4 caracteres (configurável ao
usuário on-board); o ID do teste desconhecido ID
será rejeitado.
6. Prioridade Se o campo contiver em quaisquer dos sub-
campos de substituto o caracter S o ID da amostra
será considerado como uma amostra de prioridade;
qualquer bandeira adicional será ignorada. Se o
campo não contiver o caracter S ou estiver vazio, a
amostra será identificada como uma amostra
rotineira.
7. Data e hora da solicitação/ pedido Ignorado
8. Data e hora da coleta da espécime Ignorado
9. Hora final da coleta Ignorado
10. Volume da coleta Ignorado
11. ID do Coletor Ignorado
12. Código de ação Ignorado
13. Código de perigo Ignorado
14. Informação clínica pertinente Ignorado
15. Data/ hora do recebimento da Espécime Ignorado
16. Descritor de espécime Ignorado ambos os arquivos
17. Médico ordenando Armazenado se disponível como uma fila livre no
campo “médico” de registro da amostra. A fileira
será truncada para 30 caracteres. Veja Apêndice
para caracteres apoiados.

16
18. O Número de telefone do médico Ignorado
19. Campo de usuário no. 1 Ignorado
20. Campo do usuário no. 2 Ignorado
21. Campo do laboratório no. 1 Ignorado
22. Campo do laboratório no. 2 Ignorado
23. Resultados de data/ hora informado ou Ignorado
último modificado
24. Custo do equipamento para sistema de Ignorado
computador
25. Seção de ID do equipamento Ignorado
26. Tipos de relatório Ajustar a O (letra); outros códigos causarão
rejeição dos registros
27. Campo reservado Ignorado
28. Local de guarda de coleta da espécime Ignorado
29. Bandeira de informação do hospital Ignorado
30. Serviço de espécime Ignorado
31. Instituição de espécime Ignorado

Um exemplo para uma completa ordem de teste é dado por:

Exemplo de download sem nome de paciente:

Nota: Sempre são esperados separadores do Hospedeiro e sempre são


transmitidos independentemente da informação contida na fila.

17
3.5.2 Consulta ao Hospedeiro
Consulta ao hospedeiro é ativada automaticamente pelo equipamento cada vez
que o sistema for configurado corretamente. Começando da fase de pré-análise
de um teste único ou perfil ou grupo de teste, uma ou mais amostras não têm
nenhum tipo de solicitações de teste associados.
O equipamento enviará, enquanto, usando o registro de informação solicitada, o
ID da amostra que requer programação de teste e aceitará apenas solicitações de
teste para esses IDs de amostra.
O equipamento aceitará para as amostras consultadas qualquer ordem de teste
independente do tipo de teste que será executado na sessão inicial.
O mecanismo apoiado por ASTM requer enviar ao hospedeiro um registro de
Informação de Pedido para ID da amostra ou enviar ao hospedeiro um alcance de
ID de amostra consultado. O mecanismo apoiado por Elite/ Elite Pro é a primeira
opção, assim será independente do sistema de escolha usado pelo equipamento
ou computador hospedeiro nas amostras.
Como conseqüência, o equipamento enviará uma consulta para a primeira
amostra, esperará pela informação do hospedeiro e enviará uma nova consulta
depois para as próximas amostras (qualquer outra). Todas as sessões de consulta
ao hospedeiro serão organizadas desta maneira.
Porque o equipamento está pedindo informação relativa a um ID de amostra
específico, ele rejeitará qualquer tipo de informação associada a um ID de amostra
diferente.
O hospedeiro proverá ao equipamento todas as solicitações de teste disponíveis.
O hospedeiro pode enviar zero ou mais ordens de teste em uma ou mais
mensagens, mas todas as mensagens farão parte da mesma sessão de
transmissão.
Durante uma sessão de transmissão mais ordens de teste podem ser requeridas
para a mesma amostra.
Elite/ Elite Pro processará cada ordem de teste recebida validando os campos que
Elite/ Elite Pro apoia; alguma informação será extraída do registro recebido
enquanto outra informação será ignorada.

18
Se a ordem de teste não for reconhecida como uma das suportadas pelo Elite/
Elite Pro, ela será rejeitada. O equipamento informará ao computador hospedeiro
usando um registro que contenha a lista das ordens de teste rejeitadas.
Consulta do hospedeiro será executada somente se o ID da amostra não estiver
localizado na base de dados do sistema ACL.
Durante uma sessão de carregamento, as condições de erros listadas podem ser
detectadas, a ação associada do Elite/ Elite Pro é listada:

Condição de Erro Ação Mensagem do Usuário


ID da amostra usada na base Comunicação abortada ID da amostra já usado na
de dados de CQ base de dados de CQ
ID da amostra ruim (caracteres Comunicação abortada ID da amostra inválido
longos, não suportados)
Base de dados cheia Comunicação abortada Base de dados do paciente
está cheia
Registro de paciente não tem Comunicação abortada ID da amostra não identificado
registro de ordem de teste para dados de paciente
associado
Ordem de teste não tem Comunicação abortada Nenhum registro de paciente
registro de paciente associado para os testes solicitados
Indentificador do equipamento Comunicação abortada Identificador do equipamento
diferente do ACL 9000 ou inválido
subseqüentes
Muitos testes solicitados para o Ordem de teste rejeitada –
mesmo ID da amostra
Teste requisitado Ordem de teste rejeitada –
desconhecido
Testes ruins Ordem de teste rejeitada –
Formato de registro ilegal Comunicação abortada Formato de registro incorreto
nas mensagens do hospedeiro

Todas as condições abortivas implicam que a família de equipamentos Elite/ Elite


Pro enviará ao computador hospedeiro uma mensagem com a razão da
interrupção da transmissão (ver Ordem de Teste de Rejeição) enquanto a
mensagem é apresentada ao usuáriono equipamento. Quando a transmissão
abortada não é incluída, an conclusão da transmissão um ou mais registros
seguirão (veja Ordem de Teste Rejeitada) com uma indicação das ordens de teste
rejeitadas.

19
A informação rejeitada é tipicamente de solicitações de teste desconhecidas ou
solicitações de teste excederam o tamanho de registro de amostra no Sistema de
Administração de dados do Elite/ Elite Pro . Deve ser observado que se quaisquer
destas informações forem rejeitadas, não implica que todos os dados da amostra
foram rejeitados.
Os grupos de testes legais requeridos são normalmente armazenados enquanto
os ilegais para o mesmo ID da amostra serão rejeitados.
Também deve ser sublinhado que Elite/ Elite Pro limite o tamanho de registros
controlados (independente do tipo de registro suportado por ASTM) para 1024
byte durante a sessão de carregamento.

Nota: Se o ID da amostra não estiver presente no nível do Hospedeiro durante a


Consulta ao Hospedeiro, este reenviará somente o Cabeçalho e o encerrador.
vltará

Nota: Se o Hospedeiro reque um teste que está desabilitado no Elite/ Elite Pro, o
teste não será programado no Elite/ Elite Pro e uma mensagem de rejeição desse
tipo voltará ao Hospedeiro.

20
3.5.3 Mensagem de Ordem de Teste
A Mensagem de Requisição de Teste é usada por Elite/ Elite Pro para requerer a
informação para cada amostra específica que não tenham nenhuma ordem de
teste no banco de dados de equipamento. É composta por Cabeçalho da
Mensagem, uma Informação Requerida e um registro de Encerramento da
Mensagem.
O registro Informação Requerida solicita neste caso a informação para um ID
específico. O protocolo ASTM limita o número de registros de informação
solicitada a um. como conseqüência, o equipamento esperará pela resposta do
hospedeiro antes de enviar um segundo registro de Informação Requerida para
uma segunda amostra.
Seguindo a especificação ASTM, os campos que compõem a Informação da
Solicitação são descritos a seguir.

Registro da Informação Requerida


ID do Tipo de Registro Sempre ajustar para “QC”
Número da seqüência Como definido pelo grupo do padrão ajustar para “1” quando a
consulta é enviada.
Número do ID do alcance inicial Ajustar para o ID da amostra específica para requerir a
informação; o componente significante é o segundo
Número do ID do alcance final Não provido
ID de Teste universal Não provido
Natureza do limite de tempo Não provido
requerido11
Data e Hora dos Resultados Não provido
sendo requeridos
Nome do médico que requisitou Não provido
Campo do usuário #1 Não provido
Campo do usuário #2 Não provido
Código do Status da informação Sempre ajustar para “O” (ordens de teste requisitados e
requerida demográficos somente)

21
Um exemplo para a mensagem completa (composta por cabeçalho de mensagem,
registro da informação solicitada e registro de encerramento da mensagem) é
dado por:

Resposta do Hospedeiro

3.5.4 Mensagem de Ordem de Teste


Como uma resposta para a Mensagem de Ordem de Teste do Elite/ Elite Pro, o
computador hospedeiro envia a Mensagem de Ordem de Teste. Ela contém os
registros específicos sobre quais testes estão sendo pedidos para um ID de
Amostra examinada.
Veja Mensagem de Ordem de Teste para detalhes.

3.6 Ordem de Teste Rejeitada


Na conclusão das operações de download ou na conclusão da operação de
download para uma amostra única no mecanismo de consulta do hospedeiro.
Elite/ Elite Pro pode transmitir uma mensagem para informar ao computador
hospedeiro sobre as ordens de testes rejeitados e as amostras ou sobre as razões
para interruper uma transmissão.
A Mensagem Ordem de Teste Rejeitada consiste em um registro do Cabeçalho da
Mensagem seguido por um ou mais Registros de Comentários e completou pelo
Registro do Encerrador da Mensagem. Um registro do comentário será transmitido
para cada informação rejeitada.

22
Deve ser observado que se nenhuma informação legal for recebida, o processo de
carregamento ficará suspenso e a mensagem de ordem de teste rejeitada
sinalizará a razão para a interrupção.
Se o processo de carregamento for completado normalmente, a possível
mensagem de ordem de teste rejeitado será reportada sem ordens de testes não
legais.

Estrutura de Registro de comentário é descrita na mesa seguinte:


Tipo de registro ID

A estrutura do Registro do Comentário é descrita na seguinte tabela: r


ID do Tipo de Registro Sempre ajustar para “C”
Número da seqüência Deve começar com “1” e, então, deve incrementar de um para cada
registro de comentário.
Fonte do comentário Sempre ajustar para “I” (como ASTM: sistema do equipamento clínico)
Texto do comentário Este campo indica a razão da rejeição da ordem de teste. É uma fileira
com dois componentes, cada um pode assumir os valores informados:
Razão da rejeição:
BAD_TEST: o código de teste transmitido é inválido
CQ_MA_ID: o ID especificado já é usado como um material no banco
de dados de CQ
BAD_S_ID: o ID especificado é inválido
WRONG_ID: o hospedeiro está enviando informação para um ID da
amostra diferente do esperado
PDB_FULL: banco de dados do paciente está cheio
M_TEST_E: mais testes que esperado
UKNOWN_T: teste solicitado desconhecido
INSTR_ID: identificador de equipamento inválido
NO_TESTS: nenhuma ordem de teste para o registro do paciente
NO_PATIE: nenhum registro de paciente para ordem de teste
BAD_RECO: formato de registro incorreto
Identificação: Esta fileira contém a identificação da amostra que causa
o problema; se uma ordem de teste causou o problema, o ID da
amostra e o ID do teste seriam transmitidos consecutivamente. O
caracter usado para separar a razão de rejeição e as duas fileiras
usadas para o campo de identificação é' |'.
Informação necessitada será sinalizada como "DESCONHECIDA".
Se BAD_RECO for a razão da rejeição, o campo conterá o número de
registro e o número de campo que causou a falha.
Tipo de comentário Sempre ajustar para “I” (como ASTM: comentário da bandeira do
equipamento)

23
Para sumarizar os valores possíveis para a razão da rejeição e os campos de
identificaçãosão reportados na seguinte tabela:

Legenda
Rejection reason; razão da rejeição.
Transmission interrupted: interrupção da transmissão
Unknown: desconhecido
Sample ID: ID da amostra
Causing the problem: causando o problema
Record no. (debug purpose): registro no. (proposta depurada)
Field no. número do campo
Iden Identification: first sub_field: identificação primeiro sub-campo
Identification: second sub_field: identificação segundo sub-campo

Um exemplo para uma fase de rejeição completa é dado por:

24
3.7 Baixar Volumes da Sessão
Os volumes de dados aproximados para baixar sessões são providos como um
guia para estimar o tempo exigido para completarem-se as sessões típicas. As
latências de sistema (no Elite/ Elite Pro e computador hospedeiro) não são
consideradas.
A sessão mínima ocorreria se não tivessem solicitações de resultados disponíveis
para Elite/ Elite Pro. Nessa condição, o Elite/ Elite Pro envia a mensagem de
solicitação de teste, o hospedeiro responderia com uma mensagem contendo
nenhuma ordem de teste (somente cabeçalhos de mensagens e registro de
encerramento de mensagem).
Em condições nas quais o Elite/ Elite Pro têm mensagens solicitadas de teste, o
volume de dados estimados é:

Mensagem Solicitada de Teste = Cabeçalho da Mensagem (41) + 17 + registro do


encerramento da mensagem (6) = 64
Mensagem da Ordem de Teste = Cabeçalho da Mensagem (41) + número de
registros de pacientes (82 + 55* número do teste solicitado) +
registro do encerramento da mensagem (6)
*
Ordem de Teste Rejeitada = Cabeçalho da Mensagem (41) + 41 número de
registros rejeitados + registro do encerramento da mensagem
(6)

Assim, considere-se a seguinte situação: Elite/ Elite Pro tem 50 IDs de amostras
para serem baixadas, cada uma com 4 testes, considere 10 registros de testes
rejeitados, o volume de dados pode ser estimado em:

25
Mensagem Solicitada de Teste = 64
Mensagem da Ordem de Teste = 41 + 50 (82 + 55 *4) + 6 = 15147.
Ordem de Teste Rejeitada = 41 + (41 * 10) + 6 = 457
Total = 15668 caracteres

Na “taxa bauds” de 9600 e com nenhum sistema suspenso, levaria


aproximadamente 17 segundos e considerando-se uma eficiência do sistema de
60%, isto se torna aproximadamente 27 segundos.
Todas as estimativas foram feitas usando-se o comprimento máximo esperado
dos encerradores por campos de fileiras.

26
4.0 Carregamento de Resultado de Teste
Carregamento de Resultado de Teste permite a transmissão de resultados dos
testes executados no Elite/ Elite Pro para o computador hospedeiro. Os
resultados, relacionados ao paciente, amostra de CQ e materiais de Referência
Analítica, são transmitidos a pedido de usuário explícito ou automaticamente na
conclusão de sessão.
No primeiro caso, o usuário deve requerer o comando de transmissão no DMS ou
no CQ ou no ambiente AR, deve selecionar as amostras de pacientes ou amostras
de CQ ou grupos de dados de AR a serem transmitidos (de acordo com um dos
critérios de seleção apoiados) e iniciar a operação.
No segundo caso, a transmissão acontecerá automaticamente na conclusão de
sessão e o equipamento proverá para carregar os dados das amostras do
paciente e/ou CQ e/ou os dados de AR.
O tipo de dados a ser transferido durante uma sessão de carregamento
automático depende do setup do equipamento (a transmissão de dados
automática pode ser definida para “amostras de pacientes apenas” ou “amostras
de paciente ou CQ” ou “amostras de pacientes ou CQ e AR“).
Se o carregamento é pedido manualmente, todos os dados são transmitidos
independente da bandeira de transmissão. Se a transmissão for executada
automaticamente na conclusão de sessão, o equipamento carregará para
amostras de todos os dados disponíveis para os IDs da amostra apenas
analisados e serão carregados, para os dados de CQ, os resultados já obtidos.
De um ponto de vista geral, a transmissão de dados automática das amostras de
pacientes é equivalente à transmissão de dados manual, pedida em DMS, de
amostras de pacientes que pertençam a uma loadlist específica. Enquanto a
transmissão de dados automática dos dados de CQ ou dados de AR é equivalente
à transmissão de dados manual, pedida no banco de dados de CQ ou banco de
dados de AR, ou os dados em um intervalo especificado para o material de CQ
presente na loadlist.

27
Considerando-se que Elite/ Elite Pro preenchem as fileiras usadas para o ID da
Amostra, departamento e nome de paciente com caracteres de espaço (para
alinhar dados), o computador hospedeiro deve ignorar os caracteres de espaço à
direita desses campos.
Se o carregamento é completado com sucesso para o paciente, as amostras de
CQ e os dados de AR, a bandeira de transmissão associada ao único registro será
atualizada de 'L' para 'T' (transmitido).
Deve para também ser sublinhado que no Elite/ Elite Pro, as modificações para
dados de amostras já transmitidos (tais como somar um resultado de teste novo
ou modificações de dados de amostra) provoca o aparecimento da bandeira de
transmissão para mudar de 'T' para 'L'.
Não aplica aos dados de CQ ou dados de AR porque a única modificação que o
usuário pode solicitar nesses dados é omitir ou limpar estatística. O efeito de omitir
operação é excluir os dados da estatística, mas os dados não são modificados.
As modificações nos valores organizados e o campo de notas não modificam o
status de transmissão de dados de CQ e dados de AR.
Enquanto a transmissão estiver em progresso, o usuário será atualizado sobre o
número de amostra sendo transmitidas.
Elite/ Elite Pro não aceita investigações para resultados de teste.

28
4.1 Mensagem de Resultado de Teste
A Mensagem de Resultado de Teste é usada pelo Elite/ Elite Pro para transmitir
quaisquer resultados de teste disponíveis para uma amostra. Serão transmitidos
todos os resultados de testes disponíveis até mesmo para amostras de pacientes
cujos dados já foram parcialmente transmitidos.
A mensagem consiste de um registro Cabeçalho de Mensagem, um registro
Informação do Paciente, um ou mais pares de registro de Ordem de Teste seguida
por um ou mais registros Resultados (dependendo do número de resutados de
testes disponíveis e o número de resultados para cada teste específico).
Os registros Resultados podem ser completados com um registro Comentário que
contém bandeiras associadas ao teste executado.
Testes são carregados usando-se a mesma escolha usado on-board. O conjunto
completo dos resultados de teste disponíveis é carregado globalmente para o
computador hospedeiro independente do conjunto de resultados definido ncomo
mostrado na lista de amostra.
Em algumas condições, dependendo do status do equipamento (i.e. calibrado, não
calibrado, AR usado, etc.) somente um subconjunto dos resultados apoiados pelo
teste será transmitido ao computador hospedeiro.
O registro Encerramento da Mensagem completa os dados transmitidos.
A mesma estrutura também é usada para carregar CQ e dados de AR. Nos
parágrafos seguintes qualquer diferença do modo para tratar o paciente, CQ e
dados de AR será sublinhada.

29
4.1.1 Registro de Informação do Paciente
Esta informação é transmitida apenas ao hospedeiro se disponível no
equipamento. A estrutura da Informação do Paciente é:
Registro da Informação do Paciente
Tipo de arquivo Amostra do paciente Amostra de CQ ou Dados
de AR
ID do Tipo de registro Ajustar para “P” Ajustar para “P”

Número da seqüência Deve começar com “1” e, Deve começar com “1” e,
então, deve incrementar então, deve incrementar de
de um para cada registro um para cada registro de
de informação do informação do paciente.
paciente.
ID do Paciente Assinalado da prática Não provido Não provido
Laboratório assinalado pelo ID do Provido se conhecido Não provido
paciente como uma fileira livre de
até 15 caracteres.
ID do paciente #3 Não provido Não provido
Nome do paciente Provido se conhecido Não provido
como uma fileira livre de
até 30 caracteres.
Nome de solteira da mãe Não provido Não provido
Data de nascimento Provido se conhecido Não provido
como uma fileira única
sem quaisquer
verificações.
Sexo do paciente Provido se conhecido Não provido
como um único caráter
Origem étnica do paciente Não provido Não provido
Endereço do paciente Não provido Não provido
Campo reservado Não provido Não provido
Número de telefone do paciente Não provido Não provido
ID do Médico que deu assistência Não provido Não provido
Campo especial #1 Não provido Não provido
Campo especial #2 Não provido Não provido
Altura do paciente Não provido Não provido
Peso do paciente Não provido Não provido
O paciente Soube ou Suspeitou da Não provido Não provido
Diagnose
Medicações ativas do paciente Não provido Não provido
Dieta do paciente Não provido Não provido
Campo prático #1 Não provido Não provido
Campo prático #2 Não provido Não provido
Datas Não provido Não provido
Status de admissão e Admissão e Não provido Não provido
liberação
Local Provido se conhecido Não provido
como uma fileira livre de
até 30 caracteres.

30
Natureza do código diagnóstico Não provido Não provido
alternativo e classificadores
Código diagnóstico alternativo e Não provido Não provido
classificadores
Religião do paciente Não provido Não provido
Status matrimonial Não provido Não provido
Status de isolamento Não provido Não provido
Idioma Não provido Não provido
Serviço do hospital Não provido Não provido
Instituição do hospital Não provido Não provido
Categoria da dosagem Não provido Não provido

4.1.2 Registro de Ordem de Teste


Os campos que caracterizam este registro são especificados a seguir:
Registro de ordem de teste:
Tipo de arquivo Amostra do paciente Amostra de CQ ou Dados
de AR
ID do Tipo de registro Ajustar para “O” Ajustar para “O”

Número da seqüência Deve começar com “1” e, Deve começar com “1” e,
então, deve incrementar então, deve incrementar de
de um para cada registro um para cada registro de
de resultado para o resultado para o mesmo
mesmo registro de teste registro de teste do paciente
do paciente para o para o mesmo registro de
mesmo registro de paciente.
paciente.
ID do espécime0 Provido, é o ID da Provido, é o ID do material
amostra do Elite/ Elite de CQ da amostra do Elite/
Pro. Elite Pro; ou é o palavra
Ver Apêndice para os chave “AR” para os dados de
caracteres providos por AR.
Elite/ Elite Pro Ver Apêndice para os
caracteres providos por Elite/
Elite Pro
ID do Teste universal O campo é composto por O campo é composto por 4
4 partes, apenas o partes, apenas o
componente de Código componente de Código do
do Fabricante é usado Fabricante é usado como um
como um código de 4 código de 4 caracteres
caracteres (códigos (códigos hospedeiros são
hospedeiros são configuráveis pelo usuário
configuráveis pelo on-board).
usuário on-board).
Prioridade Provido se ajustar como Não provido
um caracter “S” para as
amostras prioritárias.
Não provido Não provido
Não provido Não provido
Não provido Não provido
Volume da coleta Não provido Não provido
ID do coletor Não provido Não provido
Código de ação Não provido Ajustar como “Q”

31
Código de perigo Não provido Não provido
Informação clínica pertinente Não provido Não provido
Data e hora do recebimento do Não provido Não provido
espécime
Descritor de espécime Não provido ambos os Não provido ambos os
campos. campos.
Ordem do Médico Provido se disponível, Não provido
como uma fileira
contendo até 30
caracteres.
O Número de telefone do médico Não provido Não provido
Campo do usuário #1 Não provido Não provido
Campo do usuário #2 Não provido Não provido
Campo do laboratório #1 Não provido Não provido
Campo do laboratório #2 Não provido Não provido
Data/ hora dos resultados reportados Não provido Não provido
ou última modificação
Custo do equipamento para sistema de Não provido Não provido
computador
Seção do equipamento Não provido Não provido
Tipo de relatório Ajustar como “F” Ajustar como “F”
Campo reservado Não provido Não provido
Local de Custódia de Coleta da Não provido Não provido
espécime
Bandeira de informação do hospital Não provido Não provido
Serviço do espécime Não provido Não provido
Instituição do espécime Não provido Não provido

4.1.3 Registro do Resultado


Os campos que caracterizam este registro são especificados na tabela a seguir.
Um registro de resultado é enviado ao computador hospedeiro para cada
resultado de teste disponível. Para testes dobados, todos os valores únicos
disponíveis serão transmitidos ao computador hospedeiro (nenhum valor médio).
Cada registro de resultado conterá um dos resultados de teste disponíveis.

32
Registro do Resultado:
Tipo de arquivo Amostra do paciente Amostra de CQ ou Dados
de AR
ID do Tipo de registro Ajustar para “R” Ajustar para “R”

Número da seqüência Deve começar com “1” e, Deve começar com “1” e,
então, deve incrementar então, deve incrementar de
de um para cada registro um para cada registro de
de resultado para o resultado para o mesmo
mesmo registro de teste registro de teste do paciente
do paciente para o para o mesmo registro de
mesmo registro de paciente.
paciente.
ID do Teste universal O campo é composto por O campo é composto por 4
4 partes, apenas o partes, apenas o
componente de Código componente de Código do
do Fabricante é usado Fabricante é usado como um
como um código de 4 código de 4 caracteres
caracteres (códigos (códigos hospedeiros são
hospedeiros são configuráveis pelo usuário
configuráveis pelo on-board).
usuário on-board).
Dados ou valor de medição O campo contém o valor O campo contém o valor
numérico obtido ou a numérico obtido ou a
mensagem qualitativa mensagem qualitativa (Erro
(Erro xx). Todos xx). Todos r