Você está na página 1de 153

Volume 1

Alexis Toríbio Dantas


Angela Moulin S. Penalva Santos

Formação Econômica do Brasil


Formação Econômica do Brasil
Volume 1
Alexis Toríbio Dantas
Angela Moulin S. Penalva Santos

Apoio:
Fundação Cecierj / Consórcio Cederj
Rua Visconde de Niterói, 1364 – Mangueira – Rio de Janeiro, RJ – CEP 20943-001
Tel.: (21) 2334-1569 Fax: (21) 2568-0725

Presidente
Masako Oya Masuda

Vice-presidente
Mirian Crapez

Coordenação do Curso de Administração


UFRRJ - Silvestre Prado
UERJ - Aluízio Belisário

Material Didático

Departamento de Produção
ELABORAÇÃO DE CONTEÚDO
Alexis Toríbio Dantas EDITORA ILUSTRAÇÃO
Angela Moulin S. Penalva Santos Tereza Queiroz Sami Souza
COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO DE CAPA
INSTRUCIONAL PRODUÇÃO Sami Souza
Cristine Costa Barreto Jorge Moura
PRODUÇÃO GRÁFICA
DESENVOLVIMENTO INSTRUCIONAL PROGRAMAÇÃO VISUAL Andréa Dias Fiães
E REVISÃO
Alexandre d'Oliveira Fábio Rapello Alencar
Alexandre Rodrigues Alves
Bruno Gomes
Anna Carolina da Matta Machado
Carlos Jorge S. Oliveira
COORDENAÇÃO DE LINGUAGEM Katy Araujo
Maria Angélica Alves Ronaldo d'Aguiar Silva
Cyana Leahy-Dios
COORDENAÇÃO DE AVALIAÇÃO DO
MATERIAL DIDÁTICO
Débora Barreiros
Copyright © 2005, Fundação Cecierj / Consórcio Cederj
AVALIAÇÃO DO MATERIAL Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, transmitida e gravada, por qualquer meio
eletrônico, mecânico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização, por escrito, da Fundação.
DIDÁTICO
Aroaldo Veneu D192f
REDATOR FINAL Dantas, Alexis Toríbio.
Ana Paula Abreu Fialho Formação Econômica do Brasil. v. 1./ Alexis Toríbio
Carlos Gustavo Barros Jaimovich Dantas; Angela Moulin S. Penalva Santos. - Rio de Janeiro:
Fundação CECIERJ, 2009.
Fernanda Veneu
149p.; 19 x 26,5 cm.
ISBN: 85-7648-150-2
1. Condições econômicas. 2. Economia cafeeira. 3. Crise
econômica. 4. República velha. I. Penalva, Angela Moulin
S. Santos. II. Título.
CDD: 330.981
2009/1
Referências Bibliográficas e catalogação na fonte, de acordo com as normas da ABNT.
Governo do Estado do Rio de Janeiro

Governador
Sérgio Cabral Filho

Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia


Alexandre Cardoso

Universidades Consorciadas

UENF - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO


NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO RIO DE JANEIRO
Reitor: Almy Junior Cordeiro de Carvalho Reitor: Aloísio Teixeira

UERJ - UNIVERSIDADE DO ESTADO DO UFRRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL


RIO DE JANEIRO DO RIO DE JANEIRO
Reitor: Ricardo Vieiralves Reitor: Ricardo Motta Miranda

UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIRIO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO


Reitor: Roberto de Souza Salles DO RIO DE JANEIRO
Reitora: Malvina Tania Tuttman
Formação Econômica do Brasil Volume 1

SUMÁRIO Aula 1 – Formação econômica do Brasil colonial .......................................... 7


Angela Moulin S. Penalva Santos

Aula 2 – Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam


o povoamento do interior..............................................................29
Angela Moulin S. Penalva Santos

Aula 3 – A crise da economia colonial no Brasil.......................................... 47


Alexis Toríbio Dantas

Aula 4 – Economia cafeeira escravista........................................................ 71


Alexis Toríbio Dantas

Aula 5 – Economia cafeeira com trabalho livre........................................... 85


Alexis Toríbio Dantas

Aula 6 – Políticas de sustentação da renda da cafeicultura


na República Velha ....................................................................... 99
Alexis Toríbio Dantas

Aula 7 – Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil............................ 119


Angela Moulin S. Penalva Santos

Referências ........................................................................................... 143

Todos os dados apresentados nas atividades desta disciplina são fictícios, assim como os nomes de empresas que não
sejam explicitamente mencionados como factuais.
Sendo assim, qualquer tipo de análise feita a partir desses dados não tem vínculo com a realidade, objetivando apenas
explicar os conteúdos das aulas e permitir que os alunos exercitem aquilo que aprenderam.
1

AULA
Formação econômica
do Brasil colonial
Meta da aula
Apresentar a dinâmica da empresa colonial agrícola
no Brasil nos séculos XVI e XVII, destacando a
economia canavieira no Nordeste como modelo de
atividade típica.
objetivos

Esperamos que, ao final desta aula, você seja


capaz de:

Descrever o contexto econômico em que


1
ocorreu a expansão comercial européia nos
séculos XV e XVI.

Caracterizar a ocupação portuguesa do Brasil


2
nos séculos XVI e XVII.

Identificar as principais características da


3
economia canavieira no Nordeste brasileiro.
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

INTRODUÇÃO O estudo da formação econômica do Brasil é muito importante para um


curso de graduação em Administração, porque permite o conhecimento
da estrutura econômica e dos negócios que sustentaram o país em sua
etapa inicial de desenvolvimento. Ao analisar o contexto econômico e os
ATIVIDADES
PRIMÁRIAS negócios mais rentáveis em cada período histórico, você, estudante de
Ao estudar os efeitos Administração, desenvolve a habilidade de identificar as relações entre o
do progresso técnico
sobre o desenvolvimento ambiente econômico, a presença – apoio –, em maior ou menor grau do
econômico, o governo, o desenvolvimento tecnológico e o mercado de trabalho.
economista Colin Clark
identificou três tipos de Na disciplina Formação Econômica do Brasil (FEB), você estudará o período
atividades: as primárias
(agricultura); as que vai da chegada dos portugueses à Colônia até o início dos anos 1960,
secundárias (indústria)
quando a economia brasileira deixou de estar sustentada nas ATIVIDADES
e as terciárias (serviços).
Países muito dependentes PRIMÁRIAS, tornando-se uma economia industrial. Você analisará a dinâmica
das atividades primárias,
isto é, dos seus recursos atual na disciplina Economia Brasileira Contemporânea.
naturais, são menos
desenvolvidos do que
Não por acaso, o nome desta disciplina é
aqueles que se sustentam homônimo de uma das principais obras de
mais nas atividades
secundárias e terciárias. CELSO FURTADO, o mais importante economista
brasileiro do século XX. Em 1959, foi publicada

EMPRESA a primeira edição de Formação Econômica do


(COLONIAL) Brasil, livro considerado uma das mais influentes
AGRÍCOLA
interpretações da história do Brasil, analisando
Modelo econômico de
colonização adotado desde a ocupação da Colônia, no século XVI, CELSO FURTADO
por países europeus (1920-2004)
até a relação entre a crise da economia cafeeira
nos séculos XV e Nascido na Paraíba,
XVI. Consistia em e as origens da indústria, na primeira metade do o economista Celso
transformar a colônia Furtado influenciou
em produtora de século XX.
mais de uma geração
especiarias, que não de economistas
podiam ser obtidas na
Nesta primeira aula, você verá, antes de tudo, que
preocupados com
Europa, principalmente a ocupação econômica da América foi uma das o desenvolvimento
devido ao clima: econômico na
açúcar, cacau, canela, conseqüências da expansão comercial da Europa. América Latina, no
por exemplo. Segundo Brasil e na estagnada
este modelo, toda a Vamos tratar um pouco deste tema, com ênfase à
Região Nordeste. Sua
produção colonial estava colonização portuguesa e ao Brasil. Você iniciará influência manifesta-
destinada à metrópole, se por meio de sua
que a comprava a baixos uma viagem pela história econômica da maior vasta produção
preços e a revendia na bibliográfica
Europa, acumulando os colônia portuguesa, identificando como a EMPRESA
e no exercício
lucros desta transação.
AGRÍCOLA, implantada pelos colonos portugueses de importantes
cargos públicos,
no Nordeste, foi importante para a expansão aliando a teoria à
prática em prol do
mercantilista européia nos séculos XVI e XVII e
desenvolvimento
quais suas conseqüências para o desenvolvimento econômico com
justiça social.
da economia colonial em nosso país.

8 CEDERJ
COMO SURGIU A EMPRESA COLONIAL AGRÍCOLA?

1
PERÍODO FEUDAL/

AULA
FEUDALISMO
A empresa colonial agrícola, iniciada com a introdução da
Chamamos feudalismo
monocultura do açúcar no Nordeste pelos portugueses, foi uma ou sistema feudal o
experiência de grande sucesso e única durante o século XVI. Para modo com que a vida
em sociedade estava
que você possa entendê-la, vamos situar o contexto em que ela se organizada na Europa
durante a Idade Média.
desenvolve. Esta organização variou
A expansão comercial européia, iniciada em fins da Idade muito segundo a época
e o local. Em linhas
Média, rompeu com o isolamento econômico típico do PERÍODO gerais, podemos dizer
que a sociedade feudal
FEUDAL. O mar Mediterrâneo tornou-se a mais importante rota de tinha como bases o
poder descentralizado, a
comércio, beneficiando, principalmente, as cidades italianas, dentre
economia agropastoril e
elas Gênova e Veneza. Dado o elevado custo de transporte e de risco o trabalho dos servos.
Em termos de
do empreendimento comercial, apenas a comercialização de produtos organização social,
havia três estamentos:
de grande valor de mercado – com pouco volume e peso, como as clero, nobreza e servos.
especiarias orientais (pimenta-do-reino e canela, por exemplo) – era As relações entre

!
estes grupos eram
economicamente viável. extremamente desiguais.
Clero e nobreza ditavam
as regras sociais e
econômicas, bastante
Feudalismo hoje desfavoráveis para
os servos. A Igreja
Em junho de 2004, a Estação Católica controlava
Ciência, da Universidade de São Paulo as idéias religiosas da
(USP), reabriu a exposição O Castelo Medieval época e os reis ainda
e o Feudalismo, disponível em: não eram figuras fortes,
http://www.eciencia.usp.br/Exposicao/feudalismo/. seu poder era muito
descentralizado.
Leia, na apresentação da exposição, o texto do Prof. Saiba mais sobre o
Hilário Franco Junior, do Departamento de História feudalismo em http://
da Universidade de São Paulo (USP). Ele afirma que www.saberhistoria.hpg.ig
alguns tipos de relação social característicos .com.br/feudalismo1.htm
do feudalismo, como o favorecimento
de amigos em detrimento da lei,
perduram até hoje.

Veneza
Gênova

Constantinopla

Espanha

Portugal

Jerusalém

Figura 1.1: Você pode verificar que a tomada de Constantinopla dificultou o acesso ao Oriente pelo Mediterrâneo,
levando à busca por rotas alternativas, o que favoreceu os povos ibéricos em sua rota através do oceano Atlântico.

CEDERJ 9
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

A tomada de Constantinopla (atualmente Istambul, Turquia) pelos


turcos, em 1453, dificultou a manutenção da rota comercial que ligava
as cidades mediterrâneas às fontes de especiarias. Os turcos passaram
a controlar o comércio na região, impedindo o acesso de portugueses e
espanhóis, desestruturando o comércio de longa distância e estimulando-
os a descobrir novas rotas comerciais. Iniciou-se, assim, uma nova etapa
da história mundial: 1453 é considerado o ano que marca o fim do
feudalismo (396-1453) e o início da era moderna (1453-1789).

PORTUGAL ENTRA EM CENA

Desde meados do século XV, os portugueses já vinham explorando


a rota do Atlântico, estabelecendo-se em algumas localidades da costa
africana, onde cultivavam a cana-de-açúcar. Seu objetivo, porém, era
alcançar os fornecedores de especiarias localizados nas Índias utilizando
a rota do oceano Atlântico. Para isso, aprimoraram a tecnologia de
construção de navios, o que lhes permitiu vencer a travessia daquele que
era chamado “mar Tenebroso”, que ganhou este nome por ser muito mais
difícil de navegar do que as águas calmas do Mediterrâneo. Essa conquista
ocorreu durante o século XV, auge do império marítimo português – que
marcou profundamente a cultura do país, como exemplifica o poema
Mar Portuguez, do poeta Fernando Pessoa (1888-1935).

?
Você deve estar se
perguntando por que Portugal
foi o primeiro país a desenvolver a
tecnologia naval necessária para grandes
navegações. O primeiro motivo está relacionado
à atividade econômica: a necessidade de pesca para
alimentar a população. A organização do grupo de
estudos chamado Escola de Sagres – integrando
cientistas e navegadores de diversos credos e
formações – foi, segundo os historiadores,
outra razão para o pioneirismo
português.

10 CEDERJ
!
Para saber mais sobre a

1
tecnologia desenvolvida para as
grandes navegações, veja os itens: Razões

AULA
do Pioneirismo e Os Instrumentos dos Pilotos,
em http://novaescola.abril.uol.com.br/ed/118_dez98/
html/multi.htm.
Agora, se você quiser saber as diferenças entre
caravelas, galeras e naus, viaje até http:
//educaterra.terra.com.br/voltaire/500br/
br_descoberta9.htm.

Atividade 1
Navegando com Fernando Pessoa
O poeta português Fernando Pessoa imortalizou a façanha de seus conterrâneos na
conquista dos mares em poemas como este:

Mar Portuguez
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão resaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena


Se a alma não é pequena.
Quem quere passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abysmo deu,
Mas nelle é que espelhou o céu.

Identifique duas passagens em que o poeta indica a dificuldade do empreendimento


marítimo português. Relacione-as com as circunstâncias da época que levaram os
portugueses a enfrentarem o desafio da navegação a mar aberto.
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Versos como “Quanto do seu sal são lágrimas de Portugal” ou “Quem quer
passar além do Bojador tem que passar além da dor” sugerem a dificuldade
do empreendimento pela dor que causou. Essa dificuldade seria justificada pela
perspectiva dos ganhos comerciais que o descobrimento de novas rotas mercantis
poderia proporcionar aos controladores da nova rota comercial para as Índias.
Na verdade, se você prestar atenção, verá que, em quase todos os versos,
revela-se a dificuldade desse empreendimento português.

CEDERJ 11
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

A OCUPAÇÃO PORTUGUESA NA COLÔNIA

O descobrimento do Brasil foi uma etapa da conquista do


G RRAANNDDEESS
N AAVVEEGGAAÇÇÕÕEESS oceano Atlântico, fazendo parte do grande movimento expansivo
Este
Este éé oo nome
nome consagrado
consagrado deflagrado pelas GRANDES NAVEGAÇÕES. A partir do século XV, o
pela
pela historiografia
historiografia para
para Mediterrâneo perdeu a centralidade no comércio mundial, que se
referir-se
referir-se àà expansão
expansão
marítima
marítima ocorrida
ocorrida nos
nos deslocou para o Atlântico.
séculos
séculos XVXV ee XVI
XVI que
que
ampliou
ampliou as as rotas
rotas comerciais,
comerciais,
unindo
unindo aa Europa
Europa àà África
África
ee Ásia.
Ásia. AsAs Grandes
Grandes
Navegações
Navegações tiveram
tiveram por
por
maior
maior conseqüência
conseqüência aa
ocupação
ocupação do do continente
continente
americano,
americano, entãoentão chamado
chamado
“Novo
“Novo Mundo”.
Mundo”.

M EERRCCAANNTTIILLIISSM
MOO

Política
Política econômica
econômica de de
caráter
caráter protecionista,
protecionista, oo
mercantilismo
mercantilismo se se desenvolveu
desenvolveu
na
na Europa
Europa ao ao longo
longo dosdos
séculos
séculos XVI,
XVI, XVII
XVII ee XVIII.
XVIII.
Sua
Sua base
base éé oo acúmulo
acúmulo de de
capital
capital –– representado,
representado,
naquele
naquele período,
período, por por Figura 1.2: O Monumento aos Descobrimentos foi construído à beira do
metais rio Tejo, em Lisboa, em 1960, como homenagem a D. Henrique, patrono
metais preciosos
preciosos (ouro
(ouro ee
prata, das navegações. Segundo os historiadores, desse lugar saiu, em março de
prata, principalmente),
principalmente),
1500, a esquadra comandada por Cabral que chegaria ao Brasil em 22 de
protecionismo
protecionismo alfandegário
alfandegário
abril do mesmo ano.
ee balança
balança dede comércio
comércio
favorável.
favorável. Com
Com oo
absolutismo,
absolutismo, formava
formava os os
alicerces
Portugal era, a essa época, uma monarquia absolutista.
alicerces do
do Antigo
Antigo Regime.
Regime.
Segundo
Segundo oo pensamento
pensamento que que Era um dos vários estados absolutistas europeus que surgiram
vigorava
vigorava àquela
àquela época,
época, osos
governos
governos precisavam
precisavam crescer,
crescer, como a estrutura política que a burguesia – que ascendia no
expandir-se,
expandir-se, ir ir além
além dasdas
fronteiras
fronteiras nacionais.
nacionais. Para Para
cenário econômico – encontrou para garantir o apoio oficial
isto,
isto, era
era preciso
preciso acumular
acumular a seus interesses comerciais. Esses interesses caracterizaram o
recursos.
recursos. Como
Como os os países
países
europeus
europeus nãonão dispunham
dispunham MERCANTILISMO, garantindo os lucros do comércio por meio de um
de
de ouro
ouro ee prata,
prata, planejaram
planejaram
conquistar
conquistar outros
outros territórios
territórios modelo de comércio exterior protecionista.
para
para obtê-los,
obtê-los, as as colônias.
colônias.
Lá,
Lá, poderiam
poderiam também
também
manter
manter sua
sua balança
balança
comercial
comercial favorável,
favorável,
forçando
forçando oo monopólio
monopólio ee
mantendo
mantendo taxas
taxas elevadas
elevadas de de
comércio
comércio para
para suas
suas colônias.
colônias.
Foi
Foi oo que
que aconteceu
aconteceu com com
Portugal,
Portugal, Espanha,
Espanha, França
França
ee Inglaterra,
Inglaterra, entre
entre outros
outros
países.
países.

12 CEDERJ
1
Estados

AULA
absolutistas
Ao final da Idade Média, o crescimento
da população, o desenvolvimento do
comércio e das cidades, assim como a ausência dos
senhores feudais – então nas Cruzadas – provocaram
o enfraquecimento do poder local e o fortalecimento do
poder dos reis.
Os estados absolutistas foram a nova organização política a partir
do século XV. Alicerçados no poder do rei e da Igreja, tiveram como
características a centralização do poder, o crescimento do nacionalismo
e a unificação territorial.

?
A burguesia comercial foi uma importante aliada neste processo, apoiando
política e financeiramente os monarcas. Em troca, estes criaram um sistema
administrativo mais organizado, unificando moedas e impostos, o que
proporcionou, à burguesia, facilidades no comércio.

Burguesia
Classe social que surgiu, na Europa, com o renascimento comercial e das cidades
ao fim do período feudal. Os que mais tarde foram chamados burgueses
– médicos, artesãos, comerciantes, entre outros – viviam em aglomerados à
volta dos castelos medievais, os burgos.
Segundo os historiadores, ao longo de toda a sua história, a burguesia
esteve associada ao poder. Aliada aos reis das nações que começavam a
formar-se no século XV, ajudou a diminuir a influência do clero e da
nobreza na sociedade. Financiou, entre outras realizações, as grandes
navegações do século XVI e as atividades artísticas do século XVII
(Renascimento).
A burguesia passou a dominar a vida social, política e
econômica após a Revolução Francesa, no século
XVIII, ocasião em que viu atendido seu principal
interesse de classe: a garantia dos direitos
de propriedade, fundamento de uma
sociedade capitalista.

Um
Umdos
doscompositores
compositoresmais
maispolêmicos
polêmicosda
dadécada
décadade de1980
1980no
noBrasil,
Brasil,Cazuza
Cazuzatrata
tratado
do
tema
temaem
emsua
suamúsica
música"Burguesia".
"Burguesia".Entre
Entreoutras
outrasafirmações,
afirmações,está
estáaade
deque
que“enquanto
“enquanto
houver
houverburguesia
burguesianão
nãovai
vaihaver
haverpoesia.”
poesia.”EEvocê,
você,ooque
queacha?
acha?

CEDERJ 13
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

A consolidação de Portugal como Estado Nacional moderno


ocorreu no século XVI. O governo absolutista lusitano financiou as
grandes navegações, conquistando novos territórios e submetendo-os
PPAACCTTOO ao PACTO COLONIAL.
CCOOLLOONNIIAALL
A ocupação do Brasil no período colonial (1500 a 1822)
“Conjunto
“Conjunto de de
relações
relações econômicas
econômicas está intimamente ligada à expansão comercial e colonial européia.
ee políticas
políticas que
que
subordinavam
Inicialmente, esta era uma disputa que envolvia os países ibéricos.
subordinavam aa
colônia
colônia àà metrópole.
metrópole. Segundo Celso Furtado (1971), a luta entre Espanha e Portugal pelas
No
No plano
plano político,
político,
aa dominação
dominação era era terras americanas foi muito difícil em função da quantidade de terras
exercida
exercida por
por meio
meio
da a defender.
da presença
presença de de
autoridades
autoridades civis
civis A Espanha encontrou ouro e prata em suas colônias, o que lhe
nomeadas
nomeadas pelapela
metrópole
metrópole ee cujo
cujo permitiu financiar a defesa contra possíveis invasões estrangeiras. Seu
desempenho
desempenho era era
assegurado
assegurado pela
pela
sistema de defesa estendia-se da Flórida à embocadura do rio da Prata.
ocupação
ocupação militar.
militar. No
No Mesmo com a abundância dos recursos de que dispunha, a Espanha
campo
campo econômico,
econômico,
oo Pacto
Pacto Colonial
Colonial não conseguiu evitar que seus inimigos invadissem as Antilhas e o norte
significava
significava uma
uma série
série
de
de obrigações
obrigações de de do continente sul-americano, onde ingleses, franceses e holandeses
compra
compra ee venda
venda dada
colônia
estabeleceram-se, fundando as Guianas Inglesa e Francesa e o Suriname
colônia para
para com
com
aa metrópole,
metrópole, sendo
sendo (ex-Guiana Holandesa).
os
os mecanismos
mecanismos
desse
desse comércio
comércio
controlados
controlados de de
forma
forma monopolista
monopolista
pelas
pelas companhias
companhias de de
comércio”.
comércio”.
Paulo
Paulo Sandroni
Sandroni
–– Novíssimo
Novíssimo
Dicionário
Dicionário de de
Economia.
Economia.

Figura 1.3: No Museu do Ouro, em Bogotá (Colômbia), podemos observar


como os povos indígenas que habitavam a América espanhola trabalhavam
a riqueza mineral ali existente.

14 CEDERJ
A divisão do

1
?
continente americano

AULA
Espanhóis e portugueses disputaram
as terras do novo continente americano. Essa
disputa foi mediada pelo papa – que, àquela época,
tinha autoridade equivalente à da Organização das Nações
Unidas (ONU) para dirimir conflitos internacionais.
O resultado dessa negociação foi a assinatura do tratado de
Tordesilhas (1494). Com esse documento, convencionou-se que
as terras a oeste do meridiano que corta o Brasil desde o Pará até
Santa Catarina ficavam sob o domínio espanhol. Já os portugueses
ficavam com as terras situadas a leste dessa linha imaginária.
Assinado seis anos antes da chegada de Pedro Álvares Cabral ao
Brasil, parecia que o tratado tinha beneficiado os espanhóis,
quanto às terras americanas. Estes imaginavam estar
cedendo apenas oceano aos portugueses. Entretanto,
o fato de os portugueses terem assinado o
tratado pode ser considerado um indicador
de que eles já deviam ter indícios da
existência do Brasil.

Figura 1.4: O Tratado de Tordesilhas dividia, com uma linha vertical, o Novo Mundo entre
Espanha (à esquerda da linha) e Portugal (à direita). Repare que a parte reservada para
Portugal era muito menor do que a área destinada à Espanha. Será que os portugueses
teriam aceito essa divisão totalmente desigual sem reclamar ou sem saber que havia outras
terras além das conhecidas pelos espanhóis? O mapa à esquerda é um planisfério de 1545,
disponível no site da Biblioteca Nacional de Lisboa. Repare que a linha do tratado passava
bem no meio do que hoje é o território brasileiro. Compare as figuras. No mapa à direita,
constam algumas cidades que ainda não existiam. Não se assuste, isto é só para você ter
uma noção de por onde passava a linha do tratado.
Fonte da figura à esquerda: http://bnd.bn.pt/ed/viagens/brasil/iconografia/antecedentes/
tratado_tordesilhas/index.html
Fonte da figura à direita: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Tordesilhas

CEDERJ 15
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

!
Quer ler o tratado de
Tordesilhas na íntegra? Ele está
disponível no site da Biblioteca Nacional de
Lisboa: http://bnd.bn.pt/ed/viagens/brasil/obras/
tratado_tordesilhas/index.html. Vale a pena dar uma
olhada. Repare a linguagem utilizada e como é
forte a presença de referências religiosas,
marca da época em que foi

Por não encontrar metais preciosos em seus novos domínios,


Portugal enfrentou mais dificuldades para defender seu território
americano, o Brasil. Como não tinha recursos suficientes, precisou
implantar uma atividade muito lucrativa para financiar a defesa da
própria colônia, além de permitir a transferência de lucros mercantis
para a metrópole. Assim, introduziu o cultivo de um produto tropical, a
cana-de-açúcar, que já vinha explorando em ilhas do Atlântico Sul e era
um produto que contava com um mercado em expansão na Europa.
O elemento que assegurou a lucratividade do empreendimento foi
o monopólio comercial, determinado pela metrópole.
Analisando o sistema de exploração colonial na etapa da expansão
comercial européia, o historiador Fernando Novais (1990), argumenta que:

o monopólio do comércio das colônias pela Metrópole define o


sistema colonial porque é através dele que as colônias preenchem a
sua função histórica, isto é, respondem aos estímulos que lhes deram
origem, que foram a sua razão de ser, enfim, que lhes dão sentido.

CARACTERÍSTICAS DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA NO


BRASIL

A empresa colonial agrícola introduzida na colônia não se reduzia


a extrair riquezas naturais para revenda nos mercados europeus. Era um
empreendimento muito mais complexo, que envolvia o desenvolvimento
de uma atividade agrícola que seria explorada segundo critérios que
proporcionassem o máximo de lucratividade possível aos portugueses.

16 CEDERJ
O historiador Fernando Novais (1990) destaca as principais

1
diferenças entre a instalação da empresa colonial agrícola no Nordeste

AULA
brasileiro e as tradicionais feitorias, entrepostos comerciais que
funcionavam como pontos de apoio dos comerciantes metropolitanos
ao longo das costas africana e asiática, onde eles recolhiam os produtos
nativos da região para serem revendidos na Europa. Em suas palavras:

A atividade colonizadora dos povos europeus na época moderna,


inaugurada com a ocupação e utilização das ilhas atlânticas, e logo
desenvolvida em larga escala com o povoamento e valorização
econômica da América, distingue-se da empresa de exploração
comercial que desde o século XV já vinham realizando os
portugueses nos numerosos entrepostos do litoral atlântico-africano
e no mundo indiano. Efetivamente, a empresa colonial é mais
complexa, envolvendo povoamento europeu, organização de uma
economia complementar voltada para o mercado metropolitano.
Em outras palavras, pode-se dizer que nos entrepostos africanos
e asiáticos a atividade econômica dos europeus (pelo menos
nesta primeira fase) se circunscreve nos limites da circulação de
mercadorias: a colonização promoverá a intervenção direta dos
empresários europeus no âmbito da produção (p. 47).

O sentido da colonização era cultivar produtos tropicais de forma


lucrativa para o comércio europeu, de modo a não competir com as
culturas de clima temperado existentes na Europa. Os produtos seriam
tropicais porque a produção colonial deveria ser complementar, e nunca
competitiva, à produção européia.

?
O sentido da colonização
Deve-se ao historiador Caio Prado Junior a
noção de sentido da colonização. Em sua obra Formação
do Brasil Contemporâneo: colônia (1969), cuja primeira edição
data de 1942, ele defende a tese de que a estrutura da economia
colonial, baseada em três elementos principais – o latifúndio,
a monocultura e o trabalho escravo –, foi pensada com
um único sentido: fornecer gêneros tropicais
ao comércio europeu.

CEDERJ 17
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

A lucratividade da empresa colonial agrícola estava assentada


em três elementos principais, que asseguravam os baixos custos de
produção:
• o latifúndio: necessário para permitir o crescimento extensivo da
produção, uma vez que a atividade não se expandia com base no
aumento da produtividade, mas sim no uso extensivo de terra.
A grande propriedade era, além disso, importante para atrair
colonos portugueses, que viam a colônia como uma possibilidade
de enriquecimento, mas não como local para se estabelecer
definitivamente, como nas colônias de povoamento;
• a monocultura: como a empresa colonial agrícola visava
à lucratividade comercial, era mais interessante para o
colonizador mobilizar recursos para o produto a ser exportado
do que diversificar a produção considerando o mercado interno
(praticamente inexistente, dada a baixa circulação de dinheiro
na economia colonial, como você vai ver mais adiante no
boxe explicativo sobre economia de subsistência x economia
mercantil);
• o trabalho escravo: a dificuldade de acesso à mão-de-obra barata
diante da necessidade de conter custos de produção levou à
introdução da escravidão na colônia, ainda que estivesse em vias de
desaparecimento na Europa. O recurso à escravidão decorria de:
a) inexistência de excedentes populacionais em Portugal;
b) insuficiência de trabalhadores indígenas;
c) ambiente desfavorável na Colônia, fazendo com que os
salários necessários para atrair trabalhadores europeus
fossem elevados demais, o que comprometeria a lucratividade
do empreendimento;
d) uma experiência lucrativa do tráfico de escravos oriundos das
colônias africanas, o que levou à utilização dessa espécie de
mão-de-obra como relação básica de produção na empresa
colonial agrícola.

18 CEDERJ
A existência da
escravidão caracteriza a

1
colonização do Brasil como feudal?

AULA
O uso de trabalho escravo na economia
colonial agrícola não pode ser interpretado como

?
uma manifestação da existência de relações feudais de
produção. O Brasil nunca foi feudal, ainda que sua ocupação
estivesse associada à empresa colonial agrícola, sustentada no
trabalho escravo. O sentido da colonização foi proporcionar lucros
mercantis aos comerciantes metropolitanos, favorecendo o acúmulo
de capitais na Europa e a afirmação da burguesia. A utilização do
trabalho escravo tinha a finalidade de baratear os custos de produção,
o que permitia à burguesia comercial ampliar seus lucros mercantis.

O conceito de produtividade
e o uso extensivo de recursos
O crescimento da produção pode ocorrer em decorrência de dois
fatores: aumento da produtividade, pelo uso mais eficiente dos
recursos ou aumento extensivo dos recursos, isto é, utilização de
mais trabalhadores, mais capital ou mais terras. Esse foi o caso
do Brasil. A empresa colonial agrícola contava com terras
abundantes, o que lhe permitia aumentar a produção
pela simples incorporação de territórios, em
vez de tornar mais eficiente o uso dos
recursos.

ECONOMIA CANAVIEIRA: ELEMENTO-CHAVE NO SUCESSO


DA EMPRESA COLONIAL AGRÍCOLA

O sucesso da empresa colonial agrícola implantada no Nordeste


no século XVI está relacionado à introdução da cultura da cana-de-
açúcar, especiaria cultivada em clima tropical que contava com grande
mercado consumidor na Europa. A cultura da cana foi o maior êxito
experimentado pela economia colonial agrícola. Ela permitiu associar
a experiência portuguesa do cultivo da cana nas ilhas do Atlântico Sul
à utilização da mão-de-obra escrava nas colônias africanas, e ao uso de
terras férteis da costa do Nordeste para produção de uma cultura tropical
que desfrutava de crescente mercado consumidor na Europa.
Um elemento fundamental que explica esse sucesso foi a implan-
tação de uma rota comercial entre as colônias da Coroa portuguesa,
criando uma interdependência entre dois negócios: a exploração de
produtos primários na colônia brasileira voltados para o mercado
externo, e a exportação de escravos pelas colônias africanas.

CEDERJ 19
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

Em uma época (séculos XVI e XVII) em que a navegação dependia


do regime de ventos e correntes marítimas, um fato fundamental a
considerar é que, em função das correntes marítimas, era mais fácil a
comunicação entre o Nordeste brasileiro e a costa africana, do que entre
estas regiões e outras partes dos respectivos continentes. Tal proximidade
estimulou um novo fluxo comercial entre as colônias portuguesas.
Ampliavam-se, assim, as receitas resultantes dos tributos cobrados pela
Coroa, somando-se os tributos cobrados de duas de suas colônias: a
venda de escravos africanos e a venda do açúcar brasileiro. Além disso,
os colonos do Brasil tinham de se sujeitar à metrópole por causa do
suprimento de mão-de-obra, dado o controle exercido pelo reino sobre
o comércio de escravos nas colônias africanas.

Figura 1.5: O fluxo de navios entre o


Nordeste brasileiro e as colônias por-
tuguesas na África foi favorecido pelos
ventos e pelas correntes marítimas. Por
esta razão, era mais fácil a comunica-
ção entre estas duas regiões do que
dentro dos próprios continentes.
A proximidade entre Brasil e África,
apesar do Oceano Atlântico, ainda
hoje está presente no imaginário
popular, como atesta uma recente
propaganda da cerveja Nova Schin,
na qual um homem sedento entra em
um bar africano, pede uma cerveja e o
balconista lhe diz que o produto está
em falta, mas que ele pode encontrar
a cerveja em um bar “logo ali em
frente” (no Brasil). O homem, então,
entra no mar e nada em direção ao
bar brasileiro.

A partir da metade do século XVI, a produção de açúcar passou


a ser cada vez mais um empreendimento conjunto entre portugueses
e holandeses. Estes recolhiam o produto em Lisboa, refinavam-no e o
distribuíam por toda a Europa. Participavam também do financiamento
da atividade, que dependia da mobilização de capital para implantar o
engenho de açúcar e adquirir os escravos (FURTADO, 1971). Os gastos
operacionais, entretanto, eram bem modestos, já que as fazendas de
cana-de-açúcar eram praticamente auto-suficientes.

20 CEDERJ
Atividade 2

1
AULA
Cana-de-açúcar no Nordeste: um negócio rentável? 2 3

Descreva o modo de produção de açúcar no Nordeste do Brasil, considerando:


1. a comercialização do produto (mercado interno ou externo?);
2. a lucratividade do negócio, tendo em vista os custos de produção e os ganhos
obtidos;
3. o tipo de terreno (fértil ou não) e de que tamanho (grandes ou pequenas extensões
de terra);
4. a mão-de-obra utilizada.
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Produzir açúcar no Nordeste do Brasil era, de fato, uma atividade lucrativa para
os donos de terras na nova colônia. Em primeiro lugar, porque os custos de
produção eram baixos: em grandes parcelas de terra, cultivava-se cana utilizando
mão-de-obra escrava para o plantio e a colheita, além de gado como força motriz
dos engenhos. O solo era fértil, não precisando de cuidados especiais, e o clima
– tropical –, favorável.
Em segundo lugar, os lucros eram altos, já que a produção estava voltada para o
mercado externo, onde o açúcar era uma especiaria, alcançando preços elevados.
Daí provinha o lucro. Para a metrópole, ainda era vantajoso pela possibilidade de
articular os interesses da Coroa portuguesa ao tornar interdependentes a cultura
do açúcar no Nordeste brasileiro e o abastecimento de mão-de-obra escrava
das colônias africanas.

A parceria com os holandeses terminou com a anexação de


Portugal pela Espanha (1580-1640). Lutando contra a Espanha, que
não reconhecia sua independência, a Holanda resistiu à perda do negócio
do açúcar e invadiu o Brasil em 1630, estabelecendo-se no Nordeste. A
expulsão dos holandeses, em 1654, trouxe conseqüências econômicas
graves e duradouras, já que, com os conhecimentos adquiridos na
cultura da cana, eles estabeleceram um empreendimento concorrente
nas Antilhas, acabando com o monopólio na oferta do produto pelos
colonos do Nordeste brasileiro.

CEDERJ 21
!
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

Você sabia que as primeiras


moedas do Brasil foram cunhadas
pelos holandeses, quando ocuparam o Nordeste?
A economia da colônia, então, era mais
pautada por trocas do que por metal
circulante.

Atividade 3
Conseqüências econômicas da expulsão dos holandeses
O economista Celso Furtado afirmou que as conseqüências econômicas da expulsão
dos holandeses do Nordeste brasileiro, em 1654, foram muito mais duradouras do que
as conseqüências da vitória militar. Em sua opinião, quais as razões que o levaram a
sustentar essa afirmativa?
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
As conseqüências econômicas seriam mais duradouras, porque a expulsão dos
holandeses resultou na implantação de outra área agroexportadora de cana-de-
açúcar nas Antilhas, o que quebrou o monopólio do açúcar nordestino. A quebra do
monopólio destruirá um dos pilares sobre os quais estava sustentada a economia
colonial agrícola no Nordeste do Brasil.

A partir de meados do século XVII, com o declínio do preço


da cana no mercado externo –devido ao aumento da oferta, com a
produção antilhana –, a economia canavieira deixou de ser lucrativa.
Os baixos custos operacionais permitiram apenas manter o negócio,
mas não ampliá-lo.
A crise da economia canavieira não foi superada. Até que a
mineração substituísse a cultura de cana-de-açúcar como principal
fonte de renda de exportações, no século XVIII, a Colônia enfrentou
uma crise provocada pela queda dos preços da cana, enfraquecendo a
economia da metrópole.
Essa incapacidade de superação da crise da economia canavieira
esteve relacionada à forma como circulava a renda gerada pela atividade
canavieira. A lucratividade do negócio estava na comercialização, e não
na produção da cana. O comércio (e o transporte) da cana era controlado
por comerciantes portugueses, associados aos holandeses, os maiores
beneficiários da economia canavieira.

22 CEDERJ
Nesse negócio, a renda interna ficava extremamente concentrada

1
nas mãos dos grandes proprietários fundiários. Esses proprietários

AULA
mantinham uma produção alimentar de subsistência, adquirindo
apenas animais e madeira no mercado interno. Tratava-se, assim,
de uma atividade em que prevalecia a pouca circulação de dinheiro
– o que lhe conferia alto grau de resistência a crises. Assim, mesmo
enfrentando declínio dos preços internacionais da cana, o produto seguia
sendo cultivado, pois os gastos monetários para manter em operação o
engenho eram modestos (animais e madeira).

Economia de
subsistência

?
x
economia mercantil
Economia de subsistência, como o próprio nome
sugere, é aquela produzida para autoconsumo, em que o
produtor não se distingue do consumidor, sendo desnecessário
o uso de dinheiro. Economia mercantil, ao contrário, é aquela em
que o produto é direcionado ao mercado; a conseqüente separação
entre produtores e consumidores torna necessária a intermediação
monetária.
Uma família de pequenos proprietários de terra pode produzir verduras
para sua alimentação, mas essa cultura será de pequenas proporções, já que
voltada apenas para o consumo da família. Não estará sujeita, portanto, a
crises econômicas, porque não haverá produção excedente para ser vendida
em mercado.
A economia colonial caracterizou-se pela baixa circulação interna de dinheiro,
já que a empresa que produzia a monocultura para exportação era auto-
suficiente, produzia quase todos os bens necessários para sua operação,
demandando apenas madeira e animais no mercado interno. Portanto, os
colonos que não fossem latifundiários agroexportadores, mas simples
criadores de gado, por exemplo, recebiam uma parte muito pequena
da renda que circulava na Colônia, resultante das compras internas
animais e madeira).
A maior parte da renda ficava concentrada nas mãos dos
colonos latifundiários (os senhores de engenho), o que
permitia que eles consumissem produtos de luxo
importados. Esta divisão não favorecia a
circulação de moeda, nem tampouco a
produção mercantil.

CEDERJ 23
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

Ainda assim, a economia colonial mergulhou em uma crise da


qual só saiu quando houve a descoberta de ouro e diamante, no século
XVIII, na região correspondente ao atual Estado de Minas Gerais. Do
mesmo modo que a economia canavieira, tampouco a mineradora
logrou gerar condições para o surgimento de uma atividade sustentável.
O mesmo ocorreu com outros produtos, como o algodão e a borracha,
que conheceram o auge dinamizados pela renda das exportações. Na sua
decadência, o desenvolvimento da região onde eles se situavam retrocedia,
declinando o grau de monetização (de circulação de dinheiro), resultando
em transferência de recursos para a economia de subsistência, de baixa
produtividade.
A percepção desse padrão, que perdurou durante todo o período
colonial, levou os historiadores a identificar o desenvolvimento da
economia colonial como uma sucessão de ciclos.
A noção de ciclos de produtos coloniais tem caráter apenas
descritivo; entretanto, tem o mérito de sugerir que, esgotada a
potencialidade de um produto colonial, retoma-se o processo de
desenvolvimento praticamente do mesmo ponto de partida. A estrutura
socioeconômica permaneceu a mesma, baseada no latifúndio, na
monocultura e no trabalho escravo. Essa foi a natureza da economia
colonial, incapaz de suscitar a sua superação e o advento de outra
estrutura econômica internamente mais dinâmica.

CONCLUSÃO

Você iniciou o estudo da história econômica do Brasil desde a


chegada dos portugueses, no século XVI. Inicialmente, você acompanhou
o empreendimento da economia canavieira, que se tornou o paradigma
da empresa colonial agrícola instalada na colônia pelos portugueses. Nas
duas próximas aulas, continuaremos analisando a economia colonial no
período que se estende até 1822.

24 CEDERJ
Atividade Final

1
AULA
Decidindo novos rumos para o seu reino 1 2 3

Europa, séculos XV e XVI. Imagine que você é um monarca e que precisa decidir sobre
os rumos do seu reino. Notícias de outras terras chegam até você. Surgem novas nações:
Portugal, Espanha, França, Inglaterra... Unificadas, elas criam exércitos, defendem seus
territórios e buscam expandir-se. Você sabe, porém, que organizar uma expansão
territorial desse porte não é tão simples quanto possa parecer.

Está lançado o desafio. De acordo com as idéias da sua época, os estados nacionais
deveriam se expandir, levando a salvação e a maneira européia de viver a outras
partes do mundo.

Que tipo de investimento você considera necessário para:

1. manter o seu Estado-Nação e defendê-lo de invasores;

2. enviar exploradores de seu país para a busca e a conquista de novas terras;

3. ocupar e colonizar os territórios conquistados;

4. proteger a nova terra da invasão por estrangeiros;

5. possibilitar o crescimento da colônia e fazer dela um negócio lucrativo.

Neste momento, lembre-se de levar em conta o mercantilismo, política econômica de


sua época.

____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________
_______________________________________________

CEDERJ 25
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Como um bom soberano, dotado de direito divino, primeiramente você deve ter pedido
ajuda a Deus para orientá-lo neste trabalho. Em segundo lugar, ao avaliar a situação em
sua época, você deve ter pensado nos pontos a seguir:
1. com o surgimento dos estados nacionais, era preciso organizar e defender sua nação
(criação de exércitos). Uma ideologia que unisse os estamentos (veja o boxe sobre
feudalismo) ao redor de uma só figura ou personalidade, como a do rei, também ajudaria
bastante;
2. com a “casa” arrumada, você já pode pensar em expandir os seus domínios. Para
isso, você vai precisar de caravelas que possam enfrentar o mar Tenebroso sem afundar.
Instrumentos de navegação também serão úteis, e aperfeiçoá-los é uma medida prudente,
já que o mar, bravio e misterioso, “não estava para peixe”. Navegadores bem preparados
são fundamentais, e a idéia de uma escola de navegação pode ser interessante;
3. feito tudo isto, rumo à expansão! As colônias, territórios desconhecidos e ainda sem dono,
principalmente em outras regiões do mundo, são ideais para expandir seus domínios;
4, 5. lá, você poderia encontrar produtos para explorar – como os metais preciosos – ou
desenvolver monoculturas para exportação. No caso do Brasil, o que os portugueses
buscaram, em primeiro lugar, foi ouro e prata. Por não terem encontrado esse tipo
de riqueza, estabeleceram, no território conquistado, a empresa colonial agrícola. São
exemplos dessa exploração o pau-brasil (da mata nativa), e a cana-de-açúcar (monocultura
desenvolvida pelos colonos portugueses), em um primeiro momento. O Pacto Colonial
garantiria os lucros para a metrópole.
Para desenvolver as atividades agrícolas que vão trazer dividendos para a metrópole, é
necessário morar no território, o que resolve em parte o problema de proteger as terras
conquistadas. Fortificações em locais estratégicos também são fundamentais. Os fortes
construídos pelos portugueses em várias partes do país são, atualmente, atrações turísticas.
Para todas estas realizações, era necessário dispor de capital. Que política você iria adotar
para acumular o capital necessário?
O mercantilismo, apoio econômico do regime absolutista, deve ter sido a resposta
que você encontrou para a pergunta anterior. Por meio de acumulação de capitais,
protecionismo alfandegário e a busca por uma balança de comércio favorável em um
primeiro momento, e pela procura de metais preciosos – principalmente ouro e prata
– em uma segunda etapa, era possível conseguir os recursos necessários para expandir
sua nação. A burguesia desempenharia um papel fundamental, fornecendo o apoio
financeiro para sua empreitada.

26 CEDERJ
1
RESUMO

AULA
A ocupação do Brasil colonial foi uma das conseqüências da expansão
marítima portuguesa. O sentido da colonização brasileira foi produzir
especiarias e produtos tropicais (como a cana-de-açúcar) para comercialização
na Europa.
Os principais elementos da formação econômica colonial são o latifúndio,
a monocultura e o trabalho escravo. Alicerçada nesses três pilares, surgiu,
no Nordeste brasileiro, a economia canavieira, que teve seu auge entre os
séculos XVI e XVII. Esse modelo econômico entrou em crise após a invasão
holandesa, que terminou em 1654. Expulsos do Nordeste, os holandeses
utilizaram, em suas colônias nas Antilhas, os conhecimentos que haviam
adquirido na produção de açúcar, provocando a quebra do monopólio
brasileiro na oferta do açúcar no mercado mundial.

INFORMAÇÕES SOBRE AS PRÓXIMAS AULAS

Nas aulas seguintes, você vai conhecer os setores e as regiões da economia


colonial em que as atividades predominantes foram voltadas para o incipiente
mercado interno, com pouca importância em termos de participação na
geração de renda quando comparados à economia canavieira, porém
resultaram muito importantes na ocupação do interior da Colônia.

Você vai ver também que o enfraquecimento econômico causado pela


crise na economia açucareira levou a Coroa portuguesa a assinar acordos
com a Inglaterra, com conseqüências negativas duradouras para Portugal
e também para a Colônia brasileira.

Na terceira e última aula deste bloco, discutiremos as razões da crise da


economia colonial, bem como a incapacidade da metrópole de sustentar o
modelo de desenvolvimento vigente.

CEDERJ 27
Formação Econômica do Brasil | Formação econômica do Brasil colonial

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Você pode ainda ampliar seus conhecimentos sobre o período colonial lendo
obras importantes, como Casa grande e senzala, de Gilberto Freyre. Uma
importante fonte adicional de consulta sobre a economia colonial pode ser
encontrada no Dicionário do Brasil Colonial, organizado pelo historiador
Ronaldo Vainfas e publicado pela Editora Objetiva.

Além disso, você poderá consultar os sites de História do Brasil disponíveis


na internet, bastando para isso acessar um site de busca (Google ou Cadê),
digitar o nome da pessoa ou do evento a ser pesquisado para que, em
segundos, você receba indicações sobre onde a informação está disponível.
Uma boa sugestão é a entrevista do historiador Fernando Novais (lembra-se
dele? Lemos um trecho de um de seus livros nesta aula) ao jornal Folha de
S.Paulo em http://www1.uol.com.br/fol/brasil500/entre_16.htm

28 CEDERJ
Atividades econômicas de
subsistência e mineração

AULA
auxiliam o povoamento
do interior
Meta da aula
Descrever a ocupação do interior do Brasil, dos séculos
XVI a XVIII, mostrando que houve transformações na
economia colonial que não se identificam apenas com
a empresa colonial agrícola.
objetivos

Esperamos que, ao final desta aula, você seja


capaz de:

Reconhecer outras atividades econômicas da


1 colônia portuguesa, além das voltadas para
a exportação.

Identificar as regiões do interior do Brasil


2
ocupadas durante a colonização, bem como
as atividades econômicas realizadas nestas
localidades.

Reconhecer a contribuição da economia


3 mineira para a ocupação da terra e a produção
de riqueza no interior da colônia.
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

INTRODUÇÃO Você vai aprofundar ainda mais seu conhecimento sobre a dinâmica da
economia colonial brasileira, com ênfase em aspectos diferentes dos que já
vimos na Aula 1. Se, na aula passada, o objetivo foi apresentar o sentido da
colonização para a coroa portuguesa, situando-a no contexto da expansão
mercantil proporcionada pelas grandes navegações, nesta segunda aula, você
verá que, a partir do século XVII, o interior da colônia foi ocupado pelos colonos
que não exploraram a monocultura para exportação, mas atividades destinadas
à própria subsistência ou ao mercado interno.
Sugerimos, para complemento de sua leitura, a introdução do trabalho A Lei de
Terras de 1850, de Carlos Ignacio Pinto, estudante de História da Universidade
de São Paulo (USP), no site http://www.klepsidra.net/klepsidra5/lei1850.html.
Carlos Ignacio faz um histórico da ocupação portuguesa no Brasil, dos séculos XVI
a XVIII. Vale a pena dar uma olhada, para relembrar o conteúdo da Aula 1.

A Lei de Terras de 1850

Carlos Ignacio Pinto carlos@klepsidra.net Segundo Ano – História/USP


lei1850.doc - 60KB
Todas as terras produtivas estão
tomadas em um país que é quase
deserto
(Relatório de Gonçalves Chaves do ano de 1822)

Introdução
O primeiro critério de distribuição do solo da colônia portuguesa na
América foi o regime de concessão de sesmarias. Este ordenamento
jurídico do território foi, antes de mais nada, uma transposição da
norma reguladora do processo de distribuição de terras em Portugal
para os solos coloniais. Sob este ponto, é preciso ressaltar que o
interesse primordial do processo de colonização portuguesa estava
aliado à extensiva exploração do território, com o intuito de campear
recursos minerais, principalmente o ouro. Em um primeiro momento,
esse propósito da coroa foi completamente frustrado, pois durante todo
o século XVI não houve a ocorrência de descoberta de metais preciosos
nos solos coloniais americanos de possessão portuguesa.
Desde o princípio, a empresa colonial percebeu que a colônia poderia
produzir outros tipos de riquezas que não a exploração mineral. Data
do ano de 1557 a instalação do primeiro engenho de produção de
açúcar no Brasil; os portugueses, que dominavam plenamente a técnica

30 CEDERJ
de plantio da cana e fabrico do açúcar, devido às suas possessões nas

2
ilhas do Atlântico, introduziram e incentivaram a produção da cana, que

AULA
possuía grande valor comercial.
Na colônia portuguesa, os séculos XVI e XVII marcaram o que a
professora Vera Lúcia Amaral Ferlini denomina de “a civilização do
açúcar”, uma economia baseada plenamente no cultivo da cana-de-
açúcar e no trabalho artesanal de produção do próprio açúcar por
meio dos engenhos. Nesse período, o incentivo agrícola foi dado à
produção em larga escala para abastecer o mercado europeu. Não havia
o interesse de construir na colônia uma produção agrícola de pequeno
porte e caráter diversificado, pois o elemento norteador das políticas
européias era o mercado europeu. Assim, a colonização do século XVI
foi fiel ao seu sentido original de “colonização de caráter absolutamente
mercantilista”, sem incentivo à pequena propriedade.
A partir do século XVIII, ocorre uma mudança nessa política econômica,
com um enorme crescimento da colônia: junto a um grande ciclo
migratório, verificou-se uma ampliação da economia devido,
principalmente, à descoberta das Minas Gerais. O ciclo do ouro foi
capaz de dinamizar novos setores da economia, como o de produção
de alimentos e do tráfico interno de mão-de-obra. A reivindicação pela
terra tornou-se mais difusa, e a política de doação por meio de sesmarias
fazia-se insuficiente às novas necessidades sociais. A confusa situação
de ocupação de território ditada pela debilidade da Lei de Sesmarias
aumentou ainda mais no final do século XVIII, quando ocorreu a
decadência da mineração e houve o que alguns autores denominaram
como um renascimento da atividade agrícola.

Nesse contexto, vamos incluir também a mineração, importante para a ocupação


do interior do país, além de ter sido uma atividade de grande relevância para
gerar excedentes – apropriados por Portugal.
Segundo Roberto Simonsen (apud SILVA, 1990), os instrumentos econômicos
que serviram como base para a expansão para o interior foram a busca por
metais preciosos e especiarias, a caça aos indígenas – para suprir a falta de
mão-de-obra africana – e a criação de gado.
Nesta aula, analisaremos como cada uma dessas estratégias contribuiu para o
povoamento do interior da colônia.

CEDERJ 31
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

BUSCA POR METAIS PRECIOSOS E APRESAMENTO DE


ÍNDIOS: OS BANDEIRANTES AMPLIARAM OS DOMÍNIOS
PORTUGUESES NA AMÉRICA

Antes de falarmos de expansão territorial, vale a pena retomar


alguns tópicos vistos na Aula 1. Um deles é o Tratado de Tordesilhas
que, em 1494, determinou que o recém-descoberto continente
americano fosse dividido entre Portugal e Espanha. Segundo Dias
B
BANDEIRAS
ANDEIRAS
(1990, p. 25),
Constituíam
Constituíam uma uma espécie
espécie
de
de expedição
expedição armada
armada que que Conforme a cláusula fundamental do diploma (o Tratado de
desbravava
desbravava os os sertões
sertões
aa fim
fim dede escravizar
escravizar Tordesilhas), as duas monarquias estabeleciam uma linha de
indígenas
indígenas ou ou descobrir
descobrir demarcação – o meridiano traçado a 370 léguas a oeste das
ouro,
ouro, oo que
que intensificou
intensificou
ilhas de Cabo Verde – dividindo o Mar Oceano (o Oceano
aa ocupação
ocupação do do interior
interior
do
do continente
continente sul-
sul- Atlântico) em duas zonas de influência: as ilhas e terras firmes
americano.
americano. O O principal
principal já descobertas ou que viessem a descobrir-se no hemisfério
ponto
ponto de de partida
partida
dessas
dessas expedições
expedições eraera oriental pertenceriam a Portugal; as do hemisfério ocidental
aa Capitania
Capitania de de São
São caberiam à Espanha.
Vicente
Vicente (atual
(atual estado
estado dede
São
São Paulo),
Paulo), ponto
ponto da da Essa raia de demarcação corta o litoral brasileiro através do
costa
costa mais
mais avançado
avançado na na meridiano que passa por Belém, ao norte, e Laguna, ao sul,
direção
direção do do interior.
interior. Pelos
Pelos
rios,
dando a Portugal o domínio de quase todo o Atlântico Sul e a
rios, principalmente
principalmente
os
os da
da bacia
bacia dodo Tietê,
Tietê, parte de terra firme que fica a leste dessa linha – o Brasil – cuja
as
as bandeiras
bandeiras chegaram
chegaram existência genialmente se suspeitava.
aos
aos atuais
atuais estados
estados de de
Minas
Minas Gerais,
Gerais, Goiás,
Goiás,
Mato
Mato Grosso
Grosso do do Sul
Sul
Esses limites, entretanto, não foram
ee às
às regiões
regiões onde
onde sese
localizavam
localizavam as as aldeias
aldeias respeitados. Em primeiro lugar, porque
jesuíticas.
jesuíticas.
As
As primeiras
primeiras bandeiras
bandeiras as potências européias excluídas daquela
foram
foram comandadas
comandadas
por
por Diogo
Diogo Quadros
Quadros ee
divisão nunca deixaram de lutar pela
Manuel
Manuel Preto,
Preto, em
em 1606,
1606, conquista de territórios, como comprova a
ee Belchior
Belchior Dias
Dias Carneiro,
Carneiro,
em
em 1607.
1607. Compostas
Compostas invasão francesa ao Rio de Janeiro, repelida
por
por integrantes
integrantes das das
mais
mais diversas
diversas etnias
etnias pelos portugueses comandados por Estácio de
–– portugueses,
portugueses, índios,
índios, Sá, ainda no século XVI. No século seguinte,
caboclos
caboclos ee mamelucos
mamelucos
–– e,
e, às
às vezes,
vezes, formadas
formadas franceses, ingleses e holandeses conseguiram se
por
por milhares
milhares dede
homens,
homens, duravam
duravam estabelecer ao norte da América do Sul, onde
de
de meses
meses aa anos,
anos,
fundaram a Guiana Francesa, a Guiana (ex-
pois
pois osos bandeirantes
bandeirantes
fixavam
fixavam acampamentos
acampamentos Guiana Inglesa) e o Suriname (antiga Guiana
temporários
temporários para para
explorar
explorar uma uma região,
região, Holandesa).
verificando
verificando aa existência
existência
de
de ouro,
ouro, prata
prata ou
ou pedras
pedras
Em segundo lugar, as fronteiras entre a América portuguesa e a
preciosas,
preciosas, ou ou para
para espanhola foram modificadas devido ao movimento de BANDEIRAS.
preparar
preparar oo ataque
ataque às às
tribos
tribos indígenas.
indígenas.

32 CEDERJ
!

2
AULA
Para
o apresamento de
índios, os alvos principais dos
bandeirantes foram os aldeamentos
jesuíticos. Estima-se que 300 mil
índios foram escravizados entre
1614 e 1639.

Você se lembra da minissérie A muralha, veiculada pela Rede Globo em 2000? Era justamente
sobre o período da história econômica brasileira que você está estudando nesta aula. A
minissérie teve como base o livro homônimo de Dinah Silveira de Queiroz. Ambos valem a
pena ser vistos. Lembre-se, ler o romance ou ver o filme pode ser uma excelente maneira
de estudar. Que tal aproveitar para aprender e se divertir ao mesmo tempo?

Atividade 1
Recuperando as origens do bandeirantismo

Figura 2.1: Localizado no Parque do Ibi-


rapuera, em São Paulo, o Monumento aos
Bandeirantes, de Victor Brecheret, começou
a ser construído em 1936. Nele, estão rep-
resentados índios, negros, portugueses e
mamelucos que parecem ir em direção ao
Pico do Jaraguá, um dos pontos de partida
do movimento de bandeiras. A estrutura,
toda em granito, tem 43m de comprimento
Jorge Nassyrios Anhembi_COMTUR por 8m de largura e 5m de altura.

Em sua opinião, por que os paulistas decidiram homenagear os bandeirantes construindo


esse monumento? Qual a importância do movimento das bandeiras para o Brasil? Que
características do bandeirantismo estão representadas no monumento?
_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Antiga Capitania de São Vicente, São Paulo não teve, nos primeiros tempos da
colonização, a importância que tem na economia brasileira atual. No entanto,
por sua localização mais próxima ao sertão, de lá partiram os bandeirantes,
como você já viu. Você já se deu conta de como esse movimento foi importante
para o que nós conhecemos hoje como Brasil? Entre as conseqüências mais
relevantes do bandeirantismo, está a expansão da fronteira da América
portuguesa em direção à América espanhola, rompendo o acordo assinado
em Tordesilhas em 1494.

CEDERJ 33
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

Além de terem encontrado metais preciosos, os bandeirantes conquistaram


mais territórios para o país, como a atual Região Centro-Oeste.
Em termos populacionais, é bem interessante observar, no monumento,
portugueses, índios e mestiços (mamelucos e caboclos). O interesse por metais
preciosos unia esses grupos populacionais tão distintos e os levava em direção
ao interior do país.
Se você estiver em São Paulo ou for visitar a cidade, vá ao Parque do Ibirapuera
e veja o monumento aos bandeirantes. Sem dúvida, você vai perceber outros
significados nele.

O deslocamento da fronteira entre as Américas portuguesa e


espanhola acentuou-se entre 1580 e 1640, durante a União Ibérica,
quando Portugal foi anexado à Espanha, como você viu na aula passada.
Durante esse período, o movimento das bandeiras tomou grande impulso,
dadas as dificuldades de obtenção de mão-de-obra africana: no início do
século XVII, a Holanda investiu no comércio de escravos, desorganizando
o tráfico português.

OCUPAÇÃO DO SUDESTE

Na região Sudeste, as condições de produção da cana-de-


açúcar não eram favoráveis. O solo era menos fértil, o que diminuía a
produtividade em relação ao açúcar nordestino, e os custos de transporte,
mais elevados, por causa da maior distância até os mercados europeus
(lembra-se das correntes marítimas favoráveis que você viu na Aula 1?).
Os colonos logo perceberam, todavia, que a existência de índios em
grande número poderia dar origem a outra atividade econômica: a
escravização do trabalhador indígena. Os jesuítas também se fixaram no
interior, porém estavam mais interessados em catequizar os índios. Você
vai ter mais informações sobre os jesuítas ainda nesta aula, aguarde!

A OCUPAÇÃO DO VALE AMAZÔNICO

Durante a União Ibérica, era grande a preocupação dos espanhóis


com a incursão holandesa pela região amazônica. Eles temiam que os
holandeses pudessem ocupar o vale amazônico navegando pelo rio
Amazonas, o que poderia colocar em risco as minas de prata do Peru,
então colônia espanhola, pelo Tratado de Tordesilhas. O grande número
de rios e afluentes era outro facilitador das incursões pela região.

34 CEDERJ
Além de espanhóis, holandeses e ingleses conseguiram se

2
estabelecer no norte do continente, a partir de 1596. Naquela região,

AULA
desenvolveu-se o comércio com a produção extraída da floresta – como
as madeiras e o o urucum utilizado para tingir tecidos – e o pescado.
Portugal também passou a sofrer tentativas de invasão dos
tradicionais inimigos do império espanhol. Os portugueses conseguiram
expulsar franceses, ingleses e holandeses das margens do rio Amazonas
e fundaram, com objetivos de defesa, a cidade portuária de Belém, em
1616, a partir da construção do forte do Presépio, atualmente forte do
Castelo. Localizado na confluência do rio Guamá com a baía de Guarajá,
o forte estava situado em local estratégico, dificultando a entrada dos
invasores. O “fechamento” dessa porta de entrada da região conseguiu
mantê-la protegida.

Figura 2.2: Construído pelos portugueses no século XVII para defender a região
de invasões estrangeiras, o forte do Presépio foi um dos primeiros edifícios de
Belém (PA). A fortificação, atualmente chamada forte do Castelo, foi tombada
pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1962 e é
um dos pontos turísticos da cidade.

Segundo Prado Jr. (1970), outra fonte de infiltração no vale do


Amazonas foram “as ordens religiosas, em particular jesuítas e carmelitas.
(...) Os padres realizaram uma grande tarefa no vale amazônico. A eles cabe
a iniciativa do desbravamento de todo esse território imenso, semeando suas
missões num raio de milhares de quilômetros. Estas missões (...) constituem
importantes empresas comerciais. Reunidos os índios em aldeias (...), eram
eles submetidos a um regime disciplinado e rigoroso de trabalho e de vida
em geral” (apud MENDONÇA; PIRES, 2002, p. 69-71).

CEDERJ 35
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

Desfeita a União Ibérica, em 1640, Portugal tentou fazer de Belém


do Pará a base para a reconstituição do comércio de especiarias, perdido
pelos portugueses na Ásia (com a tomada de Constantinopla, lembra-se
do que você viu na Aula 1?). Mais tarde, durante o governo do MARQUÊS
MMARQUÊS
ARQUÊS DE
DE
PPOMBAL
OMBAL
DE POMBAL (meados do século XVIII), foi constituída uma companhia de
(1699-1782)
(1699-1782) navegação para explorar as riquezas da região amazônica. O extrativismo
Célebre
Célebre primeiro-
primeiro- seria, assim, estimulado, e contribuiu fortemente para o avanço das
ministro
ministro do do rei
rei
português
português D. D. José
José fronteiras coloniais brasileiras. As especiarias – cravo, canela, castanha
I,I, Sebastião
Sebastião José
José dede
Carvalho
Carvalho ee Melo,Melo, oo e salsaparrilha – assim como o cacau, a madeira e a pesca sustentaram
marquês
marquês de de Pombal,
Pombal,
foi
uma exploração econômica que tinha como base o trabalho indígena.
foi oo mais
mais notável
notável
estadista
estadista de de seu
seu
tempo.
tempo. Planejou
Planejou ee
executou
executou as as obras
obras SUL: AS MISSÕES JESUÍTICAS
de
de reconstrução
reconstrução
de
de Lisboa,
Lisboa, após
após Os jesuítas desempenharam um papel fundamental na ocupação
oo terremoto
terremoto que que
destruiu
destruiu aa cidade
cidade de outras partes do território, além da Amazônia. Um exemplo foi o
em
em 1755.
1755. Após
Após esse
esse que aconteceu no sul do país, com a chegada dos jesuítas portugueses,
evento,
evento, consolidou
consolidou
seu
seu poder
poder dede particularmente na área de fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai.
governante
governante absoluto
absoluto Em regiões de difícil acesso, mas com forte presença indígena, eles
em
em detrimento
detrimento da da
nobreza
nobreza ee do do clero.
clero. estabeleceram as missões jesuíticas, visando à catequese de guaranis e
Um
Um exemplo
exemplo claro
claro demais tribos indígenas.
desse
desse poder
poder foi
foi aa
submissão
submissão da da até
até As missões jesuíticas eram núcleos de povoação indígena que
então
então poderosa
poderosa
Ordem
Ordem dos dos visavam a defender os índios do aprisionamento pelos colonizadores
Jesuítas
Jesuítas ao ao estado
estado
português.
brancos. Tratava-se de emprendimentos comerciais, porém seus métodos
português. Pombal
Pombal
fez
fez importantes
importantes de cooptação não se baseavam na escravização do nativo, como faziam
reformas
reformas no no estado,
estado,
com
com destaque
destaque para
para os colonizadores, e sim na catequese. Sua presença era maior em regiões
oo grande
grande impulso
impulso
concedido
concedido àà
de menor interesse dos colonos, o que, entretanto, não significou a
instrução
instrução popular
popular inexistência de conflitos entre religiosos e colonos, resultando na expulsão
com
com aa reforma
reforma do do
ensino,
ensino, instituída
instituída porpor dos jesuítas pela Coroa portuguesa em 1759, durante o governo do
lei
lei em
em 1722.
1722.
Marquês de Pombal.

36 CEDERJ
Tabela

2
Jesuítas:

AULA
instrumentos de ocupação e
empreendimentos comerciais
Diferentemente dos holandeses e ingleses, os
portugueses justificavam a colonização não somente
como instrumento de expansão comercial, mas também de
disseminação da fé cristã. Esse foi o propósito que moveu a
Companhia de Jesus, ordem religiosa responsável pela implantação
de missões na colônia.
Os primeiros jesuítas chegaram ao Brasil em 1549. Ao longo do tempo,
a ordem foi responsável por missões no interior, catequizando indígenas,
e pela criação de colégios, entre outras realizações.
Em meados do século XVIII, o sucesso da empresa comercial organizada
pelos jesuítas feriu interesses de colonos espanhóis e portugueses em
uma região situada na fronteira entre Brasil e Paraguai. Interessados
em apropriarem-se daquele empreendimento, os colonos de
ambos os países conseguiram o apoio não só dos governos
espanhol e português, mas também da Igreja Católica,
chamada para arbitrar a disputa, o que resultou na
decisão do governo português de expulsar os
jesuítas da colônia em 1759.

A missão, filme
A missão, filme estrelado
estrelado por
por Robert
Robert de de Niro
Niro ee Jeremy
Jeremy Irons,
Irons, mostra
mostra oo contraste
contraste entre
entre os
os
interesses
interesses de de missionários
missionários jesuítas
jesuítas ee dos
dos colonos
colonos na
naocupação
ocupaçãodo dointerior
interiordodocontinente
continentesul-
sul-
americano.
americano. De De Niro
Niro representa
representa oopapel
papelde deum
umaprisionador
aprisionadorde deíndios,
índios,pago
pagopelos
pelosespanhóis,
espanhóis,
ee Jeremy
Jeremy Irons
Irons interpreta
interpreta um um padre
padre responsável
responsável pela
pela missão
missão jesuíta
jesuíta local.
local. Liam
Liam Neeson
Neeson éé
outro
outro integrante
integrante do do elenco.
elenco. Dirigido
Dirigido por
por Rolland
Rolland Toffé,
Toffé, oo filme
filme éé de
de 1986.
1986.
Anote
Anote aa ficha
ficha técnica,
técnica, procure
procure oo filme
filme em em alguma
alguma locadora
locadora perto
perto de
de você
você ee divirta-se!
divirta-se!
Filme:
Filme: A missão (The
A missão (The Mission)
Mission)
Inglaterra,
Inglaterra, 1986
1986
Direção:
Direção: Rolland
Rolland Joffé
Joffé
Roteiro:
Roteiro: Robert
Robert Bolt
Bolt
Duração:
Duração: 125125 min.
min.
Disponível
Disponível em em vídeo
vídeo ee DVD
DVD
Quer
Quer saber
saber mais
mais sobre
sobre os
os jesuítas
jesuítas ee aa ocupação
ocupação do do sul
sul do
do Brasil?
Brasil? Dê
Dê uma
uma olhada
olhada em em http:
http:
//www.riogrande.com.br/historia/couro/couro1.htm
//www.riogrande.com.br/historia/couro/couro1.htm ee em em http://www.riogrande.com.br/
http://www.riogrande.com.br/
historia/missoes.htm
historia/missoes.htm

CEDERJ 37
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

A RETAGUARDA DA EXPANSÃO AGRÍCOLA: O GRANDE


SERTÃO DA PECUÁRIA

Segundo o historiador Teixeira da Silva (1990, p. 58),

Os principais pontos de irradiação para o interior foram: de São


Vicente em direção aos campos de Curitiba; da Bahia, já desde
os tempos de Tomé de Souza, penetrando os currais no Piauí,
Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, corrigindo os
traços iniciais da ocupação portuguesa, por demais ligada ao litoral;
outros grupos se embrenharam pelos sertões do São Francisco até
atingir os Rios Tocantins e Araguaia; de Pernambuco, partiu-se para
a ocupação do agreste e sertão, até o Piauí.

Como você já viu, a ocupação do Nordeste, Sudeste e Centro-


Oeste ocorreu a partir do século XVII. O gado foi o instrumento principal
desta ocupação, principalmente por atender às necessidades das fazendas
produtoras de monocultura visando ao mercado externo. Inicialmente, era
utilizado somente como força motriz dos engenhos, instrumento de tração de
carretas que transportavam lenha e açúcar nas fazendas de cana-de-açúcar.
No âmbito do consumo interno, a carne era destinada à alimentação, e o
couro, à fabricação de selas, casacos, calçados, correias e cantis.
A partir do início do século XVII, a criação de gado torna-se
mais independente, ocupa terras cada vez mais para o interior, pois o
desenvolvimento dos rebanhos requeria grandes extensões de terras para as
pastagens. Tratava-se, assim, de uma atividade que respondia aos estímulos
de outra atividade mais dinâmica, principalmente da economia canavieira e
da mineira. Por ser uma atividade móvel pela própria natureza, a pecuária
contribuiu decisivamente para a ocupação do território.
Como na economia canavieira, a pecuária também era explorada de
forma extensiva, baseada na ocupação do território. Mas, diferentemente
da primeira, a maioria da mão-de-obra na pecuária era constituída por
trabalhadores livres que, sem acesso às terras mais férteis do litoral,
buscavam o trabalho como vaqueiros ou condutores de rebanho.
Entretanto, a expansão da cana-de-açúcar gerou conflitos entre
criadores de gado e proprietários de engenho na disputa de terras. De
acordo com Mendonça e Pires (2002):

isto se deve ao fato de que a plantação de cana era feita de


maneira extensiva, ou seja, não havia qualquer preocupação com
a preservação do solo, uma vez que o imenso território da colônia

38 CEDERJ
permitia que as culturas fossem transferidas de local. O conflito

2
acabou por empurrar a criação de gado cada vez mais para o

AULA
interior do Nordeste, e as fazendas fixaram-se na zona semi-árida
e no sertão, impróprios para o cultivo (p. 99).

O conflito entre criadores de gado e proprietários de engenho


cresceu quando surgiu a economia mineira, aumentando a demanda por
couro e animais para corte e tração e, portanto, intensificando a disputa
por terras. Com o aumento da procura, os preços dessas mercadorias logo
subiram, provocando protesto dos senhores de engenho do Nordeste.

Atividade 2
1
Modos de produção na colônia
Compare os tipos de atividades econômicas realizadas no Brasil do século XVII,
considerando o tamanho do terreno (latifúndio ou minifúndio), a mão-de-obra (escrava
ou livre) e o destino da produção (mercado interno ou externo).
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

Resposta
Na produção canavieira, voltada para o mercado externo, o sentido da atividade
econômica era produzir lucros mercantis, o que envolvia a necessidade de rebaixar
o máximo possível o custo de produção, daí a opção pelo trabalho escravo. Na
pecuária, voltada para o mercado interno, ao contrário, o sentido da atividade
era mais complementar ou alternativa à agroexportação, sendo muitas vezes
uma atividade de subsistência, em que não se justificava o “investimento” em
manutenção de escravos.

CEDERJ 39
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

O QUE MUDOU COM A MINERAÇÃO?


MTRATADO
ARQUÊS DE
DE
PMOMBAL
ETHUEN
(1699-1782) Entre meados do século XVII e início do século XVIII, a economia
Acordo comercial
assinadoprimeiro-
Célebre entre colonial enfrentou uma longa crise, da qual somente iria sair com a
Portugaldo
ministro e Inglaterra
rei descoberta de ouro no interior da colônia, onde hoje se localiza o Estado
em 1703 eD.
português revogado
José
I,em 1842. Articulado
Sebastião José de de Minas Gerais.
pelo diplomata
Carvalho e Melo, inglês
o
John Methuen,
marquês de Pombal, A crise da economia açucareira, a partir de meados do século
estabelecia
foi que
o mais notável
Portugal de passava
XVII, levou os colonos portugueses a intensificar a busca por metais
estadista seu
a importar
tempo. “parae
Planejou preciosos. As bandeiras que exploravam o sertão brasileiro finalmente
sempre” os
executou produtos
as obras
têxteis
de ingleses, com
reconstrução encontraram ouro e pedras preciosas nos atuais Estados de Minas Gerais,
taxas
de privilegiadas,
Lisboa, após
oenquanto
terremoto a Inglaterra
que
Bahia, Goiás e Mato Grosso, no final daquele século.
se comprometia
destruiu a cidade a Com a descoberta de ouro, iniciou-se um novo ciclo na economia
importar
em vinhosesse
1755. Após
portugueses
evento, taxando-
consolidou colonial, intensificando as relações entre metrópole e colônia. A mineração
os apenas
seu poder deem dois
terços dos tributos
governante absoluto do ouro tornou-se o centro das atenções de Portugal, de onde partiram
de importação
em detrimento da fluxos emigratórios importantes para a colônia. As demais atividades
pagos pelos
nobreza e dovinhos
clero.
franceses.
Um exemplo Alémclaro econômicas entraram em declínio, ocorrendo o empobrecimento e o
da ampliação
desse poder foi a
descontrolada
submissão da atéda despovoamento das regiões onde se localizavam.
cultura
então de vinhos
poderosa
em Portugal
A produção aurífera cresceu rapidamente, alimentando a
Ordem dos em
detrimento
Jesuítas dos
ao estado expectativa de grande durabilidade de suas reservas. Tais expectativas,
demais cultivos,
português. Pombal o
Tratado
fez de Methuen
importantes entretanto, não se concretizaram. O ouro era prospectado em rio, não era
provocouno
reformas a ruína
estado, da
incipiente
com indústria
destaque para
ouro de mina, havendo sempre a possibilidade de se encontrarem novas
otêxtil
grandedaquele
impulso país, reservas, sem que fosse possível prever seu volume. Após atingir o auge da
que passouà a não
concedido
ter condições
instrução de
popular produção na década de 1750, houve um rápido declínio, comprometendo
concorrer
com com do
a reforma a
produção
ensino, inglesa.por
instituída as possibilidades de desenvolvimento da economia colonial.
Aoem
lei mesmo
1722.tempo, Furtado (1971) afirma que a economia mineira permitiu que o
acentuou-se um
vultoso desequilíbrio TRATADO DE METHUEN, entre Inglaterra e Portugal, pudesse ser cumprido,
na balança comercial
portuguesa, já que proporcionou os recursos necessários a Portugal para enfrentar o
compensado pelo
ouro proveniente do
comércio deficitário com a Inglaterra, país que se valeu de condições especiais
Brasil (Minas Gerais) no comércio com os portugueses. Aquele acordo significou para Portugal a
que, transferido
para a Inglaterra, renúncia a todo desenvolvimento manufatureiro e implicou a transferência,
contribuiria para
formar os meios de para a Inglaterra, do impulso econômico gerado pela economia mineira
financiamento da do Brasil. Mas, graças a ele, Portugal conseguiu apoio militar e político da
revolução industrial
(SANDRONI, Inglaterra para manter o que restava do seu império colonial, em particular
Paulo – Novíssimo
Dicionário de a sua posição como metrópole da colônia brasileira.
Economia).
Muitas cidades surgiram devido ao dinamismo econômico da
mineração, como Vila Rica (atual Ouro Preto) e Diamantina, a primeira
considerada patrimônio da humanidade pela Organização das Nações
Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), responsável pela

40 CEDERJ
defesa do patrimônio histórico e cultural. Essas cidades fazem parte hoje

2
das chamadas cidades históricas, destino de grandes fluxos de visitação

AULA
turística, e ícone do Estado de Minas Gerais.

Figura 2.3: Na Casa dos Contos, em Ouro


Preto, funcionou, entre outras instituições,
a Casa da Moeda. O casarão, residência de
um rico coletor de impostos, foi também
casa de fundição e prisão de inconfidentes,
como Cláudio Manoel da Costa.

Atividade 3
2 3
500 anos de ocupação do Brasil

Observe o quadro a seguir. Ele contém informações do mais recente censo demográfico,
realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2000:

Distribuição da população segundo regiões e grau de urbanização

População total – 2000 Território (%)

Brasil 169.799.170 – 100% 8,5 milhões km2 – 100%

Norte 7,6% 45,3

Nordeste 28,1% 18,3

Centro-Oeste 6,9% 18,9

Sudeste 42,6% 10,9

Sul 14,8% 6,8

Fonte: IBGE. Censos Demográficos (2000)

Em sua opinião, por que as regiões Norte e Centro-Oeste são as menos povoadas, apesar
de constituírem quase 65% do território brasileiro? Você identifica alguma razão histórica
para este fato? Qual a diferença entre estas regiões e o Estado de Minas Gerais, também
localizado no interior?

CEDERJ 41
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Distantes do litoral, as duas regiões, historicamente, tiveram um acesso difícil. Em
uma época em que o transporte interno era baseado no uso da tração animal, foi
difícil povoar essas regiões, especialmente porque era a atividade agroexportadora
que dava o sentido da colonização e esta, como se sabe, localizava-se na costa.
No caso amazônico, outro fator importante foi a construção de fortificações como
o forte do Presépio para proteger a região de invasões estrangeiras, como você já
viu nesta aula. No caso específico de Minas Gerais, apesar de situada no interior,
a região foi ocupada depois da descoberta de ouro, em 1680.

A economia mineira estava situada longe da costa, no interior do


país, em regiões de difícil acesso. A necessidade da metrópole de controlar
a produção e a exportação do metal levou à mudança da capital colonial,
deslocando-se de Salvador para o Rio de Janeiro, cidade mais próxima da
região mineira. A mineração foi, portanto, responsável pelo deslocamento
do centro econômico colonial do Nordeste para o Centro-Sul.
A circulação da renda na economia mineira diferia em muito
daquela observada na economia açucareira, estudada na Aula 1.
A economia mineira estimulou o surgimento de cidades para o
abastecimento da população do interior, desenvolvendo melhores
condições para as atividades comerciais internas. Isso trouxe uma
mudança da organização social – até então baseada na vida rural –, que
passou a ter caráter urbano.
A economia mineira foi responsável também pela articulação de
distintas regiões econômicas, em função da necessidade de abastecimento
de sua população com animais e alimentos. Atraiu fornecedores do sertão
nordestino e do sul do país, viabilizando a expansão de atividades até então
exploradas de modo pouco eficiente. Pela primeira vez, o país começava a
ser percebido como uma nação, uma entidade com unidade política, fato
de grande relevância para a emancipação política da colônia.

42 CEDERJ
A riqueza do ouro suscitou o crescente controle sobre a exportação

2
do metal, mas coincidiu com o declínio da mineração. Após atingir o

AULA
auge na década de 1750, houve um rápido declínio na produção do
ouro, comprometendo as possibilidades de desenvolvimento da economia
colonial. Tal declínio não foi percebido, já que o ouro brasileiro era de
aluvião e não de mina, o que dificultava a estimativa de suas reservas.
Você vai conhecer as medidas econômicas tomadas por Portugal para
tentar sanar este problema na próxima aula.
Se você quiser mais informações sobre esse tema, pode consultar
sites como www.pesquisaescolar.com.br. Outra fonte importante é o
Dicionário do Brasil Colonial, organizado pelo historiador Ronaldo
Vainfas.

Quer saber mais sobre a mineração no Brasil? Visite o site: http://


paginas.terra.com.br/educacao/br_recursosminerais/1494_1803.html

Segundo Teixeira da Silva (1990), o impacto da mineração sobre


o conjunto da economia colonial teve muitas conseqüências. Entre elas,
destacam-se o aumento da faixa de ocupação do território brasileiro,
a integração das “ilhas” de povoamento no Nordeste e no Sudeste.
A mudança nas bases políticas e administrativas da colônia, em que
o Rio de Janeiro, capital colonial depois de 1763, ganhou destaque,
incentivando a vida urbana.

CONCLUSÃO

As atividades pecuárias e mineiras, assim como as missões


dos jesuítas, levaram à ocupação do interior do País, povoando-o e
promovendo uma dinâmica social, política e econômica que não se
esgotava com o fim de um ciclo expansivo. Esse povoamento teve por
protagonistas os trabalhadores livres, não-identificados com grandes
proprietários de terras nem com escravos, os dois principais agentes da
empresa colonial agrícola.
Essa ocupação dos “sertões” é muito valorizada na cultura
paulista, pela importância dos bandeirantes paulistas, os principais
agentes dessa ocupação entre os séculos XVI e XVIII.

CEDERJ 43
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

Mais recentemente, os “currais” de gado também vêm sendo mais


valorizados culturalmente, a exemplo do livro de Raquel de Queiroz,
Memorial de Maria Moura, transformado em minissérie pela TV Globo
em 1994.
Se você quiser ter mais informações sobre a economia colonial
agrícola brasileira, pode buscá-las em sites, entre os quais sugerimos o
do Centro de Pesquisas e Documentação da Fundação Getúlio Vargas
CPDOC/FGV: http://www.cpdoc.fgv.br/comum/htm/index.htm.

Atividade Final
Observe estes mapas. No primeiro, você pode ver as atividades econômicas realizadas no
Brasil durante a primeira fase da colonização. Veja, agora, o segundo mapa, referente
ao século XVIII. Que diferenças você pode notar entre eles, e a que você as atribui?
Lembre-se de considerar o tamanho do território brasileiro, a quantidade e o tipo de
atividades econômicas, bem como o local onde ocorrem. Registre a sua resposta e, se
puder, compare com as de seus colegas.

Natal

BRASIL
MERIDIANO DE TORDESILHAS

São Cristóvão

O
TI C
ÂN
TL
A
ANO
OCE

São Paulo

Cananéia Pau-brasil

Pecuária

Cana-de-açúcar

Entradas

44 CEDERJ
2
AULA
Macapá

Barcelos Óbidos Belém São Luís


Santarém Fortaleza
Borba

MERIDIANO DE TORDESILHAS
Natal
João Pessoa
Olinda O
TI C
ÂN
Recife
T L

A
NO
Vila Boa Salvador

A
Vila Bela

OCE
Cuiabá
Diamantina Porto Seguro
Cáceres
Ribeirão
do Carmo Sabará
Vitória
Vila Rica S. J.Del Rei
São Paulo
Sorocaba Rio de Janeiro
Santos
Curitiba Cana-de-açúcar

Pecuária
Laguna
Mineração

Drogas do Sertão

Resposta Comentada
Como bom observador que é, você deve ter notado, logo de início, que o território brasileiro
cresceu, indo além do Tratado de Tordesilhas. Por que isso aconteceu? Lembra-se dos
bandeirantes e dos jesuítas? A participação deles foi fundamental para o aumento de
população no interior e para a expansão das fronteiras do país (bandeiras e missões
jesuíticas, respectivamente). Veja como aumentou o número de cidades!
As atividades econômicas se diversificaram. Diminuiu a extração de pau-brasil, cresceu a
cultura de cana-de-açúcar. A pecuária expandiu-se em direção ao interior, principalmente
no Nordeste, devido aos engenhos. Outra diferença importante é o surgimento da
mineração. Você vai ver como o descobrimento de ouro no Brasil afetou até a vida
política do país. Mas isto é uma outra história... Não perca a Aula 3.

CEDERJ 45
Formação Econômica do Brasil | Atividades econômicas de subsistência e mineração auxiliam o
povoamento do interior

RESUMO

A economia colonial não se resume aos ciclos de monocultura para


exportação. A ocupação do interior da colônia foi resultado da pecuária
extensiva, do aprisionamento do índio, da implantação das missões
jesuíticas, e da atividade mineradora.
A articulação espacial dessas atividades gerou alterações significativas na
organização social e política do Brasil, favorecendo sua independência de
Portugal.

INFORMAÇÕES SOBRE A PRÓXIMA AULA

Na próxima aula, você irá completar o estudo sobre o Brasil colônia,


analisando a crise da economia colonial e identificando as causas da
sua insustentabilidade diante das mudanças na dinâmica do capitalismo
mundial.

46 CEDERJ
3

AULA
A crise da economia
colonial no Brasil
Meta da aula
Analisar os fatores externos e internos que
determinaram a ruptura das bases da eco-
nomia colonial agrícola, nos séculos XVIII e
XIX, bem como a independência do Brasil.
objetivos

Espera-se que, ao final desta aula, você seja capaz de:

Relacionar a crise da economia colonial no Brasil


1 à expansão das atividades produtivas e comerciais
na colônia.

Identificar as limitações do monopólio comercial


2
imposto pela metrópole.

Associar estas limitações aos movimentos de


3
revoltas internas e de independência na colônia.

Reconhecer as transformações políticas, sociais


4
e econômicas por que passava o mundo (como
as revoluções Industrial e Francesa).

Pré-requisitos
Para acompanhar melhor os conceitos trabalha-
dos nesta aula, você deve reler o verbete sobre
pacto colonial, na Aula 1, bem como as expli-
cações sobre a dinâmica colonial brasileira, na
Introdução da Aula 2.
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

INTRODUÇÃO Na aula passada, você estudou que, no período colonial, as atividades produtivas
e comerciais na economia brasileira não se esgotavam na empresa colonial
agrícola. A ocupação do Sul, do vale amazônico e o movimento de bandeiras
foram importantes para o desenvolvimento de atividades econômicas no interior
do país, assim como a pecuária e a mineração.
As colônias na América foram constituídas no momento de formação dos
estados nacionais europeus (absolutistas), em que predominavam as práticas
mercantilistas. Naquele período, os grandes mercadores (burgueses) e armado-
res associavam-se diretamente ao poder central desses Estados absolutistas.
Você viu também que a empresa colonial nasceu exatamente dessa associação,
em que os interesses da burguesia mercantil estavam absolutamente relacio-
nados aos da Coroa. Juntos, burgueses e monarcas buscavam novas fontes de
renda por meio de conquistas coloniais.
Conquistados os novos territórios, a classe burguesa mercantil, com o apoio da
Coroa, garantiu para si o monopólio comercial. Formava-se, assim, a base da
política mercantilista, bem como um sistema de comércio fundado no pacto
colonial (exclusivo comercial), garantindo à metrópole total intermediação nas
operações de comércio. Assim, os interesses metropolitanos convergiam estrei-
tamente com os da classe exportadora e importadora que atuava na colônia.
Como a produção e o mercado interno eram bastante reduzidos, o pacto
colonial impedia a concorrência e permitia os ganhos extraordinários da classe
burguesa e da metrópole.
Nesta aula, vamos analisar as conseqüências do aumento da produção e do
crescimento do mercado interno para essa estrutura de relações comerciais e
de poder político e econômico. Além disso, você irá perceber como o avanço
do capitalismo industrial e das idéias liberais na Europa serviu de anteparo para
a configuração da crise do sistema colonial.

O SENTIDO DA CRISE

A crise da economia colonial agrícola decorreu de dois aspectos


complementares, um de caráter interno, e outro, externo. O primeiro foi
a expansão dos mercados na colônia, resultado direto do aumento da
população e do incremento da produção. Surgiram, em conseqüência,
conflitos de interesses entre colonos e metrópole. Até então, os colonos
sentiam-se portugueses em terras brasileiras, tendo, em um mercado
pouco expressivo, privilégios garantidos pelo monopólio (exclusivo)

48 CEDERJ
comercial e suas restrições à concorrência externa. Com o aumento

3
REVOLUÇÃO
da produção e o crescimento do mercado interno – sobretudo após o INDUSTRIAL

AULA
início do ciclo do ouro –, os interesses particulares da colônia foram “Conjunto das trans-
formações tecnológicas,
aumentando de maneira significativa. O pacto colonial passou a ser, econômicas e sociais ocor-
então, um empecilho à expansão dos negócios e, portanto, ao potencial ridas na Europa e parti-
cularmente na Inglaterra
de ganhos dos colonos. nos séculos XVIII e XIX
e que resultaram na ins-
O segundo aspecto, referente ao plano externo, eram os efeitos da talação do sistema fabril
R E V O L U Ç Ã O I N D U S T R I A L cada vez mais visíveis na Europa. O processo e na difusão do modo de
produção capitalista. O
de acumulação de capital, naquele contexto, centrava-se fortemente processo foi impulsiona-
do, numa primeira fase,
na esfera de produção da indústria, com uma rápida incorporação de pelo aperfeiçoamento
de maquinas de fiação e
novas técnicas produtivas que ampliavam largamente seu horizonte
tecelagem e pela invenção
de crescimento. O aumento da produtividade na atividade industrial da máquina a vapor, da
locomotiva e de numero-
era absolutamente fantástico. Para que você tenha uma idéia, segundo sas máquinas – ferramen-
tas (...). Da conjunção
dados disponíveis na home page da Escola Técnica de Bergen, em desses fatores, resultou a
Nova Jérsei (Estados Unidos), de 1790 a 1830, mais de cem mil teares indústria capitalista meca-
nizada tal como a conhe-
movidos a eletricidade foram postos em funcionamento, na Inglaterra cemos. A aceleração do
processo produtivo teve
e na Escócia. início na Inglaterra, entre
Assim, a necessidade de busca e incorporação de novos mercados 1750 e 1830, a partir de
inovações tecnológicas
pelas unidades industriais em formação tornou-se um traço típico da na atividade têxtil (...).
Apesar dessas profundas
dinâmica capitalista. transformações econômi-
co-sociais, a Revolução
Industrial foi um processo
contraditório. Ao lado da
elevação da produtividade
e do desenvolvimento da
divisão social do trabalho,
manifestava-se a miséria
de milhares de trabalha-
dores desempregados e de
homens, mulheres e crian-
ças obrigados a trabalhar
até 16 horas por dia, pri-
vados de direitos políticos
Figura 3.1: Iniciada na e sociais. Essa situação
Inglaterra, a Revolução de classe operária levou à
Industrial expandiu-se formação dos primeiros
pela Europa. Nesta foto, sindicatos, à elaboração
você pode ver a fábrica do pensamento socialista
construída pelo engenheiro e à irrupção de inúmeros
Julius Bruch em 1873 na movimentos, levantes e
Alemanha (então Império revoltas de trabalhadores
Germânico). Esta fábrica que marcaram toda vida
foi uma das maiores européia ao longo do
produtoras de vigas de século XIX”
aço no país e, em 1994, (SANDRONI, 2004:
foi tombada pela Unesco 528/529).
como patrimônio cultural
da humanidade.

CEDERJ 49
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

“A Revolução
Industrial desenvolveu

!
também uma nova sociedade: a (...)
capitalista, baseada na divisão dos indi-
víduos em duas classes: os capitalistas, deten-
ILUMINISMO tores dos meios de produção, e os trabalhadores,
O Iluminismo repre- homens livres que vendem sua força de trabalho em
sentou um movimen- troca de um salário. O capitalismo, consolidado com a
to cultural originado Revolução Industrial, gerou muita riqueza e um enor-
no Renascimento, me progresso material, mas criou também uma massa
sobretudo a partir
do século XVII. Do
de trabalhadores pobres, no campo e na cidade. Os
ponto de vista eco- economistas liberais, defensores da sociedade capi-
nômico, seu princi- talista sustentavam a idéia de que o Estado não
pal foco era a defini- precisa interferir na economia, que deve ser
ção de uma política regulada apenas pelo mercado”
econômica mais livre
das restrições típicas
(FONSECA; PEDRO, 1995).
do mercantilismo,
idéia defendida forte-
mente pela burguesia
emergente. Um dos
nomes importantes É fácil entender, então, que o monopólio comercial e produtivo
para o desenvolvi-
mento desta corrente formalizado no pacto colonial era uma barreira para o capital industrial
é o de René Des-
cartes (1596-1650),
e para a produção em grande escala. Isto explica o grande interesse da
matemático francês Inglaterra pelos movimentos de independência das Américas hispânica
considerado o pai do
racionalismo. Além e portuguesa. Em termos práticos, essas duas barreiras representavam
dele, destacam-se
os franceses Vol- o antagonismo entre os interesses ainda existentes no mercantilismo
taire (1694-1770) português e os novos acontecimentos políticos, sociais e econômicos
e Montesquieu
(1698-1755), além associados à Revolução Industrial.
dos ingleses Isaac
Newton (1642-1727) Essas transformações também estavam representadas no campo
e John Locke (1632-
institucional e das idéias pela crescente contestação às instituições
1704), entre outros
importantes pensa- absolutistas e o avanço do I L U M I N I S M O . Naquele momento, o PEN-
dores.
SAMENTO LIBERAL se rebelou contra as instituições do antigo regime.

LIBERALISMO
“Doutrina que serviu de substrato ideológico às revoluções antiabsolutistas que ocorreram na Europa (Inglaterra e França,
basicamente) ao longo dos séculos XVII e XVIII, e à luta pela independência dos Estados Unidos. Correspondendo aos
anseios de poder da burguesia, que consolidava sua força econômica ante uma aristocracia em decadência, amparada no
absolutismo monárquico, o liberalismo defendia: 1) a mais ampla liberdade individual; 2) a democracia representativa com
separação e independência entre três poderes (executivo, legislativo e judiciário); 3) o direito inalienável à propriedade;
4) a livre iniciativa e a concorrência como princípios básicos capazes de harmonizar os interesses individuais e coletivos,
e gerar o progresso social. Segundo o princípio do laissez-faire, não há lugar para a ação econômica do Estado, que deve
apenas garantir a livre concorrência entre as empresas e o direito à propriedade privada, quando esta for ameaçada por
convulsões sociais. O pensamento econômico liberal constitui-se, a partir do século XVIII, no processo da Revolução
Industrial, com autores como François Quesnay, estruturando-se como doutrina definitiva nos trabalhos de John Stuart
Mill, Adam Smith, David Ricardo, Thomas Malthus, J.B. Say e F. Bastiat. Eles consideravam que a economia, tal como
a natureza física, é regida por leis universais e imutáveis, cabendo ao indivíduo apenas descobri-las para melhor atuar
segundo os mecanismos dessa ordem natural” (SANDRONI, 2004, p. 347).

50 CEDERJ
Vale citar, em particular, o novo ideário difundido a partir da Revolução

3
Francesa e os princípios de liberdade e igualdade – considerados, pela

AULA
metrópole, como “os abomináveis princípios franceses”!
Nesse caso, um elemento-chave foi a contestação do conceito do
rei como um enviado divino: a nova visão determinava que seu poder
lhe era legado pelos homens e não por Deus, idéia que se disseminou
rapidamente na colônia por intermédio dos estudantes brasileiros, filhos
de famílias ricas, que iam cursar a universidade na Europa.

Quer
Quer saber
saber mais
mais sobre
sobre oo Iluminismo
Iluminismo ee os os principais
principais nomes
nomes desta
desta
corrente
corrente ideológica? Veja os os sites http://www.saberhistoria.hpg.ig.
sites http://www.saberhistoria.hpg.ig.c
com.br/nova_pagina_31.htm
om.br/nova_pagina_31.htm eehttp://www.conhecimentosgerais.com
http://www.conhecimentosgerais.co
m.br/historia-geral/iluminismo.html.
.br/historia-geral/iluminismo.html. Neste Neste mesmo
mesmo site,
site, você
você pode
pode ler
ler textos
textos dosdos pensadores
pensadores iluministras.
iluministras.

Atividade 1
2
Pacto colonial x capital industrial

Leia as definições a seguir:

a. “Laissez-faire é uma expressão francesa laissez faire, laissez passer, que significa
“deixem fazer, deixem passar”, e se refere a uma filosofia econômica que surgiu
no século XVIII, que defendia a existência de mercado livre nas trocas comerciais
internacionais, ao contrário do forte protecionismo baseado em elevadas tarifas
alfandegárias (...). (...) esta teoria (...) teve em Adam Smith um dos seus principais
defensores (...). O ‘laissez faire’ tornou-se o chavão do liberalismo na versão mais pura
de capitalismo de que o mercado deve funcionar livremente, sem interferência. Esta
filosofia tornou-se dominante nos Estados Unidos e nos países ricos da Europa, durante
o fim do século XIX e no início do século XX” (WIKIPEDIA, 2005).

b. “A colonização portuguesa do Brasil, como outras colonizações européias na América


no mesmo período, tem caráter essencialmente mercantilista: ocupar a terra e produzir
riquezas para proporcionar renda ao Estado e lucros à burguesia. Isso é garantido pelo
monopólio comercial e pelo pacto colonial, que legitima o direito exclusivo de comprar
e vender na colônia por meio de seus comerciantes e de suas companhias.”

(http://geocities.yahoo.com.br/vinicrashbr/historia/brasil/colonizacaodobrasil.html)

A partir destas definições, responda:

De que forma o avanço do capital industrial,

CEDERJ 51
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

sobretudo inglês, poderia esbarrar no pacto colonial?

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
O processo produtivo industrial caracterizava-se por uma grande capacidade de
ampliação da oferta de produtos, considerando a recorrente incorporação de
progresso técnico na atividade. A necessidade de encontrar mercados para escoar
a produção poderia ser inviabilizada pelas restrições do pacto colonial.

52 CEDERJ
Atividade 2

3
AULA
4
Liberdade, liberdade

Observe este selo, lançado em comemoração aos 200 anos da Revolução Francesa. Nele,
você pode observar a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, promulgada
pela Assembléia Nacional em 1789. Aqui seguem alguns trechos deste documento que
foi um marco na história das sociedades ocidentais.

Em que partes do texto você pode identificar traços ideológicos do liberalismo?

I – O objetivo de toda associação política é a conservação dos direitos naturais e


imprescritíveis do homem; esses direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança
e a resistência à opressão.

III – O princípio de toda a soberania reside essencialmente na razão; nenhum corpo,


nenhum indivíduo pode exercer autoridade que dela não emane diretamente.

IV – A liberdade consiste em poder fazer tudo que não prejudique a outrem. Assim, o
exercício dos direitos naturais do homem não tem limites senão aqueles que asseguram
aos outros membros da sociedade o gozo desses mesmos direitos; seus limites não
podem ser determinados senão pela lei.

(...)

VI – A lei é a expressão da vontade geral; todos os cidadãos têm o direito de concorrer,


pessoalmente ou por seus representantes, à sua formação; ela deve ser a mesma para
todos, seja protegendo, seja punindo. Todos os cidadãos, sendo iguais a seus olhos, são
igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo sua
capacidade e sem outras distinções que as de suas virtudes e de seus talentos.

(...)

VIII – A lei não deve estabelecer senão penas estritamente necessárias, e ninguém
pode ser punido senão em virtude de uma lei estabelecida e promulgada ao
delito e legalmente aplicada.

CEDERJ 53
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

(...)

XI – A livre comunicação dos pensamentos e opiniões é um dos direitos mais preciosos


do homem; todo o cidadão pode, pois, falar, escrever e imprimir livremente; salvo a
responsabilidade do abuso dessa liberdade nos casos determinados pela lei.

(...)

XVII – A propriedade, sendo um direito inviolável, e sagrado, ninguém pode ser


dela privado senão quando a necessidade pública, legalmente constatada, o exija
evidentemente, e sob a condição de uma justa e prévia indenização.

Resposta Comentada
Os ideais de liberdade permeiam todo o texto da Declaração dos Direitos do
Homem e do Cidadão, porém estão mais evidentes em alguns trechos. No item
1, por exemplo, você deve ter selecionado: “esses direitos são a liberdade, a
propriedade, a segurança e a resistência à opressão”. As liberdades individuais
e sociais estão contidas nos itens IV, VI e XI. No artigo XVII, a defesa ao direito
de propriedade está claramente enunciada em “A propriedade, sendo um direito
inviolável, e sagrado (...)”.
De todo modo, cabe uma observação importante. Apesar do caráter supostamente
libertário e igualitário desse processo, o movimento de rebeldia interno à colônia
dificilmente (quase nunca, na verdade) associava as revoltas à desumanidade da
escravidão. Assumia puramente um caráter rural, em que a escravidão não era
contestada – ao contrário, representava a única forma de relação de produção
praticada.
A aplicação das idéias liberais no Brasil apresentava, desta forma, limites importantes.
Primeiro, um limite físico, determinado pela proibição de sua propagação através da
censura a vários livros e publicações. Segundo, pela restrição das relações sociais,
pois as idéias liberais, no Brasil, eram usadas apenas no sentido de contestação às
relações metrópole/colônia. Na Europa, essas idéias representavam um escopo
mais amplo de apoio aos interesses da burguesia industrial emergente. Essa
mudança, de fato, inexistia no Brasil.

54 CEDERJ
AS MUDANÇAS NA METRÓPOLE E SUAS CONSEQÜÊNCIAS

3
PARA O BRASIL

AULA
O final do século XVIII foi um período de acirramento das contra-
dições de interesses colônia/metrópole. Em Portugal, o absolutismo seguia
DESPOTISMO
firme, em particular durante o reinado de Dom José I – conhecido pelo ESCLARECIDO
“D E S P O T I S M O ESCLARECIDO” representado por seu primeiro-ministro, Forma de manutenção
das práticas absolutis-
o Marquês de Pombal, que cumpria um papel-chave na definição das tas sem a associação
diretrizes políticas e econômicas. No Brasil, o período foi marcado por do rei ao poder divino
– dá um tom de racio-
dificuldades econômicas graves, resultantes da queda das exportações. nalidade ao absolutis-
mo, incorporando as
A exceção, nesse contexto, foi o Maranhão, em virtude dos incentivos idéias iluministas da
do Marquês de Pombal ao criar uma companhia de comércio altamente razão. Em Portugal,
D. José I encarnou este
capitalizada para explorar e ampliar a produção e exportação de algodão, espírito e teve como
principal articulador o
produto em alta substantiva no mercado internacional. Marquês de Pombal,
primeiro-ministro
O acirramento das crises internas e nas colônias, todavia, obrigou responsável pelas
medidas e articulações
o ministro a demitir-se em 4 de março de 1777. Neste mesmo ano o rei políticas.
faleceu, e o trono passou a ser ocupado por Dona Maria (sua filha, mãe
de D. João VI e conhecida na História como “a louca”), iniciando a
V I R A D E I R A . Na verdade, esse conjunto de mudanças não trouxe trans- VIRADEIRA
formações importantes, pois de maneira geral a POLÍTICA POMBALINA Desmonte das políti-
cas pombalinas ini-
ainda prevalecia, graças à tentativa de preservar as estruturas do exclusivo
ciadas por D. Maria
comercial. A diferença fundamental foi a redefinição de alguns laços I em 1877, incluindo
uma intensa perse-
formais que substanciavam sua existência, realizando ações como: guição ao Marquês
de Pombal até sua
(a) acabar com as companhias de comércio, permitindo uma maior morte em 1782.

liberdade aos comerciantes;

(b) combate ao contrabando;


POLÍTICA
(c) permissão para o comércio intercolonial com a África e o Oriente; POMBALINA

Conjunto de medidas
(d) liberação do comércio e exploração do sal e da pesca da baleia, ter- visando ao fortaleci-
mento do poder real
minando o monopólio metropolitano nesse setor; em Portugal, como
a reforma do exér-
(e) proibição da manufatura têxtil no Brasil. cito e da burocracia
estatal. Tais medidas
Essas mudanças refletiam, em realidade, a crescente dependência subjugaram os inte-
resses da nobreza e
econômica, por parte de Portugal, da colônia brasileira (essa exploração reduziram fortemen-
te o poder do clero.
era condição básica para o desenvolvimento português) e, portanto, era
vantajoso, para a metrópole, fazer concessões. Refletiam, também, no
nível das relações internacionais, as condições impostas pela proteção

CEDERJ 55
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

inglesa. O caso da proibição das manufaturas é exemplar. A justificativa


dada por Portugal era de que a ênfase produtiva deveria estar na agri-
cultura, atividade principal da colônia. Uma diversificação em direção à
produção industrial necessitaria da transferência de recursos (principal-
mente mão-de-obra) da agricultura para a produção têxtil, reduzindo a
capacidade de expansão agrícola.
Havia, no entanto, a intenção de preservar a manufatura têxtil
da metrópole da concorrência colonial, objetivando criar uma espécie
de complementaridade entre a produção da colônia e da metrópole.
O impacto real da medida era praticamente nulo, pois quase não havia
produção têxtil no Brasil. A grande fonte de concorrência estava no
contrabando inglês.
Apesar da flexibilização das relações expostas, as bases do exclu-
sivo comercial estavam mantidas, e as reações no Brasil começavam a
ganhar um contorno mais decisivo. Exemplos históricos importantes
foram a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana (conhecida como
a Revolta dos Alfaiates), entre outros. Vamos ver estas duas revoltas
com mais detalhes?

Inconfidência mineira
Os inconfidentes queriam a independência do Brasil e instaurar a
República. Pretendiam incentivar as manufaturas, proibidas desde 1785,
e fundar uma universidade em Vila Rica, atual Ouro Preto. Integrado
por membros da elite intelectual e econômica da região – fazendeiros
e grandes comerciantes –, o movimento reflete as contradições desses
segmentos: sua bandeira traz o lema libertas quae sera tamem (Liberdade
ainda que tardia), mas não se propõe a abolir a escravidão.
Conspiradores: entre os conspiradores estão Inácio José de Alva-
renga Peixoto, ex-ouvidor de São João del Rey; Cláudio Manoel da Costa,
poeta e jurista; tenente-coronel Francisco Freire de Andrada; Tomás Antô-
nio Gonzaga, português, poeta, jurista e ouvidor de Vila Rica; José Álva-
res Maciel, estudante de Química em Coimbra que, junto com Joaquim
José Maia, procura o apoio do presidente americano Thomas Jefferson;
Francisco Antônio de Oliveira, José Lopes de Oliveira, Domingos Vidal
Barbosa, Salvador Amaral Gurgel, o cônego Luís Vieira da Silva; os
padres Manoel Rodrigues da Costa, José de Oliveira Rolim e Carlos
Toledo; e o alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.

56 CEDERJ
Derrama: o momento escolhido para a eclosão da revolta é o

3
da cobrança da derrama, imposto adotado por Portugal no período de

AULA
declínio da mineração do ouro. A Coroa fixa um teto mínimo de 100
arrobas para o valor do quinto. Se ele não é atingido, os mineradores
ficam em dívida com o fisco. Na época, essa dívida coletiva chega a 500
arrobas de ouro, ou 7.500 quilos. Na derrama, a população das minas
é obrigada a entregar seus bens para integralizar o valor da dívida.
Devassa: o movimento é denunciado pelos portugueses Joaquim
Silvério dos Reis, Brito Malheiros e Correia Pamplona, em 5 de março
de 1789. Devedores de grandes somas ao tesouro real, eles entregam os
parceiros em troca do perdão de suas dívidas. Em 10 de maio de 1789,
Tiradentes é preso. Instaura-se a devassa – processo para estabelecer
a culpa dos conspiradores –, que dura três anos. Em 18 de abril de
1792, são lavradas as sentenças: 11 são condenados à forca, os demais
à prisão perpétua em degredo na África e ao açoite em praça pública.
As sentenças dos sacerdotes envolvidos na conspiração permanecem
secretas. Cláudio Manoel da Costa morre em sua cela. Tiradentes tem
execução pública: enforcado no Rio de Janeiro em 21 de abril de 1792,
seu corpo é levado para Vila Rica, onde é esquartejado e os pedaços
expostos em vias públicas. Os demais conspiradores são degredados.

Quer saber mais sobre a Inconfidência Mineira? Acesse o


site http://educaterra.terra.com.br/almanaque/inconfidencia/
inconfidencia_1.htm

Conjuração baiana
De caráter social e popular, a conjuração baiana, ou revolta dos
alfaiates, como também é conhecida, explode em Salvador em 1798.
Inspira-se nas idéias da revolução francesa e da inconfidência mineira,
divulgadas na cidade pelos integrantes da loja maçônica Cavaleiros da
Luz, todos da elite local – Bento de Aragão, professor; Cipriano Bara-
ta, médico e jornalista; o padre Agostinho Gomes e o tenente Aguilar
Pantoja. O movimento é radical e dirigido por pessoas do povo, como
os alfaiates João de Deus e Manoel dos Santos Lira, os soldados Lucas
Dantas e Luís Gonzaga das Virgens. Propõe a independência, a igualdade
racial, o fim da escravidão e o livre comércio entre os povos.

CEDERJ 57
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

Em
Emhttp://www.multirio.rj.gov.br/historia/modulo02/conj_baiana.html,
http://www.multirio.rj.gov.br/historia/modulo02/conj_
você pode encontrar
baiana.html, você mais
podeinformações
encontrar sobre
mais ainformações
Conjuração Baiana.
sobre a

Atividade 3
Uns mais iguais do que outros? 3

Leia a definição a seguir:

Prevalece na literatura de formação econômica do Brasil a interpretação de que as


idéias de liberdade e igualdade serviriam exclusivamente para os brancos (!) da colônia,
cujos interesses vinham sendo contrapostos aos da metrópole. Como explicar esta
visão à luz dos argumentos expostos?

(WKIPEDIA, 2005)

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
O principal foco de descontentamento associava-se ao conflito de interesses de
elites provocado pelo pacto colonial. As restrições do pacto à atividade econômica
da metrópole impediam a ampliação dos negócios da elite colonial. Não havia,
portanto, uma proposta de mudança das relações sociais e econômicas em
curso no Brasil.

58 CEDERJ
O ACIRRAMENTO DOS CONFLITOS DE INTERESSES E O

3
PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA

AULA
Apesar das revoltas internas de cunho pseudoliberal, nada parecia
determinar o rompimento das antigas formas de relacionamento Brasil-
Portugal. As revoltas foram sufocadas na origem, implicando severas
punições aos rebeldes. Além disso, eram estritamente organizadas pelas
elites, com ignorância quase completa das camadas populares. O processo
de separação colônia/metrópole só viria a ser precipitado pela invasão
francesa a Portugal e a vinda da corte para o Brasil em 1808, na medida
em que determinou uma séria de mudanças institucionais de relevo para
que a colônia servisse de sede do governo no Rio de Janeiro, como a
abertura dos portos e a criação do Banco do Brasil. A situação portuguesa
de lucros extraordinários no comércio com a colônia foi então rompida,
especialmente após a formalização dos tratados com a Inglaterra.

A vinda da corte
portuguesa para o Brasil
A conjuntura européia no período

?
napoleônico teve reflexos significativos na história
portuguesa. Neste contexto, no início do século XIX,
observou-se uma importante deterioração das relações
diplomáticas entre França e Inglaterra, com quem Portugal
mantinha laços estreitos de aliança.
Em novembro de 1807, as tropas francesas invadiram o território
português, impondo uma transferência às pressas da corte portuguesa para
o Brasil, sua principal colônia, com apoio da esquadra britânica. Esse processo
determinou um aprofundamento ainda maior dos laços políticos e econômicos
de Portugal e Inglaterra.
As primeiras medidas tomadas com a chegada da corte ao Brasil foram:
(a) abertura dos portos (1808), já que Portugal estava ocupado e não poderia
exercer a função de entreposto comercial para as mercadorias brasileiras,
condição definida no pacto colonial;
(b) fomento à agricultura e fundação do Horto Real (Jardim Botânico) no Rio
de Janeiro;
(c) incentivo ao desenvolvimento das manufaturas, concedendo isenção
de impostos a matérias-primas importadas;
(d) permissão de acesso de estrangeiros às sesmarias, com
o objetivo de garantir fronteiras com a expansão do
povoamento;
(e) criação do Banco do Brasil, com objetivo
primordial de financiar os gastos
da Coroa.

CEDERJ 59
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

No campo externo, dois aspectos sobressaíam. O primeiro era


uma política direcionada a contrariar os interesses napoleônicos na Amé-
rica do Sul, caracterizando uma estratégia expansionista na invasão da
Guiana Francesa, em 1809. Outro aspecto foi que, com o objetivo de
tornar-se regente do império espanhol na América, no período de ocu-
pação da Espanha pelas tropas francesas, D. João VI envia navios para
sitiar e ocupar a Banda Oriental (Uruguai). Esse processo culminou com
a anexação da Banda Oriental, em 1821, como Província Cisplatina,
após o período de desagregação do Vice-Reinado do Prata, que seguiu
a independência da Argentina em 1816.

Dirigido por Carla Camuratti, o filme Carlota Joaquina, princesa do


Brasil traça, de maneira cômica, um perfil da história do país no
período da permanência da Família Real portuguesa, com base na
história desta imperatriz, esposa de D. João VI.
Carlota Joaquina e D. João viveram 13 anos no Brasil, deixando,
como legados, a fundação do Banco do Brasil, a criação da Biblioteca
Nacional, da Escola de Medicina e do Jardim Botânico.
Da próxima vez que você for à locadora, que tal alugar esse filme?

Direção: Carla Camuratti


Ano: 1995
Duração: 101 minutos

Os tratados com
a Inglaterra

?
O aumento da dependência de Portugal em relação
à Inglaterra, decorrente da invasão napoleônica de 1807,
trouxe conseqüências relevantes para o Brasil. No intuito de
garantir vantagens sobre outros países nas relações econômicas a partir
do Brasil, a Inglaterra impôs a assinatura de tratados que lhe afiançaram
uma posição extremamente favorável nas relações econômicas – em troca
de proteção e apoio na estratégia expansionista de D. João VI nas colônias
ultramarinas. Para a Inglaterra, essa era uma questão fundamental, pois o
Bloqueio Continental (fechamento dos portos europeus para a Inglaterra) lhe
impunha a necessidade de buscar novos mercados. Para Portugal, apesar de
saber das desvantagens para os comerciantes portugueses, os interesses no
aprofundamento da aliança pesaram mais. Os principais tratados foram:
1) Tratado de Aliança e Amizade: definia as condições de defesa
mútua e apoio ao ataque português à Guiana Francesa. Em
contrapartida, acordou-se o comprometimento de
Portugal com a redução do tráfico de escravos,
circunscrito à região abaixo da linha
do equador.

60 CEDERJ
3
?
2) Tratado de Comércio

AULA
e Navegação: definia vantagens
tarifárias para a Inglaterra, até mesmo sobre
Portugal, no comércio com o Brasil. A tarifa alfandegária
aplicada sobre os produtos ingleses seria de 15%, contra 16% para
os portugueses e 24% para os demais países. Além disso, os cidadãos de
origem inglesa no Brasil obtiveram o privilégio da extraterritorialidade, de
maneira que os atos cometidos por ingleses no país seriam julgados por juízes
da Inglaterra. No que se refere à questão religiosa, os cultos protestantes
foram liberados no Brasil. Finalmente, este tratado deu liberdade aos ingleses
para criar casas de comércio e negociar livremente tanto os produtos
brasileiros no exterior, quanto as vendas de importados para o Brasil.
Como será visto nas próximas aulas, este foi um fator-chave para
o processo de acumulação de capital na cultura cafeeira,
principal produto de exportação do Brasil a partir
do início do século XIX.

Do ponto de vista dos colonos brasileiros, a liberalização da econo-


mia e a dinamização do comércio (resultado da vinda da Corte e da aber-
tura dos portos) modificaram fundamentalmente o cenário. A manutenção
estrutural do pacto colonial funcionava como um entrave à expansão da
economia doméstica, e os grandes agricultores – classe dominante – enxer-
gavam Portugal como um entreposto desnecessário e caro.
O descontentamento aumentava internamente, e as medidas asso-
ciadas ao pacto colonial eram cada vez mais repelidas, como a proibição
do comércio entre as províncias, o monopólio de portugueses nos cargos
públicos e, sobretudo, os impostos abusivos cobrados pela Coroa. Estes ele-
mentos conjugavam-se na intensificação do processo de independência.

Atividade 4
1 2
Repensando a abertura dos portos

Diante do quadro vivenciado pela colônia no início do século XIX, é possível afirmar
que a abertura dos portos representou a efetivação da independência econômica do
Brasil em relação a Portugal?

__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

CEDERJ 61
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Sim, pois o fim do exclusivo comercial intensificou as relações de comércio entre
o Brasil e a Inglaterra, redundando nos tratados de 1810, em que a Inglaterra
garantia vantagens absolutas sobre o resto do mundo, inclusive Portugal.

É importante que você entenda, entretanto, que o processo de


independência não era marcado por um forte sentimento nacionalista,
notadamente do ponto de vista econômico, uma vez que a economia era
claramente voltada para o exterior, com um mercado interno extrema-
mente restrito e um sistema econômico doméstico desintegrado (o Brasil
era formado por ilhas de produção cujo elo básico de ligação eram os
HINTERLANDS HINTERLANDS pecuários). Dessa forma, os movimentos de revolta sempre
Regiões mais afasta- foram localizados regionalmente, sem qualquer unidade nacional – pre-
das da costa.
valecia, portanto, uma espécie de “antiportuguesismo” caricaturado na
figura dos “branquinhos do reino”.

62 CEDERJ
Atividade 5

3
AULA
3 4
Características do processo de independência

Apesar do crescente descontentamento interno na colônia, ocasionando até o surgi-


mento de revoltas internas, o processo de independência sofreu importante influência
externa. Como explicar essa característica?

__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

Resposta comentada
Os acontecimentos históricos na Europa, em especial o Bloqueio Continental, deter-
minando a vinda da corte para o Brasil, além dos interesses econômicos da Ingla-
terra, tiveram um peso relevante e precipitaram o processo de independência do
Brasil. Assim, o exclusivo colonial perdia totalmente o sentido de permanência.

Figura 3.2: O Grito do Ipiranga, de Pedro Américo (1888).

A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

Em 7 de setembro de 1822, D. Pedro I proclamou a independência do


Brasil em relação a Portugal, tornando-se nosso primeiro imperador. Estava
conquistada, então, a autonomia política, mas não a econômica: Portugal
exigiu 2 milhões de libras para reconhecer a independência do Brasil. Como o
recém-formado império não dispunha de capital suficiente, D. Pedro decidiu
pedir um empréstimo à Inglaterra.

Em relação aos demais países, México e Estados Unidos foram os pri-


meiros países a reconhecer nossa independência. Transformavam-se também
as relações comerciais, com maior autonomia para o Brasil.

CEDERJ 63
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

No plano interno, porém, a independência não provocou grandes


mudanças. A estrutura agrária permaneceu inalterada, com base na escravi-
dão, na monocultura e no latifúndio, e a distribuição de renda continuava
desigual, beneficiando, principalmente, a elite agrária. O povo permaneceu
à margem deste processo. E em nossos dias, será diferente?

A História a ser
aprendida
Por Alexandre Barbosa*

!
É preciso ficar claro que, mais que a roupa usada por
D. Pedro ou a circunstância em que aconteceu a proclama-
ção, o importante é a ausência do povo deste processo históri-
co. A independência do Brasil, ao contrário de outras nações, foi
um pacto de elite: o poder passou da Coroa Portuguesa para a aris-
tocracia criada por ela no Brasil. Não houve uma guerra de indepen-
dência. O processo não se rompeu. A escravidão não acabou, o Brasil
continuou dependente de Londres e tecnologicamente atrasado. A
historiografia não deve apenas criticar o quadro de Pedro Américo
como um embuste, mas deve apontar o processo de independên-
cia formal política de Portugal passando para dependência do
capital inglês, e também evidenciar que a Proclamação da
República, a queda de Vargas, o fim da Ditadura, tudo
não passou de pactos de elite.
(BARBOSA, 2005)

CONCLUSÃO

A crise do sistema colonial brasileiro resultou do conflito de


interesses entre a metrópole e a classe produtiva e comercial atuante na
colônia. O crescimento das relações de produção e comércio no interior
da economia brasileira, especialmente a partir do avanço da explora-
ção do ouro, determinou uma maior preocupação da metrópole com o
controle das atividades econômicas da colônia e a tentativa de preservar
seus ganhos extraordinários. Dessa forma, a interferência da metrópole
nas atividades internas desenvolvidas na colônia foi o estopim da crise.
A vinda da corte portuguesa para o Brasil – e a formalização dos tra-
tados com a Inglaterra – precipitou o fim das bases do pacto colonial,
na medida em que as elites coloniais perceberam que poderiam obter
maiores vantagens com a bandeira do livre comércio.

64 CEDERJ
Atividades Finais

3
AULA
1. “A economia mineira foi a mais propícia à formação de um mercado interno (...) De
fato, longe da costa, em alguns casos, compensava à atividade local suprir necessidades
antes satisfeitas pela importação” (LACERDA et al., 2001, p. 24).

“A queda do ‘exclusivo metropolitano’ e, em seguida, a formação do Estado Nacional


criaram a possibilidade de que se nacionalizasse a apropriação do excedente e de que se
internalizassem as decisões de investir” (MELLO, 1982, p. 58).

Relacione estas citações à crise nas bases do antigo sistema colonial.

______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
A criação de um mercado interno mais significativo e, portanto, da formação de uma
elite econômica cujos interesses estavam mais focados na colônia, minou as bases
fundamentais do pacto colonial; as decisões de investir passaram a estar mais
focadas nos interesses internos da colônia.

CEDERJ 65
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

2. Imagine que você é o editor do jornal Trem da História, que relata os principais
acontecimentos dos períodos estudados no seu curso de Administração. Neste primeiro
número, você tem uma tarefa muito importante: organizar a primeira página do jornal.
O título principal é: As causas da independência do Brasil.

Você deve organizar as matérias de maneira que as mais importantes fiquem na parte
superior do jornal. Os temas que estiverem relacionados podem ficar próximos, para
facilitar a compreensão do leitor. Mãos à obra!

Trem da História – uma publicação do curso de Administração do Cederj

Notícia 1 Notícia 2

Notícia 3 Notícia 4

Notícia 5 Notícia 6

66 CEDERJ
3
Triunfo do povo em Paris

AULA
No dia 14 de julho de 1789, em Paris, os cidadãos franceses rebelaram-se contra o rei
Luís XVI. Os manifestantes tomaram a prisão política da Bastilha, símbolo da monarquia
francesa, reivindicando “liberdade, igualdade e fraternidade”. A família real foi capturada
enquanto tentava escapar do país, sofrendo julgamento público.
Outros baluartes da monarquia estão sendo perseguidos. Muitos nobres preparam sua
fuga para a Inglaterra ou outros países em que a monarquia subsiste.
Em agosto, a Assembléia Nacional promulgará a Declaração dos Direitos do Homem e do
Cidadão, contendo as orientações do novo governo.

Revolução Industrial: máquinas fazem o trabalho do homem

Utilização de máquinas na indústria. Produção em maior quantidade, a menores preços.


Iniciada na Inglaterra a partir do século XVIII, esta mudança nos meios de produção
– denominada, a partir deste momento, Revolução Industrial – provocou a migração
dos camponeses para as cidades. Estes trabalhadores, sem moradia e sem meios para
sustentar-se, vão engrossar as fileiras de desempregados nas fábricas. Crescimento
populacional desenfreado, êxodo rural e desemprego são as conseqüências deste
processo para a população.

Brasil luta por independência

Os gritos de liberdade e igualdade ouvidos na França começaram a ecoar no Brasil. Em


Minas Gerais, o movimento que defendeu a independência do Brasil em relação a Portugal
foi denominado Conjuração ou Inconfidência Mineira. Os participantes, pertencentes à
classe que tinha acesso à cultura e às idéias do Iluminismo, foram presos, condenados ao
exílio perpétuo e o líder, o alferes Joaquim José da Silva Xavier, esquartejado.
Já na Bahia, a Conjuração Baiana ou Revolta dos Alfaiates, também inspirada pelos ideais
franceses, contou a participação popular. Este movimento defendia a liberdade para os
escravos e a República, outro diferencial em relação à Inconfidência Mineira.
Igualmente sufocada pela Coroa, a Conjuração Baiana também teve seus mártires: quatro
participantes foram enforcados.

Chegada da Família Real ao Brasil e abertura dos portos

Em 7 de março de 1808, chega, ao Rio de Janeiro, a corte portuguesa. Ameaçados por


Napoleão, que intencionava invadir Portugal, a família real e os principais integrantes da
corte vieram ao Brasil para ficar. Uma das primeiras medidas tomadas foi a abertura dos
portos brasileiros às nações amigas – principalmente a Inglaterra, com quem Portugal
mantém acordos comerciais. O Rio de Janeiro torna-se, então, o centro das
decisões econômicas e políticas da colônia.

CEDERJ 67
Formação Econômica do Brasil | A crise da economia colonial no Brasil

Produção interna aumenta e mercado cresce na colônia

Temos a alegria de dar, por meio desta publicação, notícias muito alvissareiras. As atividades
de subsistência crescem e se diversificam na Terra de Santa Cruz. Pecuária, cotonicultura,
entre outras, ajudaram a interiorização do país. Com a ocupação do interior da colônia,
aumentam a produção e o mercado interno.

Independência dos Estados Unidos

As colônias inglesas na América do Norte proclamam sua independência. Em 4 de julho de


1776, reunidos no Congresso, representantes dos 13 estados assinaram uma declaração,
afirmando que “que estas colônias unidas são e de direito têm de ser Estados livres
e independentes, que estão desoneradas de qualquer vassalagem para com a Coroa
Britânica, e que todo vínculo político entre elas e a Grã-Bretanha está e deve ficar
totalmente dissolvido”.

Com a independência dos agora denominados Estados Unidos da América, estão abalados
os alicerces do sistema colonial no continente.

Resposta Comentada
Como bom editor, você deve ter colocado lado a lado, fatores internos e externos. No
alto da sua primeira página, logo após o título, a revolução francesa pode ser uma boa
matéria, principalmente se colocada ao lado das revoltas internas na colônia. Afinal, a partir
dela surgiram os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade defendidos nas revoltas e
que, mais tarde, seriam os alicerces para justificar a independência. A independência dos
Estados Unidos e a chegada da família real ao Rio de Janeiro podem ficar logo abaixo,
já que foram importantes, respectivamente, para provar que libertar-se da metrópole
era possível, e para fazer crescer o desejo por autonomia comercial da colônia. Esta é a
base do conflito entre as elites locais – os portugueses que moravam no Brasil – e as da
metrópole, que buscavam o máximo de lucro para si.
A revolução industrial pode vir para “fechar” a página, já que teve como conseqüências,
entre outras, o aumento da produção e o desenvolvimento do capitalismo industrial,
origens do liberalismo econômico.
Com todos estes elementos, estava configurada a crise no sistema colonial e,
posteriormente, a independência política do Brasil em relação a Portugal.

68 CEDERJ
3
RESUMO

AULA
O crescimento da atividade econômica no interior da colônia brasileira
determinou o surgimento de um intenso conflito entre as elites locais e
a metrópole. O foco central deste embate era o pacto colonial. O esforço
de manutenção das bases do pacto através da política pombalina piorou
significativamente o quadro. A vinda da corte portuguesa e a maior dependência
da tutela inglesa causaram o rompimento definitivo do pacto colonial, situação
formalizada com a assinatura dos tratados com a Inglaterra.

CEDERJ 69
4

AULA
Economia cafeeira escravista
Meta da aula
Analisar as origens da economia cafeeira,
sua importância para a recuperação
econômica brasileira na primeira metade do
século XIX, bem como os limites do uso da
mão-de-obra escrava na produção.
objetivos

Ao final desta aula, você deverá ser capaz de:

1
Reconhecer o papel fundamental do café na
recuperação da economia brasileira no início
do século XIX.

2 Conceituar bases iniciais de produção ao longo


do século XIX.
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

INTRODUÇÃO O século XIX marcou um importante processo de estagnação da economia


brasileira, particularmente no período que se seguiu ao processo de
independência do país. No campo externo, crescia o déficit comercial

GUERRAS – resultante, sobretudo, de dois fatores. Primeiro, a extensão de vantagens


CISPLATINAS comerciais dadas a outros países além da Inglaterra – como vimos na aula
“A Banda Oriental, passada, esse país teve grandes privilégios com os tratados comerciais firmados
disputada por
brasileiros e a partir da abertura dos portos. Segundo, as culturas da cana-de-açúcar e do
castelhanos, é
incorporada ao
algodão, principais fontes de recursos externos (moeda estrangeira), sofriam
Império em 1821 crescente concorrência no mercado internacional.
como Província
Cisplatina. Em 1825, No caso da cana, o aumento da produção de açúcar, na Europa, a partir da
líderes separatistas
locais, comandados beterraba, e a pesada entrada no mercado de países como Cuba aumentaram
por Fructuoso sobremaneira a oferta internacional. Como conseqüências, temos a queda
Rivera, proclamam
a independência do preço no mercado externo e a redução da receita de exportação brasileira
da região. O Brasil
declara guerra à (reveja, na Aula 1, a crise da cultura da cana-de-açúcar).
Argentina, que
A cultura do algodão passou por problemas semelhantes. Apesar do quadro
também reivindica a
posse da Província, favorável para a produção no Brasil nos últimos 25 anos do século XVIII – em
em 10 de outubro de
1825. É derrotado especial no Maranhão –, o panorama mudou radicalmente no início do século
na batalha de Passo
do Rosário em 20/2/
seguinte. O fim da guerra pela independência nos Estados Unidos (1776)
1827. A diplomacia propiciou um grande aumento da produção de algodão em regiões da Flórida,
britânica intervém
e os dois países o que também fez despencar os preços internacionais e reduzir drasticamente
desistem da região.
Um tratado de paz a receita de exportação brasileira do produto.
cria a República No plano interno, agravava-se rapidamente o déficit público. Isso ocorreu em
Independente do
Uruguai, em 27 de função do aumento das despesas militares. Os conflitos regionais multiplicaram-
agosto de 1828.” –
In: http://www.conhe se, e houve também disputas territoriais, como as GUERRAS CISPLATINAS. Além disso,
cimentosgerais.com.
como você viu na aula passada, o Brasil se viu obrigado a pagar uma indenização
br/historia-do-brasil/
unidade-nacional-e- a Portugal para ter sua independência reconhecida.
resistencia.html
Durante esse período, houve uma queda importante das receitas alfandegárias,
resultado direto da adoção de medidas direcionadas à prática do LIVRE

LIVRE CAMBISMO CAMBISMO, que estendeu a outros países as vantagens comerciais concedidas
Conjunto de medidas à Inglaterra quando da assinatura dos tratados comerciais – que você viu com
direcionadas
para a liberação mais detalhes na Aula 3.
do comércio
internacional – a
redução das tarifas
alfandegárias,
por exemplo.

72 CEDERJ
4
Você já ouviu falar na cidade de Colônia do Sacramento? Situada à margem direita do Rio da
Prata, em frente a Buenos Aires, foi fundada por portugueses e ingleses em 1680 por ordem de D.

AULA
Pedro I. Os objetivos do monarca eram estender seus domínios até o estuário do Prata e continuar
captando a prata peruana. A cidade, inicialmente domínio português, acabou ficando em poder
dos espanhóis a partir de 1750. Em http://www.seol.com.br/mneme/ed12/119.pdf, você pode obter
mais informações sobre a importância estratégica de Colônia do Sacramento.

Nesse cenário de estagnação e dificuldades de crédito, o único fator abundante


na economia brasileira era a terra. Era essencial encontrar um produto exportável
que aproveitasse essa vantagem, pois o capital disponível era praticamente
inexistente, e a mão-de-obra estava entrando em um claro processo de escassez,
já que a queda de receita das principais culturas reduzia a capacidade de
aquisição de escravos.

O INÍCIO DA CAFEICULTURA PARA EXPORTAÇÃO NO


BRASIL

Cultivado no Brasil desde o início do século XVIII, o café era, até


então, um produto direcionado à subsistência e com difusão bastante
limitada no país. Apenas no século XIX passou a ser incentivada
sua produção para o mercado externo. Alguns fatores contribuíram
decisivamente para isto.
Pelo lado da demanda, o crescimento dos mercados europeu e
norte-americano, em função do avanço da indústria e da urbanização, foi
fundamental. Ao mesmo tempo, do lado da oferta, o colapso da produção
haitiana (colônia francesa em processo de independência) determinou um
importante aumento dos preços internacionais, estimulando a entrada
do Brasil nesse mercado.
Contava ainda, a favor do produto, uma característica crucial para o
momento: a baixa capitalização requerida para o processo produtivo, bem
mais reduzida que na economia açucareira – o maquinário utilizado para a
produção de açúcar tinha um custo bem superior. Concorriam para isso a
utilização extensiva da terra, com técnicas rudimentares e de fácil acesso, e
as menores necessidades de reposição de maquinário, pois os equipamentos
eram bem simples e, em grande parte, de fabricação local.

CEDERJ 73
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

Como resultado, na década de 1830 o café já era o principal


produto de exportação do Brasil, superando as receitas das culturas
tradicionais de açúcar e algodão. Vamos ver isto com mais detalhes?

Atividade 1
As contas do café 1

Observe, na Tabela 4.1, o crescimento da participação relativa do café ao longo do


século XIX. De 1821 a 1840, por exemplo, a porcentagem aumentou de 18,4% a 43,4%.
Impressionante, não acha?

Tabela 4.1: participação relativa dos principais produtos de exportação no Brasil (%)

Produtos 1821/30 1831/40 1841/50 1851/60 1861/70 1871/80 1881/90


Café 18,4 43,4 41,4 48,8 45,5 56,6 61,5
Açúcar 30,1 24 26,7 21,2 12,3 11,8 9,9
Algodão 20,6 10,8 7,5 6,2 18,3 9,5 4,2
Fumo 2,5 1,9 1,8 2,6 3 3,4 2,7
Cacau 0,5 0,6 1 1 0,9 1,2 1,6
Total 72,1 81,1 78,4 79,8 80 82,5 79,9

Fonte: CANABRAVA (1997)

Repare, agora, nas taxas relacionadas ao açúcar e ao algodão, vistos nas aulas anteriores,
e compare-as ao que aconteceu com o café. O que você pode verificar? Lembre-se de
incluir, nas suas observações, o contexto histórico do século XIX.
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Em apenas 70 anos (de 1821 a 1890), o café passou a representar 61,5% das
exportações brasileiras – uma participação de peso, você não acha? Enquanto
a cultura cafeeira não parava de crescer, as do algodão e da cana-de-açúcar
atravessavam uma grande crise, causada pela redução dos preços de revenda
no mercado internacional. Você consegue perceber a dupla importância do
café nesse contexto?

74 CEDERJ
O início da produção de café para exportação no Brasil se deu

4
no Vale do Paraíba. Tratava-se de uma região de condições climáticas

AULA
propícias para o cultivo desse produto, com terras abundantes para o
plantio (você vai ver este assunto com mais detalhes na Aula 7, fique
atento!). Ao mesmo tempo, havia recursos ociosos da área da mineração
(em franca decadência em Minas Gerais), tanto de capitais como de
mão-de-obra escrava.
É importante ressaltar que o Vale do Paraíba já vinha sendo
ocupado, por ser caminho natural da área de mineração para o Rio
de Janeiro, que era a capital e principal porto de escoamento das
exportações.
Desta forma, havia um claro interesse na ocupação e plantio
dessa área para abastecer a capital, principalmente após a vinda da
corte portuguesa para o país em 1808. Veja, na Figura 4.1, a região do
Vale do Paraíba e a proximidade entre o Rio de Janeiro, Minas Gerais
e São Paulo. Na próxima aula, você verá a importância dessa trajetória
natural de expansão da cultura de café.
Além disso, havia uma razão favorável para esta localização,
em função da ausência de meios de transporte capazes de garantir o
escoamento da produção a ser exportada a partir do porto do Rio de
Janeiro. O café era então transportado por mulas, disponíveis em grande
quantidade e bastante resistentes para a atividade.

Figura 4.1: O Vale do Paraíba. Observando este mapa, é possível constatar que a
proximidade de Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo é notável.

CEDERJ 75
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

O sistema de ocupação, como em geral ocorria à época, foi


realizado por meio do sistema de SESMARIAS: as terras eram distribuídas
e entregues aos fazendeiros de acordo com o número de escravos
possuídos por eles. Este é um ponto importante; você pode perceber
nele um dos determinantes do processo de concentração fundiária
no Brasil.

SESMARIAS
“Grandes extensões de terras devolutas pertencentes à Coroa portuguesa e que
eram doadas pelo monarca, ficando os beneficiados na obrigação de cultivá-las
num prazo de três anos, sob pena de revogação da doação, e de pagar a sesma
(daí o nome de sesmarias) ou um sexto do que nela viessem a produzir para a
Coroa. A instituição das sesmarias deveu-se a uma lei promulgada em 1375 por
D. Fernando I de Portugal e serviu para beneficiar a burguesia comercial nascente
que não possuía terras. Inicialmente, o beneficiário se obrigava de uma sexta parte
dos lucros obtidos nas terras das sesmaria. A instituição foi transferida para o
Brasil, onde assumiu forma mais abrangente com o estabelecimento da Capitanias
Hereditárias: as doações de sesmarias eram feitas aos colonos pelos donatários e
pelos governadores – gerais. O sistema, só extinto em julho de 1822, deu origem à
grande propriedade rural (latifúndio) no Brasil, beneficiando apenas uma pequena
parte dos habitantes da Colônia, e contribuiu para a concentração da propriedade
fundiária no Brasil” (SANDRONI, 2004, p. 555).

Neste caso, quando a produção de café começou a ganhar peso


e importância, elevando substancialmente a capacidade de geração
de renda e lucros no setor, os grandes fazendeiros expulsaram os
pequenos proprietários – sobretudo por meio da falsificação dos
registros. Isso obrigava os minifundiários a migrar para as cidades
ou a partir para regiões periféricas, formando cordões agregados aos
grandes latifúndios.

A história do café no Brasil está estreitamente ligada


a Francisco de Mello Palheta, oficial que trouxe clandes-
tinamente, da Guiana Francesa para o Brasil, a primeira
muda da planta em 1727.
Quer saber mais? Consulte http://www.abic.com.br/scafe_
historia.html. Veja, também, http://enetovix.tripod.com/
cafe-final.pdf

76 CEDERJ
Atividade 2

4
AULA
Café e ouro: atividades interdependentes? 2

Em sua opinião, a expansão da atividade cafeeira no Brasil e o processo de decadência


econômico-financeira da mineração estão relacionados? Justifique sua resposta.
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Apesar da elevação dos preços internacionais do café e da abundância de
terras no Vale do Paraíba, a produção de café na região não seria viável sem
os recursos ociosos da decadente atividade mineradora, com destaque para
a oferta de mão-de-obra escrava e de capitais. Afinal, o ouro encontrado no
país parecia estar se esgotando rapidamente, e toda a infra-estrutura montada
para encontrá-lo, purificá-lo e vendê-lo estava disponível.

BASES E CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO DE CAFÉ

A produção de café no Vale do Paraíba seguiu as mesmas


características básicas das demais culturas para exportação anteriormente
assentadas no Brasil. O café era cultivado em latifúndios monocultores
de base escravista, utilizando-se técnicas absolutamente precárias para a
plantação, o que destacava a forma extensiva do processo produtivo.
Tradicionalmente, o “preparo” da terra para o plantio baseava-
se na derrubada e queimada da Mata Atlântica que cobria a região,
utilizando o método vertical de plantação nas encostas, quando o
recomendado para solos montanhosos seria a plantação das mudas
em platôs ao longo da encosta. Não havia, entretanto, qualquer
cuidado adicional com a terra, já bastante desgastada pelas queimadas

CEDERJ 77
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

e exposta à ação erosiva das chuvas – uma constante naquela região.


A intenção explícita dos cafeicultores era facilitar o trabalho dos escravos,
desprovidos de qualquer experiência com o plantio do café – oriundos,
em sua maioria, da atividade de mineração.
É importante perceber que essa forma de utilização da terra
impôs uma produção que ocupava áreas cada vez mais extensas, pois a
deterioração do solo tornava-se acelerada. A necessidade recorrente de
utilização de novas terras é um ponto-chave na dinâmica produtiva do
Vale do Paraíba, explicando diretamente sua expansão na direção do Oeste
paulista. De todo modo, como essas terras eram fartas e sem valor comercial
à época, este não foi um problema fundamental no início da produção.
Ao mesmo tempo, o emprego da mão-de-obra escrava não
causou maiores problemas para os produtores – havia escravos ociosos
da mineração e, posteriormente, outros foram trazidos de outras regiões
decadentes, em particular do Nordeste. Os problemas decorrentes dessa
forma de mão-de-obra, todavia, eram iminentes, pois o tráfico negreiro
vinha sendo cada vez mais combatido, o que determinava uma elevação
substancial dos preços dos escravos.

!
A Lei Eusébio
de Queiroz, de 1850,
determinando o fim do
tráfico, reduziu drasticamente
a oferta de escravos. Nem isso,
entretanto, causou uma mudança
de postura dos cafeicultores do
Vale do Paraíba, que mantiveram
a prática de trazer negros
de outras regiões
brasileiras.

Os últimos 209 escravos trazidos para o Brasil


desembarcam em Serinhaém (PE), em 1855.

78 CEDERJ
O resultado foi que, ao final de 1877, cerca da metade dos escravos

4
do país estava nessa região. Observe, na Tabela 4.2, o crescimento do

AULA
número de escravos no Rio de Janeiro. Esse comportamento tinha
uma raiz claramente cultural, pois já vinham ocorrendo, desde 1845,
experiências com mão-de-obra imigrante (esse assunto será tratado com
mais detalhe na próxima aula). Na verdade, os produtores não foram
capazes de vislumbrar, até por questões ideológicas, a necessidade de
uma forma alternativa de trabalho, considerando a iminente escassez
de escravos após a extinção do tráfico.

Tabela 4.2: Escravos no Rio de Janeiro

Ano Número
1844 119.000
1877 370.000

Fonte: COSTA, 1989.

O crédito e a comercialização do café seguiam um esquema


CASAS
semelhante ao apresentado na cultura do açúcar. Destacava-se, assim, COMISSÁRIAS
a figura do comissário intermediando as transações entre fazendeiros, Eram os pontos de
venda do café nas
exportadores e importadores. A maior parte do lucro resultante do café
cidades. Nestas
girava em torno da comercialização do produto, a cargo dos exportadores localidades, os
comissários – que
e dos intermediários (como as CASAS COMISSÁRIAS). intermediavam o
comércio entre os
meios rural e urbano
– compravam o café
dos fazendeiros e
Entre as mais importantes Casas Comissárias, destacam-se a Prado Chaves, que revendiam o produto
era também exportadora – e, em 1910, exportou 1,5 milhão de sacas de café para compradores
–, a Whitalter & Brotero, a Companhia Intermediária de Café de Santos e a na cidade ou
Companhia Paulista de Armazéns de Santos, controlada por ingleses. no exterior. Os
As vendas para o mercado externo eram muito lucrativas, já que, em virtude comissários vendiam,
de a comunicação entre os continentes ser precária, os comissários podiam também, produtos
manipular a cotação do café. industrializados
aos fazendeiros.
Muitos deles tinham
procuração dos
fazendeiros para
comercializar
em seu nome.

CEDERJ 79
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

Além disso, no que se refere ao crédito, os bancos nunca forneciam


empréstimos diretamente aos fazendeiros, que ficavam dependentes
dos comissários para auferir os recursos necessários para a produção.
Os comissários, por sua vez, seriam responsáveis pela venda do café,
recebendo uma comissão remuneradora. Isso ocorria em função das
próprias características do crédito, algo eminentemente pessoal até 1930
– o conhecimento direto e pessoal assumia uma importância muito grande
para a concessão do crédito. Os fazendeiros, residentes na área rural,
tinham poucas oportunidades para esse contato mais próximo com os
banqueiros, o que criava um mecanismo que perpetuava a intermediação
dos comissários, pois a garantia do dinheiro emprestado aos produtores
era, exatamente, a sua produção.
Inicialmente, o café era transportado por mulas, em estradas
precárias, causando perdas importantes de café e de escravos. Essa
prática era possível em função da proximidade entre as áreas iniciais de
plantio no Vale e o porto do Rio de Janeiro, como você pôde verificar
na Figura 4.1. À medida que a produção se expandia, e considerando sua
natureza extensiva, outra forma de transporte tornava-se necessária. A
Estrada de Ferro D. Pedro II foi um exemplo: foi financiada com capitais
antes empregados no tráfico de escravos e que ficaram sem aplicação
após a Lei Eusébio de Queiroz.

Atividade 3
Vendo e aprendendo: café também é cultura 2

Observe esta tela, de autoria de Cândido Portinari (1903-1962). Nela, o pintor


brasileiro retrata a maneira de produção e armazenagem do café. A partir dela,
como você descreveria a produção do café no Brasil? Na sua resposta, lembre-se
de considerar:
a) o tipo de mão-de-obra;
b) a extensão do terreno;
c) o perfil dos trabalhadores.

80 CEDERJ
4
AULA
Café, de Candido Portinari, 1935
1,30m x 1,95m. Óleo sobre tela.
Exposta no Museu Virtual da Administração

Resposta Comentada
Resposta comentada: Você reparou a quantidade de pessoas trabalhando? São
tantas que Portinari nos faz ter a impressão de que não cabem na tela. E o
tamanho do terreno? Parece não ter fim, não é mesmo? Assim era a produção
cafeeira no Brasil: em grandes extensões de terra (latifúndios), utilizando a
mão-de-bra escrava. Repare nas feições dos trabalhadores. Homens e mulheres
têm características físicas dos negros. Eram ainda os escravos, remanejados
de várias partes do país.
Viu que não existem outros tipos de plantação ao redor? A monocultura
também era outro traço marcante da produção cafeeira da época.

O DECLÍNIO DA PRODUÇÃO DE CAFÉ NO VALE DO PARAÍBA

A decadência da cultura do café no Vale é explicada diretamente


pelas bases assumidas no seu processo de produção, sobretudo no que diz
respeito à utilização das terras e à mão-de-obra escrava insistentemente
empregada ao longo da segunda metade do século XIX, quando sua
oferta tornou-se definitivamente escassa.
Ao mesmo tempo, a decadência da cafeicultura implicou
a inadimplência crescente dos produtores junto aos comissários,
levando-os também a uma situação financeira complicada. A quebra
de casas comissárias, por sua vez, atingiu também bancos em que os

CEDERJ 81
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

comissários descontavam títulos para obter recursos. Esse processo


foi responsável por uma importante redução da disponibilidade de
crédito para a produção, o que dificultou ainda mais a continuidade
do negócio.
Apesar de algumas tentativas de diversificação produtiva com
o algodão e o açúcar, no intuito de fugir da grande dependência da
plantação de café, a maior parte das fazendas do Vale do Paraíba mais
próximas da capital entrou em um processo irreversível de falência. Como
resultado, a produção de café passou a se concentrar, definitivamente, na
região conhecida como Oeste Paulista, assunto da próxima aula.

CONCLUSÃO

O café tornou-se rapidamente o principal produto de exportação


do Brasil no século XIX, expandindo sua cultura de maneira acelerada.
Encontrou condições excepcionalmente propícias para esse crescimento,
reunindo vantagens associadas à facilidade para sua plantação em larga
escala (pela pouca exigência de capital inicial e pela oferta abundante de
terras próximas ao porto do Rio de Janeiro). A possibilidade de utilização
de mão-de-obra escrava ociosa em outras culturas foi também um fator
altamente favorável no início da produção no Vale do Paraíba.
Em um período relativamente curto de tempo, todavia, essas
mesmas condições determinaram o fim da produção nessa região.
As terras, apesar de fartas, não eram as mais adequadas para o plantio,
tanto pela sua qualidade, quanto pela situação geográfica em encostas – a
erosão era extremamente veloz. Por seu turno, a manutenção do trabalho
escravo nas lavouras logo viria a se apresentar como um problema crucial
para a continuidade da produção, especialmente a partir do fim definitivo
do tráfico negreiro, o que reduziu substancialmente a oferta deste tipo
de mão-de-obra.

Atualmente, o Brasil é o maior produtor de café do mundo, sendo responsável


por 30% do volume total de produção. É, também, o segundo maior consumidor,
antecedido apenas pelos Estados Unidos, segundo informações do Instituto
Brasileiro do Café (IBC).

82 CEDERJ
Atividade Final

4
AULA
Contradições da economia cafeeira 1 2

Imagine que você está arrumando sua prateleira para colocar seus livros de
Administração. Você tem de tirar do lugar materiais antigos, álbuns, coisas de que
você nem se lembrava...

De repente, cai no chão um álbum antigo. Quando você vai olhar, descobre que ele
pertencia aos seus bisavós. Ao pegá-lo, cai um recorte de jornal. Ele está envelhecido,
mal se pode ler o que ele contém. A data? 18... Tomado pela curiosidade, você começa
a ler. O único trecho legível é:

“A existência do braço escravo relativamente abundante, no Vale do Paraíba, tornou-se


um fator diretamente contrário ao progresso da cultura cafeeira na região.”

Que coincidência, não? Justo o que você estudou nesta aula. Já que você acabou de
ver este assunto em detalhes, é uma hora propícia para perguntar se você concorda
com essa afirmação.

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Refeito do susto provocado pela grande coincidência – há quem diga que o acaso não
existe, principalmente nas suas aulas de FEB –, você deve ter concordado com o que se
disse no texto que você encontrou. Dois motivos contribuem, fundamentalmente, para
esse raciocínio. Primeiro, de maneira mais direta, a pouca especialização do escravo
para a lavoura cafeeira determinava o uso de técnicas precárias. Segundo, a reduzida
necessidade de buscar uma alternativa de mão-de-obra aos escravos, pois havia a
possibilidade de trazê-la de regiões onde se encontrava ociosa – mesmo após o
fim do tráfico negreiro – primeiro de Minas e depois do Nordeste.

CEDERJ 83
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira escravista

RESUMO

Nesta aula, vimos que a produção de café para exportação no Brasil


encontrou uma situação especialmente favorável no início do século XIX.
Vimos também que a decadência de culturas tradicionais (veja na Tabela 4.1)
e a disponibilidade de recursos ociosos, em um contexto de elevação dos
preços internacionais do produto, permitiram um rápido crescimento de sua
cultura no País. Todavia, as condições propícias do Vale do Paraíba para seu
deslanche inicial, sobretudo a fartura de terras e a oferta de mão-de-obra
escrava, foram também responsáveis diretas para seu rápido declínio, pelo
uso inadequado dessa terra e o fim do tráfico de escravos.

84 CEDERJ
5

AULA
Economia cafeeira
com trabalho livre
Meta da aula
Descrever o início da utilização de mão-de-obra livre na
lavoura cafeeira do Brasil no final do século XIX.
objetivos

Ao final desta aula, você deverá ser capaz de:

Identificar a importância da utilização dos


1 imigrantes como alternativa de mão-de-obra
na lavoura do café.

Diferenciar o sistema de parceria do sistema


2
de colonato.

Reconhecer as limitações do sistema


3
de parceria.
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira com trabalho livre

INTRODUÇÃO A segunda metade do século XIX marcou o assentamento definitivo do café


como principal produto de exportação do Brasil. As condições precárias do
uso da terra caracterizaram a produção no Vale do Paraíba, causando rápida
destruição do solo da região. Porém, o principal obstáculo para a continuidade
do processo produtivo estava na mão-de-obra.
A tentativa de intensificar a transferência interna de escravos, base do trabalho
no Vale do Paraíba, se fazia cada vez mais difícil. A grande dispersão dos
escravos era decorrente da própria estrutura sociopolítica brasileira, ou seja,
de uma estrutura na qual não havia integração entre as várias regiões do país.
Esta falta de integração acontecia tanto em aspectos físicos (dificuldade de
trânsito entre as regiões) quanto sociais e políticos, tornando o recrutamento
dos escravos uma tarefa bastante complicada. A utilização desse tipo de mão-
de-obra disponível nas áreas urbanas, por outro lado, encontrava obstáculos
na reduzida capacidade de adaptação dos escravos aos métodos e à disciplina
exigidos pela lavoura agrícola. Essas dificuldades poderiam reduzir de maneira
significativa sua expectativa de vida útil.
A utilização da mão-de-obra imigrante foi a solução adotada por alguns
fazendeiros do oeste paulista como forma alternativa de superar o problema
da mão-de-obra.
A imigração anterior ao processo de independência havia sido realizada sem
qualquer objetivo econômico, basicamente associada à ocupação de áreas
importantes para a demarcação de fronteiras.
A lavoura paulista do café inaugurou a inserção do imigrante na monocultura
de exportação, permitindo a continuidade do forte ritmo de crescimento da
cafeicultura no Brasil e importantes desdobramentos econômicos no decorrer
do século XIX. É o que você verá a seguir.

O CAFÉ NO OESTE PAULISTA

Alguns fatores importantes contribuíram para o deslanche da


produção de café no oeste paulista, com destaque para:
(a) a existência de solos de melhor qualidade que os do Vale
BENEFICIAMENTO do Paraíba e a possibilidade de utilização de técnicas mais
DO CAFÉ
modernas e adequadas para o plantio e o BENEFICIAMENTO
Processo em que
DO CAFÉ;
o café é colhido,
seco, armazenado (b) o início de uma época em que as restrições ao uso da
e embalado para
negociação. mão-de-obra escrava estavam cada vez mais evidentes,
permitindo uma percepção mais clara do problema

86 CEDERJ
associado à inevitável escassez de escravos – e da

5
necessidade de uma alternativa. Alguns eventos (veja na

AULA
Atividade 1) prenunciavam a Abolição da Escravatura;
(c) a coincidência de sua expansão com um forte crescimento
dos investimentos britânicos na América Latina, em
particular na construção de ferrovias. Esses investimentos
permitiram uma sensível redução dos custos de transporte
dos produtos para exportação (veja na Tabela 5.1 a
enorme expansão da malha ferroviária no Brasil a partir
da segunda metade do século XIX);
(d) o aumento da população dos Estados Unidos, provo-
cado pela grande imigração que houve para esse país.
Os norte-americanos passaram a importar muito,
incrementando significativamente o mercado para as
exportações brasileiras. Os Estados Unidos chegaram
a ser responsáveis por cerca de 60% das compras
internacionais do café brasileiro;
(e) a garantia, por parte do empreendimento cafeeiro
concentrado nessa região, das condições básicas para o
nascimento de uma nova classe, assentada em relações de
produção tipicamente capitalistas e capazes de organizar
com maior desembaraço seus interesses políticos e
econômicos, cujo papel consolidou-se na República
Velha, como você verá na próxima aula.

!
Abolição da Escravatura
Em 1888, foi abolida a escravidão no Brasil. As
conseqüências econômicas deste ato logo se fizeram sentir
na economia e na política nacional. No texto a seguir, você terá mais
detalhes sobre o tema.
“Dois conceitos históricos são entendidos por abolição da escravatura: o conjunto de
manobras sociais e políticas empreendidas entre o período de 1870 a 1888 em prol da
libertação dos escravos e a própria promulgação da Lei Áurea, assinada pela princesa Isabel
em 13 de maio de 1888, promovendo a oficialização da abolição do regime escravista.
(...) a mão-de-obra proveniente das novas correntes imigratórias passou a ser empregada.
Os negros, por um lado libertos, não possuíam instrução educacional ou a especialização
profissional que passou a ser exigida, decorrendo desses aspectos a permanência dos
negros à margem da sociedade frente à falta de oportunidades a eles oferecidas.
A liberdade dada aos negros anteriormente escravizados é relativa: embora
não mais escravizados, nenhuma estrutura que garantisse a ascensão
social ou a cidadania dos negros foi oferecida.”
Fonte: http://www.historiaonline.pro.br/
historia/abolicao.htm

CEDERJ 87
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira com trabalho livre

Tabela 5.1: Expansão da malha ferroviária no Brasil

Anos Ferrovias (em km)


1864 475
1867 601
1870 1.000
1875 1.801
1883 4.865
1887 8.846
1888 9.200
1889 9.583
Fonte: Barbeiro, H. (1978, p. 127).

Observe na Tabela 5.2 o fluxo de imigrantes para o Brasil e de


onde estes vieram. Naquela época (final do século XIX e início do século
XX), os italianos emigraram em enorme quantidade para o Brasil.

Não à toa, há inúmeras novelas de televisão que se


remetem a este período da história, no qual as perso-
nagens principais são italianos imigrantes. Terra Nostra
e Esperança, produzidas e exibidas pela Rede Globo em
1999 e 2002, respectivamente, são exemplos disso.

Tabela 5.2: Vinda de imigrantes para o Brasil por nacionalidade e períodos selecionados

Nacionalidade/períodos 1884-1893 1894-1903 1904-1913 1914-1923 1924-1933


Alemães 22.778 6.698 33.859 29.339 61.723
Espanhóis 113.116 102.142 224.672 94.779 52.405
Italianos 510.533 537.784 196.521 86.320 70.177
Japoneses - - 11.868 20.398 110.191
Portugueses 170.621 155.542 384.672 201.252 233.650
Sírios e turcos 96 7.124 45.803 20.400 20.400
Outros 66.524 42.820 109.222 51.493 164.586
Total 883.668 852.110 1.006.617 503.981 717.223
Fonte: IBGE (2000).

88 CEDERJ
Atividade 1

5
AULA
Tabela 1
1
Escravidão e imigração no Brasil
Analise os dois fragmentos a seguir:

1. Alguns eventos muito anteriores 2. A partir da segunda metade do século


a 13 de maio de 1888 evidenciavam XIX, a economia brasileira começou a
que a escravidão seria abolida. experimentar um período de prosperidade
Em 1810, dom João VI promete à e de diversificação de atividades. Alguns
Inglaterra acabar com o comércio produtos agrícolas ganharam espaço no
de escravos. Anos depois, em 1850, mercado internacional e a indústria começou,
o tráfico de negros para o Brasil é aos poucos, a se desenvolver. No entanto,
extinto pela Lei Eusébio de Queiroz. é na exportação do café – agricultura de
Em 1871, é promulgada a Lei do latifúndio – que o Brasil calçou os alicerces
Ventre Livre (que alforriava todos da base econômica do país. Inicialmente no
os filhos de escravos nascidos a Vale do Paraíba e, depois, no oeste paulista,
partir daí) e, em 1885, a Lei dos o café se propagou. O solo de terra roxa,
Sexagenários (que libertava todos mais propício para o cultivo, fez com que o
os escravos com mais de sessenta oeste paulista superasse em pouco tempo
anos). a produção das áreas tradicionais do Vale
do Paraíba. O aumento da malha ferroviária
facilitou o processo de transporte da
produção. Além disso, na década de 1860,
o porto de Santos torna-se o primeiro centro
portuário de exportação do país. O café só
mostrava desenvolvimento nessa época!

De acordo com estes dois fragmentos, o que você pode concluir sobre as razões que
motivaram a política brasileira de estímulo à imigração? Aborde em sua resposta:
a. as condições favoráveis ao processo (proporcionadas pelo governo);
b. a necessidade que seria sanada pela vinda dos estrangeiros;
c. o porquê da existência desta necessidade.

_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Contexto: No Brasil do século XIX, pressionado pelo poderio do governo inglês,
a escravatura se tornou uma situação insustentável. O mundo precisava a cada dia
mais de novos mercados consumidores, em decorrência do sucesso da Revolução
Industrial. A mão-de-obra assalariada, nesse contexto, se tornava muito
mais interessante do que a escrava.

CEDERJ 89
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira com trabalho livre

Você deve ter escrito em sua resposta que havia muitos indícios para o
final da escravidão e, ao mesmo tempo, “pistas” de que haveria uma crise
econômica gerada pela falta de mão-de-obra para o trabalho nas lavouras.
O café, base da economia brasileira a partir da segunda metade do século
XIX, mostrava franca expansão em decorrência da qualidade do solo de terra
roxa para o plantio deste grão.
A Europa, passava nesse período por uma série de crises que amedrontavam
a população de seus países. Foi neste contexto que o Brasil começou não só a
acolher, mas a estimular a vinda de estrangeiros para nossas terras, para que
eles trabalhassem como empregados dos grandes latifúndios cafeeiros.
Isso aumentou ainda mais a produção cafeeira, que tinha à sua disposição formas
eficientes de escoamento: a malha ferroviária, que permitia maior acesso a zonas
portuárias, principalmente a santista.

Figura 5.1: O café, produto de exportação em que se baseava a economia brasileira


a partir da segunda metade do século XIX até início do século XX.

A produção do café no oeste paulista apresentou duas formas bem


marcadas de utilização da mão-de-obra imigrante. Primeiro aconteceu
o sistema de parceria, marcando o chamado oeste velho paulista,
momento inicial de inserção dos imigrantes. A segunda forma, o sistema
de colonato, no oeste novo paulista, inaugurou a formação das bases
de relações capitalistas de produção, de acordo com a interpretação de
importantes autores na historiografia brasileira.

90 CEDERJ
O OESTE VELHO PAULISTA: O SISTEMA DE PARCERIA

5
AULA
O ano de 1845 marca a primeira experiência de utilização da
mão-de-obra de imigrantes na monocultura exportadora do café, na
fazenda Ibicaba, do SENADOR NICOLAU VERGUEIRO, sob a forma de parceria. SSEENNAADDOORR
NNIICCOOLLAAUU
A princípio, o Senador Vergueiro exaltava as qualidades físicas e técnicas
V
V E RRGGUUEEIIRROO
E
dos imigrantes como um fator-chave para sua “importação” da Europa, (1778-1859)
(1778-1859)
em um momento de crescentes dificuldades para a compra e utilização Nasceu em
Nasceu em Portugal
Portugal
ee veio
veio para
para oo Brasil
Brasil
de escravos. com 25
com 25 anos,
anos, época
época
em que
em que começou
começou
O sistema consistia de uma proposta divulgada na Europa por
aa trabalhar
trabalhar como
como
agentes contratados por Vergueiro visando contratar trabalhadores advogado. Tornou-se
advogado. Tornou-se
político ee latifundiário
político latifundiário
dispostos ao serviço na lavoura, recebendo em troca lotes de pés de alguns anos
alguns anos depois,
depois,
dono de
dono de uma
uma empresa
empresa
café adultos – preparados, portanto, para a produção. Metade do valor chamada “Vergueiro
“Vergueiro
chamada
da colheita (cotas de pagamento) seria dos imigrantes, logicamente e eCia.”.
Cia”. Essa
Esta empresa
empresa
firmava firmava contratos
contratos com
após a dedução dos custos de transporte, impostos e comissões – daí a com estrangeiros
estrangeiros para para
que
que eles
eles viessem
viessem para
para o
definição de parceria. Ao trabalhador caberia ainda a exploração de lotes o Brasil
Brasil trabalhar
trabalhar na
de subsistência – e, se houvesse excedentes, seriam também repartidos lavoura.na Oslavoura.
imigrantes Os
eram imigrantes
convencidos eram
de
com o proprietário. Apesar do conceito de parceria, todo o processo de que convencidos
teriam terradepara que
teriam terra
cultivar para
produtos
comercialização e contabilidade ficava a cargo do proprietário. que cultivar produtos
lhes retornariam
que lhes retornariam
subsistência e lucro.
No entanto, o que acontecia era uma situação completamente
Osubsistência
Senador Vergueiroe lucro.
distinta daquela apregoada pelos agentes de Vergueiro no recrutamento O senador foi o Vergueiro
principal
foi o principal
personagem do
dos imigrantes na Europa. Começava pelas péssimas condições do traslado. sistema personagem
de parceria,do
sistema de parceria,
realizado na sua
Muitos imigrantes morreram antes de chegar ao Brasil, devido à falta de que executava na sua
fazenda (Ibicaba), em
higiene, que proporcionava o desenvolvimento de uma série de doenças. fazenda (Ibicaba),
Limeira, SP.em

Ao chegar, a primeira novidade para os “colonos” (como o


Senador denominava esses imigrantes) era a obrigação de pagamento
de todo o custo de seu transporte, além do pagamento de juros de 6% ao
ano pelo adiantamento oferecido para a manutenção dos trabalhadores
durante o primeiro ano de sua chegada. Os imigrantes eram obrigados,
por contrato, a permanecer pelo menos quatro anos na fazenda. Além
disso, a família imigrante era a responsável legal por cada um de seus
membros, de maneira que, se algum morresse, os outros deveriam arcar
com o pagamento de sua dívida.
Apesar dessas condições extremamente desfavoráveis, incluindo
as mortes e doenças decorrentes dos maus-tratos e da longa e contínua
jornada de trabalho, as safras foram abundantes e os termos do contrato
estavam sendo cumpridos. Ademais, como nem todos os imigrantes

CEDERJ 91
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira com trabalho livre

estavam integrados ao sistema agrícola em seus países de origem (não


havia uma seleção prévia na Europa pelos agentes de Vergueiro), a solução
vislumbrada foi a importação desse tipo de mão-de-obra em maior escala
– considerando sua baixa produtividade média. Outros fazendeiros
vizinhos começaram a se interessar pelo método, principalmente com
a proibição do tráfico, ratificada em 1850 – e Vergueiro atuava como
agente desses novos empreendedores.
Não é difícil perceber, portanto, que esse sistema não apresentava
condições de sobrevivência em longo prazo. As raízes do fim estavam
fincadas nas próprias bases do processo.
A atividade a seguir o auxiliará a perceber como o sistema de
parceria, inicialmente criado para solucionar a enorme demanda de mão-
de-obra que se apresentava como um fator limitante para a expansão do
café, mostrava características insustentáveis desde o seu início.

Atividade 2
Imigrantes 3

Aqueles que estão bem na Itália, como vocês meus filhos, não devem deixá-la,
digo-lhes isto como pai (...). Não acreditem naqueles que falam bem da América (...).
É preferível estar numa prisão na Itália do que numa fazenda aqui.
Zuleika Alvim, Brava Gente

De acordo com o que você leu até agora nesta aula, liste três razões que contribuíram
para o fracasso do sistema de parceria:
_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Você pode ter mencionado em sua resposta que as péssimas condições de
transporte foram um fator de descontentamento para os imigrantes. Além deste,
os estrangeiros não encontraram, por ocasião de sua chegada, nada do que lhes
havia sido prometido: não havia terras para que eles cultivassem seu próprio café,
e sim muito trabalho na lavoura do fazendeiro. Estes imigrantes nunca alcançariam
suas expectativas, pois deviam enormes somas em dinheiro ao proprietário da
fazenda, devido aos altos custos da viagem. Some-se a isso o fato de que os
imigrantes precisavam fazer compras no armazém da fazenda, onde os produtos
tinham preços a sabor da vontade do latifundiário, as dívidas só aumentavam
e o trabalho passava a ser um regime de semi-escravidão, como você verá
a seguir nesta aula.

92 CEDERJ
SISTEMA DE PARCERIA: A ESCRAVIDÃO DISFARÇADA E

5
SEUS LIMITES

AULA
O grande problema do sistema de parceria dizia respeito à
relação fazendeiros/colonos, que era na verdade uma continuação das
condições de escravidão nas bases do trabalho e do nível de vida. Não
houve uma mudança ideológica por parte dos fazendeiros no que se
refere ao trabalho: consideravam e tratavam os imigrantes realmente
como escravos. Para isso, utilizavam má-fé nos contratos, já altamente
desvantajosos para os imigrantes, de maneira que a insatisfação tornava-se
crescente tanto para os colonos quanto para os fazendeiros.
Da parte dos colonos, a insatisfação era óbvia. Do sonho de uma vida
melhor, com novas perspectivas de realizações, idéia fartamente divulgada
na Europa no momento de seu recrutamento, passavam a uma realidade
absolutamente distinta. As cláusulas contratuais, em realidade, prendiam os
imigrantes à fazenda eternamente, sob rigoroso controle e supervisão dos
fazendeiros – como era a função dos capatazes para os escravos africanos.
Diversos direitos do colono, mesmo previstos em contrato, eram suprimidos
sem qualquer pudor. Como exemplo, sair da fazenda e receber visitas
eram atividades proibidas. A moradia dos imigrantes era, em geral, uma
“adaptação” das antigas instalações das senzalas.
Os fazendeiros impunham ainda rigorosas punições aos colonos, sob
a argumentação de vadiagem, embriaguez e outras situações semelhantes.
Tudo isso apoiado em uma situação de endividamento eterno dos imigrantes
junto aos patrões fazendeiros – à custa de manipulação desonesta dos livros
de contabilidade da fazenda, práticas de subfaturamento da produção e
até aumento indiscriminado da dívida registrada.
Pelo lado dos fazendeiros, havia uma insatisfação cultural e
ideológica. Acostumados com o trabalho escravo, que lhes caracterizava
uma propriedade, não toleravam o aparecimento de questões trabalhistas,
que causavam deserções e greves organizadas por camadas de imigrantes
mais esclarecidos, em particular os italianos. Somava-se a isso o início da
queda de receita de exportação, determinada, sobretudo, pelo substancial
aumento da produção no Brasil – maior exportador mundial do produto.
Para os fazendeiros, os colonos representavam a ralé da população dos
países de origem, gente desordeira e pouco afeita ao trabalho – como os
escravos, mas agora disfarçados na pele branca. Tratava-se, portanto,
de uma situação insustentável.

CEDERJ 93
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira com trabalho livre

?
O preço de um produto
é baseado na relação entre disponi-
bilidade e procura deste produto (lei da oferta e
demanda). Se há muita procura de um determinado produto
escasso, este normalmente se torna mais caro. Ao contrário, se um
produto está disponível em grandes quantidades, em geral seu preço
cai, pois há mais mercadoria à venda do que consumidores para ela.
Houve um momento da história da comercialização do café como base
da economia brasileira (como você verá mais à frente) em que isso
aconteceu. A eficiência na produção e a dificuldade de venda do
produto fizeram com que enormes quantidades de café
tivessem que ser incineradas, na tentativa de manter
o preço da mercadoria em alta.

O OESTE NOVO PAULISTA E O SISTEMA DE COLONATO

Apesar dos conflitos internos do sistema de parceria e da


impossibilidade de continuação daquele processo de recrutamento da
mão-de-obra imigrante, a “falta de braços” para a expansão da lavoura
agrícola cafeeira persistia. O problema residia no fato de que a imagem
do Brasil como um possível espaço para a realização de homens pobres
europeus vinha sendo desfeita a passos largos. A divulgação na Europa
dos maus-tratos conferidos aos imigrantes em São Paulo repercutia de
maneira bastante negativa. Um caso famoso ocorreu com um imigrante
suíço, Thomas Davatz, que em 1856 liderou uma revolta contra a
escravidão por dívida do sistema de parceria na fazenda do Senador
Vergueiro. A publicação de seu livro de memórias em 1858, na Suíça,
teve efeitos devastadores para a vinda de imigrantes.
Ao mesmo tempo, a empresa cafeeira ascendente começava a dar
mais corpo político aos fazendeiros (os barões do café), cuja participação
no processo de decisões tornava-se cada vez mais decisiva. A capacidade
de vislumbrar com clareza o problema da escassez de mão-de-obra em
um ambiente hostil para a imigração exigiu a definição de novas formas
de atração dos estrangeiros.
No entorno de 1870, o colonato aparecia como o novo formato
encontrado para garantir os fluxos de imigração para a cafeicultura,
trazendo mudanças significativas em relação ao sistema de parceria.

94 CEDERJ
Além da criação de uma forma de pagamento direto ao colono, pelo

5
menos em parte do total que era devido pelo seu trabalho na lavoura, o

AULA
fazendeiro foi obrigado a arcar com despesas de viagens e do primeiro
ano de trabalho. Também era concedida ao imigrante uma fatia de terra
para o plantio de artigos para subsistência.
Um passo fundamental para a dinamização do sistema de
colonato foi a utilização do governo da província de São Paulo para
custear o transporte para o Brasil, além da instalação dos estrangeiros. O
governo paulista participava diretamente na contratação de imigrantes,
principalmente através da Sociedade Promotora de Imigração, em 1886,
por iniciativa de ANTÔNIO DE QUEIROZ TELLES, o conde de Parnaíba. Nesse ANNTTÔÔNNIIOO DDEE
A
QUUEEIIRROOZZ TTEELLLLEESS
Q
período, o contingente mais importante da imigração era de italianos
(1831-1888)
(1831-1888)
(cerca de 510.000, entre 1884 e 1893), vindos principalmente devido Bacharel
Bacharelem emdireito
Direitoe
ao violento processo de unificação da Itália. cafeicultor. Presidiu
e cafeicultor. Presidiu
aa província
Província de de São
São
Foram gastas pelo governo, a título de subsídios para a vinda Paulo, onde
Paulo, onde teve
teve
especial importância
especial importância
destes imigrantes, aproximadamente 1.600.000 libras esterlinas. Os na época
na época dodo sistema
sistema
resultados foram altamente satisfatórios. No último quartel do século dede colonato.
colonato. Ficou
Ficou
conhecido também
conhecido também
XIX, algo em torno de 800 mil imigrantes entraram no Brasil para a como Apóstolo
como Apóstolo
da Imigração
da Imigração
produção de café, garantindo definitivamente as condições básicas do Italiana. Trabalhou
Italiana. Trabalhou
arduamente para
arduamente para aa
crescimento de sua produção.
implantação de
implantação de uma
uma
A atividade a seguir vai auxiliá-lo a diferenciar o sistema de ferrovia que
ferrovia que ligasse
ligasse
Jundiaí –– grande
Jundiaí grande
colonato do sistema de parceria. pólo de
pólo de produção
produção de de
café da
café da época
época –– aoao
Porto de
porto de Santos.
Santos.

Atividade 3
2

Sistema de colonato: favorecendo a imigração no Brasil


Leia os trechos a seguir: SISTEMA DE
REMUNERAÇÃO
(...) Os gastos com transporte e as demais despesas não
MISTO
constituíam dívida da família imigrante e o sistema de
remuneração era misto. Além disso, as famílias podiam Era aquele no
qual os imigrantes
produzir parte dos gêneros de subsistência que consumiam
recebiam uma parte
e vender o excedente em mercados próximos. do pagamento
sobre participação
(...) tanto os custos com o transporte do imigrante da Europa na venda do café
para o Brasil como as despesas com a fixação e a sobrevivência e outra parte em
das famílias nas fazendas corriam por conta do fazendeiro e salário fixo anual.
constituíam uma dívida dos imigrantes.
Trechos retirados do artigo de Roberson de Oliveira – Folha de
S. Paulo on-line – Educação.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u9385.shtml

CEDERJ 95
Formação Econômica do Brasil | Economia cafeeira com trabalho livre

O colonato permitiu uma forte aceleração na vinda de imigrantes para o Brasil.


Quais foram as duas principais diferenças em relação ao sistema de parceria que
contribuíram para isso?
___________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
_________________________________________________________________

Resposta Comentada
Ao contrário do sistema de parceria, o colonato não impunha condições de vida
tão degradantes aos imigrantes para a atividade produtiva. O financiamento
de sua vinda pelo Estado e a possibilidade de manter aceso o sonho de
progredir em uma terra nova favoreceram fortemente o aumento do fluxo de
imigrantes para o país.
No sistema de parceria, o imigrante arcava com todos os custos da viagem e
estadia, acumulando uma dívida praticamente impagável, e sofria com condições
de vida extremamente precárias, o que determinou um fim muito rápido para
sua utilização.
No colonato, com a participação do Estado no financiamento do fluxo migratório,
aliada a um processo mais geral de imigração européia para o resto do mundo, a
imigração encontrou condições bem mais favoráveis para deslanchar.

CONCLUSÃO

O problema mais importante para a continuidade da cultura


cafeeira voltada para a exportação era, certamente, a escassez de
mão-de-obra – como você viu na aula passada, esse foi um dos
elementos fundamentais para a decadência do café no Vale do Paraíba.
A possibilidade de substituição do escravo pelo imigrante, vislumbrada
por fazendeiros do oeste paulista, foi o fator mais importante para a
liderança de São Paulo nas exportações de café ao final do século XIX.
Essa substituição só foi viável de fato com a implementação do sistema
de colonato. Percebe a importância deste sistema para a cultura do café
no Brasil daquela época?

96 CEDERJ
Atividade Final

5
AULA
A atividade final é um pouco diferente das atividades que você realizou até então
na disciplina Formação Econômica do Brasil. Você não precisará de papel e nem de
caneta para executá-la, mas tenha em mente sua relevância: fazê-lo reconhecer a
importância da entrada dos imigrantes como mão-de-obra para a lavoura, o que foi
nossa meta para esta aula. Gaste com esta atividade, ao menos, dois minutos. Pare e
pense antes de passar à leitura do comentário!

Propomos que, neste momento, você reflita sobre o que teria acontecido à economia
nacional daquela época se não tivesse ocorrido a entrada de um enorme contingente
de imigrantes para trabalhar na lavoura de café. Mais ainda, propomos que você
pense em que conseqüências poderíamos vivenciar atualmente se o café não tivesse
sustentado nosso país durante mais de meio século.

Lembre-se de pensar em como se sustentou a economia do país durante todo o período


de colônia e também no início da fase independente. Pense, ainda, na política brasileira
do início do século XX, que você aprenderá mais à frente nesta disciplina, mas da qual
você deve ter algumas informações ainda da época do colégio.

Comentário
Desde que o Brasil foi descoberto, parte expressiva de seus recursos (quer para a metrópole
portuguesa, quer para a pátria independente) foi gerada a partir da exportação de
produtos do setor primário. Houve exploração do pau-brasil, cana-de-açúcar, ouro, café.
O esgotamento de um determinado produto levava à busca de um novo que rendesse
o sustento da economia (metropolitana ou nacional).
A impossibilidade de produzir o café por falta de mão-de-obra numa época em que esta
mercadoria era tão valorizada no mercado internacional decerto promoveria uma
alteração muito grande nas trilhas seguidas pela nossa economia.

RESUMO

A introdução do imigrante na produção de café no oeste paulista propiciou aos


fazendeiros da região uma solução viável para o problema da escassez de mão-de-
obra. A ampliação dos investimentos em ferrovias (e o uso de técnicas mais racionais
de plantio) garantiu uma rápida expansão do processo produtivo. A utilização
dos imigrantes no sistema de parceria tinha características que inviabilizaram sua
permanência em longo prazo. A causa central e definitiva para o forte influxo de
europeus e orientais em direção à lavoura do café foi a mudança para o sistema de
colonato, contando com importante ajuda do governo da província de São Paulo.

CEDERJ 97
Políticas de sustentação

AULA
da renda da cafeicultura
na República Velha
Meta da aula
Apresentar a evolução da política econômica
brasileira no período da República Velha,
destacando sua estreita associação com os
interesses da cafeicultura.
objetivos

Esperamos que, ao final desta aula, você seja


capaz de:

• Descrever as razões da recorrente


1 desvalorização da taxa de câmbio no Brasil
no início da República Velha.

• Identificar as mudanças da política econômica


2 do governo Campos Sales.

• Relacionar essas mudanças com as pressões


dos cafeicultores para que o governo
3
assumisse as medidas adotadas no Convênio
de Taubaté.

Pré-requisitos
A Aula 5 trata da organização e
implantação da cafeicultura na Província
de São Paulo. Os fatores envolvidos nesse
processo são essenciais para esta aula.
Por isso, você deve relembrá-los
antes de iniciar o seu estudo.
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

INTRODUÇÃO A REPÚBLICA VELHA (ou Primeira República, 1889-1930) começou com a


proclamação da República e teve fim na Revolução de 1930, que você
verá daqui a algumas aulas. No novo regime, duas mudanças foram muito

PRIMEIRA expressivas: o povo passou a escolher os governantes, ainda que sujeito a


REPÚBLICA grandes restrições, e a Igreja foi legalmente separada do Estado, por meio de
OU REPÚBLICA
uma nova Constituição.
VE L H A
(1889-1930) No entanto, a República Velha não mudou o fato de o Brasil ser o país do café
Período marcado e dos grandes latifúndios. Os donos destas propriedades, chamados coronéis,
pelo domínio das
elites agrárias impunham seu poder sobre os empregados, submetendo-os ao voto de cabresto.
mineiras, paulistas e Isto fazia com que o poder político da região também estivesse sob seu domínio.
cariocas.
Ao longo destes Este período da História ficou conhecido como República do Café-com-leite, pois
anos, o Brasil
firmou-se como um o poder político se concentrou nas mãos das oligarquias paulista (responsável por
país exportador de
produzir o café) e mineira (responsável pela produção de leite).
café, e a indústria
começou a se
desenvolver em
São Paulo, como Para saber mais sobre este período da nossa
discutiremos na história, visite a página http://www.ceap.g12.br/
próxima aula. pagina/republicavelha.htm.
Na área social, várias
revoltas e problemas
sociais aconteceram
em todo o território
brasileiro. No plano O início da República Velha foi caracterizado por condições altamente favoráveis
político, a República
Velha caracterizou-se para a acumulação de capital na cafeicultura.
pela alternância de
Como você viu na aula passada, o final do século XIX marcou um importante
governantes paulistas
e mineiros no poder, fluxo de imigrantes europeus para o país, atraídos particularmente pela cultura
a política do café-
com-leite. cafeeira desenvolvida em São Paulo. Isso aconteceu porque o governo brasileiro
A República Velha
teve dois períodos
criou uma série de estímulos para a vinda desses estrangeiros (em sua maioria
distintos: europeus) e porque a Argentina, concorrente de peso para o Brasil no abrigo
a República da
Espada (1889-1894), aos imigrantes, passou por um período de estagnação econômica durante
assim denominada
pelo fato de o poder toda a década de 1890.
estar durante o Além desses motivos, os chamados fatores de expulsão na Europa (como o
período nas mãos
dos militares; violento processo de unificação na Itália e na Alemanha), bem como a crise
e a República
Oligárquica econômica que se iniciou nos Estados Unidos a partir de 1893, contribuíram
(1894-1930),
para o processo de imigração. Nesse período, cerca de 1.400.000 imigrantes
quando o poder
ficou centralizado aportaram no Brasil. Destes, aproximadamente 890 mil vieram para a região
e dirigido pelas
oligarquias cafeeiras paulista do café.
de São Paulo e pelas
oligarquias de
A cafeicultura encontrou uma situação especial de ampliação das terras
Minas Gerais. disponíveis para o cultivo, decorrente da importante expansão da malha
ferroviária no espaço paulista. Esses fatores conjugados (espaço e mão-de-
obra) permitiram um relevante aumento da capacidade produtiva do café.

100 C E D E R J
A grande entrada de mão-de-obra imigrante garantiu a manutenção de taxas

6
salariais em um nível bastante reduzido. Como mão-de-obra é um dos principais

AULA
determinantes do preço de um produto, foi possível haver aumento da produção
sem aumento associado dos custos médios. Dessa forma, a cafeicultura
experimentou grande aumento na acumulação de capital, persistindo, em
conseqüência, o aumento sistemático da produção.

!
Quando falamos de mão-
de-obra, se há muitos funcionários
disponíveis, eles competem pelo emprego. Os
contratadores podem, então, oferecer salários mais
baixos, que serão certamente aceitos por alguns dos candidatos
ao posto. Por esse motivo, o grande número de imigrantes
(que chegavam ao Brasil sem ter onde morar e em que
trabalhar) teve, como conseqüência, a redução dos
salários pagos pelo cultivo do café.

1889/1898: DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL E SUSTENTAÇÃO


DA RENDA DA CAFEICULTURA

No final da década de 80 do século XIX, os preços internacionais


do café seguiram uma trajetória sistemática de alta, ampliando as margens
de lucro do setor. Isso era resultado do crescimento da demanda norte-
americana, responsável por cerca de 60% das compras de café no mercado
internacional e pela quebra da safra brasileira em 1887/88 e 1889/90,
o que reduziu significativamente a oferta. É importante salientar que a
produção brasileira representava, naquele momento, algo em torno de
3⁄4 da oferta total de exportações de café no mundo. Você pode imaginar,
então, que qualquer mudança no patamar produtivo brasileiro afetava
substancialmente a oferta internacional do produto.

C E D E R J 101
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

Taxa de câmbio e
mercado cambial
Antes de entender o que significam estes
dois conceitos, você precisa ter em mente que
as transações financeiras e comerciais entre países
diferentes sempre acontecem usando uma moeda como
referência.
Nos dias de hoje, o dólar é esta moeda, por ser o dinheiro do país

!
economicamente mais forte do mundo, os EUA. Na época da Primeira
República, as negociações aconteciam em libras, pois estas eram (e ainda
são) a moeda da Inglaterra.
Taxa de câmbio é o valor da moeda nacional em relação a uma moeda estrangeira
(quantos reais custa um dólar, por exemplo). Ela é determinada, fundamentalmente,
pelas transações de compra e venda de moeda estrangeira, que acontecem em um
“ambiente virtual”, o mercado de câmbio. Os agentes envolvidos neste mercado são,
em geral, demandantes e ofertantes de moeda estrangeira. As fontes de demanda por
moeda estrangeira são:
• gastos com importações de bens e serviços;
• pagamentos de dívidas contraídas anteriormente com outros países;
• remessas de lucros para matriz de empresa multinacional;
• aplicações financeiras no exterior.
Já a oferta de moeda estrangeira caracteriza-se por:
• receitas de exportação de bens e serviços;
• dívidas contraídas;
• rendas recebidas;
• aplicações financeiras de estrangeiros no Brasil.
Mas o maior e mais importante ator desse mercado é o Banco Central (suas origens e atribuições
serão vistas na Aula 14). O Banco Central é o gestor da política cambial, pois aumenta ou diminui
a oferta de moeda estrangeira, podendo controlar, por esse mecanismo de oferta e procura, as
taxas de câmbio. Suas principais atribuições no mercado de câmbio são:
• a regulamentação do mercado cambial;
• a aplicação de medidas relativas ao regime cambial (fixo ou flutuante) definidas pela
política governamental.
Uma desvalorização da taxa de câmbio representa o aumento do preço da moeda
estrangeira, encarecendo os produtos importados e aumentando as receitas de
exportações em moeda nacional. Ao contrário, uma valorização cambial reduz o preço
da moeda estrangeira e, conseqüentemente, o preço pago por produtos importados
– ao mesmo tempo que diminui as receitas de exportações em moeda nacional.
O principal instrumento de análise dos efeitos das operações no mercado cambial
para o país é o Balanço de Pagamentos. Nesse balanço, são registradas todas
as operações realizadas entre empresas ou pessoas residentes em um país
e aquelas não residentes. É uma razão entre as operações de bens e
serviços (transações correntes) e as de natureza financeira (conta
de capital e conta financeira). Tem importância fundamental
para a organização das transações de um país com o
resto do mundo, permitindo a análise da situação
externa do país e um controle maior dessas
transações.

102 C E D E R J
A partir de 1891, no entanto, o contínuo avanço da produção

6
entrou em descompasso com o crescimento do mercado externo,

AULA
principalmente após o início da prolongada crise econômica que passou
a assolar a economia norte-americana em 1893 (sentida, pelo menos,
até meados de 1897).
Nosso país produzia mais café (aumentava a oferta) e não havia
resposta da economia mundial na mesma medida. Houve uma queda
sensível do preço internacional do café, revertendo a tendência de alta
dos preços até então registrada, determinando uma redução da receita
das exportações. Cabe destacar que o Brasil, àquela altura, dependia
fortemente das receitas em moeda estrangeira oriundas das vendas
externas do café, nosso principal produto de exportação desde a metade
do século XIX.
Em decorrência da queda de preços do café, o Balanço de
Pagamentos sofreu um impacto importante, promovendo mudanças na
condução da política econômica do Brasil. Esse movimento provocou o
início de um ciclo de desvalorização da taxa de câmbio que marcou de
maneira expressiva os primeiros anos da República Velha.

!
A queda do preço do
café representou um grande
impacto na economia brasileira do século
XIX. Um dos problemas associados a essa queda
do preço é o que chamamos inelasticidade-preço da
demanda por café. Uma queda de preço não implica
aumento proporcional da demanda pelo produto. Ou
seja, estar mais barato não fará com que as vendas do
café aumentem de forma a manter a receita constante,
independentemente da quantidade de produto
negociada. Do mesmo modo, o aumento
do preço não reduz seu mercado na
mesma proporção.

O CÍRCULO VICIOSO DA DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL


E SUAS PRINCIPAIS CONSEQÜÊNCIAS

A desvalorização cambial era uma realidade decorrente de dois


fatores: (1) redução da entrada de moeda estrangeira no país, devido à
queda do preço internacional do café, e (2) pressão política exercida pelos
cafeicultores, visando preservar seus ganhos em moeda nacional.

C E D E R J 103
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

O quadro econômico interno da primeira década da República


RUI BARBOSA
(1849-1923) Velha já estava bastante complicado. Além de ter sofrido os efeitos de uma
Rui Barbosa foi, seca prolongada para as principais culturas agrícolas do país, esse período
sem dúvida, um dos
mais importantes
foi marcado por uma forte estagnação econômica, dada a desorganização
personagens da história da produção de culturas tradicionais (como a açucareira e a do algodão)
do Brasil por ter
participado de todas em decorrência da abolição da escravatura, em 1888.
as grandes questões
político-sociais de O uso do imigrante substituindo o trabalho escravo estava
sua época. Nasceu cristalizado apenas na produção de café, de maneira que as demais
em Salvador (BA) e
faleceu em Petrópolis atividades produtivas necessitavam de recursos para sua recuperação.
(RJ). Era advogado e
foi deputado, senador, Nessa direção, foi implementada uma política de emissão monetária
ministro e candidato
na gestão de RUI BARBOSA como ministro da
à presidência de
ENCILHAMENTO
República em duas Fazenda do governo provisório de Deodoro "Política financeira de
ocasiões, mas nunca
da Fonseca que ficou conhecida como estímulo à indústria,
venceu a eleição.
adotada por Rui Barbosa
Conhecia a fundo o
pensamento político
ENCILHAMENTO. quando ministro da
Fazenda (novembro de
constitucional anglo- Essa política, entretanto, causou uma 1889 a janeiro de 1891),
americano, que pregava
profunda desordem financeira na economia após a proclamação da
o liberalismo. Era
República. Baseava-se
adepto desta linha
de pensamento que, brasileira. O encilhamento teve efeitos diretos no incremento do meio
circulante com a criação
por seu intermédio, sobre a taxa de câmbio e contribuiu fortemente de bancos emissores (...).
influenciou a nossa
Por isso, incentivou-se
primeira Constituição para uma desvalorização cambial mais
intensamente a criação
republicana.
intensa. de sociedades anônimas,
Foi membro fundador
concitando-se o público
da Academia Brasileira
Este processo, todavia, determinava a a investir em capital na
de Letras, onde, depois,
indústria e no comércio.
substituiu Machado de formação de um círculo vicioso, na medida em (...) O resultado foi uma
Assis na presidência. Se
que, apesar da queda do preço internacional espiral inflacionária
você quiser saber mais
e de falências (...)"
a respeito, visite o site
http://www.casaruibarb
do café, a sustentação das receitas em mil-réis (SANDRONI, 2004, pp.
205-206).
osa.gov.br/ para os produtores e exportadores de café os
estimulava a aumentar ainda mais a produção
– veja a Figura 6.1.

Aumento Elevação da oferta Redução do preço


da produção internacional do café internacional
p
p

brasileira (com demanda do café


de café estagnada)

p p
Aumento dos Desvalo- Redução da Queda da receita
preços internos e da rização oferta de moeda de exportações
receita em moeda cambial estrangeira do café
p
p
p

nacional no Brasil

Figura 6.1: O processo de manutenção das receitas dos produtores e exportadores de café.

104 C E D E R J
Observe a Tabela 6.1. O que está acontecendo com os preços

6
externos em relação aos preços internos?

AULA
Tabela 6.1: Índice de preços internacionais (externos)
e internos do café (1889 =100)

Anos Preços externos* Preços internos**


1889 100 100

1890 113 120


1891 90 171
1892 87 201
1893 103 276
1894 92 290
1895 91 262
1896 69 252
1897 47 180

1898 41 163

Fonte: Delfim Netto (1981, p. 29).


*Preços em moeda estrangeira.
** Preços em mil-réis.

Como você deve ter percebido na Tabela 6.1, a depreciação do


câmbio invertia a trajetória dos preços internacionais quando convertidos
para os preços em mil-réis: enquanto os preços internacionais do café
caíam expressivamente, os cafeicultores recebiam mais, em mil-réis, pela
venda do produto.

Atividade 1
Crise de superprodução do café 1
Analise as informações a seguir:
a. A exportação do café sustentou a economia brasileira durante o final do Segundo
Reinado e início da Primeira República. A alta mundial dos preços estimulou o aumento
da produção. A alta mundial da oferta reduziu os preços internacionais do café (veja
novamente a Tabela 6.1).
b. A redução dos preços do café no cenário econômico internacional demandou, do
governo brasileiro, medidas que protegessem os cafeicultores da falência, que envolveram
o ajuste das taxas de câmbio.
Com base nessas duas afirmações e no que você leu até agora nesta aula, como você
explicaria a frase: “A desvalorização cambial sustentou a renda dos cafeicultores no final
do século XIX.”

C E D E R J 105
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

Resposta Comentada
O café experimentou uma crise de superprodução no final do século XIX. Isso fez
com que os preços despencassem no cenário internacional. Para conter a onda de
falências que aconteceria caso essa queda fosse repassada para os cafeicultores,
o governo brasileiro adotou uma política de desvalorização cambial. Isso significou
reduzir o valor da nossa moeda em relação à libra, a fim de manter elevada a renda
dos cafeicultores em moeda local.
A desvalorização do câmbio fazia os preços do café aumentarem em moeda nacional,
embora estivesse ocorrendo uma rápida queda dos preços internacionais. Dessa
forma, os cafeicultores recebiam uma remuneração maior em mil-réis, mesmo com
a redução do preço no mercado internacional.

A longo prazo, manter essas condições mostrava-se inviável.


A desvalorização cambial determinava uma elevação dos preços dos
produtos importados – base da cesta de consumo brasileira, uma vez
que pouco era produzido para o mercado interno. Assim, a subsistência
tornava-se mais cara em moeda nacional, forçando o aumento dos
salários, base dos custos de produção da cultura cafeeira.
Queda dos preços do café
em moeda estrangeira Seguindo esta tendência, o aumento dos custos seria responsável
pela redução da margem de lucro da cafeicultura,
Desvalorização cambial
reduzindo seu espaço para acumulação de capital
p

– aumento do preço do café


em moeda nacional
em longo prazo (Figura 6.2).
Perda do poder de compra
p

de produtos importados
com moeda nacional

Necessidade de
p

aumento dos salários

Aumento nos custos


p

da produção do café

Figura 6.2: As conseqüências da desvalorização Redução dos lucros


p

cambial em longo prazo. dos cafeicultores

106 C E D E R J
Tabela
De maneira mais dramática em curto e médio prazos, a

6
desvalorização cambial afetava também as finanças públicas. A redução

AULA
nas importações diminuía sistematicamente a receita do governo, que
tinha nas arrecadações de impostos sobre os produtos importados sua
maior fonte.
O fim da TARIFA-OURO aplicada sobre as importações em 1891 TA R I F A - O U R O
Imposto cobrado pelo
agravava esse quadro, corroendo a capacidade de arrecadação do governo em ouro.
Estado. Ao mesmo tempo, a maior fonte de financiamento público Este procedimento
evitava que o governo
era o endividamento externo, cujo pagamento é efetivado em moeda perdesse dinheiro
na troca de moeda,
estrangeira – a desvalorização cambial implicava, portanto, aumento aumentando as
das necessidades de gasto do governo. reservas do Estado.
Além disso, por
Sustentar por muito tempo essa situação poderia levar as finanças se manter à parte
do mercado de
públicas à bancarrota, pois a possibilidade de obter novos empréstimos câmbio, minimizava
a especulação em
externos reduzia-se à medida que as receitas de exportações caíam. Quanto
cima das trocas de
menor a entrada de moeda estrangeira no país, maior o risco de não pagar moedas, evitando,
por conseqüência, o
as dívidas e, obviamente, menor a oferta de novos empréstimos. aumento do preço de
moeda estrangeira
no país. No governo
de Campos Sales,
O GOVERNO CAMPOS SALES (1898-1902) E O esta tarifa foi
“SANEAMENTO MONETÁRIO” DE JOAQUIM MURTINHO instituída (1901)
por seu ministro da
Quando a República foi proclamada, instaurou-se um governo Fazenda, Joaquim
Murtinho, e começou
provisório, comandado pelo marechal Deodoro da Fonseca. Deodoro se representando
10% do valor da
manteve no poder até novembro de 1891, quando tentou dar um golpe mercadoria. Pouco
tempo depois, já
de Estado e dissolver o Congresso. A campanha legalista de Floriano
significava 25%.
Peixoto, outro militar, derrotou as pretensões de Deodoro colocando
Floriano Peixoto no poder, o que prolongou até 1894 a República da
Espada.

Figura 6.3: Marechal Manoel Deodoro da Fonseca, Figura 6.4: Marechal Floriano Vieira Peixoto,
presidente do Brasil no período presidente do Brasil no período
de 15/11/1889 a 23/11/1891. de 23/11/1891 a 15/11/1894.

C E D E R J 107
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

Se você quiser saber um pouco mais sobre cada presidente


que o Brasil já teve, visite a Galeria dos Presidentes na página
da Presidência da República (http://www.planalto.gov.br/).

O presidente seguinte foi Prudente de Moraes, civil e paulista, que


foi eleito pelo povo. Prudente de Moraes deu início ao período que ficou
conhecido como República do Café-com-Leite e consolida a presença dos
civis no governo do país. Foi substituído, ao final de seu mandato, por
Campos Sales, também representante da oligarquia cafeeira paulista.

Figura 6.5: Prudente José de Moraes e Barros, Figura 6.6: Manoel Ferraz de Campos Sales,
presidente do Brasil no período presidente do Brasil no período
de 15/11/1894 a 15/11/1898. de 15/11/1898 a 15/11/1902.

Apoiada em um discurso de base liberal, que valorizava o papel do


mercado e os efeitos negativos da intervenção governamental, a política
econômica do governo Campos Sales citava a ineficiência produtiva no
FUNDING LOAN
Brasil (tanto no campo quanto na indústria nascente) como justificativa
"Moratória concedida pelos
credores a um Estado para uma mudança radical nos rumos do país. O principal mentor desse
devedor. Em troca, são
governo era o ministro da Fazenda, Joaquim Murtinho.
emitidos novos títulos
correspondentes aos encargos Na verdade, a meta primordial do presidente era a obtenção de
da dívida e das operações
com excedentes comerciais. novos recursos externos para resolver o problema de solvência das finanças
O termo incorporou-se à
história brasileira, pois esse
públicas. Logo ao tomar posse, o novo presidente foi à Europa em busca
recurso foi utilizado várias desses recursos. Campos Sales assinou o II FUNDING LOAN, negociando
vezes pelos credores do Brasil
no exterior, a partir da uma consolidação da dívida externa brasileira com novas condições
Independência"
(SANDRONI, 2004, p. 256). (mais favoráveis) de pagamento. Em contrapartida, firmou uma série de
compromissos para a condução da política econômica do país.

108 C E D E R J
O objetivo principal da nova política econômica era bastante

6
claro: definir uma trajetória de saneamento monetário capaz de impor

AULA
uma inversão dos movimentos da taxa cambial, permitindo a valorização
da moeda nacional. Por trás disso estava o firme propósito de garantir
condições para o pagamento da dívida externa consolidada no início
do governo.
Para isso, o governo empreendeu esforços significativos buscando
a redução do déficit e a retirada de circulação de moeda no valor
equivalente à dívida a ser paga (de acordo com a taxa cambial definida na
época). Havia ainda a necessidade de depositar esse montante em bancos
estrangeiros predeterminados no acordo firmado com os credores.
Do ponto de vista fiscal, foi novamente aplicada a tarifa-ouro
para as compras de importados, o que garantia para o governo uma
receita em moeda estrangeira. Esta tarifa sofreu aumentos importantes
a partir de 1900.
Os efeitos dessa política foram bastante sentidos pela população,
com destaque para uma pesada diminuição do nível de atividade
econômica decorrente de uma forte retração da oferta de moeda e crédito
e da DEFLAÇÃO associada a essa retração (cerca de 30%). DEFLAÇÃO
Em conseqüência, o câmbio foi efetivamente valorizado e mantido Ao contrário da
inflação, uma
sob controle durante a vigência dessas medidas de política econômica. deflação significa
uma queda do índice
Em contrapartida, a economia brasileira acabou sofrendo os efeitos dessa geral de preços de
política com o PÂNICO BANCÁRIO NO RIO DE JANEIRO EM 1900 (dada a retração um país, geralmente
associada a uma
da oferta de moeda) e uma importante recessão – afetando os negócios retração do nível de
atividade econômica.
em geral e, particularmente, os cafeicultores, que pressionavam para
uma mudança nos rumos da política adotada.

PÂNICO BANCÁRIO NO RIO DE JANEIRO EM 1900


Quando o Brasil assinou o Funding Loan, houve a retirada de muito papel-moeda de
circulação. Isto aconteceu devido às condições do contrato assinado, que solicitava
que parte da dívida fosse depositada em bancos internacionais como garantia.
A retirada de dinheiro de circulação causou uma enorme crise econômica. Diante
da impossibilidade de uma nova política de emissão (considerando a perturbação
econômica gerada pelo Encilhamento), o governo resolveu utilizar o dinheiro do
principal banco brasileiro dessa época, o Banco Republicano Brasileiro (BRB).
Este fato gerou muita preocupação na sociedade.
O BRB foi liquidado e reestruturado, agora sob controle do governo, que se
responsabilizou pelas dívidas e gerou títulos que poderiam ser resgatados no
futuro. Isso, de certa forma, apaziguou a eminente crise da sociedade.

C E D E R J 109
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

Atividade 2
Até aqui tudo bem? 1
Analise as afirmativas a seguir. Qual (quais) dela(s) é (são) verdadeira(s)?
I – No final do século XIX, os altos preços atingidos pelo café no mercado internacional
estimularam o crescimento das lavouras deste produto. A superprodução teve como
conseqüência a queda dos preços nos mercados consumidores.
II – Em resposta à desvalorização do café, o governo valorizou seguidamente a moeda
brasileira: embora o café rendesse menos em moeda estrangeira, a moeda nacional
passou a valer mais, e os cafeicultores tiveram seu poder de compra de produtos
internacionais aumentado.
III – O aumento no poder de compra de produtos internacionais por parte dos
cafeicultores fez com que estes consumissem mais produtos importados. Essa atitude
diminuiu o ritmo da economia nacional que, para ser novamente movimentada, recebeu
uma injeção de fundos do governo Campos Sales. Este presidente obteve recursos através
do Funding Loan, um empréstimo feito com credores internacionais. Além disso, Campos
Sales aumentou as tarifas sobre os produtos importados a fim de reduzir o consumo
destes e privilegiar a produção (ainda pequena) nacional.
IV – A desvalorização do café no cenário internacional exigiu uma desvalorização cambial, a
fim de manter alta a renda dos cafeicultores em moeda nacional. Por causa dessa medida
econômica, o poder de compra de produtos importados ficou prejudicado, gerando uma
crise econômica. Na tentativa de resolver este problema, o então presidente Campos Sales
assinou o Funding Loan, um empréstimo feito com credores internacionais. Além disso,
ele aumentou as tarifas sobre os produtos importados com o objetivo de aumentar a
receita do governo em moeda estrangeira e arcar com os custos da dívida externa e dos
juros gerados por ela.
V – O alto poder de compra dos cafeicultores no cenário internacional promoveu uma
baixa de moeda nacional (que era trocada por moeda estrangeira para a compra de
produtos). Esta diminuição na quantidade de dinheiro circulante teve, como conseqüência,
a estabilização da taxa de câmbio.
VI – Campos Sales retirou moeda nacional de circulação, com o intuito de cumprir os
termos do pacto assinado com credores internacionais e numa tentativa de estabilizar as
taxas de câmbio.
Marque aqui as respostas que você considera verdadeiras:
( )I
( ) II
( ) III
( ) IV
( )V
( ) VI

110 C E D E R J
6
Resposta Comentada

AULA
As opções corretas são I, IV e VI.
As opções erradas estão listadas a seguir, com os trechos que as tornam
falsas em negrito:
II – Em resposta à desvalorização do café, o governo valorizou seguidamente
a moeda brasileira: embora o café rendesse menos em moeda estrangeira,
a moeda nacional passou a valer mais, e os cafeicultores tiveram seu poder
de compra de produtos internacionais aumentado.
III – O aumento no poder de compra de produtos internacionais por parte dos
cafeicultores fez com que estes consumissem mais produtos importados. Essa
atitude diminuiu o ritmo da economia nacional que, para ser novamente
movimentada, recebeu uma injeção de fundos do governo Campos Sales.
Este presidente obteve recursos através do Funding Loan, um empréstimo feito
com credores internacionais. Além disso, Campos Sales aumentou as tarifas sobre
os produtos importados a fim de reduzir o consumo destes e privilegiar a
produção (ainda pequena) nacional.
V – O alto poder de compra dos cafeicultores no cenário internacional promoveu
uma baixa de moeda nacional (que era trocada por moeda estrangeira para
compra de produtos). Esta diminuição na quantidade de dinheiro circulante teve,
como conseqüência, a estabilização da taxa de câmbio.

A NOVA FORMA DE VALORIZAÇÃO DO CAFÉ


– O CONVÊNIO DE TAUBATÉ

A política econômica levada a cabo a partir do governo Campos


Sales seguiu, de modo geral, a preocupação com a estabilidade monetária
e cambial. Nesse período, em contrapartida, cresciam as demandas,
sobretudo dos cafeicultores, para um direcionamento mais flexível que
permitisse a retomada do crescimento econômico. De certa forma, o
aumento da população urbana e a necessidade de investimentos em
infra-estrutura – principalmente nas áreas de saneamento, urbanização,
portos e estradas de ferro – garantiram uma importante retomada do
nível de atividade da economia brasileira.
A estabilidade monetária e a constante pressão para valorização
cambial deixavam insatisfeitos os cafeicultores, que viam suas receitas
recorrentemente reduzidas ou ameaçadas. A situação agravava-se toda
vez que havia uma previsão de safra excedente na produção de café.

C E D E R J 111
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

Afinal, como você já viu, a participação da produção brasileira na


oferta mundial era altamente significativa, com impactos imediatos na
determinação do preço internacional.
O cenário da virada de 1905 para 1906 caminhava exatamente
nessa direção. Além de uma valorização cambial em torno de 25%, havia
uma perspectiva de grande produção para 1906/7 – em 1906, a safra de
café passava de 20 milhões de sacas para uma demanda internacional
de aproximadamente 16 milhões.
Havia, portanto, a ameaça de mais uma crise de superprodução.
Exercendo sua enorme capacidade de interferência no poder, especial-
mente através do governo da província de São Paulo, os cafeicultores
conseguiram negociar uma vantajosa solução para o problema.
Conhecida como Convênio de Taubaté, esta solução foi firmada em
1906 pelos presidentes das províncias de São Paulo (Jorge Tibiriçá),
Minas Gerais (Francisco Salles) e Rio de Janeiro (Nilo Peçanha), – os
três maiores produtores de café –, mesmo contando com a oposição de
Rodrigues Alves, o então presidente da República.
O Convênio estabeleceu que:
(a) haveria a compra de excedentes de produção pelos governos
estaduais envolvidos;
(b) a compra seria viabilizada por meio de um financiamento de
15 milhões de libras esterlinas;

C AIXA DE (c) o gasto com a compra do excedente de café seria coberto pela
CONVERSÃO criação de um imposto em ouro aplicado a cada saca exportada
Instrumento utilizado de café;
para a estabilização
da taxa cambial.
(d) um fundo seria criado para estabilizar a taxa de câmbio,
Funcionava emitindo
bilhetes que eram impedindo sua constante valorização – que funcionaria na
garantidos por
lastro (reserva de forma de uma CAIXA DE CONVERSÃO;
garantia) em moedas
de ouro nacionais ou (e) seriam tomadas medidas para desencorajar a expansão
estrangeiras, como o das lavouras no longo prazo, como a definição de taxas
dólar e a libra, por
exemplo. Essa conversão proibitivas.
tinha uma paridade
fixa e predeterminada, Essas medidas mudariam significativamente a orientação da
impedindo valorização política econômica do país no que diz respeito às exportações de café.
ou desvalorização
cambial. Foi criada no O Convênio de Taubaté determinou, nesse sentido, a institucionalização
governo Campos Sales
exatamente para impedir da prática de controle de estoques para regular o preço internacional,
uma maior valorização
do mil-réis. artifício permitido pela enorme parcela do mercado internacional
ocupada pela produção brasileira.

112 C E D E R J
Todavia, apesar do sucesso alcançado na estabilização dos preços

6
internacionais, a prática acabou induzindo uma forte concentração na

AULA
atividade cafeeira. Os maiores lucros acabaram direcionados para os
operadores do mercado financeiro, com destaque para os banqueiros
internacionais e as casas comissárias, que compravam o produto na
baixa e vendiam na alta.
Os banqueiros internacionais, inclusive, passaram a dominar
o comércio do café, credenciados pela dívida externa crescente, e
adquiriram grandes fazendas dos produtores nacionais.
Além disso, a manutenção de altos preços e da receita de expor-
tação inviabilizava qualquer tentativa de desestimular o crescimento das
lavouras, tornando o problema insolúvel no longo prazo.

Atividade 3
Medidas para valorização do café 1
Liste as duas principais causas da preocupação dos cafeicultores em estabelecer
medidas de valorização do café no início de 1906. Em seguida, assinale aquela que
tem relação direta com o saneamento financeiro de Campos Sales, justificando sua
resposta.
_________________________________________________________________________ ( )
_________________________________________________________________________ ( )

Justificativa
_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
A previsão de uma grande safra de café e a conseqüente expectativa de queda
significativa dos preços internacionais, em um cenário de câmbio estável, fariam
despencar os rendimentos da atividade cafeeira.
A manutenção das taxas de câmbio estáveis, parte do processo chamado de
saneamento financeiro de Campos Sales, preocupava os cafeicultores, pois,
naquele momento de nossa economia, nada asseguraria a renda que os grandes
senhores do café estavam acostumados a manter.
Com as medidas defendidas no Convênio de Taubaté, a oferta de café seria
reduzida, mantendo estável o preço internacional do produto.

C E D E R J 113
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

CONCLUSÃO

A política econômica da República Velha viveu dois momentos


bem distintos, cujo marco divisório foi o governo Campos Sales,
iniciado em 1898. O momento inicial foi marcado por uma recorrente
desvalorização da taxa de câmbio, o que garantia aos cafeicultores a
manutenção de sua renda em moeda nacional.
Esse quadro implicava a continuidade da expansão das lavouras
e, conseqüentemente, da oferta de café no mercado internacional,
determinando uma grande queda dos preços do produto.
A mudança na economia, promovida por Murtinho a partir de
1898 e definida pela necessidade de renegociação da dívida externa,
permitiu uma estabilização monetária da economia brasileira.
Ao mesmo tempo, o novo cenário de política econômica desfavo-
recia a receita de exportações dos produtores de café. Os produtores,
então, passaram a pressionar o governo a implementar medidas
protecionistas para garantir o lucro. Essas medidas, baseadas no controle
da exportação brasileira do café, foram consolidadas no Convênio de
Taubaté em 1906.

114 C E D E R J
Atividade Final

6
AULA
O preço do café experimentou, ao longo da última década do século XIX, uma queda
brusca no cenário internacional. Observe novamente a Tabela 6.1 (já apresentada
nesta aula):

Tabela 6.1: Produção e Índice de preços internacionais (externos)


e internos do café (1889 =100)

Anos Produção Preços Externos* Preços Internos**


1889 4.260 100 100
1890 5.358 113 120
1891 7.397 90 171
1892 6.202 87 201
1893 4.309 103 276
1894 6.695 92 290
1895 5.476 91 262
1896 8.680 69 252
1897 10.462 47 180

1898 8.771 41 163

Fonte: Delfim Netto (1981, p. 29).


*Preços em moeda estrangeira.
** Preços em mil-réis.

A crise dos preços do café se manteve também nos primeiros anos do século XX,
promovendo quedas expressivas do preço desta mercadoria. Esta alteração no valor do
produto apresentava relação direta com a sua oferta. Assim, quanto maior a produção,
menor o valor do café.

Observe agora a Tabela 6.2:


Tabela 6.2: Produção (em mil sacas) e preço
internacional do café

Anos Produção Preço


1904/5 11.159 7,55
1905/6 11.652 8,35
1906/7 20.607 8,25
Fonte: Gremaud et al. (1997).

C E D E R J 115
Formação Econômica do Brasil | Políticas de sustentação da renda da cafeicultura
na República Velha

Essas duas tabelas se remetem a duas estratégias distintas de manutenção da renda


dos cafeicultores. De acordo com tudo o que você aprendeu nesta aula, quais são essas
estratégias? Não esqueça de mencionar em sua resposta a correlação entre os cenários
financeiros nacional e o internacional.

_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Na Tabela 6.2, você pôde observar como a política de desvalorização cambial favorecia
a receita das exportações de café, pois o preço interno da saca de café aumentou
significativamente, apesar da queda do preço internacional, como está na Figura 6.1.
Nessa tabela, você viu, também, a manutenção do preço internacional do café
apesar do enorme aumento da produção. Isso só foi possível através da compra dos
excedentes de produção pelo governo, o que foi acordado no Convênio de Taubaté.
Por meio dessa atitude, o Brasil reduzia a oferta de café no mercado internacional
e mantinha, assim, os preços constantes em vez de em queda.

RESUMO

No início da República Velha, a moeda nacional sofreu uma forte desvalorização.


Esta desvalorização serviu, até 1898, para valorizar as receitas das exportações
de café, apesar da queda do preço internacional do produto. Este círculo vicioso
não pôde ser mantido por muito tempo, o que determinou, a partir de 1898,
no governo Campos Sales, a tomada de medidas de ajustamento e saneamento
monetário. No entanto, a estabilização monetária contrariava os interesses dos
cafeicultores. O Convênio de Taubaté, firmado em 1906, formalizou uma nova
prática de proteção da renda da cafeicultura.

116 C E D E R J
SITES RECOMENDADOS

6
AULA
FUNDAÇÃO CASA RUI BARBOSA. Disponível em: <http://www.casaruibarbosa.gov.br>. Acesso
em: 15 set. 2005.

REPÚBLICA Velha. Disponível em: <http://www.ceap.g12.br/pagina/republicavelha.htm>. Acesso


em: 15 set. 2005.

RUI Barbosa. Disponível em : <http://www.biblio.com.br/Templates/RuiBarbosa/RuiBarbosa.htm>.


Acesso em: 15 set. 2005.

C E D E R J 117
7

AULA
Origens dos desequilíbrios
regionais no Brasil
Meta da aula
Descrever os determinantes históricos dos
desequilíbrios regionais no Brasil.
objetivos

Esperamos que, ao final desta aula, você seja


capaz de:

Reconhecer as desigualdades econômicas


1
e regionais no Brasil como conseqüência de
seu modo de ocupação.

Conhecer as razões históricas do desequilíbrio


2
econômico das regiões brasileiras.

Interpretar dados atuais sobre a situação


3
socioeconômica das regiões brasileiras,
considerando os fatos históricos que
a provocaram.

Pré-requisito
Para acompanhar esta aula, é importante reler os
boxes “O sentido da colonização” e “Economia
de subsistência x economia mercantil”, da Aula 1,
bem como as Aulas de 4 a 6.
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

Você se lembra da canção A Novidade, de Herbert Vianna, Bi Ribeiro e


Gilberto Gil? Nela, os compositores criticam a desigualdade social do
país. Confira: “Oh, mundo tão desigual/Tudo é tão desigual/(...) De um
lado este carnaval/Do outro a fome total”. A música foi feita em 1986.
Depois de 20 anos, você acha que a desigualdade no país aumentou
ou diminuiu? Por quê?

INTRODUÇÃO O Brasil faz parte do grupo das 15 maiores


PRODUTO INTERNO
economias mundiais, além de já ter representado, BRUTO (PIB)
na década de 1980, o oitavo maior PRODUTO INTERNO É o valor agregado
BRUTO (PIB) do mundo. Apesar de resultados tão de todos os bens
e serviços finais
animadores, é um dos campeões de desigualdade produzidos dentro
de um país. É uma
econômica. Segundo matéria publicada no jornal medida da riqueza
do país em um
Folha de S. Paulo, em 2004, nosso país era o 109º
período de tempo
na lista das nações com maior índice de exclusão determinado (em
geral, calculado para
social (IES). Como isto é possível? Quais as origens cada ano).
desta desigualdade? Para descobrir isto, devemos
retroceder no tempo até a época colonial, quando a
economia brasileira começou a se formar. Você está pronto para a viagem?
Nesta aula, portanto, você vai rever algumas questões tratadas até o momento,
mas com um objetivo diferente. Esperamos que você possa entender o
fenômeno dos desequilíbrios regionais, ao analisar as atividades canavieira,
pecuária, da cotonicultura, mineira, da borracha e cafeeira. Os conhecimentos
de que você dispõe agora podem ajudá-lo bastante neste trabalho.

OS DESEQUILÍBRIOS REGIONAIS SÃO UMA MARCA DA


ECONOMIA BRASILEIRA

O equilíbrio econômico entre as regiões distingue os países mais


desenvolvidos dos menos desenvolvidos. Canadá e Estados Unidos,
por exemplo, são países onde há pouca discrepância em relação ao
desenvolvimento entre os estados e menos desequilíbrios internos. Em
nenhum deles, entretanto, um estado tem peso econômico expressivamente
superior aos demais, como acontece no Brasil, onde São Paulo participa
com um terço do PIB brasileiro.

120 C E D E R J
A maneira como a população está distribuída no território também

7
CENSO
é um indicador dos desequilíbrios regionais do país. Observe com atenção DEMOGRÁFICO

AULA
a Tabela 7.1, que contém as informações mais recentes sobre o tema, Realizado em média
a cada dez anos, o
obtidas durante o CENSO DEMOGRÁFICO de 2000. Nela, você pode verificar censo demográfico
que 42,6% da população brasileira vivem na Região Sudeste. Nas regiões é uma ferramenta
muito importante
Norte e Centro-Oeste, correspondentes a duas terças partes do território, para acompanhar

!
a evolução de
residem apenas 14,5% da população. uma sociedade.
Com os dados
que essa pesquisa
disponibiliza,
No Brasil, o próximo podemos traçar um
retrato da situação
censo demográfico vai ser
do país, em relação
realizado em 2010. Fique atento a população,
aos resultados. Você estará terminando o concentração de
curso de Administração, e estas informações renda, desemprego,
podem ser úteis em sua profissão. Enquanto isso, fecundidade,
migrações internas,
se você quiser ter mais informações sobre o Censo
entre outros temas.
Demográfico mais recente do Brasil (2000), acesse A partir dos
o site do Instituto Brasileiro de Geografia e resultados do censo,
Estatística (IBGE), responsável pela podem-se elaborar
pesquisa em nosso país: http: políticas públicas
mais adequadas à
//www.ibge.gov.br
realidade do país.

Tabela 7.1: Distribuição da população brasileira por regiões – 2000

Regiões População absoluta/ Distribuição regional


relativa (%) do território (%)

Norte 12.904.737 - 7,6 45,3

Nordeste 47.713.567 - 28,1 18,3

Centro- 11.716.143 - 6,9 18,9


Oeste

Sudeste 72.334.446 - 42,6 10,9

Sul 25.130.277 - 14,8 6,8

Brasil 169.799.170 - 100,0 100,0


Fonte: IBGE, 2000.

Outro indicador dos desequilíbrios regionais é a distribuição do


PIB por regiões. Veja só a Tabela 7.2. Observe que, em 2001, a região
mais desenvolvida, o Sudeste, concentrava 57,12% do PIB brasileiro,
percentual superior à sua participação na população (42,6%). Já a Região
Nordeste participava com apenas 13,12% do PIB, percentual inferior à
metade de sua participação na população (28,1%).

C E D E R J 121
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

Tabela 7.2: Distribuição do Produto Interno Bruto (PIB) por regiões – 2001

PIB (em milhões de


Regiões Participação no PIB Brasil (%)
dólares)

Norte 24.293 4,76

Nordeste 66.959 13,12

Centro-Oeste 36.746 7,20

Sudeste 291.518 57,12

Sul 90.844 17,80

Brasil 510,260 100,00

Fonte: IBGE. Departamento de Contas Nacionais (2001)

Se você se interessa pela comparação da economia brasileira com a de


outros países, consulte os relatórios anuais sobre o desenvolvimento
econômico mundial, disponíveis no site do Banco Mundial
(www.worldbank.com). Nos sites do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística, IBGE (www.ibge.gov.br) e do Instituto de Pesquisa Econômica
Aplicada, IPEA (www.ipeadata.gov.br), você pode encontrar indicadores
sobre desigualdades regionais no Brasil.

Atividade 1
Em busca do emprego ideal
Imagine que um amigo seu lhe pede ajuda. Ele vive em uma cidade pequena e tem
um emprego razoável, mas, para ele, isto não é o bastante: ele quer mudar de vida,
ganhar mais, morar em uma cidade maior, com mais oportunidades. Para ajudá-lo, você
conseguiu os dados a seguir:
• Os valores do rendimento médio dos responsáveis pelos domicílios (em reais,
no ano de 2000), residentes nas cidades com mais de 100 mil habitantes (cidades
médias) localizadas em regiões metropolitanas ou no interior estadual das cinco
macrorregiões.

Cidades médias Cidades médias não-


metropolitanas metropolitanas
Região Centro-Oeste 488,16 661,81
Região Norte 554,22 531,08
Região Nordeste 533,68 476,57
Região Sudeste 804,68 888,84
Região Sul 808,57 812,51
Média 761,71 767,17
Fonte: IBGE. Indicadores Sociais Municipais (2003)

122 C E D E R J
7
• A distribuição do valor do rendimento médio dos responsáveis pelos domicílios (em

AULA
reais) segundo classes de tamanho dos municípios.

Brasil 768,83
Até 5.000 habitantes 424,08
De 5 a 10.000 habitantes 409,66
De 10.000 a 20.000 habitantes 416,32
De 20.000 a 50.000 habitantes 479,55
De 50.000 a 100.000 habitantes 612,80
De 100.000 a 500.000 habitantes 810,48
Mais de 500.000 habitantes 1.190,00
Fonte: IBGE.Indicadores Sociais Municipais (2003)

• A distribuição das cidades com mais de 100 mil habitantes segundo localização nas
macrorregiões.

Norte 6,3%
Centro-Oeste 5,4%
Nordeste 20,2%
Sudeste 50,7%
Sul 17,4%
Fonte: IBGE. Censo Demográfico (2000)

Em sua opinião, em qual tipo de cidade e região seu amigo pode encontrar mais facilmente
um emprego com rendimento mais elevado? Por quê?
________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________

Resposta Comentada
Os municípios com mais de 500 mil habitantes situados na Região Sudeste são os
melhores lugares para o seu amigo encontrar o que procura. As cidades localizadas
fora das regiões metropolitanas também são uma boa alternativa para ele. O
motivo é que o rendimento cresce à medida que aumenta a população, e é mais
elevado nas cidades do Sudeste, onde, além disso, existe um número bem
maior de cidades com mais de 100 mil habitantes.

C E D E R J 123
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

Os desequilíbrios regionais sempre fizeram parte de nossa


realidade. Como e por que as regiões brasileiras têm indicadores tão
diferentes? Para responder a esta pergunta, vamos buscar as raízes
históricas deste processo.
Em nosso país, até meados do século XIX, as regiões eram
caracterizadas como ilhas regionais, sem guardar relações econômicas
entre si. De 1850 a 1930, a expansão cafeeira e a industrialização
romperam este isolamento regional, fazendo surgir uma economia
centrada em São Paulo. Isso tornou as demais regiões dependentes
do dinamismo paulista. Para começar, vamos ver o que aconteceu no
Nordeste, na região das Minas, no Sul e no Norte do país?

NORDESTE: DO AUGE AÇUCAREIRO À ESTAGNAÇÃO

O Nordeste atravessou um processo secular de estagnação,


tornando-se uma área de emigração. No entanto, foi nessa região que
se desenvolveu a primeira atividade econômica importante do País: a
agroexportação canavieira, como você estudou nas Aulas 1 e 2. Além
da cana-de-açúcar, foram importantes a pecuária (Aula 2) e a cultura
do algodão, cotonicultura (Aula 3). Nenhuma dessas, todavia, trouxe
as condições para a superação da crise.
Na primeira aula, você conheceu as principais características da
economia canavieira. Tratava-se de uma atividade iniciada no Brasil pelos
colonos portugueses para proporcionar lucros mercantis, transferidos em
sua maior parte para a metrópole. Em função disso, era caracterizada pela
ocupação extensiva da terra e pela utilização da mão-de-obra escrava.
A monocultura açucareira contava com mercado consumidor europeu
(se você quiser relembrar esse assunto, volte ao boxe explicativo da Aula
1 “O sentido da colonização”).
O engenho de açúcar, unidade de produção típica, apresentava
elevado grau de auto-subsistência, o que implicava baixa circulação
interna de dinheiro, tornando a economia local pouco afetada pelas
oscilações observadas na renda das exportações da cana-de-açúcar. No
entanto, a partir de meados do século XVII, a renda das exportações caiu
devido ao declínio dos preços internacionais do açúcar, como vimos na
Aula 1, e a agroexportação mergulhou em uma crise que impediu o seu
processo de desenvolvimento. Repare, na Tabela 7.3, como diminuiu o
preço pago por tonelada de açúcar no período que vai do início do século
XVII, quando a cana de açúcar começou a ser cultivada no Brasil, e o
princípio do século XX.
124 C E D E R J
Tabela 7.3: Preços do açúcar por tonelada (em libras)

7
AULA
Período Preço por tonelada (libras)
Início do século XVII 120
Início do século XVIII 72
Início do século XIX 30
Metade do século XIX 16
Início do século XX 9
Fonte: REGO; MARQUES (2003)

Segundo Celso Furtado (1971), as necessidades de abastecimento


interno no âmbito da economia canavieira referiam-se apenas a fontes
de energia: madeira para lenha e animais como meio de transporte.
A ocupação extensiva da cana diminuía a disponibilidade desses recursos
nos engenhos, levando os grandes proprietários a comprá-los dos
pequenos produtores locais (releia o boxe “O conceito de produtividade
e o uso extensivo de recursos”, na Aula 1).
A pecuária e a cultura do algodão (cotonicultura) foram
importantes instrumentos de ocupação do interior nordestino.
Entretanto, ao se manterem como atividades de baixa produtividade,
não contribuíram para a formação de um mercado interno que sustentasse
o desenvolvimento industrial da região. Vamos ver estas atividades de
maneira mais detalhada?

Pecuária

Em função das relações mercantis, inicialmente no Nordeste,


desenvolveu-se uma atividade pecuária, que foi a projeção da economia
canavieira. A pecuária foi, portanto, mais importante como atividade de
ocupação do território do que por sua contribuição à economia colonial.
Por meio dela, foi possível ocupar o interior do país. Esta atividade
serviu também como “amortecedor” das crises da cana-de-açúcar, ao
abrigar trabalhadores que se tornaram desnecessários para a economia
canavieira, durante a crise.
Outra vantagem da pecuária em relação às demais atividades
voltadas para o mercado externo era não demandar investimento inicial
elevado. Tampouco eram necessários gastos operacionais, tratando-se,
assim, de uma atividade muito resistente às crises.
Como a atividade canavieira, a pecuária teve um papel fundamental
para a formação do que Furtado chamou “reservatório de mão-de-obra”.

C E D E R J 125
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

Isso explica por que, mesmo com a economia nordestina estagnada, a


região participava com 40% da população brasileira ainda em 1900,
tendo se tornado a maior região de emigração ao longo do século XX.

Algodão: uma alternativa para a cana-de-açúcar

Outra importante cultura nordestina foi a do algodão


(cotonicultura), considerada como uma alternativa à crise da economia
canavieira no século XVIII, dada a identificação da Revolução Industrial
com a indústria têxtil.
Importante matéria-prima industrial, o algodão nordestino
somente conheceu desenvolvimento nos momentos em que os produtores
tradicionais experimentaram crises, como na Guerra Civil norte-
americana. Terminado o conflito, as exportações de algodão caíram.
No entanto, essa cultura proporcionou o aparecimento de
atividades industriais têxteis no início do século XX, sendo abortada na
crise de 1929. Passada a crise, a cotonicultura paulista, tecnologicamente
mais moderna, limitou o crescimento dessa atividade e, conseqüentemente,
seu dinamismo como fonte de renda da economia nordestina.
Os efeitos de todos esses acontecimentos ainda se fazem sentir na
região. Vamos ver, na Atividade 2, como evoluiu a situação no Nordeste na
última década do século XX? Será que houve alguma melhora no período?

126 C E D E R J
Atividade 2 Tabela

7
AULA
O Nordeste nosso de hoje em dia
Observe, no quadro a seguir, a evolução do ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) do Brasil e
suas macrorregiões em 1991 e 2000.

Pessoas Pessoas
com renda com renda
IDH IDH per capita per capita
IDH IDH
Educação Educação inferior a inferior a
1991 2000
1991 2000 1⁄2 salário 1⁄2 salário
mínimo em mínimo em
1991 (%) 2000 ( %)
Norte 0,656 0,725 0,705 0,827 48,792 45,359
Nordeste 0,580 0,676 0,600 0,754 67,092 57,153
Centro-
0,725 0,793 0,786 0,881 31,398 24,792
Oeste
Sudeste 0,730 0,791 0,797 0,877 30,837 33,851
Sul 0,737 0,808 0,804 0,896 30,243 19,875
Fonte: www.ipeadata.gov.br – IPEA/PNUD/Fundação João Pinheiro –
Desenvolvimento Humano e Condições de Vida: Indicadores Brasileiros.

Com base nesta tabela, analise a situação atual da Região Nordeste, considerando o IDH. Compare-a
com a das demais regiões, tomando por referência a dificuldade da região em superar a crise da
economia canavieira.
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________

Resposta Comentada
O IDH da Região Nordeste melhorou ao longo da década de 1990, mas ainda continua
sendo o mais baixo entre todas as regiões, refletindo a incapacidade da região para superar
a crise na economia canavieira e encontrar alternativas economicamente mais dinâmicas
para a sua economia, o que iria refletir-se em melhores índices de desenvolvimento humano.
O elevadíssimo percentual de residentes com renda inferior a meio salário mínimo é um
indicador da fraca circulação de renda na região, dificultando o surgimento de novas
atividades econômicas.

IDH
Criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é composto
da conjugação de três indicadores: a renda per capita; o número de anos de escolaridade e a taxa de expectativa
de vida. Trata-se de um índice criado para comparar o desenvolvimento entre países, introduzindo indicadores
de condições de vida ao tradicional cálculo do PIB e da renda per capita.
No Brasil, este indicador foi calculado nos anos em que houve Censo Demográfico a partir de 1970. Estes
dados estão disponíveis no site www.ipeadata.gov.br.

C E D E R J 127
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

A REGIÃO DAS MINAS: A ILUSÃO DO OURO

Outra região brasileira em que se sentiram intensamente os efeitos


da atividade econômica realizada pela colônia foi a região das minas,
localizada principalmente no Estado de Minas Gerais, no Sudeste. No
século XVIII, a descoberta de ouro na região gerou um grande movimento
migratório para o interior, inclusive de portugueses.
Por tratar-se de uma atividade que não dependia da propriedade
de terras, o garimpo atraiu todo tipo de trabalhadores, até mesmo os
ex-escravos que conseguiram comprar sua liberdade. Diferente da fazenda
de açúcar, onde havia produção de subsistência, a atividade garimpeira era
totalmente voltada para a produção mercantil (releia o boxe “Economia
de subsistência versus Economia mercantil”, da Aula 1).
Devido à inexistência de agricultura nas áreas de garimpo, o
abastecimento da população garimpeira gerou um comércio de longa
distância, incluindo desde os produtores primários do Sul do país até os
criadores do Nordeste. Outra característica que distinguia a mineração
da cultura canavieira era a concentração da população em cidades,
necessitando de abastecimento alimentar, o que impulsionou a economia
do interior da Colônia.
O isolamento geográfico, conjugado ao curto período do chamado
“ciclo do ouro”, fez com que as atividades manufatureiras voltadas
para o mercado interno não se mostrassem sustentáveis. Segundo Castro
(1971) “a crise da economia do ouro, ao contrário dos demais casos
na história brasileira, teve origem na incapacidade de sustentação da
oferta” (p. 28).

O SUL: LATIFÚNDIO E INDÚSTRIA REGIONAL

A ocupação do que é atualmente o Rio Grande do Sul foi movida


pela colonização de povoamento, a partir dos século XVIII, com o
imigrante europeu estabelecendo-se como pequeno proprietário, não
estando aí presente o trabalhador escravo.

128 C E D E R J
7
AULA
O povoamento da Região Sul é o pano de fundo no filme brasileiro O quatrilho,
indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, no ano de 1996. Nesse filme, os quatro
personagens principais formam dois casais, todos imigrantes italianos ou portugueses,
tendo um deles conseguido ultrapassar a condição de pequeno proprietário agrícola,
tornar-se comerciante e depois transformar-se em banqueiro.

Naquela região, a principal atividade econômica era a pecuária


– que exerceu papel fundamental no abastecimento da região mineira (na
época do ouro) – além da produção agrícola, voltadas para o mercado
interno.
No Rio Grande do Sul, o território foi dividido segundo a
utilização em distintas atividades. Ao sul, predominava a pecuária,
baseada no latifúndio e empregando pequeno número de trabalhadores.
Ao norte, predominava a agricultura, com base no trabalho extensivo
que a imigração européia propiciou.

No site do Memorial do Imigrante, você encontra depoimentos dos trabalhadores de


31 países que vieram trabalhar no Brasil.
Acesse http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/Oral/

Ao sul, pela baixa geração de emprego, uma das características


da pecuária, o mercado consumidor não se desenvolveu. Ao norte,
no entanto, devido à agricultura, produziu-se um amplo mercado
consumidor, ainda que de baixa renda. Nestas condições, surgiram
cidades que geravam mercado para a agricultura mercantil, cuja renda
estimulava as atividades manufatureiras urbanas. Produziu-se, assim,
um círculo virtuoso que sustentou o dinamismo da economia local,
articulando agricultura, pecuária e indústria.
O alcance desse mercado industrial era, entretanto, pequeno:
cobria apenas a região do extremo-sul. No século XX, quando a indústria
regional defrontou-se com a competição da indústria paulista, perdeu
fôlego e a economia estadual diminuiu sua participação no produto
industrial do país.
Diferentemente das economias cafeeira e mineira, a economia
do extremo sul encontrou, no mercado interno, sua estratégia de
desenvolvimento. Inseriu-se na economia brasileira pela oferta de alimentos,
tornando-se o primeiro celeiro do país (grande produtor de alimentos).

C E D E R J 129
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

Figura 7.1: O desenvolvimento do Rio Grande do Sul reflete


as distintas formas de ocupação da terra: na parte sul,
dominada pelo latifúndio, explora-se a pecuária, ao passo
que, ao norte do estado, predomina a pequena proprie-
dade, onde desenvolveram-se as indústrias e as principais
cidades gaúchas, fora da região metropolitana de Porto
Alegre, como é o caso de Caxias do Sul.

AMAZÔNIA: O “CICLO” DA BORRACHA

É sempre bom lembrar que falar de ciclos na economia colonial


não significa que, ao final do período de predomínio daquele produto,
há um retrocesso às condições econômicas anteriores. A experiência
dessas atividades quase sempre tem impacto favorável na economia
local. Houve, entretanto, um caso de regressão à situação vigente antes
do início do ciclo: a do Amazonas, após o ciclo da borracha.
De 1870 a 1920, as exportações de látex da Amazônia atingiram
tamanha proporção que a região conheceu a prosperidade de que é
testemunha o Teatro Amazonas, de Manaus. Em alguns momentos, o
valor das exportações de látex atingiu aproximadamente 75% do valor
das exportações de café, como você pode observar na Tabela 7.4.

130 C E D E R J
7
AULA
Figura 7.2: A riqueza gerada pela
economia da borracha permitiu a
construção do monumental Teatro
Amazonas, um símbolo daquele
período ainda preservado pelo
Patrimônio Histórico.

Figura 7.3: Apesar da riqueza que


gerou, o ciclo da borracha não
proporcionou o surgimento de
outras atividades que poderiam
superar a crise na produção. A
economia regional regrediu e,
até os nossos dias, as condições
de vida de parte significativa da
população são conseqüências
deste retrocesso.

C E D E R J 131
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

Tabela 7.4: Exportações de café e borracha (em 1000 contos)

Ano Borracha (AM) Café (SP) AM/SP (%)

1871-1880 107,9 221,8 48,6

1881-1890 185,5 490,7 37,8

1891-1900 1.163.3 2.860,0 40,7

1901-1910 2.268,8 2.899,2 78,3

1911-1920 1.406,8 4.942,0 28,5

Fonte: REGO ; MARQUES (2003)

Tamanho dinamismo está relacionado à expansão da indústria


que demandava borracha, atividade explorada em regime extrativista,
somente encontrada na Amazônia. Mesmo desfrutando de condições de
monopolista, a economia da borracha não propiciou o desenvolvimento
regional em bases sustentáveis, como ocorreu na região do café naquele
mesmo período.
A atividade extrativista atraiu grande contingente migratório, em
grande parte proveniente do Nordeste, onde a estagnação econômica
associada às periódicas secas expulsava trabalhadores, que se submetiam
a relações de trabalho caracterizadas por grande vulnerabilidade.
A economia da borracha era uma atividade nômade, que pouco
fixava o trabalhador à terra. Pelo seu caráter extrativista, o trabalhador
era contratado sob o esquema do aviamento, recebendo em espécie, com
pequena parcela em dinheiro, e levado a adentrar o território em busca
de novas seringueiras, árvores de onde o látex era extraído. Tratava-se,
assim, de uma economia em que havia muito pouca circulação de dinheiro,
não favorecendo o surgimento de cidades – com exceção das aquelas
portuárias, para onde a borracha era transportada, com fins de exportação.
O desenvolvimento de uma agricultura mercantil não era estimulado.
Outro fator que limitou o impacto do ciclo econômico da borracha foi
o fato de que sua infra-estrutura de transportes era constituída por rios e canais
fluviais, abundantes na Região Norte. Não houve, portanto, investimento em
malha ferroviária, ao contrário do ocorrido na região cafeeira.
A conjugação desses fatores – atividade extrativista, relações de
trabalho baseadas no aviamento e inexistência de investimento no sistema
de transporte – não permitiu que a crise do ciclo da borracha pudesse ser
superada com o desenvolvimento de outra atividade de maior dinamismo,
como aconteceu com a indústria, na região do café.

132 C E D E R J
Com a entrada de outros países produtores de borracha, nas

7
primeiras décadas do século XX, veio a crise, sem que o dinamismo tivesse

AULA
se instalado em bases sustentáveis. A economia amazônica voltou a se
isolar: sua participação na produção industrial, que em 1907 atingira
4,3% do total nacional, seria de apenas 1,3%, em 1919.

Veja mais curiosidades sobre esta época em http://veja.abril.com.br/idade/


exclusivo/amazonia/curiosidades.html

Atividade 3
Tamanho não é documento
Segundo o IBGE, a participação percentual do estado do Amazonas no PIB do país era
equivalente a 1,7%, em 2000. Quando se considera que o estado ocupa uma grande
parte do território nacional, sua participação no PIB brasileiro parece insignificante. Já
Minas Gerais, com um território muito menor, tem uma participação de 7,7% no PIB do
Brasil. Como você explicaria estes resultados? Para responder a esta pergunta, lembre-se
de como foi a ocupação destas áreas e em que época. O tipo de atividade desenvolvida
em cada região também é um fator muito importante.

Resposta Comentada
A economia amazônica teve seu auge durante o ciclo da borracha, entre fins
do século XIX e início do século XX. Neste período, por ser o principal produtor,
o Amazonas foi beneficiado com elevados preços internacionais. A situação
se modificou com a entrada de produtores concorrentes, o que fez declinar o
preço da borracha e levou à crise da economia estadual. As características dessa
atividade extrativista não concorreram para a fixação da população nem para que
surgissem cidades – e o mercado consumidor que poderia viabilizar o surgimento
de atividades manufatureiras.
No Estado de Minas Gerais, o ciclo do ouro levou à intensificação da ocupação
do território, à criação de cidades e ao estímulo à atividade manufatureira. Esta,
contudo, foi bloqueada pela Coroa Portuguesa. Após a independência de Portugal,
a região pôde experimentar maior desenvolvimento.

C E D E R J 133
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

SÃO PAULO: DO CAFÉ À INDUSTRIALIZAÇÃO

No 450º aniversário da cidade de São Paulo, em 2005, os paulistanos receberam uma


homenagem: a minissérie da TV Globo chamada Um só coração. Nela, estavam presentes
todos os referenciais econômicos e culturais que marcaram a ocupação da região desde
a instalação da Capitania de São Vicente (São Paulo). O destaque, entretanto, foi
dado para o período compreendido entre 1920 e 1954, quando a capital estadual, a
cidade de São Paulo, comemorava seu quarto centenário. Trata-se de um período de
intensas mudanças da cidade e do estado, em função do processo de industrialização
que transformava a elite econômica local em empresários industriais.
Muitos dos personagens da minissérie são reais ou foram baseados em personalidades
representativas da sociedade paulista: o fazendeiro descendente das famílias dos
bandeirantes; o fazendeiro de café que enfrenta a crise tentando reconverter o uso
de sua terra para outros cultivos; e, sobretudo, a emergente burguesia industrial,
constituída de imigrantes europeus. Esses personagens referiam-se a São Paulo como
“a locomotiva do Brasil”, em uma referência à condição da economia paulista como
a que alavancava a economia brasileira.

A cultura do café transformou a economia paulista, proporcio-


nando-lhe as bases para que sua crise fosse superada pela transferência de
recursos para a atividade industrial. Esse fenômeno, ocorrido por volta da
metade do século XIX em São Paulo, não se manifestou em outras regiões
onde se desenvolveram ciclos de monocultura.
A transformação da cidade de São Paulo de um burgo, de apenas
15 mil habitantes em 1790, para a metrópole que em 2000 contava
com aproximadamente 11 milhões de habitantes pode ser mais bem
entendida ao estudarmos os determinantes históricos de nossa atual
estrutura geoeconômica.

Figura 7.4: São Paulo: um pequeno burgo, em fins do século XIX, transforma-se,
aproximadamente cem anos depois, na maior cidade da América Latina.

134 C E D E R J
São Paulo foi a única região em que uma atividade agroexportadora

7
teve sua crise superada pelo surgimento de uma atividade mais dinâmica: a

AULA
indústria. Esta, por sua vez, transformou São Paulo na “locomotiva” do PIB
brasileiro, atingindo um percentual equivalente a 39,4%, em 1970. Tamanha
polarização econômica transformou a capital estadual – que, no século XIX,
não passava de uma pequena cidade, se comparada com as maiores cidades
brasileiras da época – na maior metrópole sul-americana.
Observe, na Tabela 7.5, os números que confirmam essa tendência.
O Rio de Janeiro, então capital do país, tinha aproximadamente 43
mil habitantes em 1790, ao passo que São Paulo contava com apenas
15 mil. Salvador e Recife, na mesma época, tinham por volta de 40
mil e 25 mil habitantes, respectivamente. A população de São Paulo
aumentou quase 40 vezes deste período até 1920, ao passo que a de
Salvador cresceu apenas sete vezes, a de Recife, quase 10, e a do Rio de
Janeiro, 27 vezes.

Tabela 7. 5: População de cidades brasileiras selecionadas no período 1790-1930

Ano Salvador Recife Rio de Janeiro São Paulo


1790 40.000 25.000 43.000 15.000
1872 129.000 117.000 275.000 32.000
1890 174.000 112.000 523.000 65.000
1900 206.000 113.000 811.000 240.000
1920 280.000 240.000 1.158.000 579.000
Fonte: REGO; MARQUES (2003)

Conforme você estudou nas aulas anteriores, a economia cafeeira


TERRA ROXA
passou a sustentar a economia brasileira, a partir de 1840, introduzindo
Localizada nos
grande dinamismo quando o país atingia sua independência política. terrenos entre o
Planalto Meridional
Inicialmente instalada no Rio de Janeiro, a cultura cafeeira foi explorada e o Planalto Atlântico
(sul de São Paulo e
de maneira extensiva: em grandes extensões, em monocultura e utilizando norte do Paraná),
mão-de-obra escrava. Este tipo de uso do solo esgotou rapidamente os a terra roxa foi um
dos diferenciais da
terrenos, o que levou os fazendeiros a buscar terrenos mais férteis como região na cultura
do café. Altamente
os do oeste paulista (TERRA ROXA). fértil e resultante da
decomposição de
rochas basálticas, o
solo de terra roxa
contém areia, argila,
calcário e húmus
em quantidades
equilibradas. Não
é muito seco, nem
úmido demais,
permitindo boa
circulação do ar.

C E D E R J 135
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

!
Iniciada a partir da
década de 1870, a expansão da
cafeicultura no Oeste Paulista provocou
o deslocamento do eixo econômico do Rio de
Janeiro e do Vale do Paraíba para esta região. Por
este motivo, o Oeste paulista passou a desempenhar um
papel central na economia brasileira. Entre as condições
favoráveis, estavam as condições geoclimáticas adequadas
(terra roxa, relevo predominantemente plano, temperatura
e distribuição de chuvas adequadas para o cultivo do café),
utilização de técnicas mais modernas, além de utilização
de mão-de-obra assalariada, incluindo os imigrantes
europeus. A produção era escoada pelo porto de
Santos e, com isto, surge a necessidade de um
transporte mais moderno entre ele e as
áreas produtoras: o trem.

! Quer saber mais sobre


a importância das ferrovias na
expansão da cultura cafeeira? Consulte o site
http://www.spsitecity.com.br/formacao/
cafe.htm

História da cafeicultura no Brasil


Quer saber mais sobre a história da cultura de café no Brasil? Consulte o site
da Associação Brasileira da Indústria de Café – Abic (http://www.abic.com.br/
scafe_historia.html#cafe_brasil), principalmente o item O Trajeto do Cultivo do
Café no Brasil.

!
Floresta da Tijuca, um
antigo cafezal
Uma das maiores florestas urbanas do
mundo, a Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro,
já foi uma área de plantio de café e cana-de-
açúcar. O desgaste causado pelo uso irracional do
solo com estas atividades fez com que, em 1861, o
imperador D. Pedro II ordenasse o reflorestamento
da região, em iniciativa pioneira na América
Latina. Atualmente, a floresta é uma das
atrações turísticas da cidade.

136 C E D E R J
A partir de 1880, São Paulo tornou-se o maior produtor do país.

7
Esse desempenho está associado a quatro fatores principais: técnicas de

AULA
produção que sustentavam a fertilidade do solo por mais tempo do que
no cultivo da província fluminense; disponibilidade de terras, implantação
da malha ferroviária e mão-de-obra livre.
Segundo Gala (2003):

desde o plantio e colheita, até o beneficiamento – com a utilização


de despolpadores, ventiladores, separadores, classificadores, dentre
outras máquinas – a cafeicultura paulista apresentava um produto
mais barato e de qualidade igual ou superior ao fluminense (p.
240).

Por ser uma cultura que se instalara inicialmente em terras


fluminenses, a economia cafeeira na nova área de expansão da produção
pôde ultrapassar o conhecimento técnico acumulado e desfrutar de maior
produtividade e, portanto, de maior lucratividade.
A disponibilidade de terras planas e de maior fertilidade era
outro fator que distinguia a cafeicultura do oeste paulista da fluminense.
Ademais, os cafezais paulistas eram mais novos, mais produtivos.
A oferta de terras ampliou-se com a expansão da malha
ferroviária, permitindo o aproveitamento de território mais distante do
litoral. Além de proporcionar essa maior disponibilidade de recursos
naturais e deslocamento a custos decrescentes, a expansão ferroviária
transformou-se em infra-estrutura de apoio à atividade industrial que
ia se instalando, sucedendo a cultura do café.
Finalmente, o fator mais importante a favor da cultura cafeeira
paulista, em relação à fluminense, estava nas relações de trabalho, livre
no oeste paulista e escravo no Estado do Rio de Janeiro. A proibição
do tráfico negreiro, em 1850, elevou os preços dos escravos, o que
estimulou a emigração de trabalhadores europeus, interessados em se
tornar pequenos proprietários. A necessidade de poupar fez do emigrante
um trabalhador muito mais produtivo do que o escravo. Além disso, o
trabalhador livre era consumidor, e o escravo não era, o que impactava
significativamente a formação do mercado consumidor, necessário para
estimular o surgimento de indústrias.

C E D E R J 137
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

A CULTURA DO CAFÉ E O SURGIMENTO DE CIDADES

Por ser uma atividade muito dependente de mão-de-obra (agora


constituída de trabalhadores livres), houve estímulo ao surgimento de
muitas cidades: ao deslocar-se o plantio de novos cafezais, a terra era
reconvertida para outros usos agrícolas, intensificando uma agricultura
mercantil iniciada pelos trabalhadores em regime de colonato. Ao receber
permissão para cultivar alimentos paralelamente ao café, os trabalhadores
produziram uma agricultura mercantil que permitiu o abastecimento das
cidades, contribuindo para sua consolidação, e conseqüente não-reversão,

!
como no caso da Amazônia.

As relações entre expansão


cafeeira e origens da indústria estão
descritas nas Aulas de 4 a 6. Se você compreendeu bem
os conceitos desenvolvidos nelas, não terá dificuldade em
acompanhar o restante desta aula e ainda poderá
reforçar o seu conhecimento.

Quando a economia cafeeira passou a enfrentar crises de


superprodução, a partir de 1894, a reação foi o estabelecimento de
política de sustentação da renda dos cafeicultores, inicialmente através
das desvalorizações cambiais, que permitiam a manutenção da receita
das exportações, sustentando-lhe a lucratividade ao mesmo tempo
que encarecia as importações. Isso criava estímulo à industrialização
substitutiva de importações.
A partir de 1906, a política de sustentação da renda da cafeicultura
passou a ter como base a compra dos excedentes de produção, o que
continuava a assegurar a renda do negócio e, portanto, o nível de emprego
nessa atividade. A manutenção do nível de emprego e o encarecimento
das importações levaram à migração dos lucros da atividade cafeeira
para financiar os empreendimentos industriais.
Portanto, a expansão cafeeira para o oeste paulista criou as
bases para a emergência da indústria. Segundo Gala (2003), havia forte
complementaridade entre o capital cafeeiro e o industrial.

138 C E D E R J
Isso significa que a atividade cafeeira, apesar de liderar o processo

7
de acumulação, contribuiu fortemente também para a ampliação

AULA
industrial. Nos momentos de bonança, as indústrias se beneficiavam
da renda gerada pelas exportações de café – aumento de demanda
por alimentos, por máquinas de beneficiamento, sacarias, transporte
etc. –; nos momentos de crise, a atividade industrial surgia como
um refúgio para a aplicação do capital, principalmente nos setores
urbanos (p. 243).

A superação da crise cafeeira pela indústria – uma atividade mais


dinâmica, geradora de maior produtividade – transformou não só a
economia paulista, mas a do país. As indústrias das demais economias
regionais tornaram-se zonas de complementação da indústria paulista,
especializando-se em fornecer insumos a serem processados por ela (como
no caso da zona metalúrgica de Minas Gerais). Foram poucos os casos em
que uma economia voltada para o mercado regional conseguiu ampliar
seu alcance para o mercado nacional. A indústria têxtil e a de cerâmica,
ambas catarinenses, são exemplos disso.
A indústria paulista chegou a ter uma participação de 58,1% no
PIB industrial brasileiro, ao passo que outras antigas economias estaduais
perderam participação na indústria brasileira. Entre essas, o destaque é
o declínio da economia fluminense, cuja indústria foi ultrapassada pela
paulista desde a década de 1920.

Atividade 4
Industrialização: quem ganha e quem perde?
Observe este quadro com a distribuição, em termos percentuais, do Produto Industrial
Brasileiro em alguns estados.

Estados 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1985


PE 5,0 5,3 4,5 2,6 2,1 2,1 2,0
BA - 1,3 1,3 1,7 2,5 4,0 5,2
MG 7,5 7,9 6,5 5,7 6,4 8,9 8,7
RJ 28,0 25,0 20,3 17,5 15,6 11,8 11,8
SP 35,0 39,4 48,9 55,5 58,1 47,0 44,0
PR - 2,4 2,8 3,2 3,0 4,9 5,2
SC - 2,2 2,4 2,2 2,6 4,0 3,6
RS 8,0 9,6 7,9 6,9 6,3 7,3 6,9
Fonte: IBGE. Diretoria de Pesquisas, Departamento de Contas Nacionais (2001)

Em sua opinião, que estados foram os principais beneficiários e quais os que mais
perderam com o processo de industrialização no país. Por que isto aconteceu? Na
sua resposta, lembre-se de considerar a história econômica de cada estado.

C E D E R J 139
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________

Resposta Comentada
O principal beneficiário foi, sem dúvida, o estado de São Paulo, que em 1970
atingiu quase 60% do PIB industrial brasileiro. O maior perdedor foi o estado
do Rio de Janeiro. Um dos principais motivos desse resultado relaciona-se à
economia cafeeira: enquanto no Rio a cafeicultura foi realizada com utilização de
trabalho escravo, em São Paulo teve sua produtividade melhorada com a utilização
de mão-de-obra livre (imigrantes europeus) e aumentando o investimento em
infra-estrutura de apoio, como a malha ferroviária. O aumento da rentabilidade
do negócio permitiu o financiamento das atividades manufatureiras que, ao se
estabelecerem em São Paulo, atraíram mais investimentos industriais, ampliando
o mercado e consolidando esse estado como locus preferencial da indústria
no País.

CONCLUSÃO

Nesta aula, você estudou as raízes históricas dos desequilíbrios


regionais no País. A análise da experiência de ocupação econômica
do território, no contexto histórico em que ela ocorreu, demonstrou
uma forte polarização espacial a partir do processo de industrialização
brasileiro, muito identificado com a industrialização paulista.
Em seguida, você irá estudar uma nova etapa da formação
econômica do Brasil, quando a indústria se transformou no seu eixo
econômico, deslocando daí as atividades agroexportadoras.

140 C E D E R J
Atividade Final

7
AULA
As regiões Sudeste e Nordeste são aquelas de ocupação mais antiga no Brasil e
constituem as regiões de maior percentual na população do País. No caso do PIB,
entretanto, estas regiões têm indicadores extremamente diferentes. A participação
do Sudeste é maior no PIB (57,12%) do que na população brasileira (42,6%). Já a do
Nordeste é de 13,12% e corresponde à metade da participação na população (28,1%).
Qual a origem deste desequilíbrio?

_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

Resposta comentada
Durante o período colonial, o Nordeste foi a principal região econômica do País, pois lá
desenvolveu-se a economia canavieira. Pela condição de economia colonial dependente
dos interesses metropolitanos (Coroa Portuguesa), introduziu o trabalho escravo para
baixar custos de produção e permitir lucros mercantis com a exportação. Após o declínio
dos preços internacionais da cana-de-açúcar no século XVII, a região enfrentou uma
crise que não foi superada pelo dinamismo interno pois a frágil ligação entre o setor
externo (a agroexportação canavieira) e o setor de economia interna (abastecimento de
animais e madeira) não permitiu a formação de um mercado interno que estimulasse
o surgimento de novas atividades voltadas para a economia interna.
Na economia cafeeira foi diferente, especialmente após o fim do tráfico escravo e o
abastecimento de trabalhadores por meio da imigração européia. Foi constituído um
mercado de trabalho que favoreceu o surgimento do mercado consumidor, em numa
época em que o Brasil já deixara de ser colônia portuguesa (livre, portanto, do
Pacto Colonial) e a industrialização já se tornara na principal estratégia de
desenvolvimento econômico.

C E D E R J 141
Formação Econômica do Brasil | Origens dos desequilíbrios regionais no Brasil

INFORMAÇÕES SOBRE A PRÓXIMA AULA

Na próxima aula, você estudará um evento político que marca a ruptura


entre o modelo de desenvolvimento agroexportador, analisado nas Aulas de
1 a 6, e o modelo de industrialização substitutiva de importações, tratado
nas Aulas de 9 a 14: a Revolução de 1930.

RESUMO

A economia brasileira é espacialmente muito desequilibrada. São Paulo é


o estado onde atualmente se concentra a maior parcela do PIB nacional.
Outros estados e regiões experimentaram dinamismo em alguma etapa do
desenvolvimento de atividades agroexportadoras, mas não conseguiram
superar as crises que surgiram. A economia cafeeira, com base na mão-
de-obra livre, foi a única que conseguiu transformar-se, fazendo surgir
atividade mais dinâmica: a indústria.

142 C E D E R J
Formação Econômica do Brasil

Referências

CEDERJ 143
Aula 1

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 15. ed. São Paulo: Cia. Editora
Nacional, 1995.

GREMAUD, Amaury Patrick; SAES, Flávio A. M.; TONETO JÚNIOR, Rudinei.


Formação econômica do Brasil. São Paulo: Atlas, 1997.

MELLO, João Manuel C. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982. 177 p.

NOVAIS, Fernando A. O Brasil nos quadros do antigo sistema colonial. In: MOTTA,
Carlos Guilherme (Org.). Brasil em perspectiva. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
1990.

PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense,


1970.

REGO, José Márcio; MARQUES, Rosa Maria. Formação econômica do Brasil. São
Paulo: Saraiva, 2003. 336 p.

SANDRONI, Paulo (Org). Novíssimo dicionário de economia. São Paulo: Best Seller,
2000.

SITES RECOMENDADOS

ABREU, Adriano. Feudalismo. Disponível em: <http://www.saberhistoria.hpg.ig.com


.br/feudalismo1.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

BIBLIOTECA NACIONAL (Portugal). Tratado de Tordesilhas. Disponível em: <http:


//bnd.bn.pt/ed/viagens/brasil/obras/tratado_tordesilhas/index.html>. Acesso em: 27 jun.
2005.

GRUPO de Pesquisa RETIS. Instituto de Geociências. Universidade Federal do Rio


de Janeiro. Esquema da linha de demarcação Tratado de Tordesilhas (1494). Rio de
Janeiro: UFRJ/IGEO/DEGEO. Disponível em: <m>. Acesso em: 27 jun. 2005.

MAPA esquema de demarcação fixada pelo Tratado de Tordesilhas (1494). Disponível


em: <http://www.lai.at/wissenschaft/lehrgang/semester/ss2005/rv/files/mapa_tordesil-
las1_1494.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2005.

MUSEU HISTÓRICO NACIONAL. Exposição: a presença holandesa no Brasil:


memória e imaginário. Disponível em: <http://www.museuhistoriconacional.com.br/
mh-e-606.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

144 CEDERJ
NATALI, João Batista. Não podemos nos transformar em índios. Entrevista com
Fernando Novais. Folha Online, 24 abr. 2000. Disponível em: <http://www1.uol.com.br/
fol/brasil500/entre_16.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

PIMENTEL, Spensy. Alça é uma manobra dos Estados Unidos: as palavras de Furtado
no dia do renascimento da Sudene. Entrevista de Celso Furtado, jul. 2003. Revista
Novae. Disponível em: <http://www.novae.inf.br/pensadores/celso_furtado_entrev-
ista_abr.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Estação Ciência. Exposição: o Castelo Medieval


e o Feudalismo. Disponível em: <http://www.eciencia.usp.br/Exposicao/feudalismo/.>.
Acesso em: 27 jun. 2005.

WIKIPEDIA: a enciclopédia livre. Tratado de Tordesilhas. Disponível em: <http:


//pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Tordesilhas>. Acesso em: 27 jun. 2005.

LEITURA RECOMENDADA

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. 47.ed. São Paulo: Global, 2003.

VAINFAS, Ronaldo. Dicionário do Brasil colonial. São Paulo: Objetiva, 2000. 599 p.

Aula 2

DIAS, Manuel Nunes. Expansão européia e descobrimento do Brasil. In: MOTA, Carlos
Guilherme. Brasil em perspectiva. 19. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 15. ed. São Paulo: Cia. Editora
Nacional, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censos Demográficos.


Rio de Janeiro: IBGE, 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/>. Acesso em:
27 jun. 2005.

MENDOÇA, Marina G.; PIRES, Marcos C. Formação econômica do Brasil. São


Paulo: Pioneira, 2002.

PESQUISA Escolar. Disponível em: <www.pesquisaescolar.com.br.>. Acesso em: 22


mar. 2005.

PINTO, Carlos Ignácio. A lei de terras de 1850. Revista Virtual de História, São Paulo,
USP. Disponível em: <http://www.klepsidra.net/klepsidra5/lei1850.html>. Acesso em:
27 jun. 2005.

CEDERJ 145
PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Conquista e colonização da América Portuguesa:


o Brasil Colônia - 1500. In: LINHARES, Maria Yedda (Org.). História geral do Brasil.
Rio de Janeiro: Campus, 1990.

SITES RECOMENDADOS

BRASIL. Ministério da Cultura. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.


Bens tombados. Forte do Castelo, antigamente forte Presépio (Belém). Disponível em:
<http://www.iphan.gov.br/bancodados/benstombados/mostrabenstombados.asp?CodBem
=1467>. Acesso em: 27 jun. 2005.

BRASIL: cronologia de 500 anos de mineração: ouro, ferro e diamante – período (1494-
1803). Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/educacao/br_recursosminerais/1494_
1803.html>. Acesso em: 27 jun. 2005.

CENTRO de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação


Getulio Vargas. Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.cpdoc.fgv.br/comum/htm/
index.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

COURO e calçado: A importância das Missões, O inicío dos Sete Povos das Missões e
primórdios do aproveitamento do couro. Disponível em: <http://www.riogrande.com.br/
historia/couro/couro1.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

HISTÓRIA das Missões: visão geral, lendas e expulsão. Disponível em: <http://
www.riogrande.com.br/historia/missoes.htm>. Acesso em: 27 jun. 2005.

OCUPAÇÃO do interior da colônia. Disponível em:<http://www.bibvirt.futuro.usp.br/


textos/humanas/historia/tc2000/h4f.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2005.

UNIVERSIA Brasil. Pontos históricos. Disponível em: <http://www.universia.com.br/


materia.jsp?materia=2726>. Acesso em: 27 jun. 2005.

146 CEDERJ
WIKIPEDIA: a enciclopedia livre. Laissez-faire. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/
wiki/Laissez-faire>. Acesso em: 18 ago. 2005.

Aula 3

ABREU, Adriano. Iluminismo e a ciência. Disponível em: <http://www.saberhistoria.h


pg.ig.com.br/nova_pagina_31.htm>. Acesso em: 15 jun. 2005.

COSTA, Emilia Viotti da. Da Monarquia à República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional,
1959.

LACERDA, Antônio C. Economia brasileira. São Paulo: Atlas, 2001.

MELLO, João Manuel C. Capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.

NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808).


São Paulo: Hucitec, 1983.

PRADO JR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

ROHDEN, Henrique Broering. Crise do Sistema colonial. Disponível em: <http://www


.conhecimentosgerais.com.br/historia-do-brasil/crise-do-sistema-colonial.html>. Acesso
em: 15 jun.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. São Paulo: Best Seller, 2004.

Aula 4

BARBOSA, Alexandre. A história ser aprendida. Disponível em: <http://


www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=489>. Acesso em: 18 ago.
2005.

CANABRAVA, Alice Piffer. A grande lavoura. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.).
História geral da civilização brasileira. São Paulo: Betrand Brasil, 1997. v. 1, t. 2.

CANO, Wilson. Raízes da concentração industrial em São Paulo. São Paulo: T. A.


Queiroz, 1977.

COSTA, Emilia Viotti da. Da senzala à Colônia. São Paulo: Brasiliense, 1989.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional,
1959.

CEDERJ 147
PRADO JUNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. São Paulo: Best Seller, 2004.

STEIN, Stanley. Aspectos do crescimento e declínio da lavoura de café no médio Paraíba,


1850-1860. Revista de História da Economia Brasileira, ano 1, n. 1, jun. 1953.

Aula 5

ALVIM, Zuleika M. F. Brava gente: os italianos em São Paulo. São Paulo: Brasiliense,
1986.

BARBEIRO, Heródoto. História do Brasil. São Paulo: Moderna,1992. (Caderno de


Atividades)

BRASIL: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. Apêndice: Estatísticas
de 500 anos de povoamento.

DAVATZ, T. Memórias de um colono no Brasil: 1850. São Paulo: EDUSP, 1980.

DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura (1820-1920). Rio
de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional,
1959.

OLIVEIRA, Rberson de . História: imigração - a necessidade e o risco. Folha de São Paulo.


Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u9385.shtml>.
Acesso em: 17 ago. 2005.

PRADO JUNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

STEIN, Stanley. Aspectos do crescimento e declínio da lavoura de café no médio Paraíba,


1850-1860. Revista de História da Economia Brasileira, ano 1, n. 1, jun. 1953.

Aula 6

BIBLIOTECA Virtual de Literatura. Biografias: Rui Barbosa. Disponível em: <http:


//www.biblio.com.br/Templates/RuiBarbosa/RuiBarbosa.htm>. Acesso em: 18 ago.
2005.

DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura (1820-1920). Rio
de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

DELFIM NETTO, Antônio. O problema do café no Brasil. São Paulo: Faculdade de Ciências
Econômicas e Administrativas da USP, 1981.

148 CEDERJ
FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional,
1959.

MELLO, João Manuel Cardoso. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.

PRADO JUNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. São Paulo: Best Seller, 2004.

STEIN, Stanley. Aspectos do crescimento e declínio da lavoura de café no médio Paraíba,


1850-1860. Revista de História da Economia Brasileira, ano 1, n. 1, jun. 1953.

Aula 7

CANO, Wilson. Raízes da concentração industrial em São Paulo. São Paulo: T. A.


Queiroz, 1977.

CASTRO, Antonio Barros. A herança regional no desenvolvimento brasileiro. In: ______.


Sete ensaios sobre a economia brasileira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1975.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO; IPEA; PNUD; IBGE. Desenvolvimento humano e


condições de vida: indicadores brasileiros. Brasília: PNUD, 1998.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Ed. Nacional, 1987.

GALA, Paulo. Origens do desequilíbrio regional no Brasil. In: REGO, José Márcio; MARQUES,
Rosa Maria (Org.). Formação econômica do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Anuário Estatístico Brasil


(1939-40). Rio de Janeiro: IBGE, 1998.

______. Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

______.Censos Populacionais. Rio de Janeiro: IBGE, [19--].

______. Diretoria de Pesquisas, Departamento de Contas Nacionais. Rio de Janeiro:


IBGE/Departamento de Pesquisas, 2001.

______. Indicadores Sociais Municipais. Rio de Janeiro: IBGE, 2003.

MELLO, João Manuel Cardoso. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1984.

REGO, José Marcio; MARQUES, Rosa Maria. Formação econômica do Brasil. São
Paulo: Saraiva, 2003.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia.
das Letras, 2000.

CEDERJ 149
I SBN 85 - 7648 - 150 - 2

9 788576 481508