Você está na página 1de 11

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA - ASSUNTOS JURÍDICOS

ATO NORMATIVO Nº 633/2010-PGJ, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010.


(Pt. nº 19.958/2010)
(AR) [artigo e parágrafos alterados pelo Ato Normativo nº 638-PGJ, de 10 de maio de
2010]

(AC e NR) [inciso acrescentado pelo Ato Normativo nº 638-PGJJ, de 10 de


maio de 2010, renumerando os demais.

Fixa as atribuições dos cargos de Assistente Jurídico criados pela Lei nº 13.794, de
4 de novembro de 2009, e estabelece as regras do concurso público para seu
provimento.

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, em


conformidade com o disposto no art. 6º, da Lei nº 13.794, de 4 de novembro de
2009, que criou cargos de Assistente Jurídico – Referência 2, no Subquadro de
Cargos Públicos do Quadro do Ministério Público do Estado de São Paulo, integrados
na Tabela III (SQC-III) e enquadrados na Escala de Vencimentos – Nível
Universitário, instituída pelo inciso III do art. 8º, da Lei Complementar nº 718, de
14 de junho de 1993;
Considerando a necessidade de disciplinar as atribuições e o exercício das funções
próprias dos sobreditos cargos, bem como a necessidade de fixar regras aplicáveis
ao respectivo concurso público,
RESOLVE editar o seguinte Ato:
CAPÍTULO I
DAS ATRIBUIÇÕES
Art. 1º - Ao Assistente Jurídico incumbirá prestar auxílio técnico-jurídico às
atividades processuais e extraprocessuais do Ministério Público e, notadamente:
I – elaborar minutas de peças processuais, pareceres e outras manifestações
próprias da função de execução, além de análises, estudos, exames, pesquisas,
relatórios e trabalhos de natureza jurídica atinentes a feitos judiciais ou
procedimentos administrativos de alçada do Ministério Público;
II – auxiliar na realização de audiências, reuniões e sessões, referentes à execução
de atividades processuais ou extraprocessuais do Membro do Ministério Público;
III – acompanhar o andamento de processos judiciais, inquéritos policiais ou civis
ou procedimentos administrativos sob a presidência do Ministério Público,
prestando informações ao membro do Ministério Público;
IV – realizar diligências determinadas pelo Membro do Ministério Público;
V – manter registro e controle das atividades desenvolvidas, apresentando os
conseqüentes relatórios;
VI – cumprir, no que couber, as disposições aplicáveis aos Oficiais de Promotoria e
demais servidores, em especial, as estabelecidas pelo Ato (N) nº 595/2009–PGJ
(Regulamenta as funções dos Oficiais de Promotoria e Servidores Auxiliares nos
serviços relacionados à tramitação de feitos judiciais e a outros serviços que lhe são
afetos junto às Promotorias de Justiça) e Ato (N) nº 212/99–PGJ-CGMP-CSMP
(Regulamenta as funções dos Oficiais de Promotoria nos inquéritos civis e
procedimentos preparatórios de inquéritos civis);
VII - exercer outras tarefas que lhe forem atribuídas pelo órgão do Ministério
Público, desde que compatíveis com sua condição funcional.
Parágrafo Único - Ao Assistente Jurídico é aplicável o regime jurídico estatutário a
que estão sujeitos os servidores do Ministério Público.
CAPÍTULO II
DAS VEDAÇÕES
Art. 2º - Ao Assistente Jurídico é vedado:
I - exercer a advocacia;
II - praticar quaisquer atos privativos do órgão do Ministério Público, salvo assinar
juntamente com o Membro do Ministério Público peças processuais ou
manifestações nos autos judiciais ou administrativos;
III - desempenhar qualquer outra função pública, salvo se autorizado pelo
Procurador-Geral de Justiça;
IV - ocupar qualquer outro cargo, emprego ou função pública, inclusive perante
órgãos colegiados de atuação local, exceto, quando presente compatibilidade de
horário, um cargo de professor;
V - identificar-se, invocando sua qualidade funcional, ou utilizar papéis com o
timbre do Ministério Público em qualquer matéria alheia às suas atividades
profissionais;
VI - invocar a sua qualidade funcional em matérias alheias à sua condição
profissional;
VII - utilizar distintivos ou insígnias privativas dos Membros do Ministério Público;
VIII - exercer atividades privadas incompatíveis com a sua condição funcional;
IX - manter conduta ou comportamento incompatível com a natureza da sua
atividade funcional.
Parágrafo Único - Ao Assistente Jurídico são aplicáveis os mesmos deveres a que
estão sujeitos os servidores do Ministério Público, inclusive quanto ao registro e
controle de freqüência.
Art. 3º - É vedada a designação de Assistente Jurídico para atuar, sob orientação
ou supervisão, diretamente subordinado a membros do Ministério Público ou a
servidor investido em cargo de assessoramento, chefia e direção que lhe seja
cônjuge, companheiro ou parente até terceiro grau, inclusive.
CAPÍTULO III
DO INGRESSO
Art. 4º - O Assistente Jurídico será lotado nas Regiões Administrativas do Ministério
Público, podendo atuar junto aos órgãos que exerçam funções de execução.
§ 1º - A Procuradoria-Geral de Justiça definirá, por Ato próprio, o número de cargos
destinados a cada Região Administrativa do Ministério Público.
§ 2º - O edital do concurso público de provimento dos cargos atribuirá, na forma
estabelecida no parágrafo anterior, a quantidade de cargos destinados a cada
Região Administrativa, devendo o candidato se inscrever para uma delas.
Art. 5º - A Procuradoria-Geral de Justiça, ouvido o Órgão Especial do
Colégio de Procuradores de Justiça, autorizará a abertura de Concurso
Público cuja realização das provas e seleção dos candidatos poderá ser
efetuada por entidade pública ou privada.
§ 1º no caso de o concurso ser realizado diretamente pela instituição, a
Procuradoria-Geral de Justiça, em Ato específico, constituirá Comissão
Especial de Seleção Pública a ser composta, no mínimo, por 4(quatro)
Membros do Ministério Público com mais de 10 (dez) anos de carreira.
§ 2º - Em caso de contratação de entidade pública ou privada para
realização do concurso, a Procuradoria-Geral de Justiça constituirá
Comissão Especial de Seleção Pública a ser composta, no mínimo, por 2
(dois) Membros do Ministério Público com mais de 10 (dez) anos de
carreira e, no mínimo, 2 (dois) servidores titulares de cargo efetivo.
§ 3º caberá à Comissão Especial de Seleção Pública elaborar o Edital do
Concurso e a edição de Instruções Especiais, devendo estabelecer, na
forma da legislação vigente, o percentual de vagas reservado aos
candidatos com deficiência.
§ 4º - O Edital do Concurso conterá os seguintes Anexos:
a) Anexo I – Conteúdo programático para a 1ª Fase;
b) Anexo II – Conteúdo programático para a 1ª, 2ª e 3ª Fases;
c) Anexo III – Quadro de distribuição de vagas por Região Administrativa
§ 5º - Considerar-se-á, nas provas do Concurso, a legislação vigente até a
data da publicação do Edital.
Art. 6º - O concurso público constará das seguintes fases e provas:
I – 1ª FASE: Prova objetiva, eliminatória e classificatória, dela constando 90
(noventa) perguntas em forma de teste de múltipla escolha com 5 (cinco)
alternativas cada, com duração de 4 (quatro) horas e versando sobre o conteúdo
programático relacionado no Anexo I e no Anexo II, do presente Ato.
II – 2ª FASE: Prova objetiva, eliminatória e classificatória, dela constando 80
(oitenta) perguntas em forma de teste de múltipla escolha com 5 (cinco)
alternativas cada, com duração de 4 (quatro) horas e versando sobre o conteúdo
programático relacionado no Anexo II, do presente Ato.
III – 3ª FASE: Prova escrita e discursiva, eliminatória e classificatória, dela
constando 2 (dois) temas de redação, além de 5 (cinco) questões discursivas, com
duração de 4 (quatro) horas e versando sobre o conteúdo programático relacionado
no Anexo II, do presente Ato.
§ 1º - A 1ª Fase (prova objetiva) será avaliada de 0 (zero) a 100 (cem) pontos,
observando-se o critério de escore bruto, e terá caráter eliminatório, classificando-
se para a fase subseqüente o candidato que obtiver nota igual ou superior a 60
(sessenta) pontos.
§ 2º - A 2ª Fase (prova objetiva) será avaliada de 0 (zero) a 100 (cem) pontos,
observando-se o critério de escore bruto, e terá caráter eliminatório e
classificatório, classificando-se para a fase subseqüente o candidato que obtiver
nota igual ou superior a 60 (sessenta) pontos.
§ 3º - A 3ª Fase (prova escrita e discursiva) será avaliada de 0 (zero) a 100 (cem)
pontos, observando-se o critério de escore bruto, e terá caráter eliminatório e
classificatório, obedecidas as seguintes regras:
a) cada redação: 0 (zero) a 25 (vinte e cinco) pontos, totalizando 50 (cinqüenta)
pontos;
b) cada questão: 0 (zero) a 10 (dez) pontos, totalizando 50 (cinqüenta) pontos.
§ 4º - Os temas para as redações deverão ser:
a) primeira redação: Direito Penal ou Direito Processual Penal, com o conteúdo
indicado no Anexo II;
b) segunda redação: Tutela dos Interesses Difusos e Coletivos ou Direito Processual
Civil, com o conteúdo indicado no Anexo II.
§ 5º - As questões discursivas deverão versar sobre as matérias não contempladas
nas redações, conforme conteúdo programático indicado no Anexo II.
§ 6º - Os critérios de avaliação que serão empregados para a atribuição de
pontuação na redação e questões discursivas deverão ser:
a) conhecimento específico (conhecimento técnico-jurídico): de 0 a 50% do total de
pontos previstos para cada tema ou questão;
b) estrutura e conteúdo: de 0 a 50% do total de pontos previstos para cada
redação ou questão, observando-se o desenvolvimento pertinente ao assunto
proposto, respeito à modalidade de texto proposta, clareza e lógica na exposição
das idéias.
§ 7º - Será atribuída nota ZERO para o total da prova:
a) se contiver, de alguma forma, a identificação do candidato;
b) for assinada em local diverso do estabelecido no caderno de prova;
c) for escrita a lápis, em parte ou na totalidade;
d) apresentar letra ilegível ou incompreensível.
Art. 7º - Serão considerados aprovados os candidatos que atingirem o desempenho
mínimo de 60 (sessenta) pontos na última fase do concurso.
§ 1º - A nomeação poderá ser precedida de convocação para anuência do
candidato, efetuando-se a comunicação por telegrama e publicação na Imprensa
Oficial.
§ 2º - O candidato nomeado deverá submeter-se à inspeção de saúde a ser
realizada em Órgão Médico do Estado, de caráter eliminatório, provendo-se os
cargos com aqueles considerados aptos.
§ 3º - Proclamado o resultado e divulgadas as listas de classificação, o Procurador-
Geral de Justiça editará Ato específico que fixará o número de cargos por órgão de
execução, respeitados os limites estabelecidos no Ato de que trata o art. 4º, § 1º,
deste Ato.
CAPÍTULO IV
DA POSSE
Art. 8º - No ato de posse o candidato nomeado deverá comprovar o preenchimento
das seguintes condições:
I – apresentar certificado de conclusão de curso de bacharelado em
Direito, em escola oficial ou reconhecida
II - estar no gozo de direitos políticos e, se o caso, do serviço militar,
apresentando, para tanto, certidões da Justiça Eleitoral e certificado de dispensa ou
de reservista;
III – não registrar antecedentes criminais ou condenações por improbidade
administrativa, apresentando certidões equivalentes;
IV – ter boa conduta social e ser detentor de comprovada idoneidade moral, no
âmbito pessoal e profissional, aferidas por declaração do próprio nomeado e
verificadas pelo Ministério Público em investigação social;
V – não ter sofrido, no caso de servidor público, condenação em processo
administrativo disciplinar, apresentando certidão da entidade ou órgão a que esteja
ou esteve vinculado;
VI – se militar, apresentar, também, certidão de distribuição do Tribunal de Justiça
Militar em que lotado ou da respectiva Auditoria Militar;
VII - apresentar sua declaração de bens, na forma do Ato (N) nº 54/95-PGJ, de
15/2/1995;
VIII – gozar de boa saúde física e mental, comprovada por meio de exame médico
oficial;
IX – declarar, sob as penas da lei:
a) que não ocupa qualquer cargo, função ou emprego públicos, inclusive perante
órgãos colegiados de atuação local, exceto, quando presente compatibilidade de
horário, um cargo de professor;
b) que não exerce a advocacia;
c) que não exerce atividade privada incompatível com sua condição funcional;
d) a existência ou inexistência de parentesco, casamento ou união estável, para os
fins indicados pelo art. 3º do presente Ato;
e) não receber proventos de aposentadoria ou remuneração de cargo, emprego ou
função pública, exceto os cargos acumuláveis admitidos na Constituição da
República.
Parágrafo Único - A declaração referente às alíneas “a” e “b”, do inciso IX,
deverá ser instruída por documento oficial idôneo nas hipóteses de
exercício anterior de cargo, função ou emprego públicos ou da advocacia.
Art. 9º - A Diretoria-Geral promoverá a lotação dos candidatos empossados,
observados os critérios estabelecidos no Ato de que trata o art. 4º, § 1º, do
presente Ato.
Art. 10 - Caberá ao Órgão de Execução em que estiver lotado o Assistente
Jurídico dispor sobre as atribuições específicas, inclusive quanto à
subordinação imediata, observadas as disposições do presente Ato.
§ 1º - Não havendo definição no âmbito do respectivo órgão de execução, as
atribuições de que trata o “caput” serão decididas pela Procuradoria-Geral de
Justiça.
§ 2º - O Assistente Jurídico poderá, ainda que transitoriamente, prestar serviços a
órgão de execução distinto daquele em que estiver lotado, seja por deliberação do
próprio órgão de execução ou por determinação da Administração Superior.
Art. 11 - O Assistente Jurídico poderá ser removido da lotação de seu cargo:
I – compulsoriamente, por interesse da Administração Pública;
II – voluntariamente, desde que haja interesse da Administração Pública e cargo
vago, após o período mínimo de efetivo exercício de 1 (um) ano;
III – voluntariamente, por permuta, desde que haja interesse da Administração
Pública, após o período mínimo de efetivo exercício de 1 (um) ano.
Art. 12 - Este Ato entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.
São Paulo, 12 de fevereiro de 2010

Fernando Grella Vieira


Procurador-Geral de Justiça

ANEXOS I e II
(A QUE SE REFERE O ART. 5º, § 2º, DO ATO NORMATIVO Nº 633/2010-
PGJ)
ANEXO I
- CONHECIMENTOS GERAIS -
(1ª FASE)
LÍNGUA PORTUGUESA:
Interpretação de textos. Ortografia, acentuação. Crase e pontuação. Sintaxe de
concordância verbal e nominal. Vícios e figuras de linguagem.
ATUALIDADES:
Notícias nacionais e internacionais veiculadas pela imprensa nacional escrita e
falada, nos últimos 12(doze) meses.
ANEXO II
- CIÊNCIAS APLICADAS -
(1ª, 2ª e 3ª FASES)
DIREITO CONSTITUCIONAL E MINISTÉRIO PÚBLICO:
Conceito, classificação, objeto e elementos das Constituições; Princípios
constitucionais da República Federativa do Brasil. Estado, Governo e Organização
Federal, Estadual e Municipal. Direitos e deveres individuais e coletivos. Direitos
Sociais. Nacionalidade e Cidadania. Direitos e Partidos Políticos. Repartição de
competências no Estado Brasileiro. Administração Federal, Estadual e Municipal.
Poder Legislativo. Processo Legislativo. Poder Executivo. Presidente da República,
Ministros e Conselhos. Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, Superior
Tribunal de Justiça, Tribunais Regionais Federais e Tribunais Estaduais. Ministério
Público: fins, princípios, organização, garantias, vedações e funções. Conselho
Nacional da Justiça e Conselho Nacional do Ministério Público. Ordem Social. Lei
Orgânica Nacional do Ministério Público (Lei Federal n. 8.625, de 12 de fevereiro de
1993) e Lei Orgânica do Ministério Público do Estado de São Paulo (Lei
Complementar Estadual n. 734, de 26 de novembro de 1993).
DIREITO ADMINISTRATIVO:
Conceito e princípios gerais do Direito Administrativo. Administração Pública.
Administração direta e indireta. Órgãos Públicos, conceito, classificação. Terceiro
Setor. Organizações Sociais e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público.
Regime jurídico administrativo. Poderes Administrativos. Atos administrativos,
classificação, requisitos, extinção, espécies. Licitações e contratos administrativos.
Responsabilidade civil do Estado. Agentes Públicos, classificação, regime jurídico,
direitos e deveres, responsabilidade civil, criminal e administrativa. Abuso de poder
e desvio de finalidade. Improbidade Administrativa. Controle da Administração.
Bens Públicos. Intervenção do Estado na propriedade. Serviços Públicos, concessão,
permissão e regime das parcerias público-privadas.

DIREITO PENAL:
Parte Geral do Código Penal: A aplicação da lei penal: Da Lei Penal no tempo;
Da Lei Penal no espaço. Da extraterritorialidade da lei penal; Princípios dirimentes
dos conflitos aparentes de normas. Do crime. Da imputabilidade penal. Do concurso
de pessoas; Das causas excludentes de antijuridicidade e culpabilidade. Das penas.
Da tentativa. Da medida de segurança. Da extinção da punibilidade.
Parte Especial do Código Penal: Dos crimes contra a pessoa: Dos crimes contra
a vida; Das lesões corporais; Da periclitação da vida e da saúde; Dos crimes contra
a liberdade pessoal; Dos crimes contra a inviolabilidade do domicílio. Dos crimes
contra o patrimônio: Do furto; Do roubo e da extorsão; Da extorsão mediante
seqüestro. Dos crimes contra a fé pública: Da falsidade documental; Falsa
identidade. Dos crimes contra a administração pública: Peculato; Concussão;
Corrupção passiva; Prevaricação. Funcionário público; Resistência; Desobediência;
Desacato; Corrupção ativa; Falso testemunho ou falsa perícia; Coação no curso do
processo.

Legislação Penal Especial: Abuso de autoridade (Lei nº 4.898/65); Porte de


arma (Lei nº 10.826/03); Crimes de tortura (Lei nº 9.455/97); Crimes de
“lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores (Lei nº 9.613/98); Lei de crimes
hediondos (Lei nº 8.072/90).
DIREITO PROCESSUAL PENAL:
Princípios que regem o processo penal. Aplicação e interpretação da lei processual.
Inquérito policial. Jurisdição e Competência. Questões e processos incidentes.
Prova. Sujeitos do processo. Prisão provisória e liberdade provisória. Prisão
temporária. Fatos e atos processuais. Citação, notificação e intimação. Sentença.
Coisa Julgada. Procedimentos comuns. Procedimento comum ordinário.
Procedimento comum sumário. Procedimento nos processos de competência do
Tribunal do Júri. Procedimentos especiais. Procedimento nos crimes falimentares.
Procedimento nos crimes de responsabilidade de funcionários públicos.
Procedimento nos crimes contra a honra. Procedimento nos crimes contra a
propriedade imaterial. Juizados especiais criminais (Lei n. 9.099, de 26-09-1995):
previsão constitucional, competência e princípios, fase preliminar, composição dos
danos e transação. Procedimento sumaríssimo. Sistema recursal. Suspensão
condicional do processo. Nulidades. Recursos. Recursos em geral. Recursos em
espécie, apelação, recurso em sentido estrito, embargos, carta testemunhável,
correição parcial. Habeas corpus e Mandado de segurança em matéria criminal.
Execução Penal, objeto e aplicação da Lei de Execução Penal, o condenado e o
internado, classificação, assistência, trabalho, direitos e deveres do preso,
disciplina, faltas e sanções disciplinares, regime disciplinar diferenciado,
procedimento disciplinar. Órgãos da execução penal. Estabelecimentos penais.
Execução das penas privativas de liberdade. Regimes. Autorizações de saída.
Remição. Livramento condicional. Sursis. Execução das penas restritivas de
direitos. Execução das penas de multa. Execução das medidas de segurança.
Incidentes de execução. Conversões. Excesso ou desvio de execução. Anistia.
Indulto. Procedimentos judiciais. Recursos.
Disposições processuais penais em leis especiais: Prisão Temporária (Lei nº
7.960, de 21-12-1989), Crimes Hediondos (Lei nº 8.072, de 25-7-1990), Repressão
aos crimes praticados por organizações criminosas (Lei nº 9.034, de 3-5-1995),
Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503, de 23-9-1997), Crimes contra o meio
ambiente (Lei nº 9.605, de 12-2-1998), Crime de lavagem de capitais (Lei nº
9.613, de 3-3-1998), Proteção a vítimas e testemunhas ameaçadas e a réus
colaboradores (Lei nº 9.807, de 13-7-1999), Identificação Criminal (Lei nº 10.054,
de 7-9-2000), Falência e Recuperação Judicial ou Extrajudicial (Lei nº 11.101, de 9-
2-2005), Violência doméstica e familiar contra a mulher (Lei nº 11.340, de 7-8-
2006), Lei de Tóxicos - Normas para repressão à produção não autorizada e ao
tráfico ilícito de drogas (Lei nº 11.343, de 23-8-2006).
DIREITO CIVIL:
-Lei de Introdução ao Código Civil.
-Teoria geral. Pessoas naturais e jurídicas. Personalidade e capacidade. Sociedades,
associações e fundações. Domicílio. Bens e sua classificação. Fatos jurídicos.
Negócio jurídico. Atos jurídicos lícitos. Atos ilícitos. Prescrição e decadência. Prova.
-Responsabilidade civil. Código de Defesa do Consumidor (Lei n. 8.078, de 11-09-
90).
-Direitos das coisas. Posse. Propriedade em geral. Aquisição e perda da propriedade
móvel e imóvel. Usucapião. Direitos de vizinhança. Uso anormal da propriedade.
Parcelamento do solo urbano (Lei n. 6.766, de 19-12-79). [não cai direitos reais
sobre coisa alheia]
-Direito de família. Casamento. Disposições gerais. Capacidade. Impedimentos.
Causas suspensivas. Habilitação. Celebração. Provas. Invalidade. Eficácia.
Dissolução da sociedade e do vínculo conjugal. Proteção da pessoa dos filhos.
Regime de bens entre os cônjuges. Relações de parentesco. Filiação.
Reconhecimento dos filhos. Adoção. Poder familiar. Tutela. Curatela. Alimentos.
Usufruto e administração dos bens de filhos menores. Bem de família. União
estável.
-Direito das sucessões. Sucessão em geral. Herança e sua administração.
Transmissão, aceitação e renúncia da herança. Excluídos da sucessão. Herança
jacente. Petição de herança. Sucessão legítima. Ordem de vocação hereditária.
Herdeiros necessários. Direito de representação. Sucessão testamentária.
Testamento em geral. Capacidade de testar. Formas ordinárias do testamento.
Disposições testamentárias. Cláusulas restritivas: inalienabilidade,
impenhorabilidade e incomunicabilidade. Legados. Direito de acrescer.
Substituições. Deserdação. Redução das disposições testamentárias. Revogação e
rompimento do testamento. Inventário e partilha.
-Lei de Registros Públicos (Lei nº. 6.015, de 31.12.73).
-Da Proteção e direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais (Lei nº.
10.216, de 6-04-2001).
-Estatuto do Idoso (Lei n. 10.741, 01.10.2003).
DIREITO PROCESSUAL CIVIL:
Lei processual. Interpretação das leis processuais. Princípios informativos do Direito
Processual. Jurisdição, ação, exceção e processo. Partes e procuradores.
Capacidade, deveres, responsabilidade, substituição, litisconsórcio e intervenção de
terceiros. Ministério Público. Competência. Competência interna. Competência em
razão do valor e da matéria. Competência funcional. Competência territorial.
Modificações da competência. Declaração de incompetência. Juiz. Poderes, deveres
e responsabilidade do juiz. Impedimentos e suspeição. Atos processuais. Forma.
Tempo e lugar. Prazos. Comunicações dos atos. Nulidades. Distribuição e registro.
Valor da causa. Formação, suspensão e extinção do processo. Processo e
procedimento. Disposições gerais. Efeitos antecipatórios da tutela. Procedimento
ordinário. Petição inicial. Resposta do réu. Revelia. Providências preliminares.
Julgamento conforme o estado do processo. Provas. Audiência. Sentença, coisa
julgada e cumprimento da sentença. Procedimento sumário. Recursos. Disposições
gerais. Apelação. Agravo. Embargos de declaração. Medidas cautelares. Disposições
gerais. Procedimentos cautelares. Arresto. Seqüestro. Busca e apreensão. Produção
antecipada de provas. Alimentos provisórios e alimentos provisionais. Arrolamento
de bens. Justificação. Posse provisória dos filhos. Separação de corpos.
Regulamentação da guarda e do direito de visita dos filhos menores. Procedimentos
especiais de jurisdição contenciosa. Inventário e partilha. Arrolamento.
Procedimentos especiais de jurisdição voluntária. Disposições gerais. Alienações
judiciais. Separação consensual. Suprimento de Idade e de Consentimento.
Testamentos e codicilos. Herança jacente. Bens dos ausentes. Curatela dos
interditos. Disposições comuns à tutela e à curatela. Organização e fiscalização das
fundações. Especialização de hipoteca legal. Alimentos (Lei nº. 5.478, de 25-07-
68). Execução de Prestação Alimentícia. Assistência judiciária (Lei nº. 1.060, de 05-
02-50). Ação civil de ressarcimento do dano decorrente de sentença penal
condenatória (ação civil "ex-delicto"). Juizados Especiais Cíveis (Lei n. 9.099/95).
DIREITO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE:
Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n. 8.069, de 13-07-90). Princípios e
direitos fundamentais. Entidades de atendimento. Medidas de proteção. Família
natural. Família substituta. Guarda, tutela e adoção. Apuração de ato infracional
atribuído à criança e ao adolescente. Medidas pertinentes aos pais ou responsável.
Conselho tutelar. Acesso à Justiça. Princípios gerais. Competência. Serviços
auxiliares. Da perda e da suspensão do poder familiar: procedimento e recursos. Da
destituição da tutela. Colocação em família substituta. Do Ministério Público. Do
advogado. Crimes e infrações administrativas. Proteção judicial dos interesses
individuais, difusos e coletivos da Área da Infância e da Juventude.
TUTELA DE INTERESSES DIFUSOS E COLETIVOS:
Interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos. Defesa dos interesses
difusos, coletivos e individuais homogêneos em juízo: princípios gerais. Ação Civil
Pública, conceito, objeto, legitimação ativa e passiva, competência, liminar e
antecipação de tutela, multas, coisa julgada, execução, fundos, recursos. Principais
categorias e legislação respectiva: Meio Ambiente e Urbanismo. Bem jurídico
ambiental. Direito do Ambiente: conceito, princípios, objeto, instrumentos legais.
Tutela constitucional do ambiente. Política Nacional do Meio Ambiente. Espaços
ambientalmente protegidos. Sistema Nacional do Meio Ambiente. Tutela
administrativa do ambiente: poder de polícia, competência, licenciamento,
responsabilidade administrativa. Tutela e responsabilidade civil do ambiente.
Participação popular na proteção do ambiente. Patrimônio Público: Controle da
Administração Pública. Tribunal de Contas. Mandado de segurança (individual e
coletivo). Ação popular. Ação civil pública. Improbidade administrativa. Proteção ao
patrimônio público e social. Idoso. Pessoa com deficiência. Inclusão social. Saúde
Pública. Serviços de relevância pública. Consumidor. A proteção e defesa do
consumidor na Constituição Federal de 1988. Política nacional de relações de
consumo. Direitos básicos do consumidor. Prevenção e reparação de danos.
Desconsideração da personalidade jurídica. Práticas comerciais. Proteção
contratual. Sanções administrativas. Defesa do consumidor em juízo. Ações
coletivas. Sistema Nacional de Defesa do Consumidor. Inquérito civil. Natureza.
Finalidade. Princípios. Instauração. Poderes instrutórios. Termo de ajustamento de
conduta. Arquivamento e Desarquivamento. Controle.
São Paulo, 12 de fevereiro de 2010

Fernando Grella Vieira


Procurador-Geral de Justiça

IX – DA PRESTAÇÃO DAS PROVAS


1 As datas das provas estão previstas para:
FASES PROVAS DATAS PERÍODOS
1ª Fase Prova Objetiva de Conhecimentos Gerais 19.09.2010 Tarde
2ª Fase Prova Objetiva de Ciências Aplicadas 17.10.2010 Tarde
3ª Fase Provas Escrita e Discursiva 24.10.2010 Tarde

A-SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA


ATO NORMATIVO nº 638/2010-PGJ, de 10 de maio de 2010
(Protocolado nº 19.958/2010)
Altera a redação do artigo 5º e parágrafos; inclui inciso no artigo 8º,
renumerando os demais; e altera a redação do caput do art. 10 do Ato Normativo
nº 633/2010-PGJ, de 12 de fevereiro de 2010.
O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, e
considerando a necessidade de adequação do Ato Normativo nº 633/2010-PGJ, de
12 de fevereiro de 2010,
RESOLVE editar o seguinte Ato:
Artigo 1º. O art. 5º e seus parágrafos do Ato Normativo nº 633/2010-PGJ, de 12
de fevereiro de 2010, ficam com a seguinte redação:
Art. 5º. A Procuradoria-Geral de Justiça, ouvido o Órgão Especial do Colégio de
Procuradores de Justiça, autorizará a abertura de Concurso Público, cuja realização
das provas e seleção dos candidatos poderá ser efetuada por entidade pública ou
privada.
§ 1º. No caso de o concurso ser realizado diretamente pela Instituição, a
Procuradoria-Geral de Justiça, em Ato específico, constituirá Comissão Especial de
Seleção Pública a ser composta, no mínimo, por 4 (quatro) membros do Ministério
Público com mais de 10 (dez) anos de carreira.
§ 2º. Em caso de contratação de entidade pública ou privada para realização do
concurso, a Procuradoria-Geral de Justiça constituirá Comissão Especial de Seleção
Pública a ser composta, no mínimo, por 2 (dois) Membros do Ministério Público com
mais de 10 (dez) anos de carreira e, no mínimo, 2 (dois) servidores titulares de
cargo efetivo.
§ 3º. Caberá à Comissão Especial de Seleção Pública elaborar o Edital do Concurso
e a edição de Instruções Especiais, devendo estabelecer, na forma da legislação
vigente, o percentual de vagas reservado aos candidatos com deficiência.
§ 4º. O Edital do Concurso conterá os seguintes Anexos:
a) Anexo I – Conteúdo programático para a 1ª Fase;
b) Anexo II – Conteúdo programático para a 1ª, 2ª e 3ª Fases;
c) Anexo III – Quadro de distribuição de vagas por Região Administrativa.
§ 4º. Considerar-se-á, nas provas do Concurso, a legislação vigente até a data da
publicação do Edital.
Artigo 2º. Fica incluído o seguinte inciso ao art. 8º, do Ato Normativo nº
633/2010-PGJ, de 12 de fevereiro de 2010:
Art. 8º. (...)
I – apresentar certificado de conclusão de curso de bacharelado em Direito, em
escola oficial ou reconhecida;
Artigo 3º. Os incisos I a VIII do art. 8º, do Ato Normativo nº 633-PGJ, de 12 de
fevereiro de 2010, ficam renumerados da seguinte forma:
Art. 8º. (...)
I – (...)
II – estar no gozo de direitos políticos e, se o caso, do serviço militar,
apresentando, para tanto, certidões da Justiça Eleitoral e certificado de dispensa ou
de reservista;
III – não registrar antecedentes criminais ou condenações por improbidade
administrativa, apresentando certidões equivalentes;
IV – ter boa conduta social e ser detentor de comprovada idoneidade moral, no
âmbito pessoal e profissional, aferidas por declaração do próprio nomeado e
verificadas pelo Ministério Público em investigação social;

V – não ter sofrido, no caso de servidor público, condenação em processo


administrativo disciplinar, apresentando certidão da entidade ou órgão a que esteja
ou esteve vinculado;
VI – se militar, apresentar, também, certidão de distribuição do Tribunal de Justiça
Militar em que lotado ou da respectiva Auditoria Militar;
VII - apresentar sua declaração de bens, na forma do Ato (N) nº 54/95-PGJ, de
15/2/1995;
VIII – gozar de boa saúde física e mental, comprovada por meio de exame médico
oficial;
IX – declarar, sob as penas da lei:
a) que não ocupa qualquer cargo, função ou emprego públicos, inclusive perante
órgãos colegiados de atuação local, exceto, quando presente compatibilidade de
horário, um cargo de professor;
b) que não exerce a advocacia;
c) que não exerce atividade privada incompatível com sua condição funcional;
d) a existência ou inexistência de parentesco, casamento ou união estável, para os
fins indicados pelo art. 3º do presente Ato;
e) não receber proventos de aposentadoria ou remuneração de cargo, emprego ou
função pública, exceto os cargos acumuláveis admitidos na Constituição da
República.
Artigo 4º. O parágrafo único do art. 8º, do Ato Normativo nº 633/2010-PGJ, de 12
de fevereiro de 2010, fica com a seguinte redação:
Art. 8º. (...)
Parágrafo único. A declaração referente às alíneas “a” e “b”, do inciso IX, deverá
ser instruída por documento oficial idôneo nas hipóteses de exercício anterior de
cargo, função ou emprego públicos ou da advocacia.
Artigo 5º. O caput do art. 10, do Ato Normativo nº 633/2010-PGJ, de 12 de
fevereiro de 2010, fica com a seguinte redação:
Art. 10. Caberá ao órgão de execução em que estiver lotado o Assistente Jurídico
dispor sobre as atribuições específicas, inclusive quanto à subordinação imediata,
observadas as disposições do presente Ato.
Artigo 6º. Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.

São Paulo, 10 de maio de 2010

Fernando Grella Vieira


Procurador-Geral de Justiça

II - Atos

Ato nº 026-PGJ, de 14-5-2010

O Procurador-Geral de Justiça, no uso de suas atribuições legais, e com


fundamento na alínea “c”, inciso X, do artigo 19, da Lei Complementar nº 734, de
26 de novembro de 1993,

Resolve:

Artigo 1º - Fica constituída a Comissão Especial de Seleção Pública, a fim de


realizar o Concurso Público para provimento de cargos de Assistente Jurídico,
destinados aos Órgãos e Unidades Administrativas da Capital e Grande São Paulo,
pertencentes ao Quadro do Ministério Público.

Artigo 2º - A Comissão será integrada por Dr. Ivan Francisco Pereira Agostinho, RG.
9.557.620, Procurador de Justiça, Dr. Paulo

Sergio Puerta dos Santos, RG. 10.961.730-7, Procurador de Justiça - Diretor Geral,
Sr. Renato Dini, RG. 14.717.018, Assistente Técnico de Promotoria III e Srª.
Adriane Bartholo de Almeida Sader, RG. 9.820.531, Assistente Técnico de
Promotoria II, cabendo a presidência ao primeiro designado.
Artigo 3º - As funções dos integrantes da Comissão serão desenvolvidas com
preferência, mas sem prejuízo das atribuições normais dos cargos de que são
ocupantes.

Artigo 4º - A Diretoria Geral fornecerá os recursos materiais e humanos que forem


necessários para a execução dos trabalhos da comissão ora constituída.

Artigo 5º - Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação.

Ato nº 027-PGJ, de 14-5-2010

O Procurador-Geral de Justiça, no uso de suas atribuições legais, e com


fundamento na alínea “c”, inciso X, do artigo 19, da Lei Complementar nº 734, de
26 de novembro de 1993,

Resolve:

Artigo 1º - Fica constituída a Comissão Especial de Seleção Pública, a fim de


realizar o Concurso Público para provimento de cargos de Assistente Jurídico,
destinados às Áreas Regionais do Litoral e do Interior, pertencentes ao Quadro do
Ministério Público.

Artigo 2º - A Comissão será integrada por Dr. Ivan Francisco Pereira Agostinho, RG.
9.557.620, Procurador de Justiça, Dr. Paulo

Sergio Puerta dos Santos, RG. 10.961.730-7, Procurador de Justiça - Diretor Geral,
Sr. Renato Dini, RG. 14.717.018, Assistente Técnico de Promotoria III e Srª.
Adriane Bartholo de Almeida Sader, RG. 9.820.531, Assistente Técnico de
Promotoria II, cabendo a presidência ao primeiro designado.

Artigo 3º - As funções dos integrantes da Comissão serão desenvolvidas com


preferência, mas sem prejuízo das atribuições normais dos cargos de que são
ocupantes.

Artigo 4º - A Diretoria Geral fornecerá os recursos materiais e humanos que forem


necessários para a execução dos trabalhos da comissão ora constituída.

Artigo 5º - Este Ato entrará em vigor na data de sua publicação.