Você está na página 1de 5

2.4.5.

2 – O Modelo Cinético de Gás

O Modelo

As propriedades de uma gás perfeito se explicam qualitativamente por um modelo onde as


moléculas do gás estão em movimento caótico permanente. Quantitativamente este modelo leva a
teoria cinética dos gases. Neste modelo se admite que a única contribuição a energia do gás
provém das energias cinéticas das moléculas. Portanto, a energia potencial associadas as
interações moleculares proporciona contribuição desprezível para a energia total do gás. O modelo
cinético dos gases é um dos modelos mais notáveis da Físico-química, pois a partir de um conjunto
de hipóteses simples é possível, através dele, deduzir conclusões quantitativas importantes.

Hipóteses e conclusões
As 3 hipóteses centrais do modelo são:
 O gás é constituído de moléculas de massa m em movimento aleatório incessante.
 O tamanho das moléculas é desprezível (o diâmetro molecular é muito menor que a
distância média percorrida pelas moléculas).
 As moléculas não interagem umas com as outras, exceto entrando em contato em colisões
perfeitamente elásticas.

A partir destas hipóteses deduz-se a expressão para a relação entre a pressão e o volume:
2
PV = 1/3nMc

Onde M=mNA é a massa molar das moléculas, n o número de moléculas e c é a velocidade


2 1/2
média quadrática das moléculas, c=(v ) (o módulo da velocidade, v). Esta equação é um dos
resultados principais do modelo cinético. Por exemplo, a velocidade depende da temperatura e
caso dependa apenas dela e esta seja constante, então PV= constante, que é exatamente o que
afirma a lei de Boyle.
Podemos igualar a equação acima à equação dos gases ideais e desta forma
descobriremos a velocidade média quadrática das moléculas como sendo:
1/2
c = (3RT/M)

Portanto, quanto mais alta a temperatura mais rapidamente em média as moléculas se


moverão. Além disso, em uma temperatura fixa as moléculas mais pesadas se moverão mais
lentamente. Um valor médio para c é a velocidade do som no ar, 340 m/s, pois o som se desloca
como uma onda de pressão no ar.
O valor de c é um valor médio, mas existem moléculas se movendo em velocidades
maiores e menores. Uma distribuição teórica para a velocidade das moléculas é a distribuição de
velocidades de Maxwell:
3/2 2 -MV^2/2RT
F(v) = 4 (M/2RT) v e

O número de moléculas entre duas velocidades é descoberto pela integração da equação


acima entre duas velocidades. Desta equação obtemos a velocidade média como sendo C m =
3/2 1/2
(8RT/M) e a velocidade mais provável como sendo c* = (2RT/M) . Também é possível se
deduzir a velocidade relativa média (a velocidade com que duas moléculas se aproximam) como
1/2
Crel = 2 cm. A distribuição de Maxwell foi comprovada experimentalmente.
Outro resultado que pode ser conseguido pela distribuição de Maxwell é a freqüência de
colisões entre as moléculas, z:

z =crelP/kT
Onde  é seção reta de colisão das moléculas (valor determinado para cada molécula –
2
para o benzeno, por exemplo, é 0,88nm ), P é a pressão, k a constante de Boltzmann e T a
temperatura.
Com o valor da freqüência de colisões é possível o cálculo do livre percurso médio,,
que é a distância que uma molécula percorre em média entre duas colisões. Se a freqüência de
colisões é z, durante um tempo 1/z a molécula se desloca livremente e percorre a distância (1/z)c m.
Portanto:

 = cm/z = kT/(2  P).


1/2

O modelo cinético dos gases vale se o diâmetro das moléculas for muito menor que o livre
caminho médio (d<<) pois desta forma uma molécula estará na maior parte do tempo afastada
uma da outra e o comportamento será próximo do ideal.
Dois fenômenos que ocorrem com os gases são a efusão e a difusão. A difusão é a
mistura de um gás em outro, sendo um fenômeno de transporte de massa. Já a efusão é a
passagem dos gases através de pequenos orifícios. Comparando a velocidade de efusão de dois
gases temos a Lei de Graham que leva a conclusão seguinte sobre a velocidade de dois gases, A
e B:

Va/VB = √ρA/√ρB = √MA/√MB

Onde ρ e M são densidades e massas molares dos gases.


2.1.4.2 – Exercícios Resolvidos
Exercícios de Provas da PF
Prova Perito Área 6 – 1997

Exercícios de Outros Concursos


CESPE – INPI– Químico
CESPE – Petrobras – Químico de Petróleo 2004

Outros exercícios
23
Um balão de vidro de 1 L contém 1,0x10 moléculas de H2 e a pressão do gás é 100 kPa.

1 – A temperatura do gás é de cerca de 72K.

Correto
Usando a fórmula dos gases ideais:
PV=nRT => T = PV/nR = 1 atm.1L/(0,082.1/6,02 mol) = 6,02/0,082 = 73,4K.

2 – A velocidade média das moléculas é 2 km/s.

Errado
1/2 -1 -1 -3 1/2
A velocidade é calculada por c = (3RT/M) = [3.(8,314JK mol ).(73,4K)/(2.10 kg/mol)) =
956m/s. Portanto, a velocidade é da ordem de 1 km/s.

3 – Caso o gás fosse o oxigênio ao invés do hidrogênio a temperatura seria significativamente


diferente.

Errado
Na lei dos gases ideais não entra o valor da massa molar do gás, apenas o número de mols.
Portanto, é de se esperar que não haja diferença neste caso. De fato, usando a fórmula
2
PV=1/3nMc o maior valor de M é compensado pelo menor valor de c, levando a pouca diferença
no valor de PV, e por conseqüência de T.
No INC temos uma bomba de vácuo bem eficiente, capaz de gerar um vácuo de 1 nanotorriceli. A
temperatura pode ser considerada 25ºC. O ar pode ser considerado como sendo constituído por
moléculas de N2 com diâmetro de colisão de 395 pm. Baseado nisto julgue os itens a seguir.

4 – A velocidade média das moléculas é de cerca de 21 km/s.

Correto
A temperatura é 298K e a velocidade é encontrada em função da temperatura, como sendo C m =
3/2 -3 3/2
(8RT/M) = [8.8,314/(3,14.28.10 )] = 20810 = 20,8 km/s.

5 – O livre percurso médio é da ordem de tamanho de nosso dedo polegar.

Errado
5 -9 -7
760 torr é igual a 1 atm, ou 101,3 kPa. 1 nanotorr é, portanto, 10 .10 /(760) = 1,3.10 Pa. A
temperatura é de 298K. Temos o diâmetro de colisão e precisamos calcular o valor da seção reta
de colisão = d = 3,14.(395.10 ) = 4,9.10 m .
2 -12 2 -19 2

O livre percurso médio é  = kT/(2 P) = (1,38.10 J/K).(298K)/[(2 .1,3.10 Pa.4,9.10 m ) =


1/2 -23 1/2 -7 -19 2

45600 m ou 4,56 km.


Como comparativo, na pressão normal o livre percurso médio do N 2 é de cerca de 70 nm apenas.
Portanto, no vácuo as moléculas tem grande livre percurso médio, e isso explica porque nesta
situação nos aproximamos do modelo ideal.

6 – A freqüência de colisão no gás é de cerca de 1000 colisões por segundo.

Errado
A freqüência de colisão é dada por  = cm/z => z = cm/ = (20810 m/s)/(45600) = 0,45 colisões/s.
Este número é bem pequeno - comparativamente com o valor do N2 a 25ºC, que é da ordem de
9
7.10 colisões/s. Vemos que a pressão diminui significativamente o número de colisões.
2
A massa molar do Argônio é de 40 g/mol e a seção reta de colisão é aproximadamente 0,36 nm .

7 – Na temperatura ambiente, a pressão necessária para que uma molécula percorra em média o
-5
diâmetro de um balão de 1L onde o argônio esteja contido é de cerca de 10 vezes a pressão
atmosférica.

Correto
O livre percurso médio é dado por  = kT/(2 P) => P = kT/(.2 ).
1/2 1/2
-23 -18 2
A constante de Boltzmann é 1,38.10 J/K, a temperatura é 298K e a seção reta é 0,36.10 m .