Você está na página 1de 24

BOLETIM DE Nº 36

CONHECIMENTO junho 2017


TÉCNICO

ZORGCAMPUS E BASISCHOOL:
LOGÍSTICA E PLANEAMENTO DE DUAS
OBRAS E UMA EQUIPA PARTILHADA
Em dezembro de 2016, a CNT Europe começou um novo projeto ao iniciar trabalhos para o cliente
VANDENBUSSCHE com duas obras: Zorgcampus e Basischool. Este desafio tem a particularidade
de, para além de ser o mesmo cliente, a equipa ser a mesma em ambas as obras. // pág. 02

EDIÇÃO ESPECIAL ENGENHARIA ENGENHARIA


UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS LEAN COMPLEXIDADE DO DESK NO THÉÂTRE

BÉLGICA NA OBRA DE PROVINCIEHUIS


// pág. 10
ROYAL DE LA MONNAIE
// pág. 13

INOVAÇÃO
SEGURANÇA EM 1º LUGAR DIREITO A FALAR
FIELDWIRE: COMO INICIAR UM
RISCO DE INCÊNDIO EM HABITAÇÃO LIVRO DE OBRAS ELETRÓNICO: 3 EM 1
SISTEMA LEAN - GUIA PRÁTICO // pág. 19 // pág. 23
// pág. 18

“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

Zorgcampus e Basischool:
Logística e Planeamento de duas
obras e uma equipa partilhada

Em dezembro de 2016, a CNT Europe começou um novo projeto ao


iniciar trabalhos para o cliente VANDENBUSSCHE com duas obras:
Zorgcampus e Basischool. Este desafio tem a particularidade de,
Henrique Rios para além de ser o mesmo cliente, a equipa ser a mesma em ambas
Departamento de Produção as obras. Isto é, o Diretor de Obra, o Técnico Administrativo, o
CNT Europe, Bélgica Encarregado e os demais Operacionais são os mesmos. O objetivo
era conseguir tirar um elevado rendimento de produção, quer a nível
de mão-de-obra (chefes de equipa e oficiais), quer a nível de logística
(residências, transporte).

As obras localizam-se a cerca de 30 km de distância uma da outra,


entre as cidades de Antuérpia e Gante. Desde o início até agora, a
logística das obras sofreu várias alterações. No seu pico, as obras
compreenderam 44 trabalhadores e foram utilizados cinco veículos
para os transportes e cinco residências.

Por ser a obra de maior período de execução, e também com maior


área de estaleiro, a Zorgcampus possuía a cantina que abastecia as
refeições para as duas obras.

•• 2 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

Zorgcampus, Sint-Gillis-Waas
A Zorgcampus situa-se numa pequena localidade nos arredores
oeste de Antuérpia. A obra consiste num aumento de um lar de
idosos já existente e na substituição de um centro médico.

•• 3 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

Estruturalmente, o edifício é assente em estacas que


cobrem os 2.000 m2 de área. As estacas fazem a liga-
ção ao edifício diretamente através de vigas de funda-
ção (não existem sapatas). Cada bloco tem uma caixa
de escadas e, no bloco central, também existe uma
caixa de elevador, todas estas em betão armado; nas
escadas são utilizadas peças pré-fabricadas.

Os pórticos interiores dos blocos circundantes são


compostos por pilares betonados in situ e por vigas
pré-fabricadas, onde assentam peças de laje também
pré-fabricadas (predalles). Nestas últimas, é colocado a
malha superior da armadura e, posteriormente, a laje é
betonada. No bloco central, as vigas são betonadas no
local na totalidade, uma vez que também incorporam
perfis metálicos do tipo H. Este bloco tem a particulari-
dade de uma parte da laje ser pré-esforçada (hourdis).

O edifício divide-se em quatro blocos, um central de qua-


tro pisos que dá acesso aos restantes pelas fachadas
laterais e traseira de três pisos. Apenas um dos blocos
incorpora uma cave, que é dividida em duas partes, uma
com 1,5 metros e outra com 2,75 metros de pé direito.

•• 4 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

As paredes de fachada são feitas de alvenaria resistente,


em que o tipo de bloco varia consoante o piso. Isto
é, no piso térreo o bloco utilizado é o mais resistente,
decrescendo a resistência em cada piso. Estes blocos PLS
eram encaixados entre si, em cada fiada, e acomodados
através de uma cola entre cada linha de bloco.

•• 5 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

Basischool, Zaffelare, Lochristi


Numa pequena vila a leste de Gante surgiu a necessidade de construir
uma nova escola infantil e primária. É composta por três blocos dispostos
em forma de L. A parte de trás está reservada ao infantário e a da frente à
primária, enquanto o bloco central destina-se ao refeitório, cozinha e a um
ginásio. Todo o edifício é caracterizado por janelas estreitas e altas.

•• 6 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

metálicos do tipo H. Este bloco já é composto por pila-


res onde assenta a laje pré-fabricada (hourdis e predal-
les). Existem duas caixas de escadas e uma de elevador
em bloco; as escadas também são pré-fabricadas.

À semelhança da outra obra, não existem sapatas de


fundação, e apenas as vigas de fundação interagem
diretamente com o solo. Em todas as paredes é utiliza-
da alvenaria resistente, com os blocos à vista. O bloco
traseiro e o central têm somente um piso, mas dividido
em zonas com três diferentes pés diretos, nomeada-
mente 3,75, 2,5 e 6,5 metros. Entre as hourdis e as pa-
redes, existe uma viga que percorre todo o perímetro do
edifício. O terceiro bloco já é composto por três pisos,
assentes em quatro vigas onde estão integrados perfis

•• 7 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

Planeamento logístico disponíveis. Por norma, todas as sextas-feiras eram


O maior desafio das duas obras foi conseguir coordenar discutidas as mudanças dos trabalhadores de uma obra
as equipas de cada obra, face às dificuldades encontra- para a outra para a semana seguinte, criando alguma
das com o alojamento, transporte e, numa fase inicial, estabilidade nas equipas. Podia surgir o caso de, a meio
com a alimentação. da semana, haver alguma alteração ou até o contrário,
não haver mudanças de uma semana para a outra.
No arranque das obras, apenas com o alojamento em
Zaventem (nos arredores de Bruxelas), os colabora- Quando se menciona a transferências de colaboradores,
dores faziam 65 e 80 km para se deslocarem para as apenas se refere a um máximo de cinco trabalhadores,
obras Zorgcampus e Basischool, respetivamente. Pelo para que, uma das obras, num curto período, usufruísse
facto de ainda não existir cantina em obra, os traba- de um reforço de mão-de-obra. Desta forma, um acres-
lhadores faziam as refeições numa outra obra da CNT cento de um pequeno grupo de trabalhadores insuflava
Europe, situada em Antuérpia, por ficar no caminho. o ritmo dos trabalhos. Esta mudança só era possível
Com exceção do almoço, que seria transportado por um quando, na outra obra, o planeamento estivesse em dia,
cozinheiro da empresa. e não fosse necessário um grande número de trabalha-
dores. O ritmo dos trabalhos podia, assim, abrandar um
A meio do mês de janeiro de 2017, montou-se a cantina pouco. Este modo de trabalho permitia que houvesse
em obra e conseguiram-se arranjar dois alojamentos um ritmo de trabalho constante.
próximos da cantina, tornado mais fácil a movimenta-
ção dos trabalhadores. Dessa forma, todos os colabo- A movimentação de uma obra para a outra, da parte do
radores encontravam-se de manhã na cantina e eram Diretor de Obra e do Encarregado, era diária. Por vezes,
divididos pelo encarregado pelas obras consoante os a viagem de 30 minutos entre as obras era realizada
trabalhos necessários em cada uma. pelo DO e Encarregado simultaneamente. Contudo,
quando o trabalho de cada um assim o exigia, cada um
Mais tarde, e com o aumento do número de trabalha- se incumbiria do seu próprio transporte. Desta forma,
dores, a equipa que residia em Zaventem e ia para a estando o DO numa obra e o Encarregado na outra,
obra Basischool começou a tomar o pequeno-almoço seria possível conseguir responder às necessidades
numa outra cantina em Zaventem, para retirar tempo de existentes de uma forma mais rápida como, por exem-
viagem. Sendo o almoço preparado apenas numa obra, plo, alterações de trabalho por parte do cliente, even-
um colaborador de Zorgcampus transportava o almoço tuais dúvidas de interpretação de projeto por parte dos
para os trabalhadores da obra de Zaffelare. O jantar era chefes de equipa, entre outras. No final ou até durante
servido a todos na cantina. cada dia, o DO e Encarregado reuniam-se de forma a
transmitir ao outro os acontecimentos do período e da
Neste momento, numa fase terminal com uma das obra onde cada um esteve ausente.
obras já concluídas e com metade da equipa do período
de pico, apenas há colaboradores alojados nas casas
mais próximas das obras, que se deslocam todos para
o mesmo local (obra Zorgcampus).

Quando havia transferência de trabalhadores, ou entre


residências ou entre obras, era coordenado entre o Dire-
tor de Obra, o Encarregado e o Técnico Administrativo.
As decisões eram baseadas em critérios de produção
e rentabilidade do(s) colaborador(es) e da equipa onde
estaria integrado. Os critérios de logística, eram tidos em
conta, apurando a possibilidade de transporte, conside-
rando o ponto de partida, a obra de destino e os veículos

•• 8 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

Problemas e dificuldades
Desde o início que se previu a necessidade de ter aloja-
mentos perto das obras, uma vez que diminuía o tempo
de viagem para os colaboradores. Mas, devido ao facto
de as obras não serem de grande duração (seis a sete
meses), não seria possível alojar toda a equipa perto,
pois significava criar contratos de arrendamento de, no
mínimo, 12 meses. Desse modo, optou-se por utilizar
algumas vagas em casas de Zaventem e arrendar mais
duas a dois e 15 km de distância da cantina. Uma casa
ficou à responsabilidade da obra mais distante (Basis-
chool) e a outra acolheu um misto de trabalhadores das
duas obras. As casas de Zaventem acolheram trabalha-
dores de ambas as obras.

O facto de nem todos os trabalhadores residirem perto


uns dos outros, nem irem todos para o mesmo local,
tornava necessário ter em atenção o local de partida, a
obra de destino e o veículo de transporte.

Outra dificuldade existente era o facto de as mudanças


entre obras só serem possíveis se as obras assim o per-
mitissem. Isto é, se os trabalhos propostos poderiam
ser realizados com menos trabalhadores numa obra em
simultâneo, com a possibilidade de absorção de mais
trabalhadores na outra obra.

Devido à grande carga humana existente nas restantes


obras do mercado da Bélgica, e devido à necessidade
de aumentar as equipas nestas duas obras, foi essen-
cial a contratação de novos colaboradores. Desde o ar-
ranque das obras, viu-se a necessidade de criar equipas
com elementos novos (mais de metade dos colaborado-
res), integrando-os no espírito do Grupo Casais. ¶

•• 9 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

Utilização de Práticas Lean


na Obra de Provinciehuis, Antuérpia

Pedro Mota A empreitada Provinciehuis foi alvo da implementação de


Departamento de Produção algumas ferramentas Lean, por parte do cliente DENYS-DEMOCO,
CNT Europe, Bélgica tanto em fase de projeto como já em fase de execução. A
aplicação das ferramentas, baseadas no princípio Lean, teve como
principal objetivo uma eficaz gestão de todos os subempreiteiros
presentes na construção de um edifício desta magnitude.

•• 10 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

• • ••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • •••••••• • • • • • • • ••• ••••••• • • ••• ••••••• • • ••• •••••••
• • • • •• ••• • ••• ••• •• • ••••••••••••••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
•••• • •• • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• •• • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
•• • • • • •• •••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • ••• •••• •• • •• •• •••••••••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • • •• • ••• ••• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • • • ••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • •• • • • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• • • • •• ••••• ••••• • •••••••••••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• • • • ••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• ••• • • • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • • •• •• ••• • •••••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
•••• • •• • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• •• • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
•• • • • • •• •••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • ••• •••• •• • •• •• •••••••••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • • •• • ••• ••• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • • • ••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • • •• • • • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• • • • •• ••••• ••••• • •••••••••••••••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• • • • ••••••••• • • •• • •• • • • • • • • • • • •
• • •• ••• • • • • • • • • • • • •• • •• • • • • • • • • • • •

Figura 1. Exemplo de mapa de Gantt para um piso

A CNT Europe utilizou a filosofia Lean de modo a com carácter mais generalista e, numa segunda, com
melhorar as suas atividades produtivas ao otimizar ao caráter mais minimalista. Esta divisão tonar possível
máximo o seu planeamento. Para isso, foi necessário agilizar os processos e eliminar os constrangimentos
melhorar a interligação com outros subempreiteiros e que frequentemente surgem quando se planeia com
assim reduzir todos os tempos ‘mortos’ em obra. baixo grau de previsibilidade.

Uma das atividades alvo foi a laje pois o planeamento Foi implementada uma ‘sala Lean’ no estaleiro de obra, visí-
de toda a execução, desde a colocação da cofragem vel na figura 2, para incentivar a discussão entre os vários
‘skydeck’ até à betonagem, é aquele que exige mais subempreiteiros e empreiteiro geral. Nesta sala encontrava-
rigor. Como podemos observar na figura seguinte, para -se presente um cronograma com os diferentes trabalhos
cada laje, entram várias equipas em obra, simultanea- representados com post-its, de várias cores, para uma fácil
mente. Isto cria constrangimentos e implicações na leitura e ajuste temporal das atividades. Ao utilizar esta
realização das tarefas, pois existe uma grande de- ferramenta foi possível obter os seguintes resultados:
pendência entre trabalhos, que são realizados, na sua
maioria, por empresas distintas. O que se encontra a • Planeamento mais detalhado na fase de execução;
azul mais claro representa os trabalhos da CNT (carpin- • Desenvolvimento do plano de trabalhos juntamen-
taria, cofragem e armadura) e todos os restantes estão te com quem o vai executar;
a encargo da BKA (tubos de aquecimento), Freyssinet • Esforço coletivo para identificar e remover cons-
(cabos pós-esforço) e ainda outras equipas destinadas trangimentos de fluxo (por exemplo, a falta de
a instalações técnicas. varões de aço para as armaduras);
• Realização de planeamentos realistas, baseados
em processos de execução de trabalhos, havendo
De modo a otimizar este planeamento, foi introduzida uma maior coordenação e negociação ativa em
a ferramenta Last Planner System, que tem como base todas as partes envolvidas;
um sistema de planeamento e controlo da produção • Aprendizagem derivada de anteriores falhas de
que procura suavizar as variações nos fluxos de traba- planeamento, através da identificação coletiva da
lho na construção, o desenvolvimento de planeamen- raiz das causas e tomada de medidas preventivas.
tos altamente previsíveis, e a redução de operações
com fator de incerteza. O planeamento de tarefas é
dividido em diferentes dimensões: numa primeira fase

•• 11 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

Substituição da armadura de projeto. Foi pedida uma


alteração dos projetos no que diz respeito à armadura
dos muros exteriores. Assim, passou-se de um proces-
so que levava o triplo do tempo a realizar, para peças
já pré-fabricadas (malha eletrosoldada). É visível na
imagem seguinte o antes e depois desse processo.
Figura 2. Quadro Last Planner

O princípio Kaizen - Processo de Melhoria Contínua foi


outro instrumento utilizado no Projeto Provinciehuis. A ativi-
dade alvo foi a execução dos muros fachada. Os principais
resultados decorrentes da aplicação deste princípio foram:

Rotação dos painéis de cofragem dos muros. Foram


feitas, para cada piso, tentativas sucessivas de combi-
nações possíveis dos vários painéis, com base em erros Figura 4. O antes e o depois das alterações de armadura dos muros
e lições aprendidas nos pisos anteriores. Verificou-se
que essa rotação nos pisos mais antigos levava a um
tempo de execução dos muros mais demorado do que Pré-fabricação de pilares. Observou-se que seria
em pisos superiores. A figura 3 representa um exemplo também uma mais-valia pré-fabricar as armaduras dos
de planeamento controlado dos muros, com datas para pilares em estaleiro, sendo depois apenas necessária
armadura, fecho dos painéis e betonagem, e com cores a sua colocação e amarração. Isto reduziu o tempo
que permitem saber, de forma rápida, qual as posições de execução e evitou a acumulação de materiais em
a assumir de cada painel. espaço de trabalho.

Concluindo, e apesar algumas destas atividades Lean já


estarem implementadas em obra, a sua utilização, de uma
forma consciente e organizada, promove ganhos produ-
tivos de segurança, assim como um aumento do grau de
satisfação de todos os intervenientes. A adoção desta
filosofia deverá ser sempre algo a considerar na entrada
numa empreitada de grande magnitude, que exija uma
interligação complexa entre os vários participantes. ¶

•• 12 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

Complexidade do Desk
no Théâtre Royal de la Monnaie, Bruxelles

Daniel Braga O teatro de La Monnaie situa-se em pleno coração da cidade de


Departamento de Produção Bruxelas, numa das zonas mais movimentadas da cidade. É uma
Carpincasais Bélgica das instituições com maior intervenção cultural da Bélgica e é
conhecida não só pelos eventos que promove, mas também pela
qualidade dos cenários que produz, sendo estes para serventia do
próprio teatro e de outros na Bélgica, ou mesmo para exportação.

•• 13 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

Complexidade da forma

No âmbito da reabilitação de um dos mais prestigiados


teatros de Bruxelas designado como Théâtre Royal
de la Monnaie, a Denys encontra na Carpincasais um
parceiro capaz de produzir um balcão de acolhimento
aos artistas. O Desk de geometria complexa em Corian,
desenhado para a entrada dos artistas no teatro é com-
posto por formas oblíquas cheias de força e dinâmica,
desafiando assim a sua própria forma e a do espaço
envolvente, e visto pelos arquitetos como uma impor-
tante peça de design na reabilitação.

Contexto histórico

Em 1700, Gio Paolo Bombarda, consultor financeiro


para o governador dos Países Baixos espanhóis, man-
dou construir um salão para apresentações públicas de
ópera, teatro e ballet. Projetado pelos arquitetos Paolo
e Pietro Bezzi, o teatro foi construído no lugar Maison
Ostrevent onde se produzia a moeda, daí o nome “La
Monnaie”, que significa ‘Casa da Moeda’.

O edifício foi alvo de várias intervenções de expansão


e de renovações. Em 1800 quando Bruxelas foi ocupa-
da pela França de Napoleão decorreu uma expansão
que terminou 1819. Em 1830, o rei William da Holanda
permitiu ópera de Auber "La Muette de Portici", que viria
a ter um papel histórico na luta pela independência da
Bélgica. Em 1855, parte do teatro foi consumido pelo
fogo, sendo o arquiteto belga Joseph Poelaert respon-
sável pela reconstrução. A Casa da Moeda tornou-se na
Ópera Nacional em 1963. No decorrer de 1985 foram
iniciados os trabalhos de modernização da sala, me-
lhoramento do desempenho técnico do palco e fortes
melhoramentos na área da segurança. De 2015 a 2017
decorrem novos trabalhos de modernização do teatro a
cargo da empresa Denys, parceira da Carpincasais em
outros projetos, que encontra em nós uma empresa ca-
paz de realizar uma das ‘peças’ que apesar de pequena
dimensão era das mais difíceis de realizar.

•• 14 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

A nível de forma, e apesar da escala, lembra-nos edifícios


como a Casa da Música ou a sede da Vodafone no Porto,
pelas suas formas complexas e dinâmicas, compostas
por planos oblíquos que no todo potenciam a interação
do objeto com o espaço e com as pessoas.

•• 15 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

A forma do Desk transpõe dois tipos de sentimentos o que nos levou a desenvolver uma modelação 3D do
para observador: por um lado, a sua complexa geome- balcão em BIM para podermos, assim, extrair os perfis
tria de planos e arestas inclinadas potencia a ideia do com maior exatidão. Esta técnica construtiva permitiu
complexo mas, em contraponto, a sua materialidade uma melhor leitura dos planos e das suas dimensões
homogénea - e sem emendas que o Corian permite - faz facilitando fortemente a composição do mesmo. Após
a peça parecer um bloco, ou seja, permite a leitura do esta fase, seguiu-se a colocação e acabamento do
todo de modo imediato. Corian que, ao termos mais do que duas arestas a
convergir no mesmo ponto, causou também dificuldade
no acabamento do mesmo. O balcão foi transportado
da Carpincasais PT para a Bélgica em duas peças e
acabado posteriormente em obra. Esta foi uma obra
que demonstra claramente o bom entendimento entre a
Carpincasais BE e a Carpin PT.

O Desk

Quando iniciamos a preparação do balcão, deparamo-


-nos com incompatibilidades entre a estrutura metálica
prevista pelos arquitetos e a execução dos planos oblí-
quos. Fomos obrigados a fazer alterações na conceção
da estrutura, através de uma estrutura mista, composta
por partes metálicas e partes de madeira. A base de
trabalho passou a ser uma estrutura metálica vertical,
servindo como uma espinha dorsal, que percorria todo o
balcão e duas partes horizontais, uma na parte superior
e outra na inferior, que percorrem os desvios oblíquos.
Entre as estruturas metálicas superior e inferior, co-
locamos cambotas em contraplacado, cortadas com
os perfis da volumetria, que indicariam diretamente a
forma a seguir pelos planos frontais e laterias do Desk.
Estas cambotas, numeradas de 1 a 7, foram colocadas
ao comprimento do balcão. A complexidade da forma
trouxe ainda dificuldades nas verdadeiras grandezas,

•• 16 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

ENGENHARIA

Os trabalhos na zona da entrada dos artistas que nos


foram designados foi o balcão de acolhimento, as
caixas de correio, também em Corian, a antecâmara em
alumínio e o gesso cartonado. O resultado final da obra
foi bastante positivo e potenciador da boa relação entre
a Carpincasais BE e a Denys, que mereceu elogios da
parte dos arquitetos responsáveis pelo projeto. ¶

•• 17 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

I N OV AÇ ÃO

FIELDWIRE:
COMO INICIAR UM SISTEMA LEAN
Um guia prático

A filosofia Lean tem a sua origem no sistema de produção Toyota,


que está relacionado com a baixa de preços dos veículos e com
Guilherme Teixeira o aumento da qualidade dos mesmos, nas décadas de 80 e 90.
Departamento de Sistemas Desde então, o pensamento Lean tem sido aplicado a várias
de Informação indústrias além da automóvel, incluindo saúde, desenvolvimento
de software e construção.

Lean Construction promove uma visão sobre o sistema de


produção do projeto de construção, com um foco na otimização
do projeto como um todo, em vez de individualizar as diversas
partes. Ao olhar para o projeto como um sistema de produção,
a abordagem Lean enfatiza o fluxo, a melhoria contínua, a
eliminação de desperdícios e a geração de valor para o cliente, ao
longo do ciclo de vida do projeto.

Ao ser bem implementado, o sistema Lean Construction pode


trazer uma melhoria brutal no desempenho sob a forma de
projetos concluídos mais rapidamente, menos mudanças
Para mais informações de planos e uma maior qualidade no produto final. Quando
consulte o documento: implementado de forma errada, pode resultar em resistência por
parte da equipa e até em trabalho extra.

Lean Construction é um processo que leva tempo e pode questionar


a tradicional entrega da gestão da construção. Por isso, este paper
tem como objetivo ajudar a sua organização a dar os primeiros
passos, ilustrando algumas ferramentas e técnicas Lean que podem
ser implementadas nos seus projetos nos próximos tempos. ¶

•• 18 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

S E G U R A N Ç A E M 1 º LU G A R

RISCO DE INCÊNDIO EM

HABITAÇÃO
PREVENÇÃO E SEGURANÇA

Daniel Pintor Sabia que…


Departamento de Prevenção
e Segurança – Casais Gibraltar …Os incêndios são muito mais frequentes do
que pensamos e, na verdade, são milhares
as vítimas mortais e com danos irreversíveis
resultantes deste tipo de acidente?

•• 19 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

S E G U R A N Ç A E M 1 º LU G A R

Será que a nossa casa está protegida?


Existem no mercado equipamentos disponíveis, muito
baratos, e que reduzem, em mais de metade, as conse-
quências de incêndio (seja de ferimentos/intoxicação,
seja de danos materiais).

Estes equipamentos são simples DETETORES DE


FUMO (alarmes de fumo) que podem ser acoplados
facilmente em qualquer tipo de habitação. Estes deteto-
res são normalmente munidos de bateria (pilha) a qual
deve apenas ser substituída anualmente (normalmente
também alertam para a proximidade de fim carga).

Que tipo de equipamentos


existe no mercado?

• Detetores de fumo
• Detetores térmicos ou termo velocimétricos

Onde devo instalar este tipo


de equipamento?
Instale estes equipamentos em corredores e salas
(centro). Dependendo da área da habitação e da ficha
técnica do equipamento (instruções do fabricante),
normalmente dois detetores por piso são suficientes
(corredor e sala).

Sendo detetores de fumo, deve evitar cozinhas e WCs,


pois podem ser indevidamente acionados com vapores
ou fumos ‘normais’ (no caso da cozinha). Substitua
anualmente a bateria e efetue testes (através do botão
de teste), no mínimo, todos os meses.

Detetores térmicos ou termo velocimétricos podem ser


instalados em todos os locais onde o detetor de fumo
não é praticável.

•• 20 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

S E G U R A N Ç A E M 1 º LU G A R

Dicas para Prevenir os Incêndios


‘Caseiros’ mais Comuns

Sobrecargas em tomadas elétricas Cabos elétricos ou tomadas danificadas


Conheça a capacidade das ‘triplas’. Leia a ficha técnica Sempre que verifique uma tomada ou cabo elétrico da-
e não exceda a capacidade de fornecimento da tomada nificado, PARE O EQUIPAMENTO ou eletrodoméstico
onde será ligada. e simplesmente solicite a reparação junto de um ele-
tricista. Muitas vezes po-
A soma dos consumos dos aparelhos ligados a esta to- demos ser nós próprios a
mada não deve ser superior à sua capacidade (normal- efetuar essa substituição
mente cerca de 10 A). ou reparação. Garanta
que o aparelho esteja
O cálculo pode ser feito mentalmente com facilidade se desligado e que a corren-
levarmos em conta que, na rede de 110 V, cada 100 W te esteja totalmente cor-
correspondem a 1 A e que na rede de 220 V, cada 200 W tada, antes de iniciar uma
correspondem a 1 A. reparação.

Cozinhar com frituras a óleo


O óleo a altas temperaturas e a água são uma mistura
EXPLOSIVA E IMEDIATAMENTE INFLAMÁVEL.
Garanta que os alimentos estão devidamente secos.
Em caso de chama, não entre em pânico, nem tente
atirar o óleo para outro local. Corte imediatamente o
gás ou eletricidade (corte geral) e deixe o efeito passar.

Se vir que a chama pode afetar mobília e alastrar, tape


Antes de ligar qualquer aparelho (inclusive o computador, im- a panela com o respetivo tampo ou molhe uma toalha
pressora, etc.) verifique se o conjunto de aparelhos já ligados ou pano e tape totalmente a chama de forma a abafá-la
não ultrapassa a capacidade de corrente na extensão. (eliminar o comburente/oxigénio).

•• 21 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

S E G U R A N Ç A E M 1 º LU G A R

ATENÇÃO!
Não atire água nem a toalha ou pano!!! Cuidado com os potenciais salpicos de óleo a ferver!!!
Faça esta operação cuidadosamente e sempre com calma!!!

Fósforos, velas, cigarros e Tenha um plano de emergência caseiro e


acendedores a gás (isqueiros) faça simulacros em casa com a família

Tenha especial cuidado com • Definir o que fazer se o sinal de emergência tocar;
as crianças, nunca as deixe • Saber o que fazer em caso de ‘chama’/fogo;
sozinhas em locais onde exis- • Identificar onde se encontram as saídas de
tam este tipo de equipamento emergência;
acessível (cozinha). • Instruir para a não utilização de elevadores;
• Optar pela utilização de mantas e extintores;
Mantenha todo o tipo de fós- • Definir um ponto de encontro;
foro ou isqueiro devidamente • Possuir uma lista de contactos de emergência
guardado. atualizada.

Nunca saia de casa (ou adormeça) e deixe velas acesas.

Não fume dentro de casa, nem tenha cinzeiros dentro de


casa (muito menos cheios).
Se fumar, tenha muita atenção ao apagar o cigarro.
Nunca o atire aceso.

•• 22 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

DIREITO A FALAR

Manuel Luís Gonçalves


Departamento Jurídico

LIVRO DE OBRAS
ELETRÓNICO
em
Foi aprovada, no passado dia 5 de junho,
a Resolução do Conselho de Ministros
n.º 76/2017, que procede à criação do
livro de obra eletrónico e à extinção da
ficha técnica de habitação.

Esta iniciativa surge no âmbito do Programa


SIMPLEX+2016 e destina-se a criar os procedi-
mentos destinados à convergência da atual ficha
técnica de habitação com o livro de obra, uma
vez que a respetiva informação encontra-se dis-
ponível naqueles documentos, bem como à pos-
sibilidade de consulta do certificado energético
através daquele documento.

A Ficha Técnica de Habitação foi criada através


do Decreto-Lei n.º 68/2004, de 25 de março, e tra-
ta-se de um documento que contém uma síntese
das principais características do edifício e das
suas frações e visa fornecer uma noção genérica
da configuração do edifício, bem como a infor-
mação onde podem ser obtidos elementos detal-
hados sobre as características físicas e jurídicas
do mesmo, de modo, essencialmente, a permitir
aos consumidores aceder à mais relevante e

•• 23 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt
Boletim de Conhecimento Técnico Nº 36/2017

DIREITO A FALAR

completa informação sobre os imóveis e proceder à sua O objetivo desta iniciativa legislativa é concretizar a des-
aquisição consciente e informada, e com a necessária materialização do Livro de Obra, transformando-o num
segurança jurídica. documento eletrónico incorporado em sistema de con-
sulta eletrónica disponibilizado aos interessados, por
Decorridos mais de 10 anos da entrada em vigor deste entidade pública a designar, que deve garantir elevados
diploma verificou-se, porém, que grande parte da infor- padrões de integridade, fidedignidade, inadulterabilidade
mação que consta da ficha técnica da habitação já se e de segurança na sua criação e manutenção.
encontra disponível no livro de obra e no certificado en-
ergético, pelo que deixa de se justificar a sua existência. Para o efeito, foi instituída uma comissão que ficou in-
cumbida da elaboração de um relatório técnico indis-
O Livro de Obra contém uma primeira parte destinada ao pensável à aprovação das necessárias alterações legislati-
registo de factos e observações respeitantes à execução vas e administrativas e que deverá ser entregue ao Governo
da obra, bem como à realização do registo periódico do até 31 de dezembro de 2017, para permitir a aprovação do
seu estado de execução; Uma segunda parte, destinada diploma que irá regular o livro de obra eletrónico. ¶
ao registo das principais características da edificação e
das soluções construtivas adotadas, com impacte na
qualidade e funcionalidade do edificado, quando esteja
em causa obra de construção, reconstrução, com ou
sem preservação de fachadas, ampliação ou alteração
de edifício e quanto a todos os elementos construtivos
que da mesma resultem.

Já o Certificado Energético visa assegurar a eficiência


energética dos edifícios através do Sistema Certificação
Energética dos Edifícios (SCE).

O Governo, considerando que a proliferação de docu-


mentos comprovativos de determinadas caraterísticas
dos imóveis tende a criar risco de contradição entre
documentos oficiais, bem como a criar insegurança no
comércio jurídico e a onerar os particulares com custos
económicos acrescidos, aprovou esta Resolução com o
objetivo de instituir um único documento com as princi-
pais características do imóvel, quer a nível de execução
da obra, quer a nível de certificação energética.

Assim, através da supra referida Resolução, o Governo


resolveu convergir no Livro de Obra Eletrónico, as infor-
mações constantes da Ficha Técnica de Habitação, do
Certificado Energético e do Livro de Obra, tendo em vista
a extinção da Ficha Técnica de Habitação.

•• 24 ••
“O Engenho” é um Boletim de Conhecimento Técnico Mensal, os conteúdos não podem ser reproduzidos ou copiados sem a devida autorização dos autores.
Todos os direitos reservados. Grupo Casais © 2017 www.casais.pt | www.casaisnet.casais.pt