Você está na página 1de 124

Manual de Referência

Sistema de controle distribuído PlantPAx


Versão do sistema 4.0
Sistema de controle distribuído PlantPAx

Informações importantes para o usuário


Leia este documento e os documentos listados na seção recursos adicionais sobre a instalação, configuração e operação deste
equipamento antes de instalar, configurar, operar ou fazer a manutenção deste produto. É necessário que os usuários se
familiarizem com instruções de instalação e fiação, além de requisitos de todos os códigos aplicáveis, lei e normas.
Atividades incluindo a instalação, os ajustes, colocando em serviço, utilização, montagem, desmontagem e manutenção
devem ser realizadas por pessoal adequadamente treinado em conformidade com o código aplicável de práticas.
Se este equipamento for usado de uma maneira não especificada pelo fabricante, a proteção fornecida pelos equipamentos
pode ser prejudicada.
Em nenhuma hipótese, a Rockwell Automation, Inc. será responsável por danos indiretos ou consequentes resultantes do
uso ou aplicação deste equipamento.
Os exemplos e diagramas neste manual são apenas para fins ilustrativos. Devido às muitas variáveis e requisitos associados a
qualquer instalação em particular, a Rockwell Automation, Inc. não pode assumir nenhuma responsabilidade pelo uso real
com base nos exemplos e diagramas.
Nenhuma responsabilidade de patente é assumida pela Rockwell Automation, Inc. com respeito ao uso de informações,
circuitos, equipamentos ou software descritos neste manual.
É proibida a reprodução do conteúdo deste manual, no todo ou em parte, sem permissão por escrito da
Rockwell Automation, Inc.
Ao longo deste manual, quando necessário, fazemos uso de observações para alertá-lo sobre considerações de segurança.

ADVERTÊNCIA: Identifica as informações sobre práticas ou circunstâncias que podem causar uma explosão em uma área
classificada, o que pode levar a ferimentos pessoais ou morte, prejuízos a propriedades ou perdas econômicas.

ATENÇÃO: Identifica as informações sobre práticas ou circunstâncias que podem levar a ferimentos pessoais ou morte,
prejuízos a propriedades ou perdas econômicas. Atenções ajudam a identificar um perigo, evitá-lo e reconhecer suas
consequências.
IMPORTANTE Identifica as informações fundamentais para a aplicação correta e compreensão do produto.

Etiquetas também podem estar sobre ou dentro do equipamento para fornecer precauções específicas.

PERIGO DE CHOQUE: As etiquetas podem estar sobre o equipamento ou dentro dele, por exemplo, em um inversor ou motor,
para alertar as pessoas de que tensões perigosas podem estar presentes.

PERIGO DE QUEIMADURA: As etiquetas podem estar sobre o equipamento ou dentro dele, por exemplo, em um inversor ou
motor, para alertar as pessoas de que as superfícies podem atingir temperaturas perigosas.

PERIGO DE ARCO ELÉTRICO: As etiquetas podem estar sobre ou dentro do equipamento, por exemplo, um centro de controle
de motores, para alertar as pessoas de potencial arco elétrico. Arco elétrico causará grave lesão ou morte. Vista o equipamento
protetivo pessoal (PPE). Siga TODAS as especificações reguladoras para práticas de trabalho seguro e para equipamento de
proteção individual (EPI).
Allen-Bradley, CENTERLINE, CompactLogix, ControlFLASH, ControlLogix, Encompass, FactoryTalk, FLEX Ex, FLEX I / O, Arquitetura Integrada, IntelliCENTER, Logix5000, PanelView, PhaseManager, PlantPAx,
PLC-5, POINT I / O, Rockwell Automation, Rockwell Software, RSLinx, RSLogix 5000, RSNetWorx, RSView, Stratix 5100, Stratix 5400, Stratix 5410, Stratix 5700, Stratix 8300, Studio 5000 Logix Designer e TechConnect
são marcas comerciais da Rockwell Automation, Inc.

As marcas comerciais não pertencentes à Rockwell Automation são propriedade de suas respectivas empresas.
Sumário

Resumo das alterações Informação novas e atualizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Prefácio Objetivo do Manual de referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9


Recursos adicionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Capítulo 1
Visão geral da arquitetura do sistema Classes de arquitetura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Sistema PlantPAx em uma rede EtherNet/IP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Elementos do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Atributos críticos do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Ferramentas de adquisição do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

Capítulo 2
Recomendações dos elementos Componentes do software PlantPAx. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
do sistema Servidor do sistema de automação de processo (PASS). . . . . . . . . . . . . . . 18
Alta disponibilidade do servidor PASS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Configurar o FactoryTalk Directory . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Estação de trabalho de engenharia (EWS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Servidor da aplicação da estação de trabalho de engenharia
(AppServ-EWS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Estação de trabalho do operador (OWS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Servidor da aplicação da estação de trabalho do operador
(AppServ-OWS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Estação de trabalho independente (IndWS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
AppServ-Info (Historian). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
AppServ-Info (VantagePoint) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
AppServ-Info (SQL) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Servidor de gestão de ativos (AppServ-Asset) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Servidor de gestão de lotes (Batch-AppServ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Controlador de domínio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Controlador de processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Controlador simplex. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Controladores redundantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Controlador skid-based . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Determinação da contagem de E/S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Estratégias de controle de dimensionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Capítulo 3
Recomendações de aplicação Recomendações sobre o controlador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
do sistema Configuração de tag e utilização da CPU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Utilização estimada da CPU do controlador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Uso de Parâmetros do programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Tag e alocação de memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Comunicação de controlador a controlador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Considerações sobre o controlador de E/S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Utilizando instruções adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 3


Sumário

Recomendações para o FactoryTalk View. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56


Biblioteca de objetos de processo da Rockwell Automation. . . . . . . . . . . 57
Recursos de aplicações adicionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

Capítulo 4
Recomendações do sistema Software FactoryTalk Alarm and Event. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
de alarme Uso da Biblioteca de Objetos de Processo para alarmes . . . . . . . . . . . 63
Modelo de estado de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Monitoração do seu sistema de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Capítulo 5
Recomendações de infraestrutura Infraestrutura tradicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Infraestrutura virtual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Recomendações de configuração do PlantPAx virtual . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Servidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Armazenamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Redes virtuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Pool de alocação de recurso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Recomendações para a otimização da VM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Recomendações de antivírus e de backup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Recomendações do sistema operacional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Domínios e grupos de trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Recomendações de domínio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Recomendações de grupo de trabalho do Windows . . . . . . . . . . . . . . 78
Internet Information Server (IIS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Sincronização de tempo do servidor e da estação de trabalho . . . . . . 79
Otimização do sistema operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Recomendações de rede . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Comutadores Ethernet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Capítulo 6
Recomendações de Integração de Opções de configuração do dispositivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
dispositivo de campo Solução FactoryTalk AssetCentre for Enterprise . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Recomendações de EtherNet/IP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Opções de comunicação de E/S da EtherNet/IP . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Recomendações de ControlNet. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Opções de comunicação da ControlNet de E/S. . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Recomendações sobre o DeviceNet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Opções de comunicação da DeviceNet. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Recomendações do HART . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Opções de comunicação HART. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Recomendações do FOUNDATION Fieldbus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Opções de comunicação da FOUNDATION Fieldbus . . . . . . . . . . 89
Recomendações PROFIBUS PA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Opções de comunicação PROFIBUS PA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Recomendações sobre controle de motores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

4 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Sumário

Capítulo 7
Gestão de lotes e recomendações Atributos críticos do sistema do FactoryTalk Batch . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
de controle Orientações de lote para Logix . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Usar um sistema redundante com o servidor FactoryTalk Batch . . . . . . 97

Capítulo 8
Recomendações de gerenciamento Visão geral do FactoryTalk Historian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
de informações Dicas e melhores Práticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Melhores Práticas de arquitetura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Visão geral do FactoryTalk Historian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Dicas e melhores Práticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

Capítulo 9
Recomendações de manutenção Manutenção do seu sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Atualizações da Microsoft . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Software antivírus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Atualizações de software/firmware da Rockwell Automation. . . . 102
Considerações ao atualizar o software e o firmware . . . . . . . . . . . . . 103
Serviços e suporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

Apêndice A
Verifique e monitore a integridade Utilização da verificação de paginação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
do seu sistema Recursos adicionais de monitoração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

Apêndice B
Componentes de software dos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
elementos do sistema

Glossário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

Index . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 5


Sumário

Observações:

6 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Resumo das alterações

Esta revisão do manual concentra-se nas recomendações de implementação que se


aplicam a todos os sistemas PlantPAx™.

Informação novas Esta tabela contém algumas das mudanças feitas nesta revisão.
e atualizadas Tópico Página
Atualiza as regras do sistema PlantPAx para as versões de software atuais 18
Adiciona o Engineering Workstation Application Server (AppServ-EWS servidos da aplicação 21
de engenharia da estação de trabalho) para infraestrutura virtual
Atualiza Windows Server 2012 R2 e sistemas operacionais Windows 8.1 19, 20, 21, 22, 23, 24,
25, 26, 27
Adiciona o elemento do servidor SQL para as categorias tradicional e virtual 25
Adiciona o elemento controlador Domain para as categorias tradicional e virtual 27
Adiciona os exemplos do bloco de funções para estratégias de controle de base 34
Atualiza considerações de redundância para dimensionamento da estratégia de controle 37
Inclui os limites de parâmetro do programa para execução de tags 46
Atualiza tabela para adição on-line de módulo de E/S e tipos de conexão 53
Atualiza o número de instâncias de objeto global em uma única tela para menos de 60 56
Adiciona estratégias de processo para a Biblioteca da Rockwell Automation de objetos de 57
processo
Atualiza as recomendações de infraestrutura do sistema PlantPAx 69
Atualiza os comutadores Ethernet para o sistema PlantPAx 82
Adiciona métodos sobre como verificar o status de integridade do seu sistema 105
Atualiza a lista de componentes de elementos do sistema 109

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 7


Resumo das alterações

Observações:

8 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Prefácio

O sistema PlantPAx ® fornece uma moderna abordagem de controle distribuído.


O sistema compartilha tecnologia comum (sistema Integrated Architecture®)
com todos as outras disciplinas de automação na fábrica. Esta abordagem cria um
fluxo de informações contínuo em toda a fábrica para oportunidades de
otimização e permite uma empresa conectada.

Nossa plataforma expansível oferece a flexibilidade de implementar um sistema


adequado para a sua aplicação. Figura 1 mostra os documentos (este manual na
seção destacada) que estão disponíveis para ajudar a projetar e implementar as
suas especificações de sistema.

Figura 1 – Sistema de e implementação e estratégias de documentação PlantPAx

Develop END:
START: Define and
Build Prep Specific Completed
Requirements Procure
Application System

• Guia de seleção • Manual do usuário de • Manual do usuário de • Manual do usuário da


PROCES-SG001 virtualização 9528-UM001 infraestrutura PROCES-UM001 aplicação PROCES-UM003
• Manual de Referência • Manual de Referência
PROCES-RM001 PROCES-RM001
• Biblioteca de objetos de
processo PROCES-RM002 46276

• Definir e adquirir – Ajuda a você entender os elementos do sistema


PlantPAx, para se certificar de que você compra os componentes corretos.
• Construir – Fornece indicações sobre como implementar o sistema de
arquitetura PlantPAx para ajudar a desenvolver sua aplicação.
• Prep – Fornece orientações sobre como iniciar e aprender as melhores
práticas para o desenvolvimento da sua aplicação.
• Desenvolver aplicação específica – contém o objetos e bibliotecas
específicos da aplicação que são usados para construir sua aplicação que
reside na arquitetura PlantPAx.

Objetivo do Manual de referência


Sempre que o Guia de Seleção PlantPAx for utilizado para apoiar o dimensiona-
mento e a aquisição do sistema, este manual de referência lhe guia nas regras de
aplicação que você precisa seguir para definir um sistema PlantPAx. O desempe-
nho do sistema PlantPAx é dependente do seguimento das orientações de dimen-
sionamento e regras de aplicação que são definidas por esses documentos e pelo
estimador do sistema PlantPAx (PSE).

Dois – manuais do usuário do SDCD PlantPAx infraestrutura e aplicação de


SDCD PlantPAx – fornecer os procedimentos de passo a passo sobre como
implementar um sistema. A lista de verificação e verificação de ferramentas
confirmar se o concluída sistema cumpra os critérios de projeto que é necessário
para ser um sistema PlantPAx.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 9


Prefácio

Este manual contém também sistema elemento regras e as especificações e


recomendações para desenvolvimento de seu sistema. Recomendamos vivamente
que você use os modelos de imagem virtual PlantPAx e a Biblioteca de objetos de
processo da Rockwell Automation para o melhor desempenho e funcionalidade
do sistema.

Se você não estiver poder usar o gabaritos ou da biblioteca, ainda assim é


necessário seguir as orientações e regras a partir da guia de seleção e esta referência
manual para alcançar sistema PlantPAx desempenho.

Recursos adicionais Estes documentos contêm informações adicionais referentes a produtos


relacionados da Rockwell Automation.
Tabela 1 – Recursos adicionais
Recurso Descrição
Núcleo do sistema
Guia de Seleção do Sistema de Controle Distribuído Fornece as definições básicas dos elementos do sistema e orientações sobre o dimensionamento as orientações sobre a
PlantPAx, publicação PROCES-SG001 adjudicação de um sistema PlantPAx.
Manual do usuário da Configuração de Disponibiliza capturas de tela e procedimentos passo a passo para se configurar os componentes de infraestrutura para
Infraestrutura do Sistema de Controle Distribuído PlantPAx, os requisitos do seu sistema.
publicação PROCES-UM001
Manual do usuário da Configuração da Aplicação do Fornece os passos necessários para iniciar o desenvolvimento de seu sistema de controle distribuído PlantPAx.
Sistema de Controle Distribuído PlantPAx,
publicação PROCES-UM003
Biblioteca de objetos de processo da Rockwell Automation, Oferece uma visão geral dos objetos de código, elementos de exibição e faceplates que constituem a biblioteca de
publicação PROCES-RM002 objetos de processo da Rockwell Automation.
Biblioteca de objetos de diagnóstico Logix da Oferece instruções adicional para informações de monitoração e diagnóstico sobre os controladores Logix.
Rockwell Automation, publicação PROCES-RM003
Biblioteca de instruções da tabela de vapor da Oferece instruções adicional para o cálculo de tabelas de vapor de temperatura e pressão.
Rockwell Automation, publicação PROCES-RM004
Certificações e especificações de hardware PlantPAx, Fornece informações sobre as especificações e especificações do sistema de hardware PlantPAx.
publicação PROCES-SR027
Manual de referência de objeto sequenciador PlantPAx, Fornece uma solução flexível de sequenciamento de etapas baseada no controlador que reduz o tempo de engenharia
publicação PROCES-RM006 ao automatizar procedimentos comuns do operador.
Manual do Usuário do FactoryTalk View SE Edition, Oferece detalhes sobre como usar esse pacote de software para desenvolver e executar aplicações de interface homem-
publicação VIEWSE-UM006 máquina (IHM) que possam envolver vários usuários e servidores, distribuídos ao longo de uma rede.
Guia de instalação do FactoryTalk View SE, Contém procedimentos para instalar o software FactoryTalk View SE.
publicação VIEWSE-IN003
Guia de configuração do FactoryTalk Alarms and Events, Oferece detalhes sobre como instalar, configurar e usar os serviços do FactoryTalk Alarms and Events como parte de um
publicação FTAE-RM001 sistema de automação habilitado para o FactoryTalk.
Manual do usuário do sistema ControlLogix, Explica como utilizar os controladores ControlLogix® em ambientes tradicionais e extremos.
publicação 1756-UM001
Manual do usuário do sistema de redundância melhorada, Oferece informações sobre a instalação e configuração para um sistema do controlador com redundância aprimorada
publicação 1756-UM535 para maior disponibilidade.
Manual de referência sobre considerações de design dos Detalha como projetar e otimizar as aplicações para controladores Logix5000.
controladores Logix5000, publicação 1756-RM094
Manual de programação de procedimentos comuns aos Oferece links a uma coleção de manuais de programação que descrevem como usar procedimentos comuns a todos os
controladores Logix5000, publicação 1756-PM001 projetos de controladores Logix5000.
Manual de referência de instruções gerais dos Oferece aplicações dos controladores de programação usando instruções de lógica ladder de relé.
controladores Logix5000, publicação 1756-RM003
Manual de referência de processos de controle e Oferece detalhes sobre o controle do processo e instruções de drives.
inversores avançados dos controladores Logix5000,
publicação 1756-RM006

10 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Prefácio

Tabela 1 – Recursos adicionais


Recurso Descrição
Manual de referência do usuário controladores de tempo Fornece uma listagem completa de instrução todos os tempo de execução de instruções e informações sobre o uso de
de execução e memória do controlador Logix5000, memória para controladores Logix5000 em seu software de programação Studio 5000 Logix Designer®, versão 24.50,
publicação 1756-RM087 programa.
Manual de referência do PlantPAx Logix Batch and Explica uma solução de sequenciamento e de lote com base em controlador que aproveita a plataforma Logix Control e
Sequence Manager, publicação PROCES-RM007 o software FactoryTalk View para controle e visualização integrada.
Infraestrutura
Manual do usuário de virtualização PlantPAx, Descreve como usar os modelos de imagem virtual PlantPAx para configurar máquinas virtuais.
publicação 9528-UM001
Configuração de rede EtherNet/IP, Explica as ferramentas Logix5000 que são usadas nas topologias EtherNet/IP e na operação de rede.
publicação ENET-UM001
Manual de referência sobre considerações de design Explica os componentes de infraestrutura que permitem que essa rede aberta se comunique de forma transparente por
Ethernet, publicação ENET-RM002 toda a fábrica, do chão de fábrica até o nível gerencial.
Guia de implementação e projeto para Ethernet Oferece orientações de projeto colaborativo com base na solução Ethernet-to-the-Factory, da Cisco, e na solução
convergente por toda a fábrica (Converged Plantwide Integrated Architecture, da Rockwell Automation.
Ethernet -CPwE), publicação ENET-TD001
Localizar falhas em redes EtherNet/IP, Fornece orientações para localização de falhas de uma rede EtherNet/IP, como o ajuste de velocidade e duplex.
publicação ENET-AT003
Dados Técnicos das Especificações dos Módulos de Contém especificações para os módulos de comunicação da rede ControlLogix.
Comunicação CompactLogix 1756, publicação 1756-TD003
Observação sobre a aplicação: Métodos de segmentação Fornece considerações de projeto para metodologias de segmentação de rede para os controladores ControlLogix e
dentro da zona da célula/área, publicação ENET-AT004 CompactLogix ™ 5370.
Manual do usuário dos comutadores gerenciados Stratix, Descreve os recursos e ferramentas de software incorporados para a configuração e gerenciamento dos comutadores
publicação 1783-UM007 gerenciados pela Ethernet Stratix 5410™, Stratix 5400™ e Stratix 5700™.
Dados técnicos das especificações do dispositivo Stratix Fornece especificações de comutadores, certificações e as últimas informações sobre o produto.
Ethernet, publicação 1783-TD001
Desenho de referência rápida da família de produtos Ilustração que mostra opções para conectar sua rede da fábrica usando tecnologia Ethernet padrão.
Stratix/Infrastructure, publicação IASIMP-QR029
Guia de instalação e panejamento do ControlNet Coax Oferece procedimentos de planejamento, instalação e implementação de uma rede ControlNet.
Media, publicação CNET-IN002
Guia de instalação e panejamento do ControlNet Fiber
Media, publicação CNET-IN001
Manual do usuário dos Módulos ControlNet em sistemas de
controle Logix5000, publicação CNET-UM001
Centro de download e compatibilidade do produto em O site ajuda você a encontrar downloads de produtos relacionados incluindo firmware, notas de lançamento, software
http://www.rockwellautomation.com/ associado, drivers, ferramentas e utilidades.
rockwellautomation/support/pcdc.page
Integração de dispositivo de campo
Guia de instalação FactoryTalk AssetCentre, Oferece instruções de instalação para a monitoração do sistema de automação da fábrica.
Publicação FTAC-IN005
Perfil do produto FactoryTalk AssetCentre, Explica essa ferramenta para assegurar, gerir, alterar versões, acompanhar e relatar informações de ativos relativos à
publicação FTALK-PP001 automação em toda sua empresa.
Dispositivo de conexão do EtherNet/IP e ControlNet ao Descreve a instalação e a operação dos dispositivos de conexão 1788-EN2FFR e 1788-CN2FFR.
FOUNDATION Fieldbus, publicação 1788-UM057
Manual do usuário 1788-EN2PAR, Descreve a instalação e a operação do dispositivo de conexão 1788-EN2PAR.
publicação LOGIX-UM056
Manual do usuário 1788-CN2PAR, publicação 1788-UM055 Descreve a instalação e a operação do dispositivo de conexão 1788-CN2PAR.
Manual do usuário dos módulos analógicos de E/S Contém informações sobre como instalar, configurar e localizar falhas nos módulos de E/S analógica ControlLogix HART.
ControlLogix HART, publicação 1756-UM533
Medidor de fluxo Promass 83 via PROFIBUS PA Oferece procedimentos para o projeto e a implementação de equipamentos PROFIBUS PA.
para o sistema de automação de processo PlantPAx,
publicação PROCES-AP022
Referência rápida do sistema DeviceNet, Oferece procedimentos para configurar aplicações da rede DeviceNet.
publicação DNET-QR001

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 11


Prefácio

Tabela 1 – Recursos adicionais


Recurso Descrição
Centros de controle de motores CENTERLINE com rede Descreve a construção do sistema de cabos e componentes associado com uma rede EtherNet/IP que está instalado de
EtherNet/IP, publicação 2100-TD031 fábrica nos centros de controle de motor (MCCs) CENTERLINE® 2100, CENTERLINE 2500 e IntelliCENTER®.
Centros de controle de motores CENTERLINE 2500 com rede
EtherNet/IP, publicação 2500-TD003
E + H instrumentos via HART do PlantPAx User Manual, Fornece uma abordagem passo a passo para integrar dispositivos HART a partir da Endress + Hauser em o sistema
publicação PROCES-UM002 PlantPAx.
Bote
Guia do usuário do FactoryTalk Batch, Oferece um complemento da gestão de receitas do FactoryTalk, orientações de componentes e procedimentos para a
publicação BATCH-UM011 instalação de software.
Guia de instalaçao do FactoryTalk Batch, Oferece informações e procedimentos para instalar o software FactoryTalk Batch.
publicação BATCH-IN011
Manual de Referência de considerações de projeto Fornece orientações sobre tópicos implementação do lote selecionado em um sistema PlantPAx.
PlantPAx Batch, publicação PROCES-RM008
Guia de Início Rápido para o Kit de Ferramentas da Fornece a estrutura sobre como usar as tarefas para completar os componentes do kit de ferramentas.
Aplicação de Lote, publicação IASIMP-QS042
Manual do usuário PhaseManager, Explica como definir um modelo de estado e desenvolver as fases para seus equipamentos.
publicação LOGIX-UM001
Segurança de processo
Manual de referência de segurança do uso das aplicações Componentes ControlLogix suportados em configurações SIL 2
do ControlLogix em SIL2 , publicação 1756-RM001
Manual do usuário do sistema de E/S redundante, Descreve como instalar e configurar o sistema de E/S redundante 1715 com um sistema de redundância aprimorada
publicação 1715-UM001 ControlLogix.
Manual de soluções AADvance, Explica os recursos, o desempenho e a funcionalidade o controlador AADvance e dos sistemas. Ele estabelece algumas
publicação ICSTT-RM447 orientações sobre como especificar um sistema para atender as especificações de sua aplicação.
Manual de construção de sistemas AADvance, Fornece aos contrutores experientes de painéis informações sobre como montar um sistema, ligar e validar a operação
publicação ICSTT-RM448 de um controlador.
Guia de comunicação AADvance, Define como configurar um controlador AADvance usando o AADvance Workbench para atender os requisitos da
publicação ICSTT-RM405 aplicação das suas funções do instrumento de segurança (SIF).
Manual de segurança AADvance, Define normas obrigatórias e faz recomendações para aplicar de uma forma segura os controladores AADvance para
publicação ICSTT-RM446 uma aplicação SIF. Explica como utilizar os controladores ControlLogix® em ambientes tradicionais e extremos.
Manual de localização de falhas e reparos AADvance, Fornece ao pessoal de manutenção de fábrica informações sobre como traçar e reparar uma falha em um sistema
publicação ICSTT-RM406 AADvance e realizar as tarefas de manutenção de rotina.

Você pode visualizar ou fazer o download de publicações em


http://www.rockwellautomation.com/literature. Para solicitar cópias impressas
da documentação técnica, entre em contato com o distribuidor Allen-Bradley
local ou com o representante de vendas da Rockwell Automation.

12 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 1

Visão geral da arquitetura do sistema

O sistema PlantPAx ® usa produtos com o padrão de Arquitetura Integrada da


Rockwell Automation® (IA) para criar um sistema de controle distribuído
(SDCD). Nosso SDCD moderno é expansível, flexível e aberto enquanto ainda
fornece confiabilidade, funcionalidade e desempenho esperados de um SDCD.
Esta seção descreve os elementos e arquiteturas de sistema que você pode usar
para configurar um sistema PlantPAx.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Classes de arquitetura 14
Elementos do sistema 15
Atributos críticos do sistema 15
Ferramentas de adquisição do sistema 16

A Rockwell Automation um SDCD baseada na sua dimensão ou classe de


arquitetura. Uma classificação “caracterizada” gera dados de desempenho do
sistema e configurações de hardware e software recomendadas.

Esta seção descreve como as classes da arquitetura PlantPAx oferecem


expansibilidade do sistema ao mesmo tempo em que organizam os produtos de
IA de forma a fornecer um controle SDCD eficiente e abrangente na fábrica.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 13


Capítulo 1 Visão geral da arquitetura do sistema

Classes de arquitetura As classes de arquitetura definem as arquiteturas de referência com base no


tamanho do sistema necessário.

Arquitetura Descrição
Estação Uma estação de trabalho única que funciona como servidor do sistema de automatização PlantPAx (PASS), estação de trabalho do
operador (OWS) e estação de trabalho de engenharia (EWS).
Distribuída – servidor único de PASS Esta arquitetura tem um servidor único Pass e suporta múltiplas OWSs e EWSs.
Distribuída – Vários servidores de PASS Esta arquitetura tem vários servidores PASS e suporta várias OWSs e EWSs. É possível adicionar servidores de PASS para obter mais
capacidade ou para separar os servidores de acordo com as áreas operacionais.

vel
Escalá

Arquitetura distribuída – vários servidores de PASS

Arquitetura distribuída – servidor único de PASS

Arquitetura de estação

Sistema PlantPAx em uma rede EtherNet/IP

O sistema PlantPAx é baseado em padrões abertos da indústria, aproveitando


EtherNet/IP como o elemento principal. A rede EtherNet/IP ajuda a suportar
integração ininterrupta dos componentes de sistema, bem como fornece os
sistemas de negócios de alto nível.
Estação de Servidores de aplicação Várias estações de trabalho de operador
trabalho de Controlador
PASS de domínio
engenharia

Topologia de anel de nível de dispositivo

14 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Visão geral da arquitetura do sistema Capítulo 1

Elementos do sistema Elementos do sistema são os diferentes elementos de um SDCD PlantPAx.


Elementos pode ser deslocados em seu sistema, de acordo com as necessidades da
aplicação.
Tabela 2 – Elementos do sistema de arquitetura
Elemento do sistema Estação Classe Distribuída (um único ou vários PASS)
PASS O computador único funciona como PASS, Estação de trabalho de Um PASS necessário e inclui um ou mais dos seguintes:
engenharia e Estação de trabalho de operador em uma estação de trabalho • Servidor FactoryTalk Directory
independente • Servidor de IHM
• Servidor de dados
• Servidor Alarm and Event
Um PASS adicional conforme necessário (até 10 servidores ou pares de
servidores redundantes)
Estação de trabalho de Incluído na estação de trabalho independente • É necessária 1 Estação de trabalho de engenharia
engenharia • Pode ter até 5 EWSs
Estação de trabalho do Incluído na estação de trabalho independente Pode ter até 50 clientes de trabalho do operador(1)
operador
Controlador de processo 1 a 5 controladores ControlLogix® Não há um limite rígido para o número de controladores. O número de
controladores que pode ser suportado por PASS (servidor de dados)
depende da seção do controlador, do carregamento do controlador e do
número de trabalhos do operador.
Utilize o estimador do sistema PlantPAx (PSE) para verificar o seu projeto.
Consulte Ferramentas de adquisição do sistema na página 16.
Servidores de aplicação AppServ-Information Management conforme necessário AppServ-Information Management conforme necessário
AppServ-Batch conforme necessário AppServ-Batch conforme necessário
AppServ-Information Management (SQL, Historian, ou VantagePoint) AppServ-Information Management (SQL, Historian, ou VantagePoint)
conforme necessário conforme necessário
AppServ-Batch conforme necessário
(1) Use o sistema PlantPAx Estimator para certificar-se de que você tem um servidor PASS com capacidade para suportar todos os seus clientes OWS.

Atributos críticos do sistema Um atributo crítico do sistema (CSA) é um indicador de desempenho visível de
uma característica de todo o sistema. CSAs são usados para definir ou identificar
níveis especificados de operação do sistema. CSAs são avaliados baseados em
aprovação/falha.

Atributos críticos do sistema fazem o seguinte:


• Determinam os limites do sistema
• Estabelecem as regras do sistema
• Estabelecem as recomendações do sistema
• Medem o desempenho de elementos do sistema e da infraestrutura do
sistema

Consulte Indicadores de desempenho CSA na página 16.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 15


Capítulo 1 Visão geral da arquitetura do sistema

Os seguintes atributos críticos de sistema (CSA) foram usados para verificar o


desempenho durante o processo de caracterização do sistema.

Tabela 3 – Indicadores de desempenho CSA


Atributo crítico de sistema Desempenho
Chamada de tela (tempo de preenchimento) Uma tela sem cache é chamada pelo operador e está pronta para seu uso em 2 segundos.
Atualização de tela A tela atualiza as informações de controle em 1 segundo.
Hora do alarme de regime permanente Alarmes de regime permanente que ocorrem 20 vezes por segundo recebem um registro de data e hora em um segundo.
Tempo de disparo de alarmes Todos os alarmes em um disparo de 1.000 alarmes recebem um registro de data e hora em 3 segundos.
Recuperação Um elemento do sistema retorna ao pleno funcionamento dentro de 5 minutos da restauração após uma falha ou perda.
Controle iniciado pelo operador As ações iniciadas pelo operador são carregadas no controlador e a realimentação para a ação do operador ocorre em dois
segundos.
Servidor de lote: tempo de ação do operador Um comando de lote do operador foi acionado pelo controlador em um segundo.
Servidor de lote: tempo de ação do servidor Um comando de lote do servidor foi acionado pelo controlador em um segundo.
Servidor de lote: tempo de ação do controlador Eventos de status de lote são exibidos na estação de trabalho do operador dentro de um segundo.

Ferramentas de adquisição Os capítulos a seguir deste manual contêm recomendações e considerações para a
implementação de seu sistema. Se não tiver selecionado uma rotina ou adquirido a
do sistema arquitetura e componentes do sistema PlantPAx, consulte o Guia de seleção
PlantPAx, publicação PROCES-SG001, para obter mais informações.

O estimador de sistema PlantPAx (PSE), que é uma parte da ferramenta de


software Integrated Architecture® Builder (IAB), ajuda-o a definir um sistema
PlantPAx. O assistente do PSE permite a especificação da arquitetura do sistema
com base em seus requisitos e verifica se o hardware de controle de processo está
corretamente dimensionado.

Quando a verificação for concluída, é possível transferir o resultado do assistente


PSE para a ferramenta IAB para desenvolver uma lista de materiais para o sistema
com base em suas entradas.

Consulte http://www.rockwellautomation.com/en/e-tools/configuration.html
para ter acesso à ferramenta IAB.

16 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 2
Recomendações dos elementos do sistema

Os elementos do sistema PlantPAx® referem-se aos servidores individuais, clientes


e controladores que compõem um sistema PlantPAx®. Este capítulo descreve cada
elemento de sistema e seus componentes. Uma instalação da base de todos os
elementos de servidor e de estação de trabalho estão disponíveis como aparelhos
virtuais.
A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Componentes do software PlantPAx 18
Servidor do sistema de automação de processo (PASS) 18
Estação de trabalho de engenharia (EWS) e servidor de aplicação (AppServ-EWS) 20
Estação de trabalho do operador (OWS) e servidor da aplicação (AppServ-OWS) 21
Estação de trabalho independente (IndWS) 22
AppServ-Info (Historian) 23
AppServ-Info (VantagePoint) 24
AppServ-Info (SQL) 25
Servidor de gestão de ativos (AppServ-Asset) 26
Servidor de gestão de lotes (Batch-AppServ) 27
Controlador de domínio 27
Controlador de processo 29

Gerenciamento Informações sobre


Plant Asset os processos

Ethernet da
fábrica Gestão Estação de Estações de trabalho do operador Servidores do sistema de
de lote trabalho de automação de processo (PASS)
engenharia

EtherNet/IP de
controle de
processos
Controladores Inversores de velocidade Centros de controle de motores
de processo variável
Logix5575 EtherNet/IP™ EtherNet/IP™

Logix5575 EtherNet/IP™ EtherNet/IP™


RUN FORCE SD OK

RUN FORCE SD OK

EtherNet/IP da
rede de E/S Module
Status

DeviceNet
Status
Module
Status

Network
Status
Module
Status

Network
Status
Module
Status

Network
Status
Module
Status

Network
Status
Module
Status

Network
Status
Module
Status

Network
Status
Module
Status

Network
Status
E/S local, distribuída e inteligente
NODE: NODE: NODE: NODE: NODE: NODE: NODE:
DeviceBus
Status

24VDC 24VDC 120V


Relay 120 VAC 220 VAC Sink Source 220VAC
Output Input Input 220 VAC Input
Input Output Output
1734-ADNX
0 4 0 0 0 4 0 4 0 0

1 5 1 1 1 5 1 5 1 1

2 6 2 2 2 6 2 6 2 2

3 7 3 3 3 7 3 7 3 3
1734 1734 1734 1734 1734 1734 1734
OW4 IA4 IM4 IB8 OB8E OA4 IM4

Válvulas e
instrumentação

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 17


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Componentes do software Os componentes e versões do software Integrated Architecture® que compõem o


sistema PlantPAx, versão 4.0, incluem o seguinte:
PlantPAx • Aplicação Studio 5000 Logix Designer®, versão 24x
• Aplicação Studio 5000 Architect ™, versão 1.0
• Software FactoryTalk® View, versão 8.1
• Software FactoryTalk Batch, versão 12.01
• Software FactoryTalk AssetCentre, versão 6.1 ou posterior
• Software FactoryTalk VantagePoint, versão 6.13 ou posterior
• Software FactoryTalk Historian, versão 4.0 ou posterior

Orientações de desempenho são baseadas no uso das versões de software listadas.

Para as mais recentes informações sobre softwares compatíveis e downloads de


ferramentas de bibliotecas associadas, consulte o Centro de Download e
Compatibilidade do Produto em http://www.rockwellautomation.com/
rockwellautomation/support/pcdc.page.

Servidor do sistema de O servidor do sistema de automatização do processo (PASS) é um elemento do


sistema necessário que hospeda componentes de software essenciais para a
automação de processo execução do sistema. Os componentes essenciais de software incluem o servidor
(PASS) de dados, o servidor de IHM e o servidor de alarmes. O PASS pode ser utilizado
como um servidor de dados, de IHM e/ou de alarme.
Componentes de software Descrição
Servidor FactoryTalk Network Directory (FTD)(1) Protege as informações de vários componentes de software da Rockwell Automation em vários computadores e permite
a administração central de todo o sistema PlantPAx. Dessa forma, componentes de aplicações, tais como as configurações
de exibição e segurança, podem ser armazenados em seus ambientes originais e disponibilizados para todo o sistema
PlantPAx, sem a necessidade de duplicação.
Servidor FactoryTalk Activation(1) O servidor FactoryTalk Activation é parte da FactoryTalk Services FactoryTalk Services Platform. O servidor permite que os
produtos de software habilitados para FactoryTalk sejam ativados através de arquivos gerados pela Rockwell Automation
através da Internet. Este servidor essencialmente gerencia os arquivos que são necessários para validar a licença dos
produtos Rockwell Automation no sistema PlantPAx.
Servidor de IHM do FactoryTalk View O servidor de interface homem-máquina (IHM) é configurado dentro do aplicativo FactoryTalk View Site Edition (SE).
O servidor de IHM armazena os componentes do projeto de IHM, tais como as telas gráficas, e distribui esses
componentes para as estações de trabalho do operador, mediante solicitação. O servidor de IHM também pode gerenciar
bancos de dados de tag e registrar dados históricos. Podem existir vários servidores de IHM no sistema PlantPAx. Cada
servidor de IHM deve estar em um PASS separado.
Servidor de dados do FactoryTalk View O componente do servidor de dados fornece acesso à informação dos controladores de processo para os servidores e
estações de trabalho no sistema PlantPAx. O software FactoryTalk View suporta dois tipos de servidores de dados:
servidores Rockwell Automation Device (software RSLinx® Enterprise) e servidores OPC Dada. O servidor de dados
mencionado na documentação do PlantPAx geralmente se refere aos servidores de dispositivo da Rockwell Automation.
Os servidores de dados são configurados dentro da aplicação FactoryTalk View SE. Podem existir vários servidores de
dados no sistema PlantPAx.
Servidor de alarme e de evento FactoryTalk View O servidor de alarmes e eventos publica informações de controladores e servidores disponíveis para todas as estações de
trabalho de operador assinantes. Os servidores de alarma e evento são configurados no interior da sua aplicação
FactoryTalk View SE. Há dois tipos de servidores de alarmes e eventos: baseados em dispositivos e baseados no servidor.
Os servidores de alarmes e eventos baseados em dispositivos são configurados como uma opção para o servidor de
dados. Os servidores de alarmes e eventos baseados em servidores são configurados como um componente separado.
Cada alarme e evento baseado no servidor deve estar em um PASS separado.
O servidor de alarme e evento mencionado na documentação do PlantPAx se refere ao servidor de alarme e evento
baseado o servidor. Consulte Recomendações do sistema de alarme na página 59 para obter mais informações.
Opcional
Software FactoryTalk Batch Client Se um servidor de aplicações em lote estiver sendo usado no sistema, os componentes do FactoryTalk Batch Client serão
necessários para dar suporte à replicação de objetos relacionados aos lotes nas telas da estação de trabalho do operador.
(1) Em configurações redundantes de PASS, este componente está incluído apenas no PASS principal. Consulte Alta disponibilidade do servidor PASS na página 19 para obter mais informações.

18 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Alta disponibilidade do servidor PASS


Servidores PASS podem ser configurados como redundante para os seguintes
componentes de software:
• Servidor de IHM
• Servidor de dados
• Servidor de alarmes

IMPORTANTE Ao habilitar redundância no software FactoryTalk View Studio, selecione a


opção de ‘ Continue usando o servidor secundário mesmo quando o servidor
primário ficar disponível novamente, para evitar cargas de transição excessivas.
Esta opção permite que você gerencie a replicação das alterações na aplicação
feitas antes ou depois da ocorrência da mudança. Recomendamos que você
configure o seu de visor IHM para indicar quando o sistema está em operação
sem backup.

As informações do servidor FactoryTalk Directory são armazenadas em cache em


cada computador que estiver participando de uma aplicação distribuída. Se o
servidor FTD do computador for desconectado da rede ou falhar, a estação de
trabalho do operador, estação de trabalho de engenharia e outros servidores da
aplicação podem continuar para acessar tudo dentro da aplicação. Esta
funcionalidade aplica-se desde que o computador já tenha acessado o FTD
servidor.

Tabela 4.1 – Especificações virtuais do PASS


Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de alta prioridade(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72.

Tabela 4.2 – Especificações tradicionais do PASS


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional O PASS deve ser instalado em hardware de categoria servidor. A seguir estão especificações de amostra com base no
PlantPAx
caracterização do sistema:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín.
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 19


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Configurar o FactoryTalk Directory

Antes de iniciar um projeto, você deve instalar os serviços FactoryTalk Directory


(FTD) na estação de trabalho que hospeda o FTD ou o PASS. O servidor FTD
gerencia aplicações que pode existir em múltiplos clientes e servidores em
computadores separados no sistema PlantPAx.

IMPORTANTE Para configurar o FTD, consulte o Manual do usuário da Configuração


de Infraestrutura do Sistema de Controle Distribuído PlantPAx,
publicação PROCES-UM001.

Estação de trabalho de A EWS suporta a configuração do sistema, o desenvolvimento da aplicação e


funções de manutenção. Esta estação de trabalho é a localização central para o
engenharia (EWS) monitoramento e a manutenção da operação do sistema.

Se um servidor de aplicações em lote estiver sendo usado, os componentes do


FactoryTalk Batch Client e do Editor serão necessários para configurar o sistema
FactoryTalk Batch e configurar os objetos FactoryTalk nas telas.

Tabela 5.1 – Especificações Virtuais da EWS


Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows 8.1 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72

Tabela 5.2 – Especificações tradicionais da EWS


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional A estação de trabalho de engenharia deve ser instalada em hardware de categoria estação de trabalho.
A seguir encontram-se especificações de amostra baseadas na caracterização do sistema PlantPAx.
• Intel Core 2 Duo
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín.
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows 8.1 de 64 bits

20 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Servidor da aplicação da O AppServ-EWS usa a tecnologia Microsoft Remote Desktop Services (RDS)
para servir múltiplas instâncias para a EWS, assim como clientes finos de um
estação de trabalho de único servidor. Clientes finos podem executar aplicações e dados de processo em
engenharia (AppServ-EWS) um computador remoto. O limite recomendado é de cinco conexões RDS do
cliente por AppServ-EWS.
Tabela 6 – Especificações virtuais do AppServ-EWS
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 4 vCPU
• 8 GB vRAM mín.
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72

Estação de trabalho do A estação de trabalho do operador (OWS) fornece a visualização gráfica e a


interface ao processo. A OWS suporta as interações do operador e não foi
operador (OWS) projetada para suportar as atividades de desenvolvimento e manutenção, apesar de
serem possíveis, caso desejado.

O software FactoryTalk View Site Edition (SE) Client deve ser instalados no
OWS. O OWS também pode conter clientes para servidores de aplicação não
central, como o FactoryTalk Batch, FactoryTalk Historian, ou FactoryTalk
AssetCentre.

Tabela 7.1 – Especificações Virtuais da OWS


Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 1 vCPU
• 2 GB vRAM min
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de alta prioridade(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows 8.1 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72

Tabela 7.2 – Especificações tradicionais da OWS


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional A estação de trabalho do operador deve ser instalada em hardware de categoria estação de trabalho. A seguir
encontram-se especificações de amostra baseadas na caracterização do sistema PlantPAx:
• Intel Core 2 Duo
• CPU de 2,40 GHz
• 2 GB RAM mín
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows 8.1 de 64 bits

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 21


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Servidor da aplicação da O AppServ-OWS usa a tecnologia Microsoft Remote Desktop Services (RDS)
para servir múltiplas instâncias para a OWS, assim como clientes finos de um
estação de trabalho do único servidor. Clientes finos podem executar aplicações e dados de processo em
operador (AppServ-OWS) um computador remoto. O limite de recomendado é de 10 conexões RDS por
AppServ-OWS.
Tabela 8 – Especificações virtuais do AppServ-OWS
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 4 vCPU
• 8 GB vRAM mín.
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de alta prioridade(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72

Estação de trabalho A estação de trabalho independente (IndWS) combina as funções de PASS,


estação de trabalho de engenharia e estação de trabalho do operador em um
independente (IndWS) computador. Esta estação de trabalho, que também é mencionada como uma
estação de rede, é um cliente máquina que está conectado a um servidor, e pode
ser usado como um “sistema de sombra” para fins de emergência.

Tabela 9 – Especificações tradicionais do IndWS


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional A estação de trabalho independente deve ser instalada em hardware de categoria estação de trabalho.
A seguir encontram-se especificações de amostra baseadas na caracterização do sistema PlantPAx:
• Intel Core 2 Duo
• CPU de 2,40 GHz
• 8 GB de RAM
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows 8.1 de 64 bits

22 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

AppServ-Info (Historian) O servidor Management Information historian pode incluir uma aplicação para
coletar, gerenciem e análise de dados.
Tabela 10.1 – Especificações virtuais do AppServ-Info (Historian)
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits(3)
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72
(3) Para instalar o software FactoryTalk View SE Historian versão 4.0 com Windows Server 2012, você deve instalar um patch a partir do Centro de Download e Compatibilidade de Product Compatibility and
Download Center (Centro de download e compatibilidade de produto) em http://www.rockwellautomation.com/rockwellautomation/support/pcdc.page.

Tabela 10.2 – Especificações tradicionais do AppServ-Info (Historian)


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional O servidor de gestão de informações deve ser instalado em hardware de categoria servidor:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín.
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 23


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

AppServ-Info (VantagePoint) O servidor Management Information pode ser usado como uma ferramenta de
suporte de decisão instalando VantagePoint software.
Tabela 11.1 – Especificações virtuais do AppServ-Info (VantagePoint)
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72.

Tabela 11.2 – Especificações tradicionais do AppServ-Info (VantagePoint)


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional O servidor de gestão de informações deve ser instalado em hardware de categoria servidor:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín.
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits

24 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

AppServ-Info (SQL) Um servidor pode ser configurado com o servidor Information Management.
Um software como o FactoryTalk AssetCentre, FactoryTalk VantagePoint, e
FactoryTalk Batch usa um banco de dados SQL para armazenar e acessar dados
de processo. Além disso, o servidor FactoryTalk Alarm and Event usa um banco
de dados SQL para armazenar informações.
Tabela 12.1 – Especificações virtuais do AppServ-Info (SQL)
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72.

Tabela 12.2 – Especificações tradicionais do AppServ-Info (SQL)


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional O servidor de gestão de informações deve ser instalado em hardware de categoria servidor:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín.
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 25


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Servidor de gestão de ativos Um servidor de gestão de ativos (AppServ-Asset) é uma extensão do sistema
PlantPAx que adiciona ao sistema a manutenção e as operações da planta. Este
(AppServ-Asset) servidor fornece dados de controlador de recuperação de desastres, diagnósticos,
calibração, monitoração em tempo real, bem como auditoria de equipamentos e
integridade de rede para melhorar a disponibilidade global de recursos.
Tabela 13.1 – Especificações virtuais do AppServ-Asset
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72

Tabela 13.2 – Especificações tradicionais do AppServ-Asset


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional O servidor de gestão de informações deve ser instalado em hardware de categoria servidor:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits

26 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Servidor de gestão de lotes A gestão de batelada servidor (AppServ-Batch) oferece abrangentes gestão de
batelada, incluindo gestão de receitas, procedurais controle de processos
(Batch-AppServ) automatizados e manual, e gestão de material.
Tabela 14.1 – Especificações Virtuais do AppServ-Batch
Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 2 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de prioridade normal(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72

Tabela 14.2 – Especificações tradicionais do AppServ-Batch


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional O servidor de gestão de informações deve ser instalado em hardware de categoria servidor:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits

Controlador de domínio Um controlador de domínio é um servidor que responde às solicitações de


autenticação de segurança (registro, verificação de permissões, e assim por diante)
dentro do domínio de servidor Windows. Um domínio lhe concede acesso a um
número de recursos de rede (como aplicações e impressoras) com o uso de uma
única combinação de nome de usuário e senha. PlantPAx usa um controlador de
domínio para armazenar as informações da conta de usuário, autenticar os
usuários e reforçar as políticas de segurança.

Recomenda-se a autenticação do domínio, quer seja um domínio existente ou um


novo. Siga as diretrizes abaixo para o controlador de domínio:
• Os controladores de domínio são necessários se houver 10 ou mais estações
de serviço ou servidores.
• Os controladores de domínio são computadores separados. Não carregue
programas de aplicação no controlador de domínio. Carregue todo o
software de aplicação do sistema nos outros computadores, como o PASS,
servidor de aplicação, OWS e EWS.
• O suporte da Microsoft não recomenda a execução de aplicativos em um
controlador de domínio e certamente nenhum aplicativo que exija mais do
que os privilégios de usuário autenticado para ser executado.
• Os controladores de domínio devem ser localizados nas estações de
trabalho e nos servidores do sistema (dentro do firewall local) e não
remotamente no sistema.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 27


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Tabela 15.1 – Especificações virtuais de domínio


Categoria Requisito(1)
Infraestrutura virtual Necessário:
• 1 vCPU
• 4 GB vRAM mín
CPU e alocação de memória recomendadas:
• Pool de recurso de baixa prioridade(2)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) Todos os números e figuras são mencionados apenas para dimensionamento inicial. Os valores podem ser ajustados para o desempenho do sistema, se necessário.
(2) Consulte Pool de alocação de recurso na página 72.

Tabela 15.2 – Especificações tradicionais de domínio


Categoria Requisito
Infraestrutura tradicional(1) O servidor de gestão de informações deve ser instalado em hardware de categoria servidor:
• Processador Intel Xeon Multicore (4 núcleos ou mais)
• CPU de 2,40 GHz
• 4 GB RAM mín.
• Cartão Ethernet que suporta a mídia redundante se o NIC-teaming é usado (se você pretende usar uma
motherboard-NIC, certifique-se de que é compatível com a mídia redundante)
Sistema operacional Sistema operacional Windows Server 2012 R2 de 64 bits
(1) É necessária uma licença de Microsoft Excel.

Para fins de redundância, recomendamos a utilização de, pelo menos, dois


controladores de domínio em cada domínio. Esses controladores de domínio
replicam automaticamente para fornecer alta disponibilidade e um backup de
configuração on-line.

28 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Controlador de processo Esta seção descreve os componentes e os atributos de dimensionamento para


controladores simplex, skid-based e redundantes.

Controlador simplex

Controladores não redundantes são chamados de controladores simplex.

Tabela 16 – Requisitos de hardware do controlador simplex(1)


Categoria Cód. de Cat.
(2)
Controlador de processo Controlador ControlLogix® 1756-L71, 1756-L72, 1756-L73, ou 1756-L74, ou 1756-L75
Interface EtherNet/IP • 1756-EN2TR, 1783-ETAP, 1783-ETAP1F, 1783-ETAP2F (suporta a topologia de anel de nível de dispositivo)
• 1756-EN2T, 1756-ENBT, 1756-EWEB, 1756-EN2F
• 1756-EN2TSC para conexões seguras compatíveis
Interface de ControlNet (se aplicável) • 1756-CN2, 1756-CN2R
• 1756-CNB, 1756-CNBR
(1) Se as condições ambientais exigirem, você pode usar um controlador de temperatura extrema, por exemplo, o 1756-L74XT. Opções de revestimento isolante também estão disponíveis para proteção
contra ambientes agressivos que pode conter umidade e contaminantes químicos.
(2) Como o sistema PlantPAx versão 4.0 usa o firmware do controlador versão 24, a implementação requer o uso da família do controlador 1756-L7x. Estes controladores são compatíveis com os controladores
existentes, como o 1756-L6x.

Tabela 17 – Dimensionamento do controlador simplex do ControlLogix


Categoria(1) 1756-L71 1756-L72 1756-L73 1756-L74 1756-L75(2)
Memória do usuário 2 MB 4 MB 8 MB 16 MB 32 MB
E/S total recomendada, máx. 375 750 1500 2250 2250
Estratégias de controle recomendadas, max(3) 60 125 250 450 450
Estratégias de controle total a 250 ms, máx. 60 125 250 250 250
Estratégias de controle total a 500 ms, máx. 60 125 250 450 450
Tags/s entregues ao servidor de dados, máx. 10,000 20,000 20,000 20,000 20,000
(1) Estes valores são os limites máximos recomendados. É possível que a aquisição todos esses valores em um único controlador não seja possível. Para um dimensionamento mais detalhado, é possível
utilizar o PSE (consulte a página 16).
(2) A vantagem de utilizar o controlador 1756-L75 é o fato de manter peças de reposição comuns com sistemas redundantes. Ele também é adequado se você estiver fazendo algum armazenamento
intensivo de memória não considerado no modelo de dimensionamento.
(3) As estratégias de controle máximo recomendadas baseiam-se em todas as estratégias de controlador, sendo controles regulamentares simples.
Consulte Considerações sobre o controlador de E/S na página 52.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 29


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Controladores redundantes
Controladores ControlLogix suportam redundância em redes ControlNet e
EtherNet/IP. Em um sistema de controlador redundante no PlantPAx, serão necessários
os seguintes componentes:
• Dois racks 1756, cada um deles configurado da mesma forma com os seguintes
itens:
– Número de slots
– Módulos nos mesmos slots
– Revisões do firmware de redundância em cada módulo
– Dois nós adicionais de ControlNet ou Ethernet fora do par de racks
redundantes
• Um módulo 1756-RM2 por rack com mídia de fibra

Tabela 18 – Requisitos de hardware do controlador redundante(1)


Categoria Cód. Cat.
Controlador de processo Controlador 1756-L73, 1756-L74 ou 1756-L75 ControlLogix
Módulo de redundância 1756-RM2(2)
Interface de Ethernet • 1756-EN2TR, 1783-ETAP, 1783-ETAP1F, 1783-ETAP2F (suporte a DLR)
• 1756-EN2T, 1756-ENBT, 1756-EWEB, 1756-EN2F (sem suporte a DLR)
Interface de ControlNet (se aplicável) • 1756-CN2, 1756-CN2R
• 1756-CNB, 1756-CNBR
(1) Se as condições ambientais exigirem, você pode usar um controlador de temperatura extrema, por exemplo, o 1756-L74XT. Opções de revestimento isolante também estão disponíveis para proteção
contra ambientes agressivos que pode conter umidade e contaminantes químicos.
(2) A recomendação do sistema PlantPAx é utilizar apenas um controlador redundante em um rack com módulo de redundância de 1756-RM2. Embora um módulo 1756-RM2 possa suportar dois
controladores, o desempenho resultante de cada controlador não é facilmente previsível.

Certifique-se de que cada controlador redundante tem memória suficiente para


armazenar o dobro da quantidade de dados do controlador e memória de E/S
suficiente para dar suporte às alterações do programa. O aumento do uso da
memória em um controlador redundante traduz-se em uma transferência sem
problemas durante uma troca e garante que o controlador secundário Logix tem
os mesmos valores em suas imagens de saída que o controlador Logix principal.
A memória extra previne uma troca por um controlador secundário com uma
mistura de novas e antigas memórias de dados.

Ao utilizar o PlantPAx System Estimator (PSE), ele registra os requisitos de


memória adicional necessária para a redundância como memória utilizada.
Tabela 19 – Dimensionamento do controlador redundante de ControlLogix
Categoria(1) 1756-L73 1756-L74 1756-L75(3)
Memória do usuário 8 MB 16 MB 32 MB
E/S total recomendada, máx. 750 1500 2250
Estratégias de controle recomendadas, max(2) 125 250 450
Estratégias de controle total a 250 ms, máx. 120 120 120
Estratégias de controle total a 500 ms, máx. 125 220 220
Tags/s entregues ao servidor de dados, máx. 20.000 20.000 20.000
(1) Estes valores são os limites máximos recomendados. É possível que a aquisição todos esses valores em um único controlador não seja possível. Para um dimensionamento mais detalhado, é possível
utilizar o PSE (consulte a página 16).
(2) As estratégias de controle máximo recomendadas baseiam-se em todas as estratégias de controlador, sendo controles regulamentares simples.
Consulte Considerações sobre o controlador de E/S na página 52.
(3) A vantagem de utilizar o controlador 1756-L75 é o fato de manter peças de reposição comuns com sistemas redundantes. Ele também é adequado se você estiver fazendo algum armazenamento
intensivo de memória não considerado no modelo de dimensionamento.

30 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Controlador skid-based
O sistema de automação de processo PlantPAx é um sistema completo,
dimensionável, pra um controlador único para um conjunto de equipamentos
completamente distribuído. É possível integrar facilmente equipamentos
baseados em placa no sistema como um todo.

A plataforma de controlador do CompactLogix™ oferece uma solução para


equipamentos baseados em placa como parte do sistema PlantPAx como um
todo, caso a aplicação exija:
• Controle de várias malhas para temperatura, pressão, fluxo ou nível
• Operando como um subsistema com sequenciamento e automação
• Controlado como parte do processo global, aceitando entradas de
referência e fornecendo variáveis de processo para um controlador de
supervisão

IMPORTANTE Esteja ciente do uso de memória dentro da família CompactLogix


quando estiver usando objetos da biblioteca. Consulte o Manual do
usuário da configuração da Aplicação do Sistema de controle
distribuído PlantPAx, publicação PROCES-UM003, para obter
orientações de como configurar os controladores com a Biblioteca de
objetos de processo.

Tabela 20 – Dimensionamento do controlador baseado em placa


Categoria(1) CompactLogix 1769-L24ER-QBFC1B CompactLogix 1769-L33ER CompactLogix 1769-L36ERM
Memória do usuário 0,75 MB 2,0 MB 3,0 MB
E/S total recomendada, máx. 80 250 350
Estratégias de controle recomendadas, max(2) 10 30 45
Estratégias de controle total a 250 ms, máx. 10 30 45
Estratégias de controle total a 500 ms, máx. 10 30 45
Tags/s entregues ao servidor de dados, máx. 3000 3000 3000
(1) Estes valores são os limites máximos recomendados. Provavelmente não é possível alcançar todos esses valores em um único controlador. Para um dimensionamento mais detalhado, é possível utilizar o
PSE (consulte a página 16).
(2) A estratégia máxima do controlador baseia-se em todas as estratégias do controlador que representam um simples controle regulamentar.
Consulte Considerações sobre o controlador de E/S na página 52.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 31


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Determinação da contagem de E/S

O contador de E/S para dimensionamento do controlador geralmente é


determinado diretamente a partir da aplicação de P&ID ou do projeto da planta.
Em sistemas existentes, onde apenas a E/S clássica é utilizada (por exemplo,
de 4 a 20 mA, contatos a seco de 24 Vcc, etc.), a contagem de E/S pode ser
determinada pelo número de canais de E/S disponíveis nas placas de E/S.

Quando se tem dispositivos inteligentes integrados, tais como inversores ou


transmissores em uma rede EtherNet/IP, qualquer sinal do dispositivo usado
pela sua estratégia de controle é considerado um ponto de E/S quando se usa o
PSE para dimensionamento baseado em estratégia de controle.
Um canal de entrada e saída para
cada dispositivo em um centro de
Um canal de entrada e saída para cada ponto controle de motores em rede.
de E/S em um módulo de E/S.

Um canal de entrada e saída


para cada dispositivo.

Por exemplo, uma contagem de E/S de um sistema composto dos itens a seguir:
• Doiscartões de entrada de 8 canais e de 4 a 20 mA
• Umcartão de entrada de 8 canais e de 4 a 20 mA
• Duas placas de entrada de 16 canais 24 Vcc de contato a seco
• Um CCM com seis inversores
– Cada inversor fornece seis sinais para a estratégia de controle: referência
de velocidade , velocidade real, iniciar, parar, execução e falha.
• Dois medidores de fluxo de Coriolis no PROFIBUS PA, com cada um dos
medidores fornecendo três sinais para o fluxo, a temperatura e a densidade.

Podemos calcular aproximadamente a seguinte contagem de E/S para o exemplo


de sistema:
4 a 20 mA AI 2 x 8 = 16
4 a 20 mA AI 1x 8= 8
ED 24 Vcc 2 x 16 = 32
CCM 6 x 6 = 36 (6 EA, 6 SA, 12 ED, 12 SD)
Instrumentos inteligentes2 x 3 = 6 (6 EA)
___
Contagem do controlador de E/S 98

Quando considerar a contagem de E/S usando o método conforme descrito,


nem todos os pontos de E/S se mapeiam para objetos individuais de processo
(P _ DIN, P _ AIn, e assim por diante). Por exemplo, um objeto VSD P _
processa todos os pontos de E/S associados com um inversor de velocidade
variável. No entanto, esse método de contagem de E/S permite que você insira
contagens de E/S no PSE para determinar uma quantidade adequada de
dimensões de estratégias de controle para a determinação do dimensionamento.

32 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Estratégias de controle de dimensionamento

A estratégia de controle abrange todos os códigos da aplicação necessários para


implementar uma função de controle específica. Isso inclui a E/S, o código do
controlador, os elementos de exibição e as faceplates.

A biblioteca de objetos de processo da Rockwell contém uma biblioteca de


estrategias de processo. As estratégias de processo incluem estratégias de controle
para processamento de E/S, controle de dispositivo e controle regulatório.

Usando o modelo de estratégia de controle, podemos estimar os seguintes


parâmetros do sistema:
• Alarmes de potencial
• Tags de visualização (afetando o controlador e a memória do servidor)
• Uso de memória do controlador
• Tempo de execução do controlador
• Largura de banda de comunicação

A interface de operação, tais como os gráficos e


faceplates, apresenta informações do sistema ao
usuário. AppServ-Info/Historian

Servidor de dados/PASS

Servidores de informações do processo coletam dados do


processo e do sistema para usá-los na gestão do processo.

Os controladores executam o código da aplicação para


controlar o processo e comunicar-se com o nível de
supervisão.

Um sistema é considerado em funcionamento quando está em funcionamento em


um nível específico dentro dos limites do sistema estabelecidos. Ao estimar a
dimensão das estratégias de controle, você terá uma previsão melhor do
desempenho do sistema.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 33


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

A quantidade de recursos consumidos pelos elementos do sistema para suportar


uma estratégia de controle fornece um ‘dimensionamento’. Para dimensionar
sistemas, estas estratégias de controle de base são estabelecidas como
dimensionamentos do sistema no PSE:
• Regulatório simples: Esta é uma malha simples de PID com uma entrada
simples analógica e uma saída analógica.

• Regulatório complexo: Esta é uma malha regulatória um pouco mais


complexa, como os controladores de PID com duas entradas analógicas e
uma saída analógica.
Há duas rotinas associadas com as típicas malhas de regulamentação
complexa. As duas rotinas são mostrados nos exemplos a seguir.

Complexo Regulatório – Primário (malha externa)

34 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Complexo Regulatório – Malha secundária (malha interna)

• 2 estados discretos simples: Uma válvula simples ou motor com lógica de


intertravamento e entrada e saída digital únicas.

• Complexo discreto de 2 estados: Uma válvula ou motor com


intertravamento complexo, permissivo e com lógica de tempo de execução,
que pode ter até duas entradas e duas saídas digitais.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 35


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

• Complexo Regulatório não PID: Essa pode ser uma estratégia de


controle complexa, como uma perda no alimentador de peso, que pode
incluir uma entrada analógica, válvulas e um motor.

• Indicador digital: Uma entrada digital que é usada apenas para indicação
e/ou alarme.

• Indicador analógico: Uma entrada analógica que é usada apenas para


indicação e/ou alarme.

Os exemplos não são uma lista abrangente dos tipos de estratégias usados em uma
aplicação. Mas, as estratégias para fornecer um conjunto razoável de exemplos
podem ser usadas para se aproximar a carga da maioria dos códigos típicos da
aplicação.

36 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações dos elementos do sistema Capítulo 2

Para cada estratégia de controle, podemos estimar a dimensão com base no


seguinte:
• Tags de visualização: O número de tags dentro da estratégia de controle
que pode ser visualizado através de uma tela ou faceplate na OWS
(incluindo as atividades de operação, manutenção e depuração). Este
número afeta o uso de memória do servidor e do controlador.
• Tags do histórico: O número de tags geralmente dentro da estratégia de
controle que normalmente se introduz no histórico. Este número afeta a
largura de banda de comunicação (por exemplo, tags ativos em varreduras/
s).
• nº de possíveis alarmes: O número máximo de alarmes que podem ser
definidos. Presume-se que nem todos os alarmes estão configurados para
uso. Os alarmes usados são configurados no servidor que contém o
controlador.
• Memória, KB: A quantidade de memória que uma instância de estratégia
de controle e seus tags associados usam dentro de um controlador simplex.
• Tempo de execução (em microssegundos): A quantidade de tempo da
CPU do controlador que demora para executar uma instância da estratégia
de controle sob carregamento simulado (isso abrange o tempo de
carregamento cruzado para controladores redundantes).

Quando uma estratégia de controle é iniciada, seu impacto no controlador


depende da taxa de tarefas para a tarefa que contém um estratégia de controle.
Uma malha de PID em execução a cada 250 milissegundos consome o dobro da
capacidade da CPU que o mesma malha de PID em execução a cada 500
milissegundos.

Considerações de redundância

Se você estiver usando controladores redundantes, a taxa de varredura e uso de


memória aumenta entre 1,5 e 2 vezes.

Quando se examina a memória do controlador, não se vê o uso de memória total


para redundância. Você precisa calcular a memória real que é usada.

Consulte o Manual do usuário do sistema de redundância melhorada


ControlLogix, publicação 1756-UM535, para obter mais informações.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 37


Capítulo 2 Recomendações dos elementos do sistema

Observações:

38 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 3

Recomendações de aplicação do sistema

Esta seção contém informações completas sobre a configuração de controladores


e outras aplicações no seu sistema PlantPAx. Recomendamos vivamente que você
reveja estes tópicos para se certificar de que o sistema está configurado e operando
de maneira adequada.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Recomendações sobre o controlador 40
Recomendações para o FactoryTalk View 56
Biblioteca de objetos de processo da Rockwell Automation 57
Recursos de aplicações adicionais 58

Recomendações sobre Os controladores lógicos devem ser configurados para um desempenho


otimizado em aplicações de processo. A partir a sua estação de trabalho de
o controlador engenharia, siga estas recomendações quando configurar seus controladores:

• Use somente tarefas periódicas, com número mínimo de tarefas utilizadas


para definir a velocidade de execução, onde as tarefas mais rápidas recebem
prioridade mais elevada (menor número).

• Ajuste a monitoração do uso de seu controlador através da instrução


adicional L_CPU.

• Especifique um intervalo do pacote requisitado (RPI) duas vezes mais


rápido do que a execução de tarefas ou com base nas propriedades inerentes
do sinal que está sendo medido. Por exemplo, uma tarefa de 500 ms exige
um RPI de 250 ms em cada cartão de E/S, mas as medições de temperatura
podem ser definidas mais lentas, uma vez que não é esperado que mudem
com a mesma rapidez.

• Limite o número de comandos de cópia síncrona (CPS), uma vez que esses
comandos agem como uma interrupção para o controlador. As tarefas que
tentarem interromper uma instrução CPS são atrasadas até que a instrução
seja concluída.

• Use codificação compatível para a configuração de placas de módulo


de E/S. No entanto, em um ambiente validado que você pode usar uma
correspondência exata para codificação.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 39


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Para mais informações, consulte a Codificação Eletrônica nas


Técnicas de Aplicação de Sistemas de Controle Logix5000,
publicação LOGIX-AT001.

Tabela 21 mostra memória da CPU e recomendações para controladores simplex


e redundantes.
Tabela 21 – Recomendações de memória dos controladores Simplex e Redundante
Ambiente Controladores simplex Controladores redundantes
Fora do ambiente de produção (antes de conectar os 50% memória livre para suportar a comunicação e >50% memória livre durante todo o tempo
clientes FactoryTalk ® View e Historian) manuseio de condições anormais
É necessário 50% de tempo livre na CPU para que se possa manipular a comunicação, condições anormais e outras
cargas transientes
No ambiente de produção (enquanto FactoryTalk View e 30% de memória livre para suportar o manuseio de >50% memória livre durante todo o tempo
Historian são conectados) condições anormais
25% tempo de CPU livre 50% tempo livre de CPU

Configuração de tag e utilização da CPU

O sistema operacional do controlador é um sistema preventivo e multitarefa,


compatível com a IEC 61131-3. Os controladores ControlLogix® e
CompactLogix™ definem o agendamento e a prioridade de como os programas
são executados usando as tarefas.

Configuração de tarefas periódicas

Como dito anteriormente, os controladores que são configurados para o sistema


PlantPAx devem usar apenas as tarefas periódicas. As regras e ferramentas de
dimensionamento do sistema PlantPAx dependem desta configuração de
execução específica. Por exemplo, um controlador é tipicamente configurado com
três tarefas periódicas:
• Tarefa rápida (de 100 a 250 ms) para controle discreto, como motores e
bombas
• Tarefa médio (de 250 a 500 ms) para malhas de fluxo e pressão ou para
entradas analógicas
• Tarefa lenta (de 1.000 a 2.000 ms) para temperatura, fases ou
sequenciamento de lote

40 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Como mostrado na Tabela 22, uma convenção nomeada é usada de modo que as
tarefas estão listadas na aplicação Studio 5000 Logix Designer ® por ordem de
período de execução: do mais rápido para o mais lento, independente das tarefas
usadas. Uma tarefa exclusiva é criada para monitorar o status do controlador e
outras tarefas. Recomendamos que você apague as tarefas que não estão sendo
usadas ou crie tarefas que somente serão exigidas pela aplicação.
Tabela 22 – Configurações de tarefas recomendadas
Nome Tipo Período (ms) Prioridade (um menor Watchdog (ms) Desabilita o
número gera uma processamento
prioridade maior) automático de saída
Task_A_50ms Periódico 50 5 150 Não verificado
Task_B_100ms 100 6 300
Task_C_250ms 250 7 750
Task_D_500ms 500 8 1500
Task_E_1s 1000 9 3000
Task_F_2s 2000 10 6000
Task_G_5s 5000 11 15,000
Task_H_10s 10,000 12 30,000
_Controller_Status 1000 13 3000

Cada tarefa existente e não inibida tem um tempo de atraso de execução. Para o
dimensionamento do sistema PlantPAx, estimamos que esse tempo de atraso seja
de 1.000 μs por tarefa. O PSE calcula a utilização da CPU através do cálculo do
tempo de CPU necessário para a quantidade selecionada de estratégias de
controle em cada tarefa.

Embora um projeto possa conter várias tarefas, o controlador executa somente


uma tarefa por vez. Se uma tarefa periódica ou de evento é disparada enquanto
outra tarefa está em execução, a prioridade de cada tarefa diz ao controlador o que
fazer. Certifique-se de que as prioridades de tarefa periódica são únicas.

O tempo total de execução de todas as tarefas deve ser menos da metade do


tempo de execução para a tarefa de prioridade mais baixa ou mais lenta. Por
exemplo, se você tiver algumas centenas de pontos de E/S em um controlador e
uma malha rápida em uma tarefa de 15 ms que executa a cada 0,5 ms, seu outro
código não pode ser maior que 6,5 ms.

Siga estas orientações para a execução da tarefa:

• Nunca use tarefas contínuas. Use somente tarefas periódicas, com


número mínimo de tarefas utilizadas para definir a velocidade de execução,
onde as tarefas mais rápidas recebem prioridade mais elevada (menor
número).

Uma tarefa contínua é criada por padrão no aplicativo Studio 5000 Logix
Designer. Esta tarefa contínua deve ser eliminada. Se deixada como padrão,
a tarefa contínua é executada no fundo no controlador como a tarefa de
mais baixa prioridade. Qualquer tempo de CPU do controlador não
alocado para as outras operações ou tarefas é usado para executar a tarefa
contínua.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 41


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Quando a tarefa contínua é completada, ela reinicia automaticamente e


pode ser interrompida apenas por uma fatia de tempo de atraso do sistema.
A fração de tempo de atraso do sistema define a quantidade de tempo que o
controlador tem disponível para a comunicação. Assim, uma fração de
tempo de atraso interrompe a tarefa contínua para a comunicação de
dispositivos de IHM, para o processamento de instruções MSG e para
processamento de instruções de alarme.
Isto limita a flexibilidade do controlador para aplicar recursos para
manipular condições anormais na comunicação. Entretanto, a fatia de
tempo de atraso do sistema é ignorada quando uma tarefa continua não é
configurada.

• Remoção da tarefa contínua:

– Aprimora a previsibilidade da disponibilidade da CPU do controlador


para a comunicação com o sistema
– Fornece uma visão mais precisa do controlador carregando durante o
tempo de execução. Com a tarefa contínua, o carregamento do
controlador é sempre de 100%
– Reduz a quantidade de comutação de tarefa que aprimora a aplicação
geral e o desempenho do sistema

• Operações baseadas em tempo, como um algoritmo de PID, não


funcionam precisamente quando executadas em uma tarefa contínua

• Não use mais do que três tarefas periódicas para manter um excelente
desempenho da CPU. Criar lotes pode precisar de mais tarefas, mas
recomendamos que as tarefas periódicas sejam tarefas de evento, caso não
estejam em um controlador redundante.

Utilização estimada da CPU do controlador

O PSE utiliza um modelo de dimensionamento para estimar utilização da CPU


do controlador em um ambiente de produção. O cálculo é o seguinte:

• O tempo de execução da tarefa é de 1.000 μs + a soma dos tempos de


execução da estratégia de controle atribuídos à tarefa

• O tempo total de execução do controlador é um somatório de tempos de


execução de tarefas normalizados para a tarefa mais lenta. Por exemplo:

Tempo de execução da tarefa de 250 ms * 4 + 500 ms de tempo de execução


da tarefa * 2 + 1000 ms de tempo de execução da tarefa (caso esteja usando
3 tarefas: 250 ms, 500 ms, e 1000 ms)

• Tarefas sem estratégias de controle atribuídas são ignoradas. Supõe-se que


estas tarefas não foram criadas ou estão inibidas no controlador.

• A utilização da CPU é um percentual do tempo de execução do


controlador/taxa de tarefa mais lenta

42 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Tarefas de maior prioridade interrompem as tarefas de prioridade mais baixa, se


necessário, para serem executadas. Quando a tarefa interrompida está em
andamento, chamamos isso de alternância de tarefas. Uma alternância de tarefas
também adiciona tempo de atraso de execução. Se suas tarefas mais rápidas têm
prioridade mais alta, a alternância de tarefas não ocorre em controladores de
dimensionamento adequado. (Um controlador de tamanho adequado é aquele
em que o tempo total de execução de todas as tarefas é inferior à metade da taxa
de tarefa mais rápida.) Assim, o modelo de dimensionamento do PSE não leva em
conta a alternância de tarefas ao estimar a utilização.

Quando tarefas periódicas têm a mesma prioridade, o controlador de tarefas


muda a cada 1 ms até que as tarefas sejam completadas, cada mudança
adicionando 250 -> 25 μs. Essa é a razão pela qual é importante que as tarefas
periódicas recebam prioridades distintas. No Logix, você tem até 15 prioridades
definidas pelo usuário.

Leve em consideração que queremos que a carga da CPU em um ambiente de


produção seja de 75% ou menos. É importante manter 25% da capacidade da
CPU como reserva para lidar com as edições on-line, transferências de controle
do servidor de dados e assim por diante. O PSE emite um aviso quando a carga de
CPU calculada é >70%.

A sobreposição de tarefas ocorre quando uma tarefa é interrompida com muita


frequência ou quando, após muito tempo, ela ainda não completou sua execução
antes de ser acionada novamente. Evite sobreposições de tarefas que podem ser
monitoradas usando a instrução adicional L_TaskMon.

Para mais informações gerais sobre as capacidades de execução do ControlLogix,


consulte o Manual de referência sobre considerações de design dos controladores
Logix5000, publicação 1756-RM094.

Estimativas de exemplos de utilização da CPU

Os exemplos a seguir mostram como a configuração afeta o modelo de


dimensionamento e a utilização real da CPU. Em todos os cenários, estamos
assumindo que um controlador 1756-L7x está em execução com 100 malhas de
PID (575 μs de execução por malha).

Exemplo 1: 100 malhas de PID em uma tarefa periódica simples a 100 ms:
Tempo de execução da tarefa: 1000 μs + (100 malhas PID * 575 μs) =
58.500 μs
CPU = 58.500 μs/100.000 μs = 58.5% da carga

Exemplo 2: 100 malhas de PID divididos igualmente entre duas tarefas periódicas em 100 ms,
mas com a mesma prioridade:
Execução da tarefa 1: 1000 μs + (50 malhas PID * 575 μs) = 29.750 μs
Execução da tarefa 2: 1000 μs + (50 malhas PID * 575 μs) = 29.750 μs
A alternância de tarefas ocorre a cada 1 milissegundo até que ambas as
tarefas estejam concluídas. Para este exemplo, estima-se que o atraso para
uma alternância de tarefas seja de 25 μs. 47 alternâncias de tarefas * 25 μs =
1175 μs
Tempo de execução total: 29.750 μs + 29.750 μs + 1175 μs = 60.675 μs

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 43


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

CPU = 60.675 μs/10.000 μs = 61%


Neste cenário, o carregamento está bom. No entanto, como o PSE assume
uma configuração da tarefa adequada, ele não leva em conta o impacto do
atraso adicional da tarefa ou a alternância de tarefas.

Exemplo 3: 100 malhas de PID divididos igualmente entre duas tarefas periódicas, primeira a 50
ms, segunda a 250 ms:
Tempo de execução da tarefa 1: 1000 μs + (50 malhas PID * 575 μs) =
29.750 μs
Tempo de execução da tarefa 2: 1000 μs + (50 malhas PID * 575 μs) =
29.750 μs
Execução total por 250 ms = ((29.750 μs * 5) + 29.750 μs) = 178.500 μs
Utilização da CPU: 178.500 μs/250.000 μs = 71.4%
Neste cenário, o carregamento não é bom (>70%). No entanto, isso
corresponde ao cálculo do PSE que lhe fornece uma advertência.

Exemplo 4: Malhas divididos igualmente para 10 tarefas periódicas a 100 ms e prioridades


diferentes:
Execução de tarefa por tarefa: 1.000 μs + (10 malhas PID* 575 μs) =
6.750 μs
Tempo de execução total: 10 * 6750 μs = 67.500 μs
CPU = 67.500 μs/100.000 μs = 67.5%
Neste exemplo, o carregamento está perto do limite desejado, mas ainda
está bom (<70%). O PSE assume a configuração da tarefa adequada, mas
não leva em conta o impacto do atraso adicional de tarefas ou a alternância
de tarefas (aumento aproximado de 20% na carga de CPU).

O objetivo das recomendações do sistema PlantPAx e PSE é tornar simples o


dimensionamento do sistema e oferecer garantias de que tudo funcionará
conforme o esperado. Esta é uma necessidade fundamental. Embora os exemplos
sejam simples; eles ilustram como a configuração pode afetar a carga.

Monitoração do uso da CPU do controlador

É necessário tempo livre na CPU do controlador de processo para que se possa


manipular a comunicação, condições anormais e outras cargas transientes.
Portanto, é importante considerar a utilização da CPU ao implementar o código
da aplicação.

Ao definir o código da aplicação, certifique-se de que a utilização da CPU do


controlador de processo pode acomodar os seguintes valores:

• No ambiente de desenvolvimento, recomenda-se que a utilização da CPU


seja inferior a 50% para dar espaço à carga da CPU adicional que é
experimentada no ambiente de produção.

• Durante a operação do sistema, monitore a utilização da CPU,


especialmente depois de uma alteração no código da aplicação. Ela pode
exceder 75%.

44 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

• Durante a criação do código da aplicação, é importante levar em conta os


componentes de software, como o FactoryTalk View ou o Historian. O
software está coletando dados do controlador ativamente para se certificar
de que a utilização da CPU é inferior a 75%, de modo a permitir a
comunicação com os elementos do sistema de supervisão (estação de
trabalho de engenharia, estação de trabalho do operador, servidor de
informações).

Há duas opções para a análise do carregamento do controlador:


• Monitor de tarefa – Disponível a partir da aplicação Studio 5000 Logix
Designer na estação de trabalho de engenharia. Se mais de um monitor de
tarefa é visualizado em um controlador ao mesmo tempo, é possível que os
dados do controlador não estejam sendo comunicados corretamente.

• Instruções complementares sobre a utilização da CPU do


controlador Logix – consulte a biblioteca da Rockwell Automation,
Manual de Referência de objetos de diagnósticos Logix,
publicação PROCES-RM003.

IMPORTANTE A instrução L_CPU é o método preferido para monitorar o desempenho do


controlador, porque a lógica monitora o controlador Logix que está sendo
executado. O controlador é utilizado em substituição ou em conjunto com o
monitor de tarefas para proporcionar mais informações de carregamento do
controlador específicas do sistema.

O carregamento do controlador inclui o uso da CPU do controlador, de


comunicação, de memória e tempos de varredura de tarefas. Estes dados fornecem
informações para o diagnóstico da comunicação, questões sobre o controle de
receptividade ou para o ajuste do desempenho das tarefas de controle para
otimizar o desempenho do controlador.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 45


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

O diagrama na Figura 2 montra um controlador devidamente carregado


para o seguinte:
• A execução do código de aplicação é menor que 50% da CPU
• Total de execução incluindo interface de comunicação é menor
que 75% da CPU

Figura 2 – Utilização da CPU

6,67% Comunicações 220 Pacotes/segundo

18,42% Monitor Comms IO

Tarefa de 100 ms

Tarefa de 250 ms
34,90% Execução do
código de
aplicação Tarefa de 500 ms
(usuário)
Tempo de processamento
0,24% Sistema do sistema
Tempo de tarefa de
fundo no sistema

39,77% Tempo nulo

Para obter mais informações, consulte a biblioteca da


Rockwell Automation, Manual de Referência de objetos de
diagnósticos Logix, publicação PROCES-RM003.

Uso de Parâmetros do programa

IMPORTANTE O número de parâmetros do programa – Entrada, Saída, EntradaSaída (InOut),


Público – são limitados a 512 parâmetros por programa.

Os parâmetros de Entrada e Saída definem os dados que são passados por valor
para dentro ou para fora de um programa em execução. Visto que esses
parâmetros são passados por valor, seus valores não podem ser mudados durante a
execução do programa.

Recomendamos que você use os parâmetros de programa para trocar dados entre
seus programas e entre os programas de E/S. Os parâmetros de programa
simplificam o mapeamento de E/S e podem ser modificado on-line.

46 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Tag e alocação de memória

Tabela 23 mostra que a memória de um controlador é dividida em várias áreas,


dependendo do tipo de controlador.
Tabela 23 – Alocação de memória do controlador
Tipo de controlador Armazenamento Memória
1756 ControlLogix Tags de E/S Memória de E/S
1768 CompactLogix
Tags produzidos/consumidos
Instruções de comunicação via mensagem (MSG)
Comunicação com as estações de trabalho
Comunicação com tags conjuntas (OPC/DDE) que usam o software RSLinx®(1)
Tags que não sejam de E/S, produzidos ou consumidos Memória lógica e de dados
Rotinas lógicas (por exemplo, estratégias de controle)
Comunicação com tags conjuntas (OPC/DDE) que usam o software RSLinx(1)
Definição de UDT e instrução adicional
CompactLogix 1769-L2x Estes controladores não dividem suas memórias. Eles armazenam todos os elementos de uma área de memória comum
CompactLogix 1769-L3x
(1) Para comunicação com tags conjuntas , o controlador usa dados de E/S e memória lógica.

Ao configurar telas, recomendamos que use tags diretos que façam referência aos
dados de acesso do controlador diretamente sem criar um tag de IHM. Isso requer
menos etapas de configuração e é mais fácil de se manter.

Use tipos de dados DINT e REAL sempre que possível. As rotinas matemáticas
no controlador consomem menos recursos da CPU quando os tipos de dados
DINT e REAL são usados.

Um tipo de dados definido pelo usuário (UDT) ou um tipo de dados de


instrução adicional permite que você organize os dados para correspondê-los aos
de sua máquina ou processo. Outras vantagens de se usar um UDT ou uma
instrução adicional incluem o seguinte:

• Um tag contém todos os dados relacionados a uma atividade específica do


sistema. Isso mantém os dados relacionados juntos e mais fáceis de
localizar, independentemente de seu tipo de dados.

• Cada pedaço individual de dados (membro) recebe um nome descritivo.


Isso cria automaticamente um nível inicial de documentação para a sua
lógica.

• É possível usar o tipo de dados para criar vários tags com o mesmo layout
de dados.

Por exemplo, é possível usar um UDT para armazenar todos os parâmetros


para um tanque, incluindo temperaturas, pressões, posições de válvulas e
valores pré-selecionados. Crie um tag para cada um de seus tanques com
base nesse tipo de dados.

É possível criar um UDT estando on-line ou off-line. No entanto, somente é


possível modificar uma definição de UDT existente quando se está off-line.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 47


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Recomendações gerais

• Defina tags em vetores e um UDT sempre que possível. Dados de tags que
são empacotados em um vetor são enviados de forma mais eficiente para a
IHM do que se você estivesse usando dados de tags dispersos.

• Ao definir um UDT, agrupe tags do tipo BOOL juntos sempre que


possível. Dentro da memória do controlador, os tags BOOL devem estar
alinhados em limites de 8 bits. Entretanto, se forem colocados próximos
um do outro, eles podem compartilhar bites e usar menos memória e
largura de banda de comunicação.

• Tipos de dados BOOL que não são membros de um vetor ou estrutura


usam 4 bites de memória do controlador. Ao comunicar vários tags do tipo
BOOL entre os controladores ou com as telas, use um UDT ou um vetor
para consolidar vários tags do tipo BOOL em uma única palavra.

• Definir uma convenção de nomenclatura de tags que diminua o


comprimento dos nomes dos tags. Nomes de tags longos podem diminuir a
largura de banda disponível para a comunicação de dados.

Para mais informações, consulte o Manual de Programação de Dados de Tag de


E/S, publicação 1756-PM004.

Utilização estimada da memória do controlador

O PSE utiliza um modelo de dimensionamento que é baseado em estratégias de


controle para estimar a utilização da memória do controlador em um ambiente de
produção. Há três fontes de memória que compõem este modelo de
dimensionamento:

• Memória para definições de base – A memória para a definição de base


varia dependendo da quantidade das instruções adicional e das definições
de UDT no projeto. O carregamento de todas as definições das bibliotecas
da Rockwell Automation ocupa mais de 1 MB de memória, ao passo que
carregar apenas os objetos mais comuns ocupa muito menos memória. Por
padrão, o PSE considera uma carga de base de 380 KB. Isso é ajustável nas
preferências de sistema do PSE, se necessário.

• Memória utilizada por estratégias de controle – Consultar Monitoração do


uso da CPU do controlador na página 44.

• Memória para dar suporte à comunicação – As estratégias de controle


definidas têm vários tags de visualização para cada estratégia de controle
(incluindo as atividades de operação, manutenção e depuração). Durante a
operação, o controlador usa a memória do controlador para gerenciar as
conexões com esses tags à medida que eles são acessados. A quantidade de
memória utilizada varia, mas o PSE estima 16 bites por tag.

48 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Quando e utilizada a redundância do controlador, o uso da memória aumenta e é


necessária capacidade sobressalente adicional para permitir edições de tempo de
execução. O modelo de dimensionamento do PSE responde por essas
necessidades, aumentando a quantidade estimada de memória usada para impor o
mesmo limite de 75% de capacidade de memória para os tipos de controlador
simplex e redundantes.

Informação off-line de memória estimada

Para estimar a quantidade de memória do controlador necessária para seu projeto,


use a guia Memory da caixa de diálogo Controller Properties. Para cada uma das
áreas de memória de seu controlador, a caixa de diálogo permite estimar certa
quantidade de bites para:
• Memória livre (não utilizada)
• Memória utilizada
• Maior bloco de memória livre contíguo

1. A partir da aplicação Studio 5000 Logix Designer, clique no ícone de


propriedades do controlador para acessar a caixa de diálogo de
propriedades do controlador.

Ícone de propriedades
do controlador

2. Clique na guia Memory.

Na seção “Dados estimados e memória lógica”, consulte as informações de


memória desde a última estimativa.
3. Clique em Estimate para refazer a estimava da quantidade de memória do
controlador.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 49


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Visualizar informações de Memória de tempo de execução

Quando estiver on-line com um controlador, a guia Memory mostra o uso de


memória real do controlador. Enquanto o controlador estiver em execução, ele
usará a memória adicional para a comunicação. A quantidade de memória da qual
o controlador necessita varia de acordo com o estado da comunicação.

A guia Memory do controlador inclui uma entrada Max Used para cada tipo de
memória. Os valores de Max Used mostram o pico de uso de memória conforme a
comunicação ocorre.

Clique em Reset All Max na guia Memory para redefinir valores.

Para mais informações, consulte o capítulo 2 nas Informações sobre


Controladores Logix5000 e o Manual de Programação de Status,
publicação 1756-PM015.

Monitorar a utilização da memória do controlador

Recomendamos que 50% da memória lógica e de dados disponível seja reservada


para o tempo do projeto de comunicação, para a edição on-line e para a manipula-
ção de eventos anormais. Para os controladores simplex, recomendamos a manu-
tenção de 25% da memória lógica e de dados disponível para a manipulação da
edição on-line e das conexões durante a operação.

Para os controladores redundantes, recomendamos que você mantenha acima de


50% de memória lógica e de dados disponíveis para a manipulação de alterações
on-line.

A utilização de memória pode ser monitorada através da instrução complementar


L_CPU (consulte página 44) ou através da aplicação Studio 5000 Logix Designer
(consulte página 49).

50 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Comunicação de controlador a controlador

Há duas maneiras de se configurar a comunicação entre controladores:


• Tags produzidos/consumidos
• Mensagens

Tabela 24 – Compare as mensagens e tags produzidos/consumidos


Método Benefícios Considerações
Mensagem de leitura/gravação • Iniciada pelo programa • Um atraso pode ocorrer se os recursos não estiverem disponíveis
• Recursos de comunicação e rede utilizados apenas quando quando necessário
necessário • A instrução e o processamento de MSG causam impacto à
• Dá suporte à fragmentação automática e à remontagem de varredura do controlador (fração de tempo de atraso do sistema)
grandes pacotes de dados, até um máximo de 32.767 elementos • Os dados chegam de forma assíncrona à varredura do programa
• Algumas conexões podem ser capturadas para melhorar o tempo (use um reconhecimento por programa ou um par de instruções
de transmissão UID/UIE para reduzir o impacto, sem suporte às tarefas de evento)
• A mensagem de CIP genérica é útil para dispositivos de terceiros • É possível adicionar outras mensagens on-line em modo de
operação
Tag produzido/consumido • Configurado uma vez e enviado automaticamente com base no • Suporte limitado aos controladores Logix5000 e PLC-5®,
intervalo do pacote requisitado (RPI) ao 1784-KTCS I/O Linx e a alguns dispositivos de terceiros
• Vários consumidores podem receber simultaneamente os mesmos • Limitado a 500 bites por backplane e 480 bites por uma rede
dados a partir de um único tag produzido • Deve ser agendado ao usar o ControlNet
• Pode acionar uma tarefa de evento quando os dados consumidos • Os dados chegam de forma assíncrona à varredura do programa
chegarem (use um reconhecimento por programa ou uma instrução CPS e
• Os recursos do ControlNet são reservados antecipadamente tarefas de eventos para sincronizar)
• Não causa impacto à varredura do controlador • O status da conexão deve ser obtido separadamente
• Em uma rede Ethernet/IP, é possível configurar tags produzidos/
consumidos para usar conexões multicast ou unicast
• Não é possível criar tags produzidos/consumidos adicionais on-
line no modo de operação.

Recomendamos que você use um vetor ou tag definido pelo usuário para
comunicações de produção-consumo. Como tags produzidos/consumidos não
podem ser editados on-line, certifique-se de incluir capacidade extra que possa ser
preenchida pela lógica de mapeamento para que informações adicionais possam
ser compartilhadas conforme necessário sem a necessidade de um download.

Tabela 25 – Recomendações do controlador de processo


Categoria Recomendação
Tags produzidos e consumidos • Um único tag produzido e consumido pode conter várias combinações de dados. Por exemplo, até 120 dados do tipo
REAL ou 100 dados do tipo REAL e 640 dados do tipo BOOL.
• Agrupe os tags produzidos e consumidos em uma estrutura definida pelo usuário para reduzir o número de
conexões com o controlador.
• Use o mesmo tipo de dados para os tags produzidos e consumidos em cada controlador que usa esses dados.
• Certifique-se que o número de consumidores configurados para um tag produzido é o número real de controladores
que irão consumi-lo para reduzir o número de conexões com o controlador.
• Nos tags produzidos, o número máximo de consumidores configurado conta contra sua contagem total de conexões
para torná-lo o número real de conexões ou defini-lo como o número esperado para o futuro.
• Sempre use um reconhecimento ao transferir dados entre os controladores através de dados de estado ou
diagnósticos configurados manualmente.
Envio de mensagem • Há um máximo de 32 conexões de mensagens em cache para instruções de mensagem e block-transfers
combinados.
• Armazene as mensagens em cache apenas quando a mensagem precisar ser mantida o tempo todo. Se uma
instrução de mensagem não for frequente, certifique-se de que a conexão armazenada está desmarcada.
• Sempre use leituras de mensagem; nunca use a gravação de mensagens. Isso torna mais fácil solucionar problemas
de código.
• Quando estiver enviando mensagens entre controladores, utilize DINTs sempre que possível.
• As instruções da mensagem consomem uma conexão quando são uma leitura, gravação ou versão genérica da
tabela de dados de CIP (se esta estiver selecionada).

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 51


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Considerações sobre o controlador de E/S

O intervalo do pacote requisitado (RPI) é um intervalo de tempo configurado


pelo usuário que determina quando os dados de um módulo de E/S está sendo
enviado ao controlador. Este intervalo define a taxa mais lenta através da qual um
módulo envia seus dados por multicast. Quando o período de tempo especificado
estiver concluído, o módulo enviará dados em multicast para o controlador.

Definir o RPI mais rápido (especificando um número menor) do que o necessário


para sua aplicação desperdiça recursos de rede, como a largura de banda do
agendamento do ControlNet, o tempo de processamento da rede e o tempo de
processamento da CPU.

Tabela 26 – Considerações de E/S


Categoria Consideração
Propriedades de configuração de E/S • Especificar um RPI que seja duas vezes mais rápido do que a execução da tarefa:
– Uma tarefa de 250 ms exige um RPI de 125 ms
– Uma tarefa de 100 ms exige um RPI de 50 ms
• Muitas vezes, o RPI é definido pelas propriedades inerentes do sinal que está sendo medido. Por exemplo, a medição
da temperatura muda mais lentamente do que a de pressão.
• Use um módulo compatível para a opção de codificação da configuração das placas de E/S. Em um ambiente
validado, você pode usar uma correspondência exata para codificação.
Rede ControlNet • Defina o tempo de atualização de rede (NUT) igual ou inferior ao RPI mais rápido dos módulos de E/S e dos tags
produzidos e consumidos no sistema. Por exemplo, se o seu RPI mais rápido for de 10 ms, defina o NUT para 5 ms
para ter maior flexibilidade no agendamento da rede.
• Defina o RPI como sendo um múltiplo binário do NUT. Por exemplo. se o NUT são 10 ms, selecione um RPI de 10, 20,
40, 80, 160 e assim por diante.
• Use E/S não programável para poder adicionar módulos ControlNet em tempo de execução.
(Consulte Tempo de execução do módulo de E/S/Considerações online.) Dedique uma rede ControlNet somente para
a comunicação de E/S.
• A E/S não programável requer uma conexão para cada módulo, de modo que o número de módulos suportados
depende do número de conexões suportadas pelo módulo de comunicação. Na rede de E/S exclusiva, certifique-se
do seguinte:
– Não há tráfego de IHM
– Não há tráfego de MSG
– Não há estações de trabalho de programação
– Não há entrelaçamento peer-to-peer em uma arquitetura de sistema com vários processadores
Rede EtherNet/IP Consulte Capítulo 5 para recomendações de infraestrutura.

52 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Tempo de execução do módulo de E/S/Considerações online


Tabela 27 mostra alguns dos módulos que se pode adicionar ao Organizador do
controlador na aplicação Logix Designer quando o controlador está em modo de
execução.

Tabela 27 – Adição on-line de tipos de módulo e de conexão


Tipo de módulo e método No rack local Remota através de uma rede ControlNet Remota através Configurar Manter o
de conexão de uma rede último estado da saída
EtherNet/IP
Off-line Tempo de Off-line Tempo de execução Off- Tempo de
execução line execução
Programá- Não Programá- Não
vel programável vel programável
Movimento – direto Sim Não N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A
Digital – direto Sim Sim Sim Sim Não Sim Sim Sim Sim – módulos de saída
digital 1756 I/O
Digital – otimizado para rack N/A N/A Sim Não Sim Não Sim Sim Sim – módulos de saída
digital 1756 I/O
Analógico – direto Sim Sim Sim Sim Não Sim Sim Sim Sim
Terceirizado genérico – direto Sim Sim Sim Sim Não Sim Sim Sim N/A
1756-DNB Sim Não Sim Não Não Não Sim Sim N/A
1756-DHRIO Sim Não Sim Não Não Não Sim Sim N/A
1756-CNx – sem conexão Sim Sim Sim Sim Não Sim N/A N/A N/A
1756-CNx – N/A N/A Sim N/A N/A N/A N/A N/A N/A
otimizada para rack
Terceirizado genérico N/A N/A Sim Sim Não Sim N/A N/A N/A
ControlNet – direto
1788 HP-EN2PA-R N/A N/A N/A N/A N/A N/A Sim Sim N/A
1788 HP-CN2PA-R N/A N/A Sim Sim Não Sim N/A N/A N/A
E/S 1715 redundante Não Não Não Não Não Não Sim Sim N/A
1756-ENx – sem conexão Sim Sim N/A N/A N/A N/A Sim Sim N/A
1756-ENx – N/A N/A N/A N/A N/A N/A Sim Sim N/A
otimizada para rack
EtherNet/IP genérico direto, N/A N/A N/A N/A N/A N/A Sim Sim N/A
de terceiros
1794 FLEX™ I/O N/A N/A Sim Sim Não Não Sim Não Sim – somente módulos
de saída analógica
1734 POINT I/O™ N/A N/A Sim Sim Não Não Sim Não Sim(1)
(1) Quando você perde comunicação com o controlador, POINT I/O ignora a última configuração de estado de saída e define as saídas para zero.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 53


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Ao projetar sua rede, analise estas considerações se for adicionar módulos


de E/S em tempo de execução.

Tabela 28 – Adição de módulos de E/S em tempo de execução


Categoria Consideração
Módulos de E/S Atualmente, os módulos 1756 E/S e 1715 podem ser adicionados em tempo de execução.
Deixe espaço no rack local, no rack remoto em uma rede ControlNet, ou no rack remoto em uma rede EtherNet/IP para
os módulos de E/S que você deseja adicionar.
Taxa de transmissão de entrada Certifique-se de que todos os RPI funcionam para os dados que você deseja enviar e receber.
Certifique-se de que o módulo de E/S agregado não depende de dados de mudança de estado. Ao adicionar módulos
de entrada discreta, desmarque a mudança de estado para reduzir o tráfego da rede.
Topologia da rede Em uma rede ControlNet, instale derivações sobressalentes para que você possa adicionar módulos de E/S 1756 durante
o tempo de execução sem interromper a rede. Cada derivação deve ser terminada de forma a não aterrar o sistema.
Verifique os requisitos do sistema ControlNet para determinar quantas derivações sobressalentes sua rede pode
suportar.
• Em uma rede ControlNet com cabeamento redundante, é possível quebrar o tronco e adicionar uma nova derivação,
mas o cabeamento redundante é perdido durante a instalação do módulo.
• Em um anel ControlNet, adicione um novo derivador fora da linha ou novos nós fora do coaxial e interrompa apenas
uma parte da rede.
• É possível remover um único nó existente e adicionar um repetidor para além do derivador. Em seguida, volte a
adicionar o nó existente e adicionar novos nós para além do novo segmento.
Na Ethernet/IP, reserve alguns pontos de conexão no comutador para que seja possível conectar nós ou
comutadoresadicionais no futuro.
Configuração de rede Em uma rede ControlNet, planeje a comunicação que pode ser programável ou não programável.
Em uma rede Ethernet/IP, toda a comunicação é imediata e ocorre com base no RPI de um módulo (também conhecido
como não programável).
Se você souber que precisará de um novo rack com módulos digitais no futuro, configure a rede e adicione-o à árvore de
configuração de E/S de forma a ser otimizado para rack. Iniba o adaptador de comunicação até que você precise do
rack.
Desempenho da rede É possível adicionar módulos de E/S em tempo de execução até causar um impacto à capacidade do módulo de
comunicação. Certifique-se de ter módulos de comunicação suficientes para as conexões que planeja adicionar.

Consulte o Manual de referência sobre considerações de design dos controladores


Logix5000, publicação 1756-RM094 para maiores informações.

54 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Utilizando instruções adicionais

Instruções adicionais são objetos de código reutilizáveis que contêm lógica


encapsulada. Cada objeto é fornecido como uma instrução adicional importável
que pode ser compartilhada entre os projetos para criar uma biblioteca comum de
instruções para acelerar a engenharia de projeto para projeto. As instruções
adicional também podem ser assinadas com uma data e hora específicas, de modo
que as revisões de instruções adicional possam ser gerenciadas entre os projetos.

Isto permite a criação de seu próprio conjunto de instruções para a lógica de


programação como um suplemento para o conjunto de instruções fornecido de
forma nativa no firmware ControlLogix e CompactLogic.

As instruções adicional são definidas uma vez em cada projeto do controlador e


podem ser instanciadas várias vezes no código da aplicação, conforme necessário.
Na aplicação Studio 5000 Logix Designer, pode-se visualizar rotinas dentro de
uma instância de instrução online, animada apenas com aquele valor de instância
como se fosse uma rotina definida individualmente.

As Instruções adicional podem ser protegidas pela fonte. A proteção da fonte não
permite editar a definição de instrução sem uma codificação da fonte. Para
proteger a propriedade intelectual, as rotinas e os tags locais também podem ser
escondidos em instruções adicional protegidas.

Como uma instrução nativa, a definição de uma instrução adicional não pode ser
modificada on-line. Sendo assim, não recomendamos o uso de instruções
adicionais para a implementação de estratégias de controle. As estratégias de
controle são melhor desenvolvidas em um programa, construído a partir de
instruções adicional e instruções nativas. Também é importante que você teste
totalmente todas as opções de configuração antes de implementar uma instrução
adicional no seu sistema de produção.

A Biblioteca de objetos de processo da Rockwell Automation utiliza instruções


complementares. Para informações relacionadas, consulte página 57 e página 63.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 55


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

Recomendações para o Para a implementação do software FactoryTalk View SE para uma interface de
operador de sistema de processo, siga as seguintes orientações:
FactoryTalk View
• Execute o software FactoryTalk View Studio na estação de trabalho de
engenharia durante o tempo de execução.
• Configure os servidores FactoryTalk View SE para iniciarem
automaticamente durante a inicialização no PASS. Permita que os
servidores inicializem completamente antes de iniciar os computadores do
cliente.
• No software FactoryTalk View Studio, as áreas podem ser usadas para
organizar seu sistema distribuído. Configure uma área para cada servidor
de qualquer tipo. As áreas podem conter áreas. No entanto, não coloque
mais de um servidor no local raiz de uma área. Isso ajuda a impedir
problemas potenciais de desempenho. Além disso, esta hierarquia de
nomes pode ser visível externamente, tal como no banco de dados de
alarme ou do Historian.
• Use objetos globais para exibir o status de um módulo de controle ou
dispositivo quando a informação a ser exibida for armazenada em uma
estrutura de tag dentro do Logix (por exemplo, UDT ou AOI) e quando
há muitas instâncias idênticas. Um objeto global é um elemento de
exibição que é criado uma vez e pode ser referenciado várias vezes em várias
telas em uma aplicação. Quando são feitas alterações ao objeto original
(base), as cópias instanciadas (objetos de referência) são atualizadas
automaticamente. O uso de objetos globais, em conjunção com estruturas
de tag no sistema ControlLogix, pode ajudar a ter certeza da consistência e
economizar tempo de engenharia.
• Ao usar objetos globais, observe as seguintes recomendações para ter
certeza do desempenho ideal da chamada de tela:
– Os objetos globais de base são guardados no FactoryTalk View, em telas
(arquivos .ggfx). Se houver um grande número de objetos globais de
base definidos, não coloque-os em uma tela única. Limita o número de
instâncias de objeto global em uma única tela para 60 ou menos.
– Como objetos globais pode ser instanciados várias vezes, o impacto no
desempenho do projeto é amplificado pelo número de instâncias. Logo,
projete cuidadosamente objetos globais para reduzir o número de
objetos, expressões e animações que são utilizados dentro do objeto de
base.
• Não recomendamos o uso de dados os registros. Se necessário, use os
registros de dados para apenas para a retenção de dados a curto prazo.
• Não crie tags derivados que dependam dos resultados de outros tags
derivados. O processamento do tag derivado não é sequencial.
• Evite o uso de VBA sempre que possível. O VBA é executado como um
processo de thread único. Por isso, é possível que a aplicação escrita em VB
não permita que a IHM tenha um desempenho previsível.

56 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de aplicação do sistema Capítulo 3

Biblioteca de objetos A biblioteca de objetos de processo da Rockwell Automation é uma biblioteca


predefinida do código do controlador (instruções complementares), elementos
de processo da de tela (objetos globais) e faceplates que lhe permitem montar rapidamente
Rockwell Automation grandes aplicações com estratégias comprovadas, funcionalidade enriquecida e
desempenho reconhecido.
Etapa 5: Acesse toda a faceplate do
Etapa 1: Importar a biblioteca Etapa 4: Acesse pequenas faceplates ‘rápidas’ objeto global em tempo de execução
para o projeto. de estratégias de controle a partir de um objeto para controle, manutenção e
Etapa 2: Cancelar e configurar global em tempo de execução para um controle configuração.
as instruções complementares. básico do operador.

Etapa 3: Cancelar o objeto global na


tela e atribuí-lo a uma instância de
instrução complementar.

O PlantPAx sistema digital de controle distribuído Application Configuration


User Manual, publicação PROCES-UM001 descreve como para importar o
processo e estratégias mapear eles para E/S usando os parâmetros de programa.

A Biblioteca de estratégias de processo ajuda você a fazer o seguinte:


• Garanta um desempenho caracterizado com configurações de estratégia de
controle conhecidas
• Reduz o tempo de implementação
• Promove aplicações consistentes e experiência do usuário

Quando agrupado para exibir elementos e faceplates no programa de software


FactoryTalk View Studio, estes objetos agilizam a configuração do dispositivo em
um ambiente de arrastar e largar (como mostrado na figura).

Os elementos de tela (objetos globais) têm uma faceplate associada que aparece
quando se clica no elemento de tela. Essas faceplates permitem que você opere e
configure as instruções. Quando as funções de suporte adicionais são adicionadas,
tais como as permissivas de interbloqueios, as faceplates para essas funções
estendidas são diretamente acessíveis para a faceplate do objeto associado.

A Biblioteca de objetos de processo da Rockwell Automation inclui


uma Biblioteca de Estratégias de processo. Estratégias de processo são rotinas
pré-conectadas que utilizam a biblioteca de processo de objetos da
Rockwell Automation no contexto de sua utilização pretendida. A Biblioteca
de estrategias de processo inclui rotinas para o processamento de E/S,
controle de dispositivo e controle regulatório.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 57


Capítulo 3 Recomendações de aplicação do sistema

A biblioteca objetos de processo é suportada através do Suporte Técnico,


desde que as instruções adicionais não tenham sido modificadas a partir da
implementação original.

Você pode usar os objetos biblioteca diferente dos fornecidos pela


Rockwell Automation. Por exemplo, você pode desenvolver sua própria
biblioteca ou usar os objetos de processo como guias. Ao utilizar uma
biblioteca de elementos consistentes da Rockwell Automation, você
melhora a manutenção e a eficiência de seu sistema PlantPAx.

Para detalhes sobre iniciação de objetos e de visores de IHM,


consulte o Manual de Referência da Biblioteca de Objetos de Processo da
Rockwell Automation, publicação PROCES-RM002.

Recursos de aplicações Os seguintes recursos estão disponíveis para uso de modo a ajudar no
desenvolvimento de sua aplicação.
adicionais
Tópicos e ferramentas Descrição Onde encontrar informações
Guia de implantação do sistema Fornece os procedimentos que são necessários para iniciar Consulte o Manual do usuário da configuração da
o desenvolvimento de seu sistema PlantPAx. Aplicação do Sistema de controle distribuído PlantPAx,
publicação PROCES-UM003
Telas de amostra do FactoryTalk Diagnostic Exemplos de gráficos para exibir os contadores de amostra Consulte a resposta de ID 30148 na base de conhecimento,
RSLinx® Enterprise. em http://rockwellautomation.custhelp.com
Telas de status do servidor O código de exemplo é fornecido para determinar o status Consulte a resposta de ID 44624 na base de conhecimento,
atual do servidor e seu estado de usando VBA e exibindo o em http://rockwellautomation.custhelp.com
status na tela da IHM.
Ferramentas da Integrated Architecture da Essas ferramentas podem ajudá-lo na compreensão, http://www.rockwellautomation.com/solutions/
Rockwell Automation planejamento e configuração de um sistema com integratedarchitecture/resources.html
Integrated Architecture.
Código de exemplo da Rockwell Automation Código de exemplo e ferramentas para configuração e http://samplecode.rockwellautomation.com/idc/groups/
programação de produtos da Rockwell Automation, public/documents/webassets/sc_home_page.hcst
incluindo faceplates específicas da Rockwell.
Ferramentas de implementação de lote Vídeos, documentação e códigos de exemplo para ajudar Consulte Guia de Início Rápido para o Kit de Ferramentas
a guiá-lo nas melhores decisões de projetos para da Aplicação de Lote, publicação IASIMP-QS042
implementação de sistema de lote.

58 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 4

Recomendações do sistema de alarme

Nas indústrias de processo, os alarmes são uma função importante de um sistema


de controle. Sistemas de alarme efetivos alertam o operador sobre situações
anormais, proporcionando uma resposta rápida. O manuseio efetivo do alarme
melhora a produtividade, a segurança e o ambiente de um processo de fábrica.

Há padrões da indústria que regem as práticas de projetos de gerenciamento e de


engenharia de alarmes para lhe orientar no desenvolvimento de sistemas de
alarme eficazes (por exemplo, a ANSI/ISA-18.2-2009, Gestão de Sistemas de
Alarme para as Indústrias de Processos). Esta seção não abrange as práticas
definidas por essas normas, mas cobre as recomendações para implementação de
alarmes no sistema PlantPAx® no contexto destas normas.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Software FactoryTalk Alarm and Event 59
Uso da Biblioteca de Objetos de Processo para alarmes 63
Modelo de estado de alarme 64
Monitoração do seu sistema de alarme 67

Software FactoryTalk Alarm and Event

O principal método para a geração de alarmes no sistema PlantPAx é através do


software FactoryTalk Alarm and Event, o qual, a partir de agora, passaremos a
chamar de “sistema de alarme”. O sistema de alarme dá suporte a alarmes baseados
em dispositivo (instruções ALMA e ALMD no controlador) e a alarmes baseados
em tag (alarmes digitais, de nível ou de desvio).

Os alarmes baseados em dispositivos e os baseados em tag podem coexistir em


uma única aplicação. As regras de dimensionamento do sistema PlantPAx e os
atributos críticos do sistema são baseados no uso de alarmes baseados em tags.
Ainda que alarmes baseados em dispositivo possam ser usados, recomendamos
um uso limitado destes para melhorar o desempenho do sistema.

Consulte página 61 para obter mais informações.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 59


Capítulo 4 Recomendações do sistema de alarme

Figura 3 – Plataforma FactoryTalk® Services

Característica de alarme Descrição


1. Monitoração de alarme baseado em tags Alarmes baseados em tag (digitais, de nível ou de desvio) são configurados em um servidor de alarmes e eventos de tag.
Quando a condição de alarme é detectada pelo controlador, o servidor publica a informação aos serviços do FactoryTalk Alarm
and Event.
2. Monitoração de alarme baseado em dispositivos As regras de dimensionamento do sistema PlantPAx e os atributos críticos do sistema são baseados no uso de alarmes baseados
em tags do FactoryTalk Alarm and Event. Ainda que alarmes baseados em dispositivo possam ser usados, recomendamos um
uso limitado destes para melhorar o desempenho do sistema. Alarmes baseados em dispositivos, como o ALMA e o ALMD, são
programados através do software Studio 5000 Logix Designer® e, em seguida, transferidos para controladores Logix5000™.
O controlador detecta as condições de alarme e avisa o RSLinx Enterprise dos estados de alarme. Um servidor de dispositivo
Rockwell Automation (com o software RSLinx Enterprise) extrai as informações de alarme e publica-as nos serviços do
FactoryTalk Alarm and Event.
3. Serviços do FactoryTalk Alarm and Event Alarmes e eventos baseados em tags ou em dispositivo são publicados nos serviços do FactoryTalk Alarm and Event, que, em
seguida, encaminham as informações para objetos do FactoryTalk Alarm and Event hospedados no software FactoryTalk View.
As informações também são direcionadas para o registro histórico de alarme e eventos, para os registros de diagnóstico e para
os registros de auditoria.
4. Registro do Alarm and Event O registo de alarmes e eventos é um componente que se instala silenciosamente como parte do software de alarmes e eventos.
Ele gerencia conexões entre servidores de alarme e bancos de dados e registra os dados de cada servidor de alarme em um
banco de dados de histórico de alarmes. É possível usar o usar o Alarm and Event Log Viewer para visualizar e imprimir dados a
partir dos bancos de dados de histórico de alarme. Ferramentas de banco de dados de terceiros também podem recuperar,
visualizar, analisar e imprimir informações do histórico de alarme.
Para usar o registro de alarmes e eventos, instale o Microsoft SQL Server separadamente, ou use um banco de dados existente
do Microsoft SQL Server.
5. Configuração e monitorização do Alarm and Event O FactoryTalk Alarm and Event inclui uma série de componentes de software que permitem que os engenheiros e operadores
definam o seguinte: condições de alarme, configuração dos servidores de alarme, visualização e interação com as condições de
alarme e visualização e execução de relatórios sobre informações do histórico de alarme.

60 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações do sistema de alarme Capítulo 4

Recursos do FactoryTalk Alarm and Event

Conforme mostrado na Figura 3 na página 60, os serviços do FactoryTalk Alarm


and Event têm um conjunto completo de componentes de visualização (resumo
de alarme, visualizador de registro de alarme, notificação de alarme, explorador de
status de alarme).

Recursos adicionais incluem os seguintes:


• Até 10 servidores de alarme no sistema; cada servidor podem ser feito
redundante para tolerância a falhas
• Capacidade nativa de registrar o histórico de alarmes em banco de dados
SQL
• Capacidade de associar até quatro tags adicionais a cada alarme para
armazenar informações de processo adicionais a cada ocorrência de alarme
• Capacidade de associar comandos do FactoryTalk View com alarmes. Por
exemplo, um comando pode ser usado para abrir a tela de processo
associada ao alarme do Resumo de alarmes e eventos ou da Notificação de
alarmes e eventos
• Troca de idioma para as mensagens de alarme
• Registra alarmes em tempo UTC

O sistema de alarme não suporta os terminais PanelView™ Plus, mas a Biblioteca


de objetos de processo suporta arquiteturas mistas (terminais PanelView Plus e
IHM distribuída), ao mesmo tempo em que gere o estado do alarme no
controlador. Consulte página 63 para mais informações sobre a biblioteca.

Recomendações do FactoryTalk Alarm and Event


• É possível ter até 10 servidores de alarme em um sistema PlantPAx.
• O número de alarmes por servidor de alarme está limitado a 10.000.
• Configurar seu tag usando os alarmes e eventos de alarme em um servidor
conectado a objetos de processo para detecção de alarme. Esta
configuração fornece integração com as telas e as faceplates e garante o
desempenho.
A Biblioteca de objetos de processo contém Alarm Builder, que automatiza
esta configuração. Consulte o Manual de referência da Biblioteca da
Rockwell Automation de objetos de processo, PROCES-RM002, para
mais informações.
• Use grupos de alarme baseados em servidores de tag e evento para
organizar os alarmes pelo papel do operador.
• Use expressões de alarme contra grupos de usuário para fornecer indicação
acumulada de alarmes por função ou tela. Por exemplo,
AE_InAlmUnackedCount(‘T1*’) retorna uma contagem dos alarmes não
reconhecidos dentro de grupos que iniciam em T1.
Consulte o Manual do suário do FactoryTalk View Site Edition,
publicação VIEWSE-UM006, para obter mais informações sobre
expressões de alarme.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 61


Capítulo 4 Recomendações do sistema de alarme

• Use uma classe de alarme para identificar alarmes que compartilham


requisitos de gestão comuns (por exemplo, requisitos de teste, treinamento,
monitoração e auditoria). Não use a classe de alarme para identificar
alarmes por função do operador ou por tela, porque não é possível
recuperar uma contagem de alarme por classe usando expressões de alarme
no software FactoryTalk View. No entanto, é possível filtrar por classe nas
telas de alarme.
• Esteja ciente de que o tempo de varredura do controlador e o uso de
memória são variáveis com o uso das instruções ALMA ou ALMD,
dependendo dos estados do controlador. Grandes disparos de alarme
podem ter um impacto significativo na utilização da CPU do controlador.
Por exemplo:
Memória do controlador usada para buffer por cada assinante (tópico no
servidor de dados) = 100 KB
Exemplo de tempos de execução:
– ALMD em um controlador 1756-L73, sem mudanças de estado de
alarme: 7 μs
– ALMD em um controlador 1756-L73, com mudanças de estado de
alarme: 16 μs
Em configurações de controlador redundante, o carregamento transversal
de redundância pode adicionar até 70 μs por instrução ALMD.
• Recomendamos reservar o uso de instruções ALMA e ALMD para os
alarmes mais importantes. Embora não existam limitações de codificação
interna, recomendamos a limitação do número de instruções conforme
segue:
– 250 por controlador redundante
– 2000 por controlador simplex.
É possível usar o PSE para dimensionar o número de instruções de alarme
para um limite mais preciso com base em sua configuração específica. Não
se esqueça de adicionar memória a mais, necessária para manter a assinatura
de alarme, uma vez que ela não é contabilizada nos cálculos de memória do
PSE.

62 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações do sistema de alarme Capítulo 4

Uso da Biblioteca de Objetos de Processo para alarmes

A biblioteca de objetos de processo usa uma instrução adicional exclusiva,


chamada P_Alarm, para cada alarme em cada dispositivo para detecção de alarme
e para fornecer uma interface para o alarme baseado em tag. A documentação é
fornecida com a biblioteca de processos para descrever como conectar as
instâncias de instrução adicional com o servidor de alarmes e eventos de tag.

Seguindo esse método, P_Alarm é responsável pela gestão do estado e pelo


fornecimento do status para as telas e faceplates de processos. Cada P_Alarm que
está sendo usado é ligado a um alarme digital no servidor de alarme para fornecer
o status de telas e do histórico de alarmes.

Figura 4 – Alarmes na biblioteca PlantPAx

A abordagem da Biblioteca de objetos de processo inclui as seguintes vantagens:


• Integração de alarmes em objetos de biblioteca (instruções adicional,
objetos globais e faceplates) para facilidade de engenharia e implantação
• Suporta arquiteturas mistas (terminais PanelView Plus e IHM
distribuída), ao mesmo tempo em que gere o estado do alarme no
controlador
• Técnicas de gerenciamento de alarme flexível são construídas na instrução
P_ Alarm

Ao usar a Biblioteca de Objetos de Processo, o controlador e o servidor mantêm


informações de alarme para fornecer as informações de status quando necessário.
Por esta razão, uma configuração apropriada é fundamental.

Fornecemos ferramentas para automatizar esta configuração. Consulte o Manual


de referência da Biblioteca da Rockwell Automation de objetos de processo,
publicação PROCES-RM002.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 63


Capítulo 4 Recomendações do sistema de alarme

Modelo de estado de alarme

O sistema de alarme fornece três mecanismos para impedir indicações


prolongadas de um alarme no resumo de alarme: supressão, arquivamento e
desativação.

Os estados de arquivamento e de supressão permitem a limpeza do alarme do


resumo ou da notificação do alarme enquanto você está resolvendo um alarme
conhecido, sem continuar a visualizar as informações de alarme uma vez que o
alarme é reconhecido.

O estado de arquivamento tem um tempo limite configurável, após o qual


o alarme é automaticamente desarquivado e retornado ao resumo do alarme.
O estado de supressão não tem um tempo limite automático. Se o alarme
é não reconhecido no momento em que está arquivado ou suprimido, ele
continua a aparecer no resumo e na notificação de alarme até que tenha sido
reconhecido e, posteriormente, removido dessas listas.

Um alarme arquivado ou suprimido ainda é capaz de fazer a transição do status de


alarme (exceto tornar-se não reconhecido), enviar mudanças de estado de alarme
para os assinantes, registrar mudanças de estado no banco de dados do histórico e
responder às outras interações programáveis ou com o operador. Siga estas regras:

• Quando um alarme é suprimido ou arquivado, ele continua a funcionar


normalmente, monitora o parâmetro In para condições de alarme e
responde a solicitação de reconhecimento. Todos os assinantes são
notificados deste evento e todas as mensagens de alarme geradas enquanto
o alarme estiver no estado suprimido ou arquivado incluem o status
Suppressed (suprimido) ou Shelved (arquivado). Um alarme não pode se
tornar não reconhecido enquanto estiver arquivado ou suprimido.

• Quando um alarme é preservado ou desarquivado, todos os assinantes são


notificados e mensagens de alarme para os assinantes já não incluem os
status Suppressed ou Shelved. Se o alarme estiver ativo enquanto estiver
preservado ou desarquivado e se o reconhecimento for solicitado, o alarme
se torna não reconhecido.

Desabilite um alarme para deixá-lo fora de serviço no programa de controle. Um


alarme desativado não faz a transição de status de alarme ou é registrado no banco
de dados do histórico. Se o alarme é não reconhecido no momento em que está
desativado, ele continua a aparecer no resumo e na notificação de alarme até que
tenha sido reconhecido e, posteriormente, removido da visualização. Um alarme
desabilitado pode ser reabilitado no explorador do status de alarme no software
FactoryTalk View SE:

• Quando um alarme está Desabilitado, todas as suas condições estão


inativas (InAlarm está desmarcado), exceto o status reconhecido se for não
reconhecido. O parâmetro In não é monitorado para condições de alarme,
mas responde a um evento reconhecido. Todos os assinantes são
notificados sobre este evento.

64 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações do sistema de alarme Capítulo 4

• Quando um alarme está Habilitado, ele começa a monitorar o parâmetro


In para condições de alarme. Todos os assinantes são notificados sobre este
evento. Se o alarme está ativo quando estiver Habilitado e se o
reconhecimento for necessário, o alarme se torna não reconhecido.

Os estados arquivar, suprimir e desabilitar são todos métodos para suprimir a


indicação de alarmes, seguindo a ANSI/ISA-18.2-2009, Gestão de sistemas de
alarme para as indústrias de processo. É possível usar a funcionalidade de arquivar,
suprimir e desabilitar para diferenciar ações iniciadas pelo operador de ações
iniciadas pelo projeto e de ações de manutenção. Consulte os exemplos e
observações a seguir.

Ações do operador

Seguindo o estado de arquivamento para iniciar esta ação por parte do operador
(equivalente ao estado de arquivamento na ISA 18.2).

O comando Program Unshelve é fornecido para que o usuário tenha um meio,


usando uma pequena quantidade de programação, de desarquivar alarmes com
base em um evento, como, por exemplo, End of Shift (Final de turno).

Ações do programa

O controlador deve usar o estado de supressão para inibir por programa


a notificação do operador (equivalente ao estado de supressão-por-projeto,
na ISA 18.2).

O estado de supressão é destinado para a funcionalidade Suppress-By-Design


sob controle lógico, de acordo com a ANSI/ISA-18.2-2009. Se o armazenamento
de supressão de transições durante o alarme não for desejado, use a lógica
para suprimir a condição de entrada para o alarme, ou use a Instrução adicional
P_ Alarm na Biblioteca de objetos de processo, que não gera novas transições de
alarme no estado suprimir.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 65


Capítulo 4 Recomendações do sistema de alarme

Ações de manutenção

Use o estado de desabilitar para inibir o alarme para fins de manutenção


(equivalente ao estado fora-de-serviço na ISA 18.2).

O estado desabilitado é destinado para a funcionalidade Fora de Serviço, sob


controle de manutenção de acordo com a ANSI/ISA-18.2-2009. Se o armazena-
mento de transições durante a desabilitação de alarme for desejado, o estado
suprimir do ALMA ou ALMD pode ser usado se não for necessário para a
funcionalidade Suppress-by-Design sob o controle da lógica.

Alarme, retorno para Normal, travamento e reconhecimento

Durante os períodos desabilitados, suprimidos ou arquivados, um alarme


reconhecido não se torna não reconhecido.

Durante os períodos desabilitados, suprimidos ou arquivados, se um


reconhecimento é necessário, um alarme não reconhecido permanece não
reconhecido até que seja reconhecido.

66 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações do sistema de alarme Capítulo 4

Um alarme torna-se não reconhecido, se o alarme está em InAlarm quando um


alarme muda de estado para habilitado, não suprimido e não arquivado.

Monitoração do seu sistema de alarme

Ao utilizar o explorador do status de alarme, é possível navegar por todos os


seus alarmes configurados em um servidor ou em todo o sistema. Os alarmes
também podem ser filtrados pelas opções Arquivado, Reprimido e Desabilitado.
O explorador do alarme pode ser pré-configurado como um monitor de alarme
arquivado para deixar que os operadores visualizem uma lista de alarmes.

A ISA 18.2 fornece métricas de desempenho de alarme e exemplos de valores


alvo que são resumidos em uma única tabela da seção 16.9 da norma. Algumas
métricas-chave incluem o seguinte:

1. Taxas de alarme: alarmes anunciados por operador:


a. <150 a 300 alarmes por dia
b. Média de 6 a 12 por hora
c. Média de 1 a 2 a cada 10 minutos
2. Contribuição dos 10 alarmes mais frequente para a carga do alarme geral:
~ <1 a 5% máximo, com os planos de ação para endereçar deficiências
3. Número de alarmes que continuam em vigor continuamente por mais de
24 horas (alarmes obsoletos): Menos de 5, com planos para endereçamento

Quando usar o FactoryTalk VantagePoint software com o sistema de alarme,


relatórios são fornecidos com base nas métricas acima.

1. Relatório de alarmes por hora (contagem ativa de amostras de alarmes


acima de 1 hora)
2. Relatório de distribuição de alarmes (contribuição percentual dos
10 alarmes mais frequentes)
3. Relatório de frequência de alarmes (10 alarmes mais frequentes)
4. Relatório de alarmes persistentes (10 alarmes mais ativos no momento por
sua duração)
5. Relatório de duração do alarme (10 alarmes de maior duração)

Todos os alarmes do software FactoryTalk VantagePoint podem ser filtrados por


classe, nome do alarme ou fonte de alarme de forma que eles possam ser discrimi-
nados por função do operador, se necessário. Mais informções sobre estes relató-
rios podem ser encontradas na resposta de ID 68296 na base de conhecimento,
em http://www.rockwellautomation.custhelp.com.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 67


Capítulo 4 Recomendações do sistema de alarme

Observações:

68 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 5

Recomendações de infraestrutura

A infraestrutura do sistema PlantPAx ® é construída em uma infraestrutura


de TI com base no seguinte:
• Tecnologias comerciais prontas para uso, como o
Microsoft Windows e VMware
• Tecnologias de rede aberta, como os comutadores Stratix

A plataforma fornece integração contínua entre elementos do sistema e sistemas


de negócios de alto nível.

Quando construir seu sistema, você deve decidir se o seu servidor e as estações de
trabalho do cliente estarão em um ambiente virtual ou tradicional.

Infraestrutura tradicional Em uma infraestrutura tradicional, cada servidor e estação de trabalho está
instalado em sua própria máquina física. Atualizações de software e hardware são
realizadas em cada servidor e estação de trabalho individualmente. Além disso, há
um relacionamento convencional entre as portas de comutação e portas de
servidores e um gerenciamento de rede padrão.

Infraestrutura virtual A virtualização interrompe a dependência entre o sistema operacional e o


hardware físico. Múltiplas máquinas virtuais (VMs) podem executar sistemas
operativos diferentes e aplicações de vários locais no mesmo servidor. Você pode
fazer a atualização de hardware sem parar a sua operação ou substituir o sistema
operacional no servidor ou nos elementos do sistema da estação de trabalho,
reduzindo então o tempo de parada não programada e custos de manutenção.

Antes de projetar um sistema PlantPAx virtual, recomendamos que você tenha


um entendimento geral das arquiteturas de sistema de controle e de orientações
de dimensionamento do PlantPAx.

Para obter mais informações, consulte:


• PlantPAx sistema digital de controle distribuído Selection Guide,
publicação PROCES-SG001 – Fornece as descrições dos elementos do
sistema, arquitetura, e orientações sobre dimensionamento para ajdudicar
um sistema PlantPAx virtual
• Manual do usuário de virtualização PlantPax, publicação 9528-UM001 –
Contém procedimentos passo a passo para a configuração de máquinas
virtuais

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 69


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Recomendações de configuração do PlantPAx virtual 70
Recomendações do sistema operacional 76
Recomendações de rede 81

Recomendações Uma vez que a arquitetura básica é desenvolvida, um sistema virtualizado


PlantPAx beneficia-se de um número de fundamental de escolhas de configuração
de configuração do VMware. A maioria dessas opções inicial-se com as configurações automáticas,
PlantPAx virtual com ajustes feitos conforme o necessário para aumentar a velocidade e melhorar a
redundância.

IMPORTANTE O sistema PlantPAx não requer o uso de modelos de imagem virtual, assim
como seu uso não significa que o design do sistema está de acordo com as
especificações do sistema PlantPax. O uso de modelos de imagem virtual pode
poupar tempo e garantir a consistência de instalação com as recomendações
contidas neste manual.

Servidores

Os mais recentes processadores Intel™ oferecem suporte de virtualização


integrado. A tecnologia de virtualização Intel no BIOS deve ser ligado para se
aproveitar as vantagens dos ganhos de desempenho. Você deve usar o software
VMware vSphere Client versão 6.0 ou posterior para suportar o Windows 8.1
sistema operacional da VM.

Hosts no mesmo que têm processadores diferentes são recomendados para ter a
Enhanced vMotion Compatibility (EVC) habilitada para suportar o vMotion
entre hosts. EVC é habilitada ao nível do Datacenter/grupo. EVC é uma
tecnologia fundamental que facilita as migrações da máquina virtual entre
diferentes gerações de CPUs, enquanto vMotion é o utilitário usado para fazer as
migrações. A capacidade de migrar VMs entre os servidores enquanto estiverem
funcionando com o processo contínuo para qualquer usuário é um dos benefícios
de principais da virtualização.

Armazenamento

O Armazenamento rede conectado usa um software adaptador de rede para se


conectar com o armazenamento iSCSI por Ethernet. Habilitar os quadros jumbo
no nível de codificação físico e também no nível de porta do comutador virtual.
Os quadros da Ethernet jumbo levam até 9.000 bytes de carga útil, (ao contrário
dos normais 1.500) e pode oferecer maior rendimento de dados com reduzida
utilização da CPU, mas a rede deve ser configurada para suportar quadros jumbo
de ponta a ponta.

70 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de infraestrutura Capítulo 5

Ao configurar o NICs físico em um host, configure a cooperação NIC na


configuração de troca virtual para habilitar uma maior largura de banda para o
tráfego de armazenamento.

Cada unidade de disco rígido virtual em uma rede tem atribuído um número
de unidade lógica (LUN) para identificação exclusivo. Um LUN é um número de
unidade lógica de uma partição virtual em uma matriz de armazenamento.
Ao atribuir inversores de disco rígido virtual a partir da VM para um LUN,
certifique-se de equilibrar as aplicações de E/S intensivas e não intensivas. Este
processo aprimora o desempenho pelo balanceamento do tráfego de E/S por
vários inversores de disco rígido. O tamanho típico de um LUN é entre 400 e
800 GB. O número máximo de discos rígidos de máquina virtual (VMDK) em
um LUN não pode exceder 30, uma vez que mais VMDKs podem afetar o
desempenho devido ao enfileiramento de disco.

O tamanho do LUN é calculado somando a capacidade total (em GB) de


armazenamento necessário com os requisitos de arquivos de troca da VM e espaço
adicional para capturas de tela da VM. Quando houver a divisão de um vetor de
armazenamento em LUNs, a equação a seguir pode ser usada para determinar o
dimensionamento adequado.

Dimensão do LUN calculada= Capacidade em GB + especificações de arquivo de


permuta VM + Reservas instantâneas
= 30 * (tamanho médio do disco virtual VM) + 30 * (RAM VM média) + 15% de
(30 x tamanho médio do disco).

Redes virtuais
Conecte VMs que residem no mesmo servidor ESXi e na mesma VLAN para usar
o mesmo comutador virtual. Se comutadores virtuais separados forem usados e
conectados à NICs físicos separados, os roteamentos são conduzidos
separadamente através da viação e causarão um sobrecarregamento desnecessário
da rede e da CPU.
A não correspondência de Configurações de velocidade e duplex são problemas
comuns que podem causar problemas na rede. Para ESXi, o VMware recomenda
de autonegociação para ambos os dispositivos na extremidades de um link
com a rede. Também é aceitável definir ambas as terminações para ‘1000 MB/
full-duplex’ ou ‘ 100MB/full-duplex se requiridas pelo hardware da rede.

IMPORTANTE Se você conectar um dispositivo configurado manualmente a um dispositivo de


autonegociação (diferença de duplex), poderá ocorrer uma alta taxa de erros
de transmissão.

Sistemas VMware demandam um alto nível de desempenho da rede por natureza,


logo, métodos para reduzir pontos de menor desempenho devem ser explorados.
Um desses métodos é a cooperação de NIC, onde um único comutador virtual
pode ser conectado à múltiplos adaptadores físicos Ethernet. Uma equipe que é
definida desta maneira pode compartilhar a carga de tráfego e fornecer um meio
de failover.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 71


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

Existem diversas opções disponíveis para balanceamento de carga. O padrão é o


de “roteamento baseado no ID da porta de comutação virtual de origem”, onde o
tráfego de um dado adaptador Ethernet virtual é consistentemente enviado para
um adaptador físico (a não ser que haja alguma falha). Outra opção é permitir que
o comutador virtual estabeleça o equilíbrio entre múltiplos adaptadores físicos.
Isto é definido pela configuração da agregação do link EtherChannel na codifica-
ção Cisco e a configuração do balanceamento de carga é definida como ‘ faça o
roteamento com base na hash IP’ no comutador virtual.
Recomenda-se uma combinação entre o NIC Teaming e as definições de
balanceamento de carga Cisco Comutador para um melhor desempenho quando
se acessa o armazenamento em rede.

Pool de alocação de recurso

Máquinas virtuais de agrupamento de pools de recurso (VMs) para fornecer


alocação dinâmica de recursos de memória e de CPU. Pools de recurso também
contêm pools de Recurso filhas que permitem uma alocação de recurso mais
refinada.

A alocação do recurso é feita em uma base VM individual usando compartilha-


mentos, reservas, e limites. A configuração destes valores em cada VM é demo-
rada, pode ser passível de erro, e não aumenta de forma eficiente. Ajustar estes
valores em uma pool de recurso é muito mais eficiente, e os valores dinamica-
mente reajustados, como VMs e recursos de host, são automaticamente adiciona-
dos e removidos.

Geralmente, o hipervisor fornece excelente agendamento. E, se os hosts tiverem


recursos suficientes, você pode deixar as configurações padrão isoladas. Se você
deseja controlar as VMs que recebem mais prioridade ou recursos, é mais eficiente
e menos passível de erro alocar VMs em um nível de recurso de pool.

IMPORTANTE Em um sistema PlantPAx, certifique-se de que os servidores PASS e Historian


têm uma prioridade mais alta para um desempenho consistente.

72 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de infraestrutura Capítulo 5

Para cada recurso de pool, você configura compartilhamentos de memória e da


CPU, reservas expansíveis e limites, como mostrado na Figura 5.

Figura 5 – Configurando a alocação de pool dos recursos

Recomendamos que você construa três pools de recursos com a distribuição por
tipo de servidor mostrada em Tabela 29.
Tabela 29 – Alocação do pool de recurso do servidor
Nome do pool de Compartilha- Reserva de CPU Compartilha- Reserva de memória Servidor ou estação de
recurso mentos da mentos de trabalho
CPU memória
Alta Alta 50% da CPU Hz do host disponível Alta Mínimo conforme especificado para PASS
cada gabarito virtual OWS
AppServ-OWS
Normal Normal Zero (0) Normal Zero (0) EWS
AppServ-EWS
AppServ-Asset
AppServ-Batch
AppServ-Info
Baixa Baixa Zero (0) Baixa Zero (0) Controlador de domínio
Diretório FactoryTalk

Uma alocação de zero (0) significa que nenhum recurso fica bloqueado de ser
utilizado pelo algoritmo de alocação do recurso do hipervisor. As caixas
expansíveis e ilimitadas precisam ser verificadas.

Os compartilhamentos da unidade central de processamento ou a memória são


relativos a qualquer pool de recurso ou VMs. Compartilhamentos são usados
apenas durante períodos de contenção e são sempre vinculados primeiramente
através de quaisquer reservas ou limites. Em um sistema PlantPAx bem projetado,
estão disponíveis recursos suficientes para todas as VMs na pool de recursos, logo,
sugerimos que nunca se evoquem partilhas. Eles são construídos garantir que o
PASS e o Historian podem consistentemente fornecer dados no caso de
contenção.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 73


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

Exemplo de dimensionamento do recurso pool


Este exemplo mostra como alocar recursos com base nas especificações de sistema.

Sistema:
• 1 servidor com 2 CPUs quad-core (cada núcleo tem 2,0 GHz)
• 32 GB de RAM
• Servidor possui um total de 16 GHz de CPU para alocar à máquinas
virtuais

Sistema PlantPAx:
• 4 servidores PASS e 1AppServ-Hist – pool de alto recurso
• 1 AppServ-OWS, 1 estação de trabalho de engenharia,
e 1 AppServ-Asset – pool de recurso normal
• 1 FactoryTalk Directory e 1 controlador de domínio – pool de baixo
recurso

Seguindo as orientações acima, a pool de altos recursos obterá 50% da CPU


alocada, ou 8 GHz. Estes 8 GHz são ainda divididos em 5 partes de 20%,
automaticamente, para cada servidor em uma pool de recurso. Cada servidor
recebe aproximadamente 1,6 GHz (8 GHz/5 servidores) de alocação de CPU
mínima. O mínimo de memória para cada servidor usado em uma pool de alto
recurso é 4 GB. O mínimo de memória alocada é de 20 GB (4 GB x 5 servidores).

Os restante 8 GHz da CPU e 12 GB de RAM são usados pelo algoritmo


de alocação de recursos do hipervisor para serem usados quando necessário.
O recurso normal tem prioridade sobre a pool de baixo recurso, mas não há
um mínimo de alocação de recursos devido aos zeros usados pela CPU e pela
reserva de memória.

74 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de infraestrutura Capítulo 5

Recomendações para a otimização da VM

Considere estes recomendações quando configurar VMs com aplicações da


Rockwell Automation:
• VMware oferece opções para atribuir manualmente CPUs à VMs, o que é
conhecido por afinidade da CPU. Pode haver situações em que é necessário
este nível granular de controle, mas uma prática geral para definir a
afinidade entre a VM e a CPU é feita apenas quando necessário. Aceitar as
definições padrão geralmente resulta no melhor desempenho.
• Se for necessário utilizar um sistema operacional convidado de 32 bits
como VM em um servidor de 64 bits, selecione a virtualização da CPU/
MMU para usar o software para a instrução definida, e a virtualização da
unidade de gerenciamento de memória (MMU) para um melhor
desempenho.
• Várias opções estão disponíveis para controladores de unidade de disco
rígido quando há o provisionamento de uma VM Windows 2012.
Certifique-se de selecionar o controlador SCSI como LSILogic paralelo,
porque por norma o mesmo é LSILogic SAS. A unidade de disco rígido
ainda é manuseada virtualmente, mas o Paralelo é o ajuste de parâmetro
recomendado.
• Apesar de possível para VMs comunicarem-se umas com as outras por
meio do host usando camada de rede, isso adiciona sobrecarregamento na
comunicação. Uma melhor opção para VMs que devem se comunicar com
frequência é habilitar a interface de comunicação VM (VMCI) em cada
VM. A VMCI é recomendada para todos os VM dos elementos do sistema
PlantPAx. VMCI oferece uma rápida e eficiente comunicação entre VMs, e
pode aproximar-se de velocidades que são cinco vezes maiores do que uma
rede interna normal.
• Há uma opção para especificar uma política de provisionamento quando
uma VM ou um disco virtual é criado. A política de provisionamento pode
ser ‘espessa’ onde o espaço de disco necessário é inicialmente alocado, ou
pode ser ‘fina’ onde o espaço de disco começa pequeno e é alocado
conforme necessário. No entanto, para que uma VM seja compatível com
tolerância a falhas, é recomendado que a VM use o Eager Zero Thick
Provisioning.
• Migrar uma VM inicializada de um host para outro que contém uma
captura de imagem não é uma função suportada. Consulte Recomendações
de antivírus e de backup para mais informações sobre capturas de imagens.
• Habilite o recurso de aceleração de hardware nas configurações de exibição
gráfica avançadas para melhorar o movimento do mouse. Recomendamos
que você defina as opções de alimentação para um alto desempenho, com
nenhuma hibernação ou modo de espera.
• Serviços de criptografia, backup, desfragmentação são exemplos de
componentes que pode ser desabilitadas.
• VMware oferece um guia de optimização com uma lista abrangente de
serviços, juntamente com as recomendações sobre quais serviços
desabilitar. Este guia é chamado de guia de otimização de visualização
VMware.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 75


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

• Outro ponto fundamental é manter o VMware Tools atualizado dentro


de cada sistema operacional convidado. Quando migrar ou converter um
VM a partir de uma versão mais antiga de um servidor ESX, uma melhor
prática é remover as ferramentas antigas e instalar a versão mais recente.

Recomendações de antivírus e de backup

VMs em uma infraestrutura virtual compartilham um servidor. A unidade central


de processamento pode ser afetada adversamente as VMs estão programadas para
uma atualização de antivírus ao mesmo tempo.

Recomendamos que você alternadamente agende seus de back-ups de memória e


atualizações de antivírus para equilibrar a carga de modo que os recursos do host
não fiquem sobrecarregados.

Recomendações do sistema As recomendações a seguir se aplicam independentemente de você estar usando


um ambiente tradicional ou virtual e do tamanho ou da complexidade das
operacional operações do sistema.

Domínios e grupos de trabalho


Recomendamos que todos os servidores e estações de trabalho do sistema
PlantPAx sejam membros de um domínio Windows. No entanto, os grupos de
trabalho têm suporte para sistemas com 10 ou menos estações de trabalho e
servidores.

Configuração Detalhes
Grupo detrabalho – administração descentralizada Vantagens do grupo de trabalho:
(permitido para 10 computadores • Não é necessário um controlador de domínio (SO Windows Server) para comprar ou fazer a manutenção.
ou menos) • É recomendado somente para aplicações PlantPAx pequenas onde as contas de usuário não mudam
frequentemente
Regras de grupo de trabalho:
• Todos os elementos de sistema das estações de trabalho e do servidor em um sistema PlantPAx simples devem ser
membros do mesmo grupo de trabalho
• Todos os usuários que participam do grupo de trabalho devem ser membros do grupo de Administradores
• Crie o mesmo conjunto de contas de usuário e senhas em todos os computadores em uma aplicação
FactoryTalk View
Grupo de trabalho – administração centralizada Vantagens do domínio:
(recomendado) • Um lugar gerencia as configurações de usuários, grupos e segurança
• Recomendado para aplicações PlantPAx maiores ou para ambientes com mudanças constantes nas contas de
usuário
Regras de domínio:
• Todos os elementos de sistema das estações de trabalho e do servidor em um sistema PlantPAx simples devem ser
membros do mesmo domínio
• Os elementos do sistema do servidor PlantPAx não devem ser usados como controladores de domínio.
• Obrigatório para sistemas com mais de 10 computadores
• O controlador de domínio deve ser seu próprio computador independente sem outras aplicações de software.

76 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de infraestrutura Capítulo 5

Recomendações de domínio

Recomendamos que todos os servidores e estações de trabalho do sistema


PlantPAx sejam membros de um domínio. Siga estas recomendações adicionais:
• Os domínios do Windows Active Directory (AD) incluem o conceito de
“floresta”, que pode consistir em uma única “árvore de domínio” ou em
várias.

DICA Uma árvore de domínio pode consistir em um único domínio (pai) ou


em vários (filhos). A configuração de floresta, árvore e domínio simples
é recomendada. Em um diretório ativo do Windows 2012, domínios e
florestas têm níveis funcionais individuais.

• Recomendamos a configuração de, pelo menos, dois controladores de


domínio no domínio. Esses controladores de domínio replicam
automaticamente para fornecer alta disponibilidade e um backup de
configuração on-line. Se tiver um único controlador de domínio e o
mesmo ficar offline, seu sistema ficará offline.
• Os servidores de domínio também devem ser configurados para incluir
Domain Name Service (DNS), o qual permite identificar os dispositivos
por nome em vez de por endereços IP.
• Configure a sincronização de tempo ao longo de um domínio.

IMPORTANTE Não instale o controlador de domínio no Windows no servidor PASS PlantPAx


ou nos servidores do aplicativo. Para mais informações, consulte o Manual do
Usuário de Configuração de Infraestrutura do Sistema de Controle Distribuído
PlantPAx, publicação PROCES-UM001.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 77


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

Recomendações de grupo de trabalho do Windows

O sistema PlantPAx pode usar um ambiente de rede de grupo de trabalho do


Windows para sistemas com 10 computadores ou menos. No entanto, se você
estiver usando o sistema operacional Windows XP, é preciso desativar o
compartilhamento simples de arquivos e a troca rápida de usuário em cada
servidor e estação de trabalho PlantPAx no grupo de trabalho.

Complete estas etapas para desligar o compartilhamento de arquivos simples no


sistema operacional Windows XP.

1. Na área de trabalho ou no Windows Explorer, clique com o botão direito


em Meu Computador e escolha Explorar.
2. No menu Ferramentas, clique em Opções de pasta.

A caixa de diálogo Opções de pasta é exibida.


3. Em Configurações avançadas, clique na guia Exibir e desmarque a caixa de
seleção Usar compartilhamento simples de arquivo.

Complete estas etapas para desligar a mudança rápida de usuário no sistema


operacional Windows XP.

1. Abra o Painel de controle do Windows e clique duas vezes em Contas de


usuário.
2. Clique no link Alterar a maneira como os usuários fazem logon e logoff.
3. Desmarque a caixa de seleção Usar troca rápida de usuário.
4. Clique em Aplicar opções.

Para mais informações, consulte o apêndice no Manual do usuário da


Configuração de Infraestrutura do Sistema de Controle Distribuído PlantPax,
publicação PROCES-UM001.

Internet Information Server (IIS)

O servidor de informação de Internet (IIS) disponibiliza exibições gráficas e


outros componentes baseados em arquivos do servidor IMH no PASS para
estações de trabalho OWS e EWS, usando o Web-based Distributed Authoring
and Visioning (WebDAV). WebDAV é uma extensão para o protocolo HTTP
que facilita a edição e o gerenciamento de arquivos entre vários usuários e estações
de trabalho.

Além disso, quando as estações de trabalho do operador e de engenharia emitem


comandos do FactoryTalk View que devem ser executados no servidor de IHM,
estes comandos são enviados usando a plataforma IIS.

Consulte o Capítulo 2 do Manual de instalação do FactoryTalk View Site


Edition, publicação VIEWSE-IN003 para obter mais informações.

78 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de infraestrutura Capítulo 5

Sincronização de tempo do servidor e da estação de trabalho


A sincronia de tempo do sistema é importante para que os relógios internos nos
controladores, estações de trabalho e servidores usem como referência a mesma
hora para qualquer alarme ou evento ocorrido. Configure o PASS, App-servers,
estações de trabalho do operador e de engenharia para que usem um único
servidor (por exemplo, um controlador de domínio) como referência de tempo e
mantenham seus relógios firmemente sincronizados com ele.

Sincronização do tempo do computador

O serviço de hora do Windows usa o protocolo de horário de rede (NTP) para


sincronizar os relógios dos computadores na rede a partir do domínio do
controlador. Cada computador no sistema de processo utiliza o controlador de
domínio como fonte de hora autoritária e sincroniza o relógio com ele. Verifique
o registro do sistema do Visualizador de eventos de cada computador para
verificar se o tempo é atualizado corretamente.

Após configurar o controlador de domínio para a sincronização de tempo, é


possível usar a ferramenta de linha de comando do Windows w32tm para
identificar qualquer diferença de tempo entre um computador individual e o
controlador de domínio. Este comando mede a diferença de tempo.

w32tm /stripchart /computer:<target>[/period:<refresh>] [/dataonly]

Parâmetro Identifica
computador: <target> O computador em relação ao qual medir o offset.
periodo: <refresh> O tempo entre as amostras, em segundos. O padrão é 2 s.
dataonly Para exibir apenas os dados sem gráficos.

O comando w32tm/resync força manualmente um computador a sincronizar


seu relógio com o do controlador do domínio assim que possível, e reinicia as
estatísticas de erros.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 79


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

Otimização do sistema operacional

As seguintes recomendações aumentam o desempenho de seu sistema


operacional:
• Desative as atualizações automáticas do Windows para impedir problemas
de compatibilidade com os componentes PlantPAx existentes em suas
estações de trabalho.
Consulte Recomendações de manutenção para mais informações sobre
como aplicar patches da Microsoft em seu sistema PlantPax.
• Desabilite os temas do sistema operacional que proporcionam efeitos de
computador personalizados, tais como sons e ícones. Estes tipos de
elementos diminuem a velocidade do processador durante a execução de
alguns componentes gráficos do FactoryTalk View SE, tais como os
resumos de alarme.
• Desabilite ou desinstale todos os firewalls de terceiros em uma estação
de trabalho antes de instalar o software FactoryTalk View SE, que é
compatível apenas com o firewall do sistema operacional incorporado
no Windows.
• Remova a Configuração de segurança reforçada (ESC) de estações de
trabalho que executam o software FactoryTalk View SE. As configurações
de segurança do Windows 2012 protegem os servidores através da
limitação das vezes que um usuário pode navegar na internet a partir de
um computador, mas pode impedir os clientes FactoryTalk de se
conectarem aos servidores da aplicação.

80 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de infraestrutura Capítulo 5

Recomendações de rede A rede Ethernet disponibiliza a estrutura de comunicação para a rede de


supervisão das estações de trabalho, servidores e controladores:
• Configure todas as interfaces de comunicação para operarem na velocidade
mais rápida possível para a sua configuração de hardware, full-duplex para
adaptadores de rede 100/1000. Consulte ‘Importante' para as
configurações de autonegociação.

IMPORTANTE O uso de configurações de auto-negociação é recomendado para


reduzir a possibilidade de má configuração e falhas. No entanto, é
desejável para operar na velocidade mais rápida possível em full
duplex. Recomendamos verificar seus ajustes do comutador durante o
comissionamento para certificar-se de que o sistema foi capaz de
autonegociar corretamente. As configurações de velocidade e duplex
para os dispositivos na mesma rede Ethernet devem ser as mesmas,
para evitar erros de transmissão.

• Desabilite a economia de energia para a placa de interface de rede (NIC)


que conecta a estação de trabalho aos outros dispositivos na rede. O
recurso de economia de energia desliga a placa de rede quando ela não está
em uso, o que pode interferir com a produtividade da rede.
• Se vários protocolos DCOM são instalados e configurados em uma estação
de trabalho, para se certificar de que a comunicação DCOM funciona
corretamente, remova todos os outros protocolos exceto o TCP/IP.
• Use endereços IP estáticos.
Para os procedimentos, consulte o Manual do usuário da Configuração de
Infraestrutura do Sistema de Controle Distribuído PlantPAx publicação
PROCES-UM001.
• Considere o tipo de cabo de cordo com as condições ambientais.

Tipo Detalhes
Fibra óptica • Longas distâncias
• Próximo a altos campos magnéticos, como os processos de aquecimento
por indução
• Para ambientes extremos com alto ruído
• Para sistemas mal aterrados
• Para aplicações externas
Par trançado blindado • Use cabos e conectores da categoria 5e, 6 ou 6a
• Use a sequência de terminação 568A para aplicações industriais

Consulte estas publicações para obter informações adicionais:


• Para instruções de configuração passo a passo, consulte o Manual do
usuário da Configuração de Infraestrutura do Sistema de Controle
Distribuído PlantPAx, publicação PROCES-UM001.
• Para corrigir uma diferença de duplex, consulte a localização de falhas das
redes EtherNet/IP, publicação ENET-AT003.
• Para especificações de cabos de fibra e perdas de dB, consulte o Apêndice C
nas Instruções de Instalação dos Módulos Ethernet/IP, publicação ENET-
IN002.
• Manual de referência sobre considerações de design Ethernet, publicação
ENET-RM002, ou o Guia de Seleção PlantPAx, publicação PROCES-
SG001.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 81


Capítulo 5 Recomendações de infraestrutura

Comutadores Ethernet

A rede supervisora deve gerenciar os comutadores que direcionam mensagens


específicas a grupos multicast. Não use comutadores não gerenciados.
O comportamento de um comutador não gerenciado é o de alagar todas as
portas dentro da mesma VLAN com pacotes multicast.

O primeiro comutador que o equipamento da Rockwell Automation tocar deve


ter o rastreamento IGMP habilitado. A espionagem IGMP permite a alteração de
pacotes multicast de encaminhamento para portas que são apenas partes de um
grupo multicast em particular.

IMPORTANTE Todas as aplicações requerem configuração adequada para obter o melhor


desempenho do sistema. Se você não configurar o comutador gerenciado, é
possível que o desempenho do sistema seja adversamente afetado.
Recomendamos que você entre em contato com o seu administrador de
sistema caso haja dúvidas sobre a instalação e a configuração.

Selecione o comutador, dependendo da funcionalidade da rede.


Se Então
• Supervisora Comutadores da camada 3(1)
• Informações de roteamento para outras redes • Stratix 5410™
• Stratix 5400™
• Conexão de hardware de controle, sensores e estações de Comutadores da camada 2(1)
trabalho Stratix 5410
• Redes isoladas Stratix 5400
Stratix 5700™
Alta disponibilidade no nível de comutador Comutadores da camada 3(1)
• Stratix 5410
(1) Para cabos de uplink entre as camadas 2-3, recomenda-se a fibra para um melhor desempenho do sistema.

Informações adicionais sobre o comutador

Consulte os Dados técnicos das especificações do dispositivo Stratix Ethernet,


publicação 1783-TD001, para informações sobre estes componentes de
comutador:
• Roteador de serviços Stratix 5900 ™ (Camada 2/3)
• Ponto de acesso wireless Stratix 5100 ™/ponte de grupo de trabalho
(Camada 2)
• Derivações incorporadas no EtherNet/IP

Também suportamos o uso de comutadores da Cisco. Para ajudar a assegurar o


desempenho, recomendamos que todos os comutadores do sistema sejam Cisco
ou Stratix para uso comum de protocolos.

Os seguintes comutadores também são compatíveis com o sistema PlantPAx:


• Cisco Catalyst 3750x (Camada 3)
• Cisco Catalyst 3850 (Camada 3)
• Cisco Catalyst 4500x (Camada 3)
• Cisco Catalyst 2960G (Camada 2)

82 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 6

Recomendações de Integração de dispositivo


de campo

Dispositivos de campo modernos, como unidades e transmissores de fluxo, são


muitas vezes baseados em microprocessadores. Estes dispositivos inteligentes
fornecem dados digitais que são usados para o comissionamento, a manutenção, a
localização de falhas e, o que é mais importante, para o controle.

Dispositivos de campo inteligentes usam protocolos digitais de duas vias para a


comunicação. Opções de comunicação de dispositivos de campo comuns no
sistema PlantPAx® incluem redes EtherNet/IP, ControlNet, DeviceNet,
FOUNDATION Fieldbus, PROFIBUS PA ou o uso de HART.

Esta seção fornece as recomendações gerais para como configurar ferramentas


sobre as redes e protocolo HART, o tempo de ferramentas que ajudam a coletar
informações em tempo real e diagnósticos well-informed para tomar decisões de
negócios.

Além disso, muitos outros protocolos de redes e de E/S podem ser integrados no
sistema PlantPAx. Para mais informações sobre produtos da entidade externa
Encompass™, consulte http://www.rockwellautomation.com/encompass.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Opções de configuração do dispositivo 84
Recomendações de EtherNet/IP 84
Recomendações de ControlNet 86
Recomendações sobre o DeviceNet 87
Recomendações do HART 88
Recomendações do FOUNDATION Fieldbus 89
Recomendações PROFIBUS PA 91
Recomendações sobre controle de motores 93

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 83


Capítulo 6 Recomendações de Integração de dispositivo de campo

Opções de configuração Há muitas opções para a configuração dos dispositivos de campo, incluindo as
seguintes:
do dispositivo
• Dispositivos portáteis para redes ou protocolos de dispositivos de campo
selecionados
• Configurar manualmente alguns instrumentos usando a interface local
• Soluções para toda a empresa usando o FactoryTalk AssetCentre

Solução FactoryTalk AssetCentre for Enterprise

O software FactoryTalk AssetCentre pode ser usado como uma ferramenta


centralizada que permite gerenciar dispositivos de campo de vários fornecedores,
redes e protocolos a partir de uma plataforma comum. O software FactoryTalk
AssetCentre aproveita a tecnologia FDT, que padroniza a interface de
comunicação entre dispositivos de campo e sistemas host. Essa funcionalidade
permite que qualquer dispositivo seja acessado a partir do software FactoryTalk
AssetCentre, independentemente do método de comunicação.

A interface FDT também permite que o software FactoryTalk AssetCentre para


integrar diferentes tipos de dispositivos, incluindo ferramentas de diagnóstico
portáteis.

Para obter mais informações, consulte as seguintes publicações:


• Perfil do produto FactoryTalk AssetCentre, publicação FTALK-PP001
• Website do FDT em http://www.fdtgroup.org

Recomendações de O protocolo Ethernet/IP é uma plataforma multidisciplinar, de controle e de


informações para uso em ambientes industriais e em aplicações de tempo crítico.
EtherNet/IP A EtherNet/IP utiliza o padrão Ethernet e tecnologias TCP/IP e um protocolo
de camada de aplicação aberto chamado Common Industrial Protocol (CIP).

Um número crescente de dispositivos de campo, incluindo transmissores de fluxo


e comutadores, está disponível e oferece suporte a EtherNet/IP.
Tabela 29 – interfaces de EtherNet/IP
Categoria Produto Descrição
Interface de controlador ControlLogix® 1756-EN2T, 1756-EN2TR, 1756-EN2F Ponte EtherNet/IP ControlLogix.
1756-EN2F
1756-ENBT
1756-EN2TSC
1756-EWEB Mesmo que os 1756-ENBT, mas não suportam o controle de E/S Ethernet nem tags
produzidos/consumidos.
1788-EN2FFR EtherNet/IP para dispositivo de conexão FOUNDATION Fieldbus. Suporta redes
do H1 FOUNDATION Fieldbus. Compatível com a redundância do ControlLogix.
Funcionalidade incorporada para a Ethernet DLR.
1788-EN2PAR EtherNet/IP para dispositivo de conexão PROFIBUS PA. Suporta mídia PA.
Compatível com a redundância do ControlLogix. Funcionalidade incorporada para a
Ethernet DLR.

84 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de Integração de dispositivo de campo Capítulo 6

Opções de comunicação de E/S da EtherNet/IP

Siga estas orientações para as redes EtherNet/IP:

Rede
• Configure todas as interfaces de comunicação para operarem na velocidade
mais rápida possível para a sua configuração de hardware, full-duplex para
adaptadores de rede 100/1000. Consulte Informações importantes para as
configurações de autonegociação.

IMPORTANTE O uso de configurações de auto-negociação é recomendado para


reduzir a possibilidade de má configuração e falhas. No entanto, é
desejável para operar na velocidade mais rápida possível em full
duplex. Recomendamos verificar seus ajustes do comutador durante o
comissionamento para certificar-se de que o sistema foi capaz de
autonegociar corretamente. As configurações de velocidade e duplex
para os dispositivos na mesma rede Ethernet devem ser as mesmas,
para evitar erros de transmissão.

• Ao expandir árvore de configuração de E/S, certifique-se de que seu


módulo de E/S RPI é duas vezes mais rápido do que a tarefa periódica que
você está usando.
• Conforme você expande a árvore de configuração de E/S, os equipamentos
podem afetar a contagem CIP/TCP de forma diferente. Nunca use mais
que 80% do conexões disponíveis para os módulos ponte.
• Pacotes de E/S por segundo (pps) descrevem uma taxa de mensagem
implícita (Classe 1). Um valor de utilização de comunicação de E/S que se
aproxima ou é superior a 80% pode necessitar de um ajuste do RPI.
• IHM pacotes por segundo (pps) descreve uma taxa de mensagem explícita
(Classe 3). RSLinx ® conexões CIP e instruções de mensagem gerar tráfego.
Tráfego de IHM é baseado emTCP, não em UDP.
• A combinação de envio de mensagem implícito e explícito proporciona
uma utilização total para um equipamento. Se você adicionar mensagem
implícita (E/S), leva largura de banda a partir da IHM porque tem
prioridade mais alta do que o envio de mensagem de IHM. A combinação
de CIP implícito (prioridade mais alta) e CIP explícito (segundo
prioridade) não pode exceder 100% do uso.

Dispositivos
• Considere pacotes por segundo (consulte observações de rede) para
desempenho se você usar muitos dispositivos.
• Use codificação compatível com módulos de comunicação Ethernet. Em
um ambiente validado, você pode usar uma correspondência exata para
codificação.

Consulte a documentação listada em Recursos adicionais na página 10 para obter


mais informações.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 85


Capítulo 6 Recomendações de Integração de dispositivo de campo

Recomendações A rede ControlNet é uma rede aberta de controle que combina a funcionalidade
de uma rede de E/S e de uma rede peer-to-peer, proporcionando desempenho de
de ControlNet alta velocidade para ambas as funções.

Opções de comunicação da ControlNet de E/S

Em um sistema PlantPAx, a rede ControlNet suporta downlinks e conexões do


controlador para E/S remota e interfaces de dispositivo de campo. Esta rede não é
afetada quando os dispositivos são conectados ou desconectados da rede.

Tabela 30 – Interface de ControlNet


Categoria Produto Descrição
Interface de controlador ControlLogix 1756-CN2, 1756-CN2R Scanner ControlNet do ControlLogix.
1756-CNB, 1756-CNBR
1788-CN2FFR ControlNet para dispositivo de conexão do FOUNDATION Fieldbus. Suporta redes do
H1 FOUNDATION Fieldbus. Compatível com a redundância do ControlLogix e com
mídias redundantes de ControlNet.
1788-CN2PAR ControlNet para dispositivo de conexão do PROFIBUS PA. Suporta as mídias
redundantes do PROFIBUS PA e as mídias redundantes do ControlNet. Compatível
com a redundância do ControlLogix.

Siga estas orientações para as redes ControlNet:

Rede
• Ao configurar a rede ControlNet com o software RSNetWorx™ for
ControlNet, selecione Optimize e reescreva o agendamento para todas as
conexões.
Se forem feitas alterações à configuração da ControlNet, carregue a
configuração para ter certeza de que há um backup da mesma no projeto
Studio 5000 Logix Designer®.
• Um máximo de cinco controladores com uma conexão ao módulo
otimizada para o rack somente para escuta.
• Use um máximo de 64 módulos de E/S em uma rede ControlNet de E/S
remota não agendada.
• Use um máximo de 20 módulos de interface ControlNet por controlador.

Dispositivos
• Um nó da ControlNet pode transmitir 480 bytes de dados programáveis
em um único tempo de atualização de rede (NUT).
• Módulos de E/S na ControlNet pode ser não programáveis para permitir a
adição de E/S on-line.
• Não deixe qualquer nó ControlNet endereçado como 99 (este é o endereço
padrão em alguns novos dispositivos).

Consulte a documentação listada em Recursos adicionais na página 10 para obter


mais informações.

86 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de Integração de dispositivo de campo Capítulo 6

Recomendações sobre o A rede DeviceNet é uma rede aberta de nível de dispositivo que fornece conexões
entre dispositivos industriais simples (como sensores e atuadores) e dispositivos
DeviceNet de nível mais alto (como controladores CLP e computadores).

Opções de comunicação da DeviceNet

Em um sistema PlantPAx, a rede DeviceNet conecta dispositivos de controle em


rede.

Tabela 31 – Interface DeviceNet


Categoria Produto Descrição
Interface de controlador ControlLogix 1756-DNB Scanner DeviceNet do ControlLogix.

Siga estas orientações para as redes DeviceNet:


Rede
• Conecta até 48 dispositivos para a varredura quando uma média
quantidade de dados de entrada e saídas é usada.
• Use um máximo de 80% do scanner disponíveis de memória de entrada e
saída.
• Se você usar mais dados dos dispositivos de entrada e saída, recomendamos
que você reduza o número de dispositivos. Por exemplo, um dispositivo
CCM, como uma partida suave, com todos os dados disponíveis
habilitados, pode usar até 40 bytes para entrada e 40 bytes para saída.
Neste caso, o máximo dispositivos que recomendamos a conexão para o
scanner é 10.
• Para certificar-se de que a rede está dentro dos limites, calcule a quantidade
de memória de entrada e saída que o scanner necessidades.
• Recomendamos a desabilitação Auto de recuperação de endereço. Se
habilitada, em algumas situações como uma interrupção de alimentação,
dois dispositivos podem se auto-recuperar para o mesmo endereço.
• Armazenar os arquivos de EDS em um local comum; instalar em estações
de trabalho de engenharia.
Scanner
• Mantenha os módulos de comunicação DeviceNet no rack local. Se o
módulo de comunicação DeviceNet estiver em um rack remoto, defina as
dimensões de entrada e de saída para combinar com os dados configurados
no software RSNetWorx™ para DeviceNet.
• Nunca deixe que qualquer dispositivo defina o endereço padrão do nó
como 62 (reservado para o microcomputador) ou como 63 (reservado para
o novo dispositivo a ser configurado).
• Defina o endereço do scanner para o nó 0.
• Mantenha o atraso entre varreduras  em 5 ms.
• Defina o tempo de RPI do scanner DeviceNet para metade da taxa
de varredura no controlador DeviceNet, mas não defina um valor menor
que 2 ms.
• Use polling de fundo sempre que possível. Mantenha (relação de polling do
primeiro plano ao fundo) * (atraso entre varreduras) >75 ms.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 87


Capítulo 6 Recomendações de Integração de dispositivo de campo

Consulte a documentação listada em Recursos adicionais na página 10 para obter


mais informações.

Recomendações do HART O HART é um protocolo aberto projetado para fornecer dados digitais ao longo
de sinais analógicos de 4 a 20 mA.

Opções de comunicação HART


O sistema PlantPAx faz interface diretamente e através de módulos de E/S remota
para fornecer um ponto de terminação única para reunir as variáveis do processo
analógico e os dados digitais adicionais do HART .

Tabela 32 – Interface do HART


Categoria Cód. de Cat. Descrição
Módulos de E/S baseados em rack 1756-IF8IH, 1756-OF8IH Módulos de E/ S isoladas analógicos do ControlLogix. Estes módulos habilitam a
configuração básica por meio da árvore de E/S, fornecem o status e informações de
diagnóstico e fornecem configuração remota e localização de falhas.
MVI56-HART O módulo de interface de comunicação multiponto HART ProSoft Technology
do sistema ControlLogix para uso no FactoryTalk AssetCentre Process Device
Configuration ou outro sistema de gestão de ativos baseado na tecnologia FDT
(IEC-62453, ISA103).
Módulos de E/S distribuída 1734-sc-IF4H Controles de espectro, módulo de entrada analógica com HART para o sistema
POINT I/O™.
1769-sc-IF4IH, 1769-sc-OF4IH Controles de espectro, módulo de entrada e saída isoladas analógico com HART para
os módulos POINT I/O™.
1794-IE8H, 1794-OE8H Módulos de E/S analógicos FLEX™ e FLEX Ex™ com:
1794-IF8IH, 1794-OF8IH • Perfis padrão no Studio 5000 Logix Designer
1797-IE8H, 1797-OE8H, • DTMs
1794-IF81HNFXT
Multiplexadores/conversores de protocolo Adaptador sem fio do HART Pepperl+Fuchs(1), adaptador sem fio do HART.
Consulte o site da Encompass™ para ver as ofertas de produtos Pepperl+Fuchs.
Configuração de rede Dispositivo portátil Dispositivo portátil de diagnóstico e configuração, Endress+Hauser(1).
Consulte o site da Encompass™ para ver as ofertas de produtos Endress+Hauser.
(1) Para mais informações sobre produtos da entidade externa Encompass™, consulte http://www.rockwellautomation.com/encompass.

Siga estas orientações para a conectividade com uma placa de E/S HART:

Rede
• Para os cartões de 8 canais HART, habilitar dados HART somente nos
canais que estão conectados aos dispositivos HART e que se queira receber
dados HART. Habilitação de canais não utilizados reduz recursos e
desempenho do sistema.
• Para os cartões de 16 canais HART, não há diminuição no desempenho do
sistema com a permissão de todos os canais.

Dispositivos
• Se estiver usando os dados HART para o controle, verifique os bits de
qualidade de dados.
• Para controlar malhas rápidos, use somente a saída de 4 a 20 mA do
instrumento para o controle em vez dos dados HART estendidos.

88 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de Integração de dispositivo de campo Capítulo 6

Para obter mais informações, consulte os seguintes recursos:


• Manual do usuário de E + H instrumentos via HART para PlantPAx User,
publicação PROCES-UM002
• Documentação listada na Recursos adicionais na página 10

Recomendações do A Rede FOUNDATION fieldbus é um link de comunicação digital, de duas vias,


multiponto entre diversos dispositivos de campo inteligentes e sistemas de
FOUNDATION Fieldbus automação.

Opções de comunicação da FOUNDATION Fieldbus

Os sistemas PlantPAx se comunicam com dispositivos FOUNDATION Fieldbus


através de dispositivos de conexão Ethernet/IP e ControlNet.

Tabela 33 – Interface do FOUNDATION Fieldbus


Categoria Cód. de Cat. Descrição
Interface EtherNet/IP 1788-EN2FFR EtherNet/IP para dispositivo de conexão FOUNDATION Fieldbus. Suporta redes do H1
FOUNDATION Fieldbus. Compatível com a redundância do ControlLogix.
Funcionalidade incorporada para a Ethernet DLR.
Interface de ControlNet 1788-CN2FFR ControlNet para dispositivo de conexão do FOUNDATION Fieldbus. Suporta redes do
H1 FOUNDATION Fieldbus. Compatível com a redundância do ControlLogix e com
mídias redundantes de ControlNet.
Componentes de rede FOUNDATION Condicionamento de alimentação Ambos os dispositivos de conexão possuem um condicionamento de alimentação
Fieldbus incorporado.
1788-FBJB4R Caixa de junção inteligente suporta a redundância, inclui quatro portas de queda.
1788-FBJB6 Caixa de junção inteligente com seis portas de queda.
Componentes de rede Componentes Pepperl + Fuchs(1) FOUNDATION Fieldbus componentes, incluindo:
• Terminadores
• Proteção de segmento
• Produtos de alimentação
(1) Consulte para mais informações sobre produtos da entidade externa Encompass™, consulte http://www.rockwellautomation.com/encompass.

Siga estas orientações para as redes FOUNDATION Fieldbus:

Controladores simplex
• Recomendamos um máximo de 32 segmentos fieldbus.
• Use 8 a 12 dispositivos por segmento.
• Use somente por dois terminadores de segmento do barramento e a
distorção para evitar perda de sinal. Alguns dispositivos de link
incorporam terminadores mas geralmente os terminadores são colocados
no fim do tronco.

Controladores redundantes
• Recomendamos um máximo de 16 segmentos fieldbus.
• Use 8 a 12 dispositivos por segmento.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 89


Capítulo 6 Recomendações de Integração de dispositivo de campo

• Use somente por dois terminadores de segmento do barramento e a


distorção para evitar perda de sinal. Os terminadores são colocados no fim
do tronco.

IMPORTANTE Cada dispositivo de ligação, seja configurado com um controlador


redundante ou simplex, pode suportar um segmento H1.

Rede
• Para certificar-se de que a rede fieldbus está dentro dos limites, adicione
conexões de dispositivos de campo por segmento para estimar memória de
E/S do controlador.
• Aterre o cabo de rede somente para o lado de distribuição. Não conecte um
condutor com o dispositivo de ligação à terra para evitar perda de
comunicação.
• A quantidade de carga e a queda de tensão determinam comprimento
máximo do cabo. Por exemplo, quanto mais dispositivos de campo e caixas
de junção adicionados ao cabo, maior a carga, o que aumenta a atenuação
do sinal. Da mesma maneira, quanto maiores forem a carga e o cabo, maior
a queda de tensão.
• As especificações de tensão para o segmento H1 são entre 9 e 32 Vcc.
Recomendamos que você use uma fonte de alimentação de 24 Vcc 1A
Fieldbus Foundation e não se esqueça de manter a tensão acima dos 13 Vcc
na parte mais distante do segmento.
• A qualidade do sinal pode ser afetada adversamente ao se colocar o cabo
próximo de motores ou de cabos de alta tensão ou alta corrente.
• O tempo de atualização (macrociclo) para a rede H1 é determinado pela
largura de banda que cada dispositivo preenche. Estes dados são fornecidos
em arquivos DD do dispositivo.

Dispositivos
• O dispositivo de ligação direta é um link entre dispositivos de campo em
uma plataforma Logix e as redes EtherNet/IP ou ControlNet.
• Cada dispositivo de ligação no scanner usa quatro conexões CIP no
controlador.
• Condicionadores de alimentação incorporados reduzem os requisitos de
espaço de instalação e a proteção contra curto-circuito e circuito aberto
previne falhas de linha.
• O RSLogix 5000® adicional Profile (AOP) e a interface gráfica do usuário
fornecem para a configuração do dispositivo online. Novos dispositivos são
automaticamente mostrados na Live List.
• Os perfis adicionais (AOP), que incluem um osciloscópio integrado,
relatam dispositivos de conexão e estatísticas de rede, tais como níveis de
ruído e de sinal e terminação deficiente.
• Vários níveis de redundância de dispositivo e de mídia são suportados,
incluindo anel e de tronco duplo.

Consulte a documentação listada em Recursos adicionais na página 10 para obter


mais informações.

90 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de Integração de dispositivo de campo Capítulo 6

Recomendações A rede PROFIBUS PA conecta sistemas de automação e sistemas de controle de


processo com dispositivos de campo como transmissores de fluxo, pressão e
PROFIBUS PA temperatura.

Opções de comunicação PROFIBUS PA

Os sistemas PlantPAx se comunicam com dispositivos PROFIBUS PA através de


dispositivos de conexão Ethernet/IP e ControlNet.
Tabela 34 – Interface PROFIBUS PA
Categoria Cód. de Cat. Descrição
Interface PROFIBUS 1788-EN2PAR EtherNet/IP para dispositivo de conexão PROFIBUS PA. Suporta as mídias
redundantes do PROFIBUS PA e as mídias redundantes do ControlNet.
Compatível com a redundância do ControlLogix. Funcionalidade incorporada
para a Ethernet DLR.
1788-CN2PAR ControlNet para dispositivo de conexão do PROFIBUS PA. Suporta as mídias
redundantes do PROFIBUS PA e as mídias redundantes do ControlNet.
Compatível com a redundância do ControlLogix.
Componentes de rede PROFIBUS Condicionamento de alimentação Ambos os dispositivos de conexão possuem um condicionamento de alimentação
incorporado.
1788-FBJB4R Caixa de junção inteligente suporta a redundância, inclui quatro portas de queda.
1788-FBJB6 Caixa de junção inteligente com seis portas de queda.
Componentes de rede Os componentes Pepperl + Fuchs, PROFIBUS PA incluem:
• Terminadores
• Proteção de segmento
• Produtos de alimentação
Consulte o site da Encompass para ver as ofertas de produtos Pepperl+Fuchs.

Siga estas orientações para as redes PROFIBUS PA:

Controladores simplex
• Recomendamos um máximo de 32 PROFIBUS segmentos.
• Use 15 a 20 dispositivos por segmento.

Controladores redundantes
• Recomendamos um máximo de 16 segmentos PROFIBUS.
• O segmento PA PROFIBUS é dividido entre duas portas físicas. Usar até
10 dispositivos por porta.

Rede
• PROFIBUS PA é uma rede mestre-escravo.
• Para certificar-se de que o PROFIBUS rede está dentro dos limites, somar
seu segmento de conexões por dispositivo de campo para estimar memória
de E/S do controlador.
• Aterre o cabo de rede somente para o lado de distribuição. Não conecte um
condutor com o dispositivo de ligação à terra para evitar perda de
comunicação.
• A quantidade de carga e a queda de tensão determinam comprimento
máximo do cabo. Por exemplo, quanto mais dispositivos de campo e caixas
de junção adicionados ao cabo, maior a carga, o que aumenta a atenuação
do sinal. Da mesma maneira, quanto maiores forem a carga e o cabo, maior
a queda de tensão.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 91


Capítulo 6 Recomendações de Integração de dispositivo de campo

• As especificações de tensão para o segmento PROFIBUS PA são entre 9 e


32 Vcc. Recomendamos que você use uma fonte de alimentação de 24 Vcc
PA e não se esqueça de manter a tensão acima dos 13 Vcc na parte mais
distante do segmento.
• A qualidade do sinal pode ser afetada adversamente ao se colocar o cabo
próximo de motores ou de cabos de alta tensão ou alta corrente.

Dispositivos
• O dispositivo de ligação é um link direto entre os dispositivos PROFIBUS
PA e as redes EtherNet/IP ou ControlNet, com nenhuma camada
intermediária PROFIBUS DP (periféricos descentralizados) necessária.
• Cada dispositivo de ligação no scanner usa quatro conexões CIP no
controlador.
• Condicionadores de alimentação incorporados reduzem os requisitos de
espaço de instalação e a proteção contra curto-circuito e circuito aberto
previne falhas de linha.
• O RSLogix 5000 adicional Profile (AOP) e a interface gráfica do usuário
fornecem para a configuração do dispositivo online. Novos dispositivos são
automaticamente mostrados na Live List.
• Os perfis adicionais (AOP), que incluem um osciloscópio integrado,
relatam dispositivos de conexão e estatísticas de rede, tais como níveis de
ruído e de sinal e terminação deficiente.
• Vários níveis de redundância de dispositivo e de mídia são suportados,
incluindo anel e de tronco duplo.

Consulte a documentação listada em Recursos adicionais na página 10 para obter


mais informações.

92 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de Integração de dispositivo de campo Capítulo 6

Recomendações sobre A Rockwell Automation oferece dois centros de controle de motores de baixa
tensão (CCM) que integram o controle e a energia em uma localização
controle de motores centralizada. O CENTERLINE ® 2100 ou os CCMs CENTERLINE 2500
podem alojar starters, soft-starters e inversores para atender aos padrões IEC,
UL e NEMA.

Dispositivos
• Cada CCM dispositivo EtherNet/IP utiliza uma conexão TCP e CIP.
Usando o módulo 1756-EN2TR, o máximo de conexões suportadas são
256 conexões CIP e 128 conexões TCP.
• Seguintes as orientações do módulo 1756-EN2TR , nós podemos exceder
80% do máximo de conexões. Portanto, ele de não recomendado para usar
mais de 100 CCM dispositivos EtherNet/IP em um único 1756-EN2TR
módulo ponte.
Se for necessário usar mais de 100 CCM dispositivos de EtherNet/IP,
é recomendado que se adicione mais um módulo ponte 1756-EN2TR.
O módulo adicional divide a comunicação e ajuda equilibrar as cargas das
pontes.
• Não é recomendado usar mais de 150 dispositivos em um único
controlador Simplex. Considerando este limite, o esperado CPU carga for
quase em recomendado dos limites. Nessa situação, estamos usando apenas
componentes CCM EtherNet/IP com a Biblioteca de objetos de processo
da Rockwell Automation.
Mas, em uma aplicação típica, é necessário ter outros dispositivos e objetos
no mesmo controlador. Isso significa que há a possibilidade de que você
não pode atingir o máximo de 150 compomentes EtherNet/IP de CCM.
Depende sua aplicação específica. O PSE ajuda a determinar estes cargas.
• Outra consideração importante é usar um intervalo do pacote requisitado
(RPI) adequado para cada dispositivo. Recomendamos que o RPI é
half-speed da tarefa que está utilizando o dispositivo. O RPI padrão de
temporização, algumas vezes, pode usar demasiadamente os recursos de
comunicação.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 93


Capítulo 6 Recomendações de Integração de dispositivo de campo

Observações:

94 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 7

Gestão de lotes e recomendações de controle

A gestão e o controle de lote do PlantPAx® incluem duas opções para uma solução
expansível:
• Solução de unidade única ou em unidade independente múltipla baseada
em controlador, chamada Logix Batch and Sequence Manager (LBSM)
• FactoryTalk Batch para uma solução de lote abrangente
(FactoryTalk® Batch)

O LBSM é uma solução baseada em controlador que consiste no código do


controlador e em elementos de visualização para uso com os softwares Logix5000
e FactoryTalk View.

Consulte o guia de Seleção PlantPAx e a resposta na base de conhecimento com


ID 62366, em http://www.rockwellautomation.custhelp.com.

AppServ-Batch usa o software FactoryTalk Batch para uma solução abrangente,


baseada em servidor que aproveita a funcionalidade Logix (PhaseManager™).
Este capítulo fornece informações básicas de configuração para uma solução
abrangente de lote usando o software FactoryTalk Batch.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Atributos críticos do sistema do FactoryTalk Batch 96
Orientações de lote para Logix 96
Usar um sistema redundante com o servidor FactoryTalk Batch 97

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 95


Capítulo 7 Gestão de lotes e recomendações de controle

Atributos críticos do sistema Os seguintes atributos críticos de sistema (CSA) foram usados para verificar o
desempenho para o FactoryTalk Batch durante o processo de caracterização do
do FactoryTalk Batch sistema.

Tabela 35 – CSA do FactoryTalk Batch


Atributos críticos do sistema de batelada Desempenho
Em estado inativo – comando iniciar O momento entre o comando iniciar e a primeira varredura da rotina de execução não é maior do que 1 segundo.
Em estado de execução – comando de espera O momento a partir do comando de espera para a primeira varredura da rotina de espera não é maior do que 1 segundo.
Em estado de execução – comando parar O momento entre o comando parar e a primeira varredura da rotina de execução não é maior do que 1 segundo.
Em estado de execução – comando abortar O momento entre o comando abortar e a primeira varredura da rotina de aborto não é maior do que 1 segundo.
Em estado retido – comando reiniciar O momento entre o comando reiniciar e a primeira varredura de rotina de reiniciação não é maior do que 1 segundo.
Em estado retido – comando parar O momento entre o comando parar e a primeira varredura da rotina de execução não é maior do que 1 segundo.
Em estado retido – comando abortar O momento entre o comando abortar e a primeira varredura da rotina de aborto não é maior do que 1 segundo.
Transição de falha de fase O momento entre a iniciação da falha de fase e o estado retido não é maior do que 1 segundo.
Tempo de transição de fase O tempo para que uma fase seja concluída e outra fase inicie não é maior do que 1 segundo.

Orientações de lote As fases podem ser desenvolvidas usando o PhaseManager™ para proporcionar o
máximo de modularidade e reutilização.
para Logix
• Em cada fase, a rotina de execução pode acompanhar a etapa que está sendo
executada usando uma variável de índice de etapa (parte da estrutura
definida pelo usuário para fase do equipamento).
• Se você estiver usando lógica sequenciadora (SFC) para a programação
lógica do estado, a rotina de estado de reinício deve redefinir o SFC em
execução de volta à etapa da sequência específica, com base na etapa do
SFC que estava em execução quando a fase recebeu o comando Hold e a
quais ações a rotina do estado de espera levou com o equipamento
controlado.
• Uma rotina pré-estado é um estado que pode ser adicionado a cada fase e
que é sempre avaliado. A rotina pré-estado pode ser usada para manter ativa
ou habilitar a funcionalidade (por exemplo, uma fase que executa um
agitador que não para durante o estado retido, mas durante a qual o tempo
de execução do agitador em execução deve ser registrado).
• Para SFC, qualquer código condicional necessário para as transições (tal
como uma transição para a próxima etapa de um temporizador feito) pode
ser implementado por meio de tags de fase definidos separadamente em
oposição aos atributos do tag de etapa. Esta tarefa ajuda a impedir que erros
ao copiar o sequenciador lógico.
• Para obter mais informações, consulte estes recursos:
• Manual do usuário PhaseManager, publicação LOGIX-UM001.
– Instruções sobre como configurar e utilizar um controlador Logix5000™
com fases de equipamento.
• Guia do usuario do Factory Talk Batch PhaseManager, publicação
BATCH-UM011.
– Especificidades sobre o uso do PhaseManager com o software
FactoryTalk Batch.
• Dias sobre como usar o PhaseManager com o FactoryTalk Batch,
publicação FTALK-WP001.
– Relatório técnico com as melhores práticas para o PhaseManager.

96 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Gestão de lotes e recomendações de controle Capítulo 7

Usar um sistema Se as suas especificações de sistema incluem o lote que não vai manter uma troca
de controlador, você precisa usar um módulo de ponte ControlNet e um módulo
redundante com o servidor de ponte EtherNet/IP para se conectar ao servidor FactoryTalk Batch. Se é
FactoryTalk Batch aceitável que o lote mantenha as mudanças no controlador, você pode conectar ao
FactoryTalk Batch a partir de um módulo EtherNet/IP colocado em um rack
redundante.

Esta ilustração demonstra um método de se fazer a ponte entre a rede ControlNet


do sistema redundante e a rede EtherNet/IP em que o servidor FactoryTalk Batch
está em execução.

FactoryTalk Batch Server


Estação de trabalho ou IHM

Rede EtherNet/IP

Rack Primary ControlLogix® Rack secundário ControlLogix


Logix 556x Logix 556x Logix 556x Logix 556x

% , , 2 # % , , 2 #
.   - . .   - .
       
4 2 4 2

Cabo de fibra óptica

Módulo redundante ControlNet


% #
. .
 
4 2

Rede EtherNet/IP
Para a E/S remota 46286

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 97


Capítulo 7 Gestão de lotes e recomendações de controle

Observações:

98 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 8

Recomendações de gerenciamento
de informações

Servidores de aplicação Informações Management (AppServ-Info) são usados


para coleta de dados (tais como as do servidor FactoryTalk® Historian) ou suporte
de decisão (tais como um servidor FactoryTalk VantagePoint).

IMPORTANTE Recomendamos que você hospede os aplicativos FactoryTalk Historian e


FactoryTalk VantagePoint em servidores de gestão de informações separados.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Visão geral do FactoryTalk Historian 99
Dicas e melhores Práticas 100
Melhores Práticas de arquitetura 100
Visão geral do FactoryTalk Historian 100
Dicas e melhores Práticas 100

Visão geral do Esta seção fornece orientações para melhores práticas fundamentais para a
implementação do software FactoryTalk Historian Site Edition (SE) nos sistemas
FactoryTalk Historian PlantPAx®.

O produto FactoryTalk Historian SE é desenvolvido em cooperação com a


OSIsoft e, ao mesmo tempo em que compartilha muitos dos mesmos recursos e
funcionalidades disponíveis em seus produtos Plant Information (‘PI’), o
desenvolvimento, a documentação e o suporte do software FactoryTalk Historian
SE é propriedade da Rockwell Automation. Com isto em mente, referências ao
‘OSIsoft’ e ao ‘PI’ estão incluídos no produto e na documentação.

Em um sistema PlantPAx, o software FactoryTalk Historian SE, armazena, coleta


de dados e gerencia a fábrica no sistema PlantPAx. O software inclui estes
componentes de hardware e de software:

• Fontes de dados – Dispositivos no chão de fábrica e instrumentos que


gerem dados, tipicamente controladores. Outras de fontes de dados podem
incluir bases de dados externas.

• Historian SE Interfaces – Comprime e armazena os dados coletados e


atua como um servidor de dados para Microsoft Windows baseado em
aplicações do cliente. Também é possível usar o Historian SE Server para
interagir com os dados que estão armazenados em sistemas externos.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 99


Capítulo 8 Recomendações de gerenciamento de informações

• Historian SE Server – Comprime e armazena os dados coletados e atua


como um servidor de dados para Microsoft Windows baseado em
aplicações de clientes. Também é possível usar o Historian SE Server para
interagir com os dados que estão armazenados em sistemas externos.

• Historian SE Clients – Microsoft Windows baseado em aplicações que


são usadas pelo pessoal de fábrica para visualizar a Historian SE dados.

Dicas e melhores Práticas

Para acesso à coleção de dicas e melhores práticas, consulte a resposta da base de


conhecimento ID 56070 – dicas e melhores práticas de TOC do FactoryTalk
Historian SE em https://www.rockwellautomation.custhelp.com

Melhores Práticas de arquitetura

O seguinte sistema distribuído é representativo de como os componentes podem


ser configurados:
• AppServ-Info Historian: Historian SE Servidor
• Passar: Historian SE Interface, FTLD
• Relatório de AppServ-Info: Historian SE Client
• AppServ-OWS, OWS, EWS: Historian SE Client

Visão geral do Esta seção fornece orientações para o uso de melhores práticas fundamentais para
o software FactoryTalk VantagePoint em um sistema PlantPAx.
FactoryTalk Historian
FactoryTalk VantagePoint fornece Unified acesso a praticamente todas as
fontes de dados e da fábrica de produção e produz relatórios com base na web,
como painéis, tendências, imagens X-Y e Microsoft Excel software relatórios.
A ferramenta e os relatórios de alarme adicional do FactoryTalk VantagePoint
Trend fornecem análise avançada aos usuários do sistema PlantPAx.

Dicas e melhores Práticas

Para acesso à coleção de dicas e melhores práticas, consulte a resposta da base de


conhecimento ID 59149 – dicas e melhores práticas de TOC do FactoryTalk
VantagePoint EMI em https://www.rockwellautomation.custhelp.com.

100 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Capítulo 9

Recomendações de manutenção

Boa prática de manutenção mantém seu sistema PlantPAx ® operando de forma


eficiente. Este capítulo fornece algumas recomendações para a monitoração e a
manutenção de seu sistema PlantPAx.

A tabela a seguir descreve onde encontrar informações específicas.

Tópico Página
Manutenção do seu sistema 101
Serviços e suporte 103

Manutenção do seu sistema Ao instalar elementos do sistema PlantPAx, recomendamos o uso dos
sistemas operacionais, versões de software e revisões de firmware da
Rockwell Automation®, conforme especificados em página 18. O guia de
seleção especifica o desempenho ideal de acordo com os critérios de
dimensionamento.

Atualizações da Microsoft
A Microsoft lança uma série de atualizações de segurança, de sistemas opera-
cionais e de outros softwares. A Rockwell Automation qualifica determinadas
atualizações da MS que afetam potencialmente os produtos de software da
Rockwell Automation. Os resultados destas qualificações de caminho estão
publicados na resposta de ID 35530 na base de conhecimento em
http://www.rockwellautomation.custhelp.com.

Recomendamos que você não aplique ou instale atualizações da Microsoft


até que elas sejam qualificadas pela Rockwell Automation. Antes de implementar
atualizações MS qualificadas, recomendamos que você os verifique em um
sistema de não produção ou quando a instalação estiver inativa. Esta precaução
ajuda a certificar-se de que não há resultados inesperados ou efeitos colaterais.

É possível contatar o Suporte Técnico da Rockwell Automation se forem


necessários informações ou detalhes adicionais.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 101


Capítulo 9 Recomendações de manutenção

Software antivírus

É uma boa prática ter um software antivírus instalado nos servidores e estações de
trabalho PlantPAx. Consulte a resposta na base de conhecimento com ID 35330,
em http://www.rockwellautomation.custhelp.com para mais informações e
considerações sobre compatibilidade quando for instalar seu software antivírus.

Atualizações de software/firmware da Rockwell Automation

Recomendamos a análise e atualização periódica dos patches de software e


atualizações de firmware disponíveis para os componentes da Rockwell
Automation de seu sistema PlantPAx. Antes de implementar as atualizações da
Rockwell Automation, recomendamos que você verifique instalá-los em um
sistema de não produção ou quando a instalação não estiver ativa. Esta precaução
ajuda a certificar-se de que não há resultados inesperados ou efeitos colaterais.

Para o software da Rockwell Automation (ou seja, FactoryTalk View, Factory


Talk Batch, FactoryTalk Historian SE e FactoryTalk AssetCentre), a Rockwell
Automation fornece a ferramenta Patch Validator. Essa ferramenta verifica a
versão do arquivo instalada atualmente, a versão do arquivo esperada (com base
na versão do Patch Validator usado) e conclui a instalação do acumulador de
patch.

A ferramenta de validação de caminho está disponível para download


através da resposta de ID 30393 na base de conhecimento, em
http://www.rockwellautomation.custhelp.com.

Para firmware da Rockwell Automation, a Rockwell Automation fornece uma


ferramenta System Ferret que pode ser instalada na estação de trabalho de
engenharia para coletar os números de série do dispositivo e as revisões de todos
os dispositivos através do software RSLinx® Classic. O sistema Ferret está
disponível em ab.com como uma ferramenta de produtividade integrada
Architecture®; consulte http://www.ab.com/go/iatools.

Os dispositivos e firmware listados podem ser comparados com o mais recente


firmware compatível com sua revisão de firmware Logix, analisando a
compatibilidade do firmware. Também é possível fazer o download da versão de
firmware mais recente em http://www.rockwellautomation.com/support/
ControlFlash/.

Use o utilitário ControlFLASH™ através do aplicativo Studio 5000 Logix


Designer® para atualizar o firmware, conforme documentado no Manual do
Usuário do Kit de Atualização do Firmware ControlFLASH Firmware Upgrade
Kit, publicação 1756-UM105.

102 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Recomendações de manutenção Capítulo 9

Considerações ao atualizar o software e o firmware

Ao instalar o novo sistema PlantPAx, recomendamos que você use as


especificações do Guia de Seleção PlantPAx, publicação PROCES-SG001.

Ao atualizar as versões de software ou as revisões de firmware, recomendamos que


você verifique o impacto no desempenho e na utilização de memória antes de
implementar o upgrade no sistema de produção. Para as plataformas FactoryTalk
View ou ControlLogix®, recomendamos que você reveja as notas de lançamento e
verifique o impacto da atualização no desempenho e na utilização de memória.

Também é possível verificar a compatibilidade da versão atualizada com outros


softwares e sistemas operacionais em uso no seu sistema PlantPAx. Consulte a
compatibilidade do produto no Centro de Download em
www.rockwellautomation.com.

Outra ferramenta (http://www.rockwellautomation.com/compatibility/#/


scenarios) permite comparar recursos e compatibilidades de diferentes produtos e
revisões de firmware. É possível contatar o Suporte Técnico da Rockwell
Automation para obter ajuda.

Serviços e suporte O suporte ao sistema oferece assistência técnica personalizada para os sistemas de
automação de processo. Algumas dos recursos incluem o seguinte:
• Equipe altamente experiente de engenheiros com treinamento e
experiência em sistemas
• Suporte a processos em nível de sistemas fornecido pelos engenheiros de
processo
• Solicitações de suporte on-line ilimitadas
• Uso de ferramentas de diagnóstico remoto on-line
• Acesso a conteúdos de outro modo restritos da base de conhecimento
TechConnect
• Opção de upgrade de cobertura para o suporte por telefone 24 horas,
durante os sete dias da semana, 365 dias por ano.

Para obter mais informações, entre em contato com seu


distribuidor local ou representante Rockwell Automation,
ou visite http://www.rockwellautomation.com/support.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 103


Capítulo 9 Recomendações de manutenção

Observações:

104 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Apêndice A

Verifique e monitore a integridade do


seu sistema

A Rockwell Automation oferece orientação para verificar se o seu projeto de


sistema PlantPAx resulta em desempenho otimizado e funcionalidade. Consulte a
resposta de ID 771236 em http://rockwellautomation.custhelp.com.

Além disso, alguns atributos do sistema podem ser monitorados para determinar
a integridade do sistema PlantPAx. Tabela 36 proporciona algumas das
recomendações.
Tabela 36 – Recomendações de monitoração do sistema PlantPAx
Atributo de sistema Como monitorar Descrição
Status do Servidor de IHM FactoryTalk® View No FactoryTalk View Studio, na janela Explorer, clique com Certifique-se de que o status do servidor primário está
o botão direito no ícone do servidor de IHM e escolha ativo. As alterações feitas usando o software FactoryTalk
Server Status. Também é possível criar uma tela de View Studio sempre ocorrem no servidor “ativo”. Se o
monitoração do servidor conforme descrito na resposta computador do servidor de IHM primário está ou esteve
de ID 44624 da base de conhecimento, em desligado, então o secundário poderá ser o servidor ativo.
http://rockwellautomation.custhelp.com. Você não quer que as edições de seu projeto de servidor de
IHM ocorram no computador do servidor de IHM
secundário, porque a operação de replicação funciona
apenas em uma direção, do servidor de IHM primário para
o servidor de IHM secundário. Se você acidentalmente fizer
sua edição no projeto de IHM secundário, ao replicar o
projeto do servidor de IHM primário, ele substituirá o
projeto de servidor de IHM secundário e toda a edição feita
será substituída e perdida.
Registros de eventos do Windows Visualizador de eventos (Ferramentas administrativas do Procure os seguintes registros para encontrar erros ou
Windows) avisos:
• Registro de eventos da aplicação
• Registro de eventos de segurança
• Registro de eventos do sistema
FactoryTalk Diagnostics Visualizador de evento (ferramentas de administração do Procure para encontrar erros ou avisos.
Windows)
ou
visualizador de diagnóstico de ferramentas FactoryTalk
Utilização da CPU do servidor e da estação de trabalho Ferramenta de administração do Windows PerfMon Recomenda-se que a utilização da CPU para o PASS,
(Monitor de desempenho) App-Servers e computadores OWS esteja em 40% ou
Consulte a resposta de ID 31196 na base de conhecimento, menos durante a operação em regime permanente.
em http://rockwellautomation.custhelp.com.
No PerfMon, a utilização de CPU é encontrada em
\\<Computer Name>\Processor_Total\% Processor Time

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 105


Apêndice A Verifique e monitore a integridade do seu sistema

Tabela 36 – Recomendações de monitoração do sistema PlantPAx


Atributo de sistema Como monitorar Descrição
Utilização do arquivo de paginação do servidor Ferramenta de administração do Windows PerfMon A utilização do arquivo de paginação pode ser encontrada
(Monitor de desempenho) na ferramenta Monitor de desempenho da Microsoft, mas
Consulte a resposta de ID 31196 na base de conhecimento, fazendo a monitoração de:
em http://rockwellautomation.custhelp.com. \\<ComputerName>\Paging File(\??\C:\pagefile.sys)\%
Usage
Serviços de Alerta e Messenger do Windows
Consulte a resposta de ID 64958 na base de conhecimento, A paginação é o processo de localização de uma página de
em http://rockwellautomation.custhelp.com. dados na memória física que não está sendo atualmente
usada e transferi-la para a memória virtual, de modo a
liberar memória para tarefas ativas de processamento. Este
processo de mover páginas de dados, no entanto, entre a
memória e a memória virtual pode diminuir a velocidade
de um sistema. Gere um alerta se a utilização da
paginação for superior a 90 por cento.

Consulte Utilização da verificação de paginação na


página 107 para obter detalhes.
Uso da CPU do controlador L_CPU É necessário tempo livre na CPU para que se possa
ou manipular a comunicação, condições anormais e outras
Propriedades do controlador do Studio 5000 ® cargas transientes.
• Fora do ambiente de produção (antes de se conectar
ou aos clientes FactoryTalk View e Historian),
Monitor de tarefa do Studio 5000 recomendamos 50% de tempo livre de CPU.
• Quando estiver em ambiente de produção (enquanto o
FactoryTalk View e o Historian estiverem conectados),
recomendamos 15% de tempo livre de CPU para a
manipulação de edições on-line e da conexão.
Use somente tarefas periódicas.
Utilização da memória do controlador L_CPU Para controladores simplex, siga estas orientações:
ou • Fora do ambiente de produção (antes de se conectar a
FactoryTalk View predefinido clientes FactoryTalk View e Historian), recomendamos
50% de memória livre para dar suporte à comunicação
ou e à manipulação de condições anormais.
Controlador Studio 5000 • Quando estiver em ambiente de produção (enquanto o
FactoryTalk View e o Historian estiverem conectados),
recomendamos 30% de memória livre para dar suporte
à manipulação de condições anormais.
Mantenha acima de 50% de memória livre disponível a
qualquer momento para os controladores redundantes.
Tarefas do usuário do controlador (última varredura, L_TaskMon ou janela de propriedades de tarefa do Certifique-se que você não está tendo sobreposição de
varredura máxima, sobreposição) Studio 5000 tarefas verificando se a contagem de sobreposição de
tarefas é 0. A sobreposição de tarefas indica que o
controlador pode estar sobrecarregado e não estar
executando conforme o esperado.
Falhas secundárias do controlador Janela de propriedades do controlador do Studio 5000 Certifique-se de que você não está tendo qualquer tipo de
falha de advertência. Falhas secundárias podem diminuir o
tempo de execução de seu controlador ou podem indicar
algum outro problema com a sua lógica de usuário.
Pacotes por segundo L_CPU ou tags predefinidos RSLinx® Enterprise Certifique-se que os pacotes por segundo são menos de
300 no controlador 1756-L7x e menos de 200 no
controlador 1756-L6x . Se você tiver mais de um tópico de
servidor de dados apontando para o controlador, você terá
que adicionar os pacotes por segundo para cada tópico
para obter um total.

106 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Verifique e monitore a integridade do seu sistema Apêndice A

Utilização da verificação de paginação

A memória virtual é a utilização do espaço no disco rígido para suplementar a


quantidade de memória física (RAM) que está disponível para o computador.
O Windows não pode processar dados diretamente da memória virtual. Se o
Windows precisa processar dados que estão na memória virtual, ele deve mover a
página que contém os dados necessários de memória virtual para a memória física.
Este processo é chamado de paginação.

O Windows deve usar ciclos de CPU e até mesmo uma parte da RAM apenas
para gerenciar o processo de paginação. Além disso, o tempo de acesso do disco
rígido é medido em milissegundos, em oposição aos tempos de acesso da RAM,
que são medidos em nanossegundos. Portanto, o processo de paginação pode
desperdiçar muito dos recursos do servidor para mover páginas de dados entre a
memória e memória virtual.

Thrashing é um termo para a paginação quase constante. Se o disco rígido está


sendo executado constantemente, sem resultados visíveis e com um tempo de
resposta muito lento, o sistema está em thrashing. O percentual de uso da
paginação pode ser usado para chamar sua atenção para essa condição.

O percentual de uso de paginação adequado pode depender da memória virtual


definida no servidor. É melhor avaliar inicialmente o desempenho do arquivo de
paginação e definir limites de alerta quando o desempenho desvie
significativamente desta avaliação. Por exemplo, gerar alerta se a utilização de
paginação for >90%.

Recursos adicionais de monitoração

A ferramenta Counter Monitor é instalada com a plataforma de serviços do


FactoryTalk (FTSP) no PASS. Está no inversor onde a FTSP é instalada, em
Program Files/ comum Files/Rockwell/countermonitor.exe.

O Counter Monitor fornece a capacidade de monitorar os valores de tempo de


execução de contadores e grupos que são disponibilizados pelos clientes de rede
para fins de diagnóstico. Também é possível usar a ferramenta Counter Monitor
para fazer um instantâneo do status atual e enviá-lo ao Suporte Técnico da
Rockwell Automation.

A Rockwell Automation também fornece ferramentas para coletar arquivos de


registro para o envio ao suporte técnico.

O programa Rockwell Software® Data Client pode navegar no FactoryTalk


Directory para ver todos os tags neste diretório. Ele também pode obter dados em
tempo real de qualquer tag. O programa Rockwell Software® Data Client não
carrega a aplicação automaticamente. Antes de usá-lo, é preciso se certificar de
que a aplicação está aberta, abrindo a mesma a partir de qualquer computador
com RSView® Studio ou executando um RSView SE Client™.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 107


Apêndice A Verifique e monitore a integridade do seu sistema

Observações:

108 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Apêndice B

Componentes de software dos elementos


do sistema

A Tabela 37 mostra o software típico para os componentes do elemento do


sistema que compõem seu sistema PlantPAx.
Tabela 37 – Especificações de software e do sistema
Elemento Categoria Descrição
Servidor do sistema de Sistema operacional Windows Server 2012 R2 Padrão
automação de processo
(PASS) Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software da plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
– Software RSLinx Enterprise, versão 5.74.00
• Software FactoryTalk View Site Edition, versão 8.10.00
• Software FactoryTalk Alarm and Event, versão 2.74.00
• Software FactoryTalk Historian SE 4.00.01 Live Data Interface Suite
Software adicional de terceiros Software antivírus
Estação de trabalho de Sistema operacional Microsoft Windows 8.1
engenharia (EWS)
Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software da Plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software RSLinx Enterprise, versão 5.74.00
– Software RSLinx Classic, versão 3.74.00
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
• Software FactoryTalk View Studio, versão 8.10.00
• Software FactoryTalk Alarm and Event, versão 2.74.00
• Aplicação Studio5000 Logix Designer, versões 24.01
– Aplicação Studio5000 Architect, versão 1.01
• Software RSLogix 5000 ® Professional, versões 20.01, 19.01, 18.02
• RSNetWorx
– Software RSNetWorx EtherNet/IP, versão 24.01
– Software RSNetWorx ControlNet, versão 24.01
– Software RSNetWorx DeviceNet, versão 24.01
• FactoryTalk AssetCentre
– Software FactoryTalk AssetCentre Client, versão 6.10.00
• Coleta de DTM Rockwell Automation
• Software de gerenciamento de ferramentas FactoryTalk Historian SE 4.00.01
Software adicional de terceiros • Software de estação de controle LOOP-PRO TUNER, versão 1,9
• Software antivírus
Estação de trabalho do Sistema operacional Microsoft Windows 8.1
operador (OWS)
Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software da plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software RSLinx Enterprise, versão 5.74.00
– Software RSLinx Classic, versão 3.74.00
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
• Software FactoryTalk View Site Edition Client, versão 8.10.00
• Software FactoryTalk Alarm and Event, versão 2.74.00
• Software FactoryTalk AssetCentre Client, versão 6.10.00
Software adicional de terceiros Software antivírus
Controlador de Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Padrão
domínio de automação
de processos (PADC) Software adicional de terceiros Software antivírus

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 109


Apêndice B Componentes de software dos elementos do sistema

Tabela 37 – Especificações de software e do sistema


Elemento Categoria Descrição
OWS do servidor de Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Padrão
aplicação
(AppServ-OWS) Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software da plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software RSLinx Enterprise, versão 5.74.00
– Software RSLinx Classic, versão 3.74.00
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
• Software FactoryTalk View Site Edition Client, versão 8.10.00
• Software FactoryTalk Alarm and Event, versão 2.74.00
• Software FactoryTalk AssetCentre Client, versão 6.10.00
Software adicional de terceiros Software antivírus
Estação de trabalho de Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Padrão
engenharia do servidor
de aplicação Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
(AppServ-EWS) – Software da plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software RSLinx Enterprise, versão 5.74.00
– Software RSLinx Classic, versão 3.74.00
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
• Software FactoryTalk View Studio, versão 8.10.00
• Software FactoryTalk Alarm and Event, versão 2.74.00
• Software FactoryTalk AssetCentre Client, versão 6.10.00
• Aplicação Studio5000 Logix Designer, versões 24.01
– Aplicação Studio5000 Architect, versão 1.00
• Software RSLogix5000 Professional, versões 20.01, 19.01, 18.02
• RSNetWorx
– Software RSNetWorx EtherNet/IP, versão 24.01
– Software RSNetWorx ControlNet, versão 24.01
– Software RSNetWorx DeviceNet, versão 24.01
• FactoryTalk AssetCentre
– Software FactoryTalk AssetCentre Agent, versão 6.10.00
– Software FactoryTalk AssetCentre Client, versão 6.10.00
• Coleta de DTM Rockwell Automation
• Software de gerenciamento de ferramentas FactoryTalk Historian SE 4.00.01
Software adicional de terceiros • Software de estação de controle LOOP-PRO TUNER, versão 1,9
• Software antivírus
Aplicação Server Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Standard
Historian
(AppServ-Info Hist) Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software da plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software FactoryTalk Diagnostics, versão 2.80.00
• Software de gerenciamento de ferramentas FactoryTalk Historian Site Edition 4.00.01
• Base de conhecimento Microsoft Patch ID2975719-x64
Software adicional de terceiros Software antivírus
Aplicação Server Asset Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Standard
Management
(AppServ-Asset) Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software da plataforma FactoryTalk Services, versão 2.80.00
– Software RSLinx Enterprise, versão 5.74.00
– Software RSLinx Classic, versão 3.74.00
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
• Software FactoryTalk Alarm and Event, versão 2.74.00
• FactoryTalk AssetCentre
– Software do servidor FactoryTalk AssetCentre, versão 6.10.00
– Software FactoryTalk AssetCentre Client, versão 6.10.00
• Coleta de DTM Rockwell Automation
• Microsoft SQL Server 2012 SP1 Express
Software adicional de terceiros Software antivírus
Aplicação Server Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Standard
Information SQL
(AppServ-Info-SQL) Software Microsoft • Microsoft SQL Server 2012 SP1 Standard
• Microsoft SQL Server Management Studio
Software adicional de terceiros Software antivírus

110 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Componentes de software dos elementos do sistema Apêndice B

Tabela 37 – Especificações de software e do sistema


Elemento Categoria Descrição
Aplicação Server Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Standard
Information
VantagePoint Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
(AppServ-Info- – Software FactoryTalk Services Platform, versão 2.74.00
VantagePoint) – Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
• Software FactoryTalk VantagePoint, versão 7.00.00
Software adicional de terceiros Software antivírus
Aplicação Server Batch Sistema operacional Microsoft Windows Server 2012 R2 Standard
Management
(AppServ-Batch) Software Rockwell Automation • Plataforma FactoryTalk Services
– Software FactoryTalk Activation Manager, versão 3.62.11
– Plataforma FactoryTalk Services, versão 2.74
– Software RSLinx Classic, versão 3.74.00
• Software FactoryTalk Batch, versão 12.01
• Software FactoryTalk eProcedure, versão 12.01
Software adicional de terceiros Software antivírus

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 111


Apêndice B Componentes de software dos elementos do sistema

Observações:

112 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Glossário

Os termos e abreviações a seguir são usados por todo este manual. Para
definições de termos não listados aqui, consulte o Glossário de automação
industrial Allen-Bradley, publicação AG-7.1.

alarme Um meio visível ou audível de indicar ao operador falhas dos equipamentos,


desvios de processo ou condição anormal que exija uma resposta.

arquitetura Uma arquitetura é uma representação de um sistema de software e controle, bem


como do processo e da disciplina para a implementação efetiva de projetos para
tal sistema. Uma arquitetura transmite o conteúdo de informações dos elementos
relacionados que compõem um sistema, as relações entre estes elementos e as
regras que regem essas relações.

atributo crítico de sistema (CSA) Um atributo crítico de sistema (CSA) é um recurso voltado ao consumidor que
define ou identifica se o desempenho do sistema está conforme o esperado. Os
CSAs são indicadores específicos e visíveis do desempenho geral e da usabilidade
do sistema.

Os CSAs têm parâmetros específicos que devem ser mantidos e que definem
os requisitos operacionais básicos para o sistema. Estes parâmetros determinam
a aprovação ou a reprovação (acompanhamento) de um teste do sistema. Por
exemplo, tempo de preenchimento de tela <2 segundos e atualização de tela
<1 segundo.

Há muitos outros atributos associados a elementos do sistema, tais como o


carregamento do controlador e do computador e as definições de rede que devem
ser configuradas corretamente para manter os CSAs do sistema.

atributo de sistema Um atributo de sistema é uma funcionalidade operacional que pode ser
manipulada ou medida e que é usada para estabelecer os limites operacionais ou a
capacidade do sistema. Por exemplo, a memória estação de trabalho, o número de
parâmetros em uma tela e o número de malhas de controle. Um atributo de
sistema pode ser independente ou dependente.

caracterização Uma caracterização é a operação e a coleta de dados de desempenho para


um sistema de processo representativo de forma a determinar a expansibilidade,
a estabilidade e a usabilidade de uma configuração de sistema específica.
A caracterização consiste no seguinte:
• Tem o objetivo de definir um sistema completo
• É usada para determinar se o sistema tem seu desempenho em um nível
especificado
• É usada para identificar problemas de usabilidade
• É usada para verificar e criar regras, relacionamentos, limites e
recomendações para os elementos do sistema

cliente Um cliente é o hardware (microcomputador) e o software que fornece uma


interface com um link para a aplicação do servidor do sistema. Na arquitetura
Rockwell Automation®, um cliente é um computador carregado com software de
tempo de execução.

dados históricos Dados históricos são dados usados para a análise em longo prazo de operações
passadas.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 113


Glossário

elemento do sistema Um elemento de sistema é uma entidade distinta do sistema composta de uma
combinação de produtos de hardware e software que dão suporte a uma função
ou papel do sistema identificável. Um elemento do sistema pode ser manipulado
para alterar a operação ou a capacidade do sistema. Por exemplo, a estação de
trabalho de engenharia (EWS), a estação de trabalho do operador (OWS), o
servidor do sistema de automação de processo (PASS) e o controlador.

estação de trabalho de engenharia A estação de trabalho de engenharia (EWS) fornece funções de configuração,
(EWS) desenvolvimento e manutenção de sistemas para o sistema PlantPAx. A estação de
trabalho de engenharia contém software de desenvolvimento, incluindo os
softwares FactoryTalk View SE Studio e Studio 5000 Logix Designer.

estação de trabalho do operador A estação de trabalho do operador (OWS) fornece a visualização gráfica e a
(OWS) interface ao processo. A estação de trabalho é um cliente do PASS ou da IHM do
AppServ.

estação de trabalho A estação de trabalho é um software de desenvolvimento de execução


computacional, de configuração e de manutenção opcional. Uma estação de
trabalho não é um servidor.

estratégia de controle Uma estratégia de controle é uma dimensão de sistema para mostrar a
complexidade do seguinte:
• Servidores de dados
• Armazenamento de informações
• Interface do operador (gráficos, faceplates)
• Código de controle (sequência, procedimento, fases)
• E/S

As estratégias de controle são usadas para determinar um conjunto abrangente de


dimensões de sistema de processo que estabelece uma carga de sistema
representativa que pode ser medida de forma a identificar limites e limitações
(regras de implementação) de um sistema de processo.

evento de alarme Uma notificação por push do objeto de alarme para o assinante do alarme,
indicando uma mudança no estado do alarme.

FactoryTalk Services Platform A FactoryTalk Services Platform (FTSP) é uma arquitetura orientada ao serviço
(consulte SOA) que fornece valor através de produtos habilitados para o
FactoryTalk. Essa plataforma reduz a curva de aprendizagem do cliente e o tempo
de engenharia de projeto através da comunalidade e da reutilização. Por exemplo,
ativação, FactoryTalk Directory, segurança, diagnóstico, auditoria, dados em
tempo real, alarmes e eventos.

gestão de alarmes Os processos e as práticas para a determinação, documentação, criação, operação,


monitoração e manutenção de sistemas de alarme.

historian Um historian é um sistema de coleta de dados com os seguintes componentes:


Coleta, armazenamento, compressão, recuperação, relatórios, e análise. As
funções do Historian incluem amostragem crua, compressão, armazenamento,
recuperação, reconstituição, análise, resumo e apresentação (de relatórios e telas).

114 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Glossário

infraestrutura do sistema A infraestrutura do sistema é o hardware e o software prontos para uso necessários
para habilitar os elementos do sistema a trabalharem em conjunto como um
sistema. Por exemplo, os comutadores de rede, computadores e assim por diante.

instruções adicionais Instruções adicionais são objetos de código reutilizáveis que contêm lógica
encapsulada que pode agilizar a implementação do seu sistema. Os objetos
permitem a criação de seu próprio conjunto de instruções para a lógica de
programação como um suplemento para o conjunto de instruções fornecido de
forma nativa no firmware ControlLogix® . Uma instrução adicional é definida
uma vez em cada projeto do controlador e pode ser instanciada várias vezes no
código da aplicação, conforme necessário.

Integrated Architecture Integrated Architecture (IA) é o nome que identifica um grupo de produtos da
(Arquitetura Integrada – IA) Rockwell Automation que usa as tecnologias de habilitação de núcleo da
Rockwell Automation. O sistema PlantPAx® é um conjunto definido de produtos
de IA, configurados de uma forma prescrita para proporcionar um desempenho
ideal como um sistema de controle distribuído.

objeto de alarme O elemento do sistema de alarme que possui o alarme. Ele é responsável pela
identificação de um alarme, gestão de estado e geração de um evento de alarme.

objeto de exibição Um objeto de exibição é um grupo funcional de elementos de exibição com


animações.

objeto global Um objeto criado uma vez e que pode receber referências diversas vezes em
diversas telas de uma aplicação.

prioridade do alarme Um atributo do evento In-Alarm que lhe informa da saliência do evento.

servidor de aplicação A aplicação de servidor (AppServ) é um servidor além do servidor do sistema de


automação de processo (PASS) que é tipicamente um cliente FactoryTalk
Directory® do PASS. Temos como exemplo o AppServ-Batch para uma aplicação
FactoryTalk Batch ou AppServ-History para uma aplicação Historian.

servidor do sistema de automação de O servidor do sistema de automação de processo (PASS) é o servidor do sistema
processo (PASS) PlantPAx principal, que permite a administração central através do sistema
PlantPAx. O PASS é um componente necessário.

servidor do sistema Um servidor do sistema expande o escopo de um sistema fornecendo suporte para
recursos adicionais ou funções opcionais do sistema. Por exemplo, o servidor do
sistema de automação de processo (PASS) é um componente necessário para
todos os sistemas de processos centralizados e distribuídos. O PASS fornece
resolução de nomes central e serviços FactoryTalk para todo o sistema. O PASS
fornece a capacidade de distribuição de informações para a estação de trabalho do
operador e adiciona servidores de aplicações opcionais de forma a aumentar o
escopo do sistema de processo.

servidor Componente de software que introduz dados em uma aplicação (por exemplo,
um servidor de dados). Normalmente, os componentes de software do servidor
são instalados em computadores da classe de servidor.

sistema de alarme O conjunto de hardware e software que detecta um estado de alarme, comunica a
indicação deste estado ao operador e registra as mudanças no estado de alarme.

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 115


Glossário

sistema digital de controle O sistema PlantPAx tem todos os principais recursos esperados de um
distribuído Plant Pax sistema de controle distribuído de alto nível (SDCD). O sistema é integrado em
uma arquitetura baseada em padrões através de componentes da Integrated
Architecture™, que permitem o controle multidisciplinar e uma integração
preferencial com o portfólio de controle inteligente de motores da Rockwell
Automation®.

Software de desenvolvimento Software de desenvolvimento é uma aplicação usada para configurar vários
componentes de sistema e que não é exigida no tempo de execução. Por exemplo,
Studio 5000 Logix Designer ®, software FactoryTalk View Studio.

Software FactoryTalk Directory O software FactoryTalk Directory define onde os dados do sistema foram
armazenados para acesso. O software FactoryTalk Directory fornece uma agenda
de endereços comum de recursos de fábrica que são compartilhados entre os
produtos habilitados para FactoryTalk.

Software RSLinx O software RSLinx® é o driver de comunicação (servidor de dados) para


programas baseados em computador de acesso a informações nos controladores
Rockwell Automation. Há um software RSLinx Classic e um software RSLinx
Enterprise. O software FactoryTalk View SE utiliza o software RSLinx Enterprise
para acessar diretamente os tags em um controlador.

tipo de dados definido pelo usuário Tipos de tag criados uma vez e reutilizadas em vários modelos de tag, diversas
(UDT) vezes.

116 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Index

Números Windows Server 2012 R2 110


aquisições
2 estados discreta simples
ferramentas 16
estratégias de controle 35
armazenamento
virtualização 70
A arquitetura
alarme atributo crítico do sistema 15
definição 113 centralizada 14
definição de prioridade 115 definição 113
definição de sistema 115 distribuída 14
e evento servidor 18 estação de trabalho 14
evento ferramenta de construção 16
definição 114 independente 14
gerenciamento múltiplos servidores PASS 14
definição 114 PlantPAx arquitetura 13
modelo de estado 64 servidor único PASS 14
objeto arquitetura Integrada
definição 115 definição 115
recomendações do sistema 59 arquitetura integrada
alocação ferramenta de construção 16
pool de Recurso 72 AssetCentre 84
tag e memória 47 software 84
antivírus ativação
software 102 FactoryTalk 18
aplicação atributos
recomendações do sistema 39 CSA 15
servidor
FactoryTalk Batch 96
definição 115
atualização
AppServ-Asset
considerações 103
descrição 26
ferramentas 102
software 26
firmware 102
Windows Server 2012 R2 110
AppServ-Batch patches 102
software 101
descrição 27
software 27
AppServ-EWS B
descrição 21 baseado em skid
software 21
hardware do controlador 31
Windows Server 2012 R2 110 batelada
AppServ-Hist
documentação 12
Windows Server 2012 R2 110 biblioteca
AppServ-Info (Hist)
objetos de processo da Rockwell
descrição 23 Automation 57
software 23
AppServ-Info (SQL)
descrição 25 C
software 25 cache
AppServ-Info (VantagePoint) mensagens 51
descrição 24 caracterização 113
software 24 sistema testado 13
AppServ-Info-SQL CCM
Windows Server 2012 R2 110 recomendações 93
AppServ-Info-VantagePoint centralizada
Windows Server 2012 R2 111 arquitetura 14
AppServ-OWS cliente
descrição 22 definição 113
software 22

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 117


Index

complexo discreto de 2 estados D


estratégias de controle 35 dados
complexo regulatório (primário)
servidor 18
estratégias de controle 34 dados históricos
complexo regulatório (secondary)
definição 113
estratégias de controle 35
definição 113
complexo Regulatório não PID
estratégias de controle 36 estação de trabalho 114
componentes estação de trabalho de operação 114
FactoryTalk Historian 99 infraestrutura 69
descrição
PASS 18
comunicação AppServ-Asset 26
controlador a controlador 51 AppServ-Batch 27
comutadores AppServ-EWS 21
EtherNet 82 AppServ-Info (Hist) 23
configuração AppServ-Info (SQL) 25
diretório FactoryTalk 20 AppServ-Info (VantagePoint) 24
recomendações virtuais 70 AppServ-OWS 22
tarefa 40 controlador de domínio 27
considerações EWS 20
atualizações 103 IndWS 22
E/S do controlador de processo 52 Instrução adiciona 55
interface EtherNet/IP 85 OWS 21
contagem determinação de E/S 32 PASS 18
desempenho
controlador 52
atributo crítico de sistema 16
baseado em skid 31 DeviceNet
para comunicação com controlador 51 recomendações 87
recomendações 39 dimensão
redundância 30 estratégia de controle
simplex 29 34
controlador de domínio dimensionamento
software 27 controlador de processo 29
controle estratégias de controle 33
complexo discreto de 2 estados diretório
35 FactoryTalk 18
complexo regulatório (primário) 34 dispositivo de campo
complexo regulatório (secondary) 35 recomendações 83
estratégia distribuída
definição 114 arquitetura 14
estratégias 33 documentação
2 estados discreta simples 35
infraestrutura 11
complexo Regulatório não PID 36 núcleo do sistema
indicador digital 36 10
indicator analógico 36 telada 12
regulamentação simples 34 domínio
gerenciamento de lote 95 controlador
ControlFLASH descrição 27
ferramenta 102 e grupo de trabalho
ControlNet recomendações 76
recomendações 86
CPU
utilização 40
E
crítico E/S
atributo de sistema 15, 96 considerações 52
atributo do sistema considerações sobre o controlador de
definição 113 processo 52
determinação de contagem 32
tempo de execução 53

118 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Index

elemento IAB 16
recomendações 17 sistema ferret 102
visão geral 17 utilitário ControlFLASH 102
engenharia estação de trabalho fieldbus
definição 114 recomendações 89
escopo firmware
manual de referência 9 atualização 102
estação de trabalho
arquitetura 14
estação de trabalho de engenharia G
Windows 8.1 109 gerenciamento de informações
estimativa Historian, VantagePoint 99
memória offline 49 glossário 113
utilização da CPU 42 grupo de trabalho
utilização de memória do controlador 48 recomendações 76
estratégias
dimensionamento de controle 33
EtherNet H
comutadores 82 hardware
EtherNet/IP controlador baseado em skid 31
recomendações 84 controlador redundante 30
EWS controlador simplex 29
descrição 20 HART
software 20 recomendações 88
historian
definição 114
F gerenciamento de informações 99
FactoryTalk hora
diretório sincronização da estação de trabalho e
configuração 20 servidor 79
diretório servidor 18
recomendações 56
servidor alarme e evento 18
I
servidor de ativação 18 IAB
servidor de dados 18 ferramenta 16
servidor de IHM 18 IHM
servidor de lote 18 servidor 18
software do diretório IIS
definição 116 gráficos e componentes 78
Factorytalk independente
plataforma de serviços arquitetura 14
definição 114 indicador digital
FactoryTalk AssetCentre estratégias de controle 36
software 84 indicator analógico
FactoryTalk Batch estratégias de controle 36
atributos CSA 96 IndWS
FactoryTalk Historian descrição 22
componentes 99 software 22
melhores práticas 100 infraestrutura
visão geral 99 definição 69
FactoryTalk VantagePoint documentação 11
inteligência empresarial 100 recomendação 69
FactoryTalk View SE tradicional 69
OWS 21 virtualização 69
fases do equipamento Instrução adicional
lote 96 descrição 55
ferramenta instruções adicionais
aquisições 16 definição 115
atualização de software 102

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 119


Index

L redundância 19
limites Windows Server 2012 R2 109
patches
parâmetros do programa 46
lote atualizações 102
periódica
atributo crítico do sistema 96
fases de equipamento 96 tarefa 40
PhaseManager
gerenciamento 95
recomendações 95 orientações 96
PlantPAx
servidor 18
arquitetura 13
definição de sistema 116
M guia de seleção 16
manutenção infraestrutura 69
recomendações 101 software 18
máquinas pool de Recurso
virtualização 75 Alocação 72
melhores práticas processo
FactoryTalk Historian 100 dimensionamento do controlador 29
mensagens objetos da biblioteca 57
cache 51 PROFIBUS
modelo de estado recomendações 91
alarme 64
monitoração R
utilização da CPU 44
monitoramento recomendações 13
utilização da memória do controlador 50 aplicação do sistema 39
múltiplos servidores PASS arquitetura 13
arquitetura 14 CCM 93
controlador 39
ControlNet 86
O DeviceNet 87
objeto de tela dispositivo de campo 83
definição 115 domínio 77
objeto global elementos do sistema 17
definição 115 EtherNet /IP 84
objetos FactoryTalk 56
biblioteca de processos 57 fieldbus 89
opções grupo de trabalho 76, 78
biblioteca de processos 57 HART 88
orientações infraestrutura 69
PhaseManager 96 lote 95
otimizar manutenção 101
sistema operacional 80 PROFIBUS 91
OWS rede 81
descrição 21 sistema de alarme 59
FactoryTalk View SE 21 sistema operacional 76
Windows 8.1 109 recomendações do alarme 59
recursos adicionais 10
P virtualização 69
rede
PADC
protocolo de tempo 79
Windows Server 2012 R2 109 recomendações 81
parâmetros do programa
virtualização 71
limites 46 redundância
PASS
configurações PASS 18
definição 115 hardware do controlador 30
descrição 18 servidor Pass 19
elemento do sistema 18

120 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Index

referência T
escopo do manual 9 tag definido pelo usuário
regulamentação simples
Definição 116
estratégias de controle 34 tag e memória
Rockwell Automation
alocação 47
biblioteca de objetos de processo 57 tags produzidos e consumidos
tags do controlador 51
S tarefa
servidor configuração 40
tempo de execução
definição 115
considerações sobre a E/S 53
virtualização 70
testado
servidor único PASS
sistema 13
arquitetura 14
simplex tipos de cabos 81
hardware do controlador 29 tradicional
sincronização infraestrutura 69
comandos 79
hora do servidor e da estação de trabalho 79 U
sistema 59
UDT
aquisições 16 definição 116
definição de atributo 113 utilização
definição de elemento 114 CPU 40
definição de infraestrutura 115 estimativa da CPU 42
definição de servidor 115 estimativa de memória do controlador 48
documentação principal 10 monitoração da CPU 44
ferramenta Ferret 102 monitoramento da memória do
recomendações de aplicação 39 controlador 50
suporte
serviços 103
testado 13 V
sistema operacional vantagepoint
otimização 80 gerenciamento de informações 99
recomendações 76 virtualização
software 84 armazenamento 70
antivírus 102 infraestrutura 69
AppServ-Asset 26 máquinas 75
AppServ-Batch 27 pool de Recurso 72
AppServ-EWS 21 recomendações de configuração 70
AppServ-Info (Hist) 23 recursos adicionais 69
AppServ-Info (SQL) 25 redes 71
AppServ-Info (VantagePoint) 24 servidores 70
AppServ-OWS 22 visão geral
atualizações 101 elementos do sistema 17
controlador de domínio 27 visualizar
EWS 20 memória de tempo de execução 50
IndWS 22 VM
PlantPAx 18 recomendações 75
software componentes Recomendações de antivírus/backup 76
software PlantPAx 18
software de desenvolvimento
definição 116
Software RSLinx
definição 116
suporte técnico 103

Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 121


Index

W
Windows 8.1
Estação de trabalho de engenharia 109
OWS 109
Windows Server 2012 R2
AppServ-Asset 110
AppServ-EWS 110
AppServ-Hist 110
AppServ-Info-SQL 110
AppServ-Info-VantagePoint 111
AppServ-OWS 110
PADC 109
PASS 109

122 Publicação da Rockwell Automation PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016


Suporte da Rockwell Automation
A Rockwell Automation fornece informações técnicas na Web para ajudá-lo a usar seus produtos.
Em http://www.rockwellautomation.com/support, você pode encontrar notas técnicas e sobre a aplicação, códigos de
amostra e links para service packs (pacotes de serviços) de software. Também é possível acessar nosso centro de suporte em
https://rockwellautomation.custhelp.com/ para obter atualizações de software, bate-papos e fóruns de suporte,
informações técnicas, perguntas frequentes e para se inscrever para receber avisos sobre a atualização de produtos.

Além disso, nós fornecemos múltiplos programas de suporte para instalação, configuração e localização de falhas.
Para obter mais informações, entre em contato com seu distribuidor local ou representante Rockwell Automation,
ou visite http://www.rockwellautomation.com/services/online-phone.

Assistência para instalação

Se você tiver um problema nas primeiras 24 horas de instalação, revise as informações contidas neste manual. É possível
contatar o Suporte ao Cliente para obter ajuda inicial para colocar seu produto em funcionamento.
Estados Unidos ou Canadá 1.440.646.3434
Fora dos Estados Unidos ou do Utilize o Worldwide Locator em http://www.rockwellautomation.com/rockwellautomation/support/overview.page ou entre em contato
Canadá com seu representante Rockwell Automation local.

Devolução de produto novo

A Rockwell Automation testa todos os seus produtos para garantir que estejam totalmente em operação quando deixam as
instalações de produção. No entanto, se seu produto não estiver funcionando e precisar ser devolvido, siga estes
procedimentos.
Estados Unidos Contate o seu distribuidor. Você deve fornecer um número de caso de Suporte ao Cliente (ligue para o telefone acima para obter um) ao
seu distribuidor para concluir o processo de devolução.
Fora dos Estados Unidos Entre em contato com seu representante local da Rockwell Automation para o procedimento de devolução.

Feedback sobre a documentação


Seus comentários nos ajudarão a atender melhor suas necessidades de documentação. Se tiver alguma
sugestão sobre como melhorar este documento, preencha este formulário, publicação RA-DU002, disponível
em http://www.rockwellautomation.com/literature/.

A Rockwell Automation mantém informações ambientais atuais do produto em seu website em


http: / / www.rockwellautomation.com / rockwellautomation / about-us / sustainability-ethics / product-environmental-compliance.page.

Publicação PROCES-RM001J-PT-P – Março 2016 Copyright © 2016 Rockwell Automation, Inc. Todos os direitos reservados. Impresso nos EUA