Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS – UFAM

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL


MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II – FTC128

ALINE NASCIMENTO DE ARAÚJO

ADIÇÕES MINERAIS

MANAUS – AM
2017
Aline Nascimento de Araújo – 21454674

ADIÇÕES MINERAIS

Trabalho requisitado pelo professor


João de Almeida Melo Filho, para
obtenção de nota parcial na
disciplina de Materiais de
Construção II (FTC128), do curso de
Engenharia Civil da Universidade
Federal do Amazonas - UFAM.

MANAUS - AMAZONAS
10 de outubro de 2017
Sumário
1. INTRODUÇÃO ............................................................................................ 1
2. VISÃO GERAL ............................................................................................ 1
3. DEFINIÇÃO ................................................................................................. 2
4. ORIGEM ...................................................................................................... 2
5. ATUAÇÃO ................................................................................................... 3
6. CLASSIFICAÇÃO ....................................................................................... 4
7. INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NAS PROPRIEDADES DO
CONCRETO FRESCO ....................................................................................... 4
8. ADIÇÕES MINERAIS MAIS UTILIZADAS EM CONCRETO ...................... 5
9. APLICAÇÕES NO CONCRETO ................................................................. 7
10. MELHORIAS ECONÔMICAS ...................................................................... 7
11. CONCLUSÃO .............................................................................................. 8
12. BIBLIOGRAFIA ........................................................................................... 9
1. INTRODUÇÃO
As adições minerais são quaisquer materiais, com exceção da água,
agregados, cimentos hidráulicos ou fibras, usados como ingredientes do
concreto ou argamassa e adicionados à massa imediatamente antes ou
durante a mistura.
Essas adições são de extrema importância, pois podem somar ou
substituir parcialmente o cimento devido às suas propriedades semelhantes às
do cimento as quais serão apresentadas neste trabalho.

2. VISÃO GERAL

O concreto é um material constituído, basicamente, pela mistura, em


proporções adequadas, de matérias primas tradicionais, como o cimento, o
agregado e a água. Todavia, este concreto, produzido com os componentes
tradicionais, apresenta uma série de limitações em termos do seu
desempenho, tais como baixa resistência à tração, alta retração hidráulica,
baixa fluidez e coesão da massa no estado plástico e baixa relação resistência
a compressão “versus” massa específica, as quais, também, restringem as
aplicações do concreto nas obras. A partir do início deste século, o uso das
adições minerais, junto com as matérias primas tradicionais, na massa do
concreto tem sido estimulado em todo o mundo, devido ao desenvolvimento de
equipamentos e técnicas mais precisas, a aplicação dos conhecimentos de
ciências dos materiais e o aumento das leis de proteção ambiental.
Muitos trabalhos foram publicados com altos teores (>50% de
substituição em massa) de adições minerais ao cimento ou concreto mostrando
a viabilidade da diminuição do teor de clínquer e aumento das adições, como
apropriadamente enfatiza Mehta (1997, p. 63):
Devido à grande pozolanicidade e propriedades cimentícias, cinza
volante e escória podem ser empregadas em grandes quantidades como
materiais substitutos do cimento no concreto. De fato, concretos com 60 a 70%
de cinza volante ou escória na massa do material cimentício total tem mostrado
alta resistência e durabilidade a idades relativamente precoces. Esta

1
demonstração tem removido uma das maiores objeções para o emprego de
altos teores de cinza volante e escória [...].
A seleção da adição mineral adequada depende do seu tipo, da
composição química do clínquer e do desempenho esperado para o cimento.
Por exemplo: a escória de alto forno e as cinzas volantes proporcionam a
redução do tempo de pega e o aumento das resistências iniciais.
As adições modificam as propriedades do concreto, proporcionando
melhor desempenho. Do ponto de vista ambiental a reutilização desses
resíduos é benéfica por que reduz os índices de poluição causados outrora
pelo descarte dos mesmos. Além disso, reduzem o seu custo, à medida que
substituem o cimento. Cada uma das adições minerais atua de forma distinta
de acordo com sua granulometria, atividade química e composição
mineralógica.

3. DEFINIÇÃO

São materiais inorgânicos, compostos sílica-cálcico-aluminosos,


podendo substituir parte do cimento caso apresentem, preferencialmente,
estrutura vítrea. São mais utilizadas as pozolanas que reagem com a cal
proveniente das reações de hidratação ou a escória granulada de alto forno
que, devido ao alto teor de cálcio, possui propriedades pozolânicos e
cimentícias.

4. ORIGEM

4.1 Natural
Obtida pela britagem e moagem, classificada por tamanho de partícula
e, em alguns casos, até por ativação de rochas ou solos naturais de origem
vulcânica, composta basicamente de aluminossilicatos, os quais são obtidos
por resfriamento rápido do magma que resulta na formação do vidro ou de
fases vítreas, com estruturas cristalinas desordenadas.
São exemplos de adições minerais do concreto oriundas de materiais
naturais:

2
 As terras diatomáceas, tais como opalina, são sílicas hidratadas
amorfas, finamente divididas e altamente reativas com a cal;
 Os tufos vulcânicos e o vidro vulcânico que são formados
principalmente por aluminossilicatos que apresentam reação
considerável com a cal;
 As argilas ou folhelhos calcinados, em sua maioria também
compostos por aluminossilicatos, necessitam de um tratamento
térmico (em temperaturas maiores que 900 °C) e apresentam
reação considerável com a cal.

4.2 Artificial (resíduos industriais)


São os materiais oriundos de produtos que não são primários em suas
respectivas indústrias produtoras, principalmente as cinzas da combustão do
carvão de termelétricas e de determinados resíduos agrícolas (casca de arroz),
e a escória granulada de alto forno de indústrias metalúrgica de materiais
ferrosos e não ferrosos. Geralmente, podem ou não necessitar de processos
de beneficiamento, tais como a secagem prévia e a pulverização por moagem,
antes de sua utilização como adição mineral ao concreto. A seguir são citados
exemplos de adições minerais do concreto oriundas de resíduos industriais:
 As cinzas volantes;
 A escória granulada de alto forno;
 A sílica ou, como é mais comumente denominada, a microssílica.

5. ATUAÇÃO

As propriedades do concreto no estado plástico são modificadas devido


ao aumento da quantidade de materiais finos na massa do concreto, o que faz
com que a massa fique unida devido à tensão superficial da água adsorvida na
superfície dos materiais finos, tais como a adição mineral. No estado
endurecido, as adições minerais atuam dando prosseguimento as reações de
hidratação (produzindo mais cristais) e densificando a rede cristalina através de
reações pozolânicos, de modo que ambas as reações químicas venham a
reduzir a quantidade de poros capilares (poros não visíveis a olho nu). Tal

3
fenômeno faz com que seja reduzida a penetração de agentes patogênicos na
pasta.

6. CLASSIFICAÇÃO

6.1 Quanto ao tipo de reatividade


 Cimentantes: reagem hidratando com a água. Ex. escória granulada
de alto-forno.
 Pozolânicas: reagem fixando o hidróxido de cálcio, formando
estruturas tipo C-S-H. Ex. cinzas volantes com baixo teor de cálcio
 Cimentantes e pozolânicas: Alguns aditivos tem reações tanto
pozolânicas como cimentantes, como as cinzas volantes (fly ash)
com elevado teor de cálcio.

6.2 Quanto à intensidade da reatividade


 Altamente reativos;
 Razoavelmente reativos;
 Levemente reativos.

7. INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NAS PROPRIEDADES DO


CONCRETO FRESCO

7.1 Plasticidade e Coesão

Há maior relação entre volume de sólidos e volume de água. Além disso,


dispõe de uma melhor trabalhabilidade e facilidade de bombeamento e
acabamento do concreto.

7.2 Exsudação e segregação

Apresenta maior volume de finos, maior compacidade de pasta e, portanto,


menor quantidade de canais de exsudação.

4
7.3 Redução do consumo de água

Tem-se um efeito dispersor das partículas pequenas (forças eletrostáticas),


notado em pozolanas comuns. Em superpozolanas (possui extrema finura)
há um maior consumo de água e normalmente usa-se aditivos
superplastificantes.

7.4 Calor de hidratação

No clínquer tem-se um estágio de energia elevado. Em relação a reação


pozolânica há menor calor de hidratação do que nas reações de hidratação
do cimento. Além disso, o riso de fissuração térmica é diminuído.

7.5 Resistência mecânica

Há formação de mais compostos resistentes, o volume de finos é maior e


com isso tem-se o refinamento dos poros e dos cristais na pasta.

7.6 Durabilidade

Apresenta redução na porosidade e permeabilidade do concreto e menor


possibilidade de entrada de agentes nocivos.

8. ADIÇÕES MINERAIS MAIS UTILIZADAS EM CONCRETO

8.1 Cinzas Volantes

É subproduto da combustão de carvão mineral, possui um teor de cálcio


variável que depende do tipo de carvão utilizado e um teor de carbono não-
queimado variável. Seus principais efeitos sobre o concreto estão
relacionados ao retardamento do tempo de pega, baixo calor de hidratação,
trabalhabilidade e coesão e redução da porosidade.

5
8.2 Sílica Ativa

É um subproduto da produção de silício metálico com pozolana altamente


reativa. Seus principais efeitos no concreto são: refinamento dos poros,
melhoria das resistências mecânicas e aumento da coesão da pasta. Já
suas desvantagens estão relacionadas ao aumento do consumo de água e
à carbonatação.

8.3 Escória de alto-forno

É subproduto da fabricação de ferro-gusa que tem como composição: cal,


sílica e alumina. Tem como principais propriedades no concreto: melhor
trabalhabilidade, refinamento dos poros, maiores resistências, resfriamento
rápido (partículas não-cristalinas) e moagem com finuras adequadas.

8.4 Cinzas de casca de arroz

Possui propriedades similares à da sílica ativa em que 1 tonelada de arroz


gera 200 kg de casca e 40 kg de cinza. Além disso, tem uma combustão
controlada onde a estrutura celular é porosa e possui pozolana altamente
reativa.

8.5 Metacaulim

Provém da calcinação e moagem de argilas caulinitas em temperaturas que


variam de 600ºC a 900ºC, onde o processo de produção é rigorosamente
controlado resultando em pozolana de alta pureza e reatividade. Possui
metacaulim de alta reatividade com argilas extremamente finas e altos
teores de caulinita. Assemelha-se ao efeito da sílica ativa.

8.6 Filler calcário

É um material carbonático praticamente inerte na mistura e que possui


diâmetro médio similar ao do cimento ou menor. Seus principais efeitos são:
trabalhabilidade, densidade, permeabilidade e exsudação.

6
9. APLICAÇÕES NO CONCRETO

O aditivo mineral é adicionado ao cimento ou a outros aglomerantes em


proporções adequadas, com os objetivos de: aumentar a coesão no estado
fresco; conferir melhor durabilidade, estendendo assim a vida útil das
construções de concreto armado, e aumentar a resistência mecânica. A tabela
1 estabelece uma relação custo/ benefício para adições minerais no concreto.

Tabela 1: Índices médios de desempenho e relação entre custo e benefício para


resistência 40MPa (Fonte: Isaia, Geraldo Cechella; Gastaldini, Antonio Luiz Guerra,
2008).

Legenda:
CV - Cinza volante;
E - Escória granulada de alto forno;
ECV - escória e cinza volante.

10. MELHORIAS ECONÔMICAS

Segundo o Grupo de Estudos e Pesquisas em Concreto (GEPECON),


do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal
de Santa Maria (Rio Grande do Sul, Brasil), o concreto com 90% de adições
minerais poderia promover uma economia de 351 Mm³, US$3,48/m³ = US$
1,22 bilhão ou 0,3% do custo da produção global de concreto com cimento
comum ou ainda o equivalente ao custo de 20 Mm³ de concreto com 90% de
adições minerais. A redução de proporcionaria à empresa uma adição de
créditos de carbono, os quais poderiam ser comercializados.

7
11. CONCLUSÃO
Existem, portanto, vários tipos de adições possíveis e a escolha da
melhor a ser utilizada difere para cada situação de aplicação específica.
Conclui-se que com a redução do clínquer na produção de cimento será
possível obter grandes benefícios para o meio ambiente e para a qualidade de
vida das pessoas através da diminuição da emissão de CO2, por conta da
diminuição do custo com matérias primas e pelo aumento do volume e da
qualidade do cimento a ser produzido.

Além disso, as adições conferem ao cimento melhores propriedades e


menores custos. Segundo Mehta (1998):

“Seria óbvio que”, se encontrássemos meios para utilizar toda ou a maior


parte da cinza volante e escória granulada de alto forno, seja sob a forma de
cimento com adições ou como material cimentício no concreto, poderíamos
suprir a demanda de cimento no ano 2005 sem nenhum acréscimo na
capacidade atual de produção de clínquer, assegurando, assim, o
desenvolvimento sustentável da indústria do cimento e concreto [...] (p.4)

8
12. BIBLIOGRAFIA
BAUER, L.A. F. Materiais de construção - Novos materiais para a
construção civil. 5° ed. Uberlândia, MG: LTC editora, p.63–117, 2000.
IBRACON, Cimento/concretos materiais construtivos em contínua
evolução, Revista Concreto N° 51, 2008.
ISAÍA, G.C.; GASTALDINI, A.L.G. Perspectivas ambientais e
econômicas do concreto com altos teores de adições minerais um estudo
de caso. Programa de Pós-graduação em engenharia civil, Universidade
federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, p.19-30, jun. 2004.
CARMO, J.B.M., PORTELLA, K. F. Estudo comparativo do desempenho
mecânico da sílica ativa e do metacaulim como adições químicas minerais em
estruturas de concreto. Cerâmica, v. 54, n. 331, p. 309-318, 2008.