Você está na página 1de 12

 

 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
DESENVOLVIMENTO  SUSTENTÁVEL  E  ECONOMIA  SOLIDÁRIA:  UMA  
CONEXÃO  NECESSÁRIA    
 
Evandro  De  Oliveira1  
evandro11oliveira@gmail.com  
 
 
Resumo:   O   presente   artigo   objetiva   destacar   e   explicar   as   ideologias   e   objetivos   em  
comum   que   existem   entre   os   temas   “desenvolvimento   sustentável   e   economia  
solidária”.   Com   base   em   uma   pesquisa   de   caráter   teórico   bibliográfica,   analisamos   os  
pontos   convergentes   entre   as   duas   temáticas   e   sugerimos   que,   ao   se   efetuar   uma  
aliança  entre  estes  modelos,  ambos  terão  maior  facilidade  de  terem  suas  teorias  postas  
em  prática,  uma  vez  que,  os  mesmos  possuem  muitas  dificuldades  pragmáticas  de  seus  
ideias;  neste  sentido  uma  maior  conexão  entre  ambos  facilitaria  esta  praticidade.  
 

Palavras-­‐‑chave:  Economia  Solidária;  Desenvolvimento  Sustentável.    

Abstract:   This   article   aims   to   highlight   and   explain   the   common   ideologies   and   goals  
that   exist   between   the   subjects   'ʹsustainable   development   and   solidarity   economy   "ʺ.  
Based   on   a   bibliographical   research   on   such   theoretical   studies,   we   realize   the  
convergence  of  these  theories  and  we  conclude  that  if  connected  both  might  be  much  
more  easily  put  into  practice  and  overcome  the  difficulties  both  face.  
 

Keywords:  Solidarity  Economy;  Sustainable  Development  

 
 
1.  INTRODUÇÃO  
 
 
 A   maneira   como   o   ser   humano   vem   conduzindo   seus   processos   produtivos  

desde  a  revolução  industrial  têm  provocado  impactos  ambientais  e  sociais  que  afetam  

de  modo  negativo  sua  própria  saúde  e  qualidade  de  vida.    

Logo   após   a   segunda   guerra   mundial,   na   década   de   cinquenta   e   meados   de  

sessenta,   ocorreram   grandes   acidentes   ambientais,   entre   os   quais   destacam-­‐‑se   o  

desastre   de   Minamata,   Japão   (envenenamento   de   centenas   de   pessoas   por   mercúrio);  


                                                                                                                       
1
 Doutorando do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas – UFSC.
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
em   1948   um   nevoeiro   sulfuroso   se   formou   na   região   de   Donora,   Pensilvânia   (EUA)   o  

qual   provocou   a   morte   de   vinte   pessoas   e   deixou   43%   da   população   doente.   Estas   e  

outras   catástrofes   ambientais   começaram   a   chamar   a   atenção   do   mundo   para   a  

“problemática”   ambiental.   Com   isso,   em   1968   o   governo   da   Suécia   propôs   à   ONU  

(Organizações  das  Nações  Unidas)  a  realização  de  uma  conferência  internacional  para  

discutir  a  temática  ambiental.  Em  1972  ocorreu  a  Conferência  das  Nações  Unidas  sobre  

o  Meio  Ambiente  em  Estocolmo,  Suécia,  liderada  por  Maurice  Strong.  Esse  evento  foi  o  

grande  marco  mundial  na  questão  ambiental,  pois  foi  a  primeira  vez  que  governos  de  

todo   o   mundo   se   reuniram   para   discutir   as   consequências   da   economia   no   meio  

ecológico  (SEIFFERT,  2007).    

No   ano   de   1984   foi   criada   pela   ONU   a   Comissão   Mundial   sobre   o   Meio  

Ambiente   e   Desenvolvimento,   que   publica,   em   1987,   o   documento   “Nosso   Futuro  

Comum”  que  foi  o  produto  de  três  anos  de  estudos  deste  grupo.  Neste  relatório  surgiu  

e   se   concretizou   o   conceito   de   desenvolvimento   sustentável.   Este   novo   modelo   de  

desenvolvimento,   que   tem   por   propósito   um   equilíbrio   das   questões   econômicas,  

sociais  e  ambientais,  tem  uma  difícil  materialização,  e  um  dos  empecilhos  para  a    sua  

concretização   é   a   economia   capitalista   existente.   Diante   disso,   é   necessário   uma  

mudança  nas  relações  econômicas  atuais,  assim  surge  a  economia  solidária,  que  pode  

ser  entendida  como  um  modelo  econômico  alternativo  ao  sistema  capitalista.    

A   economia   solidária   surgiu   na   década   de   setenta,   devido   à   crise   do   sistema  

fordista-­‐‑taylorista   de   produção   e   preponderância   das   ideias   neoliberais   que   tiveram  

como   consequência   um   grande   impacto   negativo   para   a   classe   mais   carente   da  

população.   Esta   economia   proporcionou   alternativas   de   renda   e   trabalho   para   as  

pessoas  excluídas  do  mercado  de  trabalho  formal  (AZAMBUJA,  2009).  Na  atualidade  a  

economia   solidária   se   consolida   como   um   meio   econômico   real   e   opcional   relativo   ao  

capital   (GADOTTI,   2009).   Ainda   no   pensamento   de   Gadotti   (2009)   esta   economia   de  

faceta   solidária   ganha   relevância,   pois   seus   procedimentos   englobam   solidariedade,  

inclusão   e   emancipação   social   e   a   sustentabilidade.   Com   este   panorama   tem-­‐‑se   a  

percepção  que  tanto  o  desenvolvimento  sustentável  como  a  economia  solidária  tem  por  
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
finalidade   melhorias   na   sociedade   contemporânea.   Sob   essa   perspectiva,   é  

imprescindível   uma   maior   conexão   entre   economia   solidária   e   desenvolvimento  

sustentável,  e  é  nesse  pressuposto  que  reside  o  objetivo  deste  trabalho,  que  é  enfatizar  e  

elucidar  esta  aliança.  Este  artigo  de  revisão  literária  está  dividido  em  duas  partes:  num  

primeiro  momento  procuramos  discutir  os  conceitos  de  desenvolvimento  sustentável  e  

economia   solidária;   na   parte   seguinte   explicar   o   porquê   dessa   conexão,   bem   como  

também   apontar   para   importância   e   benefícios   do   mesmo   para   a   sociedade   e   meio  

ambiente.  A  seguir,  abordaremos  o  conceito  desenvolvimento  sustentável.    

2.    DESENVOLVIMENTO  SUSTENTÁVEL    

O   desenvolvimento   sustentável   surgiu   para   tentar   amenizar   os   problemas  

socioambientais   derivados   do   sistema   capitalista;   o   relatório   Nosso   Futuro   Comum  

(1991)   ou   Relatório   Brundtland   como   também   é   conhecido,   enfatiza   que   o  

desenvolvimento  sustentável  tem  por  finalidade  satisfazer  as  necessidades  básicas  das  

pessoas  e  propiciar  uma  melhoria  na  qualidade  de  vida.    Em  suma,  deve  proporcionar  

emprego,  moradia,  alimentação,  vestuário  e  também  meios  para  os  indivíduos  obterem  

uma  vida  melhor,  sem  comprometer  as  condições  de  vida  das  gerações  futuras.    

Este   modelo   de   desenvolvimento   requer   que   os   estilos   de   vida   estabelecidos  

culturalmente   e   socialmente   tenham   um   consumo   que   respeite   os   limites   de   recursos  

ambientais   e   que,   simultaneamente,   possam   ser   usufruídos   por   todos.   O   relatório  

também   enfatiza   que   crescimento   não   é   sinônimo   de   desenvolvimento,   deve-­‐‑se  

procurar  diminuir  a  concentração  da  riqueza  e  ao  mesmo  tempo  dar  oportunidades  a  

todos  na  sociedade  (BRUNDTLAND,  1991).    

O   processo   produtivo   deve   orientar-­‐‑se   de   acordo   com   os   limites   de   cada  

ecossistema   para   que   os   impactos   provenientes   do   mesmo   sejam   minimizados,   ter  

precaução   no   uso   de   determinadas   tecnologias,   que   num   primeiro   momento   podem  

resolver   um   problema,   porém,   suscitando   vários   outros   se   mal   empregadas.   O  


 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
desenvolvimento  também  deve  visar  a  não  dilapidação  dos  sistemas  naturais  da  terra:  

a  atmosfera,  as  águas,  os  solos  e  os  seres  vivos  (BRUNDTLAND,  1991).  

Brundtland   (1991)   ressalta   que,   para   a   utilização   dos   recursos   naturais  

renováveis  com  o  mínimo  de  depredação  ambiental  e  respeitando  os  limites  ecológicos  

regenerativos,  faz-­‐‑se  necessário  um  estudo  que  englobe  todo  um  sistema  natural,  pois  

estes   meios   naturais   são   totalmente   interligados   uns   aos   outros.   No   que   diz   respeito  

aos   recursos   não   renováveis,   o   relatório   elucida   que   estas   matérias-­‐‑primas   não  

renováveis   durem   até   a   descoberta   de   substitutos;   lembra,   também,   que   o  

desenvolvimento   sustentável   deve   primar   a   proteção   de   animais   e   vegetais   que,   uma  

vez  extintos,  não  se  renovam  (BRUNDTLAND,  1991).  Para  finalizar,  o  relatório  define  

desenvolvimento   sustentável   como   “aquele   que   atende   as   necessidades   do   presente  

sem   comprometer   a   possibilidade   de   as   futuras   gerações   atenderem   as   suas   próprias  

necessidades”   (BRUNDTLAND,   1991,   p.46).   Na   sequência   discutiremos   o   conceito   de  

economia  solidária.    

3.  ELUCIDANDO  ECONOMIA  SOLIDÁRIA  

Para  discutir  o  termo  economia  solidária,  utilizamos  as  ideias  de  Paul  Singer.  

O   autor   inicia   seu   raciocínio   criticando   o   capitalismo;   sistema   que   tem   por   estrutura  

central   a   propriedade   privada   e   concentração   da   riqueza   nas   mãos   de   uma   minoria.  

Este   modelo   divide   a   sociedade   em   duas   classes   divergentes,   os   trabalhadores   que  

estão  sujeitos  a  trabalhos  alienados  em  troca  de  baixos  salários  ou  até  mesmo  a  mercê  

do  desemprego,  e  os  grandes  proprietários  que  se  beneficiam  deste  molde  por  serem  os  

proprietários   dos   meios   de   produção.   As   ações   que   permeiam   o   capital   têm   por  

objetivo   o   aumento   do   lucro   através   o   dinheiro   investindo,   não   se   importando   como  

isso  irá  impactar  a  vida  de  seus  empregados  ou  demais  consumidores  (SINGER,  2004).    

Para  Singer  (2004),  o  modelo  capitalista  não  é  para  todos,  segundo  o  autor,  o  

capital  é  seletivo,  não  atinge  todas  as  pessoas,  nem  todos  os  países,  nem  todas  as  áreas  

geográficas,   beneficiando   desta   maneira   algumas   pessoas   e   prejudicando   outras.   A  


 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
economia   solidária   nasce   neste   contexto,   ela   é   criada   como   uma   alternativa  ao   capital  

injusto   e   desigual.   A   finalidade   desta   nova   economia   não   é   contrariar   o  

desenvolvimento,  mas  sim  suscitar  um  desenvolvimento  mais  justo.    

Nessa   perspectiva   solidária   esta   nova   economia   propõe   uma   socialização   da  

produção   do   conhecimento,   que   muitas   vezes   está   restrito   apenas   ao   setor   privado.  

Também   pressupõe   a   criação   de   novas   normas   do   mercado,   que   terão   por   objetivo   a  

não  exclusão  do  indivíduo  do  trabalho  contra  a  sua  vontade,  e  contextualiza  também  a  

temática   de   que   numa   empresa,   independente   do   tamanho,   todos   os   empregados  

devem   ter   direito   a   participação   dos   assuntos   empresariais   que   permeiam   a   empresa  

Após  esta  ideia  Singer  destaca  que  a  economia  solidária  propõe  o  fim  do  capital  e  da  

divisão  de  classes  que  acompanha  o  mesmo  (SINGER,  2004).      

Em   uma   entrevista   realizada   com   Singer   no   ano   de   2008,   o   mesmo   também  

retrata   a   autogestão,   que   seria   a   administração   da   empresa   feita   pelos   próprios  

funcionários,  em  empresas  menores  onde  não  haveria  diferenças  entre  as  atividades  e  

onde  todos  fariam  tudo,  já  em  comércios  maiores  deve  ser  nomeado  um  presidente  ou  

responsável,  porém  este  indivíduo  deve  obedecer  às  regras  e  normas  estabelecidas  pelo  

coletivo;  se  acaso  não  houver  o  cumprimento  destas  diretrizes  o  grupo  irá  substituí-­‐‑lo.  

E  por  fim  Paulo  Singer  define  economia  solidária  como  “um  modo  de  produção  que  se  

caracteriza   pela   igualdade.   Pela   igualdade   de   direitos,   os   meios   de   produção   são   de  

posse  coletiva  dos  que  trabalham  com  eles”  (SINGER,  2008).  A  seguir,  argumentamos  

os   motivos   que   tornam   importante   uma   “aliança”   entre   economia   solidária   e  

desenvolvimento  sustentável.    

4.  POR  QUÊ  É  NECESSÁRIA  UMA  LIGAÇÃO  ENTRE  ECONOMIA  SOLIDÁRIA  E  

DESENVOLVIMENTO  SUSTENTÁVEL?  

 
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
Tanto  o  desenvolvimento  sustentável  como  a  economia  solidária  demonstram  

dificuldades   na   materialização   de   seus   ideais   diante   de   aspectos   mais   abrangentes;  

suas   ideias   apenas   se   concretizam   em   locais   mais   específicos.   As   dificuldades   para  

efetivar  suas  propostas  estão  ligadas,  principalmente,  ao  poder  do  capital.    

No  que  diz  respeito  ao  desenvolvimento  sustentável  a  sua  concretização  deve  

propiciar   combinação   entre   a   economia   e   a   natureza,   dois   tipos   distintos   de  

racionalidade,   o   que   o   torna   de   certa   forma   delimitado   (JATOBÁ   et   al,   2009).   Já   na  

economia   solidária   é   necessário   que   haja   uma   mudança   cultural   significativa,   uma  

mutabilidade   nas   ações   e   comportamentos   das   pessoas,   nas   suas   visões   de   mundo  

relativas  à  solidariedade,  e  que  essas  mudanças  sejam  inseridas  no  cotidiano  (GADOTI,  

2009).   Ambos   os   modelos   possuem   suas   limitações,   porém   interligados   terão   maior  

facilidade   para   superar   as   dificuldades.   Estes   dois   sistemas   possuem   características  

similares  que  se  complementam,  o  que  torna  sua  união  mais  fácil  e  benéfica.  A  seguir  

destacamos   e   explicamos   estas   similaridades   existentes,   e   também   esclarecemos   os  

benefícios  desta  conexão.    

5.  PRINCÍPIOS  E  DIRETRIZES  COMPLEMENTARES        

A   economia   solidária   e   o   desenvolvimento   sustentável   possuem   diretrizes   e  

princípios   que   norteiam   ambos   os   modelos.   Com   base   na   Agenda   21   e   na   Carta   de  

Princípios   da   Economia   Solidária   feita   pelo   Fórum   Brasileiro   de   economia   solidária,  

destacamos  a  seguir  os  princípios  destes  documentos  que  se  complementam.  

Quadro  1:Princípios  da  economia  solidária  e  desenvolvimento  sustentável  

   
Economia  Solidária   Desenvolvimento  sustentável  
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
 
   
Um  poderoso  instrumento   Capacitação  dos  pobres  para  a  obtenção  
de  combate  à  exclusão  social  e  a  pobreza   de  meios  de  subsistência  sustentáveis  
 
   
Apresenta  alternativa  viável  para  a   Visa  à  geração  de  trabalho  e  renda  para  
geração  de  trabalho  e  renda     diminuição  da  pobreza  
 
   
Visa  como  eficiência  social,  à  qualidade   Proteção  e  promoção  das  condições  da  
de  vida  e  da  felicidade  de  seus  membros   saúde  humana  e  melhoria  na  qualidade  
  de  vida  
   
O  modelo  busca  uma  relação  de   Este  desenvolvimento  busca  uma  
intercâmbio  respeitoso  com  a  natureza   interação  das  dimensões  ambientais  e  
  econômicas  
   
 Busca  outra  qualidade  de  vida  e  de   Promover  padrões  de  consumo  e  
consumo   produção  que  reduzam  as  pressões  
  ambientais.    
 
   
Busca  a  satisfação  direta  das  necessidades   Atender  às  necessidades  básicas  da  
de  todos   humanidade  
 
Referências:  Agenda  21  (1992);  Carta:  princípios  da  economia  solidária  (  2003);    
Organização:  Oliveira  (2015);  
 

Com  este  quadro  fica  clara  a  complementação  dos  princípios  dos  respectivos  

modelos,   vale   ressaltar   que   foi   destacada   a   complementaridade   dos   princípios   e   não  

sua  igualdade.    

De  maneira  geral  pode-­‐‑se  observar  que  ambos  os  sistemas  tem  por  finalidade  

uma   melhor   relação   homem   natureza,   diminuição   da   pobreza,   melhor   qualidade   de  

vida,   atender   às   necessidades   básicas   das   pessoas,   promover   diferentes   padrões   de  

consumo   e   buscar   geração   de   renda   e   trabalho.   A   seguir,   partindo   das   concepções   de  

autores   que   trabalham   com   os   modelos,   retratamos   algumas   semelhanças   entre   os  

mesmos.      
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
 

6.  OBJETIVOS  E  IDEOLOGIAS  EM  COMUM  

Além   da   complementaridade   dos   princípios   podem-­‐‑se   enfatizar   também   as  

similitudes  das  doutrinas  preconizadas  por  alguns  autores.  Iniciamos  com  a  premissa  

de   Singer   (2004)   que   prima   por   um   desenvolvimento   solidário   que   propiciará  

atividades   econômicas   que   respeitem   o   meio   ambiente   e   que   fertilizem   condutas  

igualitárias,   sem   desprezar   a   produção   do   conhecimento   nem   a   modernização  

tecnológica,   mas   ambos   devem   estar   submissos   aos   preceitos   ambientais,   à   inclusão  

social   e   da   autogestão.   As   empresas   solidárias   muitas   vezes   optam   pela   proteção  

ambiental  e  o  bem-­‐‑estar  do  consumidor,  sendo  contra  aos  processos  que  impliquem  em  

degradação   ambiental   e   diminuição   da   saúde   populacional.   Esta   ideia   exposta   por  

Singer  demonstra  uma  grande  similaridade  com  os  pressupostos  sustentáveis.  

Singer   (2004)   afirma   que   a   economia   solidária   tem   propósitos   sociais   e   tem  

empregado  muitas  pessoas  e  as  incluindo  no  meio  social.  Neste  aspecto,  Sachs  (2004),  

um   dos   autores   mais   referenciados   no   paradigma   ‘desenvolvimento   sustentável’,  

ressalta  que  muitas  das  pessoas  pobres  estão  excluídas  do  desenvolvimento;  para  ele  o  

verdadeiro  desenvolvimento  deve  ser  includente  e  sustentável.  Ainda  no  pensamento  

de   Sachs   (2004),   não   se   deve   diminuir   a   pobreza,   mas   sim   acabar   com   ela   através   da  

inclusão   social   pelo   trabalho   para   que   ocorra   um   verdadeiro   desenvolvimento  

sustentável.    Nota-­‐‑se  novamente  o  cruzamento  de  ideias  dos  dois  sistemas.    

A   solidariedade   é   imprescindível   para   a   melhoria   de   qualquer   sociedade.   A  

solidariedade   entre   as   pessoas   com   menos   condições   financeiras   muitas   vezes   nasce  

naturalmente,   pois   a   maioria   tem   as   mesmas   necessidades   (SINGER,   2001).   Podemos  

fazer  uma  ponte  teórica  com  o  raciocínio  de  Sachs  (2004)  que  defende  que  os  conceitos,  

solidariedade,   igualdade   e   equidade   são   implícitos   ao   desenvolvimento,   e   reforça,  

parafraseando,   que   o   desenvolvimento   sustentável   requer   uma   solidariedade   das  

gerações  atuais  para  com  as  gerações  futuras.  O  termo  solidariedade  está  embutido  em  

ambos  os  moldes  apresentados.    


 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
Outra  pauta  que  permeia  esses  modelos  é  a  política;  Sachs  (2004)  nos  lembra  

que   em   um   desenvolvimento   includente   e   sustentável   precisa   de   diretos   civis   e  

políticos,   pois   a   democracia   se   sobressai   como   um   fator   fundamental   e   garante   a  

interface   necessária   para   o   procedimento   de   desenvolvimento.   Já   a   autora   Andion  

(2005)   enfatiza   que   em   determinadas   regiões   as   organizações   solidárias   são   medidas  

pela   contribuição   que   trazem   à   sociedade,   e   com   isso   acabam   atuando   nos   aspectos  

econômicos,  sociais  e  políticos.    

A   economia   solidária   englobou   o   desenvolvimento   sustentável   em   sua  

essência,   nas   palavras   de   Gadotti   (2009)   “Sustentabilidade   e   solidariedade   são   temas  

emergentes   e   convergentes”.   Com   frequência   a   economia   solidária   é   interligada   com  

desenvolvimento   sustentável,   como   foi   enfatizado,   por   exemplo,   pela   Carta   de  

Princípios  da  Economia  Solidária  do  Fórum  Brasileiro  de  Economia  Solidária:  

 A   economia   solidária   constitui   o   fundamento   de   uma   globalização  


humanizadora,   de   um   desenvolvimento   sustentável,   socialmente  
justo   e   voltado   para   a   satisfação   racional   das   necessidades   de   cada  
um   e   de   todos   os   cidadãos   da   Terra,   seguindo   um   caminho  
intergeracional  de  desenvolvimento  sustentável  na  qualidade  de  sua  
vida  (Carta  de  Princípios  da  economia  solidária).    
 
 
Gadotti  (2009)  explicita  sustentabilidade  como  o  bem  viver,  equilíbrio  entre  os  

homens  e  estes  com  o  meio  ambiente  e  respeito  à  vida.  A  sustentabilidade  deve  negar  o  

egoísmo,  injustiça  e  a  exploração  econômica.  E  tudo  isso  segundo  o  autor  são  objetivos  

também  da  economia  solidária.    

7.  BENEFÍCIOS  E  CONSEQUÊNCIAS  DESTA  ALIANÇA  

 
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
Como   acabou   de   ser   salientado,   desenvolvimento   sustentável   e   economia  

solidária  estão  bem  conectados  tanto  pelos  seus  princípios  como  pelos  seus  ideais.  As  

organizações   solidárias   atuam   em   distintos   setores   da   sociedade,   transportes,   lazer,  

educação,   saúde,   preservação   ambiental,   serviços   domésticos   entre   outros.   Estes  

diferentes  setores  têm  por  propósito  a  ampliação  de  benefícios  para  todos  (ANDION,  

2005).   Segundo   Andion   (2005)   as   empresas   de   faceta   solidária   possuem   um   caráter  

diferenciado  das  empresas  capitalistas;  no  capital  a  fidelidade  se  encontra  na  compra  e  

venda   de   produtos,   já   na   economia   solidária   a   importância   não   está   nos   grupos   ou  

atividades   econômicas,   mas   sim   no   relacionamento   social.   Com   estas   consequências  

derivadas   da   economia   solidária,   ficará   muito   mais   fácil   promover   um  

desenvolvimento  includente,  sustentável  e  sustentado  que  é  proposto  por  Sachs  (2004).  

É  interessante  citar  um  exemplo  dado  por  Singer  (2004)  que  retrata  a  união  de  

ambientalistas  e  agricultores  contra  a  produção  de  sementes  transgênicas  por  empresas  

multinacionais,   as   quais   obrigam   o   produtor   a   pagar   royalties   pelas   sementes   e,  

simultaneamente,   podem   causar   grande   impacto   na   biodiversidade   existente.   Esta  

união   demonstra   que   apesar   de   motivos   distintos   (os   ambientalistas   –   o   impacto   da  

transgenia  ao  meio-­‐‑ambiente  -­‐‑   e  os  agricultores,  o  pagamento  de  royalties)  pode  gerar  

uma  consequência  boa  para  ambos.  

A   economia   solidária   pressupõe   uma   desconcentração   da   riqueza   e   um  

mercado   solidário,   o   desenvolvimento   sustentável   prioriza   um   desenvolvimento  

socialmente   justo,   estas   concepções   propiciarão   um   aumento   da   riqueza   de   todos.    

Mance   (2000)   explica   que   ocorrendo   uma   maior   divisão   de   rendas,   mais   pessoas  

poderão   comprar   mercadorias   e   serviços,   e   quanto   mais   consumirem,   mais   empregos  

serão   gerados,   isto   é,   nas   palavras   de   Mance   “é   um   circulo   virtuoso   de   produção   e  

consumo”.   Porém,   vale   ressaltar   que   produção   e   consumo   devem   possuir   um   caráter  

sustentável,   pois   a   socialização   da   riqueza   juntamente   com   a   sustentabilidade   irá  

formar   um   desenvolvimento   socialmente   justo,   economicamente   viável   e  

ambientalmente   sustentável.   Uma   associação   entre   economia   solidária   e  


 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
desenvolvimento   sustentável   terá   por   consequência   “uma   ressignificação   positiva   do  

desenvolvimento  sustentável”  (GADOTTI,  2009).    

8.  CONSIDERAÇÕES  FINAIS  

Diante  das  diversas  crises  sociais,  ambientais  e  econômicas  presentes  em  nossa  

sociedade   contemporânea   é   importante   que   as   diferentes   forças   motrizes   que   lutam  

contra   estas   problemáticas   se   aliem   para   que   seus   objetivos   comuns   e   particulares   se  

concretizem.   A   aliança   entre   economia   solidária   e   desenvolvimento   sustentável   é  

imprescindível   para   uma   sociedade   mais   justa   e   igualitária,   pois   além   de   suas   várias  

complementaridades  e  objetivos  em  comum,  sua  união  trará  maior  eficácia  e  benefícios  

nas  suas  ações.  

   REFERÊNCIAS  
 
ANDION,   C.   A   Gestão   no   Campo   da   Economia   Solidária:   Particularidades   e  
Desafios.   2005.   Disponível   em:<   http://www.scielo.br/pdf/rac/v9n1/v9n1a05.pdf>  
Acesso  em:  03  fev.2015.    
 
AZAMBUJA,  L.  R.  Os  valores  da  Economia  Solidária.  Porto  Alegre,  2009.  Disponível  
em:<  http://www.scielo.br/pdf/soc/n21/12.pdf>  Acesso  em:  01  fev.2015.  
 
AGENDA   21.   Disponível   em:<  
http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/agenda21.pdf>  Acesso  em:  01  fev.2015.    
 
COMISSÃO,   M.   S.   M.   A.   D.   Nosso   Futuro   Comum.   2.   ed.   Rio   de   Janeiro:   Fundação  
Getúlio  Vargas,  1991.  
 
FORUM   BRASILEIRO   DE   ECONOMIA   SOLIDÁRIS.   Disponível   em:<  
http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_frontpage&Itemid=1>   Acesso   em:   02  
fev.2015.    
 
GADOTTI,   M.   Economia   Solidária   como   Práxis   Pedagógica.   São   Paulo.   Editora   e  
Livraria  Paulo  Freire.  2009.  
 
 
 
Revista  VITAS  –  Visões  Transdisciplinares  sobre  Ambiente  e  Sociedade  –    
www.uff.br/revistavitas  ISSN  2238-­‐‑1627,  Ano  V,  Nº  11,  setembro  de  2015    
   
 
JATOBÁ,   S.U.S.   et   al.   Ecologismo,   Ambientalismo   e   Ecologia   Política:   diferentes  
visões  da  sustentabilidade  e  do  território.  Sociedade  e  Estado,  Brasília.  Brasília,  2009.  
Disponível   em:<   http://www.scielo.br/pdf/se/v24n1/a04v24n1.pdf>   Acesso   em:   14   de  
fev.  2015.  
 
MANCE,  E,  A.  Rede  de  Colaboração  Solidária.  Curitiba.  2000.    
 
PHILIPPI,  A;  PELICIONI,  M.  C.  F.  Educação  Ambiental  e  Sustentabilidade.  1.  ed.    São  
Paulo:  Manole,  2005.    
 
SEIFFERT,   M.   E.   B.   Gestão   Ambiental:   instrumentos,   esferas   de   ação   e   educação  
ambiental.  São  Paulo:  Atlas,  2007.  
 
SINGER,   P.   Entrevista.   2008.   Disponível   em:<  
http://www.scielo.br/pdf/ea/v22n62/a20v2262.pdf>  Acesso  em:  02  fev.2015.    

SINGER,   P.   Desenvolvimento   Capitalista   e   Desenvolvimento   solidário.   2004.    


Disponível   em:<   http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n51/a01v1851>   Acesso   em:   01  
fev.2015.    

SINGER,   P.   Economia   solidária   versus   economia   capitalista.   2001.   Disponível   em:   <  
http://www.scielo.br/pdf/se/v16n1-­‐‑2/v16n1-­‐‑2a05.pdf>  Acesso  em  23/02/15.  
 
SACHS,   I.   Desenvolvimento   includente,   sustentável   e   sustentado.   Rio   de   Janeiro.  

Garamond.  2004.